Você está na página 1de 30

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Introdução  Seleção e Classificação de Materiais  Classificação Tradicional 

Introdução

Seleção e Classificação de Materiais

Classificação Tradicional

Outras classificações

Márcia Rocha

Seleção de Materiais Ciência dos Materiais Márcia Rocha
Seleção de Materiais Ciência dos Materiais Márcia Rocha

Seleção de Materiais

Seleção de Materiais Ciência dos Materiais Márcia Rocha
Ciência dos Materiais
Ciência dos Materiais
Seleção de Materiais Ciência dos Materiais Márcia Rocha

Márcia Rocha

Composição – Processamento – Estrutura - Propriedade  As amostras de óxido de alumínio (Al
Composição – Processamento – Estrutura - Propriedade  As amostras de óxido de alumínio (Al

Composição – Processamento – Estrutura - Propriedade

Composição – Processamento – Estrutura - Propriedade  As amostras de óxido de alumínio (Al 2

As amostras de óxido de alumínio (Al 2 O 3 ), abaixo foram

obtidas por três diferentes processamentos.

Material policristalino e altamente denso (sem poros).Translúcido Material Material policristalino monocristalino
Material policristalino e
altamente denso (sem
poros).Translúcido
Material
Material policristalino
monocristalino
com ~5% de
(safira) .
porosidade. Opaco
Transparente
Ciência dos Materiais

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Composição – Processamento – Estrutura - Propriedade  As três estruturas das três
Ciência dos Materiais Composição – Processamento – Estrutura - Propriedade  As três estruturas das três

Composição – Processamento – Estrutura - Propriedade

Composição – Processamento – Estrutura - Propriedade  As três estruturas das três amostras são diferentes

As três estruturas das três amostras são diferentes em

termos das fronteiras entre os cristais e poros, o que afeta as

propriedades de transmitância ótica.

Monocristal (transparente): monocristal altamente perfeito

Policristal denso (translúcido): Composto por inúmeros

monocristais muito pequenos, todos conectados entre si; as fronteiras

entre estes pequenos cristais (contornos de grão) espalham uma

fração da luz refletida o que torna o material translúcido.

Policristal poroso (opaco): Muitos pequenos cristais interligados

com grande número de poros. Estes poros também espalham de

maneira efetiva a luz refletida tornando o material opaco.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Estrutura Estrutura dos Materiais (está geralmente relacionada ao arranjo de seus componentes
Ciência dos Materiais Estrutura Estrutura dos Materiais (está geralmente relacionada ao arranjo de seus componentes

Estrutura

Ciência dos Materiais Estrutura Estrutura dos Materiais (está geralmente relacionada ao arranjo de seus componentes
Estrutura dos Materiais (está geralmente relacionada ao arranjo de seus componentes internos)
Estrutura dos Materiais
(está geralmente relacionada ao arranjo de seus componentes
internos)
relacionada ao arranjo de seus componentes internos) Ligações Atômicas: Iônica, Covalente e Metálica
Ligações Atômicas: Iônica, Covalente e Metálica Estrutura: Cristalina, e Amorfa
Ligações Atômicas:
Iônica, Covalente e Metálica
Estrutura:
Cristalina, e Amorfa

Márcia Rocha

Divisão da Estrutura nos Materiais Ciência dos Materiais Márcia Rocha
Divisão da Estrutura nos Materiais Ciência dos Materiais Márcia Rocha

Divisão da Estrutura nos Materiais

Ciência dos Materiais
Ciência dos Materiais

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Propriedades Propriedades Mecânicas Resistência, rigidez, tenacidade, fadiga, ductibilidade,
Ciência dos Materiais Propriedades Propriedades Mecânicas Resistência, rigidez, tenacidade, fadiga, ductibilidade,

Propriedades

Ciência dos Materiais Propriedades Propriedades Mecânicas Resistência, rigidez, tenacidade, fadiga, ductibilidade,

Propriedades

Mecânicas Resistência, rigidez, tenacidade, fadiga, ductibilidade, temperabilidade, fragilidade, plasticidade.
Mecânicas
Resistência, rigidez, tenacidade, fadiga, ductibilidade, temperabilidade,
fragilidade, plasticidade.

Elétricas

Resistividade , condutividade, constante dielétrica.

Térmicas Calor específico (armazenar energia), condutividade térmica, expansão térmica, transição vítrea.
Térmicas
Calor específico (armazenar energia), condutividade térmica, expansão
térmica, transição vítrea.

Óticas

Cor, transparência, refração, absorção, transmitância

Magnéticas Permeabilidade, imantação.
Magnéticas
Permeabilidade, imantação.

Deteriorativas

Corrosão, inflamabilidade, degradação térmica.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Critérios de Seleção de Materiais  Condições de Operação: temperatura de trabalho,
Ciência dos Materiais Critérios de Seleção de Materiais  Condições de Operação: temperatura de trabalho,

Critérios de Seleção de Materiais

Ciência dos Materiais Critérios de Seleção de Materiais  Condições de Operação: temperatura de trabalho,

Condições de Operação: temperatura de trabalho, agentes

corrosivos (ataque químico), desgaste, radiações;

Propriedades requeridas (limitações e restrições de uso);

Disponibilidade de matéria-prima e viabilidade técnica de

transformação;

Impacto ambiental / reciclabilidade pós uso;

Custo (beneficiamento, transformação, fabricação, descarte,

etc).

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Seleção de Materiais  Um item comum fabricado com três diferentes tipos de
Ciência dos Materiais Seleção de Materiais  Um item comum fabricado com três diferentes tipos de

Seleção de Materiais

Ciência dos Materiais Seleção de Materiais  Um item comum fabricado com três diferentes tipos de
Ciência dos Materiais Seleção de Materiais  Um item comum fabricado com três diferentes tipos de

Um item comum fabricado com três diferentes tipos de materiais são os

contêineres de bebidas. Estes podem ser comercializados em latas de alumínio

(metal), garrafas de vidro (cerâmico) e de plástico (polímero).

Os recipientes irão apresentar prazos de validade diferentes. Isso acontece

porque mesmo que as embalagens estejam vedadas, elas não impedem

completamente a saída do gás. A garrafa pet conserva o gás de maneira inferior

em relação às latas e vidros.

Como as garrafas plásticas conservam menos o gás elas geralmente possuem

prazos de validade menores. A concentração de gás presente no refrigerante é

identificada pelo paladar por isso percebemos a diferença de sabor entre esses

produtos.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Seleção de Materiais  1. PET Há componentes "fujões", que escapolem da embalagem
Ciência dos Materiais Seleção de Materiais  1. PET Há componentes "fujões", que escapolem da embalagem

Seleção de Materiais

Ciência dos Materiais Seleção de Materiais  1. PET Há componentes "fujões", que escapolem da embalagem

1. PET Há componentes "fujões", que escapolem da embalagem para o líquido.

Quais seriam eles? Os polímeros, micropartículas do plástico que se

desprendem da garrafa e se misturam com o líquido. Daí o sabor

"contaminado" de sua Coca 2 litros.

2. LATINHA

Feita de alumínio, tem a vantagem de gelar mais fácil. Esse tiro, porém,

pode sair pela culatra. Quando a temperatura se eleva, as substâncias

voláteis na bebida se agitam mais. Saldo: o gás carbônico - responsável

pelo "tschiiii" da latinha - escapa mais rapidamente.

3. VIDRO

Há motivos para a preferência: é um material impermeável e de grande

inércia química, ou seja, demora anos para interagir quimicamente com

o conteúdo. Por ter um índice de porosidade inferior ao do alumínio e

ao do PET, é bem mais eficiente na hora de reter o CO

2

.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Classificação Tradicional  Os materiais sólidos são classificados, com base na estrutura
Ciência dos Materiais Classificação Tradicional  Os materiais sólidos são classificados, com base na estrutura

Classificação Tradicional

Ciência dos Materiais Classificação Tradicional  Os materiais sólidos são classificados, com base na estrutura

Os materiais sólidos são classificados, com base na estrutura

atômica e nas ligações químicas predominantes, em três

grupos principais:

Metais

Compreende os metais e suas ligas.

Cerâmicos

Cerâmicas, vidros e cimentos.

Polímeros

Termoplásticos e termorrígidos (termofixos).

Plásticos e elastômeros (borrachas)

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Metais  São formados pela ligação metálica entre átomos que se agrupam em
Ciência dos Materiais Metais  São formados pela ligação metálica entre átomos que se agrupam em

Metais

Ciência dos Materiais Metais  São formados pela ligação metálica entre átomos que se agrupam em

São formados pela ligação metálica entre átomos que se agrupam em estruturas cristalinas, possuem um numero grande de elétrons

não localizados; isto é não estão ligados a qualquer átomo em

particular. Muitas propriedades dos materiais são atribuídas

diretamente a estes elétrons. Os metais são condutores

extremamente bons de eletricidade e calor, e não é transparente a

luz visível. São muito resistentes, e ainda assim deformável o

que é responsável pelo seu uso extenso.

Podem ser divididos em metais ferrosos e não ferrosos, estando

incluso nos ferrosos todos os metais que apresentam o elemento

químico ferro em sua composição (ferro, aços e ferros fundidos).

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Metais – Características Básicas  Resistentes (suportam tensões elevadas antes de romper);
Ciência dos Materiais Metais – Características Básicas  Resistentes (suportam tensões elevadas antes de romper);

Metais – Características Básicas

Ciência dos Materiais Metais – Características Básicas  Resistentes (suportam tensões elevadas antes de romper);

Resistentes (suportam tensões elevadas antes de romper);

Dúcteis (alta plasticidade: deformam antes de romper);

Rígidos (alto módulo de elasticidade);

Tenazes (resistentes a trincas);

Encruáveis (endurecem por deformação);

Bons condutores de corrente elétrica e de calor.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Cerâmicos  Material cerâmico é uma denominação genérica dada a todos os materiais
Ciência dos Materiais Cerâmicos  Material cerâmico é uma denominação genérica dada a todos os materiais

Cerâmicos

Ciência dos Materiais Cerâmicos  Material cerâmico é uma denominação genérica dada a todos os materiais

Material cerâmico é uma denominação genérica dada a

todos os materiais não metálicos e não-orgânicos.

são usualmente combinações de metais com elementos não

metálicos.

A grande variedade de materiais que se enquadram nessa

classificação inclui cerâmicas que são compostos por

minerais argilosos, cimento e vidro.

Estes materiais são tipicamente isolantes à passagem de

eletricidade e calor, e é mais resistente a altas temperaturas

e ambientes abrasivos do que os metais e polímeros. São

duros, porém muito quebradiço.

Os principais são: óxidos, nitretos e carbonetos.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Cerâmicos – Características Básicas  Alta rigidez;  Alta dureza;  Não encruáveis
Ciência dos Materiais Cerâmicos – Características Básicas  Alta rigidez;  Alta dureza;  Não encruáveis

Cerâmicos – Características Básicas

dos Materiais Cerâmicos – Características Básicas  Alta rigidez;  Alta dureza;  Não encruáveis

Alta rigidez;

Alta dureza;

Não encruáveis nem maleáveis;

Alto ponto de fusão & estabilidade térmica (refratários);

São isolantes térmicos e elétricos;

São frágeis (rompem sem deformar);

Quimicamente estáveis

Podem ser transparentes.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Polímeros  Polímeros são materiais compostos por macromoléculas orgânicas.  Essas
Ciência dos Materiais Polímeros  Polímeros são materiais compostos por macromoléculas orgânicas.  Essas

Polímeros

Ciência dos Materiais Polímeros  Polímeros são materiais compostos por macromoléculas orgânicas.  Essas

Polímeros são materiais compostos por macromoléculas

orgânicas.

Essas macromoléculas são cadeias compostas pela repetição de

uma unidade básica, chamada mero. Daí o nome: poli (muitos) +

mero.

Tem sua química baseada no carbono, hidrogênio e outros

elementos não metálicos.

Possuem estruturas moleculares muito grandes.

Compreendem os materiais comuns de plástico e borracha.

Possuem tipicamente baixas densidades e podem ser

extremamente flexíveis, Têm baixa condutividade térmica e

elétrica, tem baixa resistência mecânica e não são adequados

para utilização em altas temperaturas.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Polímeros – Características Básicas  A maioria dos polímeros é sintética (feitos pelo
Ciência dos Materiais Polímeros – Características Básicas  A maioria dos polímeros é sintética (feitos pelo

Polímeros – Características Básicas

dos Materiais Polímeros – Características Básicas  A maioria dos polímeros é sintética (feitos pelo

A maioria dos polímeros é sintética (feitos pelo homem);

Polímero mais abundante é natural: celulose;

Materiais altamente moldáveis;

Baixa densidade;

Pouco rígidos;

Baixa temperatura de fusão ou de decomposição;

Maus condutores de calor;

Bons isolantes elétricos

Boa resistência química.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Tipos de cadeias Poliméricas Ramificada Ligação Cruzada Reticulada Linear São formadas por
Ciência dos Materiais Tipos de cadeias Poliméricas Ramificada Ligação Cruzada Reticulada Linear São formadas por

Tipos de cadeias Poliméricas

Ciência dos Materiais Tipos de cadeias Poliméricas Ramificada Ligação Cruzada Reticulada Linear São formadas por

Ramificada

Ligação Cruzada

Reticulada

Linear

São formadas por

cadeias lineares com

ligações

perpendiculares ao

corpo do

monômero.

As cadeias lineares

adjacentes estão

unidas umas às outras

em várias posições

por ligações

covalentes.

Possuem 3 ligações

covalentes ativas

formando redes

tridimensionais.

As cadeias são unidas

por forças

secundárias.

covalentes ativas formando redes tridimensionais. As cadeias são unidas por forças secundárias. Márcia Rocha
covalentes ativas formando redes tridimensionais. As cadeias são unidas por forças secundárias. Márcia Rocha
covalentes ativas formando redes tridimensionais. As cadeias são unidas por forças secundárias. Márcia Rocha
covalentes ativas formando redes tridimensionais. As cadeias são unidas por forças secundárias. Márcia Rocha

Márcia Rocha

Polímeros – Comportamento frente à temperatura  Termoplásticos  Termorrígidos  Amolecem com o aumento
Polímeros – Comportamento frente à temperatura  Termoplásticos  Termorrígidos  Amolecem com o aumento

Polímeros – Comportamento frente à temperatura

Polímeros – Comportamento frente à temperatura  Termoplásticos  Termorrígidos  Amolecem com o aumento da

Termoplásticos

Termorrígidos

Amolecem com o aumento da

Não amolecem com o aumento

temperatura consequentemente são moldáveis com o aumento da temperatura. Ciência dos Materiais
temperatura consequentemente
são moldáveis com o aumento
da temperatura.
Ciência dos Materiais

da temperatura

consequentemente não são

moldáveis com o aumento da

temperatura.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Comportamento Mecânico  Plásticos  Borrachas ou Elastômeros  Não apresentam
Ciência dos Materiais Comportamento Mecânico  Plásticos  Borrachas ou Elastômeros  Não apresentam

Comportamento Mecânico

Ciência dos Materiais Comportamento Mecânico  Plásticos  Borrachas ou Elastômeros  Não apresentam

Plásticos

Borrachas ou Elastômeros

Não apresentam propriedade

de elasticidade.

Ao serem alongados, essa

deformação é quase

totalmente permanente.

Predominância da região

plástica, região elástica é

pequena.

Exibem elasticidade em longas

faixas de deformação na

temperatura ambiente após o

processo de vulcanização.

Cadeias com ligações

cruzadas, semelhantes às dos

termofixos, porém em menor

densidade de reticulação.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Cristalinidade de Polímeros  Diferentes dos metais e cerâmicos, apresenta um empacotamento de
Ciência dos Materiais Cristalinidade de Polímeros  Diferentes dos metais e cerâmicos, apresenta um empacotamento de

Cristalinidade de Polímeros

Ciência dos Materiais Cristalinidade de Polímeros  Diferentes dos metais e cerâmicos, apresenta um empacotamento de

Diferentes dos metais e cerâmicos, apresenta um

empacotamento de cadeias moleculares.

Em geral são parcialmente cristalinos

Parte cristalina - com ordem.

Parte amorfa - sem ordem.

O grau de cristalinidade depende da taxa de resfriamento

durante a solidificação e da configuração da cadeia.

Quanto mais simples a cadeia maior a cristalinidade.

Maior a cristalinidade maior será a densidade, a resistência

mecânica, a resistência ao calor (amolecimento) e a

resistência à degradação.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Outras Classificações - Compósitos  Grupo de materiais formados pela combinação de
Ciência dos Materiais Outras Classificações - Compósitos  Grupo de materiais formados pela combinação de

Outras Classificações - Compósitos

Ciência dos Materiais Outras Classificações - Compósitos  Grupo de materiais formados pela combinação de

Grupo de materiais formados pela combinação de metais,

cerâmicas ou polímeros, de modo a obter combinações não-

usuais de propriedades.

Exemplos:

Concreto armado: Matriz: cimento (cerâmica), reforço: metal;

Madeira (dois polímeros, celulose e lignina);

Fibra de vidro (numa matriz polimérica com reforço de cerâmico);

polímeros, celulose e lignina);  Fibra de vidro (numa matriz polimérica com reforço de cerâmico); Márcia

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Compósitos versus Metálicos  Vantagem do uso de compósito em ralação aos metais:
Ciência dos Materiais Compósitos versus Metálicos  Vantagem do uso de compósito em ralação aos metais:

Compósitos versus Metálicos

Ciência dos Materiais Compósitos versus Metálicos  Vantagem do uso de compósito em ralação aos metais:

Vantagem do uso de compósito em ralação aos metais:

Um dos objetivos da competitiva aeronática é reduzir o peso da

aeronaves sem comprometer a rigidez e a resistência dos

componentes. Isto só é possível substituindo-se as ligas metálicas

convencionais por compósitos. Muitas vezes fabricar peças em

compósitos é mais caro que em metais, porém o ganho da redução do

gasto com combustível vale a pena. Para cada massa de 0,453 Kg

reduzida em uma aeronave comercial economiza-se 1360 litros de

combustível por ano, sendo que as despesas com combustível

representam 25% dos custos operacionais de uma aeronave

comercial. As propriedades mecânicas dos compósitos são mais

eficientes em algumas aplicações, assim sendo mais vantajoso sua

aplicação do que materiais metálicos.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Ônibus Espacial  O ônibus espacial usa um sistema de proteção térmica elaborado.
Ciência dos Materiais Ônibus Espacial  O ônibus espacial usa um sistema de proteção térmica elaborado.

Ônibus Espacial



O ônibus espacial usa um sistema de proteção térmica elaborado. Durante a

reentrada, o ônibus espacial atinge uma velocidade tão alta cerca de 27350 km/h.

Os materiais na parte externa do ônibus espacial passam, rapidamente, de

temperaturas no espaço, próximas ao zero absoluto, para temperaturas tão

elevadas quanto 1650°C.

Tijolos pretos, de cerâmica altamente avançada à base de sílica, cobrem a maior

área da parte de baixo do ônibus espacial e são complementados por um

cobertura isolante e uma segunda camada de tijolo cerâmico brancos. Esses

materiais fornecem um excelente isolamento e são leves, mas não podem lidar

sozinhos com todo o processo de proteção.

O

nariz do ônibus espacial e o bordo de ataque das asas sofrem maior

aquecimento durante a reentrada. Para essas áreas, compósitos carbono-carbono,

altamente especializados, são usados devido a sua habilidade única de conduzir

em uma direção e isolar em outra. Esse escudo de compósito isolam a cabine do

calor, ao mesmo tempo em que conduzem o calor para longe dos bordos de

ataque do ônibus espacial .

Fonte: Fundamentos da Moderna Engenharia e Ciência dos Materiais – James Newell - LTC

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Veleiro  Um veleiro típico tem casco feito de GFRP, fabricado em uma
Ciência dos Materiais Veleiro  Um veleiro típico tem casco feito de GFRP, fabricado em uma

Veleiro



Um veleiro típico tem casco feito de GFRP, fabricado em uma única

moldagem; o GFRP tem boa aparência e , à diferença do aço e da madeira,

não oxida nem é corroído pelas tempestades.

O mastro é feito de liga de alumínio, que é mais leve do que a madeira para

uma dada resistência, agora estão sendo fabricados mastros de tecnologia

avançada reforçando a liga com de carbono ou boro (compósitos).

As velas, antes fabricadas de algodão, um material natural, agora são de

polímeros como o náilon, Terylene ou Kevlar e, no cordame de manobras, as

cordas de algodão também foram substituídas por polímeros. Polímeros de

PVC são usados extensivamente em vários componentes de defesas, anoraks

(jaquetas com capuz), boias e coberturas de proteção de barcos.

Fonte: Engenharia de Materiais – Uma Introdução a Propriedades, Aplicações e Projeto –

Volume I – Michael F. Ashby e David R. H. Jones - Campus

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Exercícios - As safiras, variedade cristalina de óxido de alumínio (Al 2 O
Ciência dos Materiais Exercícios - As safiras, variedade cristalina de óxido de alumínio (Al 2 O

Exercícios

- As safiras, variedade cristalina de óxido de alumínio (Al 2 O 3 ), incolores
- As safiras, variedade cristalina de óxido de alumínio (Al 2 O 3 ), incolores têm sido muito
utilizadas como um substituto para diamantes. Quando a safira branca é de boa qualidade
1
é transparente e sem cor e parece ser um quilate de diamante, mas não custa nem perto do

que um diamante custaria. Explique a transparência apresentada por este material.

2 - Atualmente, diversos componentes de motores de combustão interna são

confeccionados a partir de materiais cerâmicos. Qual a principal vantagem do emprego

destes materiais neste caso?

3 - Com o objetivo de aprimorar o sistema de proteção térmica do ônibus espacial alguns

pesquisadores têm examinado o uso de tijolos metálicos especiais (ligas refratárias). Qual

seria a desvantagem dos tijolos metálicos em relação aos de cerâmicos?

4 - Classifique as alternativas abaixo em verdadeiras ou falsas

I. Existem polímeros que não possuem temperatura de fusão.

II. Os elastômeros apresentam alto módulo de elasticidade.

III. Termoplásticos não possuem ligações químicas cruzadas de caráter covalente.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Exercícios 5 - Comparando-se um polímero linear com um de ligações ramificado qual
Ciência dos Materiais Exercícios 5 - Comparando-se um polímero linear com um de ligações ramificado qual

Exercícios

Ciência dos Materiais Exercícios 5 - Comparando-se um polímero linear com um de ligações ramificado qual

5 - Comparando-se um polímero linear com um de ligações ramificado qual apresenta maior cristalinidade? Explique.

6 - A reciclagem de polímeros, especialmente plásticos e borrachas é um assunto de extrema

relevância na atualidade, seja pelo aspecto econômico, seja pelo ecológico. No segundo

caso, é notória a importância da reciclagem para a diminuição da quantidade de resíduos já

que veem causando graves problemas ao meio ambiente em razão de sua difícil

biodegradação. Em termos econômicos, a reciclagem dos materiais poliméricos é

fundamental como processo auxiliar de economia do petróleo que é a fonte mais importante

de matéria-prima para a indústria de polímeros. É possível reciclar, de forma direta uma peça

feita de baquelite (polímero fenol-formaldeído), termofixo, usados em cabos e alças de

panelas? Justifique s sua resposta.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Glossário  Contornos de grãos  É a interface que separa dois grãos
Ciência dos Materiais Glossário  Contornos de grãos  É a interface que separa dois grãos

Glossário

Ciência dos Materiais Glossário  Contornos de grãos  É a interface que separa dois grãos

Contornos de grãos

É a interface que separa dois grãos adjacentes que possuem orientações

cristalográficas diferentes. Defeito de interface.

GFRP

Terminologia inglesa: GFRP (Glass Fiber Reinforced Plastic) ou “plásticos reforçados

com fibras de vidro”.

Grão

É um cristal individual em um material policristalino.

Kevlar

Fibra sintética de aramida muito resistente e leve. Possui alta resistência ao impacto

(é sete vezes mais forte que o aço).

Módulo de elasticidade (E)

É uma medida da rigidez de um material.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Glossário  Monocristal  Material cristalino formado por um só cristal (não há
Ciência dos Materiais Glossário  Monocristal  Material cristalino formado por um só cristal (não há

Glossário

Ciência dos Materiais Glossário  Monocristal  Material cristalino formado por um só cristal (não há

Monocristal

Material cristalino formado por um só cristal (não há contornos de grão).

Policristal

Material cristalino composto por mais de um cristal ou grão.

Poros

Defeito de volume.

PVC

Abreviação: Poli (cloreto de vinila)

Terylene

É um tecido produzido com fios puros ou mistos de poliéster podendo ser também

misturado com algodão.

Márcia Rocha

Ciência dos Materiais

Ciência dos Materiais Márcia Rocha
Ciência dos Materiais Márcia Rocha
Ciência dos Materiais Márcia Rocha

Márcia Rocha