Caso Prático 2

O Biogás

Caso Prático 2

1

ou seja. e estima-se um crescimento na geração de resíduos de 0. pede-se que seja calculado: a) Resíduos depositados a cada ano até o ano de seu fechamento. d) Geração total de biogás.775. dióxido de carbono e compostos orgânicos. ENUNCIADO Será construído um aterro controlado para tratar os resíduos sólidos urbanos (RSU) gerados por uma cidade com 3. O coeficiente de produção dessa cidade é de 1kg de RSU por habitante e dia. utilizar ponto para indicar milhares e milhões e a vírgula para indicar o decimal). em um aterro sanitários de resíduos sólidos urbanos através da utilização do modelo matemático “Landfill Gas Emissions Model” (LandGEM) Versão 3. em toneladas/ano e metros cúbicos/ano.4% anual. metano. O aterro sanitário começará a operar em 2014 e funcionará por 25 anos. metano. metano. Caso Prático 2 2 . dióxido de carbono e NMOC. em toneladas. até o ano de e) seu fechamento.842 habitantes. a cada ano até o ano de seu fechamento. que não sejam metano ou NMOC (Non-methane organic compounds).Proposta Caso Prático 2 O Biogás OBJETIVOS Objetivo Estimar a geração de biogás.02 para determinar as emissões do aterro e usando os valores de k (constante de geração de biogás) e L0 (potencial de geração de biogás) que o modelo dá como padrão. Gráficos de toneladas y metros cúbicos de biogás emitidos por ano. b) Resíduos acumulados no aterro ao longo dos 25 anos. Este aplicativo é o mais utilizado nos Estados Unidos e na região da América Latina e do Caribe para estimar as emissões dos aterros sanitários. dióxido de carbono e NMOC. (Nota Importante: Tanto na abordagem quanto nas perguntas e na solução deste estudo de caso (Estudo de Caso 2) deve-se manter os critérios de sinais de pontuação (ponto e/ou vírgula) estabelecidos nas tabelas do modelo matemático LandGEM.02. Utilizando o modelo matemático “Landfill Gas Emissions Model” (LandGEM) Versão 3. c) Geração de biogás.

tanto de biogás. que como já se contou. O modelo utiliza dois tipos de fatores de emissão padrão para a k (constante de geração de biogás) e a L0 (potencial de geração de biogás). podendo ser aplicado às condições normais que ocorrem em qualquer aterro de RSU. existem três tipos de parâmetros para o tipo de fatores de emissão de “inventário” que são o convencional. VERSÃO 3. estimam-se as demais quantidades de emissões de gases contaminantes. já que as condições seriam diferentes dos demais aterros convencionais. já que proporcionam a informação adequada para poder estimar.gov/ttn/catc/products.Resolva o caso e o compare com a solução do caso prático 2.. do tipo e da composição dos RSU.. LANDFILL GAS EMISSIONS MODEL (LandGEM). Esta opção seria a mais correta. a temperatura. quanto de cada um dos gases que compõem o mesmo. a composição dos RSU. como o metano. Neste modelo. da disponibilidade de nutrientes para os microrganismos e do pH e. a quantidade de nutrientes disponíveis para os microrganismos. Não obstante.epa. o de região árida e o de aterro com circulação de lixiviados. a segundo. a seguir proporciona-se informação deste modelo. o dióxido de carbono. nas quais os fatores ambientais externos influem de uma maneira importante. a presença de resíduos perigosos. já que a formação de biogás se baseia em reações biológicas anaeróbicas. da umidade. gerados em um aterro. Isso é. de um modo geral.02 O “Landfill Gas Emissions Model” (LandGEM) é uma ferramenta de estimação automática que usa o programa de cálculo “Microsoft Excel” para poder estimar as emissões produzidas em um aterro de RSU. a quantidade e tipo de emissões formadas em um aterro de RSU. são muito importantes para poder conhecer de um modo mais fidedigno a quantidade de biogás e dos gases que o compõem. pela primeira vez. já que seriam consideradas as características e fatores ambientais do aterro especifico. especificamente no Software (Executables Manuals). a partir da mesma. A equação possui fatores de emissão ou parâmetros essenciais. Caso Prático 2 3 . Os fatores padrão são os da CAA (Clean Air Act) baseados na normativa dos EUA e os de inventário. particularmente com relação à umidade. O modelo está baseado em uma equação de primeira ordem. o pH. os componentes orgânicos que não sejam metano e outros tipos de contaminantes atmosféricos que poderiam ser produzidos no mesmo devido à natureza heterogênea dos RSU depositados. NOTA: É possível fazer o download do modelo e do manual na página web: http://www. Estes últimos são os que a EPA recomenda para estimar emissões e realizar um inventário das mesmas. são considerados fatores de emissão para aterros nos quais ocorre a recirculação de lixiviados.html#software. na qual se estima a quantidade de metano produzido por ano no aterro e. estes parâmetros incluem fatores tão importantes na produção de biogás como a umidade. com mais precisão. A primeira sobre influencia da temperatura. Também existe a opção de poder introduzir estes fatores de emissão estimados com os dados do aterro sobre o quais se pretenda estimar suas emissões.

bem como os parâmetros que se pretende estimar. Inventario 9.Os dados requeridos pelo modelo LandGEM para estimar as emissões produzidas em um aterro de RSU são. Relação de dados 1. Metano 6. a filha de cálculo “METANO” informa a quantidade total de RSU que existe no fim dos primeiros 80 anos e a capacidade restante. GUIA DE COMO UTILIZAR O MODELO O formato do modelo no Excel está formado por nove folhas de cálculo: 1. ano de abertura e de fechamento e a quantidade anual de RSU depositada e a capacidade total calculada do aterro). Resultados 7. ENTRADA DE DADOS Caso Prático 2 4 . bem como notas importantes de como utilizá-lo. L0 e k padrão ou calculando-as com os dados característicos de cada instalação. além dos gases contaminantes que se deseje estimar. Introdução 2. considerando a quantidade de RSU anual introduzida e a capacidade total calculada do aterro. ainda que a capacidade do mesmo confirme que possa ter mais vida. Gráficos 8. considerado ano de fechamento. Contaminantes 4. o landGEM se encarregará de fazer outro modelo para poder capturar o total das emissões com os dados de quantidade de RSU introduzidos. para estimar as emissões somente considera os dados de entrada de RSU até os 80 anos. Revisão da entrada de dados 5. INTRODUÇÃO Contém uma visão geral do modelo. Quando não se sabe qual é o ano de fechamento. 2. El modelo limita a 80 anos a vida do aterro e estima o modelos das emissões produzidas no mesmo somente em 80 anos. Se é possível continuar introduzindo RSU após 80 anos. sabendo a capacidade do mesmo pode calcular o ano de fechamento. o landGEM o calcula. Estes valores são utilizados para estimar as emissões no segundo modelo. isso é. assim. Na folha de cálculo de “RESULTADOS” aparecem as emissões dos dois modelos. que podem ser somadas para obter-se o total de emissões produzidas no aterro. basicamente. O modelo assumo que a última quantidade de RSU introduzida será a mesma até o final da vida do aterro e. Entrada de dados 3.

estimados com informação do aterro. bem como os gases a determinar. RESULTADOS Caso Prático 2 5 . como esta desenhado. o modelo o calcula. que é o que o modelo assume como limite de vida do aterro. A segunda entrada é a de “Fornecimento de características do aterro” e nela se introduz o ano de abertura do aterro e de fechamento.Nesta folha são introduzidos dados relacionados com as características do aterro em questão. completando-se a interpretação dos dados resultantes. na qual pode ser introduzida informação mais detalhada das características do aterro. Somente aceita dados para 80 anos. quando conhecido. na qual se permite escolher o tipo de contaminantes atmosférico que compõe o biogás que se pretende estimar.1 k L0 Mi/10 (e –kt ij) 6. exceto no caso do CH4. a concentração de NMOC (compostos orgânicos que não são metano) e a % de CH4 no biogás. QCH4=Σn i=1 Σ1 j=0. Também existe a opção de poder modificar as concentrações e o peso molecular estabelecido como padrão em alguns contaminantes. REVISÃO DA ENTRADA DE DADOS Permite revisar os dados introduzidos. ou dados próprios. CO2 ou NMOC. 3. se tem células fechadas. CONTAMINATES Nesta folha se encontra a lista dos contaminantes atmosféricos que compõem o biogás considerado no modelo. na qual é possível introduzir informação sobre que tipo de aterro é. A terceira entrada é a de “Determinação dos parâmetros do modelo”. e adicionar algum contaminante mais à lista. Nesta entrada também se encontrada a seção “Descrição e comentários”. bem como sua concentração e peso molecular. na qual existe uma tabela em que se introduz a quantidade de resíduos aceitos anualmente no aterro. A esta lista é possível adicionar algum contaminante que se queira estimar. Se o ano de fechamento é desconhecido. 4. que podem ser os fornecidos pelo modelo como padrão (da CAA e do “inventario”). 5. Para tanto deve incorporar o dado da capacidade total do aterro. escolhem-se os fatores de emissão desejados. na qual se escolhem os valores da k. A quarta entrada é a da “Escolha de contaminantes”. isso é. METANO Calcula a estimação da quantidade de CH4 utilizando uma equação de primeira ordem. se recircula lixiviados. que pode ser o ultimo ano em que o aterro recebeu RSU ou o ano em que se espere que atinja sua capacidade. A primeira entrada é a de identificação do aterro. A quinta entrada é a de “Introdução dos dados de resíduos aceitos”. a L0.

9. Caso Prático 2 6 . INVENTÁRIO DE EMISSÕES Permite observar todas as estimações das emissões. Deve-se considerar que ainda que o CH4 e o CO2 representem 50% do volume do biogás. para um determinado ano. já que seu peso molecular é distinto. GRÁFICOS Mostra os gráficos das concentrações de gases contaminantes formados ao longo da vida do aterro. de todos os gases contaminantes.Mostra as estimações das emissões dos contaminantes escolhidos em várias unidades. 7. partindo do ano de abertura até 140 anos depois. 8. e de uma forma integrada. assim. Somente é necessário preencher o ano em questão. observandose os dados em um formato tabular. Pode-se modifica algum resultado para ajustar valores. ter uma visão mais esclarecedora. devendo-se para tanto copiá-lo a outro arquivo de Excel. RELAÇÃO DE DATOS É um resumo de todo o processo do modelo no qual pode-se observar com facilidade. a quantidade ou massa de cada um difere. o que permite uma melhor relação dos dados e parâmetros e.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful