Você está na página 1de 1

Transformação do tipo de fibra

-O agrupamento dos tipos de fibras, no qual as fibras com propriedades semelhantes metabólicas e contráteis se agregam, aumenta após lesão nervosa e com a idade. -Há evidência de que a transformação de tipos de fibras pode ser uma resposta aos padrões de tráfego de impulsos nos nervos que inervam os músculos. - Se músculos rápidos forem estimulados continuamente durante várias semanas a 10 Hz, um padrão semelhante ao normalmente experimentado pelos músculos lentos, eles desenvolverão características contráteis lentas e adquirirão aparência vermelha e resistência à fadiga ainda maior que a dos músculos lentos. -A fase inicial de lentificação pode ser explicada pela ciclagem menos rápida de cálcio, resultado de redução da extensão do retículo sarcoplasmático e alterações na quantidade e tipo molecular das proteínas evolvidas no transporte e ligação de cálcio. -O músculo se torna mais resistente à fadiga através de alterações nas vias metabólicas responsáveis pela geração de ATP e dependência reduzida da glicólise anaeróbica. -Há mudança nas vias oxidativas, particularmente as envolvidas na degradação de gordura e ácidos graxos, e aumento associado na densidade de capilares e na fração do volume intracelular ocupada pelas mitocôndrias -Se a estimulação for descontinuada, a sequência de eventos será revertida, e o músculo retoma, durante um período de semanas, todas suas características originais.

Remodelação do músculo para se ajustar à sua função

-Todos os músculos do corpo são continuamente remodelados pra se ajustar às funções que são requeridas deles. -Seus diâmetros podem ser alterados, seus comprimentos podem ser alterados, suas forças podem ser alteradas, seus suprimentos vasculares podem ser alterados e até mesmo suas fibras musculares mesmo que discretamente podem ser alteradas. -Experimentos mostram que as proteínas contráteis, em alguns dos menores e mais ativos músculos, podem ser substituídas no curto período de 2 semanas.

Hipertrofia e atrofia musculares:

→Hipertrofia muscular é quando a massa muscular total aumenta. -Toda hipertrofia muscular resulta do aumento do número dos filamentos de actina e de miosina em cada fibra muscular, produzindo aumento dessa fibra, ou seja, a fibra hipertrofiada. -Apenas poucas e fortes contrações a cada dia são necessárias para causar hipertrofia significativa, dentro de 6 a 10 semanas. -Junto com o aumento crescente do tamanho das miofibrilas, o sistema enzimático que fornece energia também aumenta. →Atrofia é quando a massa muscular diminui. -Quando um músculo fica sem uso por muitas semanas, a intensidade de degradação das proteínas contráteis é muito mais rápida do que intensidade de sua reposição -A via parece ser responsável pela parte da degradação, ocorrendo em um músculo em atrofia é a via ubiquitina-proteasoma, dependente de ATP. -A ubiquitina é proteína respiratória que basicamente marca as células que serão destinadas à destruição pelos proteasomas