Você está na página 1de 4

APARECIDA DE GOIÂNIA, _____ DE _______________ DE 2010

ALUNO (A): __________________________________________N º ___


SÉRIE: __º ANO TURMA: __TURNO: _________
PROFESSOR: Eduardo Filemon Bernard II

FIXANDO O CONTEÚDO
SOCIOLOGIA

MAX WEBER: A ação social


A análise estará centrada nos atos e ações dos indivíduos. Isto é, a sociedade deve ser entendida a
partir do conjunto de ações individuais reciprocamente referidas, com sentido.

Ação Social: Uma Ação com Sentido.


Cada sociedade para Weber possui sua especificidade e Importância. Mas o ponto de partida de seus
estudos estava nas entidades coletivas, grupos ou instituições. Seu objeto de investigação é a ação
social, a conduta humana dotada de sentido, isto é, de uma justificativa subjetivamente elaborada.
Assim, o homem passou a ter, enquanto indivíduo, na teoria weberiana, significado e especificidade
dando sentido à sua ação social.
As normas sociais só se tornam concretas quando se manifestam em cada indivíduo sob a forma de
motivação. Cada sujeito age levado por um motivo que é dado pela tradição, por interesses racionais
ou pela emotividade. O motivo que transparece na ação social permite desvendar o seu sentido, que é
social na medida em que cada indivíduo age levando em conta a resposta ou a reação de outros
indivíduos.
OBS.: uma ação orientada por fenômeno da natureza não é social.

Assim ele estabelece quatro tipos de ação social:

1. Ação tradicional: aquela determinada por um costume ou por um hábito arraigado.

2. Ação afetiva: aquela determinada por afetos ou estados sentimentais.

3. Racional em relação a valores: determinada pela crença consciente num valor considerado
importante.

4. Racional com relação aos fins: determinada pelo cálculo racional que coloca fins e organiza os
meios necessários.

No livro "Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo" Weber relaciona o papel do protestantismo na


formação do comportamento típico do capitalismo ocidental moderno. Weber descobre que os valores
do protestantismo - como as práticas de devoção e penitência, a poupança, a severidade, a rigidez, a
vocação, o dever e a propensão ao trabalho - aluavam de maneira decisiva sobre os indivíduos. Weber
mostra a formação de uma nova mentalidade, dos novos valores éticos instituídos com o capitalismo,
em oposição ao despojamento da vida material e à atitude contemplativa do catolicismo, voltados para
a oração, sacrifício e renúncia da vida prática.
Atenção:

• O trabalho toma-se, portanto um valor em si mesmo.


• O puritanismo condenava o ócio, o luxo, a perda de tempo.
• A dedicação religiosa ao trabalho ele chamou de vocação.
Dominação

As formas básicas de legitimação justificam-se com base em distintas fontes de autoridade:


Tradicional: "a da ordem eterno". Isto é, o domínio tradicional exercido pelo patriarca e pelo príncipe
patrimonial de outrora (...). Carismática: a do dom da graça extraordinário e pessoal, a dedicação
absolutamente pessoal e a confiança pessoal na revelação, heroísmo... É o domínio carismático
exercido pelo profeta ou - no campo da política - pelo senhor da guerra eleito...
Legalidade, em virtude da fé na validade do estatuto legal e da competência funcional, baseada em
regras racionalmente criadas. É o domínio exercido pelo moderno servidor do Estado e por todos os
portadores do poder que, sob este aspecto, a ele se assemelham.

KARL MARX E O MATERIALISMO HISTÓRICO


Doutrina do marxismo que afirma que o modo de produção da vida material condiciona o conjunto de
todos os processos da vida social, política e espiritual.
(• As forças produtivas constituem as condições materiais de toda a produção: matérias-primas,
instrumentos como ferramentas ou máquinas) homem, principal elemento das forças produtivas, é o
responsável por fazer a ligação entre a natureza e a técnica e os Instrumentos.

• As relações sociais de produção são as formas pelas quais os homens se organizam para executar a
atividade produtiva.
Assim, as relações de produção podem ser num determinado momento, cooperativistas (como num
mutirão), escravistas (como na Antiguidade), servis (como na Europa feudal), ou capitalistas (como na
Indústria moderna). Homens processo produtivo.

A idéia de alienação

Econômica (dupla): a industrialização, a propriedade privada e o assalariamento separavam o


trabalhador dos meios de produção ferramentas, matéria-prima, terra e máquina -, que se tornaram
propriedade privada do capitalista. Separava também, ou alienava o trabalhador do fruto do seu
trabalho, que também é apropriado pelo capitalista.

Política: o principio da representatividade, base do liberalismo, criou a idéia de Estado como um órgão
político imparcial, capaz de representar toda a sociedade e dirigi-la pelo poder delegados pêlos
indivíduos. Marx mostrou, entretanto, que na sociedade de classes esse Estado é uma superestrutura
política e jurídica a serviço da classe dominante, Isto é, age conforme seus interesses.

PRÁXIS; Pela crítica radical ao sistema econômico, à política e à filosofia que o excluíram da
participação efetiva na vida social, isto é, ação política consciente e transformadora.
As classes sociais: Segundo Marx, as desigualdades sociais observadas no seu tempo eram provocadas
pelas relações de produção do sistema capitalista, que dividem os homens em proprietários e não
proprietários dos meios de produção. As desigualdades são à base da formação das classes sociais. As
relações entre os homens se caracterizam por relações de oposição, antagonismo, exploração e
complementaridade entro as classes sociais.

Mais-valia: É no momento em que o empresário compra a força de trabalho de seu empregado que
nasce o processo de exploração capitalista. Como? "O empregado, ao pagar os salários aos
trabalhadores, nunca paga a este o que eles realmente produziram, isto é, o excedente de valor
produzido que não é devolvido ao trabalhador; sendo apropriado pelo capitalista. Será essa mais valia
que irá caracterizar o capital, pois parte dela é reempregada no processo de acumulação capitalista.

Fetiche da Mercadoria: No entanto, as coisas não aparecem assim tão claras; na realidade, somos
levados a pensar que as mercadorias têm qualidades próprias, que o dinheiro possui um poder de
compra que é mágico. Essa inversão de sentidos consiste basicamente em dar a impressão de que as
relações sociais de trabalho são apenas relações sociais entre mercadorias.
Trabalho morto e vivo (valor)

O capitalismo vê a força de trabalho como mercadoria, mas é claro que não se trata de uma mercadoria
qualquer. Enquanto os produtos, ao serem usados, simplesmente se desgastam ou desaparecem, o uso
da força de trabalho significa, ao contrário, criação de valor.

Exercícios

01. Na sociologia de Max Weber, o conceito de ação social tem sido fundamental em inúmeros estudos
importantes sobre as sociedades modernas. Considere as alternativas teóricas abaixo e assinale a
alternativa incorreta.

a) O conceito de ação social em Max Weber pretende comprovar a coerção, a interioridade, a


particularidade e a generalização dos fatos sociais, a partir da conexão natural de sentidos entre os
indivíduos.

b) Pra Max Weber, a Sociologia é a ciência que pretende interpretar os sentidos improváveis da ação
social, suas causas, seus efeitos e suas regularidades, que se expressam na forma de uso, costumes e
situações de interesses produzidos por diversos sujeitos.

c) Max Weber define ação social como uma conduta dotada de um significado subjetivo dado por um
sujeito que o executa, orientando seu próprio comportamento, tendo em vista a ação de outros sujeitos
conhecidos ou desconhecidos.

d) Para Max Weber, a explicação sociológica busca compreender os sentidos, o desenvolvimento e os


efeitos da conduta de um ou mais indivíduos em relação a outros, ou seja, seu caráter social, não se
propondo a julgar a validez da ação dos sujeitos.

02. Com relação aos conceitos de solidariedade mecânica e solidariedade orgânica, na obra de Émile
Durkheim, assinale a alternativa incorreta.

a) A solidariedade orgânica é própria dos organismos sociais primitivas.

b) A solidariedade mecânica é a forma de coesão própria das sociedades pré-capitalista.

c) A solidariedade orgânica define-se como aquela em que a coesão se dá pela diferenciação das
funções.

d) A solidariedade mecânica está assentada na semelhança de funções.

03. (UFU-2003) A teoria social de Karl Marx sustenta que a alienação (ou estranhamento) no
capitalismo relaciona-se:

a) A uma dimensão inelutável de toda e qualquer sociedade humana, uma vez que o trabalho alienado
é condição-natural do homem.

b) Estritamente á esfera econômica, não comportamento desdobramentos sobre os outros momentos da


totalidade social.

c) Fundamentalmente ao fenômeno do estado, porque esta cria o fetichismo da mercadoria.

d) Como primeira manifestação, á separação entre o produtor direto e estas dimensões: o produtor do
trabalho, o processo do trabalho, os outros produtores diretos, o gênero humano.
04. (UEL-2003) Segundo a teoria Weberiana, são corretas as afirmações, exceto.

a) O historicismo é entendido como uma tarefa do cientista do cientista como forma de compreensão
das sociedades.

b) A tarefa do cientista é descobrir os possíveis sentidos das ações humanas presentes na realidade
social que lhe interesse estudar.

c) A ação social gera efeitos sobre a realidade em que ocorre, e tais efeitos escapam ao controle e á
previsão do agente.

d) Os fatos sociais são coisas que devem ser vista e analisadas.

e) O que garante a cientificidades de uma explicação é o método de reflexão e não diretamente o fato
social.