Você está na página 1de 3

c  


  

As Rotas do turismo moderno continuam associadas às transformações industriais, económicas e sociais


que ocorreram durante o século XIX e primeira metade do século XX.

Foram factores do seu surgimento:

- Inovação tecnológica

- Aumento dos níveis sociais e culturais

- Aumento do tempo livre

- Urbanização

- Trabalho industrial

Embora já na antiguidade por exemplo em Roma fosse possível identificar uma predisposição para o
turismo (embora só para as classes dominantes) só no fim do século XIX se dá a ͞democratização do
turismo͟ no entanto já no fim do século XVIII com a invasão do ͞Grand Tour͟ por parte da burguesia a
aristocracia abandona o tradicional Tour Europeu e procura lugares mais exclusivos o que consistia num
sinal que essa democratização estava a chegar.

O Século XIX é sem dúvida um dos períodos mais importantes da história do turismo e embora fosse
uma actividade gozada por uma não muito grande parte da população o caso Inglês é sintomático em
que o número de turistas ingleses passou de   no início do século para   em meados do
século para atingir o número mágico de   no início do século XX.

O factor responsável foi o progresso tecnológico (caminho de ferro) mas as mudanças na estrutura da
sociedade também determinaram onde, quando, e como os diferentes grupos sociais iriam participar no
turismo. Assim e apesar do maior incremento turístico ter sido registado na 2ª metade do século XX as
bases para esse facto foram lançados no século XIX.

À medida que as termas entravam em declínio (fim século XVIII) a atenção dos turistas virou-se para a
  

Até 1830 a praia era um refúgio das classes mais prósperas devido a 2 factores:

- Os banhos de mar eram uma actividade medicinal e não de lazer

- As viagens eram grandes, lentas e caras.

A partir de 1830 surge o caminho de ferro, um transporte rápido, barato e seguro o que permite a
deslocação das populações em direcção à praia.

Não foi só a melhoria nos transportes que conduziu a esta mudança, idêntica importância tiveram as
mudanças sociais que levaram à criação de tempos livres, de dinheiro e talvez o aspecto mais
importante o desejo de participar neste ͞movimento turístico͟

Essas mudanças sociais consistiram num aumento generalizado do rendimento per capita da população,
na introdução do meio dia de descanso, introdução pelo patronato de períodos de férias, em férias
pagas e numa urbanização sem dimensão humana criando o desejo de fuga.

O turismo de massas é uma consequência da revolução industrial e o turismo de um modo geral passou
a ser visto como um meio de normal de escape e fuga ao stress e tensão provocados pela vida moderna.
O turismo continuou a crescer depois da I Grande Guerra especialmente na Europa que passou a ser um
destino turístico para os Americanos que visitavam a Europa aos milhares tirando partido do
desenvolvimento dos navios transatlânticos e especialmente da aviação.

O aparecimento do automóvel durante as décadas de 20 e 30 contribuiu para uma maior mobilidade da


classe média, mas foi a partir da 2ª Guerra Mundial em resultado dos avanços técnicos que as viagens
aéreas se tornaram num fiável e rápido meio de transporte para turista.

Outro factor de importância vital para a prática do turismo foi o aumento do tempo livre socialmente
permitido. Durante a segunda metade do século XIX produziu-se alguma legislação que melhorava as
condições de trabalho, contudo é no século XX no final da década de 30 que as férias pagas são
instituídas.

A 2ª Guerra Mundial foi nefasta para o turismo mas os 50 anos que se seguiram foram espectaculares
no que respeita ao desenvolvimento do mesmo, o turismo passa a internacionalizar-se e a ser visto
como algo que faz parte do modo de vida dos indivíduos, passa a ser uma necessidade, uma actividade
de massa e não um luxo

Em 1950 existem 25 milhões de chegadas internacionais, mas em 1994 esse número sobe para 500
milhões. Para este notável crescimento são responsáveis 3 factores tempo, dinheiro e tecnologia. O
factor tecnologia (expansão da industria de transportes e do charter) tende a aumentar a oferta, o
factor tempo também tende a aumentar 35h/S, 35 S/A 35 anos de trabalho. O aumento da riqueza
equivale ao aumento dos ordenados e a um aumento nas viagens.

     
Animação, é uma palavra que vem do latim, Anima, que significa DAR ALMA (animar a alma). Na génese
da palavra Animação estão os vocábulos Anima/ânimo. No latim Animus, sugere Dinâmica, Força Activa
e Vida. Na raiz de Animus encontra-se Alma que retirada do seu contexto religioso sob o prisma
filosófico significa Criar, Dar Vida.

Assim temos:

 

A Animação implica 3 processos conjuntos:

 Processo de revelação, ao criar condições para que todo o grupo e todo o


indivíduo se revele a si mesmo

 Processo de relacionamento, de grupos entre si ou destes com


determinadas obras, criadores ou centros de decisão, seja através do
diálogo e da concertação, seja através do conflito

 Processo de criatividade, pelo questionamento dos indivíduos e dos grupos


relativamente ao seu desenvolvimento, à sua capacidade de expressão, de
iniciativa e de responsabilidade


 

Lazer não é simplesmente o resultado de factores externos, não é o resultado inevitável do tempo de
folga, um feriado, um fim de semana ou um período de férias. É uma atitude de espírito uma condição
da alma.

Lazer é o tempo livre do trabalho e de outro tipo de obrigações, englobando actividades caracterizadas
por um volume considerável do factor liberdade.

  

É um termo frequentemente utilizado para designar algo semelhante ao lazer. A recreação indica
sempre um tipo de actividade e como o lazer e o jogo, não possui uma forma única. No seu sentido
literal pode ser visto como uma das funções do lazer; a de renovar o ego ou preparar o trabalho.

Empresas de Animação Turística

São   
      ! as que tenham por objecto a exploração de actividades lúdicas,
culturais, desportivas ou de lazer, que contribuam para o desenvolvimento turístico de uma
determinada região e não se configurem como empreendimentos turísticos, empreendimentos de
turismo no espaço rural, casas de natureza, estabelecimentos de restauração e bebidas, agências de
viagens e turismo ou operadores marítimo-turísticos.

As empresas proprietárias ou exploradoras de empreendimentos turísticos, empreendimentos de


turismo no espaço rural, casas de natureza, estabelecimentos de restauração e bebidas, agências de
viagens e turismo ou operadores marítimo-turísticos, quando constituídas como cooperativa,
estabelecimento individual de responsabilidade limitada ou sociedade comercial e prevejam no seu
objecto social o exercício de actividades de animação turística desde que cumpram os requisitos
previstos na lei, estão dispensadas do licenciamento legal.

São actividades próprias das empresas de animação turística as exploradas em:

y Marinas, portos de recreio e docas de recreio predominantemente destinados ao turismo e


desporto;
y Autódromos e Kartódromos;Balneários termais e terapêuticos;
y Parques temáticos;
y Campos de golf;
y Embarcações com e sem motor, destinadas a passeios marítimos e fluviais de natureza turística;
y Aeronaves com e sem motor, destinadas a passeios de natureza turística, desde que a sua
capacidade não exceda um máximo de seis tripulantes e passageiros;
y Instalações e equipamentos para salas de congressos, seminários, colóquios e conferências, quando
não sejam partes integrantes de empreendimentos turísticos e se situem em zonas em que a
procura desse tipo de instalações o justifique;
y Centros equestres e hipódromos destinados à prática de equitação desportiva e de lazer;
Instalações e equipamentos de apoio à prática do G    
  G   esqui aquático,
vela, remo, canoagem, mergulho, pesca desportiva e outras actividades náuticas.