Você está na página 1de 33

Espelhos Esféricos

Definições e Elementos:
 Calota

Esférica.
 Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma
das faces é refletora.
 Espelho Côncavo › Superfície refletora interna.
 Espelho Convexo › Superfície refletora externa.

«
Côncavo

Convexo
»
Calota Esférica

ESPELHOS ESFÉRICOS

Espelhos Esféricos

ESPELHOS ESFÉRICOS

Espelhos Esféricos

Espelhos Esféricos de Gauss:

Condições de Nitidez ›
 Os

raios incidentes sobre o espelho devem ser
paralelos ou pouco inclinados em relação ao
eixo principal e próximo dele.

Focos de um Espelho Esférico de
Gauss:

Foco Principal ›
 Ponto

de Convergência ou Divergência,
resultante de raios paralelos incidentes no
espelho.
ESPELHOS ESFÉRICOS

Espelhos Esféricos  Focos de um Espelho Esférico de Gauss: Espelho Côncavo define foco real Espelho Convexo define foco virtual ESPELHOS ESFÉRICOS .

se numa direção que passa pelo foco principal. « Côncavo Convexo » ESPELHOS ESFÉRICOS .Espelhos Esféricos  Propriedades dos Espelhos Esféricos de Gauss:  1ª) Todo raio de luz que incide paralelamente ao eixo principal reflete .

« Côncavo Convexo » ESPELHOS ESFÉRICOS .Espelhos Esféricos  Propriedades dos Espelhos Esféricos de Gauss:  2ª) Todo raio de luz que incide numa direção que passa pelo foco principal reflete .se paralelamente ao eixo principal.

Espelhos Esféricos  Propriedades dos Espelhos Esféricos de Gauss:  3ª) Todo raio que incide numa direção que passa pelo centro de curvatura reflete .se sobre si mesmo. « Côncavo Convexo » ESPELHOS ESFÉRICOS .

« Côncavo Convexo » ESPELHOS ESFÉRICOS .Espelhos Esféricos  Propriedades dos Espelhos Esféricos de Gauss:  4ª) Todo raio que incide sobre o vértice do espelho reflete .se simetricamente em relação ao eixo principal.

Imagem do ponto A nos espelhos côncavo e convexo ESPELHOS ESFÉRICOS Imagem do objeto AB .  A imagem é virtual quando é formada por pelo menos um prolongamento de um raio refletido.  A imagem é real quando é formada por raios efetivos de luz.Espelhos Esféricos  Construção de Imagens: A imagem é definida pelo cruzamento de raios refletidos ou prolongamentos destes.

 Espelhos Esféricos Construção Geométrica de Imagens:  Características da Imagem no Espelho:     CONVEXO › VIRTUAL. 2ª) Objeto sobre o centro de curvatura (C) › REAL. ESPELHOS ESFÉRICOS . INVERTIDA e MENOR que o objeto. CÔNCAVO › Depende da posição do objeto. 1ª) Objeto além do centro de curvatura › REAL. DIREITA E MENOR. INVERTIDA e de MESMO TAMANHO que o objeto.

INVERTIDA e MAIOR que o objeto.Espelhos Esféricos 3ª) Objeto entre o centro de curvatura e o foco › REAL. ESPELHOS ESFÉRICOS .

nem existe.Espelhos Esféricos 4ª) Objeto no plano focal › Imagem IMPRÓPRIA. ESPELHOS ESFÉRICOS . na verdade. Imagem Imprópria.

DIREITA e MAIOR que o objeto.Espelhos Esféricos  Objeto entre o foco e o vértice › VIRTUAL. Imagem formada pelos prolongamentos dos raios refletidos ESPELHOS ESFÉRICOS .

centro de curvatura das faces da lente. Distância entre os vértices.Lentes Esféricas e Delgadas Considerações Gerais: – Lentes Esférica › É o sistema óptico constituído por três meios homogêneos e transparentes separados por duas superfícies esféricas ou por uma superfície esférica e outra plana. E .espessura da lente. R1 e R2 .vértices das faces. O1 e O2 . Eixo Principal . V1 e V2 .reta comum aos centros de curvatura. LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS .raios de curvatura das faces da lente.

LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS . – Lentes de Bordos Espessos › periferia mais espessa que a parte central.Lentes Esféricas e Delgadas Considerações Gerais: – Lentes de Bordos Delgados › parte periférica menos espessa que a parte central.

Lentes Esféricas e Delgadas Lentes de « Bordas finas Lentes de Bordos Espessos » LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS .

raios paralelos sobre ela incidentes . Lentes Convergentes e Divergentes: Lente Convergente › Aquela que faz convergir. Lente Divergente › Aquela que faz divergir os raios paralelos incidentes sobre ela – de bordas espessas.Lentes Esféricas e Delgadas Comportamento Óptico. LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS . num ponto.de bordas finas. em geral. Só muda em casos como: bolha de ar na água. em geral.

passando pelo centro óptico. não sofre desvio ao emergir. nem angular nem lateral. Lentes Convergentes e Divergentes: – – Todo raio que incide na lente delgada.Lentes Esféricas e Delgadas Comportamento Óptico. LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS .

LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS . Todo raio de luz que incide numa direção que passa pelo foco principal objeto F (raio 2) emerge da lente paralelamente ao eixo principal. Todo raio de luz que incide paralelamente ao eixo principal (raio 3) emerge da lente numa direção que passa pelo foco principal imagem F’.Lentes Esféricas e Delgadas Propriedades das Lentes Delgadas: Todo raio de luz que incide numa direção que passa pelo centro óptico da lente (raio 1) não sofre desvio ao atravessar a lente.

LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS . Todo raio de luz que incide numa direção que passa pelo ponto antiprincipal da lente sai passando pelo outro ponto antiprincipal.Lentes Esféricas e Delgadas Propriedades das Lentes Delgadas: Ponto antiprincipal de uma lente é aquele que está a uma distância do seu centro óptico igual ao dobro da distância focal.

a imagem de um objeto real é sempre VIRTUAL. LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS . DIREITA e MENOR que o objeto.Lentes Esféricas e Delgadas Construção Geométrica de Imagens: Na lente divergente.

as características da imagem.Lentes Esféricas e Delgadas Construção Geométrica de Imagens: Para Lentes Convergentes. INVERTIDA e MENOR . dependem da posição do objeto em relação a ela. – Objeto além do ponto antiprincipal objeto C: » LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS REAL.

Lentes Esféricas e Delgadas Construção Geométrica de Imagens: Objeto sobre o ponto antiprincipal objeto C: » REAL. INVERTIDA e de MESMO TAMANHO do objeto Objeto entre o ponto antiprincipal objeto C e o foco principal objeto F: » LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS REAL. INVERTIDA e MAIOR que o objeto .

DIREITA e MAIOR que o objeto .Lentes Esféricas e Delgadas Objeto sobre o foco principal objeto F: IMAGEM IMPRÓPRIA » Objeto entre o foco principal objeto F e o centro óptico O. » » VIRTUAL.

« Côncavo Convexo » ESPELHOS ESFÉRICOS .Espelhos Esféricos  Estudo Analítico:  Origem › vértice do espelho. .

imagem invertida em relação ao objeto.imagem direita em relação ao objeto. i e o têm sinais contrários .Lentes Esféricas e Delgadas Estudo Analítico das Lentes: Objeto real: p > 0 Imagem real: p’ > 0 Imagem virtual: p’ < 0 i e o têm o mesmo sinal . LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS .

imagem invertida em relação ao objeto.  Imagens virtuais › (atrás do espelho) Objeto real: p > 0 Imagem real: p’ > 0 Imagem virtual: p’ < 0 i e o têm o mesmo sinal .imagem direita em relação ao objeto. i e o têm sinais contrários .Espelhos Esféricos  Estudo Analítico:  Coordenadas ›  Objetos e imagens reais › (frente do espelho). ESPELHOS ESFÉRICOS .

a abscissa da imagem (p’) e a distância focal do espelho (f).Espelhos Esféricos  Estudo Analítico:  Equação dos pontos conjugados (equação de Gauss):  Equação que relaciona a abscissa do objeto (p). 1 1 1 = + f p p' » ESPELHOS ESFÉRICOS 2 1 1 = + R p p' .

p e p’ têm sinais opostos (p > 0 e p’ < 0) i − p' A= = o p » A<0 Imagem invertida. i e o têm mesmo sinal.Espelhos Esféricos  Estudo Analítico:  Aumento Linear › A>0 Imagem direita. i e o têm sinais opostos. p e p’ têm mesmo sinal (p > 0 e p’ > 0) ESPELHOS ESFÉRICOS .

f .Lentes Esféricas e Delgadas – Equação dos Pontos Conjugados: 1 1 1 = + f p p' A>0 p .abscissa da imagem. p e p’ têm sinais opostos › objeto real (p > 0) e imagem virtual (p < 0).abscissa do objeto. i e o têm o mesmo sinal › imagem direita p’ .distancia focal da lente – Aumento Linear Transversal: A<0 i − p' A= = o p i e o têm sinais opostos › imagem invertida p e p’ têm mesmo sinal › objeto e imagem reais (p > 0 e p’ > 0) LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS .

R < 0 A distância focal é a “abscissa” do foco f ESPELHOS ESFÉRICOS .Espelhos Esféricos  Estudo Analítico:  Distância focal: R f= 2 Espelho Côncavo: f > 0. R > 0 Espelho Convexo: f < 0.

f n1 R ( ) Fórmula dos Fabricantes de Lentes. n2 . + f n1 R1 R 2 ( )( 1 n2 1 = −1 . ) Face Convexa › Raio Positivo Face Côncavo › Raio Negativo Quando a face da lente é plana.se considerar o raio infinitamente grande LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS .Lentes Esféricas e Delgadas Fórmulas das Lentes: 1 n2 1 1 = −1 . pode .índice de refração do meio.índice de refração da lente. R1 e R2 raios de curvatura. n1 .

Medido em dioptrias.Lentes Esféricas e Delgadas Distância Focal e Vergência das Lentes: Lente Convergente: f > 0 Lente Divergente: f < 0 Distância Focal (f) › abscissa do foco principal. Vergência (ou convergência) (D) › é o inverso de sua distancia focal. Lente Convergente: D > 0 Lente Divergente: D < 0 LENTES ESFÉRICAS e DELGADAS 1 D= f .