Você está na página 1de 56

PATRICK LEANDRO MAGALHÃES

Influências da evolução tecnológica na comunicação humana: estudo das


redes sociais.

BELO HORIZONTE
UNIVERSIDADE FUMEC
2010
PATRICK LEANDRO MAGALHÃES

Influências da evolução tecnológica na comunicação humana: estudo das redes


sociais.

Projeto de pesquisa realizado na


Universidade FUMEC, no curso de Pós-
Graduação em Gerência de
Telecomunicações e Redes de
Computadores, apresentado à disciplina
de Metodologia do Trabalho Científico.

Orientador: George Leal Jamil

BELO HORIZONTE
2010
DEDICATÓRIA

Dedico este trabalho a Marilda, Rangel, Hergos e Fabiana, por


sempre estarem presentes, incentivando-me e apoiando-me. E
aos amigos, pelas contribuições e companheirismo.
AGRADECIMENTOS

Agradeço a minha família pelo incentivo constante, ao


professor Jamil, pela amizade e apoio, e aos amigos pelas
diversas contribuições, em especial a Francielle e Enilaine pela
paciência e dedicação.
"What’s happening?" [Twitter]
RESUMO

As redes sociais são os meios de comunicação mais populares da


internet atualmente. As pessoas necessitam de se comunicar e expressar, buscando
novos meios de fazê-los com o apoio da tecnologia. Mas, qual é a influência da
evolução tecnológica na comunicação humana? O presente estudo visa responder a
esta questão demonstrando a evolução das redes de computadores, da computação
e o surgimento de novos meios de comunicação sendo enfatizadas as redes sociais.
Esclarece também o surgimento da plataforma base das redes sociais, analisa o
comportamento das pessoas nas redes, a influência deste novo meio no marketing,
a publicidade política nas redes sociais, a interação através de aplicativos e também
exemplifica os diversos usos das redes sociais.

Palavra-Chave: redes sociais, comunicação, evolução tecnológica, comportamento,


aplicativos sociais.
ABSTRACT

Social networks are the media's most popular Internet today. People need
to communicate and express themselves, seeking new ways to make them with the
support of technology. But what is the influence of technological evolution in human
communication? This study aims to answer this question by demonstrating the
evolution of computer networks, computing and the emergence of new media and
emphasized the social networks. It also explains the appearance of the base platform
of social networks analyzes the behavior of people in networks, the influence of new
media in marketing, political advertising on social networks, through the interaction of
applications and also illustrates the different uses of social networks.

Key-Word: social networking, communications, technological evolution, behavior,


social applications.
i

Lista de Figuras

FIGURA 1: Principais redes sociais utilizadas por políticos de destaque no Brasil ... 28
FIGURA 2: Os cinco políticos com maior número de seguidores no Twitter. ............ 29
FIGURA 3: Número de perfis de políticos no Twitter, segmentados por partidos
políticos. .................................................................................................................... 29
FIGURA 4: Relação entre a quantidade de perfis no Twitter e o cargo político. ....... 30
FIGURA 5: Formas de atuação na rede pelos políticos. ........................................... 30
FIGURA 6: Onde os brasileiros usam a web. ............................................................ 39
FIGURA 7: Tipo de conexão de acesso a web no Brasil. .......................................... 39
FIGURA 8: Motivos pelos quais os brasileiros não usam a internet. ......................... 40
FIGURA 9: Relação acesso a web versus renda. ..................................................... 41
FIGURA 10: Utilização da internet classificado por faixa etária. ............................... 42
FIGURA 11: Como a internet é utilizada pelos brasileiros. ....................................... 42
FIGURA 12: Índice de exclusão digital por estado. ................................................... 43
FIGURA 13: Crescimento das redes sociais por país. .............................................. 44
FIGURA 14: Relação dos países com maior número de perfis no Orkut. ................. 46
FIGURA 15: Índices de faixa etária e interesse de utilização do Orkut. .................... 46
SUMÁRIO

LISTA DE FIGURAS .................................................................................................... I


1 INTRODUÇÃO ................................................................................................... 10
2 REDES DE COMPUTADORES – BREVE CONCEITO...................................... 12
2.1 O que são redes de computadores? ............................................................................ 12
2.2 Evolução das redes de computadores ........................................................................ 13
3 COMPUTAÇÃO DISTRIBUÍDA.......................................................................... 16
4 REDES SOCIAIS ................................................................................................ 18
4.1 Potencial das redes sociais ......................................................................................... 19
4.2 Por que participar de uma rede social? ...................................................................... 20
4.3 O que pode denegrir a sua imagem nas redes sociais? .............................................. 20
4.4 Como as redes sociais interferem no comportamento social ..................................... 21
4.5 Marketing nas redes sociais ....................................................................................... 25
4.6 Publicidade política nas redes sociais ........................................................................ 27
4.7 O uso de aplicativos sociais ....................................................................................... 32
4.8 Redes sociais e empregabilidade ............................................................................... 34
4.9 Segurança nas redes sociais ....................................................................................... 35
4.10 Educação pelas redes sociais .................................................................................. 37
4.11 Exemplo de utilização de redes sociais .................................................................. 38
5 PESQUISAS ....................................................................................................... 38
6 CONCLUSÃO ..................................................................................................... 47
7 REFERÊNCIAS. ................................................................................................. 50
10

1 Introdução

A evolução da tecnologia das redes de computadores permitiu um avanço


na geração de diferentes formas de comunicação entre as pessoas. Pois através
das redes de computadores é possível conectar-se superando grandes distâncias e
alcançando grandes velocidades de comunicação. Assim, as redes possibilitaram a
criação de uma gama diversa de serviços de interação social, estimulando a
formação e aproximação de grupos e comunidades.
A informação possibilita a influência nas atividades humanas e a
tecnologia projeta aparelhos que facilitam o seu acesso mais rápido. Com o avanço
da tecnologia, surge a necessidade de estruturar a capacitação e os usuários. A
busca por se manter informado é crescente e proporciona uma competição entre as
pessoas, instituições, entre outros. Devido a essa potencialidade da tecnologia, se
faz necessário haver uma gestão tecnológica para atender as necessidades exigidas
pelos seres humanos. Necessidades que geram mais produtos e serviços de
interação humana. Como apresenta Pinheiro (2005):

“... aliado aos novos avanços tecnológicos envolvendo a capacidade de


transporte das redes de comunicação levou a um campo de atuação comum
para ambas que é o fornecimento de múltiplos serviços baseados em uma
infra-estrutura única, resultado da experiência obtida no desenvolvimento e
operação tanto das redes de computadores quanto das redes de
telecomunicações.”. (PINHEIRO, 2005)
A fusão entre a computação e as telecomunicações apresentou a
possibilidade de haver uma convergência e praticidade na tecnologia dos aparelhos,
meios, e também na ampliação do ambiente de uso. Com a facilidade de uso e
novos serviços as pessoas acabam construindo uma nova forma de comunicação:
as redes sociais.
A evolução da comunicação sempre esteve entrelaçada com os avanços
tecnológicos. Os sistemas de comunicação digital proporcionaram um campo de
avanço gigantesco nas comunicações. O computador, por ser um componente deste
sistema que permite obter uma diversidade de formas de comunicação em sistemas
digitais, tem contribuído para aumentar a facilidade na comunicação e também no
barateamento dos custos em alguns casos.
11

Hoje, convivemos com ambientes de comunicação com um alto poder de


sucesso, objetivos e adesão, principalmente para as novas gerações que nasceram
em épocas de inúmeras inovações tecnológicas.
Temos a nossa disposição a internet com os seus sites, ferramentas de e-
mail, comunicadores instantâneos, redes sociais, telefonia por IP, rádio pela internet,
etc.
Tendo em vista esta evolução da tecnologia e o aumento nos serviços de
interação social, são apresentados, neste trabalho, os aspectos da tecnologia das
redes e suas facilidades que levaram ao aumento dos serviços de interação social.
12

2 Redes de Computadores – breve conceito

2.1 O que são redes de computadores?

Para compreender melhor o ambiente que envolve as redes sociais,


precisamos entender alguns conceitos sobre as redes de computadores. Então o
que vem a ser uma rede de computadores?
Começamos com o que é uma rede. De forma básica, rede é uma
interligação para fins de compartilhamento de elementos de interesse mútuo entre
entidades. Com mais detalhes, Ferreira (1977) define rede como “o conjunto dos
meios de comunicação ou informação (telefone, telégrafo, rádio, televisão, etc.), ou
das vias (e do equipamento) de transporte ferroviário, aéreo, etc.”.
Baseando-se no conceito de rede, temos que rede de computadores é um
ambiente de interligação de computadores e equipamentos de rede que permite
efetuar serviços de rede e compartilhamento de informações.
Segundo Galileu (2002), por definição, uma rede é “o conjunto de meios
físicos (hardware) e não físicos (software) que permite ligar entre si dois ou mais
computadores”.
Uma definição mais detalhada sobre o que é uma rede de computadores
é posta por Jorge (2003):

“Uma rede de computadores (rede informática) é um sistema de


comunicação de dados (informação digitalizada) constituído através da
interligação de computadores e outros dispositivos (equipamentos de
interligação), com a finalidade de trocar informações e partilhar recursos
(recursos físicos da rede ou de programas e ficheiros).” (JORGE, 2003)
Já o professor Moreira (2005) define uma rede como sendo “um conjunto
de computadores e outros dispositivos capazes de trocar informações e compartilhar
recursos, interligados por um sistema de comunicação constituído de enlaces físicos
e regras que disciplinam esta comunicação.”
As redes inicialmente foram criadas para atender a dois objetivos, a
partilha de informação e a partilha de recursos de hardware (GALILEU, 2002). Hoje,
possuem, além dos objetivos iniciais, outros como:
Partilha de recursos – visa disponibilizar hardware e software e
informação para os usuários conectados à rede independente de
sua localização física;
13

Alta confiabilidade – através de técnicas de gerenciamento de


recursos sempre mantê-los disponíveis mesmo que haja falhas;
Economia financeira – possibilidade de uso do meio por diversos
sistemas;
Comunicação entre usuários – pode efetuar a comunicação entre
os usuários através de aplicativos e serviços de rede.

2.2 Evolução das redes de computadores

De modo geral, o processo de inserção da computação nas empresas


iniciou-se com computadores de grande porte chamados de mainframes. Estes
computadores requeriam um administrador para monitorá-lo e gerenciá-lo, sendo
que este possuía controle total dos recursos informáticos da empresa.
Posteriormente, desenvolveu-se o personal computer (PC), que possuía
todos os recursos necessários para rodar uma aplicação e armazenar dados, mas
com dimensões menores e direcionado para uso doméstico. Houve então, com a
chegada do PC, uma reorganização do ambiente empresarial, que passou a ter
características descentralizadas sobre o controle dos recursos informáticos. Surgiu,
então, uma dificuldade de gerir e controlar a utilização das informações, pois estas
passaram a estar distribuídas em todos os computadores da empresa.
As redes conseguiram prover uma integração entre os computadores da
empresa. Essa integração proporcionou uma redução de custos com a otimização
do uso dos recursos através da partilha dos mesmos, distribuição da informação,
melhoria na fiabilidade e melhor eficiência na capacidade de respostas da
organização.
O ambiente de rede mudou muito desde o surgimento dos primeiros
sistemas de computadores. Para melhor entendimento desta evolução, abaixo
segue a caracterização dos ambientes separados por décadas.
1. Década de 50
Surgem os primeiros sistemas de computadores baseados
em equipamentos para processamento e armazenamento
de informações.
14

2. Década de 60
Surge a ARPANET, que é uma rede de computadores que
oferecia serviços de e-mail, newsgroups, logon remota,
transferência de arquivos.
3. Década de 70
Surgimento da Ethernet visando às redes locais. No inicio,
possuía uma velocidade de transmissão de bits de 2,95
Mbps.
Surge a rede Token Ring, inventada pela IBM.
4. Década de 80
O surgimento dos microcomputadores permitiu que as redes
de computadores ganhassem importância nas empresas por
seu potencial de aproveitamento otimizado dos recursos
disponíveis, permitindo, assim, que houvesse aplicações
departamentais, correio eletrônico, transferência de
arquivos. A principal arquitetura existente era a
cliente/servidor, que mantinha a conexão com os
mainframes. Nesta década, as empresas adotaram a
tecnologia da informação para aumentar a produtividade dos
seus usuários, desenvolvedores e dos seus processos de
negócios.
O surgimento das redes locais impulsionou o
desenvolvimento dos sistemas distribuídos e computação
distribuída. As redes de computadores eram heterogêneas,
possuíam particularidades na sua concepção e observava-
se uma incompatibilidade na comunicação entre os sistemas
operacionais de rede nesta época, o que prejudicava a
comunicação entre os computadores.
5. Década de 90
A heterogeneidade e a dificuldade de interligação das
tecnologias de redes de computadores da década de 80
foram resolvidas com a adoção de sistemas abertos que
padronizou a confecção de equipamentos com um grau
15

maior de compatibilidade e proporcionou a comunicação de


computadores independente da arquitetura base dos
equipamentos e dos fabricantes, gerando novos serviços,
oportunidades e aplicações.
A principal consequência desta compatibilidade foi a
possibilidade das aplicações fazerem uso do potencial da
computação distribuída e, assim, intensificando o tráfego de
informação entre redes, o que motivou o surgimento de
novas tecnologias para atender a demanda.
Nesta década, dado o potencial distribuído dos sistemas e
das redes de computadores, a internet se popularizou.
Também se observou a criação dos serviços de
comunicação com a integração da Telefonia e a
Computação. Sendo exemplos: voz sobre IP,
videoconferência, TV interativa, ensino a distância, realidade
virtual, entre outros.
6. Década de 2000
Atualmente, as redes de computadores usufruem de uma
alta confiabilidade quanto a sua infra-estrutura e quanto as
suas prestações de serviços. Com isso, houve um impulso
de novas tecnologias e serviços, como comércio eletrônico
(B2C, B2B, pré-venda e pós-venda), redes convergentes
(voz sobre IP, aplicações multimídia), terceirização de rede e
de TI (Tecnologia da Informação), em geral (Outsourcing,
Application Service Providers, Internet Data Centers).
16

3 Computação Distribuída

Com a evolução dos dispositivos e avanços tecnológicos atribuídos às


redes de computadores, o desenvolvimento de aplicações e tecnologias de
computação distribuída se tornou possível.
Os sistemas baseados na computação distribuída, por essência,
possuem, segundo Sobral (1999), uma “interação em forma de comunicação” que
herda fundamentos das redes de forma que a interação seja realizada com
“comunicação e cooperação/colaboração.” (SOBRAL, 1999).
As tarefas são distribuídas por diferentes maneiras. Ao distribuir tarefas
diferentes para que cada computador/usuário as realize, caracteriza-se aí o sentido
de cooperação. Já quando todos realizam o processamento de uma mesma tarefa, é
caracterizado como colaboração.
Com base nos estudos de Sobral (1999) as organizações das
características dos sistemas distribuídos são dividas em seis categorias principais:
compartilhamento de recursos, sistemas abertos, concorrência, escalabilidade,
tolerância a falhas e transparência.
Compartilhamento de recursos - permite usufruir de equipamentos
e serviços de um computador ou da rede.
Sistemas Abertos – o sistema deve ser de arquitetura não
proprietária e operável com outros tipos de arquiteturas.
Concorrência – processos podem coexistir em um computador e
serem executados competindo pelos mesmos recursos.
Escalabilidade – flexibilidade que um sistema apresenta para
aumentar sua capacidade de carga de recursos ou serviços.
Tolerância a falhas – é a capacidade de o sistema continuar
disponível mesmo que ocorra uma falha nos seus componentes.
Técnicas de redundância de equipamentos, recuperação, são
empregadas para que o sistema obtenha disponibilidade e
confiabilidade, características que os torna tolerante a falhas.
Transparência – que é a capacidade do sistema de ocultar dos
usuários a comunicação e interação com outros meios,
computadores e serviços. Já para Calsavara (1997), transparência
17

é “esconder do usuário e do programador de aplicações a


separação de componentes em um sistema distribuído, tal que este
seja visto como um sistema centralizado.”.
A internet foi responsável pela transformação na importância da
computação distribuída. O foco dos projetos de software passou a proporcionar
meios de comunicação e serviços que não existiam outrora. Como acesso a
sistemas legados, aplicações cliente/servidor sobre TCP/IP, entre outros (MACEDO,
2007). Neste novo cenário do desenvolvimento de software, desafios surgiram,
como ambientes computacionais heterogêneos, sem comunicação, sistemas
autônomos sem acesso a estados globais (por exemplo, uma memória RAM comum
ou processador compartilhado) (MACEDO, 2007).
A superação de problemas relacionados à heterogeneidade dos sistemas
do ambiente computacional e o melhor entendimento do novo ambiente, fizeram
surgir novos tipos de tecnologias. Os principais tipos são: serviço web, grid
computing, peer-to-peer e clusters.
Os serviços web podem ser considerados a evolução das aplicações web
que anteriormente era destinado à produção de sites com páginas em HTML
(Hypertext Markup Language) as quais eram armazenadas em servidores e o seu
acesso dava-se por meio de navegadores de internet. Nesta nova tecnologia,
existem três elementos básicos que atuam: provedores de serviços, registradores e
consumidores. Essa tecnologia utiliza-se de padrões web para representação de
dados e comunicação.
Grades computacionais (grid computing) são formações de uma rede
interligada pela internet que disponibiliza recursos computacionais de computadores
pessoais para processar e armazenar dados, sem a necessidade de conhecer a
localização destes recursos ao efetuar o compartilhamento.
O sistema peer-to-peer consiste em redes em que seus componentes
possuem mesma funcionalidade e desempenho de tarefas. Este sistema tem a
característica de ser dinâmico quanto à entrada e saída de seus componentes, o
que exige do sistema maior tolerância a falhas.
Os clusters são unidades computacionais homogêneas que são
interligadas por conexões de alta velocidade para disponibilizar serviços e
aplicações com maior rapidez e confiabilidade para os clientes. Usando
18

balanceamento de cargas e recursos de tolerância a falhas, aumenta-se a


disponibilidade e desempenho deste tipo de sistema.

4 Redes sociais

Träsel (2008) define redes sociais como sendo “o conjunto de dois


elementos: atores e conexões entre esses atores.”. Em seus estudos, o professor
explica a formação das conexões entre os atores através de laços sociais relacionais
e associativos. Sendo o relacional, os resultados das interações sociais e o
associativo, gerado pela associação do ator a um determinado ambiente.
No contexto tecnológico, a compreensão sobre redes sociais proposta por
Lins (2010), define como sendo “sistemas que buscam conectar pessoas,
possibilitando a comunicação entre elas”.
As redes sociais permitem a criação personalizada de perfis, que
armazenam dados de diversos tipos e informações. Com isso, permitiu-se uma nova
forma de comunicação social, onde as pessoas passaram a prover conteúdos e
divulgá-los nas redes.
Nas condições de provedor de conteúdo, os usuários das redes sociais
passam a despertar o interesse dos outros usuários. A informação e as
características definidas no perfil na rede passam a caracterizar o capital social, ou
seja, “um conjunto de recursos (conhecimento, fama, etc.) compartilhado por uma
rede social.”, como define Träsel (2008).
Alguns dos objetivos das redes sociais são:
Estabelecer vínculos de interação entre os atores;
Compartilhar conhecimentos e experiências;
Mobilizar usuários para participação de comunidades e atividades
sociais;
Estabelecer parcerias;
Entre outros.
Segundo Nepomuceno (2009), as redes sociais na internet não são
pioneiras na colaboração mundial no compartilhamento de conhecimento. Ele afirma
que a internet é somente uma evolução das redes de conhecimento anteriores, rede
da fala, impressa, do som, e da imagem, porém, com maior potencial em
19

proporcionar velocidade e alternativas, sendo a mais complexa rede já criada. Em


seu texto, diz:

“A rede social da escrita, do livro impresso, a partir de 1500, que nos


possibilitou inventar a academia, por exemplo, tinha também seus links
(citações), o somatório de experiências, um grande Orkut do papel, que
mudou o mundo com ideias e, depois, produtos.” (NEPOMUCENO, 2009).

4.1 Potencial das redes sociais

O acesso á internet por diversos meios potencializa o uso das redes


sociais. Uma das formas de acesso é através da mobilidade provida pelos celulares
e netbooks. Com esta disponibilidade de acesso à internet, as pessoas passam mais
tempo enviando e lendo mensagens nas redes sociais.
O acesso às redes sociais pelo celular é realizado com maior ênfase
pelos britânicos, sendo que 23% dos usuários acessam por equipamentos móveis.
No mundo, estima-se que pelo menos dois terços dos internautas visitam sites das
redes sociais (TI INSIDE, 2009b).
A popularidade das redes sociais está em alta. Um estudo realizado pela
Nielsen Online nos EUA revelou que os internautas passam 10% do tempo
acessando redes sociais, o que representa mais tempo que o passado visualizando
e-mails. Os dados do estudo revelam que, entre 2007 e 2008, o tempo de utilização
das redes sociais teve um aumento de 63%. No ano de 2008 o estudo revelou que o
internauta gastava um a cada quinze minutos utilizando sites de redes sociais. Em
2009, esse número cai para um a cada onze minutos (TI INSIDE, 2009b).
O Brasil, no ano de 2009, estava em segundo lugar em número de
acessos a redes sociais, segundo estudos da consultoria comScore. Os internautas
brasileiros passam, em média, 6,3 horas em sites de redes sociais por mês e
possuem, em média, 1,22 mil acessos por mês a sites de relacionamento. Como
prova da sua potência, o acesso a redes sociais no mês de maio do ano de 2009,
representou 65% da audiência da internet, correspondendo a 734,2 milhões de
páginas acessadas (TI INSIDE, 2009a).
Os brasileiros têm a característica de possuírem um perfil de usuário que
faz uso constante dos sites de relacionamento. Chegando a taxas de 80% dos
20

internautas frequentarem esse tipo de site e também passarem a maior parcela de


tempo, representado por 23% (TI INSIDE, 2009c).

4.2 Por que participar de uma rede social?

As redes sociais possibilitam a criação de comunidades e grupos sociais.


Esses grupos são formados em torno de um assunto a ser compartilhado e discutido
por membros das redes. Por sua vez, os membros devem possuir identidades
semelhantes, o que causa interesse em ingressar ou não em um grupo.
Os grupos sociais necessitam de uma maneira mais abrangente para
efetuar a divulgação das informações com maior eficiência e também agregar novos
membros. Para tal, a internet é usada como plataforma para alcançar os objetivos de
publicação de forma rápida e ampla.

4.3 O que pode denegrir a sua imagem nas redes sociais?

O comportamento nas redes sociais pode afetar diretamente na sua


aceitação como membro. A abrangência dos efeitos negativos ou positivos
proporcionados pelas redes ultrapassa o limite do mundo cibernético. Alguns
cuidados na criação e exposição do perfil na rede devem ser observados, já que a
utilização das redes sociais está além da interatividade com os amigos.
Os principais cuidados citados por Santos (2010) e Gonzales (2008) para
aqueles que usam as redes são:
Evite exposição de fotos onde a pessoa se apresente com poses
ridículas e vulgares ou em bebedeiras. Pois o uso das fotos
contribui para que seja melhorada a relação com o seu interlocutor
nas redes sociais, tendo em vista uma busca de maior
humanização dos participantes.
As transcrições das ideias tão logo surjam em sua mente, podem
acabar levando à exposição de assuntos pessoais que por sua vez
prejudicam a sua imagem. Por exemplo: problemas no trabalho,
relações íntimas, etc. Atentando para esse ponto, é importante que
as mensagens sejam escritas de forma correta gramaticalmente,
21

para que facilite a compreensão pelos interlocutores, evitando


também a escrita com linguagem vulgar.
Não adicione pessoas a sua rede com quem você não conversa
muito ou que nem sabe da sua existência, para aumentar a sua
rede social, pois o diálogo não renderá e pode atrapalhar o
gerenciamento dos seus amigos na rede.
Evite participar de comunidades que gerem polêmicas e exaltem o
ódio.

4.4 Como as redes sociais interferem no comportamento social

Baseado no conceito de redes sociais, os usuários compartilham


conhecimentos e experiências. Segundo Dias (2009), as relações obtidas com os
laços sociais, permitem a construção de padrões de comunicação, e assim, adaptar
e produzir comportamentos dentro do sistema social.
Comportamentos que às vezes são baseados nos sentimentos de
competitividade e individualismo são numerosos devido à necessidade de se
promover e ser aceito positivamente pelos membros da rede social.
As redes convergem à competição existente entre os internautas em
cooperação. Isso porque sua estrutura organizacional permite que seja produzida
mais cooperação através da interação e padrões de comportamento. Mesmo que
haja competição dentro da rede, no resultado final, não fica explícita essa atitude,
devido à democracia que há na participação das redes sociais.
Eventos organizados através das redes estão mais comuns e seu alcance
atinge níveis globais. Um exemplo recente é o evento “No Pants Day”, que reúne
pessoas para passarem um dia sem calças em trens urbanos. Pode parecer
estranho, mas o evento já se espalhou por mais de 43 cidades, em 16 países e na
última edição, na cidade de Nova York, mais de 2500 pessoas foram reunidas,
aparentemente sem motivo, para participarem na brincadeira. “O grupo organizou o
evento usando as redes sociais da internet. Segundo os organizadores, a missão da
brincadeira é provocar „cenas de caos e alegria em lugares públicos‟.” (BBC, 2010).
Outro manifesto de grande importância que demonstra o reflexo das
redes no comportamento humano, foi o envio de mensagens de apoio ao piloto
22

Felipe Massa. Logo após um acidente grave numa corrida de Fórmula 1, as pessoas
manifestaram, nas redes sociais, mensagens de apoio e recados de incentivo em
diversos sites de relacionamento, como Orkut, Twitter e YouTube. No Orkut algumas
comunidades registraram mais de 120.000 pessoas, já no Twitter foi necessário criar
um perfil especial que conta com mais de 14.000 seguidores.
Com as redes sociais, é possível potencializar a produtividade nas
organizações, se estas forem utilizadas como ferramentas de trabalho. Os usos das
ferramentas existentes nas redes podem dinamizar a comunicação. Atentando às
atividades realizadas num expediente cotidiano, observa-se a necessidade dos
empregados efetuarem trocas de conhecimentos, colaboração em projetos,
solucionar problemas e conhecer e descobrir as tendências de mercado. Sendo o
relacionamento interpessoal fundamental para contribuição do aumento do
desempenho das empresas.
O uso dessas redes como ferramenta de trabalho pode ocasionalmente
fazer com que as pessoas confundam os momentos de lazer durante o acesso no
ambiente de trabalho. Sendo visualizado conteúdo não relacionado ao trabalho,
como acesso a fotos de amigos, perfis alheios, etc. Mas estudos realizados pela
Demos (INFO, 2009), revelou que mesmo com esses momentos de lazer dentro das
empresas, não é interessante bloquear o acesso às redes sociais. Devido à
influência positiva no processo de indução criativa, produtividade e na democracia
dentro das organizações (MORAES, 2009).
Apesar da associação ao lazer, as principais redes sociais do mundo
permitem o seu uso para assuntos profissionais. Cada uma com suas
particularidades. Pois a diversidade de formas de atuação e comunicação que os
sites de redes sociais proporcionam é enorme. Como expõe Dias (2009):

“O conceito de redes sociais é a base de sites como Facebook, Linkedin,


MySpace, Orkut e outros. Esses sites oferecem aos usuários a capacidade
de se conectarem com outros para formação, p.ex., de redes de amigos,
redes de profissionais, grupos de interesse, grupos de discussão, etc.”
(DIAS, 2009).
O Orkut, por exemplo, é uma comunidade online criada para estimular
uma interação na vida social com amigos e profissionais, através de fotos e
mensagens. O site possibilita a criação e participação de comunidades online,
visando o compartilhamento de interesses e hobbies, discussão de temas, etc. As
comunidades online podem ser aproveitadas também para relacionamentos
23

profissionais. A fácil administração das comunidades e o maior controle permitem


que as adesões sejam mais criteriosas e a moderação no uso seja mais eficiente,
podendo controlar o acesso ao conteúdo, disponibilizando as informações a
somente membros. A definição do que é o Orkut é exposto por Recuero (2006):

Lançado em janeiro de 2004 pelo Google, a criação de Orkut Buyukkokten


apenas permite a entrada de pessoas convidadas por outras pré-
cadastradas. Neste sentido, a ideia do sistema era construir uma rede social
a partir dos laços já verificados pelos indivíduos na vida concreta.

O Orkut funciona basicamente através de perfis e comunidade. Os perfis


são criados pelas pessoas ao se cadastrar, que indica também quem são
seus amigos. As comunidades são criadas pelos indivíduos e podem
agregar grupos, funcionando como fóruns, com tópicos (nova pasta de
assunto) e mensagens (que ficam dentro da pasta do assunto). (RECUERO,
2006)
O Twitter, que é “um microblog lançado em 2006 que começou a ganhar
popularidade em meados de 2008, registrando as maiores taxas de crescimento nos
primeiros meses de 2009.” (CARVALHO e BARICHELLO, 2009). Por ter como
característica textos mais curtos, é possível acompanhar profissionais e amigos, com
maior objetividade. Há aplicativos e extensões de programas que permite organizar
as mensagens postadas, facilitando o seu uso e acesso.
Já o Linkedin, nasceu com o objetivo de aprimorar as maneiras de realizar
contato profissional. A rede possui áreas de encontro para discussão dentro dos
grupos, permite facilidades para obter noticias sobre áreas determinadas, vagas
disponíveis. A rede tem incorporado boas opções de aplicativos, o que ajuda nas
interações sociais. Segundo a definição do próprio site, “LinkedIn is an
interconnected network of experienced professionals from around the world,
representing 150 industries and 200 countries. You can find, be introduced to, and
collaborate with qualified professionals that you need to work with to accomplish your
goals.” (LINKEDIN, 2010). Sendo possível efetuar o uso do site objetivando:
administrar publicações sobre seu perfil; relacionar com possíveis clientes e
colaboradores; criar, colaborar, com projetos e soluções; encontrar oportunidades de
negócios; informar-se sobre discussões profissionais; buscar profissionais.
No Brasil, 55% das empresas possuem política de controle de uso de
mídias sociais, segundo pesquisa realizada pela Manpower. Enquanto a média
global é de 20%. A África do Sul possui índice de 40% e China com 33%. Já os
países que possuem menor índice de política de controle são a Polônia com índice
de 1% e a França com índice de 2%. Os setores que apresentam o maior controle
24

são: financeiro com 81%, transportes com 65% e administração pública e educação
com 58%. Um dos principais motivos para que as empresas controlem o acesso as
mídias sociais é a produtividade. A proteção de informações confidenciais e
proteção da reputação da empresa são também razões para a existência das
políticas. Essa postura de controle é justificada por Pedro Guimarães, diretor
comercial da Manpower no Brasil, afirmando que “as políticas para mídias sociais
ainda estão focadas no gerenciamento de riscos, e não na maneira como as
ferramentas podem ser aproveitadas em benefício dos empregados e do negócio”
(SANTOS, 2010).
Dias (2009), afirma em seus estudos, que a participação nas redes
sociais e disponibilização de conteúdo podem provocar o vazamento de
conhecimentos das organizações. Mesmo possuindo a vantagem de obter
conhecimento com as redes, existem riscos associados, devendo ser analisados,
pois o vazamento de conhecimento estratégico pode trazer impactos negativos e até
mesmo positivos para as organizações.
Estudos realizados pelas agências IBOPE Inteligências e Troiano
Consultoria de Marca, sobre o índice de confiança em marcas de material esportivo
para o público de brasileiros jovens entre 15 e 19 anos, relatou dentre os itens
pesquisados, as fontes de pesquisas usadas pelos jovens para aquisição de
produtos esportivos.
A pesquisa revelou que 66% dos jovens para auxiliar a decisão de
compra, pesquisam em sites de fabricantes dos produtos. Já 61% dos jovens dão
importância à opinião de outros consumidores; 58% citaram opiniões de
consumidores em sites de lojas. As pesquisas em sites comparadores de preço
representaram 50% das opiniões. As redes sociais e propagandas online
representam a opinião de 45% dos jovens. Mídias como matérias jornalísticas e
propaganda de TV representaram a opinião dos jovens com 41% e 39%
respectivamente.
Uma observação deve ser posta sobre a influência das ferramentas dos
meios digitais usadas pelos jovens para auxiliar em suas tomadas de decisões. As
facilidades de acesso a internet, juntamente com mecanismos de interação com os
clientes e ferramentas de marketing online, pode garantir uma efetiva aproximação
das empresas a seus potenciais clientes. As fontes citadas pelos jovens revelam a
25

predominância da busca pelo ambiente digital para buscar de informações visando à


tomada de decisão.
A tradição pode ser superada por redes sociais e suas tecnologias?
Algumas faculdades dos EUA decidiram adotar redes sociais, como o Facebook,
para substituir os seus anuários. Estes eram usados para a realização de consultas
e recordar épocas históricas vividas pelos alunos. A adoção do Facebook como
plataforma de armazenamento de informações duradouras, leva-nos a
questionamentos importantes sobre a tecnologia digital. Será que o armazenamento
digital é tão confiável quanto um livro que pode durar por centenas de anos? As
mídias de armazenamento digital estão sujeitos a falhas e erros que podem tornar
os dados irrecuperáveis, mesmo tendo em mente que os dados digitais possibilitam
deixar o conteúdo intacto. Há também, o inconveniente de tempos em tempos
realizar a transferências do conteúdo digital de uma mídia de armazenamento a
outra (CDs, DVDs, por exemplo.). O armazenamento de informações na nuvem
também oferece riscos de perdas de informação, já ocorridos na historia, como cita
Dvorak (2010):

“Isso inclui armazenar conteúdo na nuvem. Milhares de sites do Geocities


desapareceram quando o serviço foi fechado. Velhos sites pessoais na AOL
também se perderam. Não há razão para se pensar que o Facebook e
outras iniciativas terão destino diferente.”. (DVORAK, 2010)
Segundo Dvorak (2010), o uso da tecnologia como ferramenta nos
permite obter um auxilio na execução de uma determinada tarefa, já como solução,
a tecnologia torna-se objeto substancial passível a erros e falhas e são temporárias,
podendo ser substituído por inovações, sendo o Facebook uma solução.

4.5 Marketing nas redes sociais

Fazendo uso do meio que as redes sociais mais adaptaram sendo este a
internet, podemos verificar que facilmente estes sites tornaram-se importantes
veículos de comunicação publicitária. As diversas formas de trabalhar com a
informação proporcionam pela transferência rápida e baixo custo do meio, a
possibilidade de fazer deste um segmento importante de interação com o público
alvo.
26

A internet possibilita uma precisão e facilidade para definir a segmentação


da veiculação. A segmentação é feita por praça, faixa etária, horário, entre outros.
Aliado ao custo baixo na produção em relação a outras mídias pode-se focar com
maior eficiência e precisão o segmento ao qual será destinada a comunicação
As redes sociais permitem analisar os usuários de forma que possa
conhecer informações importantes sobre o seu perfil e desta forma traçar estratégias
que vão ao encontro das necessidades e desejos dos futuros consumidores,
tornando a estratégia publicitária mais eficaz.
As ações de marketing direcionadas às redes sociais recebem o nome de
SSM (Social Media Marketing). Essas ações permitem um relacionamento direto
com o cliente. Aliando o potencial destas ações a uma análise mensurável detalhada
da audiência e impactos da publicidade, com a possibilidade de saber qual o retorno
conseguido e a taxa de conversão obtida, as redes sociais tornam-se uma poderosa
ferramenta de comunicação publicitária.
Com tamanho potencial publicitário, as redes sociais tornam-se grandes
oportunidades de melhoramento da relação empresa – consumidor, sendo possível
melhorar a sua visibilidade no mercado, distribuição maior do conteúdo e aumento
da audiência. Mas a comunicação deve ser de forma transparente e baseada em um
diálogo, possibilitando ao público interagir diretamente no processo de criação e
desenvolvimentos de produtos.
Um estudo divulgado pela IBOPE//NetRatings em 2008, apresentou
dados interessantes sobre o impacto das redes sociais brasileiras nas marcas e
organizações. O volume de pessoas que utilizam redes sociais no Brasil ultrapassa
20 milhões por mês, representando cerca de 90% dos internautas.
O estudo revelou que o impacto de uma campanha realizada pelas
comunidades virtuais, podem atingir 1 bilhão de pessoas enquanto que uma
campanha realizada pelos sites oficiais de empresas (no caso deste estudo,
empresas automobilísticas) conseguiria atingir cerca de 2 milhões de pessoas. Ou
seja, os impactos gerados pelas campanhas das comunidades virtuais são 500
vezes maiores (IBOPE, 2008). Nestas comunidades virtuais, os usuários possuem
características distintas, devendo as campanhas por redes sociais ser segmentados
para que sejam mais efetivas.
O conhecimento desta poderosa ferramenta de marketing, que é a rede
social, pelas empresas pode trazer benefícios vantajosos. Alexandre Magalhães,
27

gerente de análise do IBOPE//NetRatings cita o porquê as empresas devem


conhecer e utilizar das potencialidades das redes sociais no marketing.

“Este crescimento acentuado das redes sociais no Brasil e a influência que


elas exercem sobre os usuários que são também consumidores, ainda não
são amplamente conhecidos pelas corporações. Pelo que temos observado
ao longo dos últimos meses, conhecer bem essas redes sociais e aprender
como fazer parte delas não apenas previne eventuais crises ou problemas
de imagem das empresas, como também as aproxima de seus públicos,
funcionando como uma valiosa ferramenta estratégica”. (IBOPE, 2008)

4.6 Publicidade política nas redes sociais

A expressão da opinião de forma democrática proporcionada nos


ambientes virtuais trazidos com a internet faz com que a plataforma web seja
utilizada por políticos para demonstrar idéias e opiniões aos internautas, afirmando
uma tentativa de formação política de novos eleitores e trazer força para que suas
candidaturas eleitorais tornem-se impactantes.
Com o advento das redes sociais, tornou-se possível, juntamente com as
estratégias de ações de marketing, aumentar a eficiência na mobilização dos
eleitores, geração de conteúdo e eventos nas mídias de comunicação. A eficiência
da comunicação será proporcional ao grau de planejamento e organização utilizado
na exposição dos candidatos.
A inserção da presença digital da figura política de um candidato, em uma
rede social, deve observar todas as especificidades desta rede quanto a seu
potencial e aos seus riscos. Fundamentalmente, as estratégias de marketing político
na internet devem se atentar a critérios como: presença, atualização, interação com
o público, personalização, relação entre os canais de comunicação.
A personalização da informação juntamente com o potencial em
proporcionar uma comunicação direta com o público que a internet oferece, faz do
Twitter e Blog as principais redes sociais usadas pelos políticos. Estas ferramentas
transmitem a informação em forma de texto curto, com o Twitter, e longo, com o
Blog. O que torna essas redes ideais para expressão da opinião. A Figura 1
apresenta as principais redes usadas por políticos de destaque no Brasil.
28

FIGURA 1: Principais redes sociais utilizadas por políticos de destaque no Brasil


FONTE: CRUZ, 2009.

As redes sociais de maior sucesso entre os políticos, como demonstra a


figura, são Blog e Twitter. O Youtube aparece em terceiro lugar. A presença dos
políticos na maior rede social utilizada pelos brasileiros, ainda não é tão expressiva
quanto em outras redes.
O Twitter é a rede mais freqüentada pelos políticos. Isso devido à
facilidade de atualização das informações e pelo alcance atingido com a sua
publicação. Segundo dados estatísticos do site Politweets, o Twitter possui 391
políticos presentes na rede, com mais de 219.000 mensagens publicadas e tendo
um total de 610.239 seguidores (POLITWEETS, 2010).
A Figura 2 mostra os cinco políticos com maior número de seguidores no
Twitter. Sendo José Serra o político com maior número de seguidores: 158544. Já a
Figura 3 traz o número de perfis de políticos presentes no Twitter segmentado por
partidos políticos. O Partido dos Trabalhadores é o que possui maior número de
perfis, seguido pelo PSDB e PMDB.
29

FIGURA 2: Os cinco políticos com maior número de seguidores no Twitter.


FONTE: POLITWEET, 2010.

FIGURA 3: Número de perfis de políticos no Twitter, segmentados por partidos políticos.


FONTE: POLITWEETS, 2010.
30

As informações contidas na Figura 4 mostram a relação quantidade de


perfil versus cargos políticos. Os deputados federais são os mais presentes no
Twitter, seguidos pelos vereadores e pelos senadores e deputados estaduais.

FIGURA 4: Relação entre a quantidade de perfis no Twitter e o cargo político.


FONTE: POLITWEETS, 2010.

Segundo Cruz (2009), há três formas dos políticos atuarem nas redes
sociais, sendo que elas estão baseadas nos objetivos a serem atingidos e a
proporção dos resultados. A Figura 5 demonstra as três formas de atuação proposta,
sendo a ideal, a que o político participe diretamente do diálogo juntamente com uma
equipe para obter maior confiabilidade dos seguidores, pessoalidade nas
informações e também alcançar maiores proporções na divulgação e resultados
esperados.

FIGURA 5: Formas de atuação na rede pelos políticos.


FONTE: CRUZ, 2009.
31

Um exemplo de estratégia política na web que obteve sucesso foi a


campanha à presidência dos Estados Unidos da América pelo presidente Barack
Obama no ano de 2008.
O início da presença digital do presidente dos EUA nas redes sociais se
deu com um ano e meio de antecedência. A sua presença foi estrategicamente
planejada com o auxilio de uma equipe de planejamento digital, que conhecia as
mídias sociais e ajudou-o a decidir a relevância das redes nas quais sua presença
se firmaria. Então foram desenvolvidos mecanismos para participação e geração de
conteúdo dos usuários na sua campanha, permitindo assim uma relação direta na
comunicação entre público e político. Os resultados obtidos com está estratégia foi a
geração de 5 milhões de contatos e a representação de 87% das doações
realizadas na sua campanha (CRUZ, 2009).
A importância do traçado correto da estratégia de marketing online é
imprescindível para que não possibilite erros nos resultados pretendidos, pois, tendo
em vista a velocidade de propagação das informações na web, a correção pode não
ser tão expressiva e efetiva. A comunicação deve ser contextualizada com o meio,
não devendo ser de linguagem exclusivamente culta, e o político não pode deixar de
atualizar os seus canais de comunicação.
Essa ressalva na comunicação através das redes sociais por políticos fica
bem demonstrada pela opinião de Eduardo Jorge, vice-secretário executivo do
PSDB e líder de estudo interno da legenda sobre o uso das redes sociais, para o site
Veja.com, “A minha avaliação pessoal é que tudo isso será menos importante do
que se acredita porque a cultura brasileira de participação é diferente da americana
e da européia” (FRANÇA, 2009). Contrapondo a opinião de Eduardo Jorge, o
deputado federal Eliseu Padilha, presidente da Fundação Ulysses Guimarães que
orienta a discussão sobre redes sociais pelo PMDB, diz que “Estamos vivendo uma
carência de posições e de ideologias e essas ferramentas possibilitam estimular o
debate com a sociedade” (FRANÇA, 2009).
32

4.7 O uso de aplicativos sociais

Aplicativos sociais são programas disponíveis para usuários de redes


sociais, oferecendo atração, interatividade e incentivo ao compartilhamento, que são
integrados aos sites dessas redes. Essa integração permite que os aplicativos
acessem áreas personalizadas do usuário, como perfil, contatos, fotos, vídeos, entre
outros. A interação com os amigos pode ser realizada através de notificações,
atualização de status, mensagens privadas, solicitações e diversas outras
ferramentas.
O uso dos aplicativos é baseado em entretenimento com ações repetitivas
e com aspecto informativo. Ao ser exibido no perfil do usuário, fica disponível para
visualização por seus contatos e estes são opcionalmente notificados quando for
realizada alguma interação entre usuário e aplicativo. Assim, a produção dos
aplicativos traz consigo a possibilidade de anunciar dentro das redes sociais, de
forma que o usuário interaja fortemente com uma marca, com custos baixos e
receita líquida total, sem repasse financeiro para intermediários.
Os aplicativos de mídia social dividem-se em quatro modelos básicos,
como propõe Silva (2009a):

Aplicativo social como mídia: os desenvolvedores os produzem para exibir


anúncios. Exemplos: Minha Música, Vou Não Vou.
Aplicativo social de marca: produzido por encomenda para uma empresa,
produto ou marca. Exemplos: Ramarim 2.0, BoltPoke!
Aplicativo social serviço web: produzir para levar algum serviço web para
dentro do site de rede social. Exemplo: Terra Sonora, Amazônia. Vc.
Aplicativo social com produto próprio: aplicativos que vendem novas
funcionalidades ou presentes virtuais. Ex: BuddyPoke. (SILVA, 2009a)
Para que um aplicativo social tenha sucesso é necessário que, este
ofereça aos usuários novos modelos de interação, permita que sejam customizados
seus perfis e relações, esteja sempre disponibilizando novidades e interaja com o
universo real.
Comprovando o sucesso dos aplicativos nas redes sociais, o fenômeno
Farmville, integrado ao Facebook, possui em seu ambiente virtual mais de 69
milhões de usuários únicos, ultrapassando o Twitter, que possui 18,9 milhões de
usuários ativos e é a rede social mais popular na internet atualmente.
Proporcionando experiências distintas das trocas de mensagens e visualização de
fotos, o aplicativo proporciona um entretenimento envolvente, misturando estratégia
33

e simulação, aguçando o desenvolvimento nos usuários de características


administrativas para obter maior produtividade com suas técnicas e estratégias.
Esse ambiente de distração e desenvolvimento mental cativa os usuários,
como diz Wesley Gomes Carneiro, estudante de administração de Belo Horizonte, a
respeito do aplicativo Farmville do Facebook: “Os criadores arrumaram um jeito de
prender a atenção do jogador, que precisa bolar estratégias para conseguir ter uma
fazenda mais produtiva, enquanto novos elementos surgem constantemente”
(BOTTREL, 2009). Desta forma, é possível verificar a eficiência dos fatores que
propiciam obtenção de sucesso dos aplicativos nas redes sociais: interação,
atualização, conexão com a realidade (em forma de estratégias administrativas e
simulação de uma atividade real, neste caso gerência de uma fazenda).
Para as empresas de games sociais, é um desafio manter-se no mercado,
pois o surgimento de algo inovador, pode colocar todo o investimento a perder. Os
projetos das empresas devem possuir um caráter dinâmico, para caso necessário,
sofrer alterações bruscas.
Uma prova de que o momento dos games sociais é favorável, são as
negociações financeiras entre as empresas. A empresa Eletronic Arts (EA) comprou
umas das empresas que está na briga pela liderança no mercado de jogos sociais,
por aproximadamente U$ 275 milhões. Firmando todo o potencial que as redes
sociais oferecem, e acreditando no marketing indireto que pode realizar,
influenciando na compra de seus outros produtos e na retenção de clientes.
O posicionamento de Barry Cottle, vice-presidente sênior e gerente-geral
da EA Interactive, elucida o momento do mercado dos jogos sociais: “Jogos sociais,
com ênfase em amigos e comunidade, estão apresentando um enorme crescimento
e agora é a hora certa para investir no fortalecimento de nossa participação nesse
espaço”.
As redes sociais possuem estratégias de conduta que oferecem a
possibilidade de criar algo inovador que viabilize suas expansões. Estratégias estas,
como as parcerias das redes sociais com empresas, por exemplo, de jogos sociais e
de produtos tecnológicos, que ajuda na criação de novos produtos e novas formas
de interagir com os seus usuários.
34

4.8 Redes sociais e empregabilidade

Empresas de recrutamento estão usando cada vez mais a Internet como


local de realização das pré-seleções dos candidatos a ofertas de empregos. A
facilidade de acesso, a velocidade de divulgação e retorno que a Internet
proporciona no processo seletivo, alavanca o seu uso para tal fim. Com a finalidade
de divulgação de oportunidades de emprego e recrutamento, existem sites
especializados neste serviço, sendo estes os mais recomendados por especialistas.
Mas, as redes sociais e os sites de relacionamento também são usados
nos processos seletivos. Sendo o seu uso polêmico entre especialistas em
recrutamento.
As conexões proporcionadas pelas redes sociais podem ajudar em casos
de oportunidades relacionadas a áreas especificas. Destinadas a divulgar e recrutar
profissionais existe comunidades e grupos dentro das redes sociais como Orkut,
Facebook e redes sociais específicas para assuntos profissionais, como é o caso do
Linkedln. Porém, a busca por emprego em sites de relacionamento não é bem vista
por especialistas, como opina a diretora do Instituto Capacitare, Leyla Nascimento,
“Se a empresa recorre a esses sites deve ter algo errado com ela. Não pode ser
algo formal” (ALECRIM, 2009).
A candidatura a uma oportunidade deve ser cuidadosamente avaliada
para que não haja problemas futuros. A facilidade do acesso a informações pessoais
traz riscos de as mesmas serem utilizadas de forma indevida, podendo ser usadas
para ofertas de produtos e outros fins. Assim sendo, deve-se atentar à credibilidade
que o site possui na internet, e observar a origem das ofertas de emprego, podendo
o usuário pesquisar sobre a empresa antes mesmo de candidatar-se a vaga ou
mesmo antes da entrevista.
Apesar de o objetivo das redes sociais não ser a busca por um emprego,
as empresas já estão monitorando a formação de comunidades e grupos específicos
para o recrutamento profissional. E quanto mais cedo as pessoas começarem a
utilizar os relacionamentos das redes sociais para busca de vaga ou indicação,
maiores serão as chances de sucesso. Outro ponto importante para obtenção de
sucesso é a personalização das informações pessoais de acordo com a vaga a ser
concorrida, devendo haver um destaque para as experiências profissionais e os
cursos afins com as áreas exigidas pela vaga. Erros de português ao redigir
35

respostas, velocidade de comunicação com a empresa, acesso constante aos sites


de cadastros de oportunidades, e a manutenção do currículo atualizado são fatores
que podem ajudar em uma rápida inserção no mercado de trabalho.

4.9 Segurança nas redes sociais

Um ponto importante que passa despercebido pelos usuários das redes


sociais é a segurança. Os usuários começam a criação dos perfis nas redes sem
lerem os termos e políticas de serviços. Neste documento podemos obter
informações importantes quanto ao uso dos dados pessoais inseridos no perfil.
Há dois tipos principais de políticas nos ambientes das redes sociais,
sendo a política do “opt-out” a mais adotada. Esta política espera que o usuário
decida os limites dos usos dos dados depois de efetuado o cadastro no site. Esse
tipo de política leva em consideração que os dados podem ser divulgados até que
sejam modificadas as autorizações pelo usuário. A outra política é a “opt-in”, onde as
configurações padrão e a política de funcionamento são menos agressivas em
relação à proteção da privacidade, ficando o usuário encarregado de aceitar e
preferir que seus dados sejam divulgados, compartilhados e utilizados para diversos
fins.
Com a adoção da política opt-out, as informações por padrão ficam
disponíveis para o site gerir e utilizá-las da maneira que desejarem. Com tantos
dados disponíveis, as redes sociais viram alvo de ataques de criminosos virtuais.
Devendo os usuários ter precauções ao interagir nas redes.
Os criminosos aproveitam da confiabilidade nas conexões dos usuários
para obterem brechas e disseminar vírus e malwares. Já que a receptividade obtida
de uma mensagem remetida por um amigo é maior que a mensagem de um
remetente desconhecido ou uma mensagem de spam. Desta forma, os criminosos
criam mecanismos para gerar um censo de confiança falso e obter acesso a
informações e benefícios.
Para obter acesso a algumas redes sociais é usado o e-mail como forma
de login permitindo que haja uma fragilidade na segurança dos dados dos usuários.
Como recomendação, as principais empresas de segurança afirmam que o ideal é
36

possuir senhas de acesso diferentes para outros sites e ter e-mail diferente para
negócios, contas de redes sociais, e uso pessoal.
Os principais ataques nas redes sociais são:
Ataque Distribuído de Negação de Serviços: que consiste em
disparar inúmeros pedidos de acesso a um determinado serviço na
rede. No caso das redes sociais o ataque ocorre contra um perfil
especifico. Exemplo recente do que ocorreu com um usuário de
rede social da Geórgia em agosto de 2009, que foi o alvo
especifico dos criminosos, mas o ataque acabou afetando toda a
rede social.
Phishing e Scams: cria-se falso senso de confiança com o alvo do
ataque e capturam informações valiosas como acessos a bancos.
Os códigos adicionados no computador do usuário permitem que
os criminosos imitem os sites de interesse e obtenha as
informações de acesso.
A principal recomendação para aumentar a segurança na utilização das
redes sociais é: manter os softwares de segurança do computador sempre
atualizados (antivírus, firewall, entre outros), realizando limpeza e verificações
periódicas do sistema. Recomenda-se também, como medida preventiva, que seja
criterioso ao aceitar solicitações de amizade de desconhecidos e convites, não clicar
em links de fontes não confiáveis, crie senhas fortes, com pelo menos 8 caracteres,
para dificultar a obtenção de acesso as informações confidenciais, troque a senha
com freqüência, principalmente se o acesso for realizado em locais públicos ou em
diferentes computadores, saia do serviço adequadamente, para que não permita que
a sessão utilizada no acesso ao servidor da rede social fique disponível e a próxima
pessoa acessar o computador não obtenha informações sobre sua sessão.
A empresa de segurança digital, McAfee, recentemente divulgou um
relatório que previa as principais ameaças em 2010. As redes sociais e os
aplicativos de terceiros podem tornar-se o principal alvo dos criminosos digitais.
Cavalos de Tróia e botnets estão entre os ataques que podem ser os mais
desenvolvidos devido a complexidade em seus desenvolvimentos e ataques, e
oportunidades das tecnologias emergentes como o HTML 5.
Em contra partida, os crimes digitais podem ser reduzidos, pois o
amadurecimento nas legislações sobre os crimes digitais e segurança da informação
37

contribuem para que sejam criadas novas metodologias para combate ao crime
digital. Como afirma Jeff Green, vice-presidente sênior do McAfee Labs, “Na última
década, observamos uma grande melhoria na capacidade de monitorar a rede, de
detectar e deter os ataques de cibercrime” (IPNEWS, 2010).
Green também prevê que 2010 será um ano satisfatório para a segurança
da informação:

“Atualmente, enfrentamos ameaças emergentes originadas de um


crescimento explosivo das redes sociais e da utilização mal-intencionada de
aplicações populares e de técnicas mais avançadas por parte dos
cibercriminosos. Contudo, estamos confiantes de que 2010 será um ano de
sucesso para a comunidade de segurança cibernética”. (IPNEWS, 2010)

4.10 Educação pelas redes sociais

Alguns séculos foram caracterizados por inovações tecnológicas. O


século XIX foi caracterizado por invenções mecânicas, já o século XX pela
informação, onde a capacidade de processamento e a geração de conhecimento
tornaram-se importantes para definição das relações interpessoais.
A diversidade de uso da internet pela sociedade populariza a utilização
deste meio como ferramenta de comunicação proporcionando a aproximação de
pessoas independente de barreiras geográficas, criando no mundo uma imensa rede
de comunicação. Desta forma é possível construir e partilhar a informação de forma
democrática, usando o conhecimento e a participação da sociedade para gerar
conhecimento, o que é chamado de inteligência social.
A intensidade de informações disponíveis para que a sociedade conviva e
lide, é hoje um desafio para as pessoas, o que acaba influenciando no cotidiano das
pessoas. E neste mundo virtual, as redes sociais tornam-se meios importantes no
processo de divulgação das informações. Nestes ambientes os usuários podem
trocar informações e aprender com a partilha do conhecimento.
O fluxo de informação e conhecimento gerado entre os usuários das
redes sociais permite que seja facilitado o processo de compartilhamento do
conhecimento, dados e experiência, contribuindo com o processo de ensino-
aprendizagem. Desta forma, é possível observar a contribuição na formação de
opinião das pessoas e da construção coletiva de conhecimento, propiciado pela
utilização das redes sociais.
38

4.11 Exemplo de utilização de redes sociais

A exemplo da Plazes, Pelago, Brightkite, Fire Eagle e o brasileiro


OndeEstou, a associação das redes sociais com os serviços de localização
geográfica, abre novas possibilidades de utilização das redes e oportunidades no
setor. Além de contato com amigos e profissionais, essas redes permitem
compartilhar a localização de cada pessoa.
Um dos possíveis meios de utilizações para este tipo de rede é através
dos celulares, que já saem de fábrica com GPS, o que permite uma maior
disseminação e popularização deste serviço. Outra estratégia de popularização das
redes geográficas é a criação de widgets para as redes sociais genéricas, o que
agrega um crescimento de usuários e anúncios.
Os anúncios direcionados para as redes sociais geográficas terão como
base um estudo sobre os dados geográficos publicados pelos usuários e sobre as
informações comerciais disponíveis para a região onde o usuário está. Criando
assim, uma publicidade dirigida, obtendo maior desempenho na efetividade dos
anúncios. “O objetivo é estudar o comportamento das pessoas e oferecer
informações relevantes e contextuais.” (GONZALES, 2008), afirma Rafael Siqueira,
CTO do Apontador Maplink.
Outra forma interessante de utilização das redes social recentemente
criada, por Lula Ribeiro e Laila Sena, é o projeto Veia Social, que tem por objetivo
montar uma rede de doadores e receptores de sangue. Os membros desta rede
podem se informar sobre a doação de sangue e seus benefícios, através de blog,
vídeos, fotos, comunidades, depoimentos, entre outros, e também uma área
especifica para a postagem de pedidos de doações. O projeto tem como plataforma
de comunicação e divulgação o Twitter (VEIA SOCIAL, 2010).

5 Pesquisas

Pesquisa divulgada na revista Info Exame, apresenta as estatísticas sobre


o acesso à internet no Brasil e o comportamento dos usuários.
A Figura 6 descrimina os locais mais freqüentados pelos brasileiros para
acessarem a internet. A pesquisa demonstra que 57,1% acessam a web de suas
39

casas. LAN Houses e acesso no trabalho ficaram praticamente empatados com


35,2% e 31% respectivamente. Já a Figura 7 apresenta o tipo de infra-estrutura
utilizado para prover acesso à web. Sendo a utilização de acesso por banda larga de
maior presença na pesquisa, representando 80,3% dos brasileiros.

FIGURA 6: Onde os brasileiros usam a web.


FONTE: LEAL, 2009.

FIGURA 7: Tipo de conexão de acesso a web no Brasil.


FONTE: LEAL, 2010.

Os dados apresentados tornam-se interessantes, quando comparados


com os dados de disponibilidade de banda larga à população em geral. O país
40

apresenta uma densidade de 5,8% sobre a população e possui 10,1 milhões de


acessos fixos a banda larga. (LEAL, 2010)
Os principais motivos pelos quais as pessoas não utilizam a internet são
expostos pela Figura 8, que revela com 54% o custo elevado ser a principal causa
da não utilização deste meio.

FIGURA 8: Motivos pelos quais os brasileiros não usam a internet.


FONTE: LEAL, 2010.

A comparação entre a renda em salários mínimos dos brasileiros e o


acesso a web é registrado pela Figura 9. O acesso a web está disponível para
75,6% dos brasileiros que possuem renda superior a 5 salários mínimos, já entre os
brasileiros que recebem menos de 1 salário mínimo, somente 22,2% acessam a
internet.
41

FIGURA 9: Relação acesso a web versus renda.


FONTE: LEAL,2010.

Atualmente, o governo brasileiro e os governos estatais possuem estudos


e planos para discutirem e levar o acesso a web para áreas remotas e que não
despertam o interesse das operadoras de telecomunicações. O Plano Nacional de
Banda Larga (PNBL), Rio Estado Digital, Acessa Escola, Acessa SP, são projetos e
iniciativas que visam minimizar os índices de exclusão digital no país.
Outros dados relevantes da pesquisa é sobre quem são os principais
usuários e qual o comportamento quando acessam a internet. Os jovens de 10 a 14
anos e os adultos com idade entre 30 e 39 anos ficam praticamente empatados
quanto aos que mais acessam a web, com índices de 17,6% e 16,9%,
respectivamente. O acesso a internet, é usado para em sua maioria para serviços de
comunicação entre pessoas, lazer, educação e aprendizado. Essas formas de
utilização, representadas pela Figura 11, sofrem influência dos hábitos de quem
mais a utiliza, os jovens. Que possuem uma necessidade de expressar e explorar
novidades, adotando a Internet como plataforma principal para atuarem. A Figura 10
mostra a representação percentual do uso da web por faixa etária.
42

FIGURA 10: Utilização da internet classificado por faixa etária.


FONTE: LEAL, 2010.

FIGURA 11: Como a internet é utilizada pelos brasileiros.


FONTE: LEAL, 2010.

A Figura 12 mostra os dados da exclusão digital segmentadas por


estados e região. A exclusão digital é maior em estados das regiões nordeste e
norte, onde a economia é pouco aquecida. Os destaques ficam para o estado de
43

Alagoas, que possui 80,1% de sua população privada do acesso a web e para o
Distrito Federal, que apresentou índice inferior a 55% de exclusão social.

FIGURA 12: Índice de exclusão digital por estado.


FONTE: LEAL, 2010.

As pessoas estão passando a maior parte do seu tempo, quando


acessam a web, visitando sites de relacionamento e conectados por comunicadores
instantâneos. Tendo em vista o crescente aumento das interações interpessoais em
plataforma digital, a pesquisa realizada pela Nielsen Online, divulgada pela revista
Info Online (PAVARIN, 2009), revelou que no Brasil, 80% dos internautas visitaram
redes de relacionamento no mínimo uma vez ao mês. Este índice representa o
sucesso da popularização da rede social Orkut, na sociedade brasileira, que é
responsável por obter 70% de internautas que o acessam pelo menos uma vez em
um mês.
O tempo de permanência em sites de redes sociais é de 23% em relação
ao tempo total de acesso a web. Revelando que o brasileiro é o que mais gasta
tempo visitando sites deste gênero.
44

Se a expressão do Orkut é tão grande no Brasil, no cenário global ele não


possui tanta expressão. Já o Facebook, tem crescido bastante neste cenário,
ultrapassando o MySpace, em números de visitas mensais nos EUA. A sua
utilização se dá por 3 internautas a cada 10 mensalmente (PAVARIN, 2009).
A quarta atividade mais popular da internet, sites de relacionamento, é a
que mais cresce na web, chegando a taxas de crescimento 2 vezes maior que
busca, portais e software para PCs (Personal Computer).
A penetração das redes sociais nos hábitos digitais dos alemães foi a que
mais cresceu. Em 2008, o índice de penetração era de 39%, passando para 51% em
2009. A Espanha foi o segundo país que mais acessou sites de relacionamento, com
75% dos internautas. A Itália fica com a terceira posição, com 73%. A média global
em 2009 é de 67% contra 61% em 2008. O responsável pelo aumento da referência
global foi o crescimento da participação dos internautas da faixa etária de 34 a 49
anos no acesso a redes sociais e blogs (PAVARIN, 2009).
A Figura 13 representa o crescimento no acesso a redes sociais por país,
segundo a pesquisa realizada pela Nielsen Online.

FIGURA 13: Crescimento das redes sociais por país.


FONTE: PAVARIN, 2009.

O Twitter, rede social mais popular do mundo, completou 4 anos de


existência. Durante todos estes anos revolucionou a comunicação com suas
mensagens curtas e objetivas, e conseguiu índices bastante expressivos no
ambiente web, segundo a matéria do site Info Online escrita por Rothman (2010).
45

A rede possui cerca de 75 milhões de usuários. 72,5 % destes usuários


criaram suas contas no 1° semestre de 2009 e 21% dos usuários nunca
comunicaram pelo Twitter. O número de mulheres ultrapassou o número de homens,
sendo 53% mulheres e 47% homens. 65% dos usuários do Twitter possuem até 25
anos e o maior grupo, com 35%, possui idade entre 20 e 24 anos. O maior número
de usuários do Twitter está concentrado nos Estados Unidos da América, com
62,14%, seguido pelo Reino Unido que participa com 7,87% e Canadá que
concentra 5,69%.
Quanto às mensagens, o número de postagens chega a cerca de 50
milhões de tuites por dia. Apesar de uma numerosa quantidade de usuários, 85,3%
utilizam seu perfil menos de uma vez ao dia, e o índice dos que postam mais 1
mensagem por dia é de 1,13%
O dia preferido para as postagens, segundo uma amostra de 20 milhões
de tuites, é a quinta-feira que obteve um índice de 15,7%. Um dado interessante é
que apenas 5% dos usuários são responsáveis por 75% das atividades do Twitter.
A maior parte dos perfis da rede social Orkut advém de brasileiros,
segundo dados do próprio site. A presença dos brasileiros na rede é de 50,74%,
sendo seguido pela Índia que representa 20,32% dos usuários e Estados Unidos,
com 17,74%, como representa a Figura 14. Os dados da Figura 15 expõem a faixa
etária dos usuários da rede, em sua maioria são jovens que possuem idade entre 18
e 25 anos (53,49%) e o interesse principal da utilização das redes, sendo o foco a
comunicação entre amigos (44,23%), confirmando o principal uso das redes sociais.
46

FIGURA 14: Relação dos países com maior número de perfis no Orkut.
FONTE: ORKUT, 2010.

FIGURA 15: Índices de faixa etária e interesse de utilização do Orkut.


FONTE: ORKUT, 2010.
47

6 Conclusão

Este estudo teve como principal objetivo demonstrar a influência que a


evolução tecnológica das redes de computadores efetuou no surgimento de novas
mídias de comunicação e interação social e novos paradigmas que surgiram e que
estão sendo descobertos com o amadurecimento da compreensão destas
tecnologias, advindo com o seu uso e pesquisas relacionadas ao assunto, que
proporcionam o aumento das facilidades e a melhoria na comunicação dos seres
humanos.
A evolução de equipamentos e serviços das redes de computadores
gerou um meio de comunicação de alta complexidade, que é a internet. As
potencialidades desta nova rede fez surgir meios de comunicação como as redes
sociais online, baseadas em conceitos que foram herdados das redes de
computadores: compartilhamento e cooperação no uso de recursos.
Seguindo este principio, as redes sociais proporcionam aos seus
membros a possibilidade de compartilhar e gerar informação e interação. A alta
capacidade de divulgação, disseminação e acesso ao meio, faz com que as redes
sociais se tornem uma excelente plataforma de relacionamento de diversos fins.
O potencial das redes sociais, ainda não descoberto, faz com que os
investimentos na área ainda sejam tímidos. Fatores como as incertezas sobre as
redes sociais e a insegurança quanto a sua permanência perante novos sistemas
tecnológicos que vão surgindo, influencia negativamente nos incentivos. Mas a
recente aceitação das redes sociais pelas pessoas, atingindo números alarmantes, e
tendo em vista que ainda estão sendo descobertas, demonstra uma tendência
positiva quanto ao seu futuro.
O marketing nas redes sociais ainda não possui uma idéia bem formada
das suas diretrizes, apesar de haver diversas métricas e formas de captação de
informação dos usuários. O potencial de generalização e de segmentação dos
assuntos possui bases próximas, o que impede que estratégias conhecidas de
marketing sejam empregadas de forma a surtirem efeito eficaz, cabendo estudos em
busca de novos modelos de ações de marketing direcionados a esse novo ambiente.
Estudos estão sendo realizados sobre métodos de publicidade em marketing com a
associação das redes sociais com informações de localização geográfica,
48

possibilitando novos rumos na comunicação direta com o cliente e aumentando o


desempenho dos anúncios.
O uso das redes como plataforma de divulgação política é um ponto
polêmico, pois trabalha com a imagem dos candidatos. A adoção de estratégias de
marketing na presença dos candidatos nas redes sociais pode ser controversa com
as intenções iniciais se não forem bem traçadas. Exemplo de estratégia política bem
sucedida foi à candidatura de Barack Obama a presidência dos Estados Unidos.
Mas no Brasil, ainda há receio quanto ao uso destes recursos na política, o que gera
discussões polêmicas entre os políticos, devendo o assunto ser mais estudado para
amadurecimento do tema.
Os aplicativos sociais são a base forte de interação existente nas redes.
Por meio de atividades que simulam a realidade e comunicação constante através
de notificações, os aplicativos promovem um aumento na audiência das redes. A
utilização e criação de aplicativos têm atingido níveis altos nas redes como é o caso
do Facebook, que possui forte parceria com desenvolvedores de jogos sociais. As
negociações financeiras que envolvem o uso de aplicativos sociais têm atingido
níveis bastante representativos e o seu uso está além dos sites, estando disponíveis
também em dispositivos móveis.
Um ponto interessante abordado neste estudo refere-se à influência das
redes sociais no comportamento humano. Sentimentos humanos de individualismo
são transformados em atitudes colaborativas, quando analisado os resultados finais
das colaborações, pois a estrutura organizacional das redes baseadas na
democracia de expressão de ideias não permite transparecer objetivos individuais.
As redes sociais permitem a formação de eventos sociais que atingem
proporções mundiais. Essa conectividade das redes potencializa a formação da
criatividade, conhecimento, colaboração e aumenta a relação interpessoal.
Benefícios que são estendidos para o convívio social nas empresas. Outro ponto do
comportamento é a influência na tomada de decisão, pois as redes sociais a partir
da confiabilidade das amizades já estabelecida repassam maior credibilidade nas
opiniões do usuário.
O sucesso das redes sociais, dentre outros fatores, deve-se a
disseminação da internet e ao seu uso para diversos fins (diversão, trabalho,
localização geográfica, entre outros). Mostrando-se bastante eclética quanto às
potencialidades que ainda estão sendo estudadas, as redes sociais já demonstram
49

sinais de maturidade, o que permite deduzir que em um futuro próximo estas


poderão ser um meio de comunicação importante para a humanidade.
Pontos importantes para incentivo à continuidade e melhoria dos estudos
das redes sociais são:
Aprofundamento do uso das redes sociais como plataforma de
propaganda política, tendo em vista as recentes discussões pelo
governo brasileiro sobre o ingresso desta mídia no processo
eleitoral.
Ajuda das redes sociais no processo de informação e educação
pessoal. Demonstrando a importância destes meios em ambientes
sociais com déficit de formação tecnológica.
Métodos de publicidades nas redes sociais, visando colaborar com
a iniciativa de obter lucratividade, visibilidade em um meio digital
tão promissor.
Ponto importante nas redes sociais são as interações, o que
proporciona uma possibilidade de aprofundamento quanto à
influência deste meio nas relações humanas.
A infra-estrutura computacional que é utilizada pelas redes sociais
pode ser apresentada, destacando pontos como os aspectos da
computação empregada na comunicação, formas de
armazenamento e gerenciamento de dados, tecnologias e
linguagens utilizadas para construção dos sites e aplicativos das
redes sociais, dentre outros assuntos.
50

7 Referências.

ALECRIM, Michel. Está à busca de uma vaga? Caia na rede. Jornal O Dia. 17 de
maio de 2009. Empregos. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/15623382/Materia-do-Jornal-O-Dia-sobre-redes-sociais-
e-empregabilidade>. Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.

ASSIS, Mariana; LANA, Cibele. Redes sociais, novas formas de interação em


favor da EdC. 2010. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/16157221/Redes-
sociais-novas-formas-de-interacao-em-favor-da-EdC>. Acesso em: 26 de fevereiro
de 2010.

BARBOSA, Fabio Alves; SACOMANO, José Benedito; PORTO, Arthur José Vieira.
Metodologia de análise para redes interorganizacionais: competitividade e
tecnologia. Gestão e Produção, São Carlos, v.14, n.2, pp. 411-423, maio-agosto
2007.

BBC Brasil.com. Passageiros andam só de cueca e calcinha no metrô nos EUA.


Portal UAI. Divirta-se Notícia. Seção: Ver pra crer. 2010. Disponível
em:<http://www.new.divirta-
se.uai.com.br/html/sessao_21/2010/01/11/ficha_verpracrer/id_sessao=21&id_noticia
=19550/ficha_verpracrer.shtml>. Acesso em: 11 de janeiro de 2010.

BOTTREL, Frederico. Insegurança nas redes sociais. Portal UAI. Ciência e


Tecnologia. 20 de agosto de 2009. Disponível
em:<http://wwo.uai.com.br/UAI/html/sessao_8/2009/08/20/em_noticia_interna,id_ses
sao=8&id_noticia=123819/em_noticia_interna.shtml>. Acesso em: 18 de janeiro de
2010.

__________. Um fenômeno chamado Farm Ville. Portal Uai. Ciência e Tecnologia.


10 de dezembro de 2009. Ciência e Tecnologia. Jogo. Disponível
em:<http://www.uai.com.br/htmls/app/noticia173/2009/12/10/noticia_tecnologia,i=139
564/UM+FENOMENO+CHAMADO+FARM+VILLE.shtml>. Acesso em: 18 de janeiro
de 2010.

CALSAVARA, Alcides. Introdução a sistemas distribuídos. 07 de março de 1997.


Disponível em: < http://www.ppgia.pucpr.br/~alcides/Teaching/SistemasDistribuidos/
01introducao.ppt>. Acesso em: 21 de março de 2010.

CARVALHO, Luciana Menezes; BARICHELLO, Eugenia Mariano da Rocha. O


microblog Twitter como agregador de informações de relevância jornalística.
XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Intercom- Sociedade
Brasileira de Estudos Interdiciplinares da Comunicação. UFSM – RS. Disponível em:
<http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-3318-1.pdf>.
Acesso em: 28 de março de 2010.

CENTRO DE ATENDIMENTO A INCIDENTES DE SEGURANÇA (CAIS/RNP).


Segurança em redes sociais: recomendações gerais. 2010. Dia Internacional De
Segurança Em Informática. Disponível em:
51

<http://www.scribd.com/doc/25966893/Seguranca-Em-Redes-Sociais-
Recomendacoes-Gerais>. Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.

CRUZ, Alexsandro. Políticos na rede. Sapienza. Novembro de 2009. Disponível


em: <http://www.scribd.com/doc/27063489/Politicos-nas-Redes-Sociais>. Acesso
em: 26 de fevereiro de 2010.

DA SILVA, Júlio Sérgio Dolce. Tecnologia, ciência e democracia. Revista da


Escola Superior de Guerra, ano XIII, nº 37, pp. 202-214, 1998. Disponível em:
<http://www.esg.br/uploads/2009/01/revista_37_1998.pdf>. Acesso em: 05 de agosto
de 2009.

DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA (DI). Redes de Computadores. Conceitos


básicos de redes de dados. Escola Superior de Tecnologia de Viseu.
Departamento de Informática. Eng. Eletrotécnica, 2005/2006. Disponível em:
<http://www.estv.ipv.pt/PaginasPessoais/pcoelho/rc/Material%20RC/Conceitos%20B
%C3%A1sicos%20-%2001.pdf>. Acesso em: 18 de janeiro de 2010.

DE PAULA, Nina. Redes Sociais: ponto de encontro das emoções. IVE Brasil. 01
de agosto de 2009. Disponível em:
<http://www.dzai.com.br/brahmakumaris/blog/iveminas?tv_pos_id=43445>. Acesso
em: 14 de janeiro de 2010.

DIAS, Gutenberg Marques. Uso da web 2.0 pelas organizações brasileiras: quais
são as contribuições dos novos recursos para alavancar a gestão do conhecimento?
Pedro Leopoldo: Fipel, 2009. 48-49 p. Dissertação: Mestrado Profissional em
Administração.

DONADEL, Ricardo. Ferramentas de gerenciamento – Aula 01. 2010. Disponível


em: <http://www.li.facens.br/~ricardo/Aula-1.ppt>. Acesso em: 01 de março de 2010.

DVORAK, John C. Facebook? Eu não! Nada garante que as redes sociais vão
durar 50 anos. Revista Info Exame. São Paulo: Ed. Abril, Seção Mashup, n° 289, p.
28, março 2010.

EIRAS, Laís. Conhecendo as redes sociais. 2010a. Disponível em:


<http://www.scribd.com/doc/13422859/Conhecendo-as-Redes-Sociais>. Acesso em:
26 de fevereiro de 2010.

__________. Estratégia de mídia online. 2010b. Disponível em:


<http://www.scribd.com/doc/4682526/Estrategia-de-midia-online-em-redes-sociais>.
Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.

ESTADO, Agência. Acordo mantém censura na internet para campanha 2010.


Portal Uai. 08 de setembro de 2009. Política. Disponível em:
<http://wwo.uai.com.br/UAI/html/sessao_3/2009/09/08/em_noticia_interna,id_sessao
=3&id_noticia=126503/em_noticia_interna.shtml>. Acesso em: 14 de janeiro de
2010.
52

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário da Língua Portuguesa. 1ª


Ed. 12ª impressão. Editora Nova Fronteira, 1977, pág. 406.

FRANÇA, Luiz de. Políticos devem se render às redes sociais. Veja.com. 17 de


junho de 2009. Brasil, Notícia. Disponível em: <
http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/eleicao-2010-internet-redes-sociais-
477459.shtml>. Acesso em: 15 de março de 2010.

GALILEU, Serviços e Tecnologia, AS. Introdução às redes. Administração de


sistemas. 17 de outubro de 2002. Disponível em: < http://www.galileu.pt/>. Acesso
em: 05 de agosto de 2009.

GONZALES, Max Alberto. A vida é um mapa. A união de redes sociais com


localização abre novas oportunidades de negócios. Revista Info Exame. São Paulo:
Ed. Abril, nº 272, p. 60-65, outubro 2008.

GONZALES, Max Alberto. Redes sociais: Orkut, linkedin, e companhia podem


ajudar – ou derrubar – sua carreira. Veja o caminho para se dar bem. Revista Info
Exame. São Paulo: Ed. Abril, nº 268, p. 40-47, junho 2008.

IBOPE INTELIGÊNCIA, TROIANO, Consultoria De Marca. IBOPE Inteligência e


Troiano Consultoria de Marca anunciam aliança estratégica. 16 de Abril de 2009.
Disponível em:
<http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=Port
alIBOPE&pub=T&db=caldb&comp=Not%EDcias&docid=FC0572C2A1F9904183257
59A005E6AB3>. Acesso em: 8 de março de 2010.

IBOPE. IBOPE//NetRatings lança estudo inédito sobre redes sociais. 19 de


junho de 2008. Disponível em:
<http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=6&proj=Port
alIBOPE&pub=T&nome=home_materia&db=caldb&docid=DF1CAE890B4D16F8832
5746D00604588>. Acesso em: 22 de março de 2010.

IPNEWS. Facebook e Twitter serão portas para as ameaças virtuais em 2010.


04 de janeiro de 2010. Disponível em:
<http://www.ipnews.com.br/voip/pesquisas/pesquisas/Facebook-e-Twitter-ser-o-as-
principais-portas-para-as-ameacas-virtuais-em-2010.html>. Acesso em: 22 de março
de 2010.

JORGE, Luisa. Redes de computadores. 24 de março de 2003. Disponível


em:<http://www.ipb.pt/~ljorge/redes0203/teorica1.pdf>. Acesso em: 18 de janeiro de
2010.

KEBEDE, Rebekah. Redes sociais superam o e-mail. Reuters. 2010. Disponível


em: <http://www.scribd.com/doc/17609445/Redes-Sociais-Superam-o-Email>.
Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.

LEAL, Renata. Cadê a internet? Por que 65% dos brasileiros ainda estão
totalmente desconectados. Revista Info Exame.São Paulo: Ed. março. Seção
Inovação_zoom. N° 289, p. 68 – 73. Março de 2010.
53

LINKEDIN. About Us. 2010. Disponível em: <http://press.linkedin.com/about>.


Acessado em: 28 de março de 2010.

LINS, Daiane. Mídias Sociais: Não uma promessa, uma realidade mal
interpretada. São Paulo, 18 de fevereiro de 2010. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/27091181/Midias-Sociais>. Acesso em: 26 de fevereiro
de 2010.

MACEDO, Raimundo José de Araújo. Computação distribuída. Tendências em TI.


3 de Janeiro de 2007. Disponível em:
<http://www.lasid.ufba.br/publicacoes/artigos/ComputacaoDistribuida.pdf>. Acesso
em: 01 de março de 2010.

MAGALHÃES, Cleyton Vanut Cordeiro de; SANTOS, Ronnie Edson de Souza;


NETO, Jorge da Silva Correia. Redes Sociais: Um novo ambiente para aquisição de
conhecimento. In: IX Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão – JEPEX 2009.
Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, outubro de 2009. Disponível
em: <http://www.eventosufrpe.com.br/jepex2009/cd/resumos/R0484-3.pdf>. Acesso
em: 14 de janeiro de 2010.

MARCOS, Paulo Gonçalves. A emergência das redes sociais.


DiárioEconômico.com. 05 de dezembro de 2007. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/21079510/A-cia-Das-Redes-Sociais>. Acesso em: 26 de
fevereiro de 2010.

MORAES, Maurício. Entrei no Orkut porque o chefe mandou. Como aproveitar o


potencial das redes sociais para as atividades do trabalho e a colaboração. Revista
Info Exame. São Paulo: Ed. março, n° 277, p. 96-98. Março de 2009.

MOREIRA. Histórico e evolução das redes de telecomunicações e de


computadores. Gestão de Sistemas de Rede. TGSI/FMR. 11 de fevereiro de 2005.
Disponível em:
<http://www.fmr.edu.br/material/GSI/3_semestre/redes/rede_aula1.doc>. Acesso em:
18 de janeiro de 2010.

MOSCHETTA. Terra: um planeta conectado nas redes sociais. 2010. Disponível


em: <http://www.scribd.com/doc/17609446/Terra-Um-Planeta-Conectado-Nas-
Redes-Sociais>. Acesso em: 14 de janeiro de 2010.

NEPOMUCENO, Carlos. 5 verdades necessárias sobre a internet. 17 de setembro


de 2009. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/19854070/Conhecimento-Em-
Rede-a-existencia-da-rede-social>. Acesso em: 14 de janeiro de 2010.

ORKUT. Sobre o Orkut. Dados demográficos. Março de 2010. Disponível em:


<http://www.Orkut.com/MembersAll>. Acesso em: 28 de março de 2010.

PAVARIN, Guilherme. Brasil, o país que reina nas redes sociais. Info Online.
Internet. 06 de abril de 2009. Disponível em:
54

<http://info.abril.com.br/noticias/internet/brasil-o-pais-que-reina-nas-redes-sociais-
06042009-41.shl?2>. Acesso em: 22 de março de 2010.

PEABIRUS. Fazendo negócios na mídia social. 2010. Peabirus. Construa seu


caminho. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/4766320/fazendo-negocios-na-
midia-social>. Acesso em: 14 de janeiro de 2010.

PINHEIRO, José Mauricio Santos. A evolução da Revolução. Projeto de redes. 25


de setembro de 2005. Disponível em: <http://www.projetoderedes.com.br/artigos/
artigo_evulocao_da_revolucao.php>. Acesso em: 20 de agosto de 2009.

POLITWEETS. Estatísticas. 2010. Disponível em:


<http://www.politweets.com.br/estatisticas>. Acessado em: 21 de março de 2010.

PRESS A PORTER. Carlos Sousa também corre por “fora” no Dakar. Piloto
português está a viver uma experiência nova nas redes sociais da Internet. Carlos
Sousa Dakar. 9 de janeiro de 2010. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/24993034/Press-Carlos-Sousa-10-01-09-Redes-
Sociais>. Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.

RECUERO, Raquel da Cunha. Dinâmicas de redes sociais no Orkut e capital


social. 2006. UCPEL/UFRGS. Disponível em:
<http://pontomidia.com.br/raquel/alaic2006.pdf>. Acesso em: 28 de março de 2010.

REDE VIVA. Redes Sociais e Interação. Evento 2008: Construindo redes de


proteção para os jovens. Seminário Nacional de Prevenção ao uso de drogas nas
escolas. Rio de Janeiro. Disponível em:
<http://www.cefetpb.edu.br/redeviva/arquivos/2008/Palestras/Rio%20de%20Janeiro/
Artigos/Redes%20Sociais%20e%20Interacao.pdf>. Acesso em: 18 de janeiro de
2010.

REYES, Victorico Rodriguez. Los servicios de informacion en el proximo


milenio. Ciência da Informação, v.26, n.1, Brasília, janeiro-abril, 1997.

ROTHMAN, Paula. Veja os números do Twitter. Info Online. 21 de março de 2010.


Seção Mercado. Disponível em: <http://info.abril.com.br/noticias/mercado/veja-os-
numeros-do-Twitter-21032010-3.shl>. Acesso em: 22 de março de 2010.

SANTOS, Ricardo. Dez mandamentos para que não te queimes em redes


sociais. Galileu. Tecnologia. Redes Sociais. Ed. 219. Outubro de 2009. Disponível
em: <http://revistagalileu.globo.com/Revista/Galileu/0,,EDG87172-7951-219,00-
DEZ+MANDAMENTOS+PARA+QUE+NAO+TE+QUEIMES+EM+REDES+SOCIAIS.
html>. Acesso em: 27 de março de 2010.

SANTOS, Ricardo F. Estudo mostra que 55% das empresas brasileiras


controlam mídias sociais no trabalho. Pequenas Empresas Grandes Negócios.
Seção Notícias. 10 de fevereiro de 2010. Disponível em:
<http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI121390-17180,00-
ESTUDO+MOSTRA+QUE+DAS+EMPRESAS+BRASILEIRAS+CONTROLAM+MIDI
AS+SOCIAIS+NO+TRAB.html>. Acesso em: 19 de fevereiro de 2010.
55

SELAIMEN, Graciela. Redes sociais: a quem pertence seu perfil? Politics – Uma
publicação do NUPEF, p. 36-40, julho de 2009. Disponível em:
<http://www.politics.org.br/downloads/poliTICS_ed04_art06.pdf>. Acesso em: 22 de
março de 2010.

SILVA, Tarcízio. Aplicativos sociais: interação, rede e publicidade. PaperCliq. 05


de outubro de 2009. Apresentação exposta na disciplina Análise de Publicidade e
Propaganda, Facom/UFBA. 2009a. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/21147204/Aplicativos-Sociais-Interacao-Rede-e-
Publicidade>. Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.

__________. Facebook: ferramentas básicas para marketing e publicidade na


rede. PaperCliq. 18 de julho de 2009. 2009b. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/18438522/Facebook-Ferramentas-Basicas-de-
Marketing-e-Publicidade-Na-Rede>. Acesso em: 14 de janeiro de 2010.

__________. Otimização de mídias e redes sociais. Observatório de Publicidade


em Tecnologias Digitais. 2009c. In: 1º Seminário de Introdução à Publicidade Digital.
Auditório da Faculdade de Comunicação, UFBa. 26 de março de 2009.

__________. Publicidade em Redes Sociais Online. Observatório de Publicidade


em Tecnologias Digitais. Outubro de 2008. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/18393941/Publicidade-Em-Redes-Sociais-Online>.
Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.

SISTEMA FIEP Paraná. O que são redes sociais distribuídas e como articulá-
las. Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná. 2010. Disponível em:
<http://www.fiepr.org.br/redeempresarial/uploadAddress/Texto_1_GFAL%5B48727%
5D.pdf Acesso em: 08 de março de 2010.

SOBRAL, Prof° João Bosco Mangueira; CLARO, Daniela Barreiro. Computação


distribuída. UFSC, 27 de maio de 1999. Disponível em:
<http://www.inf.ufsc.br/~bosco/old_page/downloads/CaracterizacaoSD.ppt>. Acesso
em: 1 de março de 2010.

TI INSIDE Online. Brasil é o segundo em número de acessos a redes sociais. 3


de julho de 2009. 2009a. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/17609305/Brasil-e-o-segundo-em-numero-de-acessos-
a-redes-sociais>. Acesso em: 14 de janeiro de 2010.

__________. Dois terços dos internautas já acessam redes sociais. 10 de março


de 2009. 2009b. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/17609362/Dois-tercos-
dos-internautas-ja-acessam-redes-sociais>. Acesso em: 14 de janeiro de 2010.

__________. Redes sociais geram grandes oportunidades para as empresas.


17 de março de 2009. 2009c. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/17609439/Redes-Sociais-Geram-Grandes-des-Para-as-
Empresas>. Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.
56

TRÄSEL, Marcelo. Redes sociais. Comunicação Digital em Publicidade e


Propaganda. Famecos/PUCRS. 16 de outubro de 2008. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/6957878/Redes-Sociais-e-marketing>. Acesso em: 26
de fevereiro de 2010.

TRIPOLI, Marcelo. E-commerce e redes sociais. 2010. Disponível em:


<http://www.scribd.com/doc/21522248/Ikeda-e-commerce-E-Commerce-e-as-Redes-
Sociais>. Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.

VEIA SOCIAL. Doe sangue. Compartilhe Vida. Veia social: rede social de
doadores e receptores de sangue. 2010. Disponível em:
<http://www.veiasocial.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2&Ite
mid=5>. Acesso em: 28 de março de 2010.

VÉSTIA, Bernardo Maria Farinha Morgado. Estudo sobre a interoperabilidade nas


redes sociais da web através de um teaser. 2010. Trabalho apresentado na
disciplina “Argumento Interativo” do Mestrado em Educação e Comunicação
Multimídia da Escola Superior de Educação Santarém. Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/25963705/Estudo-Sobre-a-Interoperabilidade-Nas-
Redes-Sociais>. Acesso em: 26 de fevereiro de 2010.