Você está na página 1de 7

Consumo

e estilos
de vida
Sociologia 12ºH

João Paulo Ferreira Nº: 15


Índice
Introdução: .....................................................................................................................3
A dissertação: .................................................................................................................4
Considerações finais: ...................................................................................................6
Bibliografia: ....................................................................................................................7

2
Introdução:

No âmbito da disciplina de Sociologia, foi-nos pedido um trabalho sobre consumos e estilos


de vida, matéria inserida no programa da disciplina.
Assim sendo, o professor, Carlos Fernandes, deu duas hipóteses: fazer um trabalho desta
matéria com o ponto de vista pessoal ou a apresentação de uma tese que teríamos que
defender ao longo do trabalho.
Escolhi a defesa de uma tese e nesta irei explicar porquê que o consumo é algum positivo
na sociedade actual, nomeadamente nas sociedades ocidentais do séc. XXI, onde Portugal está
inserido.

3
A dissertação:

Desde já, devem ser esclarecidos os conceitos que vão ser falados, assim sendo, devem ser
destacados os seguintes:
- Consumo;
- Sociedade de consumo.
O primeiro, se virmos num qualquer dicionário da Língua Portuguesa, é “fazer desaparecer
pelo uso ou gasto”. Segundo os dicionários sociológicos, a definição é mais exaustiva e daí
deve ser feita uma interpretação breve. Assim, por consumo, entende-se os gastos que cada
pessoa ou agregado familiar faz, seja em alimentação, roupa, entre outros.
O segundo, é um termo utilizado, tanto por sociólogos como por economistas, que retrata
as sociedades avançadas, onde o desenvolvimento, industrial e tecnológico, capitalista, que se
caracteriza por um consumo massivo de bens e materiais disponíveis devido à elevada
produção dos mesmos.
Outros conceitos irão surgir contudo estes serão os mais importantes.
Começando agora a tese em si, deve ser considerado um aspecto bastante importante:
- Conseguiria o cidadão de uma sociedade como a europeia, americana e mesmo asiática,
viver sem bens de consumo, supérfluo ou necessário?
A resposta, a meu ver, é não. Toda gente precisa de alimentação, água, luz, gás roupa,
calçado… Assim sendo, todos procuram ter o melhor possível dentro dos bens que têm que
consumir. Que mulher não gostaria de ter um diamante de 20 quilates, em vez de uma peça
em alumínio? Que homem não gostaria de ter um automóvel Mercedes, em vez de uma
carrinha de caixa aberta? É óbvio que todos gostavam, e se uma das críticas ao consumismo é
a renovação dos bens, mais especificamente, os naturais, então não devemos abdicar de as
pessoas poderem usufruir destes bens, mas sim educá-las em usar melhor.
É indiscutível que o consumo desenfreado e exagerado é um problema, assim como tudo
que é excesso em qualquer matéria, o é e portanto, a minha sugestão seria, como já referi, a
educação dos consumidores quanto aos modos como devem consumir.
Mesmo em termos de sociedade, o consumo não só é um direito, como é também
necessário pois é dos grandes motores das economias, outrora somente ocidentais, mas agora
globais. Sendo a produção elevada, e consumo dos bens também, a economia desenvolve, o
que não pode ser, de todo, visto como algo prejudicial.
Este desenvolvimento leva, em consequência, à circulação de capital, maior oferta, maior
procura, necessidade das indústrias se desenvolverem, e para isto, sendo necessária mão-de-
obra, aumenta o número de empregos, que leva ao aumenta o poder de compra dos

4
indivíduos. Isto torna-se um ciclo vicioso de consumo que faz a sociedade evoluir. Será isto
algo de negativo? Não creio.
“Uma das características marcantes do capitalismo é a urgência de acumulação de capital.
A ideia central do proprietário dos meios de produção é gastar menos e produzir mais,
aumentando sua fonte de lucro e, consequentemente, seu poder e domínio sobre o mercado.
A sociedade de consumo é um termo cunhado pela economia e sociologia para designar o
tipo de sociedade que se encontra em uma avançada etapa do desenvolvimento industrial
capitalista e que se caracteriza pelo consumo massivo de bens e serviços disponíveis em
quantidade maior que a demanda devido à elevada produção dos mesmos. Capitalismo
contribui para a manutenção da sociedade de consumo é de que o progresso e o
desenvolvimento de um país dependem da expansão da economia com a necessária difusão
de bens e serviços.”1
Desta citação, creio que se deve entender que o capitalismo e o consumo fazem aumentar
a competitividade entre mercados e, por consequência, o desenvolvimento social, o que
beneficia em última análise, o cidadão que usufrui dos produtos.
Consumir mais ou adquirir maior poder de compra são considerados favoráveis ao
desenvolvimento. (ALIER, 1998).
De ter em conta ainda, que o consumismo numa nação é também um sinal de
desenvolvimento político e social.
Senão tenha-se em consideração os seguintes aspectos: nos ditos países de Terceiro
Mundo, não existe consumismo. O porquê? Estando ainda em desenvolvimento, com muita
instabilidade política, com várias guerras civis, actos violentos entre cidadãos, no fundo, povos
que ainda procuram a sua própria identidade pois, depois das vagas descolonizadoras que
vieram com o surgimento da ONU, os países perdem, a repressão dos países colonizadores,
mas também alguma estabilidade, em todos os sentidos, que estes lhes providenciavam.
Estando estes povos procurando a sua identidade, como vão desenvolver a sua indústria, os
seus meios tecnológicos, consequentemente, a sua economia?
Depois existem os países que ainda vivem sobre repressão, que também não usufruem dos
bens, veja-se o caso de Cuba, que ainda vive em regime de racionamento da comida, nem
sequer deixam entrar grande parte dos produtos, mais concretamente os americanos, que são
os mais consumidos no mundo. Quero com isto dizer que, um país como Cuba, onde nem
sequer é permitida a entrada de alguns produtos, como se vai desenvolver?

1
“Afinal formamos uma sociedade de consumo ou de sustentabilidade?” por Cíntia Ferreira e Fernanda Simplício

5
Concluímos portanto que, o consumo só é possível se a sociedade é desenvolvida em todos
os aspectos. Assim, se é possível consumir os bens, devemos ver isso como sendo algo
positivo, pois é sinal de uma sociedade evoluída. Senão veja-se, as pessoas de gerações mais
antigas com certeza se lembrarão de a Coca-Cola ser quase um produto afrodisíaco, pois era
muitíssimo difícil ter produtos internacionais no tempo de Salazar, ou seja, num tempo de
repressão em Portugal.
Assim, devemos ainda ter em consideração que o consumo é até, inevitável, sendo que é
uma consequência do grande fenómeno que é a globalização. Agora, há nas sociedades
desenvolvidas, produtos de qualidade como a Nike, Adidas, Puma ou outras de outro estilo
como Dolce&Gabbana, Prada, … no fundo, pretendo com isto mostrar que o consumo abriu
portas às pessoas de conhecer novas culturas, ideologias, estilos de vida, o que me leva de
novo ao desenvolvimento das sociedades.
Outra das críticas que é apresentada ao consumo é a perda de identidade dos indivíduos,
tornando-se estes uma massa de consumidores que pode ser persuadida por técnicas de
marketing ou propaganda. Ora, como já vimos, o consumo é necessário, e, devido ao
fenómeno da globalização, vivemos, não num país, mas no Mundo, onde as liberdades são
cada vez maiores, tal como os acessos e possibilidades. Assim esta crítica apresentada torna-se
falaciosa.

Considerações finais:

Assim, resumo agora as ideias que apontei ao longo desta dissertação. O consumo é, em
minha opinião, não só positivo, como necessário.
O consumo faz andar a economia encaminhando-a para um ciclo de prosperidade e
crescimento. É também um sinal de desenvolvimento político e social, sendo uma marca das
sociedades evoluídas como Inglaterra, França, Alemanha, …
Não creio que esteja em discussão o facto de o consumo em excesso ser algo prejudicial,
evidentemente que é, mas a não-existência consumismo não é a solução, mas sim a educação
dos consumidores.

6
Bibliografia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Consumismo

http://pt.wikipedia.org/wiki/Sociedade_de_consumo#Positivas

http://pt.shvoong.com/humanities/1739650-consumismo-meio-ambiente-violência/

“Afinal formamos uma sociedade de consumo ou de sustentabilidade?” por Cíntia Ferreira e


Fernanda Simplício

http://www.priberam.pt/DLPO/Default.aspx

Dicionário de Sociologia