Você está na página 1de 14

5220 Demanda Química de Oxigênio (DQO) * (Standard)

5220 A. Introdução
Demanda Química de Oxigênio (DQO) é definida como a quantidade de um oxidante especifico
que reage com a amostra em condições controlada.
A quantidade de oxidante consumida é expressa em termos de equivalentes de oxigênio.
Devido às suas propriedades químicas originais, o íon dicromato (Cr 2O72-) é o oxidante
especificado em Métodos 5220B, C e D, é reduzido para o íon cromo (Cr 3+) em resultado
desses testes.
Ambos os componentes orgânicos e inorgânicos das amostras estão sujeitas à oxidação, mas
na maioria dos casos, o componente orgânico predominante é do maior interesse.
Se se deseja medir tanto COD orgânicas ou inorgânicas por si só, não de medidas adicionais
descrito aqui, deve ser tomado medidas para distinguir um do outro.
COD é um teste definidos, o grau de oxidação da amostra pode ser afetada pelo tempo de
digestão, a força de reagentes e concentração de COD da amostra.
COD é usada frequentemente como uma medida de poluentes nas águas residuais e águas
naturais. Outros parâmetros estão relacionados com valores analíticos, como a demanda
bioquímica de oxigênio (DBO), carbono orgânico total (COT), e a demanda de oxigênio total
(TOD). Em muitos casos é possível correlacionar dois ou mais desses valores de uma
determinada amostra.
- DBO é uma medida de oxigênio consumido por microorganismos sob condições específicas; -
- TOC é uma medida de carbono orgânico em uma amostra;
- TOD é uma medida da quantidade de oxigênio consumida por todos os elementos em uma
amostra quando a oxidação completa (total) é alcançada.
Em uma análise de COD, resíduos perigosos como prata de mercúrio, cromo hexavalente,
ácido sulfúrico, e os ácidos são gerados. Methods 5220C e D minimizam estes problemas dos
resíduos, mas pode ser menos preciso e menos representativo. (Veja ¶ 2 abaixo).

1. Seleção do método
O método de refluxo aberto (B) é adequado para uma ampla gama de resíduos em uma
amostra de tamanho grande.
Os métodos de refluxo fechado (C e D) são mais econômicos no uso de reagentes de sal
metálico e gerar pequenas quantidades de resíduos perigosos, mas exigem homogenização de
amostras que contêm sólidos em suspensão, para obter resultados estável e reprodutível.
Ampolas e tubos de cultura com os agentes medidos estão disponíveis comercialmente.
As medições de volumes da amostra, bem como os volumes de reagente e as concentrações
são cruciais.
Por conseguinte, obter especificações quanto ao limite de erro para reagentes pré-misturados
do fabricante antes de usar.

Determine os valores de COD> 50 mg 02/L, usando procedimentos 5220B.4ª, C.4, ou D.4.


Use procedimento 5220B 4b para determinar, com menor precisão, COD valores 5-50 mg 02/L.

2. Interferências e Limitações
Oxidação de compostos orgânicos é mais 95 a 100% do valor teórico. Piridina ecompostos
relacionados e resistentes à oxidação de compostos orgânicos voláteis reagem na proporção
de seu contato com o oxidante. Cadeia linear de compostos alifáticos são oxidados de forma
mais eficaz, na presença de um catalisador de prata de sulfato.
Os interferentes mais comum é o íon cloreto.
Cloreto reage com o íon prata para precipitar o cloreto de prata e, portanto, inibe a atividade
catalítica de prata.
Brometo, iodeto, ou qualquer outro reagente que desabilita o íon prata pode interferir de forma
semelhante.
Essas interferências são negativas na medida em que tendem a restringir a ação de oxidação
do íon dicromato em si.
No entanto, no âmbito dos procedimentos de digestão para análise rigorosa DQO, cloreto,
brometo, iodeto, ou pode reagir com o dicromato de produzir a forma elementar do halogênio e
do íon crômico. Resultados são, então, por erro no lado alto.

1
As dificuldades causadas pela presença do cloreto pode ser superada em grande parte,
embora não completamente, por complexação com destino sulfato de mercúrio (HgS04) antes
do processo de refluxo.

Embora 1g HgS04 é especificado para 50 mL da amostra, em menor quantidade, podem ser


utilizados quando a concentração de cloreto de amostra é conhecido por ser inferior a 2000
mg/L, enquanto uma proporção de peso de 10:01 HgS04: Cl- é mantida.
Não usar o teste para amostras contendo mais de 2000 mg CL-/ L.
Técnicas concebidas para medir COD em águas salinas são utilizaveis.
interferências de haletos podem ser removidas por precipitação com íons de prata e de
filtração, antes da digestão.

Esta abordagem pode introduzir erros significativos devido à oclusão e arraste da matéria COD
de amostras heterogêneas.
A amônia e seus derivados, no lixo ou gerados a partir de nitrogênio contendo matéria
orgânica, não são oxidados. No entanto, o cloro elementar reage com estes compostos.
Portanto, as correções de cloreto de interferências são difíceis.

Nitrito (N02-) exerce uma COD de 1.1 mg 02/mg N02- -N.


Porque as concentrações de N02- Em águas raramente excedem 1 ou 2 mg N0 2- -N / L, a
interferência é considerado insignificante e, geralmente, é ignorada.
Para eliminar uma interferência significativa devido ao N02- , adicionar 10 mg de ácido
sulfâmico para cada mg de volume da amostra utilizada: adicionar a mesma quantidade de
ácido sulfâmico ao navio (tubo) de refluxo contendo a água destilada em branco.

Redução de espécies inorgânicas, tais como ferro ferroso, sulfetos, manganês manganoso, etc,
são oxidados quantitativamente nas condições de ensaio.
Para as amostras que contêm níveis significativos destas espécies, a oxidação estequiométrica
pode ser assumida a partir da concentração inicial das espécies conhecidas de interferência e
correções podem ser feitas com o valor obtido COD.

A prata, crómio hexavalente, e sais de mercúrio utilizados nas determinações COD criar
resíduos perigosos.
O maior problema está no uso do mercúrio.
Se a contribuição de cloreto de COD é insignificante, HgS04 pode ser omitido.
Tamanhos menores de amostra (ver 5220C e D) podem reduzir o desperdício.
A recuperação do material residual pode ser viável se for permitido pela regulamentação das
autoridades.3

3. Amostragem e armazenamento
Preferencialmente coletar as amostras em frascos de vidro.
Teste as amostras sem demora, pois são instáveis. Se o atraso for inevitável,antes da análise,
preservar a amostra por acidificação para pH abaixo de 2, utilizando H2S04 concentrado.
Misture (homogeneizar) todas as amostras que contêm sólidos em suspensão, antes da
análise. Se COD é estar relacionado a CBO, TOC, etc, certifique-se que todos os testes
receberam pré-tratamento idêntico.
Faça diluições preliminar dos resíduos que contêm um alto COD para reduzir o
erro inerente à medição de volumes de amostra pequeno.

2
5220 B. Método Refluxo Aberto
1 Discussão Geral
a. Princípio: a maioria dos tipos de matéria orgânica são oxidados por uma mistura em ebulição
dos ácidos crômico e sulfúrico.
A amostra é refluído em solução de ácido forte em excesso conhecido de dicromato de
potássio (K2Cr207).
Após a digestão, o restante não reduzido de K2Cr207 é titulado com sulfato de amónio ferroso
para determinar a quantidade de K2Cr207 consumidos e a matéria oxidável é calculada em
termos de equivalentes de oxigênio.
Manter relações de pesos reagentes, volumes, e as forças constante quando não são utilizados
50 mL de volume da amostra.
O tempo de refluxo padrão de 2-h pode ser reduzido se ele tiver sido demonstrado que um
rendimento menor período os mesmos resultados.
Algumas amostras com DQO muito baixas ou com alto teor de sólidos heterogéneos pode
precisar ser analisada em duplicata para se obter dados mais confiáveis.
Os resultados são ainda mais reforçada pela reação de uma quantidade
máxima de dicromato, desde que alguns dicromato residual.

2. Aparelho
a. aparelho de refluxo, composto de 500 ou 250 mL
-erlenmeyer,
-Balões com vidro fosco pescoço 24/40 e de 300 mm
- jaqueta Liebig, oeste ou condensador equivalente com esmerilado 24/40,
-e uma chapa de aquecimento com poder suficiente para produzir pelo menos 1,4 W/cm2 de
aquecimento da superfície, ou equivalente.
b. homogenizador (liquidificador|)
c. Pipetas, Classe A e de grande diâmetro.

3. Reagentes
a. Solução-padrão de dicromato de potássio. 0.04167 M:
Dissolver 12.259 g K2Cr207, grau padrão primário(previamente seco a 150 ° C por 2 h), em
água destilada e diluir em balão de 1000 mL.
Este reagente sofre uma reação de redução de seis elétrons, a concentração equivalente a 6 X
0.04167M(0.25002M) ou 0.2500 W.

b. Solução de ácido sulfúrico:


Adicionar Ag2S04, reagentes ou grau técnico, cristais ou pó, para H2S04 concentrado à taxa
de 5,5 g Ag2S04/kgH2S04. Deixe repousar 1 a 2 dias para dissolver. misture.

c. solução indicadora de Ferroína:


dissolver 1.485g de 1,10 fenantrolina monohidratada e 695mg de FeS04•7H20(sulfato de ferro
II) em água destilada água e diluir a 100 mL. Esta solução indicadora pode ser adquirido já
preparado .

d. padrão de sulfato ferroso de amônio (FAS) titulante, aproximadamente 0,25 M:


dissolver 98 g de Fe(NH4)2(S04)2• 6H20 em água destilada.
Adicionar 20 mL H2S04 concentrado, esfriar, e diluir a 1000mL.
Padronizar esta solução diária contra a norma K2Cr207solução da seguinte forma:
Diluir padrão de 25,00 mL K2Cr207 para 100 mL.
Adicionar 30 mL H2S04 concentrado e deixe esfriar.
Titular com FAS titulante usando 0,10 a 0,15 mL (2-3 gotas) ferroína indicador.

Molaridade da solução de FAS =

ml da solução titulada de dicromato de potássio 0.04167M x 0.2500

3
ml de FAS gasto na titulação

e. Sulfato de mercúrio, HgS04, cristais ou em pó.

f. Ácido sulfâmico: Necessário apenas se a interferência de nitritos, deve ser eliminado (ver
5220A.2 acima).

g. Padrão Hidrogenoftalato de potassio (KHP), HOOCC6H4COOK:


Ligeiramente esmagar e depois secar o KHP até peso constante a 110 ° C.
Dissolver 425 mg em água destilada e diluir a 1000 mL.
KHP tem um COD teórico de 1,176 mg 02/mg e essa solução tem uma DQO teórica de 500 /
µg02/mL.
Esta solução é estável quando refrigerada, mas não indefinidamente. Esteja alerta para o
desenvolvimento do crescimento biológico visível. Se possível, preparar e transferência de
solução em condições estéreis. Preparações com validade Semanal geralmente é satisfatória.

4. Procedimento

a. Tratamento das amostras com DQO > 50 mg O2 /L:


A amostra misturada, se necessário, pipetar 50,00 mL para um balão de refluxo de 500 mL.
Para as amostras com uma COD > 900 mg 02/L, use uma pequena porção diluída a 50,00 mL.

Adicionar 1gHgS04, várias perolas de vidro, e muito lentamente adicionar 5,0 ml de reagente
ácido sulfúrico, com a mistura para dissolver HgS04. resfriar a mistura para evitar a possível
perda de materiais voláteis.
Adicionar 25,00 mL de solução 0.04167M K2Cr207 e misturar.
Anexar balão a condensador e ligar a água de resfriamento.
Adicionar solução de ácido sulfúrico restantes (70 mL) até o final do aberto de refrigerante.
Continue agitando e misturando ao adicionar ácido sulfúrico.

ATENÇÃO: mistura refluxo completamente antes de aplicar calor para evitar um


aquecimento local balão de fundo e uma ruptura possível do conteúdo do
frasco
cubra a extremidade aberta do condensador com um pequeno copo para impedir a entrada de
materiais estranhos e a mistura de refluxo, mantenha o refluxo por 2 h.

Resfriar o condensador com água destilada .


Desligue o condensador e diluir a mistura cerca de duas vezes o seu volume com água
destilada.
Arrefecer à temperatura ambiente e titular K2Cr207 excesso com FAS, utilizando ,1,0 a 1,5 mL
(2-3 gotas) ferroína indicador.
Apesar da quantidade de indicador ferroína não é crítica, use o mesmo volume para todas as
titulações.
Tome-se como o ponto final da titulação a mudança de cor primeira de tons de azul-
esverdeado ao marrom avermelhado, que persiste por 1 minuto ou mais.
determinações em duplicata deve acordar dentro de 5% de sua média.
As amostras com sólidos em suspensão ou componentes que são lentos para oxidar pode
exigir determinações adicionais.
O azul-verde pode reaparecer. Da mesma forma de refluxo, e titula um branco contendo os
reagentes e um volume de água destilada igual ao da amostra.

b. Procedimento alternativo para amostras de baixa COD:


Siga o procedimento ¶ 4.a, com duas exceções:
(0 uso padrão 0.004167M K2Cr207, e (/ titular) com padrão FAS 0.025M.
Exercício de extremo cuidado com este procedimento, pois até mesmo um traço de matéria
orgânica no vidro ou a partir da atmosfera pode causar erros grosseiros.

4
Se um aumento da sensibilidade é necessária, concentram um maior volume de amostras
antes da digestão, sob refluxo, como segue:
Adicionar todos reagentes a uma amostra maior que 50 mL e reduzir o volume total de 150 ml
por ebulição no balão de refluxo aberto para a atmosfera sem o condensador ligado.
Calcular quantidade de HgS04 a ser acrescentado (antes da concentração) na base de uma
relação de peso de 10:01, HgS04: Cl-, usando o montante de CL- presentes no volume original
da amostra.
Levar um reagente em branco através do mesmo procedimento.
Este técnica tem a vantagem de concentrar a amostra sem perdas significativas de fácil
digestão materiais voláteis.
De difícil digestão de materiais voláteis como os ácidos voláteis são perdidos, mas um melhoria
é adquirida ao longo de concentração por evaporação normal métodos.
Duplicar as determinações não se espera que sejam tão precisos como em 5220B.4a.

c. Determinação da solução padrão:


avaliar a técnica e qualidade dos reagentes através da realização do teste em um padrão
solução de ftalato hidrogênio de potássio.
5. Calculation

(A-B) x M x 8000
DQO mgO2/L = ---------------------
ml da amostra
onde:
A = mL FAS utilizado para branco,
B = mL FAS utilizada na titulação da amostra,
M = molaridade da FAS, e
8000 = peso miliequivalente de oxigénio X 1000 mL / L.

6. Precisão e tendências
Um Conjunto de amostras Sintéticas Contendo ftalato hidrogênio de potássio e NaCl Foi
testado Por 74 Laboratórios. Em Uma COD de 200 mg 02 / L NA Ausência de cloreto, o desvio
padrão foi de ± 13 mg / L (coeficiente de variação, de 6,5%). Nenhum COD de 160 mg 02 / L e
100 mg Cl ~ / L, o desvio padrão foi de ± 14 mg / L (coeficiente de variação, 10,8%).

5
5220 C. Método Titulométrico de refluxo Fechado

1 Discussão Geral

a. Princípio: veja 5220B.1a

b. Interferências e limitações: Veja 5220A.2.

Compostos orgânicos voláteis


compostos são mais completamente oxidada em sistema fechado por causa de mais contato
com o oxidante.
Antes de cada uso, verifique tubo de cultura, tampões para pausas no forro TFE.
Selecione tubo de cultura bloco de tamanho de acordo com a capacidade de aquecimento e
grau de sensibilidade desejado.
Use o 25 - X 150 mm de tubo para amostras com DQO baixa conteúdo, pois uma amostra
maior volume pode ser tratada.
Este procedimento é aplicável aos valores de DQO entre 40 e 400 mg / L.
Obter os valores mais elevados de diluição.
Como alternativa, use as maiores concentrações de solução de dicromato de digestão
para determinação de COD de valores maiores.
valores de COD de 100 mg / L ou menos pode ser obtido através de uma solução mais diluída
de dicromato de digestão ou uma mais diluída titulante FAS.
Precisão global pode ser melhorada usando um titulante FAS, que é menos do que a solução
0,10 M a seguir especificados.
As maiores concentrações de dicromato ou reduzidas concentrações FAS provavelmente exigir
titulação a ser feito em um recipiente separado, em vez de o navio a digestão, porque os
volumes de titulante necessário.

2. Aparelho
a. Tubos Digestão:
Preferencialmente use tubos de cultura de borosilicato,16 - X 100 mm, 20 - X 150 mm, ou 25 -
X 150 mm, com TFE-alinhadas as tampas de rosca.
Como alternativa, use ampolas de borosilicato, 10 mL capacidade, 19 - 20 mm diam.
Tubos de Digestão com reagentes pré-misturados e Ries ¬ outras accesso estão disponíveis a
partir de fornecedores comerciais. Contactar com fornecedor de especificações .*

b. Bloco aquecedor ou dispositivo similar para funcionar a 150 ± 2 ° C,furos para


acomodar tubos de digestão. Uso de tubos cultura provavelmente necessita das tampas para
fora do tubo para proteger as tampas de calor.
ATENÇÃO: Não usar um forno, por causa de a possibilidade de vazamento de amostras de
gerar uma atmosfera corrosiva e possivelmente explosiva. Além disso, as tampas de tubos de
cultura não pode suportar a temperatura de 150 °C em um forno.
c. micropipetas.
d. Ampola de cimento:
Use apenas um selador mecânica para assegurar forte, selos coerentes.

3. Reagentes
a, solução de digestão de dicromato de potássio,0.01667M:
Adicione a cerca de 500 mL de água destilada a 4,903gK2Cr207, grau padrão primário,
previamente seco a 150 ° C para 2 h, e 167 mL de H2S04 concentrado, e 33,3 g HgS04.
Dissolver, esfriar a temperatura ambiente e diluir a 1000 mL.

b. Solução de ácido sulfúrico: Ver Seção 5220B.3b .

6
c. Ferroína solução do indicador: Veja a Seção 5220B.3c. Diluir este reagente por um fator
de 5 (1+4).

d. Standard titulante sulfato ferroso de amônio (FAS), aproximadamente 0,10 M:


dissolver 39,2 g de Fe (NH4) 2 (S04) 2 • 6H20 em água destilada.
Adicionar 20 mL H2S04 cone, cool, e diluir a 1000mL.
Padronizar solução diária contra a norma K2Cr207 digestão solução da seguinte forma:
Pipetar 5,00 mL de solução de digestão para um copo pequeno. Adicionar 10 mL de água
reagente para substituir amostra.resfriar para a sala de temperatura ¬ ma. Adicionar 1-2 gotas
de indicador ferroína diluído e titular com titulante FAS.

Molaridade da solução de FAZ= ml da solução titulante de K7Cr707 0.01667M x 0.1000


Ml da solução titulante de FAS

e. O ácido sulfâmico: Ver Seção 5220B.3f

f.Hidrogénio de potássio padrão: Veja a Seção 5220B.3g.

4. Procedimento
Lavar os tubos de cultura e tampas com H2S04 20% antes do primeiro uso para evitar
contaminação.
Consulte a Tabela 5220:1 para a amostra e os volumes de reagente adequado.
Fazer medições volumétricas tão preciso quanto prático, com uso de classe porcelana A
volumétrico.
Os volumes mais críticos são da amostra e da solução de digestão.
Use micropipetas e microburetas para titulações.
Medida mL de H2S04 ± 0,1.
O uso de pipetadores de mão com os não-molhante (polietileno) ponteiras é prático e
adequado.
Colocar a amostra em tubo de cultura ou ampola e adicione solução de digestão.
Cuidadosamente executado ácido sulfúrico para dentro do tubo assim uma camada de ácido é
formado sob a camada de solução de digestão de amostras.
Fechar firmemente os tubos tampa ou selo das ampolas, e inverter várias vezes para cada
misturar completamente.
CUIDADO: Use protetor facial e proteger as mãos do calor produzido quando o conteúdo dos
tubos são misturados.
Misturar bem antes de aplicar o calor para evitar um aquecimento local do tubo do fundo e
reação explosiva possível.
Coloque os tubos ou ampolas em bloco digestor pré-aquecido a 150 ° C e o refluxo por 2 h
atrás de um escudo protetor.

ATENÇÃO: Estes recipientes fechados pode estar sob pressão dos gases produzidos durante
a digestão. Usar proteção do rosto e das mãos quando do manuseio.
Se o ácido sulfúrico é omitido ou reduzido na concentração, pressões muito altas e perigosas
serão gerados a 150 ° C.
Arrefecer à temperatura ambiente e vasos lugar no rack tubo de ensaio.
Alguns sulfato de mercúrio pode precipitar para fora, mas isso não afetará a análise.
Retire as tampas de tubos de cultura e acrescentar pequenas TFE-bar coberto agitação
magnética.
Se as ampolas são usados, a transferência de conteúdo para um recipiente maior para a
titulação.
Adicionar 0,05- a 0,10 mL (1-2 gotas) indicador ferroína e mexa rapidamente em agitador
magnético, enquanto titulando com FAZ 0.10M padronizados.
O ponto final é uma mudança acentuada de azul-esverdeado ao marrom avermelhado, embora
o azul-verde pode reaparecer em poucos minutos.
No refluxo mesma forma dosear uma amostra em branco, atenção dos reagentes e um volume
de água destilada igual ao da amostra

7
Tabela 5220:1 - AMOSTRA E QUANTIDADES DE REAGENTE PARA TUBOS DE DIGESTÃO
DIFERENTES

Digestão do ml da amostra ml solução de ml do reagente ml do volume


tubo digestão de acido total final
sulfúrico

16x100mm 2,5 1,5 3,5 7,5

20x150mm 5,00 3,00 7,0 15,0

25x150mm 10,00 6,00 14,0 30,0

Ampolas padrão 2,5 1,50 3,5 7,5


de 10ml

5. Calculos

DQO em mg O2/L = (A – B) x M x 8000


ml/amostra

onde:
A = mL FAS utilizado para branco,
B = mL FAS da amostra utilizada,
M = molaridade da FAS, e
8000 = peso miliequivalente de oxigénio X 1000 ml/L.

Preferencialmente analisar amostras em duplicata devido à pequena dimensão da amostra. As


amostras que são heterogêneas podem exigir multiplas determinações para a análise precisa.
Os resultados devem concordar ± 5% da sua média, a menos que a condição da amostra dita
de outra maneira.

6. Precisão e tendência
Sessenta amostras sintéticas contendo hidrogênio phtha de potássio e NaCl foram testadas por
seis laboratórios. Com uma média de COD de 195 mg 02 / L na ausência de cloreto, o desvio
padrão foi de ± 11 mg 02 / L (coeficiente de variação, 5,6%).
Com uma média de COD de 208 mg 02 / L e 100 mg CF / L, o desvio padrão foi de 02 ± 10
mg / L (coeficiente de variação, 4,8%).

8
5220 D. método colorimétrico refluxo fechado

1 Discussão Geral
a. Princípio: Veja Seção 5220B.1a.
Quando uma amostra é digerida, o íon dicromato oxida COD material da amostra.
Isto resulta na mudança de crómio hexavalente do estado (VI) para o estado trivalente (III) .
Ambas estas espécies de cromo são coloridos e absorvem na região visível do espectro.
O íons dicromato (Cr2072-) absorve fortemente na região de 400 nm, onde o íon cromo (Cr 3+) a
absorção é muito menor.
O íon crômico absorve fortemente na região de 600 nm, onde o dicromato tem quase zero de
absorção.
Em solução de ácido sulfúrico 9M, os coeficientes de extinção molar aproximada para estas
espécies de cromo são os seguintes:
Cr 3+ - 50 L/mol cm a 604nm;
Cr2072- - 380 L /mol cm a 444 nm;
Cr 3+ - 25 L / mol cm a 426 nm.

O íon Cr3+ tem um mínimo de absorção na região de 400 nm.


Assim, um máximo de absorção de trabalho é de 420 nm.

Para valores de DQO entre 100 e 900 mg/L aumento em Cr3+ ,é determinado na região de 600
nm
Os valores mais elevados podem ser obtidas através da diluição da amostra.

valores de DQO de 90 mg / L ou menos pode ser determinada seguindo a diminuição


do Cr2072- a 420 nm.

A geração correspondente a Cr3+ "dá um pequeno aumento da absorção de 420 nm, mas isso é
compensado no procedimento de calibração.

b. Interferências e limitações:
Veja a Seção 5220C.1b.
Para que este procedimento possa ser aplicado, todos interferentes de absorção de luz visível
devem estar ausentes ou ser compensada.
Isto inclui a matéria insolúvel em suspensão, bem como componentes de cor.
Se qualquer tipo de interferência ocorre, o teste não é necessariamente perdida porque COD
pode ser determinada por titulação como na 5220C.

2. Aparelho
a. Veja secção 5220C.2.
Assegurar que os tubos de reação são de qualidade óptica.
Outros tipos de células de absorção com diversos caminho comprimentos podem ser usados.
Use os coeficientes de extinção dos íons de interesse para esta abordagem.

b. Espectrofotômetro, para utilização em 600 nm e / ou 420 nm com adaptador de acesso


abrindo para ampola ou tubos de 16 -, 20 -, ou 25 mm.
Verifique se o instrumento opera na região de 420 nm e 600 nm.
Valores ligeiramente diferentes destes podem ser encontrados, em função da banda espectral
do instrumento.

9
3. Reagentes
a. solução digestão gama de alta:
Adicione a cerca de 500 mL destilada água 10,216g K2Cr207, grau padrão primário,
previamente seco a 150 ° C por 2 h, e 167 mL de H2S04 concentrado, e 33,3 g HgS04.
Dissolver, arrefecer à temperatura ambiente e diluir a 1000 mL.

b. solução digestão escala, baixo:


Prepare como na 3a, mas o uso apenas de 1,022 g de dicromato de potássio.

c. Solução de ácido sulfúrico: Ver Seção 5220B.3b.

d. O ácido sulfâmico: Ver Seção /5220B.3f

e. Potássio hidrogénio ftalato padrão: Veja a Seção 5220B.3g.

4. Procedimento
a. Tratamento das amostras:
Meça o volume adequado de amostra e reagentes em tubo ou ampola como indicado na
Tabela 5220:1.
Prepare-se para digerir as amostras frescas, em branco, e uma amostra padrão, conforme
indicado na Secção 5220C.4.

Observe as precauções de segurança. É fundamental que o volume de cada componente seja


conhecido e que o volume total sejá o mesmo para cada tubo de reação.
Se o controle de volume é difícil, faça transferência do digerido da amostra, e dilua a um
volume conhecido e lido.
reagentes pré-misturados em tubos de digestão são disponíveis comercialmente.

b. Medição da redução do dicromato:


- a amostra deve baixar a temperatura lentamente para evitar a formação de precipitado.
- As amostras são resfriadas sob ventilação, se necessário, para aliviar qualquer pressão
gerada durante a digestão.
- Misture o conteúdo de recipientes de reação para combinar a água condensada e desalojar
questão insolúvel.
- Deixar a matéria em suspensão decantar e garantir um claro caminho óptico.
-Medir a absorção de cada amostra em branco e padrão selecionado comprimento de onda
(420 nm e 600 nm).

Em 600 nm, use um digerido em branco como solução de referência.


Analisar um branco digerido para confirmar a boa qualidade dos reagentes e para determinar o
COD do branco,
subtrair COD do branco de COD da amostra.
Como alternativa, use digerido em branco como a solução de referência, uma vez que está
provado que o branco tem uma baixa COD.

A 420 nm, uso da água reagente como solução de referência.


Medir todas as amostras, brancos e amostras contra essa solução.
A medição da absorção de um branco contendo dicromato não digerido, com a substituição da
amostra de água reagente, dará dicromato de absorção inicial.
Qualquer amostra digerida, em branco, ou um padrão que tem um valor de COD dará menor
absorbância, devido à redução de íons dicromato.
Analisar um branco digerido com reagente de substituição da amostra de água para garantir a
qualidade e reagente para determinar a contribuição dos reagentes "para a diminuição da
absorbancia durante a digestão.
A diferença entre absorbances de uma dada amostra digerida e digerida em branco é uma
medida da DQO da amostra.

10
Quando os padrões são executados, as diferenças de parcelas digerido absorbância em
branco e digeridas padrão de absorbância versus valores de COD para cada padrão.

c. Preparação da curva de calibração:


Preparar pelo menos cinco padrões de hidrogénio ftalato solução de potássio com COD
equivalentes para cobrir cada intervalo de concentração.
Compensar/completar para volume de água reagente; volumes mesma utilização de reagentes,
tubos ou tamanho da ampola, e o processo de digestão como para as amostras.
Preparar curva de calibração para cada novo lote de tubos ou ampolas ou quando normas
elaboradas em ¶4.a, diferem por ≥ 5% a partir da curva de calibração.
Curvas deve ser linear. No entanto, alguns não-linearidade podem ocorrer dependendo do
instrumento utilizado e acuácia necessária.

5. Cálculo
Se as amostras, padrões e branco são executados sob as mesmas condições de volume e
comprimento do percurso óptico, calcular COD como segue:

DQO em mg O2/L = volume mg/l O2 x 1000


ml/amostra
Preferencialmente analisar amostras em duplicata devido à pequena dimensão da amostra.
As amostras que são heterogêneas podem exigir multiplas determinações para a análise
precisa.
Estes não devem diferir dos de sua média mais de ± 5% para o teste de DQO de alto nível, a
menos que a condição da amostra dita de outra maneira.

No procedimento de baixo nível, resultados abaixo de 25 mg/L pode tender a ser mais
qualitativa do que quantitativa.

6. Precisão e tendência
Quarenta e oito amostras sintéticas contendo ftalato hidrogênio de potássio e NaCl foram
testados por cinco laboratórios. Em uma COD média de 193 mg 02 / L na ausência de cloreto,
o desvio padrão foi de ± 17 mg 02 / L (o coeficiente de variação 8,7%). Em uma COD média de
212 mg 02 / L e 100 mg PB / L, o desvio padrão foi de 02 ± 20 mg / L (coeficiente de varia ¬
ção, 9,6%). QA Adicional / QC de dados tanto para procedimentos de alta e de baixo nível pode
ser encontrada elsewhere.1

11
Determinação da DQO(baseada no standard)

5.4. Demanda Química de Oxigênio - DQO

5.4.1. Conceito

A demanda química de oxigênio consiste em uma técnica utilizada para a avaliação do


potencial de matéria redutora de uma amostra, através de um processo de oxidação
química em que se emprega o dicromato de potássio (K2Cr2O7). Neste processo, o
carbono orgânico de um carboidrato, por exemplo, é convertido em gás carbônico e
água.

5.4.2. Importância nos estudos de controle de qualidade das águas

A DQO é um parâmetro indispensável nos estudos de caracterização de esgotos


sanitários e de efluentes industriais. A DQO é muito útil quando utilizada
conjuntamente com a DBO para observar a biodegradabilidade de despejos. Sabe-se que
o poder de oxidação do dicromato de potássio é maior do que o que resulta mediante a
ação de microrganismos. Como na DBO mede-se apenas a fração biodegradável, quanto
mais este valor se aproximar da DQO significa que mais facilmente biodegradável será
o efluente.

Entenda melhor:

A Demanda Química de Oxigênio (DQO) é uma medida do equivalente de


oxigênio da porção de matéria orgânica na amostra que é susceptível à oxidação por
um oxidante forte.

Amostras de água naturais ou efluentes líquidos contendo substâncias orgânicas


e inorgânicas oxidáveis são oxidadas com solução de dicromato de potássio e ácido
Sulfúrico (volume por volume), sob refluxo. O excesso de dicromato de potássio é
titulado com solução de sulfato ferroso amoniacal, utilizando ferroína como
indicador. A quantidade de matéria orgânica oxidável é proporcional ao dicromato
de potássio consumido e é medida como oxigênio equivalente.

Aplicação dos dados de DQO:

12
- permite resultados rápidos;

- indicativo de condições tóxicas e da presença de substâncias orgânicas


biologicamente resistentes.

Procedimento:

--Tomar 20mL da amostra e introduzir no tubo especial para o aparelho;

--Adicionar 10mL da Dicromato de Potássio;

--Adicionar lenta e cuidadosamente 30mL de Ácido Sulfúrico P.A;

--Tomar 20mL de água deionizada e introduzir em outro tubo com 10mL de Dicromato
de Potássio e 30mL de Ácido Sulfúrico P.A, esta vai ser prova em branco;

--Se a coloração da amostra tornar-se verde, significa que a amostra está muito
concentrada. Executar uma diluição da mesma, pipetando um volume (V3) da amostra,
diluindo a 100mL (V4) e pipetando um volume (V5);

--No caso de despejos muito contaminados, também diluir a amostra, pipetando 20mL
diluindo a 100mL e colocando uma alíquota de 20mL da diluição no aparelho.

--Conectar os balões nos condensadores e refluxar durante duas horas;

--Esfriar e lavar as paredes internas do condensador com aproximadamente 20mL de


água bideionizada;

--Desconectar os balões e resfriá-los;

--Adicionar 3 a 4 gotas de indicador ferroína e titular a amostra e a prova em branco


com solução de sulfato ferroso amoniacal. Anotar os mL gastos: amostra e prova em
branco.

Cálculos:

--Amostra não diluída com determinação de cloretos:

mg/L DQO = [(V7 – V6) x N2 x 8000] - fator correção

V3

--Amostra diluída com determinação de cloretos:

mg/L DQO = [(V7 – V6) x V4 x N2 x 8000] - fator correção

V3 x V5

Onde:

13
V3 = Volume pipetado de alíquota de teste para análise direta ou de amostra para
correspondente diluição, em mL;
V4 =Volume de diluição da amostra, em mL;
V5 =Volume pipetado da alíquota de teste, em mL;
V6 =Volume gasto na titulação da amostra, em mL;
V7 =Volume gasto na titulação da prova em branco, em mL;
N2 =Normalidade da solução de sulfato ferroso amoniacal (7.2);
Fc =Fator de correção de cloretos, em mg C1/L x 0,23mg O/L;
8000 =Equivalente-miligrama do Oxigênio para 1L de água.

14