Você está na página 1de 3

2.7 Um recipiente de aço que apresenta massa de 15 kg contém 1,75 kmoles de propano na fase líquida. Se uma força de 2 kN atuar sobre o sistema, que não apresenta vínculos, calcule qual será a aceleração. Para 1mol de Propano (C 3 H 8 ), temos:

m C

(

(

m H

m(C H )

3

8

3

)

)

=

=

36

8

=

g

g

44g

8

Para 1,75 kmoles, temos:

m

= 44 1,75 = 77kg

F

a

= m a

=

m

F

2000

(77

+

15)

=

= 21,73

m

s

2

2.11 Um quilo de oxigênio diatômico (massa molecular igual a 32) está contido num

tanque que apresenta volume de 500 L. Calcule o volume específico na base

mássica e na molar. Temos 1 Kg de oxigênio diatômico de massa molecular igual a 32, então:

1 L 0,001 m 3

500 L

x = 0,5 m 3

Assim podemos obter o volume específico na base mássica e na molar.

x

v =

V

v =

V

m

m

v = 0,5 m 3

v =

0,5 m 3

1 Kg

32 mol

v = 0,5 m 3 /Kg

O volume específico na base mássica é de 0,5 m 3 /Kg e na base molar é de 0,0156

m 3 /mol.

2.12 Um recipiente fechado e com volume de 5 m³ contém 900 kg de granito e ar

(massas específicas respectivamente iguais a 2400 e 1,15 kg/m³). Determine a massa de ar contida no recipiente e o volume específico médio do arranjo. a) “Como a densidade do ar é muito pequena em relação à densidade do granito, considera-se que a massa de 900 Kg é composta somente de granito.”

v = 0,0156 m 3 /mol

V

gr

=

900

2400

=

0,375

3

m

“Considera-se então o volume restante como sendo o volume de ar”.

V ar

M

=

ar

5

0,375

=

4,625m

3

= 4,625 1,15 = 5,31

kg

b) V .

esp méd

.

=

5

900

=

5,55 10

3

m

3

kg

2.13) Um tanque de aço com massa de 15 kg armazena 300 l de gasolina que apresenta massa específica de 800 kg/m 3 . Qual a força necessária para acelerar este conjunto a 6 m/s 2 ? Dados:

F

m = 15kg; t = 800 kg m 3 ; g V 300 = 
m
=
15kg;
t
=
800
kg
m
3 ;
g
V 300
=
 =
0,3
m
3 ;
a 6
=
m
s
2 ;
Resolução:
= m
+ m
;
m tot
t
g

m

tot

=

15

kg

= m a = 255

+

0,3

3

m

800 kg = 255

3

m

6 = 1530N.

kg

;

2.14. Um conjunto cilíndrico–pistão vertical apresenta diâmetro de 125 mm e

contém óleo hidráulico. A pressão atmosférica é igual a 1bar. Determine a massa do

pistão sabendo que a pressão no óleo é igual a 1500 kPa. Admita que a aceleração da gravidade é a “normal”.

P

oleo

= P

p

+ P

atm

;

P

p

= P

oleo

P

p

= 1500 100 = 1400

kPa

P

atm

P = F F = W = m ◊g ; A m ◊g = A
P =
F F = W = m ◊g ;
A
m ◊g = A ◊P ;
;
A
P
p
m
=
onde:
p
g
m p = massa do pistão;
P p = pressão exercida pelo peso do pistão.
2
0,125
3
1400 10
2
m
=
= 1753,12
kg
p
9,8
2.15
A altura da coluna de mercúrio num barômetro é 725 mm. A temperatura é tal
que a massa específica do mercúrio vale 13550 kg/m³. Calcule a pressão no
ambiente.
P
= ◊
g
h
P
= 13550 9,8 0,725 = 96,27
kPa

2.16 Um projétil de canhão, com diâmetro de 0,15 m e massa de 5 kg, pode ser

modelado como um pistão instalado num cilindro. A pressão gerada pela combustão da pólvora na parte traseira do projétil pode ser considerada como igual a 7 MPa. Determine a aceleração do projétil sabendo que o canhão aponta na horizontal.

F ; A 2 0,15 6 7 ◊ 10 2 5
F
;
A
2
0,15
6
7
10
2
5

P =

a

=

F = AP ;

ma = AP ;

m

s

2

= 24740

a =

A

P

m

2.18 Um conjunto cilindro–pistão apresenta área da seção transversal igual a 0,01

m². A massa do pistão é 100 kg e ele está apoiado nos esbarros mostrados na fig. 1. Se a pressão no ambiente vale 100 kPa, qual deve ser a mínima pressão na água para que o pistão se mova?

ser a mínima pressão na água para que o pistão se mova? Fig. 1 “Para o

Fig. 1 “Para o pistão não se mover à pressão exercida pela água no pistão deve

ser igual à pressão do ambiente somada com a pressão exercida pelo peso do pistão. Então com qualquer valor da pressão da água maior que este valor o pistão irá se mover.”

Calculando-se a pressão de equilíbrio temos:

P

água

= P

atm.

+ P

pist.

P

pist .

=

100

9,8

0,01

= 98

kPa

P

água

. =

98

+

100

=

198

kPa

“Então para uma P água > 198kPa o pistão irá se mover.”

2.21 A pressão absoluta num tanque é igual a 85 kPa e a pressão ambiente vale

97k Pa. Se um manômetro em U, que utiliza mercúrio ( = 13550 kg/m³) como fluído barométrico, for utilizado para medir vácuo, qual será a diferença entre as alturas das colunas de mercúrio?

P

bar

h =

= (

(

97

g h) + P

abs

10

3

85

10

;

3

)

13550

9,8

h

=

=

(

P

amb

P

abs

)

g

90,36

10

3

m

2.22 A fig. 2 mostra um conjunto cilíndrico–pistão. O diâmetro do pistão é 100 mm

e sua massa é 5 kg. A mola é linear e não atua sobre o pistão enquanto este

estiver encostado na superfície inferior do cilindro. No estado mostrado na fig, o volume da câmara é 0,4 L e a pressão é 400 kPa. Quando a válvula de alimentação

de ar é aberta, o pistão se desloca de 20 mm. Admitindo que a pressão atm é igual

a 100 kPa, calcule a pressão no ar nesta nova situação.

P

mola

=

P

ar

= P

pist

.

Fig. 2

ar nesta nova situação. P mola = P ar = P pist . Fig. 2 +

+ P

mola

+ P

atm

Na situação I:

400 10

3

5

9,8

(

0,05

)

2

100 10

3

=

293,77

Deslocamento do pistão:

kN

V

= Ah ;

h =

V

A

h

0,4

=

(

0,05

)

2 =

0,051m

Coeficiente de elasticidade da mola:

P mola

=

F

K

h

=

A

A

;

K =

mola

P

A

h

K

=

293,77 10

3

(

0,05

)

2

0,051

Na situação II

P

ae

= P

pist

+ P

mola

+ P

atm

=

45,24 10

3

N

m

P

pist

P mola

P

mola

5

9,8

=

(

0,05

)

2 =

=

F

K

h

=

A A

6,24

kPa

=

45,24 10

3

(

0,051

+

0,020

)

(

0,05

)

2

= 409

kPa

ar = 6,24

P

kPa

+ 100

kPa

+ 409

kPa

= 515

kPa

2.24 Um manômetro contém um fluido com massa específica de 900 kg/m³. Qual

será a diferença de pressão indicada se a diferença entre as alturas das duas colunas for 200 mm? Qual será a diferença entre as alturas das colunas se a mesma

=

diferença de pressão for medida com um manômetro que contém mercúrio ( 13600 kg/m³)?

a) P = P + g h ; P P = g h

1

2

1

0,2

2

P P

1

2

=

900

9,8

=

1764Pa

b) “Mudando-se o líquido a diferença de pressão continuará a mesma,

portanto:”

P

1

h =

P

2

=

g h

P

1

P

2

1764

=

g

13600

9,8

=

13 10

3

m

2.27 Uma coluna de mercúrio é usada para medir uma diferença de pressão de 100

kPa num aparelho colocado ao ar livre. Nesse local, a temperatura mínima no inverno é –15°C e a máxima no verão é 35°C. Qual será a diferença entre a altura da coluna de mercúrio no verão e àquela referente ao inverno, quando estiver sendo medida a diferença de pressão indicada. Admita aceleração normal da gravidade e que a massa específica do mercúrio varia com a temperatura de acordo com:

Hg = 13595 – 2,5T (kg/m³)

P

1

P

2

=

g h

h =

P

1

P

2

g

Para a altura no verão:

h

v

=

P 1

P

2

v

g

Para a altura no inverno:

h

i

=

P

1

P

2

i

g

Subtraindo-se as equações, temos:

h

h

=

P

1

P

2

 

P

1

P

2

 
 

v

i

v

g

 

v

g

v

=

13595

 

(

2,5

 

35

 

)

=

13632,5 m kg

3

i

=

13595

[

2,5

 

(

15

)]

 

=

h

h

 

=

100000

 

100000

 

v

i

1363,5

 

9,8

 

13507,5

9,8

13507,5 m kg

3

= 0,068 m

2.28 Um cilindro que apresenta área de seção transversal A contém água líquida,

com massa específica ρ, até a altura H . O cilindro apresenta um pistão inferior (veja

a figura P2.28) que pode ser movido pela ação do ar. Deduza a equação para a pressão do ar em função de h .

figura P2.28

F

p =

p

p

p

p

p

;

= p

=

A

água

+ p

pistão

+ p

ar

ar

atm

, onde:

Pressão do ar;

água

pistão

atm

= Pressão exercida pelo peso da água;

= Pressão exercida pelo peso do pistão;

=

Pressão atmosférica;

p

W

=

ar

pistâo

W água

W

água

A

+

W

pistão

A

=

Peso do pistão;

= Peso da água;

água = ◊ ◊(

W

g

H

h

+ p

atm

)

A

;

, onde:

Desconsiderando-se a pressão exercida pelo peso do pistão, tem-se:

p

p

ar

a pressão exercida pelo peso do pistão, tem-se: p p ar ar ◊ g ◊ (

ar

g

(

H

h

)

A

=

A

+ p

=

g H

(

h

)

+ p

atm

.

atm

;

2.29 Um conjunto cilindro-pistão, com área de seção transversal a 15 cm 2 contém

um gás. Sabendo que a massa do pistão é 5 Kg e que o conjunto está montado numa centrífuga que proporciona uma aceleração de 25 m/s 2 , calcule a pressão no

gás. Admita que o valor da pressão atmosférica é o normal. Para achar a pressão admitimos que:

p gás = p o + p pistão + p c

Assim podemos calcular p pistão e p c :

p

pistão =

m.g

A

p

c =

m.g

F

A

= A

p

pistão = 5 Kg . 9,80665 m/s 2 0,0015 m 2

p c = 5 Kg . 25 m/s 2 0,0015 m 2

p pistão = 32688,83 Pa 83333,33 Pa

Utilizando a primeira equação:

p

p

p gás = 217,346 kPa A pressão do gás é de 217,346 kPa.

2.30 Um dispositivo experimental (fig. 3) está localizado num local onde a

temperatura vale –2°C e g = 9,5 m/s². O fluxo de ar neste dispositivo é medido,

determinando-se a perda de pressão no escoamento através de um orifício, por meio de um manômetro de mercúrio. Determine o valor da queda de pressão em kPa quando a diferença de nível no manômetro for igual a 200 mm.

=

p

c

gás = p o +p pistão + p fc

gás = 101,325 kPa + 32,688 kPa + 83,333 kPa

+ p fc g á s = 101,325 kPa + 32,688 kPa + 83,333 kPa P

P

2

=

g h

=

[

13595 2,5

(

2

)]

=

kg

13600 m

3

Fig. 3

P

1

P

1

P

2

=

13600

9,5

0,2

=

25,84kPa

2.32 Os conjuntos cilindro – pistão A e B (fig.4) contém um gás e estão conectados

por uma tubulação. As áreas das seções transversais são A A = 75 cm² e A B = 25 cm².

A massa do pistão A é igual a 25 kg, a pressão ambiente é 100 kPa e o valor da

aceleração da gravidade é o normal. Calcule, nestas condições, a massa do pistão

B de modo que nenhum dos pistões fique apoiado nas superfícies inferiores dos

cilindros.

Fig. 4

apoiado nas superfícies inferiores dos cilindros. Fig. 4 “Para haver equilíbrio P A deve ser igual

“Para haver equilíbrio P A deve ser igual a P B .”

P

A

=

P

atm

+

P

pist A

.

P

B

=

P

atm

+

P

pist B

.

P

atm

+

P

=

P

pist B

.

m

A

g

=

m

B

g

A

A

A

b

 

m

A

 

m

B

=

A

B

 

A

A

 

25

 

m

B

=

atm

0,0025 =

0,0075

+ P

pist A

.

8,33 kg

2.33 Reconsidere o arranjo de cilindro – pistão do problema 2.32, mas admita que

as massas dos pistões são desprezíveis e que uma força pontual de 250 N empurra

o pistão A para baixo. Nestas condições determine o valor da força que deve atuar

no pistão B para que não se detecte qualquer movimento no arranjo.

F

A

A

A

F

B

=

=

F

B

A

B

F

A

A

B

=

250

0,0025 =

A

A

0,0075

83,33 N

2.34 A pressão ao nível do mar é 1.025 mbar. Suponha que você mergulhe a 10 m de profundidade e depois escale uma montanha com 100 m de elevação. Admitindo que a massa específica da água seja 1.000 Kg/m 3 , qual é a pressão que você sente em cada um destes locais. Transformando a pressão ao nível do mar de bar para Pa 1 bar 1,0 x 10 5 Pa

1025 mbar

x

x

x = 102500 Pa = 102,5 kPa

Na água

P =

. h . g

+

P =

1000

kg

m

3

atm

P

.

10 m . 9,80665

P =

P = 200566,5

P = 200,56 kPa

98066,5

Pa

Pa

+

102500

Pa

m

s

2

+

102500

Pa

No ar

P

=

P

MAR

. h . g

P

P

P

=

102,5 kPa - (1,18

kg

m

3

. 100 m

= 102,5 kPa - 1,15718 kPa

=

101,34 kPa

. 9,80665

m

s

2

)

2.35 O reservatório d’água de uma cidade é pressurizado com ar a 125 kPa e está

mostrado na fig. 5. O nível do líquido está situado a 35 m do nível do solo. Admitindo que a massa específica da água vale 1000kg/m³ e que o valor da aceleração da gravidade é o normal, calcule a pressão mínima necessária para o

abastecimento do reservatório.

Fig.5

necessária para o abastecimento do reservatório. Fig.5 “A pressão mínima necessária é igual à pressão da

“A pressão mínima necessária é igual à pressão da água no ponto mais baixo do reservatório”.

P P

min

=

água

=

P

min

=

125 10

3

P

ar

+

(

+

(1000

g

h)

9,8

35)

=

468kPa

2.36 Dois cilindros A e B estão ligados por um pistão que apresenta dois diâmetros diferentes (fig.6). O cilindro B contém óleo que foi bombeado por uma bomba hidráulica até uma pressão de 500kPa. A massa do pistão é 25 kg. Calcule a pressão do gás no cilindro B.

A

A

A

F

A

B

A

A

fig.6

a pressão do gás no cilindro B. A A A F A B A A fig.6

7,85 10

=

=

= F

4,90 10

A

B

B

4

3

m

m

2

2

7,36 10

=

= F

PA

W

p

3

2

m

F

Patm

, onde:

F PA = Força ocasionada pela pressão no ambiente A. W p = Peso do pistão. F Patm = Força exercida pela pressão atmosférica.

P

B

P B

=

=

F

B

A

B

=

(

P

A

A

A

)

(

m

p

g

)

[

P

atm

(

A

A

A

B

)

]

A

B

245

N

3,92

kN

736

N

4,90 10

4

m

=

5,99

MPa

6

MPa

2.37 Dois cilindros com água ( = 1000 Kg/m 3 ) estão conectados por uma tubulação que contém uma válvula (Figura 03) . As áreas das seções transversais dos cilindros A e B são respectivamente iguais a 0,1 e 0,25 m 2 . A massa d’água no cilindro A é 100 Kg enquanto a de B é 500 Kg. Admitindo que h seja igual a 1 m, calcule a pressão no fluido em cada seção da válvula. Se abrirmos a válvula e esperarmos a situação do equilíbrio, qual será a pressão na válvula?

Cálculo de h

B :

qual será a pressão na válvula? Cálculo de h B : V = A . h

V

= A . h

 

0,5m

3

=

0,25m

2

.h

h

=

2m

A :

V

=

A . h

0,1m

3 = 0,1.h

 

h

=

1m

Para

a seção da válvula em B :

P

total

=

P

+

P

atm

+

P

H2O

Figura 03

P

P

total

total

=

=

g.h

1000

m.a

+

A

. 9,80665

+

1 atm

Kg

m

3

m

s

2

.

1

m x

+

1 10

5

Pa

+

500

Kg

.9,80665

m

s

2

0,25 m

2

P

Para a seção da válvula em A :

P

total

total

P

total

=

=

=

129 ,430 kPa

. g.h

1000

+

Kg

m

3

1 atm

. 9,80665

m

s

2

.

1

m x

+

1 10

5

Pa

P

Para o cilindro B deve-se considerar a altura da coluna d’água + altura h da válvula até o cilindro, logo a altura de B é:

total

=

109 ,81 kPa

hfinal = hB + h hfinal = 2 m +1 m hfinal = 3 m

Pressão quando o sistema está em equilíbrio, ou seja, quando p A = p B

Para que a situação fique em equilíbrio h deve ser igual para A e B.

Logo: (3 m + 1 m) = 2 m

2

p

p =

p

p

=

.

g h

.

1000

+

patm

Kg

3

.9,80665

m

= 120938,3

= 120,938

Pa

kPa

m

s

2

.2

m

+

101325 Pa

A pressão do fluido na válvula na seção do cilindro A é 109,81 kPa e na seção B

129,43 kPa. Se esperarmos a situação de equilíbrio, a pressão na válvula será 120,938 kPa