Você está na página 1de 7

1 – Introdução

Do conjunto de leis, direitos e políticas que, a partir da Constituição Federal de
1988, compõem a nova institucionalidade da proteção ao idoso no Brasil, a
Assistência Social destaca-se como importante fonte de melhoria das condições
de vida e de cidadania desse estrato populacional em irreversível crescimento.
Isso porque, com a Constituição vigente, promulgada em 1988, a Assistência
Social também ganhou nova institucionalidade, que a fez pautar-se pelo
paradigma da cidadania ampliada e a funcionar como política pública
concretizadora de direitos sociais básicos particularmente de crianças, idosos,
portadores de deficiência, famílias e pessoas social e economicamente
vulneráveis
ASPECTOS

GERAIS

Com vistas a melhor situar a questão da saúde do idoso no Brasil, em termos das
políticas públicas para o setor, deve se ressaltar que este corte social é tratado no
conjunto das medidas relacionadas aos programas de desenvolvimento social,
lembrando ainda que, conforme SOUZA (1998), as políticas sociais devem estar
voltadas a resgatar a dívida com os excluídos do processo de desenvolvimento.
Voltando a SOUZA (1998), no Brasil a responsabilidade pelo desenvolvimento
social é competência de todas as esferas de governo bem como da própria
sociedade, responsabilidade esta constante na Constituição Federal, promulgada
em outubro de 1988, e desdobrada em leis complementares e ordinárias.

O problema da seguridade social advém do grande aumento da população
aposentada em relação à mão-de-obra ativa, ou seja, à redução proporcional do
número de pessoas que financiam os aposentados. Em países onde a expectativa
de sobrevida é maior a situação se torna mais grave, como na União Européia,
onde a proporção é de quatro trabalhadores para um aposentado segundo
PIÑERA

(1998).

É importante ressaltar que o acesso do idoso aos direitos especiais que lhe são destinados em lei é expressão da sua cidadania e. em 1982. através da Lei nº 8. Política Nacional do Idoso A percepção destas questões colocou em foco discussões no âmbito de toda a sociedade que. o Governo Federal. legislação avançada. DUARTE (1998). que. Outro aspecto relevante em relação às políticas públicas de saúde e ao aumento da expectativa de vida da população é que os gastos com saúde per capita tornam-se cada vez maiores com o passar do tempo. inclusive quando comparada no âmbito internacional. em razão do déficit ou falência das suas percepções sensoriais e do desgaste físico natural da velhice.842 de 04 de janeiro de 1994. A Lei 8842 de 04 de janeiro de 19942 que dispõe sobre a Política Nacional do Idoso é resultado das proposições da sociedade e dos movimentos sociais no período histórico recente. Em seus artigos encontraremos os dispositivos . As pessoas da terceira idade. quanto pela sociedade civil.A questão da saúde é tão ou mais importante. ou seja. segundo PASSARELLI (1997). no seu dia-a-dia esbarra no déficit estrutural do nosso sistema de saúde. entretanto. levou a que fossem inseridas na Constituição Federais de 1988 as preocupações formais com a proteção à terceira idade. na medida em que a performance desta área implica numa alteração da quantidade de mão de obra disponível para a produção de bens e serviços. definiu e consolidou a Política Nacional do Idoso. conforme sabemos. como tal. os meios preventivos e terapêuticos disponíveis são insuficientes para o fiel cumprimento do proposto na lei. Ainda neste escopo. participando das decisões que interferem na vida de cada um. por fim. às doenças crônicas e degenerativas. deve ser viabilizado tanto pela esfera governamental. em geral estão mais sujeitas a acidentes e. cita que ser cidadão é ter consciência de seus direitos e deveres civis e políticos. com um sentimento ético e consciência de cidadania. a reboque das decisões tomadas durante a realização por parte da Organização das Nações Unidas da I Assembléia Mundial sobre o Envelhecimento.

o idoso deve ser o principal agente e o destinatário das transformações a serem efetivadas através desta política. ocupação e convívio do idoso. para todos os efeitos desta lei. garantindo sua participação na comunidade. V . II . as contradições entre o meio rural e o urbano do Brasil deverão ser observadas pelos poderes públicos e pela sociedade em geral. a sociedade e o estado têm o dever de assegurar ao idoso todos os direitos da cidadania. bem-estar e o direito à vida. criando condições para promover sua autonomia. II . os princípios e as diretrizes da política com vistas a assegurar uma vida digna à esta população.viabilização de formas alternativas de participação. sociais. que proporcionem sua integração às demais gerações. particularmente. na . devendo ser objeto de conhecimento e informação para todos.A política nacional do idoso reger-se-á pelos seguintes princípios: I . integração e participação efetiva na sociedade. Diretrizes da Política Nacional do Idoso Destacamos a seguir as diretrizes da Política Nacional do Idoso e que podem causar maiores questionamentos para as autoridades quando se discute os direitos e aplicação das verbas públicas: Constituem diretrizes da política nacional do idoso: I .o idoso não deve sofrer discriminação de qualquer natureza. conforme veremos destacadamente em seus três primeiros artigos e no capítulo sobre as diretrizes: Artigo 1º .participação do idoso. regionais e. através de suas organizações representativas.A política Nacional do Idoso tem por objetivo assegurar os direitos sociais do idoso. IV .garantidores de direitos.a família. Artigo 3° . Artigo 2º . III . na aplicação desta Lei.o processo de envelhecimento diz respeito à sociedade em geral. defendendo sua dignidade. a pessoa maior de sessenta anos de idade.as diferenças econômicas.Considera-se idoso.

implementação de sistema de informações que permita a divulgação da política. programas e projetos em cada nível de governo. o conceito de política pública tem íntima ligação com o de cidadania. à exceção dos idosos que não possuam condições que garantam sua própria sobrevivência. IX . VII . como o direito a ter direitos. dos serviços oferecidos.formulação. quando desabrigados e sem família. V . Serviços e benefícios assistenciais . pensada como o conjunto das liberdades individuais expressas pelos direitos civis (Neri. em detrimento do atendimento asilar. planos. VIII . programas e projetos a serem desenvolvidos.priorização do atendimento ao idoso em órgãos públicos e privados prestadores de serviços. Políticas públicas e direitos no contexto democráticoO termo política diz respeito a um conjunto de objetivos que informam determinado programa de ação governamental e condicionam sua execução. Nos Estados democráticos modernos.estabelecimento de mecanismos que favoreçam a divulgação de informações de caráter educativo sobre os aspectos biopsicossociais do envelhecimento. A concretização da cidadania ocorre através do espaço político. 2002). IV . III .descentralização político-administrativa. VI . dos planos.capacitação e reciclagem dos recursos humanos nas áreas de geriatria e gerontologia e na prestação de serviços.apoio a estudos e pesquisas sobre as questões relativas ao envelhecimento. 2005). Política pública é a expressão atualmente utilizada nos meios oficiais e nas ciências sociais para substituir o que até a década de setenta era chamado planejamento estatal (BORGES.priorização do atendimento ao idoso através de suas próprias famílias. implementação e avaliação das políticas.

por meio de ofício. Para fazer jus a esse apoio financeiro. tendo em vista o atendimento de pessoas idosas pobres. Outra alteração digna de nota é que o benefício concedido a qualquer membro da família não será computado para fins de cálculo da renda familiar definidora da linha de pobreza estabelecida para o acesso ao benefício. que não requer contribuição de seus destinatários. a partir dos 60 anos de idade. . e seu recebimento é feito com cartão magnético. pelo Estatuto do Idoso (Lei nº 10. informando o número de beneficiários por modalidade de atendimento. as ações de nível federal de abrangência nacional Benefício de Prestação Continuada: trata-se de benefício não contributivo. a seguir. ele não é vitalício. tal como indicado na LOAS. Seu objetivo é contribuir para a promoção da autonomia. podendo ser suspenso sempre que as condições que lhe deram motivo forem superadas. de inclusão do Município no critério de partilha do Serviço de Ação Continuada (SAC). Proteção social básica e especial à pessoa idosa: constitui apoio financeiro federal a serviços.741. isto é. e co-financiamento da atividade. Este beneficio em dinheiro é pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). bem como o Distrito Federal. consta que. os Municípios terão de comprovar: implantação de Conselho e Fundo de Assistência Social. Municípios e Distrito Federal. com alterações. com recursos transferidos do Fundo Nacional de Assistência Social. solicitação à Secretaria Estadual de Assistência Social.33). é assegurada um provento mensal de 1 (um) salário mínimo (art. de 01 de outubro de 2003). aos idosos. a partir de 65 anos . integração e participação do idoso na sociedade e fortalecer seus vínculos familiares. bem como a existência de Plano devidamente aprovado pelo Conselho.Como os Estados e Municípios. regulamentado pela LOAS e endossado. Entretanto. têm autonomia para definirem e colocarem em prática ações que julgarem procedentes. alocação de recursos do tesouro municipal nos seu respectivo Fundo de Assistência Social. explicitar-se-á. implantação de um Centro de Referência da Assistência Social (Casa das Famílias). previsto na Constituição Federal vigente. programas e projetos executados por governos de Estados. Nessa alteração.e não de 67 como prevê a LOAS que não possuam meios para prover sua subsistência e nem de tê-la provida por sua família. bem como por entidades sociais.

Mitos na Berlinda endereço eletrônico- http:/www. Rio de Janeiro: Rocco. DUARTE.opas. ENSP Fundação Oswaldo Cruz.6. em unidades locais de Assistência Social. Constituição da República Federativa do Brasil de 5 de outubro de 1988. Igualdade e Meritocracia. DA MATTA R. v. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Tese de Doutorado em Saúde Pública. _____________. Brasília. 1997. ed.J. dezembro 1999. 8. 5.Outra proteção social básica desenvolvida pela política de Assistência Social que indiretamente beneficia os idosos é o Programa de Atenção Integral à Família (PAIF). Rio de Janeiro: 1991.3-228. Atenção ao Idoso: Um Problema de Saúde Pública e de Enfermagem. p. Carnavais. _____________.denominadas Casa das Famílias. 1984.htm. Brasília. Rio de Janeiro: 1994 . 4. BNDES. site da internet consultado no dia 19 de novembro de 1999.12. Ministério da Saúde. Rio de Janeiro. com vistas ao acolhimento. Diário Oficial da União. Internação Institucional do Idoso: Assistência à Saúde em Geriatria no Setor Público. L. Organização Pan-Americana de Saúde OPAS/OMS. Lei 8. Para uma sociologia do dilema brasileiro.br/Dia %20Mundial/99envelhecimento. Conferência realizada na Escola de Enfermagem Anna Nery.S. Petrópolis: Vozes. 7. Revista do BNDES.R. 6. _____________. M. 4. Malandros e Heróis. n. Estabelece a criação do Conselho Nacional do Idoso.org. 2. convivência. 1999. BARBOSA. socialização e estímulo à participação social das família e seus membros 1. 3. _____________. 9. Diário Oficial da União.842 de 04 de janeiro de 1994.6. BRASIL. realizado nos Municípios. RELATIVIZANDO: Uma Introdução à Antropologia Social. ed.