Você está na página 1de 6

C6pia não

Cópia impressa
autorizadapelo Sistema CENWIN

02.442
SONDAGEM A TRADO
NBR 9603

Procedimento SET/l9BB

SUMARIO
1 objlstivo
2 Normss complementarm
3 Aparslhapem
4 Condi&s perais
6 Condi@es espcificm
6 Resultador

I OWETIVO
Esta Norma fixa as condi$es exigiveis para sondagem a trade em investigagao ge
olGgico-geotknica, dentro dos limites impostos pelo equipamento e pelas condi-
@es do terreno, corn a finalidade de coleta de amostras deformadas, determinq&

da profundidade do nivel d’agua, e identificasao dos horizontes do terreno.

2 NORMAS COMPLEMENTARES

Na aplica$ao desta Norma e necessario consultar:


NBR 6502 - Rochas e solos - Terminologia
NBR 7250 - Identificagao e descri$Zo de amostras de solos obtidas em sonda-
gens de simples reconhecimento - Procedimento

3 APARELHAGEM

3.1 A aparelhagem padrio cornpoe-se dos seguintes elementos principais:


a) trade cavadeira, Figura 1 (a), corn diametro minima de 63,5 mm;
b) trade hel icoidal, Figura I (b), corn dismetro minimo de 63.5 mm;
c) cruetas, hastes e luvas de a~o corn dizmetro minim0 de 25 mm;
d) chaves de grifo;
e) medidor de nivel d’sgua;
f) metro ou trena;

Origem: 2:04.14-012lSE
CB-2 - Comit6 Brsrileiro da Constn@o Civil
CE.EO4.14 - Comiss6o de Estudo de Sondawns B Coleta de Amostras

SISTEMA NACIONAL DE ABNT ASSOCIACAO BRASILEIRA


METROLOGIA, NORMALIZACAO DE NORMAS TECNICAS
E QUALIDADE INDUSTRIAL 0

NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA

CDU: 622.24.06 6 pBpinas


Cópia não autorizada
C6pia impreSSa p-40 Sistema CENWIN

2 NBR 96030986

g) recipientes para amostras;


h) parafinas ou fita Colante;

i) sac05 plasticos e de Iona;


j) etiquetas para identifica&z;

I) ponteira constituida par peqa de aso terminada em bisel corn 63 mm de lar

gura e comprimento minima de 200 mm.

FIGURA 1 -Trades

4 CONDI@ES GERAIS

4.1 As hastes devem ser retilineas e dotadas de ro~cas em born estado. Quando d
copladas par luvas, devem formar urn conjunto retilineo. A composir$o das hastes

deve 5er utilizada tanto acoplada ao trade quanta na ponteira.

4.2 As sondagens devem ser iniciadas ap& limpeza de uma srea aproximadamente

circular corn cerca de 2 metros de dizmetro, concentrica ao furo a set- executado

e abertura de urn sulco ao seu redor que desvie as aquas pluviais.

5 CONDlCdES ESPECiFlCAS

5.1.1 A sondagem dew ser iniciada corn o trade cavadeira, utilizando a ponteira

para desagregagso de terrenos duros ou compactos, sempre que necess.Srio.

5.1.2 Quando o avanso do trade cavadeira se tornar dificil dew ser utilizado

trade helicoidal.

5.1.3 0 material retirado do furo deve ser depositado ?S sombra, sobre uma lona

ou taboa, de modo que-evite sua contaminask corn solo superficial do terreno ou

diminui$So excessiva de umidade.


Cópia não autorizada
Cdpia itIIpreS+a pelo Sistema CENWIN
NBR 9603/1986 3

5.1.4 0 material obtido dew ser agrupado em mantes dispostos Segundo sua pro -

fundidade a cada metro perfurado.

5.1.5 Quando houver mudansa das caracteristicas do terreno no transcorrer de urn

metro perfurado, cada tipo de solo dew ser agrupado em urn monte separado, i den-
tificando-se as profundidades de inicio e termino de cada material amostrado.

5.1.6 0 controle das profundidades dos furos dew ser feito pela diferenGa en-

tre o comprimento total das hastes corn o trade e a sobra das hastes em relagao a

boca do furo, corn precisao de 10 mm.

5.1.7 Quando o avango do trade se tornar dificil dew ser verificada a possibi -
lidade de se tratar de cascalho, matacao ou rocha. No taco de se tratar de “IM
camada de cascalho dew ser feita uma tentativa de avanso usando-se umaponteira.

5.1.8 Nos intervalos dos turnos de perfurasao e nos periodos de espera para a

medida final do nivel d’;igua, o furo dew permanecer tamponado e protegido da en-

trada de aqua de chuva.

5.1.9 Usualmente, a sondagem a trade dew ser feita a seco. Entretanto, em mate -

riais duros, solos coesivos secos ou areias sem coesao, a adi sao de pequenas

quantidades d’agua pode ajudar a perfurasao e a coleta de amostras. 0 use de -i


qua nas perfura@es a trado, dew ser registrado nos boletins.

5.1.10 A sondagem a trade 6 dada por terminada nos seguintes cases:

a) quando atingir a profundidade especificada na programa$ao dos servi -

GO5 ;
b) quando ocorrerem desmoronamentos sucessivos da parede do furo;

c) quando o avanso do trade ou ponteira for inferior a 50 mm em 10 minu -

tos de opet+o continua de perfurasao.

5.1.11 Nao havendo interesse na manutengso do furo aberto, ap& a conclus~o dos

servi$os, o mesmo dew ser totalmente preenchido corn solo, deixando-se cravada

no local uma estaca corn a sua identificasao.

5.2 Amos tmgem

5.2.1 Quando o material perfurado for homogeneo, as amostras devem ser coleta -
das a cada metro.

5.2.2 Se houver mudansa no transcorrer do metro perfurado, devem ser coletadas

tantas amostras quantos forem os diferentes tipos de materiais.

5.2.3 As amostras para determinasao da umidade natural devem ser acondicionadas

imediatamente ap& o avan~o de cada furo, coletando-se cer-ca de 100 g em recipi -


ente de tampa herm;tica, parafinada ou selada corn fita colante.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

4 NBR 9603/1986

5.2.4 As amostras para ensaios de laboratorio, em quantidade minima de 4 kg, de


-
vem ser acondicionadas em sacos de lona ou plastico corn amarilho, logo ap& sua
coleta.

5.2.5 As amostras devem ser identificadas por duas etiquetas, uma externa e ou-

tra interna ao recipiente de amostragem, onde constem:

a) name da obra;

b) nome do local;

c) nljmero do furo;

d) interval0 de profundidade da amostra;

e) data da coleta; e

f) nCimero da amostra.

5.2.5.1 As anota&s devem ser feitas corn caneta esferografica ou tinta indel< -
WI, em papel cartao, devendo as etiquetas serem protegidas de avarias no ma”U-

seio das amostras.

5.3.1 Durante a perfuraqao o operador deve estar atento a qualquer aumento apa-

rente da umidade do solo, indicative da presen~a pr&ima do nivel d’agua, bem co-

mo urn indicio mais forte, tal coma de estar molhado urn determinado trecho inferi -
or do trado.

5.3.2 Ao se atingir o nivel d’igua interrompe-se a opera~ao de perfura$ao, ano-


ta-se a profundidade e passa-se a observar a eleva@o do nivel d’agua no furo, -e
fetuando-se leituras a cada 5 minutes, durante 30 minutes.

5.3.3 Dew ser medida, case ocorra, a vazio de agua ao nivel do terreno.

5.3.4 0 nivel d’2gu.a tambsm devera ser medido 24 hot-as ap& a conclus~o dofuro.

6 RESULTADOS

6.1 BoLetim de campo


Nas folhas de anota@es de campo devem ser registrados:

a) nome da obra e interessado;

b) identificasao e localizagao do furo;

c) dismetro de sondagem (inicio e t<rmino);

d) data de execugao;

e) descrigzo e profundidade das amostras coletadas;

f) medidas de nivel d’agua corn data, hora e profundidade do furo por ocasi -

So da medida;

g) ferramenta utilizada na perfurasao e profundidade respectiva.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 9603/1986 5

6.2 Rehh%o

6.2.1 OS resultados das sondagens devem ser apresentados em relatorios numera -


dos, datados e assinados por responsavel tecnico pelo trabalho registrado no Con-

selho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia-CREA. 0 relatorio deve ser

apresentado em format0 A-4.

6.2.2 Devem constar do relatorio:

a) nome do interessado;

b) local e natureza da obra;

c) descrisao sumaria do @todo e dos equipamentos empregados na real iza -

~50 das sondagens;

d) total perfurado, em metros;

e) declaras.% de que foram obedecidas as Normas Brasileiras relativas ao

assunto;

f) outran observagoes e comentarios, se julgados importantes;

g) referencias aos desenhos constantes do relatorio.

6.2.3 Anexo ao relatorio deve constar desenho contendo:

a) planta do local da obra, cotada e amarrada a refer6ncias facilmente en-

contradas e pouco mut&eis (logradouros pi;blicos, acidentes geog&fi

cos , marcos topograficos, etc);

b) nessa planta deve constar a localizagk das sondagens cotadas e amarra -

das a elementos fixes e bem definidos no terreno. A planta deveconter,

ainda, a posi& da referencia de nivel (RN) tomada para o nivelamento

das bocas das sondagens, bem coma a descrisao sumaria do element0 fisi -

co tornado coma RN.

6.2.4 0s resultados das sondagens devem ser apresentados em desenhos contend0 o

perfil individual de cada sondagem ou na forma de boletins descritivos nos quais

devem constar obrigatoriamente:

a) o nome da firma executora das sondagens, o nome do interessado, local

da obra, indicaqao do n6mero do trabalho, 05 vistas do desenhista e do

engenheiro ou g&logo respons~vel pelo trabalho;

b) nGmero(s) da(s) sondagem(ens);

c) cota da(s) boca(s) do(s) furo(s) de sondagem,com precisao de 10 mm;

d) posisao das amostras colhidas, devendo ser indicadas as amostras nao

recuperadas e 05 detritos colhidos por sedimentasao;

e) as profundidades, em relaqao 5 boca do furo, das transi@es e do final

das sondagens;
f) identificaqao dos solos amostrados, utilizando a NBR 7250;
g) a posiG,So do(s) nivel(eis) d’agua encontrado(s) e a(s) respectiva(s)

data(s). de observa$o(%s). lndicar se houve pressao ou perda d’agua

durante a perfura+;
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

h) datas de inicio e tgrmino de cada sondagem.

6.2.4.1 No case de apresenta& dos resultados na forma de perfil individual, de-

vem constar, ainda, 05 seguintes itens:

a) linhas horizontais cotadas a cada 5 m em rela& a referkcia de ni


-
vel ;

b) conven& grafica dos solos que cornpoem as carwdas do subsolo corm


prescr i to na NBR 6502.

6.2.5 As sondagens deem ser desenhadas na escala vertical de 1:lOOO. Somen te


nos cases de sondagens profundas, e em subsolos muito homogeneos, podera ser em
-
pregada escala ma is reduzida.

Interesses relacionados