Você está na página 1de 40

Semanário Regional de Informação Director: João Campos www.jornalnordeste.

com
nº 703. 27 de Abril de 2010 . 0,75 euros

Centros de Dia
ENTREVISTA

em dificuldades
Generosidade das populações colmata
falta de apoios da Segurança Social,
Miss Rock In Rio lamenta pároco de Salsas (Bragança)
RURAL

Tourada regressa
à Moimenta
DESPORTO

Adega de Freixo
investe 1,5 milhões
Arnaldinho
Campeão Europeu PRODER apoia ampliação para a Zona Industrial

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 


ENTREVISTA

“Por Um Mundo Melhor”


tas vindos de fora que irão interagir dedicado aos 25 anos do Rock in Rio, ecrãs, de todas as edições do evento,
BRUNO MATEUS FILENA com outros de renome, como é o caso onde teremos o prazer e a honra de desde 1985.
de Boss A.C. com Yuri da Cunha, Zeca receber os Trovante, que se reúnem,
A menos de um mês da 4ª Baleiro com Jorge Palma, Rui Veloso especialmente, para esta ocasião. Vai 6 @ Nas suas 7 edições (3 no
edição do Rock in Rio Lisboa, com Maria Rita, e Luís Represas com ser um momento bonito, em que os Brasil, 3 em Lisboa e 1 em Ma-
ainda não se ouve música no Martinho da Vila. Na cidade do rock pais, que viveram na época dos Tro- drid), o evento reuniu mais de 4
Parque da Bela Vista. Mas, há muito para descobrir e outras tan- vante, vão poder mostrar aos filhos milhões de pessoas, tendo sido
Roberta Medina, de 32 anos, tas actividades que irão, definitiva- mais novos a música que ouviam. transmitido para mais de mil
procede à sua antevisão, subli- mente, surpreender. Também, actuarão, nesse dia, Elton milhões de telespectadores em
nhando a importância de um John e Leona Lewis. 27 de Maio é o 70 países. Quantas pessoas es-
desenvolvimento sustentável 3 @ Sempre em Lisboa! A Dia do Rock, com Muse, Snow Patrol peram reunir este ano?
para o Planeta Terra organização não se cansa da ca- e Xutos e Pontapés.
pital? Então e o Norte de Portu- O último fim-de-semana, vai ser R: Se conseguirmos reunir as
1 @ O Rock in Rio adoptou gal? um choque engraçado com um sába- mesmas 350 mil pessoas, que tem
como temática, para 2010, o R: Começámos a virar este movi- do (29 de Maio) totalmente pink, um sido o número das últimas edições, já
desenvolvimento sustentável. mento mais para Norte, para o Porto, dia para a família, com Miley Cyrus. ficaremos muito felizes...
Quais os objectivos e as iniciati- a partir do ano de 2008. O desafio No dia seguinte (30 de Maio), um
vas que lhe são inerentes? domingo totalmente 7 @ Até 2013, pretendem ex-
black, música pesa- pandir o evento para outros pa-
R: Falarmos de desenvolvimento da com Rammstein, íses, para além do Brasil, Portu-
sustentável é falarmos de um mun- Megadeth, MotorHe- gal e Espanha. Que países serão
do melhor, e abrange todas as áreas, ad e Soulfly. Essa é esses?
ambiente, social e económica. Se não a grande vantagem
tivermos uma sociedade equilibrada, deste ano, ter um R: A Polónia, provavelmente, em
um planeta saudável, não teremos cartaz bastante eclé- 2012. E, no próximo ano, pretende-
uma vida longa no formato conhe- tico que nos permite mos regressar ao Rio de Janeiro, ci-
cido actualmente. Então, temos ten- atender a gostos mais dade onde a última vez que levámos
tado mobilizar as pessoas para que diversificados. este evento foi em 2001.A nossa in-
mudem a sua atitude no dia-a-dia, tenção era voltar, apenas, em 2014,
através de pequenos gestos. Plantar 5 @ O Rock in mas, devido a um pedido governa-
árvores, por exemplo, mas temos de Rio completa, em mental, começámos a avaliar a possi-
ampliar essa ideia. 2010, os seus 25 bilidade de levar o Rock in Rio para o
Quanto a iniciativas, lançámos, o anos. De que for- Rio, já, em 2011.
ano passado, o Concurso Rock in Rio ma serão celebra-
Escola Solar, que envolveu mais de das as suas bodas 8 @ 2014 será o ano do maior
3 mil alunos e 250 escolas. Tivemos de prata? desafio de todos, realizar o Rock
óptimos resultados, com 20 esco- in Rio em 3 países simultanea-
las premiadas, uma por distrito. Em R: Se avaliares o mente. Como é que o projecto
Bragança, a Escola Secundária Mi- lineup do cartaz de será concebido?
guel Torga sagrou-se vencedora, com 22 de Maio, dia em
Roberta Medina desvenda o futuro do Rock in Rio
o projecto SOS Planeta. que actuam os Tro- R: Essa é a nossa intenção. Em
Outra iniciativa foi o Prémio era o seguinte: como é que podemos vante, verás que é transversal a todas 2014, juntamente com o Mundial de
Rock in Rio Atitude Sustentável, aproximar mais o Rock in Rio do res- as gerações. Começa com João Pedro Futebol, que vai decorrer no Brasil,
criado com o intuito de homenagear to do país? O projecto social fez isso, Pais e seguem-se Trovante, Leona fazer acontecer, em simultâneo, o
pessoas e organizações que se distin- por ter um critério obrigatório do Lewis e Elton John, para terminar, no Rock in Rio em todos os países por
gam pelo seu empenho na melhoria prémio ser por distrito. Bem como palco mundo, com 2 Many Dj’s numa onde já tenha passado. Nem que seja
da qualidade de vida da comunidade, a criação do Rock in Rio Express, grande festa. A ideia é celebrar este com uma celebração, que não seja o
ao nível local e nacional. Pretende- numa parceria com a Agência Abreu, aniversário com muitas imagens nos evento em si.
mos que o Rock in Rio seja uma pla- que permitirá, a quem quer que seja,
taforma para divulgação de grandes sair de uma qualquer cidade de au-
causas, assim, temos artistas como tocarro, vir a Lisboa para uma noite
Boss A.C., Rui Veloso e Luís Represas de concertos, e, no final, regressar a
a participarem neste movimento. casa.
Uma parceria idêntica tinha sido
2 @ Como estamos de novi- realizada em outros anos com a CP,
dades para este ano? em que as pessoas vinham de com-
boio. Esta colaboração permite fazer
R: Tentamos, sempre, responder grandes descontos, quer no preço do
a vários desafios. Um, é surpreender bilhete, quer no preço do transporte.
o público e ter uma cidade do Rock Estamos a falar de 72 euros, no total.
ainda mais divertida e inovada. Por Não há a preocupação de, onde dor-
isso, vamos ter uma roda gigante que mir em Lisboa, de pagar gasolina,
vai dar para ver a cidade inteira de portagens, de beber. Assim, fica tudo
Lisboa, uma paisagem linda. mais tranquilo. Foi uma das grandes
Haverá, também, uma platafor- apostas deste ano, sem dúvida ne-
ma de saltos e, pela primeira vez, nhuma, o Rock in Rio Express.
teremos 10 pessoas, em cada dia de
espectáculos, que dormirão dentro 4 @ De todo o cartaz, quais
do recinto com um atendimento de 5 os artistas que destaca?
estrelas. Há uma série de actividades
programadas que irão preencher, de R: No primeiro dia (21 de Maio),
facto, as medidas àqueles que nos vi- com Shakira, Ivete Sangalo e, pela
sitarem. O Sunset está com um cartaz primeira vez, em Portugal, John
único, fenomenal, com muitos artis- Mayer. O segundo dia (22 de Maio), é

 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


Avenidas e Centro de Convívio inaugurados
TERESA BATISTA construção das avenidas foram fei-
tas um conjunto de obras auxiliares,
como o caso da construção da aveni-
25 de Abril assinalado em da Bragança Paulista, que permite o
acesso à Escola Paulo Quintela pelo
Bragança com o corte de lado poente, bem como os acessos ao
fita em duas avenidas da bairro da Mãe d´Água. “Há uma en-
volve ampla que foi requalificada. São
cidade e no centro de con- obras que vão continuar no âmbito
vívio de Grijó dos trabalhos de regeneração urba-
na”, acrescenta o autarca.
A inauguração das avenidas Ge- Recorde-se que a Avenida General
neral Humberto Delgado e Luciano Humberto Delgado, com uma exten-
Cordeiro marcaram as comemorações são de 2,5 quilómetros, quatro faixas
do 25 de Abril, anteontem, na capital de rodagem e separador central e des-
de distrito. Estas obras de enverga- nivelamento do cruzamento de aces-

Abertura oficial do Centro de Convívio de Grijó de Parada

arrancar, devido à situação de crise”, as obras que têm sido construídas no


admitiu Jorge Nunes. Mundo Rural. “Estamos a inaugurar
No 25 de Abril foi, ainda, inaugu- o centro de convívio número 48 e va-
rado o centro de convívio de Brigo de mos inaugurar, ainda este ano, o 49
Parada, uma obra que custou cerca de em Portela (Gondesende) e o 50 no
200 mil euros e vai servir para a rea- Zoio. Estamos a falar de um programa
lização de festas típicas da freguesia, de dignificação do poder local que 98
como é o caso do Santo Estêvão, por edifícios”, acrescentou o edil. Em dia
altura do Natal. de festa, a autarca de Grijó aproveitou
para pedir a requalificação do largo
Centro de Convívio de Grijó das festas e do centro de convívio de
Freixedelo, para inaugurar no dia 25
enaltece tradições da localida-
de Abril do próximo ano. No entanto,
de em painel de azulejo Jorge Nunes não se quis comprometer
com prazos, garantindo apenas que
“É uma obra muito importante. estas obras vão avançar consoante as
Inauguração das obras da Av. General Humberto Delgado Não tínhamos um local que reunisse verbas disponíveis no município.
as condições para fazermos as festas Tal como em Bragança, também
dura representam um investimento so ao bairro da Mãe d´Água. No caso cá da terra e precisávamos de instala- os municípios de Alfândega da Fé, Mi-
na ordem dos 4,5 milhões de euros, da Avenida Luciano Cordeiro, serve ções condignas”, realçou a presidente randa do Douro e Torre de Moncorvo
comparticipados por fundos comuni- o bairro do Campelo, mas ainda não da Junta de Freguesia de Grijó de Pa- organizaram actividades comemora-
tários. tem ligação à circular interior, que vai rada, Helena Branco. tivas para assinalar a Revolução dos
“É um investimento muito signifi- chegar à Avenida Abade de Baçal, na Já o presidente da CMB, enalteceu Cravos.
cativo, de muita qualidade, que é uma zona do Modelo. A ligação desta ave-
marca em termos de regeneração ur- nida à circular ainda não tem data
bana”, enalteceu o presidente da Câ- marcada para arrancar.
mara Municipal de Bragança (CMB), “ A continuação desta avenida será
Jorge Nunes. à circular interior, através de uma ou-
O edil realça, ainda, que, a par da tra via, que ainda não tem data para

Licença Nº. 1330 AMI

Invista com confiança


Apartamento T3 - € 82.500 Apartamento T1 – Espanha T- 3 e T- 4 em construção
Usado, garagem fechada, dupla caixi- - € 90.000
lharia, bom isolamento, perto do centro A dois minutos do centro, ex-
Em zona turística, com bons
posição solar excelente, vistas
acabamentos
Apartamento T2 - € 78.000 panorâmicas, grandes áreas,
Excelente local, cozinha equipada c/ Rica Fé - Habitações de qualida- Acabamentos modernos etc.
móveis modernos, aquecimento central
completo. Óptimos acabamentos e vistas
de a preços imbatíveis
Últimos para venda – T-2 / T-3 /
panorâmicas para o Parque Natural de Escritório - Sá Carneiro
Montesinho T-4 / T-3 Duplex
Com 32 m2, venda € 32.000 /
arrendamento € 220/ mês
Apartamento T4 - € 135.000 Terreno - € 138.000
Com 182 m2, acabamentos de Av. Abade de Baçal, área 600
qualidade, junto ao Jardim da m2, com projecto Loja Comercial €
Braguinha
Apartamentos T1 - Porto 65.000
Apartamento T3 - € 90.000 Ao bairro Santa Isabel
Ao Eixo Atlântico, último andar, Acabamentos de qualidade,
perto de tudo, mobília de cozinha, junto ao Hospital de S. João, a (antigos escritórios
grandes áreas. Como novo partir de € 90.000 Cisdouro)

R. Abílio Beça (Zn Histórica) • Tel: 273324569 • Fax: 273329657 • Bragança - www.predidomus.pt

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Stocks premeiam “Família Afinada”


TERESA BATISTA Sara Pires afirmou
que achou o concur-
so engraçado, mas
Família bragançana rece- lembra que o mais
beu cheque no valor de 2 importante é o pré-
mio.
mil euros para trocar por
móveis e electrodomésticos Lojas do FC Porto,
Sporting e Benfi-
Tudo começou com uma brinca- ca presentes no
deira depois de ouvir um anúncio na
rádio Brigantia, mas valeu à família
certame
Pires um cheque no valor de 2 mil
euros para trocarem por móveis e Por sua vez,
electrodomésticos. O concurso “Fa- a esposa, Susana
mília Afinada” foi a aposta da or- Guedes, afirma que
ganização para esta edição da Feira ficou surpreendida
de Stocks, que decorreu no passado com a vitória e co-
fim-de-semana no pavilhão do Ner- meça, agora, a fazer
ba, em Bragança. planos para remo-
Manuel João Pires conta que de- delar os móveis e os
cidiu inscrever-se no concurso por electrodomésticos
achar que conhece bem a sua famí- de casa.
lia. “O que achei mais aliciante foi o Francisco Frei-
Família Pires foi a grande vencedora do concurso “Família Afinada”
prémio. Mas como costumamos es- xinho, o responsável
tar em sintonia, considerei que não pela organização,
ia ser difícil dar a mesma resposta às explica que a família poderá trocar Na óptica do responsável, a Fei- Benfica.
perguntas”, afirma o vencedor. o cheque na edição de Inverno da ra de Stocks já está consolidada na Francisco Freixinho revela, ain-
Durante a semana que antecedeu Feira de Stocks, que vai decorrer em região, mas procura inovar edição da, que a organização vai continuar
o concurso, Manuel Pires procurou Dezembro. No certame vão estar re- após edição. No passado fim-de-se- a apostar em concursos. “O objectivo
saber os pormenores dos gostos da presentadas duas grandes empresas mana, destaque para as lojas oficiais é dar notoriedade à feira dos stocks.
esposa e da filha de 10 anos. No dia que vão oferecer o prémio à “Família dos três grandes clubes de Portugal, Queremos premiar sempre pessoas
em que a família recebeu o cheque, Afinada”. nomeadamente FC Porto, Sporting e da região”, concluiu o responsável.

 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Mirandela: Porteiro processado CASOS DE POLÍCIA


Mogadouro
Caso Leandro pode levar à
expulsão do funcionário da
Terrenos
Função Pública Contaminados
A Câmara Municipal de Mirande- Um agricultor de São Martinho
la decidiu instaurar um processo dis- do Peso (Mogadouro) suspeita que
ciplinar ao porteiro da escola de Le- “desconhecidos” lhe tenham espa-
andro, mas entende que o funcionário lhado um produto químico em dez
tem “atenuantes” e “não pode ser o propriedades, tendo já feito queixa
único responsabilizado neste proces- na GNR.
so”, noticia a agência Lusa. A acção terá levado à destruição
As conclusões estão expressas no de alimentos para animais e produ-
relatório do inquérito conduzido pela tos hortícolas e há “fortes possibili-
autarquia de que vai ser dado conhe- dades” de animais selvagens e do-
cimento à Direcção Regional de Edu- mésticos terem comido hortícolas
cação do Norte (DREN) e à restante contaminados pelo produto tóxico.
Relatório detectou falhas de vigilância no portão da Escola EB 2/3 Luciano Cordeiro
comunidade educativa. Ao que tudo indica, a acção foi
O inquérito concluiu que na data saltando as grades de vedação” e que ções entre a escola e outros serviços”. levada a cabo no início do mês de
“não existiam quaisquer regras de no dia 02 de Março “não viu sair nin- O inquérito concluiu que serve Abril e, com o passar do tempo, as
controlo da saída de alunos durante guém pelo portão da escola, não se re- também de atenuante o facto de “o culturas ficaram amareladas e co-
o período de almoço e que, de acor- cordando, porém, se estava a atender portão da escola, à data dos factos, meçaram a secar.
do com as declarações do funcionário o telefone naquela altura”. não ser fechado à chave, encontrando- Os terrenos estão próximos de
“era difícil, no meio de cerca de qua- A acumulação de funções é outras se apenas no trinque”. um curso de água e caminhos de fá-
trocentos alunos, saber quais eram os das atenuantes apontadas ao porteiro A escola EB 2/3 Luciano Cordeiro cil acesso, o que leva o proprietário
que tinham autorização para almoçar que segundo o inquérito apurou “acu- tem dois porteiros e aquele que é alvo a afirmar que “alguém agiu de má
em casa, e quais eram os que teriam mula a função de controlo das entra- de procedimento disciplinar encon- fé”.
que almoçar na escola”. das e saídas com a função do serviço trava-se de serviço na portaria a 02 de
O porteiro disse ainda que “os de ligações telefónicas, devendo asse- Março, dia em que Leandro se afogou
alunos têm por hábito sair da escola gurar todo o movimento de comunica- no rio Tua.

…Em flagrante
O rebaixamento de
passeios já foi no-
tícia em Bragança. António Caveiro contabiliza prejuízos

Só é pena que se “Ao chegar às terras, depará-


mo-nos com parcelas a secar e a
apregoem melhora- ficaram amarelas, sendo que, de
imediato, demos conta da ocorrên-
mentos em obras an- cia às autoridades policiais”, con-
tou o agricultor.
tigas, mas se come- A indignação aumentou à me-
dida que foram visitar outras pro-
tam os mesmos erros priedades, onde a situação era
em intervenções idêntica ou pior.
“O mau tempo não deixa vin-
recentes, como é o gar as culturas. Tenho 16 cabeças
de gado e, com este atentado, a
caso do passeio que minha situação piorou. Vou ter de
comprar rações para dar de comer
se vê na foto, junto à aos animais”, explicou António Ca-
veiro.
Adega… Uma equipa da GNR de Moga-
douro já esteve no local, estando o
processo em fase de investigação.

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Limpar Mogadouro
FRANCISCO PINTO projecto Limpar Portugal, que de-
veríamos fazer uma intervenção de
Iniciativa pretende extin- limpeza com maior profundidade no
concelho, já que não há o cuidado por
guir “pontos negros” no parte dos cidadãos em acautelar os
concelho a 4 de Junho lixos sólidos, que são, muitas vezes,
descarregados em qualquer local.
Depois da acção Limpar Portugal, Uma situação que não abona nada a
o concelho de Mogadouro prepara-se imagem da região”, explicou o verea-
para receber uma iniciativa seme- dor da CMM, António Pimentel.
lhante, que visa eliminar alguns pon- Assim sendo, todos os habitan-
tos onde há concentração de lixos, tes do concelho serão mobilizados
deixados a descoberto pelo projecto de forma voluntária para esta acção
Limpar Portugal. que envolverá meios humanos e ma-
A acção é da responsabilidade da teriais das juntas e autarquia com o
Câmara Municipal de Mogadouro objectivo de Limpar Mogadouro.
(CMM) e conta com colaboração das “Gostaríamos de ver os munícipes
juntas de freguesias do concelho, bem associados a este projecto, através da
como de uma empresa de recolha de sensibilização das Juntas de Fregue-
resíduos sólidos urbanos a operar em sia”, apela o autarca.
Mogadouro. A acção de limpeza está agendada
“Tivemos a noção, depois do para o próximo dia 4 de Junho. Tudo começou com esta equipa, durante o projecto Limpar Portugal

“Umbigo do Mundo”
B.M.F.
que colabora com a autarquia e a
quem se deve muito do conhecimen-
Câmara Municipal de Ma- to do Sítio de Morais, e pela Técnica
cedo de Cavaleiros distin- da Câmara Municipal, Sílvia Marcos.

guida com Menção Honrosa Património geológico engloba


do Prémio Geoconservação um conjunto de locais, como
A Câmara Municipal de Macedo rochas, minerais ou paisagens
de Cavaleiros foi premiada com uma
Menção Honrosa do Prémio Geocon- O Prémio Geoconservação foi
servação 2010, atribuída pelo Grupo implementado pela ProGEO, com os
Português ProGEO – Associação Eu- objectivos de distinguir os melhores
ropeia para a Conservação do Patri- exemplos de conservação do patri-
mónio Geológico. mónio geológico promovidos por au-
A cerimónia de entrega do ga- tarquias, estimular uma reflexão crí-
lardão decorreu na tarde do dia 22, tica sobre a necessidade de conservar
coincidindo, simbolicamente, com o o património geológico e incentivar
Dia Internacional da Terra e com o as autarquias a adoptar estratégias e
Dia Nacional do Património Geoló- Beraldino Pinto representou o município na hora de receber o prémio procedimentos, e divulgar e sensibi-
gico. lizar o público em geral para o reco-
Este prémio distingue o trabalho geoconservação do Sítio de Morais, geologia, flora e valores culturais das nhecimento do valor do património
que a Câmara Municipal tem desen- entre elas a preservação do Sítio de suas gentes; e um estudo integrado geológico como parte integrante do
volvido na área da conservação e pro- Morais e o desenvolvimento das suas do Sítio de Morais para que se possa património natural.
moção do património geológico do gentes, sensibilizando para o empre- conceber um instrumento de gestão O património geológico engloba
Sítio de Morais, um sítio de Rede Na- endedorismo. Engloba, também, a para os habitats prioritários ao nível um conjunto de locais, como rochas,
tura e uma das vertentes do Projecto recuperação da escola primária de da flora e da fauna. minerais ou paisagens, que são teste-
Geoparque. Salselas e de um espaço na aldeia A candidatura foi elaborada pelo munhos importantes na reconstitui-
A candidatura do município de Morais para funcionar como cen- Geólogo e Investigador do Laborató- ção de fenómenos que contribuem
macedense, intitulada “Umbigo do tro de apoio ao visitante; concepção rio Nacional de Energia e Geologia e para se perceber as modificações que
Mundo”, destaca as múltiplas acções e edição de um guia acerca do Sítio da Faculdade de Engenharia da Uni- o planeta foi sofrendo ao longo dos
que têm sido realizadas no âmbito da de Morais, com destaque para a sua versidade do Porto, Eurico Pereira, tempos.

FICHA TÉCNICA
Fundador: Fernando Subtil - Director: João Campos (C.P. Nº 4110) - Secretária de Redacção e Administração: Cidália M. Costa
Marketing e Publicidade: Bruno Lopes - ASSINATURAS: Sandra Sousa Silva
REDACÇÃO: Bruno Mateus Filena, Orlando Bragança, Sandra Canteiro (C.P. Nº 8006), Teresa Batista (C.P. Nº 7576) e Toni Rodrigues
Correspondentes - Planalto Mirandês: Francisco Pinto - Mirandela: Fernando Cordeiro e José Ramos - Torre de Moncorvo: Vítor Aleixo
email:geral@jornalnordeste.com FOTOGRAFIA: Studio 101 e RC Digital
Propriedade / Editor: Pressnordeste, Unipessoal, Lda - Contribuinte n.º: 507 505 727 - Redacção e Administração: Rua Alexandre Herculano,
Nº 178, 1º, Apartado 215, 5300-075 Bragança - Telefone: 273 329600 • Fax: 273 329601
Registo ICS N.º 110343 - Depósito Legal nº 67385/93 - Tiragem semanal: 6.000 exemplares
Impressão: Diário do Minho - Telefone: 253 609 460 • Fax: 253 609 465 - BRAGA
Assinatura Anual: Portugal - 25,00 €; Europa - 50,00 €; Resto do Mundo - 75,00 €

 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

A pé pelo Portugal profundo


B.M.F. contrei paisagens belíssimas por todo
o Portugal, pois tive o privilégio de
atravessar o Alentejo na Primavera,
Abandono, pobreza e deser- com papoilas a despontar em campos
tificação, assumem-se como saturados de vermelho, de ver o Ou-
realidades no diário de tono a tingir as folhas dos carvalhos
em Manteigas, ou de chegar ao topo
viagem de um jornalista que da Serra de Montemuro e ver o Douro
caminha há mais de 2 anos de um lado, o mar do outro e a Serra
da Estrela do lado oposto”, ilustra o
sobre um país de extremos repórter, quem tem vindo a efectuar
o registo fotográfico de toda a expe-
Em Fevereiro de 2008, Nuno Fer- dição.
reira inicia, em Sagres, uma nacional Nuno Ferreira, ainda tem um lon-
epopeia dos tempos modernos, ao go percurso pela frente. Chaves, Bar-
decidir percorrer, a pé, um país, para roso, Terras de Basto, Parque Natural
uma maioria, remotamente desco- do Alvão, Marão, Grande Porto e Mi-
nhecido. “Há muito tempo que tinha nho, é a rota que lhe permitirá selar
vontade de fazer algo parecido, mas com um êxito retumbante este seu
como trabalhava num jornal diário empreendimento. O destino final será
era-me impossível. Ao fim de 17 anos, Lamas de Mouro, na Serra da Peneda,
larguei o “Público” e pude, então, re- e a meta temporal, o Verão que aí se
Nuno Ferreira soma milhares de quilómetros de experiência in loco
alizar este projecto”, conta o jornalis- avizinha.
ta.
Recentemente em Bragança, tra- Atravessar “o Portugal real ou talidade e o carácter das pessoas”.No
ça um diagnóstico correcto da região, profundo”, contactar as populações, interior de uma ruralidade profunda,
sobretudo, do Parque Natural de
Montesinho. “Era esse o meu objecto
entrevistar, fotografar, vivenciar a
“nossa” realidade “com tempo e ao
observando com o seu poder crítico e
de síntese, próprio de um jornalista,
Biografia de
de observação e senti-me triste por
constatar uma desertificação, pobre-
pormenor” são os seus objectivos.
Para além de pretender publicar um
o viajante emite a sua bem formada
opinião por milhares de quilómetros um explorador
za e abandono rural crescentes. Casas livro com as suas crónicas de viagem, de experiência, in loco. Segundo o en-
vandalizadas, num lugar como Lama depois de concluída a sua jornada. trevistado, o estado de abandono de Nuno Ferreira nasceu em Avei-
Grande; e, que a população das al- algumas localidades e o isolamento ro, no ano de 1962, licenciando-se
em Comunicação Social na cidade
deias, vive em clima de tensão devido “Após o 25 de Abril, fomos var- de outras, nomeadamente, de aldeias
de Lisboa. Começou por colaborar
às limitações impostas pelo Instituto e lugares, é tão grave e extenso, que
ridos por uma onda de novo-ri- no Expresso, de 86 a 89, ano em
da Conservação da Natureza (ICN). se pode “estabelecer uma linha no
Mas adorei a paisagem, os lameiros, quismo e de europeísmo militan- mapa do Algarve a Trás-os-Montes e que integrou o jornal Público, onde
os carvalhos e os rios que atravessam te que deixou o campo entregue calcorreá-la a pé sem encontrar, pra- se manteve até 2006. Regressou ao
Expresso, publicando crónicas do
o Parque”, relata este aventureiro, à sua sorte” ticamente, uma alma viva”.
“Portugal A Pé” na Revista “Única”
que só tem pena “de ter encontrado Esse é o real estado da Nação. “O
tão pouca gente”. Com algumas interrupções na sua pior é que não existem nem estraté- em 2008. Ao terminar a sua cola-
Entrado no distrito, em fins de expedição, “voluntárias e involun- gias, nem ideias para o País que não boração com o semanário, conti-
Janeiro, Nuno Ferreira já esperava tárias”, houve locais que marcaram contemplem mais betão. Seja para nuou viagem, com a criação de um
alguns condicionamentos derivados este caminhante de forma indelével. um novo aeroporto ou para mais blog. Actualmente, não conta com
de um rigoroso Inverno tipicamente “Portugal é um país pequeno, mas auto-estradas, servirão, apenas, para qualquer tipo de apoio ou patrocí-
transmontano, sobretudo, no escasso extremamente diversificado, com di- esvaziar ainda mais o interior”. nio. Entre várias consagrações do
contacto com as pessoas. ferenças substanciais nas paisagens Nesse sentido, Nuno Ferreira de- seu trabalho, destaca-se, em 1996,
No entanto, surpreendeu-se com o e nas pessoas, às vezes, apenas numa fende um lucro proveniente da natu- o Prémio de Jornalismo de Viagem
Tua, o Sabor, perto de Lagoa (Macedo distância de 30 a 40 quilómetros. De reza, das culturas regionais e do pa- do Clube de Jornalistas do Porto
de Cavaleiros), e com o Maçãs, junto todos os locais, sublinho o privilégio trimónio histórico. “A Mãe-Natureza com o trabalho “Route 66 a Estra-
a Vimioso. Mas, também, se entris- de ter conhecido aqueles que me sur- sustenta a permanência do homem da da América”, que lhe valeu tam-
teceu com o facto da paisagem nor- preenderam, como Aljezur, Silves, neste planeta. Num futuro próximo, bém uma menção honrosa da Fun-
destina não ser tão valorizada quanto Torre de Moncorvo, de Alandroal a a nossa saúde dependerá também dação Luso-Americana. Um ano
deveria. “Gostei bastante do Planal- Manteigas ou de Videmonte a Tarou- da conservação de um dos bens mais após, recebeu o Prémio de Jorna-
to Mirandês e do esforço associativo ca”, destaca Nuno Ferreira. A divisão preciosos à face da terra, o patrimó- lismo de Viagem do Clube Portu-
que existe para manter viva a língua, do átomo para um cientista, as Ilhas nio histórico e natural dos nossos an- guês de Imprensa, com o trabalho
a música tradicional e os costumes”, Galápagos para um explorador, o pa- tepassados geológicos”, salvaguarda. “A Índia de Comboio”. Em 2007,
revela o criador do blog http://www. raíso para este repórter, dá-se, quan- “Desde a Costa Vicentina até ao publicou, com Pedro Faria, o livro
portugalape.blogspot.com. do “à beleza natural, se alia a hospi- Parque Natural de Montesinho, en- “Ao Volante do Poder”.

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Radiologia em todos CHNE implementa


os centros de saúde nova técnica cirúrgica
para uma correcta prestação de cui- t.b. quarta-feira, na Unidade Hospitalar
FRANCISCO PINTO dados”, defende o técnico de radiolo- de Bragança, pelo responsável da
gia do ACES Nordeste, Carlos Nujo. Cirurgia às hemorróidas Unidade de Coloproctologia do Hos-
pital de S. João (Porto), Pedro Cor-
Utentes esperam, em média, Os técnicos da especialidade ga-
vai passar a ser feita em reia da Silva.
rantem, ainda, que os cuidados de
uma hora pelo exame, em saúde primários apostam na preven- regime de ambulatório Os cirurgiões do CHNE assisti-
casos graves, ou três dias ção, diagnóstico e tratamento da do- ram às intervenções por videocon-
ença, pelo que a Radiologia está em O Centro Hospitalar do Nordes- ferência. “Embora seja uma técnica
por exames de rotina franca expansão enquanto ciência de te (CHNE) está a implementar uma dirigida para a coloproctologia, tam-
diagnóstico. nova técnica cirúrgica às hemorrói- bém é aplicada por qualquer cirur-
Há pouco mais de dois anos, os Por seu lado, a coordenadora da das em regime de ambulatório, que gião geral”, enfatiza o director do
utentes dos Centros de Saúde dos Unidade de Cuidados Assistenciais permite uma recuperação mais rápi- serviço de cirurgia do CHNE, Antó-
concelhos mais periféricos do distri- Partilhados dos ACES Nordeste, Ma- da dos doentes, que têm alta no pró- nio Ferrão.
to de Bragança tinham de percorrer ria Zita Lopes, afirma que os utentes prio dia da cirurgia. O responsável realça que a im-
centenas de quilómetros para faze- já podem fazer praticamente todos A primeira demonstração da téc- plementação desta técnica traz van-
rem um simples exame radiológico. exames radiológicos no centro de nica de “Longo” foi feita, na passada tagens para o doente, nomeadamen-
A situação foi-se alterando e, actual- saúde da sua área de residência. te no que toca à ausência de queixas
mente, todos os centros de saúde do “Actualmente, a lista de espera no pós-operatório. “O doente não
Agrupamento de Centros de Saúde não ultrapassa os cinco dias. Com o tem dores, não precisa de qualquer
Alto Trás-os-Montes I – Nordeste recurso à teleradilogia é possível ter o tipo de tratamentos, pode ter alta no
(ACES Nordeste) dispõem de serviço resultado do exame em, apenas, uma próprio dia, enquanto antes tinha
de RX, com técnicos especializados. hora, nos casos mais graves, ou três que ficar internado entre 24 a 72 ho-
Este meio de diagnóstico esten- dias no caso de um exame de rotina. ras”, acrescenta António Ferrão.
de-se a uma população de mais de O relatório é efectuado por um médi- O especialista salienta, ainda, o
150 mil utentes. São 11 os centros de co da especialidade, que trabalha em facto desta técnica diminuir o tem-
saúde integrados no ACES Nordeste, estreita colaboração com os serviços po da operação. “Demora cerca de
que dispõem de Serviços de Radiolo- de saúde”, garante a responsável. 20 minutos a ser executada, antes
gia, que empregam 13 técnicos. Para além destes serviços, as Ur- demorava sensivelmente o dobro
“O conforto, a comodidade e a gência Básicas de Mirandela, Moga- do tempo, era mais hemorrágico e o
melhoria das acessibilidades dos douro e Vila Nova de Foz Côa têm ao doente tinha mais dores”, explica o
utentes para a realização de exames dispor dos utentes serviços de radio- cirurgião.
radiológicos são premissas essenciais logia 24 horas por dia. António Ferrão afirma, ainda,
que este tipo de cirurgia vai ser mui-
to utilizada, principalmente na uni-
dade de ambulatório do Hospital de

CESPU assina protocolo Cirurgia inovadora disponível em Bragança


Mirandela, dado que as hemorróidas
são uma patologia muito frequente.

com a Caixa Agrícola


Criação de linha de crédito Directivo, da Escola de Bragança,
Cordeiro Tavares.
para estudantes é o objecti- Para além do referido protocolo,
vo desta parceria o próprio Estado Português conven-
cionou com entidades bancárias um
A CESPU - Cooperativa de Ensino sistema de empréstimos com taxa de
Superior Politécnico e Universitário juro mínima, sem avales ou garantia
– assinou um protocolo com uma en- patrimonial e com um reembolso de
tidade bancária para criar uma linha 6 a 10 anos (www.mctes.pt).
de crédito especial para os alunos que Existem outros mecanismos de
queiram ingressar nos cursos leccio- auxílio reservados a estudantes com
nados na Escola de Bragança. menores recursos económicos como
Por via do acordo celebrado com as Bolsas da Direcção Geral do En-
a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo sino Superior (DGES), disponibiliza-
da Região de Bragança, os estudan- das pelo Ministério da Ciência, Tec-
tes podem pagar uma licenciatura nologia e Ensino Superior.
de três anos no prazo de seis anos, Através do website www.dges.
tornando-se assim mais suaves os mctes.pt pode ser consultada toda a
custos inerentes ao pagamento das legislação e podem efectuar-se simu-
propinas. lações.
A CESPU tem sido contactada Na área das pós-graduações a
por imensos interessados em ingres- CESPU tem protocolos com diver-
sar no Ensino Superior e percebeu sas entidades, nomeadamente, ARS-
que as dificuldades económicas são Norte, Centro Hospitalar do Nor-
uma limitação e até um impedimento deste, Santa Casa da Misericórdia de
para muitas pessoas com vontade de Bragança, entre muitas outras, que à
apostarem na sua formação académi- partida, concedem um desconto de
ca. “As carências económicas não são 10% no valor dos cursos aos colabo-
uma razão para não estudar na CES- radores daquelas entidades.
PU”, refere o presidente do Conselho Dificuldades financeiras não são uma razão para não estudar na CESPU

 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

CHNE regista prejuízos de 12,5 milhões


TERESA BATISTA lucros na ordem dos 2,2 milhões de
euros, o responsável justifica que são
hospitais com categorias distintas,
Unidades hospitalares do pelo que também têm uma dotação
Nordeste Transmontano au- orçamental diferente. “Se nós rece-
mentaram os prejuízos em bêssemos pelas mesmas coisas que
fazemos, sem alterações, recebíamos
30 por cento mais 11 milhões de euros por ano, ao
passo que se o CHTMAD recebesse
O Centro Hospitalar do Nordeste pelos mesmos valores que nós tinha
(CHNE) prevê um prejuízo na ordem menos 25 milhões de euros por ano”,
dos 12,5 milhões de euros. Apesar compara o responsável.
das contas do ano passado ainda não
estarem encerradas, os valores pre-
liminares indiciam um aumento na
CHNE candidata-se a um ajusta-
ordem dos 30 por cento face aos pre- mento orçamental para conse-
juízos registados em 2008. guir equilibrar as contas
Perante estes números, o vogal
do conselho de administração do António Marçôa salienta, ain-
CHNE, António Marçôa, revela que da, que, ao nível da gestão, o CHNE
Aumento do número de cirurgias fez disparar os custos no CHNE
houve um aumento dos custos na or- se empenha para que a qualidade e
dem dos 4,5 por cento, que se deve, cionários da função pública. “ Em Só em transportes gastamos mais a quantidade dos serviços de saúde
sobretudo, a gastos com o pessoal e custos com o pessoal tivemos um de 1,5 milhões por ano. Além disso, não diminuam. “Queremos prestar
com material clínico. aumento de 2, 2 por cento, já com o temos uma população envelhecida bons cuidados de saúde a custos re-
“O que aconteceu é que tivemos material clínico tivemos 7 por cento e o rendimento per capita da região lativamente controlados”, enfatiza o
um aumento de custos superior à de aumento, que está ligado à cirur- representa, apenas, 60 por cento da responsável.
média que tivemos nos três anos an- gia da catarata. Passamos de cerca de média nacional, o que leva as pessoas Por isso, o vogal do CHNE garan-
teriores”, assume António Marçôa. 700 intervenções para mais de duas a recorrer mais aos serviços de saúde te que nem vai haver redução de pes-
As razões para estes aumentos, mil”, realça o responsável. As carac- públicos”, alega António Marçôa. soal nem de serviços.
segundo o vogal do CHNE, são a re- terísticas da região também são pe- Questionado sobre a disparidade António Marcôa revela, contu-
dução das listas de espera para as nalizadoras para as contas do CHNE. de resultados entre o CHNE e o Cen- do, que o CHNE se candidatou a um
intervenções às cataratas, bem como “Temos que percorrer grandes dis- tro Hospitalar de Trás-os-Montes e ajustamento orçamental, para ajudar
a actualização dos salários aos fun- tâncias para transportar os doentes. Alto Douro (CHTMAD), que prevê a equilibrar as contas.

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 


NORDESTE REGIONAL

Academia de Bragança: a 8ª Maravilha


B.M.F. Académica, custará 40 euros. Já o bi-
lhete mais barato será o de 5 euros,
no dia 4 de Maio, para as Tunas, e o
Um cartaz mais eclético, mais caro, será o de 13 euros, na noite
o bilhete geral a 40 euros, de Xutos e Pontapés.
uma festa da espuma e um Nos outros dias, o preço dos bilhe-
tes rondará os 10, 11 ou 12 euros. Isto
desfile diferente do habitual para estudante, para não estudante,
ao preço acrescenta-se-lhe mais 2
euros, salvo duas excepções, em que
Já foi apresentado o cartaz oficial sofrerá um aumento de 3 euros, ter-
da Semana Académica de Bragança, ça-feira e domingo, que será 5 euros
que terá lugar de 4 a 10 de Maio, no para estudantes, o público-alvo, e 8
Pavilhão do NERBA. euros para não estudante. Os bilhetes
No primeiro dia, destaque para poderão ser adquiridos à entrada do
a tradicional Serenata, bem como as pavilhão e, também, na Avenida Sá
Tunas Académicas, que serão 4, duas Carneiro, frente ao Viaduto, a partir
de Bragança e duas de Mirandela. O das 18 horas.
dia 5, será dedicado à música electró-
nica comercial, com o dj Diego Miran-
da. Antes da sua performance a solo,
Makongo, Blasted Mechanism e
Cartaz da Semana Académica promete variedade
actuarão os Doismileoito, uma banda Xutos e Pontapés são os princi-
de rock, fundada em 2005, e que, em to Politécnico de Bragança (AAIPB), carros alegóricos mais elaborados, pais nomes do cartaz de 2010
2009, lançou o primeiro álbum. Bruno Miranda. haverá um trio eléctrico, uma festa
Dia 6, Blasted Mechanism, um dos No domingo à tarde, dia 9 de da Espuma na Avenida Sá Carneiro, Os transportes estarão, à seme-
grupos cabeças de cartaz da Semana Maio, como é habitual, haverá, então, frente ao Moda, e contará com a par- lhança dos anos anteriores, assegu-
Académica. O dia 7, sexta-feira, será a Garraiada, no anfiteatro dos Servi- ticipação de um carro da AAIPB. À rados. Assim, haverá dois autocarros
dedicado ao hip-hop, com Makongo, ços de Acção Social. À noite, será a noite, Quim Barreiros subirá ao pal- entre as 23 horas e as 6 da manhã.
Dj Stape & Mc Kali (ex-Flow 212). vez dos Olive Tree Dance, “um grupo co. Quanto à programação da Sema- A AAIPB recomenda, a todos, que
No dia 8, sábado, será a Benção das alternativo baseado numa música de na Académica, o responsável declara: deixem as viaturas em casa, utilizem
Pastas, com missa celebrada na cate- dança bio-natural com sons afro-bra- “o cartaz foi concebido numa tentati- os autocarros, mas de uma forma
dral, às 10 horas. Durante a tarde, em sileiros influenciados por jazz”, refere va de colmatar os vários estilos musi- cívica, já que, o ano passado, foram
cada escola, a tradicional Queima e, o dirigente. cais, para, assim, tentarmos agradar vandalizados e os danos tiveram de
à noite, o regresso dos Xutos e Pon- Para terminar, no dia 10, segun- a todos”. No dia 3, decorrerá o Baile ser suportados pela associação. Além
tapés a Bragança. “A melhor banda da-feira, decorre o desfile, subordi- de Finalistas, no Mercado Club. disso, sugere que cheguem ao pavi-
portuguesa, a única que dispensa nado ao tema “Bragança – a 8ª Ma- Relativamente a preços de entra- lhão do NERBA a tempo e horas, a
apresentações”, afirma o presidente ravilha do Mundo”. Segundo Bruno da, a pulseira ou bilhete geral, que dá fim de evitar as filas registadas em
da Associação Académica do Institu- Miranda, este ano, o desfile terá acesso a todas as noites da Semana edições anteriores.

Professor para sempre


BRUNO MATEUS FILENA tima escola onde o professor Octávio mim! Eu não merecia tanto!”, revela “Este é, apenas, o culminar da mi-
leccionou, lançou o repto para esta um “modesto” brigantino, aposenta- nha carreira de docente, porque pro-
iniciativa. “A ideia veio de muito ca- do a 26 de Fevereiro. fessores continuamos a ser pela vida
Homenageada personalida- rinho, de uma amizade genuína e do fora, até porque presido à direcção
de transversal ao universo facto de ser um professor exemplar, a da Secção de Bragança da Associação
vários níveis, que me ajudou muito e Nacional de Professores”, assegura
transmontano após 33 anos que conheço desde a infância”, decla- o dirigente.Com o Curso de Estudos
de carreira multifacetada ra a mentora deste jantar, que contou Superiores Especializados em Edu-
com o apoio incondicional de Luís cação Ambiental, concluído no Ins-
Nascido em 1951, Octávio Augus- Freitas e Alice Lopes do Agrupamen- tituto Politécnico de Bragança, Octá-
to Fernandes, mais conhecido por to Paulo Quintela. vio Fernandes é um amante da vida
Professor Octávio, foi laureado pela no campo. E, com algumas terras em
sua extensa carreira e pelo contribu- Conlelas, freguesia de Castrelos, não
Um jantar rodeado de amigos e
to prestado ao longo do seu percur- pretende ficar prado.
so profissional. Começou a leccionar
colegas, com direito a bolo e a Apesar de terminada a sua car-
e, assim, terminou. Mas não passou uma noite de fados reira profissional, Octávio Fernandes
muito tempo em funções docentes continua, como habitual, ligado à mú-
efectivas. Isto porque, durante 6 anos, Também Helena Ferreira, espo- sica, integrando, há mais de 20 anos,
esteve na antiga Direcção Escolar, em sa do professor Octávio, foi cúmplice o Via Latina. Foi este grupo de Fados
regime de destacamento, depois foi e entrou no conluio para organizar o de Coimbra que, no final do jantar,
nomeado para a Delegação Escolar, jantar, providenciando dados, por- fez uma “pequena e informal brinca-
onde passou cerca de 18 anos. Para o menores e fotografias ao professor deira de amigos”, brindando os pre-
jantar que celebrou a sua aposenta- Cavaleiro, autor da biografia em Po- sentes com um timbre saudosista da
ção, no Chefe Ruca, inscreveram-se werPoint do homenageado, mostra- música fadista. Com mais actuações
cerca de 80 pessoas, mas, acabaram da no início do encontro. em Espanha do que em Portugal, o
por comparecer perto de cem. “Não estava à espera desta mani- seu próximo concerto está agendado
Catarina Pereira, assistente ope- festação de apreço, de respeito e gra- para 4 de Maio, o dia de abertura da
racional da EB1 de Espinhosela, úl- tidão. Sinceramente, é demais para Fadista de alma com coração no ensino Semana Académica de Bragança.

10 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE REGIONAL

Mais organização, menos espaços


BRUNO MATEUS FILENA
Bragança

A Feira das Cantarinhas Assembleia Mu-


incluirá cerca de 450 ex- nicipal decisiva
positores, enquanto que,
O executivo camarário vai pro-
paralelamente, a Feira do por, em Assembleia Municipal
Artesanato mais de 75 (AM), a declaração de utilidade pú-
blica de expropriação duma parce-
A Feira das Cantarinhas, de 1 a la de terreno destinada à constru-
3 de Maio, será realizada na zona ção dos acessos ao Centro Escolar
envolvente ao Mercado Municipal, de Santa Maria, em Bragança.
enquanto que, simultaneamente, a A sessão está marcada para a
XXIV Feira de Artesanato de Bra- próxima sexta-feira e pode ser de-
gança, entre 28 de Abril e 2 de Maio, cisiva para desbloquear o proble-
terá lugar na Praça da Sé, na Rua ma das acessibilidades àquele pólo
Alexandre Herculano e, pela primei- escolar, tal como o Jornal NOR-
ra vez, na Rua da República. DESTE noticiou na edição de 30
Ambas as feiras, terão um orça- de Março.
mento de 40 mil euros, à semelhan- ACISB promete menos expositores, mas melhor organização Recorde-se que a obra está
ça de anos anteriores. No entanto, a concluída, mas a co-proprietária
Feira das Cantarinhas contará com expositores na Feira das Cantari- Segundo a secretária-geral da de um terreno da zona envolvente
cerca de 450 expositores e a Feira do nhas, sobretudo de vestuário e cal- ACISB, Anabela Anjos, os feirantes interpôs uma providência caute-
Artesanato com 75. Menos do que o çado. “A Câmara Municipal melho- mostraram-se intransigentes, quan- lar no Tribunal de Bragança para
ano passado. rou o espaço da feira, mas houve um to à colocação das suas diversões no impedir o avanço das máquinas
A organização defende que é encurtamento do mesmo, o que não Parque do Eixo Atlântico, advogan- naquela parcela, que é posse de 5
impossível aumentar os espaços de nos vai permitir aceitar todas as ins- do que, se fosse esse o caso, não vi- pessoas.
venda nas ruas e avenidas da cida- crições”, declara o defensor de uma riam. Além disso, há outros co-pro-
de por questões de segurança e de ideia de continuidade da própria fei- Apesar desta questão, a respon- prietários que pretendem ver os
preservação das vias. Assim, menos ra entre os seus diferentes espaços. sável realça outra como sendo a seus interesses salvaguardados,
feirantes e uma maior concentração mais importante. “Os comerciantes, caso a edilidade avance para a pos-
dos mesmos, serão as principais al- Menos expositores do que em que habitualmente participam na se administrativa do terreno. É o
terações à Feira das Cantarinhas. A feira mensal, não têm tendas com caso de António Domingues, que
edições anteriores, mas, em habita numa casa construída na
prioridade será concedida aos expo- dimensões diferentes das usadas na
sitores das feiras mensais, seguem- continuidade, melhor organiza- Feira das Cantarinhas”, anuncia. A parcela que a CMB declarar de uti-
se os feirantes por grau de antigui- dos solução poderá estar no alargamen- lidade pública.
dade de participação na Feira das to da zona de feirantes na avenida Por outro lado, existem versões
Cantarinhas e, só depois, todos os O vice-presidente da CMB, Rui Bragança Paulista, junto à Escola diferentes quanto às negociações
outros. Caseiro, mostrou-se surpreendido Paulo Quintela. entre a autarquia e os 5 co-proprie-
Na conferência de imprensa para quando confrontado com a redução De salientar que, ao contrário tários. O presidente da CMB, Jor-
apresentação dos eventos, a Associa- de meia centena de expositores. “Co- de outras edições, será permitido o ge Nunes, garante que a edilidade
ção Comercial, Industrial e de Servi- locámos as diversões no parque de acesso de carro à Praça da Sé. No chegou a acordo com 4 dos donos
ços de Bragança (ACISB), e a Câma- estacionamento da câmara, porque programa, destaque para a XI Milha da parcela, mas fonte bem colo-
ra Municipal de Bragança, parceiros se entendeu que havia espaço sufi- das Cantarinhas, Luta de Touros a 2 cada assegura que é precisamente
organizativos, entraram em litígio ciente. Daí ficar um pouco surpre- de Maio, e actuações de grupos mu- o contrário. Ou seja, a Câmara só
relativamente a algumas questões. endido por a ACISB dizer que não sicais regionais como “Terra Firme”, terá obtido o aval de um dos co-
Mas, depressa, afirmaram que não há espaço suficiente. Podiam pôr-se Tuna do Patronato, Grupo Popular proprietários, pelo que a decisão
passavam de “mal-entendidos”. as diversões no Eixo Atlântico, por dos Santos Mártires, Rancho Folcló- da AM pode não ser pacífica.
A ACISB, principal promotora exemplo”, disse Rui Caseiro. “Agora, rico do Bairro da Mãe d´Água, Casa
do evento, na voz do seu presidente, não podemos colocar tudo no centro do Professor de Bragança e Tuna Fe- J.C.
José Carvalho, afirma que, há menos da cidade. Há limites”, sublinhou. minina do IPB, entre várias outras.

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 11


12 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE
Adega de Freixo lança novos néctares
FRANCISCO PINTO objectivos, já que vendemos todo o
vinho que produzimos no mercado
nacional e ainda não sentimos neces-
50º aniversário marcado sidade de recorrer ao mercado exter-
pelo investimento em tec- no ”, afiança o presidente da ACFEC,
José Santos.
nologia para lançar novos Os números não enganam. Ac-
produtos tualmente, a adega está a produzir
cerca de um milhão de litros de vinho
A Adega Cooperativa de Freixo de de mesa. A esta produção juntam-se
Espada à Cinta (ACFEC) assinala o cerca de dois milhões de litros de vi-
50 º aniversário com novos desafios nho generoso, a quantidade autoriza-
na estrutura vitivinícola. Na última da pelo Instituto do Vinho do Douro
década, o investimento em tecnolo- e Porto.
gia de ponta e recursos humanos es-
pecializados permitiram à instituição Adega de Freixo de Espada à
criar uma dinâmica empresarial, pro- Cinta vai ser ampliada com a
duzindo vinhos de mesa de qualidade criação de um espaço de en-
reconhecida. O primeiro investimen-
to de relevo, que ultrapassou os três velhecimento de vinhos e um
José Santos revela que a Adega de Freixo vai investir 1,5 milhões de euros no âmbito do PRODER
milhões de euros, foi efectuado em parque para armazenar equipa-
2001. mentos “Este trabalho não tem sido fácil. resulta de uma casta predominante
Após este primeiro passo, a adega Há bastante despesa, mas também na região duriense de Freixo de Es-
lançou, pela primeira vez, uma marca A adega está, actualmente, a há retorno e temos estado a cum- pada à Cinta, que ostenta aquela de-
de vinho, a “Montes Ermos”, branco e produzir vinhos brancos e tintos de prir os nossos compromissos com os signação no meio vitivinícola.
tinto, que se tem tornado competitiva consumo corrente, bem como outros produtores e com as empresas que “ É vinho fresco, que se está a
na Região Demarcada do Douro e no néctares mais elaborados, que osten- colocaram os equipamentos iniciais, vender bem, apesar do preço ser
mercado vitivinícola nacional. tam a chancela de Reserva e Grande que permitiram que a adega atingis- um pouco acima da média. Foram
“Conseguimos atingir os nossos Reserva. se este patamar de sucesso ”, enalte- engarrafadas 6.500 garrafas des-
ce o responsável. te néctar. Outra experiência passa
Continuando na sen- por trabalhar um vinho através de
da da modernização, a métodos tradicionais, que entrará
ACFEC está a preparar um no mercado no início de Maio, com
investimento que ronda os mais de seis mil garrafas ”, avança o
1,5 milhões de euros, com- responsável.
participados por fundos do A aposta no “Códega do Larinho”
PRODER. é uma experiência, já que os vinhos
“Este investimento vai brancos monocasta na região do
implicar uma ampliação da Douro são praticamente inexisten-
adega para a zona indus- tes.
trial, onde ficará instalado A marca “Montes Ermos” foi
um espaço fresco destina- alargada a outros produtos agrícolas,
do ao envelhecimento de como é o caso do azeite e da azeito-
vinhos e um parque para na. Esta evolução só foi possível com
armazenar equipamentos”, a compra dos activos da CoopaFrei-
afirma José Santos. xo, cuja operação ultrapassou o mi-
Dentro das novidades, lhão de euros. No entanto, ambas as
a adega freixenista vai co- estruturas mantêm contabilidades
locar no mercado dois no- separadas. “Com a comercialização
vos néctares: o vinho mo- deste produtos estamos a conseguir
nocasta branco “Montes pagar o montante do investimento
Vinhos Montes Ermos são a imagem de marca da Adega de Freixo
Ermos”, já apelidado de na compra daquela estrutura”, afian-
“Códega do Larinho”, que ça José Santos.

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 13


NORDESTE RURAL

Tourada enche Moimenta


J.C. bilhetes não fosse suficiente para co-
brir os custos da tourada, cerca de 30
Casa cheia no regresso da mil euros. No entanto, à medida que a
hora se aproximava, a corrida à bilhe-
Corrida Portuguesa ao car- teira aumentou e os lugares ficaram
taz da Feira Franca quase todos preenchidos, até porque
o preço do ingresso também incluía
A tourada regressou em força à uma chega de touros de raça miran-
aldeia da Moimenta, concelho de Vi- desa.
nhais. Numa praça com lotação esgo- “Temos custos muito grandes,
tada, os cavaleiros João Paulo e Filipe porque trazer os cavalos, a praça e
Gonçalves lidaram 4 touros de uma os touros a Trás-os-Montes acarreta
ganadaria espanhola, deixando um muita mais despesa do que fazer uma
quinto animal para o matador anda- tourada na zona de Santarém, por
luz, Emílio Laserna. exemplo”, explicou Francisco Faia.
A corrida estava marcada para as Na hora de avaliar a receita, espe-
15:30 e, ao início da tarde, não se adi- ra-se que o evento se repita no próxi-
vinhava uma afluência capaz de en- mo ano, dado que a adesão de portu-
cher os cerca de 2000 lugares da pra- gueses e espanhóis correspondeu às
ça amovível que a organização trouxe expectativas. Cavaleiro João Paulo em acção na primeira corrida da tarde
à Moimenta. O mesmo se pode dizer das restan-
Francisco Faia, responsável da tes actividades organizadas pela Junta Feira Franca e teve um tarde de sol a Bragançana, que a aldeia acolheu, pela
empresa Bravo & Genial, Lda., fazia de Freguesia da Moimenta, que apos- seu favor. Exemplo disso foi o Concur- primeira vez, em lugar da competição
contas à vida, temendo que a venda de tou na diversificação do programa da so de Ovinos de Raça Churra Galega na Raça Bovina Mirandesa.

Argozelo quer rosquilha certificada


TERESA BATISTA de Argozelo”, realçou Francisco Lo- assim tão poucas rosquilhas. “Amas-
pes. samos 25 dúzias de ovos e duas sacas Receita
Francisco Lopes anuncia Durante o certame, o autarca real- de farinha, o que deu cinco cestos e
çou que foram vendidos mais de 500 uma caixa de doces”, enaltece a argo- da rosquilha
que está a delinear a con- quilos de rosquilhas, dada a elevada zelense.
fecção da maior rosquilha procura deste doce típico. “Estive- Para que a rosquilha contribua Para confeccionar o doce tra-
ram quatro mulheres a fazer duran- para o desenvolvimento local, Fran- dicional de Argozelo é só bater os
do mundo para entrar no te quatro dias”, acrescenta Francisco cisco Lopes afirma que vai ser feito ovos, juntas a farinha com a leve-
Guinness Lopes. um investimento na construção de dura, deitar manteiga, aguardente
Maria do Carmo Oliveira, uma um forno comunitário, onde entre a e laranja. A receita é dada por Ma-
Confeccionar a maior rosquilha das habitantes que participou nesta maior rosquilha do mundo. ria do Carmo Oliveira, de 75 anos,
do mundo para entrar no Guinness tarefa, adverte que não foram feitas “Ainda estou a delinear as medi- uma das habitantes da vila que
e certificar este doce são os desafios das da rosquilha, participou na maratona de con-
assumidos pelo presidente da Junta mas será uma coisa fecção deste doce para a Feira da
de Freguesia de Argozelo, Francisco em grande. Quanto Rosquilha.
Lopes, para a Feira da Rosquilha do ao forno vou tentar Esta argozelense lembra que
próximo ano. a aprovação de uma todos os ingredientes são essen-
O anúncio foi feito, anteontem, candidatura através ciais para que as rosquilhas te-
pelo autarca local, durante as come- da associação Ter- nham o inconfundível sabor. “Não
morações do 25 de Abril, que coinci- ras do Sabor para lhe pode faltar nada para ficarem
diram com a realização de mais uma criar a infra-estru- bem”, adverte a pasteleira tradi-
edição do certame que enaltece este tura, que depois cional.
doce típico da época da Páscoa. funcionará como Maria do Carmo afirma que
“A Feira da Rosquilha está im- forno comunitário”, não há segredos para confeccionar
plantada na região. Houve pessoas explicou Francisco este doce, mas lembra que a forma
de todo o Nordeste e, até, do Porto à Lopes. como se bate e molda a massa é es-
procura das tradicionais rosquilhas Francisco Lopes promete dar novo impulso ao certame sencial para o resultado final.

14 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE RURAL

Concursos envolvem paróquias VOZES

Cidália Eira
T.B. Centro Social
de Salsas
Centros Sociais e Paro-
quiais de Pinela, Rossas “Concorri com um semi-frio de
e Salsas incentivaram a queijo com morangos e consegui o
população a confeccionar primeiro lugar. Gosto de fazer so-
bremesas e também de cozinhar.
receitas tradicionais e Acho muito bem que façam
inovadoras este concuro e para o ano voltarei
a concorrer”.
Os doces foram os reis à meses
na 1ª edição do concurso “Lares do-
ces, Doces Lares”, que decorreu na
passada sexta-feira, no Centro So- Deolinda Pereira
cial e Paroquial de Santo Estêvão, Habitante de
em Pinela. Pinela
A iniciativa visa incentivar as
pessoas a confeccionar doçaria, pre- Doçaria põe à prova dotes culinários de diversas comunidades
servando as receitas tradicionais ou
apostando na inovação, com a cria- to comê-los, por isso é preciso fazê- que vai reunir pessoas com diferen- “Só faço doces quando há fes-
ção de novas receitas. A população lo com moderação e não exagerar”, tes níveis de qualificação, que vão tas. Concorri com mousse de ana-
local é motivada a participar na vida alerta a responsável. realizar provas distintas. nás, que é o meu doce preferido.
quotidiana dos centros sociais e pa- Este concurso está, igualmente, Se voltarem a fazer o concurso
roquiais. aberto a todas as Instituições Par- vou continuar a participar”.
Centros Sociais fomentam
“O objectivo é chamar as pessoas ticulares de Solidariedade Social
ao Centro e mostrar-lhes que estas os hábitos de leitura dos (IPSS) do distrito de Bragança. Tra-
instituições são delas e para elas”, trabalhadores através ta-se de um incentivo à leitura des-
realça o responsável pelos três cen- do concurso do livro tinado a todos aqueles que gostam
tros sociais, Estevinho Pires. de ler, independentemente do grau Ondina Bento
No concurso participaram 16 Reforçando o espírito de coope- de ensino. Por isso, vão realizar-se Centro Social
pessoas do centro de Pinela, Rossas ração entre as instituições e as po- duas provas, uma oral e outra escri- de Pinela
e Salsas e da comunidade em geral, pulações locais também vai decor- ta, com um grau de dificuldade dife-
que procuraram deliciar o júri com rer, pelo terceiro ano consecutivo, renciado.
os seus doces preferidos. o concurso do livro e da leitura, na A prova escrita está marcada Antes gostava muito de fazer
Apesar dos doces não fazerem localidade de Salsas. para dia 5 do próximo mês, seguin- bolos, agora como sou diabética
parte de uma alimentação saudável, O fomento de hábitos de leitu- do a eliminatória final no dia 26 de já não faço tanto. Fiz um bolo de
a dietista Carla Santos, explica que ra dos trabalhadores das três insti- Maio. O livro escolhido para o con- laranja, que é simples, mas é uma
os doces também não são totalmente tuições e de toda a comunidade é o curso é o romance “Diário da Nossa delícia. Fiquei em segundo lugar”.
proibidos. “As pessoas têm por hábi- principal objectivo desta iniciativa, Paixão”, de Nicolas Sparks.

Centros de Dia enfrentam dificuldades


T.B. também é muito baixa, ronda os 80 Prestar serviços de qualidade é tem sido possível dar continuidade a
euros. Temos que sustentar 3 postos a missão da instituição, que mesmo este projecto”, realça o responsável.
de trabalho a tempo inteiro e depois com poucos recursos, procura dar Esta realidade leva Estevinho Pi-
Estevinho Pires apela à temos uma dietista e a directora téc- qualidade de vida aos utentes que ser- res a pedir às entidades competentes,
Segurança Social para dar nica a meio tempo”, sustenta o res- ve. “Houve já quem profetizasse o en- a nível nacional, que apoiem mais esta
cerramento desta instituição, porque valência, porque há aldeias, como é o
mais apoios a esta resposta ponsável.
de facto gere muito poucos recursos, caso de Pinela, que necessitam desta
Para enaltecer a importância des-
social ta valência para a comunidade de Pi- mas graças à colaboração das pessoas resposta social com qualidade.
nela, o centro acolheu o 1º Concurso
Os Centros de Dia atravessam de doces. “É uma valência com mui-
graves dificuldades financeiras de- tas dificuldades, por isso é que qui-
vido à falta de apoios da Segurança semos realizar aqui este evento, para
Social. O alerta é dado pelo pároco chamarmos à atenção que esta valên-
responsável pelos centros de dia de cia é única”, realça o pároco.
Rossas, Pinela e Salsas, Estevinho Este espaço funciona com 19
Pires, que lamenta que esta resposta utentes, que procuram a instituição
social, crucial para muitas aldeias, só para fazer as refeições e para convi-
consiga resistir graças à generosida- ver. “Há muitos idosos que não têm
de das pessoas. condições nas suas casas para fazer
“Nós recebemos uma contrapar- as refeições, por isso deslocam-se
tida de, apenas, 99 euros por utente, ao centro, que é um pólo agregador
o que é muito pouco, tendo em conta destas pessoas”, enaltece Estevinho
que a mensalidade que eles pagam Pires. Pequenos lares do meio rural são os mais afectados

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 15


OPINIÃO

P.S (Política a Sério)


que, aparentemente tem rareado. turas. Paris, está a ser vorazmente dego-
Mais. Posto isto, que inferências se lada por algum sistema, pelos cus-
Noutro âmbito, Passos Coelho extraem, sabendo que em Janeiro tos que as passagens de avião acar-
João Paulo Castanho provou que o rumo das lideranças houve eleições para a CPD-PSD, reta para as finanças públicas.
não é condicionada pela relevância e os derrotados de então foram, Não compreendo o espanto, e
El Secreto de Sus Ojos. Ainda a de algumas secções, por mais titâ- formalmente, apoiantes da facção coloco-me, humildemente, ao lado
propósito das mui badaladas elei- nicas que sejam… Coelho? de tão insigne figura.
ções para CPN (Comissão Política Ao 2º dia, o rosto de Vila Nova Fazendo a comparação dos dois Já Eça de Queiroz, em pleno
Nacional) do PSD. de Gaia clamou, do cume do púl- resultados, julgo que os militantes séc. XIX, nos alertava para o pen-
Primeira ilação que se tira: fo- pito, para que o mestre dos novos tomaram para si um “Tratado de samento iluminado que se extraia
ram dados passos correctos, e ti- tempos substituísse o Conselheiro Tordesilhas” dos tempos moder- de Paris, tomando a prosaica cida-
rou-se um coelho que, com uma Capucho. nos, explicitando qual o timoneiro de como epicentro do saber e ur-
cajadada, matará, muitos vícios. Passos, o novo Mestre, não regional e nacional que pretendiam banidade.
Contrariando práticas corren- claudicou e manteve o sentido das para dar novos mundos ao mundo, Assim, ter uma senhora que,
tes, e fazendo da surpresa uma es- encíclicas “o Presidente sou eu…”. nesta nova era de dirigentes. todas as semanas, por defesa da
tratégia com força, Passos Coelho Que assim seja! Fazer extrapolações, é tirar fal- Pátria, tem que se deslocar à cida-
idealizou a “grande coligação” in- O Segredo. Teve a eleição de sos coelhos da cartola, mais não de luz, é sinal de polidez e deve ser
terna ao incluir Paulo Rangel nos Passos, reflexos no Distrito, saben- seja porque o mesmo tufão que em objecto de orgulho para cada por-
órgãos nacionais. do que os militantes, seguindo a Janeiro, respondeu com um re- tuguês. Quando se trata de escolher
Com este gesto, apazigua o tendência das restantes distritais, tumbante “Sim” a Silvano, disse, os melhores, Sócrates não dorme, e
PSD, une-o a pensar nas legislati- consolidaram os passos para a vi- em Março, “Não” a Rangel. a Senhora Medeiros também não,
vas (decerto mais tarde do que se tória de Coelho? Não creio, consi- Essa é que é essa! até porque, neste caso, a viagem é
deseja e mais cedo do que muitos derando que, ao que se sabe, não Paris é Uma Festa. Provincia- curta. Se fosse de autocarro…
julgam); exorciza fantasmas que se houve, da parte da actual CPD (Co- namente, a Senhora Medeiros, De-
poderiam erguer de falsas trevas, e missão Política Distrital), nenhu- putada socialista eleita pelo Povo
induz aos indígenas militantes a fé ma obsessão por outras candida- do círculo de Lisboa e radicada em

Cogitações
inimigo. oficial de investigação. Já nos vamos E o que dizer do ditador chinês e de
Desde o tsunami asiático que habituando a isso. E desse modo, tantos outros? Eles estão ou não a…
arrastou para a morte mais de du- surgem os casos recentes contra a abusar de todos estes jovens? E nem
Luís Ferreira zentas mil pessoas, até ao vulcão da Igreja católica, focando ataques ba- lhes perguntam se querem ou não!
Islândia que resolveu acordar ao fim seados na descoberta de padres que Enfim!
Lembro-me de a minha avó ma- de um século, passando pelos sis- terão abusado de crianças, há al- O Mundo está realmente perdi-
terna dizer que quando aconteces- mos do Haiti e do Chile e das catás- guns anos atrás. Tentam envolver o do! Os desmandos do homem e a
sem muitas catástrofes seguidas na trofes da Madeira e do Brasil, tudo Papa no assunto e difamar a Igreja a incapacidade de se entender com a
Terra, o Mundo estaria para acabar. nos parece irreal e ao mesmo tempo partir daqui. É evidente que a Igreja Natureza e consigo próprio, fazem
A minha mãe repete ainda hoje, fe- fantasmagórico. Se as supostas pro- não é só o Papa, nem só os padres com que o planeta se revolte contra
lizmente, as mesmas ideias que a fecias da minha avó estiverem cer- pedófilos em questão. as injustiças e abusos que são feitos,
mãe dela lhe transmitiu e eu rete- tas, o fim do Mundo não pode estar A comunidade católica é imen- um pouco por todo o lado. E não nos
nho-as na minha memória para as mais perto. sa e nela também há, certamente, podemos esquecer que o planeta
poder passar aos que me quiserem Mas os homens também ajudam muitos pedófilos. Nada desculpa o tem muito mais força do que todos
ouvir. É a memória do povo a tra- a este desconcerto global e por certo facto de os padres terem abusado os homens juntos. Basta ver o que
balhar. dão alguns passos para o fim deste das crianças. Isso é e será sempre aconteceu com a nuvem de cinza
As ideias sobre o fim do mundo, palco redondo onde habitamos. Pelo condenável. O que se pretende con- saída do vulcão islandês, que teve
essas podemos tê-las como verda- menos, para o fim de algum crédito denar aqui, mais do que tudo, é o como consequência imediata o fe-
deiras ou não e agir de acordo com que o criador terá dado ao animal todo pela parte e isso é demasiado cho de mais de 25 aeroportos euro-
os critérios que as enformarem. que somos, por não sabermos salvar injusto. O padre é um homem, com peus, acarretando um défice de mi-
Nada nos impede de interpretarmos a própria casa e até para a conspur- responsabilidades diferentes do ho- lhões e milhões de euros de prejuízo
os testamentos e testemunhos da car. As atitudes irresponsáveis que mem comum, mas o pai que abusa às companhias de aviação. Mais de
forma que quisermos e de acredi- por todo o lado vão surgindo, não da filha, o tio que abusa da sobri- um milhão de passageiros em terra.
tarmos ou não na interpretação que auguram nada de bom e muito me- nha, o filho que mata o pai ou o ma- Até obrigou o nosso Presidente da
deles fizermos. nos trazem coroas de louro a quem rido que mata a esposa, não serão República a regressar a Portugal de
O que é facto é que o nosso Mundo as pratica. também eles mais culpados do que automóvel! Como a Natureza man-
vive momentos críticos. Demasiado Desde sempre terá havido, por aqueles? da!
críticos para não nos preocuparmos. exemplo, casos de pedofilia. Não é Ao olhar este mundo cão, encon- Pois é. A minha avó se hoje fos-
Treme e estremece frequentemente, coisa nova, mas os tempos são ou- tramos muitos abusadores e, não se viva, certamente repetiria o seu
como se fosse o estertor da morte. tros e a comunicação também. A sei se não serão tanto ou mais “pe- vaticínio apocalíptico perante ta-
O século XXI trouxe com ele muitas informação é mais célere e mordaz. dófilos” do que os outros que real- manho desconcerto. Seja como for,
incertezas e muitas calamidades. Nada lhe escapa e até fere, pois do mente o são. Será que na Venezuela, com razão ou sem ela, se as coisas
A Terra parece ter ganho uma vida sangue nasce a possibilidade da vi- Chavez por exemplo, não estará a continuarem a manifestar-se deste
diferente, qual animal adormecido tória e da fama. A investigação tam- abusar da maior parte dos jovens e modo por muito mais tempo, não
que acorda sobressaltado e que se bém faz parte das suas tarefas, de dos adultos, ao impor a sua vonta- duvido que este planeta maravilho-
defende atacando tudo e todos por tal forma que às vezes sabe as coi- de e o seu querer, mandando para so em que vivemos, está condenado
não saber exactamente quem é o seu sas primeiro que a própria estrutura a prisão os que não lhe obedecem? ao extermínio puro e simples.

16 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


LUGARES

Aldeias “esquecidas” VOZES


SANDRA CANTEIRO
Lécio Teixeira
Distrito é rico em lugares 31 anos

que perderam todas as suas


gentes “Na minha infância éramos seis
famílias na aldeia e actualmente só
Silêncio. Cada pedra tem uma
moramos nós a tempo inteiro. No
história para contar. Trilhos que re-
fim-de-semana vêm mais pessoas.
cordam quem ali se criou. Ruelas que
A freguesia tem duas aldeias to-
nasceram às mãos de homens e mu-
talmente desertas, sem um único
lheres que dali partiram rumo a um
morador”.
destino melhor. Das vidas que por ali
passaram restam, apenas, as memó-
rias. Não sobrou ninguém. Os terre-
nos, outrora trabalhados e cultivados, Angélica Bastiano
foram tomados de assalto pela densa 65 Anos
vegetação que cresce livremente sem
que alguém o impeça. Aqui, corre-se
Ruelas lembram dias mais movimentados
rua abaixo e aldeia acima sem que vi-
valma dê os “bons dias”. Não se vêem dois núcleos habitacionais, acolhia, tar para investir no turismo”, acres- “Vivi em Santo André e recor-
animais. Não se ouve o bater de por- ainda há poucos anos, cerca de meia centou Amílcar Freitas, natural da- do-me que tinha muita gente. Fo-
tas e janelas. Não se sente o cheiro a centena de habitantes. Aos poucos, e quela aldeia. ram indo embora porque cá não ti-
lume ou a comida quase pronta. Ape- porque as oportunidades de trabalho nham como viver. Era uma aldeia
nas as casas típicas nos recordam um não eram muitas, aqueles que davam Populações acreditam que linda, com uma capela maravi-
passado que dificilmente voltará. vida à aldeia foram embora. Agora, lhosa que está destruída. Foi tudo
Esta história é, no distrito de Bra- restam as casas de traçado típico e turismo pode ser solução para abaixo”.
gança, comum a um sem número de construídas à base de pedras de to- aldeias desertificadas
lugares. Aldeias que, em tempos, aco- nalidades ocre e bronze que, apesar
lheram dezenas e, mesmo, centenas dos actos de vandalismo perpetrados Recorde-se que esta localida- Amílcar Freitas
de pessoas e que, nos últimos anos, há cerca de quatro anos, ainda se en- de, em conjunto com Souto, Roca 66 Anos
ficaram vazias. contram relativamente bem conser- (na freguesia de Valverde), S. Pedro
Em Mogadouro, só a freguesia de vadas. Em pior estado está a capela, (Meirinhos) e Salgueiro (Paradela)
Valverde integra duas localidades to- classificada de “maravilhosa” por An- integram o projecto “Aldeias Típi-
talmente desabitadas: Santo André e gélica Bastiano, que viveu em Santo cas”, promovido pela Câmara Muni- “Nasci em Santo André. Anti-
a Roca. André, já que a destruição e a pilha- cipal de Mogadouro. Trata-se de um gamente as casas estavam cheias
Santo André, que se divide em gem tomaram conta do templo. roteiro por aldeias “desertificadas”, de gente e agora desertas. Às vezes
Isolada na mar- que propõe uma viagem pelas bele- vou lá aos fins-de-semana e não se
gem esquerda do rio zas naturais e tradicionais das locali- vê ninguém. Está tudo abandonado
Sabor, a aldeia terá dades sobranceiras ao rio Sabor. e vandalizado, o que é uma pena”.
com vizinha a barra- No concelho de Macedo de Cava-
gem do Sabor, actual- leiros, a aldeia “fantasma” mais co-
mente em construção. nhecida é a de Banrezes, na freguesia Altino Teixeira
Um empreendimento de Vale da Porca. Um lugar repleto 35 anos
que muitos acreditam de ruínas e vestígios de edifícios tí-
que poderia ajudar a picos e que se conjuga na perfeição
impulsionar o turis- com o rio Azibo e a paisagem envol-
mo na região. vente. Conta-se que uma epidemia
“Santo André vai dizimou grande parte da população e “Nasci no Souto, mas vivo na
pertinho do espelho que aqueles que “sobreviveram” deci- sede de freguesia, porque a aldeia
de água da albufeira, diram abandonar o local com medo, começou a ficar desertificada. Po-
pelo que, quem tem pelo que, há cerca de três décadas, dia-se revitalizar estes lugares se
Santo André acolhe habitações tradicionais
poder, podia aprovei- que ninguém vive em Banrezes. investisse mais no turismo”.

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 17


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste - Semanário Regional de Informação nº 703 Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703
Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 de 27 de Abril de 2010
de 27 de Abril de 2010 de 27 de Abril de 2010

EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO

EDITAL N.º 6 /2010 CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por
critura lavrada no dia dezasseis de Abril de dois mil e dez no Cartório escritura lavrada no dia vinte de Abril de dois mil e dez no Cartório
Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves Andrade, Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves Andrade,
LUÍS MANUEL MADUREIRA AFONSO, PRESIDENTE DA MESA DA ASSEMBLEIA sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragança, exarada sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragança, exa-
MUNICIPAL DE BRAGANÇA: de cinquenta e quatro a folhas cinquenta e cinco verso do livro de no- rada de sessenta e oito a folhas sessenta e nove verso do livro de
Torna público que, em cumprimento do disposto no número três do artigo 84º. da Lei número tas para escrituras diversas número “Quatro-G”, “JOSÉ ANTÓNIO notas para escrituras diversas número “QUATRO- G “JOÃO TITO
5-A/2002, de 11 de Janeiro, terá lugar no dia 30 de Abril (Sexta-feira), a terceira sessão ordiná- FERNANDES DA SILVA CANEDO e mulher MARIA EMÍLIA RODRIGUES ALVES e mulher MARIA ODETE HENRIQUES
CASTANHEIRA DA MOTA CANEDO, casados sob o regime de PEREIRA ALVES, casados sob o regime da comunhão de adquiri-
ria da Assembleia Municipal de Bragança, com início às 09h30, no Auditório «Paulo Quintela» comunhão adquiridos, ele natural da freguesia de Miragaia, concelho dos, ele natural da freguesia e concelho de Bragança (Santa Maria)
de Bragança, sito na Rua Abílio Beça nº. 75/77, com a seguinte ordem de trabalhos: 1- ACTAS: do Porto e ela natural da freguesia de Lourosa, concelho de Santa e ela natural da freguesia de Poiares (Santo André) concelho de
Leitura, discussão e votação da acta da Segunda Sessão Ordinária da Assembleia Municipal de Maria da Feira e residentes na Rua da Devesa, nº 513, 1º, Oliveira Vila Nova de Poiares, residentes na freguesia de Santa Comba de
Bragança/ Quadriénio 2009/2013, realizada em 26 de Fevereiro de 2010 do Douro, Vila Nova de Gaia, NIFS 150 210 868 e 152 123 415”, Rossas, concelho de Bragança, NIFS 111 109 620 e 111 109 639”,
fizeram as declarações constantes desta certidão, que com esta se fizeram as declarações constantes desta certidão, que com esta se
2– PÚBLICO – Período de Intervenção. compõe de duas laudas e vai conforme o original. compõe de duas laudas e vai conforme o original.
3 – PERÍODO DE ANTES DA ORDEM DO DIA.
3.1 – Proposta de solidariedade para com as vítimas da catástrofe, ocorrida no dia 20 de Fe- Bragança, Cartório Notarial, 16 de Abril de 2010. Bragança, Cartório Notarial, 20 de Abril de 2010.
vereiro na Ilha da Madeira, designadamente para com os Municípios de Câmara de Lobos, A Colaboradora Autorizada A Colaboradora Autorizada
Bernardete Isabel C. Simões Afonso Bernardete Isabel C. Simões Afonso
Funchal Ribeira Brava e Santa Cruz.
4 – PERÍODO DA ORDEM DO DIA: Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, do Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem,
4.1 – Apreciação da informação escrita do Senhor Presidente da Câmara sobre o Estado e Vida prédio urbano, sito na rua do Folgar, freguesia de Pinela, concelho de do prédio rústico, sito em Lamela, freguesia de Santa Comba de
do Município. Bragança, composto por casa de res do chão e primeiro andar, com Rossas, concelho de Bragança, composto por Lameiro, com a área
a área de sessenta e seis metros quadrados, a confrontar do norte de dois mil e quatrocentos metros quadrados, a confrontar do norte
4.2 – Apresentação e votação da Programação do Município, relativa às Comemorações do com Caleja da Veiga, do nascente com Rua, do sul com Rua e do Dr. Rodrigo Sá Morais do nascente com Manuel Jorge Afonso, do
Centenário da República. poente com António Maria dos Santos Vila Franca, não descrito na sul com Camilo Nascimento Pires e do poente com Estrada Nacio-
4.3 - Discussão e deliberação sobre a proposta da Câmara Municipal de Bragança - Documen- Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito na matriz nal, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Bragança,
tos de Prestação de Contas relativos ao ano de 2009 e proposta de aplicação de resultados. respectiva, sob o artigo 6 sendo de 111,06 euros o seu valor patrimo- mas inscrito na matriz respectiva, sob o artigo 227, sendo de 66,62
nial, a que atribuem o valor de dois mil e quinhentos euros. euros o seu valor patrimonial, a que atribuem o valor de setenta
Que entraram na posse do referido prédio em mil novecentos e oiten- euros.
4.4 – Discussão e tomada de conhecimento sobre a proposta da Câmara Municipal de Bragan- ta e cinco, ainda no estado de solteiros, por compra verbal que dele Que entraram na posse do referido prédio, em mil novecentos e
ça -Auditoria externa às Contas do Município de Bragança - Relatório de análise económico- fizeram a Luís Patrício Ferrnandes, que foi residente na referida fre- setenta e oito, por doação verbal que dele lhe fez João Batista, resi-
financeiro, reportado a 31 de Dezembro de 2009 e certificação de contas. guesia de Pinela, sem que no entanto ficassem a dispor de título for- dente que foi na referida freguesia de Santa Comba de Rossas, sem
mal que lhes permita o respectivo registo na Conservatória do Registo que no entanto ficassem a dispor de título formal que lhes permi-
4.5 - Discussão e deliberação sobre as seguintes propostas da Câmara Municipal de Bragan- Predial; mas, desde logo, entraram na posse e fruição do identificado ta, o respectivo registo na Conservatória do Registo Predial; mas,
ça: 4.5.1 - Terceira modificação - Proposta da primeira revisão ao Orçamento Municipal e prédio, em nome próprio, posse que assim detêm há muito mais de desde logo, entraram na posse e fruição do identificado prédio, em
ao Plano Plurianual de Investimentos para o ano de 2010; vinte anos, sem interrupção ou ocultação de quem quer que seja. nome próprio, posse e composse assim detêm há muito mais de
4.5.2- Resolução de requerer a declaração de utilidade pública de expropriação de uma parcela Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi- vinte anos, sem interrupção ou ocultação de quem quer que seja.
ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi-
de terreno, sita na freguesia de Santa Maria, concelho de Bragança, destinada ao alargamento próprio e com aproveitamento de todas as utilidades do prédio, no- ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome
e construção do acesso ao Centro Escolar de Santa Maria; meadamente, fazendo obras de melhoramento e habitando-o, guar- próprio e com aproveitamento de todas as utilidades do prédio, no-
4.5.3- Contracção de empréstimo de longo prazo (vinte anos), no valor de 1 500 000,00 eu- dando ali os seus haveres e diversos bens móveis, agindo sempre por meadamente, amanhando-o, adubando-o, cultivando-o e colhendo
ros, para financiamento da componente de investimento autárquico referente à execução dos forma correspondente ao exercício do direito de propriedade, quer os seus frutos, agindo sempre por forma correspondente ao exercí-
usufruindo como tal o imóvel, quer beneficiando dos seus rendimen- cio do direito de propriedade, quer usufruindo como tal o imóvel,
projectos “reperfilamento da Avenida General Humberto Delgado, requalificação do espaço tos, quer suportando os respectivos encargos e as referidas obras de quer beneficiando dos seus rendimentos, quer suportando os res-
público dos bairros da zona da Mãe d’Água/Mãe d’Água, requalificação do espaço público melhoramento e conservação, quer ainda pagando as respectivas pectivos encargos, quer ainda pagando as respectivas contribuições
dos bairros da zona da Mãe d’Água/Campelo, requalificação do espaço público dos bairros da contribuições e impostos, mantendo-o sempre na sua inteira dispo- e impostos, mantendo-o sempre na sua inteira disponibilidade.
zona da Mãe d’Água/Estação, circuito de manutenção de Santa Apolónia – ciclovia na zona nibilidade. Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, con-
Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, condu- duziu à aquisição do imóvel, por usucapião, que invocam, justifi-
envolvente do IPB e conservação e sinalização da rede viária municipal; ziu à aquisição do imóvel, por usucapião, que invocam, justificando cando o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado
4.5.4 - 1.ª Alteração ao Mapa de Pessoal para o ano de 2010 - criação de um posto de trabalho o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado que esta que esta forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer
da carreira de técnico superior - categoria: técnico superior - área cultural; forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer outro títu- outro título formal extrajudicial.
4.5.5 - Proposta de isenção de impostos municipais ao MMB - Mercado Municipal de Bragan- lo formal extrajudicial.
ça, E.M. 4.5.6 - Proposta de cedência do direito de superfície, sobre uma parcela de
terreno, sita no Forte S. João de Deus, Rua Dr. Manuel Bento, destinada ao edifício do Mercado
Municipal de Bragança; 4.5.7- Pedido de isenção de IMI pela firma “Duriensegás – Socie-
dade Distribuidora de Gás Natural do Douro, S.A.
5 – Eleição dos Representantes da AM para os seguintes Órgãos:
- Comissão Municipal de Comércio [art. 7.º, n.º 4, b) da Lei n.º 12/2004] – 1 Representante;
- Congresso Nacional da Associação Nacional de Municípios Portugueses [art. 6.º, n.º 2, a)
dos
Estatutos da ANMP] – 1 Representante (Presidente de Junta de Freguesia);
- Conselho Cinegético e da Fauna Municipal [art. 157.º, n.º 2, e) do DL n.º 201/2005, de 24 de
Novembro] – 1 Representante (Presidente de Junta de Freguesia);
- Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios [art. 5.º, n.º 1, b), Lei n.º 14/2004,
de 8 de Maio] – 1 Representante (Presidente de Junta de Freguesia);
- Assembleia Distrital de Bragança [art. 2.º, b) do DL n.º 5/91, de 8 de Janeiro – 1 Representan-
te (Presidente de Junta de Freguesia).
Mais torna público que a mesma Agenda de Trabalhos com a respectiva documentação poderá
ser consultada, nos termos e para os efeitos definidos na Lei, em qualquer dia útil, das 9h00 às
12h30 e das 14h00 às 17h30 na Secção de Apoio Administrativo da Assembleia Municipal, sita
na Rua Abílio Beça nº. 75/77-Bragança. Para conhecimento geral se publica o presente Edital
e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares públicos de estilo.
Assembleia Municipal de Bragança,
16 de Abril de 2010.
Luís Manuel Madureira Afonso (Dr.º)

Jornal Nordeste - Semanário Regional de Informação nº 703 Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, do
de 27 de Abril de 2010 prédio urbano, sito em Caborco, freguesia de Carragosa, concelho de
Bragança, composto por casa de habitação de rés do chão e primeiro
andar, com a área de setenta metros quadrados, a confrontar do norte,
do nascente e do sul com Rua e do poente com João Pedro, não des-
crito na Conservatória do Registo Predial de Bragança, mas inscrito
na matriz respectiva sob o artigo 164, sendo de 827,23 euros, o seu
valor patrimonial, a que atribuem o valor de mil euros.

Que entraram na posse do referido prédio, em mil novecentos e oi-


tenta e quatro, por doação que dele lhes fizeram Manuel Martinho
Rodrigues e Lia da Anunciação Fernandes, residentes na mencionada
freguesia de Carragosa, no lugar de Soutelo, sem que no entanto fi-
EXTRACTO/JUSTIFICAÇÃO cassem a dispor de título formal que lhes permita, o respectivo regis-
to na Conservatória do Registo Predial; mas, desde logo, entraram na
CERTIFICO, narrativamente, para efeitos de publicação, que por posse e fruição do identificado prédio, em nome próprio, posse assim
escritura lavrada no dia vinte e um de Abril de dois mil e dez no Car- detêm há muito mais de vinte anos, sem interrupção ou ocultação de
tório Notarial a cargo do notário Lic. João Américo Gonçalves An- quem quer que seja.
drade, sito na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, 16 em Bragança, Que essa posse foi adquirida e mantida sem violência e sem oposi-
exarada de setenta a folhas setenta e um verso do livro de notas para ção, ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente em nome
escrituras diversas número “Quatro –G”, MANUEL GUILHERME próprio e com aproveitamento de todas as utilidades do prédio, no-
FERNANDES RODRIGUES e mulher CATARINA DE LURDES meadamente, fazendo obras de melhoramento e habitando-o, guar-
NUNES RODRIGUES, casados sob o regime da comunhão de ad- dando ali os seus haveres e diversos bens móveis, agindo sempre por
quiridos, ele natural da freguesia e concelho de Bragança (Sé), ela forma correspondente ao exercício do direito de propriedade, quer
natural da freguesia de Carragosa, concelho de Bragança, residentes usufruindo como tal o imóvel, quer beneficiando dos seus rendimen-
em Algueirão-Mem Martins, Rua Afonso Paiva, nº13 rés-do-chão tos, quer suportando os respectivos encargos e as referidas obras de
esquerdo, NIFS 181 463 369 e 181 463 474, fizeram as declarações melhoramento e conservação, quer ainda pagando as respectivas
constantes desta certidão, que com esta se compõe de duas laudas e contribuições e impostos, mantendo-o sempre na sua inteira dispo-
vai conforme o original. nibilidade.
Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, condu-
Bragança, Cartório Notarial, 15 de Abril de 2010. ziu à aquisição do imóvel, por usucapião, que invocam, justificando
A Colaboradora Autorizada o seu direito de propriedade, para o efeito de registo, dado que esta
Bernardete Isabel C. Simões Afonso forma de aquisição não pode ser comprovada por qualquer outro títu-
lo formal extrajudicial.

18 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


CULTURA

Biblioteca abre-se Voo planado


a Mogadouro em magazine
Época” e “Prémios Nobel da Literatu- F.P. se realizar dentro do voo planado”,
F.P.
ra galardoados no século XXI”. Tra- explicou Artur Gonçalves, editor da
tam-se de duas iniciativas que encer- Planadouro é a nova publi- Planadouro.
Espaço cultural acolhe ram as portas no final do mês.
cação dirigida aos amantes O magazine será um meio de di-
Só na passada sexta-feira, cerca vulgação, junto da comunidade local
diversas faixas etárias em de 200 pessoas passaram pela BMM, e adeptos do desporto e geral, das actividades do Centro
eventos culturais onde assistiram a leituras para idosos Internacional de Voo à Vela de Mo-
e à hora do conto para o mais novos. Os amantes do voo planado têm, gadouro (CIVVM), enquanto cativa
O mês de Abril tem sido recheado Segundo Marta Madureira, biblio- agora, ao seu dispor o magazine Pla- praticantes para esta prática no con-
de actividades na Biblioteca Munici- tecária da BMM, a partir do próximo nadouro. Trata-se de uma publicação celho.
pal de Mogadouro (BMM), que abriu mês de Maio, haverá vários espaços exclusivamente digital que congrega De acordo com Artur Gonçalves,
as portas às várias camadas etárias dedicados aos mais idosos com des- conteúdos de natureza diversa, pro- ao longo de cada curso de pilotos e
do concelho com vista à celebração taque para a rubrica “Cine-memória” duzidos por pessoas que gostam do práticas há muita matéria, conteúdos
de datas especiais, como ler um livro, e a campanha “Um livro faz-nos mais voo à vela e querem vê-lo “ crescer”. formativos e informativos, uns mais
contar uma história ou conhecer, de ricos”. Disponível em www.vooavela.mo- teóricos, outros mais práticos, que é
perto, aquele gadouro.pt, o site integra um “link” a necessário registar por escrito para
espaço cultu- partir do qual se pode fazer o downlo- ficarem como documento de um pro-
ral. ad dos conteúdos do magazine. jecto que está em franco crescimento.
O Dia Mun- De periodicidade trimestral, a pu- Por seu lado, o presidente da
dial do Livro blicação sairá para a rua conforme as Câmara Municipal de Mogadouro,
e do Direito estações do ano, contando, apenas, Morais Machado, esta iniciativa de-
de Autor foi o com a participação dos aficionados monstra a vitalidade das actividades
mote para este por este desporto. do Aeródromo Municipal de Moga-
leque de ac- “Este projecto seguirá um rumo douro.
tividades que firme, uma vez que será uma desco- “A cada ano que passa, o número
integra duas berta das novas facetas das pessoas li- de alunos interessados na Escola de
exposições: gadas à actividade, da motivação dos Voo Planado tem aumentado, pelo
“O 25 de Abril pilotos e dos alunos, sendo que, ao que nos sentimos orgulhosos em ter
nos Jornais da Jogo equilibrado mesmo tempo, constituirá um registo um equipamento desta natureza”, fri-
histórico do que realizou e está para sou o edil.

Livro-trânsito de uma moral superiores». O tempo


demonstrou que estas belas palavras
não passavam de retórica. A 16 de Ju-
tempo” é pura ficção. A ninguém lem- inteiro, esse Verão ainda inédito, can- nho de 1935, numa reunião efectuada
braria fazer ginástica uma vez por ano tando com a sinceridade das cigarras no Parador de Gredos, a Junta Política
apenas porque “naquele dia” se conse- e dos loucos” diz Adriana Lisboa, em da Falange, convencida de que nunca
guiu disponibilidade para isso. A lei- SINFONIA EM BRANCO (Editora te- alcançaria o poder pelas urnas e de
Paula Romão
tura é um processo de aprendizagem, mas e Debates). que a sua própria existência enquanto
Os livros são como o bom senso. treino, persistência e manutenção. E Marcello Duarte Mathias, no seu partido político perigava, (…) tomou
Quem pouco se serve deles não lhes sobretudo de prazer. Daquele que se DIÁRIO DA ÍNDIA (Edições Gótica), a decisão de lançar-se à conquista do
sente a falta. E olha-os, por isso, como alcança pela conquista curiosa de um escreve quatro anos olhados numa poder através da insurreição arma-
uma entidade obscura facilmente caminho feito de escolhas. Que foram terra de mitos que vai vivendo das da”.
substituída por qualquer outra e ca- criando descobertas exponenciais, suas metamorfoses. “Calcutá, cidade Eficazmente traduzida por Fre-
paz de gerar um sentimento suspeito. sem volta atrás. E onde nos reconhe- abismo, imenso cemitério para onde derico Lourenço, ODISSEIA, de Ho-
Como a preguiça, a indiferença, a des- cemos enquanto produto da universa- todos caminham ou já lá chegaram… mero (editora Livros Cotovia), narra
confiança, o medo de não gostar por lidade rendida à matéria de que é feita a morte aqui não tem idade, apodrece as peripécias do imortal herói grego
não compreender. o ser humano. em cada um de nós, é osmose, reco- Ulisses (Odysseu), durante o seu re-
Nenhum livro é substituível. Cada Somos a memória dos livros que meço, destino, lote comum, desolação gresso a Ítaca, ilha de que era rei, após
um tem mil papéis a desempenhar lemos, num presente já grávido da- e abandono. Porque este é o domínio a guerra de Tróia. Enfrentando a fúria
em cada abordagem: na releitura; na queles que ainda estão por abrir. E de Káli, bruxa de macumba, filha bas- dos elementos, o capricho dos deu-
forma como ganhamos o interior das que olhamos curiosamente como tarda da Mãe-Índia. Deusa de cabelos ses, os instintos dos seres misteriosos
personagens de um romance; nos mo- quem tenta descobrir o passado de de água, negra desgrenhada, divinda- e, sobretudo, o desafio permanente à
dos de pensarmos os sentidos de um alguém nas marcas que cruzam o seu de da destruição que se ergue, triun- sua condição de homem em busca da
ensaio; no processo de vivermos os rosto. Porém, quando observamos os fante de entre os escombros”. lucidez divina. “Nós, os Cíclopes, não
momentos de um diário; nas palavras livros que já fomos conhecendo, co- Escapado a um fuzilamento colec- queremos saber de Zeus, detentor da
pressentidas nos versos por experi- lam-se-nos sempre aquelas imagens tivo, Rafael Sánchez Mazas, fundador égide, nem dos outros bem-aventu-
mentar; na maneira de reconhecer o que nunca ficaram por dizer nas pala- da Falange franquista, é revisitado por rados, pois somos melhores que eles.
real que espreita no eu de cada cróni- vras lidas. Javier Cercas, setenta anos depois do Nem eu alguma vez, só para evitar a
ca; no uso com que se abusa de contos “Parecia Tomás, devia ser Tomás. final da Guerra Civil Espanhola. Em ira de Zeus, te pouparia a ti ou aos
que desfiamos como contas. Havia cigarras zunindo nas árvores. SOLDADOS DE SALAMINA, (Edi- teus companheiros. Mas diz-me onde
Tal uma viagem que se constitui Clarice lembrou-se da fábula e de ções Asa): “numa briga de rua escre- fundeaste a tua nau bem construída:
objectivo final de si mesma, o Livro como, na infância, se identificava de- veu que «à vitória que não seja clara, na extremidade da ilha ou aqui ao pé?
não nos transporta. Mostra-nos os sesperadamente com a formiga e de cavalheiresca e generosa, preferimos Quero saber.”
percursos que vivem em nós, levan- como, hoje, passara a identificar-se a derrota, porque é necessário que, Nestes livros, como em tantos ou-
do-nos a compreender o que em nós com a cigarra. Deixar que os invernos mesmo que cada golpe do inimigo tros, o que há para revelar é matéria
existe do mundo. viessem. Morrer de fome se fosse ine- seja horrendo e cobarde, cada acção de construção para um leitor. Você,
Ler no Verão só “porque se tem vitável. Mas antes passar um Verão nossa seja a afirmação de um valor e por exemplo.

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 19


FORMAÇÃO CERTIFICADA

abril

TÉCNICA DE VENDAS E NEGOCIAÇÃO COMERCIAL

INFORMÁTICA - FOLHAS DE CALCULO E BASE DE DADOS


(AVANÇADO)
PRINCÍPIOS CONTABILISTICOS - SNC

MAIO

Criação de sites web

Técnicas de marketing

Auto cad 3d— Engenharia civil

Informações:

www.solucoesnordeste.pt
geral@solucoesnordeste.pt

TEL: 273 098 081


FAX: 273 098 055

20 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


OPINIÃO

A Feira das Cantarinhas


seu fabrico resultava da existência mais feliz. apanha de um beijo húmido. No en-
de matéria-prima e necessidade de O Sr. Emanuel Ribeiro escreveu tanto, no dia 3 de Maio a primavera
Armando Fernandes corresponder à procura, tendo sido duas graciosas obras sobre o nosso fazia explodir sinais e declarações de
moda as aristocratas interessadas património culinário – O Doce Nun- amor quantas vezes a redundarem
A 5 de Março de 1272, Afonso III em manter a linha e apresentarem- ca Amargou… e Doçaria Popular em nega diplomática ou recusa vee-
concedeu carta de feira anual a Bra- se pálidas a suscitarem paixões as- Portuguesa –, mas não se ficou por mente, a deixar o apaixonado com o
gança. Devia iniciar-se a 16 de Julho solapadas, comerem barro. Bebiam aqui no seu afã em defender a nossa coração a sangrar. Durante séculos,
e durar quinze dias completos. Em a água pelo pucarinho e depois trin- herança cultural, também concedeu por influxo de vários factores – tais
1383, o rei Formoso mandou fazer cavam-no. Os dentes ficavam alvos tempo ao estudo da cerâmica. Por como: determinadas estruturas so-
uma feira franca anual de um mês, e a comida ingerida deixaria menos esse facto alude a Pinela como cen- ciais e económicas – deram grande
já em Junho de 1392, D. João I con- volume nos corpos das ociosas. Des- tro de produção cerâmico, fazendo vitalidade às feiras francas, depois
cedeu nova carta de feira franca anu- ta prática resultou literatura interes- notar que na forma as peças ali con- foram fenecendo ao longo dos anos.
al, tendo como epicentro o dia 24 de sante, pintores ganharam inspiração cebidas eram de perfis de antigui- Não sei quão abastardada pode ser
Junho, com a duração de quinze dias e a Senhora Dona Carolina famosa dade remota, por vezes estranhos, e a ideia, mas tendo em conta a car-
antes e quinze dias depois. A medie- investigadora e enérgica mulher de na decoração prevaleciam motivos ga simbólica desta jubilosa Feira,
valista Virgínia Rau explica-nos mui- Leite de Vasconcelos deixou-nos um ingénuos de decoração arcaica, ten- talvez fosse possível explorarem-se
to bem a abrangência desses notáveis interessante estudo sobre púcaros, do ornamentos incrustados. Não sei culturalmente os seus travejamen-
acontecimentos sociais e económi- bilhas e outras peças de cerâmica. se ainda persistem os chistes envol- tos, como a dizer o decisor: venham
cos – fiscais e comerciais – e os prin- E as cantarinhas? As cantarinhas vendo a louça de Pinela, os asados – nostálgicos, garridos alegres, des-
cipais produtos vendidos durante a são consequência natural do olei- (cântaro com duas asas e boca larga) cobridores de mundos no Mundo,
sua realização. Vem isto a propósito ro aproveitar toda a matéria-prima já não se fabricam e pechoras tam- viajantes, passantes e até os que vão
da feira das cantarinhas – a cerâmi- e o homem necessitar de decorar bém não, assim o julgo. Trago estas a caminho de Santiago –, além de
ca tinha larga procura e consequen- a sua vida, conquistar afectos, dar cousas à colação não numa mani- uma cantarinha há poderosos e re-
te difusão – expressa em diversas expressão aos pontinhos artísticos festação de saudosismo por terem fulgentes motivos para estanciarem
funcionalidades e formas artísticas que o levam a conceber brinquedos, passado os anos de oferta de can- na cidade, na perspectiva de encon-
inspiradas na vida quotidiana, na jogos – Roger Calllois explica – que tarinhas em troco de um sorriso, o trarem tempos de plena fruição, logo
fauna e na flora. A disseminação do lhe suavizam a existência e o fazem pretinho da sorte talvez ajudasse na de felicidade.

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 21


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 de 27 de Abril de 2010


Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703
de 27 de Abril de 2010 Conservatória a favor da referida Maria do Nascimento Pinto, ac-
tualmente já falecida, ambos os prédios acima identificados perten-
ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CARRAZEDA DE ANCIÃES cem exclusivamente aos justificantes, seus representados.
Que os seus representados adquiriram os identificados prédios já
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO
NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES no estado de casados, em dia e mês que não podem precisar, do
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO ano de mil novecentos e oitenta, portanto há mais de vinte anos,
do seguinte modo:
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia vinte e três de Abril Quanto a metade indivisa dos ditos prédios foi por doação mera-
de dois mente verbal que lhes foi feita pelos pais do justificante marido,
mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio da Amândio dos Santos Sieiro e Guilhermina dos Anjos Cordeiro,
Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 55 a fls. 57, residentes na mencionada freguesia de Brunhoso, e a restante me-
verso, do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta tade indivisa dos mesmos prédios adquiriram-na no mesmo ano
e oito, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual compa- por compra verbalmente feita a Altino dos Anjos Pires e mulher
receu como outorgante, LUCINDA DA CONCEIÇÃO PEREIRA, Olímpia dos Anjos Cordeiro, residentes em França, que por sua
casada, natural da freguesia de Brunhoso, concelho de Mogadou- vez, tanto estes como aqueles, haviam adquirido os ditos prédios,
ro, onde reside, titular do bilhete de identidade número 8685521, por partilha meramente verbal a que com os demais interessados
emitido em 20/02/2001 pelos SIC de Bragança, na qualidade de procederam por óbito da dita Maria do Nascimento Pinto, inexis-
procuradora de ANTÓNIO DA ASSUNÇÃO SIEIRO, NIF 147 457 tindo no entanto qualquer escritura que tenha sido feita, pelo que
432, e mulher CAROLINA DOS ANJOS FERREIRA SIEIRO, NIF os seus representados não são detentores de nenhum título formal
que legitime o seu direito e domínio sobre os bens imóveis supra
EDITAL 147 457 440, casados sob o regime da comunhão de adquiridos, na-
turais, ele da freguesia de Brunhoso, concelho de Mogadouro, onde identificados.
residem quando em Portugal, e ela da freguesia de Tó, concelho Que apesar de nunca terem realizado as respectivas escrituras de
doação e compra e venda, respectivamente, desde o referido ano
ANTÓNIO JOÃO ALMEIDA LIMA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE de Mogadouro, habitualmente residentes em Espanha, no uso dos
poderes que lhe foram conferidos pela procuração que se encontra passaram os justificantes, seus representados, a possuir os citados
CARRAZEDA DE ANSIÃES: arquivada neste Cartório, a qual declarou: bens imóveis no pleno gozo das utilidades por eles proporcionadas,
TORNA PÚBLICO, tendo em atenção, nomeadamente, o disposto na Lei n° 169/99, de 18 de Que os seus representados são donos e legítimos possuidores, com à vista de toda a gente e portanto de eventuais interessados, nomea-
exclusão de outrem, dos seguintes prédios, ambos sitos na freguesia damente neles lavrando, semeando, plantando, tratando, limpando,
Setembro, na redacção que lhe foi dada pela Lei n° 5-A/2002, de 1 1 de Janeiro, que no dia 29 de Brunhoso, concelho de Mogadouro: cultivando, colhendo os respectivos frutos, e/ou mandando-o fazer
de Abril de 2010, pelas 10 horas, se realiza no Auditório do Centro de Apoio Rural de Carraze- Um - Prédio rústico, sito em Caneilha, composto de horta com área em seu nome e por sua conta, considerando-se e sendo considera-
dos como seus únicos donos, na convicção de que não lesam quais-
da de Ansiães, uma sessão ordinária da Assembleia Municipal de Carrazeda de Ansiães, com a de seiscentos e cinquenta e sete metros quadrados, a confrontar de
quer direitos de outrem, tendo a sua actuação e posse sido contínua,
nascente, poente e norte com caminho público e de sul com ribeiro,
seguinte ordem de trabalhos: inscrito na respectiva matriz sob o artigo 522 da secção D, com de boa fé, pacífica porque sem violência, sem oposição de quem
1° - Período de “Antes da Ordem do Dia”: o valor patrimonial de 17,98€, e atribuído de quinhentos euros, quer que fosse, à vista de toda a gente e portanto de eventuais inte-
descrito na Conservatória do Registo Predial de Mogadouro sob o ressados, ostensivamente e com conhecimento da generalidade das
1.1 Apreciação e aprovação da acta da sessão anterior; número duzentos e oitenta e um – Brunhoso; e pessoas que vivem na freguesia onde se situam os prédios, e tudo
1.2 Leitura do expediente e informações da Mesa; Dois - Prédio rústico, sito em Caneiro, composto de horta com área isto por lapso de tempo superior a vinte anos.
Que esta posse em nome próprio, de boa fé, pacífica, contínua e
1.3 Outros assuntos de interesse Municipal. de trezentos e doze metros quadrados, a confrontar de nascente e
pública, desde há mais de vinte anos, conduziu à aquisição dos
poente com caminho, de norte com Altino Pimentel e de sul com
2° - Período da “Ordem do Dia”: ribeiro, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 525 da secção D, identificados prédios por usucapião figura jurídica que os seus
2.1 Informação escrita do Presidente da Cámara Municipal acerca da actividade do Município, com o valor patrimonial de 8,55€ e atribuído de duzentos e cin- representados expressamente invocam, para estabelecimento de
quenta euros, descrito na Conservatória do Registo Predial de Mo- novo trato sucessivo, por não poderem fazer prova do seu direito
bem como da situação financeira do mesmo; gadouro sob o número duzentos e oitenta e dois - Brunhoso. de propriedade pelos meios extrajudiciais normais, dado o referido
2.2 Relatório de Actividades de Avaliação Anual da CPCJ no Ano de 2009 / Conhecimento; Que somam os ditos prédios o valor patrimonial de 26,53€ e o total modo de aquisição. Foi efectuada a notificação exigida pelo artigo
2.3 Regulamento do Conselho Municipal da Juventude de Carrazeda de Ansiães / Aprovação; atribuído de setecentos e cinquenta euros, mostrando-se a aquisição 99º do Código do Notariado, dos herdeiros da titular inscrita Maria
do Nascimento Pinto. Está conforme o original, na parte transcrita,
dos supra identificados prédios registada na citada Conservatória
2.4 Regulamento de Feiras do Concelho de Carrazeda de Ansiães / Proposta de Alteração; do Registo Predial de Mogadouro a favor de Maria do Nascimento o que certifico.
2.5 Regulamento Municipal do Parque de Estacionamento Subterrâneo do Centro Cívico, Zo- Pinto, viúva, residente na dita freguesia de Brunhoso, conforme
Mogadouro e Cartório Notarial, em 23 de Abril de 2010.
nas de Estacionamento de Duração Limitada e Lugares de Uso Privativo / Proposta de Altera- inscrição com a apresentação número dois de três de Junho de mil
novecentos e setenta. A Notária,
ção; Que apesar de os citados prédios se encontrarem registados na dita Fátima Mendes
2.6 Parceria Público-Privada para a Construção, Equipamento, Instalação, Manutenção, Con-
servação e Financiamento dos seguintes Equipamentos e Infra-estruturas de relevante interesse
Municipal: Mercado Municipal, Parque de Campismo, Central de Camionagem e Hotel D.
Lopo / Proposta de Revogação da Deliberação tomada em Sessão realizada a 2008-11-28;
2.7 Regulamento de Liquidação e Cobrança de Taxas e Licenças Municipais e Tabela Anexa / Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703
Aprovação; de 27 de Abril de 2010 de 27 de Abril de 2010
2.8 Prestação de Contas do Município relativas ao Ano Financeiro de 2009.
3.° - Período de “Intervenção do Público”. Cartório Notarial de
Mais torna público que a mesma Agenda de Trabalhos com a respectiva documentação poderá Miranda do Douro
ser consultada, nos termos e para os efeitos definidos na Lei, em qualquer dia útil, das 09h00
Certifico narrativamente, para efeitos de publicação, que no dia de
às 12h30 e das 14h00 às 16h00 no Gabinete de Apoio à Assembleia Municipal, no edifício da hoje, neste Cartório Notarial, foi lavrada uma escritura de Justifica-
Câmara Municipal. ção, exarada de folhas 71 a 72 v° do respectivo livro n° 103-C, em
que foi justificante: Manuel Guerra Gonçalves, casado, natural da
freguesia de Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro, onde reside ANÚNCIO
Carrazeda de Ansiães, 16 de Abril de 2010. na Rua da Indústria n° 3, titular do bilhete de identidade numero
O Presidente da Assembleia Municipal 8243550, emitido em 24/03/2003, pelos SIC de Bragança, em re- Citação de ausente em parte incerta
presentação da “Freguesia de Palaçoulo”, pessoa colectiva de direi- artigos 244.° 248.° do C. P. Civil)
António João Almeida Lima to publico número 507844572, na qualidade de Presidente da Junta
daquela freguesia, qualidade e poderes para o acto que verifiquei Processo N.° 56/09.OTBBGC
por fotocópias autenticadas das actas números cento e cinquenta Tribunal Judicial de Macedo de Cavaleiros
e quatro e cento e cinquenta e cinco de dois mil e nove, da sessão Execução Comum (Sol. Execução)
realizada em trinta e um de Outubro, de tomada de posse da Junta Ref. Interna: PE/12/2009 Data: 20-04-2009
de Freguesia e da acta número cento e cinquenta e sete, da Assem-
bleia de Freguesia, realizada em vinte de Março de dois mil e dez, Exequente: Gestizinos — Gabinete Técnico de Gestão, Lda.
Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 posição de roupa. e disse: Que, a sua representada, é dona e legítima possuidora, com Executado (s): Maria de Fátima Afonso Gonçalves.
de 27 de Abril de 2010 Verba 14: Trinta e um suportes metálicos de encaixe de marca ras- exclusão de outrem, dos seguintes bens imóveis, todos situados na
tel. freguesia de Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro: Verba um: Agente de Execução, Solicitadora de Execução Alexandra Gomes
Verba 15: Vinte e cinco painéis MDF de cor branco com Prédio rústico, sito em Campos, composto de pastagem, com a área CP 4009, com endereço profissional em Av.ª João da Cruz, n.° 70,
2,4m*0,6m. Verba 16: Vinte e cinco painéis MDF de cor branco com de mil oitocentos e trinta e seis metros quadrados, a confrontar do Edifício S. José — 2.° Esq.° Frente, 5300-178 Bragança.
0,6m*0,6m. norte com herdeiros de António Valentim Torrão, do sul com limite A CITAR: Maria de Fátima Afonso Gonçalves, com última resi-
Verba 17: Doze calhes de remate 3m*0,1 m. de Sendim, do nascente com caminho e do poente corn estrada, ins- dência conhecida em Alameda Nossa Senhora de Fátima, n° 35
Verba 18: Dezanove calhes de remate0,6m*0,4m. crito na respectiva matriz sob o artigo 8701, com o valor patrimo- — 3° Dto. Frente em Macedo de Cavaleiros.
Verba 19: Cinquenta e nove estantes de 0,6m*0,4m de PDF branco. nial tributário e atribuído €89,23; e, Verba dois: Prédio rüstico, sito QUANTIA EXEQUENDA: 1.154.48 €.
Verba 20: Centro e dezoito calhes cartela para suportar ganchos, etc. em Santa Barbara, composto de terra de centeio, com a área de mil OBJECTO E FUNDAMENTO DA CITAÇÃO:
Verba 21: Dezasseis estantes laterais em madeira. seiscentos e trinta e nove metros quadrados, a confrontar do norte Nos termos e para os efeitos do disposto no art.° 248.° e ss, do
Verba 22: Trinta e quatro estantes frontais em madeira. com caminho, do sul e poente com Maria Emília Moreira Martins C. P. Civil, correm éditos de 30 (trinta) dias, contados da data da
ANÚNCIO DE VENDA (1ª publicação) Verba 23: Quarenta rodapés. Raposo e do nascente com José Francisco Cordeiro, inscrito na res- segunda e última publicação do anúncio, citando a ausente Maria
Verba 24: Seis vestiários completos ( divisões penduráveis e fron- pectiva matriz sob o artigo 8700, com o valor patrimonial tributário de Fátima Afonso Gonçalves, com última residência conhecida em
Processo 1964/07.9TBBRG tais), com doze barras para cortinados, seis tubos de suporte, cinco e atribuído €19,67. Que os identificados prédios estão omissos na Alameda Nossa Senhora de Fátima, n° 35 — 3° Dto. Frente em
Tribunal Judicial de Braga - Vara Mista cabides, seis espelhos. Conservatória do Registo Predial de Miranda do Douro e inscritos Macedo de Cavaleiros, para no prazo de 20 (vinte) dias, decorrido
Verba 25: Quatro espelhos de loja emoldurados em alumínio. na respectiva matriz em nome da Freguesia de Palaçoulo. Que os que seja o dos éditos, pagar ou deduzir oposição à execução supra
Execução Comum (Sol. Execução) Verba 26: Um móvel de marca nódo com cerca de 1m de altura de mencionados prédios foram pela sua representada adquiridos, em referida e no mesmo prazo à penhora, nos termos do art.° 813.°,
Ref. Interna: PE- 55/2007 cor castanho data que não pode precisar mas desde tempos imemoriais, por doa- n.°s 1 e 2 do C. P. Civil.
Data:22-01-2010 Verba 27: Oito móveis em metal e acrílico, sendo dois quadrados, ção de pessoas cuja identidade se desconhece, residentes que foram Nos termos do disposto no art.° 864.°, n.° 6 do C. P. Civil, no prazo
quatro rectangulares e dois em arco. na indicada freguesia de Palaçoulo, mas não dispõe de qualquer da oposição e sob pena de condenação como litigante de má fé,
Exequente: Fdo - Imobiliária, S.A.. Verba 28: Três mesas, sendo uma mesa auxiliar de cor castanho, ou- título formal para o registar na conservatória. Que, no entanto, a nos termos gerais, deve indicar os direitos, ónus e encargos não
Executado: Ricardo Filipe Gonçalves Major e Ladie’S On Comér- tra mesa redonda em inox e outra mesa em wengue. sua representada, entrou desde essa altura na posse e fruição dos registáveis que recaiam sobre os bens penhorados, bem como os
cio de Rep. E Vestuário e Moda Lda. Verba 29: Seis móveis em cubo de madeira castanha. mencionados prédios, nomeadamente, limpando-os, usando-os em respectivos titulares, podendo requerer a substituição dos mesmos
Verba 30: Um suporte para afixar horário em alumínio /acrílico. beneficio da freguesia e pagando os respectivos impostos, com âni- ou a substituição da penhora por caução, nas condições e nos ter-
Agente de Execução, Solicitadora de Execução Alexandra Gomes Verba 31: Uma tela Vinis, um reclame luminoso e um MDF lacado mo de quem exercita direito próprio, de boa fé, por ignorar lesar mos da alínea a) do n.° 3 e 5 do art.° 834.° do C. P. Civil.
CP 4009, com endereço profissional em Av. João da Cruz, n.° 70, branco, tudo para publicidade. Verba 32: Um móvel em madeira de direito alheio. Que, esta posse tem sido exercida, pela Freguesia de MEIOS DE OPOSIÇÃO.
Edifício S. José - 2.° Esq. Frente, 5300-178 Bragança. Nos termos cor castanho com 5,3m*2,4m. Palaçoulo, sem interrupção, de forma ostensiva, à vista de toda a Nos termos do disposto no art.° 60.° do C. P. Civil e tendo em
do disposto no artigo 890° do Código de Processo Civil, anuncia-se gente e sem violência ou oposição de quem quer que seja, de forma consideração o valor do processo, para se opor à execução e/ou à
a venda dos bens adiante designados: PENHORADOS EM : 01.06.2007. correspondente ao exercício do direito de propriedade. Que, assim, penhora(que terá que ser apresentada no Tribunal supra identifi-
INTERVENIENTES ASSOCIADOS AOS BENS: a posse pública, pacífica, contínua e em nome próprio dos citados cado) não é obrigatória a constituição de advogado. Caso não se
Bens em Venda EXECUTADO: Ladie’S On - Comércio de Rep. E Moda, Lda. Pes- imóveis desde tempos imemoriais, conduziu à aquisição por parte oponha à execução consideram-se confessados os factos constantes
soa Colectiva n° 507497686, com mora na Av. Sá Carneiro , n°2, da referida freguesia, dos mencionados prédios por usucapião, que do requerimento executivo, seguindo-se os ulteriores termos do
TIPO DE BEM: Bens Móveis não sujeitos a registo Loja 28 - Fórum Theatrum em Bragança e Ricardo Filipe Gonçalves em nome da sua representada, expressamente invoca para justificar processo.
DESCRIÇÃO: Major, Nif: 208399151, com morada na Rua Ploumagoar, n°21 em o seu direito de propriedade para fins de registo. Esta conforme o PAGAMENTO, DESPESAS E HONORÁRIOS.
Verba 1: Um Balcão de atendimento em madeira, acrílico e alumínio Mogadouro. original o que certifico. Poderá efectuar o pagamento da quantia exequenda acrescida das
com 2.5m*0.8m* l m. despesas previsíveis da execução ( n.° 3 do art.° 821.° do C. P.
Verba 2: Um móvel de apoio com cacifos em madeira branco. MODALIDADE DA VENDA: Miranda do Douro, 22 de Abril de 2010. Civil) e dos juros. Os honorários e despesas devidos ao Solicitador
Verba 3: Dez molduras de alumínio e acrílico com l m* l m para Venda mediante proposta em carta fechada, a serem entregues na A segunda ajudante de Execução ascendem no momento a 230.90 euros sem prejuízo
exposição de 6 fotos, sendo 1 de 1.2m*0.7m, e 40,5m*0.5* . Secretaria do supra mencionado Tribunal, pelos interessados na (Maria Adelaide Gomes Parreira) de posterior revisão. O Pagamento poderá ser feito no escritório do
Verba 4: um Móvel lamas em madeira castanho/branco com 1 compra, ficando como data para abertura das propostas o dia 19 de Solicitador de Execução, no horário indicado em rodapé.
m*0.8m. Maio de 2010, pelas 9.30 Horas. O duplicado do requerimento executivo, da cópia do auto de penho-
Verba 5: Quatro suportes de parede de metal para estantes. VALOR BASE: 6.899,30 Euros ra e dos documentos juntos encontram-se à disposição do citando
Verba 6: Um expositor de cintos de marca lamas em alumínio e ma- Será aceite a proposta de melhor preço, acima do valor de 4.829,51 na Secretaria do Tribunal Judicial de Macedo de Cavaleiros.
deira branca. euros, correspondente a 70% do valor base. Este Edital encontra-se afixado na porta da último domicilio conhe-
Verba 7: Dez ganchos de metal para exposição bijutaria. A sentença que se executa está pendente de recurso ordinário Não cido do citando, em local próprio da Junta de Freguesia respectiva
Verba 8: Um móvel em madeira castanho, de marca lamas, para ex- Está pendente oposição à execução Não e em local próprio do Tribunal Judicial da Comarca da última re-
posição de roupa. Está pendente oposição à penhora Não sidência do citando.
Verba 9: Um carro de suporte para cruzetas em madeira e alumínio.
Verba 10: Um painel em alumínio e acrílico para publicidade. A Solicitadora de Execução
Verba 11: Quatro suportes de estantes de marca cremens. A Solicitadora de Execução Alexandra Gomes
Verba 12: Duas estantes de marca cremens em madeira castanha. Alexandra Gomes
Verba 13: Quarenta e nove ganchos metálicos de encaixe para ex-

22 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


Tierra, Giente i Lhéngua

L die 25 de d’Abril i la Talbeç ... se todos ls dies fazirmos


lhibardade siempre! un 25 d’Abril
Arrima-se l die que mais ua beç l l norte ou de l sul. Las pessonas ó son brancas ó negras? defroudadas las spráncias que tenien. Ls
pobo pertués ten l’ouportunidade de Ye grácias a la cunquista de las lhi- Las pessonas ó son a fabor de l 25 d’Abril anteriores persidentes de la República ei-
festear, l die de la lhiberdade. Digo bardades que fui possible oufecializar ó son contra? Peç mal debedir estes bári- leitos democraticamente antes de Cavaco
l’ouportunidade porque antes de mil no- la lhéngua mirandesa puis, sendo eilha os assuntos para ua análeze? La spresson Silva (Ramalho Eanes, Mário Soares i
becientos i setenta i quatro, daqueilha minoritaira, era bista cumo ua amenaça atribuída a Júlio César, “Debedir pa cun- Jorge Sampaio), an anterbistas a ua rádio
nuite an que se dou la rebuolta de ls meli- al que staba anstituido, quedando assi quistar.”, nestes causos peç  que nun ye hai pouco tiempo, quando preguntados
tares xefiados pus alguns oufeciales, nun criadas las cundiçones de scuolha sien aplicable. se habie rezones pa festejar l 25 de Abril
l podie fazer. que naide apague ou proíba. You cumo L 25 d’Abril fui cumo todo mundo respundien cun pouca firmeza i sien acra-
Este die que l pobo bien debrebe le mirandés, que solo falei pertués quando sabe ua reboluçon armada i, segundo la ditar cumpletamente que l die 25 de Abril
passou a chamar die de la lhibardade, i antrei pa la scuola purmária, nunca me maiorie cuida, sien ua pinga de sangre de 1974 trouxo todo l que “justamente”
cun rezon, ten mais que nunca la neci- squecerei que arramada. L resultado de la reboluçon speraba  l pobo.
dade de ser comemorado, festeado, rebi- nun podie dar essa fui la mudança de regime político, Quando stamos anrabiados quedamos
bido, para que cuntine a ser un die que ls buonos dies de l Stado Nuobo pa la chamada Demo- burmeilhos, anjoados quedamos amariel-
naide squeça, que steia siempre persente na mie lhéngua cracie. La
�����������������������������
reboluçon nun solo trouxo hos, brunziados quedamos castanhos, cun
na mimória de las gientes, que esse senti- quando antraba anton la LIBARDADE que nun eisistie miedo quedamos brancos. Nun somos
miento tan nobre nun arrefeça, que poder na classe porque ne l Stado Nuobo, mas tamien un regime anton brancos ó negros. Subre l 25 de
falar, sponer las eideias, screbir sien que esso era proibi- político cumpleto i todas sues cunsequé- Abril sabe-se que houbo melhories, mas
tenga la amenaça de la cinçura seia ua do, nun habie ncias. �����������������������������������
Naide ten dúbedas de que, al nible nun se puode dezir que fui la salbaçon
rialidade, que l miedo de la cadena nunca lhibardade. de la Cinçura/Libardade, houbo un passo de l paíç. Afinal, la Democracie ye un re-
mais tome cuonta de nós, solo porque se Fui a miu na sociadade an delantre. Mas ne l que gime, nun eisistindo un regime purfeito.
ye çfrente. ber essa reboluçon feita cun spingardas diç respeito Talbeç seia l regime, l passo a seguir a la
Festear i comemorar l die de la lhi- i froles que le dixo als mandones desse al zambolbi- ditadura, mas assi i todo ampurfeito. Ne���
bardade ye tamien cuntinar a dezir que tiempo que habie outra forma de gober- miento dese- ls dies d’hoije i mirando las deficuldades
l’eigualdade antre ls homes i mulhieres nar, mais plural, mais armana i fraterna able a nible eiquenómicas atuales i cun esta cousa de
stá assegurada, mesmo que nun téngan la de star na bida i ne l mundo. eiquenónico, ls speculadores eiquenómicos bei-se que
mesma eideologie, la mesma relegion, ls L 25 d’Abril i la lhibardade siem- l mais de las l paíç inda percisa de ser salbo. Talbeç
�������
mesmos gustos, séian ricos ou probes, de pre! pessonas, per- solo se salbe se todos ls dies fazirmos un
Faustino Anton cipalmente ne 25 d’Abril, trabalharmos i luitarmos por
ls redadeiros un die melhor. 
tiempos, sínten Cristóvão Pires

Porque Abril De l
ye lhibardade cinza se fizo Un Puro Heirói
Hei-de siempre burmeilho A Salgueiro Maia por demais - adepuis que buíras todos ls
cantar Abril! dies que te sobrórun faca a faca, até al ar-
L Abril que me Iba antoce un Abril cinzento Nun tenies ne ls bolsos la lhibre pas- repanhon de la nuite de ls generales i de ls
çpiu l bestido de dies cerrados ne l hourizonte saige políticos que, cumo querie O’Neil, eisis-
pardo tecido
������� adonde la chuba, de miedo, se calhaba. de ls caçadores de perpinhas, ou un tien anriba trés sílabas de plástio, andrento
de cadena a Las horas spertában anriba l cabeço eisílio triunfal para antrar cuntigo pulas xales de mulhieres cumo biúdas adiadas.
zacumparar de i habie aquel friu que atrecie puortas de la cidade.
la mie alma cumo assopro nacido bien andrento. Crabeados na farda nun relhuzien ls Inda te beio anriba l pedamiego de la
ancunformada I fui solo mais ua madrugada, ferricos de mal cuntadas bitórias nien la xaimite �������������������������������������
i ende cuntinaries até la fin, sério
cun las apeias. momiento que sperábamos armano, caderneta melitar tenie assentes an tue soledade arrodiada de rostros i de
sfergante purmeiro de mais un die, ls barrancos de la biografie. fierros.
Alguas argolhas inda me quedórun,
aquel an que ua alegrie nun repente
spetadas na chicha bien fondas Eras scasso ne l géstio mortal de te
s’anstalou, nun sperada airaçada. Fernando de Castro Branco
i que lhuito para
��������������������������
siempre las arrincar. quedar, i na gorja para quei la cuorda por
I nessa hora nuoba que nacie [puosto an mirandés cun ajudas de A.
Son marcas que de tan fondas nien maldades alhenas? Las bandeiras
reneguemos l miedo, yá tan bielho... Ferreira]
Abril nien l tiempo fúrun capazes inda brancas stában tenhidas de sangre i esse
La chuba era ua doce melodie
d´apagar. nun era l sfergante cierto para cumbersa-
i la luç de la flor ne l friu metal
A las bezes cháman-me, bénen ��������������
arriba, ciones.
tenhiu l die cinza de burmeilho...
de drento de las chichas assóman-se
[Que l 25 de Abril quede, al menos ne ls
cumo se l nuolo que las prende fusse ������ Tamien nun lhebabas la lhembráncia
nuossos coraçones!]
mal atado i  zlhaça. haróica scatrapulhando an spinaços de
Ah, mas hei-de siempre cantar Abril cabalhos, ou chamardielhas ardendo nas
para que todo Abril çfaga… cabanhas al oulor de uolhos queimados.
Hei-de siempre cantar Abril, aquel������ Çtinada staba la piedra an sangre
que me lhibartou ls passos l������������
pelo,  ls adonde haberies de çcansar apuis ls cami-
bestidos, ls
�������������������������������
brincos ne las oureilhas, l nos de l albar, al meio la pátria.
andar, l��������������������������������������
querer i l nun querer, l desear, l
rejeitar. Cumo se tue muorte cebasse la fame
Hei-de siempre cantar Abril Conceição Lopes de ls diuses - que te amórun mas nó
porque Abril ye lhibardade!
Adelaide Monteiro

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 23


FUOLHA MIRANDESA

Pelotas d’arrebuçado Fraternidade


L último deimingo de Abril era ua niemos l gusto de lhamber. Desse
�������������
tiempo Ai froles, ai froles daquel Abril, Sabe Dius, adonde stá?
fiesta i un antuolho. �������������������
L más de las bezes falaba assi l Padre Zé, an 1962, nua de las Se teneis amboras de l’amada mie! Tu mos percuras por aqueilha manhana,
chobiznaba, i nós aculados a las paredes sues cuontas: Sabe Dius, adonde stá? Muit’hai que lhuitar pa l’ancuntrar!
de las cortinas de la Cabreira a ber pas- … Mas de Miranda… yá bieno algua Sabe Dius, adonde stá?
Ai froles, ai froles de roijos crabos,
sar ls carros i las carreiras adreitos al San cousa buona? Se teneis amboras daqueilha manhana! Pa l’ancuntrar, muit’hai que lhuitar,
Marcos, i d’alhá cargadas de personas, Si, de Miranda benien las licéncias, Sabe Dius, adonde stá? Todos los dies i habemos de l’achar!
barrilas, pana, pelotas i caiatas de arrebu- benien las pagadas i ls manifestos; be- Se teneis amboras de la amada mie, Sabe Dius, adonde stá?
çado. Sacában-se
�����������������������������������
ls uolhos atrás daqueil- nien las guias pa ls animales i las xapas La que me dixo que se quedaba eiqui!
has riscas de quelores que ralas bezes te- pa ls carros; las suortes pa ls moços i las Sabe Dius, adonde stá? Muit’hai que lhuitar, pa l’ancuntrar,
taxas i las cadernetas; benien ls acusos, Todos nós juntos, sien nunca parar!
Se teneis amboras daqueilha manhana,
cuntribuiçones i multas; anfantários i Que you bibi un die, alegre i galana! Sabe Dius, adonde stá?
transmissiones; benien ls registros: sisas, Sabe Dius, adonde stá?
décimas; relaixes i juros de demora.
Moras que amárgan que nien brunhos Tu mos procuras pu’la que quieres bien Alfredo Cameirão
berdes. I l probe diabro que tubir l gusto I nós te dezimos que la busques sien fin!
de quemer pus que aguante …
Mas naquel anho las carreiras nun
passórun. Diç que se habie dado ua re-
boluçon an Lisboua, falaba-se baixico i
a miedo. Se calha agora Miranda yá nun
ye bida que se bibe, nó
tenerie solo cousas malas … se calha nó.
Hai reboluçones que de las froles tamien
fázen pelotas de arrebuçados.
cuonta que se cunte
chegou abril a sou punto mais alto, mo a passar por nós, agarrado al sereno
essa lhibardade de medrar que se renuo- bolar de las ciguonhas i de todo l que
Alcides Meirinhos
ba a cada anho nas yerbas, nas pítulas, por ende s’atira a la bida cua gana i ua
ne ls uobos a chocar, ne ls carbalhos lhibardade que arrebenta an berdes, an
cun sous grabançudos galhos oupidos al froles, an nuoba primabera: nós a bus-
L 25 d’Abril an Pertual cielo, ne ls brancos, roixos i amarielhos
a boziar an froles, todo renace sien pa-
car l segredo d’abril nun tiempo que yá
passou i el a stender-mos la mano hoije
raige neste abril, cumo an todos ls abri- mesmo, i manhana i siempre, assi cumo
Hai trinta i seis anhos atrás Ye assi que bou bibindo les çque hai tiempo: solo nós cuidamos quien nun puode deixar de respirar a
Alguns políticos se reboltórun Lhembrando cousas passadas que abril se puode fazer dua beç sola, cada die, porque l 25 de abril ye bida
I al nuosso querido Pertual Que dében quedar para siempre nun abril que se dou yá hai 36 anhos, i que se bibe, nun puode ser cuonta que
Un nuobo rumo le dórun. Bien muortas i anterradas. ateimamos an mirar al para trás, sque- se cunte.
cendo-mos que abril stá agorica mes- Fracisco Niebro
Quando alguns homes balientes Mas nunca las debemos squecer
Mesmo a las claras de l die Mesmo porque eilhas yá passórun
Derrubórun la ditadura Debemos antes le agradecer
I amplantórun la democracie. Aqueilhes que las derrubórun.

Salírun ls capitanes a la rue De la mais grande lhiberdade


Cun spingardas i canhones Goza hoije l nuosso Pertual
I dórun-le al nuosso Pertual Inda que haba muitas cousas
Muitas i nuobas eiluzones. Que inda stan bastante mal.

Eiluzones que furun bibidas Por todo l que yá se passou


Alguas tamien you bibi I pul que se stá a passar
I ne l meio d´alguns sacrafícios A la nuossa democracie
La democracie stá eiqui. Un biba you le quiero dar.

Ten mos dado muitas alegries Biba la nuossa democracie


Tamien alguas zeilusones Pa l bien i tamien pa l mal
Que tamien tenemos que bibir I un biba tamien
Las nuossas cumplicaçones. Pa l nuosso querido Pertual.

Quedórun para trás ls martírios José António Esteves


De que you inda tengo mimória
Un goberno outoritário
Que yá passou a la stória.

Tenemos bibido estes anhos


Cousas buonas i gustosas
Mas pa l nuosso Pertual
Nien siempre ténen sido rosas.

Bonda ber altos senhores


Que róuban a tuorto i a dreito
I la nuossa democracie aguantando
Essa falta de respeito.

Mesmo assi you stou feliç


Cun rezones para festejar
Al menos na democracie
Ban-me deixando falar.

24 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


III Divisão A 0 MIRANDELA
BRAGANÇA 2
Estádio São Sebastião, em Mirandela

Tradição ainda é o que é!  Árbitro: Fernando Nunes (A.F.Porto)


EQUIPAS
Norinho Ximena
Jogo muito equilibrado a no derby trasmontano, Marco não produzia efeitos práticos. Jonas Rui Gil
proporcionar boas situações Móbil foi a grande diferença, Valadares arrumou o jogo com (Vaguinho 68´) (Carlitos 54´)
de golo de parte a parte desde ao inaugurar o marcador com o 0-2 final, depois de retirar Nana K Móbil
o inicio. Sanã a isolar Mirco, um remate de meia distância, Norinho da jogada, ainda que Adriano (Tony 77´)
Nelo Mirco
aos 3’, mas Norinho brilha, depois de ter pegado na bola a contra a corrente do jogo a ge-
Ivo Calado Luís Rodrigues
Aires responde com uma ca- meio campo e disparado à ga- nialidade do lance acaba por o (Rui Lopes 45´) (Fábio Pinto 82´)
beçada genial, mas Ximena veta sem hipóteses para No- justificar. Maktar, em dia de Claudemir Sana
brilha também. rinho. Foi ao minuto 31 e foi grande desempenho mas com Rui Borges Xavier
Valadares, que continua a um balde de água fria para a finalização desastrada, ainda Zé Luís Jaime
mostrar que rumou a Bragan- organização local que acusou tenta o chapéu a Ximena aos (Couto 45´) Valadares
ça para fazer carreira, tem jo- o golo espectacular. No últi- 81’, mas sem sucesso… Aires, Maktar Pedrinha
Pinhal
gada genial aos 8’, mas depois mo minuto para o descanso O Mirandela só se pode
de tudo bem feito, desperdiça Maktar tem ensejo para em- queixar de si mesmo, da tardia TREINADORES
a oportunidade e dispara ao patar mas dispara ao lado. e não muito correcta leitura Luís Guerreiro Carlitos
lado. Responde Maktar, aos O chazinho de palavras de do jogo, e da incapacidade de
Golos: 0-1 - 0-1 Móbil (31´), 0-2 Valadares
13’, deixando três adversários Luís Guerreiro ao intervalo fez concretização, mesmo quando (64´)
com os olhos em bico, mas o o melhor efeito nos mirande- conseguiu ser superior. Disciplina:amarelos a Luís Rodrigues
remate não foi melhor com a lenses e, aos 52’, Adriano obri- Quanto aos árbitros, um (65´), Adriano (67´), Valadares (73´), Claude-
bola a passar ao lado do pos- ga Ximena à defesa da tarde, trabalho sem reparos com mir (78´), Ximena (89´), Vaguinho (90´+2´).
te. mas o caudal ofensivo local Mirandela correu atrás do empate qualidade alta.
Como vem sendo tradição

III Divisão A 2 MORAIS


AMARES 3
Estádio de Santo André, em Morais

Jogo complicado Árbitro – João Brás

Armando
EQUIPAS
Conrado
Venceu a equipa mais fe- proveito do respeito adversá- Ismael Hélder
liz, que tinha menos pressão rio que, para não utilizar um (Denilsdon int Paulo Gomes
e que teve a estrelinha do futebol mais viril, lhe deu a Ibraima Paulo Ricardo
Rui Bruno
jogo. Soube saber sofrer, ter liberdade.
Pasasi Tiago (cap)
coragem para deixar o seu Não houve casos do jogo, Stigas (cap) Duarte
adversário ter a posse da bola embora o golo anulado a Pasi, Pires Ismael
e inteligência para esperar os aos 64’, e que fazia o 2-0, po- Karatê (David 59’)
erros adversários. deria ter alterado a história Alex Filipe
Foi um jogo que pouco se do jogo. Caso as três apro- (Filipe 67’) Tiririca
jogou a meio campo, prevale- ximações com eminência de Rudi (Santa 69’)
Paulo Arrábidas Artmando
cendo o futebol mais directo, golo de Pires tivessem surtido
(Gamarra 79’)
porque o mais importante era efeito, outra história se esta-
a contabilização dos pontos, ria agora a escrever. TREINADORES
embora os locais tivessem Vitória da equipa mais Lopes da Silva Rogério Amorim
usado e abusado da transição feliz, que complicou a vida Golos: Marcha do marcador: 0-1 ao interva-
com a bola a circular entre os já complicada do Morais nos lo – 0-1 Filipe, 1-1 Denilson 49’, 1-2 Filipe,
sectores, para bem do futebol objectivos da manutenção.
1-3 Armando 65’, 2-3 Pires 79’
espectáculo e muito bem jo- Quanto aos árbitros, ti- Disciplina:Ibraima 88’, Gamarra 90’+4’,
gado. rando a dúvida no golo de Filipe 88’.
Armando foi decisivo com Passi, viu-se um trabalho de
Morais não consegue fugir à despromoção
a sua experiência tirando qualidade alta.

1 8 21 28 31 43 25

3 7 8 43 46 6 8

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 25


NORDESTE DESPORTIVO

CLASSIFICAÇÕES

CLASSIFICAÇÕES

Mundial da África do Sul 4
Liga Sagres
28ª. Jornada
Liga Vitalis
28ª. Jornada
Futsal I Divisão
25ª. Jornada
Bandeira de Mirandela na
Classificação Classificação Classificação baliza da Seleção Nacional
Clubes P J Clubes P J Clubes P J
1 Benfica 70 27
1 Oliveirense
2 Beira-Mar
49
48
28
28
1 Belenenses 64 25 As forças vivas de Miran- to homem e atleta por manter
2 Sp. Braga 64 27 2 Sporting 62 25
3 FC Porto 59 27
3 Portimonense 48 28
3 Benfica 58 24 dela organizaram, ontem, um a mesma humildade de sem-
4 Santa Clara 47 28
4 Sporting
5 V. Guimarães
44
37
27
27
5 Feirense 46 28
4 Inst. D. João V
5 Freixieiro
44
42
25
25
convívio com Eduardo, actu- pre, mesmo depois de chegar
6 Trofense 42 28
6 Nacional 36 27
7 Desp. Aves 38 28
6 AD Fundão 37 25 al guarda-redes do Sporting ao alto patamar do futebol
7 Marítimo 34 27 7 Boticas 33 25
8 U.Leiria 34 27
8 Penafiel
9 Freamunde
38
35
28
28
8 Alpendorada 33 24 de Braga, que veste a cami- maior nacional. Enternecen-
9 Naval 23 27 9 FJ Antunes 31 25
10 P.Ferreira 23 27
10 Fátima 34 28
10 Mogadouro 31 24 sola da Selecção Nacional no do a sua dedicação ao seu
11 Gil Vicente 34 28
11 Rio Ave
12 Académica
29
26
27
27
12 Estoril Praia 34 28
11 SL Olivais
12 AAUTAD/Real Fut
26
15
25
25
Mundial da África do Sul. primeiro mister, Roxinha,
13 Varzim 28 28
13 V.Setúbal 25 27
14 Chaves 28 28
13 Vila Verde 10 25 Natural da Princesa do Eduardo assiste, sempre que
14 Olhanense 25 27 14 Onze Unidos 9 24
15 Leixões 21 27
15 Sp. Coviljã
16 Carregado
27
21
28
28
Tua, Eduardo foi recebido pode, a jogos do seu eterno
16 Belenenses 17 27
Resultados pelo executivo de José Silva- clube alvi-negro.
Resultados Resultados no, no Salão Nobre dos Paços Eduardo saiu de Miran-
FC Porto  3-0  V.Guimarães Beira-Mar  1-2  Penafiel Alpendorada  27/04 Benfica
Sporting  2-1  V. Setúbal Estoril Praia  1-0  Desp. Aves Vila Verde  1-2  FJ Antunes do Concelho, e rumou, depois, dela vergado ao peso dos pre-
Académica  2-3  Benfica
Nacional  2-0  U.Leiria
Varzim  1-1  Fátima
Oliveirense  3-0  Sp. Covilhã
Mogadouro  5-6 Sporting
Belenenses  6-3  AD Fundão
para uma sessão na escola sentes dos seus conterrâneos,
Sp. Braga  3-1  Leixões Feirense  2-1  Portimonense
Trofense  5-2  Santa Clara
Boticas  4-3 Inst D. João V onde estudou em Mirandela, e cheio de moral, com uma
P.Ferreira  1-3  Naval Freixieiro  3-2  AAUTAD/Real Fut
Olhanense  1-2  Marítimo Freamunde  3-2  Gil Vicente SL Olivais  7-3  Onze Unidos onde decorreu uma sessão de bandeira de Mirandela para
Belenenses  0-0  Rio Ave Chaves  2-0  Carregado
fotografias e autógrafos. o acompanhar como mascote
Próxima Jornada Próxima Jornada Próxima Jornada As palavras tiveram o da sorte na baliza. Interior-
Naval  25/04  V. Guimarães Feirense  02/05  Oliveirense
Leixões  25/04  V. Setúbal Portimonense  02/05  Varzim FJ Antunes  01/05  Alpendorada peso da recordação da difícil mente, o craque acalenta o
U. Leiria  25/04  Benfica Fátima  02/05  Estoril Praia Sporting  01/05  Vila Verde
Benfica  24/04  U. Leiria Sp.Covilhã  02/05  Chaves AD Fundão  01/05  Mogadouro vida do atleta da formação desejo de entrar em campo
Inst. D. João V  01/05  Belenenses
V.Setúbal  24/04  Leixões
V.Guimarães  26/04  Belenenses
Desp. Aves  02/05  Beira-Mar
Carregado  02/05  Freamunde AAUTAD/Real Fut 01/05  Boticas do Sport Club Mirandela, a com ela nos ombros, quando
Rio Ave  23/04  Marítimo Penafiel  02/05  Trofense Onze Unidos  01/05  Freixiero
Benfica  01/05 SL Olivais
constatação da personalidade for disputar a final do campe-
Nacional  25/04  Rio Ave Gil Vicente  02/05  Santa Clara
vincada de Eduardo enquan- onato do mundo.

III Divisão Série A III Divisão Série B Futsal III Divisão


Campeonato Subida Campeonato Subida 24ª. Jornada
Classificação Classificação Classificação
Clubes P J Clubes P J
1 Macedo Cavaleiros 31 5 1 AD Oliveirense 27 5 Clubes P J
2 Bragança 30 5 2 Vila Meã 26 5 1 Chaves Futsal 65 24
3 Mirandela 30 5 3 Joane 25 5 2 Junqueira 51 24
3 Barranha SC 45 24
4 Maria da Fonte 23 5 4 Famalicão 24 5 4 Mondim de Basto 45 24
5 Valenciano 20 5 5 Fafe 24 5 5 Monte Pedras 41 24
6 Limianos 19 5 6 Amarante 21 5 6 Contacto 39 24
7 Paredes 37 24
Resultados Resultados 8 Macedense
9 Gualtar
33
32
24
24
Limianos 1-1  Maria da Fonte Amarante  2-3  Vila Meã 10 Guimarães Futsal 26 24
Mirandela  0-2 Bragança AD Oliveirense  1-1  Fafe 11 Pioneiros Bragança 20 24
12 Amanhã Criança 20 24
Valenciano  3-3  Macedo Cavaleiros Famalicão  1-1  Joane
13 A.R.C.A. 18 24
14 Santa Luzia 12 24 Eduardo homenageado na sua terra natal
Próxima Jornada Próxima Jornada
Maria da Fonte 02/05  Macedo de Cavaleiros AD Oliveirense  02/05 Famalicão
Resultados
2 4
Limianos  02/05  Bragança Amarante  02/05  Fafa PEDROUÇOS
Mirandela  02/05  Valenciano Vila Meã  02/05  Joane
Contacto  5-5  Paredes
Chaves Futsal  8-4  Macedense
III Divisão B GD MONCORVO
Campeonato Manutenção Campeonato Manutenção Monte Pedras  3-2  Barranha SC
E. M. de Pedrouços, na Maia
Classificação Classificação Gualtar  7-3  Santa Luzia
Pioneiros Bragança  7-1  A.R.C.A.
Reviravolta Árbitro – Luís Coelho.
Mondim de Basto  6-5  Guimarães Futsal
Clubes P J Clubes P J
EQUIPAS
1 Santa Maria FC
2 Fão
25
22
5
5
1 Torre Moncorvo
2 Leça
27
24
5
5 Próxima Jornada mantém João Gomes Vítor Bruno
3 Montalegre 20 5 3 Rebordosa 23 5
4 Amares
5 Marinhas
19
16
5
5
4 Serzedelo
5 Infesta
19
15
5
5
Contacto  01/05  Amanhã Criança
Paredes  01/05  Chaves Futsal
liderança Jorginho
(Fernandes 45”)
Leandro
Zé Borges
6 Morais FC 11 5 6 Pedrouços 7 5 Macedense  01/05 Monte Pedras Paulinho Glauber
Barranha SC  01/05  Gualtar
Santa Luzia 01/05  Pioneiros Bragança Vítor Aleixo Tino André Pinto
Resultados Resultados A.R.C.A.  01/05  Mondim de Basto Pedrosa Fernando
Santa Maria FC  4-3  Montalegre Serzedelo  1-1  Leça Numa primeira parte Jorge Buía Filipe Mesquita
Fão  3-2 Marinhas Infesta   0-0  Rebordosa (Ribeiro 45”) Flávio
bem disputada, os da casa a
Morais FC  2-3  Amares Pedrouços  4-2  Torre Moncorvo
Nacional Juniores A aproveitaram a apatia inicial Patarradas Jaime
Próxima Jornada Próxima Jornada Postiga Valdinho
do Moncorvo, que consentiu
Amares 02/05  Montalegre
Morais  02/05  Marinhas
Infesta  02/05  Pedrouços
Serzedelo  02/05  Rebordosa
Classificação dois golos nos primeiros mi-
Braga Elísio
João
Fão  02/05  Santa Maria FC Leça 02/05  Torre Moncorvo Clubes P J
nutos do encontro. Mário
1 Limianos 24 3
2 Famalicão 23 3 Na segunda parte, o Mon- (Vítor 77”)
3 Vizela 23 4
AFB - 20ª Jornada 4 Chaves 18 4 corvo esteve melhor, já que
TREINADORES
5 Diogo Cão
6 Bragança
14
10
3
3
criou inúmeras oportunida-
Cartucho Sílvio Carvalho
Classificação Resultados 7 Caç. Taipas 10 4 des de golo, mas o guardião
Golos: Pedrosa 2”; Postiga 12”; Filipe
GD Milhão  2-2  Vimioso
Clubes P J do Pedrouços respondeu com
Carção  0-1  Sendim Mesquita 21”; Elísio 23” e 90”+4” e Flávio
1 Argozelo 59 22
Rebordelo  1-0  GD Poiares Resultados três excelentes defesas.
2 Rebordelo 56 22 44”;
Mirandês  2-1 FC Vinhais 
3 FC Vinhais 48 22
Argoselo  3-0  Alfandeguense Chaves  1-3  Limianos Os visitados respondiam Disciplina:Amarelos – Jorginho 16” e
4 Mirandês 48 22
5 Vila Flor 44 22
Talhas  2-0  Mogadourense
Bragança  0-0 Caç. Taipas
Famalicão  2-1  Vizela
de bola parada, mas sem Tino 78”;
Vila Flor  6-0  CCR Lamas
6 Talhas 41 22 grande perigo para a baliza
7 Mogadourense 30 21 Próxima Jornada Próxima Jornada de Vítor Bruno. num jogo em que o Moncor-
8 Alfandeguense 29 22
9 Sendim 19 22
Mogadourense 02/05  Argozelo
Alfandeguense  02/05  Vila Flor
Já na compensação, Elísio vo foi controlando a pouco e
Diogo Cão  01/05  Chaves
10 Vimioso 15 22
11 CCR Lamas 15 22
CCR Lamas  02/05 Mirandês Limianos  01/05  Bragança estabelece o resultado final pouco, apesar de entrar apá-
Caç. Taipas  01/05 Famalicão
12 Carção 13 21
FC Vinhais  02/05  Rebordelo
Vimioso  02/05  Cartção
em 2-4, que reflecte aquilo tico.
13 GD Milhão 10 22
14 GD Poiares 7 22
GD Poiares  02/05  GD Milhão que se passou em campo, co- Arbitragem com alguns
Sendim  02/05  Talhas locando justiça no marcador, erros.

26 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Nacional Juniores A 0 BRAGANÇA


CAÇ. TAIPAS 0 Distrital Juniores B 1 MÃE D’AGUA
MIRANDÊS 4
Campo do CEE Estádio Municipal Bragança
Para acompanhar
Faltaram os golos Árbitro – Nuno Bento (Vila Real)
EQUIPAS
Nelson Chaveiro
e pouco mais
Árbitro – Carlos Meco (Bragança)
EQUIPAS
Pedro Márcio
A defesa local esteve mui-
Nélio Lopes Breia Pedro
Foi um bom jogo para Desta vez, o 0-0 penaliza Alex Gomes
to mal e só do miolo para a Ivo Renato
duas equipas que já sabem as duas equipas que jogaram V Hugo João Paulo frente se viram em espaços César Jonathan
que vão descer aos distritais como nada estivesse decidi- Capello Cunha algum futebol pensado. Abel Marco
da sua área (Bragança e Bra- do. Ficou claro o bom empe- Valdo Ricardo Martins Com a derrota do Bragan- Filipe Rafael
ga). nho dos atletas e os jogadores Castilho Hugo santos ça em Macedo por 3-0, os pu- Moisés Miguel Ângelo
Valentim Rodrigues pilos de Nuno Preto podem Miguel Bruno
Este empate foi o melhor locais, que não tiveram a sor-
Padrão J. Costa Mantorras João
que os locais fizeram com esta te do seu lado, atiraram duas ter o direito de sonhar.
Filipe P. Silva Zé Ivan
equipa, já que, na primeira vezes aos ferros. Eddas Mário
O Mãe d’ Água falhou Costinha Vitinho
fase, perderam. E foi, mesmo, Já no último minuto, Jor- Louçano Carlos uma grande penalidade que Portela Leonel
com o grupo de Taipas que os ge, de baliza escancarada, Paulo Lima Jorge podia animar o resultado, já V. Hugo
Bragançanos perderam em falhou o golo da vitória visi- Ricardo Luís que concretizada dava o 3-2. Filipe II
casa por 1-4. tante. Boa atitude da equipa de
TREINADORES TREINADORES
arbitragem, num campo que
M. Alves Ricardo Marques Chapinha Nuno Preto
nos pareceu demasiado gran-
Golos: Joca 15”, 38””, 75”, Mantorras
Golos: Marcha do marcador: 0-1 ao interva- de para a maioria dos jogado-
lo – 0-1 Filipe, 1-1 Denilson 49’, 1-2 Filipe, 30”, Miguel Ângelo 77”
res. Disciplina:
1-3 Armando 65’, 2-3 Pires 79’
Disciplina:Ibraima 88’, Gamarra 90’+4’,
Filipe 88’.

O empate a dois golos era


mais justo, porque quem joga
já condenado a descer merece
um aplauso de quem esteve
na partida.
Com o destino traçado,
a equipa local retira muitos
dividendos para a próxima
época, sendo que conta com
jogadores de futuro.
Bola não rompeu redes do CEE Mirandês arrasador

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 27


NORDESTE DESPORTIVO

Destrital Bragança 3 ARGOZELO


ARA 0
Campo do Argozelo

Sonhar com a liberdade Árbitro – Rui Mouta (Bragança)


EQUIPAS
Rui Coelho
Um jogo que provou que o com um golo que passou por Adolfo André
líder já passou pela ansiedade toda a defesa e bateu Coelho. Luizinho Ricardo
de estar em primeiro lugar. Estava feito o resultado para Rato Folhas
os três pontos. Careca Carlos
Com o Rebordelo a três
Rui quase não defendeu e Ricardo Diz Mané
pontos e depois de uma exibi- Pedro Martins Luís
ção pouco conseguida em ter- depois foi fácil mexer na equi-
Jorginho Bruno
mos emocionais no campo do pa. Teixeira ganhou o jogo Kita Samuel
Lamas, voltou a descansar. pela capacidade em manter Samuel Tó-zé
O jogo da Taça, que de- a calma na equipa quando Serginho Soeiro
correu num lamaçal, mostrou faltam jogos importantes. Já JP Daniel
na compensação, JP marcou Rochinha Fernando
que a equipa de Argozelo es-
o 3-0. João
tava forte psicologicamente.
A turma de Teixeira deixou O ARA mostrou um fute- TREINADORES
rolar o jogo e criou oportuni- bol de boa qualidade com a Fernando Teixeira Joaquim Barros
dades que Coelho, com agili- bola rente ao solo. Para o ano, Golos: Careca 44”, Pedro Martins 47”, J
dade, lá conseguia defender. Joaquim Barros terá mais P 90+1
Um bom remate de Pedro Argozelo deu mais um passo em direcção à subida
matéria-prima para ganhar Disciplina:
Martins levou a bola à mão do pontos na tabela.
guardião e depois ao poste. car depois de um livre para a que entrou convicta em cam- Rui Mouta deixou jogar e Argozelo enfrenta o Moga-
A equipa estava muito cabeça de Careca. Um golo po. Para a segunda parte, veio merece nota alta. dourense em mais um encon-
equilibrada e acabou por mar- que deu calma a uma equipa a classe de Pedro Martins Na próxima jornada, o tro decisivo.

Destrital Bragança 0 CARÇÃO


SENDIM 1 Distrital Bragança 2 MIRANDÊS
VINHAIS 1
Campo do carção Estádio Santa Luzia

Latas de Aço
Árbitro – Carlos Meco (Bragança)

EQUIPAS Jogo Árbitro – Sílvio Carvalho (Bragança)

EQUIPAS

limpo
Carlos Latas Lama André
Pedro Rui Couto Joli
Viu-se uma grande exibi- depois do golo, o Carção pe- Vitinho Alves André Antero
ção de Latas, o guarda-redes gou no jogo, mas sem conse- Hugo Moisés António Pik
do Sendim, e Alves que co- guir marcar. Vitela Paulinho Armando Nuno
Chiça Hélio Um bom jogo de futebol Vitinho João
mandou a defesa sendinen- A confirmar a grande tar- com três golos de excelente
Gancho Moura Leonel Miguel
se. Desempenhos que resul- de, Latas voltou a defender o Palhau Hélder técnica e classe pura dos jo- Samuel Pedro
taram em três pontos e numa impossível e garantiu que as Bruno Coutinho Alex gadores. Tomé Tiago
nova alma para a equipa de suas redes continuassem in- Carlitos Paulo Zé Primeiro, foi o Vinhais a Luís Fão Ricardo
Orlando. violáveis. Pedro Paulinho
marcar depois de um canto. Bruno Márcio
A grande penalidade que O jogo acabou por dar Nelson André
A bola sobrou para Pik que,
Manhonho Paulinho
Nelson (Carção) falhou, foi mais uma boa imagem da Miranda António Arlindo Felipe
Gil Azevedo voando sobre o guarda-redes, Altino
a oportunidade para Latas vontade destes amadores Lama, acabou por fazer um
fazer a defesa da tarde ou, que, de domingo a domingo, TREINADORES belo golo. Nada a estranhar TREINADORES
possivelmente, a desta jor- deixam família e matam a António Forneiro Orlando para quem conheceu este jo- F Miranda Carlos Garcia
nada do distrital. O jogo foi paixão do futebol. gador há 12 anos atrás, quan-
intenso e o calor não ajudou O juiz era Carlos Meco e Golos: Hélder 17” Golos: Pik 57”, Leonel 86”, Arlindo 90+2
Disciplina:
do foi ponta de lança do Bra- Disciplina:
muito, mas, mesmo assim, daí está tudo dito. gança e Chaves.

Mirandês acabou com as pretensões do Vinhais


A reviravolta nasceu de do Vinhais e, por isso, era
um chapéu de classe por Le- mais que justo este resultado
onel e de um golo de Arlindo no primeiro período.
que deslizou a ponta da bota O Vinhais já não pode
sobre a bola num gesto técni- sonhar com o título, mas jo-
co digno de grandes jogado- gou bom futebol perante uma
res. equipa que, em casa, é muito
O jogo foi grande, pois in- difícil perder.
cluiu momentos que, muitas Quem não se quis ficar
Carção não conseguiu transpor a defesa do Sendim vezes, o nacional não tem. atrás foi o trio de arbitragem
A primeira parte foi mais que sai com nota muito alta.

28 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Futsal

Arnaldo Pereira
Campeão da Europa

Arnaldinho alcança título europeu


Arnaldo Pereira, também conhe- cional. Com 126 jogos, só está a um
cido por “Expresso de Bragança”, na- de igualar o futebolista Figo, que tem
tural de Nogueira, é, aos 30 anos, o 127.
primeiro jogador de futsal da região Já a nível de selecções, tem o ter-
a sagrar-se campeão europeu de Clu- ceiro lugar num mundial e foi vice
bes, neste caso ao serviço do Sport – campeão da Europa este ano.
Lisboa Benfica. Recorde-se que o atleta começou
Este é o título que lhe faltava a ní- a sua carreira nos Pioneiros, ao que se
vel de clubes, depois de ser campeão seguiu Benedita (Espanha), Instituto
Nacional, Taça de Portugal e Super D. João V, Freixieiro, Benfica, Pam-
– Taça de Portugal. Agora, acalenta o plona (Espanha) e, de novo, Benfica,
sonho de ser o jogador mais interna- onde está há seis épocas.

Destrital Escolinhas Futsal:


Arnaldo Pereira 4 - 8 Macedense

12 golos
fazem a diferença
O Macedense veio ao Pavilhão Antes, Bernardino abria o marca-
Municipal de Bragança vencer a Esco- dor para os visitantes, aos 4”.
la Arnaldo Pereira por 8-4. Na equipa da casa, Duarte fez dois
Os pais foram os principais en- golos, sendo que, no final, ainda houve
tusiastas e os miúdos fizeram-lhes a mais dois golos Macedenses por Vilela
vontade, marcando 12 golos. e Zé Pedro e para a Escola do jogador
Até ao resultado 4-5 o jogo foi de do Benfica, Henrique, que fez também
bola parada e resposta, com poucas um “bis”.
tácticas e muita vontade de fazer go- Nesta prova, o líder, Escola Cres-
los. O destaque vai para Diogo (Ma- cer, não jogou, mas já é dado como o
cedense) que marcou cinco golos aos grande vencedor desta excelente ini-
23”, 43”, 46”, 51” e 60”. ciativa do Futsal de Bragança.

Escola Arnaldo Pereira marcou metade dos golos do Macedense

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 29


NORDESTE DESPORTIVO

Escolas: Monte Vinhais 10 - 1 Vila Flor S.C.


Distrital Infantis 0 CACHÃO
MIRANDÊS 9 Infantis: Monte Vinhais 10 - 3 Vila Flor S.C.
Goleada
Vinhais marca 20
Árbitro - Rui Sousa (A.F. Bragança)

no Cachão EQUIPAS
Paulo Branco Tiago Oliveira
O Cachão recebeu, no seu Jorge Costa Daniel Marcos
O Vila Flor debateu-se o resultado e o Vila Flor ia 4 – 0 a favor dos Montes de
reduto, a equipa do Planalto José Pinto Ricardo Pires
como pôde, mas sem gran- tentando assustar a turma Vinhais.
Mirandês, que veio passear Nuno Rafael Ricardo Dias
des armas para parar a turma da casa. Num desses contra- Na segunda parte, o Vila
Nuno Pereira Luís Meirinhos
a sua classe. Os da casa bem da casa. Assim, tentava, em ataques, conseguiu o tento de Flor conseguiu reagir chegan-
João Machado Ricardo
tentaram travar o poder ofen- Miguel Martins Domingues contra-ataque, incomodar honra no desafio. do ao 5 – 3, mas os homens
sivo dos adversários, mas José Barreira Daniel Porto o guarda - redes de Vinhais, Em Infantis, assistiu-se da casa souberam reagir mui-
pouco pôde fazer. Marcos Avidagos Rui Gonçalves mas sem grande sucesso. a jogo monótono, sem gran- to bem, marcando por mais
No segundo tempo, a Pedro Jorge Luís Castro
O intervalo chegou com o des emoções, pois a turma da cinco vezes até final do jogo.
equipa de Miranda continuou João Grilo Sérgio Albino
resultado de 5 – 0 a favor da casa começou por resolver o O resultado não sofreu
como tinha iniciado a parti- Rafael Pires Guilherme
Meirinhos turma de Vinhais. jogo cedo marcando três ve- qualquer contestação, já que
da, com boas jogadas e poder Após o intervalo, o ritmo zes sem resposta. foi uma vitória justa da equi-
ofensivo sem que o Cachão e a história do jogo foram as Até ao intervalo, hou- pa dos Montes de Vinhais, que
nada pudesse fazer. A equi- TREINADORES
mesmas. ve mais um golo chegando o pode ser uma séria candidata
pa do concelho de Mirandela Fernando Quintã Victor Hugo O Vinhais foi dilatando intervalo com o resultado de no próximo campeonato.
nunca conseguiu impor-se. Golos: Ricardo Domingues 9,1”24”, Ri-
A equipa do Planalto, cardo Dias 14, Luís Meirinhos 15,11”, Luís
com maior poder de choque Castro 18”, 22”, Rui Gonçalves 16”.
do que a equipa do Cachão, Disciplina:
veio para golear e conseguiu,
apesar da entrega dos atletas tal goleada.
da casa, que não mereciam O árbitro esteve bem.

Mirandês goleou Cachão Montes de Vinhais dominou jogos com o Vila Flor

Distrital Infantis 1 BRAGANÇA A


BRAGANÇA B 0 Escolas: Mãe D’Água 7 - 3 Poiares

Exemplo de carácter
Campo do CEE
Árbitros – Bruno Cordeiro(Bragança) Eles sabem aprender
EQUIPAS
Este golo é a nota mais Freixedelo, tinha a lição bem A dedicação dos treina- Esta partida tinha só o
estudada. Esta é a imagem Mário Capelas Luís Alberto dores ficou provada neste caminho da baliza de Ricar-
positiva para o Bragança A
Álvaro Leo
que tenta alcançar o título. da dignidade que muitos não encontro, que recebem uma do, mas não foi sempre assim.
Monteiro Gabi
Para muitos, foi uma bofetada conseguem ver ou não conse- Ruben Ruben santos
nota alta com o progresso dos O Poiares já deu um sinal de
para aqueles que pensavam guem praticar. No escalão de Amaral Nuno Fernandes jogadores. superar dificuldades, num dia
que podiam haver facilidades escolas, o Bragança A ganhou Fábio Alexis Queirós foi, no jogo de há com muito calor e uma lon-
por parte da equipa B, que foi por 11-0 à mesma equipa. Rui Miguel F Gomes 15 dias, injustiçado por não ga viagem de ida e volta mais
mais coesa e praticou melhor Sandro António aparecer na ficha como autor de 200 km. A turma do sul
Miguel Brás Aurélio de um golo. do distrito começou melhor
futebol. Esteve muito certa
João Pedro Cabeça
nos passes e, acima de tudo, e marcou. Contudo, com um
Freixo Rodrigues
não deu qualquer espaço aos Martins Tomás
futebol aberto deu espaços a
avançados da equipa A. Foi jogadores do Mãe d’ Água que
a defesa da turma B que deu desequilibram.
tudo, jogou unida e trocou a Para o ano há que contar
TREINADORES
bola. com estes jogadores de mui-
Filipe Vaz Filipe Feixedelo ta garra e que, no final, rece-
Acabou por ser João Pe-
Golos: João Pedro 51” beram um aplauso tão justo
dro, num lance de bola para-
Disciplina: Formação e fair-play
da a marcar. O treinador B, como longo.
Jogo entre amigos

30 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

Futsal I Divisão 5 MOGADOURO


SPORTING 5 Veteranos: Vinhais 2 - 1 Avintes

Os leões colocam
Pavilhão da Junta de Freguesia de
Mogadouro Comando local
EQUIPAS
pressão nos locais Wallace
Ricardinho
Benedito
Caio Japa
Mário Freitas Divanei
O Sporting continua na nutos, colocou o Sporting em Gilberto Alex
perseguição do 1º lugar, mas vantagem, sendo que Ricar- Renato Cardinal
teve de suar para levar de dinho, aos 12, restabeleceu o Miguel Castro Deo
Pin Evandro
vencida a formação do Moga- empate para o Mogadouro.
Neyzinho João Matos
douro. Contudo, Evandro, aos 15, e Bruno Djô
Os leões acabaram por Djô, aos 17, puseram a forma-
vencer por 6-5 e continuam ção de Alvalade a vencer por TREINADORES
com os mesmos dois pontos dois golos de diferença. Artur Pereira Paulo Fernandes
de atraso relativamente ao lí- Neysinho bisou na par- Golos: Divanei 8”, 32”, Ricardinho 12”,
der, o Belenenses. tida, aos 30 e 32 minutos, e Evandro 15”, Djô 17”, Neyzinho 30”, 39”,
Deo 33”, Mário Freitas 37”.
A primeira parte termi- empatou o encontro a três
Disciplina:
nou com os leões a vencerem bolas. No mesmo minuto do
por 3-1. Divanei, aos oito mi- empate, Divanei marcou o seu segundo golo no jogo e
deu nova vantagem ao Spor-
ting, que foi ampliada, no mi-
Velhas glórias do FC Vinhais
nuto seguinte, com mais um
golo de Evandro.
Os leões voltaram a estar Mais um convívio entre as latando o resultado para 2
em vantagem por dois golos equipas de veteranos. Desta – 0. A partir dos 20 minutos
de diferença mas a jovem feita, foi o Avintes que visitou da segunda parte, o Avintes
estrela do Mogadouro, Má- Vinhais, para uma partida em começou a equilibrar o jogo
rio Freitas, reduziu para 5-4, que os da casa comandaram tomando conta das operações
quando faltavam ainda três toda a primeira parte adian- até final, reduzindo já nos
minutos para terminar o en- tando-se no marcador e jus- instantes finais para 2 – 1.
contro. tificando, assim, o domínio Chegou-se ao final do jogo
Logo de seguida, João que teve no jogo durante o com o resultado final de 2 go-
Matos deu novo descanso ao primeiro tempo. los para o Vinhais e 1 para o
Sporting, ao dar vantagem de Vantagem justa ao inter- Avintes.
dois golos e Neysinho ainda valo, com o resultado de 1 – 0 O fair-play esteve sempre
teve tempo de fazer o hat-tri- para os homens da Capital do presente neste jogo por parte
ck na partida, aos 39 minutos, Fumeiro. das duas equipas.
embora o golo do brasileiro Na segunda parte, o jogo O que interessa é o con-
Sporting teve a vida dificultada em Mogadouro tenha sido infrutífero para continuou com o Vinhais no vívio entre antigas glórias e a
roubar pontos ao Sporting. comando das operações, di- confraternização.

II Torneio de Pool Português Metro-Bar


Final concedida neio, o vencedor declara: “To-
dos os jogadores eram muito
O II Torneio de Pool Por- bons, havendo pouca ou ne-
tuguês Metro-Bar sagrou, nhuma diferença entre eles.
finalmente, um vencedor, Eu tive alguma sorte no sor-
2 meses após o seu início. teio e, desta vez, calhou-me a
Numa final que colocou fren- mim. Mas estava à espera que
te-a-frente Carlos Alberto aka fosse mais difícil”. Quando
Alemão e Henrique Lousada questionado sobre o que pen-
aka Francês, o primeiro desta- sa fazer com os 700 euros do
cou-se como vencedor com 9 prémio final, Alemão revela:
vitórias sobre 6. “Algumas coisas para vestir,
O que é facto é que Francês investir algum também, não
vacilou e esteve longe do seu é muito, mas é um bom orde-
melhor nível, facilitando, em nado”.
muito, a tarefa ao adversário. Com 64 inscrições, os par-
Apesar da derrota, ganhou um ticipantes foram divididos por
prémio no valor de 350 euros, 8 grupos de 8 jogadores. Da
pelo segundo lugar do torneio. fase de grupos, foram classi-
“O meu adversário, agora, na ficados 32, já que, passavam
final, era muito bom. Eu esta- os primeiros 4 de cada grupo.
va a falhar bastantes bolas e a Depois, o torneio seguiu por O justo vencedor de uma final sem grandes complicações
minha sorte é que ele também eliminatórias. Quem chegasse
falhou muito”, afirmou Ale- primeiro às 5 vitórias passava Moda Café; Mercado Club; Nordeste Cópia; Nordigiene; Óscar Guerra – Mediação de
mão, satisfeito com a vitória. para a fase seguinte. Veneza; Restaurante Chefe Ini – Estudos de Mercado; Seguros.
No que diz respeito ao tor- Patrocinaram este evento: Ruca; Restaurante Emiclau; Castanheira – Rent a Car; BMF

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 31


NORDESTE DESPORTIVO

Infantis: CAB 6 - 4 Alijó BC


Iniciados: CAB 3 - 7 Académica de Espinho
Benjamins: CAB 6 - 1 Vila Boa do Bispo

Processo de Aprendizagem
BRUNO MATEUS FILENA cedor. Na segunda parte, foi o CAB a
impor a sua vontade, fazendo valer,
O hóquei em patins voltou a bri- uma superioridade incontestável.
lhar com três jogos de uma assenta- Para tal, contribuiu decisivamente
da. A abrir da melhor forma possível, a prestação do guarda-redes acade-
os Benjamins do Clube Académico de mista, Vicente, que, apesar da pouca
Bragança (CAB), a equipa mais nova robustez da sua fisionomia, garantiu
em competição, supervisionados ao CAB a vitória, com defesas de alto
por Pedro Águas, golearam por 6 a nível.
1 a equipa de Vila Boa do Bispo. Se-
guiram-se os infantis, também, com
Jovens rodam em campeonato Hóquei de regresso ao Pavilhão Municipal de Bragança
uma vitória.
Desta feita, por 6 a 4 contra o Ali- que termina no mês de Junho timo jogo da tarde, o CAB defrontou e perdemos o controlo do jogo, Na
jó Basquet Clube (Alijó BC). Um jogo a Académica de Espinho. O resultado segunda metade, conseguimos acal-
complicado, a princípio, com opor- “Não entrámos muito bem no saldou-se numa derrota para a equi- mar e controlar o andamento da par-
tunidades para ambos os lados. Mas jogo, e a equipa do Alijó estava a en- pa da casa por 3 – 7. Mas poderia ter tida, fizemos 2 golos, mas devido às
foram sempre os visitantes a marcar trar muito no nosso quadrado. No in- sido outro, não fosse a má prestação características da idade, perdemos o
primeiro, começando por ganhar 0 tervalo, corrigimos esse pormenor e do guarda-redes academista, que en- controle emocional e o resultado des-
– 1, depois o CAB empatou o resulta- a equipa começou melhor a segunda trou na primeira parte, e os nervos cambou”, confessa Fernando Sequei-
do para, logo de seguida, sofrer mais parte, ao cortarmos a bola na primei- de alguns jogadores que precisam ra, treinador dos iniciados do CAB.
dois golos. Com o resultado negativo ra linha dos avançados, conseguimos ter mais calma em situações não tão Relativamente ao futuro deste
de 1 – 3, o CAB conseguiu, por mérito sair rapidamente para o contra-ata- favoráveis. A destacar, o hat-trick de campeonato, o responsável certifica
próprio, empatar antes do intervalo, que e foi, assim, que marcámos os Diogo Moreira. que o objectivo deste ano é, essencial-
o que deu um outro ânimo à equipa. três golos que nos deram a vitória”, “Foi um jogo completamente dis- mente, “aprendizagem”, dado tratar-
Assim, no final da primeira parte, o 3 comenta o treinador da equipa da tinto nas 2 metades. Na primeira, se do primeiro ano de iniciados para
– 3 dificultava um vislumbre do ven- casa, Tiago Asseiro. No terceiro e úl- por culpa nossa, que nos enervámos a equipa academista.

32 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


NORDESTE DESPORTIVO

“Grupo da morte”
aquece Torneio da Função Pública
B.M.F sem dúvida, o Grupo da Mor- tante é o de Fair Play.
te, pois tem 4 ou 5 equipas Quanto à organização, o
Moderar os níveis de das quais poderá sair o cam- responsável afiança: “Esta-
peão”, afirma José Araújo, mos em tempos de crise e as
competitividade é o técnico da equipa vencedora respostas dos fornecedores
objectivo da organiza- do torneio nos 2 últimos anos não têm sido as que deseja-
e séria candidata ao título. ríamos. Mas vamos procurar
ção na edição deste Num dos mais importan- igualar o torneio do ano pas-
ano tes eventos da agenda des- sado e, quiçá, fazermos um
portiva do distrito, o XXIV pouco melhor. É essa a nossa
Já foram sorteadas as 18 Torneio da Função Pública de aposta!”
equipas para a fase de grupos Bragança promete aquecer as Na edição anterior, entre
do XXIV Torneio da Função hostes. outras equipas, destacaram-
Pública de Bragança. “A competição é tremen- se os Bombeiros, o CHNE A,
Como vencedora da edi- da, tanto que, nos últimos a GNR DT e o IPB. Este ano,
ção anterior, coube, à equipa dois anos, tivemos de abrir há duas equipas novas, a
A do CHNE, pela segunda as portas das bancadas”, uma GNR CT e a junção da Escola
vez consecutiva, organizar a situação que o treinador não Secundária Augusto More-
competição, que terá lugar deseja ver repetir. no com a Escola Secundária
Organização quer menor competitividade e convívio mais genuíno
entre 10 de Maio e 16 de Ju- Para além de taças para Abade de Baçal.
nho, no Pavilhão Municipal os vencedores, há prémios titividade. “Há dois anos fize- A disposição das equipas participantes
de Bragança. individuais, como, por exem- mos algumas alterações, para
para a fase de grupos foi a seguinte:
Repartidas por três gru- plo, para o melhor marcador proporcionar uma maior cre-
pos, de seis equipas cada, ou jogador, mas a organiza- dibilidade ao próprio torneio. Grupo A Grupo B Grupo C
José Araújo, da Comissão ção não pretende dar a este Isto porque, estava a tornar-
Organizadora e treinador do torneio um cariz competitivo. se um torneio muito compe- CHNE B CG Depósitos ES M. Torga
CHNE A, certifica que a sua Por isso, declara que se ven- titivo e não é essa a nossa in- CMB Segurança Social Est. Prisional B
formação integra o grupo cer novamente, introduzirá, Contact Center CHNE A CC Agrícola
tenção. Mas, antes o convívio
PSP GNR CT GNR DT
mais competitivo do torneio. ainda, mais alterações ao tor- entre os funcionários públi- ES Emídio Garcia (Comando Territorial) (Destacamento
“Os grupos não são muito neio, no sentido de realçar o cos”, sustenta o técnico, para IPB Bombeiros VB de Trânsito)
equilibrados. O grupo B é, convívio e diminuir a compe- quem o prémio mais impor- ES A. Baçal/A. Moreno Casa Trabalho
EPPU/ES P. Quintela

Natação

Torneio Internacional 210 atletas Atletismo

Cantarinhas Desportivas
a Associação de Atletismo de
Bragança, a iniciativa arranca
Bragança recebe na avenida Sá Carneiro, às 21
atletas ilustres para a horas, e conta com a partici-
pação de atletas consagrados,
11ª Milha das Cantari- como Fernanda Ribeiro, Ana-
nhas lídia Torre, Marina Bastos,
Alberto Bispo, Mário Silva,
Dezenas de atletas reú- Inês Monteiro, Helena Sam-
nem-se, no próximo domin- paio, Adelino Monteiro, Ri-
go, em Bragança para par- cardo Ribas, Nédia Semedo,
ticiparem na 11ª Milha das António Travassos, Manuel
Cantarinhas. Damião, Sara Moreira e Ju-
Realizada no âmbito da lius Achon, entre outros.
Feira das Cantarinhas, o A par deste evento, de-
evento, que integra o Circuito correm, também, a 5ª Milha
Nacional de Milhas da Fede- Popular e a 8ª Milha Escolar,
Atletas da Escola de Natação de Bragança alcançaram bons resultados ração Portuguesa de Atletis- dirigida a alunos do 1º Ciclo
mo, é já um cartão de visita do Ensino Básico e a atletas
Nove clubes nacionais e param nas várias provas de representados o Natação Clu- para os amantes deste des- do escalão de Benjamins.
de Espanha deram vida ao V diferentes estilos nas Piscinas be Chaves, Ginásio Clube de porto e modalidade. Recorde-se que o prazo de
Torneio Internacional de Na- Municipais de Bragança. Vila Real, Ginásio Clube de Promovida pelo Ginásio inscrições termina amanhã,
tação da Cidade de Bragança, Do distrito de Bragança, Santo Tirso e Clube Despor- Clube de Bragança, a Câma- sendo que os interessados
que decorreu no passado dia marcaram presença os clubes tivo de Campinho. De Espa- ra Municipal de Bragança e em participar podem efectu-
17. Escola Natação Serviços So- nha, vieram atletas do Clube a delegação Distrital do INA- ar a sua inscrição no Ginásio
No total, foram 210 os ciais da Câmara Municipal de Deportivo Natacion Zamora TEL, em parceria com a Asso- Clube de Bragança ou na As-
atletas que, divididos nas ca- Bragança, Montes de Vinhais e Clube Desportivo Natacion ciação Comercial e Industrial sociação de Atletismo de Bra-
tegorais de Infantis, Juvenis, e Sport Clube de Mirandela. Castilha Zamora. e de Serviços de Bragança e gança.
Juniores e Seniores, partici- Já do resto do País, estiveram

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 33


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703
de 27 de Abril de 2010 de 27 de Abril de 2010 de 27 de Abril de 2010 de 27 de Abril de 2010

NOTARIA
CARTÓRIO NOTARIAL CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO A cargo da Notária Lie. NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES
NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES Ana Maria Gomes dos Santos Reis EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO Alameda Nossa Senhora de Fátima Nº 8
3º e 4º Juízos Cíveis do Porto (1ª Publicação) em Macedo de Cavaleiros. Certifico, para efeitos de publicação, que no dia vinte e dois de Abril
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia dezanove de de dois
3º- Juízo - 3º Secção
Abril de dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, Certifico para efeitos de publicação que, por escritura de justifica- mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio da Jus-
R. Gonçalo Cristóvão, 347-3º e 4º Pisos
sito no Palácio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadou- ção Notarial lavrada neste Cartório Notarial no dia nove de Abril de
Edif Mafre - 4049-059 Porto tiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 48 a fls. 50, verso,
ro, de fls. 22 a fls. 23, verso, do livro de notas para escrituras dois mil e dez com início a folhas nove do livro de notas CENTO E
Telef: 223403100 Fax: 223403198 do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta e oito,
diversas número Sessenta e oito, foi lavrada uma escritura de SETENTA E DOIS TRAÇO A.
Mail: porto.sgjuizciveis@tribunais.org.pt foi lavrada uma escritura de justificação, na qual .compareceu como
justificação, na qual compareceram como outorgantes, ÁUREO IRENE DOS SANTOS MARIANO (N.I.F. 167 634 160), e mari- outorgante, Dr. ANTERO AUGUSTO NETO LOPES, que também
AUGUSTO MOURA, NIF 157 788 563, e mulher MARIA do ANTÓNIO ALBERTO LOPES (N.I.F. 177 163 453) casados
Anúncio usa apenas Dr. Antero Neto, casado, natural da freguesia de Bruçó,
JOSÉ DINIZ MOURA, NIF 157 788 571, casados sob o re- sob o regime da comunhão geral, ambos naturais, da freguesia de
gime da comunhão de adquiridos, naturais, ele da freguesia de concelho de Mogadouro, advogado, com escritório na Avenida Ca-
Processo: 1333/08.3TJ PRT Larinho, concelho de Torre de Moncorvo, onde residem, e pelos louste Gulbenkian, número 69, nesta vila de Mogadouro, outorgando
Vila Boa, concelho de Mirandela, e ela da freguesia de Larinho, outorgantes foi dito que se declaram donos, dos seguintes prédios:
concelho de Torre de Moncorvo, residentes no Bairro de Santo Inventário (Herança) na qualidade de procurador de MARIA ELISA FERREIRA, NIF
Inventariado: Maria de Sousa e outro(s)... Um) Metade do prédio rústico composto de terra de trigo e ramada, 233 227 253, divorciada, natural da dita freguesia de Bruçó, onde
Cristo, Bloco C/8, terceiro andar direito, na freguesia e conce-
Interessado: Carlos Alberto Ferreira e outro(s)... oliveiras e uma figueira, com a área total de cento e vinte metros reside quando em Portugal, habitualmente residente em França, no
lho de Torre de Moncorvo, os quais declararam:
quadrados, sito no lugar de “Povoação”, freguesia de Larinho, con- uso dos poderes que lhe foram conferidos pela procuração que se en-
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de ou-
Correm éditos de 20 dias para citação dos credores desconhecidos celho de Torre de Moncorvo, inscrito na matriz sob o artigo 84, com contra arquivada neste Cartório, a instruir o Processo de Notificações
trem, do seguinte prédio:
que gozem de garantia real sobre o bem abaixo indicado, para re- o valor patrimonial total de 5.39 E e o correspondente à fracção número oito de dois mil e dez, adiante referenciado, o qual, na citada
Urbano, sito no Largo do Terreirinho, na freguesia de Larinho,
concelho de Torre de Moncorvo, composto de casa destinada clamarem o pagamento dos respectivos créditos pelo produto de tal de 2.69 € a que atribuem igual valor, descrito na Conservatória do qualidade em que outorga delarou:
a habitação de rés do chão e primeiro andar, com área coberta bem, no prazo de 15 dias, findo o dos éditos, que se começará a con- Registo Predial de Torre de Moncorvo, sob o número mil e setenta Que a sua representada é, com exclusão de outrem, dona e legítima
de quarenta e sete vírgula oitenta e sete metros quadrados, a tar da data da segunda e última publicação do anúncio, em que são: e dois, sem inscrição da referida proporção, em que são compossui- possuidora do seguinte prédio:
confrontar de norte, nascente e poente com Rua, e de sul com Interessado: Joaquim Pinho Ferreira, estado civil: Casado (regime: dores António Emílio Mariano e Maria da Conceição Lopes. Urbano, sito na Rua de São Sebastião, ou Rua da Calçada, na fre-
herdeiros Fernando Machado, inscrito na respectiva matriz em Comunhão de adquiridos), nascido(a) em 15-08-1942, nacional de Dois) Um quinto do prédio rústico composto de terra para centeio, guesia de Bruçó, concelho de Mogadouro, composto de casa de
nome da justificante mulher sob o artigo 789, com o valor pa- Portugal, concelho de Mogadouro, freguesia de Castelo Branco vinha, oliveiras, amendoeiras, figueiras e sobreiros, com a área de habitação com dois andares, com área coberta de quarenta e oito
trimonial e atribuído de mil e novecentos euros, não descrito [Mogadouro], nacional de Portugal, NIF - 152746781, BI -5894991, vinte e três mil oitocentos e cinco metros quadrados, sito no lugar metros quadrados, a confrontar de norte e nascente com Francisco
na Conservatória do Registo Predial de Torre de Moncorvo, a domicílio: Bairro da Escola, N.º 13, Castelo Branco, 5200-130 Mo- de “Morouços”, freguesia de Larinho, concelho de Torre de Mon- José Lucas, de sul com Ana Angelina, e de poente com Rua Pública,
cuja área pertence. gadouro corvo, inscrito na matriz sob o artigo 116, com o valor patrimonial inscrito na respectiva matriz sob o artigo 36, com o valor patrimonial
Que o mencionado prédio veio à posse deles, justificantes, já Interessado: Carlos Alberto Ferreira, estado civil: casado, nacional de de 201.86 € e o correspondente á fracção de 40.37 €, descrito na de 123,77€ e atribuído de mil euros, descrito na Conservatória do Re-
no estado de casados, par volta do ano de mil novecentos e Portugal, NIF -141653906, BI - 3281975, domicílio: Bairro da Cruz, Conservatória do Registo Predial de Torre de Moneorvo, sob o nú- gisto Predial de Mogadouro sob o número vinte e oito mil trezentos e
oitenta e sete, por compra meramente verbal que fizeram a José Sambade, 5350-000 Alfândega da Fé Interessado: Maria Dorinda de mero mil e vinte, sem inscrição de aquisição da referida proporção, vinte e oito, a folhas cento e uma, verso, do Livro B — Setenta e um,
Joaquim Carreiro, solteiro, maior e residente que foi na dita Sousa Ferreira, estado civil: Casado (regime: Comunhão geral de em que são com possuidores Benjamim Altino Lopes, Amparo da onde se mostra registada a respectiva aquisição pela inscrição núme-
freguesia do Larinho, actualmente falecido, nunca tendo porém bens), nascido(a) em 10-02-1932, natural de Argoncilhe, concelho Conceição Lopes Lucas e Manuel Joao do Nascimento Lucas, An- ro cinco mil quinhentos e setenta e sete, de dezasseis de Junho de mil
sido formalizada a competente escritura de compra e venda. de Santa Maria da Feira, freguesia de Argoncilhe [Santa Maria da tónio Emílio Mariano e Maria da Conceição Lopes, e os herdeiros
Feira], nacional de Portugal, NIF -148123376, BI - 3243632, domi- novecentos e oitenta e três, a folhas cento e dezasseis, verso, do Livro
Que assim, eles justificantes possuem o dito prédio há mais de de Manuel dos Santos Mariano. G — Dez, a favor de Maria Alice Camisa, casada com José Joaquim
vinte anos em nome próprio, na convicção de serem os únicos cílio: Lgº. de Noeda, 108, B, C/1, Campanhã, 4300-352 Porto Inte- Três) Metade do prédio rústico composto de terra de centeio e pas-
ressado: Bernardino da Costa Pacheco, estado civil: Casado (regime: Ângelo, a residir nesta vila de Mogadouro, de Abílio Antero Camisa,
donos e plenamente convencidos de que não lesavam quaisquer tagem, oliveiras e amendoeiras, com a área de onze mil quinhentos casado com Rosa Saxuma Camisa, residente na cidade de Curitiba,
direitos de outrem, à vista de toda a gente e sem a menor opo- Comunhão geral de bens), natural de Portugal, NIF - 148123589, BI
e noventa e seis metros quadrados, sito no lugar de “Fontelas”, Paraná, à Rua São Januário, número 899, no Brasil, de Virgílio Au-
sição de quem quer que fosse desde o início dessa posse, a qual - 904299, domicílio: Lgº. de Noeda, 108, B, C/1, Campanhã, 4300-
freguesia de Larinho, concelho de Torre de Moncorvo, inscrito na gusto Camisa, casado com Maria Celeste Moura, residente na Rua
sempre exerceram sem interrupção, tendo nele habitado, nele 352 Porto
matriz sob o artigo 1627, com o valor patrimonial total de 25.89 € Arnaldo Gama, número 204, em Rio Tinto, e de Noémia Cândida
guardando os seus pertences e haveres, melhorando-o e repa- Interessado: Fernanda Ferreira de Sousa Pacheco, estado civil: Viú-
e o correspondente à fracção de 12.94 € a que atribuem igual valor, Camisa, casada com Isaias de Jesus Velho, residente na Rua Ferreira
rando-o com benfeitorias diversas, como pinturas e substituição vo, nascido(a) em 27-09-1930, natural de Portugal, concelho de San-
ta Maria da Feira, freguesia de Argoncilhe [Santa Maria da Feira], descrito na Conservatória do Registo Predial de Torre de Moncor- de Castro, número 30, na cidade de Gondomar, todos casados sob o
de elementos danificados, procedendo a actos de limpeza e pra- vo, sob o número mil e cinquenta e dois, sem inserção de aquisição
nacional de Portugal, NIF - 133169090, BI - 2814338, domicílio: regime da comunhão geral de bens.
ticando os demais actos de uso, fruição e defesa do mesmo, à da referida proporção em que são compossuidores Amparo da Con-
Bairro de São João, Castelo Branco, 5200-130 Mogadouro Que a justificante, sua representada, desconhece se os referidos
vista de toda a gente e portanto de eventuais interessados, tudo ceição Lopes Lucas e Manuel João do Nascimento Lucas.
Interessado: António Guilherme Ribeiro Ferreira, estado civil: Sol- Abílio Antero Camisa, Virgílio Augusto Camisa e Boémia Cândida
como fazem os verdadeiros donos, sendo por isso umas. posse Quatro) Prédio rústico composto de terra de centeio com uma fi-
teiro, nascido(a) em 09-01-1979, , NIF - 223635103, BI - 12151944, Camisa, bem como os respectivos cônjuges, já faleceram ou não,
de boa fé, pacífica, contínua e pública, pelo que dadas as enu- gueira, com a área de dez mil novecentos e quarenta e quatro me-
meradas características de tal posse, adquiriram por usucapião domicílio: Estrada Nacional, N,º 221, Castelo Branco, 5200-130 desconhecendo portanto qual a sua residência, bem como desconhe-
Mogadouro tros quadrados, sito no lugar de “Tapada do Pereiro”, freguesia de ce qual a actual residência da restante titular inscrita, Maria Alice
o referido prédio, figura jurídica que invocam, por não poderem Larinho, concelho de Torre de Moncorvo, inscrito na matriz sob o
fazer prova do seu direito de propriedade, pelos meios extraju- Interessado: Vera Lúcia Ribeiro Ferreira, estado civil: Casado, Camisa e marido, apesar de todas as diligências que fez no sentido
nascido(a) em 29-04-1980, , NIF - 221282041, BI - 12019919, do- artigo 742, com o valor patrimonial de 13.32 € a que atribuem igual de obter tais informações.
diciais normais, dado o referido modo de aquisição.
micílio: Rua da Noria, 1º Dto, 5200-000 Mogadouro Interessado: valor, a confrontar de norte com Duarte Ramos do Nascimento e Que apesar de o dito prédio se encontrar registado a favor dos referi-
Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
Paula do Rosário Ribeiro Ferreira, estado civil: Casado , nascido(a) irmã, de sul, nascente e poente com Caminho, omisso na Conserva- dos titulares inscritos, tal prédio pertence exclusiva e efectivamente à
em 30-12-1981, , NIF - 224896415, BI - 12151876, domicílio: Rua tória do Registo Predial de Torre de Moncorvo. justificante, pois foi por ela adquirido em dia e mês que não pode pre-
Mogadouro e Cartório Notarial,
do Mercado - Bloco A - 2º Esq, 5340-246 Macedo de Cavaleiros Cinco) Um prédio rústico composto de terra de centeio e pastagem, cisar, do ano de mil novecentos e oitenta e seis, portanto há mais de
em 19 de Abril de 2010.
A Notária, Interessado: Simplício António de Faria, estado civil: Viúvo, com a área de nove mil e vinte e dois metros quadrados, sito no vinte anos, já no estado de divorciada, por compra meramente verbal
Fátima Mendes nascido(a) em 21-08-1931, , NIF - 145202836, BI - 1761121, do- lugar de “Quebrada”, freguesia de Larinho, concelho de Torre de feita à referida Maria Alice Camisa, casada, residente ao tempo nesta
micílio: Rua Manuel Bolseiro Gueiro, N.º 19, 2430-802 Vieira de Moncorvo, inscrito na matriz sob o artigo 1659, com o valor patri- vila de Mogadouro, que por sua vez o havia comprado também ape-
Leiria monial de 3.59 € a que atribuem igual valor, a confrontar de norte nas verbalmente aos restantes comproprietários, acima mencionados,
Interessado: Joaquim António Faria, estado civil: Casado (regime: com Euleutério Augusto Póvoa, de sul com Alcina Dulce de Sousa, mas esta transmissão foi também apenas verbalmente feita, inexistin-
Desconhecido), nascido(a) em 13-08-1961, , NIF - 132553902, BI de nascente com Tobias José Póvoa e poente com Alípio Ferreira de do portanto qualquer escritura que tenha sido efectuada, pelo que a
- 7217034, domicílio: Urbanização do Barqueiro, N.º 7, 2430-604 Sá, omisso na Conservatória do Registo Predial de Torre de Mon- sua representada não é detentora de nenhum título formal que legiti-
Vieira de Leiria corvo. me o seu direito e domínio sobre o prédio supra identificado.
Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 Interessado: Vitor Manuel de Sousa Faria, estado civil: Casado, Seis) Um prédio rústico composto de terra de centeio, atravessado Que no entanto, desde a aludida data em que a justificante comprou
de 27 de Abril de 2010 nascido(a) em 14-01-1967,NIF: 188101721, BI - 8118128, domicí- pelo caminho publico, com a área de oito mil cento e setenta e três e entrou na posse do dito prédio, possui o mesmo no pleno gozo
lio: Rua da Fonte Santa, Nº 21 - 1 A, 2430-747 Vieira de Leiria metros quadrados, sito no lugar de “Pouco Siso”, freguesia de Lari- das utilidades por ele proporcionadas, habitando-o temporariamente,
Interessado: José António Faria, estado civil: Casado , nascido(a) em nho, concelho de Torre de Moncorvo, inscrito na matriz sob o artigo procedendo a actos de limpeza, obras de reparação e conservação,
Cartório Notarial de Miranda do Douro 18-10-1962, , NIF -176437436, BI - 7217029, domicílio: 99 Second 1802, com o valor patrimonial de 710.00 euros a que atribuem igual como pinturas, substituindo elementos danificados, como o telhado,
Street, New Rochelle - New York 1080 valor; a confrontar de norte com Admar Amaral Caldeira Azevedo, portas, janelas, usufruindo de todas as utilidades por ele proporcio-
Certifico narrativamente, para efeitos de publicação, que no dia Bem: Casa de habitação composta por dois pavimentos rés-do-chão, de sul com Paula Maria Gomes Valente Lopes, de nascente com
com duas divisões e quatro vãos, e 1° andar, com seis divisões e seis nadas, considerando-se e sendo considerada como sua única dona,
de hoje, neste Cartório Notarial, foi lavrada uma escritura de Maria da Conceição Lopes e poente com Maria Conceição Lopes, na convicção de que não lesa quaisquer direitos de outrem, tendo a
Justificação, exarada de folhas 69 a 70v do respectivo livro n° vãos. sita na Rua das Eiras, 5200 - 130, Freguesia de Castelo Branco, omisso na Conservatória do Registo Predial de Torre de Moncorvo.
concelho de Mogadouro, com o artigo matricial nº 795. sua actuação e posse sido continua, de boa fé, pacífica porque sem
103-C, intervindo Manuel Augusto Rodrigues Ribeiro, soltei- Os referidos prédios vieram à posse e domínio dos justificantes por violência, sem oposição de quem quer que fosse, à vista de toda a
ro, maior, natural da freguesia e concelho de Fafe, residente doação verbal que lhes foi feita pelos pais da justificante mulher gente, ostensivamente e com conhecimento da generalidade das pes-
na Rua São Pantaleão, s/n, freguesia de São Martinho do Peso, Porto, 13-04-2010
José dos Santos Mariano e mulher Júlia Augusta Carreiro, por volta soas que vivem na freguesia onde se situa o prédio, e tudo isto por
concelho de Mogadouro, titular do cartão de cidadão número N/Referência: 9427175
do ano de mil novecentos e setenta, não tendo sido formalizadas por lapso de tempo superior a vinte anos.
12550391 IZZ9, válido até 05/02/2015, Pároco da paróquia da documento autêntico a referida aquisição.
O Juiz de Direito, Que esta posse em nome próprio, de boa fé, pacífica, contínua e
Igreja de São Miguel de Palaçoulo, freguesia de Palaçoulo, con- Que desde então, portanto há. mais de vinte anos, têm possuído
Dr(a). Helena Maria de Castro Almeida Tavares Marques Pinto pública, desde há mais de vinte anos, conduziu à aquisição do iden-
celho de Miranda do Douro, em representação da justificante os referidos prédios, nas identificadas proporções, os fraccionados
O Oficial de Justiça, tificado prédio por usucapião figura jurídica que em nome da sua re-
“Fábrica da Igreja de São Miguel de Palaçoulo” pessoa colec- numa situação de composse com os titulares referidos, retirando as
Ivone Lourenço presentada expressamente invoca para estabelecimento de novo trato
tiva religiosa, com o NIPC 502 591 072, com sede na freguesia utilidades pelos mesmos proporcionadas, cultivando-os, colhendo sucessivo, por não poder fazer prova do seu direito de propriedade
de Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro. E declarou: Que, frutos e cereal, com o ânimo de quem exerce direito próprio, sendo
a sua representada, é dona e legítima possuidora, com exclusão pelos meios extrajudiciais normais, dado o referido modo de
Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 reconhecidos como seus donos por toda a gente, fazendo-o de boa- aquisição. Nos termos do preceituado no artigo 99º do Código do
de outrem, dos seguintes bens imóveis, todos do concelho de fé, por ignorarem lesar direito alheio, pacificamente porque sem
Miranda do Douro, das freguesias de: I - Sendim,: Verba um: de 27 de Abril de 2010 Notariado, foi efectuada a respectiva notificação edital dos titulares
violência, continua e publicamente, à vista e com o conhecimento inscritos, os referidos Abílio Antero Camisa, Virgílio Augusto Ca-
Prédio rústico, sito em Mina, composto de terra de centeio, com
Cartório Notarial de de toda a gente e sem oposição de ninguém. misa e Boémia Cândida Camisa, e/ou de seus eventuais herdeiros
a área de cinco mil e seiscentos metros quadrados, a confrontar
Miranda do Douro Que dadas as características de tal posse, os justificantes adquiri- desconhecidos, bem como a notificação edital da referida Maria
do norte com Francisco Amaro Rodrigues, do sul com José Au-
ram os prédios na indicada proporção, por usucapião, título esse Alice Camisa, cuja actual residência desconhece.
gusto Diogo, do nascente com estrada e do poente coam Mário
Certifico narrativamente, para efeitos de publicação, que no dia de que pela sua natureza, não é susceptível de ser comprovado pelos Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico.
de Jesus Galvão, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1378,
com o valor patrimonial tributário e atribuído €6,25; I I - Pa- hoje, neste Cartório Notarial, foi lavrada uma escritura de Justifica- meios extrajudiciais normais.
laçoulo: Verba dois: Prédio rústico, sito em Orreta Lourenço, ção, exarada de folhas 73 a 74 v° do respectivo livro n° 103-C, em Está conforme o original. Mogadouro e Cartório Notarial, em 22 de Abril de 2010.
composto de terra de centeio, com a área de nove mil metros que foram justificantes: Hermínio da Anunciação Cangueiro Gaivão, Macedo de Cavaleiros, A Notária,
quadrados, a confrontar do norte com Luís Parreira Rodrigues, N.I.F. 199 530 971 e mulher, Mercedes da Anunciação Fernandes, 9 de Abril de 2010 Fátima Mendes
do sul com limite de Sendim, do nascente com estrada e do N.I.F. 199 530 963, casados sob o regime da comunhão geral, os dois (Carlos Manuel Lázaro Sequeira)
poente com José Clemente Ramos, inscrito na respectiva matriz naturais da freguesia de Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro,
sob o artigo 7713, com o valor patrimonial tributário e atribuído onde residem na Rua Caminho de Sendim, 15, Prado Gatão, titula-
€21,87; e, Verba três: Prédio rústico, sito em Abecedos, com- res dos bilhetes de identidade, respectivamente números 1962664 e
posto de terra de trigo, com a área de seis mil e quatrocentos 3079087, emitidos em 07/07/2003 e 27/08/1999, ambos pelos S.I.C.
metros quadrados, a confrontar do norte com Fernando António de Bragança e disseram: Que são donos e legítimos possuidores, com Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703
Fernandes, do sul com José Manuel Alonso e outro, do nascente exclusão de outrem, do prédio rústico, sito no Morgado, freguesia de ART.MATRICIAL: 4096
de 27 de Abril de 2010
com Caminho de Ferro e do poente com José Manuel Alonso, Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro, composto por terra de DESCRIÇÃO: Fracção Autónoma, designada pela letra F do Pré-
inscrito na respectiva matriz sob o artigo 7793, com o valor trigo, com a área de quatro mil e oitocentos metros quadrados, a con-
dio Urbano, sito no Campelo, Fregª. da Sé , Bragança , Bloco sul,
patrimonial tributário e atribuído €33,20. Que os mencionados frontar do norte com António Augusto Galvão, do sul com Francisco
composta por 2° andar Esq° , com quatro assoalhada, cozinha duas
prédios foram adquiridos, por aquela Fábrica da Igreja, em data Estêvão Cordeiro, do nascente com caminho de ferro e do poente
casas de banho, dispensa, duas divisões para arrumos na cave do
que não pode precisar mas há mais de cinquenta anos, por do- com Maria da Conceição Fernandes, não descrito na Conservatória
bloco sul, descrito na conservatória do Registo Predial de Bragança
ação meramente verbal de José Luis Cangueiro e mulher Ana do Registo Predial de Miranda do Douro e inscrito na respectiva ma-
sob o n° 331, sob o art° 4096
Joaquina Martins, já falecidos, residentes que foram na indica- triz em nome do justificante marido sob o artigo 7798, com o valor
patrimonial tributário e atribuído de €26,83. Que o mencionado pré- 1° Juízo (2ª e última publicação) PENHORADO A:
da freguesia de Palaçoulo, mas não dispõe de qualquer título
dio foi por eles adquirido, em data que não sabem precisar mas do Praça Prof. Cavaleiro de Ferreira - 5301-860 Bragança EXECUTADO: António André Rodrigues Soeiro, estado civil:
formal para os registar na conservatória. Que, no entanto, a sua
ano de mil novecentos e oitenta e três, por doação verbal feita por Teles: 273310000 Fax: 273326046 Casado(a), Identificação fiscal: 162722605, Endereço: Rua da Fa-
representada, entrou desde essa altura na posse e fruição dos
sua mãe e sogra, Maria José Cangueiro, viúva, já falecida e ao tempo Mail: braganca.tc@tribunais.org.pt mácia, 23, 5300-604 Izeda É fiel depositário, Maria de Lurdes Olei-
mencionados prédios, nomeadamente, limpando-os, desbastan-
do-os, cultivando-os, colhendo os seus frutos e pagando os res- residente na indicada freguesia de Palaçoulo, Prado Gatão, mas não ro Martins Rodrigues Soeiro, NIF - 162722613, BI - 982790, Ende-
pectivos impostos, com ânimo de quem exercita direito próprio, dispõem de qualquer título formal para o registar na conservatória. Anúncio reço: Rua Correia Araújo, N° 12, Bragança, 5300-000 Bragança
de boa fé, por ignorar lesar direito alheio. Que, esta posse tem Que, no entanto, entraram desde essa altura na posse e fruição do obrigado a mostrar os bens a quem pretenda examiná-los, mas pode
sido exercida, por aquela Fábrica da Igreja, sem interrupção, mencionado prédio, nomeadamente, limpando-o, desbastando-o, Processo: 1528/03.6TBBGC fixar as horas em que, durante o dia, facultará a inspecção, tornan-
de forma ostensiva, â vista de toda a gente e sem violência ou cultivando-o, colhendo os seus frutos e pagando os respectivos im- Execução Comum (Of. Justiça) do-as conhecidas do público por qualquer meio.
oposição de quem quer que seja, de forma correspondente ao postos, com ânimo de quem exercita direito próprio, de boa fé, por N/Referência: 1490747 Data: 06-04-2010 PENHORADO EM: 04-01-2005 00:00:00, AVALIADO EM: €
exercício do direito de propriedade. Que, assim, a posse públi- ignorar lesar direito alheio. Que, esta posse tem sido exercida sem Exequente: Motomorais Lda. 40.000,00
ca, pacífica, contínua e em nome próprio dos citados imóveis interrupção, de forma ostensiva, à vista de toda a gente e sem violên- Executado: António André Rodrigues Soeiro e outro(s)... CREDOR: A CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS. Estado civil: Ca-
desde há mais de cinquenta anos, conduziu à aquisição, pela sua cia ou oposição de quem quer que seja, de forma correspondente ao sado. Endereço: AV. JOÃO XX I, 63, 1000-300 - LISBOA e
representada, dos mencionados prédios por usucapião, que em exercício do direito de propriedade. Que, assim, a posse pública, pa- Agente de Execução (O.J.): Manuel Preto, Endereço: Tribunal Ju- Instituto de Segurança Social, I.P.
nome da “Fábrica da Igreja de São Miguel de Palaçoulo”, ex- cífica, continua e em nome próprio do citado imóvel desde o ano de dicial da Comarca de Bragança, Praça Cavaleiro de Ferreira VALOR ANUNCIAR PARA A VENDA 70% DO VALOR DA
pressamente invoca para justificar o seu direito de propriedade mil novecentos e oitenta e três, conduziu à aquisição do mencionado Nos termos do disposto no artigo 890° do Código de Processo Ci- AVALIAÇÃO.
para fins de registo. Está conforme o original o que certifico. prédio por usucapião, que expressamente invocam para justificar o vil, anuncia-se a venda dos bens adiante indicados, relativamente ao Nota: No caso de venda mediante proposta em carta fechada, os
seu direito de propriedade para fins de registo. Esta conforme o ori- processo supra identificado, de que foi designado o dia 19/05/2010, proponentes devem juntar à sua proposta, como caução, um cheque
Miranda do Douro, 20 de Abril de 2010. ginal o que certifico. pelas 14:00 horas , no local indicado, para se proceder á abertura de visado, à ordem da secretaria, no montante correspondente a 20%
A Segunda Ajudante, propostas, que sejam entregues até esse momento nesta Secretaria, do valor base dos bens ou garantia bancária no mesmo valor (n° 1
em exercício de funções notariais, Miranda do Douro, 22 de Abril de 2010. pelos interessados na compra dos bens que adiante se descrevem. ao Art° 897° do CPC).
(Maria Adelaide Gomes Parreira) A Segunda Ajudante, Agente de Execução
(Maria Adelaide Gomes Parreira) DESCRIÇÃO:
TIPO DE BEM: Imóvel

34 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

to Parreira, Francisco Amândio Neto, e Albino Maria Cláudio, já generalidade das pessoas que vivem na freguesia onde se situam os
Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703
todos faleceram. prédios, e tudo isto por lapso de tempo superior a vinte anos.
de 27 de Abril de 2010 de 27 de Abril de 2010
Cinco – Três quintos indivisos do prédio rústico, sito em Chãs, na Que esta posse em nome próprio, de boa fé, pacífica, contínua e
indicada freguesia de Meirinhos, composto de cultura arvense, com pública, desde há mais de vinte anos, conduziu à aquisição dos
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO área de nove mil duzentos e cinquenta metros quadrados, a con- identificados bens imóveis por usucapião figura jurídica que ex-
NOTÁRIA: FATIMA MENDES frontar de norte com Moisés Manuel Rato, de sul com Armando pressamente invocam, para estabelecimento de novo trato sucessi-
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO Cordeiro, de nascente com caminho e de poente com Francisco vo quanto aos prédios que se mostram registados, bem como para
Fernandes, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 201 da secção primeira inscrição da referida parte indivisa do prédio que não se
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia vinte de Abril de H, com o valor patrimonial correspondente à fracção de 12,14€ e encontra descrito na citada Conservatória do Registo Predial, por
dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Palácio o atribuído de trezentos euros, não descrito na Conservatória do não poderem fazer prova do seu direito de
da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 29 a fis. Registo Predial de Mogadouro, a cuja área pertence. propriedade pelos meios extrajudiciais normais, dado o referido
32, verso, do livro de notas para escrituras diversas número Sessen- Que a restante parte deste prédio pertence a Manuel Joaquim Lou- modo de aquisição.
ta e oito, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual compa- renço e a Francisco Fernandes, casados, residentes no dito lugar de Está conforme o original, na parte transcrita, o que certifico. EXTRACTO
receram como outorgantes, MOISÉS MANUEL RATO, NIF 145 São Pedro, pessoas com quem têm vindo a exercer a posse sobre o Mogadouro e Cartório Notarial,
878 180, e mulher DULCE DE FÁTIMA VENÂNCIO, NIF 145 identificado prédio. em 20 de Abril de 2010. Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por
878 171, casados sob o regime da comunhão de adquiridos, ambos Que somam os identificados bens imóveis o valor patrimonial de A Notária, escritura de hoje, exarada de folhas oitenta e cinco a oitenta e
naturais da freguesia de Meirinhos, concelho de Mogadouro, resi- 356,87€ e o total atribuído de mil e duzentos euros. Que apesar de Fátima Mendes sete do respectivo livro número cento e cinquenta e seis, FILIPE
dentes na Rua Abade Braçal, número 40, nesta vila de Mogadouro, a aquisição dos prédios identificados nas verbas um, dois, três e
CÂNDIDO TURIEL RODRIGUES, NIF 212 901 150, e mulher
os quais declararam: quatro, descritos na Conservatória do Registo Predial competente,
ALEXANDRINA MARIA RIBEIRO TRIGO DA SILVA RODRI-
Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem se encontrar registada conforme referido a favor dos referidos Júlio
GUES, NIF 214 487 253, casados sob o regime da comunhão de
dos seguintes bens imóveis, todos sitos na freguesia de Meirinhos, Augusto Parreira, Francisco Amãndio Neto e Albino Maria Cláu-
Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 adquiridos, naturais, ele de França, ela da freguesia de Bragança
concelho de Mogadouro: dio, respectivamente, actualmente já falecidos, todos os bens iden-
tificados nesta escritura pertencem efectivamente aos justificantes, de 27 de Abril de 2010 (Sé), concelho de Bragança, residente na Avenida Brigadeiro Fi-
Um — Prédio rústico, sito em Chãs, composto de terra de cultura
em virtude de os terem adquirido, já no estado de casados, do modo gueiredo Sarmento, Lote 60, 5º Esqº, em Bragança;
arvense, com área de quatro mil e quinhentos metros quadrados, a
seguinte: Por volta do ano de mil novecentos e oitenta e oito, por- Que, com exclusão de outrem, é dono e legítimo possuidor dos pré-
confrontar de nascente com Américo Roca, de poente com Fran- CPN 4020
tanto há mais de vinte anos, adquiriram o prédio identificado em dios a seguir identificados:
cisco Fernandes, de norte com António Rato, e de sul com António Dalila Moreiras
primeiro lugar por compra meramente verbal que fizeram a Alcino A) Localizados na freguesia de Aveleda, concelho de Bragança:
Marcos, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 205 da secção H, A Solicitadora de Execução
com o valor patrimonial de 4,90€, e atribuído de cento e cinquenta dos Santos Rato e mulher Maria Cândida Parreira, residentes no número um - prédio rústico, composto de terra de pastagem, sito
euros, descrito na Conservatória do Registo Predial de Mogadouro lugar de São Pedro, da mencionada freguesia de Meirinhos, sendo em “Val de Nozedo”, com a área de novecentos e noventa metros
sob o número dezasseis mil quinhentos e setenta e dois, a folhas ela actualmente falecida, que por sua vez o haviam adquirido por Anúncio (2ª e última publicação) quadrados, a confrontar de norte e poente com caminho, sul e nas-
cento e sessenta e nove, verso, do Livro B — Quarenta e um, onde partilha meramente verbal a que com os demais interessados pro- cente com António Manuel Alves, inscrito na respectiva matriz sob
se mostra registada a respectiva aquisição a favor Júlio Augusto cederam por óbito do dito Júlio Augusto Parreira, titular inscrito; Dalila Moreiras Cédula Profissional 4020, Solicitadora de Execu- o artigo 2441, com o valor patrimonial tributário de € 2,51 e o atri-
Parreira, casado com Júlia de Jesus Caetano, residente no lugar de Em dia e mês que não podem precisar, do ano de mil novecentos ção nos autos acima identificados, com Escritório na Av. João Da buído de dez euros;
São Pedro, na freguesia de Meirinhos, concelho de Mogadouro, e setenta e seis compraram, por acordo meramente verbal, o pré- Cruz, n.º 152 - 2º Esq. Frt., em Bragança, faz saber que foi designa- número dois - prédio rústico, composto de terra de pastagem e
pela inscrição número mil duzentos e vinte e sete, a folhas quaren- dio identificado na verba número dois a António José Parreira e do o dia 10 de Maio de 2010, pelas 09:00 horas, no Tribunal Judi- carrascos, sito em “Val de Nozedo”, com a área de quatrocentos
ta, verso, do Livro G — três; mulher Maria Cândida Roca, residentes que foram na dita fregue- cial de Miranda do Douro, sito na Rua do Paço - Palácio da Justiça, e cinquenta metros quadrados, a confrontar de norte com Junta de
Dois — Prédio rústico, sito em Chãs, na composto de terra de cul- sia de Meirinhos, actualmente ambos falecidos, que por sua vez o para a abertura de propostas em carta fechada, que sejam entregues Freguesia, sul e poente com Manuel António Anes e nascente com
tura arvense, com área de mil seiscentos e oitenta e sete metros qua- haviam adquirido por doação apenas verbal que lhes foi feita pelo até esse momento, na Secretaria deste Tribunal, pelos interessados Humberto do Nascimento Lopes, inscrito na respectiva matriz sob
drados, a confrontar de nascente com caminho, e de poente, norte dito Júlio Augusto Parreira; Em meados do ano de mil novecentos na compra do(s) seguinte(s) bem/bens: o artigo 2458, com o correspondente valor patrimonial tributável de
e sul com Júlio Parreira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo e oitenta e nove compraram o prédio identificado na verba número Bem imóvel penhorado em 02/06/2009: Prédio em regime de Pro. € 1,39 e o atribuído de quarenta euros;
199 da secção H, como valor patrimonial de 1,89€ e atribuído de três, também apenas de forma verbal, a Sérgio Augusto Venâncio, Total sem andares nem div. Susc. de utilização independente, des- número três - prédio rústico, composto de terra de pastagem, sito
cinquenta euros, descrito na Conservatória do Registo Predial de casado e a Rogério Manuel Venâncio, casado, ambos residentes tinado a habitação composto por R/C com um quarto, corredor e em “Seixas”, com a área de quatrocentos e cinquenta metros qua-
Mogadouro sob o número dezasseis mil e catorze, a folhas oitenta e na freguesia e concelho de Mogadouro, que por sua vez o haviam um quintal e 1º andar com uma cozinha e 3 divisões. Situ na Rua drados, a confrontar de norte com David Rodrigues Centeno, sul
nove, verso do Livro B — Quarenta, mostrando-se registada a sua comprado alguns anos antes ao titular inscrito, Francisco Amândio com Manuel António Cavaleiro, nascente com Floresta e poente
do Amador na freguesia de Duas Igrejas, concelho de Miranda do
aquisição a favor do dito Júlio Augusto Parreira, casado, residente Neto, actualmente falecido; Por volta de mil novecentos e oitenta e com Rio Igrejas, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 2800,
Douro. Com uma área de superficie coberta de 15 m2 e quintal com
no lugar de São Pedro, na dita freguesia de Meirinhos, pela inscri- seis, compraram o prédio identificado na verba número quatro, por com o valor patrimonial tributável de € 1,13 e o atribuído de dez
100 m2. Descrito na Conservatória do Registo Predial de Miranda
ção número mil e setenta e oito, a folhas doze, verso e seguinte, do acordo simplesmente verbal, a Artur Ribeiro e mulher Ester Mo- euros; e
do Douro sob o n.º 610 e inscrito no Serviço de Finanças de Mi-
Livro G — três; reiras, residentes em Valverde, deste concelho, tendo por sua vez B) Localizado na freguesia de Quintanilha, concelho de Bragança:
randa do Douro sob o artigo matricial 1023, com valor Patrimonial
Três - Prédio rústico, sito em Fieiteira, composto de terra de cultura sido por estes adquirido por doação que lhes foi feita pelo irmão Número quatro - prédio rústico, composto de terra de pastagem e
desta última, Adriano do Nascimento Moreiras que anteriormente o de 3.551,12 euros.
arvense com oliveiras, com área de mil trezentos e setenta e cinco pinhal, sito em “Vinhola de Baixo”, com a área de dois mil metros
havia comprado também apenas verbalmente aos titulares inscritos; Os bens pertencem aos executados Lázaro Augusto Martins e
metros quadrados, a confrontar de nascente com caminho público, quadrados, a confrontar de norte com António Granjo, sul com Au-
e por último; e Isaura Maria Branco Martinho Martins, com domícilio em Rua
de poente e sul com Belmiro Rito e de Norte com Cacilda Rato, gusto do Nascimento Clérigo, nascente com Salvador Pinto Leal e
Os três quintos indivisos do prédio identificado na verba cinco foi do Amador, Nº 13 - Duas Igrejas, 5210-052 Miranda do Douro.
inscrito na respectiva matriz sob o artigo 327 da secção M, com o poente com Diamantino Gago, inscrito na respectiva matriz sob o
por compra verbalmente feita em dia e mês que não podem preci- Valor base da venda: 24.000,00 €
valor patrimonial de 3,77€ e atribuído de cento e cinquenta euros, artigo 5290, com o valor patrimonial tributável de € 3,65 e o atribu-
sar, do ano de mil novecentos e oitenta e nove, portanto há mais de Será aceite a proposta de melhor preço acima do valor 16.800,00 €,
descrito na Conservatória do Registo Predial de Mogadouro sob o ído de dez euros;
número catorze mil quinhentos e doze, a folhas cento e trinta e qua- vinte anos também, a Serafim dos Anjos Cláudio e mulher Etelvi- correspondente a 70% do valor base.
É fiel depositário: o(a) Executado(a) Lázaro Augusto Martins. não descritos na Conservatória do Registo Predial deste concelho,
tro, do Livro B – Trinta e seis, onde se mostra registada a aquisição na Parreira, e a Alcino dos Santos Rato e mulher Maria Cândida
Modalidade da venda: Venda mediante proposta em carta fecha- conforme certidão que da mesma apresenta.
do mesmo a favor de Francisco Amândio Neto, casado, residente Parreira, todos residentes no dito lugar de São Pedro, sendo esta
última já falecida; da. Consigna-se que as propostas a apresentar deverão especificar Que os identificados prédios foram-lhe doados no ano de mil no-
no lugar das Quintas das Quebradas, freguesia de Castelo Branco,
Que no entanto, conforme referido, todas as ditas transmissões no exterior do envelope a referência ao processo a que se destinam, vecentos e oitenta e nove, ainda no estado de solteiro, por Arminda
deste concelho, pela inscrição número setecentos e setenta e dois, a
foram apenas verbais, inexistindo portanto quaisquer escrituras bem como a indicação ou menção de se tratar de uma proposta para Alice Afonso Martinho, residente na aludida freguesia de Aveleda,
folhas cento e cinquenta e seis, verso, do Livro G – Dois; _
que as comprovem, pelo que, os justificantes não são detentores de venda e no interior do envelope deverá vir uma fotocópia do Bilhete por contrato de doação meramente verbal, nunca tendo chegado a
Quatro - Prédio rústico, sito em Gricha do Rio, composto de amen-
qualquer título formal que legitime o seu direito e domínio sobre os de Identidade e Cartão de Contribuinte do proponente (no caso de realizar a necessária escritura pública.
doal e oliveiras, com área de dois mil e novecentos metros quadra-
dos, a confrontar de nascente e sul com Belmiro Rito, e de poente bens imóveis acima identificados. pessoa singular) ou de cópia do cartão de pessoa colectiva (no caso Que, assim, não é detentor de qualquer título formal que legitime o
e norte com caminho, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 224 Que apesar de nunca terem realizado as respectivas escrituras de de empresa). Deverá ainda a proposta ser acompanhada de cheque domínio dos mencionados prédios.
da secção M, com o valor patrimonial de 24,01€ e atribuído de qui- compra e venda, deste modo e desde as aludidas datas passaram os visado (por cada verba, se a proposta for para várias verbas), à or- Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil no-
nhentos e cinquenta euros, descrito na Conservatória do Registo justificantes a possuir os citados bens imóveis, no pleno gozo das dem do Agente de Execução, como caução, no montante correspon- vecentos e oitenta e nove, passou a usufruir os referidos terrenos,
Predial de Mogadouro sob o número dezasseis mil quinhentos e utilidades por eles proporcionadas, nomeadamente neles lavrando, dente a 20 % do valor anunciado para a venda, ou garantia bancária gozando de todas as utilidades por eles proporcionadas, começando
setenta e cinco, a folhas cento e setenta e uma, do Livro B – Qua- semeando, plantando, tratando, limpando, cultivando, colhendo os no mesmo valor. Nos termos do nº 5 do artigo 890º do CPC, não se por ocupá-los, limpando-os, cultivando-os, colhendo os seus frutos
renta e um, onde se mostra registada a respectiva aquisição a favor respectivos frutos, designadamente cereal, batata, azeitona, amên- encontra pendente nenhuma oposição à execução ou à penhora. e produtos, e efectuando diversas benfeitorias, designadamente o
de Albino Maria Cláudio, viúvo, residente no lugar de São Pedro, doa e lenha, considerando-se e sendo considerados como seus melhoramento das suas vedações, agindo assim sempre com âni-
da mencionada freguesia de Meirinhos, deste concelho, pela inscri- únicos donos, na convicção de que não lesavam quaisquer direitos A Solicitadora de Execução, mo de quem exerce direito próprio, na convicção de tais prédios
ção número mil duzentos e trinta e oito, a folhas quarenta e duas, de outrem, tendo a sua actuação e posse sido contínua, de boa fé, Dalila Moreiras lhe pertencerem e de ser o seu verdadeiro dono, como tal sendo
do Livro G – três. pacífica porque sem violência, sem oposição de quem quer que fos- reconhecido por toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorar lesar
Que têm perfeito conhecimento que os mencionados Júlio Augus- se, à vista de toda a gente, ostensivamente e com conhecimento da direito alheio, pacificamente, porque sem violência, contínua e pu-
blicamente, à vista e com o conhecimento de todos e sem oposição
de ninguém.
Que dadas as enunciadas características de tal posse, da forma indi-
Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 cada vem exercendo há mais de vinte anos, adquiriu o domínio dos
com caminho, de sul, nascente e poente com António Francisco Porfírio Jorge Dinis, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 737 ditos prédios por usucapião, título esse que, por sua natureza, não é
de 27 de Abril de 2010
Ventura, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1702 com o valor com o valor patrimonial de 17.710,13€, e atribuído de dezassete mil susceptível de ser comprovado por meios normais.
patrimonial de 14,66€, e atribuído de trezentos euros; setecentos e vinte euros. Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para
CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO Seis - Prédio rústico, sito em Meloal, composto de terra de centeio Que, com excepção do prédio identificado na verba número nove fins de primeira inscrição no registo predial.
NOTARIA: FÁTIMA MENDES com oliveiras, com área de mil quatrocentos e sessenta e oito me- que se encontra descrito na Conservatória do Registo Predial de
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO tros quadrados, a confrontar de norte com Amadeu Joaquim Ama- Torre de Moncorvo, conforme mencionado na referida verba em Está conforme.
ral, de sul e poente caminho, e de nascente com António Francisco que se identifica, nenhum dos prédios supra identificados se en- Bragança, 16 de Março de 2010.
Certifico, para efeitos de publicação, que no dia dezanove de Ventura, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 1703 com o valor contra descrito na Conservatória do Registo Predial de Torre de A colaboradora autorizada,
Abril de dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito patrimonial de 6,14€, e atribuído de cento e cinquenta euros; Moncorvo, a cuja área pertencem, somam o valor patrimonial de (Elisabete Maria C. Melgo)
no Palácio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de Sete - Prédio rústico, sito em Piocas, composto de terra de centeio, 19.629,93€ e o atribuído de vinte e três mil e trezentos euros.
fls. 24 a fls. 28, do livro de notas para escrituras diversas número com área de vinte mil duzentos e vinte e três metros quadrados, a Que os referidos bens imóveis vieram à posse do justificante, seu
Sessenta e oito, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual confrontar de norte e poente com Manuel Luciano Seixas, de sul representado, ainda no estado de solteiro, maior, por volta do ano
compareceram como outorgantes, JOSÉ ALBERTO DOS SAN- com Manuel António Pimentel, e de nascente com ribeiro, inscrito de mil novecentos e oitenta e oito, tendo os bens imóveis identifi-
TOS PEREIRA, casado, natural da freguesia de Massarelos, con- ria respectiva matriz sob o artigo 685, com o valor patrimonial de cados nas verbas números um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete,
celho do Porto, residente na Rua Pinhal do Rei Velho, na freguesia 18,26€, e atribuído de trezentos e sessenta euros; oito e nove vindo à sua posse por doação meramente verbal que
de Larinho, concelho de Torre de Moncorvo, titular do Bilhete de Oito - Prédio rústico, sito em Boqueirais, composto de olival com lhe foi feita no dito ano de mil novecentos e oitenta e oito, por Ma-
Identidade número 11580083 de 15/11/2007, emitido pelos SIC de amendoeiras e figueiras, com área de três mil duzentos e sessenta nuel José Dinis e mulher Maria Palmira Pina, seus pais, residentes
Bragança, outorgando na qualidade de procurador, em representa- metros quadrados, a confrontar de norte com António Francisco na referida freguesia de Larinho; e tendo os prédios identificados
ção de JOSÉ ALBERTO DINIS, NIF 197 883 419, casado sob o Ventura, de sul com herdeiros de Álvaro José Leonardo, de nascen- nas verbas números dez, onze e doze, sido verbalmente comprados
regime da separação de bens com Isabel Maria Rodrigues Almeida te com Ernesto José de Seixas, e de poente com caminho, inscrito por volta do ano de mil novecentos e oitenta e nove a Maria Júlia
Correia, natural da dita freguesia de Larinho, residente na Rua de na respectiva matriz sob o artigo 1707 com o valor patrimonial de Cardanha, solteira, maior e residente que foi da referida freguesia
São Paulo, número 1 — A, segundo andar esquerdo, na freguesia 52,37€, e atribuído de seiscentos e noventa euros; do Larinho, actualmente falecida; não tendo nunca porém sido ce-

À terça-feira
da Matriz, concelho da Horta, no uso dos poderes que lhe foram Nove - Metade indivisa do prédio rústico, sito em Vale Estercado, lebradas as competentes escrituras de doação e compra e venda,
conferidos pela procuração que apresentou e arquivo, tendo nessa composto respectivamente.
qualidade declarado: de terra de trigo e pastagem, com área de três mil quinhentos e vinte Que assim, o justificante, possui os ditos bens imóveis há mais de
Que o seu representado é dono e legítimo possuidor, com exclusão e oito metros quadrados, a confrontar de norte e poente com herdei- vinte anos, em nome próprio, na convicção de ser o único dano

nas Bancas
de outrem, dos seguintes bens imóveis, todos sitos na freguesia de ros de Álvaro José Leonardo, de sul com António Maria Gomes e e plenamente convencido de que não lesava quaisquer direitos de
LARINHO, Concelho de Torre de Moncorvo: irmãos, e de nascente com Basílio Benjamim Belchior, descrito na outrem, à vista de toda a gente e sem a menor oposição de quem
Um — Prédio rústico, sito em Malhadinha, composto de terra de Conservatório do Registo Predial de Torre de Moncorvo sob o nú- quer que fosse, desde o início dessa posse e composse, a qual sem-
centeio e pastagem, com área de vinte e três mil e cem metros qua- mero sessenta e sete - Larinho, não se mostrando porem registada pre exerceu sem interrupção, gozando todas as utilidades por eles
drados, a confrontar de norte com Maria Cândida Santana, e de sul, a aquisição da dita metade indivisa a favor de ninguém, inscrito na proporcionadas, com o ânimo de quem exerce direito próprio, no-
nascente e poente com caminho, inscrito na respectiva matriz sob o respectiva matriz sob o artigo 384 com o valor patrimonial corres- meadamente lavrando e/ou mandando lavrar os prédios rústicos,
artigo 1441 com o valor patrimonial de 52,52€, e atribuído de mil pondente à fracção de 23,65€, e atribuído de trezentos euros; tratando e colhendo os respectivos frutos, designadamente azei-
e quarenta euros; Que a restante parte do identificado prédio pertence aos herdeiros tona, amêndoa e lenha, e nos prédios urbanos
Dois — Prédio rústico, sito em Malhadinha, composto de terra de de António Maria Gomes, residente que foi na dita freguesia do procedendo a obras de reparação e conservação,
centeio, com área de quatro mil oitocentos e sessenta metros qua- Larinho, pessoas com quem tem vindo a exercer a posse sobre o como substituição do telhado e de outros elemen-
drados, a confrontar de norte e nascente com caminho, e de sul e dito prédio. tos danificados, melhorando-os com benfeitorias
poente com Ramiro Xavier da Fonte Fernandes Salgado, inscrito Dez - Prédio urbano, sito em Pinhal do Rei Velho, na dita freguesia diversas, neles guardando os seus haveres, pro-
na respectiva matriz sob o artigo 1442 com o valor patrimonial de de Larinho, composto de casa de rés do chão com logradouro, com dutos e alfaias agrícolas, veículos automóveis e
16,46€, e atribuído de trezentos e trinta euros; área coberta de quarenta e seis metros quadrados, e descoberta de os demais pertences seus, procedendo em todos
Três - Prédio rústico, sito em Fontelas, composto de terra de cen- oitenta e seis metros quadrados, a confrontar de norte com António a diversos actos de limpeza e praticando de res-
teio e pastagem com oliveiras e amendoeiras, com área de onze dos Santos Póvoa, de sul com António Ferreira, e de nascente e to os demais actos de uso, fruição e defesa dos
mil quinhentos e noventa e seis metros quadrados, a confrontar de poente com Manuel José Dinis, inscrito na respectiva matriz sob mesmos, à vista de toda a gente e portanto de
norte com Rio Sabor, de sul e nascente com Duarte do Nascimento o artigo 446, com o valor patrimonial de 723,66€, e atribuído de eventuais interessados, tudo como fazem os ver-
e irmã, e de poente com Manuel António Esteves, inscrito na res- setecentos e cinquenta euros; dadeiros donos, sendo por isso uma posse de boa
pectiva matriz sob o artigo 1626 com o valor patrimonial de 25,89€, Onze - Prédio urbano, sito em Pinhal do Rei Velho, na dita fregue- fé, pacífica, contínua e pública, pelo que, dadas
e atribuído de quinhentos e dez euros; sia de Larinho, composto de casa de rés do chão com logradouro, as enumeradas características de tal posse, o jus-
Quatro - Prédio rústico, sito em Capa Longa, composto de terra de com área coberta de cento e vinte e seis metros quadrados, e desco- tificante adquiriu por usucapião os referidos bens
pastagem com oliveiras, com área de dez mil e oitocentos metros berta de quinze metros quadrados, a confrontar de norte com Antó- imóveis, figura jurídica que invoca, por não poder
quadrados, a confrontar de norte com Amadeu Joaquim Amaral, de nio dos Santos Póvoa, de sul com caminho e António Ferreira, de fazer prova do seu direito de propriedade, pelos
sul com Eleutério Augusto Póvoa, de nascente com António Fran- nascente com Manuel José Dinis, e de poente com Abílio Esperto e meios extrajudiciais normais, dado o referido
cisco Ventura, e de poente com António Augusto Morgado, inscrito caminho, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 448, com o valor modo de aquisição.
na respectiva matriz sob o artigo 1654 com o valor patrimonial de patrimonial de 980,05€, e atribuído de mil euros; e Está conforme o original, na parte transcrita, o
6,14€, e atribuído de cento e cinquenta euros; Doze - Prédio urbano, sito em Pinhal do Rei Velho, na dita fregue- que certifico.
Cinco - Prédio rústico, sito em Meloal, composto de terra de pasta- sia de Larinho, composto de garagem e arrumos, com área coberta Mogadouro e Cartório Notarial,
gem com oliveiras, amendoeiras, uma árvore de lenha e figueiras, de sessenta e oito metros quadrados, a confrontar de norte e nas- em 19 de Abril de 2010.
com área de dois mil e cem metros quadrados, a confrontar de norte cente com Manuel José Dinis, sul com caminho, e de poente com A Notária, Fátima Mendes

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 35


PUBLICIDADE

Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703
de 27 de Abril de 2010 de 27 de Abril de 2010 de 27 de Abril de 2010 de 27 de Abril de 2010

CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO


NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES
EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO

Certifico, para efeitos de publicação, que no dia dezanove de Abril


de dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Pa-
lácio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 19 a EXTRACTO
EXTRACTO fls. 21, do livro de notas para escrituras diversas número Sessenta e EXTRACTO
oito, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual comparece- Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por escri-
Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- ram como outorgantes, MARTINHO JOSÉ COSTA, NIF 139 877 Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por es- tura de hoje, exarada de folhas quarenta a quarenta e duas do res-
critura de hoje, exarada de folhas vinte a vinte e uma do respectivo 860, e mulher ANA MARIA NETO, NIF 144 230 321, casados sob critura de hoje, exarada de folhas trinta e sete a trinta e nove do pectivo livro número cento e cinquenta e sete, ANTÓNIO ABÍLIO
livro número cento e cinquenta e sete, MARIA IRENE GONÇAL- o regime da comunhão geral de bens, naturais, ele da freguesia de respectivo livro número cento e cinquenta e sete, MARIA DE FÁ- FERREIRA BARREIRA, NIF 186 350 163, casado com Maria
VES TOMÉ, NIF 267 664 796, divorciada, natural da freguesia de Azinhoso, e ela da freguesia de Vale da Madre, ambas o concelho TIMA MORAIS LEÇA, NIF 111 109 248, e marido JOAQUIM Matilde Afonso de Carvalho Barreira, NIF 203 992 539, sob o regi-
Vale de Frades, onde reside aquando em Portugal na Estrada de de Mogadouro, residentes no lugar de Zava, da freguesia e conce- FERNANDO ROCHEDO LEÇA, NIF 111 109 256, casados sob me da comunhão de adquiridos, natural da freguesia de Vilar Seco
Avelanoso, concelho de Vimioso, residente habitualmente em 3 lho de Mogadouro, os quais declararam: regime de comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia de Lomba, onde reside na aldeia de Gestosa de Lomba, concelho de
Rue Jules Gerad, 92190 Muedon; Que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, de Salsas, onde residem no Lugar de Vale de Nogueira, concelho Vinhais;
Que, com exclusão de outrem, é dona e legítima possuidora do pré- do seguinte bem imóvel: A terça parte indivisa do prédio rústico, de Bragança; Que, com exclusão de outrem, o seu representado é dono e legíti-
dio urbano, composto de casa de habitação de dois pisos, com a sito em Ribeirinha, na freguesia de Vale de Porco, concelho de Mo- Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores mo possuidor do prédio rústico, composto de terra de horta com
superfície coberta de setenta e dois metros quadrados, sito em “Ca- gadouro, composto de terra de cultura arvense com sobreiros, com dos prédios a seguir identificados, todos localizados na freguesia de videiras, com a área de cento e sessenta e quatro metros quadrados,
sas de Baixo”, freguesia de Vale de Frades, concelho de Vimioso, a área de vinte e seis mil seiscentos e vinte e cinco metros quadra- Salsas, concelho de Bragança: sito em “Seara”, freguesia de Vilar Seco de Lomba, concelho de
confrontar de norte com estrada, sul com rua, nascente com Alzira dos, a confrontar de nascente com Manuel Mamede, de poente com número um – prédio rústico, composto de terra de cultura e casta- Vinhais, a confrontar de norte com Hermesinda Assunção, sul com
Ferreira e poente com caminho, não descrito na Conservatória do caminho, de norte com Filipe Zava, e de sul com Cândido Maria nheiros, sito em “Vale de Cavaleiro”, com a área de mil e trezentos Manuel Rodrigues, nascente com Germano Rodrigues e poente
Registo Predial de Vimioso, conforme certidão que apresenta, mas de Barros, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 38 da secção metros quadrados, a confrontar de norte com António Manuel Vi- com caminho, não descrito na Conservatória do Registo Predial de
inscrito na respectiva matriz sob o artigo 550, com o valor patrimo- A, com valor patrimonial correspondente à fracção de 3,77€ a que deira, sul e nascente com Estrada Nacional e poente com Mariana Vinhais, conforme certidão que da mesma apresentam, mas inscrito
nial tributário de € 4.014,38 e o atribuído de cinco mil euros. atribuem o valor de quinhentos euros, descrito na Conservatória do Anes, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 4259, com o valor na respectiva matriz sob o artigo 6542, com o valor patrimonial
Que o identificado prédio foi-lhe doado no ano de mil novecentos Registo Predial de Mogadouro sob o número Trezentos e oitenta e patrimonial tributável de € 4,65 e o atribuído de dez euros; tributável de € 4,58 e idêntico atribuído.
e setenta e oito, no estado de solteira, tendo posteriormente casado um – Vale de Porco, mostrando-se registada a aquisição da dita ter- número dois – prédio rústico, composto de terra de cultura e pasta- Que o identificado prédio veio à sua posse no ano de mil novecen-
com Simon Henrique sob o regime da comunhão de adquiridos, ça parte indivisa do mencionado prédio a favor de Manuel Joaquim gem, sito em “Casa das Vinhas”, com a área de quatro mil metros tos e setenta e seis, por adjudicação em partilha efectuada com os
actualmente dele divorciada, por José dos Anjos Loureiro Tomé e Martins casado com Ester da Ressurreição Amaro, residente na dita quadrados, a confrontar de norte com Junta de Freguesia, sul e nas- demais interessados por óbito de seus pais, Manuel João Ferreira
Maria Arminda Geraldes Gonçalves, seus pais da justificante, resi- freguesia de Vale de Porco, pela inscrição com a apresentação nú- cente com Estrada Nacional e poente com António Ramos, inscrito e Brízida Gonçalves, residentes que foram na aludida freguesia de
dentes na aludida freguesia de Vale de Frades, por contrato de doa- mero um de sete de Novembro de mil novecentos e sessenta e um. na respectiva matriz sob o artigo 4602, com o valor patrimonial de Vilar Seco de Lomba, nunca tendo chegado a realizar a necessária
ção meramente verbal, nunca tendo chegado a realizar a necessária Que a restante parte do referido prédio também lhes pertence, a € 2,47 e o atribuído de dez euros; e escritura pública.
escritura pública. eles justificantes, mostrando-se registada a seu favor na menciona- número três – prédio rústico, composto de terra de cultura, sito Que, assim, o seu representado não é detentor de qualquer título
Que, assim, não é detentora de qualquer título formal que legitime da Conservatória do Registo Predial nos termos da inscrição com a em “Casa das Vinhas”, com a área de três mil e seiscentos metros formal que legitime o domínio do mencionado prédio.
o domínio do mencionado prédio. apresentação número dois mil trezentos e quarenta e dois de onze quadrados, a confrontar de norte com Manuel Romariz, sul com ca- Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil no-
Que, não obstante isso, logo desde meados desse ano de mil nove- de Fevereiro de dois mil e dez. minho, nascente com Humberto Gonçalves e poente com Luciana vecentos e setenta e seis, passou a usufruir o referido terreno, go-
centos e setenta e oito passou a utilizar a referida casa, gozando de Que apesar da referida terça parte indivisa do identificado prédio Augusto Alves, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 4702, com zando de todas as utilidades por ele proporcionadas, começando
todas as utilidades por ela proporcionadas, guardando nela seus ha- se encontrar registada a favor do referido Manuel Joaquim Martins, o valor patrimonial de € 27,46 e o atribuído de trinta euros; por ocupá-lo, limpando-o, cultivando-o, colhendo os seus frutos e
veres, efectuando regularmente obras de conservação e reparação, pela mencionada inscrição. o dito bem imóvel pertence efectiva- não descritos na Conservatória do Registo Predial deste concelho, produtos, e efectuando diversas benfeitorias, designadamente o me-
como substituição de elementos danificados e de benfeitorização, mente aos justificantes. conforme certidão que da mesma apresentam. lhoramento das suas vedações, agindo assim, sempre com ânimo de
agindo assim, sempre com ânimo de quem exerce direito próprio, Que adquiriram a dita parte indivisa do identificado prédio em fi- Que os identificados prédios foram-lhes doados no ano de mil quem exerce direito próprio, na convicção de tal prédio lhe perten-
na convicção de tal prédio lhe pertencer e de ser a sua verdadeira nais do ano de mil novecentos e sessenta e seis, portanto há muito novecentos e oitenta e um, já no estado de casados, pela forma cer e de ser o seu verdadeiro dono, como tal sendo reconhecido por
dona, como tal sendo reconhecida por toda a gente, fazendo-o de mais de vinte anos, por compra meramente verbal que fizeram ao seguinte: toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorar lesar direito alheio,
boa fé por ignorar lesar direito alheio, pacificamente, porque sem referido Manuel Joaquim Martins e mulher Ester da Ressurreição a) o primeiro e o segundo, por Amadeu Rocha Leça, pai do justi- pacificamente, porque sem violência, contínua e publicamente, à
violência, contínua e publicamente, à vista e com o conhecimento Amaro, ao tempo a residirem no Porto, inexistindo portanto escritu- ficante marido, já falecido, residente que foi no aludido Lugar de vista e com o conhecimento de todos e sem oposição de ninguém.
de todos e sem oposição de ninguém. ra de compra e venda que a comprove, pelo que não são detentores Vale de Nogueira ; e Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da forma
Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da forma de qualquer título formal que legitime o seu direito e domínio sobre b) o terceiro, por Albino de Jesus Morais, pai da justificante mulher, indicada vem exercendo há mais de vinte anos, adquiriu o domínio
indicada vem exercendo há mais de vinte anos, adquiriu o domínio o mencionado bem imóvel. também já falecido, residente que foi no mesmo Lugar de Vale de do dito prédio por usucapião, título esse que, por sua natureza, não
do dito prédio por usucapião, título esse que, por sua natureza, não Que desconhecem se actualmente o titular inscrito é ou não já fale- Nogueira; por contratos de doação meramente verbais, nunca tendo é susceptível de ser comprovado por meios normais.
é susceptível de ser comprovado por meios normais. cido, e portanto qual sua actual residência nem a dos seus eventuais chegado a realizar as necessárias escrituras públicas. Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para
Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para herdeiros, apesar de todas as diligências que fizeram no sentido de Que, assim não são detentores de qualquer título formal que legi- fins de primeira inscrição no registo predial. Está conforme.
fins de primeira inscrição no registo predial. obter tais informações.Que apesar de nunca terem realizado a res- time o domínio dos mencionados prédios.Que, não obstante isso,
Está conforme. pectiva escritura de compra e venda, desde o referido ano passaram logo desde meados desse ano de mil novecentos e oitenta e um, Bragança, 22 de Abril de 2010.
os justificantes a possuir o citado bem imóvel no pleno gozo das passaram a usufruir os referidos terrenos, gozando de todas as A colaboradora autorizada,
Bragança, 21 de Abril de 2010. utilidades por ele proporcionadas, nomeadamente nele lavrando, utilidades por eles proporcionadas, começando por ocupá-los, lim- (Elisabete Maria C. Melgo)
A colaboradora autorizada, semeando, plantando, tratando, limpando, cultivando, colhendo pando-os, cultivando-os, colhendo os seus frutos e produtos e efec-
(Elisabete Maria C. Melgo) os respectivos frutos, considerando-se e sendo considerados como tuando diversas benfeitorias, designadamente o melhoramento das
seus únicos donos, na convicção de que não lesavam quaisquer di- suas vedações, agindo assim, sempre com ânimo de quem exerce
reitos de outrem, tendo a sua actuação e posse sido continua, de boa direito próprio, na convicção de tais prédios lhes pertencerem e de de Porco, concelho de Mogadouro, composto de cultura arvense,
fé, pacífica porque sem violência, sem oposição de quem quer que serem os seus verdadeiros donos, como tal sendo reconhecidos por com área de dois mil novecentos e sessenta metros quadrados, a
fosse, à vista de toda a gente, ostensivamente e com conhecimento toda a gente, fazendo-o de boa fé por ignorarem lesar direito alheio, confrontar de norte e poente com Acúrcio Paulo, de sul com Mário
da generalidade das pessoas que vivem na freguesia onde se situa o pacificamente, porque sem violência, contínua e publicamente, à Casimiro, e de nascente com Manuel Garnacho, inscrito na respec-
Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703
prédio, e tudo isto por lapso de tempo superior a vinte anos. vista e com o conhecimento de todos e sem oposição de ninguém. tiva matriz sob o artigo 187 da secção A, com o valor patrimonial de
de 27 de Abril de 2010
Que esta posse em nome próprio, de boa fé, pacífica, contínua Que dadas as enunciadas características de tal posse que, da for- 1,13€, e atribuído de duzentos euros, não descrito na Conservatória
e pública, desde há mais de vinte anos, conduziu à aquisição do ma indicada vêm exercendo há mais de vinte anos, adquiriram o do Registo Predial de Mogadouro, a cuja área pertence.
identificado bem imóvel por usucapião figura jurídica que expres- domínio dos ditos prédios por usucapião, título esse que, por sua Que o referido prédio veio à posse do justificante, por volta do ano
samente invocam, para estabelecimento de novo trato sucessivo, natureza, não é susceptível de ser comprovado por meios normais. de mil novecentos e oitenta e cinco, por partilha meramente verbal
por não poderem fazer prova do seu direito de propriedade pelos Que para suprir tal título fazem esta declaração de justificação para a que com os demais interessados procedeu por óbito da sua mãe,
meios extrajudiciais normais, dado o referido modo de aquisição. fins de primeira inscrição no registo predial. Está conforme. Maria de Jesus Sena, viúva e residente que foi na dita freguesia de
Foi efectuada a notificação do titular inscrito, e/ou a de seus eventu- Vale de Porco, não tendo nunca porém sido formalizada a compe-
ais herdeiros, exigida pelo artigo 99º do Código do Notariado. Está Bragança, 22 de Abril de 2010. tente escritura de partilha.
conforme o original, na parte transcrita, o que certifico. A colaboradora autorizada, Que assim, o justificante possui o dito prédio há mais de vinte anos,
EXTRACTO (Elisabete Maria C. Melgo) em nome próprio, na convicção de ser o único dono e plenamente
Mogadouro e Cartório Notarial, convencido de que não lesa quaisquer direitos de outrem, à vista
Certifico, narrativamente, para efeitos de publicação, que por escri- em 19 de Abril de 2010. de toda a gente e sem a menor oposição de quem quer que fosse
tura de hoje, exarada de folhas dezasseis a dezassete do respectivo A Notária, Fátima Mendes desde o início dessa posse, a qual sempre exerceu sem interrupção,
livro número cento e cinquenta e sete, JOSÉ MANUEL DIAS PE- gozando todas as utilidades por ele proporcionadas, com o ânimo
Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703
REIRA, NIF 182 176 312, e mulher MARIA DO NASCIMENTO de quem exerce direito próprio, nomeadamente nele lavrando, plan-
de 27 de Abril de 2010
MIRANDEZ, NIF 182 176 304, casados sob o regime da comunhão tando, semeando, tratando e colhendo os respectivos frutos, nome-
de adquiridos, naturais, ele da freguesia de Mós, onde residem no CARTÓRIO NOTARIAL DE MOGADOURO adamente cereal, cortando mato, silvas e lenha, e procedendo a
Lugar de Paçó de Mós, ela da freguesia de Paradinha Nova, ambas Jornal Nordeste - Semanário regional de informação nº 703 NOTÁRIA: FÁTIMA MENDES outros actos de limpeza, usufruindo de resto de todos os proventos
do concelho de Bragança; Que, com exclusão de outrem, são donos de 27 de Abril de 2010 EXTRACTO PARA PUBLICAÇÃO e utilidades proporcionados pelo referido prédio, praticando assim
e legítimos possuidores dos prédios a seguir identificados, ambos os mais diversos actos de uso, fruição e defesa do mesmo, à vista de
localizados na freguesia de Mós, concelho de Bragança: Cartório Notarial de Miranda do Douro Certifico, para efeitos de publicação, que no dia vinte e um de Abril toda a gente e portanto de eventuais interessados, tudo como fazem
número um - prédio rústico, composto de terra de cultura, sito em de dois mil e dez, no Cartório Notarial de Mogadouro, sito no Pa- os verdadeiros donos, sendo por isso uma posse de boa fé, pacífica,
“Rebolale”, com a área de quatro mil metros quadrados, a confron- Certifico narrativamente, para efeitos de publicação, que no dia lácio da Justiça, na freguesia e concelho de Mogadouro, de fls. 35 contínua e pública, pelo que, dadas as enumeradas características
tar de norte com José Joaquim Paula, sul e poente com Junta de de hoje, neste Cartório Notarial, foi lavrada uma escritura de a fls. 36, verso, do livro de notas para escrituras diversas número de tal posse, adquiriu por usucapião o identificado prédio, figura
Freguesia e nascente com César Augusto Paula, inscrito na respec- Justificação, exarada de folhas 75 a 76 v° do respectivo livro n° Sessenta e oito, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual jurídica que invoca, por não ter documentos que lhe permitam fa-
tiva matriz sob o artigo 2844, com o valor patrimonial tributável de 103-C, em que foram justificantes: Manuel Tomé Afonso, N.I.F. compareceu como outorgante, ARLINDO DO NASCIMENTO zer prova do seu direito de propriedade, pelos meios extrajudiciais
€ 9,43 e o atribuído de dez euros; e 148 653 308 e mulher Juventude Rosa Topa, N.I.F. 187 226 296, GERALDES, NIF 151 174 784, solteiro, maior, natural da fregue- normais, dado o seu referido modo de aquisição. Está conforme o
número dois - prédio rústico, composto de terra de cultura, sito em casados sob o regime da comunhão geral, naturais ela da freguesia sia de Vale e Porco, do concelho de Mogadouro, onde habitual- original, na parte transcrita, o que certifico.
“Lameira Longa”, com a área de mil e trezentos metros quadrados, de Palaçoulo e ele da freguesia de Vila Chã da Braciosa, onde mente reside, e temporariamente a residir na freguesia de Travanca,
a confrontar de norte com João Miguel Alves, sul com Manuel Al- residem na Rua da Lagoa n° 6, Fonte de Aldeia, todas do conce- deste concelho, o qual declarou: Mogadouro e Cartório Notarial,em 21 de Abril de 2010.
ves Ferreira, nascente com João Baptista Alves e poente com José lho de Miranda do Douro e disseram: Que, são donos e legítimos Que é dono e legítimo possuidor, com exclusão de outrem, do A Notária,
Luís Alves, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 2733, com o possuidores, com exclusão de outrem, do prédio rústico, sito em seguinte prédio: Rústico, sito em Alvaneira, na freguesia de Vale Fátima Mendes
valor patrimonial tributável de € 3,14 e o atribuído de dez euros; Lombo Carrasco, freguesia de Vila Chã da Braciosa, concelho de
não descritos na Conservatória do Registo Predial deste concelho, Miranda do Douro, composto de terra de trigo, com a área de seis
conforme certidão que da mesma apresentam. mil quinhentos e sessenta metros quadrados, a confrontar do norte
Que os identificados prédios vieram à sua posse no mil novecentos com Alberto Alves, do sul com caminho, do nascente coam Carlos

AGRADECIMENTO
e oitenta e quatro, já no estado de casados, pela forma seguinte: Augusto Brasileiro e do poente comn Artur Bernardino Marcos,
a) o primeiro, foi-lhes vendido por Umbelina da Conceição Pires, não descrito na Conservatória do Registo Predial de Miranda do
viúva, residente no aludido Lugar de paço de Mós; e Douro e inscrito na respectiva matriz, em nome do justificante
b) o segundo, foi-lhes doado por António Miguel Pires, já falecido, marido, sob o artigo 2122, com o valor patrimonial tributário e
residente que foi no mesmo Lugar de Paçó de Mós; atribuído €36,63. Que o mencionado prédio foi por eles adqui-
por contratos de compra e venda e doação meramente verbais, nun- rido, já no estado de casados, em data que não sabem precisar
ca tendo chegado a realizar a necessária escritura pública. mas do ano de mil novecentos e setenta e nove, por compra me-
Que, assim, não são detentores de qualquer título formal que legiti-

Augusto dos
ramente verbal a Manuel dos Santos Afonso e mulher Dárida da
me o domínio dos mencionados prédios. Conceição de Pêra Macias, residentes na mencionada freguesia
Que, não obstante isso, logo desde meados desses anos de mil nove- de Palaçoulo, mas não dispõem de qualquer título formal para o
centos e oitenta e quatro, passaram a usufruir os referidos terrenos, registar na conservatória. Que, no entanto, entraram desde essa
gozando de todas as utilidades por eles proporcionadas, começando altura na posse e fruição do mencionado prédio, nomeadamente,
por ocupá-los, limpando-os, cultivando-os, colhendo os seus frutos
e produtos, e efectuando diversas benfeitorias, designadamente o
melhoramento das suas vedações, agindo assim, sempre com âni-
mo de quem exerce direito próprio, na convicção de tais prédios
limpando-o, desbastando-o, cultivando-o, colhendo os seus frutos
e pagando os respectivos impostos, com ânimo de quem exercita
direito próprio, de boa fé, por ignorar lesar direito alheio.
Que, esta posse tem sido exercida sem interrupção, de forma
Santos Rodrigues
lhes pertencerem e de serem os seus verdadeiros donos, como tal ostensiva, à vista de toda a gente e sem violência ou oposição
sendo reconhecidos por toda a gente, fazendo-o de boa fé por ig- de quem quer que seja, de forma correspondente ao exercício
norarem lesar direito alheio, pacificamente, porque sem violência, do direito de propriedade. Que, assim, a posse pública, pacífica,
contínua e publicamente, à vista e com o conhecimento de todos e continua e em nome próprio do citado imóvel desde o ano de mil A família, na impossibilidade de o fazer, pessoal e individualmen-
sem oposição de ninguém. Que dadas as enunciadas características novecentos e setenta e nove, conduziu à aquisição do mencionado
de tal posse que, da forma indicada vêm exercendo há mais de vinte prédio por usucapião, que expressamente invocam para justificar te, como era seu desejo, vem, por este meio, agradecer reconhecidamente
anos, adquiriram o domínio dos ditos prédios por usucapião, título o seu direito de propriedade para fins de registo.
esse que, por sua natureza, não é susceptível de ser comprovado por Esta conforme o original o que certifico. a todas as pessoas que directa ou indirectamente lhe manifestaram o seu
meios normais. Que para suprir tal título fazem esta declaração de
justificação para fins de primeira inscrição no registo predial. Está Miranda do Duro, 23 de Abril de 2010. pesar e a acompanharam na sua dor e saudade.
conforme. A Segunda Ajudante,
Bragança, 25 de Fevereiro de 2010. Maria Adelaide Gomes Parreira
A colaboradora autorizada,
(Elisabete Maria C. Melgo) Valverde, 21 de Abril de 2010 A cargo da agência Funarária Peixoto, Lda.

36 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


PUBLICIDADE

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 37


LAZER

Visita virtual a Ansiães


Fernanda Serrano
“Gosto de ti”

Sinopse: Gosto de Ti é uma das


nossas propostas para este Dia da
Mãe. Escrito pela actriz Fernanda
Serrano e ilustrado por Sandra Ser-
ra, Gosto de Ti é um livro que pri-
ma pela originalidade. O leitor fica
a conhecer dois cenários diferentes
do mundo das mães e dos seus fi-
lhos: os sentimentos que unem cada
mãe ao seu filho, e o inverso, aquilo
que as crianças sentem quando pro-
nunciam a palavra “mãe”. Gosto de
Ti são 39 páginas de pura ternura,
cobertas por ilustrações carinhosas
e frases de fazer derreter o coração.

Passatempo Jornal Nordeste / Book It


http://castelodeansiaes.com O Jornal Nordeste tem 7 exemplares de “O Braço
Arqueologia e passado unem- informações e fotografias, entre Esquerdo de Deus” e 7 exemplares de “Gosto de ti”
se na visita virtual à vila amura- outros. para lhe oferecer.
lhada de Ansiães, no concelho de Além da vila amuralhada de Para tal, basta comparecer nas nossas instalações
Carrazeda de Ansiães, através do Ansiães, o site oferece, aos ciber- com um exemplar da última edição do Jornal Nordes-
endereço http://castelodeansiaes. nautas, a possibilidades de conhe- te, juntamente com um talão de compra, ou com prova
com. cerem um pouco da riqueza cul- da assinatura anual regularizada, que também poderá
São cinco mil anos de histó- tural, natural e histórica daquele ser confirmada na nossa base de dados.
ria que podem ser conhecidos ao concelho. Este passatempo é válido até ao próximo dia 3 de
pormenor, a partir de fotografias, Maio, inclusive. Participe!

38 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE


INZONICES

INCLINÓMETRO
O
Pelourinho
POSITIV
Alterne – Parabéns às entidades e autoridades que baniram o negó-
cio do alterne de Bragança, porque conseguiram tirar as meninas de casa
IVO
NEGAT e levá-las para rua. É vê-las em pontos estratégicos da cidade, à espera
que os clientes parem o carro…

Facturação à chamada – A Ministra da Saúde não prevê encerrar


Serviços de Apoio Permanente nos Centros de Saúde do distrito de Bra-
gança. Bem podem bater palmas os médi-
cos que recebem algumas centenas de euros
Adega Cooperactiva por estarem à espera que o telefone toque
de Freixo durante a noite. Médicos à chamada, que
CHNE recebem um chorudo suplemento, mesmo
Os números não “sopram” É um caso de sucesso na que não haja qualquer chamada para sair de
a favor do Centro Hospitalar Região Demarcada do Douro. casa e atender um doente no Centro de Saú-
do Nordeste, até porque a Ad- Durante muitos anos só ven- de. Paga Zé…
ministração Central não trata deu vinho a granel, mas hoje
as unidades da mesma forma. comercializa marcas reconhe- Linha do Corgo – Há autarcas preocu-
Enquanto o Centro Hospitalar cidas no mercado, como é o pados com o andamento (ou abrandamen-
de Trás-os-Montes e Alto Dou- caso do “Montes Ermos”. to…) das obras da Linha do Corgo, entre Ré-
ro dá lucro e consegue fazer gua e Vila Real. De facto, o Governo Sócrates
uma nova unidade em Lamego, é perito em encerrar linhas de forma simpá-
o hospital de Bragança tem que tica. Ou é com barragens, como no Tua, ou
se contentar com uns remen- é com obras que depois ficam à espera dos
dos… carris, como o Corgo…

O Mexia não perde a paixão

foto
pelo PSD. Até nos impingiu
E ali vamos criar um parque capacetes laranja
ambiental virtual, igualzinho
à linha férrea que promete-

Novela
mos no TUA...

Esta vida de Secretário de


Estado é cá um fado.
Ó Jorge, isto tem mais bura- Também quero...
cos que a estrada do Parâmio

27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE 39


Última Hora
Bragança
EN 308
desbloqueada
O contrato definitivo para a be-
neficiação da EN 308-3, que liga
Bragança a Dine (Vinhais) é assi-
nado na próxima quinta-feira, às
12 horas.
A cerimónia, que contará com
a presença do secretário de Estado
das Obras Públicas e das Comu-
nicações, Paulo Campos, foi con-
firmada após um encontro entre
o governador civil de Bragança,
Jorge Gomes, membros do Mo-
vimento de Utentes da EN 308-3
e autarcas d algumas freguesias
abrangidas pela via.
A reunião serviu para acabar
com os “rumores” lançados há al-
gumas semanas, dando como certa
a suspensão das obras na EN 308-
3, pelo menos durante este ano.
“Sempre tive a ideia que, até ao
fim deste ano, tínhamos a estrada,
por muito que doa a muita gente”,
adiantou o líder do Movimento de
Utentes da EN 308-3, Carlos Fer-
nandes.
Após a adjudicação definitiva,
a beneficiação da via será conclu-
ída no prazo de um ano, tal como
garantiu Jorge Gomes.
Ontem, Paulo Campos visitou
várias obras públicas que estão a
decorrer na região, numa acção
conjunta do Sindicato da Constru-
ção de Portugal e o Ministério da
Obra Publicas Transportes e Co-
municações.
No âmbito da campanha “Mo-
bilidade em Segurança nas Estra-
das Portuguesas de Trabalhado-
res da construção” o governante
esteve nas frentes de trabalho da
barragem do Baixo Sabor e visitou
o estaleiro de Alijó da Concessão
Rodoviária do Douro Interior (IP2
e IC5), de modo a observar as me-
didas de segurança e prevenção
adoptadas. O objectivo é sensibi-
lizar os trabalhadores e entidades
patronais para a prevenção dos
acidentes de trabalho no sector da
construção.
Recorde-se que só na barragem
do Baixo Sabor estão de momento a
trabalhar cerca de 727 pessoas que
representam 59 empresas, preven-
do-se um acréscimo de 1.000 ope-
rários já no próximo ano.

40 27 de Abril de 2010 JORNAL NORDESTE