Você está na página 1de 43

Critérios de Projeto e Especificações de Desempenho da FIH

Para o Fornecimento e a Instalação dos Campos de Hóquei de Grama Sintética e das Obras Auxiliares na Região de Deodoro (2) e na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2), em conjunto com os Jogos Olímpicos Rio 2016

Este documento delimita os Critérios de Projeto e as Especificações de Desempenho para a instalação de campos de hóquei de grama sintética exclusivamente à base de água e da categoria Global.

Este documento sobre os Critérios de Projeto e as Especificações de Desempenho foi elaborado para ser incluído em um memorial descritivo detalhado conforme estipulado pelo Contratante.

Os direitos autorais deste documento são de competência da FIH e não devem ser reproduzidos sem autorização por escrito.

Observações Gerais sobre este documento

Nestes Critérios de Projeto e Especificações de Desempenho, os termos iniciados em caixa alta ou que estejam grifados em itálico devem ter o mesmo significado que os atribuídos a eles na solicitação de proposta referente ao fornecimento de materiais, equipamentos e serviços para os campos de hóquei, a não ser que um significado diferente lhes seja dado, conforme designado nos Critérios de Projeto e nas Especificações de Desempenho da FIH.

Em casos em que se usem referências de Normas Internacionais, do Reino Unido ou Européias, as mesmas devem ser utilizadas pelo contratado. Caso o contratado não consiga utilizar uma determinada Norma e seja proposto o uso de uma Norma alternativa, o contratado deverá consultar a FIH para fornecer esclarecimentos sobre essa Norma, antes de usá-la.

O contratado será responsável pela solução integrada do projeto para todos os elementos contidos dentro deste documento de especificações e responderá por toda a entrega de todos os elementos, como um pacote único.

Índice

1

Introdução

1.1

Descrição das obras

2

Informações Preliminares Gerais

2.1

Amostras de Referência Contratuais

2.2

Condições climáticas adversas e monitoramento

2.3

Testes

2.4

Amostras do local

2.5

Manutenção

2.6

Garantia para superfícies sintéticas

3

Requisitos Gerais de Desempenho

3.1

Qualidade da superfície sintética

3.2

Qualidade da instalação da grama sintética

3.3

Desempenho da instalação do gramado sintético

3.4

Marcações do campo

3.5

Desempenho dos sistemas de irrigação

3.6

Desempenho da instalação dos refletores de iluminação

4

Dados Específicos

4.1

Dados Preliminares

4.2

Período das Obras

4.3

Plano de Saúde, Segurança e Higiene no Trabalho

4.4

Desenhos específicos do local

4.5

Planejamento

5

Especificações

5.1

Orientação do campo

5.2

Tamanho dos campos

5.3

Base (Constituição do terreno)

5.4

Perfil e inclinação

5.5

Drenagem

5.6

Guia ou meio-fio (kerbs)

5.7

Base e sub-base

5.8

Cercas

5.9

Especificações de irrigação

5.10

Arredores e serviços do campo

5.11

Refletores do campo

5.12

Mobiliário de campo e torneio

5.13

Manutenção de Campo no Pré e Pós-Jogo

1.1

Introdução

1.1

Descrição das obras

Estes critérios e estas especificações abrangem a construção de campos de grama sintética exclusivamente à base de água, incluindo sistemas de irrigação e de iluminação. Em suma, as obras podem consistir de:

1.1.1

Geral

Preparação da Base (Constituição do terreno)

Instalação da sub-base porosa

Instalação da drenagem

Instalação das guias ou meio-fios (kerbs)

Instalação do sistema de irrigação

Instalação da base porosa de macadame

Instalação do sistema de piso sintético

Instalação do cercado em volta do campo

Instalação dos refletores

Fornecimento e instalação do mobiliário de campo e da área técnica

Serviços para a área técnica

Manutenção das superfícies do campo

1.1.2

Certificação e Especificações de Desempenho da FIH

Todos os campos devem obter um Certificado da FIH na categoria ‘Global’.

Todos os campos devem cumprir com essas especificações de projeto e mostrarem consistência de desempenho durante o período de garantia.

2

Informações Preliminares Gerais

2.1

Amostras de Referência Contratuais

Antes do início dos trabalhos, o Contratado deverá submeter ao Gerente de Projetos as seguintes amostras:

Três amostras de grama sintética e da base anti-impactos (shockpads) nas quais foi baseada a proposta da concorrência, cada uma medindo 500 mm X 500 mm, idênticas, em todos os aspectos, aos materiais propostos para instalação, e com todas as cores usadas na proposta. Também deve ser submetida uma amostra de costura medindo 500 mm de comprimento, a qual deve ser fabricada a partir dos materiais e dos métodos propostos para a instalação. Essas amostras serão usadas pelo Gerente de Projetos e pelo designado Laboratório Acreditado pela FIH como Amostras de Referência; elas serão testadas inicialmente para certificar-se de que sejam do mesmo material indicado

pelo certificado da FIH e pelo relatório de testes do Laboratório Acreditado pela FIH e, em seguida, serão usadas como forma de comparar a instalação e o controle diário das amostras.

pela FIH e, em seguida, serão usadas como forma de comparar a instalação e o controle

2.2

Condições Climáticas Adversas e Monitoramento

2.2.1

Geral

 

A

necessidade de se terminar as obras dentro do prazo será um assunto de suma

importância para o Contratante.

Caberá ao Contratado a responsabilidade de assumir precauções e implementar métodos que minimizem a suspensão dos trabalhos devido a condições climáticas adversas.

2.2.2

Clima Adverso

 

O

Contratado não deverá instalar superfícies sintéticas em campos onde haja ‘condições

climáticas adversas’. Clima adverso refere-se a uma temperatura de ar fora da faixa de 10 a 40 graus Celsius, chuva, neblina ou outra condensação, umidade relativa acima de 80% ou substratos úmidos.

Caso o Contratado ou seu Subcontratado, de qualquer nível, decida, a qualquer hora, que os trabalhos devem ser suspensos temporariamente devido às condições climáticas adversas, o Contratado é obrigado a informar imediata e detalhadamente ao Gerente de Projetos por que tal decisão foi tomada e quais precauções haviam sido tomadas para evitar esse tipo de suspensão temporária.

O

Contratado reconhece que levou em conta esse fator durante a programação e o

planejamento das obras e que efetivou uma margem em seus Preços, para que o Contratado não instale superfícies sintéticas em campos onde haja condições climáticas

adversas.

 

2.2.3

Monitoramento das Condições Climáticas

O

Contratado deverá monitorar e registrar ao menos as seguintes informações durante

todo o período de obras, em um local dentro dos limites do Canteiro de obras.

 

(a)

A cada período de 24 horas com início a partir das 8h, os períodos de chuva e de pluviosidade total, conforme medidos pelo pluviômetro.

(b)

A cada período de 24 horas com início a partir das 8h, as temperaturas máxima e mínima em nível de solo, medidas na sombra.

(c)

Ao longo de toda a instalação da superfície sintética e por sete dias após a conclusão da instalação da superfície, a temperatura e a umidade relativa em nível de solo, em condições de sombra adjacentes ao campo, continuamente, 24 horas por dia.

2.2.4

Deverá ser aprovado pelo Gerente de Projetos todo o equipamento de testes, os métodos de operação e a locação; esse profissional deverá receber cópias escritas dos

resultados dos testes dentro de 36 horas após a realização das atividades de monitoramento.

2.3

Testes

2.3.1 Testes provisórios

O Contratado deverá conceder tempo suficiente dentro do cronograma para o Laboratório Acreditado pela FIH escolhido testar se a sub-base de pedra executada e a camada de macadame (ou qualquer outra forma de construção da base do campo que o Contratado tenha projetado) estejam em conformidade com as normas da FIH, antes de prosseguir com as operações de revestimento. O Laboratório Acreditado pela FIH escolhido será indicado pelo contratante. O custo desse teste será arcado pelo Contratante, a menos que o teste ou a inspeção sejam repetidos, resultante de um Defeito ou de outra falha por parte do Contratado.

Em casos em que seja utilizada uma base anti-impactos de borracha (shockpad) executada in situ, o Contratado deverá conceder tempo suficiente dentro do cronograma para o Laboratório Acreditado pela FIH escolhido testar a espessura e a regularidade da superfície da camada de borracha acabada. Isso deverá ocorrer após ter-se passado tempo suficiente para a cura completa, antes de prosseguir com as operações de revestimento. O custo desse teste será arcado pelo Contratante, a menos que o teste ou a inspeção sejam repetidos, resultante de um Defeito ou de outra falha por parte do Contratado.

2.3.2 Testes do revestimento pronto na Conclusão das obras

Por meio de acordos com o Gerente de Projetos, a superfície acabada do campo deve ser testada pelo designado Laboratório Acreditado pela FIH, utilizando os requisitos e os métodos detalhados no documento da FIH entitulado “Handbook of Performance, Durability and Construction Requirements for Synthetic Turf Hockey Pitches (May 2013)” (Manual de Desempenho, Durabilidade e Requisitos de Construção para os Campos de Hóquei de Grama Sintética), disponível no site www.fihockey.org e que pode sofrer alterações periódicas pela FIH. O custo desse teste inicial será arcado pelo Contratante, a não ser que o teste ou a inspeção sejam repetidos, resultante de um Defeito ou de outra falha por parte do Contratado, e o Contratado deverá, se necessário, reunir-se com o Laboratório Acreditado pela FIH escolhido pelo Contratante.

2.3.3 Teste do sistema de irrigação

Por meio de acordos com o Gerente de Projetos, os sistemas acabados de irrigação deverão ser testados pelo designado Laboratório Acreditado pela FIH, utilizando os requisitos e os métodos detalhados no documento da FIH entitulado “Handbook of Performance, Durability and Construction Requirements for Synthetic Turf Hockey Pitches (May 2013)” (Manual de Desempenho, Durabilidade e Requisitos de Construção para os Campos de Hóquei de Grama Sintética), disponível no site www.fihockey.org e que pode sofrer alterações periódicas pela FIH. O custo desse teste inicial será arcado pelo Contratante, a não ser que o teste ou a inspeção sejam repetidos, resultante de um Defeito ou de outra falha por parte do Contratado, e o Contratado deverá, se necessário, reunir-se com o Laboratório Acreditado pela FIH escolhido pelo Contratante.

2.3.4

Teste dos Refletores

Por meio de acordos com o Gerente de Projetos, os sistemas acabados de Refletores deverão ser testados pelo designado Laboratório Acreditado pela FIH, utilizando os requisitos e os métodos detalhados no documento da FIH entitulado “Handbook of Performance, Durability and Construction Requirements for Synthetic Turf Hockey Pitches (May 2013)” (Manual de Desempenho, Durabilidade e Requisitos de Construção para os Campos de Hóquei de Grama Sintética), disponível no site www.fihockey.org e que pode sofrer alterações periódicas pela FIH. O custo desse teste inicial será arcado pelo Contratante, a não ser que o teste ou a inspeção sejam repetidos, resultante de um Defeito ou de outra falha por parte do Contratado, e o Contratado deverá, se necessário, reunir-se com o Laboratório Acreditado pela FIH escolhido pelo Contratante.

2.3.5

Certificação da FIH

Após a conclusão dos testes detalhados nos parágrafos 2.3.2, 2.3.4 e 2.3.5, citados acima, o designado Laboratório Acreditado pela FIH deverá apresentar à FIH um relatório oficial de testes de campo da FIH, para cada campo e, estando eles em conformidade com todos os aspectos, a FIH emitirá um certificado de instalação. Os campos deverão obter um certificado da FIH, comprovando estarem em conformidade com os testes realizados na categoria 'Global', e cumprirem com os requisitos de iluminação, conforme detalhados na seção 5.11 deste documento.

2.3.6

Teste ao término do período de manutenção

Ao fim da data de resolução das pendências e do período de manutenção indicados no

Contrato, o designado Laboratório Acreditado pela FIH deverá realizar os testes descritos nas Cláusulas 2.3.2, 2.3.3 e 2.3.4 e apresentar os resultados ao Contratante antes do Contratante ou o Gerente de Projetos emitirem qualquer certificado que comprove que o Contratado seguiu as normas exigidas durante a instalação, durante

período de manutenção estipulado pelo Contrato, e que tem cumprido com os compromissos de projeto e com as responsabilidades para as instalações.

o

2.4

Amostras do Local

2.4.1

Amostras do Local

O Contratado deverá coletar as seguintes amostras, nas dimensões estipuladas abaixo,

da superfície sintética:-

Base anti-impactos (shockpad), uma amostra de 300 mm por 300 mm para cada 500m 2 de base anti-impactos instalada.

Grama sintética, uma amostra de 300 mm por 300 mm para cada rolo de grama sintética.

Costuras, uma de 500 mm por largura de costura para cada costura instalada.

O Contratado deverá cuidadosamente registrá-las e identificá-las, seguindo as

instruções, e armazená-las de forma segura para a coleta ou a entrega ao Laboratório Acreditado pela FIH. O Supervisor ou o Gerente de Projetos ou o Contratante deverão

ter total liberdade para coletar amostras adicionais de todos os materiais e testá-las

para verificar se estão em confirmidade com o Contrato.

2.4.2

Custos e métodos

Os

custos dos testes iniciais das amostras do local serão arcados pelo Contratante mas

o

Contratado deverá incluir na proposta da concorrência pública todos os custos

referentes à coletagem e à preparação das amostras do local para serem testadas pelo Laboratório Acreditado pela FIH, a fim de provar que os Materiais que estão sendo usados e o acabamento estejam em conformidade com as Normas estipulados pelo Contrato.

2.4.3

O

cronograma de testes a serem realizados pelo Laboratório Acreditado pela FIH nos

Materiais que serão coletados do local, como amostragem, será o seguinte:-

 

a) Grama Sintética Tipo de polímero do filamento (Calorimetria de Escaneamento Diferencial) Cor do filamento (referente ao Esquema de Cores RAL) Comprimento do filamento (ISO 2549) Número de tufos/cm2 (ISO 1763) Número de pontas/cm2 (ISO 1763) Peso/unidade de área (ISO 8543) Força de retirada do tufo (ISO 4919)

b) Base anti-impactos (shockpad) Espessura (EN 1969) Peso/unidade área (EN 430) Resistência à tração (EN 12230) Alongamento à ruptura (EN 12230)

c) Costuras Resistência à tração (EN 12228) Resistência à tração após imersão na água (EN 12228)

2.4.4

Coletagem de Amostras pelo Contratado

O Contratado deverá viabilizar a coletagem de tais amostras e o registro adequado do

local relacionado às amostras, conforme indicado pelo Gerente de Projetos ou pelo Supervisor do Contratante, e para a entrega imediata de todas as amostras para o Laboratório Acreditado pela FIH. As amostras para testagem deverão ser entregues imediatamente após as instruções dadas pelo Gerente de Projetos ou pelo Supervisor conforme o caso.

Qualquer atraso a uma inspeção programada ou à preparação de um relatório pelo Laboratório Acreditado pela FIH, decorrente de atraso na entrega das amostras para

testagem ou da falha em manter registros da forma adequada, não isentará o Contratado de sua responsabilidade de concluir as obras dentro da Data de Conclusão relevante.

2.4.5 Falha nosTestes

Se, na opinião do Gerente de Projetos, qualquer amostra testada for considerada insatisfatória ou propícia a resultar em trabalho mal-sucedido, o material defeituoso ou a remessa que a amostra representa devem ser retirados do local ou deve-se empregar uma ação corretiva apropriada à situação. O Gerente de Projetos também pode rejeitar posteriormente qualquer amostra ou trabalho em curso previamente aceitos pelo Contratado, caso avalie que a qualidade tenha se deteriorado.

O Contratado deverá, às suas próprias custas, remover e substituir todos os materiais

rejeitados ou corrigir qualquer trabalho em curso que aparente estar fora das especificações. Quaisquer atrasos decorrentes da rejeição de qualquer amostra ou do trabalho em curso não devem, sob qualquer circunstância, isentar o Contratado de sua responsabilidade de concluir as obras dentro da Data de Conclusão relevante.

2.4.6 Nova Verificação dos Materiais Substituídos ou dos trabalhos refeitos

Os trabalhos refeitos ou materiais substituídos por essas razões serão reexaminados pelo Gerente de Projetos ou pelo Supervisor ou retestados pelo Laboratório Acreditado pela FIH, conforme determinado pelo Gerente de Projetos. Os custos adicionais de se repetir um teste ou uma inspeção em qualquer um dos materiais ou dos trabalhos refeitos por essa razão, ou a reinspeção de qualquer etapa do trabalho sujeito a trabalhos corretivos, devem ser avaliados pelo Gerente de Projetos. O Contratado deverá pagar ao Contratante o valor estipulado.

Observação: Um Certificado emitido pelo fornecedor de materiais que defina claramente a qualidade dos materiais fornecidos e entregues ao local de obras pode ser aceito por meio de um acordo feito com o Gerente de Projetos. Um Certificado separado será exigido para cada lote ou entrega ao Local de Obras e o Certificado deverá ser entregue ao Gerente de Projetos antes de os materiais serem descarregados.

Caso o Gerente de Projetos julgue qualquer aspecto do trabalho testado durante as fases intermédias das obras insatisfatório ou propício a gerar um trabalho que não esteja em conformidade com estas especificações, o Contratado deverá imediatamente comprometer-se a tomar quaisquer medidas corretivas consideradas necessárias para elevar o trabalho até o padrão exigido, a fim de obter a certificação da FIH, incluindo a completa remoção e substituição.

O Contratado deverá, às suas próprias custas, remover, substituir ou corrigir todos os

materiais ou partes da obra rejeitados. Quaisquer atrasos consequentes à rejeição de qualquer amostra ou parte da obra não devem, sob nenhuma circunstância, isentar o Contratado de sua responsabilidade de concluir as obras até a Data de Conclusão.

O Laboratório Acreditado pela FIH realizará novos testes em qualquer material substituído ou parte da obra corrigida por essa razão, antes de ser aceito pelo Gerente de Projetos e os custos adicionais de testar qualquer material substituído ou qualquer

parte da obra corrigida por essa razão, incluindo todas as despesas associadas avaliadas pelo Gerente de Projetos. O Contratado deverá pagar ao Contratante o valor estipulado.

2.4.7

Visitas Suspensas

Em casos em que o Contratado informe que uma determinada operação ou etapa das obras estará pronta para a inspeção pelo Laboratório Acreditado pela FIH em uma data específica e o Laboratório Acreditado pela FIH constatar, em sua chegada, que a inspeção não pode ser realizada devido à inconclusão das obras, os custos e as despesas adicionais gerados ao Contratante, decorrentes da visita abortada pelo Laboratório Acreditado pela FIH e uma nova visita, serão avaliadas pelo Gerente de Projetos, e o Contratado deverá pagar ao Contratante o valor estipulado.

2.5

Manutenção

Todas as obras concluídas devem passar por manutenções que sigam as boas práticas dentro do prazo real da Conclusão até o Gerente de Projetos certificar a Conclusão das obras, de acordo com o Contrato e a entrega das obras concluídas para o Contratante. O Contratado também deverá ser responsável por toda a manutenção, conforme descrito na cláusula 5.13 deste documento.

2.6

Garantia para Superfícies Sintéticas

2.6.1

Garantia

O Contratado deverá fornecer uma Garantia por escrito atestando que as propriedades

combinadas da superfície sintética e da construção da fundação, quando testadas de acordo com os métodos de ensaio especificados na Cláusula 3.3 deste documento, permanecerão dentro dos limites indicados na Cláusula 3.3 para o período de defeitos

e que, por mais quatro anos após o termo do período de defeitos, as propriedades devem permanecer dentro dos seguintes limites.

Ricochetear da Bola (vertical) Valor Médio: 100 – 400 mm Variação máxima: < 20% da média de todas as leituras.

Rolamento da Bola Valor Médio: 9 - 15m Variação máxima: < 10% da média de todas as leituras. Desvio:

Fricção sob o pé

Coeficiente de Fricção – todos os resultados: 0.6 – 1.0

Variação máxima:

0.1 da média de todas as leituras.

Resposta ao Impacto Todos os valores devem figurar entre: 40 – 65% Variação máxima: < 5% da média de todas as leituras.

Deformação do filamento/do Protetor Todos os valores devem figurar entre: 40% Variação máxima: < 2% da média de todas as leituras.

Permeabilidade A superfície deve drenar a uma velocidade acima de 150 mm por hora, em qualquer posição.

Regularidade da Superfície Não deve haver desvio em qualquer lugar na superfície de jogo superior a 6 mm em uma medição de 3 m.

Cor Não deve apresentar mudanças da cor da amostra de referência em mais de duas posições no Átlas Methuen.

Comprimento do filamento Em nenhuma parte abaixo de 50% do valor medido inicialmente.

Costuras e Junções Devem ficar dentro dos limites estipulados pela Cláusula 3.2.3

Marcações de Linha Cada marcação de linha reta deve permanecer reta para cerca de + / - 100 mm de uma linha de corda tensionada unindo suas extremidades, nem desviar-se mais de 30 mm em qualquer distância que ultrapasse 3 m.

2.6.2 Além disso, o Contratado deverá fornecer uma garantia mais extensa, abrangendo:

2.6.2.1 Extremidades, costuras etc

Em casos em que as extremidades adjacentes de carpete sejam costuradas juntas, ou as linhas embutidas por costura, sotura ou colagem, deverá ser mantida a integridade dessas articulações. Não deve haver qualquer falha de ligação em qualquer lugar ou local.

2.6.2.2 Consertos dentro da Garantia

À exceção de um Evento-Teste ou durante os Jogos, o Contratado deverá se encarregar, como parte e sob os termos da Garantia, de concluir qualquer trabalho ou reparação corretiva necessário relativo a costuras e ligações falhas ou à falta de aderência, no período de 14 dias após ter notificado por escrito o Contratante sobre a necessidade de se efetuar trabalhos corretivos.

À exceção de um Evento-Teste ou durante os Jogos, o Contratado compromete-se ainda, como parte da garantia, de que qualquer outro trabalho de reparação ou reparo necessário nos termos da Garantia será concluído no prazo de 28 dias após a notificação por escrito ao Contratante de que o trabalho de reparação se faz necessário, e os reparos serão realizados com materiais idênticos para a instalação

original e, em tais ocasiões em que tenha sido acordado com o Contratante, de tal forma que o programa planejado de atividades não seja afetado. Se qualquer reparo for realizado durante o Período da Garantia, para corrigir os níveis de irregularidades superiores à exigência da cláusula 2.6.1, os reparos serão feitos de forma a restaurar a(s) área(s) tratada (s) para os limites estabelecidos na Cláusula 3.3. Se qualquer reparo for realizado durante o Período da Garantia, para corrigir irregularidades ou desvios de marcações de linha que excedam a exigência da cláusula 2.6.1, os reparos serão feitos de forma a restaurar a linha com defeito ao nível exigido para a instalação na Conclusão (Cláusula 3.4).

O Contratado compromete-se, ainda, que se Reparos Excessivamente Frequentes se tornarem necessários devido a uma falha inerente a qualquer um dos materiais, será realizada a substituição completa do elemento ou do componente da construção do campo, em conjunto com a substituição de qualquer outro componente ou elemento que seja inaceitavelmente afetado pela substituição do componente defeituoso ou do elemento. Nesse contexto, Reparos Excessivamente Frequentes referem-se a mais de seis visitas para efetuar reparos em qualquer período de doze meses, ou números até maiores de visitas, desde que aceitos pelo Contratante.

3

Requisitos Gerais de Desempenho

3.1

Qualidade da Superfície Sintética

3.1.1

Aptidão para uso

O Contratado deverá assegurar-se de que os materiais da superfície e a sua instalação sejam adequados para os fins indicados ou pressupostos a partir destes Critérios do Projeto e das Especificações de Desempenho.

3.1.2

Tipo de superfície

Para todos os campos, o piso/superfície deve ser o mesmo, sendo grama sintética de filamentos de pequeno comprimento e porosos, exclusivamente à base de água, contendo ou uma base anti-impactos (shockpad) de borracha integrada, ou colocada sobre uma camada elastomérica separada e com execução in-situ ou pré-fabricada, escolhida a partir da lista vigente e aprovada de superfícies dentro da categoria "Global" da FIH. O Contratado deverá fornecer ainda um relatório de laboratório de um Laboratório Acreditado pela FIH, mostrando que o sistema proposto atende aos requisitos de durabilidade da norma BS EN 15330-1 (2007) (Superfícies para Áreas Esportivas). Este deve ser o mesmo certificado para cada cor proposta e usada.

3.1.3

Propriedades da superfície sintética

As superfícies sintéticas instaladas concluídas devem cumprir, em todos os aspectos, com as Amostras de Referência Acordadas apresentadas e devem ficar dentro dos seguintes limites:

(a)

A cor para a superfície de jogo será Azul e deve coincidir com a Amostra de Referência Acordada, estando a uma posição da Referência de Tabela de Cor RAL. Para as áreas de escape (run-out) em torno de todos os gramados, a cor da superfície deve ser definida pelo Contratante e ser de uma cor diferente da superfície de jogo e deve coincidir com a Amostra de Referência Acordada, estando a uma posição da Referência de Tabela de Cor RAL.

(b) O comprimento do filamento deve coincidir com o da Amostra de Referência Acordada, com variação de 1,0 mm para mais ou para menos.

(c)

A composição e a construção dos materiais entregues ao Local devem coincidir com as da Amostra de Referência Acordada, visando às exigências do Gerente de Projetos, em particular no que diz respeito ao comprimento do filamento, ao número de pontas/cm2 e ao peso por unidade de área e ao tipo de polímero do filamento.

(d)

A força da retirada do tufo dos materiais entregues ao local não deve ser menos de 75% do valor médio determinado pelas Amostras de Referência Acordadas.

(e)

A

resistência à tração e o alongamento na ruptura da base anti-impactos de

borracha (shockpad) devem coincidir com a da Amostra de Referência Acordada para as exigências do Gerente de Projetos. Além disso, a resistência

à

tração de qualquer camada elastomérica executada in-situ não deverá ser

inferior a 0,15 MPa, e a de qualquer base anti-impactos pré-fabricada não deve ser inferior a 0.25MPa.

(f)

A espessura da base anti-impactos de borracha (shockpad) deve corresponder

à da Amostra de Referência Acordada, com variação de + / - 10%, e a da

densidade e de peso/unidade de área, com variação de + / - 10% de seus respectivos valores.

(g)

Se forem utilizadas costuras coladas por adesivos, a resistência à descamação de costuras não deve ser inferior a 25N/100 mm quando testadas usando o método descrito pelo processo 2 da norma BS EN 12228:2002, tanto antes quanto após o envelhecimento de água segundo a norma BS EN 13744.

(h)

Se forem usados pontos de costura, a força das costuras não deve ser inferior

a

1000N/100 mm quando testadas usando o método descrito pelo método 12

da norma BS EN 12228:2002, tanto antes quanto após o envelhecimento de água segundo a norma BS EN 13744.

Todos os métodos de testagem utilizados devem estar em conformidade com procedimentos reconhecidos Nacional ou Internacionalmente.

3.2

Qualidade da Instalação da Grama Sintética

3.2.1

Geral

A superfície dos campos deve ser projetada para ter costuras contínuas por toda a largura ou o comprimento. Não serão permitidas emendas de topo dentro da área de jogo.

Cada campo deverá ser marcado de acordo com a Cláusula 3.4. O Contratado será obrigado a apresentar detalhes completos sobre o método a ser utilizado para a instalação da superfície, a formação das costuras e das linhas embutidas, a localização de todas as emendas do tapete, os métodos para verificar a elevação correta nos pontos de costura, e os métodos de ajuste de imprecisões de nível nas costuras para aprovação do Gerente de Projetos, antes de se instalar a superfície.

3.2.2

Nivelamento do gramado

Qualquer saliência ou cavidade encontrada deve ser de tal forma que, quando uma régua for colocada em qualquer posição na superfície, a diferença entre a vara e a superfície não deve, em momento algum, ser superior a 6 mm, medida sob uma régua de 3 m.

Além disso, não deve haver qualquer cume, sulco, vinco ou mudança na textura da superfície em qualquer lugar na superfície, de tal forma que uma bola de hóquei rolando

a uma velocidade de 1m/segundo (mais ou menos 10%) seja desviada do seu caminho em linha reta.

3.2.3

Junções e costuras

O método de junções e costuras, incluindo todas as marcações de linha inseridas no campo, deve ser de tal forma que nenhum cume, sulco, vinco, ou mudança na textura da superfície deva estar aparente ao longo de toda a junção ou da costura, na medida em que possa causar ou resultar no desvio de uma linha reta de uma bola de hóquei rolando pelo conjunto ou junção em um ângulo de 10, a uma velocidade de 1 m/s, com mais ou menos 10% adicionais.

Não

obstante esse requisito, não deve haver qualquer diferença na altura ou separação

nas

articulações superior a 2 mm.

3.2.4

Índice de porosidade

O Contratado deverá assegurar-se de que a drenagem seja capaz de retirar água de

superfície da superfície, com uma porosidade através da superfície que ultrapasse 150

mm

por hora.

3.3

Desempenho da Instalação do Gramado Sintético

Ao ser Concluído, o desempenho da superfície de jogo deve satisfazer os seguintes requisitos para um "Campo Global". Os métodos de testagem estarão de acordo com

publicação da FIH entitulada “Handbook of Performance, Durability and Construction Requirements for Synthetic Turf Hockey Pitches (May 2013)” (Manual de Desempenho,

a

Durabilidade e Requisitos de Construção para os Campos de Hóquei de Grama Sintética), disponível no site www.fihockey.org e que pode sofrer alterações periódicas pela FIH. Além de atender a esses requisitos, o Contratante deve incentivar os mais altos níveis de uniformidade para todos os campos e espera que o Contratado, na medida do possível, melhore as exigências variáveis para todos os requisitos de desempenho abaixo indicados, mas especialmente a distância da Rolagem da Bola e

a

Resposta ao Impacto, para os quais foram indicados os valores preferidos.

3.3.1

Rebote (Kick)da Bola (vertical)

Valor médio: 100 – 400 mm Variação máxima: < 20% da média de todas as leituras.

3.3.2

Rolagem da Bola

Valor médio: 10m Valores preferidos: 13-15m Variação máxima: < 10% da média de todas as leituras. Desvio:

3.3.3

Fricção Sob os Pés (Método Leroux)

Coeficiente de Fricção – todos os resultados: 0.6 – 1.0

Variação máxima:

0.1 da media de todas as leituras.

3.3.4 Fricção Sob os Pés (Método de Resistência Rotacional)

Resistência Rotacional – todos os resultados; 25Nm a 45Nm Variação máxima; ±3Nm

3.3.5 Resposta ao Impacto

Todos os valores devem figurar entre: 40 – 60% Alcance preferido: 56-60% Variação máxima: < 5% da média de todas as leituras.

3.3.6 Permeabilidade

A superfície deve drenar a uma velocidade acima de 150 mm por hora, em qualquer

posição.

3.3.7

Regularidade da Superfície

Não deve haver qualquer desvio em qualquer lugar na superfície de jogo superior a 6 mm, medido sob uma régua de 3m.

3.3.8

Polimento da Superfície

O

polimento da superfície deve ser menor ou igual a 15%.

3.4

Marcações do Campo

3.4.1

Geral

 

Todos os campos deverão ser marcados seguindo as Regras do Hóquei publicadas pela FIH em 1º de maio de 2013 e disponíveis no site www.fihockey.org ou em qualquer versão posterior. A versão utilizada para qualquer requisito especial deve ser a versão atual usada na Data do Contrato.

3.4.2

Tipo de Marcação

Todas as marcações deverão ser da cor branca e devem ser inseridas usando a mesma qualidade da grama com que o campo foi feito.

3.4.3

Precisão das marcações de campo

As dimensões das marcações de linha devem atender aos requisitos estabelecidos pela publicação da FIH entitulada “Handbook of Performance, Durability and Construction Requirements for Synthetic Turf Hockey Pitches (May 2013)” (Manual de

Desempenho, Durabilidade e Requisitos de Construção para os Campos de Hóquei de Grama Sintética), disponível no site www.fihockey.org e que pode sofrer alterações periódicas pela FIH, devem ser medidas com uma fita métrica de aço calibrada. Linhas previstas para serem retas não devem desviar-se mais de 100 mm de uma linha de corda tensionada unindo suas extremidades, nem desviar-se mais de 30 mm em qualquer distância até 3m.

3.5

Desempenho dos Sistemas de Irrigação

3.5.1

Geral

Os sistemas de irrigação em todo o campo de jogo devem cumprir com os requisitos de desempenho detalhados pela publicação da FIH entitulada “Handbook of Performance, Durability and Construction Requirements for Synthetic Turf Hockey Pitches (May 2013)” (Manual de Desempenho, Durabilidade e Requisitos de Construção para os Campos de Hóquei de Grama Sintética), disponível no site www.fihockey.org e que pode sofrer alterações periódicas pela FIH.

3.5.2

Requisitos de Desempenho

A precipitação média de água em todo o campo de jogo (incluindo a área de escape) deve ser uma média de 3 ± 1 mm. Caso o fabricante do gramado sintético tenha indicado que o sistema proposto necessita de menor quantia de água, o sistema de irrigação deverá ser capaz de fornecer a quantidade indicada de água, conforme especificada pelo fabricante do gramado, com um mínimo absoluto de 1 mm. Durante os testes nenhum local de coleta deve ser inferior a 2 mm se 3 milímetros for adicionado, e nada menos do que 0,5 mm menor do que a quantia indicada, se houver uma necessidade menor de água, e nenhum local de coleta deve ter mais ou menos de 50% do que um local adjacente.

É importante que a superfície do campo não fique seca em algumas áreas e permaneça molhada nas outras áreas durante o jogo. Assim, sob algumas condições climáticas, pode ser necessário irrigar o campo durante o intervalo de um jogo. A capacidade e a flexibilidade do programa do sistema devem atender a essa exigência.

Além disso, a(s) exigência(s) feita(s) pelo(s) Contratantes visa(m) a assegurar que o sistema de irrigação instalado seja eficiente no consumo de energia e de água, durável e de confiança, quando em operação, e de fácil acesso para os trabalhos de manutenção de rotina/emergência.

3.5.3

Requisitos de Tempo

Os sistemas de irrigação são obrigados a aplicar a quantidade correta de água em não mais do que um ciclo de 8 minutos.

3.5.4

Procedimentos de testes

Uma grade de pratos é colocada no campo de jogo e de sua área de escape em uma grade, com intervalos máximos de 10m. Realiza-se um ciclo completo de irrigação,

sob condições típicas de temperatura e de vento. A água coletada é medida e calculada uniformemente e registrada como um contorno ou diagrama e tabela.(verificar junto a Federação. Expressões específicas).

A irrigação do campo deve atender a todo o campo de jogo sob as condições climáticas

mais frequentes. O vento não pode ser usado como um fator que influencia a aceitação,

especialmente se os tais ventos forem prováveis de ocorrer durante os horários propostos para os jogos.

3.5.5 Fornecimento e Falta de Água

Baseado no cronograma da competição e nas necessidades de utilização diárias, será calculado o fluxo de água a ser utilizado diariamente. Será necessário entrar em contato com o Gerente de Projetos para garantir que esse fluxo esteja disponível em todos os campos, ao mesmo tempo. O volume de armazenagem de água que deve ser instalado será calculado como uma taxa de fluxo de uso/duração/fornecimento do campo, para garantir que o abastecimento esteja disponível para o sistema, conforme exigido.

3.5.6 Equipamento de Bombeamento

Os sistemas de bombeamento serão especificados como conjunto com várias bombas com rendimento efetivo e com sistema reserva ou back-up ou stand by. Todas as bombas serão ligadas por unidades de controle de velocidade interligadas, que garantirão menor desgaste na válvula, na tubulação e nos equipamentos emissores, além do consumo otimizado de energia. Em um lugar com dois campos, o sistema de bombeamento deverá ser capaz de funcionar para cada campo separadamente ou para os dois campos simultaneamente.

3.5.7 Instalação de Tubulação e Válvulas

Toda a tubulação e os acessórios instalados serão fabricados em Polietileno com um padrão igual ou semelhante ao da União Europeia (UE). Válvulas de isolamento serão

especificadas em todos os pontos necessários para permitir operações de manutenção,

e serão incluídas as válvulas de drenagem. A tubulação exposta será acolchoada em locais próximos do deslocamento de pedestres/jogadores.

3.5.8 Equipamento de Emissão

Cada campo de jogo contará com a irrigação de seis emissores; não será permitido o compartilhamento de emissores entre quaisquer campos de jogo adjacentes. Além disso, cada campo será equipado com um par de regadores localizados na linha do gol, em cada extremidade, para permitir a prática de escanteios curtos/pênaltis, sem a necessidade de executar o sistema principal de irrigação.

3.5.9 Equipamento de Controle

O sistema de controle especificado permitirá a operação de cada sistema de irrigação no campo de jogo como uma unidade ou como emissores de irrigação individuais. Os emissores serão controlados individualmente por válvulas solenóides operadas por

diafragmas, e o painel de controle será capaz de operá-los individualmente ou em pares combinados de arcos. As taxas de aplicação serão ajustáveis através da variação do tempo de execução dos emissores, e o painel de controle será capaz de operar em minutos e em segundos. O Contratante exige buzinas kláxon e/ou luzes de advertência a serem configuradas a operar antes de o sistema iniciar um ciclo de irrigação, com a opção de pará-lo, se necessário.

3.5.10

Localização do Equipamento de Controle

O sistema de controle permitirá a operação do sistema de irrigação de cada campo de jogo a partir de um local com uma linha clara de visão para o campo de jogo e próximo aos campos de jogo.

3.6

Desempenho dos Refletores de Iluminação

3.6.1

Os sistemas de refletores (iluminação) deverá ser parte integrante do contrato para o fornecimento dos campos de hóquei; não obstante, o Contratado para a solução integrada do campo ser o esponsável por sua integração no local, tanto em relação ao layout/conceito no local, quanto ao conceito de operação e controle.

3.62.

Os sistemas de refletores (iluminação) também podem estar sujeitos a condições específicas do local descritas no documento detalhando sobre a Informação Sobre as Obras, no entanto, os campos necessitam de um sistema que atenda ao desempenho exigido pelo 'Guia para a iluminação artificial de campos de hóquei', da FIH, com 2000 lux para os campos de competição e aquecimento e 500 lux para os campos de treinamento oficial. A uniformidade e todos os outros requisitos devem cumprir com o Guia da FIH, conforme estabelecido a seguir: -

3.6.3

Cabe ao Contratado instalar os sistemas que cumpram com as seguintes exigências de desempenho:

Campos de competição

o

Iluminância Média Mantida Horizontalmente >2000 Lux

o

Iluminância Média Mantida Verticalmente>2000 Lux

o

Uniformidade Horizontal U1 >0.7

o

Uniformidade Horizontal U2 >0.8

o

Uniformidade Vertical U1 >0.65

o

Uniformidade Vertical U2 >0.8

o

Relação de Brilho (glare ratio) <50

Campos de treinamento oficial

o

Iluminação Média Mantida Horizontalmente > 750 Lux

o

Uniformidade Horizontal U1 >0.5

o

Uniformidade Horizontal U2 >0.7

o

Relação de Brilho (glare ratio) <50

4

Dados Específicos ao Local

A partir do momento em que estiver participando da concorrência, o Contratado receberá um documento, detalhando as características da Obra, a fim de permitir que quaisquer aspectos que contenham elementos específicos ao local recebam um valor adequado.

4.1 Dados Preliminares

Cada local ao qual este documento se refere pode dispor de dados preliminares específicos do local referentes ao acesso, disposição do canteiro de obras, às cercas

de segurança, às horas de trabalho, etc. Os dados preliminares específicos sobre o

local serão incluídos em um documento detalhando as Informações Sobre as

características das Obras.

4.2 Período de Obras

Cada local ao qual este documento se refere terá um período específico de obras, o qual será incluído em um documento detalhando as Informações Sobre as Obras.

4.3 Plano de Saúde e de Segurança e Higiene do Trabalho - Pré-Contrato de Proposta

Um plano de saúde (segurança e higiene do local) e de segurança, pré-contrato de proposta será publicado para cada projeto específico, o qual será incluído no documento detalhando as Informações sobre as Obras.

4.4 Desenhos específicos do Local

O Contratante deverá incluir todos os desenhos necessários em um documento

detalhando as Informações Sobre as Obras, que vai mostrar os limites do local, as dimensões das instalações e outros detalhes.

4.5 Planejamento e Exigências de Órgãos Governamentais, Concessionárias e afins

Caso o projeto esteja sujeito à aprovação dos diversos orgãos Municipais, Estaduais

ou Federais todas as condições que se relacionem ao conjunto das obras devem ser

incluídas em um documento detalhando as Informações Sobre as Obras, juntamente com quaisquer requisitos desses órgãos.

5

Condições Especificações do Local

5.1 Orientação do campo

Os campos devem ser orientados no sentido Norte/Sul. Admite-se, se necessário, uma rotação máxima de 15º de cada lado do sentido Norte/Sul; a orientação exata será mostrada nos desenhos de contrato emitidos pelo Contratante.

5.2 Tamanho do Campo e Arredores

Detalhes sobre o tamanho dos campos deverão ser fornecidos pelo Contratante no documento detalhando as Informações sobre as Obras, mas, para fins deste documento, um campo de dimensões 91.40m x 55m, com áreas de escape de 4m nas extremidades e 4m nas laterais, deve ser instalado na mesma superfície de grama sintética.

Bueiros deverão ser instalados nos cantos do retângulo da grama sintética, a fim de drenarem a água da superfície em situações em que o local fique sujeito a fortes chuvas; detalhes sobre a drenagem são apresentados na seção 5.5.

Cercas baixas devem ser instaladas no canto externo do bueiro, conforme especificado na seção 5.8.

Apenas na Região de Deodoro, deve ser providenciada uma superfície de macadame da parte externa da cerca até a primeira linha de espectatores; as dimensões dessas áreas devem ter um mínimo de 3m em ambas as extremidades, com 4m para o leste e 2m para o oeste, para ambos os campos. Detalhes sobre o tamanho da superfície de macadame serão fornecidos pelo Contratante em desenhos no documento detalhando as Informações Sobre as Obras.

5.3 Constituição do terreno (Base)

A constituição dos campos poderá depender da topografia e das condições de solo do local. Pode ser necessário cortar, aterrar e estabilizar. O Contratado deverá realizar sua própria investigação no local para determinar a inclinação atual do terreno e as operações exigidas de escavação, corte e aterro, a fim de obter um material com inclinação adequada, a para a qual os campos devem ser construídos, de modo que os seguintes requisitos sejam cumpridos: -

a) A inclinação e o perfil de constituição do terreno serão detalhados na Cláusula

5.4

b) O desvio dos níveis de projeto para a constituição será de ± 50 mm.

c) O valor do California Bearing Ratio (CBR) será de um mínimo de 5%.

5.4

Perfil e Inclinação

A inclinação e o perfil dos campos deverão cumprir com os requisitos descritos na

publicação da FIH entitulada “Handbook of Performance, Durability and Construction Requirements for Synthetic Turf Hockey Pitches (May 2013)” (Manual de Desempenho, Durabilidade e Requisitos de Construção para os Campos de Hóquei de Grama Sintética), disponível no site www.fihockey.org e que pode sofrer alterações periódicas pela FIH, as seções 7.8 e 7.9 estabelecem <0,2% para qualquer queda longitudinal e <0,4%, para inclinações laterais. Os campos deverão ser instalados com uma configuração turtle back (ponto mais alto no centro do campo) em conformidade com esses requisitos, mas fixados com o máximo permitido, para ajudar que a água escorra para o sistema de drenagem do perímetro durante possíveis tempestades.

5.5

Drenagem

 

5.5.1

Geral

O

Contratado deverá realizar todas as obras de drenagem necessárias dentro do local

até (mas não incluindo) o emissário, que será fornecido por outros. Isso incluirá a drenagem do campo e um dreno no perímetro, para tempestades. O Contratado deverá pressupor que a constituição do terreno é impermeável e fornecer cálculos para provar que o sistema atenda aos seguintes requisitos: -

 

(a)

Proteger as instalações dos efeitos da água subterrânea ou de superfície das áreas que cercam os campos.

(b)

Certificar-se de que toda a água de superfície seja removida do campo de jogo dentro da taxa de permeabilidade especificada para a superfície (> 150 mm/hr), a fim de garantir que não ocorra qualquer alagamento da superfície durante chuvas fortes, nenhuma quantidade de água deve permanecer na construção, de modo que possa reduzir a capacidade de suporte de carga do terreno.

5.5.2

Drenagem Abaixo do Campo

O

Contratado deverá instalar um sistema de tubulação de drenagem abaixo do campo;

isso consistirá de um sistema de drenos de plástico perfurados localizados do centro do campo ao perímetro. O diâmetro do tubo de plástico perfurado deve ser escolhido pelo Contratado, a fim de assegurar o cumprimento dos requisitos de desempenho citados acima. A água que entre nos canos abaixo do campo deve escorrer e ser recolhida pelo canal de drenagem de águas pluviais em torno do perímetro.

5.5.3

Drenagem de Águas Pluviais

Devem ser instalados canais de coleta de drenagem de águas pluviais ao redor do perímetro dos campos. O propósito é coletar o excesso de água da superfície do campo durante condições de chuvas fortes. A drenagem deve estar localizada fora da zona de escape, mas em frente à cerca do entorno. A profundidade e a largura exatas do dreno

devem ser determinadas pelo Contratado, que deve fornecer os cálculos necessários exigidos para comprovar que o volume de água da chuva, incluindo o do mais grave caso de tempestade que possa ocorrer, terá vazão pelo sistema. A superfície do dreno deve ter uma grade, com o acabamento alinhado ao nível da parte inferior do gramado sintético, uma seção do gramado sintético com ranhuras adequadas cortadas deve ser colada à grelha e ter o acabamento final da superfície do gramado adjacente.

5.5.4

Tubulação de Plástico e Encaixes

Tubos de PVC não plastificados devem cumprir com os requisitos da BS4460, com junções feitas de acordo com as instruções do fabricante.

Quando forem utilizados tubos e encaixes perfurados, os mesmos deverão ser de polipropileno.

5.5.5

Base de suportação granular

O

material granulado para base de suportação à drenagem deverá ser de agregado

graúdo irregular de tamanho único, em cumprimento com a BS882, Tabela 4.

5.5.6

Valas

 

Quando usados em conjunto com o canal de drenagem da propriedade, as valas deverão ter o padrão fornecido pelo fabricante do canal e devem dispor de caixas de retenção e tampas bloqueáveis e trancáveis de acesso.

5.5.7

Tampões dos Bueiros, Grelhas e Armações

Se forem necessárias novas tampas e armações, as mesmas deverão ser de ferro fundido, de acordo com a Classe B2 da BS497.

5.5.8

Chaves

 

O

Contratado deverá fornecer e entregar ao Gerente de Projetos dois conjuntos de

chaves de fecho duplo e/ou chaves 2 em 1 para cada tipo de tampa e de grade.

5.5.9

Material Selecionado para atêrro

O

material selecionado de enchimento, para casos de aterramento, deve ser seco e

limpo, adequado ao propósito e capaz de ser compactado, usando, se necessário, água para conseguir um preenchimento denso e estável. Ele deve excluir qualquer protuberância superior a 75 mm em qualquer direção, qualquer material vegetal ou metálico susceptível à deterioração, ao barro e ao sal.

5.5.10

Material Granulado para Atêrro

O material selecionado para enchimento, para casos de atêrro, deve ser de areia

natural ou esmagada, cascalho ou pedra, uniformemente nivelado para determinado

tamanho e classificação.

5.5.11 Atêrro com Concreto

Em locais onde drenos ou dutos que não sejam drenos de polipropileno perfurado passem por baixo de qualquer área de superfície sintética, o atêrro acima da camada granulada e próxima a um nível de 150 mm acima da base de suportação deve ser de uma mistura rala de concreto colocada em camadas que não excedam 300 mm de profundidade e devidamente compactado por compactador de placa vibratória.

5.5.12 Escavações para Atêrro

O material para atêrro de valas deverá ser granulado. Para drenos de terra perfurados,

o aterro deverá ser de 20 mm a 40 mm de preenchimento granulado, tampado por não menos do que 150 mm, nem mais do que 200 mm de cascalho.

A tubulação em volta deve primeiro ser cuidadosamente coberta e compactada

manualmente para um nível de 300 mm acima da coroa dos dutos. O preenchimento para a profundidade restante da trincheira deve ser colocado em camadas não superiores a 150 mm de profundidade e totalmente compactado por máquina. Os acessos às trincheiras não devem ser removidos até que o enchimento suficiente tenha sido colocado e compactado, a fim de permitir a retirada gradual dos suportes sem pôr em perigo os tubos e os suportes ou a estabilidade dos lados da escavação.

5.5.13 Bueiros de Tijolo, Câmaras de Inspeção, Poços

Bueiros e câmaras de inspeção devem ser impermeáveis à água. Os canos devem terminar com uma projeção mínima de 25 mm e projeção máxima de 50 mm da parede interior.

Imediatamente após a escavação do fundo das câmaras, a escavação deve ser

nivelada e lajes de fundação de concreto de 150 mm, com 200 mm de espessura e 25

N devem ser colocadas e niveladas a fim de formar uma base para as paredes.

As câmaras deverão ser construídas com blocos de concreto estrutural nas dimensões mostradas nos desenhos.

Terminações de tubos e bolsas que entrem em poços (catchpits e drawpits) deverão ser projetadas a não menos de 25 mm ou mais de 50 mm além da face interna da

câmara e a alvenaria deverá ser cuidadosamente cortada para a inclinação do tubo ou

da bolsa. Em casos em que o diâmetro do tubo exceda 200 mm, o Contratado deverá

construir um anel de tijolo sólido sobre o tubo.

O trabalho de alvenaria deve ter um prolongamento acima do solo, a fim de receber

tampa e armação.

A tampa de bueiro e a armação devem ser firmemente forradas e alisadas em argamassa de cimento e ajustadas para se adequar à superfície em questão. Cuidados devem ser tomados para garantir que tampas e armações previamente combinadas não sejam separadas. As superfícies entre as armações e as tampas devem ser lubrificadas.

As câmaras devem ser impermeáveis à água e ajustadas de acordo com as preferências do Gerente de Projetos e estarão sujeitas a um teste de água antes e depois do atêrro, sob a condução do Gerente de Projetos.

Espaços vazios entre a parte de trás do trabalho de alvenaria e a face da escavação deverão ser preenchidas com enchimento granulado.

5.6

Guias ou meio-fios (Kerbs)

5.6.1

Geral

 

O

Contratado deverá instalar um sistema de guias ou meio-fios (kerbs) estratificado em

concreto nas extremidades da base de pedra. O sistema de guias ou meio-fios deverá ser projetado para conter a base de macadame e, se necessário, para evitar que o gramado sintético se eleve.

5.6.2

Guias ou meio-fios e Canais

Todos as guias ou meio-fios, canais e extremidades pré-moldados em concreto devem ser colocados sobre as linhas e os níveis exigidos pelos desenhos sobre uma camada de concreto com 25 N, com ancas em ambos os lados.

Todos as guias ou meio-fios, os canais e as extremidades deverão ser fiéis às linhas e aos níveis e, salvo casos em que uma tolerância menor seja aqui especificada, qualquer unidade que desviar mais de 5 mm da linha ou do nível deve ser retomada e re-colocada. O Contratado deverá obter a aprovação do Gerente de Projetos para todas as linhas de guias ou meio-fios, etc.

5.6.3

Argamassa de Concreto Pré-Misturada

A

argamassa pré-misturada de concreto deve ser obtida de uma planta de tratamento

que opere sob um esquema independente de qualidade controlada por certificado

 

ISO9000.

 

O

concreto que ficar exposto deve ser de uma cor uniforme e a textura consistente

com uma amostra aprovada, e o Contratado deverá informar ao Fornecedor sempre

que um lote seja necessário para esse trabalho.

Romanieos de acordo com a Norma BS5328 devem ser fornecidos pelo Fornecedor para cada lote e cada romaneio deve expor ainda o teor de cimento real do lote.

O

Contratado deverá endossar cada romaneio com uma declaração sobre a posição

dentro da obra em que o lote foi usado e deverá guardar os romaneios até o final da data de resolução de pendências. Os romaneios deverão ser disponibilizados para inspeções pelo Gerente de Projetos, mediante pedido.

5.7

Construção de Base e Sub-base

5.7.1

Considerações Gerais

O Contratado deverá construir uma sub-base para cada campo, conforme detalhado

abaixo. A profundidade da sub-base e a qualidade da pedra devem ser apropriadas para as condições do solo local (CBR mínimo de 5%), a fim de cumprir com os requisitos desta Especificação de Desempenho estabelecidos nesta cláusula e nas cláusulas 3.3.6 e 3.3.7, mas, em qualquer caso, deve ser de modo a dar uma

profundidade de construção global do nível de formação preparado para a superfície de jogo de pelo menos 400 mm.

5.7.2

Sub-base

 

A

sub-base deverá ser construída usando material previamente aprovado que seja

limpo e livre de poeira, e colocada sobre uma membrana geotêxtil de qualidade apropriada. A membrana geotêxtil também deve ser usada para alinhar a base de todas as valas de drenagem.

A

sub-base deverá se estender 1m fora da extremidade das guias ou meio-fios dos

campos e os arredores.

5.7.3

Base

 

O

Contratado deverá construir, acima da sub-base de pedra, uma base adequada

para receber a superfície de grama sintética que compreenda uma base totalmente projetada (betume-macadame poroso de duas camadas).

A

base deve consistir de betume-macadame texturizado colocado em duas camadas,

com a primeira tendo um mínimo de 40 mm de espessura após a compactação e, a superior (camada de desgaste), um mínimo de 25 mm de espessura após a compactação. Todos os macadames deverão cumprir com os requisitos da BS 5949.

5.7.4

Desempenho da Sub-base e Construção da Base

O

Contratado deve se certificar de que a construção proposta para a sub-base e a base

dos campos novos:

 

(a)

resista aos efeitos de seca que possam ocorrer dentro de um ciclo de 50 anos.

(b)

proporcione estabilidade à superfície acabada de modo que, em utilização, não deva desviar das tolerâncias do nível de superfície definido neste documento por um período de 25 anos.

(c)

proporcione, juntamente com o material de revestimento, as características dinâmicas para os níveis de desempenho aqui contidas.

5.8

Cercas e Portões

O Contratado deverá construir cercas seguindo as seguintes especificações, em volta

dos campos:

(a)

Um perímetro de 0,92 m de altura em torno da área de escape ao redor de todo o campo

(b)

Cerca de 7 m de altura ao longo de 32 m atrás do círculo de PC e 5 m para o resto da linha externa à área de macadame de 3 m

(c)

Todas as cercas deverão ser equipadas com uma placa de proteção para bolas de hóquei, de madeira tratada em autoclave, tipo rodapé junto ao piso, 200 mm por 50 mm, em geral, e 400 mm por 50 mm de uma distância de 30m centralmente, em direção a cada extremidade do campo. Quando a placa for de 400 mm de altura, a mesma poderá consistir de duas tábuas. O canto superior da placa deverá ser chanfrado, para reduzir a divisão e a fragmentação sob impacto. As placas deverão ser aparafusadas aos postes das cercas. As extremidades das placas deverão ficar nos pontos de fixação.

(d)

As cercas deverão ser compostas de malhas de aço soldadas de 50 × 50 × 3, galvanizadas e revestidas com pó preto, sobre postes RHS galvanizados revestidos de pó preto. A malha deverá ser afixada em pelo menos quatro fios de cabo onde a cerca tenha 3,5 m de altura e, em pelo menos cinco fios de cabo, onde a altura seja de 4,5 m. A malha deve ser afixada aos fios de linha usando grampos de aço inoxidável.

Quatro portões duplos devem ser inclusos no cercado baixo e deverão ser de 3,0 m de largura por 0,92 m de altura.

Os portões deverão abrir em um grau mínimo de 180° a partir da posição fechada e devem receber parafusos verticais a fim de fixá-los tanto em posições abertas quanto fechadas. Os portões deverão ter parafusos horizontais que podem ser trancados com cadeados, tanto na posição fechada quanto na aberta. Os portões deverão balançar sobre dobradiças que, através do projeto ou da instalação, evitem que as folhas sejam levantadas quando as portas estiverem na posição fechada.

5.8

Irrigação

5.8.1

Requisitos do Contrato

O Contratado deverá apresentar uma proposta de projeto para um sistema de irrigação controlado automaticamente e capaz de aplicar 3 mm de água nos campos em um tempo não superior a 8 minutos. Os emissores de irrigação deverão ser espargidores emergentes do gramado ou pistolas com capacidade de setorização de 90ou de 180. O sistema deverá funcionar 365 dias por ano. O regime proposto de regagem pelo cliente será o de aplicar 3 mm no campo antes de um jogo e até 3 mm de água durante

o

intervalo. O sistema é constituído por:

Reservatório de Água

Casa das bombas

Estação de bombeamento

Encanamento subterrâneo

Válvulas de controle

Emissores

Sistema de controle

E

deve incluir conexões à:

Principal ramal de alimentação de água em um local dentro de 25m da localização do tanque de armazenamento de irrigação. Principal ramal de alimentação de energia elétrica em um local dentro de 25m da localização do tanque de armazenamento de irrigação.

Observações

Normalmente caberá ao Contratante a responsabilidade de encomendar o fornecimento do abastecimento adequado de energia e de água para o local de armazenamento de energia e de água que atenda aos campos.

É de responsabilidade do Contratado especificar claramente os requisitos mínimos de abastecimento de energia e de água de sua solução de projeto.

5.8.2

Fornecimento de Energia

O

Contratado deverá:

5.8.2.1

Calcular todos os requisitos de fornecimento de energia de sua solução de projeto, incluindo, mas não limitado a, o conjunto especificado de bombas, o sistema de controle de irrigação e os equipamentos especificados dentro da casa de bombas e ao lado do campo.

5.8.2.2

Tomar medidas para se conectar ao fornecimento de energia apropriado, provido por terceiros.

5.8.2.3

Fornecer e instalar todas as painéis de distribuição, os interruptores e os dispositivos de segurança necessários.

5.8.3

Abastecimento de Água

O

Contratado deverá:

5.8.3.1

No ponto combinado, estabelecer uma conexão com a principal companhia de água e instalar uma torneira, com marcação BS3545 em uma câmara de hidrante subterrânea, viabilizando o isolamento do fornecimento para o tanque de armazenamento de irrigação. O diâmetro nominal da torneira não deve ser menor do que a do cano no item 5.8.3.2, abaixo.

5.8.3.2

Abastecimento imediato da torneira, instalar um medidor de água, localizado dentro de uma câmara de hidrante subterrânea. O diâmetro nominal do medidor não deve ser menor do que a do cano no item 5.8.3.4, abaixo.

5.8.3.3

Abastecimento imediato do hidrômetro, instalar uma válvula com dois verificadores em uma câmara hidrante subterrânea. O diâmetro nominal do medidor não deverá ser menor do que a do cano no item 5.8.3.4, abaixo.

5.8.3.4

Fornecer e instalar tubulação, fabricada em cano azul PEMD, com marcação BS6572, colocada em inversão de 750 mm, a partir do ponto de conexão para a base

do tanque de armazenamento de irrigação. Em nenhum momento esta tubulaçao deverá ser exposta à luz solar direta.

Observação

O diâmetro nominal do tubo no item 5.8.3.4, acima, deve ser calculado para assegurar que, na taxa de fluxo especificada pelo Contratado na seção de informações necessárias do presente documento, a velocidade da água dentro do tubo não exceda 1,5 metros por segundo.

5.8.4 Tanque de Armazenamento de Água

O Contratado deverá:

No local combinado, escavar um retângulo de 8.0m x 8.0m até uma profundidade não inferior a 150 mm abaixo do nível existente.

Instalar uma camada de fundação de material compactável de 150 mm dentro da escavação e compactá-la 6 vezes por um cilindro vibratório de 5 toneladas.

Colocar formas de 150 mm na camada de fundação para incluir uma laje de tamanho 7.8 m x 7.8 m. As formas deverão ser montads em terreno nivelado que servirá como base de apoio e a parte superior da laje tambérm deverá ser nivelada.

Despejar e colocar concreto (21 Newton/50 Slump) para moldar a laje. A laje deverá ter um bom acabamento.

Deixar o concreto intocado por um mínimo de 48 horas antes de retirar as formas.

Fornecer e construir, com base no citado acima, um tanque de aço galvanizado com forro butil com 1,0 mm de espessura, com uma capacidade nominal de 95m 3 . As dimensões do tanque deverão ser de 7,2 m de diâmetro x 2,25 m de altura.

Fornecer e encaixar no tanque um telhado transversal de aço galvanizado equipado com uma tampa de inspeção trancável.

Fornecer e encaixar no tanque uma tomada de extravasor, a fim de cumprir com o Estatuto Social da companhia de água relevante.

O Contratado deverá incluir no projeto do tanque de armazenamento uma unidade de dosagem química adequada, para garantir a qualidade da água e para evitar qualquer incidente de legionella dentro da tubulação do tanque e do fornecimento. Essa planta de dosagem deve basear-se em dosar a água com dióxido de cloro em níveis que impedirão o crescimento bacteriano, mas permitirão que a água permaneça potável.

Observação O Contratado deverá cumprir com todas as recomendações dos fabricantes de tanques a respeito de fixação do tanque de cimento, dos suportes, do friso de cimento e do acolchoamento de areia para os forros.

5.8.5 Abastecimento do Tanque de Armazenamento de Água

O Contratado deverá:

Fornecer e instalar para o tanque um suspensor de tanque, fabricado em tubo galvanizado com faixa média azul, com marcação BS1387, o diâmetro nominal não deve ser menor do que a do tubo de alimentação no item 5.8.3. § 4 º. O suspensor deverá ser equipado com uma válvula de isolamento e com uma válvula de drenagem.

Prender o suspensor à base do tanque e a um suporte de válvula de esfera adequado na extremidade do tanque.

Fornecer e instalar uma válvula de bola de equilíbrio operada por flutuação (bóia), com marcação BS1212, montada em cada suspensor do tanque e apoiada pelo colchete da válvula de bola. O diâmetro nominal não deverá ser menor do que o do suspensor do tanque.

5.8.6

Tubulação de Sucção

O

Contratado deverá:

5.8.6.1

Fornecer e instalar 1 tomada d’água metálica no tanque, montada através da parede do tanque de armazenamento. O diâmetro nominal não deve ser menor do que a do tubo no item 5.8.6.3, abaixo.

5.8.6.2

Fornecer e instalar uma válvula de gaveta, montada na tomada d’água do tanque; o diâmetro nominal não deve ser menor do que o da unidade retirável.

5.8.6.3

Fornecer e instalar uma tubulação, para conectá-la à válvula de gaveta no item 5.8.6.2, acima do tanque (suspiro). A tubulação deverá ser fabricada em tubo galvanizado de faixa média azul, com marcação BS1387.

5.8.6.4

Fornecer e instalar peças intermediários de junção em T sobre os tubos especificados no item 5.8.6.3, acima (barrilete).

5.8.6.5

Fornecer e instalar linhas de tubulação entre as peças de junção em T especificadas no item 5.8.6.4, acima, e as portas de sucção da bomba de irrigação (barrilete à bomba afogada). A tubulação deverá ser fabricada em tubo galvanizado de faixa média azul, com marcação BS1387.

Observação

O diâmetro nominal do tubo nos itens 5.8.6.3 e 5.8.6.5, acima, deve ser calculado para

garantir que, na velocidade de funcionamento das bombas (vazão de sucção) especificada pelo Contratante na seção de informações relevante deste documento, a

velocidade da água dentro do tubo de sucção não exceda 1,5 metros por segundo.

5.8.7 Casa de Bombas

O Contratado deverá:

Construir uma base de concreto adequada ao lado do local do tanque de armazenamento de água, em conformidade com as especificações do fabricante para a estrutura proposta e as exigências da estação de bombeamento propostas por ele. A base deverá incluir eletrodutos suficientes para permitir a entrada de cabos de força e tubulação de sucção da bomba SWA (fio de aço blindado, ou SWA, em inglês) e a saída da fonte principal de irrigação, dos cabos de controle do sistema de irrigação e dos cabos de conexão do interruptor (tubulação de sucção e recalque).

Fornecer e erguer, na base preparada, uma estrutura pré-fabricada transversal; as dimensões nominais deverão ser calculados para proporcionar um ambiente operacional adequado para o conjunto de bomba de irrigação e os equipamentos de controle. O edifício deverá ser construído com a porta de acesso voltada para os campos.

Fornecer e instalar, dentro da casa de bombas, iluminação elétrica adequada, uma tomada dupla de 220 volts e 13 ampères.

5.8.8 Estação de Bombeamento

O Contratado deverá:

Fornecer e instalar bombas verticais, centrifugas e de multi-estágio (série Lowara SVH ou equivalente) com unidades de controle de velocidade variáveis e montadas com motor.

Especificar as três bombas, de tal forma que quaisquer duas irão satisfazer a exigência de capacidade de sistema para o sistema de irrigação (2 bombas efetivas e 1 bomba reserva).

Fornecer e instalar, para cada bomba, um distribuidor que tenha: válvula de retenção e registro de gaveta ou válvula de borboleta.

Fornecer e instalar um distribuidor de descarga comum, fabricado em tubo galvanizado em faixa média azul, com marcação BS1387, tendo 3 portas de entrada (barrilete de recalque 3”T”).

Fornecer e instalar no distribuidor de recalque comum válvula nominal de furo de drenagem de 50 milímetros número 1, a fim de facilitar a conexão com a tubulação principal de fornecimento da irrigação, uma válvula de gaveta. O diâmetro nominal do distribuidor de recalque comum e da válvula de portão de isolamento deve ser calculado para garantir que, na capacidade de

desempenho da bomba especificada pelo Contratante na seção de informações apropriada deste documento, a velocidade da água no interior desses números não exceda 1,5 metros por segundo.

Fornecer e instalar, no distribuidor de recalque comum, pontos de montagem para manômetro de pressão e transdutores (pontos de medição – inspeção), juntamente com uma válvula com ponto removível com diâmetro de 38 mm, equipada com uma alavanca de diâmetro nominal de 38 mm operada por uma válvula de esfera.

Fornecer e instalar manômetros de glicerina de 0-15 bar e todos os transdutores de pressão exigidos.

Fornecer e instalar tubulação, fabricada em tubo galvanizado com faixa média azul, com marcação BS1387, ligando as válvulas do portão da descarga da bomba às portas de entrada comuns do distribuidor de descarga (conexão das bombas ao barrilete).

Fornecer e instalar um reservatório vertical de pressão com um mínimo de 100 litros de capacidade (tanque de pressurização – pulmão). A ligação da válvula de alavanca com diâmetro de 38 mm ao distribuidor de descarga comum e à entrada do reservatório de pressão deverá ser de mangueira de aço com diâmetro nominal de 38 mm.

5.8.9 Quadro de Bombas

O Contratado deverá:

Estabelecer uma ligação com o cabo de alimentação de energia.

Conectar as 3 unidades de velocidade variável ao cabo de alimentação de energia (variador de frequência).

Fornecer e instalar conexão de interface RS485 (ou semelhante) entre as unidades de velocidade variável.

Fornecer e instalar um interruptor de bóia montado no tanque de armazenamento de água e ligado à ligação baixa de água da unidade de velocidade variável número 1 (chave de nível inferior). Os interruptores deverão ser ajustados para impedir o funcionamento das bombas de irrigação quando o nível de água nos reservatórios cair para um mínimo de 150 mm acima do topo da entrada de sucção da bomba.

5.8.10 Tubulação de Irrigação

O Contratado deverá:

Fornecer e instalar uma fonte principal de irrigação, ligando a estação de bombeamento ao anel principal de irrigação (rede de irrigação em anel). As

redes de abastecimento de irrigação deverão ser fabricadas em cano preto PE SDR11 fabricado para a WIS4-32-17.

Fornecer e instalar um anel principal de irrigação, servindo aos emissores de irrigação no campo. O anel principal de irrigação deverá ser fabricado em cano negro de 10 bar classificado como SDR11 tubo PE para WIS4-32-17.

Ligar o cabo de fornecimento de irrigação às válvulas de isolamento de gaveta no distribuidor de bomba de descarga comum (conexão com o barrilete de recalque).

Fornecer e instalar uma válvula de drenagem (válvula globo de bloqueio de 50 mm) em um ponto baixo adequado no anel principal de irrigação (ponto de dreno na tubulação no ponto mais baixo da rede).

Fornecer e instalar dois pontos de rega manual (válvulas com diâmetro nominal de 50 mm), equipados com conectores de mangueira ‘geka’ e localizados dentro de câmaras de bueiros padrão medindo 600 mm x 450 mm. Um ponto de rega manual deverá ser instalado ao lado da marcação de linha da linha de 23 m de cada lado do escoamento, em cantos opostos do campo.

Observação Os tamanhos da tubulação devem ser calculados em toda a extensão para garantir que a velocidade da água no interior do fornecimento de irrigação principal anel principal não ultrapasse 1,5 metros por segundo, dentro da capacidade de desempenho projetada para a bomba.

5.8.11 Válvulas de Controle

O Contratado deverá:

Fornecer e instalar seis (6) válvulas solenóides com diâmetro de furo de 75 mm com válvulas de gaveta de isolamento com diâmetro de furo de 75 mm, localizadas dentro de câmaras padrões de bueiros de 600 mm x 450 mm, nos arredores do campo. Cada válvula deverá controlar a operação de um único regador. As válvulas solenóides deverão ser unidades MVR de “Baixa Perda” de 75 milímetros com bobinas ou semelhantes de 24 volts AC.

Fornecer e instalar, dentro de dutos de PVC adequados situados dentro das trincheiras da tubulação da irrigação, um cabo de controle de múltiplos núcleos não inferior a 0.8mm 2 por núcleo (eletroduto para alimentação das válvulas solenóides). Um 'par' individual de cabos deve ser usado para conectar cada válvula solenóide ou válvula na cabeça do regador ao painel de controle do sistema de irrigação. Conexões de cabo deverão ser feitas com dobras cheias de graxa e coladas por adesivo. Junções de linha deverão ser feitas dentro de uma câmara de válvula.

5.8.12 Emissores de Irrigação (aspersores)

O Contratante deverá:

Fornecer e instalar um total de 6 aspersores que emergem à superfície do campo (pop-up) ou pistolas d’água dentro do campo, capazes de setorização a 90ou 180. Os regadores deverão proporcionar uniformidade de cobertura, conforme destacado pelo "Manual de Desempenho, Durabilidade e Requisitos de Construção dos Campos de Hóquei de Grama Sintética (maio de 2013). A taxa de descarga dos regadores deverá ser tal que um ciclo de regagem de todos os seis aspersores (que operam em pares combinados de arco) deve precipitar 3 mm sobre a superfície de jogo do campo de hóquei marcado em não mais do que 8 minutos. Os regadores deverão ser de pistão parcialmente circular do tipo M-160 ou de similares aprovados pela FIH.

Fornecer e instalar conexões número 6 entre a porta de entrada do regador e a porta de descarga da válvula solenóide relevante. As ligações devem ser formadas de modo a permitir o ajuste final da cabeça do regador in situ.

Fornecer e instalar quatro regadores que emergem à superfície do gramado (pop-up) capazes de sectorização a 90ou 180, localizados em pares por trás das linhas de gol do campo de jogo. Os regadores deverão ser de válvulas Rainbird Eagle 1150 em unidades de cabeça (ou equivalentes aprovados pela FIH) e terem um raio de lançamento não inferior a 26 metros.

Fornecer e instalar dois pontos de abastecimento manual de mangueira, cada um em um lado do campo e posicionados adequadamente, sem ficarem dentro das áreas técnicas ao lado do campo.

5.8.13 Sistema de Controle

O Contratante deverá:

Fornecer e instalar, dentro da casa de bombas, um painel de controle de estações MCI96 Heron (ou equivalente, aprovado pela FIH), efetuando o controle das pistolas d’água e dos aspersores que emergem à superfície do gramado (pop-up), por meio do cabo de controle de múltiplos núcleos instalado (cabo PP).

Fornecer e instalar um alarme de alerta ativado pelo sistema de controle de irrigação, para dar avisos sonoros 30 segundos antes da operação das armas de chuva e dos regadores emergentes.

Fornecer e instalar um dispositivo de estação de controle remoto nas áreas técnicas dos campos.

5.9 Arredores e Serviços dos Campos

Requisitos específicos do local podem exigir diferentes construções nas áreas adjacentes aos campos, para os efeitos desta especificação fora do cercado baixo do

campo, o Contratante deverá permitir a instalação de uma superfície de macadame

antes da primeira fila de assentos para espectadores e do cercado alto. As dimensões desta área devem ter um mínimo de 3 m em ambas as extremidades, 4 m para o leste

e 2 m para o oeste de ambos os campos localizados na Região de Deodoro. Detalhes

sobre o tamanho da superfície de macadame serão fornecidos pelo Contratante, nos

desenhos e nos documentos detalhando as Informações Sobre as Obras.

Na Região de Deodoro deverão ser previstas áreas técnicas para os abrigos da equipe

e da mesa técnica, ao leste de cada campo. Essas áreas deverão ser projetadas para

acomodar o exigido Mobiliário do Campo e do Torneio (5.11), áreas de circulação adequadas, fora das áreas de escoamento do Campo de Jogo e deverão ficar dentro do cercado baixo do perímetro do campo. Elas devem ter a mesma superfície do gramado sintético dos campos. Ambos os campos precisarão dos seguintes serviços a serem prestados em locais a serem acordados pelo Contratante, dentro dessas áreas

técnicas: -

Abastecimento de água potável

Abastecimento de energia

Comunicação de Dados

Eletrodutos ou fontes apropriadas deverão ser fornecidas nos locais acordados dentro das áreas técnicas, sem a necessidade de cabos ou de tubulações acima do gramado sintético.

5.10 Refletores (Iluminação)

O sistema de refletores para qualquer campo terá elementos específicos do local, alguns deles podem ser regidos por meio do planejamento de restrições ou melhorias no abastecimento. As informações serão fornecidas em um documento detalhando as Informações Sobre as Obras. O Contratado deverá fornecer um preço para o projeto e

a instalação de um sistema que preencha os requisitos da cláusula 3.6, montado tanto

sobre colunas altas quanto baixas. O sistema deverá atender aos requisitos da cláusula 3.6 e ser concebido conforme estipulado pelo Guide to the artificial lighting of hockey pitches (Guia para a iluminação artificial de campos de hóquei ), publicado pela FIH e disponível em seu site.

5.11 Mobiliário de Campo e Torneio

A seguinte lista de equipamento e mobiliário básicos deve ser fornecida e, se

necessária, construída pelo Contratado para cada campo:-

 

Centro de

UFRJ

Deodoro

Balizas de Hóquei

4

4

Bandeirinha flexível e base do escanteio

8

8

Bandeira endurecida para o citado acima

8

8

Abrigo para o banco de reservas com 5 m de comprimento, 10 cadeiras e 1 elevado (lado direito)

2

2

Abrigo para o banco de reservar com 5 m de comprimento, 10 cadeiras e 1 elevado (lado esquerdo)

2

2

Abrigo de mesa técnica com mesas e provador medindo 4m X 3m

2

 

Assento para jogadores suspensos (sin bin seat) (bancada com 3 cadeiras)

2

 

Banco médico (2 Cadeiras)

2

 

Carrinho para saco de tacos de Hóquei

2

2

Carrinho para tacos de hóquei

2

2

O equipamento deverá ser obtida a partir de um fornecedor aprovado e o projeto para

cada peça exigirá a aprovação oficial pela FIH antes de o pedido ser feito com o fornecedor.

Os Objetivos do Hóquei deverão estar de acordo com as exigências da BSEN 750 e a especificação da FIH, em todos os aspectos.

5.12 Manutenção e Uso do Campo no Pré e Pós-Jogo

O Contratado será responsável pela manutenção do gramado sintético durante o

período da conclusão dos elementos da construção à conclusão da competição de Hóquei dos Jogos Olímpicos. É essencial durante este período que a devida

consideração seja dada para garantir que o gramado sintético mantenha seus níveis

de desempenho de pico de uso e manutenção, os horários de uso serão elaborados e

o Contratado deverá permitir que o pessoal volte regularmente ao local para realizar

qualquer manutenção da superfície durante o período. Esta manutenção incluirá limpeza, escovação e quaisquer outros itens considerados necessários pelo Contratado ou pelo cliente. O horário exato de uso e os eventos serão emitidos para o Contratado, mas, de forma geral, deve ser executado o seguinte.

O Contratante exigirá que o Contratado garanta a uniformidade nas características das obras nos dois Projetos listados abaixo, durante o Período de Jogos:

1)

Campos de Hóquei de Competição na Região de Deodoro (“Local de

2)

Competição”) Local de Treinamento oficial, dois campos de hóquei e obras associadas na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Dados os diferentes níveis de uso que podem ocorrer no local da competição e na UFRJ nos preparativos para os Jogos, uma gestão coordenada de programa de uso e manutenção será implementada nas obras e no período de manutenção em ambos

os

locais, antes dos Jogos.

O

Contratante observa que o Contratado é responsável por garantir a uniformidade

da

especificação de desempenho tanto no Local da Competição e na GTTV quanto

entre os dois campos, em ambos os locais. O Empregador aceita que eles têm um papel fundamental a desempenhar para garantir que o Contratante possa cumprir

com as suas obrigações e concorda em cumprir com os seguintes requisitos para o uso gerenciado de campo e de manutenção a partir do momento em que os campos forem disponibilizados para uso, até o final do Período de Jogos Olímpicos.

5.12.1.Uso Gerenciado

Distribuição do uso

O Contratante deverá garantir que o agendamento do torneio e das atividades de treinamento nos dois campos, em ambos os locais, sejam gerenciados visando ao uso igualitário dos dois campos. Nenhum campo será usado com mais frequência do que o outro.

Treinamento no campo

O Contratante deverá garantir que o uso seja distribuído uniformemente entre as superfícies de jogo. O Contratante se compromete a implementar um programa equilibrado de jogo em sessões de treinamento que visem a reduzir o uso e o estresse sobre as áreas do gol de hóquei. Isso irá evitar o achatamento acelerado do filamento nessas áreas e uma mudança nas características de jogo em relação à área do campo mais ampla.

Tipo de uso

O Contratante se compromete a manter o uso exclusivo dos campos para o hóquei e não permitirá que qualquer outro esporte ou atividades de qualquer tipo ocorram nos gramados.

Controle do calçado

O Contratante deverá garantir que calçados adequados e limpos sejam usados por jogadores que utilizem os campos. Não serão permitidos calçados com travas.

Nível de uso

O Contratante se compromete a programar atividades regulares de hóquei nos campos para 'assentar’ os campos antes tanto do Evento-Teste quanto do período dos Jogos.

Comunicado sobre uso

Ao mais tardar no dia 25 de cada mês, o Contratante deverá fornecer uma cópia do uso e das reservas previstas para o próximo mês ao Gerente do Local, a fim de permitir que o Contratado planeje o programa de manutenção apropriado para o mês seguinte.

Ao mais tardar no quinto dia de cada mês, o Contratante deverá fornecer uma cópia do uso real para o mês anterior ao Gerente do Local, a fim de permitir que o Contratado monitore o uso para o mês anterior.

Diretrizes em relação ao perfil de uso

O Contratante aceita que seguirá as diretrizes do Contratado em relação à gestão e ao perfil de uso dos campos até o final dos Jogos.

5.12.2.Programas de Manutenção e Atividades

Armazenamento da máquina de manutenção

O Contratado deverá fornecer uma máquina de manutenção para o campo (SMG SportsChamp ou similar) para todo o período de manutenção. A máquina de manutenção do campo seguirá sendo propriedade do Contratado, mas estará disponível para uso pelo Contratante.

O Contratado deverá fornecer a cobertura do seguro para a máquina de manutenção do campo.

O Contratado providenciará uma área de armazenamento segura para a máquina até que uma data seja acordada.

O Contratado providenciará o combustível necessário para a máquina.

O Contratado transportará a máquina de tratamento de uma loja segura em intervalos acordados, a fim de limpar os campos. Caberá ao Contratado arcar com esses custos.

Durante o período do Evento-Teste o Contratado tomará as providências necessárias para que a máquina seja armazenada no Local da Competição. Caberá ao Contratado arcar com os custos desse transporte.

A partir de uma data a ser acordada antes dos Jogos, até o fim do Período dos Jogos, o Contratante providenciará uma área de armazenamento segura, no complexo de logística do Local da Competição, para a máquina de tratamento e facilitará o acesso à gasolina.

A partir de uma data a ser acordada antes dos Jogos, até o fim do Período dos Jogos, o Contratante providenciará uma área de armazenamento segura no complexo de logística na Instalação de Treinamento da UFRJ para uma segunda máquina de tratamento e facilitará o acesso à gasolina.

Manutenção do campo

O Contratado será responsável por garantir que somente pessoas treinadas sejam permitidas a usar as máquinas de manutenção. Um registro de agentes treinados será mantido pelo Contratado e estará disponível para o Contratante.

O Contratado fornecerá um manual de instruções ao Contratante apresentando a melhor prática acordada para informações sobre a

manutenção. A manutenção será feita por agentes treinados do Contratado, em estrita conformidade com o manual e com os seguintes pontos de destaque: -

O

A

direção da manutenção seguirá a mesma orientação dos rolos de

carpete, para evitar estresse desnecessário nas costuras do campo.

O

Os círculos da pequena área do gol devem ser “aparados

duplamente” a cada segundo serviço de manutenção, a fim de evitar

o

achatamento dos rolos nas áreas mais usadas.

O

Os arredores do campo devem ser aparados paralelamente às linhas laterais.

O

Para um efeito otimizado, o aparamento deve ser realizado sob uma

superfície de campo seca.

O Contratado prestará assessoria ao Contratante quanto à frequência e ao perfil da manutenção do campo necessária para garantir a uniformidade das características do jogo. A frequência de serviços de manutenção dependerá do perfil de utilização dos campos e das obras associadas que ocorrem em torno dos campos.

Periodicamente, o Contratado também deverá realizar a extração a vácuo para remover detritos de dentro da estrutura de rolo de carpete.

Limpeza do campo

Caberá ao Contratante a responsabilidade de remover todo o lixo, as folhas e outros resíduos nos campos em intervalos regulares.

Inspeções do Campo

A equipe treinada pelo Contratado deverá realizar inspeções regulares nos campos para garantir que todas as obrigações de manutenção estejam sendo cumpridas corretamente e monitorar a condição dos quatro campos.

O Contratado também assegurará que, caso qualquer modificação no programa de manutenção se faça necessária, que ela possa ser efetuada rapidamente.

Dano ao gramado

Caberá ao Contratante a responsabilidade de comunicar qualquer dano, não importa a sua dimensão, ao Contratado, o mais rápido possível.