Você está na página 1de 10
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL E DESENVOLVIMENTO ENDÓGENO:

UMA APRESENTAÇÃO DO APL DE TURISMO NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE ALAGOAS

Renata Reis Barreto (UFPE) rrbarreto@hotmail.com Emanuelle de Sales Oliveira (UFPE) sales_emanuelle@hotmail.com Abraham Benzaquen Sicsú (UFPE) sicsu@fundaj.gov.br

Com base nas profundas e crescentes transformações trazidas pelo processo de globalização, assim como o declínio de regiões altamente industrializadas, o surgimento de regiões com novos paradigmas industriais, a abertura das economias nacioonais e as mudanças significativas no modo de produção e organização industrial; o presente estudo se propõe a discutir sobre os novos mecanismos capazes de atender aos desafios propostos pela nova teoria de crescimento econômico. A substituição do desenvolvimento exógeno pelo desenvolvimento endógeno, preocupado com a questão das potencialidades locais, resultou na necessidade de abordar novas maneiras para que grupos de empresas e outras instituições possam alavancar o desenvolvimento regional. Nesse sentido, os aglomerados de empresa, em especial os arranjos produtivos locais, aparecem como grandes alternativas para o desenvolvimento endógeno. Apenas para demonstrar como os arranjos produtivos localizados podem contribuir para o desenvolvimento regional e endógeno, foi apresentado o caso do APL Costa dos Corais (arranjo produtivo do turismo no litoral norte do estado de Alagoas). Esse arranjo surgiu a partir das potencialidades locais, através do envolvimento de diversos atores de instituições públicas e privadas e em quase dois anos de existência já apresenta bons resultado.

Palavras-chaves:

Local; Turismo.

Desenvolvimento

Endógeno;

Arranjo

Produtivo

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

1. Introdução

O processo de globalização trouxe crescentes e profundas transformações no cenário socioeconômico dos países. Mudanças importantes no sistema produtivo mundial revelaram a necessidade de tratar a questão regional, mais especificamente, o desenvolvimento de regiões periféricas e a mobilização da economia local.

O que se pode observar é o surgimento de novos paradigmas no que se refere à questão do

desenvolvimento regional. Antes esse desenvolvimento era pensado de cima para baixo onde

se introduziam grandes projetos estruturantes em regiões desfavorecidas, a exemplo dos pólos de desenvolvimento e os complexos industriais. Agora, com a perspectiva de desenvolvimento endógeno, o novo modelo de desenvolvimento é realizado de baixo para cima, ou seja, parte das potencialidades dos próprios atores locais. (AMARAL FILHO, 1996)

Segundo Sicsú e Lima (2000) o desenvolvimento de regiões periféricas tem sido discutido por muitos estudiosos os quais tentam teorizar sobre processos (mecanismos) que podem de alguma maneira não somente explicar, mas estimular o crescimento de regiões com baixo grau de dinamismo.

Ao se questionar sobre esses mecanismos, os aglomerados de empresas aparecem como uma alternativa de promoção do desenvolvimento regional e endógeno. Dentre os diversos tipos de aglomerados estão os distritos industriais, clusters e arranjos produtivos locais. Estas abordagens apresentam características próprias e heterogêneas, mas de modo geral enfocam grupos de empresas em torno de atividades afins dentro de um mesmo espaço geográfico.

Nesse sentido, o presente artigo pretende discutir como os aglomerados de empresas, em

especial os arranjos produtivos locais, podem contribuir para o desenvolvimento de regiões menos favorecidas a partir de fatores endógenos. Em um último momento, será apresentado o arranjo produtivo de turismo no litoral norte de Alagoas. O turismo nesse estado é considerado como uma atividade de grande potencial econômico e o arranjo, denominado como APL Costa dos Corais, é visto como uma alternativa para o desenvolvimento endógeno

da

região marcada por grandes diferenças sociais.

2.

Desenvolvimento regional e endógeno

Muito se tem discutido em torno do tema desenvolvimento regional. Segundo Costa e Garcia (2005) essas discussões surgiram a partir da busca de eqüidade entre as regiões e ocorrem tanto em países periféricos como em países centrais. Além da eqüidade, Costa e Cunha (2002) acrescentam a preocupação com a preservação do meio-ambiente, a participação da população, a melhoria da qualidade de vida e a democratização como os fatores que contemplam o novo modelo de desenvolvimento.

Este novo modelo parte das potencialidades socioeconômicas do local e realiza o desenvolvimento de baixo para cima o que se contrapõem às formulações tradicionais onde o desenvolvimento era pensado em termos nacionais partindo de cima para baixo e desconsiderando os interesses de grupos políticos regionais ou locais. Pela ótica da teoria macroeconômica do desenvolvimento a teoria tradicional do crescimento considerava apenas fatores exógenos na determinação do crescimento onde o volume de produção era determinado por dois fatores: capital e trabalho. Na nova teoria do crescimento são considerados fatores endógenos como: conhecimento, informação, capital humano, pesquisa e desenvolvimento, etc. (AMARAL FILHO, 1996)

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

O declínio de regiões altamente industrializadas juntamente com o surgimento de regiões com

novos paradigmas industriais, a globalização, a abertura das economias nacionais e as mudanças significativas no modo de produção e organização industrial são alguns dos fatores

que contribuíram para as transformações das teorias de desenvolvimento regional. Para Amaral Filho (2001) a economia regional deixou de exercer um papel secundário na ciência econômica e passou a representar um papel ativo tanto no que se refere às decisões tomadas em relação ao seu destino como a utilização de seus próprios recursos.

Dessa forma, um dos principais desafios desse novo contexto é a incorporação dos atores locais no processo de desenvolvimento regional sem, ao mesmo tempo, negligenciar o importante papel dos governos centrais. Torna-se necessário superar a forma centralizadora de tomada de decisões e estabelecer sistemas de cooperação que considerem tanto as diferenças entre as regiões como as preferências dos grupos sociais envolvidos. Essas preocupações são fundamentais para o alcance da eficiência, eficácia e efetividade de qualquer projeto de desenvolvimento local. (COSTA e CUNHA, 2002)

Falar em desenvolvimento regional significa estar atento ao desenvolvimento endógeno de determinada localização, valorizando o cenário e as potencialidades locais para que se possa investir em atividades de base local.

Amaral Filho (2001:265) define desenvolvimento endógeno “como um processo de crescimento econômico que implica uma contínua ampliação da capacidade de agregação de valor sobre a produção, bem como da capacidade de absorção da região, cujo desdobramento é a retenção do excedente econômico gerado na economia local e/ou a atração de excedentes provenientes de outras regiões. Esse processo tem como resultado a ampliação do emprego, do produto e da renda do local ou da região.”

Nessa mesma linha de raciocínio Haddad (1989) descreve que a concepção e a implementação do processo de desenvolvimento endógeno parte da capacidade de mobilização social e política de determinada comunidade de uma localidade ou região.

Apesar de existirem diversas abordagens importantes que envolvem a questão do desenvolvimento regional e endógeno, a intenção deste trabalho não está voltada para a discussão sobre esse tema em si, mas para os mecanismos que podem de alguma maneira alavancar o desenvolvimento de uma região aumentando a competitividade e a capacidade de organização das empresas de determinado local.

Nesse sentido, Sicsú e Lima (2000) defendem que os pólos econômicos de base local, caracterizados por atividades econômicas já existentes há um tempo em determinada região, podem ser considerados como uma alternativa criativa para a promoção do desenvolvimento local em estados menos favorecidos em relação a orçamentos e externalidades.

3. Aglomerados de empresas

Os estudos sobre aglomerados de empresa deram um grande salto a partir dos trabalhos desenvolvidos por Michael Porter (1999). Ao buscar desenvolver uma teoria sobre competitividade nacional, estadual e local; em seu trabalho chamado ‘A vantagem competitiva das nações’, o conceito de aglomerados ganhou um papel de destaque como meio de obter vantagem competitividade. Para o autor o conceito de aglomerado se traduz como um agrupamento geograficamente concentrado de empresas inter-relacionadas e instituições correlatas numa determinada área, vinculadas por elementos comuns e complementares.

O mesmo autor ao definir o termo ainda relaciona a busca da competitividade com o conceito

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

de sinergia quando afirma que a inter-relação entre as empresas e instituições componentes do

sistema resulta em um todo que é maior que a soma das partes.

Dessa forma, pode-se afirmar que a competitividade está associada à idéia de aglomerações de empresas dentro de um determinado espaço geográfico. Podem ser apontados como exemplos de sucessos em relação ao ganho de competitividade a partir de aglomerações o Vale do Silício e a Terceira Itália. Apesar desses exemplos representarem experiências de países desenvolvidos, a abordagem de aglomerados para elevar a competitividade das empresas também tem sido difundida nos países em desenvolvimento. (CASSIOLATO e SZAPIRO, 2003). Entretanto, Porter (1999) argumenta que os aglomerados nas economias avançadas possuem uma profundidade e amplitude maior, o que os tornam mais visíveis em comparação aos aglomerados de economias menos favorecidas. O mesmo autor defende que um dos passos para que haja evolução econômica nos países em desenvolvimento é o desenvolvimento de aglomerados que funcionem bem nessas regiões.

A partir das definições de aglomerados fica claro que o foco de análise em empresas

individuais não é mais o suficiente para entender os fatores que aumentam o desempenho competitivo das empresas. É necessário investigar as relações tanto entre as firmas como entre

estas e as demais instituições dentro de uma determinada região. (CASSIOLATO e SZAPIRO, 2002). De acordo com Correia e Lins (2003) as empresas integrantes do cluster possuem como vantagem sobre as empresas que atuam isoladas a alta capacidade de desenvolver habilidades, eficiência coletiva e competitividade. Esses pensamentos corroboram com Porter (1999) ao discutir que os aglomerados nas economias estão predominando no lugar de empresas e setores isolados.

De fato, os aglomerados são tomados como objeto de estudo ao tentar explicar o processo de desenvolvimento de uma região bem como meio de obter vantagem competitiva no novo cenário econômico resultado das mudanças trazidas pela globalização. Os aglomerados são representados por clusters, distritos industriais e arranjos produtivos locais. Este último foi definido pela Redesist (2005) como aglomerações territoriais de empresas e instituições públicas e privadas voltadas para um conjunto específico de atividades econômicas afins, mesmo que esse vínculo seja ainda que incipiente.

3.1 Arranjos produtivos como meio de desenvolvimento endógeno

Nas décadas de 70 e 80 o desenvolvimento de regiões menos favorecidas era baseado em grandes projetos de investimentos a exemplo dos pólos de desenvolvimento de Perroux e os complexos industriais. Acreditava-se que com a implantação de grandes empreendimentos, os quais seriam atraídos pela concessão de variados e custosos benefícios fiscais, as empresas âncoras iriam arrastar as outras empresas ao redor em direção ao desenvolvimento. (SICSÚ, LIMA e SILVA, 2006). Esse efeito promovido pelos pólos de desenvolvimento é denominado por Haddad (1989) como “efeitos de arrasto” onde as empresas motrizes e dinâmicas desse pólo são capazes de introduzir transformações na sua área. Além disso, os pólos de desenvolvimento estão associados a projetos que envolvem grandes investimentos em uma determinada localização geográfica, além de apresentar fortes vínculos políticos, sociais, econômicos e institucionais dentro da sua área de influência.

A experiência de pólos de desenvolvimento no Brasil deu-se por volta dos anos 50 até os anos 70, como estratégias de promover o desenvolvimento de regiões periféricas, por meio do Plano de Metas e do II Plano Nacional de Desenvolvimento. Sicsú, Lima e Silva (2006) acrescentam ainda a política de desenvolvimento regional nas regiões Norte e Nordeste promovida pela Sudam e Sudene respectivamente. Pode-se apontar como grandes projetos de

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

pólos de desenvolvimento e complexos industriais implantados ou em fase de consolidação no nordeste brasileiro: o complexo petroquímico de Camaçari na Bahia; o pólo cloroquímico de Alagoas; o complexo químico-metalúrgico do Rio Grande do Norte; o complexo industrial integrado de base do Sergipe, entre outros.

Segundo Sicsú, Lima e Silva (2006) tais projetos trouxeram alguns resultados concretos, a exemplo da ampliação da estrutura produtiva, mas por outro lado, questões sociais e até mesmo econômicas ficaram a desejar, além dos altos custos que eram exigidos para a implantação e manutenção desses projetos. Haddad (1989) aponta os impactos regionais e locais negativos como motivo de críticas ao sistema de pólos de desenvolvimento.

Diante disso, tornou-se necessário o desenvolvimento de mecanismos mais articulados com a base econômica local e preocupados com questões sociais e locais como a melhor distribuição de renda, controle dos impactos ambientais gerados pelas atividades econômicas do aglomerado e maior participação do setor privado. Ou seja, as estratégias dos pólos de desenvolvimento não conseguem atender ao novo paradigma do desenvolvimento econômico.

Nesse sentido, Lastres e Cassiolato (2003) destacam os arranjos produtivos como os mecanismos ideais para satisfazer as necessidades do novo modelo de desenvolvimento. Para os autores arranjos produtivos são sistemas produtivos e inovativos locais detentores de fatores como interação, cooperação e aprendizagem. Esses fatores quando bem articulados são capazes de potencializar a capacidade inovativa endógena, gerando competitividade e desenvolvimento local.

4. APL de turismo no litoral norte do estado de Alagoas

4.1 Caracterização do setor de turismo no Brasil e em Alagoas

O turismo é uma das atividades que mais cresce no país e que assume um papel de grande

importância para o desenvolvimento do mesmo. Em uma tentativa de definir o termo Cooper

et al. (2001) argumentam que é difícil encontrar uma base de coerência conceitual devido à

complexidade que envolve o turismo, além da imaturidade que apresenta como campo de estudo. Mesmo assim, esses autores afirmam que o turismo pode ser pensado como a combinação de um conjunto amplo de entidades – indivíduos, organizações, empresas e lugares – que realizam uma experiência de viagem.

Atividade econômica do setor de serviços, o turismo, segundo dados da Setur (2006) e da Embratur (2001), apresentou em termos internacionais um crescimento médio anual de 4,4% no período de 1975 a 2000, enquanto o crescimento mundial médio no mesmo período, medido pelo PIB, foi de 3,5% ao ano. No período de 1995 a 2005 as chegadas internacionais em todo mundo apresentou um crescimento de 50%, enquanto no Brasil estes números cresceram em uma ordem de 170%. Com relação à geração de empregos, em torno de 6 a 8% do total de empregos gerados no mundo dependem do turismo.

Conhecida por suas belezas naturais, Alagoas têm o turismo como uma das atividades

potenciais do Estado. De acordo com dados da Secretaria Executiva de Turismo (2006) a taxa

de ocupação hoteleira no estado foi de 82,2% no primeiro trimestre de 2006 contra 76,4% em

2005, o que representa um acréscimo de 7,59%.

Ao observar os números que envolvem o turismo fica claro a importância econômica da indústria turística e seus impactos significativos sobre o setor terciário, a população e os ambientes. Para Cooper et al. (2001) o turismo representa uma atividade econômica, que se bem gerenciada, pode ser considerada uma alternativa para a realização dos objetivos de

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

desenvolvimento que tem como preocupações a sustentabilidade ambiental, redução das desigualdades regionais e sociais, além da criação de postos de trabalho e a geração e distribuição de renda. Todos esses fatores possibilitam a efetiva descentralização do país no que se refere ao desenvolvimento.

4.2 Contextualização do APL Costa dos Corais

Diante do que foi exposto pode-se pensar o turismo como uma atividade potencial para o desenvolvimento regional de forma endógena. No caso de Alagoas, a concepção de arranjos produtivos locais foi o mecanismo adotado como alternativa para esse tipo de desenvolvimento no setor de turismo. Nesse sentido, foram concebidos dois arranjos produtivos locais no segmento turístico: APL das Lagoas e o APL Costa dos Corais, arranjos preocupados com o desenvolvimento da atividade nos litorais sul e norte do estado respectivamente. Vale ressaltar que o presente artigo irá abordar apenas o arranjo que envolve o litoral norte.

Constituído por oito municípios – Paripueira, Barra de Santo Antonio, Passo de Camaragibe, São Miguel dos Milagres, Porto de Pedras, Japaratinga, Maragogi e Porto Calvo - o litoral norte de Alagoas apresenta uma realidade não muito distante dos demais municípios do estado. A região é marcada por grandes problemas econômicos e sociais, a exemplo do baixo índice de desenvolvimento humano (IDH) como mostra o Quadro 1.

Como pode ser observado o Índice de Desenvolvimento Humano da região é baixo e gera em torno de 0,590. Esse valor é mais baixo do que o do próprio estado que é de 0,633 o qual representa o menor índice de IDH do país segundo dados do censo IBGE (2000). As principais atividades entre os municípios desenvolvem-se, em geral, dentro de um mesmo contexto onde o turismo aparece como atividade principal em todos os municípios. Isso se deve ao fato da região abranger uma área litorânea de aproximadamente 1430km 2 caracterizada por belas praias com seus recifes de coral e piscinas naturais.

Municípios

Área

População

IDH médio

Principais atividades

Paripueira

93km 2

8.049

0,617

Apicultura, Laticínio, Ovinocaprinocultura e Turismo

Barra de Santo Antonio

138km 2

11.351

0,594

Mandioca, Laticínio e Turismo

Passo de Camaragibe

187km 2

13.755

0,563

Apicultura, Mandioca, Laticínio, Ovinocaprinocultura e Turismo

São Miguel dos Milagres

65km 2

5.860

0,621

Mandioca e Turismo

Porto de Pedras

266km 2

10.238

0,499

Mandioca, Ovinocaprinocultura e Turismo

Japaratinga

85km 2

6.868

0,613

Apicultura, Mandioca, Ovinocaprinocultura e Turismo

Maragogi

334km 2

21.832

0,619

Apicultura, Mandioca, Ovinocaprinocultura e Turismo

Porto Calvo

260km 2

23.951

0,599

Apicultura, Mandioca, Ovinocaprinocultura e Turismo

Fonte: IBGE (Censo 2000) e Sebrae/AL (2006)

Quadro 1 – Descrição da área, população, IDH médio e principais atividades referentes aos oito municípios

O APL de turismo Costa dos Corais é resultado do Programa de Mobilização para o Desenvolvimento dos Arranjos e Territórios Produtivos Locais do Estado de Alagoas (PAPL) implantado em agosto de 2004 pelo governo do Estado, por meio da Secretaria Executiva de

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

Planejamento e Orçamento (Seplan), e pelo Sebrae local, juntamente com parceria de instituições públicas e privadas. O principal objetivo do programa é mobilizar ações coletivas no sentido de estimular processos locais de desenvolvimento, gerando renda e emprego na região e, ao mesmo tempo, garantir competitividade e sustentabilidade aos micro e pequenos negócios. (SEBRAE/AL, 2006)

O programa atua em dez Apl’s distribuídos em três segmentos, agronegócios, indústria e serviços. São 62 municípios envolvidos e mais de 27 mil produtores. Contas ainda com a parceria de 60 instituições, dentre elas estão os agentes financeiros como o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Nordeste.

De acordo com o Plano de Ação do APL elaborado pela Seplan (2004), as potencialidades locais estão representadas não só pelos belos recursos naturais como também pelas hospedagens oferecidas (com o maior resort do estado), gastronomia variada (mais de 60 estabelecimentos entre bares e restaurantes) e cultura (grandes artesãos). No entanto, o plano também apresenta os muitos problemas identificados na região no que se refere à tecnologia, capacitação, gestão, promoção e marketing, financeiro e infra-estrutura (especializada e pública). Paralelamente são apresentadas as ações a serem aplicadas em cada situação.

Para uma melhor compreensão do caso aqui apresentado, o Quadro 2 demonstra de forma resumida as principais variáveis abordadas no plano de ação do APL Costa dos Corais.

Público Alvo: Micros e pequenos empresários e empreendedores, formais e informais que atuam no setor Turístico da Região. Serão beneficiados 300 empresários ligados às atividades turísticas e 150 artesãos.

Objetivo: Transformar a região do Litoral Norte de Alagoas em um destino turístico consolidado e sustentável.

Foco Estratégico: Preservação dos meios naturais; expansão e melhoria no meio artificial (sistema viário,

hospedagem, alimentação, comunicação, serviços públicos, etc

);

formação profissional; sensibilização

da comunidade para a importância do turismo; estratégias de marketing, (seleção do mercado, posicionamento, linhas de produto).

Premissas: Observância das diretrizes do Plano Nacional de Turismo; observância das diretrizes do Plano Estadual de Turismo; correta aplicação da legislação ambiental; busca da sinergia entre o poder público, a iniciativa privada e as entidades de classe.

Identificação dos principais problemas e desenvolvimento de ações nas seguintes áreas: Tecnologia, marketing, infra-estrutura, financeira, capacitação e gestão.

Atores envolvidos: proprietários de pousadas, hotéis, bares, restaurantes e comércios locais; associação dos artesãos; Projeto Integrado Ação e Cidadania; ASSAMAL; SEBRAE-AL; Associação comercial de Porto Calvo; Secretaria Executiva de Turismo; Secretaria de Meio Ambiente; Secretaria Executiva de Agricultura; Centro de ensino superior de Maceió; Prefeitura dos municípios; Projetos Recifes Costeiros; Propriedade rural; Caixa Econômica Federal; Secretaria de Planejamento e Orçamento.

Fonte: Plano de Ação do APL Costa dos Corais (2004), adaptado pelos autores.

Quadro 2 – Resumo das variáveis abordadas no Plano de Ação do APL Costa dos Corais

4.2.1 Principais resultados alcançados

Em quase dois anos de existência, o Arranjo Produtivo Local Costa dos Corais já apresentou resultados significativos. O ano de 2005 foi marcado pelo alto volume de ações desenvolvidas e pela presença de todos os parceiros segundo o Serviço Brasileiro de apoio a micro e pequenas empresas de Alagoas (SEBRAE/AL, 2006).

Segue abaixo as principais ações e resultados alcançados pelo APL até o momento, segundo o Sebrae/Al (2006):

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

O arranjo conseguiu envolver 643 empreendedores, 8 municípios, uma associação de empresários com 51 associados e cinco associações de artesãos. Promoção e participação em um total de 68 eventos os quais envolveram 2.516 participantes. Esse fator foi fundamental para a divulgação do turismo desenvolvido no litoral norte, além de promover o artesanato ali desenvolvido. Criação do centro de informações turísticas no município de Maragogi, apresentando as atrações e os passeios oferecidos na região. Projeto Funcred por meio do apoio do Banco Cidadão para o artesanato local. Desenvolvimento e promoção de roteiros integrados nos oito municípios que compõem o arranjo. Início do processo de negociação para licenciamento ambiental. Realização de pesquisa de mercado em sete estados brasileiros (Alagoas, Pernambuco, Sergipe, São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Goiás) Participação dos empresários na BNTM (Brazil National Tourism Mart). Considerada uma das mais importantes bolsas de negócios de turismo do país, a BTM é promovida pela Fundação Comissão de Turismo Integrado do Nordeste. Seu principal objetivo é estimular o turismo internacional no Brasil, em especial no nordeste. Esse evento possibilitou a apresentação dos diversos destinos turísticos do litoral norte, bem como os produtos e serviços oferecidos. Participação no II Salão Brasileiro de Turismo Melhoria da qualidade do artesanato Fortalecimento das associações de artesãos.

Também pode ser observado um maior desenvolvimento quanto à qualificação dos profissionais e empresários da região. Nesse sentido, a parceria desenvolvida com o Senac Alagoas foi de fundamental importância para a capacitação de mão-de-obra. Por meio da unidade móvel foi possível desenvolver, no município de Maragogi, cursos de garçom, governança hoteleira, serviços de atendimento em bares e restaurantes, cozinheiro auxiliar de restaurante, informante turístico e reciclagem de resíduos sólidos. No total foram mais de 200 beneficiados em toda região.

5. Conclusões

O presente artigo representou uma tentativa de discutir como os aglomerados de empresas, em especial os arranjos produtivos locais, podem ser considerados como mecanismos capazes de promover o desenvolvimento regional e endógeno de regiões com baixo dinamismo.

Para isso, em primeiro lugar foi discutido sobre as mudanças do paradigma de desenvolvimento trazidas pelo processo de globalização da economia. Até a década de 80 o desenvolvimento de uma região era pensado de forma exógena, ou melhor, eram considerados apenas fatores de natureza externa totalmente fora do controle local. Nesse contexto, os pólos de desenvolvimento foram os mecanismos adotados para alavancar o desenvolvimento de regiões menos favorecidas por meio de grandes projetos de investimentos. No Brasil esse mecanismo está representado pelo Plano de Metas, pelo II Plano Nacional de Desenvolvimento, além das políticas de desenvolvimento regional nas regiões Norte e Nordeste. Embora os pólos de desenvolvimento tenham trazidos alguns benefícios, o que se pôde verificar foi uma oposição às exigências e desafios trazidos pelo novo modelo de desenvolvimento: o desenvolvimento regional e endógeno.

Esse novo modelo parte das potencialidades socioeconômicas do local (movimento de baixo

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

para cima) e considera fatores como conhecimento, informação, capital humano, pesquisa e desenvolvimento, fundamentais no processo de desenvolvimento regional. Surge então, a necessidade de abordar mecanismos contrários aos conceitos de pólos de desenvolvimento.

Nesse sentido, os aglomerados de empresas aparecem como os mecanismos mais adequados para atender aos desafios proposto pelo novo contexto de desenvolvimento regional nos quais os arranjos produtivos locais podem ser considerados como um tipo de aglomerado capaz de promover o desenvolvimento endógeno, já que constituem em um conjunto de empresas e instituições dentro de um determinado espaço com o objetivo de aumentar a participação e desenvolvimento da região a partir das potencialidades locais e da articulação de diversos atores.

Em relação ao caso aqui apresentado pode-se afirmar que o Arranjo Produtivo de Turismo Costa dos Corais no litoral norte do estado de Alagoas pode ser considerado um aglomerado com todo o potencial necessário para alavancar a economia daquela região de maneira endógena. Com a participação de diversos atores tanto de setores públicos como privados, o arranjo parte da potencialidade do local traduzida pela atividade turística e tem como preocupações a redução das diferenças sociais e a promoção do desenvolvimento local.

Diante do exposto se reconhece que o arranjo produtivo local do segmento turístico no litoral norte de Alagoas, APL Costa dos Corais, pode ser abordado como objeto de estudos futuros que englobem a questão do aglomerado como uma maneira nova e complementar de compreender o novo modelo de desenvolvimento regional baseado em fatores endógenos.

Referências

AMARAL FILHO, J. Desenvolvimento regional endógeno em um ambiente federalista. Planejamento e Políticas Públicas. n. 14, p. 35-70, dez. 1996.

AMARAL FILHO, J. A endogeneização no desenvolvimento econômico regional e local. Planejamento e Políticas Públicas. n. 23, p. 261-286, jun. 2001.

BRASIL. Instituto brasileiro de geografia e estatística. Censo 2000. Brasília: IBGE, 2000. Disponível em:

<http://www.ibge.gov.br/censo/>. Acesso em: 01 jul. 2006.

BRASIL. Embratur. Anuário estatístico EMBRATUR. Brasília: EMBRATUR, 2001. 156 p. Disponível em:

<http://200.189.169.141/site/arquivos/dados_fatos/Anuario/Anuario2001%20.pdf >. Acesso em: 02 jul. 2006.

BRASIL. Secretaria executiva de planejamento e orçamento. Plano de Ação: APL Turismo Costa dos Corais. Programa de mobilização para o desenvolvimento dos arranjos e territórios produtivos locais do estado de Alagoas. Alagoas: SEPLAN, 2004. 52 p.

BRASIL. Ministério do turismo. Secretaria executiva do turismo. Livreto Turismo no Brasil 2007 - 2010. Brasília: SETUR, 2006. 133 p. Disponível em: <http://institucional.turismo.gov.br>. Acesso em: 17 jul. 2006.

CASSIOLATO, J. E. & SZAPIRO, M. Arranjos e sistemas produtivos inovativos locais no Brasil. Rio de Janeiro: Redesist, 2002. Disponível em: < http://www.ie.ufrj.br/redesist/>. Acesso em: 27 jun. 2006.

CASSIOLATO, J. E. & SZAPIRO, M. Uma caracterização de arranjos produtivos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará Editora, 2003. cap. 2.

COOPER, C., et al. Turismo: princípios e práticas. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. cap.1.

CORREIA, P. C. & LINS, H. N. Clusters: a união de pequenas e médias empresas como elemento facilitador

do crescimento econômico. In: II ECOPAR., v. 2, 2003, Maringá. Anais UNIOESTE-IPARDES, 2003, p. 275- 288.

COSTA, F. L. & CUNHA, A. P. G. Pensar o desenvolvimento a partir do local: novo desafio para os gestores

Maringá: UEM-UEL-UEPG-

Lisboa: CLAD, 2002. Disponível em

<http://unpan1.un.org/intradoc/groups/public/documents/CLAD/clad0044418.pdf.>. Acesso em: 25 jun. 2006.

públicos. Lisboa. Anais eletrônicos

Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

Congreso Internacional del clad sobre la reforma del estado y de la administración pública

COSTA, A. J. D. & GARCIA, J. R. Sistemas produtivos locais: uma revisão da literatura. In: II SEMINÁRIO

DE GESTÃO DE NEGÓCIOS DE UNIFAE, v. 1, p. 1-13, 2005, Curitiba. Anais eletrônicos UNIFAE, 2005. Disponível em: <http://www.fae.edu/publicacoes/pdf>. Acesso em: 28 jun. 2006. 20 p.

Curitiba:

HADDAD, P. R. A organização dos sistemas produtivos locais como prática de desenvolvimento endógeno. Teorias e Métodos de Análise. BNB, Fortaleza, 1989 cap. 10.

LASTRES, H. M. M. & CASSIOLATO, J. E. Novas políticas na área do conhecimento: o foco em arranjos produtivos e inovativos locais. Revista parcerias estratégicas. Brasília, n. 17, p. 5-29, set. 2003.

PORTER, M. E. On competition: estratégias competitivas essenciais. 10. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

REDESIST. Arranjos produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro: REDESIST, 2005. Disponível em:

<http://www.redesist.ie.ufrj.br>. Acesso em: 27 jun. 2006.

SEBRAE - ALAGOAS. Arranjos produtivos locais em Alagoas. Alagoas: SEBRAE/AL, 2006. Disponível em:

< http://www.al.sebrae.com.br/>. Acesso em: 22 jun. 2006.

SICSÚ, A. B. & LIMA, J. P. R. Desenvolvimento regional e pólos de base local: reflexões e estudos de caso. In: Inovação e região. Recife: Unicap, 2000. p. 93-126.

SICSÚ, A. B.; LIMA, J. P. R. & SILVA, G. V. Novas lógicas do planejamento regional e a valorização do local: estudos de casos em Alagoas e Pernambuco. A ser publicado no livro da UFS, Sergipe: 2006.