Você está na página 1de 4

GABARITO 1 CARGO: FONOAUDIÓLOGO – 08/10/06 NS 17

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – SUS D) promoção da saúde e atenção básica.


01. O conceito de demanda é estritamente O6. As Regiões de Saúde são recortes territoriais
econômico, significando “o volume de bens e serviços inseridos em um espaço geográfico contínuo,
que a comunidade está disposta a adquirir a identificadas pelos gestores municipais e estaduais,
determinados preços”. Neste sentido, a demanda por onde deve ser organizada a rede de ações e serviços
serviços de saúde é determinada em função de de saúde. Cabe ao Conselho Estadual de Saúde a
diversos fatores. A esse respeito, assinale a aprovação do desenho das
afirmativa verdadeira. A) regiões intraestaduais e interestaduais.
A) A renda pessoal não é fator determinante da B) regiões intramunicipais e intraestaduais.
demanda por serviços de saúde. C) regiões intraestaduais e fronteiriças.
B) O preço dos serviços de saúde não influencia a D) regiões interestaduais e fronteiriças.
demanda.
C) A renda pessoal e o preço dos serviços não se 07. No eixo da Regulação da Atenção à Saúde e
aplicam ao mercado de serviços de saúde. Regulação Assistencial do Pacto de Gestão são
D) A importância que as pessoas atribuem aos estabelecidas diretrizes, metas e conceitos. Os
serviços de saúde tem influência sobre a demanda Complexos Reguladores são entendidos como
dos mesmos. A) um instrumento de planejamento da assistência.
B) uma estratégia de regulação assistencial.
02. Os benefícios resultantes do tratamento de um C) um conjunto de normas de controle do
caso de tuberculose trazem grande soma de atendimento.
vantagens não apenas para o paciente como para D) um processo de auditoria assistencial.
todos aqueles que com ele convivem e a comunidade
08. Os países em geral, segundo Mendes (2002),
em geral. Esses benefícios são vistos como
apresentam os mesmos objetivos para a organização
A) custo-oportunidade.
dos seus sistemas de serviços de saúde. Assinale a
B) eficiência.
alternativa que NÃO é um objetivo destes sistemas.
C) externalidades.
A) O alcance de um nível ótimo de saúde.
D) custo-benefício.
B) A cobertura dos serviços de saúde.
03. O impacto ou efeito de uma intervenção em C) A eficiência dos serviços de saúde.
saúde que gera um resultado sanitariamente D) O acolhimento dos cidadãos.
desejável, ou seja, a probabilidade de um indivíduo 09. Os sistemas de serviços de saúde para
ou conjunto de pessoas se beneficiarem da aplicação alcançarem seus objetivos devem desempenhar
de um procedimento ou técnica, em condições ideais certas funções. Estas funções podem ser agrupadas
de atenção, é denominada em macrofunções. Marque a alternativa verdadeira.
A) eficiência C) eqüidade A) O sistema de serviços de saúde está sujeito a três
B) efetividade D) eficácia formas de regulação.
04. O modelo assistencial ou modelo de atenção, B) O modelo regulatório tecnocrático é uma forma de
segundo Paim (2002), não é uma forma de organizar regulação mercadológica.
serviços de saúde nem um modo de administrar o C) Na auto-avaliação o controle do sistema de
sistema e os serviços de saúde. Assinale a afirmativa serviços de saúde é delegado às profissões de
verdadeira. saúde.
A) O modelo assistencial é entendido como um D) A auditoria clínica é trabalhada a partir de dois
conjunto de normas ou exemplos a serem seguidos. enfoques: a revisão implícita e o uso de eventos-
B) O modelo assistencial é uma dada forma de sentinelas.
combinar técnicas e tecnologias para resolver 10. A Lei Orgânica da Saúde estabelece a vigilância
problemas e atender necessidades de saúde sanitária, a vigilância epidemiológica, a saúde do
individuais e coletivas. trabalhador e a assistência terapêutica, como campos
C) O modelo médico-assistencial privativista de atuação do Sistema Único de Saúde-SUS.
contempla o conjunto dos problemas de saúde de Assinale a alternativa verdadeira.
toda a população. A) O controle de bens de consumo que, direta e
D) O modelo assistencial sanitarista contempla a indiretamente, se relacionam com a saúde, é uma
totalidade da situação de saúde, preocupando-se com ação de vigilância epidemiológica.
os determinantes mais gerais da situação sanitária. B) O conhecimento dos fatores condicionantes da
saúde individual ou coletiva é uma ação do campo da
05. O Pacto pela Vida é o compromisso entre os assistência terapêutica
gestores do Sistema Único de Saúde - SUS em torno C) A saúde do trabalhador é entendida como um
de prioridades que apresentam impacto sobre a conjunto de atividades que, através da vigilância
situação de saúde da população brasileira. As sanitária, promovem e protegem a saúde dos
prioridades são estabelecidas por meio de metas. trabalhadores.
NÃO são prioridades do Pacto pela Vida para 2006: D) O controle da prestação de serviços que se
A) saúde do idoso e promoção da saúde. relacionam direta e indiretamente com a saúde é uma
B) câncer de colo de útero e de mama. ação da vigilância sanitária.
C) acidentes e violências.

1
GABARITO 1 CARGO: FONOAUDIÓLOGO – 08/10/06 NS 17

C) movimentos compensatórios, a fim de auxiliar a


articulação já existente.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS D) exercícios de tono e mobilidade das estruturas
remanescentes.
11. Quando da aspiração, nos casos de laringectomia
parcial, os objetivos principais da conduta 17. São manobras de proteção de vias aéreas:
fonoaudiológica são a redução da aspiração e a A) queixo elevado.
retomada da deglutição por via oral. Para que isso B) cabeça levemente inclinada para frente.
ocorra, uma das técnicas mais efetivas é C) cabeça virada para frente.
A) a manutenção da cabeça sempre na mesma D) cabeça virada para o lado.
posição para facilitar a condução do bolo alimentar
em direção à laringe. 18. Em pacientes com ressecção parcial do véu
B) o treino de deglutição com oclusão momentânea palatino deve(m) ser
do traqueostoma durante e imediatamente após a A) realizada emissão de fonemas fricativos.
deglutição. B) realizada estimulação térmica morna.
C) a coordenação entre o abaixamento da laringe C) realizados exercícios dessa região.
versus introdução do bolo alimentar. D) realizada fonação não sussurrada.
D) o contato leve entre a língua e a laringe, através
da elevação da laringe e anteriorização da língua. 19. Após uma ressecção anterior da língua, na
fonoterapia:
12. Nos casos de glossectomia total, há A) não se deve trabalhar a sobrearticulação.
comprometimento, dentre outros, da articulação B) devem ser realizados exercícios para melhorar a
fonética. Na avaliação NÃO encontraremos mobilidade da porção remanescente, que influencia
comprometimento na articulação dos fonemas diretamente na fala.
A) palatais e linguodentais. C) não devem ser realizados exercícios para
B) velares e palatais. melhorar a mobilidade da porção remanescente, já
C) labiodentais e bilabiais. que não influencia diretamente na fala.
D) bilabiais e palatais. D) devem ser realizados exercícios de protrusão-
retração e lateralização sem resistência.
13. A maior dificuldade de um indivíduo submetido a
uma laringectomia parcial horizontal diz respeito à 20. O paciente com queimadura na face,
A) deglutição. hospitalizado e ainda com muita dor, submetido à
B) respiração. alimentação por via oral, tende a limitar os
C) aspiração. movimentos de mandíbula, tanto para a apreensão
D) mastigação. dos alimentos como para a realização da mastigação,
levando a retrações teciduais que mais tarde
14. Nas laringectomias parciais são considerados três prejudicarão a realização das funções
fatores básicos que levam à aspiração: estomatognáticas. Para prevenir que isso ocorra, o
A) não elevação da laringe, não adução das pregas Fonoaudiólogo orienta a equipe de enfermagem para
vocais, alteração do segmento faringoesofágico. realizar mastigação
B) elevação da laringe, não adução das pregas A) rápida, com amplitude de movimentos.
vocais, alteração do segmento faringoesofágico. B) rápida, sem amplitude de movimentos.
C) não elevação da laringe, adução das pregas C) lenta, com amplitude de movimentos.
vocais, alteração do segmento faringoesofágico. D) lenta, sem amplitude de movimentos.
D) elevação da laringe, adução das pregas vocais,
alteração do segmento faringoesofágico. 21. Para as seqüelas cervicofaciais do tipo fusão
mentoesternal, quando o paciente apresenta
15. A fonoterapia em pacientes submetidos à cicatrizes com retrações que ligam a região
laringectomia é a produção sonora através da voz mentoniana ao esterno, pode-se orientar quanto à
esofágica, que consiste em introduzir o ar através de A) postura de repouso do paciente, gerando força
A) auxílio dos movimentos de deglutição. contrária de inclinação da cabeça para frente.
B) inspiração nasal prolongada. B) postura de repouso do paciente, gerando força a
C) inspiração oral prolongada. favor da inclinação da cabeça para frente.
D) alternação da inspiração oral e nasal prolongadas. C) postura de repouso do paciente, gerando força a
favor da inclinação da cabeça para trás.
16. É um exercício para terapia de fala no pós- D) postura de repouso do paciente, gerando força
operatório de tumores de cavidade oral: contrária de inclinação da cabeça para trás.
A) sobrearticulação, para melhorar a clareza
articulatória e aumentar a hipernasalidade. 22. O atendimento fonoaudiológico à beira do leito
B) aumento do ritmo e velocidade da fala, visa, principalmente, à reabilitação dos pacientes com
conscientemente, para facilitar a articulação e A) afasia.
melhorar a inteligibilidade. B) distúrbios de linguagem.

2
GABARITO 1 CARGO: FONOAUDIÓLOGO – 08/10/06 NS 17

C) distúrbios de deglutição. C) na atividade simbólica da linguagem.


D) disfonia. D) no intelecto.

23. Para pacientes com imprecisão nas fases da 30. O grau de oclusão do esfíncter velofaríngeo, varia
deglutição, impossibilitados de manter deglutição em função do sopro, sucção, deglutição, emissão
nutritiva: vocálica e consonantal. Marque o fonema
A) são necessários exercícios de motricidade oral e considerado o mais nasal do português falado no
manobras posturais. Brasil em virtude da ocorrência de menor fechamento
B) são necessários exercícios de motricidade oral e glótico durante sua emissão.
manobras de proteção laríngea. A) /i/
C) é necessária mudança de temperatura e do sabor B) /e/
do alimento. C) /a/
D) é necessária mudança de temperatura e do D) /u/
volume de alimento.
31. A traqueostomia interfere diretamente na fase
24. Na avaliação auditiva comportamental em laríngea da deglutição acarretando
neonatos, os estímulos são apresentados em ordem A) abaixamento e anteriorização laríngea.
crescente de intensidade, a _____ cm de distância, B) risco de aspiração.
com dois segundos de duração, em intervalos de C) proteção da via aérea superior.
______ segundos entre as apresentações. Marque a D) abertura do vestíbulo laríngeo.
opção que preenche, na ordem e corretamente, as
lacunas do enunciado. 32. A característica mais marcante no retrognatismo é
A) 20 e 30 A) favorecer a eversão do lábio.
B) 10 e 30 B) a mordida cruzada.
C) 10 e 20 C) a mordida aberta esquelética.
D) 20 e 20 D) manter os lábios fechados.

25. Em fonoterapia de disfagia, na manobra de 33. No pós-operatório de cirurgia ortognática, depois


esforço o paciente é orientado a da retirada do bloqueio intermaxilar a fonoterapia
A) tossir voluntariamente. visando melhorar a mobilidade da mandíbula deve ser
B) segurar o ar com força e em seguida deglutir e iniciada
tossir. A) com exercícios isométricos, mantendo o ápice da
C) realizar a deglutição supraglótica. língua na região da papila palatina sem envolver
D) contrair com força a língua e os músculos da qualquer esforço.
faringe durante a deglutição. B) com exercícios isométricos, mantendo o ápice da
língua na região da papila palatina com força.
26. A aquisição da linguagem segundo o empirismo, C) com exercícios isotônicos, mantendo o ápice da
tem como idéia central língua na região da papila palatina com força.
A) a imitação. D) com exercícios isotônicos, mantendo o ápice da
B) o saber prévio. língua na região da papila palatina sem envolver
C) a pragmática. qualquer esforço.
D) a semântica.
34. No tratamento da afasia o modelo cognitivo serve
27. Somente nos casos em que há certeza de que a de referência para a identificação do processamento
amplificação sonora na orelha pior compromete o alterado em relação
desempenho da melhor, opta-se pela amplificação A) à anomia.
A) binaural. B) aos padrões de normalidade.
B) monoaural. C) às dificuldades articulatórias.
C) máxima. D) à instabilidade emocional.
D) intermediária.
35. A terapia direta no tratamento da disfagia
28. São características da disartria flácida: orofaríngea envolve treino
A) voz soprosa e hipernasalidade. A) com alimentos em suas diferentes consistências.
B) voz áspera e com esforço. B) somente com alimentos pastosos.
C) voz rouca e ressonância hipernasal. C) somente com alimentos líquidos.
D) voz áspera e alterações prosódicas. D) somente com alimentos sólidos.

29. No tratamento das afasias, a estimulação 36. A atuação inicial do Fonoaudiólogo em


multissensorial destaca a importância do componente maternidades, junto às mães que amamentam pela
auditivo por sua repercussão primeira vez, consiste em observar a coordenação
A) na acuidade auditiva. entre
B) na elaboração neurosensorial. A) sucção e deglutição.

3
GABARITO 1 CARGO: FONOAUDIÓLOGO – 08/10/06 NS 17

B) respiração, sucção e deglutição. D) uma resposta comportamental.


C) respiração e deglutição.
D) respiração e sucção. 45. As emissões otoacústicas têm sido pesquisadas
em adultos por ocasião do diagnóstico diferencial
37. Quando o bebê suga, a única direção possível de entre perdas
movimento da língua é A) cocleares e retrococleares.
A) para a frente e para trás. B) cocleares e vestibulares.
B) para a frente e para os lados. C) vestibulares e retrococleares.
C) para os lados. D) vestibulares e periféricas.
D) para trás e para os lados.
46. Com relação à polaridade do estímulo, podem ser
38. A função primária vegetativa da laringe é empregadas a rarefeita (−), a condensada (+) e a
A) adução das pregas vocais. alternada (−,+). A rarefeita é a mais recomendada
B) proteção das vias aéreas. para a realização do PEATE, por propiciar
C) fonação. A) uma menor resolução e amplitude na formação da
D) ressonância. onda.
B) uma maior resolução e amplitude na formação da
39. Na triagem, a organização do bebê entre onda.
respiração, sucção e deglutição deve ser observada a C) prolongamento normal da latência da onda IV.
partir do D) prolongamento normal da latência da onda V.
A) nascimento.
B) 1.º dia de vida. 47. Em um bebê de seis meses, sabendo-se que o
C) 2.º dia de vida. bloqueador de algodão tem cerca de 3mm e
D) 3.º dia de vida. acrescentando-se a essa medida os 5mm que ele
deve ficar distante da membrana timpânica, o
40. Por meio da cefalometria pode-se identificar e/ou bloqueador deve ser posicionado a
mensurar as seguintes estruturas e espaços A) 8,5mm da abertura do MAE.
orgânicos de interesse do Fonoaudiólogo: B) 9,5mm da abertura do MAE.
A) os espaços orofaríngeos. C) 6,5mm da abertura do MAE.
B) os espaços nasofaríngeos. D) 7,5mm da abertura do MAE.
C) os espaços oro e nasofaríngeo.
D) os espaços oro e nasolaríngeo. 48. A imitância é um termo geral, relacionado à
transferência de uma energia acústica, independente
41. A bateria de testes utilizada na avaliação da maneira pela qual essa transferência está sendo
audiológica infantil depende não só da idade da medida. A transferência de energia ocorre quando a
criança, mas, principalmente, do seu desenvolvimento onda sonora alcança
A) neuropsicomotor. A) a orelha média e é aplicada uma pressão sonora
B) neurolingüístico. sobre a membrana timpânica.
C) cognitivo. B) o meato acústico externo e é aplicada uma
D) sociolingüístico. pressão sonora sobre a membrana timpânica.
C) o sistema nervoso auditivo central.
42. O teste dos Seis Sons do Ling consiste na D) a cóclea.
apresentação, sem pista visual, dos seguintes sons
da fala: 49. O limiar de reflexo acústico é realizado com a
A) /m/; /u/; /o/; /i/; /ch/;/s/ apresentação de um estímulo ativador de reflexos,
B) /m/; /u/; /a/; /e/; /ch/;/s/ geralmente com um tom puro no seguinte intervalo de
C) /m/; /u/; /o/; /e/; /ch/;/s/ freqüências:
D) /m/; /u/; /a/; /i/; /ch/;/s/ A) 500 a 4.000 Hz.
B) 500 a 5.000 Hz.
43. O potencial evocado auditivo de tronco encefálico C) 1000 a 2.000 Hz.
identifica perdas auditivas unilaterais e bilaterais de D) 1000 a 4.000 Hz.
grau
A) moderado. 50. No transtorno de processamento auditivo central o
B) moderado a severo. paciente
C) leve. A) parece não ouvir o interlocutor e não o entende.
D) severo. B) apresenta boa habilidade de fala e linguagem.
C) apresenta habilidades de leitura e escrita.
44. A emissão otoacústica (EOA) demonstra D) apresenta dificuldade para entender a fala em
A) a integridade das células ciliadas internas e ambiente ruidoso.
externas.
B) o funcionamento do VIII par craniano.
C) uma resposta fisiológica do sistema auditivo.