Você está na página 1de 17
Eletrotécnica Introdução as instalações elétricas
Eletrotécnica
Introdução as instalações elétricas

Conceitos básicos e simbologia

Necessitamos

realizar

a

previsão

escrita

da

instalação, com todos os seus detalhes, localização

dos pontos de utilização de energia elétrica,

comandos,

de

trajeto

de

condutores,

divisão

circuitos, etc. Um projeto de instalação elétrica compreende:

Memória de calculo;

Conjunto de plantas e esquemas;

Especificações de material;

Orçamento de toda a obra.

Conceitos básicos e simbologia

A simbologia de acordo com a NBR 5444 é descrita abaixo:

Conceitos básicos e simbologia • A simbologia de acordo com a NBR 5444 é descrita abaixo:

Conceitos básicos e simbologia

Conceitos básicos e simbologia

Conceitos básicos e simbologia

Conceitos básicos e simbologia

Conceitos básicos e simbologia

Conceitos básicos e simbologia
Conceitos básicos e simbologia

Conceitos básicos e simbologia

Conceitos básicos e simbologia

Circuitos Monofásicos e Trifásicos

Comparamos motores e geradores a circuitos para facilitar o entendimento. Geradores monofásicos possuem apenas um enrolamento para produção de uma única fase.

Os circuitos trifásicos para uma mesma potencia requerida, são mais econômicos.

As tres fases são geradas pelos enrolamentos do gerador e atingem os máximos e mínimos me

tempos diferentes, dizemos que estão defasadas de

120 0 .

Em redes elétricas vemos três fios fase e um fio terra ou neutro.

Circuitos Monofásicos e Trifásicos

Circuitos Monofásicos e Trifásicos

Dimensionamento de condutores pela queda de tensão admissíveis

Um dos parâmetros mais importantes para o correto dimensionamento dos condutores é o cálculo da seção, pelo método da Queda de Tensão.

Para que a instalação elétrica, tais como: motores, aparelhos e equipamentos, funcione de forma satisfatória, é necessário que a tensão a que os equipamentos estão submetidos esteja dentro de limites pré-definidos.

Durante o percurso entre o quadro geral ou a subestação até o ponto de utilização de um circuito terminal, ocorre uma queda de tensão devido às resistências dos condutores e equipamentos.

Em virtude dessa queda de tensão, é necessário que os condutores sejam dimensionados de tal maneira que limitem a queda aos valores estabelecidos pela norma NB-5.410:2004 da ABNT.

Dimensionamento de condutores pela queda de tensão admissíveis

de condutores pela queda de tensão admissíveis • Na tabela acima estão listados os valores máximos

Na tabela acima estão listados os valores máximos de queda de tensão para os diversos tipos de entrada. Conforme NB-5.410:2004 da ABNT em nenhum caso a queda de tensão nos circuitos terminais pode ser superior a 4%.

Dimensionamento de condutores pela queda de tensão admissíveis

Dimensionamento de condutores pela queda de tensão admissíveis
Dimensionamento de condutores pela queda de tensão admissíveis

Dimensionamento de condutores pela queda de tensão admissíveis

Para dimensionar os condutores é necessário conhecer anteriormente:

Material do eletroduto. Se é magnético ou não magnético.

Corrente de projeto, Ip (A)

O fator de potência, cos ϕ

A queda de tensão admissível para o caso, em

porcentagem (%)

O comprimento do circuito l (km) A tensão entre fases U (V)

Dimensionamento de condutores pela queda de tensão admissíveis

Com esses parâmetros pode-se calcular:

A queda de tensão admissível (V): ∆ U = (%) x (U)

Dividindo ∆U por (Ip x l), obtém-se a queda de tensão em (volt/ampére) x km

Utilizando-se tabelas adequadas que relacionam o material do eletroduto, fator de potência e as características do circuito, chega-se ao valor da seção do condutor necessária à limitação da queda de tensão.

Por esses parâmetros, pode-se deduzir que o fator crucial para o dimensionamento é a distância do ponto de utilização ao Quadro Geral, terminal e subestação. Quanto maior a distância, maior será a seção necessária do condutor para transmitir a mesma quantidade de energia. Portanto, é de interesse prático e econômico que se procure alternativas no projeto para limitar as distâncias entre os pontos de utilização, com o objetivo de que não sejam dimensionadas seções elevadas.

Fator de demanda e fator de diversidade

Fator de demanda é o fator por que deve ser multiplicada a potência instalada para se obter a potência que realmente será utilizada:

FD = (potência utilizada/potência instalada) x 100

Fator de demanda e fator de diversidade

Fator de demanda e fator de diversidade

Fator de demanda e fator de diversidade

Fator de diversidade é medido pelo conjunto de elementos com energia vinda da mesma fonte. Existe uma diversificação que representa economia

é medido pelo conjunto de elementos com energia vinda da mesma fonte. Existe uma diversificação que