Você está na página 1de 20

Linguagem: muito além das palavras Linguagem é...

... a atividade humana que, nas


Sabemos que a linguagem é a capacidade de
representações de mundo que
exercitar a comunicação e, neste tempo de comunicação constrói, revela aspectos históricos,
rápida, de profusão de imagens, de linguagens sintéticas e sociais e culturais. É por meio da
de novas formas de organização de mensagens, inúmeros linguagem que o ser humano
organiza e dá forma às suas
e complexos desafios estão sendo postos para os experiências.
indivíduos exigindo-lhes cada vez mais, o domínio de
diferentes linguagens — verbal, musical, matemática, Tipos de linguagem
gráfica, plástica e corporal — como meio para produzir, VERBAL: aquela que utiliza a
expressar e comunicar suas idéias, interpretar e usufruir língua (oral ou escrita), que tem a
palavra, ou signos linguísticos, por
das produções culturais e se posicionar criticamente sinal.
diante delas.
Entre as várias formas de comunicação, a NÃO-VERBAL: aquela que utiliza
linguagem verbal (língua falada e escrita) é a que mais se qualquer código que não seja a
destaca porque através dela está registrada a grande palavra, como a música, que tem o
som por sinal, a dança, que tem o
maioria da história e avanços da humanidade. A língua movimento por sinal, a mímica, que
além de expressar a cultura de um povo, transmitindo-a tem o gesto por sinal, a pintura, a
através das gerações, é o espaço social das idéias e fotografia e a escultura, que têm a
imagem por sinal etc.
possibilita as interações humanas.
Pensando na dimensão cultural da língua e na
O valor social da linguagem
importância da interação entre as diversas linguagens “Tudo o que ser humano alcançou
(verbais e não verbais) como condição de de crescimento cultural está ligado à
comunicabilidade, de apropriação de conhecimentos e linguagem. Sem ela, a cultura não
existiria, e os conhecimentos não
consequentemente de desenvolvimento cognitivo, o
poderiam ser transmitidos de
Colégio Efigênia Vidigal propõe o estudo da Linguagem: geração para geração.”
muito além das palavras, como tema Institucional 2009. Campedelli & Souza (1998, p. 10)
FICHA PESSOAL

Foto
Nome

Endereço

Bairro Cidade Estado

Telefone residencial Data de nascimento Grupo sangüíneo

Pai Telefone / Celular

Mãe Telefone / Celular

Alergia

Possui plano de saúde? Qual?


SIM NÃO
Em caso de algum acidente, favor entrar em contato
CALENDÁRIO 2009
Janeiro Fevereiro Março
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 6 7
4 5 6 7 8 9 10 8 9 10 11 12 13 14 8 9 10 11 12 13 14
11 12 13 14 15 16 17 15 16 17 18 19 20 21 15 16 17 18 19 20 21
18 19 20 21 22 23 24 22 23 24 25 26 27 28 22 23 24 25 26 27 28
25 26 27 28 29 30 31 29 30 31

1 - Confraternização Universal 2 - Encontro com educadores 14 - Sábado Letivo


2 - Reunião de pais novatos (noite)
3 - Início das aulas
3 - Dia festivo maternal novatos
4 - Início das aulas do maternal
16 a 20 - 1ª Reunião de pais
23 a 25 - Carnaval

Abril Maio Junho


D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 1 2 1 2 3 4 5 6
5 6 7 8 9 10 11 3 4 5 6 7 8 9 7 8 9 10 11 12 13
12 13 14 15 16 17 18 10 11 12 13 14 15 16 14 15 16 17 18 19 20
19 20 21 22 23 24 25 17 18 19 20 21 22 23 21 22 23 24 25 26 27
26 27 28 29 30 24 25 26 27 28 29 30 28 29 30
31

4 - Gincana Solidária 1 - Dia do Trabalho 11 - Corpus Christi


9 e 10 - Paixão de Cristo 8 - Término da 1ª Etapa 12 - Recesso escolar
20 - Recesso escolar 11 - Início da 2ª Etapa 29 e 30 - 2ª Reunião de Pais
21 - Tiradentes 16 - Festa da Família
25 - Festival Lítero-Cultural
Julho Agosto Setembro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 1 1 2 3 4 5
5 6 7 8 9 10 11 2 3 4 5 6 7 8 6 7 8 9 10 11 12
12 13 14 15 16 17 18 9 10 11 12 13 14 15 13 14 15 16 17 18 19
19 20 21 22 23 24 25 16 17 18 19 20 21 22 20 21 22 23 24 25 26
26 27 28 29 30 31 23 24 25 26 27 28 29 27 28 29 30
30 31

1 a 3 - 2ª Reunião de Pais 3 - Reinício das aulas 1 a 4 - Festival de teatro


13 - Encerramento do semestre 8 - Sábado letivo 7 - Independência do Brasil
14 - Plantão individual dos pais 28 - Término da 2ª Etapa 12 - Festival de dança
15 a 31 - Recesso CCT 31 - Festival de teatro
31 - Início da 3ª Etapa

Outubro Novembro Dezembro


D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 1 2 3 4
6 7 5 1 2 3 4 5
4 56 7 8 9 10 8 9 10 11 12 13 14 6 7 8 9 10 11 12
11 12 13 14 15 16 17 15 16 17 18 19 20 21 13 14 15 16 17 18 19
18 19 20 21 22 23 24 22 23 24 25 26 27 28 20 21 22 23 24 25 26
25 26 27 28 29 30 31 29 30 27 28 29 30

3 - Sábado Letivo 2 - Finados 3 - Encerramento da 3ª Etapa


12 - Nossa Senhora Aparecida 15 - Proclamação da República e ano letivo
13 - Recesso escolar 16 a 23 - 3ª Reunião de Pais 5 - Formatura 1ª ano Fundamental I
23 - Perparação para Mostra Cultural 7 - Recesso
24 - Mostra Cultural 8 - Nossa Senhora da Conceição
9 - Plantão individual de pais
10 a 17 - Encontro Pedagógico
23 - Término do ano escolar
25 - Natal
LEMBRANÇAS

Cole aqui suas notas, lembretes, fotos, assinaturas...


A linguagem oral como forma de participação nas diversas práticas sociais
Aprender uma língua não é somente aprender as palavras, mas também os seus significados
culturais, e, com eles, os modos pelos quais as pessoas do seu meio sociocultural entendem,
interpretam e representam a realidade.
Essa competência linguística é potencializada por meio das brincadeiras com as palavras
presentes na tradição oral, nos textos poéticos, nas parlendas e nas canções, contribuindo para o
aumento do repertório verbal.

PEZINHO
Ai bota aqui, ai bota aqui
o seu pezinho
o seu pezinho bem juntinho
com o meu
e depois não vá dizer
que você já me esqueceu

Brincadeiras Cantadas
Maternal II e III - manhã
Fotos do I Festival de Teatro da Educação Infantil e Fundamental do ano de 2008.

LEMBRANÇAS

ança
Musical e D Tarde
os -
1ºs Períod

Teatro “Lin
da
Maternal II Rosa Juvenil”
– tarde
dia mês
Evolução do Traçado
O desenho infantil é um dos aspectos
mais importantes para o desenvolvimento
integral do indivíduo e constitui-se num
elemento mediador de conhecimento e
autoconhecimento. A partir do desenho a
criança organiza informações, processa
experiências vividas e pensadas, revela
seu aprendizado e pode desenvolver um
estilo de representação singular do
mundo.

Colagem e desenho livre


2º período – manhã

Garatuja
Ao final do seu primeiro ano de vida, a
criança já é capaz de, ocasionalmente,
manter ritmos regulares e produzir seus
primeiros traços gráficos, considerados
muito mais como movimentos do que
como representações. É a conhecida fase
dos rabiscos, das garatujas. A repetida
exploração e experimentação do
movimento amplia o conhecimento de si
próprio, do mundo e das ações gráficas.

Maternal I – manhã e tarde


Primeiras formas definidas
Mais tarde, quando a
criança controla o gesto e
passa a coordená-lo com
o olhar, começa a
registrar formas gráficas
e plásticas mais
elaboradas. Imagens de
sol, figuras humanas,
animais, vegetação e
carros, entre outros, são
frequentes nos desenhos
das crianças.
Ilustração de uma brincadeira de faz-de-conta: bruxa, castelo, princesa.
Maternal III – manhã

Desenho
Enquanto desenham ou criam objetos também brincam de faz-de-conta e verbalizam
narrativas que exprimem suas capacidades imaginativas, ampliando sua forma de sentir e
pensar sobre o mundo no qual estão inseridas. É assim que, por meio do desenho, a criança
cria e recria individualmente formas expressivas, integrando percepção, imaginação, reflexão
e sensibilidade, que podem então ser apropriadas pelas leituras simbólicas de outras crianças
e adultos.

Desenho da história em quadrinhos “Chapeuzinho Vermelho” – Começo, Meio e Fim


1º ano – manhã
Linguagem oral e escrita
A criança aprende a verbalizar por meio da
apropriação da fala do outro. As crianças têm
ritmos próprios e a conquista de suas capacidades
linguísticas se dá em tempos diferenciados, sendo
que a condição de falar com fluência, de produzir
frases completas e inteiras provém da
Roda da Fruta
Maternal II - manhã participação em atos de linguagem (conversas
cotidianas, em situações de escuta e canto de
músicas, em brincadeiras, etc…).

Biblioteca
Maternal II - manhã

Linguagem Escrita
Nas sociedades letradas, as crianças, desde os primeiros meses, estão em permanente
contato com a linguagem escrita. É por meio desse contato diversificado em seu ambiente
social que elas descobrem o aspecto funcional da comunicação escrita, desenvolvendo
interesse e curiosidade por essa linguagem. Assim, as crianças elaboram uma série de idéias
e hipóteses provisórias antes de compreender o sistema escrito em toda sua complexidade.

R L E NDA
PE intad
a
rta p tou?
Laga ue te pin
foi q hinha
Quem i uma vel assou.
Fo aqui
p
p o r
Que

Ditado Coletivo – Verificação das hipóteses de escrita


1º período – manhã
Escrita Convencional
Passado esse momento de
descoberta e experimentação da
linguagem escrita, as crianças
começam a dominar a escrita
formal, tal como conhecemos,
para assim, desenvolver a
capacidade de escrever
autonomamente.
A oralidade, a leitura e a escrita
devem ser trabalhadas de forma
integrada e complementar,
potencializando-se os diferentes
aspectos que cada uma dessas
linguagens solicita das crianças.

Texto coletivo produzido pelos 1ºs anos do turno da manhã


Os jogos, as brincadeiras e a dança como expressão corporal e cultural
É muito grande a influência que a cultura tem sobre o desenvolvimento da motricidade
infantil, não só pelos diferentes significados que cada grupo atribui a gestos e expressões
faciais, como também pelos diferentes movimentos aprendidos.
Os jogos, as brincadeiras e a dança encontradas nas diversas culturas envolvem complexas
sequências motoras para serem reproduzidas, além de propiciar conquistas no plano da
coordenação e precisão do movimento.

E scadas” .
o b r a s e
Jogo: “C
arde
1º ano – t
“Brinca
ndo de A
1º ano m
– tarde arelinha”

átio
Trilha no p
I - tarde
Maternal II
Linguagem Matemática: aprendendo noções de grandezas e medidas
As medidas estão presentes em grande parte das atividades cotidianas e as crianças, desde
muito cedo, têm contato com certos aspectos das medidas.
O fato de que as coisas têm tamanhos, pesos, volumes, temperatura diferentes e que tais
diferenças frequentemente são assinaladas pelos outros (está longe, está perto, é mais baixo,
é mais alto, pesa meio quilo, mede dois metros) permite que as crianças estabeleçam esse
contato, fazendo comparações de tamanhos, estabelecendo relações, construindo algumas
representações, atribuindo significado e fazendo uso das expressões que costumam ouvir.

Atividade: Grande/Pequeno
1º período – tarde
ica
n a C o z in ha Pedagóg
Pizzari a
- tarde
2º Período

Pizzaria na
Co
2º Período zinha Pedagógica
- tarde
REFERÊNCIAS

1) Brasil. Ministério da Educação e do Desporto.


Secretaria de Educação Fundamental.
Referencial curricular nacional para a educação infantil. –
Brasília: MEC/SEF, 1998. 3 v.: il.

2) Revista Nova Escola, São Paulo,


n. 217, novembro de 2008. Editora Abril.

008
C ie n tí f ic o -Cultural 2
Mostra
– tarde
2º período
HINO DO COLÉGIO EFIGÊNIA VIDIGAL
Letra: Solange Rodrigues Bonomo Assumpção
Música: Helena Maura Bahia Rica

Crescer, vencer
Semear para o amanhã
Planejar, conquistar, gerar frutos
Renascer a cada dia no saber.

Sonhar, realizar
Unidos num ideal
Consciência, disciplina e confiança
São as marcas do Efigênia Vidigal

Amor, confiança
No projeto de crescer
Buscando na verdade e na esperança
Uma luz que nos inspire a vencer.

Escola querida
Cultivando nosso florescer
Despertando mentes férteis, conscientes
Para as novas gerações que vão nascer.

Crescer, vencer
Semear para o amanhã
Planejar, conquistar, gerar frutos
Renascer a cada dia no saber.