Você está na página 1de 8
Terapêutica do Sistema Respiratório André Carneiro Professor de Farmacologia Aplicada Universidade Castelo Branco 2012

Terapêutica do Sistema Respiratório

André Carneiro Professor de Farmacologia Aplicada

Universidade Castelo Branco

2012

1

Anatomia Respiratória

Dividido em Vias aéreas:

Superior: focinho, cavidade nasal, seios da face, faringe, laringe e parte superior da traquéia.

Inferior: parte inferior da traqueia, brônquios, pulmões (bronquíolos, alvéolos).

3

Objetivos da Terapêutica Respiratória

Desobstrução brônquio pulmonar

Supressão da tosse

Modificação da resistência à passagem do ar

Controle da infecção

Estimulação da respiração

5

Fisiologia Respiratória

A função do sistema respiratório é possibilitar a troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas, e em contrapartida servindo como via de eliminação de gases residuais, que resultam dessas reações e que são representadas pelo gás carbônico

HEMATOSE

2

Afecções Respiratórias

As afecções do trato respiratório podem atingir uma ou mais regiões anatômicas, sendo assim faz-se necessário conhecer a dinâmica da patologia para a escolha adequada da terapia. Podem ser infecciosas ou não infecciosas.

4

terapia. Podem ser infecciosas ou não – infecciosas. 4 Desobstrução brônquio pulmonar A presença de muco

Desobstrução brônquio pulmonar

A presença de muco espesso nas afecções respiratórias é comum e é um fator de grande retardo na resolução de afecções respiratórias.

Sua eliminação pode se fazer através de:

Vaporização

Hidratação

Expectorantes

Mucolíticos

6

Desobstrução brônquio pulmonar

Desobstrução brônquio pulmonar VAPORIZAÇÃO Aumenta a Vascularização da mucosa Transdução de fluidos Hidratação
Desobstrução brônquio pulmonar VAPORIZAÇÃO Aumenta a Vascularização da mucosa Transdução de fluidos Hidratação

VAPORIZAÇÃO

Desobstrução brônquio pulmonar VAPORIZAÇÃO Aumenta a Vascularização da mucosa Transdução de fluidos Hidratação
Desobstrução brônquio pulmonar VAPORIZAÇÃO Aumenta a Vascularização da mucosa Transdução de fluidos Hidratação

Aumenta a Vascularização da mucosa Transdução de fluidos Hidratação e fluidificação do muco Fácil eliminação

7

Desobstrução brônquio pulmonar

EXPECTORANTES Agentes que estimulam direta ou indiretamente a secreção das glândulas da árvore respiratória. Essa aumento de secreções promove uma redução da viscosidade do muco.

das glândulas da árvore respiratória. Essa aumento de secreções promove uma redução da viscosidade do muco.

9

Desobstrução brônquio pulmonar

EXPECTORANTES

Guaifenesina

brônquio pulmonar EXPECTORANTES • Guaifenesina Obs: Guaifenesin associado com o iodeto de potássio
brônquio pulmonar EXPECTORANTES • Guaifenesina Obs: Guaifenesin associado com o iodeto de potássio

Obs: Guaifenesin associado com o iodeto de potássio (Iodepol expectorante ® )

11

Desobstrução brônquio pulmonar

Frequentemente um paciente com determinada afecção respiratória tem algum grau de desidratação (ex:

febre) o que contribui para espessamento do muco

HIDRATAÇÃO
HIDRATAÇÃO

Nesses casos a Hidratação pode ser uma boa medida auxiliar

8

Desobstrução brônquio pulmonar

Desobstrução brônquio pulmonar EXPECTORANTES • Iodeto de potássio ou sódio: expectorante salino, contra indicado

EXPECTORANTES Iodeto de potássio ou sódio: expectorante salino, contra indicado na prenhes avançada e em condições de hipertireoidismo. Também não deve ser utilizado em animais de produção de leite

10

Desobstrução brônquio pulmonar

MUCOLÍTICOS

Agentes que reduzem a viscosidade do muco por ação direta em seus componentes.

12

Desobstrução brônquio pulmonar MUCOLÍTICOS • Cloridrato de bromexina: fragmenta as fibras de glicoproteínas do
Desobstrução brônquio pulmonar MUCOLÍTICOS • Cloridrato de bromexina: fragmenta as fibras de glicoproteínas do

Desobstrução brônquio pulmonar

MUCOLÍTICOS Cloridrato de bromexina: fragmenta as fibras de glicoproteínas do muco, consequentemente reduz a viscosidade do muco e ativa o epitélio ciliar. Tem pouca ação nas secreções purulentas, onde os componentes são principalmente fibras de DNA.

13

Desobstrução brônquio pulmonar

DESCONGESTIONANTES NASAIS A congestão é uma resposta inflamatória que culmina com a produção de muco. Drogas de combate:

Efedrina

Oximetazolina

Solução fisiológica

15

Desobstrução brônquio pulmonar

Desobstrução brônquio pulmonar DESCONGESTIONANTES NASAIS • Oximetazolina  Descongestionante nasal e ocular 

DESCONGESTIONANTES NASAIS

Oximetazolina

Descongestionante nasal e ocular Menos efeito colateral que a efedrina Efeito de 12 horas Apresentação: Afrin ®

17

Desobstrução brônquio pulmonar MUCOLÍTICOS • Acetilcisteína: é capaz de fragmentar tanto as fibras de

Desobstrução brônquio pulmonar

MUCOLÍTICOS Acetilcisteína: é capaz de fragmentar tanto as fibras de glicoproteínas quanto de DNA. Atua melhor na nebulização, mas pode ser utilizado em outras vias.

14

Desobstrução brônquio pulmonar

DESCONGESTIONANTES NASAIS

Efedrina

Não deve ser utilizada cronicamente Produz efeito rebote Efeito de 4 a 6 horas Uso oral, nebulização ou gotas

16

Desobstrução brônquio pulmonar

Desobstrução brônquio pulmonar DESCONGESTIONANTES NASAIS • Solução Fisiológica  Descongestionante por hidratar

DESCONGESTIONANTES NASAIS

Solução Fisiológica

Descongestionante por hidratar o muco Menor efeito final Apresentação: Rinosoro® e Sorine®

18

Supressão da Tosse

 

A tosse é um reflexo protetor, só deve ser combatida quando não produtiva ou muito intensa, onde pode causar disseminação de infecções, rompimento de alvéolos e prejuízo ao sono do animal.

Para o combate usa-se Antitussígenos:

 

Codeína

Dextrometorfano

 

19

Supressão da Tosse

 

Dextrometorfano

 Similar a codeina (Sintético)  Não causa dependencia  Venda livre  Apresentação: Silencium

Similar a codeina (Sintético) Não causa dependencia Venda livre Apresentação: Silencium ®

 

Tartarato de hidrocona, butorfanol, tartarato de di-hidrocodeína.

21

Modificação da resistência à passagem do ar

 

Broncodilatadores adrenérgicos

Via oral, subcutânea ou pulmonar Via pulmonar mais eficiente Sinergismo com xantinas e potencialização com corticosteróides Adrenalina e efedrina: efeitos colaterais sistêmicos Drogas: Adrenalina, efedrina, terbutalina, salbutamol e isoproterenol

23

Supressão da Tosse

Codeína

Narcótico de ação central Atua diretamente no centro da tosse Indicada para tosse seca Em doses altas ou constantes (depressão respiratória e constipação) Apresentação: Belacodit ®

20

Modificação da resistência à passagem do ar

O estreitamento anatômico (secreções, edema, corpo estranho, fibrose ou inflamação) e o broncoespasmo (por constrição da musculatura lisa da árvore respiratória) são os principais elementos que dificultam a passagem do ar.

Drogas utilizadas no tratamento do broncoespasmo

Broncodilatadores adrenérgicos

Xantinas

22

Modificação da resistência à passagem do ar

Xantinas Alcalóide vegetais Via oral e intravenosa Broncodilatadores e estimulantes do miocárdio Podem causar irritação gastroentérica, excitação do SNC, e se dadas IV rápida pode causar arritmias e parada cardíaca Drogas: Teofilina e aminofilina 24

Controle da Infecção

O diagnóstico da causa é fundamental para a administração de um antibiótico adequado. Via de regra, a maioria das infecções bronco-pulmonares envolve Gram-positivos

Primeira escolha: grupo das Penicilinas

Micoplasmose e traqueobronquite infecciosa:

Tetraciclinas

Tuberculose: Estreptomicina

Outras opções: Cefalosporinas e Clorafenicol

25

Estimulação da Respiração

ESTÍMULO MEDICAMENTOSO Cloridrato de Doxapran Indicado nas insuficiências respiratórias agudas. Ex: intoxicação anestésica Atua diretamente no Centro Respiratório do SNC via IV

27

Nebulização

Objetivos:

Umidificação da mucosa bronquial

Deposição seletiva de drogas nos bronquíolos (antibióticos e mucolíticos)

Deposição de drogas que auxiliam a

eliminação de exudatos (solução fisiológica,

propilenoglicol,

)

29

Estimulação da Respiração

O estímulo artificial à respiração deve ser feito sempre que houver insuficiencia respiratória

Podem ser utilizados 2 métodos:

Estímulo medicamentoso

Oxigênioterapia

26

Estimulação da Respiração

Oxigênioterapia Indicado nas insuficiências respiratórias agudas. Qualquer tipo de hipóxia.

respiratórias agudas. Qualquer tipo de hipóxia.  Administração principalmente por máscara facial,

Administração principalmente por máscara facial, cateter traqueal, cateter nasal ou sonda endotraqueal (traqueotubo).

28

Usar solução isotônica Duração: 10 -15 min
Usar solução
isotônica
Duração: 10 -15
min

Nebulização

Nebulizador com máscara acoplada

Gaiola fechada

solução isotônica Duração: 10 -15 min Nebulização • Nebulizador com máscara acoplada • Gaiola fechada 30
solução isotônica Duração: 10 -15 min Nebulização • Nebulizador com máscara acoplada • Gaiola fechada 30
solução isotônica Duração: 10 -15 min Nebulização • Nebulizador com máscara acoplada • Gaiola fechada 30
solução isotônica Duração: 10 -15 min Nebulização • Nebulizador com máscara acoplada • Gaiola fechada 30

30

Nebulização

Broncodilatadores:

Isoproterenol

Nebulização Broncodilatadores: • Isoproterenol Antibióticos: • Gentamicina (250 mg / 5 ml de salina / BID)

Antibióticos:

Gentamicina (250 mg / 5 ml de salina / BID)

Gentamicina (50 mg / 5 ml de salina / BID)

Polimixina B (300.000 U.I. / 5 ml de salina / BID)

31

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias 33

33

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias • Rinites:  Agente causal (infeccioso ou alérgico) 

Rinites:

Agente causal (infeccioso ou alérgico) Lavagem da cavidade Administrar antibióticos (rinites infecciosas) Administrar corticosteróides (rinites alérgicas)

35

Nebulização Umidificantes: • Solução Fisiológica • Glicerina (usar a 5% em salina) • Propilenoglicol (10-20%

Nebulização

Umidificantes:

Solução Fisiológica

Glicerina (usar a 5% em salina)

Propilenoglicol (10-20% em salina)

Mucolíticos detergentes:

Acetilcisteína (5-10% em salina- 2-10 ml TID)

32

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Epistaxe Controlar a hemorragia Desobstruir a passagem do ar Repor perdas sanguineas Aplicar bolsas de gelo Manter cabeça levemente abaixada (evitar aspiração) Entubar, limpar cavidade, gaze com adrenalina

34

de gelo  Manter cabeça levemente abaixada (evitar aspiração)  Entubar, limpar cavidade, gaze com adrenalina
Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias • Traqueobronquites  Antibióticos de amplo espectro via

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Traqueobronquites Antibióticos de amplo espectro via parenteral Suspeita de Bordetella bronchiseptica:

Tetraciclina Processos alérgicos: corticosteróides Uso de antitussígenos

36

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Pneumonias Bacterianas: Antibiótico + vaporização + mucolíticos Verminóticas: Levamisol + antibióticos (infecção secundária) Micóticas: Anfotericina B + suplementação potássio oral

Alérgicas:

ou

Corticosteróides

(prednisona

prednisolona)

37

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Edema pulmonar

Restrição da atividade física do paciente Oxigênioterapia + Broncodilatação (aminofilina) Reduzir pressão capilar pulmonar (diuréticos:

furosemida) Corticosteróides (reduzir a permeabilidade capilar)

39

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias • Pneumotórax  Restrição do paciente  Reparar

Pneumotórax

Restrição do paciente Reparar traumatismos externos Oxigênio Toracocentese para drenagem do ar

41

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Pneumonias

De aspiração: antibiótico + oxigênio + corticoides

De inalação: oxigênio + vaporização + hidratação

broncodilatadores

+

(aminofilina)

corticosteróides

+

38

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Piotorax

Tratar causa primária Antibióticos de amplo espectro Clorafenicol ou Gentamicina

Toracocentese ou Toracostomia para lavagem diária com salina

40
40

Terapêutica das Principais Afecções Respiratórias

Hemotórax

Remover causa primária Repor volume sanguineo perdido Corticosteróides IV Oxigênio Toracocentese

Remover causa primária  Repor volume sanguineo perdido  Corticosteróides IV  Oxigênio  Toracocentese 42

42

Bom dia! 43
Bom dia!
43