Você está na página 1de 9

Ministério da Saúde

Secretaria de Atenção à Saúde


Departamento de Ações Programáticas Estratégicas
Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas

Chamada de Projetos – QUALI-CAPS

V Chamada para Supervisão Clínico-Institucional dos CAPS e Rede de Atenção


Psicossocial (“Supervisão V”)

Portaria GM 1174, de 07.07.05

I- Introdução:

1. Considerando que o funcionamento eficaz e adequado dos Centros de Atenção


Psicossocial (CAPS) depende de um esforço permanente de qualificação destes serviços, a
Portaria GM 1174, de 07 de julho de 2005, instituiu um incentivo financeiro para os Estados e
municípios desenvolverem projetos de Qualificação do Atendimento e da Gestão dos CAPS
(QUALI-CAPS). Entre os anos de 2005 e 2009, 540 CAPS já receberam o incentivo do
Ministério da Saúde.
Foram realizadas chamadas de projetos em novembro de 2005 (Supervisão I), novembro
de 2007 (Supervisão II), abril de 2008 (Supervisão III) e dezembro de 2008 (Supervisão IV).

2. Através da presente Chamada de Projetos, o Ministério da Saúde informa a abertura


de inscrições para a seleção de 100 novos Projetos de Qualificação do Atendimento e Gestão
dos CAPS e da rede de atenção psicossocial, que deverão receber a primeira parcela do
incentivo em 2010. Com este incentivo financeiro, pretende-se fomentar ações de qualificação
dos serviços, principalmente a implantação de ações de supervisão clínico-institucional nos
CAPS e na rede de atenção psicossocial.

3. Os projetos a serem considerados devem estar em consonância com os princípios do


Sistema Único de Saúde (SUS), com as diretrizes da Política Nacional de Saúde Mental e com
as recomendações da III Conferência Nacional de Saúde Mental, que deliberou pela
implantação de programas estratégicos, interdisciplinares e permanentes que promovam a
qualificação da rede de atenção psicossocial (resolução n. 229, pág. 74, Relatório Final da III
CNSM, MS/CNS, 2002, acessível em www.saude.gov.br/saudemental).A referência normativa
aplicável é a portaria GM 1174, 07.07.05.

4. Para inscrever-se, o CAPS deve estar cadastrado junto ao Ministério da Saúde. A


supervisão da rede de atenção psicossocial deve estar articulada ao CAPS do território de onde
se originar a solicitação da supervisão.

5. Projetos de Supervisão voltados para ações de atenção integral aos usuários de


álcool e outras drogas, realizados na rede de saúde mental (CAPS, Atenção Básica, NASF,
Hospital Geral) deverão inscrever-se na Chamada de Projetos VI (“Supervisão AD”), a ser
divulgada em seguida.

II – Das inscrições para o processo seletivo:


1. As inscrições para a V Chamada para Supervisão Clínico-Institucional dos CAPS e
Rede de Atenção Psicossocial (“Supervisão V”) serão feitas através de formulário eletrônico,
disponível no endereço http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao=3972 ,
entre os dias 19 de abril e 23 de maio 2010.

2. O formulário eletrônico deverá ser preenchido pelo Coordenador de Saúde Mental do


Município ou pelo Coordenador (a) do Centro de Atenção Psicossocial proponente, devendo ser
resultante de um processo coletivo de construção do projeto de supervisão clínico-institucional
para o CAPS. Para o preenchimento do formulário, é necessário ter disponível:
a) dados de identificação do CAPS;
b) dados de identificação dos gestores municipais (Secretário Municipal de Saúde e
Coordenação de Saúde Mental do Município) e da Coordenação do CAPS
c) Ofício do Secretário Municipal de Saúde solicitando e se comprometendo a viabilizar o
trabalho da supervisão clínico-institucional (ver anexo modelo)
d) dados de identificação do (a) supervisor (a),
e) arquivo eletrônico com o curriculum vitae (Lattes ou modelo em anexo) do supervisor
proposto.
f) arquivo eletrônico contendo texto do supervisor em resposta ao item 9 do modelo de currículo
resumido e
g) arquivo eletrônico com o Projeto de Qualificação do Atendimento e Gestão do CAPS.

3. É necessário preencher um formulário eletrônico para cada CAPS participante do


processo seletivo, e as inscrições se darão exclusivamente através deste dispositivo.

4. A comprovação das informações prestadas, assim como outros documentos exigidos


pela PT GM 1174/2005, serão solicitadas apenas aos CAPS selecionados e são indispensáveis
para a confirmação da seleção. Os documentos obrigatórios, a serem enviados posteriormente,
são:
a) ofício do gestor solicitando o repasse do incentivo e comprometendo-se a viabilizar o
trabalho da supervisão clínico-institucional,
b) projeto técnico (item IV desta Chamada) assinado pelo supervisor, pelo coordenador do Caps
e pelo responsável pela área de saúde mental do município
c) comprovante da maior titulação do supervisor.

5. Para participar da seleção, não é necessário o envio de material impresso para a


Coordenação de Saúde Mental/MS, sendo todo o processo realizado por meio eletrônico.

III – Dos critérios para a seleção dos serviços

A Coordenação Nacional de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas do Ministério da


Saúde selecionará os 100 projetos a serem contemplados a partir de critérios que objetivam
privilegiar municípios e regiões com baixo acesso à supervisão clínico-institucional, distante de
centros formadores, além de municípios ou regiões que estejam passando por processo de
fechamento de hospitais psiquiátricos e/ou estejam reestruturando a rede de atenção em saúde
mental. Para a seleção dos projetos, serão considerados e combinados os seguintes critérios:

1. Distribuição regional/estadual. Os CAPS de municípios das regiões Norte, Centro-


Oeste e Nordeste, nesta ordem, serão considerados prioritários para o recebimento do incentivo
financeiro. As regiões Sul e Sudeste também serão contempladas em seguida, de forma que
todas as regiões possam ser beneficiadas por esta Chamada de Projetos.
2. Programa de Supervisão implantado. Municípios sem programa de supervisão
clínico-institucional em andamento serão considerados prioritários. Entretanto, será levada em
conta também a continuidade de programas de supervisão já implantados.

3. Recebimento anterior de incentivo. Terão prioridade os CAPS que não receberam


incentivo para o desenvolvimento de Programa de Qualificação do Atendimento e Gestão dos
CAPS pelas seleções efetuadas em 2005, 2007 e 2008, e aqueles CAPS que, tendo recebido o
incentivo anteriormente, cumpriram com os requisitos estabelecidos no Art. 6°, parágrafo 3°, da
Portaria GM 1174/2005.

4. Projeto de Qualificação: Serão selecionados os projetos de melhor qualidade técnica,


que contemplem o trabalho de supervisão clínico-institucional voltado para o fortalecimento da
rede de atenção no território em articulação com a atenção básica, ESF, NASF e outros
dispositivos da rede de urgência e de Hospitais Gerais, proposta de continuidade e
sustentabilidade do projeto, proposta de monitoramento e indicadores de avaliação dos
resultados do trabalho de supervisão clínico-institucional. Serão também analisados curriculum
vitae do(a) supervisor(a) indicado(a) pelo CAPS e texto do supervisor em resposta ao item 9
do modelo de currículo resumido. A resposta ao item 9 é obrigatória.

5. Desinstitucionalização. Serão considerados prioritários os projetos de CAPS sediados


em municípios/regiões em processo de desinstitucionalização, especialmente os que beneficiem
pacientes com internações de longa duração.

6. Projeto “Arte, Cultura e Renda nos CAPS”. Serão considerados prioritários os


serviços que possuam ou estejam articulados a projetos de geração de renda, atividades
culturais e oficinas de arte.

7. Distância de Centros de Formação. Serão considerados prioritários os projetos de


CAPS que estejam distantes de, ou tenham dificuldade ao acesso a Centros de Formação
universitários ou outros.

8. Realização de Ações Intersetoriais: A realização de Ações Intersetoriais será avaliada


como componente relevante do projeto de Supervisão Clínico-Institucional.

9. Projetos relacionados com CAPS-III, sejam aqueles já implantados ou em processo


de transformação de CAPS-II para III, serão considerados prioritários, em combinação com os
critérios anteriores. Os municípios e serviços vinculados ao PEAD – Plano Emergencial de
Ampliação do Acesso à Atenção em Álcool & Outras Drogas – serão objeto de Chamada de
Projetos específica.

IV – “Do Projeto de Qualificação do Atendimento e da Gestão do CAPS”

Os Projetos de Qualificação dos CAPS deverão contemplar:

1. Supervisão clínico-institucional regular realizada por profissional com formação e


experiência comprovadas na área de saúde mental, com uma regularidade de no mínimo
uma vez ao mês, com duração de um ano. A supervisão deverá ser preferencialmente
semanal, mas poderá ser quinzenal, nos casos em que isto se justifique pela
inviabilidade de profissionais no município e/ou região; será considerada a
possibilidade de supervisão mensal em situações específicas, justificadas por
dificuldades de acesso.
2. Entende-se como supervisão clínico-institucional um espaço regular de discussão e
estudo da equipe técnica do CAPS a respeito tanto dos projetos terapêuticos
individuais e do serviço, quanto das articulações com o território onde o CAPS se
situa e dos processos de trabalho, da gestão e da clínica do serviço. A supervisão
deve dar conta da dimensão clínica dos casos, da interação desta com o processo de
trabalho e a gestão do serviço, com as ações no território, com a linha de cuidado da
saúde mental, e com o bom funcionamento da equipe de cuidado.

3. Proposta objetiva de continuidade e sustentabilidade do projeto.4. Proposta objetiva de


monitoramento e avaliação de resultados do projeto.Curriculum vitae do(a)
supervisor(a) indicado(a) pelo CAPS.

4. Texto do supervisor em resposta ao item 9 do modelo de currículo resumido


(obrigatório).

Esta Chamada de Projetos oferece, em anexo, um Roteiro para a apresentação dos


Projetos e um modelo de currículo do(a) supervisor(a).

V – Da Responsabilidade do Gestor Municipal (ou Estadual, se for o caso), do Supervisor e do


Ministério da Saúde.

1. Os Projetos apoiados através desta Chamada constituem incentivo à gestão municipal


para Qualificação da Rede de Saúde Mental. O gestor local deverá se responsabilizar pela
contratação do supervisor selecionado por esta Chamada de Projetos. A relação contratual entre
supervisor e gestão é de responsabilidade exclusiva do gestor municipal.
2. Compete ao gestor municipal estabelecer mecanismos de avaliação permanente das
atividades da supervisão, e enviar ao MS, com cópia à SES (área de saúde mental) os relatórios
de acompanhamento previstos na portaria GM 1174/05
3. Ao Ministério da Saúde compete: a) repassar os recursos previstos pela portaria GM
1174/05 ao Fundo Municipal de Saúde (ou Estadual, se for o caso), para os projetos/municípios
selecionados; b) selecionar os supervisores através de Chamadas de Projetos e aprovar a
indicação de supervisores substitutos, quando isto for necessário; c) estabelecer mecanismos de
acompanhamento técnico do Projeto de Supervisão Clínico-Institucional; d) propor iniciativas
de formação permanente para os supervisores, com base nas determinações da Política Nacional
de Educação Permanente do SUS.

VI - Do Resultado da Seleção

A listagem com os 100 Projetos selecionados estará disponível nos sítios


www.saude.gov.br/saudemental , a partir do dia 14 de junho de 2010

Os CAPS selecionados deverão enviar até o dia 21 de junho de 2010 , via Fax Simile, o
Ofício do Gestor Municipal de Saúde, nos termos do Art 5º da Portaria GM 1174/2005. O
documento deverá ser enviado para:

z Fone/Fax (61) 33153920

Os documentos exigidos pela Portaria GM 1174/2005 (item II.4 desta Chamada de


Projetos) devem ser enviados até o dia 21 de junho (data de postagem), para:

z Ministério da Saúde
Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas
Esplanada dos Ministérios, Bloco G, 6º andar, sala 603
CEP: 70058 900
Brasília – DF.

z O envio destes documentos é indispensável para a confirmação da seleção.

VII – Informações Adicionais

Esta Chamada de Projetos é parte dos Programas de Qualificação da Atenção em Saúde


Mental no SUS e de Formação Permanente de Recursos Humanos para a Reforma Psiquiátrica,
vinculados ao Programa de Educação Permanente do SUS, e articula-se com o projeto “Escola
de Supervisores”, originado de recomendação do I Congresso Brasileiro de CAPS em 2004, que
tem como objetivos, além de promover a supervisão clínico-institucional, como uma tarefa
essencial para o trabalho dos CAPS e da rede de atenção psicossocial, formar supervisores com
perfil e quantidade suficiente para assegurar o acesso de todos os serviços à supervisão clínico-
institucional.

Brasília, abril de 2010.


Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas/DAPE/SAS
Supervisão V – Anexo A

A - ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PARA O PROGRAMA DE


QUALIFICAÇÃO DOS CAPS

1. Identificação

Nome do projeto
Nome do CAPS (endereço completo, tel, fax, e-mail)
Secretaria Municipal da Saúde (endereço, telefone, fax, e-mail)
Secretário Municipal de Saúde (nome)
Coordenador de Saúde Mental do município (nome, telefone, fax, e-mail)
Coordenador do Caps (nome, telefone, fax, e-mail)

2. Justificativa

Fundamentar a pertinência e relevância do projeto para a qualificação do trabalho no


CAPS, apontando as necessidades da equipe e benefícios para o atendimento, de maneira
objetiva (máximo uma página). Deve haver ênfase em aspectos qualitativos e quantitativos,
evitando-se dissertações genéricas sobre o tema. Indicar a população da área de abrangência do
serviço, o número de usuários em atendimento por modalidade de atenção, o número de técnicos
por categoria profissional e os serviços/ações em rede com outros serviços/instituições.

3. Objetivos

Definir com clareza o que se pretende alcançar com o projeto de supervisão.

4. Metas/produtos/resultados esperados

Indicar e quantificar, quando possível, metas, produtos e resultados esperados de modo


a permitir a verificação de seu cumprimento, além da identificação dos beneficiários (direta ou
indiretamente) do projeto. As metas devem dar noção da abrangência da ação a ser realizada.
Exemplo: número de sessões de supervisão clínico-institucional que pretendem realizar/
resultados esperados

5. Metodologia/estratégia de ação

Explicar, sucintamente, como o projeto será desenvolvido (ações/atividades previstas,


meios de realização); detalhar como as diferentes etapas serão implementadas e qual a inter-
relação entre as mesmas; indicar os mecanismos de acompanhamento e avaliação do projeto a
serem usados; identificar as parcerias envolvidas no projeto; esclarecer onde e com quem o
projeto será realizado.

6. Plano de Aplicação

Apresentar o plano de aplicação do recurso de valor total de R$10.000,00, divididos em


3 parcelas, a primeira de 4.000,00 e as duas últimas de 3.000,00 reais.

7. Prazo de execução

Detalhar a duração do projeto e freqüência das reuniões, fixando as datas estimadas para
início e término (se houver) das várias ações em que se desmembrará o projeto.
8. Curriculum vitae do Supervisor(a)

Anexar o Currículo Lattes ou o Curriculum Vitae resumido do(a) Supervisor(a)


indicado(a) pelo CAPS , seguindo o modelo abaixo.

9. Texto pessoal do supervisor indicado

Anexar arquivo com a resposta à questão: “Por que me proponho a ser supervisor
clínico-institucional do CAPS”?
(20 a 30 linhas)
Supervisão V – Anexo B

CURRÍCULO RESUMIDO DO SUPERVISOR

A – Dados Pessoais

1. Nome
2. CPF
3. Endereço completo
4. Endereço eletrônico

B - Formação Acadêmica

1. Graduação : Curso, Instituição, UF da Instituição (ou país) e Ano de Conclusão.


2. Cursos Inferiores a 360 horas e superiores a 20 horas, após a graduação : nome do
curso, instituição, carga horária, início e término (quatro cursos mais relevantes).
3. Cursos de especialização na Saúde Mental ou Áreas Afins: nome do curso, instituição,
ano de conclusão (dois cursos mais relevantes).
4. Residência em Saúde Mental: especialidade, instituição, UF da instituição, ano de
residência, data de início e de conclusão.
5. Mestrado em Saúde Mental ou Áreas Afins: nome do curso, instituição, ano de
conclusão.
6. Mestrado em Outra Área: nome do curso, instituição, ano de conclusão.
7. Doutorado em Saúde Mental ou Áreas Afins: nome do curso, instituição, ano de
conclusão.

C - Experiência Profissional

1. Experiência profissional: instituição, tempo de exercício, funções exercidas, data de


início e de conclusão (três experiências de maior relevância)
2. Atividade de docência e/ou supervisão (após a graduação): instituição, tipo de atividade,
data de início e de conclusão, carga horária média mensal (três atividades de maior
relevância).
3. Formação teórica: descrição do percurso de formação.
4. Conhecimento e/ou experiência em relação à saúde pública e rede de atenção.

D - Produção Acadêmica

1. Trabalhos Apresentados: título, local da apresentação, ano (cinco apresentações de


maior relevância)
2. Trabalhos Publicados: título, nome da Revista/Livro, ano de publicação (cinco
publicações mais relevantes)

E - Dados Complementares

1. Participação em eventos: Instituição, função exercida, ano (cinco participações mais


relevantes).
Texto pessoal do supervisor indicado (a ser anexado no formulário eletrônico como arquivo)

“Por que me proponho a ser supervisor clínico-institucional do CAPS”?


(20 a 30 linhas)