Você está na página 1de 1

http://jornal.publico.clix.pt/main.asp?

dt=20080522&page=10&c=A

10

Municípios pedem 300 euros


por aluno para as actividades
extracurriculares
22.05.2008, Isabel Leiria

Se as escolas do 1.º ciclo de um determinado município


oferecerem,
a partir de Setembro, o ensino de in-
glês, música e desporto no seu plano de actividades de
enriquecimento curricular (AEC) terão um
financiamento do Estado de 262,5 euros por aluno
inscrito.
Foi este o montante fixado pelo Mi-
nistério da Educação para o próximo ano lectivo,
correspondendo a um aumento de 12,5 euros em relação
ao valor actual. Mas a Associação Nacional de Muncípios
Portugueses (ANMP) diz que "não chega".
"Segundo a avaliação que fizemos este ano, as autarquias
[responsáveis pelas escolas do 1.º ciclo e que promovem
estas actividades] precisavam de um mínimo de 300
euros por aluno" para financiar as três AEC, diz António
José Ganhão, vice-presidente da ANMP. São muitos os
custos que os municípios - sobretudo os mais populosos
e onde as escolas têm de funcionar em regime duplo com
aulas de manhã e à tarde - suportam com a logística
inerente a estas actividades. Desde os transportes ao
aluguer de espaços e que "não são imputados ao
financiamento estatal das AEC", garante Ganhão. E é por
essa razão, acrescenta, que várias autarquias
responderam num inquérito feito pela ANMP sobre a
implementação das AEC que não poderiam pagar mais
aos cerca de 15 mil professores que asseguram estas
actividades.
Com o valor do financiamento estatal pelo ensino do
inglês a manter-se nos 100 euros e, simultaneamente, o
ME a fixar agora um valor mínimo para a remuneração
destes profissionais (com base no que é pago a um
professor contratado pelo ministério), António José
Ganhão diz que a situação vai tornar-se mais
complicada.
O despacho divulgado esta semana determina que, no
plano de actividades que todas as escolas do 1.º ciclo têm
de oferecer para garantir a ocupação dos alunos até às
17h30, esteja incluído o estudo acompanhado e o inglês,
logo a partir do 1.º ano. A obrigatoriedade deste idioma
apenas existia para o 3.º e 4.º anos.
Para António José Ganhão, muitos dos problemas
sentidos pelas escolas na organização do inglês, que po-
derão agravar-se com a extensão da obrigatoriedade
desta oferta aos primeiros anos, seriam resolvidos se a
matéria fosse integrada no currículo obrigatório das
crianças.
Para este ano lectivo, o ME calculou um orçamento de
96,6 milhões de euros para as autarquias garantirem as
AEC, estimando transferir efectivamente mais de 90
milhões. Em 2008-2009, o orçamento sobe cinco por
cento.
101
Milhões de euros é quanto o ME estima transferir para
as autarquias em 2008-2009 para financiar as AEC no
1.º ciclo
105

milhões de euros é quanto o ME estima transferir para as


autarquias em 2008/2009 para financiar as actividades
de enriquecimento curricular no 1.º ciclo

Achou este artigo interessante? Sim

1 de 1 22-05-2008 9:01