Você está na página 1de 18

UnidadeUnidade 22 dede FísicaFísica dodo

11º11º anoano

UnidadeUnidade 22 dede FísicaFísica dodo 11º11º anoano 1 - Comunicações a curtas distâncias
UnidadeUnidade 22 dede FísicaFísica dodo 11º11º anoano 1 - Comunicações a curtas distâncias
UnidadeUnidade 22 dede FísicaFísica dodo 11º11º anoano 1 - Comunicações a curtas distâncias

1 - Comunicações a curtas distâncias

Um sinal é uma perturbação, isto é, uma alteração de uma

propriedade física.

Tipo de sinal

Característica do sinal

Propriedade física

alterada

Sinal mecânico

Há alteração de uma propriedade física de um meio material

posição, densidade, pressão

Sinal

Há alteração de propriedades que não estão necessariamente associadas a um meio material

Campos elétrico e magnético

eletromagnético

Onda: propagação de um sinal. Ondas mecânicas: precisam de um meio material para se propagar (exemplo: ondas sísmicas, ondas sonoras, tsunamis…) •Ondas eletromagnéticas: não precisam de um meio material para se propagarem, propagam-se até no vazio. A propagação de uma perturbação, onda, implica a transferência de energia entre os diferentes pontos do meio mas não há transporte de matéria (a rolha ao lado não se desloca).

de energia entre os diferentes pontos do meio mas não há transporte de matéria (a rolha

Ondas transversais: por exemplo, uma onda

numa corda, pois as partículas da corda oscilam perpendicularmente à direção em que se dá a propagação. Ondas longitudinais: quando as partículas se

movem numa direção paralela à da propagação.

Onda periódica: as oscilações repetem-se em intervalos de tempo constante. A periodicidade pode ser temporal (fixa-se um ponto no espaço) ou espacial (fixa-se um certo instante).

3

constante. A periodicidade pode ser temporal (fixa-se um ponto no espaço) ou espacial (fixa-se um certo
constante. A periodicidade pode ser temporal (fixa-se um ponto no espaço) ou espacial (fixa-se um certo
Periodicidade espacial Periodicidade temporal • Período (T): intervalo de tempo de uma vibração ou ciclo.
Periodicidade espacial Periodicidade temporal • Período (T): intervalo de tempo de uma vibração ou ciclo.

Periodicidade espacial

Periodicidade espacial Periodicidade temporal • Período (T): intervalo de tempo de uma vibração ou ciclo.

Periodicidade temporal

Período (T): intervalo de tempo de uma vibração ou ciclo. Determinado graficamente a partir da periodicidade temporal. Unidade SI é o segundo. Frequência (f): número de vibrações por unidade de tempo, num determinado ponto. Unidade SI é o s -1 ou Hz. Amplitude (A): afastamento máximo em relação à situação de equilíbrio. Unidade SI:

metro

Comprimento de onda (λ): distância a que se propaga a onda num período, T.

Unidade SI: metro.

O comprimento de onda e o período da onda estão relacionados entre si pela velocidade de propagação da onda:

 

s

v

 

v

 

t

T

  

v

f

Importante o período e a frequência de uma onda só dependem do período de oscilação da fonte emissora;

o comprimento de onda e a amplitude dependem da fonte emissora e do meio

de propagação.

Se a oscilação do emissor for descrita por uma função seno ou coseno, produz-se um sinal harmónico ou sinusoidal, cuja propagação gera uma onda harmónica ou sinusoidal. O afastamento da posição da fonte emissora em relação à posição de equilíbrio chama-se de elongação, podendo ser descrita pela equação:

y A sin (t )

y é a elongação, no instante t A é a amplitude do movimento

ω é a frequência angular da fonte, que está relacionada com a

frequência da oscilação, f, da seguinte forma: ω = 2 π f

A maior parte das ondas correspondem a sinais não harmónicos. Na figura ao lado, tem-se um sinal não harmónico mas periódico.

A intensidade de uma onda está relacionada com a energia que é transferida por unidade de tempo

e por unidade de área (recordar a Lei de Stefan-

Boltzmann), sendo função da amplitude e da frequência. Para ondas harmónicas:

com a mesma frequência, a de maior amplitude tem maior intensidade;

com a mesma amplitude, a de maior

maior intensidade;  com a mesma amplitude, a de maior frequência tem maior intensidade. • O
frequência tem maior intensidade.
frequência tem maior intensidade.

O som resulta da vibração de um corpo, que é sucessivamente comunicada às partículas vizinhas, o que faz com que o som seja uma onda mecânica, propagando-se em sólidos, líquidos e gases. A velocidade de propagação do som depende do meio e da temperatura a que se dá a propagação.

do som depende do meio e da temperatura a que se dá a propagação. C l

Clica na imagem

• O som emitido por um diapasão é um som harmónico. A este som corresponde

O som emitido por um diapasão é um som harmónico. A este som corresponde uma única frequência, chamando-se por isso de sons puros ou simples. Altura de um som: está relacionada com a frequência do som.

som alto ou agudo tem uma frequência elevada;

som baixo ou grave tem uma frequência baixa.

Intensidade do som: está relacionada com a amplitude.

som forte, implica maior intensidade

som fraco, implica menor intensidade

: está relacionada com a amplitude.  som forte, implica maior intensidade  som fraco, implica

A maioria dos sons são complexos, porque os seus sinais não são sinusoidais.

Mas os sons complexos são a soma ou sobreposição de vários sons puros, isto é, de

vários harmónicos.

O número de harmónicos e a sua proporção nos sons é o que permite distinguir o som

de um violino de um piano, ou as vozes de diferentes pessoas. Esta característica do som

chama-se timbre.

pessoas. Esta característica do som chama-se timbre. A onda c é uma onda complexa resultante da

A onda c é uma onda complexa resultante da soma/sobreposição das

ondas a e b.

• As ondas sonoras transportam informação, mas à medida que se propagam transferem energia para

As ondas sonoras transportam informação, mas à medida que se propagam

transferem energia para o meio de propagação, tendo um alcance limitado.

É preciso transformar o sinal sonoro noutro tipo de sinal, com alcance muito superior

e

com a informação do sinal sonoro inicial. É o que faz o microfone: transforma um

sinal sonoro num sinal elétrico com a mesma informação.

O altifalante faz o processo inverso: transforma o sinal elétrico num sinal sonoro com

a mesma informação.

Por isso se diz que são complementares.

Para compreender o funcionamento destes equipamentos, é preciso estudar

fenómenos relacionados com cargas elétricas e com campos elétricos e magnéticos.

com cargas elétricas e com campos elétricos e magnéticos. • Ímanes: constituídos por dois pólos, pólo

Ímanes: constituídos por dois pólos, pólo Norte (N), normalmente pintado de vermelho e o pólo Sul (S), normalmente pintado de branco.

Dividindo um íman em dois, criam-se dois ímanes, isto é, os pólos não podem

existem separados.

O que caracteriza um íman é a existência, nas suas proximidades, de uma região

onde se fazem sentir as propriedades magnéticas que ele criou. Diz-se que nessa região existe um campo magnético.

Para caracterizar as propriedades magnéticas em cada ponto usa-se a grandeza

vetorial campo magnético, representada por

B

. A unidade SI é o tesla (T).

Espectro do campo magnético: forma como o

campo magnético atua sobre os corpos que dele

se aproximam. Pode ser visualizado aproximando

limalha de ferro de um íman.

ser visualizado aproximando limalha de ferro de um íman. • O campo magnético também pode ser

O campo magnético também pode ser representado por linhas de campo magnético, que são linhas imaginárias que ajudam a visualizar um campo, ilustrando como um corpo, sujeito à ação desse campo, se move. Há regras para as representar:

Linhas de

campo

magnético

nas zonas onde o campo é mais

intenso há maior densidade das

linhas de campo (mais linhas no mesmo espaço);

são tangentes, em cada ponto, ao

vetor campo magnético e têm o seu

sentido;

são sempre linhas fechadas e não

se cruzam;

começam no pólo norte e acabam

no pólo sul magnético.

 começam no pólo norte e acabam no pólo sul magnético. Linhas de campo magnético para

Linhas de campo magnético para um íman em barra

Há campos magnéticos que são constantes numa dada região

do espaço, em intensidade, sentido e direção: campos

uniformes. É o caso do campo magnético criado por um íman

em U.

. É o caso do campo magnético criado por um íman em U. • Colocando um
• Colocando um íman próximo de uma correte elétrica, o íman é desviado. Conclusão:
• Colocando um íman próximo de uma correte elétrica, o íman é desviado. Conclusão:

uma corrente elétrica cria um campo magnético.

O campo magnético:

aumenta com o valor da corrente elétrica;

diminui com a distância a essa corrente elétrica.

 diminui com a distância a essa corrente elétrica. • A forma das linhas de campo

A forma das linhas de campo magnético criado por uma corrente elétrica depende da

geometria da corrente elétrica.

Campo magnético criado por um fio retilíneo longo O sentido do campo é dado pela regra da mão direita: o polegar, apontando no sentido da corrente elétrica i , e os outros dedos apontando para o sentido do campo magnético

Campo magnético criado por uma espira circular

magnético Campo magnético criado por uma espira circular Campo magnético criado por um solenoide (conjunto de
magnético Campo magnético criado por uma espira circular Campo magnético criado por um solenoide (conjunto de

Campo magnético criado por um solenoide (conjunto de

várias espiras circulares)

12

criado por uma espira circular Campo magnético criado por um solenoide (conjunto de várias espiras circulares)
criado por uma espira circular Campo magnético criado por um solenoide (conjunto de várias espiras circulares)
• Já sabes que cargas elétricas do mesmo sinal se repelem e de sinais opostos

Já sabes que cargas elétricas do mesmo sinal se repelem e de sinais opostos se

atraem. Estas interações podem ser compreendidas com a noção de campo elétrico.

Uma carga elétrica cria à sua volta um campo elétrico, isto é, uma região onde existe uma propriedade que origina uma força que vai agir sobre as cargas elétricas que aí são colocadas. O campo elétrico é tanto mais intenso quanto maior for a carga elétrica que o cria.

O campo elétrico num ponto é uma grandeza vetorial, cujo símbolo é

é o V/m (volt por metro).

Características do campo elétrico:

E

e a unidade SI

é radial; a intensidade diminui com a distância à carga que o cria; se a carga que cria o campo é negativa o campo aponta para a carga; se a carga que o cria é positiva o campo aponta no sentido do afastamento da carga

o campo aponta para a carga;  se a carga que o cria é positiva o
Campo elétrico criado por duas cargas pontuais de sinais opostos Campo elétrico criado por duas

Campo elétrico criado por

duas cargas pontuais de sinais opostos

elétrico criado por duas cargas pontuais de sinais opostos Campo elétrico criado por duas cargas pontuais

Campo elétrico criado por

duas cargas pontuais do mesmo sinal.

Linhas de campo elétrico

tangentes ao campo

orientadas no mesmo sentido do campo

iniciam-se nas cargas elétricas positivas e dirigem-se para

as cargas elétricas negativas

a densidade aumenta à medida que a intensidade do

campo aumenta

• Um campo magnético variável pode criar um campo elétrico. • Para estudar a relação
• Um campo magnético variável pode criar um campo elétrico. • Para estudar a relação

Um campo magnético variável pode criar um campo elétrico.

Para estudar a relação entre estes dois campos, elétrico e magnético, é importante

a noção de fluxo do campo magnético. Quando uma espira é mergulhada nas linhas de campo magnético, há um fluxo magnético (ф) que atravessa a espira, que pode ser calculado pela fórmula:

atravessa a espira, que pode ser calculado pela fórmula:   B A cos  B

B A cos

B: intensidade do campo magnético A: área da espira α: ângulo entre a perpendicular à espira e o campo magnético

A unidade SI de fluxo magnético é o weber (Wb) que é igual a T m 2 . Se forem colocadas N espiras num campo magnético uniforme, se elas tiverem a mesma área e se forem dispostas paralelamente umas à outras, o fluxo será:

N B A cos

O fluxo magnético é máximo quando a superfície é perpendicular ao campo (α = 0º) e nulo quando a superfície é paralela ao campo (α = 90º).

quando a superfície é paralela ao campo ( α = 90º). • Em 1831, um físico
quando a superfície é paralela ao campo ( α = 90º). • Em 1831, um físico

Em 1831, um físico inglês, Michael Faraday, demonstrou experimentalmente que um

campo magnético variável pode criar um campo elétrico. Este fenómeno ficou

conhecido como indução eletromagnética.

(Clica na imagem) Repara que:  quando o íman está colocado junto às espiras, parado,

(Clica na imagem)

Repara que:

quando o íman está colocado junto às espiras,

parado, o voltímetro nada indica;

surge corrente elétrica quando o íman se move,

afastando-se ou aproximando-se das espiras ou as

espiras se movem, aproximando-se ou afastando-se

do íman.

A corrente elétrica que é originada chama-se de corrente elétrica induzida.

Faraday enunciou a lei que traduz o fenómeno de indução eletromagnética:

E i

   t
t

E i é a força eletromotriz induzida, que é uma diferença de

potencial ou tensão elétrica que surge num circuito, sendo a sua unidade o volt (V). Repara que, por esta fórmula, quanto mais depressa variar o fluxo do campo magnético, maior o valor de E i .

• É a Lei de Faraday, indução eletromagnética, que está na origem do microfone de

É a Lei de Faraday, indução eletromagnética, que está na origem do microfone de indução e dos altifalantes.

Tanto o microfone de indução como o altifalante funcionam através do movimento relativo entre uma bobina e um íman.

A sequência das fases mais relevantes do funcionamento destes equipamentos é:

MICROFONE DE INDUÇÃO

ALTIFALANTE

Vibração do meio (diafragma) provoca

Vibração do meio (diafragma) provoca Variação do fluxo magnético

Variação do fluxo magnético

Corrente elétrica alternada origina

Corrente elétrica alternada origina Criação de um campo magnético

Criação de um campo magnético

produz

verifica-se

Criação de um campo magnético produz verifica-se Força eletromotriz variável origina Atração e
Criação de um campo magnético produz verifica-se Força eletromotriz variável origina Atração e

Força eletromotriz variável origina

Atração e repulsão magnética origina

variável origina Atração e repulsão magnética origina Corrente elétrica alternada vibração do meio
variável origina Atração e repulsão magnética origina Corrente elétrica alternada vibração do meio

Corrente elétrica alternada

vibração do meio