Você está na página 1de 15

Termodinâmica I

PARTE 1

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

1
TERMODINÂMICA

Estuda a ENERGIA e suas transformações.

Fornece a base científica para a análise dos processos de conversão de energia

Permite verificar a eficiência do uso da energia: custo e fatores ambientais envolvidos


no processo de conversão.

Permite entender da tendência futura energia - consumo e seu impacto sócio –


econômico.

O estudo da termodinâmica é voltado a 2 formas principais de energia: CALOR e


TRABALHO.

LEIS DA TERMODINÂMICA

São baseadas na experiência.

Lei zero: Descreve a possibilidade de definir a temperatura dos objetos.

1ª Lei: Princípio da Conservação de energia

2ª Lei: - Permite - descrever a direção dos processos


- calcular a eficiência de equipamentos e ciclos termodinâmicos
- verificar se é possível ou não a ocorrência de um processo.

3ª Lei: Se ocupa das propriedades da matéria a temperaturas muito baixas

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

1. SISTEMA

Objeto de análise identificado para estudo das interações (trocas de energia e/ou matéria)
com o meio externo.

- A composição da matéria dentro do sistema pode ser fixa ou variável.


- A forma ou o volume do sistema não é necessariamente constante.

Vizinhança: Tudo externo ao sistema.

Fronteira: Separa o sistema do meio externo ou vizinhança. Pode estar em repouso ou


movimento.

2
Qualquer análise termodinâmica começa
com a seleção do sistema, fronteira e vizinhanças

vizinhança

Embolo Móvel Fronteira


Móvel

Fronteira
Imaginária
vizinhança
vizinhança gás

Fronteira
Q Real

vizinhança

2. TIPOS DE SISTEMAS

a) Isolados: não trocam matéria ou energia com o meio externo.

b) Fechados: Não trocam matéria, mas podem permutar energia.

c) Abertos: Podem trocar matéria e energia com sistemas vizinhos.

Superfície de controle

Sistema massa NÃO massa SIM


Fechado Volume de
m = constante
controle

energia SIM
.
Energia SIM

Sistema Fechado
Sistema aberto.

3
3. TRATAMENTO MACRO E MICROSCÓPICO

Macroscópico(Termodinâmica Clássica):

Relacionado ao comportamento ou efeitos totais ou médios de moléculas que


compõe o sistema.

Não interessam detalhes moleculares e estrutura atômica.

Microscópico(Termodinâmica estatística):

Quando se considera a natureza molecular e atômica da matéria.

Para aplicações envolvendo laser, escoamento de gás a alta velocidade, cinética


química, criogenia, cálculo de propriedades, etc.

4. PROPRIEDADES TERMODINÂMICAS

São características macroscópicas do sistema.


Ex: massa, volume, pressão, temperatura, etc.

Propriedades Extensivas
• valor da propriedade para um sistema global é a soma de seus valores para as partes
nas quais o sistema é dividido.
• dependem da quantidade de matéria contida no sistema
• podem variar com o tempo.

Ex: massa, volume, energia interna, entalpia, entropia.

Propriedades Intensivas
• Não são aditivas. Seus valores são independentes do tamanho ou extensão de um
sistema.
• São funções da posição e do tempo, mas não se alteram quando o sistema é
subdivido.

Ex: pressão, temperatura, viscosidade, massa específica, etc.

5. ESTADO

• Condição do sistema descrito por suas propriedades.


• Quando as propriedades do sistema variam, o estado varia e o sistema é dito ter
passado por um processo.

4
6. PROCESSO

É a transformação de um estado a outro.

A variação no valor de uma propriedade entre dois estados independe do processo.

Ex: ∆T=T2-T1

Processos em que uma propriedade se mantém constante:

Processo isotérmico = T constante


Processo isobárico = p constante
Processo isocórico ou isovolumétrico = V constante

T
p
T

v v v

Proces. Isotérmico Proces. Isobárico Proces. isocórico

7. EQUILÏBRIO

Um sistema em equilíbrio não experimenta nenhuma variação em suas propriedades.

A termodinâmica trata com estados de equilíbrio.

Equilíbrio térmico = mesma temperatura


Equilíbrio mecânico = mesma pressão
Equilíbrio químico = mesma concentração
Equilíbrio termodinâmico deve satisfazer todas as formas de equilíbrio.

Processo de quasiequilíbrio ou quasiestático:

Processo em que o desvio do equilíbrio termodinâmico é infinitesimal (processo lento).


Todos os estados pelos quais o sistema passa durante o processo podem ser
considerados como estados de equilíbrio.

5
8. CICLO

Seqüência de processos, que começam e terminam no mesmo estado.

2
2

1 1
3

9. FASE

Quantidade de matéria que é homogênea na composição química e estrutura física (toda


sólida, ou gás ou líquida).

Em cada fase a substância pode existir a diferentes pressões e temperatura.

Ex: - água líquida e vapor d’água – 2 fases


- os gases podem ser misturados e formar uma simples fase

SISTEMAS DE UNIDADES

Atribui valores numéricos específicos para fenômenos físicos observáveis, de


maneira que estes possam ser descritos analiticamente.

DIMENSÃO quantidade física utilizada para definir qualitativamente uma propriedade que
pode ser medida ou observada.

Exemplo: Comprimento [L], Tempo [t], Massa [M], Força [F] e Temperatura [θ].

UNIDADE são nomes arbitrários atribuídos às dimensões.


Exemplo: dimensão → comprimento
unidades → centímetros, pés, polegadas,

6
SISTEMAS DE UNIDADES

1. Sistema Internacional - SI -

L Comprimento metro m
M Massa quilograma kg
t Tempo segundo s
θ Temperatura graus Celsius ou Kelvin °C ou K

Força: definida pela 2ª Lei de Newton

F = m.a

F - força [N]
m
m - massa [kg] F = m.a kg =N
s 2
a - aceleração [m/s2]

2. Sistema Inglês

L Comprimento Pés ft
M Massa libra-massa lbm
F Força libra-força lbf
t Tempo Segundo s
θ Temperatura graus Fahrenheit ou Rankine °F ou °R

Força: é estabelecido como uma quantidade independente definida por procedimento


experimental: a força de 1 lbf acelerará a massa de 1 lbm 32,174 pés por
segundo ao quadrado.

- Ao relacionar força e massa pela lei de Newton, surge uma constante de


proporcionalidade, gc:
2
m.a 1lbm.(32,174ft / s )
F= = = 1lbf
gc gc
-1 -2
- gc terá as dimensões MLF t
32,174lbm.ft
- para sistema inglês: g c =
lbf .s 2

gc tem o mesmo valor numérico que a aceleração da gravidade ao nível do mar, mas não
é aceleração da gravidade. Serve para relacionar estas quantidades.

7
3. Sistema Gravitacional Britânico

L Comprimento pés ft
M Massa slug slug
F Força libra-força lbf
t Tempo segundo s
θ Temperatura graus Fahrenheit ou Rankine °F ou °R

Outros:
- Sistema Técnico de Engenharia: kg, m, s, kgf
gc= 9,80665 kg.m/(kgf.s2)

- Sistema CGS: g, cm, s, dina

PESO ≠ MASSA

O Peso de um corpo é definido como a força que age no corpo resultante da aceleração
da gravidade. Varia com a altitude.

MASSA ESPECÍFICA E VOLUME ESPECÍFICO

São propriedades intensivas: variam de ponto a ponto no sistema e com o tempo.

m kg lbm
- Massa específica ( ρ ): massa por unidade de volume. ρ = , ,
V m 3 ft 3

- Volume específico (v): inverso da massa específica ou o volume por unidade de


V 1 m 3 ft 3
massa. v = = , ,
m ρ kg lbm

8
PRESSÃO
Para um fluido em repouso, a pressão (P) é definida como a força normal (FN) por
unidade de área (A). Nestas condições, ela é chamada de pressão estática.

F
P= N [Pa , bar, psi ]
A

1N 1lbf
SI: 1Pa = , 1bar = 10 5 Pa = 0,1MPa Inglês: 1psi =
m2 in 2

A pressão é uma propriedade intensiva, varia de ponto a ponto no sistema. Exemplo:


pressão atmosférica com a elevação, pressão com a profundidade de corpos na água

Manômetros de Pressão: são instrumentos para medir a pressão de fluidos


(gasosos ou líquidos) em recipientes fechados. Os mais comuns são os manômetros e
os tubos de Bourdon.

Manômetros: o manômetro tipo de nível utiliza uma coluna de líquido, normalmente


água (H2O) ou mercúrio(Hg), para medir a pressão, indicando a altura da coluna, a
intensidade de pressão.

9
Tubos de Bourdon: consiste em um tubo metálico curvado, de forma elíptica que se
tende a se endireitar quando aumenta a pressão do fluido no tubo e a se aper4tar quando
a pressão diminui. Qualquer modificação na curvatura do tubo transmite-se através de um
sistema de engrenagens para um ponteiro indicador

Tubo de Bourdon

10
Barômetros: medem a pressão atmosférica através da altura de uma coluna de Hg

PA = Patm = Pvapor + gh

1 atmosfera padrão (atm) = pressão produzida por uma coluna de 760 mm de mercúrio a
273,15 K e sob aceleração gravitacional padrão na terra de g=9,8 m/s2
5 2 2
1 atm = 1,01325 x 10 Pa (N/m ) = 14,696 lbf/in

11
Pressão absoluta, pressão atmosférica e pressão manométrica

Pabs1 ∆P = Pefe1

∆P = Pefe2
Patm Patm

Pabs2

Pressão absoluta = Pressão total

Pressão atmosférica = pressão exercida pela atmosfera (varia com o local e a elevação)
e é o resultado do peso do ar. Medida com o barômetro.

Pressão manométrica = pressão efetiva medida por aparelhos (manômetros). É a


diferença entre pressão absoluta no sistema e a pressão
atmosférica externa ao medidor

Pabs1 = Patm + Pefet1 Pabs2 = Patm − Pefet 2

12
TEMPERATURA E A LEI ZERO DA TERMODINÂMICA

Temperatura: propriedade intensiva


medida da sensacão de “quente”e “frio”
quando temperatura varia outras propriedades também variam

Igualdade de temperatura - equilíbrio térmico - quando as variações de uma


propriedade sob observação cessam, finaliza interação
Temperatura é a propriedade física que indica se os corpos estão em equilíbrio térmico
(temperaturas iguais)

Lei zero da termodinâmica


“Dois corpos, cada um em equilíbrio térmico com um terceiro corpo, estarão em
equilíbrio térmico entre si”

A Lei Zero da Termodinâmica é a base para a medição da temperatura. Se


quisermos saber se 2 corpos estão a mesma temperatura basta verificar se eles estão
individualmente em equilíbrio térmico com um terceiro corpo → TERMÔMETRO

Termômetros - qualquer corpo com pelo menos uma propriedade miscível que varie com
a variação de temperatura (propriedade termométrica)

Sensores de substância propriedade característica


temperatura termométrica termométrica
comprimento do
Termômetro líquido mercúrio, álcool líquido no capilar temperaturas normais

.precisão e exatidão
Termômetro a gás hélio ou hidrogênio pressão .instrumento padrão de
calibração
Termopares união entre 2 metais: fem altas temperaturas
Cu/constantã,
Pt/radio
Sensores de materiais
resistência elétrica condutores: Pt, Ni,
Cu
semicondu-tores
Pirômetros de sensores de para medir T de objetos
radiação radiação em movimento a T
elevadas
pirômetros óticos

Entretanto, necessita-se relacionar as temperaturas lidas em diferentes


termômetros.
13
Escalas de temperatura

São definidas para um valor numérico atribuído a um ponto fixo padrão.

SI, a escala usada é a Celsius (°C)


Sistema inglês, o Fahrenheit (°F)

Até 1954 eram baseadas em dois pontos fixos reproduzíveis:

temperatura de fusão do gelo - mistura água/gelo em equilíbrio com o ar saturada a 1


atm - 0°C, 32°F
temperatura de vaporização da água - água e vapor em equilíbrio a 1 atm - 100°C,
212°F

A partir de 1954 a escala Celsius foi redefinida em termos do ponto triplo da água -
coexistência das fases sólido, líquido e vapor => 0,01 °C

Escalas Absolutas (Escala termodinâmica de temperatura)

Escala de temperatura independente da substância termométrica

Obtida através do princípio da conservação de energia e segunda lei da


termodinâmica

A ESCALA KELVIN é uma escala de temperatura termodinâmica absoluta que dá


uma definição de temperatura válida sobre todas as faixas de temperatura.
Medidas com diferentes termômetros podem ser relacionadas a escala Kelvin.

A escala Celsius tem a mesma magnitude que a Kelvin, portanto as diferenças são
idênticas em ambas escalas.
0 °C= 273,15 K
T(°C)= T(K)-273,15

A ESCALA RANKINE (°R) é associada a Fahrenheit (mesma magnitude)


O zero absoluto da Rankine coincide com o da Kelvin.

T(°F)= T(°R)-459,67

T(°F)=32+9/5 T(°C)
T(°R)= 9/5 T(K)

14
K °C °R °F
Ponto de
vaporização 373,15 100 671,67 212

Ponto tripo
da água 273,16 0,01 491,69 32,02
Ponto de 273,15 0,00 491,67 32,0
fusão

Zero absoluto 0,00 -273,15 0,00 -459,67

Kelvin Celsius Rankine Fahrenheit

15