Você está na página 1de 207

Perfil de cores: Desativado

Composição 150 lpi a 45 graus

SÍLVIA HELENA KOLLER


MARIA IMACULADA C. SAMPAIO
(Organização)
I PUS P

APARECIDA A. Z. P. SABADINI
A compreensão da realidade é um desafio posto para a Humanidade desde tempos
imemoráveis. Dentre as formas possíveis para enfrentá-lo, a ciência, entendida como um corpo
ordenado de conhecimentos produzidos na relação do homem com a natureza e com os
outros homens, mediante a utilização de um método específico de investigação, tornou-se,
nos tempos modernos, a forma hegemônica de compreensão da realidade. Contudo, para
além de um procedimento e de um produto peculiares, a ciência é, sobretudo, um
empreendimento humano.

A natureza e a destinação social da ciência é magnificamente retratada pelo teatrólogo


germânico Bertold Brecht (1955/1991), por meio das palavras de seu personagem, Galileu

um Enfoque para a Revista Científica


Galilei: "A Ciência... está ligada às duas lutas. Enquanto tropeça dentro de sua bruma luminosa
de superstições e afirmações antigas, ignorante demais para desenvolver plenamente as suas
forças, a humanidade não será capaz de desenvolver as forças da natureza que vocês
descobrem. Vocês trabalham para quê? Eu sustento que a única finalidade da ciência está em
aliviar a canseira da existência humana. E se os cientistas, intimidados pela prepotência dos
poderosos, acham que basta amontoar saber, por amor do saber, a ciência pode ser
transformada em aleijão, e as suas novas máquinas serão novas aflições, nada mais. Com o
tempo, é possível que vocês descubram tudo o que haja por descobrir, e ainda assim o seu
Publicar em
avanço há de ser apenas um avanço para longe da humanidade" (p.165). [Brecht, B. (1991).
Vida de Galileu. In Teatro completo (Vol. 6, 2a ed., pp. 51-170). Rio de Janeiro: Paz e Terra.
(Texto original em alemão publicado em 1955)].
Psicologia
um Enfoque para
Democratizar o acesso à informação, ao conhecimento produzido pela humanidade, é um dos a Revista Científica
aspectos do processo de construção da ciência e da democracia. Um dos elementos de APARECIDA A. Z. P. SABADINI
destaque nesse processo, e que recebe atenção detalhada aqui, é o periódico científico que, MARIA IMACULADA C. SAMPAIO

Publicar em Psicologia
pelas suas características, constitui-se em uma das formas privilegiadas de disseminação do SÍLVIA HELENA KOLLER
(Organização)
conhecimento científico.

Oswaldo Hajime Yamamoto

C:\Documents and Settings\ANA KARINA\Desktop\Titulos novos\publicar psicologia\capa\publicar psicologia_1edicao_2009.cdr


quarta-feira, 24 de junho de 2009 14:45:01
Publicar em Psicologia
um Enfoque para a Revista Científica
APARECIDA ANGÉLICA ZOQUI PAULOVIC SABADINI
MARIA IMACULADA CARDOSO SAMPAIO
SÍLVIA HELENA KOLLER

(Organização)

Publicar em Psicologia
um Enfoque para a Revista Científica

São Paulo

Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia


Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo

2009
© Direitos desta edição reservados à Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicolo-
gia (ABECiP) e ao Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP)

Esta versão PDF está disponível na Biblioteca Virtual em Saúde - Psicologia (BVS-Psi,
www.bvs-psi.org.br)

Obra financiada pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP)

Revisão, editoração, impressão e capa: Casa do Psicólogo

Revisão técnica: Érica Beatriz P. Moreschi Oliveira

Publicar em psicologia : um enfoque para a revista científica / Organização de Apare-


cida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini, Maria Imaculada Cardoso Sampaio e Sílvia Helena
Koller. – São Paulo : Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia / Instituto de
Psicologia da Universidade de São Paulo, 2009.
216 p.

ISBN 978-85-86736-33-9

1. Periódicos científicos. 2. Psicologia. 3. Normas editoriais. I. Sabadini, A. A. Z. P. (Org.).


II. Sampaio, M. I. C. (Org.) III. Koller, S. H. (Org.). III. Título.

LC PN 4705

Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia (ABECiP)


Biblioteca Dante Moreira Leite
Avenida Prof. Mello Moraes, 1721, Bloco C, Cidade Universitária
São Paulo, SP, Brasil 05508-030
www.bvs-psi.org.br

Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP)


Avenida Prof. Mello Moraes, 1721, Cidade Universitária
São Paulo, SP, Brasil 05508-030
www.ip.usp.br

Conselho Federal de Psicologia (CFP)


SR TVN, Quadra 702, Edifício Brasília Rádio Center, Conjunto 4024-A
Brasília, DF, Brasil 70719-900
www.pol.org.br

Casa do Psicólogo
Rua Simão Álvares, 1020, Vila Madalena
São Paulo, SP, Brasil 05417-011
www.casadopsicologo.com.br
Agradecimentos

Diversas pessoas ajudaram na construção do livro Publicar em Psicologia: um Enfoque para


a Revista Científica. Somos imensamente gratas a todos e queremos agradecer nominalmente
à Diretoria da Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia (ABECiP) e ao Instituto
de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP) pela publicação. Ao Conselho Federal de
Psicologia (CFP), pelo financiamento da obra. À Casa do Psicólogo pela revisão, editoração, im-
pressão e capa. Aos autores-colaboradores: Ana Ludmila Freire Costa, André Serradas, Claudette
Maria Medeiros Vendramini, Cláudia Borim da Silva, Irene Maurício Cazorla, Maria Marta Nas-
cimento, Oswaldo Hajime Yamamoto e Piotr Trzesniak. A Érica Beatriz P. Moreschi Oliveira pela
revisão técnica dos capítulos da obra. Às professoras Emma Otta e Acácia A. Angeli dos Santos
pela colaboração e pelo apoio. Aos nossos familiares que foram privados de nossa presença em
alguns momentos. À equipe da Biblioteca Dante Moreira Leite do IPUSP e da Biblioteca Virtual
de Psicologia, pelo apoio na elaboração deste livro. Aos autores, editores e demais usuários que
nos incentivaram neste empreendimento e à Providência, que nos colocou juntas e nos dotou
de empatia uma com a outra, o que vem permitindo uma bela parceria. Bela no sentido de pro-
dutiva, porém mais ainda porque estar juntas nos faz felizes!
Sumário

Prefácio 13
Apresentação 15

Capítulo 1 – A Redação Científica Apresentada por Editores 19


Piotr Trzesniak e Sílvia Helena Koller

1 O Texto Científico: Visão (e Cuidados) do(a) Autor(a) 20


2 Objetivos da Ciência e a Escrita Científica 20
3 Como Escrever 21
4 Por que Escrever 22
5 Onde e o Quê Publicar 24
6 A “Última” Versão 25
7 O Texto Científico: Visão (e Cuidados) dos Editores 26
8 A Trajetória de um Artigo: da Preparação à Publicação 28

Capítulo 2 – Preparando um Periódico Científico 35


Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini, Maria Imaculada Cardoso Sampaio e Maria Marta Nascimento

1 Periódico Científico 36
1.1 Características do Periódico Científico 37
1.1.1 Normalização 38
1.1.2 Periodicidade 38
1.1.3 Regularidade 39
1.1.4 Tempo de Existência 40
1.1.5 Divulgação e Distribuição 40
1.1.6 Dimensões 40
1.1.7 Tiragem 41
1.1.8 Apresentação Gráfica (Leiaute) 41
1.1.9 Número Internacional Normalizado para Publicação Seriada (ISSN) 41
1.2 Estrutura do Periódico Científico 42
1.2.1 Parte Externa do Periódico Científico 42
1.2.2 Parte Interna do Periódico Científico 51
1.3 Projeto Gráfico 58
1.4 Da Preparação à Publicação: Recomendações 58
2 Revista de Divulgação 59
3 Boletim de Sociedade Científica ou Informativo Profissional 59
4 Revista Eletrônica ou Digital 60

Capítulo 3 – O Movimento de Acesso Aberto,


os Repositórios e as Revistas Científicas 75
Maria Imaculada Cardoso Sampaio e André Serradas

1 Movimento de Acesso Aberto (OA) 76


1.1 Declaração de Budapeste (Budapest Open Acess Iniciative - 2002) 76
1.2 Declaração de Bethesda (2003) 76
1.3 Declaração de Berlim (2003) 76
1.4 Declaração de Salvador sobre Acesso Aberto:
a Perspectiva dos Países em Desenvolvimento (2005) 77
1.5 Declaração de Florianópolis (2006) 77
1.6 Declaração de Cuba (2007) 77
2 Open Archives Iniciative (OAI) 78
2.1 Linha do Tempo das Iniciativas em Acesso Aberto 78
3 Vertentes do Acesso Aberto 79
3.1 Repositórios Institucionais e Temáticos (Green Road) 79
3.1.1 Exemplos de Repositórios Institucionais 81
4 As Revistas Científicas e o Acesso Aberto 82
4.1 Scientific Electronic Library Online (SciELO) 83
4.2 Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal (Redalyc) 84
4.3 Periódicos Eletrônicos em Psicologia (PePSIC) 84
5 Considerações Finais 85

Capítulo 4 – A Estrutura Editorial de um Periódico Científico 87


Piotr Trzesniak

1 Três Requisitos para a Revista Científica 88


2 Garantia de Perenidade: a Retaguarda
Institucional e o Comitê/Conselho de Política Editorial 88
3 Garantia da Credibilidade Científica I: o Corpo Editorial Científico 89
3.1 Conceito e Atribuições 90
3.2 Constituição e Renovação do Corpo Editorial Científico 90
4 Garantia da Credibilidade Científica II:
Consultores (ou Revisores) ad hoc do Periódico Científico 91
5 Garantia da Credibilidade Científica III:
a(s) Editora(s) e/ou o(s) Editor(es) 92
5.1 O Editor Geral 92
5.2 A Equipe do Editor Geral 95
5.2.1 Assistente do Editor, Editor Assistente e Editor Adjunto 95
5.2.2 Editor Associado 96
5.2.3 Editor Convidado 96
5.2.4 Editor de Seção 96
5.2.5 Editor Consultivo 96
6 Garantia da Credibilidade Científica IV:
Funções e Responsabilidades no Processo Editorial 97
7 Garantia da Credibilidade Científica V:
Automatizando a Administração com Submission e SEER 99

Capítulo 5 – Indexação e Fator de Impacto 103


Maria Imaculada Cardoso Sampaio e Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini

1 Indexação 104
2 O Processo de Seleção das Bases de Dados 105
3 Tipos de Bases de Dados 107
4 Procedimentos para Indexação 109
5 Considerações Finais 113

Capítulo 6 – Preparando um Artigo Científico 117


Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini,
Maria Imaculada Cardoso Sampaio e Sílvia Helena Koller

1 O Artigo Científico 118


2 O Manuscrito 118
3 Estrutura e Conteúdo do Artigo Científico 119
3.1 Título 120
3.1.1 Subtítulo 120
3.1.2 Título Resumido 121
3.2 Autoria 121
3.2.1 Afiliação Institucional dos Autores 122
3.2.2 Endereço Institucional dos Autores 124
3.2.3 Informações sobre os Autores 125
3.2.4 Notas do Autor 125
3.3 Título e Autoria: Recomendações 126
3.4 Resumo 127
3.5 Palavras-chave e Descritores 129
3.6 Introdução 131
3.7 Desenvolvimento 132
3.7.1 Método 132
3.7.2 Resultados 135
3.7.3 Discussão 146
3.7.4 Conclusão ou Considerações Finais 147
3.8 Citações no Texto 147
3.9 Organização dos Títulos das Seções no Artigo 148
3.10 Referências 149
3.11 Data de Tramitação dos Manuscritos 149
3.12 Tempo de Publicação 150
3.13 Anexo(s) e Apêndice(s) 150
4 Outros Tipos de Contribuições 150
5 Da Preparação à Submissão do Manuscrito: Recomendações 151
5.1 Escolha do Periódico para Submissão do Manuscrito 151
5.2 Padronização do Manuscrito 152
5.3 Submissão e Carta de Apresentação do Manuscrito 152
6 DOI (Identificador de Documento Digital) 153
7 Considerações Finais 154

Capítulo 7 – Autoria, Coautoria e Colaboração 163


Maria Imaculada Cardoso Sampaio e Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini

1 Autor e Autoria 164


1.1 Autoria Institucional 164
2 Coautoria 165
3 Autores e Colaboradores 166
4 Coautoria Internacional ou Autoria Transnacional 167

Capítulo 8 – Normas para a Apresentação de Informações


Estatísticas no Estilo Editorial APA 171
Claudette Maria Medeiros Vendramini, Irene Maurício Cazorla e Cláudia Borim da Silva

1 Métodos de Apresentação de Informações Estatísticas 172


1.1 Apresentação Estatística em Texto 172
1.2 Apresentação Estatística em Tabela 173
1.3 Elementos de uma Tabela 174
1.4 Apresentação Estatística em Figura 177
1.5 Elementos de uma Figura 177
1.6 Tipos de Gráficos Estatísticos 178
1.6.1 Gráfico de Linhas 178
1.6.2 Gráfico de Barras Verticais ou Colunas 179
1.6.3 Gráfico de Barras Horizontais 179
1.6.4 Gráfico de Setores 180
1.6.5 Gráfico de Caixas 180
1.6.6 Histograma 181
1.6.7 Diagrama de Dispersão e Reta de Regressão 181
2 Apresentação de Resultados de Análises Estatísticas 182
2.1 Apresentação de Medidas Descritivas ou Exploratórias 183
2.2 Análise Estatística Inferencial 183
3 Considerações Finais 186
Capítulo 9 – A Avaliação de Periódicos Científicos
Brasileiros da Área da Psicologia 189
Oswaldo Hajime Yamamoto e Ana Ludmila Freire Costa

1 A Avaliação de Periódicos: Modalidades e Finalidades 190


1.1 Indexação em Bases de Dados 190
1.2 Fomento 191
1.3 Inclusão em Coleções 192
1.4 Avaliação de Pesquisadores e de Instituições 193
2 A Evolução das Propostas de Avaliação de Periódicos 193
3 A Avaliação de Periódicos na Área da Psicologia 194
4 Reflexões sobre a Avaliação de Periódicos 196

Notas sobre as Organizadoras 201

Notas sobre os Autores-colaboradores 203


Prefácio
Emma Otta

O livro Publicar em Psicologia, organizado por Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini, 13
Maria Imaculada Cardoso Sampaio e Sílvia Helena Koller, destina-se a estudantes e profissionais
de Psicologia e de áreas afins interessados em editoração científica. Reúne autores com larga ex-
periência na área de publicação no Brasil e será leitura obrigatória em instituições de ensino supe-
rior e pesquisa, nos cursos de pós-graduação e graduação, tanto pelas orientações práticas para
os pesquisadores que desejam difundir suas descobertas como pelos subsídios que oferece para
discussões mais amplas sobre política científica nacional. O professor Isaac Roitman nos ensina
que o desenvolvimento científico e tecnológico de um país correlaciona-se com a qualidade de
vida de seu povo. Assim, o conhecimento científico é um capital de enorme importância para o
nosso país. Investir na sua busca e na democratização de tecnologias e ferramentas de produção e
socialização do conhecimento acadêmico é investir na qualidade de vida da sociedade brasileira.
O livro suscita importantes questões de política científica (capítulo 3), o que vem ao encon-
tro de uma demanda crescente da comunidade científica por acesso à informação científica e
livre acesso de brasileiros aos resultados de pesquisas financiadas com recursos públicos. É o
que defendem as Declarações de Salvador e de Florianópolis (2006), somando-se a iniciativas
internacionais, notadamente as “3 Bs”, as Declarações de Budapeste (2005) e as Declarações de
Bethesda e Berlim (2003).
Há hoje insatisfação crescente da comunidade científica com o fato de as universidades
pagarem três vezes pelo processo de geração do conhecimento, o que constitui um proble­
ma sério, especialmente para as universidades públicas onde a maior parte do conhecimento
científico é gerado. A universidade paga o salário do docente/pesquisador que faz a pesquisa.
O docente/pesquisador muitas vezes paga para publicar. Finalmente, a universidade paga para
adquirir as revistas, e muitas bibliotecas têm dificuldade em manter coleções completas.
Acompanhando o que acontece internacionalmente, o Brasil destaca-se na construção e ma-
nutenção de repositórios digitais, com ganho de autonomia com relação aos editores científicos
comerciais e consequente redução de gastos. Há 15 anos, essa iniciativa seria impossível. Agora
temos tecnologia para isso graças ao advento da Internet. Um exemplo na psicologia é o Projeto
Biblioteca Virtual de Psicologia coordenado pela Biblioteca Dante Moreira Leite do Instituto de
Psicologia da Universidade de São Paulo, em parceria com o Conselho Federal de Psicologia.
Uma coleção de acesso livre nas diversas áreas do conhecimento que merece destaque é a SciELO
(Scientific Electronic Library Online), criada e mantida no âmbito da BIREME/FAPESP, que cobre as
principais publicações periódicas brasileiras, disponibilizando, pela Internet, os textos integrais.
Este livro é um exemplo de iniciativa em acesso aberto. A publicação digital foi disponibili-
zada, antes mesmo da versão impressa, no site da BVS-Psi (www.bvs-psi.org.br). A parceria com
a Casa do Psicólogo possibilitou esse acesso imediato à obra.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


As diretrizes sobre coautoria discutidas no capítulo 7 serão consideradas úteis por orienta-
dores e orientandos, assim como por equipes de pesquisa, que vêm se ampliando pelas facili-
dades da comunicação via rede e pelo incentivo das universidades à internacionalização. É cada
vez mais frequente a coautoria transnacional e internacional. A explicitação de princípios e a in-
dicação dos problemas que podem ocorrer são importantes para a redução de mal-entendidos
a respeito da propriedade intelectual.
Estudantes iniciantes e até mesmo pesquisadores experientes, que querem divulgar suas
pesquisas, certamente encontrarão nesta obra informações valiosas sobre a preparação de ma-
nuscritos/compuscritos (capítulos 1, 2 e 6), incluindo a forma de apresentação de informações
estatísticas (capítulo 8), e poderão esclarecer dúvidas sobre o processo editorial (capítulo 1). Ao
decidir para qual periódico irão enviar seu trabalho, poderão encontrar subsídios nos capítulos
2, 4, 5 e 9, que tratam da estrutura editorial, avaliação de periódicos e do fator de impacto e
indexação. Novamente são suscitadas nesses capítulos questões sobre política científica, cons-
tatando-se os avanços que a psicologia como área tem feito na avaliação de seus periódicos
14 científicos e na reflexão sobre questões de avaliação.
Recomendo fortemente a leitura do livro Publicar em Psicologia.

Emma Otta
Professora titular do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP).
Atualmente é diretora do IPUSP (Gestão 2008-2011). E-mail: emmaotta@usp.br

Prefácio
Apresentação

A elaboração deste livro atende a uma antiga demanda por parte da comunidade envolvida 15
com os processos de editoração de revistas científicas e produção de artigos científicos na área
da Psicologia. Essa demanda, manifestada, muitas vezes, nos cursos Como Preparar Artigo Cientí-
fico, nas dúvidas expressadas pelos usuários/autores e por autores e editores nas mais diferentes
formas de interação, inclusive nas reuniões da Associação Brasileira de Editores Científicos de
Psicologia (ABECiP), levou ao delírio de pensar que seríamos capazes de dar respostas lógicas,
claras e precisas às angústias da comunidade. Puro delírio, ledo engano! Quanto mais envere-
dávamos pelos caminhos da revista e do artigo científico, mais transparecia a certeza de que
estávamos muito distantes de conseguir explicar, de forma lógica, clara e precisa toda a magia,
paixão e dificuldades que envolvem a fascinante tarefa de registrar e formatar conhecimentos.
Algumas vezes parecia que a conclusão dos capítulos estava tão distante e que não conse-
guiríamos. Quando voltava a motivação para continuar, surgia uma nova urgência e tirava-nos
do foco. Algumas vezes éramos tomadas pelo sentimento de ignorância com relação ao que
tentávamos explicar e buscávamos na sabedoria do emblemático filósofo grego Sócrates e na
sua frase imortal “Só sei que nada sei”, a coragem para seguir adiante. Lendo muitos autores,
escutando outros, analisando os manuais de publicação da American Psychological Association
(APA) e as normas editadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), fomos tecen-
do nosso discurso, muitas vezes tão frágil que vinha a sensação: se levantarmos os olhos do tex-
to, essa informação já não é verdadeira, tamanha a velocidade com que tudo muda atualmente.
Sócrates, tão sábio, não escreveu nada do que pensou e refletiu. Por que nós que não somos
sofistas temos de ser tão atrevidas? Novamente o conforto vinha das palavras e dos ensinamen-
tos do grande filósofo: o saber é algo que está fora de nós, nunca vamos possuí-lo, mas temos de
amá-lo e buscá-lo sempre! Aquele que ama o saber caminha em sua direção!
E seguíamos escrevendo...
Publicar os resultados de uma investigação científica é uma forma de assegurar os direitos
sobre descobertas e resultados, trata-se do registro legítimo das ideias e dos pensamentos de
um(a) autor(a). Entretanto, sabe-se de antemão que escrever é um ato de solidão, por isso, mui-
tas vezes, o ato de publicar encontra resistência entre os pesquisadores. Na verdade, publicar
exige muita coragem e ousadia, pois se trata de tornar totalmente transparente aquilo que fora
gerado de forma reservada. É abrir-se sem medos ao julgamento de todos, especialistas, curio-
sos, críticos e toda sorte de pessoas; algumas de boa vontade, outras nem tanto.
Ao publicar, o(a) autor(a) dissemina seu conhecimento e autoriza aos cientistas e
pesquisadores o acesso à sua produção, principalmente na era atual, em que não existem
fronteiras nem barreiras físicas para a circulação da informação. Publicar permite a outros
pesquisadores refletirem sobre os resultados obtidos. Assim, é possível fazer-se inferências

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


e conclusões sobre o alcançado, de forma que haja o intercâmbio de ideias e experiências. O
conhecimento avança!
A publicação dá a necessária visibilidade à produção de um país, preserva a memória e legi-
tima o conhecimento gerado em uma determinada comunidade. O conhecimento só se trans-
forma em ciência a partir do momento em que é publicado, e o verdadeiro cientista é aquele
que publica os resultados de sua investigação, compartilhando com outros suas ideias e desco-
bertas. Hoje, mais do que nunca, o que não está escrito não existe de fato!
Desde que começaram a ser publicadas no século XVII, as revistas científicas passaram a
desempenhar relevante papel no processo de registro e divulgação dos resultados de pesqui-
sas. Esse tipo de publicação é importante por diversas razões, porém uma aparece como deter-
minante da necessidade de se publicar: a ascensão e o êxito de um(a) pesquisador(a) ou pro-
fissional dependem, em grande parte, da quantidade/qualidade de trabalhos publicados e da
frequência com que esses trabalhos são citados por outros cientistas.
O discurso científico tem suas normas próprias, e escrever para uma revista significa enqua-
16 drar seus pensamentos em um modelo preestabelecido, com relação à forma de apresentação
dessas ideias. Sendo assim, um caminho para auxiliar os autores e os próprios editores é a cria-
ção de normas básicas que possam orientar na fase de elaboração do artigo e da própria revista
científica.
A área da Psicologia vivencia um sensível crescimento de suas revistas científicas no Brasil.
Esse crescimento pode ser medido a partir do número de revistas indexadas no Index Psi Perió-
dicos (www.bvs-psi.org.br), base de dados que tem por objetivo o controle bibliográfico das pu-
blicações seriadas da área. Outro indicador do aumento do crescimento das revistas na área é o
Portal de Periódicos Eletrônicos de Psicologia (PePSIC, http://pepsic.bvs-psi.org.br), que amplia
sua coleção latino-americana a cada dia. Se lançarmos o olhar para a Europa, os Estados Unidos
da América e outras regiões, nosso argumento encontrará respaldo irrefutável.
Então, na ânsia de auxiliar os autores e editores que publicam em Psicologia, fomos buscan-
do colaboradores que nos auxiliaram na construção dos textos que compõem este livro.
No primeiro capítulo – A Redação Científica Apresentada por Editores – Piotr Trzesniak e Síl-
via Helena Koller apresentam, do ponto de vista de editores experientes, o texto científico: visão
e cuidado dos autores e os objetivos da ciência e a escrita científica. Conversam com o leitor
sobre como escrever, por que escrever, onde e como publicar. Descrevem também a trajetória
de um artigo: da preparação à publicação.
O capítulo 2 – Preparando um Periódico Científico – escrito por Aparecida Angélica Zoqui
Paulovic Sabadini, Maria Imaculada Cardoso Sampaio e Maria Marta Nascimento, orienta quanto
aos elementos essenciais na composição do periódico científico. A normalização, periodicida-
de, regularidade, divulgação e distribuição, apresentação gráfica, estrutura do perió­dico e os
elementos pré, textuais e pós-textuais também são descritos, comentados e exemplificados. A
elaboração do capítulo pautou-se na norma NBR 6021 da ABNT (2003b), nos manuais de publi-
cação da APA (2001a, 2001b) e nas revistas editadas pela própria APA.
O terceiro capítulo – O Movimento de Acesso Aberto, os Repositórios e as Revistas Científi-
cas – tem como autores Maria Imaculada Cardoso Sampaio e André Serradas que discorrem sobre
as declarações de apoio ao movimento de acesso aberto, Open Archives Iniciative (OAI), repositó-
rios institucionais e temáticos. Finalizam situando as revistas científicas no contexto eletrônico,
enquanto a via dourada do acesso aberto.
O quarto capítulo – Estrutura Editorial de um Periódico Científico – elaborado por Piotr
Trzesniak, conversa com os leitores e editores sobre a composição do corpo editorial e os papéis
de cada um dos envolvidos no processo de revisão e aceite do artigo. As funções dos assessores
científicos ou revisores ou referees ad hoc, assim como a nomenclatura dos diversos atores dessa
importante tarefa de geração da revista científica também são objetos de explanações.

Apresentação
O capítulo 5 – Indexação e Fator de Impacto – foi desenvolvido por Maria Imaculada Cardo-
so Sampaio e Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini e situa os leitores quanto ao processo
de indexação e às principais bases de dados que promovem o conhecimento psicológico.
Preparando um Artigo Científico – sexto capítulo – foi formulado pelas organizadoras do
livro, Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini, Maria Imaculada Cardoso Sampaio e Sílvia He-
lena Koller. Orienta quanto à estrutura e ao conteúdo do artigo científico, explicando os três
principais elementos que constituem o artigo: pré-textuais (antecedem o texto com informa-
ções que ajudam na sua identificação), textuais (parte do trabalho onde é exposta a matéria)
e pós-textuais (complementam o trabalho), com base nos manuais da APA (2001a, 2001b) e na
norma NBR 6022 da ABNT (2003a).
O capítulo 7 – Autoria, Coautoria e Colaboração – escrito por Maria Imaculada Cardoso Sam-
paio e Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini discute as atribuições e responsabilidades dos
envolvidos no processo de criação do artigo científico. O compromisso ético dos autores e co-
autores também faz parte do conteúdo do texto.
No capítulo 8 – Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial 17
APA – Claudette Maria Medeiros Vendramini, Irene Maurício Cazorla e Cláudia Borim da Silva apre-
sentam as normas para publicação científica de informações que envolvem notações, expres-
sões, tabelas e figuras estatísticas, utilizando como modelo as normas da APA.
Finalmente, no capítulo nove – A Avaliação de Periódicos Científicos Brasileiros da Área de
Psicologia – Oswaldo Hajime Yamamoto e Ana Ludmila Freire Costa explicam a evolução das pro-
postas de avaliação de periódicos, enfatizando a área da Psicologia. Encerram o texto refletindo
sobre o que a avaliação representa para as revistas científicas e sua efetividade na aferição do
mérito científico dos periódicos.
Assim, entregamos nossa contribuição à comunidade. Não como uma obra acabada, mas
apenas como o início de um diálogo. Acreditamos que esse diálogo ganhará eco nas vozes dos
autores, editores e leitores em geral e nos conduzirá para outros momentos de delírios e moti-
vações que nos possibilitarão rever, reescrever, melhorar...

As organizadoras

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Referências

American Psychological Association. (2001a). Manual de publicação da American Psychological Association (4a
ed., D. Bueno, trad.). Porto Alegre: ARTMED. (Tradução da 4a ed. de 1994)
American Psychological Association. (2001b). Publication manual of the American Psychological Association
(5th ed.). Washington, DC: Author.
Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2003a). Informação e documentação – Artigo em publicação perió-
dica científica impressa - Apresentação - NBR 6022. Rio de Janeiro: Autor.
Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2003b). Informação e documentação - Publicação periódica científi-
ca impressa - Apresentação - NBR 6021. Rio de Janeiro: Autor.

18

Apresentação
Capítulo 1

A Redação Científica Apresentada por Editores


Piotr Trzesniak
Sílvia Helena Koller

Caríssimo(a) leitor(a), seja bem-vindo(a) ao nosso capítulo. É possível que boa parte de nos- 19
so texto seja diferente de todos os demais que você já leu sobre redação científica. É que nós,
autor e autora, não somos escritores profissionais, e também não temos formação na área de
letras. Somos pesquisadores e, como todos os dessa espécie, tornamo-nos escritores (será que
nos tornamos mesmo?) por dever de ofício.
Então, você não vai encontrar por aqui apenas orientações acerca de como escrever. Embora
tratemos disso, especialmente na primeira metade do texto, mantemos todo o tempo uma outra
visão, e a enfatizamos na Parte 2: vamos nos preocupar e lhe contar o que acontecerá com o seu
compuscrito (compuscrito é o equivalente moderno de manuscrito), após você encaminhá-lo a
uma revista para publicação. Conhecendo e, tanto quanto possível, assumindo os papéis envol-
vidos na tramitação editorial de um original, um(a) autor(a) poderá melhorá-lo significativamen-
te e, em consequência, reduzir substancialmente o tempo entre a submissão e a publicação.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1 O Texto Científico: Visão (e Cuidados) do(a) Autor(a)
Escrever um texto científico é como contar uma história. O objetivo deste capítulo é dia-
logar com autores em potencial sobre aspectos ligados a essa tarefa. Por se tratar de um texto
didático, apresenta uma linguagem coloquial e direta aos leitores, visando estabelecer um diá-
logo e inquietá-lo para materializar o seu texto científico. Trata basicamente de como e por que
escrever e de onde e o quê publicar da história de seu trabalho científico.
Você faz uma pesquisa e, naturalmente, quer contar o que descobriu, como alcançou seus
resultados e o que estes acrescentam ao conhecimento já existente. Essa é a motivação princi-
pal dos cientistas – querer que seus achados sejam disseminados e querer ser reconhecido por
isso – mas somente se pode receber reconhecimento por algo que se faça muito bem. A pes-
quisa apenas se completa quando seu resultado se torna disponível para a humanidade. Então,
escrever e publicar é parte do processo investigativo e precisa ser muito bem feito também. No
entanto, contar bem a história de uma pesquisa exige um roteiro bastante peculiar, baseado em
20 método, linguagem e valores específicos. Você está escrevendo uma parte da história da ciência,
contando um experimento, uma investigação, desvendando um fenômeno e precisa respeitar
os pressupostos que ela lhe apresenta. Só assim seu texto será realmente compreensível e ade-
quado às expectativas de seus leitores, em geral também cientistas como você.

2 Objetivos da Ciência e a Escrita Científica


A ciência é uma atividade coletiva, conduzida através de métodos rigorosos e técnicas especí-
ficas, por membros de uma comunidade de pesquisadores e/ou estudiosos. Independentemen-
te de seu método ser quantitativo ou qualitativo, seus resultados devem ser comunicados atra-
vés de uma linguagem exclusiva, que transmita objetivamente informações sobre os resultados
das investigações conduzidas com rigor metodológico. Os valores dessa comunidade permeiam
e caracterizam a ciência que ela produz. Lembre-se, no entanto, de que a realidade vivida duran-
te a pesquisa está acima do método, como salienta Demo (1999). O método é usado para orga-
nizar a realidade, não o contrário. Portanto, o reducionismo científico não pode considerar real
apenas o que cabe no método (Demo, 2003). Aventure-se e conte a história de sua investigação,
acrescentando as potencialidades e as limitações que a tornaram possível e ainda mais próxima
da realidade. Criatividade é uma condição esperada para que a ciência se renove! Mas ciência
não é literatura poética, então aqui se fala em criatividade científica. Você não tem de fazer um
texto esteticamente bonito, mas cientificamente correto. Uma pesquisa bonita não se caracteriza
por uma linguagem retórica e rebuscada, mas pelo seu belo delineamento, assim qualificado
por ser intrinsecamente rigoroso e bem descrito.
O objetivo último da ciência consiste em gerar conhecimento, cujo acúmulo promova a
melhoria da qualidade de vida dos seres humanos. A história científica que você estará coescre-
vendo obedece a uma série de regras simples e fáceis de entender. Seu texto expressa a verdade
de sua pesquisa, obtida através dos procedimentos de coleta e análise dos dados que foram uti-
lizados para alcançar os objetivos ou responder às perguntas que a motivaram. Como pano de
fundo da história que você está contando, há toda a ciência produzida anteriormente, descrita
na literatura publicada, apoiando suas hipóteses e seu problema e atestando por que o estudo
empreendido é relevante e se justifica investigá-lo. Demo (2003) afirma que bons resultados são
frutos de uma boa “colheita”, pois “tendo à mão um bom tema, uma boa hipótese de trabalho,
uma boa base teórica e metodológica, será possível realizar bem a promessa da introdução”.
Você deve manter o compromisso de apresentar argumentos adequados e coletar dados perti-
nentes, para chegar a um bom desfecho de sua história.

Capítulo 1 | A Redação Científica Apresentada por Editores


3 Como Escrever
Escrever ciência não é uma tarefa trivial, porque é necessário respeitar estritamente o deta-
lhamento e a veracidade do fato que está sendo descrito. É, além disso, sempre uma tarefa de-
safiadora e difícil de começar. Se você não consegue escrever a primeira frase, não se preocupe!
Escreva a segunda, e o seu texto fluirá. No entanto, há um caminho infalível para quem deseja
aprender a escrever e quer escrever bem: leia muito e escreva muito! Lendo o que outros cientistas
escreveram, você conseguirá nutrir o seu próprio processo criativo e gerar seus próprios textos.
Outra peculiaridade da pesquisa científica e, portanto, também do texto que a descreve (e
que, como já mencionado, faz parte dela!) é que ele passará pela avaliação de pares, isto é, de
outros investigadores. É, por isso, conveniente submeter seu original à apreciação de seus cole-
gas de trabalho, professores e supervisores, para obtenção de avaliações preliminares. Se esses
seus primeiros leitores forem seus verdadeiros amigos, como aponta Bem (2003), farão críticas
construtivas e o ajudarão a ter um original mais pronto para publicação.
Um texto sempre pode ser melhorado, portanto, em nenhum momento (mesmo que o con- 21
sidere definitivo), tome as críticas a ele como se fossem pessoais a você. Agradeça aos revisores
prévios por ajudá-lo a submeter um compuscrito mais aprimorado, o que, certamente, tornará o
processo de tramitação editorial mais curto e fará a alegria dos pareceristas e editores. Além disso,
você poderá conhecer antecipadamente algumas das possíveis reações dos leitores ao seu texto.
Se algum revisor (pré ou pós-submissão) ficar um pouco exaltado e emitir um parecer não
construtivo, pergunte-se por que isso aconteceu. Desconfie, também, de revistas que não lhe
enviam pareceres bem consubstanciados e que publicam o seu texto na forma como o subme-
teu. Elas o estão expondo a risco. Depois de publicado, seu artigo não pode mais ser alterado, e
você não teve garantido o seu direito de tê-lo revisado e de melhorá-lo antes que ele saísse.
É unanimidade entre os pesquisadores que escrevem e leem ciência que alguns pressupostos
são fundamentais para uma escrita científica de boa qualidade (Bem, 2003; Day, 2001; Sternberg,
2003). O texto científico deve ser claro, objetivo, preciso, comunicativo e estar em linguagem correta.
Isso quer dizer que o texto científico deve ser... científico, e não literário ou coloquial. Toda informa-
ção que for colocada nele deve ser acessível aos leitores a que se destina, permitindo que a ciência
que contém seja realmente entendida. A leitura da história de sua pesquisa precisa permitir que
seja identificado exatamente o que foi feito e como foi feito, sem a possibilidade de dar margem à
imaginação de seus leitores. Os outros cientistas, que aprendem com a leitura de seu texto, podem
discutir o que você fez apenas em face do que está apresentado, sem ter de adicionar hipóteses ou
conjecturas. Deve ser possível reconstruir seu trabalho a partir de seu relato, aproveitar suas ideias,
criticar seu método, reinterpretar seus achados e conclusões. Os leitores podem até ter um momento
de inspiração e se emocionar com o estudo que você descreve, mas precisam apegar-se ao seu texto
para realmente entender o que sua experiência pode ensinar e o que seguir a partir dela (ou não!).
Ao contar a história de sua pesquisa, fique, portanto, alerta para que o seu texto seja obje-
tivo. Faça uma seleção criteriosa das informações disponíveis. Inclua todas aquelas imprescindí-
veis para que o trabalho e seus resultados sejam bem compreendidos. Você tem de se perguntar
ao longo de sua escrita se tudo que está dito é necessário e se algo que fará falta ainda está au-
sente. Você fez a pesquisa, ela está toda em sua memória e em seus registros. Seus leitores não
o acompanharam nesse processo e precisam de detalhes relevantes para poderem entender o
que você fez. Esta é uma tarefa desafiadora, pois, muitas vezes, algumas informações são tão
óbvias aos cientistas que escrevem, por terem vivido o processo investigativo, que lhes passam
despercebidas quando redigem o texto. Note que essas lacunas podem inviabilizar a (re)cons-
trução do conhecimento. Entregue o “ouro aos bandidos”, não tenha medo! Eles saberão utilizá-
lo muito bem. Pode ser mais saudável receber críticas por alguma informação dada em excesso,
do que ser atacado por ter omitido informações necessárias.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Você pode mencionar também alguma tentativa que não tenha funcionado como espera-
do, mas tal menção tem de ter uma finalidade científica, não meramente alongar seu texto. Para
isso, é preciso apresentar e discutir hipóteses e causas para o insucesso do que foi tentado e
justificadamente desaconselhar a repetição ou apontar alternativas e modificações que possam
torná-la frutífera. Porém, cuidado: a ênfase principal deve ser sempre à efetiva contribuição para
a ampliação do acervo de conhecimentos da humanidade. Informações complementares ou se-
cundárias podem aparecer, mas não ocupar um espaço tal que se rivalizem, mascarem ou enfra-
queçam o conteúdo principal. Sim, a mencionada seleção criteriosa das informações disponíveis
não é tarefa fácil, especialmente quando ainda se é iniciante. De novo, aqui, a cumplicidade de
bons revisores é de grande ajuda.
Outro aspecto fundamental da escrita de um texto científico é a correta utilização das regras
do idioma, da área da ciência e do veículo ao qual será feita a submissão. O uso de uma linguagem
precisa evita expressões de sentido vago, que possam dar margem a diferentes interpretações
(Granja, 1998). De acordo com Secaf (2004, p. 47), precisão e objetividade são condições respon-
22 sáveis pela “exatidão do texto como um todo e pelo uso de palavras e conceitos universalmente
aceitos”. Mas isso também não significa que sua linguagem tenha de ser tão específica que só os
iniciados no jargão de sua área poderão entender o que está escrito. Você ganhará em comunica-
bilidade e precisão ao cuidar desses detalhes. E ganhará muito mais do que isso: causará uma boa
impressão aos editores! Portanto, se você tiver dúvidas quanto à grafia, consulte dicionários, livros
de gramática e o corretor de seu processador de texto. “Limpe” problemas ortográficos, gramati-
cais e de pontuação. Faça um texto sem erros, por não ter se cansado de revisá-lo.
Além disso, siga as regras de publicação da área na qual se enquadra seu texto. Se seu
estudo pertence à área da Psicologia, conheça as regras da American Psychological Association
(APA, 2001). Se você não tem o manual, consulte as melhores revistas da área, aquela para a qual
você quer submeter o texto, procure normas na Scientific Electronic Library Online (SciELO, http://
www.scielo.org). Não se omita por descaso. Um erro de apresentação nas normas ou na escrita
culta de seu texto pode ser interpretado pelos revisores ou editores como desleixo. Mas, note, os
editores não pensarão que esse desleixo ocorreu apenas com o texto, eles o imputarão a todo o
processo de execução de sua pesquisa. Um texto “sujo”, com erros, fora das normas depõe con-
tra a credibilidade dos cientistas que o submetem. Não se justifique intimamente, por ser um(a)
pesquisador(a) bem conceituado(a), achando que isso o “autoriza” a submeter um texto deslei-
xado, convencido de que qualquer revista quer ter seu nome entre os autores. A ciência não é
terra de reis de um só olho... míope! Você está, de antemão, desrespeitando os seus leitores.

4 Por que Escrever


Se é tão difícil assim escrever, há tantas regras, tantos cuidados a tomar, por que os cientistas in-
sistem em fazê-lo? Bem, além de ser a publicação o último e indispensável passo da pesquisa, como
foi apontado, escrever é uma questão moral e ética que deve ser atendida pelos pesquisadores. Para
alguns, seria mais fácil ficar indefinidamente internados em seus laboratórios, fazendo análises, ou
no campo, coletando dados. Todavia, sozinhas, essas atitudes não são científicas, pois estancam o
progresso da produção e disseminação de conhecimento e apenas satisfazem temporariamente
o egoísmo de um(a) pesquisador(a). Ele(a) não é um cientista e, provavelmente, não conseguirá o
respeito devido em sua comunidade, assim como, afortunadamente para outros pesquisadores,
ele(a) não receberá auxílios ou financiamentos para seus futuros projetos infrutíferos. Se você não
publicar seus achados, eles simplesmente não existirão! Somente com muita sorte, você sobrevive-
rá ao dilema do “publique ou pereça”! Às vezes, você assiste a outros pesquisadores apresentando
resultados que você já conhecia, dizendo que esses achados lhes pertencem: Como ousam? Pois

Capítulo 1 | A Redação Científica Apresentada por Editores


eles estão evidentes (evidentes?) em sua pesquisa do século passado, que repousa no fundo de uma
gaveta de sua mesa, ou em um arquivo perdido em seu computador. Você é provavelmente o único
que os conhece no isolamento de seu laboratório ou através do gozo solitário que eles lhe propi-
ciaram, e você não conseguiu dividi-los com o mundo científico. Não ouse lamentar e acusar outros
cientistas por apresentarem resultados que você não divulgou. E tomara que você não tenha usado
recursos públicos nem deseducado seus assistentes e colaboradores que participaram da execução
da pesquisa e constataram que você, como coordenador(a) da equipe, não publicou seus achados!
A Comissão Nacional de Ética em Pesquisa do Conselho Nacional de Saúde (CNS, 1996), ao
implementar as normas e diretrizes regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos,
pela Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996, postulou no Artigo IX que, na operacionaliza-
ção da pesquisa, a responsabilidade dos pesquisadores é indelegável, indeclinável e compreende
aspectos éticos e legais. Acrescenta que estes devem seguir os princípios da bioética, autonomia,
não maleficência, beneficência e justiça, entre outros e devem assegurar os direitos e deveres que
dizem respeito à comunidade científica, aos participantes da pesquisa e ao Estado. Postula ainda,
no Artigo IX, que, entre várias outras tarefas relacionadas à execução do projeto e do relatório, 23
cabe aos pesquisadores desde submeter o projeto ao Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da insti-
tuição ao qual é afiliado até encaminhar os “resultados para publicação, com os devidos créditos aos
pesquisadores associados e ao pessoal técnico participante do projeto” (assim como, sendo o caso,
apresentar uma “justificativa, perante o CEP, da interrupção do projeto ou da não publicação dos
resultados”). Portanto, não publicar os seus achados, que é uma exigência de lei, equivale a não
cumprir com os preceitos éticos de sua profissão de cientista e pesquisador(a).
Além de contar a história de sua pesquisa à comunidade científica, a devolução de resultados
estende-se também à comunidade participante. O Artigo III da Resolução nº 196 (CNS, 1996), so-
bre as exigências para a pesquisa em qualquer área do conhecimento envolvendo seres humanos,
nas quais se inclui a Psicologia, informa que os pesquisadores deverão “garantir o retorno dos be-
nefícios obtidos através das pesquisas para as pessoas e as comunidades onde as mesmas forem
realizadas”. Na área da Psicologia especificamente, a Resolução nº 016/2000 do Conselho Federal
de Psicologia (CFP, 2000), que dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres hu-
manos, também prevê a devolução, no Artigo 15, quando trata da divulgação dos resultados. Você
pode, no entanto, argumentar que o tópico de sua pesquisa não é uma demanda preponderante
na comunidade onde coletou seus dados. Mas não se esqueça de que você é um profissional que
tem uma formação ampla e pode atender a outras demandas que a comunidade lhe apresente.
Procure identificá-las e troque com a comunidade o seu conhecimento sobre algum tema pela par-
ticipação dela em sua pesquisa. Se não está ao seu alcance devolver o que é demandado, convide
um(a) colega(a), explique-lhe a situação. Não “use” os participantes de sua pesquisa – troque com
eles. Pode ocorrer, também, que, ao longo da execução de seu estudo, não surja a necessidade de
fazer essa troca. Ainda assim, você deve levar seus achados ao conhecimento da comunidade no
final do trabalho. Mas, veja bem, não estacione seu carro na frente da instituição na qual coletou os
dados e entregue seu relatório aos porteiros. Entregue-o à mesma pessoa que o recebeu no início
do trabalho e a quem você solicitou a assinatura para o Termo de Concordância da Instituição. Sua
devolução não termina nessa mera entrega de relatório: marque uma hora para discutir seu texto,
convide todos os envolvidos, sugira que leiam e, então, visite-os longamente para discutir o que a
pesquisa concluiu. Lembre-se de que a interpretação de um texto escrito pode ser muito variada,
especialmente quando feita por leigos. Os procedimentos de devolução, portanto, podem exigir
que você escreva uma síntese estendida de seus procedimentos e resultados, com muito cuidado e
clareza, mas diferente de seu relatório técnico, pois está direcionado a um outro grupo de leitores.
Não é, porém, apenas por força de lei que os cientistas devem publicar seus achados. É a
disseminação do trabalho que produz o progresso da ciência. Ninguém se esquece da primeira
vez que vê seu nome escrito, como autor(a) de um artigo, nas páginas de uma revista científica

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


(ou nas telas de um periódico eletrônico)! Este é um momento de auge dos pesquisadores. Todo
seu esforço e sua dedicação à pesquisa estão estampados nas páginas do texto e poderá rever-
ter dali em referências, consultas, citações, reconhecimento. Cada um dos pesquisadores que já
passou por isso sabe exatamente qual é o sentimento. A sua publicação pode agora gerar novas
pesquisas e subsidiar aplicações. É a construção de conhecimento científico que conta com a
sua participação. Os pesquisadores podem se sentir vaidosos por seus feitos e, mais que isso,
podem divulgar seu estudo publicado. Eles podem fazer marketing de seu trabalho. Marketing?
Sim, isso não é pecado! Se você não acreditar e não divulgar o seu trabalho, como esperar que
alguém estranho o faça? Mesmo fazendo a divulgação, é bem possível que o reconhecimento
não venha como você gostaria que viesse, mas alguém certamente se beneficiará da leitura de
seu texto. Assumir e fazer marketing pessoal são atitudes que às vezes geram críticas, mas que
não devem amedrontar os pesquisadores. Na academia, com as condições de trabalho e sobre-
vivência a que os pesquisadores têm sido expostos, iniciar um projeto, executar uma pesquisa
e publicar um trabalho são motivos de orgulho, sim. Não se mostra uma humildade que, no
24 fundo, esconde uma hipocrisia.

5 Onde e o Quê Publicar


Levando em conta todas as demandas que motivam os pesquisadores a escrever, é impor-
tante ficar atento e escolher bem o veículo ao qual submeterá seu estudo. A quem você quer se
dirigir? Quem é o seu público? Você quer escrever para seus pares, para sua comunidade ou para
seus alunos? O que quer atingir com seu texto: aplicações na comunidade, outros cientistas,
salas de aulas? Escolha, então, um veículo que alcance as pessoas que lhe interessam, mas antes
disso pergunte sobre a qualidade desse veículo, qual a sua capacidade de disseminar os seus
achados, se as versões eletrônicas dos artigos vêm acompanhadas dos respectivos metadados,
quais são as bases de dados que o indexam, se tem penetração nacional ou internacional etc.
O veículo selecionado para publicação dos trabalhos deve ser confiável e ter qualidade de
forma e conteúdo. Veja na página da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psi-
cologia (ANPEPP, http://www.anpepp.org.br) a lista de revistas avaliadas pela área e suas clas-
sificações. Uma revista bem classificada tem melhores apresentação (normalização), gerencia-
mento e visibilidade. Aquelas que estão presentes em bases de dados e disponibilizadas em
várias bibliotecas poderão divulgar mais amplamente seu trabalho. Atualmente, tal condição é
igualmente assegurada pela veiculação em formato eletrônico, com metadados e textos inte-
grais disponíveis na Internet.
O processo de execução de uma pesquisa pode gerar muitos textos. Um ensaio teórico que
revisa e problematiza a literatura em sua área é um exemplo. As revistas não gostam de publicar
meras revisões, mas um bom ensaio que questiona a literatura e acrescenta a ela tem sempre
um lugar assegurado. Um estudo metodológico é outro exemplo de texto a ser publicado, es-
pecialmente se seu estudo propõe uma nova técnica, a revisão de alguns procedimentos co-
nhecidos ou uma nova ferramenta de investigação etc. Estudos empíricos têm espaço garantido
quando acrescentam novas informações ao que se sabe acerca do sistema ou do processo que
abordam, ou se o enfocam sob uma visão alternativa. Também podem ser publicados relatos
de experiências, quando descrevem sua trajetória profissional e/ou de pesquisa no contexto da
realização do estudo. Há, ainda, os estudos propositivos que se constituem em uma novidade e
que mostram passos a seguir a partir dos achados de sua pesquisa (mas claramente justificado,
seja do ponto de vista de novos estudos ou de novas intervenções).
E, então, publique, mas, antes, não se esqueça das recomendações elementares: passe um
revisor de texto; corrija a ortografia e a gramática; imprima em papel limpo e de tamanho unifor-

Capítulo 1 | A Redação Científica Apresentada por Editores


me; cuide para não derramar coca light nele; evite que seu sobrinho “adorado” rabisque coraçõe-
zinhos no verso das folhas. Examine concordância, estilo, pontuação, palavras repetidas, vícios
de linguagem, e assim por diante. Se as normas do veículo informam que a submissão deve ser
feita por correio comum, use um envelope que acomode bem o texto, a cópia eletrônica, o re-
gistro de contribuição, a carta de encaminhamento, o parecer do CEP de sua instituição, e tudo
mais que solicitarem. Se a submissão for via correio eletrônico, siga os passos, certifique-se de
que seu arquivo tem tamanho adequado e não lotará a caixa postal da revista, veja se as cores
usadas em figuras são as exigidas, verifique os tamanhos e tipos de letra, página e espaçamento
recomendados etc. As citações e as referências a material impresso e eletrônico devem estar,
também, normalizadas. Aproveite o fato de que muitos veículos disponibilizam um checklist em
suas instruções aos autores e siga-o à risca. O trabalho estará “pronto” para ser enviado à revista
quando estiver devidamente padronizado.
Veja bem, é evidente que o conteúdo científico de seu texto é fundamental, mas o material
a ser recebido pelo(a) editor(a) provocará nele(a) uma primeira e imediata impressão sobre o
trabalho (e não só acerca do texto). Esforce-se em tudo para que essa impressão do editor seja 25
boa. Rejeitar um texto, porque o conteúdo não se adequou ao veículo, é sempre uma decisão
difícil para o(a) editor(a), mas devolver um texto que foi enviado sem atender às normas da re-
vista, que foram preparadas com expectativa de tornar possível o cumprimento de sua tarefa,
não será assim tão penoso. Quando os editores recebem três ou quatro originais por dia útil
(setecentos a mil por ano), e só podem publicar oitenta, a sua vida só é viável se eles rejeitarem
bem mais da metade deles antes de iniciar o processo de análise rigorosa de conteúdo.

6 A “Última” Versão
Você já alcançou (aquilo que você pensa que é) a “última” versão do texto e se prepara para
submetê-la. Leia e releia mais uma vez. Uma excelente verificação da qualidade do texto pode
ser garantida com uma leitura em voz alta. Não se preocupe com seus vizinhos ou co-habitantes,
eles já sabem quem você é e entenderão mais essa novidade no rol de suas manias. Solicite ago-
ra a uma pessoa leiga em seu tema que leia sua “última” versão do texto. Bem (2003) sugere que
a sua avó deve entender o seu artigo científico. Contudo, em uma sociedade que não mandou
mulheres da idade dela (pelo menos da minha avó) à universidade, ou muitas vezes, nem à es-
cola, talvez você não possa ser tão otimista. Mas um colega de outra área que entende o que é
ciência poderá lhe fazer comentários bastante construtivos, especialmente com relação às pos-
síveis lacunas que o texto apresenta. Solicite, então, aos experts para fazerem uma última leitura
crítica de seu texto. Como já foi mencionado, se eles forem realmente seus amigos, farão uma
leitura bem detalhada e apontarão todos os pontos que ainda podem ser melhorados. Peça a
eles para fazerem o papel do “advogado do diabo”. É sempre melhor ouvir a verdade construtiva
de seus amigos, do que a crítica ácida dos desconhecidos. Confie neles, não teste a sua amizade.
Argumente, é claro, acerca do que você não concordar. Mas não se esqueça, seu amigo é um(a)
expert, foi por isso que você o(a) escolheu para fazer essa leitura prévia de seu texto. Se há algo
ali que não foi entendido por experts, apesar de seus doutoramentos e todas as premiações, é
porque ou não está claro, ou objetivo, ou preciso etc. Portanto, não está bem escrito.
Pesquisar e publicar são ações indissociáveis. Uma das tarefas mais difíceis na execução de
uma pesquisa é escrever. A criação de um texto exige domínio do uso da linguagem e do assunto
em discussão. Muitos renomados autores um dia pensaram que jamais seriam capazes de escrever
um bom artigo de revista, um capítulo, ou mesmo um livro na íntegra. Escrever para uma massa de
leitores, sem dúvida, é tarefa árdua e exige habilidades especiais. Pode ser um dom para poetas e
literatos, mas é, certamente, uma expressão de competência e ética para um(a) cientista.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


O segredo para escrever um texto científico está mais na dedicação do que no talento. São
necessários persistência e conhecimento de regras simples e padrões/normas de apresentação
das informações. Escreva pensando em seus leitores. Não é possível atingir todas as audiências
com um mesmo artigo, portanto eleja o seu público-alvo, antes de se aventurar na empreitada
da escrita científica. Nos artigos, pense sempre muito mais no que o público anseia aprender do
que em provar que você e sua pesquisa são maravilhosos – isso todos perceberão, se o trabalho
for efetivamente bom. Você prefere que as pessoas lembrem e descrevam você por “produzir
resultados relevantes” ou por ser “aquela criatura arrogante e desagradável”?
Não escreva pela erudição, mas para relatar as experiências singulares de suas pesquisas
bem ou malsucedidas. Cuidado com a retórica, ela pode afugentar seus leitores muito antes da
metade do texto (e estes nunca mais acessarão seus artigos). Cite outros autores, especialmen-
te os que labutam no mesmo país que você. Isso deve ser um compromisso. Leitores buscam
aprender com os textos que leem. Querem entrar em textos inteligentes para extraírem deles
respostas para suas inquietações teóricas e metodológicas e, quem sabe, mesmo éticas. Auxilie
26 os seus leitores a terminarem seu texto com sua autoeficácia nutrida! Relate sempre a história de
sua pesquisa. Apresente novas ideias sem tentar convencer de que são definitivas e irrefutáveis.
Permita que haja diálogo com você. Sua história é uma verdade da ciência contemporânea que
foi obtida em sua pesquisa.
Autore seu texto! Isso mesmo, leia-o e sinta que este é um texto do qual você se apropria.
Essa não é uma sensação facilmente obtida, mas é inconfundível. O trabalho é seu, você foi res-
ponsável pela totalidade da pesquisa, do início ao final, aproprie-se dele, se ainda não o fez.

7 O Texto Científico: Visão (e Cuidados) dos Editores


As características do texto científico
O texto científico tem várias características que o diferenciam de todos os demais. Há uma que
é única, embora não seja a mais importante: os cientistas não escrevem com a expectativa de uma
remuneração, de uma retribuição financeira direta pelo seu texto. Isso os distingue dos poetas, roman-
cistas, cronistas e jornalistas, que vivem, todos eles, dos textos que produzem. Os pesquisadores, não:
eles vivem da pesquisa, são remunerados para expandir o conhecimento à disposição da humanida-
de, visando à melhoria da qualidade de vida. A compensação que buscam, quando publicam seus
artigos, é mais que dinheiro: é reconhecimento, citações, crédito pela sua contribuição à ciência.
Isso nos leva à segunda diferenciação, a qual, porém, os jornalistas devem compartilhar com
os pesquisadores: nos dois casos, é totalmente indispensável que o fato descrito no texto seja
absolutamente verdadeiro. No entanto, mesmo respeitando esse aspecto básico, jornalistas e pes-
quisadores devem escrever de modo muito diferente, e há para isso pelo menos duas razões: a
primeira é que o texto jornalístico não precisa relatar o fato de modo a permitir sua completa re-
constituição por outras pessoas, em outros pontos do universo. Já o cientista não só relata a ver-
dade, como precisa fornecer todos os elementos para que outros investigadores possam repro-
duzir seus procedimentos e corroborar as conclusões a que chegaram. A segunda tem a ver com
perenidade: os pesquisadores escrevem para a eternidade, o conhecimento científico não tem
um limite de validade1. Muitas vezes, o impacto de uma nova descoberta, o reconhecimento por
uma contribuição da maior relevância para a ciência, só surge anos, até décadas, após sua publi-

1 Em certo sentido, os cientistas podem se tornar imortais através de uma contribuição representativa para a ciência, e isso talvez seja
ao que eles, no fundo, aspiram..., mas essa interessante questão psicológico-psicanalítica, infelizmente, não pode ser discutida neste
manual.

Capítulo 1 | A Redação Científica Apresentada por Editores


cação inicial. Os jornalistas não têm esse tempo nem a preocupação de que seu texto permaneça.
Pelo contrário, eles carecem de imediatismo, de impacto, têm de produzir efeito e consequências
em curtíssimo prazo, pois o jornal de hoje já será candidato a papel reciclado amanhã. Assim,
eles não retratam o fato de maneira completa, mas se concentram naqueles aspectos capazes de
chamar a atenção das pessoas e despertar nelas algum tipo de emoção, da indignação ao enter-
necimento – bem diferente da objetividade e impessoalidade da redação científica.

Quando é que se está pronto para escrever um artigo científico?


Cientistas estarão prontos para escrever um artigo científico quando tiverem colecionado,
em seu trabalho, um volume adequado de novos fatos relevantes, cujas difusão e utilização por
outras pessoas (sejam investigadores, em outras pesquisas, sejam profissionais, na aplicação prá-
tica) impliquem direta ou indiretamente uma melhoria na qualidade de vida da humanidade.
Esse é um bom enunciado, mas é também um enunciado subjetivo. O que significa um volu- 27
me adequado de fatos novos e relevantes2? Infelizmente, não há uma resposta absoluta para essa
questão. Depende da área do conhecimento e da revista para a qual se está considerando sub-
meter o texto. Em algumas (tanto áreas como revistas), publica-se qualquer avanço, por menor
ou menos significativo que seja ou que possa parecer. Isto é, o conhecimento é tratado como se
todos os pesquisadores fossem morrer amanhã (ou até mesmo ainda hoje), e, se houver a veicula-
ção imediata, também não haverá tempo para que ele possa surtir qualquer efeito. Já, em outras,
somente são publicados trabalhos de longa maturação, com muitas informações, e que o proces-
so editorial avalie como representativos de um avanço muito expressivo do conhecimento. Estas
lidam com a Ciência como se toda a comunidade de investigação fosse viver para sempre, po-
dendo esperar o tempo que for pelos resultados da pesquisa. Entre os dois extremos, cada área
encontra o seu ponto de equilíbrio e, em torno desse ponto, haverá uma faixa de opções coberta
pelas diversas revistas, algumas tendendo mais para um dos lados (morrer amanhã), outras incli-
nadas para o extremo oposto (viver para sempre, ver Trzesniak & Koller, 2004). A posição efetiva de
um periódico nessa questão deve estar contemplada em sua política editorial.
Influi, ainda, decisivamente nos aspectos novidade e relevância da informação o momento pelo
qual passa a área do conhecimento. Aquilo que hoje é uma tese de doutorado, dentro de algum tem-
po poderá não servir nem mesmo como iniciação científica. Um exemplo disso são os trabalhos do
tipo caracterização de sistemas, nos quais se busca obter o panorama instantâneo de um grupo ou a
configuração de um dado ambiente, através de questionário, entrevistas ou observação sistemática
(descrições não classificadas). Durante algum tempo, isso é avanço do conhecimento, mas há o mo-
mento em que é preciso mudar a abordagem, passando (sucessivamente) a agrupar processos simi-
lares (descrições classificadas), identificar e refinar as variáveis (análise), acompanhando sua evolução
temporal em estudos longitudinais, estabelecendo modelos (sínteses) e formulando teorias abran-
gentes (síntese magnas, ver Osada, 1972). Esse é um processo lento e gradual (de décadas em cada
fase), e as transições não são explícitas. As comunidades científicas, no entanto, acabam por percebê-
las e aplicá-las na avaliação de artigos para publicação, tanto no nível dos pareceres ad hoc (peer review
ou revisão pelos pares) como na decisão final sobre a publicação ou não de um original.
Bons pesquisadores têm a sensibilidade necessária e conhecem sua área de atuação sufi-
cientemente bem para identificarem o momento de transformar as informações que já cole-
taram em um artigo científico. E existe, ainda, outro lado: o próprio conhecimento acumulado

2 A esse respeito, conta-se entre os editores, que um referee, muito delicado, não querendo magoar o autor, emitiu o seguinte parecer:
“o artigo é interessante, contendo informações novas e informações relevantes. Mesmo assim, minha opinião é contrária à publicação,
já que as informações relevantes não são novas. E as novas, não são relevantes...”.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


pelos investigadores em seu trabalho exige, impõe, o querer ser publicado. Pode-se usar, aqui, a
imagem de uma gestação: há uma “gravidez de conhecimentos acumulados” que chegam a um
grau de maturidade tal “que tem de ser postos à luz”... queiram os pesquisadores ou não...

8 A Trajetória de um Artigo: da Preparação à Publicação


Preparação
Então, você, pesquisador(a), trabalhou, trabalhou, e sente que é hora de escrever seu artigo. Ou
o próprio conhecimento o está pressionando a fazê-lo. Em algum momento, que pode ser anterior
ou posterior à escrita, você terá de decidir para qual revista seu texto é mais apropriado, e a resposta
será encontrada pela consulta à política editorial dos periódicos. Atenção, não confunda política edi-
torial com as instruções aos autores. A primeira descreve a personalidade da revista: seus objetivos,
28
sua vocação (ou apenas) acadêmica ou aplicada, seu perfil entre os extremos viver para sempre ou
morrer amanhã, o papel que pretende desempenhar dentro do panorama científico, as áreas ou
subá­reas de interesse que abrange, o tipo de público-alvo e a filosofia, a ambição e os sonhos de seus
editores e das entidades que lhe dão respaldo científico e institucional. A política editorial norteia o
trabalho de todos os envolvidos na análise de seu compuscrito: editores, analistas do corpo científico,
consultores ad hoc, revisores de texto, pessoal de secretaria e de apoio. É extremamente improvável
que uma revista publique um artigo que não esteja de acordo com a sua política editorial.
Já instruções aos autores são mais fáceis de obedecer: trata-se simplesmente dos aspectos
formais que o periódico segue, os quais podem provir de diversas fontes: entidades de nor-
malização (como a International Organization of Standardization ou a Associação Brasileira de
Normas Técnicas, ou a American Psychological Association), órgãos legais ou de regulamentação
(por exemplo, os Conselhos Federais/Nacionais no que tange às questões éticas), peculiarida-
des da área do conhecimento e, finalmente, convicções dos próprios editores. Todas devem ser
escrupulosamente obedecidas. Bons periódicos fazem do atendimento às normas um requisito
prévio à entrada de um original no processo editorial: compuscritos em desacordo com as nor-
mas não são cadastrados como recebidos, mas devolvidos sumariamente aos seus autores. A
política editorial e as instruções aos autores, que podem ser um documento único ou dois in-
dependentes, devem ser publicadas pelo menos no primeiro fascículo de cada volume de uma
revista impressa, fato que deve ser anunciado em todos os demais fascículos. Caso o periódico
tenha um site, política e instruções devem estar nele, e a revista, impressa ou eletrônica, deve
mencionar e apontar essa disponibilidade de modo bastante explícito.

Processo editorial
Superada a barreira normativa, seu compuscrito será analisado pelos editores (geral ou ad-
juntos), que avaliarão a conformidade com a política editorial e, se estiverem de acordo, será
dado como recebido nessa data e ingressará no processo editorial propriamente dito. A essência
deste é a revisão pelos pares: o original vai para pelo menos dois pesquisadores especialistas do
tema abordado, que farão uma análise, emitirão uma apreciação geral em forma de texto e farão
uma recomendação à revista, que em geral será de publicar com as alterações sugeridas, ou re-
formular e apresentar para nova avaliação, ou não publicar. O corpo editorial pode acatar ou não
essa recomendação. Geralmente o fará, caso receba dois pareceres convergentes. Não sendo o
caso, ou ele mesmo efetuará uma análise e decidirá o destino da contribuição, ou o fará após so-
licitar uma terceira opinião. O trabalho é então devolvido para os autores, a fim de que tomem as

Capítulo 1 | A Redação Científica Apresentada por Editores


providências solicitadas, acatando as sugestões recebidas ou refutando-as fundamentalmente.
E o processo segue, até uma decisão final.

O que é solicitado aos revisores ad hoc?


Há duas abordagens para essa questão. Pode-se encará-la inicialmente de modo geral, in-
dependente de uma área específica do conhecimento. Nesse contexto, reproduzimos a parte
final de um recente editorial do Interamerican Journal of Psychology (Trzesniak & Koller, 2005),
que se encontra sob nossa responsabilidade desde 2003. Pede-se lá que sejam levadas em con-
sideração (na autoria e também nos pareceres) algumas questões decisivas de adequação do
texto ao perfil da revista, visando antes de tudo ao interesse dos leitores.

Qual é o principal público do artigo?


Algumas opções são: pesquisadores, professores universitários, estudantes de pós-gradua- 29

ção ou de graduação, profissionais em serviço, especialistas de outras áreas e público em geral.

Qual(is) a(s) característica(s) inovadora(s) do artigo?


Algumas opções são: aborda um problema inédito, aborda de forma inédita um problema
conhecido, apresenta um aspecto teórico de modo a possibilitar/facilitar o seu emprego na práti-
ca profissional, dá a uma teoria ou aplicação tratamento superior ao habitualmente empregado.

O que os leitores terão ampliado após o estudo do artigo?


Algumas opções são: o seu nível de informação dentro da área, a sua formação como espe-
cialistas da área, a sua formação como pesquisadores em geral, a sua capacidade didática, o seu
elenco de alternativas de ação diante do problema prático abordado.

Que outras pesquisas poderão beneficiar-se do conteúdo do artigo?


Em outras palavras, avalie concretamente o potencial com que o artigo possa vir a ser cita-
do como referência em pesquisas futuras.
A segunda visão do que se solicita aos consultores surge quando se leva em conta a
área do conhecimento a que se dedica o periódico. A ilustração que usaremos aqui é a pró-
pria Ficha de Avaliação que elaboramos para o Interamerican Journal of Psychology, a qual
não difere essencialmente de suas similares empregadas por outras revistas. Gostaríamos,
no entanto, de destacar especialmente o último dos itens selecionáveis, o qual insistimos
que todo periódico brasileiro ou latino-americano deveria incluir. Nele, pergunta-se explici-
tamente ao parecerista se ele tem conhecimento (e pede-se que relacione na folha seguinte,
em caso positivo) de outros trabalhos de autoria de pesquisadores de idioma latino que
sejam pertinentes ao tema e não estejam sendo citados. Infelizmente, identifica-se uma ten-
dência entre os autores de citar preferencialmente artigos de estrangeiros publicados em
revistas do hemisfério norte, omitindo aqueles originários dos países latino-americanos e do
Caribe, mesmo quando relevantes. Isso é altamente prejudicial à ciência desses países, que
investem pesadamente em pesquisa, mas não obtêm o crédito correspondente em termos
de impacto. E o mais grave é que, na verdade, em muitos casos os artigos são consultados,
apenas a citação não é feita, por razões que ninguém sabe explicar. Talvez seja apenas um
mau hábito, que todos precisam ajudar a mudar.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Formulário de Avaliação
Seu trabalho beneficiará não apenas os(as) autores(as) e a revista, porém todo o campo da
Psicologia. Por favor, assinale Sim ou Não para cada um dos critérios indicados. Justifique breve-
mente sua resposta na coluna Comentários e inclua Comentários Adicionais na próxima página.

Critérios Comentários
[ ] Sim O manuscrito segue as normas de apresentação da American
[ ] Não Psychological Association
[ ] Sim
O problema investigado está estabelecido com clareza
[ ] Não
[ ] Sim
O problema investigado é significativo e importante para a área
[ ] Não
[ ] Sim O problema investigado mostra relevância Interamericana (não
30 [ ] Não é de interesse demasiado local)
[ ] Sim A literatura científica pertinente está discutida de modo
[ ] Não completo e adequado
[ ] Sim
A retaguarda teórica está estabelecida com clareza
[ ] Não
[ ] Sim
O método de investigação é adequado
[ ] Não
[ ] Sim
O método foi bem desenvolvido (incluindo a análise dos dados)
[ ] Não
[ ] Sim
A apresentação dos dados está adequada
[ ] Não
[ ] Sim As tabelas e figuras estão apresentadas com clareza e são
[ ] Não discutidas no texto
[ ] Sim
A qualidade dos dados está adequada
[ ] Não
[ ] Sim A discussão e as conclusões estão respaldadas pelos resultados
[ ] Não e pelos dados
[ ] Sim
O texto é claro, coerente e bem organizado
[ ] Não
[ ] Sim Há outros estudos interamericanos mencionados nos Comentários Adicionais
[ ] Não (próxima página) que são relevantes ao tema e podem ser citados no manuscrito
Avaliação geral: selecione, por favor (clique), o número que melhor representa sua avaliação geral.
Inaceitável 1 [ ] 2 [ ] 3 [ ] 4 [ ] 5 [ ] 6 [ ] 7 [ ] 8 [ ] 9 [ ] 10 [ ]
Excelente
Selecione, por favor (clique), a sua recomendação para o manuscrito:
[ ] Aceitá-lo como está ou com pequenas correções (especificadas na próxima página)
[ ] Recomendá-lo com as alterações especificadas na página Comentários Adicionais para
os(as) Autores(as)
[ ] Não aprová-lo, mas solicitar que seja reapresentado. Tem potencial para publicação, mas
necessita de uma revisão significativa (reescrever, reanalisar os dados etc.)
[ ] Não aprová-lo

As recomendações para os(as) autores(as) devem ser específicas e construtivas ao máximo.

Capítulo 1 | A Redação Científica Apresentada por Editores


Para emitir e como receber um parecer
É importantíssimo que, todo o tempo, editores, autores e revisores mantenham o foco no
objetivo primeiro e único da publicação dos resultados da pesquisa: é preciso fazer o conheci-
mento científico chegar aos leitores com o máximo de qualidade e pertinência. Um periódico
científico deve ser o resultado de uma cumplicidade cordial desses três atores, rumo à excelência
do conteúdo. O restante desta seção, uma adaptação do Anexo de Trzesniak (2004), intitulado
Analista e analisado, aborda algumas características dessa sempre delicada interação.

Palavra final sobre o processo editorial: quem são os responsáveis pelos erros?

Analista e Analisado(a) (um código de postura)


Autor(a), aceite sem discutir o seguinte princípio fundamental: um texto pode sempre ser me-
lhorado. É obrigação [devida a(o) leitor(a), o principal cliente da revista científica] do(a) editor(a) 31

e dos(as) revisores(as) apontar ressalvas, aspectos pouco claros, conteúdos colocados inade-
quadamente nos artigos que lhes compete analisar. O problema é que quase nunca o(a) autor(a)
gosta de comentários desse tipo – para ele(a), o que ele(a) mesmo(a) escreveu está sempre claro
e perfeito. Só que isso quase nunca é verdade:
Analista, lembre-se de que tarefa de análise, por sua vez, para merecer confiança e cre-
dibilidade, tem de ser desempenhada com cuidado e atenção. O resultado, necessariamente
construtivo e pedagógico, deve ser comunicado a(o) autor(a) com firmeza e seriedade, mas com
delicadeza.
Vale a pena investir algumas linhas nas peculiaridades da relação analisado(a)-analista,
como meio de prevenir eventuais mal-entendidos. Então:

• o(a) analista deve trabalhar com o seguinte espírito: o que, de mim, pode ajudar o(a) autor a
publicar um artigo melhor? O(a) analista [editor(a) ou revisor(a)] é um cúmplice do(a) autor(a):
cabe-lhe detectar eventuais aspectos menos bem colocados antes que o conhecimento se
torne público, o que, no fim, se refletiria em prejuízo para o(a) próprio(a) autor(a);
• o(a) autor(a) deve partir do princípio de que o(a) analista é seu(ua) cúmplice e de que traba-
lhou dentro do espírito acima. Deve ter em mente, também, que (como já foi dito) autores(as)
sempre pensam que o seu texto está perfeito, mas que isso quase nunca é verdade, de modo
que lhes fica até difícil, às vezes, entender porque o(a) analista assinalou ou comentou uma
determinada passagem ou construção. A recomendação, então, é de que nunca descartem
levianamente uma anotação do(a) analista: ele(a) pode até não ter apanhado bem o espírito
da coisa naquele ponto, mas sentiu algo estranho ali. Uma revisão é certamente necessária.

Outro ponto: o(a) autor(a) não se deve sentir atingido(a) pessoalmente pelos comentários.
O(a) analista já está dedicando tempo e esforço para ajudá-lo(a), aquilo que escreve/diz e a ma-
neira de fazê-lo nem sempre passam por um filtro de delicadeza. Claro, ser gentil é um ingre-
diente importante, mas sempre pode escapar algum comentário que pareça um tanto cáustico
ou agressivo. Com certeza, não é. Anos de atuação como editores, como árbitros e como autores
permitiram apreender (com ee) o suficiente da Psicologia do(a) analista e do(a) analisado(a) para
poder garantir absolutamente que não há espaço para mágoas ou rancores. Tudo deve ser visto
e sentido com profissionalismo, isenção e objetividade [está-se discutindo o objeto artigo, e não
o sujeito autor(a)].
Sim, é incrível, mas erros ocorrem! Apesar de toda a dedicação, atenção e todo o cuidado, o
processo editorial ainda deixa erros nos artigos publicados, que vão desde grafia e concordân-

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


cia, passam pela normalização e chegam até o próprio conteúdo científico. Vamos nos manter
apenas nos erros involuntários, descartando os que resultem de ações de má-fé, como procedi-
mentos não éticos ou fraudes deliberadas.
Tecnicamente, o grande responsável por todas as imperfeições de uma revista científica
é o(a) seu(ua) editor(a), mas não abrimos esta seção para apontar culpados(as). Nosso propó-
sito, sim, é contribuir para que os erros se reduzam e, eventualmente, deixem de existir. Claro
que isso não se consegue “caçando bruxos(as)”, porém sugerindo procedimentos, posturas e
atitudes. Pois, então, afirmamos: seja qual for o envolvimento da pessoa com um original, seja
ela autor(a), editor(a) responsável, revisor(a), diagramador(a), impressor(a), secretário(a) ou te-
lefonista, ao perceber um erro, deve chamar a atenção do responsável para corrigi-lo. Pois todos
são responsáveis pela qualidade do produto final, pela forma e pelo conteúdo da ciência que é
entregue aos leitores. Quando o(a) editor(a) consegue transmitir esse espírito à sua equipe de
trabalho, não será preciso procurar responsáveis por erros, porque estes, simplesmente, deixa-
rão de existir.
32

Capítulo 1 | A Redação Científica Apresentada por Editores


Referências

American Psychological Association. (2001). Publication manual of the American Psychological Association (5th
ed.). Washington, DC: Author.
Bem, D. J. (2003). Writing the empirical journal article. In J. M. Darley, M. P. Zanna, & H. L. Roediger III (Eds.), The
compleat academic. Washington, DC: American Psychological Association. Recuperado em 02 de março de
2006, de http://dbem.ws/online_pubs.html
Conselho Federal de Psicologia. (2000). Resolução nº 016. Recuperado em 02 de março de 2006, de www.pol.
org.br/legislacao/resolucoes.cfm?in_startrow=11&ano=2000
Conselho Nacional de Saúde. (1996). Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996. Recuperado em 01 de março
de 2006, de http://www.datasus.gov.br/conselho/resol96/RES19696.htm
Day, R. A. (2001). Como escrever e publicar um artigo científico (5a ed.). São Paulo: Santos.
Demo, P. (1999). Conhecimento moderno. Sobre ética e intervenção do conhecimento. Petrópolis, RJ: Vozes. 33
Demo, P. (2003). Vícios metodológicos. Recuperado em 02 de março de 2006, de http://pedrodemo.sites.uol.
com.br/textos/viciosmetodologicos.html
Granja, E. C. (1998). Diretrizes para a elaboração de dissertações e teses. São Paulo: Serviço de Biblioteca e Do-
cumentação do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.
Osada, J. (1972). Evolução das ideias da física. São Paulo: Edgard Blücher.
Secaf, V. (2004). Artigo científico: do desafio à conquista (3a ed.). São Paulo: Green Forest do Brasil.
Sternberg, R. J. (2003). The psychologist’s companion (4th ed). Cambridge, MA: Cambridge University Press.
Trzesniak, P. (2004). Qualidade e produtividade nos programas de pós-graduação: a disciplina seminários de
dissertação. Revista Brasileira de Pós-graduação, 1, 111-125. Disponível em http://www.capes.gov.br/rbpg/
portal/conteudo/111_125 _qualidade_e_ produtividade_nos_programas.pdf
Trzesniak, P., & Koller, S. H. (2004). Vivir para siempre pero mañana morir: la paradoja de la literatura científica
[To live forever and tomorrow to die: A paradox of the scientific literature]. Interamerican Journal of Psychol-
ogy, 38, 147-149. Disponível em http://www.psicorip.org/
Trzesniak, P., & Koller, S. H. (2005). A difusão do conhecimento: editores e a comunidade científica [Diffusion
of knowledge: Editors and the scientific community]. Interamerican Journal of Psychology, 3, 1-4. Disponível
em http://www.psicorip.org/

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Capítulo 2
Preparando um Periódico Científico
Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini
Maria Imaculada Cardoso Sampaio
Maria Marta Nascimento

Neste capítulo apresentamos aos profissionais da área de Psicologia e ciências afins orien- 35
tações quanto à elaboração e padronização do periódico científico. Arrolamos os diversos ele-
mentos que o compõem e observamos a diferenciação entre o periódico científico, a revista de
divulgação e os chamados boletins de sociedades e associações científicas.
Os aspectos aqui abordados foram baseados na norma Informação e Documentação – Publi-
cação Periódica Científica Impressa – Apresentação – NBR 6021, publicada pela Asso­ciação Brasi-
leira de Normas Técnicas (ABNT, 2003a)1. Essa norma tem por finalidade especificar os requisitos
para apresentação dos elementos que compõem a estrutura física de uma publicação periódica,
orientando o processo de produção editorial e gráfica. Salientamos que a norma citada é basea-
da em padrões aceitos internacionalmente na confecção de periódicos científicos.
Seguindo a tendência observada nas publicações da área, tanto no Brasil como em outros
países da América Latina, buscamos, também, orientações nos Manuais de Publicação da Ame-
rican Psychological Association (APA, 2001a, 2001b)2, nas revistas editadas por esta instituição e
nos periódicos nacionais da área de Psicologia que seguem as orientações do manual de estilo
da APA para fundamentar e consolidar as orientações aqui apresentadas.
Ressaltamos que os diversos aspectos que envolvem uma revista científica abordados neste
capítulo são válidos tanto para publicações impressas como para as eletrônicas.

1 Órgão responsável pela normalização técnica no Brasil. A relação das normas e as orientações para aquisição podem ser encontradas
no site: www.abnt.org.br
2 Informações sobre o manual editado pela American Psychological Association (APA) podem ser encontradas também no site: www.
apa.org

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1 Periódico Científico

O periódico científico ou revista científica é um tipo de publicação seriada que se apresenta


sob a forma de revista, boletim etc., editada em fascículos com “designação numérica e/ou crono-
lógica, em intervalos prefixados (periodicidade), por tempo indeterminado, com colaboração, em
geral, de diversas pessoas, tratando de assuntos diversos, dentro de uma política editorial definida,
e que é objeto de Número Internacional Normalizado (ISSN)” (ABNT, 2003a, p. 3).
Fachin e Hillesheim (2006) apresentam um “levantamento histórico de conceitos de ‘perió­
dico’, ‘publicação periódica’ e ‘publicação seriada’ encontrados na literatura” (p. 20), partindo do
ano de 1962, com as Normas de Catalogação de Impressos da Biblioteca Apostólica Vaticana até
chegar à definição da ABNT, concluindo que

os periódicos científicos são todos ou quaisquer tipos de publicações editadas em números ou fascícu-
36 los independentes, não importando a sua forma de edição, ou seja, seu suporte físico (papel, CD-ROM,
bits, eletrônico, on-line), mas que tenham um encadernamento sequencial e cronológico, sendo edita-
das, preferencialmente, em intervalos regulares, por tempo indeterminado, atendendo às normaliza-
ções básicas de controle bibliográfico. (p. 28)

De acordo com Griebler e Mattos (2007), as duas primeiras revistas científicas publicadas no
mundo foram o Journal dês Sçavans, editada pelo francês Denis de Sallo em 1665 que tinha por
objetivo informar sobre livros editados na França e divulgar experiências científicas. No mesmo
ano, a Royal Society de London editou o Philosophical Transactions, “que se propunha a divulgar
correspondências trocadas entre os membros da sociedade e seus colegas europeus” (p. 74).
Especificamente na área da Psicologia, os dois periódicos mais antigos foram publicados na
França e nos Estados Unidos. O American Journal of Psychology (AJP) teve seu primeiro fascículo
publicado em 1887, pela Johns Hopinks University e foi fundado por G. Stanley Hall. Henry Beaunis
e Alfred Binet foram os primeiros editores da revista L’Année Psychologique (AP), editada pelo La-
boratoire de Psychologie Psysiologique de la Sorbonne, no ano de 1894. As duas revistas científicas
são editadas até hoje, sendo que o AJP incluiu a versão online no ano de 2006, com acesso restri-
to, e a AP disponilizou, gratuitamente, os fascículos publicados de 1894 a 2005 (Sampaio, 2008).
As duas revistas mais antigas no Brasil especializadas em Psicologia foram publicadas em
São Paulo e no Rio de Janeiro. Em São Paulo, o Boletim de Psicologia, publicado desde 1949, teve
como presidente Annita Castilho e Marcondes Cabral e é editada até hoje sob a responsabili-
dade da Sociedade de Psicologia de São Paulo. O periódico Arquivos Brasileiros de Psicologia foi
editado no Rio de Janeiro em 1949, sendo o Instituto de Seleção e Orientação Profissional (ISOP)
da Faculdade Getúlio Vargas o primeiro responsável. Inicialmente denominado Arquivos Brasi-
leiros de Psicotécnica (1949-1968), passou a chamar-se Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada
(1969-1978), sendo consolidado como Arquivos Brasileiros de Psicologia, em 1980. A revista ficou
interrompida de 2002 até o ano de 2006, quando voltou a ser publicada exclusivamente em
versão eletrônica (Sampaio, 2008).
Acompanhando a evolução das revistas científicas publicadas no mundo, Wieers (1994)
prognosticou que chegaria a 1 milhão o número de títulos publicados no ano 2000. Seu prog-
nóstico foi confirmado, sendo que depois nenhum autor se aventurou a fazer uma nova estima-
tiva do crescimento do número de revistas publicadas. Dru Magge (2000, citado por Oliveira,
2006), em seu trabalho intitulado “Seven Years of Tracking Electronic Publishing: The ARL Direc-
tory of Scholarly Electronic Journals and Academic Discussion Lists” faz um estudo comparativo
do crescimento do número de periódicos eletrônicos registrados no diretório da American Re-
search Library entre a primeira edição de 1991 e a sétima edição de 1997, no qual foi registrado

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


um crescimento de 110 para 3400 títulos de periódicos e newsletters apenas em formato eletrô-
nico. Tenopir, Hitchcock e Pillow (2003, citados por Oliveira, 2006), com base na edição online
de 2002 do Ulrich’s International Periodicals Directory, afirmam existir aproximadamente 15 mil
periódicos científicos correntes, dos quais 12 mil estão disponíveis online. Desses, a maioria são
réplicas de publicações impressas tradicionais.
É fato que o periódico científico é o principal canal formal de disseminação da ciência, seja
ele impresso ou eletrônico, e firma-se como o grande responsável pela consolidação das áreas
e subáreas do conhecimento. A publicação assegura a autoria e legitima os direitos dos produ-
tores, além de registrar a memória da Ciência (Secaf, 2004). Como afirmam Sampaio, Sabadini
e Linguanotto (2002), “a revista científica, ao divulgar resultados de pesquisas, assegura ao pes-
quisador o direito sobre suas ideias e experiências científicas e seu compromisso será sempre
com a ciência” (p. 188).
Conforme Miranda e Pereira (1996), o periódico científico “transformou-se, de um veí­culo
cuja finalidade era publicar notícias científicas, em um veículo de divulgação do conhecimento
que se origina das atividades de pesquisa” (p. 375). Esse processo foi gradual e as mudanças nas 37
características dos periódicos são contínuas. A essência de registrar e divulgar o conhecimento
científico é o grande pilar desse tipo de publicação, porém, o que temos hoje, em se tratando
de periódicos científicos, são publicações que buscam especialização e padronização na forma
de apresentação.
Nos últimos anos, a Psicologia brasileira pôde acompanhar a rápida transformação dos pe-
riódicos que, a partir dos esforços dos publicadores e das orientações das Comissões de Avalia-
ção de Periódicos da Área da Psicologia da CAPES/ANPEPP (Coordenação de Aperfeiçoamento
de Pessoal de Nível Superior/Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia),
se profissionalizaram e adquiriram as características das revistas científicas tal qual o exigido
atualmente. Assim como na Psicologia, as revistas científicas das outras áreas do conhecimento
vão se aprimorando e buscando a aproximação com o padrão das publicações reconhecidas
internacionalmente.

1.1 Características do Periódico Científico


Os periódicos científicos ou revistas científicas apresentam características extrínsecas e in-
trínsecas. Segundo Valério (2005), características extrínsecas são: “as práticas editoriais explici-
tadas, critérios e procedimentos para seleção e avaliação de artigos, política editorial explícita,
instruções aos autores, normalização, duração do periódico (tradição, continuidade), regulari-
dade de publicação, indexação em bases de dados nacional e internacional, tiragem e apresen-
tação gráfica”. As características intrínsecas são “corpo editorial, sistema de avaliação por pares
e integração do autor com o leitor”. De acordo com a autora, essas características constituem
indicadores para avaliações de periódicos.
Segundo Ferreira e Krzyzanowski (2003), o mérito de um periódico científico é determinado
pela qualidade de seu conteúdo, levando-se em consideração a qualidade de seus artigos, do
corpo editorial e dos consultores. Aspectos como indexação em bases de dados, critérios de
arbitragem dos textos, natureza do órgão publicador e abrangência quanto à origem dos traba-
lhos também são destacados pelas autoras.
Informações sobre o corpo editorial do periódico científico e aspectos referentes à indexação
em bases de dados e fator de impacto são apresentados em capítulos específicos neste livro.
Outro ponto a ser ressaltado é a questão da natureza do periódico, pois, como cada revista
tem a sua essência, encontramos revistas que publicam somente relatos de pesquisa, outras que
publicam somente artigos de reflexão e ensaios e assim por diante.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1.1.1 Normalização
Como explicam Fachin e Hillesheim (2006) “os padrões e normas são necessários para a
evolução de técnicas, ferramentas, equipamentos e tantos outros recursos à vivência dos seres
humanos, sendo, da mesma forma, largamente utilizados na área da organização da informa-
ção” (p. 77).
Antes de iniciarmos a discussão sobre a normalização das revistas, é importante desfazer
uma confusão comum de etimologia: normatização e normalização. Normatização é o ato de
criar e construir normas; é a criação de regras. A normalização é a aplicação de norma com o ob-
jetivo de ordenar e dar padrão a uma atividade. As normas são convenções estabelecidas para
que todos entendam um objeto da mesma forma. Falamos em normalização de documentos a
atividade de gerar um documento baseando-se em normas previamente estabelecidas e reco-
nhecidas pela comunidade à qual aquele documento é dirigido.
As revistas científicas devem seguir com rigor os padrões estabelecidos para publicação,
sejam nacionais ou internacionais. Como normas nacionais reconhecidas podemos citar as edi-
38
tadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), regulamentadas para uso no Brasil
e usadas em todas as áreas do conhecimento. Como padrão internacional mencionamos na área
da Psicologia o manual de estilo Publication Manual of the American Psychological Association
editado pela Associação Americana de Psicologia (APA) e, também, as orientações presentes
no documento Uniform Requirements for Manuscripts Submitted to Biomedical Journals: Writing
and Editing for Biomedical Publication do Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas
(International Committee of Medical Editors [ICMJE])3, conhecido como Grupo de Vancouver, mais
utilizadas na área de Saúde. Outras normas poderão ser utilizadas pelo periódico, desde que
reconhecidas por um órgão publicador.
Independentemente da norma utilizada pela revista, a normalização técnica do periódico
e de seus artigos deve ser respeitada e seguida em todos os números, pois, além de garantir
uma apresentação visual mais agradável, a revista mostra rigor e padronização, ganhando mais
credibilidade no meio acadêmico. É importante ressaltar que normas institucionais devem ser
evitadas.
Atualmente, com o crescente avanço das informações disponibilizadas no meio eletrônico,
torna-se imprescindível a rigidez na padronização da publicação científica. De acordo com Fer-
reira e Krzyzanowski (2003), “os sistemas automatizados necessitam que os dados estejam em
perfeita sintonia com as normas, para que os computadores possam interpretar eletronicamen-
te os dados” (p. 45).
Nesse contexto, o periódico deve se apresentar de forma organizada e padronizada para a
comunidade acadêmica e arrolar no final da publicação nas “instruções aos autores”, além dos
procedimentos editoriais, esclarecimentos quanto à normalização da revista, apresentando
exemplos de citações no texto e referências.

1.1.2 Periodicidade
Por periodicidade entendemos o “intervalo de tempo entre a publicação sucessiva dos fas-
cículos de um mesmo título de publicação. Quando editado regularmente, o periódico pode ser
diário, semanal, quinzenal ou bimensal, mensal, bimestral, trimestral, semestral, anual, bienal,
trienal etc.” (ABNT, 2003a, p. 3). Relacionamos no Anexo A os tipos de periodicidade mais co-
muns usados para publicações periódicas.

3 Informações sobre o documento Uniform Requirements for Manuscripts Submitted to Biomedical Journals: Writing and Editing for Biome-
dical Publication podem ser encontradas no site: http://www.icmje.org

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


De acordo com informações presentes na Coleção SciELO (Scientific Electronic Library On-
line), periodicidade é “um indicador do fluxo da produção científica, que depende da área es-
pecífica coberta pelo periódico. É também um indicador relacionado com a oportunidade e
velocidade da comunicação” (Critérios SciELO Brasil, 2004).
Ferreira e Krzyzanowski (2003) recomendam que um periódico científico publique no
mínimo três números ao ano, ou seja, que tenha periodicidade quadrimestral e, dependendo
da área de cobertura do periódico, recomendam que a periodicidade seja trimestral, como
no caso da Saúde. A proposta de periodicidade da revista deve ser sempre mencionada na
publicação.
Relacionamos na Tabela seguinte, de acordo com as informações presentes na coleção
SciELO, “a periodicidade mínima e desejada, bem como o número mínimo e desejado de arti-
gos por ano”:

Tabela
Periodicidade e Número de Artigos por Ano – Mínima/o e Desejada/o 39

Periodicidade Número de artigos por ano

Área temática Mínima Desejada Mínimo Desejado

Agrárias e Exatas trimestral bimestral 40 48

Biológicas trimestral bimestral 60 72

Humanas semestral quadrimestral 18 24

Nota. Reproduzida de “Critérios SciELO Brasil”, 2004. Recuperada em 09 de novembro de 2008, de http://www.scie-
lo.br/criteria/scielo_brasil_pt.html

1.1.3 Regularidade
A partir da escolha da periodicidade, o periódico deverá manter regularidade, sem sofrer
atrasos. Cabe ao editor(a) e à Comissão Editorial a responsabilidade quanto à regularidade, de-
vendo a revista ser entregue à comunidade científica nas datas previstas.
A regularidade de um periódico científico é um dos critérios presentes em processos de
avaliação de revistas e de seleção para bases de dados e coleções de periódicos eletrônicos.
Segundo LoBianco et al. (2002), publicações com atraso são

aquelas cujos fascículos são publicados juntos (dois em um [n. 1/2], por exemplo, a menos que ex-
cepcionalmente); aquelas nas quais há interrupção de anos (volumes) e, quando a publicação de
manuscritos aceitos é realizada com muito atraso (ou seja, intervalo entre a aceitação e a publicação
muito amplo).

Além dos inconvenientes que a falta do cumprimento da periodicidade de um perió­dico


científico causa no meio acadêmico, o atraso implica, às vezes, a exclusão do título em processos
de avaliação de revistas e de bases de dados, no caso de o periódico estar indexado.
De acordo com LoBianco et al. (2002), a inclusão da data da impressão da publicação na re-
vista possibilita verificar a sua regularidade, assim pode-se observar se o periódico foi impresso
na data prevista, cumprindo com sua proposta de periodicidade.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1.1.4 Tempo de Existência
Periódicos científicos que conseguirem sobreviver por muitos anos, desde que não percam
a qualidade de seu conteúdo e de sua forma (normalização), serão sempre reconhecidos no
meio acadêmico e valorizados em processo de avaliação de revistas.

1.1.5 Divulgação e Distribuição


É de extrema relevância a divulgação e a distribuição dos periódicos científicos entre a co-
munidade acadêmica. Vários são os caminhos que podem ser percorridos para que o periódi-
co seja conhecido: distribuição e/ou vendas das publicações em eventos científicos da área,
divulgação através de fôlderes, disponibilização da revista e dos formulários de assinatura em
livrarias e entre livreiros, inclusão do formulário de assinatura e venda de exemplares avulsos na
própria revista, promoção em salas de aula, Internet, realização de lançamentos da revista (com
ampla propagação na comunidade acadêmica – envio de e-mail, cartazes, convites), inclusão
40 em bases de dados e diretórios e divulgação destes, distribuição em bibliotecas.
De acordo com LoBianco et al. (2002), as formas de distribuição devem ser registradas em
cada fascículo da revista. Essa informação pode estar disponível no expediente da revista ou na
ficha de comercialização, incluindo preços e/ou procedimentos para aquisição. A distribuição
pode ser feita para assinantes e membros de sociedades científicas, permutada com outras re-
vistas, doada ou vendida de forma avulsa.
Na área da Psicologia, com a criação da Rede Brasileira de Bibliotecas da Área de Psicologia
(ReBAP, http://www.bvs-psi.org.br/rebap), em 2001, a maioria das Bibliotecas pertencentes à rede
distribui entre si, por meio de doações, a(s) revista(s) editada(s) pela instituição à qual a Biblioteca
pertence. Atualmente, a rede conta com a participação de bibliotecas de todas as regiões brasilei-
ras, e sua meta é integrar todas aquelas que estejam, de alguma forma, ligadas à Psicologia.
Visto isso, sugerimos mencionar se a revista mantém doação entre a ReBAP. Essa informa-
ção auxilia as Comissões de Avaliação de periódicos e facilita a elaboração do relatório de gestão,
quando utilizado. Exemplificamos a seguir, como pode ser elaborada a nota no expediente:

Pedidos de assinaturas, venda de exemplares avulsos e permuta devem ser enviados ao


[acrescentar o nome da instituição responsável pela remessa]
Endereço:
Título da Revista realiza doações para as Bibliotecas da ReBAP (Rede Brasileira de Bibliotecas
da Área de Psicologia, http://www.bvs-psi.org.br/rebap).

1.1.6 Dimensões
É de conhecimento na comunidade acadêmica que não existe um tamanho predefinido
para a apresentação do formato das revistas científicas. Encontramos publicações com variados
tamanhos em todas as áreas do conhecimento: 20 x 14 cm; 23 x 17 cm e assim por diante.
Atualmente, notamos que as revistas científicas estão adotando formatos maiores: 28 x 19
cm; 27 x 20 cm; 28 x 21 cm.
Na área da Psicologia, as revistas científicas editadas pela American Psychological Associa-
tion (APA), adotam como padrão de tamanho em torno de 28 x 21 cm.
É importante ressaltar que não pretendemos institucionalizar normas para o tamanho das
publicações na área, mas sim oferecer subsídios para editores e outros profissionais que traba-
lham na área de editoração científica.

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Outro ponto importante a ser ressaltado é que a publicação deverá manter sempre o mes-
mo formato e quando houver necessidade de mudança deverá ocorrer no início de um novo
volume (Ferreira & Krzyzanowski, 2003).

1.1.7 Tiragem
Por tiragem entendemos o total de exemplares impressos de cada número de uma publica-
ção (ABNT, 2003a). Essa informação pode ser gravada no verso da primeira capa ou no verso da
página de rosto da revista. Exemplos:

Tiragem: 500 exemplares


ou
Tiragem
41
500 exemplares

1.1.8 Apresentação Gráfica (Leiaute)


A apresentação gráfica, ou seja, o leiaute do periódico como um todo (capa, folhas, ilustra-
ções, texto) deve ser de qualidade, tanto para as revistas impressas como para as eletrônicas.

1.1.9 Número Internacional Normalizado para Publicação Seriada (ISSN)


O ISSN (International Standard Serial Number ou Número Internacional Normalizado
para Publicação Seriada) é o número que identifica o título da publicação seriada (jornal,
revista, periódico técnico ou científico, anuário) tornando-o único e definitivo. O código ISSN é
uma numeração sequencial internacional, não apresenta nenhuma indicação de local, idioma
ou editora em sua composição.
O ISSN é operacionalizado por uma rede internacional – Rede ISSN (ISSN Network), que é
uma organização intergovernamental representada por mais de 70 países, coordenada pelo
Centro Internacional do ISSN, em Paris. A rede ISSN tem como objetivo apoiar o controle biblio-
gráfico mundial de publicações seriadas, facilitando o acesso a seus registros e controlando a
atribuição do número internacional.
No Brasil, o representante oficial dessa rede é o Instituto Brasileiro de Informação em
Ciência e Tecnologia (IBICT), que desde 1975 vem desenvolvendo as funções de centro na-
cional da Rede ISSN, sob acordo internacional firmado entre o Conselho Internacional do
ISSN (Paris) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
A cada publicação seriada atribui-se um único ISSN, que está ligado a uma forma padroni-
zada de título chamado “título-chave”, que é a forma de entrada do título da publicação seriada
estabelecida no momento de atribuição do código ISSN (ABNT, 2005).
O código ISSN é intransferível, não pode ser utilizado por outro título que não aquele ao
qual foi atribuído. Um ISSN anulado é retirado definitivamente de circulação. No caso de mu-
dança de título de uma publicação seriada, um novo ISSN deve ser atribuído ao novo título.
Versões em meios físicos diferentes deverão ter, cada uma, seu próprio ISSN.
O ISSN é composto por oito dígitos, em “números arábicos de 0 a 9, à exceção do último
dígito, que é o dígito verificador e que pode às vezes ser uma letra X” (ABNT, 2005, p. 2).
A representação escrita ou impressa do ISSN é feita em dois grupos de quatro dígitos, sepa-
rados por um hífen e precedidos pela sigla ISSN e por espaço. Exemplos:

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


ISSN 0103-6564
ISSN 1413-294X

Algumas revistas, disponíveis também eletronicamente, apresentam o ISSN da publicação


impressa e da eletrônica no verso da primeira capa ou na página de rosto, antes do expediente
da revista. Exemplos:

ISSN 0103-6564 (versão impressa)


ISSN 1678-5177 (versão eletrônica)

Seguindo as orientações da ABNT (2005), em periódicos científicos impressos, o código


ISSN deve ser impresso em cada fascículo, no canto superior direito da capa. Pode ser apresen-
42 tado também no verso da primeira capa ou na página de rosto e no sumário. Em publicações
online, o código ISSN deve aparecer na tela de abertura próximo ao título. Em publicações em
CD-ROM ou DVD, o código ISSN deve ser impresso no canto superior direito da capa ou emba-
lagem, em seu rótulo ou etiqueta e na(s) tela(s) de apresentação, próximo ao título. Informa-
ções para solicitação do ISSN estão arroladas no Anexo B.

1.2 Estrutura do Periódico Científico


Um periódico científico ou revista científica é composto por partes externa e interna. A par-
te externa é constituída de capas e lombada, e a parte interna é formada pelos elementos pré-
textuais (folha de rosto, errata [quando houver], sumário e editorial), textuais (corpo da publica-
ção: artigos, resenhas, entrevistas etc.) e pós-textuais (índice, instruções editoriais para o autor
etc.) (ABNT, 2003a).
Relacionamos e descrevemos a seguir os elementos estruturais que são essenciais e impres-
cindíveis na elaboração de um periódico científico. A disposição desses elementos, tanto no for-
mato impresso quanto no formato eletrônico, vai depender do estilo editorial de cada periódico.
Observamos que, nas publicações impressas que seguem as tendências internacionais, esses
elementos se encontram reunidos no verso da primeira capa (também chamada de segunda
capa) e, nos que seguem um padrão nacional (ABNT, 2003a), esses elementos se encontram
distribuídos entre a segunda capa, página de rosto e verso da página de rosto.
Outro ponto observado é que as revistas que apresentam o sumário na página de rosto
adotam tamanhos maiores (por exemplo: 28 x 21 cm ou 27 x 20 cm), e as revistas que apre-
sentam dimensões menores (por exemplo: 23 x 17 cm) arrolam o sumário em página sepa-
rada, logo após a página de rosto. Nesse contexto, identificamos que as revistas da área de
Psicologia têm adequado a distribuição desses elementos de acordo com o seu tamanho e
espaço disponíveis para publicação. Ressaltamos que o procedimento a ser adotado pela
revista na distribuição desses elementos, assim como suas dimensões, fica a critério dos
editores.

1.2.1 Parte Externa do Periódico Científico


A seguir relacionamos os diversos elementos que compõem as capas e a lombada do pe-
riódico científico. Esses elementos devem ser “impressos sempre no mesmo lugar em todos os
fascículos de um volume e com a mesma tipologia gráfica” (ABNT, 2003a, p. 4).

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Capa
De acordo com a ABNT (2003a), capa é o “revestimento externo, de material flexível (bro-
chura) ou rígido (cartonado ou encadernado)”. Assim, “a primeira e a quarta capas, também cha-
mada de contracapa, são as faces externas da publicação. A segunda e a terceira capas são as
faces internas ou o verso da primeira e quarta capas, respectivamente” (p. 2).

Primeira capa
Na primeira capa devem constar os elementos: logomarca da editora responsável (se houver);
título e subtítulo (se houver) da publicação por extenso; volume; número do fascículo; data de pu-
blicação, incluindo mês, por extenso, e o ano em algarismos arábicos; ISSN; nome do(a) editor(a)
responsável (órgão ou entidade); indicação de suplemento ou número especial, quando for o caso.
Muitos periódicos científicos utilizam a capa ou a folha de rosto para apresentar o Sumário.
Como mencionamos, esse procedimento fica a critério do(a) editor(a). Para efeito deste manual,
apresentaremos informações sobre o sumário na página de rosto.
Em consulta aos periódicos internacionais na área da Psicologia, observamos que a maioria 43
apresenta o nome do(s) editor(es) na primeira capa. Já a maioria dos periódicos nacionais na
área não adota essa conduta. Esse procedimento acontece apenas quando se trata de revistas
com números especiais com editor(es) convidado(s), citando também o título do fascículo.
Exemplificamos no Anexo C como os elementos devem constar na primeira capa de uma
revista científica. Ressaltamos que a distribuição desses elementos, assim como sua forma de
apresentação (maiúsculo, minúsculo, negrito, itálico), fica a critério dos editores, com exceção do
código ISSN, que deve ser apresentado no canto superior direito. O uso de figuras na primeira
capa é comum nas revistas nacionais, mas, conforme recomendações da ABNT, a legibilidade dos
elementos de identificação não pode ser prejudicada pelo uso exagerado de ilustrações ou cores.

• Logomarca da editora responsável


Logomarca, “de log(o) + marca”, de acordo com Ferreira (1999), significa “marca que reúne
graficamente letras do nome da empresa”, ou “qualquer representação gráfica padronizada e
distinta utilizada como marca” (p. 1231).

• Título e subtítulo
De acordo com a ABNT (2003a), o título de uma publicação significa “palavra, expressão ou
frase que designa o assunto ou o conteúdo de uma publicação” (p. 3), e o subtítulo “informações
apresentadas em seguida ao título, visando esclarecê-lo ou complementá-lo, de acordo com o
conteúdo da publicação” (p. 3).
O título e subtítulo (se houver) de uma publicação devem ser apresentados por extenso.
Normalmente o subtítulo é separado por dois pontos do título. O título deve exprimir, sempre
que possível, a área do assunto abrangido, podendo ter destaque visual dos demais elementos,
mantendo a mesma tipologia em todos os fascículos do volume. Exemplo:

Psicologia: Ciência e Profissão


ou
PSICOLOGIA:
Ciência e Profissão
ou
PSICOLOGIA: CIÊNCIA E PROFISSÃO

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Algumas revistas mudam seu título, muitas vezes, para se adaptarem às mudanças
ocorridas na área científica ou tecnológica ou então por terem se tornado uma publicação
com assuntos mais específicos. A mudança de título deve ser indicada na ficha catalográ-
fica. Seu registro auxilia a biblioteca na confecção de índices de títulos e na organização
física do acervo.

• Volume
Entendemos por volume o “conjunto dos fascículos ou números da publicação” (ABNT,
2003a, p. 3). Geralmente, o volume de uma publicação periódica corresponde ao período de
um ano e é apresentado em algarismo arábico precedido da palavra “volume”. Normalmente na
primeira capa é apresentado em letras minúsculas iniciando com maiúscula. Exemplos: Volume
1, Volume 20.
Quando dois ou mais volumes forem reunidos, indicamos os números separados por barra
oblíqua. Exemplos: Volume 1/2, Volume 3/4. Lembramos que esse recurso deve ser evitado, uma
44 vez que caracteriza atraso na publicação.

• Fascículo ou número
Fascículo ou número, de acordo com a ABNT (2003a), significa “unidade do periódico” (p.
2). É apresentado em algarismo arábico, precedido da palavra Número em letras minúsculas e
inicial em maiúscula. Exemplos: Número 5, Número 19.
Quando dois ou mais fascículos ou números forem reunidos, indicam-se os números sepa-
rados por barra oblíqua. Exemplos: Número 1/2, Número 12/13, e assim por diante.
Nota. Lembramos que fascículos ou volumes que são publicados juntos, a menos que excepcio-
nalmente, declaram que a publicação sofreu atrasos.

• Data de publicação
A data de publicação deve ser apresentada incluindo o(s) mês(es), por extenso e o ano em
algarismos arábicos.
Dificilmente, no Brasil, na área de Psicologia, encontramos um periódico científico com a
periodicidade mensal. Nesse caso, a apresentação dos meses deve ser arrolada de acordo com
o período. Exemplos:

janeiro/junho; julho/dezembro (periodicidade semestral)


janeiro/abril; maio/agosto; setembro/dezembro (periodicidade quadrimestral)
janeiro/março; abril/junho; julho/setembro; outubro/dezembro (periodicidade trimestral).

A indicação de volume, número e data na primeira capa do periódico pode ser nas seguin-
tes formas:

Volume 5, Número 19, janeiro/junho, 2008


ou
Volume 5, Número 19
janeiro/junho, 2008

Algumas revistas apresentam as palavras “volume”, “número” e os meses em letras maiús­


culas. É importante ressaltar que essa forma de apresentação fica, também, a critério dos edito-
res do periódico. Exemplos:

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


VOLUME 5, NÚMERO 1, JANEIRO/JUNHO, 2008
ou
VOLUME 5, NÚMERO 19
JANEIRO/JUNHO, 2008

Embora não seja comum na área da Psicologia, algumas revistas apresentam esses elemen-
tos na forma abreviada. De acordo com a Norma para Datar – NBR 5892 (ABNT, 1989b), os meses
são abreviados “por meio das três primeiras letras, seguidas de ponto, quando minúsculas, e
sem ponto final, quando maiúsculas, excetuando-se o mês de maio que é escrito sempre por
extenso” (p. 1). No Anexo D relacionamos as abreviaturas dos meses. Exemplos:

Vol. 5, N. 19, jan./jun., 2008


45
ou
VOL. 5, N. 19, JAN/JUN, 2008

Nota. Observamos que a maioria das revistas nacionais, ao mencionar a indicação de volu-
me, utiliza a abreviatura vol. ou VOL., como adotadas pelo manual de estilo da APA (2001a,
2001b).

• ISSN
O ISSN - Número Internacional Normalizado para Publicação Seriada (International Standard
Serial Number) deve ser colocado no canto superior direito do periódico.

• Nome do(a) editor(a) responsável (órgão ou entidade)


O nome do órgão ou editor(a) responsável pela produção da publicação deve ser mencio-
nado, de preferência, por extenso. Exemplos:

Academia Paulista de Psicologia


Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo
Sociedade de Psicanálise da Cidade do Rio de Janeiro
Universidade Federal do Pará

Observamos que são poucas as revistas nacionais da área que apresentam o nome da insti-
tuição na primeira capa do periódico. Verificamos nessas revistas que é mais comum o nome da
instituição constar na quarta capa. Orientamos, então, para que o acréscimo dessa informação,
assim como o local de sua apresentação, fique a critério do(a) editor(a) da revista.

• Indicação de suplemento ou número especial


Alguns periódicos costumam publicar suplementos e/ou números especiais. O suplemento
é um documento que se adiciona a outro para ampliá-lo ou aperfeiçoá-lo, sendo sua relação
com aquele apenas editorial e não física, podendo ser editado com periodicidade e/ou numera-
ção própria (ABNT, 2003a).
As informações sobre a existência de um suplemento devem ser indicadas na publicação:
na página de rosto ou na segunda capa, na ficha catalográfica e no editorial.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Número especial é a unidade do periódico que aborda um assunto específico. Tanto o su-
plemento como o número especial poderão ser dependentes ou independentes do periódico.
Suplemento ou número especial dependente é aquele que utiliza o mesmo título, a mesma nu-
meração (volume, fascículo, mês, ano) e o mesmo código ISSN, porém com paginação própria.
Suplemento ou número especial independente é aquele que possui título próprio e também
paginação e identificação próprias (volume, fascículo, mês, ano). Por deter essa distinção, rece-
bem o seu próprio ISSN (ABNT, 2003a). O Anexo E apresenta os elementos que devem constar na
primeira capa de um número especial dependente com editor convidado.

Segunda capa
Na segunda capa (ou verso da primeira capa) devem constar os dados de identificação do
periódico, nomes de autoridades dos órgãos e entidades responsáveis pela edição da publica-
ção, nome do(s) editor(es) e dos membros da Comissão e do Conselho Editorial e suas afiliações,
créditos técnicos, objetivo da publicação, direitos autorais e de copirraite (copyright), indexação
46 em bases de dados, endereço para correspondência, ficha catalográfica e outras informações
relacionadas com a administração da publicação (ver Anexo F).
Para as revistas que seguem as recomendações da NBR 6021 (ABNT, 2003a), essas informações
devem ser distribuídas entre a segunda capa, a página de rosto e o verso da página de rosto.

• Dados de identificação do periódico


Na parte superior sugerimos apresentar: título e subtítulo (se houver) por extenso, volume,
número em algarismos arábicos, data, periodicidade, entidade responsável pela publicação e
ISSN (versão impressa e eletrônica se houver). Exemplo:

Título da Revista [por extenso]


Revista trimestral do [nome completo da instituição]
Volume 19, Número 1, janeiro/março de 2008

ISSN XXXX-XXXX (versão impressa) ISSN XXXX-XXXX (versão eletrônica)

Nota. A distribuição dos elementos, assim como sua forma de apresentação (negrito, maiúsculo,
minúsculo, itálico, centralizado, justificado), fica a critério do(a) editor(a).

• Créditos
Espaço reservado para indicação dos responsáveis pela edição e pelo conteúdo da publi-
cação. Todas as pessoas físicas e/ou jurídicas que participaram da elaboração da publicação de-
vem ser mencionadas de acordo com suas respectivas contribuições: administrativa, intelectual,
técnica ou artística.

• Créditos institucionais – Indicação do nome completo da instituição responsável pela pu-


blicação. Alguns periódicos editados por universidades mencionam os nomes do reitor e
vice-reitor, diretor e vice-diretor da faculdade, instituto. Revistas de associações e sociedades
citam os membros da diretoria vigente.
• Editor(a) – Pessoa responsável pela direção e manutenção da qualidade da publicação. Al-
gumas revistas possuem um número maior de colaboradores, como, por exemplo: editor(a)
assistente, editor(a) associado, editor(a) adjunto, editor(a) executivo, entre outros. O(s)
editor(es) devem ser mencionados na revista com nome completo. Comumente aparecem
antes da Comissão e/ou Conselho Editorial.

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


• Comissão Editorial – Também chamada de Comissão Científica ou Executiva – Grupo de pes-
soas que examinam questões administrativas e políticas da revista. Devem ser indicados na
revista com nome completo e afiliação institucional. Normalmente são pessoas da mesma
instituição do editor(a) (Lo Bianco et al., 2001).
• Conselho Editorial ou Científico – Grupo de pesquisadores que auxiliam o(s) editor(es) com os
originais a serem publicados. Segundo LoBianco et al. (2001), o Conselho deve ser multinsti-
tucional e geograficamente abrangente. Revistas que contam com contribuições de membros
afiliados a instituições estrangeiras contam mais pontos em avaliações de revistas. Os membros
do Conselho devem ser apresentados na revista com nome completo e afiliação institucional.
• Créditos administrativos – Reservado para indicação de pessoas que colaboram na adminis-
tração da revista, como, por exemplo: secretário(s), assistentes administrativos entre outros.
• Créditos técnicos – Reservado para indicação dos responsáveis pela normalização técnica (bibliote-
cários), pelo projeto gráfico, revisão (de idiomas), diagramação e formatação, capa e ilustrações etc.
• Fontes de apoio – Indicação de agências que financiam ou ajudam parcialmente as publica-
ções, como, por exemplo: CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecno- 47
lógico), CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Programas
de Apoio às Publicações Científicas dentro de universidades, entre outros. Normalmente são
indicadas como: “Apoio financeiro”, “Fonte(s) de apoio”, “Financiamento”.

Nota. O capítulo “A Estrutura Editorial de um Periódico Científico” deste livro apresenta defini-
ções e descreve as funções dos Editores, da Comissão e do Conselho Editorial.

• Escopo do periódico (linha editorial)


Informações breves sobre o objetivo da publicação, informando a área do conhecimento e
a natureza das contribuições. Exemplos:

Titulo da Revista tem por objetivo publicar trabalhos originais que contribuam para o conhe-
cimento e desenvolvimento da Psicologia e ciências afins. Publica as seguintes categorias
de contribuições: relatos de pesquisa, artigos de revisão, relatos de experiências, resenhas,
comunicações breves, entrevistas, cartas ao editor.
ou
Titulo da Revista é uma publicação quadrimestral da [nome da instituição por extenso] e tem
como objetivo publicar trabalhos originais que contribuam para o conhecimento e desen-
volvimento da Psicologia e ciências afins. Publica: relatos de pesquisa, artigos de revisão,
relatos de experiências, resenhas, comunicações breves, entrevistas, cartas ao editor.

• Indexação da publicação
Local reservado para indicar os nomes das bases de dados (referenciais, texto completo e
índices de citações) onde a revista está indexada. Normalmente aparece com o título “Indexa-
ção” ou “Indexadores”.
Na área da Psicologia podemos citar como exemplos as bases: PsycINFO (APA); PSICODOC
(Base de Dados de Psicologia); PePSIC (Periódicos Eletrônicos em Psicologia); Index Psi Periódicos
Técnico-Científicos (referências e resumos de artigos de revistas nacionais).4

4 PsycINFO (http://www.apa.org/psycinfo); PSICODOC (http://psicodoc.copmadrid.org/psicodoc.htm); PePSIC (http://pepsic.bvs-psi.


org.br); Index Psi Periódicos Técnico-Científicos (www.bvs-psi.org.br).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Nas áreas afins e multidisciplinares: LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe em
Ciências da Saúde); SciELO (Scientific Electronic Library Online); CLASE (Citas Latino­americanas en
Ciencias Sociales y Humanidades); Latindex (Sistema Regional de Información en Linea para Revis-
tas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal); Redalyc (Red de Revistas Científicas
de América Latina, el Caribe, España y Portugal); PASCAL (Institut de l’Information Scientifique et
Technique du Centre National de la Recherche Scientifique); SCOPUS (ELSEVIER); Web of Science
(Institute for Scientific Information [ISI]); JCR (Journal Citation Reports - opera de forma integrada
à Web of Science).5
Temos ainda as bases de dados de outras áreas que integram a Psicologia: MEDLINE (Lite-
ratura Internacional em Ciências da Saúde); Sociological Abstracts (Cambridge Scientific Abstracts
[CSA]); ERIC (Education Resources Information Center).6

Nota. Informações detalhadas sobre revistas indexadas, tipos de bases de dados (referenciais,
texto completo e índices de citações) e procedimentos para indexação são apresentados no
48 capítulo “Indexação e Fator de Impacto” deste livro.

• Filiação da publicação
Indicação das instituições as quais a revista está filiada. Normalmente aparece com o título
“Filiação”, “Filiações” ou “Revista associada à ...” . Exemplo:

Filiações
ABECiP – Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia
ABEC – Associação Brasileira de Editores Científicos

Notas. 1) A ABECiP foi fundada durante o II Encontro de Editores de Revistas Científicas da


Área de Psicologia, promovido pela Biblioteca Virtual em Saúde-Psicologia (BVS-Psi), em
2006. É uma organização sem fins lucrativos, de duração indeterminada, com sede na Bi-
blioteca do Instituto de Psicologia da USP. Tem como finalidade reunir pessoas físicas e ju-
rídicas com interesse no desenvolvimento e aperfeiçoamento de periódicos técnico-cien-
tíficos (impressos e/ou eletrônicos) da área de Psicologia e ciências afins (Santos, Sabadini,
Trzesniak, & Moreira, 2006).
2) Fundada em 1985, a ABEC é uma sociedade civil de âmbito nacional, sem fins lucrativos e de
duração indeterminada. Congrega pessoas físicas e jurídicas com “interesse em desenvolver e
aprimorar a publicação de periódicos técnico-científicos; aperfeiçoar a comunicação e divul-
gação de informações; manter o intercâmbio de ideias, o debate de problemas e a defesa dos
interesses comuns” (Associação Brasileira de Editores Científicos, n.d.).

• Direito autoral e autorização de reprodução


Local reservado para indicação da propriedade de direitos autorais e informações sobre
autorização de reprodução do conteúdo da publicação. Direito autoral é o “direito do autor, do
criador, do tradutor, do pesquisador, do artista de controlar o uso que se faz de sua obra” (Asso-
ciação Brasileira de Direitos Autorais [ABDR], n.d., p. 2; ABNT, 2003a). Exemplos7:

5 LILACS (http://www.bvs.br); SciELO (www.scielo.br); CLASE (www.dgbiblio.unam.mx/clase.html); Latindex (http://www.latindex.


unam.mx); Redalyc (http://redalyc.uaemex.mx); PASCAL (http://ingenierie.inist.fr); SCOPUS (http://www.info.scopus.com); Web of
Science (http://scientific.thomson.com/products/wos/); JCR (http://scientific.thomson.com/products/jcr/).
6 MEDLINE (http://www.nlm.nih.gov/pubs/factsheets/dif_med_pub.html); Sociological Abstracts (http://www-ca4.csa.com/); ERIC
(http://www.eric.ed.gov/ERICWebPortal/Home.portal).
7 Extraídos da revista Psicologia: Reflexão e Crítica (2007).

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Direitos Autorais
Os direitos autorais de todos os trabalhos publicados pertencem à Título da Revista.

Autorização de reprodução
A reprodução total dos artigos desta revista em outras publicações, ou para qualquer ou-
tra utilidade, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. Reproduções
parciais de artigos (resumo, abstract, mais de 500 palavras do texto, tabelas, figuras e outras
ilustrações) deverão ter permissão por escrito do editor e dos autores.

• Outras informações
Indicação de informações breves a respeito de submissão online, classificação (Qualis), ou-
tros suportes disponíveis, tiragem, data de impressão, distribuição. Exemplos:

49
Submissões de artigos pelo sistema Submission: SciELO System of Publication em: [endereço
da revista]
ou
Submissões de artigos pelo sistema Submission em: [endereço da revista]
ou
Instruções atualizadas para submissão de artigos pelo sistema SEER em: [endereço da re-
vista]
________________________________________________________________________

Qualis Psicologia 2009: A2


ou
2009 - Qualis Psicologia
A2
________________________________________________________________________

Números anteriores a 2000 estão disponíveis na íntegra no PePSIC (Periódicos Eletrônicos


em Psicologia, http://pepsic.bvs-psi.org.br)
________________________________________________________________________

Título da Revista realiza doações para as Bibliotecas da ReBAP (Rede Brasileira de Bibliotecas
da Área de Psicologia, http://www.bvs-psi.org.br/rebap).
________________________________________________________________________

Disponível também em CD-ROM


________________________________________________________________________

Abreviatura da revista: Psicol. Refl. Crít.


________________________________________________________________________

Tiragem: 1000 exemplares


________________________________________________________________________

Impressão: março de 2008

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


• Ficha catalográfica
Deve conter os seguintes elementos: título e subtítulo (se houver) da revista; instituição
responsável pela publicação por extenso; volume 1 e número 1, seguido do ano de sua publi-
cação entre parênteses; cidade de publicação; sigla da instituição responsável pela publicação
e data da primeira publicação (seguida de um traço que representa continuidade); periodici-
dade; notas (alterações de título e periodicidade, criação/extinção de suplemento etc.); ISSN;
palavras-chave que traduzam o assunto da revista; indicação de responsabilidade da instituição
responsável pela publicação; indicação do número de assunto de acordo com o Código de Clas-
sificação (Classificação Decimal de Dewey [CDD], Classificação Decimal Universal [CDU], Library
of Congress [LC]).8
De acordo com a ABNT (2003a, p. 5), a ficha catalográfica deve ser impressa “no terço in-
ferior” da página onde figurar (segunda capa ou verso da folha de rosto). Não há um tamanho
preestabelecido para a sua confecção, desde que contemple todos os elementos obrigatórios.
Na área da Psicologia as revistas têm adequado o tamanho da ficha catalográfica aos seus leiau-
50 tes. Exemplo:

Título: Subtítulo (se houver) / Nome do Programa de Pós-Graduação em..., Nome da


Faculdade..., Nome da Universidade... . - Vol. 1, n. 1 (ano). - Cidade: Sigla da Insti-
tuição, data-

Periodicidade
Notas (se houver)
ISSN XXXX-XXXX

1. Palavra-chave 2. Palavra-chave 3. Palavra-chave I. Universidade..., Programa


de Pós-Graduação...
CDD xxx.xx

• Endereço
Apresentação do endereço postal completo da revista, incluindo endereço eletrônico.

Terceira capa
Pode conter as instruções aos autores para submissão do manuscrito, formas de distribui-
ção e outras informações relevantes.

Quarta capa ou contracapa


Pode conter comentários sobre a própria publicação, anúncios publicitários, endereço da
revista, código de barras e outras informações a critério dos editores.
Se a revista optar por apresentar o Sumário na primeira capa, este poderá ser continuado e
finalizado na quarta capa.

• Código de barras
O uso do código de barras iniciou-se na indústria e no comércio com o objetivo de facilitar
o controle de estoque dos produtos.

8 O número de classificação pode ser solicitado à Biblioteca da instituição responsável pela revista.

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Quando o sistema de código de barras foi estabelecido para as publicações seriadas, em
dezembro de 1983, foi firmado um acordo entre a European Article Number (EAN), principal sim-
bologia de códigos de barras no mundo e o ISSN International Center, integrando o Código ISSN
no símbolo EAN-13, que utiliza o prefixo 977 para identificar publicações periódicas em qual-
quer parte do mundo. Ficou entendido, então, que como o ISSN era um número identificador
único para título de periódico, poderia ser usado como parte do código de barra para identificar
a publicação (Associação Brasileira de Automação, n.d.).
Para compor a estrutura do código de barras usando o ISSN, deverá ser colocado o prefixo
“977” e eliminado o último dígito (que é o verificador do ISSN) e acrescentado, na sequência, os
dígitos “00” e um dígito verificador que será calculado conforme algoritmo (Associação Brasileira
de Automação, n.d.).

Código ISSN
9 7 7 0* 0* Dv 51
* Estes dígitos, quando diferentes de zero,
estarão indicando variações da publicação

Figura. Código de barras usando o código ISSN. Reproduzida de “Preciso de Código de Barras”,
de Associação Brasileira de Automação, n.d. Recuperado em 09 de julho de 2008, de http://
www.gs1brasil.org.br/

No Brasil, a Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil, http://www.gs1brasil.org.br) é a


empresa responsável pela atribuição do código de barras.

Lombada
A lombada é “a parte da capa que reúne as margens internas ou dobras das folhas, sejam
elas costuradas, grampeadas, coladas ou mantidas juntas de outra maneira; também chamada
de dorso” (ABNT, 2004, p. 1).
Caso a publicação comporte lombada, deverá conter: título da publicação, indicações alfa-
numéricas de identificação e logomarca da editora (quando houver).
De acordo com orientações da ABNT (2004), na apresentação desses elementos, “recomen-
da-se a reserva de um espaço, se possível de 30 mm, na borda inferior da lombada, sem compro-
meter as informações ali contidas, para a colocação de elementos de identificação que possibi-
litem a localização do documento” (p. 1).
Os elementos no dorso dos periódicos científicos devem ser apresentados impressos lon-
gitudinalmente e legível de cima para baixo (lombada descendente). O título deve ser apre-
sentado por extenso, os elementos alfanuméricos de identificação devem corresponder ao
conteúdo abrangido pelo documento, abreviados quando necessário: volume, número e data,
separados por sinais de pontuação, espaços ou sinais gráficos e impressos no mesmo sentido
da lombada e a logomarca da editora (quando houver) deve ser impressa no mesmo sentido
(ABNT, 2004) (veja Anexo G).

1.2.2 Parte Interna do Periódico Científico


No caso do periódico científico, a parte interna é constituída de elementos pré-textuais
(folha de rosto, errata [quando houver], sumário e editorial), textuais (corpo da publicação: arti-
gos, resenhas, entrevistas etc.) e pós-textuais (índice, instruções editoriais para o autor) (ABNT,
2003a).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Paginação
A paginação do primeiro ao último fascículo do volume deve ser sequencial e apresentada
em algarismos arábicos. Essa numeração recomeça a cada volume e não a cada número. A capa
da publicação e eventuais encartes nunca são contados nem recebem qualquer tipo de nume-
ração (ABNT, 2003a).

Elementos pré-textuais
Página de rosto e verso da página de rosto
Como mencionamos, na primeira página da revista, ou seja, na página de rosto, devemos
arrolar o sumário. Se necessário pode ser concluído no verso da página.

Sumário
De acordo com a ABNT (2003b), sumário significa “enumeração das divisões, seções e outras
partes de uma publicação, na mesma ordem e grafia em que a matéria nele se sucede” (p. 2).
52 Em periódicos científicos, o sumário deve constar sempre no mesmo lugar em todos os fas-
cículos de todos os volumes e pode aparecer na capa e concluído, se necessário, na quarta capa
ou estar no anverso da folha de rosto e concluído, se necessário, em seu verso.
Deve ser iniciado sempre com a palavra sumário centralizada. O nome dos autores deve suce-
der o título do artigo e a paginação pode ser apresentada pelo número da primeira página ou pelos
números que compreendem as páginas inicial e final do artigo, separadas por hífen (ABNT, 2003b).
Seguindo orientações da ABNT, se o documento for apresentado em mais de um idioma,
recomenda-se elaborá-lo separadamente, em páginas distintas, ou colocadas traduções após os
títulos originais, separados por barra oblíqua ou travessão (veja exemplos no Anexo H).

Errata
Segundo a ABNT (2003a), uma errata compreende uma “lista das páginas e linhas em que
ocorrem erros, seguidas das devidas correções”. Deve ser apresentada “em papel avulso, acresci-
da à publicação depois de impressa” e deve ser inserida logo após a folha de rosto, antecedida
da referência da publicação (p. 2).
Consultando alguns periódicos da área de Psicologia observamos que as revistas apresen-
tam a errata no número seguinte da publicação em página independente, após a página de
rosto (sumário) (veja exemplos de erratas no Anexo I).

Editorial
Deve ser redigido pelos próprios editores e apresentado após o Sumário. Geralmente con-
tém informações sobre o fascículo em questão, seus artigos e assuntos dispostos em uma or-
dem lógica. Informações sobre suplementos e mudanças ocorridas no projeto gráfico e normas
editoriais devem, também, ser apresentadas no editorial (ABNT, 2003a).

Elementos textuais
Os elementos textuais, ou seja, o corpo da publicação, podem ser apresentados ou agrupados em
seções, por exemplo, artigos originais, pontos de vista, relatos de experiência, resenhas, entrevistas.
Os tipos de contribuições que uma revista pode publicar, assim como os elementos que
compõem um artigo científico (introdução, desenvolvimento e conclusão), estão descritos no
capítulo “Preparando um Artigo Científico” deste livro.

Legenda bibliográfica
Entendemos por legenda bibliográfica o “conjunto de elementos destinados à identificação
de um fascículo e/ou volume da publicação e dos artigos nela contidos” (ABNT, 2003a, p. 2). A

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


legenda deve conter o título do periódico na forma abreviada, volume e número, páginas inicial
e final do artigo, meses e ano de publicação.
Observamos que as revistas brasileiras da área de Psicologia não têm utilizado a legenda
bibliográfica na página de rosto, mas sim no rodapé das páginas para identificação dos artigos.
Já as revistas editadas pela APA apresentam a legenda bibliográfica somente no cabeçalho da
primeira página de cada artigo. Exemplo:

Título da revista
Ano, volume, número e páginas inicial e final do artigo

Journal of Consulting and Clinical Psychology


2003, Vol. 71, No 6, 973-979

Sugerimos para as revistas da área da Psicologia que apresentem a legenda no canto infe- 53
rior (rodapé) em todas as páginas do artigo. Exemplo, de acordo com o estilo APA na distribuição
dos elementos: título, ano, volume, número e páginas inicial e final do artigo:

Título da Revista, ano, volume, número e páginas inicial e final do artigo


Psicologia USP, 2008, 19(1), 43-50

Se a revista optar pela apresentação do título abreviado na legenda, recomendamos


a utilização da norma Abreviatura de Títulos de Periódicos e Publicações Seriadas – NBR 6032
(ABNT, 1989a).
Abreviar consiste em suprimir o final da palavra substituindo-a por um ponto. Nas abre-
viaturas de títulos de periódicos, a ordem das palavras deve ser respeitada. Abreviamos todas
as palavras do título, suprimindo os artigos definidos e indefinidos, conjunções, preposições e
locuções similares, com exceção dos títulos que necessitam desses recursos para sua compre-
ensão, como é o caso da revista Ciência e Cultura que deve ficar assim: Ci. e Cult. não Ci. Cult.
(ABNT, 1989a).
Não se abreviam títulos constituídos de “uma só palavra, simples ou composta, acompa-
nhada ou não do artigo” e palavras com menos de cinco letras (existem algumas exceções men-
cionadas na norma NBR 6032, como é o caso da palavra “São” que na forma abreviada fica “S.”,
não “São”). Quando um título “contém nome de pessoa, reproduz-se na íntegra esse nome e
abreviam-se as demais palavras do título” (ABNT, 1989a, p. 2). Exemplos:

Psicologia: Teoria e Pesquisa = Psicol.: Teor. Pesq.


Psicologia: Reflexão e Crítica = Psicol.: Reflex. Crít.
Psicologia USP = Psicol. USP
Revista de Etologia = R. Etol.
O Jornal = O Jornal
Memórias do Instituto Oswaldo Cruz = Mem. Inst. Oswaldo Cruz

Elementos pós-textuais
Índice
Atualmente, com a expansão das bases de dados indexadoras, a publicação de índices é
uma prática pouco utilizada.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Segundo a ABNT (2003a), índice é uma “lista de palavras ou frases, ordenadas segundo de-
terminado critério, que localiza e remete para as informações contidas no texto” (p. 2). Seguindo
orientações da ABNT, o índice de uma publicação pode se apresentar:

a) juntamente com o último fascículo de cada volume da publicação;


b) com o primeiro fascículo do volume seguinte;
c) em fascículo independente, em cuja folha de rosto deve constar a indicação da publicação
a que pertence, acrescida de seu título, subtítulo que especifica o tipo de índice: índice de
assunto, índice de autor, índice geográfico, a data e números do volume e fascículos abrangi-
dos, além do código ISSN da publicação;
d) cumulativamente, de forma independente, abrangendo vários volumes, com paginação in-
dividual e folha de rosto registrando informações próprias, tais como: título, identificação de
volume, fascículo, ano e código ISSN (2003a, p. 6).

54 Instruções editoriais para os autores


É a descrição dos passos para submissão e aceitação dos manuscritos. Geralmente aparecem
no final do fascículo com o título “Instruções aos Autores”, “Diretrizes para os Autores”, “Normas
para Publicação”, “Normas Editoriais”. Devem ser apresentadas na revista contendo uma série de
informações e recomendações aos autores sobre:

• A linha editorial da publicação


Apresenta o objetivo da revista, periodicidade, descrição dos tipos de trabalhos aceitos,
como, por exemplo: artigos originais e de revisão, relatos de experiências, resenhas, entrevistas,
ponto de vista, carta ao editor, idiomas que a revista publica.

Nota. Informações sobre as contribuições que uma revista científica publica são apresentadas
no capítulo “Preparando um Artigo Científico” deste livro.

• A revisão por pares


O processo de revisão por pares, revisão paritária ou arbitragem (peer review ou refereeing,
em inglês), é um procedimento utilizado para avaliação dos manuscritos submetidos às revistas
científicas. Os trabalhos são encaminhados para dois ou mais especialistas da área, preservando-
se o anonimato do autor. Os revisores fazem comentários e oferecem sugestões para melhorias
e podem, também, reprovar o trabalho.
Embora o processo receba críticas, os melhores periódicos científicos empregam a revisão
por pares, e aqueles que não exercem a prática são vistos com desconfiança pela comunidade
científica. No capítulo sobre editor e o processo editorial “A Estrutura Editorial de um Periódico
Científico”, o assunto é retomado.

• Forma de apresentação do manuscrito


Informações resumidas sobre: a) Documento utilizado na normalização do manuscrito. Exem-
plos: “A Revista baseia-se no manual de estilo Publication Manual of the American Psychological As-
sociation (APA, 5a edição de 2001) na apresentação das citações no texto e referências”. “A Revista
baseia-se no manual de estilo Publication Manual of the American Psychological Association (APA, 5a
edição de 2001)”, conforme o padrão adotado pela revista; b) Formato (extensão do arquivo, tamanho
do papel, total de caracteres e páginas, fonte, espaçamento, alinhamento, numeração das páginas).
Nesse item, devem ser listadas, também, informações resumidas sobre a forma de apresenta-
ção dos diversos elementos que compõem o manuscrito: a) Folhas de rosto: sem identificação (tí-
tulo e subtítulo, se houver, do trabalho), e com identificação (autor(es), título e subtítulo, se houver,

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


afiliação institucional e endereço postal e eletrônico do(s) autor(es), informações sobre apoio ins-
titucional, origem do trabalho, apoio financeiro etc.); b) Resumos (português e inglês [Abstract]).
Algumas revistas publicam resumos em espanhol (Resumen) e/ou francês (Résumé); c) Palavras-
chave (português e inglês [Keywords]). Há revistas que publicam as palavras-chave em espanhol
(Palabras claves) e/ou francês (Mots-clés); d) Tabelas; d) Figuras; e) Anexos; f) Agradecimentos.

Nota. Neste livro, no capítulo “Preparando um Artigo Científico”, são apresentadas informações
detalhadas sobre os diversos elementos que compõem um artigo científico, e no capítulo “Nor-
mas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA”, são descritas in-
formações que envolvem notações, expressões, tabelas e figuras em periódicos científicos.

• Exemplos de citações no texto e referências


Os exemplos devem ser baseados em normas nacionais ou internacionais, reconhecidas na
área (por exemplo: APA, ABNT, entre outras).
Algumas revistas apresentam os exemplos mais comuns de citações no texto e referências 55
e apontam para manuais online ou versões completas das normas no próprio site da revista.
Exemplo:

Para outros exemplos recomendamos consultar os documentos “Citações no Texto (APA)”


e “Normalização de Referências (APA)”, disponível em: http://www.ip.usp.br/biblioteca/bi-
blioteca_produtos.htm

• Forma de submissão
A forma de submissão do manuscrito (online, e-mail, correio convencional) deve ser apresen-
tada com clareza. Normalmente é mencionada nas “Instruções aos Autores” com o título: “Sub-
missão do manuscrito” ou “Submissão online” ou “Passos da submissão eletrônica”. Exemplos:

Submissão do Manuscrito

O original deve ser encaminhado a [Título e Subtítulo, se houver, da revista], por correio
eletrônico: [endereço eletrônico da revista] ou postagem convencional (...)
ou
Submissão online

A submissão do manuscrito deve ser efetuada pelo site da revista: [endereço eletrônico da
revista].

Atualmente as revistas da área de Psicologia estão utilizando sistemas automatizados para o ge-
renciamento das atividades relativas à gestão editorial, como, por exemplo, SciELO Publication System
– Online Submission (Submission: SciELO) ou Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER).9
Esses sistemas agilizam o trabalho dos editores, pois todo o processo de gerenciamento da
revista se torna transparente e controlado. Os sistemas são de fácil manuseio, e o autor pode
acompanhar o percurso de seu trabalho até a decisão final sobre a sua publicação como artigo.

9 Mais informações sobre os sistemas: Submission: SciELO, http://submission.scielo.br/; SEER, http://seer.ibict.br/

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


• Outras informações
Algumas revistas, disponíveis nos formatos impresso e eletrônico, apresentam as “Instru-
ções aos autores” de forma resumida na versão impressa e apontam o endereço do site da publi-
cação para consulta na íntegra. Exemplos:

Instruções aos Autores


Logo no início – após o cabeçalho:
Versão na íntegra em: [endereço eletrônico da revista]

Ou no final das instruções:

Maiores informações sobre linha editorial, formas de apresentação, submissão, procedi-


mentos de avaliação e processo de julgamento do manuscrito e exemplos de citações e
56
referências podem ser obtidas no site da revista: [endereço eletrônico da revista]
ou
A versão na íntegra das “Instruções aos Autores” está disponível no site da revista: [endereço
eletrônico da revista]

• Processo de julgamento do manuscrito


A revista deve declarar o caminho que o manuscrito irá percorrer até a publicação do artigo,
ou seja, desde a sua submissão até a aceitação final ou rejeição do original.
Com base nas “Instruções aos Autores” das revistas Psicologia: Reflexão e Crítica e Psicolo-
gia USP, exemplificamos, a seguir, esse procedimento. Lembramos que cada revista segue um
critério e tem suas especificidades, assim, o exemplo citado é apresentado com o objetivo de
oferecer diretrizes às revistas quando da elaboração de seu processo.

Os manuscritos recebidos pela revista [Título da Revista] que estiverem de acordo com
as “Instruções aos Autores” da revista e que condizem com a sua política editorial serão en-
caminhados pelo editor aos consultores para avaliação.
Os avaliadores serão escolhidos pela Comissão Editorial da revista e poderão recomen-
dar ao editor: a aceitação sem sugestões de modificações, aceitação condicional a reco-
mendações, ou a recusa do manuscrito. A identidade dos avaliadores não será informada
aos autores dos originais.
Os autores terão acesso às cópias na íntegra dos pareceres dos avaliadores e o texto
encaminhado aos avaliadores não terá identificação da autoria.
A decisão final acerca da publicação ou não do manuscrito será sempre do editor. A Co-
missão Editorial reserva-se o direito de fazer pequenas modificações no texto. Antes de enviar
os manuscritos para impressão final a Comissão Editorial da revista enviará uma prova para a
última revisão dos autores, que deverá ser feita em seis dias úteis e devolvida à revista. O manus-
crito será publicado conforme a prova se o autor não devolver o original no prazo estipulado.
No último número de cada volume da revista serão publicados os nomes dos consulto-
res que realizaram a avaliação dos artigos daquele ano, sem especificar quais textos foram
analisados individualmente.
Quando da publicação impressa, os autores receberão dois exemplares do número. Os
autores poderão também obter cópias online nas páginas do SciELO e PePSIC.

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Fluxograma
Algumas revistas apresentam o “Fluxograma de publicação”. A palavra “Fluxograma” de
acordo com Ferreira (1999) significa “representação gráfica, por meio de símbolos geométricos,
da solução algorítmica de um problema” (p. 919).
De modo geral, entendemos o “Fluxograma” como uma “representação esquemática de um
processo, muitas vezes feito através de gráficos que ilustram de forma descomplicada a tran-
sição de informações entre os elementos que o compõem”. Na prática, podemos entendê-lo
“como a documentação dos passos necessários para a execução de um processo qualquer” (Flu-
xograma, n.d.).
A apresentação do fluxograma deixa transparente o processo e demonstra a organização
da publicação.

Relação dos Consultores


O termo “Consultor”, do latim Consultare, de acordo com Ferreira (1999), significa “aquele
que dá pareceres acerca de assuntos da sua especialidade” (p. 537). No meio acadêmico, os cha- 57
mados “Consultores externos”, também conhecidos como “Consultores ad hoc”, de acordo com
LoBianco et al. (2002), são os pareceristas ou árbitros externos ao Conselho Editorial consultados
para analisar os originais recebidos pela revista.
Um periódico científico deve publicar pelo menos uma vez ao ano a relação completa dos
pareceristas que colaboraram durante o processo editorial. Normalmente, a nominata é apre-
sentada no último fascículo do volume, com os nomes completos dos pesquisadores seguidos
das indicações das instituições as quais são vinculados. Não existe um lugar específico para im-
pressão da lista de consultores. Algumas revistas a publicam como um elemento pré-textual,
antes do sumário, outras no final do fascículo, antes das instruções aos autores.
Geralmente, a nominata é encabeçada pelos títulos: “Consultores ad hoc”, “Relação de Consul-
tores”, “Nominata dos Consultores (2007)”, “Consultores Externos”, “Consultores ad hoc – 2008”.

Carta de apresentação do manuscrito


Algumas revistas apresentam após as “normas editoriais” um modelo de carta de submissão
do manuscrito (veja Anexo J).

Outras informações
Outros tipos de informações podem ser arroladas em um periódico científico, por exemplo:

• sumários de edições anteriores;


• propagandas com ilustrações: site da revista, SciELO, PePSIC;
• resumos de dissertações e/ou teses defendidas na instituição, ente outros.

Relatório de Gestão
O Relatório de Gestão Anual de uma revista deve ser publicado no primeiro fascículo de
cada ano, com informações referentes ao ano anterior da publicação. Deve ser apresentado em
folha separada no final do periódico. Normalmente é apresentado após as Instruções aos Auto-
res, encabeçado por um título, por exemplo: Relatório de Gestão 2007.
De acordo com os requisitos presentes na Ficha de Avaliação de Revistas Científicas em Psi-
cologia (Comissão Editorial CAPES/ANPEPP, 2007-2008), o relatório deve conter os seguintes
itens:

• linha editorial;
• as quantidades de artigos submetidos, rejeitados e aceitos para publicação;

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


• o intervalo médio entre o recebimento, aprovação e publicação de um original;
• a distribuição da revista no Brasil e no exterior (assinaturas, permutas e doações).

Nota. Os dados numéricos podem ser apresentados em tabelas e/ou gráficos.

Apesar da não obrigatoriedade da publicação do relatório, as comissões de avaliação, agên-


cias de fomento e algumas bases de dados solicitam o relatório de gestão para fins de avaliação
do periódico.

Formulário de assinatura
No final da revista, de preferência na última página, podemos acrescentar o formulário de
assinatura com informações completas sobre a forma de aquisição da revista.

58
1.3 Projeto Gráfico
De acordo com a ABNT (2003a, p. 6), o “projeto gráfico é de responsabilidade do(a) editor(a)
da publicação” e compreende:

a) formato (escolha das dimensões largura/altura da publicação) e a definição da parte impres-


sa da página (mancha gráfica);
b) composição (parte tipográfica da publicação);
c) especificação do papel e uso de cores e ilustrações;
d) técnica de impressão;
e) acabamento (colagem de cadernos impressos na capa e na lombada, encadernação);
f ) tiragem.

1.4 Da Preparação à Publicação: Recomendações


Com base nos diversos aspectos apontados ao longo deste capítulo e de acordo com as re-
comendações de LoBianco et al. (2002) e da Comissão Editorial CAPES/ANPEPP (2007-2008), re-
lacionamos alguns pontos relevantes que os editores devem considerar na preparação de uma
revista científica:

Recomendações para os volumes/fascículos


A revista científica deve:

• apresentar ISSN (versão impressa e/ou online, se for o caso), logo no primeiro número do
volume;
• respeitar seu projeto gráfico;
• estar padronizada de acordo com as recomendações apresentadas nas “Normas Edito-
riais”;
• cumprir com a periodicidade proposta;
• manter regularidade, dentro da periodicidade proposta (não atrasar);
• divulgar e distribuir o periódico, através de assinaturas, doações e permutas, para instituições
nacionais e estrangeiras;
• publicar a revista em formato eletrônico.

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Precisa ter:

• diversidade geográfica dos membros do Conselho Editorial (instituições de várias UF’s do


país e estrangeiras);
• abrangência dos consultores externos;
• difusão eletrônica dos artigos (em site próprio, SciELO, PePSIC);
• indexação em bases de dados nacionais e internacionais;
• sumário em português e inglês;
• instruções completas aos autores, com exemplos de citações e referências.

Recomendações para as contribuições (artigos, relatos de experiências, resenhas)


As contribuições presentes em uma revista devem apresentar:

59
• diversidade institucional dos autores: interinstitucional, nacional e estrangeira;
• afiliação institucional dos autores;
• endereço completo dos autores, incluindo e-mail;
• normalização consistente (na apresentação do(s) autor(es), afiliação institucional, título, en-
dereço do(s) autor(es), resumos, palavras-chave, citações no texto, tabelas, figuras, anexos,
referências, agradecimentos);
• organização e normalização na sinalização do texto (por exemplo, na apresentação dos títu-
los: método, discussão, resultados etc., e subtítulos [se houver]: participantes, procedimen-
tos. O artigo deve apresentar um sistema que reflita essa organização);
• data de recebimento e aceite do manuscrito. Algumas revistas colocam data de recebimento,
data da primeira e segunda revisão (se houver) e data do aceite final.

2 Revista de Divulgação
O periódico de divulgação científica também se preocupa com a ciência, porém de modo in-
formativo e sem seguir as normas de apresentação do periódico científico discutidas nos itens ante-
riores. Esse tipo de publicação discute a ciência, porém de modo menos formal e estruturado.
Vale diferenciar o periódico de divulgação científica das revistas de grande circulação, ou
seja, aquelas dirigidas tão somente à informação de consumo. Assim, como afirmam Sampaio,
Sabadini e Linguanotto (2002, p. 188), “uma revista de divulgação pode publicar trabalhos de in-
teresse científico, artigos sobre pesquisa, desenvolvimento científico e tecnológico, mas as infor-
mações são diluídas em sua forma de expressão e apresentação”. Nesse tipo de publicação, o foco
é a divulgação e promoção, por isso aborda assuntos mais populares, polêmicos e de consumo
que são dirigidos para o público em geral, não somente para a comunidade científica.

3 Boletim de Sociedade Científica ou


Informativo Profissional
O boletim, enquanto publicação de universidades e sociedades científicas, surgiu com o in-
tuito de divulgar e promover as atividades e pesquisas desenvolvidas nessas instituições. Publica
informações e notícias da entidade, pode ou não publicar artigos científicos, resenhas e outros
tipos de trabalhos. Entretanto, seus objetivos são voltados para a entidade à qual é vinculado. Ob-

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


serva-se que muitos boletins, embora mantendo o nome “Boletim”, vêm aprimorando as formas
de apresentação e o conteúdo, aproximando suas características das do periódico científico.

4 Revista Eletrônica ou Digital


Revista Eletrônica, Revista Digital, Revista Online, Portal de Revistas são expressões ampla-
mente utilizadas nos últimos anos. A mídia digital chegou e transformou a natureza da revista
científica. O conhecimento que levava meses para ser transportado nas revistas impressas agora
chega quase que imediatamente ao leitor, movido pela Internet. O novo substrato físico não mu-
dou apenas a velocidade de transmissão, mas mudou a ordem de magnitude e reduziu sensivel-
mente os custos de sua produção, explicam Izquierdo, Izquierdo e Izquierdo (2008).
Podemos iniciar nossa discussão com relação às mudanças provocadas pela publicação
de revistas no formato eletrônico falando sobre os custos de publicação. Pensando nas ques-
60 tões da produção, publicação e distribuição, os custos são intensamente reduzidos na versão
eletrônica. Os meios eletrônicos de submissão, a geração de um único exemplar que pode ser
acessado e replicado infinitas vezes e a democratização da entrega tornam a revista científica
um produto de baixo custo. Vale lembrar que os custos de impressão e postagem são fatores
que encarecem as publicações.
Uma vantagem adicional das edições eletrônicas é que permitem a disseminação de ma-
terial incorporando um maior dinamismo e interatividade, como, por exemplo, análise de res-
sonância magnética baseada em imagens, vídeos de procedimentos cirúrgicos ou testes diag-
nósticos, animação de imagens 3D, visões parciais de grandes bases de dados e repositórios de
imagens e sons (Izquierdo, Izquierdo, & Izquierdo, 2008).
Alertamos os editores de que o simples fato de transformar os arquivos da revista em for-
matos PDF (Portable Document Format – formato de documento portável) e sua publicação em
um site não confere à revista o caráter de publicação eletrônica. A revista eletrônica deve utilizar
um sistema de publicação que lhe atribua muitas outras possibilidades, tais como sons, movi-
mentos, interatividade, pesquisa em bases de dados, inclusão de testes, exames e diagnósticos,
e permita a democratização do acesso ao conhecimento ali publicado. Para tanto, sugerimos
que a publicação eletrônica de revistas científicas seja efetuada em plataformas reconhecidas e
credenciadas no meio digital, como, por exemplo: SciELO, SEER (Sistema Eletrônico de Editora-
ção de Revistas), Redalyc.
Muniz Júnior e Ferreira (2005) explicam que a publicação eletrônica traz mudanças signifi-
cativas no modus operandi da editoração de revistas científicas

Em outras palavras, essa alteração parece envolver diretamente uma transformação em aspectos do
habitus profissional dos editores científicos. Isso porque a transposição dos métodos produtivos para o
ambiente digital implica a revisão de diversos procedimentos, pondo em crise um conjunto de conheci-
mentos internalizados e utilizados automaticamente na produção do periódico impresso. (p. 8)

A transformação no fluxo de produção da revista veio para facilitar o trabalho do autor, edi-
tor, parecerista e demais profissionais envolvidos com a geração das revistas. Assim, é impossível
prever os caminhos que a revista científica trilhará nos próximos anos. Sabemos, de antemão, que
a revista, da forma como é publicada no formato impresso, precisa ser reconstruída no formato di-
gital. Está surgindo um novo modelo, muito mais completo e dinâmico, que permite a cooperação
a partir do intercâmbio de metadados, links com outras fontes de informação, estatísticas de uso,
citações e fator de impacto. Os artigos devem ser estruturados para a alimentação de bases de
dados, permitindo que a informação circule em várias fontes de informação ao mesmo tempo.

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Portal de revistas é o nome dado a uma coleção de revistas organizada em um único espaço
virtual, ou seja, acessível a partir de um mesmo ponto na Internet. O portal pode ser multidis-
ciplinar, como o SciELO, temático como o PePSIC, ou institucional, como o Portal de Revistas da
USP. A grande vantagem dos portais é permitir o acesso a várias publicações em um mesmo
espaço e possibilitar a busca por assunto, autores em todos os títulos em uma mesma busca.
Outro valor que os portais agregam é a possibilidade de geração de índices de citações e fator
de impacto das revistas.
Neste livro, dedicamos um capítulo especial às publicações eletrônicas. Entretanto, senti-
mos a necessidade aqui de apresentar algumas orientações aos autores e editores quanto aos
recursos para a publicação eletrônica. Sabemos que o que é novidade hoje amanhã poderá
estar obsoleto. A revista eletrônica ainda está em fase embrionária de formação. Todavia vem se
apresentando como uma revolução no registro e na comunicação do conhecimento.

61

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Referências

American Psychological Association. (2001a). Manual de publicação da American Psychological Association (4a
ed., D. Bueno, trad.). Porto Alegre: ARTMED. (Tradução da 4a ed. de 1994)

American Psychological Association. (2001b). Publication manual of the American Psychological Association
(5th ed.). Washington, DC: Author.

Associação Brasileira de Automação. (n.d.). Preciso de código de barras. São Paulo: GS1 Brasil. Recuperado em
09 de julho de 2008, de http://www.gs1brasil.org.br/

Associação Brasileira de Direitos Autorais. (n.d.). Respeite o direito autoral! [Manual]. São Paulo: Autor.

Associação Brasileira de Editores Científicos. (n.d.). ABEC. Recuperado em 19 de julho de 2008, de http://www.
liber.ufpe.br/abec/html/abec.htm/

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (1989a). Abreviação de títulos de periódicos e publicações seriadas -
62 NBR 6032. Rio de Janeiro: Autor.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (1989b). Norma para datar – NBR 5892. Rio de Janeiro: Autor.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2002). Informação e documentação – Referências – Elaboração - NBR
6023. Rio de Janeiro: Autor.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2003a). Informação e documentação – Publicação periódica científi-
ca impressa – Apresentação – NBR 6021. Rio de Janeiro: Autor.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2003b). Informação e documentação – Sumário – Apresentação –


NBR 6027. Rio de Janeiro: Autor.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). Informação e documentação – Lombada – Apresentação –


NBR 12225. Rio de Janeiro: Autor.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2005). Informação e documentação – Número Padrão Internacional
para Publicação Seriada – ISSN – NBR 10525. Rio de Janeiro: Autor.

Comissão Editorial CAPES/ANPEPP. (2007-2008). Ficha de Avaliação de Revistas Científicas em Psicologia.

Critérios SciELO Brasil: critérios, política e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científi-
cos na coleção SciELO Brasil (Versão de outubro de 2004). (2004). Recuperado em 21 de novembro de 2007,
de http://www.scielo.br/criteria/scielo_brasil_pt.html

Fachin, G. R. B., & Hillesheim, A. I. A. (2006). Periódico científico: padronização e organização. Florianópolis: Ed.
da UFSC.

Ferreira, A. B. de H. (1999). Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa (3a ed. rev. ampl.). Rio de Janei-
ro: Nova Fronteira.

Ferreira, M. C. G., & Krzyzanowski, R. F. (2003). Periódicos científicos: critérios de qualidade. Pesquisa Odonto-
lógica Brasileira, 17(Suplemento), 43-48.

Fluxograma. (n.d.). In Wikipédia, a enciclopédia livre. Recuperado em 29 de setembro de 2007, de http://


pt.wikipedia.org/wiki/Fluxograma

Griebler, A. C. F., & Mattos, A. M. (2007). Novas tecnologias, novas mídias, velhas dificuldades: aprimorando a
interface com o usuário para a escolha de bases de dados ou periódicos. Encontros Bibli: Revista Eletrônica
de Biblioteconomia e Ciência da Informação, (23), 73-87.

Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. (2000). Normas e critérios de seleção de publicações
seriadas para o Catálogo Coletivo Nacional de Publicações Seriadas – CCN. Brasília, DF: Autor.

Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. (2005). Produtos e Serviços: ISSN. Recuperado em
19 de março de 2008, de http://www.ibict.br

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Instruções aos autores. (2008). Psicologia: Reflexão e Crítica. Recuperado em 09 de outubro de 2008, de http://
www.scielo.br/revistas/prc/pinstruc.htm
Izquierdo, S. S., Izquierdo, L. R., & Izquierdo, J. M. (2008). Las publicaciones científicas ante la era digital: el caso
de Neurocirugía. Neurocirugía, Murcia, 18(3). Recuperado em 07 de outubro de 2008, de http://scielo.isciii.
es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1130-14732007000300001&lng=pt&nrm=iso
LoBianco, A. C., Hutz, C. S., Bueno, J. L., Feitosa, M. A. G., Guedes, M. C., Yamamoto, O. H., Menandro, P. R. M., &
Koller, S. H. (2002). Manual 2001: instruções para o preenchimento da ficha de avaliação de periódicos científi-
cos em psicologia elaborada pela ANPEPP – CAPES (Versão 2002). Recuperado em 21 de novembro de 2005,
de http://www.anpepp.org.br
Miranda, D. B., & Pereira, M. N. F. (1996). O periódico científico como veículo de comunicação: uma revisão de
literatura. Ciência da Informação, 25(3), 375-382.
Muniz Júnior, J. S., & Ferreira, S. M. S. P. (2005). A alteração de práticas de editoração científica tradicionais
promovidas pelas ferramentas de publicação eletrônica – um novo habitus profissional? In Anais, XXVIII Con-
gresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro: Universidade Estadual Paulista.
63
Oliveira, E. B. P. M. (2006). Uso de periódicos científicos eletrônicos por docentes e pós-graduandos do Instituto
de Geociências da USP. Dissertação de Mestrado, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São
Paulo, São Paulo.
Orientação editorial e normas para publicação. (2008). Psicologia USP, 19(1), 101-108.
Sampaio, M. I. C. (2008). Citações a periódicos na produção científica de psicologia. Psicologia: Ciência e Pro-
fissão, 28(3), 452-465.
Sampaio, M. I. C., Sabadini, A. A. Z. P, & Linguanotto, A. R. J. (2002). Periódicos científicos: características e exi-
gências. Mudanças: Psicologia da Saúde, 10(18), 184-200.
Santos, A. A. A., Sabadini, A. A. Z. P., Trzesniak, P., & Moreira, S. R. G. (2006). Estatuto da Associação Brasileira de
Editores Científicos de Psicologia (ABECiP) (A. Macedo Perez e P. Trzesniak, Rev.). São Paulo: ABECiP. Recupe-
rado em 19 de setembro de 2007, de http://www.bvs-psi.org.br/EstatutoABECIP_oficial.doc
Secaf, V. (2004). Artigo científico: do desafio à conquista (3a ed.). São Paulo: Green Forest do Brasil.
Sistema Integrado de Bibliotecas da Universidade de São Paulo. (1990). Publicações seriadas: normas para
descrição de títulos e coleções para cadastramento no banco de dados bibliográficos da USP (Série Manual de
Procedimentos SIBi, n. 8). São Paulo: Autor.
Valério, P. M. (2005). Curso de atualização sobre avaliação do trabalho científico. Recuperado em 25 de setem-
bro de 2005, de http://www.lncc.br/abec/eventos.php
Wieers, L. (1994). A vision on the library of the future. In H. Geleijnse & C. Grootaers (Eds.), Development the
library of the future: The Tiburg experience (pp. 1-11). Tiburg: Tiburg University.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


64

1
Tipos de Forma Periodicidade Números Exemplos: Exemplos:
Periodicidade abreviada da publicação publicados Indicação da Forma abreviada
periodicidade
Diária D. Uma vez por dia 360 números Dia: Dia:
por ano 5 de março de 2005 5 de mar. de 2005
Bissemanal Bis. Duas vezes por 96 números Semana: Semana:
semana por ano 1 a 3 de agosto de 2005 1 a 3 de ago. de 2005
4 a 7 de agosto de 2005 e assim 4 a 7 de ago. de 2005 e assim
por diante por diante
Semanal Sem. Uma vez por 48 números Semana: (2ª a domingo) Semana (2ª a domingo)
semana por ano 7 a 13 de novembro de 2005 7 a 13 de nov. de 2005
Bimensal Bimens. Duas vezes por mês 24 números Quinzena: Quinzena:

Universidade de São Paulo (SIBi, 1990, p. 53).


ou ou por ano 1 a 15 de agosto de 2005 1 a 15 de ago. de 2005

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Quinzenal Quinz. 16 a 31 de agosto de 2005 16 a 31 de ago. de 2005
Anexo A - Tipos de periodicidade1

Mensal Mens. Uma vez por mês 12 números Mês: Mês:


por ano janeiro jan.
fevereiro fev.
março etc. mar. etc.
Bimestral Bimest. A cada dois meses 6 números Meses / Período: Meses / Período:
por ano janeiro / fevereiro jan. / fev.
março / abril mar. / abr.
maio / junho maio / jun.
julho / agosto jul. / ago.
setembro / outubro set. / out.
novembro / dezembro nov. / dez.
Trimestral Trim. A cada três meses 4 números Meses / Período: Meses / Período:
por ano janeiro / março jan. / mar.
abril / junho abr. / jun.
julho / setembro jul. / set.
outubro / dezembro out. / dez.
Quadrimestral Quadrim. A cada quatro 3 números Meses / Período: Meses / Período:
meses por ano janeiro / abril jan. / abr.
maio / agosto maio / ago.
setembro / dezembro set. / dez.
Semestral Semest. A cada seis meses 2 números Meses / Período: Meses / Período:
por ano janeiro / junho jan. / jun.
julho / dezembro jul. / dez.

Informações extraídas das publicações: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 1989a); Sistema Integrado de Bibliotecas da
Anexo B - Como solicitar o ISSN

Documentação necessária para solicitação do ISSN1

Para publicações impressas já em circulação


• Formulário de solicitação de código ISSN devidamente preenchido;
• Cópia do depósito bancário;
• Exemplar do primeiro número da publicação e do número mais recente, ou cópia das
seguintes partes: 1) Capa; 2) Folha de rosto (se houver); 3) Expediente; 4) Sumário (se
houver); 5) Editorial (se houver).

Para lançamentos de publicações impressas


• Formulário de solicitação de código ISSN devidamente preenchido;
• Cópia do depósito bancário;
65
• Boneco definitivo (sem emendas ou rasuras) das seguintes partes do primeiro número
da publicação: 1) Capa; 2) Folha de rosto (se houver); 3) Expediente; 4) Sumário (se hou-
ver); 5) Editorial (se houver).

Para publicações online


• Formulário de solicitação de código ISSN devidamente preenchido;
• Impressão das primeiras telas onde o título e a designação numérica e/ou cronológica
apareçam;
• Impressão das telas de expediente e sumário;
• Cópia do depósito bancário.
Obs.: O código ISSN somente será atribuído a publicações online que já estejam disponí-
veis na Internet.

Para publicações em CD-ROM ou DVD


• Formulário de solicitação de código ISSN devidamente preenchido;
• Capa do CD-ROM ou DVD (prova definitiva);
• Rótulo do CD-ROM ou etiqueta do disquete (prova definitiva);
• Impressão da tela de abertura da publicação no CD-ROM ou disquete;
• Cópia do depósito bancário.

A documentação necessária para solicitação do ISSN, o formulário para solicitação de


código ISSN devidamente preenchido, bem como o comprovante do depósito bancário
no valor apropriado deverão ser encaminhados via correio para:

Endereço: Centro Brasileiro do ISSN / IBICT


SAS - Quadra 5 - Lote 6 - Bloco “H” - Sala 213
CEP: 70070-912 - Brasília/DF

O formulário de solicitação de código ISSN e os procedimentos e valores das taxas admi-


nistrativas podem ser adquiridos na página do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e
Tecnologia (IBICT), em Produtos e Serviços, no endereço: www.ibict.br.

1 Informações retiradas do site do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), www.ibict.br, em 09 de janeiro
de 2008.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Anexo C – Elementos da primeira capa do periódico científico

Logomarca da ISSN XXXX-XXXX


Editora responsável [Em algarismos arábicos]
pela publicação
[se houver]
Volume, Número, mês e ano
[Em algarismos arábicos e mês por extenso
Ex.: Volume 1, Número 2, janeiro/março, 2007]

TÍTULO E SUBTÍTULO DA PUBLICAÇÃO


[por extenso]

Nome do órgão editor responsável


66
[por extenso]

ou

Nome do órgão editor responsável ISSN XXXX-XXXX

Título e Subtítulo da Publicação

Volume 1 Número 2 janeiro/março 2007

ou

ISSN XXXX-XXXX

Título e Subtítulo da Publicação


VOLUME 1 - NÚMERO 2
janeiro/março - 2007
Editor
[Nome completo do editor]
Informação opcional

Editores Associados
[Nome completo dos editores associados]
Informação opcional

Nome do órgão editor responsável

Notas. 1) A disposição dos elementos: logomarca da editora responsável (se houver); título e subtítulo (se houver) da publicação por exten-
so; volume; número do fascículo; data de publicação, incluindo mês, por extenso, o ano em algarismos arábicos e o nome do órgão editor
responsável (entidade), assim como sua forma de apresentação (maiúscula, minúscula, negrito, itálico etc.) fica a critério do editor, com
exceção do código ISSN, que deve ser apresentado no canto superior direito. 2) A apresentação do(s) editor(es) na primeira capa da revista
não é um procedimento comum nos periódicos nacionais, já as revistas editadas pela American Psychological Association (APA) apresentam
em todos os números o(s) editor(es). 3) O uso de ilustrações na primeira capa é comum nas revistas nacionais, mas ressaltamos que segun-
do recomendações da própria ABNT (2003), a legibilidade desses elementos não pode nunca ser prejudicada pelo uso de imagens.

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Anexo D - Abreviatura dos meses1

Português Espanhol Italiano


janeiro jan. enero enero gennaio genn.
fevereiro fev. febrero feb. febbraio febbr.
março mar. marzo marzo marzo mar.
abril abr. abril abr. aprile apr.
maio maio mayo mayo maggio magg.
junho jun. junio jun. giugno giugno
julho jul. julio jul. luglio luglio
agosto ago. agosto ago. agosto ag.
setembro set. septiembre sept. settembre sett. 67
outubro out. octubre oct. ottobre ott.
novembro nov. noviembre nov. novembre nov.
dezembro dez. diciembre dic. dicembre dic.
Francês Inglês Alemão
janvier janv. January Jan. Januar Jan.
février févr. February Feb. Februar Feb.
mars mars March Mar. März März
avril avril April Apr. April Apr.
mai mai May May Mai Mai
juin juin June June Juni Juni
juillet juil. July July Juli Juli
août août August Aug. August Aug.
septembre sept. September Sept. September Sept
octobre oct. October Oct. Oktober Okt.
novembre nov. November Nov. November Nov.
décembre déc. December Dec. Dezember Dez.

1 Extraído de Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2002, Anexo A, p. 22).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Anexo E - Elementos da primeira capa do periódico científico com
indicação do título do número especial e do editor convidado

Logomarca da ISSN
Editora responsável [Em algarismos arábicos]
pela publicação
[se houver] Volume, Número, mês e ano
[Em algarismos arábicos e mês por extenso
Ex.: Volume 3, Número 2, janeiro/junho, 2005]

TÍTULO E SUBTÍTULO DA PUBLICAÇÃO


[por extenso]

Editor
[Nome completo do editor]
68 Informação opcional

Título do número especial


[por extenso]

Editor Convidado
[Nome completo do editor convidado]

Nome do órgão editor responsável


[por extenso]

ou

ISSN
[Em algarismos arábicos]

Título e Subtítulo da Publicação


[por extenso]

Título do número especial


[por extenso]

Editor Convidado
[Nome completo do editor convidado]

Volume 3, Número 2, janeiro/junho, 2005


Nome do órgão editor responsável
[por extenso]

Notas. A disposição dos elementos: logomarca da editora responsável (se houver); título e subtítulo (se houver) da publicação por extenso;
volume; número do fascículo; data de publicação, incluindo mês, por extenso, o ano em algarismos arábicos e o nome do órgão editor
responsável (entidade), assim como sua forma de apresentação (maiúscula, minúscula, negrito, itálico etc.) fica a critério do editor, com
exceção do código ISSN, que deve ser apresentado no canto superior direito. 2) A apresentação do(s) editor(es) na primeira capa da revista
não é um procedimento comum nos periódicos nacionais, já as revistas editadas pela American Psychological Association (APA) apresentam
em todos os números o(s) editor(es). 3) O uso de ilustrações na primeira capa é comum nas revistas nacionais, mas ressaltamos que segun-
do recomendações da própria ABNT (2003), a legibilidade desses elementos não pode nunca ser prejudicada pelo uso de imagens.

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Anexo F - Elementos da segunda capa do periódico
científico editado por uma universidade

Título e Subtítulo [se houver]


Revista trimestral do [nome completo da instituição]
Volume 19, Número 1, janeiro/março de 2008

ISSN XXXX-XXXX (versão impressa) ISSN XXXX-XXXX (versão eletrônica)

Nome da Universidade Título da Revista é uma publicação quadrimestral da [nome


Reitor: [nome completo] da instituição por extenso] e tem como objetivo publicar...
Vice-reitor: [nome completo] Publica: relatos de pesquisa, artigos de revisão, relatos de
experiências, resenhas, entrevistas, comunicações breves...
Nome da Instituição
Diretor: [nome completo] Indexadores
Vice-diretor: [nome completo] LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe em
69
Ciências da Saúde, www.bireme.com)
Editor Geral PsycINFO (American Psychological Association,
Nome completo www.apa.org)
SciELO (Scientific Electronic Library Online,
Editor(es) Associado(s) www.scielo.br)
Nome(s) completo(s) e instituição

Editor Executivo Filiações
Nome completo ABEC (Associação Brasileira de Editores Científicos)
ABECiP (Associação Brasileira de Editores Científicos de
Comissão Editorial Psicologia)
Nomes completos dos membros e instituição
Qualis Psicologia 2009: A2
Conselho Editorial
Nomes completos dos membros e instituição Título abreviado da revista:

Instruções para submissão em: [endereço do site]
Secretaria
Nome(s) completo(s) Título da Revista realiza doações para as Bibliotecas
da ReBAP (Rede Brasileira de Bibliotecas da Área de
Editoração Psicologia, www.bvs-psi.org.br/rebap)
Nome(s) completo(s)
Endereço para correspondência:
Revisão
Nome(s) completo(s) E-mail:

Bibliotecário(s) Tiragem: 500 exemplares
Nome(s) completo(s)
Impressão: março de 2008
Diagramação
Nome(s) completo(s) Apoio financeiro:

Projeto gráfico
Nome(s) completo(s)

© Direitos Autorais e autorização de reprodução Ficha Catalográfica
Os direitos autorais de todos os trabalhos publicados
pertencem à Título da Revista. A reprodução total
ou parcial...

Nota. A disposição dos elementos, assim como suas designações (por exemplo, indexadores em vez de indexação) e destaques tipográfi-
cos (negrito, itálico, letras maiúsculas), fica a critério do editor.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Título da Revista Volume 1, Número 1, pp. 1-179, janeiro/junho, 2008

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Vol. 1, N. 1, pp. 1-179 TÍTULO DA REVISTA janeiro/junho 2008
Anexo G - Lombada

Vol. 1, N. 1, pp. 1-179, jan./jun., 2008 Título da Revista “Logo”


Volume 1 Número 1 janeiro/junho 2008 Título da Revista pp. 1-179

70
Anexo H - Sumário

Sumário

Editorial 7
Artigos originais
Título do artigo
Autor(es) 9
Título do artigo
Autor(es) 16
Resenha
Título
Autor(es) 87
71
Instruções aos autores 94

Sumário

Editorial ...................................................................................................................................7-8
Artigos originais
Título do artigo / Autor(es) . .......................................................................................... 9-15
Título do artigo / Autor(es) . ........................................................................................ 16-29
Artigos de revisão
Título do artigo / Autor(es) . ........................................................................................ 63-71
Comunicação breve
Título / Autor(es) ............................................................................................................. 73-75

Contents

Editorial........................................................................................................................................7
Original articles
Title
Author(s) ..................................................................................................................................... 9

Sumário/Contents

Editorial 7
Artigos originais/Original articles
Título do artigo/Title
Autor(es) 9
Título do artigo/Title
Autor(es) 16

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Anexo I - Errata

Errata
Título da Revista, 10(2), 2008.
Artigo: O resgate do vínculo mãe-bebê

Página Linha Onde se lê Leia-se

21 15 adaptados, pequenos, confinados adaptados, pequenos

25 7 relatados envolveram relatados envolveu

Errata
72
Título da Revista, 10(2), 2008.

Sumário

Onde se lê:
Aparecida Angélica Z. Paulovic Sabadini - Universidade Federal de Uberlândia

Leia-se:
Aparecida Angélica Z. Paulovic Sabadini - Universidade de São Paulo

Errata
Título da Revista, 10(2), 2008.
Deve ser acrescentado ao elenco do Corpo Editorial o nome de [acrescentar o nome
completo do membro do Corpo Editorial que foi omitido e instituição], a quem pedimos
desculpas pelo inconveniente.

Capítulo 2 | Preparando um Periódico Científico


Anexo J - Modelo de Carta de Submissão

Local e data

Prezado Editor (Nome do editor)

Encaminho(amos) o manuscrito intitulado [“Título do Trabalho”] para apreciação e pos-


sível publicação na revista [Título da Revista]. O presente trabalho (citar a relevância do tra-
balho, dentro do escopo da revista).

Declaro(amos) que o presente manuscrito não foi publicado nem está sendo conside-
rado para publicação em outra revista científica e seguiu rigorosamente os procedimentos
éticos da pesquisa e publicação. 73

Atenciosamente,
Nome(s) do(s) autor(es)
Assinatura(s)

Algumas revistas optam por solicitar aos autores a transferência de direitos autorais junta-
mente com a carta de apresentação:

Local e data
Prezado Editor (Nome do editor)

Encaminho(amos) o manuscrito intitulado [“Título do Trabalho”] para apreciação e pos-


sível publicação na revista [Título da Revista]. O presente trabalho (citar a relevância do tra-
balho, dentro do escopo da revista).

Declaro(amos) que o presente manuscrito não foi publicado nem está sendo conside-
rado para publicação em outra revista científica e seguiu rigorosamente os procedimentos
éticos da pesquisa e publicação.

Considerando a aceitação do trabalho, transfiro(erimos) para a revista (Título da Revista)


todos os direitos autorais do artigo.

Atenciosamente,
Nome(s) do(s) autor(es)
Assinatura(s)

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Capítulo 3
O Movimento de Acesso Aberto,
os Repositórios e as Revistas Científicas
Maria Imaculada Cardoso Sampaio
André Serradas

É desnecessário discutir o impacto causado pelo surgimento das Tecnologias de Informação 75


e Comunicação (TICs) em nossas vidas. A ideia inovadora é considerar a web, não como uma fer-
ramenta de edição online, e sim como uma rede de construção do conhecimento compartilhado
(López, 2005). Uma infraestrutura global que transforme totalmente os meios de comunicação
entre os membros de uma comunidade científica, formando uma rede de colaboradores capaz
de gerar conhecimento de forma colaborativa e cooperativa, como é o caso da Wikipédia.
Segundo Pulino Filho (2006), “Um wiki é uma coleção de documentos criados de forma co-
letiva no ambiente da Internet” (p. 3, grifo nosso). Um autor começa a escrever um texto em uma
página web (wiki) e outros colaboradores podem ir acrescentando outras páginas (wikis), a partir
de links com o texto original. Essa é a parte técnica da construção do conhecimento a partir do
uso intenso das TICs. A parte filosófica, e que realmente poderá provocar mudanças dramáticas
no modus operandi como o conhecimento científico vem sendo gerado e publicado, é o foco da
discussão neste capítulo. O tema em questão, que ganha relevância e vem se firmando como
modelo filosófico e político para publicações científicas na atualidade, é o Movimento de Acesso
Aberto (Open Access Movement).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1 Movimento de Acesso Aberto (OA)
O Movimento de Acesso Aberto (OA) vem somar ao modelo tradicional de comunicação cien-
tífica, porém com as facilidades que as TICs proporcionam. Interoperabilidade, ou seja, compatibili-
dade para intercâmbio de dados, preservação em longo prazo e acesso universal à informação são
princípios que o Movimento defende (Silió, 2005). O Movimento também se apresenta como uma
reação ao modelo atual de negócio das editoras comerciais. O preço elevado das assinaturas das
revistas, a imposição de aquisição por pacotes, a falta de remuneração para os editores, autores e
consultores ad hoc são algumas das razões para a insatisfação da comunidade científica.
Além disso, as universidades tornaram-se produtoras e consumidoras da mesma informa-
ção, pagando, pelo menos, três vezes na geração do conhecimento: 1) no momento da pesqui-
sa, ao pagar o salário do pesquisador; 2) para publicar, pois várias revistas cobram do autor para
publicar seu artigo; 3) para adquirir as revistas, muitas vezes através de assinaturas superfatura-
das que inviabilizam a manutenção das coleções nas bibliotecas.
76 A fundamentação do Movimento encontra respaldo em declarações que orientam as ini-
ciativas em andamento. Pohl (2003) e Sarmento, Miranda, Baptista e Ramos (2005) resumem
algumas das mais reconhecidas.

1.1 Declaração de Budapeste (Budapest Open Acess Iniciative - 2002)


Por acesso aberto à literatura científica entende-se sua disponibilização gratuita na Inter-
net, para que qualquer usuário possa ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, pesquisar
ou referenciar o texto integral dos documentos; processá-lo para indexação, utilizá-lo como da-
dos de entrada de programas para softwares, ou usá-lo para qualquer outro propósito legal, sem
barreira financeira, legal ou técnica. A única restrição é sobre a reprodução e distribuição, e o
único papel do copirraite é garantir aos autores o controle sobre a integridade de seu trabalho
e o direito à propriedade intelectual e de citação.

1.2 Declaração de Bethesda (2003)


Os autores e detentores dos direitos de autor concedem a todos os utilizadores o direito de
acesso gratuito, irrevogável, mundial e perpétuo, dando licença para copiar, utilizar, distribuir,
transmitir e exibir o trabalho publicamente. Realizar e distribuir obras derivadas, em qualquer
suporte digital e com qualquer propósito responsável, sujeito à correta atribuição de autoria,
bem como o direito de fazer um pequeno número de cópias impressas para seu uso pessoal
também são princípios de declaração. Depósito imediato após a publicação em um repositório
de acesso livre, vinculado às instituições acadêmicas, sociedades científicas ou agências gover-
namentais, comprometidas com o arquivamento em longo prazo, promoção do acesso aberto e
a interoperabilidade complementam o desejo da comunidade.

1.3 Declaração de Berlim (2003)


A declaração de Berlim está de acordo com as declarações de Budapeste e Bethesda e enfatiza o
papel que as universidades, agências de fomento, bibliotecas, museus e arquivos precisam levar em
consideração para garantir a efetiva concretização do que recomenda as declarações anteriores.
O Brasil também levantou a bandeira do acesso aberto, e a comunidade científica saiu em
luta desse caminho para a visibilidade do conhecimento gerado no país. Além de promover a

Capítulo 3 | O Movimento de Acesso Aberto, os Repositórios e as Revistas Científicas


visibilidade necessária ao conhecimento, o acesso aberto à informação surgiu como um meio
para melhorar as condições de vida das populações dos países em desenvolvimento.

1.4 Declaração de Salvador sobre Acesso Aberto:


a Perspectiva dos Países em Desenvolvimento (2005)
Os participantes do International Seminar on Open Access – evento paralelo do 9º Congresso
Mundial de Informação em Saúde e Bibliotecas e 7º Congresso Regional de Informação em Ciências
da Saúde – realizado em Salvador, em setembro de 2005, entenderam que o “Acesso Aberto sig-
nifica acesso e uso irrestrito da informação científica. Tem recebido apoio crescente em âmbito
mundial e é considerado com entusiasmo e grande expectativa nos países em desenvolvimen-
to” (Declaração de Salvador sobre o Acesso Aberto, 2005).
O Movimento promove a equidade e poderá aumentar a capacidade dos cientistas e acadê-
micos em acessar e contribuir para a ciência mundial. Além disso, os congressistas reafirmaram 77
os princípios das declarações anteriores e enfatizaram que “a circulação da informação científica
nos países em desenvolvimento tem sido limitada por inúmeras barreiras, incluindo modelos
econômicos, infraestrutura, políticas, idioma e cultura (Declaração de Salvador sobre o Acesso
Aberto, 2005).

1.5 Declaração de Florianópolis (2006)


Pesquisadores brasileiros da área de Psicologia, durante o XI Simpósio de Pesquisa e Intercâm-
bio Científico da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (ANPEPP, http://
www.anpepp.org.br), em maio de 2006, declararam o apoio ao movimento mundial de acesso
aberto. A convocatória é para a comunidade científica publicar os resultados de suas pesquisas
em repositórios e revistas de livre acesso, tornando pública a orientação do psicólogo brasileiro
com relação ao acesso aberto.

1.6 Declaração de Cuba (2007)


Em acordo com as declarações de apoio ao acesso aberto à literatura científica de Budapeste
(2002), Bethesda e Berlim (2003), Salvador (2005) e Florianópolis (2006), a Declaração de Cuba
reitera que os autores devem disponibilizar o conhecimento gratuitamente na Internet, para que
qualquer usuário possa ler, copiar, distribuir, imprimir, referenciar, indexar, processar os metada-
dos, ou utilizar para fins de investigação ou estudos o texto integral dos documentos. Sem barrei-
ras financeiras, legais ou técnicas, além do indispensável para a obtenção do acesso à Internet.
Enfatizando que a única restrição com relação a publicar o conhecimento em acesso aberto
deveria ser a garantia aos autores do controle sobre a integridade de seu trabalho e o direito à
propriedade intelectual e citações, os participantes do II Congresso da União Latino-Americana
das Entidades de Psicologia (ULAPSI), reunidos em Cuba, no ano de 2007, declararam o apoio ao
Movimento e alertaram para o perigo da exclusão informacional, que é a mais perversa e cons-
titui um dos piores tipos de exclusão à qual uma sociedade pode ser submetida. A Declaração
conclama a comunidade científica a publicar os resultados de suas pesquisas em repositórios
institucionais e nas bibliotecas virtuais de acesso aberto. No caso da Psicologia latino-ameri-
cana, a produção técnico-científica poderá ser publicada na Biblioteca Virtual da União Latino-
Americana das Entidades de Psicologia (BVS ULAPSI, http://www.psicolatina.org).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


As declarações refletem os fundamentos políticos e econômicos do Movimento e reafir-
mam a intenção da comunidade científica em romper com o modelo vigente de publicação, que
enriquece as editoras comerciais e pouco favorece o cidadão. É o cidadão que vem arcando com
grande parte dos custos da geração do conhecimento e, quase nunca, tem acesso ao conheci-
mento que contribuiu para ser criado.
Craveiro, Machado e Ortellado (2008) orientam que o Estado é o grande financiador da
pesquisa científica, da educação e da cultura no Brasil e os recursos vêm diretamente do contri-
buinte e explicam que

desde a década de 1960, o Estado estabeleceu uma política de imunidade tributária à indústria do livro,
tendo deixado de recolher, apenas no ano de 2007, cerca de 1 bilhão de reais em tributos como ICMS,
Imposto de Importação, Imposto sobre Serviço, PIS e COFINS/PASEP. Destinados a estimular e promover
a educação e a cultura, esses incentivos cumprem muito parcialmente o seu objetivo. As restritas exce-
ções e limitações de nossa lei de direitos autorais e a ausência de políticas para o licenciamento livre de
78 conteú­dos financiados com recursos públicos têm criado barreiras ao acesso público à informação. (p. 8)

Retirar o conhecimento das estantes das bibliotecas das regiões privilegiadas do país,
onde está restrito a uma pequena parcela da população e protegido pelo fantasma do direito
autoral, tornando a informação um bem público, parece ser um grande passo rumo ao desen-
volvimento nacional.

2 Open Archives Iniciative (OAI)


Um dos fundamentos tecnológicos do Acesso Aberto é a Iniciativa de Arquivos Abertos
(Open Archives Iniciative [OAI]).
A Iniciativa de Arquivos Abertos tem como principais preocupações a interoperabilidade
(ou compatibilidade) entre sistemas, ou arquivos, e sua preservação em longo prazo. Nesse mo-
vimento identificamos três elementos essenciais:

• os provedores de dados que disponibilizam informações estruturadas de acordo com meta-


dados padronizados e reconhecidos internacionalmente, como por exemplo o Dublin Core
(http://dublincore.org/);
• os provedores de serviços que fundamentalmente recolhem informações de diversos prove-
dores de dados para construir serviços de busca mais refinados e completos;
• o OAI-PMH (Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting), uma linguagem basea-
da em http e xml, criada para a extração normalizada de metadados e seu intercâmbio entre
os diversos provedores.

2.1 Linha do Tempo das Iniciativas em Acesso Aberto


• 1991 - ArXiv (http://arxiv.org/);
• 1996 - RePEc (Research Papers for Economics, http://repec.org);
• 1997 - CogPrints (Cognitive Sciences Eprint Archive, http://cogprints.or);
• 1998 - SciELO (Scientific Electronic Library Online, http://www.scielo.org);
• 2000 - PloS (Public Library of Science, http://www.plos.org);
• 2002 - Red Alyc (Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal,
http://redalyc.uaemex.mx);

Capítulo 3 | O Movimento de Acesso Aberto, os Repositórios e as Revistas Científicas


• 2003 - DOAJ (Directory of Open Access Journals, http://www.doaj.org/home);
• 2005 - PePSIC (Periódicos Eletrônicos em Psicologia, http://pepsic.bvs-psi.org.br/).

3 Vertentes do Acesso Aberto


O Movimento de Acesso Aberto promove a ampla disponibilização e distribuição da informação
científica publicada sob duas vertentes: em revistas de acesso aberto (Open Access Journals), conheci-
da como Gold Road, ou em repositórios institucionais ou temáticos, conhecida como Green Road.
Explica López (2005) que a denominada literatura cinzenta não dispunha de canais de di-
fusão e uso comparável à sua importância. Os trabalhos apresentados em congressos e as teses
permaneciam nas estantes das bibliotecas dos cursos e, com exceção dos catálogos locais e
dos serviços de comutação, o acesso era restrito e limitado. Uma dissertação de mestrado ou
tese de doutorado possui todos os requisitos de um trabalho científico. Entretanto, apesar de
todo esforço empregado pelo autor na construção do trabalho, poucas pessoas se beneficiam 79
do conteúdo ali publicado. Os repositórios institucionais (via verde da comunicação científica)
vieram para mudar esse quadro.

3.1 Repositórios Institucionais e Temáticos (Green Road)


Café et al. (2008, citados por Gomes, 2008) explicam que “o conteúdo de um repositório
institucional é bastante heterogêneo, tanto no que diz respeito à tipologia dos documentos
como com relação à multidisciplinaridade” (p. 9). Os documentos intelectuais são produzidos
por técnicos, pesquisadores e estudantes, tais como:

• teses, monografias e dissertações;


• trabalhos de conclusão de cursos (TCCs);
• postprints e preprints;
• working papers;
• relatórios técnicos;
• comunicações de conferências e congressos;
• materiais didáticos;
• relatórios de projetos de investigação;
• folhas informativas ou boletins de departamentos, centros de investigação ou laboratórios;
• trabalhos dos alunos.

Os repositórios têm como função armazenar, preservar e divulgar os documentos gerados


pela comunidade científica. Podemos destacar como objetivos específicos dos repositórios: a)
dar acesso a documentos gerados pelas instituições de ensino e pesquisa; b) proporcionar a
criação de indicadores de produção científica; c) contribuir com o registro e a preservação da
memória técnico-científica nacional.
O uso dos softwares livres que suportam os repositórios trazem vantagens para os desen-
volvedores e usuários desses sistemas, como destaca Gomes (2008):

• como o código-fonte é aberto, o sistema pode ser estudado por um programador e adaptado
às necessidades da instituição;
• não possuem licenciamento, eles podem ser utilizados por vários usuários simultâneos nos
seus próprios ambientes de trabalho, sem custo adicional;

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


• os softwares podem ser usados por qualquer pessoa física ou jurídica, para qualquer tipo de
trabalho, com acesso 24 horas, sem a necessidade de notificar o desenvolvedor do sistema;
• permitem a inserção de outros materiais, sem a necessidade de investimentos.

Concordamos com Hexsel (n.d.) que é necessário categorizar os tipos de softwares utiliza-
dos na construção de repositórios, de acordo com a natureza de aquisição:

• Software Livre (Free Software): o código-fonte está disponível para qualquer pessoa alterar e
adequar às suas necessidades, sendo gratuito ou com custo de aquisição;
• Software Caseiro: desenvolvido na própria instituição por uma equipe interna, ou contratada
especialmente para a prestação de serviços de Tecnologia de Informação (TI);
• Software Gratuito (Freeware): software disponível sem necessidade de pagamento pelo uso,
porém seu manuseio não permite a alteração do código-fonte;
• Software Comercial: desenvolvido pelas empresas com a finalidade de obter ganhos na dis-
80 ponibilização do produto no mercado.

Apoiados no trabalho de Gomes (2008), destacamos alguns exemplos de softwares disponí-


veis no mercado para a construção de repositórios.

CDS INVENIO
O software é distribuído e mantido pelo CERN Document Server e licenciado sob termos da
GNU General Public Licence (GPL). É um software livre para o desenvolvimento de repositórios
institucionais. Oferece a possibilidade de acesso ao suporte gratuito ou contratado, que é perso-
nalizado. O download do produto pode ser feito através do endereço eletrônico: http://cdsware.
cern.ch/invenio/download.html/.

E-PRINTS
Desenvolvido pela Escola de Eletrônica e Ciência da Computação da Universidade de Sou-
thampton (Reino Unido) – encontra-se disponível desde o ano 2000. É um software livre sob
licença GPL, utilizado para o desenvolvimento de repositórios institucionais. Para utilizar o siste-
ma basta fazer o download no endereço eletrônico: http://software.eprints.org/.
Hoje, 157 repositórios são desenvolvidos através do software E-prints. A equipe de trabalho
do software E-prints oferece assessoria e consultoria para as instituições que não tenham recur-
sos necessários para construir e manter seu repositório.

NOU RAU
Software gratuito, desenvolvido no Brasil, com o objetivo de implementar um sistema on-
line para arquivamento e indexação de documentos, provendo o acesso controlado e mecanis-
mos eficientes para busca. Sua arquitetura atual é resultado de um projeto desenvolvido pelo
Instituto Vale do Futuro, em parceria com o Centro de Computação da Unicamp. Para download
do software o usuário deverá acessar o site do Centro de Computação da Unicamp (CCU), onde,
também, está disponível um guia de instalação do sistema para facilitar sua operação.

PHRONESIS
Patrocinado pelo CONACYT (Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia do México),
através da REDII (Red de Desarroloo e Investigación en Informática) e Desenvolvimento e

Capítulo 3 | O Movimento de Acesso Aberto, os Repositórios e as Revistas Científicas


Tecnológico de Monterrey, o Phronesis é um software gratuito, oferecido para criação de
repositórios e bibliotecas digitais. O software está disponível a partir do endereço eletrôni-
co: http://copernico.mty.itesm.mx/phronesis/project/. No site existe um guia de instalação
do sistema, para auxiliar o usuário.

FEDORA
O The Flexible Extensible Digital Object and Repository Architecture (FEDORA) teve o seu de-
senvolvimento a partir de pesquisas realizadas por Carl Lagoze e Sandy Payette da Universidade
de Cornell. Em parceria com pesquisadores da Universidade da Virginia o software foi concluído,
resultando na base para um prático sistema de desenvolvimento de biblioteca digital.
Em 2001, a fundação Andrew W. Mellon apoiou o grupo para que desenvolvesse um repo-
sitório digital, o que resultou na criação do software Fedora. O sistema de código aberto possui
uma estrutura configurável, dedicada à construção e administração de repositórios e bibliotecas
digitais. Distribuído sob Licença Pública Mozilla (License Mozilla Public), pode-se fazer o download 81
através do endereço eletrônico: http://www.fedora.info/. Um guia para instalação e configura-
ção do software e listas de discussões de usuários do sistema também estão disponíveis.

DSPACE
Desenvolvido pelas bibliotecas do MIT (Massachusetts Institute of Technology), foi projetado para
reunir, preservar, gerenciar e disseminar a produção intelectual de uma determinada instituição em
formato digital. Disponibilizado em novembro de 2002, de acordo com os termos da BSD distribution
license (open sources licences), o Dspace é um software gratuito que pode ser utilizado por universi-
dades, centro de investigações, escolas, departamentos laboratoriais, centro de pesquisa ou mesmo
por iniciativas de caráter particular. O download pode ser feito através do website da SourceForge, no
endereço http://libraries.mit.edu/dspace-mit/index.html, ou através do site HP Labs downloads.
Uma versão em língua portuguesa foi parametrizada pela Universidade do Minho, em Por-
tugal, e pode ser descarregada através do endereço: http://dspace-dev.dsi.uminho.pt:8080/pt/
dspaceUM_repositorium.jsp. Este pode ser livremente adaptado e expandido funcionalmente,
nos termos da BSD Open Source License, que possibilita às instituições a adaptação da platafor-
ma para que seja adequada às suas necessidades. O suporte é feito através do próprio site, no
endereço eletrônico: http://www.dspace.org/

3.1.1 Exemplos de Repositórios Institucionais


RepositóriUM. Desenvolvido pela Universidade do Minho, utiliza o software DSPACE e foi
construído com o objetivo de dar visibilidade e acessibilidade ao conhecimento gerado nessa
Universidade, além de contribuir para a preservação da memória institucional (Disponível em:
http://repositorium.sdum.uminho.pt).

Reposcom. Repositório Institucional da Intercom e da Portcom. Repositório de acesso pú-


blico que armazena, processa, indexa, preserva, dissemina e compartilha a produção técnica,
científica, administrativa e normativa da Intercom e da Portcom. Utiliza o DSPACE e está dispo-
nível em: http://reposcom.portcom.intercom.org.br/dspace/handle/1904/12505.

CogPrints. Cognitive Science Eprint Archive. Repositório de autoarquivamento na área de Psi-


cologia, Neurociência, Linguística e outras áreas do conhecimento ligadas à cognição. Utiliza o
software E-Prints, desenvolvido pela School of Electronics da Computer Science, da Universidade

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


de Southampton. Possibilita buscas complexas por ano de publicação e por palavras-chave nos
trabalhos autopublicados (Disponível em: http://cogprints.org).

4 As Revistas Científicas e o Acesso Aberto


As revistas científicas são as grandes motivadoras do movimento de acesso aberto, pois são
elas que controlam a maior parte da produção científica. A adesão das revistas ao Movimento
pode ser verificada através das políticas por elas adotadas com relação à publicação de seus
conteúdos com acesso livre. As políticas podem variar nos níveis de permissão ao arquivamento,
que vão desde a disponibilização imediata, após a aprovação dos artigos, até os mais variados
períodos de embargos. Além disso, podem incluir também restrições sobre quais versões dos
artigos poderão ser depositadas em repositórios institucionais ou temáticos.
Como parte do projeto SHERPA, consórcio que reúne bibliotecas universitárias britânicas para a
82 criação e manutenção de repositórios, foi criado um serviço chamado ROMEO (http://www.sherpa.
ac.uk/romeo/index.html) com informações sobre as políticas de autoarquivamento e direitos auto-
rais de um grande número de revistas científicas classificadas com as seguintes cores:

• verde: revistas que permitem o arquivamento do preprint e postprint;


• azul: revistas que permitem o arquivamento apenas do postprint;
• amarelo: revistas que permitem o arquivamento do preprint;
• branca: revista que não apoia o arquivamento.

Embora o fato de uma revista adotar uma política clara e favorável ao arquivamento, mes-
mo com restrições de versões e embargo de tempo, representar um avanço dentro do Movi-
mento de Acesso Aberto, nada pode superar os benefícios trazidos por iniciativas individuais ou
coletivas de revistas publicadas totalmente em acesso aberto.
O acesso aberto à informação não pode depender somente do compromisso ético, social e
moral da comunidade científica com a sociedade, mas deve ser amparado por leis que garantam
ao cidadão seu direito de acesso à informação, principalmente aquela que resulta de pesquisas
financiadas com o dinheiro público.
O European Research Council (ERC) tornou público, em janeiro de 2008, suas diretrizes de
acesso aberto. Trata-se da primeira política de alcance europeu. Um fato que aumenta a impor-
tância dessas diretrizes deve-se ao montante de dinheiro investido pelo ERC em pesquisa, cerca
de 15% do total investido pela União Europeia em seu The Seventh Framework Programme (2007-
2008), aproximadamente, 7,5 bilhões de euros (http://weblogs.madrimasd.org).
Vale destacar que o ERC exige que todas as publicações revisadas por pares (peer-reviewed)
de projetos de pesquisa por ele financiados estejam depositadas em um repositório apropriado,
como o PubMed Central, ArXiv, ou em um repositório institucional, e em acesso aberto dentro
do prazo máximo de 6 meses, após a publicação (http://weblogs.madrimasd.org).
Nos Estados Unidos, um dos maiores mercados de informação científica do mundo, dois fatos
recentes e de grande importância impulsionam ainda mais o Movimento de Acesso. O primeiro
foi a assinatura da lei (Consolidated Appropriations Act of 2007, HR. 2764) em 26/12/2007 que torna
obrigatório que toda pesquisa financiada pelo National Institute of Health (NIH) e publicada em
revistas com procedimentos de avaliação por pares seja depositada em seu repositório PubMed
Central (PMC) em um prazo não superior a 12 meses, tornando-a universalmente acessível. (Cen-
tro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde [BIREME], 2008).
O segundo fato, que aconteceu em maio de 2008, foi a assinatura de uma moção pela Escola de
Direito da Universidade de Harvard para que todos os artigos publicados por seus professores esti-

Capítulo 3 | O Movimento de Acesso Aberto, os Repositórios e as Revistas Científicas


vessem disponíveis em acesso livre. Essa moção seguiu o exemplo de outra assinada em fevereiro
pela Escola de Artes e Ciências da mesma universidade (http://cyber.law.harvard.edu/node/4273).
No Brasil está em tramitação o Projeto de Lei PL 1120/2007 (2007), que dispõe sobre o pro-
cesso de disseminação da produção técnico-científica pelas instituições de ensino superior no
país. Em seu artigo 1º propõe que

as instituições de ensino superior de caráter público, assim como as unidades de pesquisa, ficam obri-
gadas a construir os seus repositórios institucionais, nos quais deverão ser depositados o inteiro teor da
produção técnico-científica conclusiva do corpo discente, com grau de aprovação, dos cursos de mestra-
do, doutorado, pós-doutorado ou similar, a produção técnico-científica conclusiva do corpo docente dos
níveis de graduação e pós-graduação, assim como a produção técnico-científica, resultado das pesquisas
realizadas pelos seus pesquisadores e professores, financiadas com recursos públicos, para acesso livre na
rede mundial de computadores – INTERNET. (http://www.camara.gov.br/sileg/integras/461698.pdf)

Esse projeto de lei representa um marco do acesso aberto na América Latina, pois o Brasil é 83
o primeiro país da região a propor um mecanismo legal dessa natureza.
Tratando especificamente dos direitos autorais, a Internet também criou, ou possibilitou,
uma séria de situações não previstas pelo direito “tradicional”. Outras formas criativas vêm sur-
gindo para garantir os direitos dos autores, sem que seja necessário restringir a circulação da
informação. Uma das mais populares é a Creative Commons (creativecommons.org), criada em
2001, por James Boyle (especialista em direito na Internet), Michael Carrol, Lawrence Lessing,
Hal Abelson (professores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts), Eric Saltzman e Eric El-
dred (editores web de domínio público), financiados pela Faculdade de Direito da Universidade
de Stanford e pela Sociedade de Domínio Público. Trata-se de um movimento que reflete “as
mudanças na regulamentação do direito autoral que contradizem a tradição construída nos sé-
culos XIX e XX” (Lemos, 2005, p. 184), em que o conceito de copirraite (todos os direitos reserva-
dos) passa para “alguns direitos reservados”.
Creative Commons cria e disponibiliza uma série de licenças para que o autor possa escolher
a forma como gostaria de publicar sua obra. As licenças podem ser diferentes em cada país devi-
do às particularidades jurídicas. Para garantir a validade das licenças, cada país possui um órgão
que coordena as atividades do Creative Commons.
No Brasil, a Faculdade de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro, cum-
pre esse papel. Para conhecer mais detalhadamente essa iniciativa, vale acessar o site: http://
www.creativecommons.org.br/.
Já é comum encontrar a marca Creative Commons em sites de eventos (http://www.ciberso-
ciedad.net/congres2004/) e mesmo em portais de revistas científicas (redalyc.uaemex.mx/).

4.1 Scientific Electronic Library Online (SciELO)


O Scientific Electronic Library Online (SciELO, http://www.scielo.br) é uma das iniciativas mais
profícuas nesse contexto de Open Acess. Lançado em 1997, é o resultado de um projeto de pes-
quisa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), em parceria com o
Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME), e, desde
2002, conta com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
(CNPq). A promoção da visibilidade das revistas através da publicação em formato eletrônico,
convênios com bases de dados internacionais, rígidos critérios de seleção e permanência no
portal e a publicação de relatórios de uso e impacto configuram o conceito de qualidade das
revistas SciELO.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Os resultados positivos obtidos no Brasil chamaram a atenção da comunidade científica
internacional, e hoje existem portais em vários países da América Latina, além de Espanha e Por-
tugal, que utilizam a mesma metodologia e constituem uma rede: a Rede SciELO. Vale destacar
que SciELO é uma iniciativa pioneira e inseriu a América Latina no Movimento de Acesso Aberto.
É inegável que o trabalho realizado no âmbito do projeto SciELO, ao longo dos anos, para a in-
serção das revistas científicas brasileiras no mundo das publicações eletrônicas, alcançou mui-
tos avanços. Ao acessar uma revista da coleção, verificamos uma série de elementos somente
possíveis no ambiente virtual: a publicação de cada artigo imediatamente após sua aprovação,
serviços de pesquisa automática por similaridade dentro da própria coleção e em buscadores
da Internet, links com bases de dados bibliográficas e de currículos de pesquisadores são alguns
exemplos. Outro recurso importante é a compatibilidade com o protocolo OAI-PMH (Open Ar-
chives Initiative Protocol for Metadata Harvesting), que permite o intercâmbio de metadados com
várias instituições e bases de dados de forma automática. Uma crítica inicial foi o fato de que a
coleção SciELO era formada majoritariamente por revistas da área de ciências da saúde, o que
84 deixava as demais áreas com pouca representatividade. O trabalho cuidadoso com a gestão
do portal ao longo dos anos promoveu um equilíbrio entre as publicações de todas as áreas, e
essa crítica perdeu o sentido. Os avanços mais recentes estão na área de gestão editorial com a
inclusão do Sistema Submission na Metodologia SciELO.
Dessa forma, todo o processo de produção da revista, da submissão à indexação em bases
dados, poderá ser realizado na Internet. Veja maiores detalhes no capítulo que trata dos editores
e do corpo editorial.

4.2 Red de Revistas Científicas de


América Latina y el Caribe, España y Portugal (Redalyc)
Redalyc (Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal, http://
www.redalyc.org/), lançado em 2003, é um projeto da Universidad Autónoma del Estado de México
(UAEM), que tem como objetivo contribuir para a difusão da atividade científica editorial que se
produz sobre e nos países ibero-americanos. Trata-se de um portal multidisciplinar, embora as áreas
mais privilegiadas sejam as de ciências sociais e humanidades, em oposição ao que se praticava
no SciELO em seus primeiros anos. O portal possui revistas de todos os países da América Latina,
Espanha e de Portugal. As revistas publicadas passam por um processo de seleção segundo os
critérios Latindex (http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/src/proyecto/criterios.html).
Além da publicação das revistas no portal, o Redalyc oferece uma série de facilidades para
os editores, como cursos de atualização sobre qualidade de publicações, sistema de gestão edi-
torial e, também, estatísticas de uso do site, mas não publica indicadores de impacto. Diferente-
mente do portal SciELO, tem declarada a sua política de uso e de proteção aos direitos do autor
através das licenças Creative Commons.

4.3 Periódicos Eletrônicos em Psicologia (PePSIC)


O portal de Periódicos Eletrônicos em Psicologia (PePSIC, http://pepsic.bvs-psi.org.br/),
lançado em 2005, é o resultado de uma parceria entre a Biblioteca Virtual em Saúde – Psi-
cologia (BVS-Psi), Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia (ABECiP) e União
Latino-Americana de Entidades de Psicologia (ULAPSI), e para sua estruturação conta com o
apoio do Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME),
que cedeu a Metodologia SciELO e o suporte técnico especializado. Graças a esse fato, o PePSIC

Capítulo 3 | O Movimento de Acesso Aberto, os Repositórios e as Revistas Científicas


se beneficia dos recursos técnicos disponíveis para o portal SciELO, o que tem possibilitado a
publicação das revistas, o intercâmbio de registros com bases de dados e a produção de indi-
cadores de uso e impacto.
A idealização do projeto ocorreu durante o I Encontro de Editores Científicos da Área de Psi-
cologia, realizado em São Paulo, em agosto de 2004, ocasião em que se discutiu, entre outras
coisas, a inserção das publicações da área no meio eletrônico. O quadro desenhado não era
muito animador, além de 4 títulos no portal SciELO e mais 4 ou 5 iniciativas isoladas sem muito
sucesso, a área vivia alheia às exigências mais atuais para publicação eletrônica.
O portal SciELO tornou-se um espaço almejado por editores de todas as áreas do conheci-
mento, e com a Psicologia não era diferente. No entanto, os objetivos de divulgação da produ-
ção científica brasileira, através de um grupo seleto de periódicos, exigiam e, ainda exigem, um
rigoroso processo de seleção que inviabiliza a inclusão de grande parte das publicações.
Dessa forma, tornava-se urgente e necessária a criação de um ambiente de qualidade que
considerasse as características e o estágio diferenciado das revistas. Nesse contexto o PePSIC
surgiu, não apenas como um meio de dar mais visibilidade e acesso à produção científica, mas 85
com a nobre e difícil missão de modernizar os processos de publicação e incluir os periódicos da
área de Psicologia no ambiente virtual.

5 Considerações Finais
A tecnologia aproximou as pessoas e vem possibilitando a realização de ações inimaginá-
veis antes de sua chegada. A construção coletiva materializa-se no espaço virtual, e o comparti-
lhamento de informações aparece como uma forma privilegiada de interação social.
A publicação digital promove a visibilidade da ciência e possibilita a continuidade da cons-
trução do conhecimento. Graças ao meio virtual, uma pesquisa pode ser realizada por parceiros
em várias partes do mundo e comunicada a milhares de pessoas que poderão se beneficiar de
suas descobertas.
O código aberto dos softwares livres, os repositórios de autoarquivamento, os wikis são
exemplos de relações sociais colaborativas nas quais o conhecimento pode ser produzido, dis-
seminado e usado de modo compartilhado. A combinação do código aberto com as licenças de
uso assegura que o processo de produção colaborativa se efetive e não seja interrompido pela
apropriação privada de seus produtos.
Assim, iniciativas de Acesso Aberto como os repositórios institucionais e temáticos, as bi-
bliotecas virtuais, os periódicos com texto completo são todas muito bem-vindas e devem ser
incentivadas, principalmente por aqueles profissionais que têm no conhecimento e na informa-
ção a razão de existir de seu labor.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Referências

Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde. (2008, janeiro). Lei obriga o depó-
sito de artigos de pesquisas financiadas pelo NIH. Newsletter: Biblioteca Virtual em Saúde, (77). Recuperado
em 22 de março de 2008, de http://espacio.bvsalud.org/boletim.php?newsletter=20080109&newsLang=p
t&newsName=Newsletter%20BVS%20077%2009/janeiro/2008&articleId=12182834200735
Craveiro, G., Machado, J., & Ortellado, P. (Orgs.). (2008). O mercado de livros técnicos e científicos no Brasil: sub-
sídio público e acesso ao conhecimento. São Paulo: Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à
Informação da Universidade de São Paulo (GROPAI). Recuperado em 03 de junho de 2008, de http://www.
gpopai.usp.br/relatoriolivros.pdf
Declaração de Salvador sobre o Acesso Aberto: a perspectiva dos países em desenvolvimento. (2005). Recuperado
em 19 de março de 2008, de http://www.icml9.org/channel.php?lang=pt&channel=86&content=428
Gomes, V. (2008). Repositório institucional: uma proposta para a Biblioteca da Fundação Escola de Sociologia e
Política de São Paulo. Trabalho de Conclusão de Curso, Curso de Gerenciamento de Produtos e Serviços de
86
Informação, Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo.
Hexsel, R. (n.d.). O que é software livre? Recuperado em 04 de março de 2008, de http://www.softwarelivre.
gov.br/Swlivre
Lemos, R. (2005). Creative commons, mídia e as transformações recentes do direito da propriedade intelectual.
Revista DireitoGV, 1(1), 181-187.
López, J. R. (2005). Ciencia y comunicación científica: edición digital y otros fundamentos del libre acceso al
conocimiento. El Profesional de la Información, 14(4), 246-254.
Projeto de Lei 1120/2007. (2007). Recuperado em 20 de março de 2008, de http://www.camara.gov.br/sileg/
integras/461698.pdf
Pulino Filho, A. R. (2006). A atividade Wiki em Moodle. Moodle Brasil – Ambiente de aprendizagem. Recuperado
em 24 de julho de 2008, de http://uab.unb.br/file.php/1/moddata/data/1/2/6/wikis.pdf
Pohl, C. E. E. (2003). Lineamentos para la publicación electrónica en la Argentina. Dissertação de Mestrado, Cen-
tro de Estúdios sobre Ciéncia. Dessarollo y Educación Superior. Recuperado em 30 de julho de 2006, de
http://www.centroredes.org.ar
Sarmento, F., Miranda, A., Baptista, A. A., & Ramos, I. (2005). Algumas considerações sobre as principais decla-
rações que suportam o movimento Acesso Livre. Recuperado em 28 de julho de 2006, de http://www.icml9.
org/program/track5/public/documents/Fernanda%20Sarmento-112444.pdf
Silió, T. (2005). Fundamentos tecnológicos del acceso abierto: Open Archives Iniative y Open Archival Infor-
mation System. El Profesional de la Información, 14(5), 365-373. Recuperado em 31 de junho de 2008, de
http://eprints.rclis.org/archive/00005887/01/EPITSilio.pdf

Capítulo 3 | O Movimento de Acesso Aberto, os Repositórios e as Revistas Científicas


Capítulo 4
A Estrutura Editorial de um Periódico Científico
Piotr Trzesniak

No texto a seguir, serão apresentadas questões que permitirão às editoras e aos editores 87
autoavaliar-se diante de cada uma das preocupações enunciadas, bem como estabelecer as ins-
tâncias da estrutura editorial que contribuem para o seu cumprimento. A quantidade de recursos
materiais e humanos exigidos pela estrutura evidentemente dependerá da dimensão do perió-
dico (que estabeleceremos em termos de artigos analisados por ano). Mas a existência de cada
instância, mesmo que pequena em porte, é fundamental para periódicos em qualquer escala.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1 Três Requisitos para a Revista Científica
A primeira e principal preocupação de um periódico científico deve ser levar aos seus leito-
res-pesquisadores (e pesquisadoras) o conhecimento novo e relevante dentro de sua área temática.
As outras duas, sem precedência de uma sobre a outra, são fazê-lo a tempo e hora e perenizar-se,
ou seja, existir para sempre. Somente atendendo a essas condições, a revista fará efetivamente
jus ao adjetivo científica. Nenhuma delas pode faltar.1

2 Garantia de Perenidade: a Retaguarda


Institucional e o Comitê/Conselho de Política Editorial
A pergunta-chave é: o que acontece com a revista se o atual editor vier a faltar? Caso a resposta
seja “não se sabe” ou, pior, “a revista para de circular”, algo precisa ser feito com muita urgência.
88
Não é saudável um periódico científico existir unicamente com base no sonho e no entu-
siasmo de uma pesquisadora ou de um pesquisador, embora encontremos essa situação com
frequência muito maior que o desejável. Uma revista precisa ter, em sua retaguarda, uma en-
tidade – uma associação científica, um departamento, um programa de pós-graduação, uma
universidade, um instituto de pesquisas, ou, muito melhor, uma associação de entidades dessa
natureza. E mais, tal respaldo não pode ser apenas nominal. É preciso que, no estatuto, regu-
lamento ou regimento da entidade ou entidades, a existência e a perenidade da publicação
estejam explicitamente mencionadas.
A existência de uma retaguarda institucional implica a existência do Comitê ou Conselho
de Política Editorial. Trata-se de um grupo de quatro a nove pessoas representativas: (1) da
ou das entidades que integram a retaguarda; (2) de órgãos de fomento; (3) de instituições de
pesquisas em geral; (4) da ou das áreas profissionais que aplicam o conhecimento veiculado
na revista; (5) outras que a retaguarda institucional julgar convenientes. O editor científico ou
geral da revista também integra esse Conselho/Comitê, exceto quando se tratar de decidir so-
bre a permanência dele próprio na função. A propósito, escolher o editor é uma das principais
atribuições desse Colegiado.
De modo mais formal, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2003, p. 2) con-
ceitua Conselho Editorial como “grupo de pessoas encarregadas de elaborar diretrizes, estabe-
lecendo o perfil político-editorial de uma editora”. Para os fins deste capítulo, é só substituir
editora por periódico nesse enunciado. Similarmente, segundo LoBianco et al. (2002), “Comissão
Editorial é formada por um grupo de pessoas que examina as questões administrativas e políti-
cas da revista”.
Uma importante característica do Conselho/Comitê de Política Editorial, e que serve para
distingui-lo totalmente do Corpo Editorial Científico, é que ele, diversamente deste último, atua
e toma decisões em conjunto, em reuniões presenciais ou não.
Conforme Trzesniak (2001) são as seguintes as atribuições do Conselho/Comitê de Polí-
tica Editorial:
• discutir, emendar (se for o caso) e aprovar as regras para a sua própria constituição;
• discutir, redigir e aprovar a Política Editorial, tendo em vista a natureza, a proposta e a vocação
das Entidades que emprestam suporte ao periódico2;

1 Reparem, leitora e leitor, que estamos conscientes de que nenhuma função no periódico é privilégio de mulheres ou de homens. Por
simplicidade e clareza, porém, usaremos a convencional linguagem masculina ao longo do texto (pedindo desculpas...).
2 Trzesniak (2001) apresenta, no apêndice 2, uma série de ideias para a preparação de uma política editorial.

Capítulo 4 | A Estrutura Editorial de um Periódico Científico


• discutir, redigir e aprovar a Missão da revista, necessariamente mencionando a forma de revi-
são dos artigos;
• discutir, emendar (se for o caso) e aprovar as regras para escolha do editor geral3;
• discutir, emendar (se for o caso) e aprovar as regras para constituição do Corpo Editorial
Científico;
• discutir, emendar (se for o caso) e aprovar o Regulamento do Periódico, que deverá contem-
plar mídia, periodicidade ou equivalente, seções que existirão, possibilidade de números
especiais, edições compostas por artigos provenientes de eventos, existência e número
de editores (associados/adjuntos, convidados, assistentes), bem como alguns dos aspec-
tos mencionados em outros itens dessas atribuições. (O regulamento fixa a estrutura do
periódico);
• sugerir critérios gerais para recusa e aceitação dos trabalhos contribuídos;
• discutir, emendar (se for o caso) e aprovar o intercâmbio e a cooperação com outros periódicos;
• discutir (se for o caso) e aprovar a política de circulação e distribuição do periódico (mem-
bership journal de uma ou mais Sociedades Científicas, assinaturas estudantis, individuais, 89
profissionais e institucionais, quota de exemplares para divulgação e cortesia etc.);
• discutir, emendar (se for o caso) e aprovar o balanço da revista, relativo do ano fiscal imedia-
tamente anterior;
• discutir, emendar (se for o caso) e aprovar o orçamento da revista para o ano fiscal imediata-
mente subsequente.

Tratando-se de um periódico cujo conteúdo esteja disponível integralmente na Internet,


compete ainda ao Comitê de Política Editorial manifestar-se sobre os três itens adiante, dos
quais os dois últimos são dispensáveis para revistas que mantenham uma versão impressa em
paralelo:

• definir gratuidade, cobrança ou restrição para o acesso ao periódico online;


• estabelecer o espelhamento do site da revista em servidores localizados em pelo menos três
estados da federação;
• zelar pela obediência atenta, escrupulosa e permanente das diretrizes para a preservação
de documentos e objetos digitais difundidos através da revista, conforme preconizado pelas
entidades nacionais e internacionais especializadas em Ciência da Informação.

A perenidade do periódico, então, se configura quando (1) existe uma instituição (ou um
consórcio) que tenha estabelecido sua produção e manutenção como um de seus principais
objetivos, (2) haja um Comitê/Conselho de Política Editorial, com a constituição e as atribuições
descritas nesta seção, e (3) a revista possua um Regulamento, contemplando os aspectos tam-
bém abordados na discussão das atribuições do Comitê/Conselho.

3 Garantia da Credibilidade Científica I:


o Corpo Editorial Científico
O Corpo Editorial assegura a credibilidade de uma revista e tem responsabilidades que vão
além das atividades descritas para cada função. Na verdade, cada membro do corpo editorial e
assessores são formadores de autores.

3 Para ideias sobre a escolha do editor geral, ver Trzesniak (2004).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


3.1 Conceito e Atribuições
Este é um colegiado necessariamente multi-institucional, constituído por pesquisadores es-
pecialistas distribuídos uniformemente tanto cientificamente (ou seja, pelas áreas e subáreas das
ciências e da tecnologia a que o periódico se dedicar) como geograficamente (isto é, pelas regiões
onde a revista pretende circular representativamente). Formalmente, é conceituado tanto pela
ABNT (2003, p. 2) como um “grupo de pessoas responsáveis pela seleção de textos a serem pu-
blicados, que se enquadrem na política editorial” (embora essa conceituação inclua os editores
propriamente ditos), como por LoBianco et al. (2002):

Consiste no grupo de pesquisadores, eleito ou escolhido, para auxiliar o editor na tomada de decisões
sobre os originais a serem publicados (decisões sobre o encaminhamento do processo editorial, escolha
dos consultores ad hoc, discussão de dúvidas sobre pareceres e sobre publicação ou rejeição de origi-
nais). Este grupo pode ter um mandato e é consultado com freqüência pelo editor. Deve ser integrado
90 por pesquisadores reconhecidos na área e subáreas em que a revista publica.

Diversamente do Comitê/Conselho de Política Editorial, o Corpo Editorial Científico não


atua em bloco, ele não se reúne para discutir ou votar matérias, nem toma decisões coletivas.
Seus integrantes trabalham isoladamente e cada um interage com o editor separadamente dos
demais. Nesse sentido, poderia ser considerado no máximo um grupo de conselheiros individuais,
mas nunca um Conselho, com unidade e identidade.
Também diversamente com relação aos integrantes do Comitê de Política Editorial, os do
Corpo Editorial Científico têm um envolvimento significativo com o conteúdo dos fascículos e
dos artigos, preocupando-se com a uniformidade, a continuidade, a qualidade e o rigor cien-
tífico do que é publicado. Assim, conforme Trzesniak (2001), e de pleno acordo com a citação
anterior de LoBianco et al. (2002), eles podem, na respectiva área de especialidade científica:

• atuar como consultores do editor geral relativamente à interpretação da Política Editorial;


• apontar pareceristas;
• analisar pareceres e, com base neles, recomendar a rejeição ou publicação de originais;
• atuar como árbitros de desempate, quando uma contribuição tiver recebido pareceres anta-
gônicos;
• supervisionar todo o processo de arbitramento de artigos, por delegação do editor geral
(mas não tramitar fisicamente os originais, que é problema da Secretaria Editorial).

Quando o envolvimento de um integrante do Corpo Editorial Científico com um determina-


do artigo for além da mera definição dos pareceristas, ele se tornará corresponsável (juntamen-
te com o autor e o editor geral) pelo respectivo conteúdo.
É discutível, sob o ponto de vista ético, uma revista incluir, em seu Corpo Editorial Científico,
pesquisadores que não se envolvam ativamente com os artigos que ela publica; é igualmente
discutível, nessas circunstâncias, que o pesquisador permita tal inclusão.

3.2 Constituição e Renovação do Corpo Editorial Científico


• O número de integrantes deverá estar entre 20% e 35% da expectativa de submissões anuais4,
com um mínimo de dois pesquisadores por área/subárea do conhecimento a que o periódico

4 Para fins deste capítulo, um original transforma-se em uma submissão após aprovação nas revisões de recebimento técnico (atendi-
mento às normas de apresentação de contribuições) e editorial (enquadramento na política editorial da revista).

Capítulo 4 | A Estrutura Editorial de um Periódico Científico


se dedicar; desse modo, amplia-se a probabilidade de sempre ter ao menos um especialista
disponível para trabalhar com um dado artigo, e mantém-se uma média entre seis e três
intervenções por ano para cada um.
• A composição do Corpo Editorial Científico será tanto mais saudável quanto (1) maior for
o número de instituições/estados/países representados, e (2) menor for a concentração de
membros por instituição/estado/país.
• A constituição deve constar na página (site) da revista, com nome, área de atuação e afiliação
institucional (inclusive país) de todos os integrantes.
• Nomeação e destituição dos integrantes são de responsabilidade do editor geral, que pode fazê-
lo livremente ou mediante consulta aos editores associados e/ou ao Comitê de Política Editorial.
• Subentende-se que todo o Corpo Editorial Científico é revisto quando da substituição do
editor geral, podendo ser integralmente renovado.
• Os curriculum vitae dos integrantes devem permanecer arquivados in aeternum na Secretaria
da Revista, devendo ser atualizados periodicamente enquanto o vínculo persistir.
91

4 Garantia da Credibilidade Científica II:


Consultores (ou Revisores) ad hoc do Periódico Científico
Finalmente, há os árbitros, pareceristas, consultores ad hoc ou revisores ad hoc. Estes dão parecer
sobre um determinado artigo de um certo fascículo, e com isso concluem sua participação no perió-
dico. Não mantêm, com ele, um vínculo permanente (como acontece com os integrantes do Corpo
Editorial Científico), não integram ou constituem um organismo ou unidade como um Corpo ou um
Conselho. Eles não precisam preocupar-se com uma continuidade ou uniformidade temática ao lon-
go da coleção. São, assim, literalmente ad hoc (que quer dizer para isso, para um determinado ato).
O requisito colocado sobre um revisor ad hoc não é o de uma contribuição científica conti-
nuada com respeito ao assunto de que trata o artigo a rever, mas o de um grau elevado de domí-
nio sobre esse assunto naquele momento. Um doutorando que tenha concluído uma profunda e
abrangente revisão bibliográfica do tema, ou, nas áreas aplicadas, uma pessoa com experiência
profissional significativa, mesmo que não titulada academicamente, pode perfeitamente de-
sempenhar o papel − desde que o segundo revisor seja um cientista experiente.
Consultores ad hoc são livres, porém cuidadosamente escolhidos pelo editor geral ou pelo inte-
grante sênior da Equipe Editorial que dele receber, por delegação, a incumbência de conduzir o pro-
cesso de revisão de um dado artigo (editor associado, editor assistente sênior, editor convidado ou
integrante do Corpo Editorial Científico). Livremente porque não há lista ou necessidade de aprovação
a priori de um consultor ad hoc. Cuidadosamente porque esses consultores não devem nem perten-
cer a uma mesma instituição nem pertencer à instituição de qualquer dos autores. Preferencialmente,
aliás, devem ser de unidades da federação (ou países) distintas das de qualquer dos autores.
A critério dos editores, a revisão dos artigos pelos consultores ad hoc pode ocorrer nos sis-
tema aberto, simples-cego ou duplo-cego. No primeiro caso, os autores sabem quem são as pa-
receristas e vice-versa. No segundo, os consultores têm conhecimento de quem são os autores,
mas não o inverso. No terceiro, o anonimato é mantido para ambas as partes.
Não é necessário que as revistas mantenham cadastros de revisores ad hoc, embora seja
comum que o façam, com as mais diversas finalidades: agilizar a seleção, evitar sobrecargas,
avaliar a rapidez e a qualidade das respostas etc. Tipicamente, o número de pareceristas de um
periódico é de duas a três vezes o da expectativa de submissões anuais. É, portanto, da ordem
de dez vezes maior que o de membros do Corpo Editorial Científico.
É praxe, como agradecimento e reconhecimento, publicar periodicamente ou manter no
site a nominata (relação nominal) dos consultores ad hoc, preferencialmente acompanhados

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


das respectivas afiliações institucionais. Esta se faz necessária não apenas devido à já bastante
comum ocorrência de homônimos, mas também para divulgar a instituição de cada um a qual,
afinal, é a única entidade que, embora de modo indireto, remunera o trabalho de revisão.
Já que estamos no tema, o trabalho de parecerista acaba sendo um dos mais mal compen-
sados do meio científico (acreditamos que apenas o de editor seja pior...). É o momento em que o
pesquisador deixa de dedicar-se à própria pesquisa para trabalhar no aperfeiçoamento do traba-
lho de outrem. O que ele ganha com isso? Nossa resposta é que, neste momento, como em mui-
tos outros da atividade científica, perguntar o que eu estou ganhando é a pergunta errada! Este é
um dos momentos de dar para a ciência, com a expectativa de, em seus próprios trabalhos, rece-
ber uma atenção, respeito e cuidado equivalentes de outro pesquisador! Elaborar bons pareceres é
um investimento para também recebê-los. É uma tarefa das mais importantes do editor intermediar
o processo para que ele assim seja: ele deve zelar para que todos os pareceres sejam construtivos
e valiosos para quem os recebe, o que é o maior incentivo para quem os der no futuro. Todo o
processo editorial de um periódico é também uma escola para autores e consultores.
92 Nada é mais favorável para a rapidez e eficácia do processo editorial do que bons pareceres
iniciais. Em seminários de editores de diversas áreas, conduzidos por um dos autores deste ca-
pítulo, a preocupação com a qualidade dos pareceres era sempre a segunda mais importante,
perdendo apenas para a carência de recursos para manter a revista.
Alguns editores sugerem aos autores que coloquem uma nota de agradecimento aos revi-
sores anônimos quando sentirem que os pareceres foram significativos para o aperfeiçoamento
dos artigos. É pouco, mas oferece um reconhecimento que agrada a quem o recebe, é um reco-
nhecimento por uma tarefa bem cumprida que valoriza quem a desempenhou. Outra forma de
retribuir é convidar revisores com um histórico de bons pareceres a integrar o Corpo Editorial
Científico ou a ocupar a posição de editor associado. Por fim, algumas sociedades premiam os
melhores revisores de seu periódico nas reuniões científicas que organizam.
Terminaremos explicando a razão de termos incluído explicitamente no título a expressão do
periódico científico. Você reparou nisso, cara leitora, caro leitor? É que ser revisor ad hoc de periódico
exige muito mais do pesquisador do que o ser para um congresso ou evento. Neste último caso, a
tarefa é bem mais simples, pede-se ao consultor uma decisão dicotômica: aceitar ou não aceitar o
trabalho para apresentação, pois não há tempo para trabalhar e retrabalhar a contribuição. Na revis-
ta, a proposta é outra, é construir o conhecimento. Escrevemos uma vez (Trzesniak, 1995), e seguimos
gostando da frase: é missão conjunta dos consultores ad hoc, dos autores e dos editores do periódi-
co, mulheres e homens, estabelecer uma cumplicidade cordial, rumo à excelência de conteúdo.

5 Garantia da Credibilidade Científica III:


a(s) Editora(s) e/ou o(s) Editor(es)
5.1 O Editor Geral
Existe uma divisão natural e até salutar na tarefa de publicar um periódico científico: a sepa-
ração das partes administrativa e de conteúdo, pelas quais devem responder, respectivamente,
um editor executivo e um editor científico. O aspecto salutar aí é que este último, um pesquisador,
não tem parte de seu tempo despendida com encargos para os quais sua especialidade não é
exigida. Como veremos adiante, o zelo pela qualidade do que é publicado consome uma quan-
tidade muito grande de recursos humanos altamente qualificados na área do conhecimento,
especialmente de um editor. Onerar essa pessoa ainda mais, atribuindo-lhe responsabilidades
que poderiam ser de um administrador, chega a ser perverso, mesmo para uma revista de porte
médio (quadrimestral, com cerca de 100 submissões ao ano).

Capítulo 4 | A Estrutura Editorial de um Periódico Científico


Formalmente, editor executivo ou editor gerente é a pessoa física designada pela entidade publica-
dora que responde por todos os aspectos não científicos do periódico, enquanto editor científico é a pes-
soa responsável pela execução da Política Editorial e pelo conteúdo científico do periódico e corresponde
à posição mais elevada na sua hierarquia5. É frequente, especialmente em revistas de pequeno porte,
que uma só pessoa exerça as duas funções. É então designada pelo nome de editor(a) ou editor(a)
geral. Afirma nossa referência, não sem uma certa dose de humor, que para desempenhar essa função
em países em desenvolvimento é preciso ser uma espécie de “super-mulher” ou “super-homem”; é preciso
também ser um apaixonado pela ciência e principalmente pela publicação científica, pois cumpre dar
conta de vários papéis sem remuneração adicional e, muitas vezes, sem reconhecimento (ou pior...).
Encontramos em Valério (2005) uma listagem das responsabilidades gerais do editor, as quais
adaptamos ligeiramente e classificamos a seguir como gerenciais (G) e de conteúdo científico (C).
Destacamos que ser responsável por algo não significa ter de executá-lo pessoalmente. Tratamos
da delegação dentro do processo editorial na seção 6.

• (G) Aspectos administrativos, financeiros e de produção. 93


• (G) Levantamento de recursos financeiros e humanos para a revista.
• (G) Acompanhamento de serviços gráficos.
• (G) Distribuição e venda, se for o caso.
• (G) Divulgação.
• (G) Venda de anúncios, se acolhidos pelo Comitê de Política Editorial.
• (C) Natureza e ética dos anúncios.
• (C) Execução da política editorial.
• (C) Controle de todas as dimensões da qualidade da revista científica.
• (C) Recebimento de manuscritos.
• (C) Estoque de artigos.
• (C) Encomenda de artigos, quando necessário.
• (C) Articulação com membros do corpo editorial.
• (C) Contato e encaminhamento de trabalhos aos assessores científicos/referees.
• (C) Decisão final sobre a publicação dos trabalhos.
• (C) Preparação de originais.
• (C) Revisão integral de provas.

Há ainda um outro aspecto da competência do editor científico (ou geral, conforme o caso)
que é tão importante quanto a excelência de conteúdo: a ética. Explica Pessanha (2006) que

o editor desempenha um papel central no processo de controle ético do processo de avaliação e publicação
da pesquisa científica. O compromisso básico é o de garantir a integridade científica do periódico, para
o que há dois pontos cruciais no seu comportamento:
• confidencialidade: o editor é o grande responsável pelo sigilo dos originais em seu poder e pela preser-
vação do anonimato do autor e dos revisores durante o processo de revisão dos manuscritos.
• imparcialidade: o editor deve assegurar que a imparcialidade será mantida durante todo o processo
de avaliação.

Estes pontos e outros, igualmente relevantes, aparecem também em Goldenberg (2001), embo-
ra em um enunciado menos formal: “o editor é o responsável pela garantia de que todos os manus-
critos submetidos sejam avaliados de forma confidencial, experiente e objetiva e sem preconceito,

5 Nestas e em todas as demais definições desta seção, seguiremos Trzesniak (2001), salvo menção explícita em contrário.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


dentro do prazo razoável”, e adverte mais: “é inadmissível que o editor escolha o revisor visando a um
resultado previsível do processo”. Tanto a menção ao prazo como esta última afirmativa envolvendo
o respeito que a publicação deve às autoras e aos autores, Goldenberg (2001), aliás, preocupa-se bas-
tante com a questão da autoria, e levanta ainda dois outros pontos: que os editores devem solicitar:

• a exata contribuição de cada um dos coautores de forma a justificar a coautoria, visando evitar a
inclusão de coautores sem o necessário respaldo em termos de envolvimento na pesquisa;
• que cada autor afirme, por escrito, que leu a versão final do trabalho e concorda com a sua publi-
cação, para que não ocorra de o nome de alguém aparecer como coautor sem o seu conhe-
cimento e a sua concordância.

O capítulo sobre autoria discute um pouco mais esse tema, sendo lá apresentado um exem-
plo de declaração do nível de participação dos autores.
Aproveitando o contexto editor/ética/autor, vamos abordar um aspecto que, em nossa percep-
94 ção como editor e avaliador, muito tem se agravado recentemente. Diz respeito ao procedimento
de certos indivíduos – certamente não são pesquisadoras ou autores – de submeterem originais em
versões primitivas, repletas de erros grosseiros e primários óbvios, sem qualquer preocupação nem
mesmo com forma – sequer o passam pelo corretor ortográfico do processador de textos. Nem se
fale, então, da qualidade em termos de contribuição científica. A ideia por trás é, em termos colo-
quiais, se colar, colou, ou, pior, abusar dos editores e revisores, “delegando-lhes”, no mais perverso
sentido, a tarefa de preparar um texto aceitável. Uma vez identificada, essa tentativa de abuso, essa
total falta de ética desses pseudoautores deve ser polida, mas energicamente repudiada em uma
carta do editor, de modo que seus perpetradores nem pensem em repeti-la.
Cabe ao editor, portanto, atuar com o compromisso de oferecer o que há de melhor em ter-
mos de conhecimento novo dentro da área, observando no processo de seleção os mais eleva-
dos padrões éticos. Parece-nos relevante, neste ponto, abordar algumas questões que frequen-
temente geram dúvidas relativamente à liberdade do editor. São ações que, eventualmente,
podem levar alguém – parecerista, integrante do corpo editorial, autor – a se sentir (infundada-
mente) melindrado, mas certamente não configuram uma infração ética. Jamais prejudicam, no
entanto, os principais interessados na revista, as leitoras e os leitores, pelo contrário, em muito
os favorecem (não executá-las é que os prejudicaria).
Três dos pontos que vamos abordar são levantados por Jan Tobochnik, editor do American
Journal of Physics (destacamos esses pontos na citação). Assim, cara editora, caro editor, se você
tiver de fazer algo do que segue, faça! É sua prerrogativa.
Escreve Tobochnik (2008):

Infelizmente, não posso ler palavra por palavra todos os manuscritos que me são encaminhados, até
que os revisores recomendem a publicação e eu decida que provavelmente irei aceitar o trabalho. Então
eu o leio cuidadosamente, editando-o enquanto o faço. Passo-o então para meu Editor associado, que
trabalha com os autores para tornar o manuscrito o mais claro possível. (Tradução nossa)

Daí, aprendemos que:

• o editor não precisa ler detalhadamente todos os manuscritos que recebe, mas tem de ler inte-
gralmente todos os que pensa aceitar antes de tomar a decisão final;
• os autores não são senhores absolutos do próprio texto.

Em sua leitura para a tomada de decisão final, o editor pode e deve ir fazendo edições visan-
do especialmente a clareza, o rigor e a objetividade. No entanto, como bem ressalta Botsford

Capítulo 4 | A Estrutura Editorial de um Periódico Científico


(1993), ao descrever a atuação de William Shawn6 como editor do The New Yorker, não pode inter-
ferir com o estilo de autores e autoras o que é, sem dúvida, uma arte – a arte de editar.

Shawn... pegava um texto sofrível, o decompunha em uma dúzia de partes, removia as digressões vazias,
endireitava o raciocínio, acertava a gramática, lubrificava as transições e depois o reconstituía, transfor-
mado em um texto aceitável – tudo isto sem deixar qualquer vestígio da sua presença. Apenas o autor
saberia que Shawn havia estado por ali, mas era pouco provável que o confessasse. ... Tinha, tornava-se
claro, rescrito completamente o trecho – mas sempre cuidadosamente empregando a linguagem e as
construções capengas do próprio autor. O que espantava era que, terminado o trabalho, ele mesmo,
Shawn, havia desaparecido. (Tradução nossa)

O texto pode ser posteriormente ainda mais trabalhado (copidesque), porém sempre em
contato com autoras e autores.

• A decisão final de aceitar ou não uma submissão é do editor. 95

Pareceres oriundos de quaisquer instâncias são exatamente isto: pareceres. Não são decisões. São
opiniões que devem ser amparadas por argumentos de quem as apresenta, para facilitar a tarefa de
decidir. O editor avalia os pareceres e a submissão, pondera o conjunto e define o destino do original.
Uma trajetória editorial interessante é colher dois pareceres ad hoc e solicitar a um editor associado
ou a um integrante do Corpo Científico um encaminhamento circunstanciado, com base neles. Sendo
este favorável, examinar o artigo e tomar a decisão final, como proposto em Tobochnik (2008). Não é
necessário solicitar um terceiro parecer no caso de haver indicações conflitantes, desde que, de acor-
do com o melhor juízo do editor, as considerações e os argumentos tecidos pelos revisores já forem
suficientes. Solicitar o terceiro parecer é um possível desfecho, mas não uma obrigação. Perceba-se,
daí, que o conteúdo (as justificativas) dos pareceres é muito mais importante do que a recomendação.

5.2 A Equipe do Editor Geral


5.2.1 Assistente do Editor, Editor Assistente e Editor Adjunto
A maior ou menor complexidade da equipe responsável pela produção de um periódico
científico é obviamente função do respectivo porte. Revistas pequenas (semestrais, recebendo
em torno de 60 submissões por ano) podem funcionar perfeitamente com um editor geral e
uma secretaria no dia a dia, mais o envolvimento do Corpo Editorial Científico.
A primeira instância intermediária de apoio costuma ser a inclusão de um assistente do editor
(por exemplo, um doutorando ou mestrando) ou de um editor assistente (se for um pesquisador). A
um ou outro competem tarefas especificamente designadas pelo editor geral, tanto de caráter ad-
ministrativo como editorial, com uma autonomia variável em função da senioridade e do tempo de
exercício. Eventualmente, quando o editor assistente for um pesquisador consagrado e tiver recebido
uma grande liberdade de tomada de decisões do editor geral, ele será denominado editor adjunto.
Mesmo com as atuais facilidades propiciadas pela gestão e pela comunicação eletrônica,
o mais comum é que o editor assistente (ou adjunto) ou o assistente do editor trabalhem na
mesma instituição que o editor geral e respondam pelo periódico na ausência dele (ou dela!).

6 William Shawn foi editor do The New Yorker de 1952 até 1987, depois de atuar como editor gerente de 1939 até o final de 1951 e de
trabalhar como repórter de 1933 a 1939. Não se trata, neste caso, de uma revista científica, mas o cuidado com o texto, nossa preocu-
pação aqui, independe deste detalhe.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


5.2.2 Editor Associado
A presença de editores associados em um periódico não está relacionada ao seu porte, mas
à sua diversidade temática. Em palavras de Trzesniak (2001), são

cientistas e pesquisadores (de preferência não pertencentes à mesma instituição que o editor geral)
que participam intensivamente da preparação científica dos originais nas áreas de sua especialidade
(encomendando e encaminhando originais, designando árbitros, analisando pareceres etc.), porém
não se envolvendo com os aspectos operacionais de produção do periódico.

Note-se a diferença com relação ao modo como conceituamos o editor adjunto, cujo papel
é geral dentro do periódico (incluindo administração), e não temático, como o do associado
(apenas científico e editorial). Ainda assim, não é incomum que as denominações associado e
adjunto sejam empregadas indistintamente.
96 Os editores associados são também, às vezes, chamados de editores de área, mas a primei-
ra denominação apresenta uma conotação de status superior. O editor associado participa da
decisão de aceitar ou não uma submissão, enquanto o de área apenas intervém no tratamento
que os autores dão às recomendações dos revisores e na finalização do texto (o que o associado
também faz, ver citação de Tobochnik na seção 5.1).
É bastante óbvio que a revista tenha um editor associado (ou até mais de um) nas subáreas
em que receba uma grande quantidade de contribuições. Mas às vezes pode ser interessante
possuir um editor associado para promover ou ampliar o número de submissões em uma subes-
pecialidade emergente ou em um “nicho do conhecimento” em que haja poucos pesquisadores,
com o objetivo de tornar-se a revista preferencial do respectivo segmento. É o caso em que o
editor associado trabalhará mais como garimpeiro do que como consultor editorial sênior – em-
bora, quanto mais eficaz for em angariar artigos, mais tarefas editoriais terá de desempenhar...

5.2.3 Editor Convidado


Para o caso específico de um fascículo dedicado, isto é, especialmente voltado para um setor
novo e palpitante do conhecimento, o editor científico poderá designar um editor convidado,
que deverá ser um pesquisador ativo e experiente no assunto e a quem caberá a coordenação e
direção de todo o processo de preparação científica dos originais que integrarão o fascículo em
questão (da chamada dos trabalhos até a aprovação da versão final para publicação).

5.2.4 Editor de Seção


As revistas podem ter seções permanentes (como resenhas de livros, novos equipamentos,
oportunidades profissionais, testes etc.), cada uma das quais sob responsabilidade de um editor
que apenas a ela se dedique.

5.2.5 Editor Consultivo


Pessoa de larga experiência e muito conhecimento tanto de editoração científica como da área
do conhecimento envolvida, que não participa diretamente da produção ou dos procedimentos es-
pecíficos do periódico, mas a quem o editor científico recorre excepcionalmente para aconselhar-se
e discutir as suas dúvidas mais profundas e as questões mais críticas relativas à publicação. Ao incluir
a presença de um editor consultivo em sua equipe, tanto ou mais do que se beneficiar das discus-
sões e dos aconselhamentos, o editor geral estará rendendo uma homenagem, apresentando um

Capítulo 4 | A Estrutura Editorial de um Periódico Científico


agradecimento e expressando grande respeito pela pessoa. Muitas vezes, editores que criaram a re-
vista e a conduziram por longo tempo são mencionados como consultivos ou mesmo fundadores.

6 Garantia da Credibilidade Científica IV:


Funções e Responsabilidades no Processo Editorial
O Quadro relaciona as principais tarefas e decisões do processo editorial, aponta os integran-
tes da estrutura que têm competência para realizá-las e indica o número aproximado (sugerido) de
vezes que cada um deverá fazê-lo em um ano (ou para 100 submissões recebidas). Seguir aproxi-
madamente essas indicações, contando com uma equipe engajada e dedicada, permite maximi-
zar a qualidade científica sem sobrecarga para ninguém. Preparar uma revista científica exige uma
grande dedicação e implica dar de seu tempo para melhorar o trabalho de outros pesquisadores,
em detrimento de seus próprios projetos. Somente com o envolvimento de uma equipe isso pode
ser feito sem que o editor fique seriamente prejudicado em sua carreira de pesquisador. 97

Quadro
Distribuição das principais tarefas e decisões editoriais entre os editores (geral e associados) e os
integrantes do Corpo Editorial Científico, especificando a competência para realizá-las e o número
(tentativa) de vezes que deveriam fazê-lo a cada ano (ou a cada 100 submissões)
Integrante Editorial
Responsabilidade no periódico Editor Geral Editor Associado
do Corpo Científico
Quantas pessoas são 1 3 (2 a 4) 30 (20 a 35)
Competência para fazer e frequência compet. vezes/
ano compet. vezes/
ano compet. vezes/
ano
1. Revisão de recebimento (desk revision): aprovar o
sim 0* sim 0* sim 0*
atendimento às normas ou retornar à\ao remetente
2. Revisão de recebimento (desk revision): aprovar o
sim 20 sim 20 sim 5a8
atendimento à política editorial ou rejeitar
Delegar essa tarefa a um editor associado sim 60 não - não -
Delegar essa tarefa a um integrante do Corpo Editorial Científico sim 20 sim 10 não -
3. Proposição dos revisores ad hoc sim 20 sim 20 sim 5a8
• Delegar essa tarefa a um editor associado sim 60 não - não -
• Delegar essa tarefa a um integrante do Corpo Editorial
sim 20 sim 10 não -
Científico
4. Designação dos revisores ad hoc sim 100 não - não -
5. Recebimento e avaliação dos pareceres ad hoc e
sim 20 sim 20 sim 5a8
recomendação editorial
• Delegar essa tarefa a um editor associado sim 60 não - não -
• Delegar essa tarefa a um integrante do Corpo Editorial
sim 20 sim 10 não -
Científico
6. Decisão editorial (aceitar, rejeitar, ou às autoras e aos
sim 100 não - não -
autores para reformular)
7. Verificação do trabalho dos autores e nova recomendação
sim 20 sim 20 sim 5a8
editorial
• Delegar essa tarefa a um editor associado sim 60 não - não -
• Delegar essa tarefa a um integrante do Corpo Editorial
sim 20 sim 10 não -
Científico
8. Decisão editorial (aceitar, rejeitar, ou retornar ao passo 3 =
sim 100 não - não -
reavaliar)

Nota. A revisão de normas é importante, mas não diz respeito ao conteúdo científico. É conveniente, e talvez até mais eficaz, que seja
efetuada por um colaborador técnico.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Para os editores-leitores que gostam de aritmética (não sendo seu caso, pule este pará-
grafo!), o Quadro permite algumas análises interessantes, sempre tendo em mente que ele foi
preparado considerando 100 submissões. Por exemplo, na coluna do editor geral, o número
100 aparece nos itens 4 (designação dos consultores) e 6 e 8, correspondentes às tomadas
das decisões editoriais (parciais ou final). De fato, essas decisões competem a ele e só a ele.
Ainda na coluna do editor geral, somando-se item e subitens de 2, de 3, de 5 e de 7, tem-se
mais quatro vezes 100. Depreende-se, daí, que todos os artigos passam ao menos sete vezes pelo
editor, totalizando 700 passagens em 220 dias úteis por ano. Conclusão: está atrasado o editor
que recebe 100 submissões/ano e não olha de três a quatro artigos por dia (ou de 15 a 20 por
semana, se quiser concentrar a tarefa)!
Esse panorama fica apenas um pouco amenizado se nos detivermos na aritmética das li-
nhas, especialmente nos itens que preveem a delegação. Vamos exemplificar para o item 3
(a lógica é similar para todos os demais casos de delegação). São recebidas 100 submissões,
para as quais cumpre escolher os consultores ad hoc. O próprio editor faria isso em cerca de
98 ~20 oportunidades, delegando ~60 para os seus associados e ~20 diretamente para um inte-
grante do Corpo Editorial Científico. Como são três editores associados (neste exemplo), cada
um recebe, em média, ~20 artigos por ano para escolher pareceristas (60 artigos ÷ 3 editores
associados ≅ 20). Destes, digamos que faça 20 indicações, delegando 10 para alguém do Corpo
Científico. Então, este Corpo recebe ~20 artigos do editor geral e mais ~30 dos editores asso-
ciados (a cada 100 submissões), significando que cada um de seus 30 (neste exemplo) mem-
bros efetuará a indicação de consultores ad hoc para (aproximadamente) dois artigos por ano.
Aplica-se o mesmo raciocínio a todas as demais tarefas editorias que podem ser delegadas no
quadro, e verifica-se que, com todos trabalhando, a carga sobre o editor geral pode ficar efeti-
vamente amenizada; algumas das 700 passagens de que se falou no parágrafo anterior podem
ser apenas delegações, portanto bastante rápidas.
No Quadro, propusemos um número de pessoas de 20 a 35 para o Corpo Editorial Cien-
tífico, cerca de 20% a 35% da expectativa anual de submissões. O razoável é que cada um se
envolva com a revista seis ou sete vezes ao ano, o que corresponde a um potencial aproxi-
mado de 120 a 250 intervenções altamente significativas para a qualidade do conteúdo. O
editor que prescindir dessas intervenções não estará realizando o seu trabalho da melhor
maneira. Ao fazer os convites aos integrantes do Corpo, o editor deve deixar explícito que,
mais do que espera, ele precisa e vai usar essa colaboração, devendo o convidado reservar
uma disponibilidade de tempo compatível. Compromisso idêntico, porém estabelecendo
um envolvimento bem maior, deve ser acordado com os editores associados. Talvez uma boa
providência seja preparar, para esses colaboradores diretos, um bem elaborado Termo de
Consentimento Livre e Esclarecido...
Para ilustrar o emprego da dinâmica editorial preconizada no Quadro, extraímos o trecho a
seguir do Relatório Anual dos Editores da Revista de Saúde Pública (1990), que prima pela rigidez
do processo editorial e conta um número significativo de indexações (entre as quais se desta-
cam Biosis, MEDLINE e Web of Science).

A qualidade do manuscrito é a garantia de qualidade de um periódico científico. Assim, cada manuscrito


submetido à publicação na Revista de Saúde Pública é analisado sob seus aspectos gerais segundo nor-
mas adotadas pela Revista. Os manuscritos que não atendem a esse nível de exigência são devolvidos
aos autores. Se o manuscrito for considerado apropriado, o Editor o encaminha ao Editor Associado
que faz uma segunda análise. Se considerado adequado, são escolhidos dois relatores, especialistas na
temática do manuscrito, para apreciação de seu conteúdo científico. Os Editores Associados tomam co-
nhecimento dos pareceres e propõem... que o trabalho seja: aceito; aceito sob condição; recusado com
possibilidade de ser reformulado; recusado.

Capítulo 4 | A Estrutura Editorial de um Periódico Científico


Note-se o envolvimento dos editores associados nas tarefas 2, 3 e 5 do Quadro.
Outro aspecto que cumpre ressaltar é que as responsabilidades do editor geral, dos edi-
tores associados e dos membros do Corpo Editorial Científico se distinguem muito mais pela
quantidade do que pela natureza: todos desempenham praticamente as mesmas funções, a
diferença está no número de vezes que o fazem por ano. Ligeiramente diferente, porém quase
equivalente, é o envolvimento de editores assistentes, os quais podem atuar em parte como os
associados, mas com menor autonomia decisória, sendo, em geral, mais diretamente supervi-
sionados pelo editor geral (ver seção 5).
Observe-se, finalmente, que nesta seção, em nenhum momento foi mencionado o Conse-
lho/Comitê de Política Editorial. Efetivamente, como dito na seção 2, esse colegiado nada tem
a ver com o conteúdo de um determinado fascículo. Suas preocupações situam-se em outra
esfera, como especificado em suas atribuições naquela seção.

99
7 Garantia da Credibilidade Científica V:
Automatizando a Administração com Submission e SEER
A seção anterior deve ter deixado bastante claro que editar uma revista é uma tarefa que
exige muita dedicação. Facilmente, chegamos lá a 800 passos para tramitar 100 artigos. Mas
aqueles passos correspondem apenas aos procedimentos diretamente relacionados à qualida-
de de conteúdo. Não falamos em formatação final para publicação, revisão de provas, aprovação
da última versão pelos autores, encaminhamento à gráfica e distribuição (para revistas impres-
sas) ou publicação no site e providências para preservação (para as eletrônicas). De fato, de acor-
do com Trzesniak (1998), cada artigo recebido exige entre 15 e 30 operações editoriais até ter
um destino final no âmbito da revista (a variação se deve a que o artigo pode ser rejeitado após
a primeira avaliação pelos pares). Para um periódico que publica 50 dos 100 artigos que recebe,
isso equivale a 2.200 operações – em um ano, são quase dez por dia útil!
Grandes facilitadores (ou atualmente, talvez, até mais do que isso: viabilizadores) para a
condução do processo editorial são os programas de computador específicos para o gerencia-
mento de periódicos. A par de oferecer uma série de procedimentos via Internet, permitindo a
submissão e a avaliação através de navegadores (browsers), seu emprego, de certo modo, certi-
fica a revista como possuidora de uma retaguarda administrativa bem organizada e bem estru-
turada; permite, assim, uma avaliação mais completa da qualidade global da publicação, uma
vez que assegura um processo de gerenciamento bem mais transparente e controlado. Antes
de existirem os programas, a avaliação dessa dimensão da qualidade das revistas era feita prati-
camente apenas com base em declarações dos editores.
Os dois sistemas de gerenciamento editorial de maior presença no Brasil são o Sistema Ele-
trônico de Editoração de Revistas (SEER), distribuído gratuitamente pelo Instituto Brasileiro de
Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT, http://www.ibict.br), e o Submission: SciELO System
of Publication, oferecido para os periódicos da biblioteca SciELO pelo Centro Latino-Americano
e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME, http://www.bireme.br/). Ambos são
traduções/adaptações licenciadas do Open Journal Systems (OJS), preparadas pelos respectivos
distribuidores. O OJS é um software de código aberto desenvolvido, mantido e atualizado pelo
Public Knowledge Project (PKP, http://pkp.sfu.ca/), resultado de uma parceria entre a University of
British Columbia e a Simon Frasier University, no Canadá.
Os recursos para o gerenciamento do processo editorial são comuns aos dois sistemas, e
são bastante completos e poderosos em todas as tarefas pertinentes. O OJS foi criado com o
objetivo de facilitar a vida dos editores, dos pareceristas e dos autores, visando reduzir custo,

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


energia e tempo de secretaria dessas pessoas, liberando-as para se dedicarem mais ao conteú­do
científico; desse modo, promove a melhoria da qualidade das publicações periódicas. O sistema
é de fácil manuseio, e o autor pode acompanhar o percurso do seu manuscrito até a decisão
final sobre a publicação. Os consultores ad hoc sentem maior segurança com relação ao sigilo
inerente à sua atividade na avaliação online. Todo o processo editorial pode ser controlado por
um ou mais editores, permitindo com naturalidade o compartilhamento e a delegação de tare-
fas, já discutidos em conexão com o Quadro.
O Submission beneficia-se apenas das facilidades para submissão e avaliação de que se fa-
lou no parágrafo anterior. As demais etapas, daí até a publicação, bem como os mecanismos de
busca e recuperação, seguem a metodologia própria da SciELO. A rigor, então, uma parte do OJS
foi adaptada para integrar-se a essa metodologia. A escolha do Submission como programa de
gerenciamento editorial torna-se, assim, uma opção óbvia para quem publica no sistema SciELO.
O PePSIC, por utilizar a plataforma SciELO de publicação, oferece o módulo de submissão Sub-
mission para as revistas que publicam no Portal.
100 Publicações independentes encontrarão mais vantagens na adoção integral do SEER. Pode-
rão, através dele, não apenas gerenciar o processo editorial, mas também efetuar a publicação
na Internet em site com interface de usuário configurável e amigável, com suporte para vários
idiomas selecionáveis ao custo de um clique e descrição completa da revista (política editorial,
direitos de uso e de cópias, Conselho de Política Editorial, Corpo Editorial Científico, regras de
submissão e de avaliação etc.). Além disso, o SEER oferece mecanismos de busca e recuperação,
informações estatísticas e suporte nativo à preservação digital via lockss7, para metadados no
padrão Dublin core8 e para o protocolo de interoperabilidade OAI-PMH. Esse protocolo é, talvez,
o mais notável avanço da aliança da moderna ciência da comunicação com a informática. Ele
permite que todos os arquivos de informação científica que o incluam em sua arquitetura, mes-
mo hospedados em máquinas e plataformas distintas, dispersas por todo o planeta, possam ser
vistos como uma base de dados única. Em termos de revistas, em termos de estrutura, isso está
muito próximo a ter-se um único periódico, com todos os artigos juntos. No entanto, cada editor
continua independente em sua atuação, tem sua individualidade completamente preservada.
É a integração total da informação, associada à liberdade total de quem a produz.
A contrapartida, porém, também existe, e configura-se em uma imensa responsabilidade.
Em uma base de dados gigantesca, como a que pode ser construída via OAI-PMH, a recuperação
da informação é fundamental: deseja-se que, ao realizar uma busca relativa a um dado tema, o
consulente encontre todos os documentos atinentes disponíveis (revocação = 1) e apenas os
documentos atinentes (precisão = 1). Para isso, editoras e editores têm de zelar por metadados
de máxima qualidade. A falta de zelo e de dedicação em atender esse ponto é o maior fator de
risco para o movimento do open access, e certamente grandes interesses comerciais apostam
nele para continuar auferindo seus lucros com a (re)venda da informação científica exatamente
à quem a produz. A comunidade de pesquisadores tem em mãos o poder e a liberdade para
não necessitar de intermediários para fazer a informação circular livre e rapidamente, mas pode
perder a confiabilidade por não saber usar os recursos de modo responsável.
Como se vê, o trabalho do editor vai bastante além da publicação da revista em si. Envolve
divulgar os artigos e fazer que sejam lidos e citados. Assim, além dos metadados de máxima qua-
lidade e do protocolo OAI-PMH, cumpre sair em busca do maior número possível de indexações,

7 O lockss (lots of copies keep stuff safe, ou “montes de” cópias mantêm “a coisa” segura, em tradução literal) é um sistema desenvolvido
pelas bibliotecas da Stanford University (USA) o qual replica, sem expor publicamente, o conteúdo de um site em múltiplos servidores
por todo o planeta. Para conhecer melhor, acesse http://www.lockss.org/lockss/Home
8 Metadados são, essencialmente, informações sobre (= que descrevem) a informação principal. Um subconjunto de 15 elementos
básicos de metadados, selecionados dentre os muitos já definidos pela Dublin Core Medatada Initiative (http://dublincore.org/), vem
se estabelecendo como um padrão na publicação científica.

Capítulo 4 | A Estrutura Editorial de um Periódico Científico


acompanhar a entrada dos artigos nas bases de dados, buscar parcerias com associações cien-
tíficas, bibliotecas, bibliotecários e bibliotecárias, objetivando aumentar a visibilidade de sua
publicação. Paralelamente, na retaguarda tecnológica, manter-se atento aos avanços da ciência
da informação, por exemplo, garantir a localização dos artigos com a adoção de identificadores
persistentes como o DOI (Digital Object Identifier). E também praticar e defender o acesso livre
ou aberto, abordado no capítulo que trata especificamente desse tema e da publicação digital,
assuntos pelos quais já nos aventuramos excessivamente por aqui.

101

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Referências

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2003). Informação e documentação – Publicação periódica científica
impressa – Apresentação – NBR 6021. Rio de Janeiro: Autor.
Botsford, G. (1993). Remembering Mr. Shawn. The New Yorker (Dec. 28, 1992/Jan. 4, 1993), p. 139.
Goldenberg, S. (2001). Publicação do trabalho científico: compromisso ético (Versão preliminar). Recuperado
em 14 de janeiro de 2008, de http://www.metodologia.org/saul_etica.PDF
Lo Bianco, A. C., Hutz, C. S., Bueno, J. L., Feitosa, M. A. G., Guedes, M. C., Yamamoto, O. H., Menandro, P. R. M., &
Koller, S. H. (2002). Manual 2001: instruções para o preenchimento da ficha de avaliação de periódicos cientí-
ficos em psicologia elaborada pela ANPEPP-CAPES (Versão 2002). Recuperado em 21 de novembro de 2007,
de www.annpepp.org.br
Fonseca, R. M. S. da, Meinert, C. R., Café, L., & Arellano, M. Á. M. (2004). Electronic system for journal publishing
(SEER). In ELPUB 8 – Conferência Internacional sobre Publicações Eletrônicas, 2004, Brasília. Recuperado em
102 30 de março de 2005, de http://elpub.scix.net/data/works/att/226elpub2004.content.pdf
Pessanha, C. (2005). Ética e divulgação científica: o papel do editor. In X Enec - Encontro Nacional de Editores
Científicos. São Paulo. Recuperado em 01 de agosto de 2008, de http://eventos.bvsalud.org/abec/public/
documents/Charles-152301.ppt
Relatório anual dos editores, 1989. (1990). Revisa de Saúde Pública, 24(2). Recuperado em 05 de maio de 2008, de
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101990000200001&lng=en&nrm=iso
Valério, P. M. (2005). O periódico científico. In Curso de atualização sobre avaliação do trabalho científico. ABEC
– Associação Brasileira de Editores Científicos. LNCC – 2005. Recuperado em 02 de maio de 2008, de http://
www.lncc.br/abec/doc/lncc_20_anos_da_ABEC/Palmira%20M%20Valerio%20-%20O%20Peri%F3dico%
20Cient%EDfico%20.doc
Tobochnik, J. (2008). The art of doing. American Journal of Physics, 76(8), p. 701.
Trzesniak, P. (1995). Quero, logo posso! Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, 19, p. 5.
Trzesniak, P. (1998). Assegurando a periodicidade da publicação científica através de planilhas de controle. In
P. Trzesniak & M. M. Barradas (Eds.), VII Encontro de Editores Científicos (Livro de Resumos, p. 13). Petrópolis,
RJ: Associação Brasileira de Editores Científicos.
Trzesniak, P. (2001). Cargos e funções associados à publicação científica: uma proposta de nomenclatura. In X
Curso de editoração científica. Petrópolis, RJ: Associação Brasileira de Editores Científicos.
Trzesniak, P. (2004). A designação/substituição de editores científicos de publicações periódicas: um modelo
para discussão. Informativo da Sociedade Entomológica do Brasil, 29(2). Recuperado em 02 de maio de 2008,
de http://www.seb.org.br/informativo/pdf/Info29-2.pdf

Capítulo 4 | A Estrutura Editorial de um Periódico Científico


Capítulo 5
Indexação e Fator de Impacto
Maria Imaculada Cardoso Sampaio
Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini

Cada vez mais ouvimos autores comentando que só publicam seus artigos em revistas in- 103
dexadas. Editores também procuram as bases de dados em busca da indexação de suas revistas,
pois sabem que, quanto mais indexações conseguirem, maior é o número de artigos de quali-
dade submetidos à sua publicação, além do reconhecimento e respeito que a publicação passa
a merecer. Coimbra Jr. (1999) explica que

A inclusão de revistas em determinadas bases consideradas como de maior prestígio tem sido percebi-
da por um número crescente de profissionais (tanto pesquisadores como aqueles ligados a atividades
de fomento) como parâmetro indicativo da qualidade de um periódico e, por extensão, dos artigos
neste publicados, gerando acirrada competição entre editores, autores e instituições financiadoras de
pesquisa. (p. 884)

Dessa forma, o termo indexação, outrora utilizado especialmente na área de bibliotecono-


mia, passou a ser largamente empregado no meio editorial das revistas técnico-científicas. Ou-
tro espaço que vem utilizando amplamente a palavra é a Internet, e passamos, então, a ouvir o
termo vinculado à organização de sites e páginas na web, a partir da criação de bancos de dados
formados com base nos termos procurados nos sites de busca.
É comum também o emprego equivocado do termo e, não raramente, editores escrevem
em suas revistas que essas são indexadas no ISSN, catálogo de bibliotecas e até mesmo em
sumários de periódicos, tipo de publicação que, praticamente, deixou de existir à medida que
o acesso às bases de dados foi se tornando mais barato e menos restrito. Afinal, o que significa
para uma revista ser indexada?
Neste capítulo daremos alguns esclarecimentos sobre o assunto e faremos a apresentação
de algumas importantes bases de dados indexadoras na área da Psicologia.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1 Indexação
Com relação à área da Ciência da Informação, o termo indexação significa a representa-
ção temática do conteúdo de um documento mediante a atribuição de descritores. Entretanto,
quando se trata de periódicos científicos, o termo indexação pode ser traduzido como o “sonho”
de todo editor. Indexar uma revista significa incluir o periódico em uma base de dados. Simples
assim? É. O complicado é exatamente conseguir inserir a revista nos indexadores. As dificuldades
começam, muitas vezes, com o conhecimento da base de dados, como devemos proceder, para
onde devemos mandar as revistas. Vencidas essas etapas, resta esperar pelo resultado do comitê
de avaliação da base e aí, mesmo que de forma velada, podemos deparar com preconceitos,
protecionismo e, até mesmo, falta de verbas para a manutenção da ferramenta. Dessa forma,
rejeitar uma revista com uma justificativa vaga aparece como uma solução para não aumentar
o trabalho quase impossível de ser realizado pela explosão do número de publicações periódi-
cas. Coimbra Jr. (1999) explica que, no início, as bases não tinham como atributo a seletividade
104 e procuravam incluir o maior número possível de itens sobre um determinado assunto. Com o
aumento da quantidade de publicações seriadas, tornou-se cada vez mais difícil assegurar uma
cobertura universal. Assim, a compilação de índices, muitas vezes efetuada de forma manual, foi
se transformando em uma tarefa impossível de ser cumprida. O caminho foi partir para a seleti-
vidade, incluindo-se critérios de seleção que justificassem a não aceitação de grande parte das
revistas publicadas nas diversas áreas do conhecimento.
Da parte do usuário final, ou seja, autores e leitores, as bases de dados são eficientes ins-
trumentos para organização e disseminação da informação. Não podemos mais imaginar um
levantamento bibliográfico sem a utilização desse recurso para o acesso à informação. Além
das informações básicas sobre um documento, as bases de dados fornecem informações
complementares, como a instituição de afiliação e o e-mail dos autores. “Portanto, pesqui-
sadores de diferentes países interessados em um determinado tema, por mais que não te-
nham contato, têm a oportunidade de se comunicar, solicitar separatas e trocar informações”
(Coimbra Jr., 1999, p. 884).
Afinal, o que é indexação? Segundo o FAQ da LILACS Express (http://lxp.bvsalud.org/P/LI-
LACS_Express/faqs_pre.htm#indexacao), “Indexação é o processo pelo qual é descrito o conteú­
do temático de um documento mediante a atribuição de descritores ou palavras-chave, após
sua leitura técnica e análise”. Vale a pena definir o que são descritores e palavras-chave. Descri-
tores são termos normalizados a partir de um vocabulário controlado; palavras-chave são reti-
radas do texto sem a preocupação com a normalização e/ou padronização. Então, indexação é
o ato de representar o conteúdo de um documento a partir da atribuição de descritores. É essa
atribuição de descritores que permite a recuperação eficiente do documento.
Em se tratando de indexação em bases de dados, o termo ganha a conotação do processo
de avaliação e registro dos artigos da revista, além da inclusão da referência e dos resumos dos
artigos da revista aprovada. Atualmente, além dos dados referenciais do documento, muitas
bases de dados apontam para o artigo na íntegra, quando o mesmo se encontra em espaço vir-
tual sólido e confiável. Nesse contexto, o “indexador” passa a ser a base de dados onde a revista
está registrada e seus artigos incluídos. Quando falamos, então, que um periódico está indexado
significa que ele foi selecionado para indexação e consta de uma determinada base de dados.
O leitor pode perguntar: “Ah, então a indexação das revistas começou juntamente com o surgi-
mento das bases de dados eletrônicas?”. Não!
Antes mesmo de existirem as bases de dados, havia os indexadores que efetuavam o mes-
mo processo de avaliação da revista e registravam seus dados referenciais. A diferença é que
os dados eram apresentados de forma impressa, nas publicações conhecidas como “Abstracts”.
Coimbra Jr. (1999) ensina que

Capítulo 5 | Indexação e Fator de Impacto


A indexação bibliográfica teve início no final do século XIX e no início do XX, resultante da iniciativa de
grupos de pesquisadores que, impossibilitados de acompanhar de seus bureaus a crescente quantidade
de materiais que era publicada ao redor do mundo sobre um determinado assunto, se viram impelidos
a desenvolver sistemas que racionalizassem e facilitassem o acesso às informações. (p. 884)

Castro (2005) afirma que base de dados significa “coleção de registro de documentos, re-
presentados como unidades informacionais, descritos em campos específicos (autor, título, as-
sunto, data, país etc.) que podem ser recuperados individualmente ou combinados entre si”.
Os pesquisadores que iniciaram suas atividades anteriormente à popularização da informá-
tica empregaram muitas horas do seu tempo consultando o Psychological Abstracts, Chemical
Abstracts, Biological Abstracts e outras renomadas publicações que, periodicamente, chegavam
às bibliotecas e davam conta dos novos artigos publicados em importantes revistas científicas.
Esse tipo de publicação podia ser chamado de bases de dados também, porém na versão im-
pressa. A informatização das bases de dados trouxe grande benefício aos usuários, pois impri-
miu velocidade e precisão na busca de informação. 105
A base de dados mais utilizada no mundo é compilada pela National Library of Medicine
(Washington, DC), desde 1879, e era chamada de Index Medicus. A partir dos anos 1960, a infor-
matização das referências constituiu o sistema MEDLARS (Medical Literature Retrieval System),
que atualmente integra cerca de quarenta bases de dados, inclusive a MEDLINE, que é a mais
conhecida e utilizada. Hoje, a tarefa de rastrear um tema ou um autor é extremamente facilita-
da a partir da consulta às bases de dados eletrônicas. Antigamente, um pesquisador passava
semanas em uma biblioteca consultando os Abstracts e, ainda assim, não tinha a segurança de
ter esgotado as principais fontes de informação. Atualmente, em poucas horas, utilizando os
recursos de cruzamentos de termos, o usuário obtém, de forma rápida e precisa, as informações
relevantes para sua revisão da literatura e fundamentação teórica.
Cada área possui seu próprio indexador. Na área da Psicologia e ciências afins, podemos
citar a base de dados PsycINFO, editada pela American Psychological Association (APA), origina-
da a partir da publicação Psychological Abstracts, como uma das mais importantes ferramentas
para organização e disseminação da informação. Na área da educação temos a base ERIC, na
medicina a MEDLINE.
Um periódico pode estar indexado em mais de uma base de dados, isso depende muito da
natureza da publicação, ou seja, da sua diversidade e articulação nas diversas áreas do conheci-
mento. Por exemplo, uma revista de Psicologia voltada para a área da Saúde poderá estar inde-
xada na LILACS, PsycINFO, MEDLINE e outras. Uma revista de Psicologia voltada para as ciências
humanas poderá estar indexada na PsycINFO, ERIC, Sociological Abstracts e assim por diante.
É fato que quanto mais indexações o periódico tem, mais credibilidade e maior visibilidade
terá no meio científico e melhor será seu desempenho nos processos de avaliação. Porém, con-
seguir a indexação não é uma tarefa tão fácil assim, pois, para ser incluída em determinadas ba-
ses de dados, a revista precisa se adequar a certos critérios de seleção, exigidos pelo indexador,
e ser aprovada por um Comitê Consultivo e/ou de Seleção.

2 O Processo de Seleção das Bases de Dados


De acordo com Dantas (2004), depois do árduo processo de transformar os resultados de
sua pesquisa em texto científico, o autor e seus colaboradores partem para outro desafio: pu-
blicar o resultado de seu trabalho, de tal modo que seja visto, analisado e se torne acessível à
comunidade científica, que dará ou não o devido mérito às eventuais descobertas e inovações
que a pesquisa traz.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


A busca da publicação de seu trabalho em revistas indexadas por bases de dados internacionais parece
ser o caminho natural... e, dada a relação procura/demanda, muitas vezes leva-se tempo para publi-
cá-los, além da dificuldade em vencer certas barreiras xenófobas de algumas editoras internacionais.
(Dantas, 2004, p. 569)

A indexação em bases de dados tem sido ressaltada como um caminho para se conhecer a
qualidade de uma revista científica. Parece razoável. Antes de aceitar uma publicação, os comitês
de avaliação analisam criteriosamente a revista. Nesse processo, critérios de formas e, muitas ve-
zes de conteúdo, são utilizados para mensurar a qualidade e adequação da publicação ao padrão
exigido pela base. Por outro lado, as comissões de avaliação dos órgãos de fomento consideram
a indexação em bases de dados como parâmetro de medida. Também na avaliação da produção
dos pesquisadores e docentes das universidades brasileiras, leva-se em conta a publicação de
artigos em revistas indexadas em bases de dados reconhecidas na área de atuação do autor.
Explicitar os critérios de avaliação para inclusão de revistas é um atributo que a base de
106 dados deve possuir. É de conhecimento geral que cada base de dados, independentemente da
área de atuação, tem seus próprios objetivos e critérios de seleção para indexação. Uma breve
análise dos critérios das mais importantes bases de dados publicadas no mundo permite afirmar
que a maioria dos critérios é comum. Apoiadas nas orientações de Castro (2005), relacionamos a
seguir os principais elementos para a admissão de periódicos em bases de dados:

• publicar preferencialmente contribuições originais, com alto rigor científico, que constituam
avanços do conhecimento científico e que evidenciem a importância e originalidade da re-
vista para a área temática à qual se apresenta;
• incluir um número significativo de artigos científicos originais por fascículo e de fascículos
por ano;
• deixar claro o processo de revisão por pares (peer review), procedimentos, datas de recebi-
mento, revisão e aprovação do manuscrito;
• publicar a lista de pareceristas (consultores ad hoc) e suas respectivas instituições;
• respeitar os prazos estabelecidos para publicação: uma revista trimestral publicada em dia é
mais bem avaliada que uma mensal com atraso de publicação;
• incluir “Instruções aos autores” com informações claras e adequadas. Os objetivos da revista,
critérios e processos de seleção, normas utilizadas, procedimentos éticos e responsabilidades
devem ser declarados na publicação;
• selecionar os membros do Comitê Editorial entre profissionais reconhecidos na área e de
importância para a área temática da revista, de várias instituições do país e, se possível, de
outros países. A endogenia deve ser evitada ao máximo. É importante ressaltar que revistas
que possuem um Conselho Editorial com membros predominantemente de uma instituição
normalmente não são aceitas pela maioria das bases de dados;
• incluir título, resumo e palavras-chave no idioma original, em inglês e espanhol também,
contribuindo para ampliar a visibilidade do conhecimento gerado na América Latina;
• realizar um sério trabalho editorial: estilo conciso, linguagem científica, uso correto do idio-
ma, resumo, palavras-chave, figuras e tabelas claras e precisas, normalização das referências;
• empregar normas internacionais reconhecidas para a normalização dos elementos do arti-
go;
• perseguir a ampla divulgação e o reconhecimento por instituições da área, de modo a garan-
tir um alto índice de citações;
• conseguir que os membros do Comitê Científico e Editorial publiquem na revista;
• publicar a revista em formato eletrônico, porém em metodologia reconhecida e não um ar-
quivo em PDF, que por alguma razão deixará de dar acesso ao conteúdo dos artigos.

Capítulo 5 | Indexação e Fator de Impacto


Com relação ao conteúdo, é recomendável:

• publicar artigos científicos originais e de revisão crítica ou sistemática que fornecem maior
impacto científico para a seleção das revistas;
• incluir seções de menor impacto científico internacional (atualização, notícias, entrevistas,
resenhas e traduções).

Quanto à regularidade e frequência de publicação:

• Observar a frequência mínima recomendada. Independente da área, revistas são meios rápi-
dos de publicação de resultados de pesquisa ou de reflexão e, cada vez mais, devem apresen-
tar velocidade na circulação do conhecimento.

Sobre a normalização:
107
• possuir ISSN (International Serial Standard Number) registro de identidade da revista e código
de barras;
• publicar instruções claras e completas aos autores quanto à norma utilizada para o preparo
de referências bibliográficas e citações no texto;
• efetuar sério trabalho editorial (revisão de estilo e de linguagem científica; uso correto do
idioma (especialmente idioma estrangeiro); figuras e tabelas claras e precisas; normalização
das referências) (Castro, 2005);
• seguir efetivamente o que está escrito nos procedimentos para aceitação dos manuscritos.

Na busca pela indexação, o trabalho do editor é de suma importância. Entretanto, autores,


revisores e demais membros do Conselho Editorial desempenham papel relevante no processo.
Um editor bem informado com relação aos principais indexadores de sua área de atuação, parti-
cipante ativo em eventos da área de editoração científica e, atualmente, de Bibliometria e Ciento-
metria, além de se manter afiliado às associações de editores científicos, é um forte candidato a
conseguir a inclusão nas bases de dados da revista sob sua responsabilidade. Autores cuidadosos
no preparo de seu manuscrito, que utilizam metodologias científicas e estatísticas sólidas, ob-
servam regras gramaticais, conhecem as convenções internacionais para o preparo de resumos
e os vocabulários controlados da área. Além das normas para preparo de referências e citações
no texto, são eficientes colaboradores no processo de obtenção da indexação. Revisores que
analisam o manuscrito com cuidado, que respeitam a ética na publicação, oferecem sugestões
para melhoria do trabalho e respeitam os prazos informados pelo editor, também são excelentes
aliados no processo. Finalmente, os membros do Conselho Editorial, efetivamente envolvidos e
responsáveis, trabalham, juntamente com o editor, na seleção, revisão e aprovação dos melhores
manuscritos que, certamente, serão decisivos para a aprovação da revista pela base de dados.

3 Tipos de Bases de Dados


A Internet favoreceu os enlaces e a integração entre as fontes de informação, rompendo a
rigidez da sistematização; no entanto, para efeito de categorização, podemos citar três tipos de
bases de dados:

• Referenciais: apresentam a referência, o resumo e, atualmente, fazem link com o texto comple-
to, quando este se encontra disponível na Internet, como, por exemplo: PsycINFO, MED­LINE,
LILACS, PSICODOC, Index Psi Periódicos;

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


• Texto completo: utilizam metodologias reconhecidas para a publicação dos textos integrais
dos artigos. Podemos citar o SciELO (Scientifc Electronic Library Online), o PePSIC (Periódicos
Eletrônicos em Psicologia) e a Redalyc (Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe,
Espana y Portugal);
• Índices de citações: além de incluir informações sobre as revistas e os artigos indexados,
fazem a análise do desempenho da publicação entre a comunidade científica.

Considerando a importância deste último tipo de base de dados e os questionamentos


que essas ferramentas provocam, vamos nos deter um pouco mais nas explicações dessas ferra-
mentas. As duas mais famosas fontes dessa natureza são: ISI Web of Knowledge (Web of Science)
e o Journal of Citation Reports (JCR), ambas da empresa Thomson Reuters. O Institute for Scientific
Information (ISI) foi o criador do famoso fator de impacto, sendo que a plataforma de pesquisa
atualmente é administrada pela Thomson Reuters.
O fator de impacto é um indicador bibliométrico utilizado para medir as citações a um de-
108 terminado periódico. É calculado dividindo-se o número de citações recebidas por um periódico
em um determinado ano pelo número de artigos publicados por ele nos dois anos anteriores.
Por exemplo, o fator de impacto de uma revista científica no ano 2000 é calculado a partir do
número de citações recebidas em 2000 pelos artigos publicados por essa mesma revista nos
dois anos antecedentes (1998 e 1999). Complicado? Sim. Trata-se de uma complexa fórmula
matemática. Se uma determinada revista publica 10 artigos por ano e, em 2000 apenas um des-
ses artigos foi citado por outro artigo publicado em 2000 em uma revista que faz parte da lista
de revistas do indexador ISI, o fator de impacto será 1 dividido por 20 (10 artigos de 1998 e 10
artigos de 1999), ou seja, 0,05.
Por ser uma medida estatística, o fator de impacto pode ser afetado e ter seu valor inter-
pretado erroneamente. O fator de impacto varia enormemente entre as diferentes áreas de pes-
quisa. Em média, as publicações das áreas de Neurociências, Medicina Interna, Farmacologia e
Toxicologia recebem melhor avaliação que publicações nas áreas de Sociologia, Engenharia,
Matemática e Ciências da Computação.
Não devemos nos esquecer de que o fator de impacto foi desenvolvido como uma ferra-
menta estatística para se calcular a média das citações recebidas por um periódico, e não por
um artigo ou para se avaliar a qualidade da publicação ou dos autores, pois um artigo pode ser
muito citado por conter informações polêmicas ou errôneas, e assim o índice pode ser elevado.
Lembramos também que o fator de impacto é uma média, ou seja, se uma revista publica em
dois anos 20 artigos e apenas um deles recebe 200 citações e os outros nenhuma, o fator de
impacto será de 20. Sem dúvida alguma o fator de impacto de uma ferramenta é importante nas
análises bibliométricas, mas devemos ser cuidadosos na sua utilização.
Mesmo com ressalvas, a Web of Science reinou soberana durante muitos anos, fornecendo
seus índices bibliométricos para matérias de jornais e para avaliação de docentes e pesquisado-
res de órgãos de fomento e apoio à pesquisa.
Utilizando a mesma lógica que a Web of Science, o SCOPUS, editado por ELSEVIER, é uma fer-
ramenta que abrange uma vasta coleção de resumos, referências e indicadores da literatura cien-
tífica e técnica. A base teve seu projeto iniciado no ano 2002 e seu lançamento oficial em 2004,
facilitando ao pesquisador a busca e análise do impacto de um tema ou de um determinado
autor na construção do conhecimento. Mais flexível que a Web of Science na seleção das revistas
para indexação, em abril de 2008, a base indexa 15 mil revistas arbitradas, contra 9.300 do ISI.
Outra fonte de informação vem promovendo indicadores de citação, surpreendendo a
comunidade científica e concorrendo com a Web of Science e o SCOPUS. Estamos falando do
Google Scholar, ou Google Acadêmico, que vem analisando as citações aos artigos e textos cien-
tíficos que estão publicados nas milhares de fontes de informação disponíveis na Internet. Para

Capítulo 5 | Indexação e Fator de Impacto


exemplificar, fizemos uma busca no Google Scholar utilizando o termo “periódicos científicos”, e
o retorno foi de 15.800 registros, sendo que o primeiro exibido, ou seja, o mais citado, é o artigo
de autoria de Rosaly Krzyzanowski e Cecília Ferreira, cujo titulo é “Avaliação de Periódicos Cientí-
ficos e Técnicos Brasileiros”, publicado na revista Ciência da Informação, no ano de 1998, com 77
citações, em abril de 2009.
Bakkalbasi, Bauer, Glover e Wang (2006) analisaram artigos de 11 revistas da área de Oncolo-
gia e Física com diferentes fatores de impacto, com relação ao número de citações nas bases Web
of Science, SCOPUS e Google Acadêmico, e concluíram que cada uma das bases apresenta índices
de citações diferenciados, dependendo da área e do ano de publicação do artigo. Os autores
afirmam que não é tarefa fácil para o pesquisador obter o real conhecimento dos estudos em sua
área, uma vez que as ferramentas não oferecem a cobertura completa dos artigos produzidos. O
que essas três últimas bases de dados têm em comum e que difere das demais ferramentas para
organização e recuperação da informação? É que, além de fazer a reunião, organização e dissemi-
nação do conhecimento, analisam o impacto que um determinado artigo, ou revista, provoca na
comunidade científica, a partir do número de citações que recebem por seus pares. 109
Considerando que o Google tem como princípio a gratuidade de acesso e a tendência atual que
aponta para a publicação em revistas eletrônicas de acesso gratuito, podemos dizer que em pouco
tempo a base de dados se transformará no maior índice de citações de que o mundo já dispôs.
Segundo Mugnaini, Jannuzzi e Quoniam (2004)

Idealmente, os indicadores bibliométricos deveriam ser computados a partir de uma base multidisci-
plinar específica de cada país, para quantificar os feitos científicos lá considerados como relevantes. No
caso do Brasil, não existe ainda uma base bibliográfica com a representatividade necessária, em que
pesem os esforços expressivos neste sentido, como o projeto SciELO, da BIREME e FAPESP, com um total
de aproximadamente 120 revistas em texto integral e de acesso gratuito, e a Plataforma Lattes, do CNPq,
com uma ampla gama de informações sobre produção científica de pesquisadores brasileiros. (p. 125)

Concordamos com os autores com relação à necessidade de uma base de dados que forne-
ça os indicadores bibliométricos do nosso país e, quiçá, da América Latina. Também vemos esse
horizonte com os esforços do SciELO e, pontualmente na área da Psicologia, com o PePSIC, uma
vez que as duas bases de dados fornecem indicadores de citações, baseados naqueles desen-
volvidos pelo ISI.

4 Procedimentos para Indexação


Normalmente a tarefa de solicitação de indexação fica a cargo do editor e/ou da Equipe
Editorial da revista. Apontamos alguns passos que podem facilitar esse processo.
O editor e/ou a Equipe Editorial deve conhecer a natureza da base de dados na qual a re-
vista será submetida. Cada base de dados possui seus objetivos, público-alvo, áreas temáticas
e critérios de seleção. Como vimos, alguns critérios são comuns à maioria das bases de dados,
como, por exemplo: qualidade científica da revista, reconhecimento do Corpo Editorial, quali-
dade do conteúdo, regularidade de publicação, frequência de publicação, normalização técnica
dos artigos, alcance do idioma de publicação. Uma base de dados com cobertura ampla ou
internacional não necessariamente irá incluir tudo o que se publica na área, pois as bases de
dados têm seus limites, que são, na maior parte das vezes, de caráter econômico e físico, ao in-
vés de limitações científicas das revistas. Considerando essas limitações, não basta que a revista
seja “ótima”, deve ser melhor que outras da mesma área para que seja selecionada. Mais original,
mais citada e, atualmente, estar em formato eletrônico.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


É interessante que se faça uma avaliação preliminar da publicação antes da submissão. Nor-
malmente, os critérios de seleção estão explicitados no próprio site da instituição responsável
pela base de dados. É necessário enviar uma solicitação ao responsável pela base de dados pe-
dindo a indexação. No caso de periódicos impressos, o editor deverá enviar juntamente com a
carta os números da revista publicados nos dois últimos anos, ou de acordo com a orientação da
base. No caso de a revista estar atrasada, não é conveniente solicitar a indexação, espere a situa­
ção ser regularizada. Revistas com menos de dois anos de publicação, ou apenas três números
publicados, normalmente não são selecionadas.
Com a contribuição de Gerson Tomanari, membro da Comissão de Avaliação de Publica-
ções da CAPES/ANPEPP, apontamos as bases de dados utilizadas pela Comissão CAPES/ANPEPP
Qualis Periódicos 2007.

PePSIC - Periódicos Eletrônicos em Psicologia (http://pepsic.bvs-psi.org.br)

110 Fruto da parceria entre a Biblioteca Virtual em Saúde – Psicologia (BVS-Psi), a Associação Bra-
sileira de Editores Científicos de Psicologia (ABECiP) e a União Latino-Americana de Entidades de
Psicologia (ULAPSI), o portal PePSIC reúne uma coleção de revistas científicas em Psicologia e áreas
afins, publicadas com texto completo e acesso livre. A organização e estrutura da coleção seguem
a metodologia do Scientific Electronic Library Online (SciELO). Atualmente, a coleção conta com mais
de 70 periódicos publicados de 11 países da América Latina. Para ingresso, os periódicos precisam
cumprir requisitos técnicos de editoração de artigos eletrônicos. Acesso aberto.

LILACS - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (http://www.bvs.br)

A base de dados LILACS é produzida de forma cooperativa pelas instituições que inte-
gram o Sistema Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde sob a
coordenação da BIREME/OPAS/OMS (Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em
Ciências da Saúde), compreende a literatura relativa às Ciências da Saúde publicada nos paí-
ses da América Latina, do Caribe e região a partir de 1982. Contém mais de 450 mil registros
bibliográficos e, quando possível, links para o texto completo com acesso livre. Os principais
objetivos dessa base de dados são o controle bibliográfico e a disseminação da literatura cien-
tífico-técnica latino-americana e do Caribe na área da Saúde, ausente das bases de dados in-
ternacionais. Para ingresso na LILACS, os periódicos são analisados por especialistas com base
em critérios que consideram: conteúdo, revisão por pares, Comitê Editorial, regularidade de
publicação, periodicidade, tempo de existência, normalização, apresentação gráfica. Acesso
aberto.

CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (http://www.dgbiblio.


unam.mx/clase.html)

A base de dados CLASE, criada em 1975, é mantida pela Universidade Nacional Autônoma do
México (Universidad Nacional Autónoma de México, UNAM). Contém atualmente cerca de 270 mil
registros bibliográficos, alguns dos quais remetem não apenas ao resumo, mas também ao texto
completo de artigos, ensaios, resenhas de livros, revisões bibliográficas, comunicações breves,
editorial, biografias, entrevistas e outros documentos publicados em aproximadamente 1.500
revistas, impressas ou eletrônicas, da América Latina e do Caribe, na área de Ciências Humanas e
Sociais. Para indexação na base de dados CLASE, revistas acadêmicas de pesquisa, técnico-profis-
sionais e de difusão científica ou cultural são analisadas com base em critérios de normatização
editorial, gestão e visibilidade, conteúdo com finalidade de indexação. Acesso aberto.

Capítulo 5 | Indexação e Fator de Impacto


SciELO BRASIL - Scientific Electronic Library Online (http://www.scielo.br)

A Scientific Electronic Library Online (SciELO) é uma biblioteca eletrônica que fornece acesso a
textos completos de uma coleção selecionada de periódicos científicos brasileiros. É o resultado
de um projeto de pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP),
em parceria com o Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde
(BIREME) e apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Para
ser incluído na coleção SciELO Brasil, o periódico deve passar por procedimentos de avaliação que
compreendem três aspectos: (1) de formato, quanto a adequação às normas; (2) de endogenia,
com relação à concentração institucional e geográfica do Conselho Editorial e dos autores; e (3) de
conteúdo, para assegurar a qualidade científica. No processo avaliativo, são analisados elementos
do periódico, como: caráter científico; arbitragem por pares; Conselho Editorial; periodicidade; nú-
mero de artigos por ano; tempo de existência; pontualidade, resumo, palavras-chave e título em
inglês; normalização; afiliação de autores; citações recebidas; entre outros. Acesso aberto.
111
Latindex - Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y
Portugal (http://www.latindex.unam.mx)

Criada em 1995, o Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de Amé-
rica Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex) é resultado da cooperação de uma rede de ins-
tituições que buscam reunir e disseminar informações sobre as publicações científicas seriadas
produzidas na América Latina, no Caribe, na Espanha e em Portugal, em suas respectivas línguas,
em todas as áreas do conhecimento. Latindex tem à disposição três produtos básicos de infor-
mação: 1) Um Diretório de informações editoriais sobre mais de 16 mil periódicos científicos. 2)
Um Catálogo formado por cerca de 3 mil revistas selecionadas a partir dos critérios estabeleci-
dos pelo Sistema Latindex de avaliação de periódicos. No catálogo, são divulgadas informações
sobre os critérios de qualidade cumpridos por cada revista. 3) Links para revistas eletrônicas
com mais de 2.500 revistas que fornecem os textos completos de artigos, gratuitamente ou não.
Para ingresso no Catálogo do Latindex, são consideradas as características básicas do periódico,
apresentação, gestão, política editorial e conteúdo. Acesso aberto.

PSICODOC - Base de Datos de Psicología (http://psicodoc.copmadrid.org/psicodoc.htm)

A base de dados PSICODOC dá acesso a textos completos de Psicologia e áreas afins. Mantida
pelo Colégio Oficial de Psicólogos da Espanha, PSICODOC dá acesso a cerca de 83 mil referências
bibliográficas e 10 mil textos completos de aproximadamente 600 revistas editadas na Espanha
e na América Latina a partir de 1975. Para ingresso na base de dados, o periódico é avaliado se-
gundo os critérios estabelecidos pelo Latindex, acrescidos da análise de características adicionais
(exogenia das citações, autoria em colaboração e idade da revista), algumas das quais aplicadas
exclusivamente a revistas eletrônicas (estabilidade nas datas efetivas de publicação, existência de
DOI e sistema de busca). Acesso aberto para parte da base e restrito para a base completa.

Redalyc - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal (http://
Redalyc.uaemex.mx)

A Redalyc é mantida pela Universidad Autónoma del Estado de México. Compreende cerca
de 550 periódicos científicos, em áreas diversas do conhecimento. Para ingresso na Redalyc,
os periódicos são analisados pelos critérios estabelecidos pelo Sistema Latindex de avaliação
de periódicos. Acesso aberto.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


PsycINFO (http://www.apa.org/psycinfo)

Mantida pela American Psychological Association (APA), PsycINFO é o maior banco de dados
que referencia publicações em Psicologia desde 1806 até o presente. Cobre mais de 2.150 títulos
de periódicos publicados em cerca de 50 países e 27 diferentes línguas. No PsycINFO, cerca de
1.200 periódicos estão disponíveis integralmente, enquanto que os demais têm seus artigos
analisados e selecionados pontualmente por critérios de relevância à Psicologia. São aceitos
para ingresso no PsycInfo publicações periódicas acadêmicas que contam com revisão por pa-
res e possuam título, resumos e palavras-chave em inglês. Acesso restrito.

SCOPUS (http://www.info.scopus.com)

Iniciativa da editora ELSEVIER, SCOPUS é um banco de dados de resumos e citações de tra-


balhos científicos de todas as regiões do mundo, em todas as línguas. Cobre cerca de 33 milhões
112 de resumos e 15 mil periódicos com revisão por pares, dos quais mais de 1.200 possuem acesso
aberto e gratuito. O ingresso e a exclusão de periódicos na base SCOPUS são feitos por The Sco-
pus Content Selection & Advisory Board (CSAB), um grupo de pesquisadores e bibliotecários de
todas as regiões do mundo que representam as grandes áreas do conhecimento. O conteúdo
coberto pelo SCOPUS é controlado pela demanda dos usuários e deve cumprir exigentes crité-
rios de qualidade, tais como a revisão por pares e a regularidade da publicação. Acesso restrito.

ISI Web of Knowledge (http://isiwebofknowledge.com)

Mantida pelo grupo Thomson Reuters, a ISI Web of Knowledge é uma plataforma de compar-
tilhamento, busca e análise de informações científicas em diversas áreas do conhecimento. Reú-
ne cerca de 15 mil periódicos e fornece o acesso ao Journal Citation Report (JCR), uma ferramenta
métrica de análise de citações (Fator de Impacto, Número de Citações etc.), que cobre mais de
7.500 periódicos acadêmicos com revisão por pares entre os mais citados em aproximadamente
200 disciplinas. Uma rigorosa sistemática de análise e avaliação é usada para indicar o ingresso
ou a exclusão de periódicos da base ISI. Entre os critérios empregados estão: regularidade e
pontualidade da publicação, padrões editoriais, conteúdo editorial, diversidade internacional,
relevância regional, análise de citações e impacto, além de aspectos técnicos e formais pertinen-
tes a publicações eletrônicas, em particular. Acesso restrito.

JCR - Journal Citation Reports (http://scientific.thomson.com/products/jcr/)

Operando de forma integrada à Web of Science, o JCR (Journal Citation Reports) é uma publi-
cação do ISI, atualmente fornecida pela Thomson Reuters, que oferece a avaliação dos títulos de
periódicos indexados na base de dados Web of Science, por meio do fator de impacto, imedia-
tismo e da vida média da citação. É uma importante ferramenta auxiliar tanto para o autor, que
poderá determinar onde publicar seus trabalhos com maior visibilidade, como para os biblio-
tecários, que podem realizar análise da coleção de periódicos e tomar decisões com relação às
novas aquisições e à descontinuidade de assinaturas. Acesso restrito.

PASCAL (http://ingenierie.inist.fr)

Base de dados bibliográfica multidisciplinar e multilíngue, produzida pelo Institut de


l’Information Scientifique et Technique du Centre National de la Recherche Scientifique (INIST-CNRS),
que cobre o essencial da literatura mundial em Ciências, Tecnologia e Medicina desde 1973 (17,4

Capítulo 5 | Indexação e Fator de Impacto


milhões de referências e 3.100 títulos analisados em 2008). Embora a base PASCAL proponha
uma cobertura internacional, a literatura francesa e europeia ocupam posição de destaque,
representando 47% dos documentos repertoriados. Além dos periódicos, PASCAL oferece um
grande repertório de relatórios, atas de congressos, teses etc. A interrogação de PASCAL pode
ser complementada por uma busca na base FRANCIS, produzida também pelo INIST-CNRS, nas
áreas de Ciências Humanas e Sociais. Acesso restrito.

Index Psi Periódicos (http://www.bvs-psi.org.br)

Sem a característica de avaliação, porém de inclusão, o projeto Index Psi Periódicos foi lan-
çado em 1997 e a base de dados publicada no ano 1998, a partir da parceria entre o Conselho
Federal de Psicologia (CFP) e a Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). O
objetivo da ferramenta é promover o controle bibliográfico da produção de Psicologia gerada no
Brasil e publicada em revistas científicas e de divulgação científica. Dividida em dois módulos:
Index Psi Periódicos Técnico Científico e Index Psi Periódicos de Divulgação, a base de dados in- 113
dexa mais de 190 títulos de revistas, publicadas desde 1949. Desde 2001, o Index Psi Periódicos é
mantido a partir do trabalho cooperativo da Rede Brasileira de Bibliotecas da Área de Psicologia
(ReBAP). Sob a coordenação da Biblioteca Virtual em Saúde – Psicologia (BVS-Psi), a ReBAP man-
tém a base atualizada e vem possibilitando a ampliação dos títulos incluídos. Acesso aberto.

MEDLINE (PUBMED) (http://www.nlm.nih.gov/pubs/factsheets/dif_med_pub.html)

A base de dados MEDLINE/PUBMED (Literatura Internacional em Ciências da Saúde) é pro-


duzida pela NLM (National Library of Medicine, USA) e é a mais reconhecida e valorizada na área
da saúde. MEDLINE, especificamente, é um extrato do PUBMED em que os artigos são indexados
a partir do vocabulário controlado da NLM, o Medical Subject Heading (MeSH). Indexa revistas da
área de ciências da saúde e disciplinas correlatas que são incluídas a partir de um rígido proces-
so de avaliação. Acesso aberto.

CSA Sociological Abstracts (http://www-ca4.csa.com/)

Produzida pela Cambridge Scientific Abstracts, EUA, tem como objetivo controlar todo tipo de
documentos de interesse para a área de sociologia e disciplinas relacionadas. Contém artigos de mais
de 1.800 revistas, capítulos de livros, trabalhos de congressos, dissertações e teses. Acesso restrito.

ERIC - Education Resources Information Center (http://www.eric.ed.gov/ERICWebPortal/Home.


portal)

A base de dados ERIC é a maior fonte de informação existente na área de educação e ciên­
cias correlatas. Produzida pelo Educational Resources Information Center, USA, indexa mais de
600 títulos de revistas. A maior restrição do ERIC é o fato de indexar apenas revistas que publi-
cam em língua inglesa. Além de revistas, reúne informações de relatórios, livros, trabalhos de
congressos etc. Acesso aberto.

5 Considerações Finais
Considerando o interesse do usuário final, isto é, autores, editores e leitores em geral, as
bases de indexação são importantes recursos de acesso à informação e ao documento e o canal

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


mais eficiente para organização e disseminação do conhecimento. Ao consultar uma base de
dados, o usuário tem acesso aos dados fonte do artigo e, muitas vezes, ao link para o texto com-
pleto. Assim, pesquisadores de diversos países podem dialogar em torno do conhecimento
científico e desenvolver pesquisas de forma mais rápida e globalizada.
Para os editores, a indexação da revista significa muito mais do que visibilidade e acesso ao
conhecimento, pois a inclusão de uma revista em determinadas bases de dados, consideradas
de prestígio, quer dizer a qualificação máxima da publicação.
Por mais amplos que sejam os critérios para inclusão de materiais, nenhuma base de dados
conseguirá esgotar a produção gerada no mundo e publicada no veículo mais reconhecido para
divulgação da ciência atual: o periódico. Assim, são louváveis as iniciativas locais, principalmen-
te aquelas que se referem aos países em desenvolvimento, como SciELO, PePSIC e Redalyc. Nun-
ca houve um canal que permitisse aos países menos privilegiados a ampla visibilidade do bom
conhecimento gerado por seus pesquisadores e estudiosos. Há de se eleger a Internet como a
tábua de salvação para que o conhecimento de qualidade, não importando sua procedência
114 regional, seja oferecido como contribuição para a melhoria de vida do ser humano. Nesse aspec-
to, os países menos favorecidos podem e devem contribuir, pois, na verdade, são os que mais
necessitam de investimentos em qualidade de vida.
Não foi nosso objetivo apresentar em detalhe ou mesmo explorar todas as bases de dados
disponíveis, mas sim apresentar um breve recorte na área da Psicologia, como orientação para
autores e editores que desejam enveredar por essa apaixonante esfera da revista científica.

Capítulo 5 | Indexação e Fator de Impacto


Referências

Bakkalbasi, N., Bauer, K., Glover , J., & Wang, L. (2006). Three options for citation tracking: Google Scholar,
Scopus and Web of Science. Biomedical Digital Libraries, (3), 2006. Recuperado em 01 de maio de 2008, de
http://www.bio-diglib.com/content/pdf/1742-5581-3-7.pdf
Castro, R. C. F. (2005). Procedimentos para indexação dos periódicos científicos. Minicurso ministrado duran-
te o 10º Encontro Nacional de Editores Científicos da ABEC, São Pedro, SP, 30 de novembro a 02 de de-
zembro de 2005. Recuperado em 19 de março de 2006, de http://www.eventos.bvsalud.org/abec/activity.
php?lang=pt&id=2
Coimbra Jr., C. E. A. (1999). Produção científica em saúde pública e as bases bibliográficas internacionais.
Cadernos de Saúde Pública, 15(4), 883-888. Recuperado em 03 de janeiro de 2008, de http://www.scielosp.
org/pdf/csp/v15n4/1028.pdf
Dantas, P. E. C. (2004). Indexação bibliográfica em bases de dados: o que é? Para que serve? Onde estamos?
Arquivos Brasileiros de Oftalmolologia, 67(4), 569-570. Recuperado em 09 de junho de 2008, de http://www.
115
scielo.br/pdf/abo/v67n4/21399.pdf
Mugnaini, R., Jannuzzi, P., & Quoniam, L. (2004). Indicadores bibliométricos da produção científica brasileira:
uma análise a partir da base Pascal. Ciência da Informação, 33(2), 123-131. Recuperado em 25 de março de
2008, de http://www.scielo.br/pdf/ci/v33n2/a13v33n2.pdf

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Capítulo 6
Preparando um Artigo Científico
Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini
Maria Imaculada Cardoso Sampaio
Sílvia Helena Koller

Neste capítulo ofereceremos orientações aos estudantes, pesquisadores, editores e profis- 117
sionais da área de Psicologia e ciências afins quanto à preparação e normalização do artigo
científico. Procuramos apresentar e discutir sobre os diversos elementos que compõem o artigo,
assim como definições e subsídios para sua elaboração.
Seguindo a tendência observada nas publicações da área, tanto no Brasil como nos demais
países da América Latina, buscamos no Manual de Publicação da American Psychological Asso-
ciation (APA)1 e nas revistas editadas por essa associação, as fundamentações para consolidar as
orientações aqui apresentadas.
Sabadini, Nascimento e Cadidé (2007) analisaram os 69 títulos das revistas brasileiras de Psi-
cologia avaliadas pela Comissão Editorial CAPES/ANPEPP2 no próprio ano de 2007 e observaram
que 51% utilizavam as diretrizes da APA para normalização técnica de seus artigos. Mesmo de
forma não sistemática, a partir da observação informal, notamos que a maioria das revistas dos
países parceiros da BVS ULAPSI3 também utiliza o manual de estilo da APA para a normalização
de seus artigos.
Observamos que os periódicos editados pela American Psychological Association (APA), as-
sim como os demais em língua inglesa, não trazem em seus artigos todos os elementos apre-
sentados nos artigos nacionais, como é o caso dos resumos, palavras-chave e títulos em outras
línguas. As revistas brasileiras, assim como outras de muitos países, publicam esses elementos
como um esforço para dar visibilidade ao conhecimento ali registrado, considerando que o in-
glês vem se firmando como a língua franca da ciência.

1 Informações sobre a APA podem ser encontradas no site: www.apa.org/.


2 Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (http://www.capes.gov.br/) / Associação Nacional de Pesquisa e Pós-
graduação em Psicologia (http://www.anpepp.org.br/).
3 Biblioteca Virtual en Salud – Unión Latinoamericana de Entidades de Psicologia (http://www.ulapsi.bvsalud.org/html/es/home.html).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1 O Artigo Científico
O artigo científico é um texto técnico-científico, escrito por um ou mais autores, de acordo
com as normas editoriais de um determinado periódico. Pode ser gerado a partir do relato de
uma pesquisa científica, da síntese de uma dissertação ou tese ou da reflexão ou revisão de um
determinado tema.
Para a American Psychological Association (APA, 2001a), os artigos de periódicos são “des-
crições de estudos empíricos, artigos de revisão ou artigos teóricos” (p. 33). Os artigos de es-
tudos empíricos são descrições de pesquisas originais, ou seja, não publicadas e comumente
“consistem de seções distintas que refletem as etapas no processo de pesquisa” e aparecem na
sequência: introdução, método, resultados e discussão (pp. 33-34). Ainda de acordo com a APA,
os artigos de revisão “são avaliações críticas de material que já foi publicado” e o teórico são tra-
balhos “nos quais o autor utiliza a literatura de pesquisa existente para desenvolver a teoria em
qualquer área da psicologia” (p. 34).
118 Segundo Trzesniak (2008), no artigo científico o fato que embasa o texto é o elemento mais im-
portante da redação científica. Distintamente de todas as demais formas de produção textual (poe­
sia, crônica, romance), o fato científico tem de ser real, notável e acuradamente descrito. Em termos
de perenidade, o texto do artigo científico não deve se destacar relativamente aos fatos que aborda,
mas ser amparado por eles e por argumentos lógicos para justificar as ideias que apresenta. Deve
ser sóbrio, rigoroso, objetivo, uma vez que a linguagem científica não aceita figuras de estilo, mas
emprega as palavras com clareza, em seu sentido exato. Mesmo que a redação não cumpra todos os
itens anteriores, o fato gerador do artigo científico deve estar garantido. Portanto, é absolutamente
inaceitável no trabalho científico que o texto mascare, altere, distorça, omita ou crie fatos.
O artigo científico é composto de partes específicas que devem ser distribuídas de acordo
com as normas estabelecidas pela revista à qual é submetido. O artigo é assim chamado após a
efetiva publicação na revista, até então é denominado “manuscrito”.

2 O Manuscrito
O termo “manuscrito” do latim manu scriptu, de acordo com Ferreira (1999), significa “aquilo
que se escreveu à mão” ou “original de texto, mesmo que mecanografado” (p. 1276). Em se tra-
tando do trabalho científico, “o termo ‘manuscrito’, equivalente em inglês ao paper, são usados
com relação ao documento escrito pelos autores e enviado para apreciação pelo periódico ou
editora” (Spector, 2002, p. 71). Após efetivamente publicado, o manuscrito passa a ser denomi-
nado “artigo”. No caso de ser publicado em revistas científicas, será um “artigo científico”. Trzes-
niak e Koller (neste livro) criam um neologismo para fazer referência aos textos confeccionados
no computador: compuscritos.
Um manuscrito deve apresentar praticamente todos os elementos do artigo científico, com
exceção dos dados que são acrescentados pela Equipe Editorial do periódico, por exemplo, as
legendas e as datas de recebimento e aceite do manuscrito. Os diversos elementos que com-
põem um artigo científico estão descritos no item 3.
Para que o manuscrito seja, finalmente, publicado em um periódico científico, uma série de
etapas e procedimentos editoriais deve ser percorrida. Esses procedimentos são comuns para
a maioria das revistas, com exceção de algumas particularidades, e consistem basicamente nas
seguintes etapas:
1) os autores submetem o manuscrito juntamente com a carta de apresentação aos editores
da revista eleita;
2) os editores da revista recebem o manuscrito com a carta de intenção de publicação;

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


3) a secretaria da revista envia um comunicado aos autores acusando o recebimento do ma-
nuscrito e com informações a respeito do processo editorial, desde que o material enviado
esteja completo e de acordo com as recomendações presentes nas normas editoriais da
revista. Esse comunicado atualmente é feito via e-mail. Quando a revista utiliza o sistema de
submissão eletrônico, este passo é executado automaticamente;
4) os editores e/ou a Comissão Editorial ou Executiva faz uma pré-avaliação do manuscrito e
encaminha para o Conselho Editorial ou Científico para avaliação;
5) o Conselho Editorial ou Científico encaminha para os consultores ad hoc (normalmente para
dois pareceristas);
6) os consultores avaliam o artigo, emitem o parecer e remetem aos editores;
7) os editores analisam o parecer recebido. Em geral, há solicitação de reformulações por parte
dos autores, antes da aceitação final;
8) os editores enviam aos autores uma carta de recomendação ou de rejeição do manuscrito.
Na recomendação, os autores poderão fazer revisões e devolver o texto aos editores;
9) os editores recebem a versão revisada e enviam ao Conselho Editorial ou Científico para 119
mais uma apreciação;
10) os editores recebem o parecer do Conselho Editorial ou Científico e tomam a decisão final
sobre o manuscrito, comunicando aos autores a aceitação final ou rejeição.

Comumente, esse processo é demorado, e os autores podem esperar de oito a doze meses
para terem seu manuscrito definitivamente publicado como um artigo científico. Mas todas es-
sas etapas devem ser cumpridas por um periódico de qualidade. Para agilizar esse processo, os
autores podem auxiliar, ao enviar o manuscrito para uma revista que contemple o tema do seu
trabalho, o tipo de estudo desenvolvido e cumprir à risca as normas editoriais da revista.
O cuidado dos autores na elaboração e normalização do trabalho pode resultar em um
processo editorial mais ágil e na rápida aceitação e publicação de sua contribuição. Sabemos
que, devido à necessidade que os pesquisadores têm de publicar, as revistas recebem muitos
manuscritos para avaliação. Um texto bem escrito e dentro das normas da revista é sempre bem
recebido pelos editores que terão seu trabalho facilitado pelo capricho dos autores.

3 Estrutura e Conteúdo do Artigo Científico


Os elementos que compõem um artigo científico de acordo com a Associação Brasileira de
Normas Técnicas (ABNT, 2003) são:

1) pré-textuais, antecedem o texto com informações que ajudam em sua identificação (título
e subtítulo (se houver), nome(s) do(s) autor(es), resumo na língua do texto e palavras-chave
na língua do texto);
2) textuais, parte do trabalho onde é exposta a matéria (introdução, desenvolvimento e con-
clusão);
3) pós-textuais, complementam o trabalho (título e subtítulo (se houver), em língua estrangeira,
resumo em língua estrangeira, palavras-chave em língua estrangeira, nota(s) explicativa(s),
referências, glossário, apêndice(s) e anexo(s)).

Observamos que algumas revistas na área da Psicologia apresentam o título e subtítulo (se
houver), o resumo e as palavras-chave em língua estrangeira logo após o resumo e as palavras-
chave na língua do texto. Concordando com essa tendência que objetiva dar uma rápida identi-
ficação desses elementos no artigo, sugerimos aos editores que o abstract e as keywords sejam

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


dispostos logo após o resumo e as palavras-chave. Entretanto, recomendamos aos autores que
as normas editorias da revista sejam consultadas antes da submissão do manuscrito.
A seguir relacionamos os diversos elementos que compõem um artigo científico e apresen-
tamos também, no Anexo A, de forma resumida, a disposição desses elementos. Vamos iniciar
com os elementos que antecedem o texto propriamente dito.

3.1 Título
O título de um artigo é a sua etiqueta e, além de nomear o trabalho, tem como objetivo
atrair os leitores para a leitura do texto completo. De acordo com Secaf (2004), o título pode
ser classificado em sintético (sucinto), analítico (explicativo), genérico (amplo) e restritivo (limi-
tado, reduzido).
A elaboração do título deve ser a última tarefa a ser cumprida pelos autores de um artigo.
120 Ao iniciar o trabalho, os autores podem idealizar alguns títulos que serão temporários, pois é à
medida que o trabalho se desenvolve que aparecerá a versão definitiva. O importante é que re-
presente, em poucas palavras, o conteúdo do artigo e as variáveis principais do estudo. O título
deve ter algumas características:

• clareza: deve ser capaz de dar a ideia exata do conteúdo do artigo, independente da leitura
do resumo ou de outras partes do trabalho;
• criatividade: deve despertar nos leitores o interesse pelo texto completo. Portanto, deve ser
atraente e funcionar como um convite;
• extensão: deve ter no máximo 12 palavras, segundo recomendação da APA. O título deve ser
o mais curto possível, porém é necessário manter a clareza do conteúdo do trabalho;
• qualidade dos termos: devem ser evitadas as palavras chamadas “parasitárias”, como por
exemplo: “contribuição”, “investigação”, “observações”, “vários”, “alguns”, “diversos” e outras que
não contribuem para o esclarecimento dos leitores e tornam o título longo e tedioso. Além
disso, a seleção de termos relevantes facilita a recuperação do artigo nas bases de dados, que,
em geral, têm no título uma das chaves de acesso.

A ordem das palavras pode alterar o entendimento do título pelos leitores, ou servir para
chamar a atenção para a leitura do texto. Volpato (2003) orienta que o intuito do título é: “Atrair
o leitor. Informar o leitor. Não enganar o leitor. Não aborrecer o leitor” (p. 110).
Resumindo, o título é o elemento-chave que faz os leitores optarem, ou não, pela leitura
do documento. Lembre-se então: o título será a primeira parte de seu trabalho a ser lida e
aquela que estará em todos os indexadores e bases de dados fazendo a disseminação do
estudo. Capriche!
Nota. O título e subtítulo (se houver) devem ser traduzidos para as versões estrangeiras dos re-
sumos apresentados na revista, comumente inglês e espanhol.

3.1.1 Subtítulo
Segundo a ABNT (2003), subtítulos são “informações apresentadas em seguida ao título,
visando esclarecê-lo ou complementá-lo de acordo com o conteúdo da publicação” (p. 2). A
ABNT orienta também que o subtítulo deve ser “diferenciado tipograficamente ou separado
por dois-pontos (:)”. Recomendamos que o subtítulo seja incluído no artigo somente quando
se fizer necessário, ou complemente o título. Caso contrário, despreze o subtítulo. Um exercício
interessante é retirar o subtítulo e verificar se realmente faz falta. Caso não faça, exclua! Por

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


exemplo, no título: “A Psicologia no Ensino Fundamental: Algumas Considerações”. O subtítulo
é perfeitamente dispensável. Nenhum autor(a) consegue fazer todas as considerações, logo o
complemento é óbvio e desnecessário.

3.1.2 Título Resumido


Algumas revistas solicitam também aos autores que enviem um título resumido do traba-
lho, para inclusão na legenda das páginas do artigo quando publicado na revista.
A APA chama esse título de “Título corrente para publicação”, que significa “um título abrevia-
do que aparece no alto das páginas de um artigo publicado para que os autores possam identi-
ficar o artigo”. Esse título deve conter “no máximo 50 caracteres, contando-se letras, pontuação
e espaços entre as palavras” (2001a, p. 36). Exemplificamos essa forma de apresentação de título
com dois exemplos de artigos publicados nos periódicos Revista de Etologia (2006, vol. 8, n. 2) e
Psicologia: Teoria e Pesquisa (2008, vol. 24, n. 2), respectivamente:
121

Título: Imobilidade tônica e imobilidade do nado forçado em cobaias


Título abreviado para legenda: Imobilidade na cobaia
_____________

Título: Gravidez do primeiro filho: papéis sexuais, ajustamento conjugal e emocional


Título abreviado para legenda: Gravidez do primeiro filho

3.2 Autoria
Na apresentação de publicações científicas, o campo “autoria” refere-se ao local reservado
às pessoas ou entidades que de alguma forma deram uma contribuição original e assumiram
responsabilidades pelo trabalho apresentado. Para Ferreira (1999, p. 236), a autoria aplica-se à
“qualidade ou condição de autor”, e o termo autor “Do lat. Auctore” refere-se ao “inventor, desco-
bridor, criador...”.
Um autor pode ser uma pessoa física ou uma entidade. Assim, para a ABNT (2003), autor(es)
são “pessoa(s) fisicas(s) responsável(eis) pela criação do conteúdo intelectual ou artístico de um
documento”, e autor(es) entidades(s) são “instituições, organização(ões), empresa(s), comitê(s),
comissão(ões), evento(s), entre outros, responsável(eis) por publicações em que não se distingue
autoria pessoal” (p. 2). Atualmente observamos que muitos artigos são publicados por mais de
um autor, ou seja, em coautoria. Para Ferreira (1999, p. 490), o termo coautor significa “aquele que
produz com outrem qualquer trabalho ou obra; colaborador, coparticipante”.
De acordo com a APA (2001a): “a autoria abrange não apenas aqueles que de fato escrevem
um artigo, mas também aqueles que deram uma contribuição científica significativa para um
estudo” (p. 33). Seguindo recomendações dessa associação, em um trabalho de pesquisa é sem-
pre bom determinar o mais cedo possível quem será listado como autor(a), qual será a ordem de
autoria e quem receberá uma forma alternativa de reconhecimento.
Em geral, nos artigos científicos os nomes dos autores aparecem na ordem direta, por exten-
so. Algumas revistas abreviam o nome do meio dos autores quando da publicação da contribuição
na publicação. Na indicação dos nomes no manuscrito, os autores devem omitir os títulos e graus,
por exemplo: prof., dr., ph.d. Recomendamos aos autores que usem uma única forma de apresen-
tação do nome ao longo de sua carreira. Esse tema da autoria e coautoria é discutido em capítulo
específico neste manual (Sampaio & Sabadini; ver ainda Fine & Kurdek, 1993).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


3.2.1 Afiliação Institucional dos Autores
A indicação da instituição de afiliação dos autores tem como objetivo identificar institu-
cionalmente os responsáveis pelo trabalho e agrupar a produção de uma instituição específica.
Além de dar maior visibilidade aos autores, o registro de sua afiliação permite que sejam levan-
tados “indicadores bibliométricos”, utilizados em análises da produção institucional, nacional e/
ou regional. Assim, as bases de dados indexadoras primam pelo registro dessa informação, pois
com elas são elaborados estudos, e as agências de fomento podem julgar a produção dos pes-
quisadores para efeito de concessão de apoios, bolsas etc.
A afiliação institucional também salienta as linhas de pesquisa daquela instituição e a sua
contribuição para o desenvolvimento da ciência.
No manuscrito, a indicação do(s) nome(s) da(s) instituição(ões) deve(m) ser por extenso e
seguir as normas apresentadas nas instruções aos autores da revista.
No artigo propriamente dito, ou seja, no artigo formatado, a apresentação do(s) nome(s) da(s)
122
instituição(ões) comumente aparece por extenso, logo abaixo do nome do autor. Exemplo:

[Título do Artigo]

Antonio Marcos Amorim


Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo

Algumas revistas adotam por mencionar somente o nome da Instituição e não listam os
nomes do Instituto, Faculdade, Programa, Departamento etc. Exemplo:

[Título do Artigo]

Antonio Marcos Amorim


Universidade de São Paulo

Há revistas que apresentam, após o nome da instituição, sua localização geográfica. Reco-
mendamos aos editores, que optarem por mencionar o local da instituição dos autores abaixo
de seus nomes, que indiquem por extenso (cidade, estado [se houver] e país). Exemplos:

[Título do Artigo]

Antonio Marcos Amorim


Universidade de São Paulo
São Paulo, São Paulo, Brasil

[Título do Artigo]

Sílvia Helena Koller


Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Alberto de Castro
División de Humanidades y Ciências Sociales, Universidad del Norte
Barranquilla, Colômbia

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


[Título do Artigo]

Nome completo do autor


Université de Paris 1
Paris, França

[Título do Artigo]

Nome completo do autor


Universidade Estadual Paulista
Assis, São Paulo, Brasil

123
Nota. Atualmente as revistas nacionais estão expandindo cada vez mais suas indexações em
bases de dados internacionais e sendo distribuídas para outros países. Assim, recomendamos
aos editores de revistas que indiquem também o país.

No caso de um autor possuir mais de um vínculo institucional, recomendamos indicar na


revista até duas instituições (APA, 2001a, 2001b). Exemplo:

[Título do Artigo]

Nome por extenso do autor


Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Fundação Getulio Vargas

Alguns periódicos registram essas informações no rodapé, onde observamos três formas de
apresentação: numerando-se pela ordem em que aparece no artigo (1,2,3); acrescentando símbo-
los (*,**,#,§); apresentando as informações sem sinalização. Exemplo:

[Título do Artigo]

Maria Imaculada Cardoso Sampaio1


Claudia Londoño2

1 Biblioteca Dante Moreira Leite, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.
2 Instituto de Psicología, Universidad Del Valle, Cali, Colombia.

Notas. 1) Salientamos que a maioria das revistas nacionais identifica a instituição dos autores
logo após os nomes dos mesmos; 2) considerando o meio virtual em que as revistas estão sendo
inseridas atualmente, recomendamos o uso de símbolos para identificação das notas de rodapé,
diferenciando assim das notas do corpo do texto. Exemplo:

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


[Título do Artigo]

Maria Imaculada Cardoso Sampaio*


Claudia Londoño**

* Biblioteca Dante Moreira Leite, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.
** Instituto de Psicología, Universidad Del Valle, Cali, Colombia.

Quando um autor não possuir nenhum vínculo com universidade ou instituição, recomen-
damos citar o local de residência do(s) autor(es): nome da cidade, estado (se houver) e país.
Exemplos:
124

[Título do Artigo]

Ana Martina Del Masso Ferreira


Marília, São Paulo, Brasil

[Título do Artigo]

Ana Carolina Zoqui


Lexington, Massachusetts, Estados Unidos da América

3.2.2 Endereço Institucional dos Autores


O endereço institucional informa sobre a principal instituição à qual os autores são afiliados.
Atualmente, o endereço mais utilizado para contato é o e-mail (correio eletrônico), entretanto, o
endereço físico ainda deve ser indicado.

Nota. Como mencionamos, atualmente as revistas nacionais estão expandindo suas inde-
xações em bases de dados internacionais, sendo cada vez mais distribuídas para outros
países. Assim, recomendamos aos editores de revistas que indiquem também o nome do
país. Exemplo:

[Título do Artigo]

Antonio Marcos Amorim*


Universidade de São Paulo

* Endereço para correspondência: Biblioteca Dante Moreira Leite, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo,
Avenida Prof. Mello Moraes, 1721, Bloco C, Cidade Universitária, São Paulo, SP, Brasil 05508-030. E-mail: amorim@usp.br

Nota. Na apresentação do endereço do autor, recomendamos citar o estado pela sigla.

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


Quando um autor não possuir nenhum vínculo com universidade, instituição, clínica parti-
cular, deve-se indicar o endereço residencial. Exemplo:

[Título do Artigo]

Ana Martina Del Masso Ferreira*


Marília, São Paulo, Brasil

* Endereço para correspondência: Rua 21 de Abril, 324, Bairro Maria Isabel, Marília, SP, Brasil 17.501-550. E-mail:
anadelmasso@gmail.com

3.2.3 Informações sobre os Autores


125
As informações sobre os autores são normalmente apresentadas na forma de um breve re-
sumo do currículo dos responsáveis pelo texto. Atualmente, além do resumo curricular, algumas
revistas publicam também a fotografia dos autores, registrando a imagem. Essas informações
podem figurar ao final do artigo, após as datas de tramitação do manuscrito ou em notas de ro-
dapé no início do artigo. Essa disposição depende do padrão da revista, não são todas as revistas
da área que apresentam essas informações. Os periódicos editados pela APA não apresentam
esse registro, limitam-se apenas à apresentação dos dados referentes à afiliação institucional.
Se a revista optar pela apresentação de informações sobre os autores, recomendamos que
essas informações sejam listadas no final do artigo, após as datas de tramitação do manuscri-
to juntamente com o endereço institucional. Nesse caso é interessante a revista apresentar no
campo “afiliação institucional dos autores” o nome e local da instituição, pois, assim, facilita a
identificação desses elementos, fazendo que o leitor ou avaliador não precise ir ao final da revis-
ta para identificá-los. O Anexo B traz exemplos de como apresentar essas informações.

3.2.4 Notas do Autor


São informações complementares que devem ser informadas pelos autores, tais como finan-
ciamento total ou parcial à pesquisa que fundamentou o trabalho, que o artigo foi gerado a partir
de um trabalho publicado em anais de evento, ou que é parte de uma dissertação de mestrado
ou tese de doutorado, agradecimentos. Com relação ao financiamento recebido por agências de
fomento, devemos registrar a instituição financiadora e o número do projeto. Essas informações
comumente aparecerem na primeira página do artigo formatado, no rodapé. Exemplos:

Pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo


(FAPESP - Processo n. 00/0000-0).

Palestra realizada durante a I Jornada de Psicologia Social. Protagonistas da Psicologia Social:


Percursos e Contribuições, realizada em 22 de novembro de 2006, no Instituto de Psicologia
da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Artigo elaborado a partir da dissertação de mestrado [Título em Itálico], sob a orientação de


[Orientador, ordem direta] no Programa de Mestrado em Psicologia na [Nome da Instituição
por extenso], [Local].

Agradecemos ao Professor [nome, ordem direta] pelas sugestões relevantes.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


3.3 Título e Autoria: Recomendações
Observamos que alguns periódicos da área de Psicologia apresentam as informações pre-
sentes nos campos título e autoria em formatos não padronizados, ou seja, indicam as infor-
mações que complementam o título, que indicam a instituição e o endereço dos autores de
diferentes maneiras em um mesmo número de revista.
Ressaltamos que a forma adotada para normalização desses dados, independente dos exem-
plos apontados neste capítulo, deve ser mantida em todos os artigos e números da revista.
Um periódico deve apresentar esses elementos de forma organizada e padronizada, assim,
nos Anexos B e C apresentamos sugestões para descrição desses dados e listamos algumas re-
comendações aos editores de revistas:

• usar um único padrão para apresentação dos títulos dos artigos:

126 1) em negrito, com iniciais em maiúsculas (com exceção dos artigos); ou 2) todo em maiúsculas;
ou 3) em negrito, com a primeira letra do título em maiúscula.

• usar um único padrão para indicar os nomes dos autores:

1) todos os nomes por extenso. Exemplo: Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini; ou 2)
abreviar o sobrenome do meio. Exemplo: Aparecida Angélica Z. Paulovic Sabadini; ou 3) abreviar
todos os nomes do meio. Exemplo: Aparecida A. Z. P. Sabadini.

• padronizar a forma de apresentação das instituições, acrescentando-as abaixo do nome


dos autores ou em nota de rodapé. Comumente aparecem abaixo do(s) nome(s) do(s)
autor(es);
• padronizar a indicação da instituição:

1) padronizar a indicação dos nomes dos departamentos, institutos, faculdades. Exemplo: Fa-
culdade de Medicina, Universidade de São Paulo; ou 2) com indicação somente do órgão maior.
Exemplo: Universidade de São Paulo; ou 3) com indicação das instituições mais o local. Exemplo:
Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

• A forma de apresentação do endereço dos autores deve ser mantida em todos os números.
Desse modo, deve-se padronizar a indicação do nome da rua ou avenida, do bairro, da cida-
de, do estado, do país, do CEP, do endereço eletrônico etc. Por exemplo, se a revista optar pela
apresentação da palavra rua e avenida no formato abreviado, esse procedimento deve ser
mantido em todos os artigos (R. ou Av.); se a opção for o formato extenso (Rua ou Avenida),
o periódico deve manter esse padrão em todos os textos da revista. Sugerimos com base no
manual da APA (2001a, 2001b):

1) apresentar as palavras rua, avenida, bloco, apartamento, sala, praça etc. por extenso;
2) após a indicação do nome da rua ou avenida, apresentar o número sem a palavra “n.”;
3) apresentar os nomes dos bairros por extenso;
4) local: nome da cidade, sigla do estado (quando houver) e nome do país;
5) CEP – sem a indicação da palavra “CEP”;
6) e-mail em vez de correio eletrônico.

Exemplo:

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


Avenida Prof. Mello Moraes, 1721, Bloco A, Cidade Universitária, São Paulo, SP, Brasil 05508-030.
E-mail: xxxxx@usp.br

Relacionamos, também, recomendações para os periódicos que no registro dessas informa-


ções (título e autoria) optarem por seguir todo o estilo adotado pelas revistas editadas pela APA:

• título e subtítulo (se houver) do artigo em negrito com iniciais em maiúsculas;


• apresentar as iniciais dos nomes do meio dos autores;
• listar abaixo do(s) nome(s) do(s) autor(es) o nome da instituição por extenso;
• listar no máximo duas instituições, mesmo um autor pertencendo à três ou mais;
• autores sem vínculo institucional devem ser identificados pelo nome da cidade e estado (au-
tores nacionais) e cidade e país (autores estrangeiros) onde possuírem residência;
• apresentar as informações referentes aos autores (notas do autor) no rodapé: a) nomes de todos
127
os autores com identificação do departamento, faculdade, instituto etc.; b) fontes de apoio; c)
agradecimentos aos colegas que deram contribuições ao estudo; d) indicar o nome e endereço
do autor que fornecerá maiores informações sobre o artigo (normalmente o primeiro autor);
• as notas dos autores são apresentadas no rodapé sem sinalização numérica (1,2,3) ou simbó-
lica (*, **, #, §).

Apresentamos, no Anexo D, exemplo da disposição desses elementos.

3.4 Resumo
O resumo é geralmente o segundo item que os leitores consultam em um artigo científico e
o segundo elemento mais lido. Mas deve ser a penúltima tarefa a ser cumprida pelos autores. A
última é a redação final do título do artigo. As bases de dados apresentam, em geral, a referência
e o resumo dos artigos indexados. Os pesquisadores elegem, então, a partir dessas informações,
os textos que serão lidos na íntegra.
O resumo deve conter uma representação breve, mas precisa, do conteúdo do artigo. O
resumo deve apresentar os principais itens, na ordem em que aparecem no texto, abrangendo
as principais partes: objetivo da pesquisa, proposição do problema, método, resultados, conclu-
sões e recomendações, quando houver. Quanto ao estilo do resumo, destacamos alguns crité-
rios sugeridos pelas autoras Granja e Grandi (1995, pp. 19-20):

• ter clareza e precisão, sem redundância;


• incluir termos relevantes que não constem do título e aqueles que poderão ser adotados na
indexação (termos que representam os assuntos tratados no texto);
• utilizar a terceira pessoa do singular no texto do resumo. Exemplo: “Estuda o significado do
tema...” no lugar de “Pretendemos verificar o significado do tema...”;
• usar verbo na voz ativa sempre que possível, pois permite a elaboração de expressões mais
diretas.

Com base no manual da APA (2001a, 2001b) e em orientações de Granja e Grandi (1995),
recomendamos, ainda:

• evitar o uso de siglas e abreviaturas. Quando imprescindível para compreensão do resumo,


as siglas devem ser explicadas por extenso, quando apresentadas pela primeira vez;

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


• usar abreviaturas latinas somente quando necessárias. Quando indicadas no resumo devem
ser apresentadas sem tradução. Por exemplo: i.e. (isto é), vs. (versus), e.g. (por exemplo), cf.
(compare), etc. (e assim por diante). Lembre-se de que o latim está cada vez mais longe do
cotidiano da língua portuguesa, evite!
• listar nomes de testes e dos genéricos dos fármacos por extenso. Exemplo: Wechsler Intelli­
gence Scale for Children – III (WISC-III); não WISC-III;
• evitar referências a outros estudos;
• quando o nome de uma pessoa física for mencionado no resumo, que não uma citação, indi-
car as iniciais e os sobrenomes. Exemplo: A. C. Souza não Ana Carolina Souza;
• o resumo não deve conter figuras, tabelas, notas;
• formatar o resumo em frases reunidas em um parágrafo único, de acordo com as normas
editoriais das revistas, que em geral orientam sobre o tamanho do resumo requerido.

A APA (2001a) recomenda que um resumo seja o mais sucinto possível, “não devendo ultra-
128 passar mais de 960 caracteres com espaços, o que corresponde aproximadamente a 120 pala-
vras” (p. 37). Seguindo recomendações da associação, um resumo de um “relatório de um estudo
empírico” deve ter de 100 a 120 palavras e um “artigo de revisão ou teórico” de 75 a 100 palavras.
Para a APA, resumos de revistas que não seguem esse formato serão truncados quando de sua
inclusão na base de dados PsycINFO.
A área de Ciências da Saúde, desde a década de 1980, vem dando preferência ao resumo es-
truturado. Essa forma de resumo nomeia cada uma das seções do artigo facilitando a identifica-
ção dos elementos no texto. Assim, temos o resumo dividido em seções, com suas designações
específicas: Objetivo, Método e Materiais, Resultados e Conclusões. A revista Health Psychology,
editada pela APA, desde o ano 2007, apresenta o resumo de forma estruturada, nomeando as
seções: Objective, Design, Main Outcome Measures, Results e Conclusion. Esse tipo de resumo fa-
cilita o trabalho de indexação dos artigos nas bases de dados, e dos investigadores que utilizam
os resumos como objetos de pesquisa.
Em ciência, o compromisso com a objetividade e a clareza é essencial. Lembramos que pa-
lavras do resumo são recuperadas nas buscas das bases de dados, por isso devem ser represen-
tativas do conteúdo.
Muitas vezes, o resumo é confundido com outras modalidades de síntese do trabalho,
como, por exemplo, uma resenha, um sumário, uma recensão, uma sinopse e outros. Resenha é
a descrição do documento publicado, na qual os autores se limitam à exposição do conteúdo,
evitando colocar sua opinião.
Sumário é a apresentação das partes de um documento na ordem em que aparecem na
publicação, sendo muitas vezes confundido com o índice (index), que é a reunião de partes do
documento, autores ou palavras-chave, que formam um elenco sob um mesmo cabeçalho. O
índice é uma organização bem mais complexa que o sumário e gera um documento de consulta
detalhada. Por exemplo, um livro cujo conteúdo apresente matérias sobre muitos autores reno-
mados, poderia ter, no final, um índice dos autores arrolados. O sumário limita-se a apresentar
os principais capítulos do livro.
Recensão é uma resenha, que inclui a opinião dos autores, os quais emitem julgamentos
e fazem críticas com relação ao texto. No entanto, essa palavra está caindo em desuso, sendo
substituída pelo termo “Resenha”.
Sinopse é a apresentação resumida de um artigo, texto, livro ou outro documento, não obri-
gatoriamente elaborado pelos próprios autores.
O resumo informativo é o mais utilizado nas revistas da área de Psicologia. Deve ser es-
crito em um único parágrafo, com frases curtas, preferencialmente, e na ordem direta. Não
desperdice espaço de seu resumo com palavras irrelevantes. Um bom resumo deve responder

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


às perguntas: O quê, para quê? (objetivos); Como? (método); A que chegamos? (resultados); O
que obtivemos conversa com os objetivos? (conclusões do trabalho).
A crescente demanda pela internacionalização do conhecimento produzido no país tem
exigido a publicação de resumos em inglês (abstracts) de todos os artigos. O abstract não deve
ser uma tradução literal do resumo em português, mas uma versão integrada, na qual constem
as mesmas informações. Sugere-se que o resumo e o abstract sejam confeccionados concomi-
tantemente, em um esforço para obter maior coerência e concordância entre eles.
Visando, ainda, ampliar a visibilidade do conhecimento publicado, muitas revistas incluem a
versão do resumo em outras línguas, além do inglês, como o francês e o espanhol. Em se tratan-
do de revistas publicadas em um país da América Latina, como é o caso do Brasil, há uma lógica
em publicar o resumo em língua espanhola. Essa atitude terá efeitos positivos na promoção das
tão almejadas citações cruzadas entre os autores da região. No entanto, é importante lembrar
que os resumos publicados em qualquer outro idioma devem ser bem revisados, preferencial-
mente por uma pessoa nativa ou bilíngue, para que sejam apresentados com correção.
Considerando o rápido crescimento do Portal PePSIC (Periódicos Eletrônicos em Psicologia, 129
www.pepsic.bvs-psi.org.br), com sua vocação para a publicação de revistas dos países latino-
americanos, devemos incentivar a publicação de resumos em espanhol para aquelas em língua
portuguesa e em português, para as revistas em língua espanhola. À medida que novas bases
de dados são criadas e ampliadas e que estudos são efetuados a partir dos resumos disponíveis
nessas ferramentas, aumenta-se a responsabilidade dos autores em relatar nesse item do artigo
as principais partes de seu estudo.

3.5 Palavras-chave e Descritores


Palavras-chave e descritores são termos diferentes que, devido ao uso equivocado, vêm
ganhando a mesma conotação. Na prática, descritores e palavras-chave são palavras ou grupo
de palavras que descrevem o conteúdo do documento. A diferença é que as palavras-chave são
termos livres retirados do texto sem nenhum compromisso com a normalização. Os descritores
são uma espécie de filtro entre a linguagem utilizada pelos autores – a linguagem natural – e a
terminologia da área. Ambas têm como objetivo descrever os conceitos e assistir os usuá­rios na
busca pela informação em bases de dados.
Descritores são organizados segundo um método no qual é possível especificar as relações
entre conceitos, com o propósito de facilitar o acesso à informação. A essa organização damos o
nome de Vocabulário Controlado ou Estruturado.
A área da Psicologia conta com valiosos vocabulários controlados que auxiliam na atribui-
ção dos descritores e, consequentemente, na recuperação da informação. O mais reconhecido
internacionalmente é o Thesaurus of Psychological Index Terms, editado pela American Psycho-
logical Association (APA), desde 1973. Foi apresentado como “uma lista autorizada que tornava
possível a representação precisa do conteúdo da literatura psicológica e acrescentaria finalida-
de e precisão às operações de busca e recuperação da informação especializada” (Histórico do
vocabulário controlado, n.d.).
No Brasil, autores, bibliotecários e usuários contam com a Terminologia Psi, disponível
na Biblioteca Virtual em Saúde – Psicologia (BVS-Psi, www.bvs-psi.org.br), que busca norma-
lizar os termos da área, assegurando a indexação e a recuperação eficientes da informação
psicológica. A Terminologia Psi apresenta o termo principal; a versão em inglês e espanhol;
o termo que, embora equivalente, não deve ser utilizado; o termo geral, o específico e os
termos relacionados. O exemplo a seguir ilustra as relações tal como aparecem no descritor:
Psicologia junguiana.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Termo em Português: Psicologia junguiana (Termo principal)
Termo em Inglês: Junguian psychology (Termo em inglês)
Termo em Espanhol: Psicología junguiana (Termo em espanhol)
Usado para: Psicologia analítica (Termo equivalente que não deve ser utilizado)
Termo geral: Escola neopsicanalítica (Termo mais amplo)
Termo específico: Inconsciente coletivo (Termo específico)
Termo relacionado: Arquétipos. Associação livre. Jung (Carl). Psicoterapia analítica (Termos
relacionados)

A Terminologia Psi vem sendo utilizada por bibliotecários para indexação dos textos ca-
dastrados nas diversas bases de dados das Bibliotecas Virtuais de Psicologia do Brasil e demais
países da América Latina que utilizam o modelo BVS-Psi. Autores e editores também a utilizam
na atribuição das palavras-chave dos artigos, dissertações e teses da área. Observe que no pará-
130
grafo anterior utilizamos o termo palavra-chave em vez de descritores. É que nos rendemos ao
uso do termo dessa maneira para facilitar o entendimento da questão.
Recomendamos a utilização de três a seis palavras-chave para a representação descritiva do ar-
tigo, que devem figurar logo após o resumo. De acordo com as revistas editadas pela APA, sugerimos
que sejam separadas por vírgula e iniciadas com letra minúscula. Apenas os nomes próprios serão
grafados em maiúscula. Entretanto, devem ser observadas as orientações da revista. Exemplo:

Palavras-chave: psicanálise, psicologia junguiana, Freud, Sigmund, 1856-1939, Jung, Carl


Gustav, 1875-1961

Keywords: psychoanalysis, junguian psychology, Freud, Sigmund, 1856-1939, Jung, Carl


Gustav, 1875-1961

Palabras clave: psicoanalisis, psicología junguiana, Freud, Sigmund, 1856-1939, Jung, Carl
Gustav, 1875-1961

Ressaltamos que as revistas que seguem as recomendações da ABNT (2003) devem apre-
sentar as palavras-chave logo após os resumos “separadas entre si por ponto e finalizadas por
ponto final” (p. 4).
As letras maiúsculas poderão ser utilizadas no início de cada palavra-chave e para os nomes
próprios. Exemplo:

Palavras-chave: Psicanálise. Psicologia junguiana. Freud, Sigmund, 1856-1939. Jung, Carl


Gustav, 1875-1961.

Keywords: Psychoanalysis. Junguian psychology. Freud, Sigmund, 1856-1939. Jung, Carl


Gustav, 1875-1961.

Palabras clave: Psicoanalisis. Psicología junguiana. Freud, Sigmund, 1856-1939. Jung, Carl
Gustav, 1875-1961.

Quanto aos nomes das ciências, no corpo do texto, devemos seguir as orientações da língua
portuguesa. Uma consulta à gramática de Bechara (2001) esclarece: “Os nomes que designam

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


artes, ciências, ou disciplinas, assim como aqueles que sintetizam, em sentido elevado, as ma-
nifestações do engenho e do saber, devem ser grafados com letra inicial maiúscula” (p. 103).
Exemplo: Psicologia Social.

Nota. Recomendamos aos autores quando da elaboração das palavras-chaves (keywords, pa-
labras clave) que utilizem o vocabulário de termos em Psicologia “Terminologia em Psicologia”
disponível na BVS-Psi (http://www.bvs-psi.org.br).

3.6 Introdução
A introdução é a primeira parte do texto científico e deve apresentar o tema proposto,
expor o problema, discutir ideias de outros autores que trataram do assunto, fazendo as de-
vidas referências em correspondência biunívoca com a listagem de trabalhos citados no final
do artigo (Referências). A introdução consiste na fundamentação teórica problematizada do 131
trabalho realizado ou revisão da literatura. Ao longo da elaboração da introdução, os autores
devem questionar-se sempre sobre se o que estão escrevendo tem relação com o problema
de seu estudo.
Uma fundamentação teórica bem feita não é uma “colcha de retalhos”, que reúne as ideias
de outros autores de forma resumida e não sistemática (Secaf, 2004). Pelo contrário, é um tecido
muito bem costurado de ideias, que traz concordâncias, discordâncias, peculiaridades e avanços
da literatura científica já produzida.
Os autores da introdução de um texto científico são como observadores de um grupo. Eles
devem observar e relatar o que foi escrito por cada um dos membros desse grupo, no que cada
um concorda com o outro, no que discorda, o que há de controvérsia, quais autores complemen-
tam as ideias dos demais, e assim por diante. Nessa etapa do trabalho, os autores da introdução
são espectadores que se colocam no texto apenas como selecionadores e organizadores das
ideias apresentadas na literatura. Devem, no entanto, refrasear as ideias recolhidas, valorizando-
as mais do que os nomes dos autores, e evitando citações literais. Por exemplo, em vez de infor-
mar que: Para Piaget (1932/1994, p. 64), “é a partir do momento em que a regra de cooperação
sucede à regra de coação que ela se torna uma lei moral efetiva”. Informe que: A lei moral torna-
se efetiva quando a regra de cooperação sucede à regra de coação (Piaget, 1932/1964).
Um artigo com excesso de citações literais pode sugerir pouco domínio do tema e falta
de criatividade dos autores. Quando utilizadas, as citações devem ser feitas obedecendo às
normas recomendadas pela revista. Citações não devem ser lançadas aos textos sem uma
introdução, nem devem ser utilizadas como se fossem imagens que ilustram o texto que está
sendo elaborado.
Na introdução, os autores devem descrever o problema estudado, inserindo o assunto em
um formato lógico, evidenciado por meio de citações a pesquisas e teorias anteriores que se
relacionam com a questão (Cozby, 2003). Seguindo orientações da APA (2001a) e de Spector
(2002), na elaboração desta seção, devemos considerar os aspectos descritos a seguir e estar
atentos se ao ler esta parte do texto o leitor é capaz de explicar:

• o que as pesquisas anteriores ensinaram?


• o que a presente pesquisa adicionará?
• por que essa adição será importante?
• por que será necessária a realização da pesquisa?
• já existe uma ou mais revisões sistemáticas do assunto?
• foi discutida a necessidade da pesquisa baseada nos resultados desta revisão?

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


• quais são as principais perguntas a serem respondidas?
• como a hipótese e o delineamento experimental se relacionam com o problema? (No caso de
estudos experimentais);
• foram incluídos artigos históricos ou clássicos?
• foram incluídos estudos nacionais?
• foram incluídos artigos publicados nos países latino-americanos?
• foi obedecida uma cronologia na apresentação das ideias revisadas?
• quais são os objetivos (gerais e/ou específicos) da pesquisa? Qual é o problema que está sen-
do respondido?
• o problema e as hipóteses foram justificados teoricamente?

Uma boa introdução deve responder a todas essas questões em poucos parágrafos, ou seja,
de forma sucinta, dando aos leitores uma noção consistente do que foi feito e por que, evitando-
se frases genéricas ou redundantes. A introdução tem como objetivo delimitar o assunto a ser tra-
132 tado, ou seja, situar de forma clara e objetiva o tema do artigo, descrevendo os fundamentos do
estudo e a literatura relevante sobre o assunto. Mas o objetivo principal da introdução é justificar
o estudo apresentado. Portanto, não é necessário que se faça um item de justificativa em separa-
do. Nossos leitores, ao final da introdução, devem estar convencidos de que a literatura revisada
justifica a continuidade da pesquisa naquela área e, portanto, a execução do estudo.
Por ser a primeira parte do texto, a introdução é claramente identificada, não havendo ne-
cessidade de ser rotulada. Algumas revistas ainda a numeram e a denominam. Apesar de serem
poucos os periódicos na área de Psicologia que adotam esse critério, é importante verificar o
padrão usado pela revista na qual submeterá seu manuscrito. O último parágrafo da introdução,
em geral, apresenta os objetivos do trabalho.

3.7 Desenvolvimento
Constitui a parte principal do texto e contém a exposição ordenada e pormenorizada do as-
sunto tratado no artigo, divide-se em seções e subseções, que variam em função da abordagem
do tema e do método (ABNT, 2003). Comumente, essas seções são divididas em: Método, Resul-
tados, Discussão e Conclusão ou Considerações Finais. A seção de Método pode ser dividida em
subseções: delineamento, participantes, instrumentos (ou materiais) e procedimentos.
A apresentação dessas seções e subseções obedece a uma padronização, seguindo uma se-
quência lógica que mostra o inter-relacionamento dos itens expostos. Os autores do artigo de-
verão decidir quantas seções e subseções utilizarão em sua pesquisa e seguir uma ordenação.

3.7.1 Método
Essa é a parte do artigo que demonstra como a pesquisa foi realizada. Em seu desenvolvi-
mento devem ser respondidas as perguntas:

• como o problema foi estudado?


• o que foi feito para atingir os objetivos do estudo?

Aqui são descritos os materiais (instrumentos, aparatos) e técnicas utilizadas, procedi-


mentos, delineamento, entre outros aspectos. A finalidade é mostrar como foi feito o estudo
para se chegar aos resultados. O método é a parte mais singular do estudo e precisa ser des-
crito com detalhamento e clareza. As seguintes perguntas devem ser respondidas ao longo
da descrição desta seção:

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


• a pesquisa foi aprovada pela comissão de ética (qual? número do processo?)?
• há informação sobre qual foi o tipo de estudo utilizado? (delineamento)
• onde foi realizada a pesquisa?
• qual a amostra do estudo?
• quais foram os critérios de inclusão/exclusão adotados?
• como foi realizado o recrutamento dos participantes?
• quais foram os procedimentos utilizados?
• quais foram os métodos utilizados para se proteger de vieses?
• quais as variáveis estudadas? Como se definem? Como são mensuradas?
• quem as mensurou? Quando foram mensuradas?
• foi calculado o tamanho da amostra?
• foram apresentados os detalhes de como foi realizada a análise estatística?
• quais os testes estatísticos utilizados?
• quais são as variáveis analisadas em cada teste?
• quais são as hipóteses estatísticas? 133
• qual o valor de significância adotado?
• foi planejada alguma análise de subgrupo?
• há informação suficiente para tornar possível a replicação do estudo?
• se os participantes lessem esta parte do texto, eles aceitariam fazer parte da pesquisa?

Fazer pesquisa e escrever ciência não é uma tarefa simples. Na realidade é um trabalho de-
safiador, que exige dos pesquisadores disciplina e conhecimento dos métodos de pesquisa, téc-
nicas específicas e regras de normalização (ver neste livro Trzesniak & Koller). O conhecimento
do método é fundamental, pois orienta os pesquisadores na realização da pesquisa, delineando
de maneira clara e objetiva suas etapas. De acordo com Lakatos e Marconi (1985), método “é o
conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite
alcançar o objetivo – conhecimentos válidos e verdadeiros, traçando o caminho a ser seguido,
detectando erros e auxiliando as decisões do cientista” (pp. 41-42). De acordo com Cozby (2003),
“o método científico tem quatro objetivos gerais: (1) descrever; (2) predizer; (3) determinar as
causas; e (4) compreender ou explicar o comportamento” (p. 21).

Abordagem quantitativa e abordagem qualitativa


As abordagens quantitativas visam à apresentação numérica de dados objetivando a descrição,
a explicação e a predição do fenômeno. A coleta de dados de uma pesquisa quantitativa é feita, em
geral, com o uso de instrumentos de medida, e a análise é pautada nos dados reunidos e classificados
numericamente. A descrição quantitativa recorre à matemática para explicar os resultados. Propicia a
explicação sobre qual é a relação entre as variáveis, as causas, os efeitos ou consequências, a incidên-
cia, a prevalência e o perfil epidemiológico. Esse método considera a ciência como uma verdade obje-
tiva e oferece a possibilidade de verificação dos resultados (Guimarães, Martins, & Guimarães, 2004).
A perspectiva qualitativa consiste em um conjunto de técnicas que descrevem significados.
Remete a um exame interpretativo não numérico das observações, que objetiva a descoberta
das explicações subjacentes e os modos de inter-relação. Nessa abordagem, os investigadores
observam as pessoas e as interações, participam das atividades, entrevistam pessoas, condu-
zem histórias de vida ou estudos de casos e analisam documentos já existentes. As estratégias e
abordagens de coleta de dados obedecem a um sistema metodológico rigoroso e sistemático.
O material básico da investigação qualitativa é a palavra que expressa o cotidiano, tanto no nível
das relações quanto dos discursos. O foco é a experiên­cia humana (vivida) e, portanto, centra-se
no fenômeno subjetivo: a) as estratégias de investigação usadas geralmente mantêm contato
com as pessoas nos contextos em que estas geralmente se encontram; b) existe caracteristi-

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


camente um alto nível de envolvimento dos investigadores com os participantes; c) os dados
produzidos fornecem uma descrição, usualmente narrativa, das pessoas vivendo por meio de
acontecimentos em situação (Guimarães, Martins, & Guimarães, 2004, p. 80).
Na abordagem qualitativa, os pesquisadores procuram, a partir de observações e de análi-
ses abertas, descobrir as tendências e os processos que explicam o como e o porquê dos fenô-
menos. Análise qualitativa não é literatura, é ciência, e exige tanto ou mais rigor metodológico
do que a análise quantitativa. Não basta informar que os dados serão analisados qualitativa-
mente, mas detalhar as técnicas utilizadas para a análise desses dados.

Participantes
A identificação dos participantes e da clientela da pesquisa é essencial para a ciência e a
prática da Psicologia: “particularmente para analisar os resultados (fazer comparações entre gru-
pos), generalizar as descobertas e fazer comparações em replicações, revisões de literatura cien-
tífica ou análises de dados secundários” (APA, 2001a, p. 40). A amostra “adequadamente descrita”
134 permite verificar se é representativa (caso não o seja, os motivos devem ser explicados) e se as
conclusões e as interpretações são possíveis com aquela amostra (APA, 2001a).
Quando os participantes da pesquisa forem seres humanos, seguindo orientações da APA
(2001a), devemos:

• descrever os procedimentos de seleção e distribuição e os acordos;


• descrever dados biossociodemográficos importantes, tais como sexo e idade. Quando uma
característica demográfica particular é uma variável experimental ou é importante para a
interpretação dos resultados, devemos descrever o grupo especificamente;
• para determinar até que ponto os dados podem ser generalizados, pode ser útil identificar
subgrupos.

Seguindo, ainda, orientações da APA (2001a), quando os participantes da pesquisa forem


animais, devemos:

• descrever o gênero, a espécie e a cepa ou outras características específicas, tais como o nome e
a localização do fornecedor e o sexo, a idade, o peso e as condições fisiológicas dos animais;
• especificar todos os detalhes essenciais de seu tratamento e manuseio para que o estudo
possa ser replicado com êxito.

Nessa seção, deve-se também “indicar o número total de indivíduos e o número distribuído
em cada condição experimental. Caso algum deles não tenha concluído o experimento, indique
quantos e explique os motivos” (p. 40).
No método, os autores, ao submeterem seu manuscrito, deverão mencionar aos editores dos
periódicos que o tratamento aos participantes obedeceu aos padrões éticos e legais vigentes. Em al-
gumas pesquisas, pode ocorrer risco para os participantes envolvidos, daí a necessidade da existên-
cia de medidas para proteção dos seres humanos e dos animais, bem como da flora (Secaf, 2004).
A atitude ética nas pesquisas é baseada na existência de diretrizes internacionais e nacionais.
As Diretrizes Éticas Internacionais estão sob a responsabilidade do Conselho da Organização Inter-
nacional de Ciências Médicas (Council for International Organizations of Medical Sciences [CIOMS],
http://www.cioms.ch/) e no Brasil do Conselho Nacional de Saúde, pela Lei n. 196/1996, controlado
pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP, http://portal.saude.gov.br/sisnep/pesquisa-
dor/Menu_Principal.cfm) e pelos Comitês de Ética em Pesquisa (CEP).
As instituições de ensino, saúde e pesquisa devem contar com seu CEP para análise e pa-
recer ético nas pesquisas realizadas. “As atribuições do CEP incluem a análise do protocolo e a

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


emissão do parecer que poderá ser aprovado ou não, com pendência, retirado ou, então, enca-
minhado à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP)” (Secaf, 2004, p. 59).

Instrumentos ou Materiais
Nesta subseção, descrevemos os equipamentos ou materiais utilizados e sua função na pes-
quisa. Seguindo recomendações da APA (2001a, p. 40):

• equipamentos laboratoriais básicos, tais como mobília, cronômetros ou telas, geralmente


não precisam ser descritos detalhadamente;
• aparelhos especializados obtidos de um fornecedor comercial podem ser identificados indi-
cando o número do modelo e o nome e a localização do fornecedor;
• equipamentos complexos ou fabricados por encomenda podem ser ilustrados com dese-
nhos ou fotografias;
• equipamentos complexos podem, também, ser apresentados detalhadamente em anexo.
135

Os instrumentos devem ser descritos em detalhe, incluindo informações sobre originais,


adaptações, traduções, procedimentos de tradução, resultados estatísticos da versão original
e adaptada (alfas, análises fatoriais), forma de avaliação e ancoragem, entre outros detalhes.
Portanto, deve ser informado quão confiáveis e válidos são os instrumentos e como esses dados
apareceram em pesquisas anteriores. Se for criado um novo instrumento, será necessário des-
crever como foi desenvolvido e os resultados do estudo piloto. Informe e exemplifique os itens
dos instrumentos e os objetivos aos quais eles respondem. A descrição detalhada permitirá co-
nhecer o instrumento, verificar sua adequação naquele estudo e entender os resultados.

Procedimentos
Os procedimentos do estudo precisam ser descritos detalhadamente, informando como
os dados foram coletados, para permitir a reprodução passo a passo e/ou o entendimento do
que foi feito.
Seguindo recomendações da APA (2001a, pp. 40-41), a subseção de Procedimentos deve:

• descrever as instruções dadas aos participantes, a formação de grupos e as manipulações


experimentais específicas;
• descrever os procedimentos de randomização, emparelhamento e outras características de
controle do plano de pesquisa;
• descrever de modo sucinto as instruções, a menos que elas sejam especiais ou componham
uma manipulação experimental; nesse caso devem ser descritas na íntegra.

A maioria dos leitores tem familiaridade com procedimentos experimentais comuns, por-
tanto, descreva em detalhe apenas procedimentos novos ou especiais. Lembre-se de que esta-
mos escrevendo para um público especializado. Se a língua utilizada na coleta de informações
for diferente da língua original do trabalho, deve ser especificada.
Finalmente, a seção do Método deve informar aos leitores o que foi feito e como foi feito
com suficiente detalhamento para que o estudo possa ser replicado em casos experimentais e/
ou entendido e reproduzido (ou não) por outros cientistas.

3.7.2 Resultados
Os resultados da pesquisa são a essência do trabalho científico. No entanto, são em geral
seções áridas e que exigem dos leitores muita atenção. Portanto, a escrita desse tópico também

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


deve ser detalhada e minuciosa. Os resultados mostram o que os autores encontraram quando
estudaram o problema.
Se o estudo for quantitativo, devem ser descritos os testes estatísticos e os índices e valores
encontrados, quais variáveis foram analisadas, respeitando o American National Standard for Use
of the International System of Units (SI 10, 2002). Se o estudo for qualitativo, recomendamos asso-
ciar a seção de Resultados à Discussão dos mesmos, evitando assim repetições.
Os resultados devem ser descritos no tempo pretérito e apresentados de forma clara, ob-
jetiva, lógica e precisa, recorrendo-se ao uso de figuras ou tabelas para melhor ilustração das
informações. Ou, então, simplesmente descrever em texto os dados encontrados.
Uma série de dicas pode ser oferecida para a melhor elaboração dos resultados:

• retome os objetivos do estudo na primeira parte desta seção, informando se foram ou não
alcançados, o que foi feito para alcançá-los e o que foi obtido;
• escreva os resultados do mais geral ao mais específico, apresentando as variáveis e as análi-
136 ses sequencialmente, acompanhando a descrição dos objetivos e do método;
• informe seus leitores, a cada passo, de como foi obtido o resultado apresentado, com o nome
do teste estatístico ou da técnica de análise qualitativa;
• mencione todos os resultados relevantes.

As tabelas e figuras são necessárias e devem ser claras e adequadas às normas da revista.
Todas devem ter título e cabeçalho informativo. As grandezas matemáticas devem respeitar de
forma adequada a normalização internacional.
A seguir, listamos algumas informações sobre a apresentação das tabelas e figuras no texto de
acordo com as recomendações do manual da APA, revistas publicadas por essa associação e periódi-
cos nacionais que adotam o estilo internacional. Mas ressaltamos que os autores deverão sempre con-
sultar as normas da revista a qual submetem seu trabalho para a correta apresentação dessas informa-
ções. A reprodução de figuras e tabelas encarece a impressão de uma publicação, principalmente as
figuras, assim devem ser reservadas para apresentação dos dados mais importantes do trabalho.
O capítulo “Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial
APA” deste manual descreve em detalhes as normas de publicação científica de informações
que envolvem notações, expressões, tabelas e figuras estatísticas no texto científico, apresentando
exemplos de tabelas e figuras. Nesse contexto, nos detemos a listar e exemplificar informações
referentes à apresentação dos elementos na forma descritiva, assim não nos preocupamos em
apresentar as tabelas e figuras propriamente ditas.

Tabelas
As tabelas são importantes e eficientes em um trabalho científico, pois permitem aos pes-
quisadores uma rápida leitura dos textos e apresentam grande quantidade de dados em pouco
espaço. Segundo a APA (2001a), “as tabelas geralmente mostram valores numéricos exatos, e os
dados são ordenadamente dispostos em linhas e colunas, facilitando sua comparação” (p. 133).
Tabelas que consistem em palavras também são usadas em artigos científicos e normalmente
apresentam comparações qualitativas.

Elementos da tabela
As tabelas são compostas pelos elementos: número, título, cabeçalho, coluna indicadora,
corpo e nota. Relacionamos alguns desses elementos a seguir.

• Número
Todas as tabelas devem ser numeradas (a partir de duas ou mais tabelas) em algarismos arábi-
cos (na ordem em que aparecem no texto). A palavra “Tabela” deve ser apresentada sem destaque

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


tipográfico, com inicial em maiúsculas. Exemplos: Tabela 1, Tabela 2 e assim por diante. Letras sufi-
xiais (por exemplo, Tabela 1, Tabela 1a, Tabela 1b) não devem ser usadas na numeração, nesse caso
é melhor combinar as tabelas relacionadas em uma única tabela (APA, 2001a).

• Título
O título deve ser breve, claro e explicativo. Deve figurar no topo em itálico e terminar sem
ponto final. Exemplo:

Tabela 1
Fontes de Informação Disponíveis para Acesso na Biblioteca Dante Moreira Leite do Instituto de
Psicologia da Universidade de São Paulo, 2008
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
[Tabela]
________________________________________________________________________ 137

• Nota
As tabelas, segundo a APA (2001, p. 145) apresentam três tipos de notas:
1) notas gerais: qualificam, explicam ou fornecem informações relativas à tabela como um todo
e apresentam explicações de abreviaturas, símbolos e assemelhados. As notas gerais são
apresentadas pela palavra “Nota” em itálico seguida de ponto;
2) notas específicas: referem-se a uma coluna, linha ou item particular. São indicadas por letras
minúsculas sobrescritas (a, b, c);
3) notas de probabilidade: indicam resultados de testes de significância. São indicadas por
asteriscos (*).

Quando uma tabela for reproduzida na íntegra, em parte ou adaptada de outro documento, que
não dos autores do trabalho, a referência completa da fonte consultada, incluindo o número da pá-
gina da publicação da qual se extraiu a tabela, deve ser citada no campo notas gerais. A referência do
documento do qual a tabela foi extraída deve também ser listada na lista final de referências do artigo.

Nota. Salientamos que exemplos com notas específicas e de probabilidade estão apresentados
no Capítulo 8 deste livro. Assim, os exemplos a seguir se limitam à apresentação das notas ge-
rais. Exemplo:

Tabela reproduzida de uma tese de doutorado:

Tabela 2
Distribuição por Área de Concentração dos Alunos que Obtiveram Grau de Mestre e Doutor no
IPUSP, no Período 1980 a 1989
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

[Tabela]
__________________________________________________________________________
Nota. Reproduzida de Produção Científica: Dissertações e Teses do IPUSP (1980/89) (p. 36), de
E. C. Granja, 1995. Tese de Doutorado defendida em 1995, no Instituto de Psicologia da Uni-
versidade de São Paulo, São Paulo.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


No caso de tabelas reproduzidas ou adaptadas de documentos protegidos por direitos au-
torais, de acordo com a APA (2001a, 2001b), deve-se citar a data de copirraite (©, Copyright) e o
nome do proprietário dos direitos autorais. Exemplos:

Tabela adaptada de um livro:

Tabela 3
Tipos de Poder/Autoridade e Tipos de Envolvimento
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

[Tabela]
__________________________________________________________________________
Nota. Adaptada de Psicologia do Trabalho: Psicossomática, Valores e Práticas Organizacionais (p.
34), de A. C. Limongi-França, 2008, São Paulo: Saraiva. Copirraite 2008 pela Editora Saraiva.
138

Tabela reproduzida de um capítulo de livro:

Tabela 4
Distribuição Anual da Produção Discente dos Programas de Pós-Graduação nas Revistas de
Ciência da Informação
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

[Tabela]
__________________________________________________________________________
Nota. Reproduzida de “Revistas Científicas: Saberes no Campo de Ciência da Informação”,
de L. S. Bufrem, 2006, Comunicação & Produção Científica: Contexto, Indicadores e Avaliação
(p. 208, D. A. Poblacion, G. P. Witter & J. F. M. da Silva, Orgs.), São Paulo: Angellara. Copirraite
2006 pela Angellara Editora.

Para a APA, é “preciso obter permissão para reproduzir ou adaptar parte ou totalidade de uma
tabela de uma fonte protegida por direitos autorais”, e qualquer tabela reproduzida deve ser
acompanhada por uma nota ao pé da tabela dando reconhecimento ao autor original e ao pro-
prietário dos direitos autorais (2001a, p. 148). Exemplos:

Tabela reproduzida de um artigo de revista científica:

Tabela 5
Sequência de Treino e Testes, Relações e Número de Tentativas nos Blocos para Cada Grupo
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________

[Tabela]
__________________________________________________________________________
Nota. LB significa Linha de Base e S significa Simetria. Reproduzida de “Efeitos do Tamanho
da Classe na Manutenção de Relações Equivalentes”, de V. B. Haydu e J. B. C. de Paula, 2008,
Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(2), p. 236. Copirraite 2008 pela Universidade Federal do Rio
Grande do Sul. Reproduzida com permissão dos autores e do editor da revista.

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


Tabela reproduzida de um artigo de revista científica online:

Tabela 6
Dissertações e Teses Defendidas no IPUSP entre 2000 e 2005
_______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

[Tabela]
__________________________________________________________________________
Nota. Reproduzida de “Citações a Periódicos na Produção Científica de Psicologia”, de M. I.
C. Sampaio, 2008, Psicologia: Ciência e Profissão, 28(3), p. 458. Copirraite 2008 pelo Conselho
Federal de Psicologia. Recuperada em 29 de dezembro de 2008, de PePSIC (Periódicos Ele-
trônicos em Psicologia, http://www.bvs-psi.org.br). Reproduzida com permissão do autor e
do editor da revista.
139

Nota. Se o link do documento remeter diretamente ao material citado, não é necessário mencio-
nar o nome da base de dados. Exemplo:

Tabela 7
Uso do Tempo Livre – Comparação entre Dias da Semana e Final de Semana
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________

[Tabela]
__________________________________________________________________________
Nota. Adaptada de “Uso do Tempo Livre por Adolescentes de Classe Popular”, de J. C. Sar-
riera, D. C. Tatim, R. P. S. Coelho e J. Büsker, 2007, Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(3), p. 364.
Copirraite 2007 pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Recuperada em 09 de no-
vembro de 2008, de http://www.scielo.br/pdf/prc/v20n3/a03v20n3.pdf. Reproduzida com
permissão dos autores e do editor da revista.

Nota. Para documentos com seis ou mais autores, no campo autor, cita-se somente o primeiro
autor seguido da expressão “et al.”. Exemplo: ..., de E. L. Garcia et al., 2008, Título do Documento,
... (APA, 2001b).

No caso de a revista exigir autorização de reprodução de tabelas ou figuras quando extraí­


das de outras fontes, os autores deverão encaminhar junto com o manuscrito uma carta de au-
torização de permissão de uso do material dos proprietários dos direitos autorais à revista que
submeterá seu trabalho.
Ressaltamos que informações sobre autorização de reprodução, como “Reproduzida
com permissão dos autores do artigo e do editor da revista”, “Reproduzida em parte com per-
missão dos autores...” ou “Adaptada com permissão dos autores...” só devem ser apresentadas
em nota na tabela se a revista à qual o autor vai submeter seu manuscrito exigir autorização
de uso do material.

Nota. No Brasil, a solicitação da autorização do autor do material reproduzido ainda não é um


procedimento usual.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Formas de apresentação
Toda tabela deve figurar o mais próximo possível do texto e preferencialmente “ser coloca-
da em posição vertical, facilitando a leitura dos dados. Caso não haja espaço suficiente, deve ser
colocada em posição horizontal com o título voltado para a margem esquerda da folha” (Garcia,
Carmo, & Ferraz, 2005, p. 6).
Segundo a APA (2001a), é um transtorno para o leitor ter de virar um periódico para a leitura
de uma tabela. Nesse caso, os autores podem “desenhar uma tabela para que se ajuste na lar-
gura de uma página ou coluna de um periódico contando os caracteres (isto é, letras, números
e espaços)” (p. 147).
Nesse contexto, a tabela deve ser ajustada à página do periódico. Devemos evitar ao máxi-
mo desmembrá-la, mas quando isso não for possível

a tabela pode continuar na página seguinte, quando houver necessidade nesse caso, o final da primeira
página não será delimitado por traço horizontal na parte inferior, o cabeçalho será repetido na página
140 seguinte, e a cada página deve haver uma das seguintes indicações: continua para a primeira, conclusão
para a última e continuação para as demais. O conteúdo do rodapé só deve ser apresentado na página
de conclusão. (Garcia et al., 2005, p. 6, grifos das autoras)

Seguindo recomendações da APA (2001a, 2001b), devemos utilizar espaços em branco,


adequadamente posicionados, no lugar de linhas verticais. Observamos que linhas verticais ra-
ramente aparecem em tabelas dos periódicos editados pela APA.

Conferência de tabelas no texto científico


Após finalizar uma ou mais tabelas, considere as questões apontadas pela APA (2001a, pp.
148-149):

• todas as tabelas apresentadas são necessárias?


• no caso de mais de uma tabela – as tabelas foram numeradas sequencialmente em algaris-
mos arábicos?
• as tabelas estão de acordo com as normas de apresentação de tabelas da revista à qual os
autores submeterão seu trabalho?
• foram suprimidas todas as linhas verticais?
• todas as tabelas incluídas no manuscrito têm regularidade entre si na apresentação?
• os títulos são claros, sucintos e explicativos?
• todas as colunas têm seu cabeçalho?
• todas as abreviaturas, os itálicos, parênteses, travessões e símbolos especiais são explica-
dos?
• os valores de nível de probabilidade são corretamente identificados, e os asteriscos são vin-
culados às entradas apropriadas?
• um determinado nível de probabilidade tem o mesmo número de asteriscos quando aparece
em mais de uma tabela?
• as notas obedecem à sequência: nota geral, nota específica, nota de probabilidade?
• a tabela caberá na largura de uma coluna ou de uma página de revista?
• no caso de a tabela ter sido reproduzida na íntegra, em parte ou adaptada de uma tabela
(fonte) protegida por direitos autorais, no campo nota da tabela a fonte completa do do-
cumento está citada? A fonte completa do documento está listada também na lista final de
referências do manuscrito?
• a permissão (carta) por escrito dos proprietários de direitos autorais da tabela está disponível
para envio de uma cópia para os editores do periódico que submeterá seu manuscrito, caso

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


seja solicitada nas normas editoriais do periódico? Nesse caso, a permissão foi incluí­da em
nota na tabela? Exemplo: “Reproduzida com permissão dos autores do artigo e do editor da
revista” ou “Reproduzida em parte com permissão dos autores do capítulo...” ou “Adaptada
com permissão dos autores...”.

Figuras (Ilustrações)
Outras formas de ilustração podem ser utilizadas nos artigos e devem seguir regras especí-
ficas de acordo com a revista. É interessante consultar as normas editoriais ou os editores sobre
a possibilidade de incluir fotografias e outras ilustrações em manuscritos antes da submissão.
A APA (2001a, 2001b) denomina como figuras qualquer tipo de ilustração: quadros, gráficos,
desenhos, esquemas, fluxogramas, organogramas, retratos, mapas, plantas, fotografias. Como o
capítulo sobre a apresentação de informações estatísticas explorou o universo das tabelas e dos
gráficos, vamos nos deter aos demais tipos de figuras. Lembramos que todos os tipos de ilustra-
ções fazem parte do mesmo universo e devem ser enumeradas sequencialmente no texto.
De Paoli (2004) classifica as figuras como “desenhos (estruturas, fluxogramas, esquemas de 141

reações, esquemas de aparelhos, diagramas), fotos digitais ou analógicas e gráficos”. Segundo o


autor, “devem ser todas denominadas figuras para evitar a presença de diversas sequências de
numeração”. Para a APA (2001a), “qualquer tipo de ilustração que não seja uma tabela é chamada
de figura... as tabelas são tipografadas e não fotografadas a partir de arte fornecida pelos auto-
res, por conseguinte não são consideradas figuras” (p. 149).

Elementos da figura
As figuras são compostas pelos elementos: número, legenda e título.

• Número
Todas as figuras devem ser numeradas (a partir de duas ou mais figuras) em algarismos
arábicos (na ordem em que são mencionadas no texto). A palavra “Figura” deve ser apresentada
em itálico, finalizando com ponto. Exemplos: Figura 1., Figura 2.

• Legenda
É a descrição dos símbolos utilizados nas figuras e tem como finalidade interpretar sua apre-
sentação gráfica. Deve ser apresentada dentro dos limites da ilustração e ficar o mais próximo
possível dos componentes que estão sendo identificados. Como a legenda é parte integrante da
figura, deve ter o mesmo tipo de letra do restante da ilustração (APA, 2001a, 2001b).
Nota. Ressaltamos que como a legenda é parte integrante da figura, não apresentamos exem-
plos de legendas, pois, como mencionamos, o Capítulo 8 apresenta essas informações.

• Título
O título precisa ser breve, claro e explicativo. Pode oferecer uma explicação ou identificação
da figura. Deve aparecer abaixo da figura. Exemplo:

Figura [Gráfico]

Figura 1. Comportamento da produção de artigos de periódicos e número de docentes par-


ticipantes em cada ano.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Quando uma figura for reproduzida na íntegra, em parte ou adaptada de outro documento,
que não o dos autores do trabalho, deve ser citada no campo do título a referência completa
da fonte consultada, incluindo o número da página da publicação da qual se extraiu a figura.
A referência do documento do qual a figura foi extraída deve também ser incluída na lista final de
referências do artigo. Exemplo:

Figura [Gráfico]

Figura 2. Comportamento da produção de dissertações e teses e número de docentes par-


ticipantes em cada ano. Reproduzida de Produção Científica: Dissertações e Teses do IPUSP
(1980/89) (p. 36), de E. C. Granja, 1995. Tese de Doutorado defendida em 1995, no Instituto
142 de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

No caso de figuras reproduzidas de documentos protegidos por direitos autorais, de acordo


com a APA (2001a, 200b), deve-se citar a data de copirraite (©, Copyright) e o nome do proprie-
tário dos direitos autorais. Exemplo:

Figura [Gravura]

Figura 3. Xilogravura em preto e branco impressa sobre jornal colorido. Reproduzida de “Xi-
locidade: Memória Urbana Gravada”, de M. dos A. Afonso, 2007, Imaginário: Revista do Nú-
cleo Interdisciplinar do Imaginário e Memória, 12(15), p. 73. Copirraite 2007 pelo Instituto de
Psicologia da Universidade de São Paulo.

Quando uma ilustração é extraída de um documento estrangeiro, o título da figura deve


ser traduzido para a língua original do texto. Pode-se também indicar o título original entre
colchetes. Exemplo:

Figura [Desenho]

Figura 4. A árvore envolve a arca com as suas raízes, e uma chama irradia-se quando o herói
toca a folha [The tree clasps the coffer in its roots, and a flame springs out of a leaf as the
hero touches it]. Reproduzida de Alchemical Studies (fig. 15), de C. G. Jung, 1970, Princeton:
Princeton University Press. Copirraite 1967 pela Bollingen Foundation.

Alguns periódicos brasileiros, comumente os números especiais de homenagem ou artigos


de reflexão dedicados a pessoas, costumam apresentar fotografias. Para fazer referência à foto-
grafia, os autores devem acrescentar informações como:

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


• a fonte: livro, revista, Internet, álbum, catálogo, fôlder, folheto;
• a data da foto original, ou aproximada, e o local. Mencionar esse(s) dado(s) no campo título
da figura;
• indicar, quando possível, o nome do fotógrafo;
• no caso de a foto pertencer a arquivos institucionais ou particulares, mencionar essa informa-
ção no título da figura. Exemplos: “Fotografia pertencente ao acervo do Centro de Memória do
Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, cedida para reprodução
em 17 de março de 2006” ou “Imagem cedida para reprodução pelo Centro de Memória do
Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, em 17 de março de 2006”;
• se for conhecida a pessoa que cedeu a imagem, esta pode ser citada também, acrescentando
um breve agradecimento. Mencione essa informação em nota de rodapé ou no final do arti-
go, após as referências, como agradecimentos. Exemplo: O(s) autor(es) agradece(m) à [nome
completo em ordem direta], [relacionamento com o homenageado], que gentilmente cedeu
para reprodução as imagens apresentadas nesse artigo;
143
• no caso de a foto apresentar várias pessoas, identifique-as, se possível, da esquerda para a
direita. Exemplo: Da esq.  dir.: Prof. Dr. [nome completo na forma direta]; Profa. Dra. [nome
completo na forma direta]; Prof. Dr. [nome completo na forma direta].

Ressaltamos também que para apresentação de imagens de pessoas e instituições é acon-


selhável os autores do artigo ou editores do número especial solicitarem “Autorização de repro-
dução de imagens” aos envolvidos diretamente no assunto (pessoa(s) física(s), familiares dos
envolvidos, instituição).

Exemplo:

Figura [Fotografia]

Figura 5. Prof. Dr. [nome completo por extenso]. A foto remonta a 1966 ou 1967 e mostra, no
porão da Glette, um cientista jovem interessado por comportamento exploratório, olhando
para o rato branco cujos mecanismos comportamentais pretendia explicar. A fotografia ori-
ginal pertence ao acervo do Centro de Memória do Instituto de Psicologia da Universidade
de São Paulo, São Paulo, e foi cedida para reprodução em 17 de março de 2008. Reproduzi-
da com permissão do Prof. Dr. [nome completo do professor].

Para figuras retiradas de fontes eletrônicas (CDs, DVDs, Pendrives), recomendamos citar o
suporte do documento. Exemplos:

Figura [Fotografia]

Figura 6. Rua Bergasse 19, Viena – Residência e consultório de Freud de 1891 a 1938. Re-
produzida de Edição Eletrônica Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud
(Vol. 7, 1901-1905) [CD-ROM], de S. Freud, n.d., Rio de Janeiro: Imago. Copirraite [n.d] da
tradução em português pela Imago Editora.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Figura [Fotografia]

Figura 7. Entrada da exposição “Alameda Glette”, salão de leitura da Biblioteca Dante Mo-
reira Leite, novembro de 2006. Reproduzida de “Preservação da Memória Institucional no
Instituto de Psicologia da USP” de A. A. Z. P. Sabadini, T. G. Veríssimo, I. Cadidé e C. Ades,
2008, XV Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias (p. 7, trabalho n. 3552) [Pendrive].
Copirraite 2008 pela Universidade Estadual de Campinas.

No caso de figuras extraídas da Internet, recomendamos citar a data de acesso e o endereço


144 da página. Exemplos:

Figura [Tela]

Figura 8. Estação Central do Brasil (EFCB), de Tarsila do Amaral, 1924 (óleo sobre tela, 142
x 127 cm). Reproduzida de Tarsila do Amaral. Recuperada em 12 de setembro de 2008, de
http://www.tarsiladoamaral.com.br/index_frame.htm

Material extraído de bases de dados:

Figura [Fotografia]

Figura 9. Tempo médio em segundos para a realização do Teste de Vocabulário por Ima-
gens Peabody nas versões tradicional (TVIP-Trad) e computadorizada (TVIP-Comp) em
função da idade. Reproduzido de “Avaliando Linguagem Receptiva Via Teste de Voca-
bulário por Imagens Peabody: Versão Tradicional Versus Computadorizada”, de E. C. de
Macedo, F. C. Capovilla, M. Duduchi, M. E. F. D’Antino e L. dos S. Firmo, 2006, Psicologia:
Teoria e Prática, 8(2), p. 46. Copirraite 2006 pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Recuperada em 19 de novembro de 2008, de PePSIC (Periódicos Eletrônicos em Psico-
logia, http://bvs-psi.org.br).

Notas. 1) No caso de seis ou mais autores, no campo autor, cita-se somente o primeiro autor
seguido da expressão “et al.”. Exemplo: ..., de E. L. Garcia et al., 2008, Título do Documento, ... (APA,
2001b); 2) se o link do documento remeter direto ao material citado, não é necessário mencionar
o nome da base de dados. Exemplo:

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


Figura [Fotografia]

Figura 10. Formatura de Dante Moreira Leite na Faculdade de Filosofia, Ciên­cias e Letras
da Universidade de São Paulo em 1950. Reproduzida de “Terra Natal”, de D. M. Leite,
2000, Psicologia USP, 11(2). Copirraite 2000 pelo Instituto de Psicologia da Universidade
de São Paulo. Recuperada em 19 de novembro de 2008, de http://www.scielo.br/scielo.
php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642000000200008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Nota. No exemplo o artigo não se encontra no formato “pdf” na Coleção SciELO, nesse caso o
documento fica citado sem o número de página. 145

Para a APA, é “preciso obter permissão para reproduzir ou adaptar parte ou totalidade de
uma figura de uma fonte protegida por direitos autorais”, e qualquer figura reproduzida deve ser
acompanhada por uma nota no título da figura dando reconhecimento ao autor original e ao
proprietário dos direitos autorais (2001a, p. 148). Exemplo:

Figura [Gráfico]

Figura 11. Distribuição temporal dos comportamentos observados considerando a duração


total de observação de cada comportamento por faixa horária. Reproduzida de “Padrões de
Atividades de Caititus (Tayassu tajacu) em Cativeiro”, de B. Venturieri e Le Pendu Yvonnick,
2006, Revista de Etologia, 8(1), p. 39. Copirraite 2006 pela Sociedade Brasileira de Etologia
e Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Reproduzida com permissão dos
autores e do editor da revista.

No caso de a revista exigir autorização de reprodução de figuras quando extraídas de outras


fontes, os autores deverão encaminhar junto com o manuscrito uma carta de autorização de
permissão de uso do material dos proprietários dos direitos autorais à revista a qual submeterá
seu trabalho.
Salientamos que informações sobre autorização de reprodução como “Reproduzida com permis-
são dos autores do artigo e do editor da revista”, “Reproduzida em parte com permissão dos autores...”
ou “Adaptada com permissão dos autores...” só devem ser apresentadas no campo do título da figura
se a revista à qual o autor vai submeter seu manuscrito exigir autorização de uso do material.

Nota. No Brasil, a solicitação da autorização do autor do material reproduzido ainda não é um


procedimento usual.

Formas de apresentação
Todas as figuras, qualquer que seja seu tipo, em textos científicos, devem ser apresentadas
o mais próximo possível do trecho a que se referem.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Recomendamos que a apresentação do título explicativo, localizado abaixo da figura, seja
alinhada ao texto, embora muitas revistas apresentem essa informação alinhada à figura.

Conferência de figuras no texto científico


Após confeccionar uma ou mais figuras, considere as questões apontadas a seguir, rela-
cionadas de acordo com as orientações presentes no manual de publicação da APA (2001a,
pp. 148-149):

• todas as figuras apresentadas são necessárias?


• no caso de mais de uma figura – as figuras foram numeradas sequencialmente em algarismos
arábicos?
• a figura é simples, limpa e não contém material irrelevante?
• as figuras estão de acordo com as normas de apresentação das figuras da revista à qual os
autores submeterão seu trabalho?
146 • os dados são projetados de maneira correta?
• a escala tem proporção correta?
• as letras são grandes e escuras o suficiente para serem lidas, principalmente se a figura preci-
sar ser reduzida?
• a letra tem tamanho compatível com o restante da figura?
• os detalhes e o tamanho das letras da figura irão suportar uma redução de 25 a 50%?
• a ortografia dos termos está correta?
• todas as abreviaturas e os símbolos são explicados na legenda e no título da figura?
• as figuras são numeradas consecutivamente com números arábicos?
• no caso de a figura ter sido reproduzida na íntegra, em parte ou adaptada de uma figura
(fonte) protegida por direitos autorais, no título explicativo a fonte completa do documento
está citada? A fonte completa do documento está também na lista final de referências do
manuscrito?
• a permissão (carta) por escrito dos proprietários de direitos autorais da figura está disponível
para envio de uma cópia para os editores do periódico que submeterão seu manuscrito, caso
seja solicitada nas normas editoriais do periódico? Nesse caso, a permissão foi incluída no
título explicativo da figura? Exemplo: “Reproduzida com permissão dos autores do artigo” ou
“Reproduzida em parte com permissão dos autores do capítulo” ou “Adaptada com permis-
são dos autores...”

Concordamos com Medeiros (2002) que a impressão de uma foto ou outro tipo de figura
pode não revelar a qualidade da reprodução em papel e também não ser indispensável como
acreditamos. Considerando que esses elementos encarecem a impressão da obra, devemos ava-
liar se realmente há a necessidade da figura, se ela realmente enriquece o texto e se não pode-
mos substituí-la por texto simples.

3.7.3 Discussão
Nessa seção os autores comparam os dados obtidos com outros trabalhos da mesma natu-
reza e procuram estabelecer relações entre as pesquisas. É possível aqui fazer uma análise cir-
cunstanciada que estabeleça deduções, proposições e que ressalte os aspectos que confirmem
ou modifiquem, de forma significativa, as teorias analisadas, apresentando novas perspectivas
para a área em estudo (Sá et al., 1994).
A discussão demonstra o que os resultados encontraram de significativo, as relações entre os
fatos observados e o afirmado por outros autores nas referências consultadas. Devemos escrever

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


a discussão, preferencialmente, com o verbo no tempo presente para tratar dos outros trabalhos
e no pretérito para os resultados obtidos no estudo, e em linguagem clara e objetiva, evitando-
se a repetição com o declarado nos resultados. A discussão pode ser trabalhada conjuntamente
com a apresentação dos resultados, simplificando a estrutura do artigo. Nesse caso, teremos a
seção denominada Resultados e Discussão.
As seguintes perguntas devem ser feitas ao final da discussão:

• foram enfatizados os principais resultados (sem repetir os números)?


• os resultados respondem ao problema e às hipóteses do estudo?
• a revisão da literatura dialoga com os resultados encontrados?
• foram discutidas as limitações do estudo?

A seção de discussão pode incluir estudos que não aparecem na introdução do trabalho,
desde que estes obedeçam à mesma lógica e estejam dentro da linha epistemológica do tra-
balho. Voltando à analogia da introdução, na qual colocamos os autores que confeccionam o 147
artigo como expectadores e relatores de um grupo de outros autores, podemos dizer que na
discussão dos resultados os presentes autores tomam assento no grupo e passam a discutir e
ter interlocução com aqueles de sua revisão da literatura. Agora, como autores que obtiveram
dados, eles podem concordar, discordar, contrapor, complementar ideias que estavam postas
na literatura e que conversam com os dados que acabaram de analisar.

3.7.4 Conclusão ou Considerações Finais


Devem ser fundamentadas no objetivo do trabalho, precisas e expostas de forma muito
clara. Nessa etapa do artigo, os autores podem utilizar sua criatividade para salientar os dados
obtidos e sugerir a aplicação dos resultados de forma prática, recapitulando alguns resultados
relevantes. A conclusão não deve repetir o que já foi escrito nos resultados e na discussão, mas
pode resgatar alguns itens relevantes para confirmar se o objetivo foi alcançado ou não. Caso
negativo, explicar o porquê.
Aqui também são apresentadas sugestões para novos estudos da mesma natureza, mas to-
mando o cuidado de centrar as sugestões no que os autores fariam de diferente em seu próprio
estudo. É preciso ter cuidado para não revelar aqui a própria ignorância sobre estudos existentes
(que podem ser de conhecimento dos consultores da revista). Alguns artigos podem apresentar
apenas considerações finais, sem obrigatoriamente apresentar conclusões.

3.8 Citações no Texto


De acordo com Granja, Kremer e Sabadini (1997), citações são informações extraídas dos docu-
mentos pesquisados quando da leitura dos textos para elaboração do trabalho e que se revelaram
úteis no apoio ou discussão das ideias desenvolvidas pelo autor no decorrer de seu raciocínio. Cita-
ção é, portanto, a menção de uma informação obtida de outra fonte pelo autor do trabalho.
As citações no texto podem ser diretas ou indiretas. A citação direta ou textual é a “transcrição
literal extraída do texto consultado podendo este ser lei, decreto, regulamento, fórmulas científicas
ou trechos de determinado autor, respeitando-se a redação, ortografia e pontuação originais”. A
citação indireta ou livre, também denominada paráfrase é “a transcrição não literal das palavras do
autor, mas que reproduz o conteúdo e as ideias do documento original” (Granja et al., 1997, p. 1).
Todas as citações referenciadas no texto devem ser apresentadas na lista final de referên-
cias de acordo com a norma utilizada pela revista à qual o autor vai submeter seu trabalho. Na

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


área da Psicologia, os documentos mais utilizados pelas revistas para normalização das citações
e referências são o manual de estilo Publication Manual of the American Psychological Association
editado pela APA e as normas editadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT),
regulamentadas para uso no Brasil e usadas em todas as áreas do conhecimento.
Recomendamos aos leitores que consultem também o manual Citações no Texto: uma
Adaptação do Estilo de Normalizar de Acordo com a APA (http://www.ip.usp.br/biblioteca/pdf/).
Este fornece esclarecimentos com relação à elaboração das citações no texto, com base no
manual de estilo editado pela APA, exemplificando com modelos que contemplam os diver-
sos casos de citações (direta, indireta, fontes eletrônicas). Outra versão do manual orienta os
autores que precisam normalizar as citações de acordo com a ABNT (http://www.ip.usp.br/
biblioteca/pdf ).
Ressaltamos, a título de advertência, que é preciso evitar no texto citações diretas muito
longas, citações de citações e citações inúteis que apóiem fatos do conhecimento já difundidos
largamente.
148

3.9 Organização dos Títulos das Seções no Artigo


De acordo com a APA (2001a, 2001b), os títulos das seções de um manuscrito revelam a sua
organização e determinam a importância de cada tópico. Assim, todos os tópicos de mesma
importância devem apresentar o mesmo nível de título ao longo do texto.
Recomendamos que os títulos das seções e subseções de um artigo sejam apresentados
sem marcações, ou seja, sem números e/ou letras.
A introdução, por ser a primeira parte do artigo, não precisa ser rotulada, pois se pre-
sume que a primeira parte de um texto seja a introdução. Portanto, se a primeira parte do
manuscrito contém títulos e títulos equivalentes dentro da seção, esses devem ser apresen-
tados no nível mais alto, ou seja “nível 1 para todos, exceto trabalhos de cinco níveis” (APA,
2001a, p. 109).
Apresentamos a seguir um exemplo de níveis de títulos com base no manual de estilo
da APA:

Título em Maiúsculas e Minúsculas Centralizado (em negrito ou não) = nível 1

Título em Maiúsculas e Minúsculas em itálico Centralizado = nível 2

Título lateral em Maiúsculas e Minúsculas em itálico e alinhado à esquerda = nível 3

Título de parágrafo em minúsculas. (com exceção da primeira letra) em itálico, finaliza-


do com ponto = nível 4

Sugerimos apresentar os títulos nível 1 em negrito e salientamos que a APA apresenta es-
ses títulos sem esse destaque, assim, essa padronização fica a critério do editor do periódico.
Ressaltamos também que o manual americano apresenta até cinco níveis (nível 5 = Título em
maiúsculas centralizado). Para maiores informações sobre “níveis de título”, recomendamos que
os autores consultem o manual da APA (2001a, pp. 108-110).
O Anexo E apresenta uma sugestão para a organização dos títulos das seções no artigo
formatado com base nas orientações da APA.

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


3.10 Referências
É a apresentação normalizada dos trabalhos citados. A lista de referências é apresentada no
final do artigo e deve obedecer à norma adotada pela revista. Assim como para as citações no
texto, recomendamos aos leitores que consultem o manual Normalização de Referências: uma
Adaptação do Estilo de Normalizar de Acordo com as Normas da APA (http://www.ip.usp.br/biblio-
teca/pdf/). Este fornece esclarecimentos com relação à elaboração das referências, com base no
manual de estilo editado pela APA, exemplificando com modelos que contemplam os diversos
casos de referenciação. Outra versão do manual orienta os autores que precisam normalizar as
referências de acordo com a ABNT (http://www.ip.usp.br/biblioteca/pdf ).
Podemos contar com sofisticados sistemas que facilitam a normalização das referências. Es-
tamos falando aqui do Reference Manager, End Note, Pro-Cite e outros que operam interligados
a uma base de dados pessoal, construída para um(a) único(a) pesquisador(a). Os sistemas per-
mitem a importação de referências de diversas bases de dados, como Psyc­Info, Web of Science,
LILACS. Além dos registros importados, os usuários podem incluir suas próprias referências e 149
com um simples comando normalizar os trabalhos pelas normas para elaboração de referências
mais reconhecidas, como, por exemplo, APA, ABNT, Vancouver, ISO e outras.
A vantagem desses sistemas é que, à medida que os autores efetuam as citações no texto, o
sistema organiza a lista de referências, de acordo com a norma selecionada. O recurso facilita a
tarefa de redação do trabalho científico e libera os pesquisadores da árdua tarefa de normalizar.
Assim, podem desempenhar sua atividade principal: pesquisar.

3.11 Data de Tramitação dos Manuscritos


É a impressão no final do artigo, normalmente após a lista de referências, das datas de re-
cebimento e aceite do artigo. Os editores são responsáveis por essa informação que dá transpa-
rência ao processo editorial da revista. Exemplos:

Recebido em 19 de março de 2008


Aceito em 25 de julho de 2008
ou

Recebido: 19/03/2008
Aceito: 25/07/2008

Algumas revistas colocam data de recebimento, data da primeira e segunda revisões (se
houver) e data do aceite final. Exemplo:

Recebido em 12 de março de 2008


1ª revisão em 01 de julho de 2008
2ª revisão em 15 de agosto de 2008
Aceite final em 09 de setembro de 2008
ou
Recebido: 12/03/2008
1ª revisão: 01/07/2008
2ª revisão: 15/08/2008
Aceite final: 09/09/2008

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


3.12 Tempo de Publicação
O tempo de publicação refere-se ao intervalo entre a data de aceitação e a data de publica-
ção do manuscrito e varia de revista para revista. As revistas editadas pela APA publicam em um
intervalo médio de sete meses (APA, 2001b).

3.13 Anexo(s) e Apêndice(s)


Tanto o anexo como o apêndice são elementos opcionais do artigo e têm como objetivos
complementar a argumentação do trabalho, fundamentar, comprovar ou ilustrar informações
relevantes do texto.
Segundo a ABNT, o anexo é um texto utilizado pelo autor que foi elaborado por outra pes-
soa, e o apêndice é um texto elaborado pelo próprio autor do trabalho. Quando necessária sua
150 publicação, devem ser listados como Anexo A, Anexo B, Apêndice A, Apêndice B.
Observamos que algumas revistas da área não fazem essa distinção quando da elaboração
de um anexo ou apêndice. As revistas editadas pela APA usam apenas a palavra Appendix, para
todo tipo de documento acrescentado após o texto.
Recomendamos, assim, que as revistas padronizem o termo e usem apenas a palavra “Ane-
xo” para apresentação dos textos que complementam o artigo.

4 Outros Tipos de Contribuições


Além dos artigos originais e da pesquisa, outras formas de contribuições são publicadas nas
revistas. Krzyzanowski, Ferreira e Medeiros (2005) esclarecem sobre as diversas categorias de
trabalhos possíveis para publicação.

• Comunicações breves: relatos curtos contendo dados preliminares que possibilitem investiga-
ção mais definitiva.
• Artigos de revisão: avaliações críticas da literatura sobre um determinado tema.
• Artigos de atualização: mais breves que os artigos de revisão, discutem a literatura recente
sobre o estado da arte de algum assunto.
• Relatos de experiência: trabalhos de observações originais, acompanhados de análise e dis-
cussão. Os estudos de caso enquadram-se nessa categoria. Em geral, apresentam três partes
distintas: Introdução, Relato de Experiência e Discussão.
• Cartas aos editores: objetivam discutir sobre artigos publicados recentemente na revista ou
debater sobre algum tema de pesquisa ou achados científicos significativos. Devem ser assi-
nadas e autorizadas para publicação pelo autor.
• Resenhas: textos breves, escritos por especialistas, que apresentam um resumo comentado
sobre obras (em geral recém-lançadas) que instruem o leitor sobre o conteúdo a partir da
análise e apreciação do resenhador.
• Ensaios: estudos aprofundados de um determinado tema ou de modelos teóricos existentes,
analisando facetas que estavam ocultas, ou pouco desenvolvidas.
• Debates: seção, em geral, proposta pelo editor que abre discussão para temas atuais e contro-
versos da área.
• Notas de pesquisa: relatos mais curtos do que o artigo que apresentam hipóteses, progressos
ou dificuldades de pesquisas em andamento. Em algumas áreas do conhecimento são publi-
cadas com o nome de pesquisa em andamento.

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


• Depoimentos e entrevistas: divulgam histórias de vida ou realizações profissionais de persona-
gens representativos e de interesse para a área. Em alguns periódicos, a seção é denominada
“Memórias”.
• Ponto de vista: trabalhos de relevância em forma de comentário, apresentando novas ideias
ou perspectivas de acordo com a visão do autor.

Não tivemos o objetivo de esgotar todas as categorias de contribuições aceitas para pu-
blicação em revistas, apenas dar breves explicações sobre as mais praticadas. Lembramos aos
leitores que antes de enviar sua contribuição devem ler atentamente as normas da revista e se
limitarem aos tipos de trabalhos aceitos para publicação.

5 Da Preparação à Submissão
do Manuscrito: Recomendações 151

Nas normas editoriais das revistas existe uma série de informações e recomendações que os
autores devem respeitar e estar atentos antes de submeter seu trabalho. Com base nas normas
presentes nos periódicos da área de Psicologia e ciências afins, relacionamos algumas orienta-
ções para direcionarmos os autores quanto à preparação e submissão do manuscrito.
Ressaltamos que as informações e recomendações apresentadas a seguir não dispensam
os autores da consulta às normas do periódico. Como afirmam Victoria e Moreira (2006, p. 39),
“todo editor gosta de receber artigos que sigam rigorosamente as normas de preparação do
manuscrito da revista”, e seguir essas normas denota cuidado e preocupação do autor.

5.1 Escolha do Periódico para Submissão do Manuscrito


Depois de trabalhar muito na composição de seu manuscrito, é justo que os autores
queiram depositá-lo em um instrumento de qualidade e com muita visibilidade na comu-
nidade científica. O conhecimento do perfil da revista para a qual os autores submeterão
seu trabalho permitirá que estes se familiarizem com o conteúdo específico da publicação,
evitando assim uma série de desencontros. Por exemplo, evitará o envio de um relato de
pesquisa para uma revista que só publica artigos de revisão, ou um artigo de uma área para
uma revista que apenas publica em outra área. A leitura das normas evitará que o manuscrito
seja rejeitado no ato da submissão. Para conhecer o perfil da publicação, os autores devem
consultar a própria revista no formato impresso ou eletrônico, desde que seja um fascículo
recente. As normas mudam!
Antes mesmo de começar a redigir seu artigo, é possível eleger a plateia à qual ele se desti-
na, mas para escolher a revista adequada, muitas vezes, é necessário terminar o artigo. Consulte
atentamente as normas editoriais, folheie a revista, leia alguns artigos e tente seguir o modelo.
Afinal, esses artigos passaram pelo processo de avaliação e foram aprovados para publicação.
Autores querem publicar em revistas bem avaliadas! Sobre a qualidade das revistas cien-
tíficas, os leitores podem consultar os capítulos “Indexação e Fator de Impacto” e “Avaliação de
Periódicos Científicos Brasileiros de Psicologia” neste livro.

Nota. O site da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (ANPEPP,


Avaliação de Publicações, http://www.anpepp.org.br/) apresenta as classificações das revistas
nacionais da área de Psicologia avaliadas no período de 2000 a 2008.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


5.2 Padronização do Manuscrito
A preocupação com a padronização do texto científico deve começar pelo autor do traba-
lho e não deve ser apenas uma tarefa do editor e de sua equipe de publicação.
Nesse contexto, o autor, antes de submeter seu manuscrito, precisa também verificar os
estilos editoriais e redacionais adotados pela publicação para a qual vai enviar seu trabalho, pois
estilos aceitáveis para um tipo de revista podem não ser válidos para outras (Medeiros, 2002).
De acordo com Medeiros (2002) e orientações já apontadas neste capítulo, antes de subme-
ter seu trabalho para publicação, o autor deve estar atento:

• ao uso de maiúsculas e minúsculas nos nomes das seções e subseções;


• aos padrões aceitos de pontuação;
• aos destaques utilizados no texto (aspas, itálico, bold (negrito), VERSAL (maiúscula));
• à forma de grafia: nomes próprios, título de obras (livros, periódicos) e de suas partes (capítu-
152 los de livros, artigo de revistas e jornais);
• à indicação do autor, afiliação institucional, às notas do autor, ao breve currículo do autor,
endereço;
• à padronização do título e subtítulo (se houver), ao autor, à afiliação institucional, aos resu-
mos e às palavras-chave;
• à normalização das notas de rodapé, às citações no texto e referências;
• à apresentação de tabelas e figuras no texto;
• ao tamanho dos parágrafos;
• à forma de tratamento, pessoa gramatical, utilização de símbolos, às unidades de medida,
datas, siglas, abreviaturas.

Como mencionamos anteriormente, o trabalho científico prima pela clareza e precisão, e


um texto normalizado mostra critério, clareza e rigor em sua elaboração, além de evitar atrasos
durante o processo de publicação.
Ao editor geral, Comissão Editorial, revisores e profissional responsável pela normalização
das citações no texto e referências (comumente bibliotecários) do periódico cabem zelar pela
correta apresentação dos aspectos apontados de acordo com suas contribuições.

5.3 Submissão e Carta de Apresentação do Manuscrito


Comumente os editores iniciam o processo de seleção dos trabalhos pela leitura da carta de
apresentação. De acordo com Victoria e Moreira (2006), essa carta

é freqüentemente subestimada por alguns autores, mas na verdade é a melhor oportunidade que o
autor tem de convencer o editor de que seu artigo é apropriado para aquela revista. É também uma
oportunidade para argumentar como um estudo realizado no Brasil pode contribuir para a literatura
internacional. Em seguida é lido o resumo, e depois, os métodos. Com a leitura destas três partes, é pos-
sível decidir se o artigo deve ser enviado para revisores externos ou não. (p. 40)

Ao fazer a carta de apresentação, os autores devem verificar nas normas editoriais da revis-
ta para “quem” se deve encaminhar o manuscrito. Geralmente é para os editores do periódico,
nesse caso coloque os nomes completos dos destinatários, quando explicitados na revista. Essa
informação é apresentada no final das “instruções aos autores”, nas normas editoriais, no “ende-
reço para encaminhamento”. Algumas revistas solicitam que o material seja enviado à Comissão

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


Executiva/Editorial, ou à Secretaria, ou diretamente à revista; nesse caso a carta deve ser enca-
beçada pelo nome da revista.
Com o processo de submissão online, os procedimentos para envio de manuscritos vêm
sofrendo profundas alterações. Assim, nunca envie o manuscrito sem antes consultar as normas
editoriais dos últimos fascículos publicados.
Escrever um artigo para uma revista científica consiste em organizar a informação de ma-
neira objetiva, clara e precisa. Enfim, trata-se de uma tarefa fácil, se comparada com a complexi-
dade de se concluir uma pesquisa científica. Um artigo não precisa e nem deve ser conclusivo,
pelo contrário, precisa suscitar novos trabalhos e discussões, inquietar os leitores e provocar
reações na comunidade.
Como afirma Gattaz em sua palestra Como Escrever um Artigo Científico4, essa tarefa não é
uma questão de estilo. Estilo deve ser deixado para os poetas. Os autores de um artigo precisam
ser diretos, evitar as palavras rebuscadas e retóricas. Escrever demanda dedicação e persistência.
Conhecer as regras da língua e manter o padrão na apresentação dos termos é fundamental para
a qualidade do trabalho. O texto inteligente, escrito com conhecimento e elegância, convida os 153
leitores a entrar ativamente no conteúdo. Nunca deve tentar provar que os leitores não sabem
nada do assunto, mas que se fala com especialistas e pessoas habilitadas na área, que podem ter
opinião contrária. Afinal, as ideias ali registradas não são definitivas nem irrefutáveis. E, finalmen-
te, para escrever um artigo, são necessários uma boa dose de coragem e bastante conhecimento
da matéria, sendo a humildade um fator de extrema importância.

6 DOI (Identificador de Documento Digital)


Um elemento novo vem aparecendo nos artigos de revista publicados no meio digital, o
DOI. Digital Object Identifier é uma série numérica que age como um identificador de objetos
e registra a propriedade intelectual. Fornece meios para identificação de objetos na Internet,
como fonte de dados básicos e uma infraestrutura para linkar. Sua aplicação está associada à
identificação de artigos nas principais revistas científicas, possibilitando o acesso ao texto com-
pleto publicado e agregando maior confiabilidade à informação cadastrada.
Nas bases de dados, o DOI também aparece nas referências dos artigos indexados, formando
uma rede de artigos. A International DOI Foundation (IDF, http://www.doi.org/), responsável pelo
sistema, está localizada no Reino Unido e possui mais de 28 milhões de DOIs registrados, cujo
acesso é dado pela inserção do número no artigo. Como obter o DOI? São vários os órgãos de
registro, destacamos, aqui, o CrossRef (http://www.crossref.org/02publishers/index.html). O DOI
é solicitado pelos editores das revistas e é necessário efetuar o pagamento para sua obtenção.
É constituído por um sistema alfanumérico dividido em duas partes: um prefixo que identi-
fica o publicador do documento e um sufixo que identifica a publicação, ambos determinados
pelo International DOI Foundation. Exemplo: doi: 10.1590/S0102-377220080003000025, onde
10.1590 é o prefixo e identifica o publicador SciELO e S0102-37722008000300002 é o sufixo e
identifica a revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, sendo:

• 10.1590, publicador SciELO;


• S de “seriado”;
• 0102-3772, o ISSN da versão impressa da revista;

4 Palestra proferida na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, 27 de março de 2006.
5 Exemplo extraído da revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
37722008000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


• 2008, o ano de publicação do periódico;
• 0003, número 3 da revista;
• 00002 indica que é o segundo artigo da revista Psicologia: Teoria e Pesquisa.

7 Considerações Finais
Esperamos que a leitura deste capítulo elimine as dúvidas mais comuns dos estudantes,
pesquisadores, editores e profissionais da área de Psicologia quanto à preparação e normali-
zação de um artigo científico e que tenham sido oferecidos subsídios para a elaboração dos
diversos elementos que compõem esse tipo de contribuição.
Como vimos, preparar um artigo é, na verdade, formatar o conhecimento com base nos
elementos que caracterizam esse tipo de publicação. O importante é acreditar que é possível e
começar a escrever. Então, mãos à obra!
154

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


Referências

American Psychological Association. (2001a). Manual de publicação da American Psychological Association (4a
ed., D. Bueno, trad.). Porto Alegre: ARTMED. (Tradução da 4a ed. de 1994)
American Psychological Association. (2001b). Publication manual of the American Psychological Association
(5th ed.). Washington, DC: Author.
Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2003). Informação e documentação – Artigo em publicação perió­
dica científica impressa – Apresentação – NBR 6022. Rio de Janeiro: Autor.
Bechara, E. (2001). Ortografia. In E. Bechara, Moderna gramática portuguesa (37a ed., pp. 93-106). Rio de Ja-
neiro: Lucerna.
Conselho Nacional de Saúde. (1996). Resolução nº 196 de 10 de outubro de 1996. Recuperado em 27 de março
de 2006, de http://www.datasus.gov.br/conselho/resol96/RES19696.htm
Cozby, P. C. (2003). Métodos de pesquisa em ciências do comportamento (P. I. C. Gomide & E. Otta, trads.). São
Paulo: Atlas. 155

De Paoli, M. A. (2004). Apresentação das figuras. Recuperado em 02 de maio de 2006, de http://www.chem­


keys.com/bra/ag/tda_8/ardtt_11/fet_10/fet_10.htm
Ferreira, A. B. de H. (1999). Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa (3a ed. rev. ampl.). Rio de Janei-
ro: Nova Fronteira.
Fine, M., & Kurdek, L. A. (1993). Reflections on determining authorship credit and authorship order on faculty-
student collaborations. American Psychologist, 48(11), 1141-1147.
Granja, E. C. (1998). Diretrizes para a elaboração de dissertações e teses. São Paulo: Serviço de Biblioteca e Do-
cumentação do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.
Granja, E. C., & Grandi, M. E. (1995). Resumos: teoria e prática. São Paulo: Serviço de Biblioteca e Documentação
do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.
Granja, E. C., Kremer, O. S., & Sabadini, A. A. Z. P. (1997). Citações no texto e notas de rodapé: manual de orien-
tação (2a ed. rev. e aum.). São Paulo: Serviço de Biblioteca e Documentação do Instituto de Psicologia da
Universidade de São Paulo.
Guimarães, L. A. M., Martins, D. de A., & Guimarães, P. M. (2004). Os métodos qualitativo e quantitativo: simi-
laridades e complementaridade. In S. Grubits & J. A. V. Noriega (Orgs.), Método qualitativo: epistemiologia,
complementaridades e campos de aplicação (pp. 79-92). São Paulo: Vetor.
Histórico do vocabulário controlado: vocabulário controlado em psicologia – histórico e desenvolvimento. (n.d.).
Recuperado em 21 de dezembro de 2008, de http://www.psi.bvs.br/xml2html/xmlRoot.php?xml=xml/pt/
bvs.xml&xsl=xsl/level2.xsl&lang=pt&tab=collection&item=151&graphic=yes
Krzyzanowiski, R. F., Ferreira, M. C. G., & Medeiros, R. (2005). Instrumental aos autores para preparação de tra-
balhos científicos. In S. M. S. P. Ferreira & M. G. Targino, Preparação de revistas científicas: teoria e prática (pp.
55-72). São Paulo: Reichmann & Autores.
Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (1985). Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas.
Medeiros, J. B. (2002). Manual de redação e normalização textual: técnicas de editoração e revisão. São Paulo:
Atlas.
Sá, E. S., Gaudie-Ley, M. D. L. M., Ferreira, A. L. L., Souza, M. M., Figueiredo, M. G. G., Sodré, S. M. F. et al. (1994).
Manual de normalização de trabalhos técnicos, científicos e culturais. Petrópolis, RJ: Vozes.
Sabadini, A. A. Z. P., Nascimento, M. M., & Cadidé, I. (2007). Análise das normas de referências adotadas pelas
revistas brasileiras de psicologia. Trabalho apresentado no Seminário Internacional de Bibliotecas Digitais
Brasil, São Paulo, 2007.
Secaf, V. (2004). Artigo científico: do desafio à conquista (3a ed.). São Paulo: Green Forest do Brasil.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


SI 10. American National Standard for Use of the International System of Units (SI): The modern metric system
(SI10-02 IEEE/ASTM). (2002). New York: American National Standards Institute.
Spector, N. (2002). Manual para a redação de teses, projetos de pesquisa e artigos científicos (2a ed.). Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan.
Trzesniak, P. (2008). O texto literário e o texto científico. Porto Alegre. Manuscrito não publicado.
Victora, C. G., & Moreira C. B. (2006). North-South relations in scientific publications: Editorial racism? Revista
de Saúde Pública, 40(n. especial), 36-42. Recuperado em 20 de janeiro de 2007, de http://www.scielosp.org/
scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102006000400006&lng=&nrm=iso
Volpato, G. L. (2003). Publicação científica (2a ed. rev. ampl.). Botucatu, SP: Tipomic.

156

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


157

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Anexo B – Sugestão de descrição das informações referentes aos elementos título e
autoria para revistas nacionais que optarem por listar o endereço do(s) autor(es) sem a
apresentação do breve currículo dos autores

Exemplo 1 – Com indicação de notas do autor:

Motivação e Redes Sociais*


Maria Imaculada Cardoso Samapio**
Universidade de São Paulo

* Artigo elaborado a partir da dissertação de mestrado Motivação no Trabalho Cooperativo: o Caso da Rede Brasileira de
Bibliotecas da Área de Psicologia – ReBAP, defendida em 2005, sob a orientação de Daisy Pires Noronha, Escola de Co-
municações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo.
** Endereço para correspondência: Biblioteca Dante Moreira Leite, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo,
158 Avenida Prof. Mello Moraes, 1.721, Cidade Universitária, São Paulo, SP, Brasil 05508-030. E-mail: isampaio@usp.br

Exemplo 2 – Autores com mesmo vínculo institucional:

Título do Trabalho*
Nome completo do primeiro autor#
Nome completo do segundo autor§

Universidade de São Paulo

* Pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP - Processo n. 00/0000-0).
#, §
Endereço para correspondência: Departamento de Psicologia Social e do Trabalho, Instituto de Psicologia, Universi-
dade de São Paulo, Avenida Prof. Mello Moraes, 1.721, Bloco A, Cidade Universitária, São Paulo, SP, Brasil 05508-030.
E-mail: xxxxx@usp.br e xxxxxx@usp.br

Exemplo 3 – Autor sem vínculo institucional:

Título do Trabalho
Claudia Candeloro*
Marília, São Paulo, Brasil

* Endereço para correspondência: Clínica Psicológica Candeloro, Rua Presidente Vargas, 67, Apartamento 42, Bairro Santa
Olívia, Marília, SP, Brasil 17.501-550. E-mail: ccand@gmail.com

Exemplo 4 - Autor sem vínculo institucional e comercial:

Título do Trabalho
Maria Del Masso Garcia*
Marília, São Paulo, Brasil

* Endereço para correspondência: Rua 21 de Abril, 324, Bairro Maria Isabel, Marília, SP, Brasil 17.501-550. E-mail: mariadel-
masso@gmail.com

Nota. Apresentar todas as informações citadas acima na primeira página do artigo.

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


Anexo C – Sugestão de descrição das informações referentes aos elementos título e au-
tor para revistas nacionais que optarem por apresentar um breve currículo dos autores

Na primeira página do artigo, abaixo do(s) nome(s) do(s) autor(es), sugerimos citar a insti-
tuição e o local. Exemplo:

Título do Trabalho*

Nome completo do primeiro autor


Universidade de São Paulo
Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil

Nome completo do segundo autor


Universidade Estácio de Sá
Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil
159

* Pesquisa financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq - Processo n.
00/0000-0).

Na última página do artigo, após a lista final de referências e as datas de tramitação do ma-
nuscrito, sugerimos apresentar o endereço com as informações sobre o(s) autor(es):

Nome completo do primeiro autor, mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católi-
ca de Campinas, doutor em Psicologia Clínica pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São
Paulo. É professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Endereço para correspondência: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São


Paulo, Avenida Tenente Catão Roxo, 2650, Campus Universitário Monte Alegre, Ribeirão Preto, SP,
Brasil 14048-9000. E-mail: xxxxx@usp.br

Nome completo do segundo autor, doutor em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católi-
ca do Rio de Janeiro. É professor do curso de Psicologia na Universidade Estácio de Sá.

Endereço para correspondência: Universidade Estácio de Sá, Rua Romário Ribeiro de Almeida, 88,
Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil 28.001-970. E-mail: xxxxx@gmail.com

Nota. No caso de dois ou mais autores serem da mesma instituição, nas informações sobre os
autores, indicar o endereço da seguinte forma:

Nome completo do primeiro autor, mestre e doutor em Psicologia Clínica pela (...). É professor da
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.
E-mail: xxxxx@usp.br

Nome completo do segundo autor, doutora em Psicologia Clínica pela (...). É professora da Faculdade
de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.
E-mail: xxxxxxxxx@usp.br

Endereço para correspondência: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São


Paulo, Avenida Tenente Catão Roxo, 2650, Campus Universitário Monte Alegre, Ribeirão Preto, SP,
Brasil 14048-9000.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Anexo D – Sugestão de descrição das informações referentes aos elementos título e
autor para revistas nacionais que optarem pelo padrão de apresentação das revistas
editadas pela APA

Exemplo 1:

Título do Artigo

Nome do primeiro autor


Universidade de São Paulo
Fundação Armando Álvares Penteado

Nome do segundo autor


Universidade Estadual de Campinas
160

Nome do primeiro autor, Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito, Faculdade de Direito, Universidade de São
Paulo e Faculdade de Direito, Fundação Armando Álvares Penteado; Nome do segundo autor, Instituto de Filosofia e Ciên-
cias Humanas, Universidade Estadual de Campinas.
Pesquisa parcialmente financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP - Processo n.
00/0000-0).
Agradecemos às Professoras (nome das professoras) pelas sugestões.
Correspondências referentes a este artigo deverão ser enviadas para (nome do primeiro autor), Departamento de Filoso-
fia e Teoria Geral do Direito, Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, Largo São Francisco, 95, São Paulo, SP, Brasil
01005-010. E-mail: xxxxx@gmail.com

Exemplo 2:

Análise das Normas de Referências


Adotadas pelas Revistas Brasileiras de Psicologia

Aparecida A. Z. P. Sabadini e Maria M. Nascimento


Universidade de São Paulo

Ingrid Cadidé
São Paulo, São Paulo, Brasil

Aparecida A. Z. P. Sabadini e Maria M. Nascimento, Biblioteca Dante Moreira Leite, Instituto de Psicologia, Universidade de
São Paulo; Ingrid Cadidé, São Paulo, São Paulo, Brasil.
Trabalho apresentado no Seminário Internacional de Bibliotecas Digitais Brasil, Sessão de Pôster, São Paulo, 20 de setembro
de 2007.
Agradecemos ao professor Eugenio J. R. Zoqui pelas sugestões de modificações feitas no texto original.
Correspondências referentes a este artigo deverão ser enviadas para Aparecida A. Z. P. Sabadini, Biblioteca Dante Moreira
Leite, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, Avenida Prof. Mello Moraes, 1.721, Cidade Universitária, São Paulo,
SP, Brasil 05508-030. E-mail: angelica@usp.br

Nota. Apresentar todas as informações citadas nos exemplos na primeira página do artigo.

Capítulo 6 | Preparando um Artigo Científico


161

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Capítulo 7
Autoria, Coautoria e Colaboração
Maria Imaculada Cardoso Sampaio
Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini

Quem realmente ganha com a publicação do conhecimento, quer seja em revistas, livros ou 163
outro tipo de documento? A principal beneficiada é, sem dúvida, a humanidade. A publicação
de resultados de pesquisas é um ato louvável e generoso que leva ao progresso da ciência. O
conhecimento não é gerado de imediato nem de forma isolada. Muito pelo contrário, o conheci-
mento é construído a partir da contribuição de diversos autores e continuadamente. Como afir-
ma Targino (2005), “parece óbvio que a autoria de qualquer texto, no âmbito da ciência, decorre
de conhecimentos preexistentes, a tal ponto que a originalidade em ciência é sempre relativa e,
nunca, absoluta” (p. 40).
O leitor pode perguntar: mas, e o autor, quais são suas vantagens em escrever e publicar?
O esforço intelectual desprendido pelo autor é recompensado pela sedimentação do conheci-
mento sob sua responsabilidade, ou seja, é definitivamente reconhecido seu direito de produtor
desse conhecimento. Ninguém poderá tomar para si suas ideias, descobertas e conclusões, e
a aceitação pública está assegurada. Além da reputação de autor garantida, Monteiro, Jatene,
Goldenberg, Problación e Pellezzon (2006) afirmam que “a continuidade de seus projetos, pres-
tígio e obtenção de posições acadêmicas hierarquicamente superiores” também são benefícios
que a publicação dos resultados de investigações científicas garantem aos pesquisadores.
Miranda, Simeão e Mueller (2006) orientam que a autoria desempenha um papel de certifi-
cação e reconhecimento na “vida do pesquisador: mais do que o lucro financeiro, está em jogo
o seu nome”. Afinal, para a sobrevivência profissional, o pesquisador necessita ter a autoria de
“suas produções científicas validadas e reconhecidas pelos pares. O reconhecimento do valor
da contribuição científica se dá com a publicação e se firma pela citação ao texto publicado por
outros pesquisadores”.
Atualmente, a produção científica é usada como critério de extrema importância na ava-
liação dos cursos de pós-graduação, nas avaliações institucionais, para concessão de recursos
pelas agências de fomento à pesquisa e na seleção de docentes e composição de equipes de
pesquisa. Assim, nunca foi tão importante e necessário publicar.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1 Autor e Autoria
Segundo Goldenberg (2001), para Jean-Claude Bernardet, a ideia de autor e autoria está
primeiramente ligada à noção de Deus e de criação.
O autor é o grande criador de sua obra literária, logo o responsável ético e moral por aquilo
que escreve. Goldenberg continua “Existe um compromisso ético do autor com a comunidade
científica” e as responsabilidades inerentes à autoria incluem:

• a realização de pesquisas criativas com contribuição efetiva para o avanço do conhecimen-


to e da ciência;
• assegurar o bem-estar e o tratamento humanitário dos seres humanos, animais de experi-
mentação e a proteção/segurança dos pesquisadores;
• lisura no processo de investigação, ou seja, o autor nunca deverá apresentar dados de outros
como se fossem seus;
164 • de forma alguma recorrer à falsificação total ou parcial do relato da pesquisa;
• em hipótese alguma adulterar, suprimir ou alterar dados para simular o cumprimento do
objetivo proposto;
• atribuir a coautoria somente àqueles que contribuíram intelectual e cientificamente, de
maneira significativa, na execução do trabalho. Nunca se deve atribuir coautoria por conve­
niência, sem a participação efetiva no trabalho;
• todos os autores devem participar na redação e editoração do manuscrito, receber cópia
para a revisão final e concordar em compartilhar a responsabilidade pelas ideias expostas no
trabalho.

Alguns autores, tentando garantir a publicação de seu trabalho, submetem o artigo a mais
de uma revista ao mesmo tempo, essa é uma postura antiética e não condiz com o caráter do
cientista e pesquisador. Outra prática comum e também reprovável é a publicação de um mes-
mo artigo com título diferente e/ou algumas alterações irrelevantes.
Segundo Targino (2005), a publicação de um mesmo trabalho “com nova ‘roupagem’”, ou ainda,
“um mesmo trabalho cujos autores aparecem em ordem distinta a cada congresso” (p. 49) é prática
comum atualmente, confirmando a hipótese de que muitas estratégias, nem sempre admiráveis, são
utilizadas para multiplicar o processo de criação intelectual através da autoria e coautoria.

1.1 Autoria Institucional


A autoria institucional, ou coletiva, dá-se quando uma instituição se responsabiliza pelo
conteúdo de um documento. Explica Alves Filho (2006, p. 81) que a autoria institucional é muito
comum em

editoriais, notícias da imprensa, bulas de remédio, editais e certas publicidades, nos quais a voz que
fala e assume a conclusibilidade e a posição axiológica é a voz de uma empresa ou entidade, havendo
deliberadamente o apagamento a qualquer referência que aponte para o redator individual produtor
dos textos...

É utilizada quando não existe uma autoria pessoal definida, ficando para a instituição a
responsabilidade e os créditos pela obra. Ainda segundo Alves Filho (2006), “Do ponto de vista
da dimensão verbal, há aqui a tendência a não aparecerem pronomes de primeira pessoa e, por
outro lado, há preferência por recursos de impessoalização”.

Capítulo 7 | Autoria, Coautoria e Colaboração


Os documentos cujo autor seja uma instituição ou entidade coletiva devem ser citados pelo
nome da entidade por extenso, seguido do ano da publicação. Ex.: American Psychological Asso-
ciation (2001) ou (American Psychological Association, 2001). A referência segue a mesma ordem
de apresentação da citação.
Para Miranda, Simeão e Mueller (2006), “A questão da autoria coletiva na ciência é sui gene-
ris, difere em vários aspectos da autoria coletiva em outras áreas da cultura, como na música,
em textos literários, ou nas artes”. As Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) estão
transformando o universo das publicações e o próprio conceito de autoria. As ferramentas wikis
são uma realidade e as autorias coletivas tendem a aumentar e a se internacionalizarem. Já é
comum encontrarmos textos científicos que utilizam a Wikipédia para as definições de concei-
tos. Esse talvez seja o maior exemplo de autoria coletiva do qual se tem notícia e parece que
estamos muito próximos do sonho do conhecimento construído por todos e gerado por uma
grande rede humana.

165

2 Coautoria
Observa-se o aumento do número de autores nos artigos científicos publicados em perió­
dicos nacionais e internacionais. O fenômeno tem sido atribuído ao crescimento dos grupos
de pesquisa e à facilidade de se trabalhar com a ajuda da Internet. Atualmente, pesquisas são
desenvolvidas com equipes de diferentes estados e até mesmo países, graças ao avanço da tec-
nologia. Não existe mais distância nem fronteiras, e é comum autores publicarem artigos juntos
sem nunca terem se conhecido.
De um modo geral, o primeiro autor é o responsável pela maior parte do trabalho, sendo
que os demais aparecem de acordo com a contribuição prestada para a produção do artigo. É o
primeiro autor também que, na maioria dos casos, se responsabiliza por formatar, fazer a última
revisão e enviar o artigo à revista selecionada. A ordem alfabética não tem sido prática comum
na organização da relação dos autores, deixando, muitas vezes, totalmente clara a hierarquia da
participação dos autores na pesquisa que gerou a publicação.
Segundo Goldenberg (2001), inclusão de pessoas como autores de um trabalho do qual não
tiveram a menor participação, por motivos que muitas vezes incluem agradar sujeitos hierarqui-
camente superiores, inclusão de nomes de maior prestígio e reconhecimento científico visando
maior chance de ter o artigo aceito para publicação são práticas comuns no meio científico,
porém irregulares e contrárias aos bons padrões éticos que permeiam o universo da ciência.
A estratégia de incluir autores que não participaram da pesquisa também faz parte da es-
tratégia para multiplicar a produção científica, por meio do estabelecimento de “acordos de re-
ciprocidade” entre pesquisadores que incluem os nomes uns dos outros em seus trabalhos.
A definição de autor e coautor pode ser determinada pela responsabilidade individual ou
coletiva da publicação, assim para estar estabelecida no meio acadêmico a autoria coletiva, ou
múltipla autoria, a colaboração precisa estar vinculada a dois ou mais aspectos, como, por exem-
plo: “concepção, execução do estudo, análise e interpretação dos dados e elaboração do manus-
crito” (Secaf, 2004, p. 69).
A ciência acadêmica parece caminhar definitivamente para a autoria coletiva com a ajuda
da Internet. “A produção colaborativa tem origem na própria arquitetura da Internet, inicialmen-
te desenhada para ser um canal de comunicação entre acadêmicos de universidades separadas
geograficamente” (Amorim & Vicária, 2006, p. 42). O mesmo artigo discute o mais famoso caso
atual de autoria coletiva, a enciclopédia Wikipédia, escrita por autores voluntários que “reúne
mais de 3,1 milhões de artigos em 205 línguas e dialetos.”

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


3 Autores e Colaboradores
Os critérios de autoria e colaboração têm merecido inúmeras e acaloradas discussões. Des-
de que era conhecido como Vancouver Group, o International Committee of Medical Journals Edi-
tors (ICMJE) vem abordando o tema em busca de consolidação das responsabilidades de auto-
res, coautores e colaboradores.
Algumas discussões enfatizam que a autoria tem implicações legais e científicas, e só de-
vem ser designados como autores aqueles que participaram, efetivamente, de todo o processo
da pesquisa e do trabalho científico. Os demais participantes deveriam receber denominação
distinta, sendo chamados de colaboradores.
Rennie, Yank e Emanuel (1997) defendem a adoção do termo “colaboradores”, explicando
que a contribuição de cada um deveria ser claramente explicitada. Essa prática tornaria sem
importância a ordem em que os nomes dos colaboradores são apresentados no artigo, e os lei-
tores saberiam exatamente qual o nível de participação de cada um dos envolvidos no trabalho,
166 garantindo a integridade da publicação. O artigo de autoria de Bakkalbasi, Bauer, Glover e Wang
(2006) explicita o grau de colaboração de cada um dos autores. Para demonstração do exemplo,
optamos por copiar o texto exatamente como o apresentado pelos autores:

KB conceived the study, coordinated the project, participated in data collection and drafted most parts
of the manuscript. NB participated in the data collection, performed the statistical analysis and interpre-
tation of the data and helped with the draft of the manuscript. JG participated in the data collection,
conducted literature review, and edited the draft of the manuscript. LW participated in the data col-
lection, developed the Google Scholar citing reference extraction tool and the matching algorithm for
grouping citing references. All authors read and approved the final manuscript. (p. 8)
KB = Kathleen Bauer; NB = Nisa Bakkalbasi; JG = Janis Glover; LW = Lei Wang1

Observamos que, assim declarado, o nível de contribuição e a responsabilidade de cada um


dos envolvidos no projeto fica claro.
O comprometimento dos autores com a publicação começa bem antes do envio do manus-
crito a uma determinada revista. É na condução ética da pesquisa que o cuidado dos autores se
manifesta de forma mais efetiva. A utilização da metodologia com seriedade, a conduta correta
no tratamento dos sujeitos, quer seja humano, quer animal, a análise idônea dos resultados são
elementos de extrema importância para a posterior publicação dos resultados.
Grega (2002) analisou 130 trabalhos apresentados no Encontro Nacional de Pesquisa em
Educação em Ciências, Atibaia, São Paulo, 2001 e detectou falta de discussão explícita das
metodologias utilizadas; poucos trabalhos se preocupavam em apresentar a relação entre o
referencial teórico, o objeto de estudo e a metodologia aplicada para a solução do problema.
A autora justifica

É importante salientar que as questões metodológicas não podem apresentar-se subentendidas; e isto
muitas vezes pode acontecer por falta de zelo ou conhecimento do pesquisador. A explicitação clara da
metodologia utilizada e de referências que permitam localizá-la (sobretudo no caso de trabalhos quali-
tativos onde muitos dos procedimentos descritos pelos distintos autores são quase idênticos, mas sua

1 KB concebeu o estudo, coordenou o projeto, participou da coleta dos dados e redigiu a maior parte dos manuscritos. NB participou da
coleta dos dados, fez a análise estatística, fez a interpretação dos dados além de ter colaborado na redação do manuscrito. JG partici-
pou da coleta, fez a revisão da literatura e editou a redação do manuscrito. LW participou da coleta dos dados, no desenvolvimento do
Google Scholar mencionando a referência da ferramenta de extração como também fez a combinação algorítmica de agrupamento
citando as referências. Todos os autores leram e aprovaram a versão final do manuscrito. KB = Kathleen Bauer; NB = Nisa Bakkalbasi;
JG = Janis Glover; LW = Lei Wang. (Bakkalbasi, Bauer, Glover, & Wang, 2006, tradução nossa)

Capítulo 7 | Autoria, Coautoria e Colaboração


utilização em relação à teoria, suas potencialidades e fraquezas para determinados fins fazem com que
sejam tratados de forma diferenciada) permite uma primeira avaliação dos trabalhos, sobretudo no que
diz respeito à adequação entre o objeto de estudo e a metodologia usada para abordá-lo. (p. 5)

Em editorial datado de 1993, Feitosa enfatizou:

Talvez não seja apropriado periódicos científicos terem padrões éticos próprios acerca da condução
da pesquisa, num universo grande de veículos alternativos de publicação. A definição desses padrões
deveria ocorrer em uma instância de impacto mais abrangente, como um órgão de classe atuando no
nível federal, ou uma agência de fomento, ou outra instância de representatividade junto à sociedade,
cabendo então ao periódico declarar as normas externas que ele exige serem cumpridas por parte dos
autores que submetem manuscritos.

4 Coautoria Internacional ou Autoria Transnacional 167

A coautoria internacional, ou autoria transnacional, vem aumentando em função do incen-


tivo que as universidades estão oferecendo para a internacionalização e das facilidades geradas
pela comunicação via rede. O que caracteriza uma revista como internacional depende muito
da área e dos critérios adotados. Na área da Psicologia, até 2007, os critérios previam um mínimo
de dois artigos com coautoria internacional, por fascículo, para que a revista fosse considerada
internacional. Os critérios estão em fase de mudança, e a proposta atual é que sejam considera-
dos 15% de autores com filiação às instituições estrangeiras no volume, para que a revista seja
classificada como internacional. A instituição à qual o autor é filiado determina a internaciona-
lidade da coautoria.
Podemos exemplificar recorrendo às perguntas de um editor:

1) “Quando um artigo é escrito por dois brasileiros e um autor estrangeiro (em terceiro lugar na
autoria), devemos contabilizá-lo como um artigo de autoria nacional?”
Resposta: A ordem em que os autores aparecem no artigo não é utilizada para caracterizar
internacionalidade. A parceria internacional, segundo os critérios da CAPES/ANPEPP, é asse-
gurada somente pela presença de um autor estrangeiro. Note que o que caracteriza a inter-
nacionalidade é a afiliação do autor, não o fato de ele ter nascido no exterior.

2) “No caso de vários autores nacionais, oriundos de diferentes instituições, eu tomo sempre
como base a filiação institucional do primeiro autor?”
Resposta: Deve se considerar o total de artigos do fascículo, não um artigo isoladamente.
Isso quer dizer que a conta é feita considerando quantos autores pertencem a distintas ins-
tituições. A autoria interinstitucional é assegurada por autores de diversas instituições. Até a
avaliação da Comissão de Avaliação CAPES/ANPEPP 2007 era considerada a UF (Unidade da
Federação: estado) dos autores. A nova proposta prevê diferentes instituições, independente
dos estados ou cidades aos quais pertencem os autores.

3) “Recebi um artigo da França, só que o autor enviou em português, pois ele quer ser lido por
brasileiros. Nesse caso, eu não posso acrescentar um resumo (francês), após o resumo, abs-
tract e resumen?”
Resposta: Nesse caso, considerando a elegância do autor em publicar em português, você
poderá abrir uma exceção e publicar seu resumo em francês também. Pode explicar isso em
uma nota, logo após o resumo em francês.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


A coautoria é um dos mais importantes indicadores da cooperação nacional ou interna-
cional. Embora retrate apenas o aspecto formal das atividades envolvidas no trabalho coope-
rativo, é no registro das colaborações que se consolida a relação nacional ou internacional dos
pesquisadores.
Um dos mais importantes exemplos de autoria coletiva é o artigo publicado na revista Na-
ture, número 406, de março de 2000. No artigo “The Genome Sequence of the Plant Pathogen
Xylella fastidiosa”, 115 autores relatam a pesquisa realizada por um conjunto de 200 pesquisado-
res que trabalharam em diversos laboratórios. A dimensão da pesquisa, que rendeu aos pesqui-
sadores a capa da importante revista, justifica o número de colaboradores e demonstra que um
relato, por mais relevante que seja, pode ser condensado em sete páginas de um artigo.
Tudo isso está longe do consenso, entretanto alguns encaminhamentos dão indício de que
muitos editores, autores e a comunidade científica em geral estão atentos e preocupados com a
questão. A instituição dos Comitês de Ética já é uma realidade. Quanto mais consciência de suas
responsabilidades os autores e editores tiverem, mais éticas e sérias serão nossas revistas. Quem
168 ganha com isso: a ciência!
Nesse sentido, nossa contribuição busca auxiliar a comunidade oferecendo algumas expli-
cações, mas, sobretudo, provocando muita discussão e chamando para reflexões em torno do
intrigante assunto.

Capítulo 7 | Autoria, Coautoria e Colaboração


Referências

Alves Filho, F. (2006). A autoria institucional nos editorias de jornais. Alfa, São Paulo, 50(1), 77-80.
Amorim, R., & Vicária L. (2006, 23 de janeiro). A enciclopédia pop. Época, (401), 40-47.
Bakkalbasi, N., Bauer, K., Glover, J., & Wang, L. (2006). Three options for citation tracking: Google Scholar, Sco-
pus and Web of Science. Biomedical Digital Libraries, (3). Recuperado em 01 de maio de 2008, de http://
www.bio-diglib.com/content/pdf/1742-5581-3-7.pdf
Feitosa, M. A. G. (1993). Editorial. A ética do processo de revisão de manuscritos: a expectativa do editor em
relação ao papel do consultor. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 9(3), iv-vi. Recuperado em 14 de outubro de
2008, de http://www.revistaptp.org.br/?dest=204
Grega, I. M. (2002). Discutindo aspectos metodológicos da pesquisa em ensino de ciências: algumas questões
para refletir. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 2(1), 73-82.
Goldenberg, S. (2001). Publicação do trabalho científico: compromisso ético. Recuperado em 26 de agosto de 169
2001, de http://www.metodologia.org
Miranda, A., Simeão, E., & Mueller, S. (2006). Autoria coletiva, autoria ontológica e intertextualidade na ciên­
cia: aspectos interdisciplinares e tecnológicos. In IX Congresso Internacional de Humanidades. Santiago de
Chile: Universidad Metropolitana de Ciencias de la Educación. Recuperado em 13 de outubro de 2008, de
http://hdl.handle.net/123456789/687
Monteiro, R., Jatene, F. B., Goldenberg, S., Problación, D. A., & Pellezzon, R. F. (2006). Critérios de autoria em tra-
balhos científicos: um assunto polêmico e delicado. Recuperado em 02 de fevereiro de 2006, de http://www.
lia.ufc.br/~great/arquivos/v19n4a02.pdf
Rennie. D., Yank, V., & Emanuel, L. (1997). When authorship fails. A proposal to make contributors accountable.
JAMA, (278), 579-585.
Secaf, V. (2004). Artigo científico: do desafio à conquista (3a ed.). São Paulo: Green Forest do Brasil.
Targino, M. G. (2005). Artigos científicos: a saga da autoria e co-autoria. In S. M. S. P. Ferreira & M. G. Targino,
Preparação de revistas científicas: teoria e prática (pp. 35-54). São Paulo: Reichmann & Autores.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Capítulo 8
Normas para a Apresentação de
Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA
Claudette Maria Medeiros Vendramini
Irene Maurício Cazorla
Cláudia Borim da Silva

Neste capítulo estão apresentadas as normas de publicação científica de informações que 171
envolvem notações, expressões, tabelas e figuras estatísticas, a partir das normas da American
Psychological Association (APA), fazendo algumas comparações com as normas e os sistemas
adotados no Brasil. O órgão que regulamenta as publicações científicas no Brasil é a Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2005), contudo quando se trata de apresentar tabelas e
gráficos, a norma da ABNT remete o leitor para as normas do Instituto Brasileiro de Geografia
e Estatística (IBGE, 1993). Porém, nenhum desses órgãos apresenta normas para a escrita de
notações e expressões estatísticas. Assim, muitas revistas científicas brasileiras vêm adotando
as normas da APA, que regem a maioria das revistas internacionais e que apresentam uma siste-
matização consistente reconhecida mundialmente.
Nos Estados Unidos e na maioria dos países, os números são escritos utilizando o ponto de-
cimal para separar a parte inteira da parte decimal e a vírgula para separar os milhares, milhões e
assim por diante, oposto à notação utilizada no Brasil. Essa troca sutil traz uma série de problemas
na adoção ipsi litteres das normas da APA para publicação de trabalhos científicos no Brasil.
Uma outra adaptação refere-se à notação estatística universal para a representação de ta-
manho da população (N), de subpopulações (Ni), do tamanho da amostra (n) e de subamostras
(ni). A APA recomenda utilizar a letra N maiúscula para representar a amostra total e a letra n mi-
núscula para representar o tamanho das subamostras, dos grupos ou categorias das variáveis.
Estas e outras adaptações se fazem necessárias para as publicações no Brasil, por essa razão,
acredita-se que o mais viável é adotar as normas da APA para artigos que serão publicados no
exterior e a adaptação proposta no presente manual para as publicações no Brasil. Neste traba-
lho, sempre que necessário, será feito um paralelo entre as normas da APA e as adaptações para
as publicações no Brasil, utilizando vários exemplos do próprio manual da APA e outros exem-
plos de pesquisas realizadas pelas autoras.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1 Métodos de Apresentação de Informações Estatísticas
Para a escrita de números decimais entre zero e um, a APA recomenda o uso do zero antes do
ponto decimal apenas quando a estimativa puder assumir valores maiores que um. Quando essas
estimativas, por definição, não puderem tomar valores acima da unidade, como, por exemplo, o
coeficiente de correlação ou probabilidade, a APA recomenda não usar o zero na escrita do núme-
ro. Para publicações no Brasil, recomenda-se sempre utilizar o zero antes da vírgula (ver Tabela 1).
Como no sistema norte-americano, o ponto decimal separa os inteiros dos decimais, não
há problema em utilizar a vírgula como separador de números, mas no Brasil essa notação pode
gerar uma série de dificuldades na leitura e compreensão das informações estatísticas. Por essa
razão, recomenda-se utilizar o ponto e vírgula para separar números e/ou estatísticas, como, por
exemplo, na apresentação de resultados de testes estatísticos.

Tabela 1
172
Exemplos de Apresentação de Estatísticas e Números Utilizando Números Decimais

Exemplos Internacional No Brasil


Um mil trezentos e vinte e quatro unidades e 1,324.056 1.324,056
cinquenta e seis milésimos
Resultado do teste t de Student t (75) = 2.19, p < .05 t (75) = 2,19; p = 0,034

Probabilidade (p-valor ou valor p) p < .05 p = 0,034

Coeficiente de correlação de Pearson r = .73 r = 0,73

1.1 Apresentação Estatística em Texto


Quando se apresenta resultados do tratamento estatístico de dados, estes devem conter
informação suficiente para que o leitor tenha subsídios para ler e compreender corretamente as
análises. Se os dados são apresentados em tabelas ou figuras, não é necessário repetir as mes-
mas informações no texto, a menos que se queira ressaltar um dado particular, que ajude sua
compreensão. Ao apresentar uma série de estatísticas similares, a relação entre cada uma delas
e seus referentes pode se tornar evidente com o uso das palavras respectivamente ou na ordem.
Na narrativa, utilizar sempre o termo média, e não sua abreviação M.
Todos os parâmetros devem ser escritos em letras gregas no modo itálico, não sublinhar
e nem negritar, por exemplo, média μ, desvio-padrão σ, intercepto β1, coeficiente angular
β0 etc., com exceção da proporção populacional que é escrita com P maiúscula. Todas as esta-
tísticas, todos os estimadores ou estatísticas amostrais devem ser escritos em letras latinas e
em itálico, por exemplo: média Μ, desvio-padrão DP, intercepto b0, coeficiente angular b1 etc.,
com exceção do símbolo do qui-quadrado, que é escrito em letra grega χ2 As letras em negrito
devem ser utilizadas apenas para vetores.
Letras gregas, subscritos e sobrescritos que funcionam como identificadores, não são variá-
veis, assim como abreviações (log, seno, arcosseno etc.), devem ser escritos na fonte normal, não
devendo ser sublinhados. Por exemplo, a média do sexo feminino para o parâmetro do grupo
feminino é representada por μf ou para o estimador desse grupo Μfeminino, o coeficiente de deter-
minação (r2), a transformação logarítmica da variável [Y’ = log(Y)] etc.
Deve-se prestar atenção à diferença entre índice, subscrito, expoente e sobrescrito. O índi-
ce serve para indexar uma variável, por exemplo, Xi significa o i-ésimo elemento da variável X,

Capítulo 8 | Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA


já o subscrito é para assinalar um único grupo, por exemplo, μmeninas, significa a média do grupo
das meninas. O mesmo acontece com os expoentes e o sobrescrito, por exemplo, x2 significa x
ao quadrado, já no símbolo χ2 o número dois não significa elevar ao quadrado, apenas é o nome
da estatística.
O símbolo de porcentagem deve ser utilizado quando precedido de um numeral; caso con-
trário ele deve ser escrito por extenso. Por exemplo: “50% das crianças que participaram da pes-
quisa eram meninas, sendo que essa porcentagem foi distribuída aleatoriamente...”.
Recomenda-se utilizar os recursos computacionais para escrever equações ou fórmulas que
utilizam símbolos matemáticos e estatísticos. Deve-se respeitar a ordem das operações, utili-
zando parênteses ( ), colchetes [ ] e chaves { }, na seguinte ordem: {[( )]}, de forma a não deixar
dúvidas nas operações, por exemplo, a / b + c significa (a / b) + c ou a / (b + c)?
Ao escrever fórmulas, utilize um espaço para separar seus elementos, da mesma forma
como se separa as palavras no texto, por exemplo, Μ ± DP, e não Μ±DP. Os subscritos precedem
os sobrescritos, por exemplo, ai2, com exceção do apóstrofo a’i . Por exemplo, a equação da reta
(Yi = α + βi + Xi + εi) ou da reta estimada ( i = 200 + 0,27 Xi). Observe que a APA não usa nenhum 173
símbolo para a multiplicação, logo 0,27Xi significa 0,27 multiplicado por Xi. Para representar a
divisão ou frações, utiliza-se o símbolo “/”.
A APA recomenda que ao final da escrita de uma equação ou fórmula se coloque um ponto
final. Se a escrita da fórmula na linha modificar o espaçamento utilizado no texto, criar uma nova
linha só para a fórmula, separada do texto com espaço duplo antes e depois da mesma. Caso
apresente mais de uma fórmula, essas devem ser numeradas com um número entre parênteses
alinhado à direita, conforme exemplos a seguir:

Para se referir a uma equação ou a uma fórmula, escrever por extenso a palavra e não sua
forma abreviada, por exemplo: a Fórmula 1 indica a forma de cálculo da média populacional
(parâmetro), já a Fórmula 2 indica o seu estimador. A palavra fórmula é escrita com F maiúsculo
porque, nesse caso, é substantivo próprio.
Para apresentação dos resultados dos testes estatísticos, a APA recomenda a publicação
do valor da estatística, os graus de liberdade e o tamanho da amostra (dependendo do tipo de
teste), junto com o p-valor arredondado para 5% (.05), 1% (.01) ou 1 em mil (.001), sendo que, no
caso da apresentação em tabelas, esses valores não devem ser colocados nas tabelas, e sim em
notas de probabilidades, como será apresentado em notas de tabelas.

1.2 Apresentação Estatística em Tabela


Para a APA, uma tabela é uma organização matricial de informação textual ou numérica;
recomenda-se para a sua apresentação o uso de linhas horizontais apenas no cabeçalho e no
final da mesma, com raras exceções para separar subgrupos ou subcategorias. “As tabelas geral-
mente mostram valores numéricos exatos, e os dados são ordenadamente dispostos em linhas
e colunas, facilitando sua comparação. Ocasionalmente, uma tabela que consiste em palavras é
usada para apresentar comparações qualitativas” (APA, 2001, p. 133).
No Brasil, existem as tabelas, destinadas apenas para resultados numéricos, e os quadros
para informações textuais, sendo que estes últimos admitem o uso de linhas verticais. A vanta-

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


gem de se utilizar o formato de tabela para os quadros é que simplifica a numeração. No entan-
to, fica a critério do autor utilizar ou não quadros, de acordo com os padrões mais comuns em
sua área de conhecimento.
Deve-se analisar que tipo de apresentação é mais conveniente para um trabalho: tabelas
ou texto. Tabelas são eficientes e permitem ao pesquisador apresentar uma grande quantidade
de informação em um espaço pequeno. Além disso, as tabelas permitem comparar os dados
apresentados em linhas e colunas, embora seja muito mais fácil compará-los ao longo das co-
lunas. A inclusão de totais ou médias por linhas e/ou colunas pode orientar o leitor na análise
dos dados. Ao decidir entre tabelas e texto, é importante considerar que um número grande
de tabelas pode confundir o leitor e comprometer a configuração das páginas. Por essa razão,
reserve as tabelas para informações cruciais relacionadas ao conteúdo do documento científi-
co que está sendo escrito.
Uma tabela deve ser autossuficiente e não deve precisar do texto para ser compreendida,
conforme exemplos apresentados a seguir. Recomenda-se que, ao incluir o tamanho da amostra
174
como no exemplo apresentado na Tabela 2, este venha antes da média e do desvio-padrão.

Tabela 2
Erros por Grupos de Idades Segundo Nível de Dificuldade

Modelo APA para publicação em revista internacional Modelo sugerido para publicação no Brasil

Jovem Adulto Jovem Adulto

Dificuldade M SD n M SD n Dificuldade n M DP n M DP

Pouca .05 .08 12 .14 .15 18 Pouca 12 0,05 0,08 18 0,14 0,15

Moderada .05 .07 15 .17 .15 12 Moderada 15 0,05 0,07 12 0,17 0,15

Alta .11 .10 16 .26 .21 14 Alta 16 0,11 0,10 14 0,26 0,21

Esses mesmos dados poderiam ser apresentados em texto. No modelo APA para publicação
em revista internacional, as médias finais (com desvios-padrões entre parênteses) por idade e
nível de dificuldade devem ser apresentadas como: .05 (.08), .05 (.07) e .11 (.10), para os partici-
pantes jovens, e .14 (.15), .17 (.15) e .26 (.21), para os participantes mais velhos, nos níveis baixo,
moderado e alto, respectivamente.
No modelo sugerido para publicação no Brasil, esses mesmos valores devem ser repre-
sentados como: 0,05 (0,08); 0,05 (0,07) e 0,11 (0,10), para os participantes jovens, e 0,14 (0,15);
0,17 (0,15) e 0,26 (0,21), para os participantes mais velhos, nos níveis baixo, moderado e alto,
respectivamente.

1.3 Elementos de uma Tabela


Uma tabela deve ser organizada de forma clara e contendo todos os elementos necessários
para a sua compreensão. Quanto mais variáveis forem representadas em uma mesma tabela,
maior será o grau de dificuldade para a sua compreensão, o que implica um maior cuidado com
a apresentação, distribuição das variáveis e de seus resultados. Nesse sentido, recomenda-se
apresentar o menor número possível de variáveis em uma mesma tabela.
Os elementos essenciais que devem compor uma tabela são apresentados e comentados
com o auxílio da seguinte tabela cruzada (Tabela 3):

Capítulo 8 | Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA


Tabela 3
Número Médio de Respostas Corretas de Crianças por Gênero, Treinamento, Série e Tipo de Teste

Teste verbal Teste matemático


Número Série Número Série
de de
Gênero Treinamento crianças a 3ª 4ª 5ª crianças a 3ª 4ª 5ª
Meninas Com 18 280 297 301 20 201 214 221
Sem 19 240 251 260 17 189 194 216b
Meninos Com 19 281 290 306 19 210 236 239
Sem 20 232 264 221 18 199 210 213

Nota. O escore máximo é de 320.


a
O número total de crianças que completaram todos os testes é 20.
b
Uma menina neste grupo deu somente duas respostas corretas. 175

Os elementos essenciais de uma tabela são:

• Título da tabela: conjunto de termos indicadores do conteúdo de uma tabela; deve ser bre-
ve, porém claro e explicativo, nem telegráfico nem muito detalhado. Deve ser numerado com
números arábicos de forma sequencial dentro do capítulo (Tabela 1.1, Tabela 1.2, Tabela 2.1,
Tabela 2.2 e assim por diante); ou no texto como um todo (Tabela 1, Tabela 2, Tabela 3 e assim
por diante). Sugere-se em primeiro lugar especificar o conteúdo principal do corpo da tabela
segundo a nomeação das variáveis apresentadas no cabeçalho. Caso seja utilizada uma abre-
viação no título, e se esta necessitar de uma explicação mais detalhada, deverá ser colocada
uma nota de rodapé na tabela. Da mesma forma, os nomes das categorias ou dos subgrupos,
tanto nas colunas ou nas linhas devem ser curtos. Algumas abreviações são implícitas (%, Nº),
assim como estatísticas (Μ, DP, χ2). No exemplo da Tabela 3, no corpo da tabela se apresenta
os valores do número de respostas corretas das crianças segundo as variáveis: gênero, treina-
mento, tipo de teste e série.
• Coluna indicadora: é a coluna, ou conjunto de colunas, que apresenta o nome da variável e
de seus respectivos valores (categorias, grupos, estatísticas, intervalos numéricos etc.) apre-
sentados nas linhas. Neste exemplo, são duas as colunas indicadoras, uma para o gênero,
(Meninas e Meninos), e outra para o treinamento (Com e Sem). Observe que as categorias da
variável treinamento estão subordinadas às categorias da variável gênero.
• Cabeçalho: conjunto de termos indicadores do conteúdo das colunas indicadoras e numé-
ricas. Uma linha, ou conjunto de linhas, utilizada para nomear as variáveis e especificar suas
diferentes categorias. No exemplo da Tabela 3, a primeira linha corresponde aos dois tipos de
teste, a segunda linha à nomeação da variável série, e a terceira aos valores das três categorias
(3ª, 4ª, 5ª) da variável série, que nomeiam cada coluna. Toda coluna deve ter um cabeçalho.
Além disso, neste exemplo, a variável série está subordinada à variável tipo de teste (verbal/
matemático).
• Corpo da tabela: é formado pela interseção das linhas e colunas. Cada interseção é chamada
de célula, que no exemplo corresponde aos valores numéricos 18, 19, 19 e 20, para o número
de crianças, e 280, 240, 281 e 232, para o número médio de respostas corretas no teste verbal
das crianças da 3ª série. Recomenda-se padronizar o número de casas decimais, que podem
apresentar padrões e exceções, e com um número mínimo necessário para sua compreensão.
Para relatar os valores estimados, sugere-se utilizar dois dígitos a mais do que as unidades
dos valores brutos. Por exemplo, se a variável está em números inteiros, utilizar duas casas

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


decimais; para correlação e proporção, utilizar duas casas decimais; já para porcentagem,
utilizar números inteiros. Para se reportar aos resultados de testes estatísticos, tais como t, F,
χ.2, assim como para o nível de significância do teste (o valor de p), usar duas casas decimais.
• Notas da Tabela: classificadas em notas gerais, específicas e de probabilidade, são colocadas
no rodapé da Tabela. As notas gerais qualificam e explicam qualquer tipo de informação rela-
cionada à tabela como um todo e são escritas precedidas da palavra “Nota”. As notas específicas
referem-se a uma linha ou coluna, ou uma célula, e são indicadas por letras minúsculas sobres-
critas (a, b, c); sua apresentação no texto, caso se utilize muitas, deve ser ordenada horizontalmen-
te da esquerda para direita, de cima para baixo, começando do canto superior esquerdo. As
notas de probabilidade indicam os resultados dos testes estatísticos. A APA não recomenda a
escrita do p-valor na tabela, devendo-se utilizar as notas de probabilidade, escrevendo-se um
asterisco (*) após o valor da estatística do teste, para indicar resultados significativos ao nível de
5% (0,05 ≤ p < 0,01); (**) dois asteriscos para indicar resultados muito significativos ao nível de 1%
(0,01 ≤ p < 0,001); e três asteriscos (***) para resultados altamente significativos ao nível de um em
176 mil (p < 0,001). Para publicações internacionais, o p-valor deve ser majorado e escrito entre pa-
rênteses para os níveis de cinco por cento (p < .05), um por cento (p < .01) e um em mil (p < .001).
No caso do Brasil, recomenda-se que se apresente o valor exato de p, quando este estiver entre
0 e 0,001 e a notação p < 0,001 para os valores menores que 0,001; considerando a importância
de se explicitar, com mais informação, o quanto um resultado do teste estatístico é significativo
ou não, veja o exemplo da Tabela 4. No exemplo da Tabela 3, foi colocado como nota geral o
valor máximo do escore no teste (320), e duas notas específicas (a e b), que servem de parâmetros
de referência e auxiliam na interpretação dos valores apresentados na tabela. Se a interseção da
linha com a coluna não puder ser preenchida, deixar a célula em branco (vazia); se o motivo for
a falta de informação, inserir um travessão e utilizar uma nota geral ao pé da tabela.

Tabela 4
Exemplo de Utilização da Escrita do Valor e Notas de Probabilidade
Modelo APA para publicação em Modelo sugerido para
Valores exatos do teste χ2 revista internacional publicação no Brasil
χ2 (1) = 3,9; p = 0,048286 χ2 (1) = 3.9* χ2 (1) = 3,9; p = 0,048
χ2 (1) = 6,7; p = 0,009641 χ2 (1) = 6.7 ** χ2 (1) = 6,7; p = 0,010
χ2 (1) = 10,9; p = 0,000962 χ2 (1) = 10.9*** χ2 (1) = 10,9; p = 0,001
χ2 (1) = 15,2; p = 0,000097 χ2 (1) = 15.2*** χ2 (1) = 15,2; p < 0,001

*
valores significativos p < .05; **valores muito significativos p < .01; ***valores altamente significa-
tivos p < .001.

Recomendações para relacionar tabelas com texto:

• remeter o leitor à tabela orientando-o para procurar a informação;


• discutir apenas os aspectos relevantes;
• cada tabela deve ser uma parte integral do texto e deve ser inteligível sem necessidade de
referências do texto;
• para citar uma tabela, utilizar seu número, por exemplo, na Tabela 2 (com letra inicial maiús­cula);
• nunca escrever “a tabela abaixo/acima” ou “a tabela na página 32”, uma vez que a numeração
da página pode mudar;
• procurar combinar tabelas que repetem dados. Em geral, não é recomendável repetir colunas
ou linhas idênticas; facilite as comparações, usando formatos similares, títulos, cabeçalhos e
mesma terminologia;

Capítulo 8 | Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA


• toda tabela deverá ser mencionada no texto, e todas as tabelas devem ser enumeradas a
partir de duas tabelas ou mais;
• não utilizar letras como sufixos para enumerar tabelas, como, por exemplo, 5, 5a e 5b, em vez
disso utilizar Tabela 5, 6 e 7;
• caso seja necessário colocar tabelas no apêndice, enumere com letras maiúsculas seguidas
de números arábicos, por exemplo, Apêndice A, Tabela A1, A2 etc;
• recomenda-se subordinar categorias;
• quando as tabelas ocuparem mais de uma página, cada página deve ter: o número da tabela;
o título e cabeçalho; a palavra “continua” na primeira página; a palavra “continuação” nas pá-
ginas seguintes; e a palavra “conclusão” na última página.

1.4 Apresentação Estatística em Figura


Para a APA, “qualquer tipo de ilustração que não seja uma tabela é chamada de figura.... 177
Uma figura pode ser um quadro, um gráfico, uma fotografia, um desenho ou outra forma de
representação” (APA, 2001, p. 149), tais como um fluxograma ou organograma. Já no Brasil,
os gráficos são utilizados apenas para representar relações estatísticas e matemáticas, e as
figuras são utilizadas para toda e qualquer representação pictórica (Instituto Paranaense
de Desenvolvimento Econômico e Social [IPARDES], 2000). No entanto, sugere-se que as re-
presentações gráficas sejam todas nomeadas de Figura, conforme recomendação da APA e
brasileira, o que facilita a numeração, a elaboração do sumário, a edição de periódicos, além
de contribuir para diminuir a dificuldade de nomeação das diferentes formas de represen-
tação gráfica.
Deve-se analisar que tipo de apresentação é mais conveniente para transmitir as informa-
ções desejadas, de forma simples, clara e bem elaborada. As figuras devem complementar as
informações do texto, apresentando apenas os fatos essenciais, com tamanho adequado, e per-
mitir a leitura e a compreensão fáceis do comportamento ou das relações entre as variáveis.

1.5 Elementos de uma Figura


Todas as figuras publicadas em um mesmo texto devem ajustar-se às dimensões do docu-
mento escrito. Para um periódico, recomenda-se que a Figura caiba na largura de uma coluna da
publicação ou no máximo na largura da página. Todos os elementos da Figura devem ser legí-
veis, quando forem proporcionalmente reduzidos para publicação, incluindo letras, números, li-
nhas, pontos projetados, sombreamentos e espaços entre e nas curvas. A APA (2001) recomenda
que o tamanho da fonte após a redução não seja inferior a 8 pontos nem superior a 14 pontos,
com uma diferença de no máximo 4 pontos entre os diferentes rótulos dentro de uma figura.
Como regra, usar símbolos com o mesmo tamanho de uma letra minúscula.
Para a construção de gráficos, recomendam-se os seguintes critérios:

• Título da Figura: é o elemento de identificação ordenada da figura, não sendo convencional


colocar figuras em anexo ao texto, a menos que o número de figuras seja muito grande,
dificultando a leitura continuada do mesmo. Deve ser colocado embaixo da figura e ser nu-
merado com números arábicos de 1 a n por capítulo, em que o número de ordem deverá ser
precedido pelo número do capítulo (Figura 1.1, Figura 1.2, Figura 2.1, Figura 2.2 etc.) ou por
volume (Figura 1, Figura 2, Figura 3 etc.). Quando a ilustração dos gráficos for feita em anexo,
o indicativo deverá ser precedido da letra A, separado desta por um ponto “.”, por exemplo,

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Figura A.1. A referência deverá ser alinhada à esquerda do título, no limite esquerdo do ele-
mento referenciado. Deve ser separado do título por um ponto (.).
• Escala: é uma sequência ordenada de valores que descreve o campo de variação do fenôme-
no. Mostra comparações e distribuições de variáveis de um conjunto de dados em valores
absolutos ou relativos em escala vertical (eixo das ordenadas) escrita de baixo para cima e
à esquerda do eixo; e/ou horizontal (eixos das abscissas) escrita da esquerda para a direita e
embaixo do eixo. Os eixos devem ser identificados com os nomes das variáveis ali represen-
tadas e incluir a unidade de medida.
• Fonte: o objetivo principal da fonte é informar a procedência original dos dados. Deve ser coloca-
da após o título do gráfico. Quando a figura é construída a partir de dados brutos divulgados pela
entidade geradora, pode-se utilizar “Fonte de Dados Brutos” em substituição à palavra “Fonte”.
• Nota: é utilizada sempre que for necessário indicar a natureza geral das informações contidas
no gráfico.
• Chamada: é utilizada sempre que for necessário indicar a natureza específica de alguma in-
178 formação contida no gráfico.
• Legenda: é a descrição das convenções utilizadas na elaboração do gráfico (cores, hachuras
etc) que deve estar contida dentro dos limites do gráfico.

1.6 Tipos de Gráficos Estatísticos


O gráfico estatístico é uma figura utilizada para representar dados, de maneira simples, legí-
vel e interessante, evidenciando características que poderiam passar despercebidas nas tabelas
e permitindo comparações dos resultados, poupando assim tempo e esforço na compreen­são
dos dados numéricos. A seguir são apresentados diversos tipos de gráficos.

1.6.1 Gráfico de Linhas


Mostra modificações de uma variável (número médio de respostas corretas) em uma ou em
um grupo de variáveis (série e treinamento).

350
280 297 301
Número médio de resposta corretas

300

250
251 260
240
200

150 Com treinamento


Sem treinamento
100

50

0
3ª 4ª 5ª
Série

Figura 1. Número médio de respostas corretas no teste verbal de meninas por série, segundo
treinamento. Fonte: Tabela 3.

Capítulo 8 | Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA


1.6.2 Gráfico de Barras Verticais ou Colunas
Mostra diferenças de frequências absolutas ou relativas, ou de valores de uma variável, en-
tre categorias de uma ou mais variáveis medidas no nível nominal ou ordinal (Figura 2).

350
Com treinamento
Sem treinamento 297 301
Número médio de resposta corretas

300 280
251 260
250 240

200

150
179
100

50

0
3ª 4ª 5ª
Série

Figura 2. Número médio de respostas corretas dos meninos por série e treinamento. Fonte:
Tabela 3.

1.6.3 Gráfico de Barras Horizontais


Tem o mesmo objetivo do gráfico de colunas, sendo recomendado quando as legendas das
categorias forem longas (Figura 3).

Ciências 69 Feminino
Masculino
Biológicas e
da Saúde 38
Área de conhecimento

Ciências 11
Exatas e
Tecnológicas 70

Ciências 101
Humanas e
Sociais 30

0 20 40 60 80 100 120
Número de universitários

Figura 3. Número de universitários por área de conhecimento e gênero. Fonte: Tabela 5.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1.6.4 Gráfico de Setores
Mostra diferenças de valores relativamente a um total, por exemplo, a porcentagem de
observações de uma variável com relação à frequência total. Variáveis medidas no nível nomi-
nal ou ordinal (Figura 4).

Ciências Ciências
Biológicas e Humanas e
da Saúde Sociais
28% 22%

180

Ciências
Exatas e
Tecnológicas
50%

Figura 4. Porcentagem de universitários por área de conhecimento. Fonte: Dados brutos.

1.6.5 Gráfico de Caixas


Mostra o comportamento de uma variável quantitativa em grupos ou níveis diferentes de
uma variável categórica. Pode ser observado na Figura 5 a mediana, os quartis, os valores máxi-
mos e mínimos e os valores discrepantes das atitudes para as duas categorias do gênero (mas-
culino e feminino).

80

70
Pontuação na escala da atitudes

60

50

40

30

20
Masculino Feminino
Gênero

Figura 5. Diagrama de caixas da pontuação de atitudes com relação à estatística por gênero.

Capítulo 8 | Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA


1.6.6 Histograma
Mostra a distribuição de frequência de uma variável quantitativa contínua agrupada em
intervalos de classe. No exemplo foi ajustada a Curva Normal à distribuição de frequência das
atitudes dos universitários com relação à estatística.

Número de universitários 140


120
100
80
60
40 181

20

20 30 40 50 60 70 80
Pontuação na escala de atitudes

Figura 6. Histograma referente à pontuação de 318 universitários na escala de atitudes em rela-


ção à estatística.

1.6.7 Diagrama de Dispersão e Reta de Regressão


O diagrama de dispersão mostra a relação entre duas variáveis quantitativas que descre-
vem os valores conjuntos de cada observação em um gráfico bidimensional. A reta de regressão
expressa, por meio de uma função matemática, a relação entre as variáveis. No exemplo foi
ajustada uma reta de regressão ao diagrama de dispersão das notas médias dos estudantes nas
disciplinas cursadas no semestre em função das notas em uma prova de estatística.

10
9
8
Nota em Estatística

7
6
5
4
3
2
1

1 2 3 4 5 6 7 8 9
Nota média nas disciplinas do semestre

Figura 7. Diagrama de dispersão e reta de regressão ajustada à nota da prova de estatística em


função da nota média geral das disciplinas cursadas pelos estudantes.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Recomendações para apresentação gráfica de dados estatísticos:

• que a disposição geral seja da esquerda para a direita;


• nas escalas sejam incluídos o ponto de origem e os valores representados;
se não for incluída a escala completa, sendo necessário uma interrupção na escala, a origem
deve ser explícita e os cortes devem ser indicados por uma das seguintes formas: — —, — //
— , — ···· — ;
• as escalas sejam colocadas da esquerda para a direita e de baixo para cima.
• a designação numérica seja colocada do lado externo dos eixos, na posição normal (horizon-
talmente) e simplificada apenas se tiver mais de três algarismos;
• a declaração das unidades utilizadas nas escalas vertical e horizontal seja indicada no final da
linha de referência (eixos);
• a utilização de legendas quando se dispuserem duas ou mais representações em um mesmo
gráfico;
182 • sejam incluídas no desenho apenas as linhas de grade que representam as coordenadas in-
dispensáveis para guiar a leitura dos dados;
• ao utilizar sombreados por meio de traços, sejam evitadas as ilusões de ótica e os efeitos de-
sagradáveis à vista.

2 Apresentação de Resultados de Análises Estatísticas


Independentemente da origem dos dados, se coletados por censo (todos os elementos
da população) ou por amostragem (parte da população, aleatória ou não), ou de sua natureza
(qualitativa ou quantitativa), é possível compreender melhor o comportamento das variáveis
observadas com o auxílio da análise estatística dos dados.
Essa análise pode ser feita com o objetivo de descrever ou explorar o comportamento das
variáveis analisadas (Análise Exploratória de Dados) ou de inferir os resultados obtidos em uma
amostra para a população da qual foi extraída (Inferência Estatística). No entanto, os resultados
de uma análise, seja ela exploratória ou inferencial, devem ser apresentados de forma legível e
compreensível e seguir normas padronizadas de apresentação.
A seguir, apresentam-se exemplos da aplicação dos testes mais básicos e comuns na pes-
quisa científica, tomando como base o banco de dados de Vendramini (2000), que estudou a
relação entre as atitudes com relação à estatística e ao desempenho na disciplina em 318 estu-
dantes universitários provenientes de diferentes áreas de conhecimento. As variáveis seleciona-
das para este capítulo estão descritas na Tabela 5.

Tabela 5
Descrição das Variáveis Selecionadas para a Apresentação de Medidas Estatísticas

Fenômeno Nível de
Variável Valores possíveis Natureza
aleatório mensuração
X1 Gênero {masculino, feminino} qualitativo não nominal
ordenável
X2 Área de {humanas, exatas, saúde} qualitativo não nominal
conhecimento ordenável
X3 Série {1a, 2a, 3a, 4a, 5a} qualitativo ordinal
ordenável

Capítulo 8 | Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA


X4 Atitude com {20, 21, 22, ..., 80} quantitativo intervalar
relação à Estatística discreto
X5 Idade (anos {17, 18, 19, ...., 60} quantitativo razão
completos) discreto
X6 Desempenho [0, 10] qualquer número real quantitativo razão
acadêmico dos entre 0 e 10 contínuo
alunos
X7 Autopercepção de {Ruim, Bom} qualitativo não nominal
desempenho em ordenável
Estatística

2.1 Apresentação de Medidas Descritivas ou Exploratórias


183
A análise exploratória de dados tem o objetivo de organizar, analisar e apresentar dados
referentes a variáveis estudadas em uma pesquisa. As estatísticas descritivas mais comuns
são a Média (M), Mediana (Md) ou Percentil 50 (P50), Moda (Mo), Mínimo (Min), Máximo (Max),
Amplitude total (AT), Desvio-padrão (DP), Erro-padrão da média (EPM), Coeficiente de varia-
ção (CV), os Percentis 1, 5, 10, 25, 75, 90, 95 e 99, cuja notação é P1, P5, P10, P25, P75, P90, P95, P99,
respectivamente.
Vale ressaltar a importância de se considerar o nível de mensuração das variáveis observa-
das, pois algumas estatísticas não podem ser calculadas nos níveis nominal ou ordinal, como,
por exemplo, a média. O pesquisador pode optar por apresentar a média M e o desvio- padrão
DP que representa a variação em torno da média, ou o Erro-padrão da média EPM, quando de-
seja mostrar a variação das estimativas (médias amostrais) em torno do parâmetro (média po-
pulacional ou verdadeira), por exemplo, as idades dos universitários (n = 318) variam de 18 a 35
anos (M = 21,70; DP = 3,67), com erro-padrão da média EPM =  0,21.

2.2 Análise Estatística Inferencial

Os procedimentos estatísticos que utilizam a estatística inferencial têm o objetivo de inferir,


generalizar, resultados obtidos na amostra para a população; variam de acordo com a formula-
ção das hipóteses e com o nível de mensuração das variáveis de interesse do estudo que se pre-
tende realizar. Um pesquisador pode estar interessado em determinar se diferenças amostrais
são estatisticamente significativas, ou devidas ao erro amostral, ou ainda em verificar se existe
associação (correlação) entre duas ou mais variáveis (Vendramini, 2007).
Os resultados da estatística inferencial podem ser ilustrados com gráficos, mas neste ca-
pítulo, estão limitados apenas à notação inserida em um texto. A seguir são apresentados
alguns exemplos de textos com resultados de análises estatísticas inferenciais referentes às
variáveis da Tabela 5.

Teste Qui-quadrado
Testa se a frequência relativa com que os componentes de dois ou mais grupos se enqua-
dram nas diversas categorias é equivalente para os diversos grupos (teste de homogeneidade),
ou a independência de duas variáveis qualitativas (teste de independência).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Modelo APA para publicação internacional Modelo sugerido para publicação no Brasil

Não houve diferença significativa de auto- Não houve diferença significativa de auto-
percepção de desempenho em Estatística percepção de desempenho em Estatística
entre o gênero masculino e feminino entre o gênero masculino e feminino
[χ²(1, N = 324) = 3.77, p > .05]. [χ²(1, N = 324) = 3,77; p = 0,052].

Teste t de Student
Testa a igualdade de duas médias. Aqui devem ser diferenciados dois casos, aquele que
testa médias de grupos independentes daquele que testa médias de dados emparelhados. A
redação, segundo o modelo APA e o sugerido para publicação no Brasil, dos resultados da es-
tatística t em um texto deve apresentar os graus de liberdade, o valor da estatística e o p-valor.
184
Embora a APA não mencione nada sobre o intervalo de confiança (IC), algumas revistas científi-
cas costumam utilizar o IC, principalmente quando o objetivo reside na estimação das médias
populacionais (parâmetros) nos diferentes níveis da variável qualitativa considerada uma variá­
vel independente. No exemplo a seguir, apresenta-se um caso de amostras independentes:

Modelo APA para publicação internacional Modelo sugerido para publicação no Brasil

Foi verificado que a média das atitudes Foi verificado que a média das atitudes
dos sujeitos que perceberam ter um bom dos sujeitos que perceberam ter um bom
desempenho em Estatística (M = 54.55, desempenho em Estatística (M = 54,55;
SD = 8.59) foi superior à dos que perceberam DP = 8,59) foi superior à dos que
ter um desempenho ruim (M = 48.54, perceberam ter um desempenho ruim
SD = 7.56), conforme resultados do teste t de (M = 48,54; DP = 7,56), segundo resultados
Student [t(305) = 6.23, p < .001]. do teste t de Student [t(305) = 6,23; p < 0,001].
Pode-se afirmar com 95% de confiança que
a diferença entre as médias dos dois grupos
varia entre 4,11 e 7,90.

Uma boa representação gráfica que complementa a análise é o boxplot, pois apresenta as
medidas de posição.

Teste não paramétrico de Mann Whitney


Testa a igualdade de duas médias de grupos independentes, quando a distribuição da va-
riável estudada não segue uma distribuição normal e o tamanho da amostra é pequeno, isto é,
quando o grupo maior tiver menos que 20 observações (Siegel, 1975, p.143).

Modelo APA para publicação internacional Modelo sugerido para publicação no Brasil

Para uma amostra de estudantes de Para uma amostra de estudantes de Medicina


Medicina foi verificado que não existe foi verificado que não existe diferença
diferença significativa de atitudes em significativa de atitudes em relação à
relação à Estatística entre alunos e alunas, Estatística entre 10 alunos e 18 alunas,
conforme resultado do teste de Mann conforme resultado do teste de Mann
Whitney (U = 57.5, p > .05). Whitney (U = 57,5; p = 0,121).

Capítulo 8 | Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA


Teste não paramétrico de Wilcoxon
Testa a igualdade de duas médias para amostras emparelhadas, quando a variável diferença
não segue uma distribuição normal e/ou o tamanho da amostra é pequeno (n < 30). Assim, o
teste atribui postos às diferenças e testa se a soma dos postos positivos não difere dos nega-
tivos, indicando igualdade das médias. O parágrafo a seguir ilustra a maneira de apresentar o
resultado em um texto.

Modelo APA para publicação internacional Modelo sugerido para publicação no Brasil

Para uma amostra de 28 estudantes de Para uma amostra de 28 estudantes de


Medicina foi verificado que existe diferença Medicina foi verificado que existe diferença
significativa entre o desempenho em significativa entre as atitudes em relação
Estatística e o desempenho médio em outras à Matemática e à Estatística, conforme o
disciplinas cursadas, conforme o teste de teste de Wilcoxon (T = -3,84; p < 0,001). Os
Wilcoxon (T = -3.84, p < .001). Os resultados resultados revelam um pior desempenho em 185
revelam um pior desempenho em Estatística. Estatística.

Teste F de Snedecor
Testa a igualdade de três ou mais médias de amostras independentes, técnica conhecida
como Análise de Variância de um fator (ANOVA one-way). Quando existe diferença entre as mé-
dias, deve ser utilizado o teste de comparações múltiplas, que compara as médias duas a duas,
como, por exemplo, o teste de Tukey, Duncan etc. Veja o exemplo a seguir:

Modelo APA para publicação internacional Modelo sugerido para publicação no Brasil

As atitudes dos universitários diferiram As atitudes dos universitários diferiram


significativamente entre as séries significativamente entre as séries
[F(2, 316) = 6.95, p < .01]. O teste de [F(2, 316) = 6,95; p = 0,001]. O teste de
Tukey (HSD) indicou que as atitudes Tukey (DHS) indicou que as atitudes
dos sujeitos da primeira série foram dos sujeitos da primeira série foram
significativamente menos positivas que significativamente menos positivas que
aquelas apresentadas pelos da segunda aquelas apresentadas pelos da segunda
série, e estas significativamente mais série, e estas significativamente mais
positivas que as apresentadas pelos positivas que as apresentadas pelos sujeitos
sujeitos da terceira série (p = .01). Não da terceira série (p = 0,01). Não houve
houve diferença entre as atitudes da diferença entre as atitudes da primeira e da
primeira e da terceira séries (p = .05). terceira séries (p = 0,64).

Teste não paramétrico de Kruskal-Wallis


O teste F parte do pressuposto de que as populações envolvidas tenham distribuição nor-
mal com variâncias aproximadamente iguais. Quando esses pressupostos não são respeitados,
deve-se utilizar a ANOVA de Kruskal-Wallis por postos, que em vez de trabalhar com os valores
originais da variável, trabalha com os postos que cada um desses ocupa na amostra total. O
teste de Kruskal-Wallis testa a hipótese de que três ou mais amostras independentes provêm da
mesma população ou de populações idênticas com a mesma mediana.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Modelo APA para publicação internacional Modelo sugerido para publicação no Brasil

Foi constado que as distribuições de Foi constado que as distribuições de


desempenho em uma prova de Estatística que desempenho em uma prova de Estatística
envolvia cálculos matemáticos, da 1ª, 2ª e 3ª que envolvia cálculos matemáticos, da 1ª, 2ª e
séries tinham variâncias desiguais, por essa 3ª séries tinham variâncias desiguais, por essa
razão utilizou-se o teste Kruskal-Wallis por razão utilizou-se o teste Kruskal-Wallis por
postos. Como são comparados três grupos postos. Como são comparados três grupos
com número de observações superiores a com número de observações superiores a
cinco, a distribuição amostral de Kruskal- cinco, a distribuição amostral de Kruskal-
Wallis é aproximadamente uma distribuição Wallis é aproximadamente uma distribuição
χ2, que confirmou a diferença significativa de χ2, que confirmou a diferença significativa de
desempenho entre as três séries desempenho entre as três séries
[χ2 (2, N = 324) = 32.706, p < .01]. A [χ2 (2, N = 324) = 32,706; p < 0,01]. A
comparação múltipla entre as médias dos comparação múltipla entre as médias dos
postos de desempenho indicou que a 1ª série postos de desempenho indicou que a 1ª série
186 difere significativamente da 2ª e 3ª séries, mas difere significativamente da 2ª e 3ª séries, mas
que a 2ª não difere da 3ª. que a 2ª não difere da 3ª.

Teste de Kolmogorov-Smirnov
Este teste é utilizado para verificar a normalidade da distribuição de uma variável, por exemplo:

Modelo APA para publicação internacional Modelo sugerido para publicação no Brasil
Foi observado que a distribuição das Foi observado que a distribuição das
atitudes dos universitários não segue uma atitudes dos universitários não segue
distribuição Normal (D = 0.12, p < .05) uma distribuição Normal (D = 0,12; p =
e que a distribuição das atitudes das 0,02) e que a distribuição das atitudes
universitárias segue uma distribuição das universitárias segue uma distribuição
Normal (D = 0.04, p > .05). Normal (D = 0,046; p = 0,20)

Teste de Levene
Para verificar a homoscedasticidade (igualdade de variâncias), utiliza-se o teste de Levene,
por exemplo:

Modelo APA para publicação internacional Modelo sugerido para publicação no Brasil
Foi verificado pelo teste de Levene que as Foi verificado pelo teste de Levene que as
variâncias da distribuição de atitudes por variâncias da distribuição de atitudes por
curso são iguais [F(6, 304) = 1.73, p > .05]. curso são iguais [F(6, 304) = 1,73; p = 0,11].

3 Considerações Finais

A Estatística é uma poderosa ferramenta de análise de dados, seja ela descritiva ou inferen-
cial, e deve ser comunicada em publicações científicas de forma legível e compreensível e se-
guir normas padronizadas de apresentação. Nesse sentido, foram apresentadas neste capítulo
normas de publicação científica de informações que envolvem notações, expressões, tabelas

Capítulo 8 | Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA


e figuras estatísticas, para publicações nacionais, a partir das normas para publicações inter-
nacionais da APA, procurando adaptá-las para o contexto brasileiro, e comparando as duas
apresentações para facilitar o uso destas no Brasil.
Procurou-se apresentar diferentes exemplos referentes à análise exploratória de dados e
à inferência estatística com o objetivo de orientar a apresentação correta de medidas esta-
tísticas, sejam elas na forma descritiva, tabular ou gráfica, sem, no entanto, esgotar todas as
possibilidades de notações. Espera-se que esses exemplos possam auxiliar na publicação de
documentos científicos que devem conter o máximo de informações estatísticas apresentadas
de forma legível e corretas e contribuam para a melhor compreensão dos resultados decorren-
tes de análises estatísticas e fomentem a busca de notações corretas de outras estatísticas aqui
não apresentadas.

187

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Referências

American Psychological Association. (2001). Manual de publicação da American Psychological Association (4a
ed., Daniel Bueno, trad.). Porto Alegre: ARTMED. (Tradução da 4a ed. de 1994)
Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2005). Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apre-
sentação – NBR 14724. Rio de Janeiro: Autor.
Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Centro de Documentação e Disseminação de Infor-
mações. (1993). Normas de apresentação tabular (3a ed.). Rio de Janeiro: Autor.
Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. (2000). Redes urbanas regionais: sul (Série Ca-
racterização e Tendências da Rede Urbana do Brasil, 6). Brasília: IPEA.
Siegel, S. (1975). Estatística não-paramétrica para as ciências do comportamento. São Paulo: McGraw-Hill.
Vendramini, C. M. M. (2000). Implicações das atitudes e das habilidades matemáticas na aprendizagem dos con-
188
ceitos de Estatística. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.
Vendramini, C. M. M. (2007). Estatística e delineamentos de pesquisa. In M. N. Baptista & D. C. Campos (Orgs.),
Metodologias de pesquisa em ciências: análise quantitativa e qualitativa (Cap. 15, pp. 161-182). Rio de Janei-
ro: LTC.

Capítulo 8 | Normas para a Apresentação de Informações Estatísticas no Estilo Editorial APA


Capítulo 9
A Avaliação de Periódicos Científicos
Brasileiros da Área da Psicologia
Oswaldo Hajime Yamamoto
Ana Ludmila Freire Costa

A pressão para o incremento da produção científica como o elemento crucial para a ava- 189
liação da qualidade acadêmico-científica de pesquisadores e de instituições de ensino e de
pesquisa promove, como um de seus efeitos colaterais, a proliferação dos títulos de periódi-
cos científicos que dão vazão a esse progressivo aumento da produção. De fato, estima-se que
aproximadamente 1 milhão de revistas científicas são publicadas anualmente no mundo, o que
demanda uma produção diária de algo em torno 6 a 7 mil artigos!1
O aumento da massa de informação produzida impõe o estabelecimento de parâmetros de
qualidade da produção científica e, como corolário, dos próprios veículos nos quais tal produção
se expressa. Esta última ganha relevância se considerarmos a crítica corrente de que é crescente
o número de revistas que não atendem aos critérios indispensáveis de qualidade, representan-
do desperdício de esforços, de material publicado, de recursos financeiros e de prestígio das
organizações científicas. De acordo com Krzyzanowski e Ferreira (1998), dentre os aspectos cri-
ticados, destacam-se a “irregularidade na publicação e distribuição da revista; falta de norma-
lização dos artigos científicos e da revista como um todo; falta do corpo editorial e de referees
(autoridade da revista)” (p. 165). No âmbito nacional, as críticas ainda abrangem a baixa pene-
tração de textos em língua portuguesa no exterior e, mais grave, o “baixo grau de originalidade
e novidade dos artigos publicados” (p. 165).
Se a necessidade de avaliar os periódicos científicos é reconhecida pela comunidade cientí-
fica, o consenso termina aí. Uma vez que o processo de avaliação sempre vincula os critérios e os
procedimentos – pontos de discórdia – aos objetivos, cabe tratar de algumas das modalidades
e finalidades da avaliação de periódicos.

1 Dados apresentados por Trzesniak (2001), a partir de uma comunicação de C. Zielinski, no VI Encontro Nacional de Editores Científicos,
em Caxambu, MG, novembro de 1996.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


1 A Avaliação de Periódicos: Modalidades e Finalidades
A avaliação de periódicos científicos pode assumir diferentes características e atender a
objetivos diversos. São várias as instituições (e procedimentos adotados) nas diversas áreas
do conhecimento que desenvolvem avaliações de periódicos científicos. As finalidades variam
desde a seleção de títulos para incorporação a uma base de dados, o financiamento, a quali-
ficação da produção para avaliação de pesquisador/instituição até a incorporação à coleções
em bibliotecas.

1.1 Indexação em Bases de Dados


Existe hoje um infindável número de bases de dados, de abrangência internacional ou
restrita aos territórios nacionais, gerais ou temáticas, inclusivas ou seletivas, cada qual esta-
190 belecendo padrões e procedimentos próprios de inclusão de um periódico. Para o propósito
de discutir a avaliação de tais veículos, não é necessária uma abordagem exaustiva, mas tão
somente assinalar aquelas de maior destaque para a comunidade científica em geral e para a
Psicologia, em especial.
A base mais conceituada no meio científico é a do ISI Web of Knowledge (http://isiwebof­
knowledge.com), mantida pela Thomson Reuters, que indexa 13 mil títulos de revistas interna-
cionais, além de 5 mil livros, 192 mil anais de congressos e 9 mil sites. O seu prestígio advém do
fato de cobrir todas as áreas do conhecimento, com uma avaliação bastante rigorosa de quali-
dade. O seu compromisso é “oferecer uma cobertura ampla das mais importantes e influentes
revistas publicadas em todo o mundo para manter seus assinantes atualizados, suprindo suas
necessidades de informação corrente e retrospectiva” (Testa, 1998, p. 233). Os aspectos avalia-
dos para inclusão no ISI são qualitativos e quantitativos, compreendendo os padrões básicos de
apresentação, o conteúdo editorial, a internacionalidade dos autores e a citação dos dados refe-
rentes a estes. O conjunto desses aspectos define a avaliação do periódico. A instituição publica
os resultados das avaliações no Journal Citation Report (JCR), de acesso restrito.
Duas outras bases internacionais, multidisciplinares e multilíngues de acesso restrito re-
conhecidas pela comunidade científica (ainda que sem a expressão do ISI) são a Scopus e a
PASCAL. A base Scopus (http://www.info.scopus.com) contém um banco que cobre aproxi-
madamente 33 milhões de resumos e 15 mil periódicos, é mantida pela editora Elsevier e
administrada pela The Scopus Content Selection & Advisory Board (CSAB), grupo que congrega
pesquisadores e bibliotecários das diversas áreas de conhecimento e regiões do mundo. PAS-
CAL (http://ingenierie.inist.fr) é uma base de dados bibliográfica mantida pelo Institut de l’In-
formation Scientifique et Technique du Centre National de la Recherche Scientifique (INIST-CNRS).
Criada em 1973 para cobrir todas as áreas de conhecimento e ter abrangência internacional,
dá grande destaque para a literatura europeia (e a francesa, em particular), representando
47% dos documentos da base.
A base de dados Lilacs (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde,
http://www.bvs.br), criada em 1982, é produzida e operacionalizada pelo Centro Latino-Ame-
ricano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME), que está sob a coordenação
da Organização Pan-americana de Saúde. A Lilacs, que tem por objetivo expresso o controle
bibliográfico e a disseminação da literatura latino-americana da área da Saúde, indexa mate-
riais diversos, como teses, livros, capítulos de livros, relatórios técnico-científicos e periódicos.
A base, de acesso livre, indexa, atualmente, 680 títulos de periódicos da área. A avaliação dos
periódicos para inclusão na base compreende o conteúdo (mérito científico, expresso pela vali-
dade, importância, originalidade dos temas, contribuição para a área temática e a estrutura do

Capítulo 9 | A Avaliação de Periódicos Científicos Brasileiros da Área da Psicologia


trabalho), a revisão por pares, existência de um corpo editorial idôneo, regularidade de publi-
cação e periodicidade, o tempo de existência e aspectos ligados à normalização.
Dentre as bases especializadas em Psicologia, o destaque fica por conta do PsycINFO (http://
www.apa.org/psycinfo), uma base bibliográfica eletrônica de acesso restrito vinculada à Ameri-
can Psychological Association (APA), que tem como objetivo cobrir a literatura dos anos 1800 até
os dias atuais, compreendendo cerca de 2.070.000 registros. Quanto aos periódicos, a base Psyc­
INFO cobre 2.150 títulos, exigindo, além da publicação de resumos e palavras-chave em inglês,
apenas os requisitos básicos, como a revisão por pares, a submissão de materiais originais, o
respeito à periodicidade e a obediência de todos os padrões normativos de publicação.
Cabe mencionar, ainda dentre as bases especializadas em Psicologia, o Index Psi Periódicos
Técnico-Científicos (http://www.bvs-psi.org.br/), mantido pela Rede Brasileira de Bibliotecas da
Área de Psicologia (ReBAP). Trata-se de uma base referencial que conta, atualmente, com mais
de 22 mil referências e 160 periódicos científicos brasileiros. Embora de enorme importância
para os pesquisadores da área pela possibilidade de recuperação de informação, trata-se de
uma base “inclusiva”, isto é, procura abarcar o universo dos periódicos brasileiros sem a necessi- 191
dade de submetê-los a qualquer processo avaliativo.2

1.2 Fomento
Para a finalidade de fomento, os programas mantidos pelo MCT/CNPq–MEC/CAPES e pela
FAPESP devem ser lembrados.
O primeiro teve início na década de 1980, quando a FINEP (Financiadora de Estudos e Pro-
jetos) iniciou o Programa Setorial de Publicações em Ciência e Tecnologia, evoluindo para uma
associação com o CNPq que, posteriormente, assumiu isoladamente a responsabilidade pelo
programa (Valerio, 1994). O então denominado Programa de Apoio às Publicações Científicas
do CNPq teve por finalidade investir em periódicos científicos brasileiros em todas as áreas do
conhecimento a fim de contribuir para a qualidade, forma e o conteúdo das revistas nacionais
dedicadas à ciência e à tecnologia. Para receber o referido financiamento, as revistas interessa-
das eram submetidas a um processo de seleção em quatro etapas: análise pela área técnica do
CNPq, análise do Grupo de Assessoramento Editorial (GAE), análise do Comitê Editorial (COE) e
aprovação pela Diretoria Executiva (DEX).3
As avaliações focalizavam a adequação ao edital (percentual mínimo de relatos de pesqui-
sa, de número de artigos por fascículo e de número de fascículos anuais, entre outras exigên-
cias), o perfil técnico, orçamentário e normativo (considerando a autonomia técnico-científica
e administrativa, a qualidade da política editorial e a apresentação gráfica dos periódicos) e o
mérito técnico-científico das propostas (avaliação comparativa dos periódicos da mesma área
de conhecimento para estabelecer prioridades de atendimento).
A partir de 2007, o programa passou a ser administrado conjuntamente pelo CNPq e pela
CAPES, na forma de editais para a seleção pública de propostas para editoração e publicação
de periódicos científicos brasileiros. Os itens avaliados permanecem basicamente inalterados,
com um maior nível de exigência. Como novidade, a exigência de uma comparação com as

2 Registre-se a existência de outras bases de abrangências diversas em que a literatura da área da Psicologia se encontra indexada.
Dentre elas, registramos a CLASE (Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades: http://www.dgbiblio.unam.mx/clase.
html), mantida pela Universidad Nacional Autónoma de México; a PSICODOC (Base de Datos de Psicologia: http://psicodoc.copmadrid.
org/psicodoc.htm), mantida pelo Colégio Oficial de Psicólogos da Espanha; e o Latindex (Sistema Regional de Información en Línea
para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal: http://www.latindex.unam.mx), mantido por um consórcio de
instituições da América Latina, Caribe, Espanha e Portugal, um misto de indexador e coleção de periódicos.
3 Informações obtidas no site: http://www.cnpq.br, em 14 de outubro de 2004.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


demais publicações da área, com destaque para a sua singularidade, o que pode ser um indi-
cador de alteração da política de financiamento editorial no Brasil4. As propostas são avaliadas
em primeira instância pela COE, passando para a deliberação pelas diretorias executivas das
duas agências.
O Programa de Auxílio à Publicação da FAPESP é mais específico e restrito, destinado ao fi-
nanciamento parcial de publicações, incluindo periódicos, que apresentem resultados originais
de pesquisa realizada por pesquisador no estado de São Paulo. A referência à FAPESP é feita pelo
fato de ter sido responsável pelo desenvolvimento de uma sistemática de avaliação bastante
sofisticada – que retomaremos adiante, referência para diversas outras avaliações de periódicos
(Krzyzanowski & Ferreira, 1998).

1.3 Inclusão em Coleções


192 Quanto à avaliação para inclusão em coleções, a explosão da produção científica e a mul-
tiplicidade dos suportes, aliadas às limitações orçamentárias, têm demandado dos bibliotecá-
rios a implantação de mecanismos para a composição do acervo das bibliotecas. Como regra,
o processo de seleção da coleção deve estar em sintonia com os objetivos da instituição e as
necessidades dos usuários (Gurgel & Maia, 2003).
Uma sistemática de seleção que merece destaque diz respeito à coleção SciELO (Scientific
Electronic Library Online), uma biblioteca eletrônica que veio atender a uma demanda dos paí­ses
latino-americanos, inicialmente na área de Saúde, espraiando-se atualmente para as mais varia-
das áreas (Biojone, 2003). A SciELO cobre as principais publicações periódicas brasileiras, dispo-
nibilizando, pela Internet, os textos integrais. Criada no âmbito da BIREME, com o patrocínio da
FAPESP, passou a contar, também, com o suporte do CNPq a partir de 2002.
Além da proposição de uma metodologia para a preparação, o armazenamento e a disse-
minação do material, a SciELO desenvolveu um modelo de avaliação bastante rigoroso, com
recurso ao peer review, que é utilizado tanto para a incorporação, quanto para a manutenção
dos periódicos na base. Dentre os critérios, estão a publicação predominante de contribui-
ções originais; a revisão e aprovação por pares das contribuições publicadas; a existência
de comitê editorial de composição pública e heterogênea; periodicidade regular; tempo de
existência do periódico; pontualidade na publicação; resumos, título e palavras-chave em in-
glês, quando este não é o idioma do artigo e a adoção e especificação das normas utilizadas
pelo periódico.
Outra coleção de acesso livre que começa a adquirir alguma visibilidade é a Red de Revis-
tas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Redalyc, http://redalyc.uaemex.mx),
mantida pela Universidad Autónoma del Estado de México. A coleção é composta de aproxima-
damente 550 periódicos científicos de diferentes áreas do conhecimento. O Redalyc utiliza, para
ingresso e permanência na coleção, os critérios definidos pelo Sistema Latindex de avaliação de
periódicos, que compreendem a avaliação de aspectos formais, de gestão e política editoriais e
de conteúdo (http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/src/proyecto/criterios.html).5

4 Alteração na direção de financiamento de poucos (ou, no limite, apenas um) títulos por área de conhecimento, preferencialmente
mantido por sociedades científicas.
5 É necessário registrar a existência de uma coleção bastante abrangente de periódicos da área da Psicologia de acesso livre, o PePSIC
– Periódicos Eletrônicos em Psicologia (http://pepsic.bvs-psi.org.br). O PePSIC, que conta com mais de meia centena de periódicos
de 11 países latino-americanos, é resultado de uma parceria entre a Biblioteca Virtual em Saúde – Psicologia (BVS-Psi), a Associação
Brasileira de Editores Científicos de Psicologia (ABECiP) e a União Latino-Americana de Entidades de Psicologia (ULAPSI). Conquanto
a sua organização e estrutura sigam a metodologia SciELO, o ingresso e a permanência dos periódicos na coleção não dependem de
avaliação, razão que justifica a sua simples menção no presente texto.

Capítulo 9 | A Avaliação de Periódicos Científicos Brasileiros da Área da Psicologia


1.4 Avaliação de Pesquisadores e de Instituições
As avaliações de periódicos podem ter como meta qualificar docentes e pesquisadores,
individualmente ou em um coletivo, para finalidades diversas. Nas autorizações e nos reco-
nhecimentos de cursos e instituições, não raro a Secretaria de Ensino Superior do Ministério
da Educação (SESu/MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio
Teixeira (INEP/MEC) lançam mão de classificações de periódicos para aferir a qualidade aca-
dêmica do corpo docente da instituição de ensino ou dos próprios acervos bibliográficos. Da
mesma forma, diversas comissões do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tec-
nológico (CNPq) utilizam as classificações de periódicos para efeito de fomento à pesquisa.
O instrumento mais conhecido e utilizado é o Qualis, a classificação dos veículos em que
docentes e estudantes dos Programas do Sistema Nacional de Pós-graduação (SNPG) publicam,
produzida desde o ano de 1998 pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Su-
perior (CAPES), como um meio auxiliar para as avaliações dos Programas de Pós-graduação.
A responsabilidade pela classificação é das coordenações das áreas do conhecimento re- 193
conhecidas pela CAPES e conduzidas por comissões especificamente designadas para esse fim.
Pelo sistema em vigor, os periódicos são classificados em nove estratos a partir da combinação
de critérios que consideram o âmbito (local, nacional e internacional) e a qualidade (A, B e C).
Está em processo uma alteração substancial no sistema de classificação dos periódicos, propos-
ta pela agência. Substituindo o sistema de dupla entrada, a nova classificação deve comportar
sete estratos verticalmente hierarquizados (A1, A2, B1, B2, B3, B4 e B5, em ordem decrescente
de importância), além de um oitavo, que comportará os periódicos considerados impróprios
pelas áreas.6
As estratégias e os critérios de avaliação podem variar de ano para ano, quando as Comis-
sões – também periodicamente recicladas – reveem critérios e incorporam novos títulos para
serem avaliados, mudam a classificação dos periódicos da avaliação anterior, caracterizando
um sistema dinâmico e adequado a cada realidade7. A sistemática ora proposta, uma tentativa
de equacionar os problemas que vêm sendo apontados ao longo dos últimos anos pela co-
munidade científica, representa a mudança mais expressiva desde que a classificação Qualis
foi implantada.
Um aspecto importante a ser ressaltado é que, como instrumento auxiliar para a avaliação
dos Programas de Pós-graduação, a classificação cobre prioritariamente os títulos efetivamente
utilizados pelos docentes e estudantes no período em avaliação, conforme listagem gerada a
partir dos relatórios dos próprios programas.

2 A Evolução das Propostas de Avaliação de Periódicos


Existem duas possibilidades consagradas de aferição do padrão de qualidade dos perió­
dicos, a análise bibliométrica (que tem seu fundamento no fator de impacto) e o exame de indi-
cadores de qualidade (Valerio, 1994). Sem embargo do reconhecimento da análise bibliométri-
ca, reconhecida como a forma por excelência de avaliação em âmbito internacional, a realidade

6 Os estratos A devem acomodar as publicações de excelência, consideradas de referência pelas áreas, enquanto que os estratos B
devem incluir periódicos diferenciados pela qualidade, não necessariamente de referência internacional. A expectativa é que a nova
sistemática estabeleça uma linguagem comum no que diz respeito à qualidade dos periódicos por parte das diferentes áreas de co-
nhecimento (Ofício Circular 060/2008 da Diretoria de Avaliação da CAPES, datado de 11 de agosto de 2008, dirigido aos pró-reitores
e coordenadores de programas de pós-graduação).
7 Para mais informações sobre a classificação Qualis, os procedimentos e os critérios das diferentes áreas de conhecimento, consultar:
http://www.capes.gov.br

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


é que ela traz embutidas às questões relativas à cartografia da produção científica a distribuição
desigual da ciência mundial em produtores e consumidores, comprometendo a utilização desse
procedimento de forma generalizada (De Meis & Leta, 1996; Gibbs, 1995).
O exame dos indicadores de qualidade pode compreender dois aspectos complementares:
os de natureza intrínseca (aspectos formais, como normalização, periodicidade, tiragem etc.) e
extrínseca (aspectos ligados ao conteúdo, como corpo editorial, consultores, nível de qualidade
das contribuições etc.).
Ferreira e Krzyzanowski (2003) levantaram as experiências em avaliação alinhadas à segun-
da vertente, que considera os indicadores de qualidade. Em 1964, a UNESCO criou um grupo de
trabalho para avaliar as revistas latino-americanas e propôs uma classificação que vai de defi-
ciente a excelente. Com base no modelo da UNESCO, Arends, em 1968, avaliou revistas médicas
venezuelanas considerando a apresentação do material, a regularidade da publicação, o tempo
de existência, a periodicidade, a aceitação de colaboradores de outras instituições, a indexação,
dentre outros aspectos.
194 O modelo da UNESCO também foi fonte de inspiração para o trabalho de Braga e Oberho-
fer (1982), que se transformou em referência das proposições brasileiras desde então (Castro,
Ferreira, & Vidili, 1996; Castro, Negrão, & Zaher, 1996; Krzyzanowski & Ferreira, 1998). O sistema
proposto tem como característica o estabelecimento de um conjunto de parâmetros que com-
preendem os aspectos intrínsecos e extrínsecos, formais e de mérito, traduzidos por indicadores
que possibilitam a pontuação e consequente hierarquização dos periódicos.
Particularmente importante é a proposta de Krzyzanowski e Ferreira (1998), desenvolvida
para a FAPESP, que buscava uma avaliação conjunta de mérito (conteúdo) e de desempenho
(forma). A avaliação de mérito foi realizada por meio de consulta a pesquisadores que deveriam,
partindo de um conjunto de parâmetros, classificar os periódicos como “prioritário”, “importan-
te” e de “importância relativa”. A avaliação de desempenho (aspectos formais), com base no mo-
delo de Braga e Oberhofer, pontuava um conjunto de itens e classificava as revistas como de
desempenho “muito bom”, “bom”, “mediano” e “fraco”. Os resultados obtidos demonstram que
um periódico necessitava ser avaliado positivamente nos dois conjuntos.

3 A Avaliação de Periódicos na Área da Psicologia


A avaliação de periódicos na área da Psicologia para a classificação Qualis teve origem em
uma demanda da CAPES para classificar as revistas nas quais os docentes e estudantes do Siste-
ma Nacional de Pós-graduação publicavam. A preocupação da agência era justificada: conforme
assinalam Macedo e Menandro (1998), a produção científica dos docentes é o item com maior
peso nas decisões sobre a avaliação dos programas.
Para atender à demanda da CAPES, a Coordenação da Área da Psicologia articulou-se com
a Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (Anpepp), que tinha essa
tarefa como uma de suas prioridades programáticas. Os objetivos definidos pela comissão
foram: (a) avaliar os periódicos, pela qualificação dos veículos científicos nos quais publicam
pesquisadores brasileiros vinculados aos Programas de Pós-graduação em Psicologia, e (b)
estimular o incremento da qualidade dos periódicos da área, pelo estabelecimento de parâ-
metros editoriais compatíveis com as exigências reconhecidas nacional e internacionalmente
(Yamamoto et al., 1999).
As comissões, com diferentes composições, realizaram, até o ano de 2004, três versões da
avaliação, nos anos de 1998-1999; 2000-2001 e 2002-2003, e uma atualização, em 2004. A pri-
meira comissão, composta por quatro membros da Comissão de Avaliação da área na CAPES

Capítulo 9 | A Avaliação de Periódicos Científicos Brasileiros da Área da Psicologia


e três editores eleitos pela ANPEPP8, adaptou o modelo proposto por Krzyzanowski e Ferreira
(1998), incorporando alguns dos itens referentes a conteúdo na ficha de forma. A ficha ela-
borada continha uma escala total (avaliação de qualidade ou A, B e C) e uma subescala para
classificação de âmbito (nacional ou local). A escala era subdividida em cinco grupos de itens:
Normalização, Publicação, Circulação, Autoria e Conteúdo, Gestão Editorial (com pontuação
de 0-20 para cada tópico, para um total máximo de 100) e a subescala de âmbito construída
a partir da extração de cinco subitens da escala geral (indexação, distribuição, disponibilida-
de em bibliotecas do sistema nacional, abrangência geográfica dos autores e dos conselhos
editoriais).
O procedimento adotado naquela versão da avaliação foi: (a) depurar uma lista de perió-
dicos gerada pela CAPES a partir da citação por parte dos docentes nos relatórios dos Progra-
mas de Pós-graduação da área no biênio 1996-1997; (b) realizar uma avaliação preliminar dos
periódicos; (c) enviar as avaliações preliminares para os editores; (d) reexaminar as avaliações
que foram objeto de solicitações de reconsideração e (e) elaborar duas relações dos periódicos,
organizadas por âmbito e classificadas com relação à qualidade. A partir das pontuações obtidas 195
pelos periódicos na escala geral e na subescala, foram estabelecidos pontos de corte, resultando
nas classificações de qualidade e âmbito.
Nessa versão, foram avaliados 47 periódicos, 14 considerados de âmbito nacional e 33 de
âmbito local. Dentre os periódicos nacionais, quatro foram classificados como de qualidade A,
seis como B e quatro como C. Nos periódicos locais, a distribuição foi sete de qualidade A, 14 B
e 12 C (Yamamoto et al., 1999).
Basicamente o mesmo procedimento foi empregado nas outras versões, com a modifica-
ção mais importante decorrendo da introdução, na avaliação de 2002-2003 (e mantida na atua­
lização de 2004), de requisitos obrigatórios, nos itens Circulação, Autoria e Gestão Editorial (de-
finição de um padrão mínimo de informações e exigências sobre política editorial, de instruções
para elaboração e submissão de artigos, de processos de tramitação de originais submetidos à
apreciação, e de instruções encaminhadas aos consultores para subsidiar e orientar seus pare-
ceres). Tal medida foi tomada como uma tentativa de responder a uma crítica referente ao peso
proporcionalmente excessivo dos itens formais com relação ao conteúdo.
As diversas versões da avaliação foram amplamente divulgadas, em eventos destinados aos
psicólogos, diretamente aos editores científicos, em páginas na Internet (http://www.anpepp.
org.br), além de publicações na forma de artigo (Yamamoto et al., 1999; Yamamoto et al., 2002).
O processo foi, ainda, objeto de avaliação por parte de especialistas do campo das ciências da
informação (Hutz, 2000).
Uma consequência importante da sistemática de avaliação proposta pela área da Psicologia
que merece ser registrada foi o estabelecimento de um padrão, que foi adotado, com as devidas
adaptações, em diversas áreas do campo das humanidades na CAPES.
Finalmente, é conveniente registrar que a classificação em vigor, resultante da sistemática
descrita, deve sofrer alterações expressivas com a adoção das mudanças anunciadas pela CAPES.
O impacto de tais alterações certamente deverá ser objeto de atenção por parte da comunidade
científica da Psicologia.9

8 A comissão editorial, na sua primeira versão, foi composta por Maria do Carmo Guedes, Sílvia Helena Koller e Oswaldo H. Yamamoto
(editores indicados pela Anpepp); Anna Carolina LoBianco, Celso Pereira de Sá, Cláudio Simon Hutz e José Lino O. Bueno (membros da
Comissão de Avaliação dos Programas de Pós-graduação da área), além dos representantes titular e adjunto da área de Psicologia da
CAPES (Lino de Macedo e Paulo R. M. Menandro).
9 Especialmente, uma das orientações da CAPES que tem o potencial de promover mudanças significativas na avaliação é a necessidade
de “povoamento” de pelo menos cinco dos sete novos extratos. O “povoamento” em questão diz respeito não ao número de periódicos
em cada um dos extratos, mas à produção dos Programas de Pós-graduação nos periódicos (Ofício Circular 060/2008 da Diretoria de
Avaliação da CAPES, datado de 11 de agosto de 2008, dirigido aos pró-reitores e coordenadores de programas de pós-graduação).

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


4 Reflexões sobre a Avaliação de Periódicos
Sem embargo da necessidade de avaliar periódicos científicos e das avaliações, em ge-
ral, positivas acerca do processo desenvolvido na área da Psicologia, alguns questionamentos
sempre acompanharam esse processo. Muito embora não fosse a primeira avaliação a que os
periódicos da área eram submetidos (haja vista aquelas referentes às solicitações de financia-
mento para as agências e as referentes à inclusão em bases de dados, para citar dois exemplos),
a avaliação desencadeada pela CAPES é a que impactou mais fortemente a comunidade aca-
dêmica brasileira.
Uma das razões para isso está relacionada à envergadura da proposta – a qualificação de
todos os periódicos em que os docentes e estudantes dos Programas de Pós-graduação de to-
das as áreas do conhecimento publicavam. Uma diferença com relação a outras avaliações é que
não havia a necessidade de submeter um periódico à avaliação, ela era necessariamente gerada
pela agência, independentemente do desejo do editor. Uma segunda razão diz respeito à visi-
196 bilidade da proposta: o Qualis gerava uma classificação que, além de extensiva (no âmbito pro-
posto), era pública. Isso fez com que se criasse uma referência para que a comunidade científica
pudesse se orientar tanto no que diz respeito aos veículos nos quais publicar, quanto àqueles
que deveriam ser consultados, pois, supostamente, haveria uma correlação entre a classificação
e a qualidade do material publicado.
Concebido como um instrumento para subsidiar a avaliação do SNPG, o Qualis tornou-se
uma referência obrigatória para qualquer tomada de decisão que envolvesse a qualificação cien-
tífica da produção. Em outras palavras, ao se empregar a listagem Qualis para finalidades tão
diversas como a verificação da qualidade da infraestrutura de instituições de ensino – nomea-
damente as bibliotecas – para efeitos de autorização de funcionamento ou reconhecimento, ou
para qualificar a produção científica de um pesquisador com vistas à concessão de auxílios de
pesquisa ou bolsas, extrapolou-se, em muito, os propósitos originais.
A questão a ser posta diz respeito à adequação das classificações geradas pelas comissões
de área para finalidades outras que a avaliação da produção da pós-graduação brasileira. A
questão é mais grave se observarmos que as sistemáticas de trabalho e os critérios de avaliação
são bastante diversos de área para área.
A realidade é que a avaliação promovida pela CAPES – e, no caso da Psicologia, conduzida
por uma articulação com a ANPEPP – já está estabelecida como a referência antes aludida. Res-
ta saber quais são os impactos dessa avaliação e submeter o processo a uma meta-avaliação.
Com relação ao primeiro ponto, é inegável, como já foi mencionado, que a avaliação modi-
ficou profundamente o quadro editorial da área da Psicologia. Uma avaliação mais sistemática
ainda está por ser conduzida, mas existem evidências de uma melhora significativa na qualida-
de editorial das revistas. Os critérios estabelecidos pela Comissão transformaram-se em guias,
tanto para a modificação dos periódicos existentes, quanto para as propostas de criação de
novos veículos.
Do ponto de vista formal, a qualidade das revistas sofreu mudanças consideráveis. Alguns
dos cuidados básicos, desde a simples obtenção de ISSN, até a utilização sistemática de normas
para publicação, são efeitos visíveis – conforme testemunho de bibliotecários consultados acer-
ca da questão (Hutz, 2000).
Para além dos aspectos formais, a avaliação induziu os editores a buscarem qualificar os
periódicos sob sua responsabilidade do ponto de vista do conteúdo. Indicadores indiretos são
a valorização de um sistema mais transparente e qualificado de arbitragem (com descrições do
processo, nominatas de conselheiros e consultores), a abertura para instituições diversas da-
quela de origem, com ênfase naquelas que estivessem em outras Unidades da Federação e, um
aspecto importante, a busca pela indexação das revistas em bases consagradas.

Capítulo 9 | A Avaliação de Periódicos Científicos Brasileiros da Área da Psicologia


A respeito desse último aspecto, é importante observar a presença de periódicos da área
em algumas bases e bibliotecas. Na base mais conhecida internacionalmente da Psicologia, a
PsycINFO, no ano de 2000 havia apenas 5 revistas indexadas, ao passo que, cinco anos depois,
existiam 14. Quanto à base LILACS, no ano de 1999 existiam apenas 9 títulos da área, número
que foi ampliado, em 2005, para 47 títulos, dentre as 281 revistas brasileiras indexadas.
Na raiz das controvérsias, está a ausência de consenso acerca do que consiste o próprio
processo de avaliação. A avaliação, conforme assinala muito bem Dias Sobrinho (2004), nunca é
neutra: para além do aspecto eminentemente técnico, envolve aqueles de ordem política e éti-
ca. A sua crítica reside, sobretudo, em uma das possibilidades de compreensão do que seja ava-
liar, aquela que a concebe, sobretudo, como controle. Essa compreensão é identificada como
fazendo parte de um paradigma objetivista, que busca estabelecer parâmetros supostamente
objetivos e inquestionáveis, que permitiriam o estabelecimento de rankings.
Certamente, as classificações não constituem a única faceta da avaliação, sobretudo, se a
compreendermos como uma etapa de um processo (contínuo, portanto) que deve servir para o
aprimoramento do próprio fenômeno sob avaliação – e não um fim em si mesmo. 197
Partindo das ponderações acerca dos sentidos do avaliar – isto é, as premissas da não
neutralidade e da processualidade, as questões postas para a avaliação dos periódicos diz
respeito aos critérios/procedimentos e às finalidades da avaliação. As duas questões estão
imbricadas, uma vez que a discussão dos critérios leva ao questionamento de quem as propõe
e para quê finalidade.
A avaliação CAPES/ANPEPP para o Qualis da área da Psicologia é conduzida por uma comis-
são mista de uma agência governamental responsável pela avaliação da pós-graduação brasilei-
ra e por uma associação que congrega pesquisadores vinculados a Programas de Pós-graduação.
Os membros do primeiro grupo são indicados pela Coordenação da Área que, por seu turno, é
nomeada pela direção da CAPES com base em consulta feita aos Programas de Pós-graduação e
às sociedades científicas da área. Os do segundo são editores, indicados após eleição conduzida
pela ANPEPP. Portanto, não parece haver problemas com relação à legitimidade da Comissão
que conduz a avaliação.
Mais do que isso, é importante reafirmar que a classificação Qualis é um instrumento desen-
volvido pela CAPES para a avaliação da pós-graduação. Nesse sentido, as classificações das di-
versas áreas são de responsabilidade da Coordenação da Área, que tem a prerrogativa de definir
as formas pelas quais vai compor tal classificação. De qualquer forma, o procedimento adotado
pela Coordenação da Área da Psicologia, desde o momento em que a classificação Qualis foi
criada, buscou sempre a articulação com a comunidade científica, representada pela associação
de pós-graduação.
Partindo do entendimento de que a avaliação processada no âmbito da pós-graduação
tem por objetivo produzir uma classificação dos periódicos para aferir a qualidade da pro-
dução dos docentes, fica evidente o seu alinhamento com a lógica normativa, a de estabe-
lecimento de rankings, como afirmava Dias Sobrinho (2004). Ou seja, a classificação Qualis
em si não compartilha da concepção processual de avaliação, embora os seus resultados, no
processo de avaliação e acompanhamento do sistema de pós-graduação, possam ter efeitos
“educativos”.
Essa observação é particularmente importante, pelo fato de as classificações Qualis terem
exorbitado suas finalidades originais e, pela ampliação do seu uso, gerar críticas que cabem a
um sistema amplo de avaliação de periódicos, mas não especificamente ao Qualis – pelas suas
finalidades.
Retornando à avaliação da área da Psicologia, os critérios e os procedimentos foram basea­
dos em experiências acumuladas pelos especialistas da Ciência da Informação, com adaptações
feitas pela Comissão CAPES/ANPEPP. Os elementos da avaliação, conforme foi assinalado, foram

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


discutidos em diversas oportunidades e, como consequência, diversas alterações foram pro-
cessadas10. Embora isso não retire o caráter de uma avaliação normalizadora e “rankeadora”, o
processo, que sempre contou com a participação da comunidade científica, dificilmente seria
merecedor do rótulo de “autoritário”.
Existe um aspecto da avaliação que é crucial e sempre esteve em questionamento: a sua
efetividade na aferição do mérito científico dos periódicos com melhor avaliação. Na realidade,
essa questão é central. Se a avaliação que resulta na classificação Qualis é correta, é possível
esperar que as revistas com melhor avaliação sejam aquelas que estejam cumprindo de forma
mais adequada aquilo que tipifica um periódico de qualidade: publicação ágil, corretamente
formatado e, acima de tudo, que encontremos, em suas páginas, aquilo que de mais relevante e
atual a Psicologia no Brasil produz.
As respostas que temos são indiretas. Evidentemente, não se pode ignorar a existência de
pesquisas simultâneas sobre as mesmas temáticas e as réplicas movidas pela pressão para a
produção. Mesmo que seja evidenciada a qualidade desse tipo de produção, a sua originalidade
198 e a condição de representar o desenvolvimento da pesquisa na área ficam comprometidas.11
Respostas para algumas das questões aqui postas, que estão no coração do processo de
avaliação, como ela mesma, precisam ser constantemente buscadas e construídas12. Ao debater
a avaliação promovida pela Comissão CAPES/ANPEPP – e lançar o desafio de ousar mudar ou re-
petir (mesmo que aperfeiçoando) esse processo, Guedes (2004) assinala com muita propriedade
que o que vai acontecer daqui em diante depende do que fizermos agora.

10 Embora as observações dos editores e interessados nesses diversos eventos fossem consideradas e, algumas delas implementadas,
muitos dos temas eram polêmicos e longe de serem consensuais. A cobrança de Loffredo, Bicalho, Fernandes e Bergamasco (2003),
de que “as reflexões presentes no debate sobre a questão da endogenia... não tiveram repercussão nos parâmetros norteados da
última avaliação, que continuaram os mesmos em relação à anterior, embora estivessem presentes no evento membros da Comissão
de Avaliação” (p. 201) tem sua razão de ser, mas a expectativa de que todas as ponderações, eventualmente conflitantes, de presentes
nesses eventos pudessem ser incorporadas à avaliação, não se sustenta.
11 Para o aprimoramento desse processo, talvez seja necessário caminhar na direção proposta por Krzyzanowski e Ferreira (1998) ou
Jeannin (2003), de avaliação de mérito por pares.
12 Uma análise mais exaustiva da avaliação da área da Psicologia para a classificação Qualis pode ser encontrada em Costa e Yama-
moto (2008).

Capítulo 9 | A Avaliação de Periódicos Científicos Brasileiros da Área da Psicologia


Referências

Biojone, M. R. (2003). Os periódicos científicos na comunicação da ciência. São Paulo: EDUC/FAPESP.


Braga, G., & Oberhofer, C. A. (1982). Diretrizes para avaliação de periódicos científicos e técnicos brasileiros.
Revista Latinoamericana de Documentación, 2(1), 27-31.
Castro, R. C. F., Ferreira, M. C. G., & Vidili, A. L. (1996). Periódicos latino-americanos: avaliação das características
formais e sua relação com a qualidade científica. Ciência da Informação, 25(3), 357-367.
Castro, R. C. F., Negrão, B., & Zaher, C. R. (1996). Procedimentos editoriais na avaliação de artigos para publica-
ção em periódicos de ciência da saúde da América Latina. Ciência da Informação, 25(3), 352-356.
Costa, A. L. F., & Yamamoto, O. H. (2008). Publicação e avaliação de periódicos científicos: paradoxos da avalia-
ção Qualis de Psicologia. Psicologia em Estudo, 13(1), 13-24.
De Meis, L., & Leta, J. (1996). O perfil da ciência brasileira. Rio de Janeiro: UFRJ.
Dias Sobrinho, J. (2004). Avaliação ética e política em função da educação como direito público ou como 199
mercadoria? Educação & Sociedade, 25(88), 703-725.
Ferreira, M. C. G., & Krzyzanowski, R. F. (2003). Periódicos científicos: critérios de qualidade. Pesquisa Odon­
tológica Brasileira, 17(suplemento), 43-48.
Gibbs, W. W. (1995). Lost science in the third world. Scientific American, 273(2), 76-83.
Guedes, M. C. (2004). Escrever e editar: compromisso com a disseminação de conhecimento. Psicologia USP,
15(3), 249-256.
Gurgel, N. M. C., & Maia, O. L. (2003). Política de desenvolvimento do acervo para o sistema de bibliotecas da
Universidade Federal do Ceará. In Núcleo Organizador (Org.), XIII Seminário Nacional de Bibliotecas Univer-
sitárias (pp. 1-15). Natal.
Hutz, C. S. (2000). Avaliação do processo de avaliação das revistas científicas em psicologia. Estudos de Psico-
logia, 5(2), 471-481.
Jeannin, P. (2003). Revuemetrie de la recherche en sciences humaines et sociales. Rapport synthétique et final de
mission (1999-2003). Recuperado em 01 de setembro de 2005, de http://www.ub.es/facdt/rapport_jean­
nin_2003.pdf
Krzyzanowski, R. F., & Ferreira, M. C. G. (1998). Avaliação de periódicos científicos e técnicos brasileiros. Ciência
da Informação, 27(2), 165-175.
Loffredo, A. M., Bicalho, H. M., Fernandes, M. I., & Bergamasco, N. H. P. (2003). Comentários sobre as avaliações
realizadas pelas Comissões CAPES/ANPEPP para avaliação dos periódicos da área de Psicologia. Psicologia
USP, 14(3), 201-272.
Macedo, L. de, & Menandro, P. R. M. (1998). Considerações sobre os indicadores de produção no processo de
avaliação dos programas de pós-graduação em psicologia. Infocapes, 6(3), 34-38.
Testa, J. (1998). A base de dados ISI e seu processo de seleção de revistas. Ciência da Informação, 27(2), 233-
235.
Trzesniak, P. (2001). A concepção e a construção da revista científica. In I Curso de Editoração Científica (pp.
11-24). Brasília, DF: CEDRHUS.
Valerio, P. M. (1994). Espelho da ciência: avaliação do Programa Setorial de Publicações em Ciência e Tecnologia
da FINEP. Brasília, DF: FINEP/IBICT.
Yamamoto, O. H., Koller, S. H., Guedes, M. C., LoBianco, A. C., Sá, C. P., Bueno, J. L. O., Macedo, L., & Menandro, P.
R. M. (1999). Periódicos científicos em psicologia: uma proposta de avaliação. Infocapes, 7(3), 7-13.
Yamamoto, O. H., LoBianco, A. C., Hutz, C. S., Bueno, J. L. O., Guedes, M. C., Koller, S. H., & Menandro, P. R. M. (2002).
Avaliação de periódicos científicos brasileiros da área da Psicologia. Ciência da Informação, 31(2), 163-177.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Notas sobre as Organizadoras

Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini


Graduada em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Esta-
dual Paulista (UNESP, Marília, SP). É responsável pela Seção de Multimeios e
Apoio às Publicações da Biblioteca Dante Moreira Leite do Instituto de Psicolo-
gia da Universidade de São Paulo (IPUSP), desde 1995, onde atua como biblio-
tecária desde 1992. Integra a equipe de publicação das revistas Psicologia USP
e Revista de Etologia. Ministra cursos e palestras nos seguintes temas: norma-
lização técnica de documentos (APA e ABNT) e preparação de artigos e perió-
dicos científicos. É membro da Comissão do Centro de Memória do IPUSP, da Biblioteca Virtual
em Saúde – Psicologia (BVS-Psi), da Diretoria da Associação Brasileira de Editores Científicos de
Psicologia (ABECiP) e membro fundador da mesma associação. Sua Produção Técnico-científica 201
inclui a autoria de manuais de orientação, artigos em revistas nacionais e trabalhos em eventos
nas áreas de Biblioteconomia e Psicologia.

Endereço para correspondência: Biblioteca Dante Moreira Leite, Instituto de Psicologia, Uni-
versidade de São Paulo, Avenida Prof. Mello Moraes, 1721, Bloco C, Cidade Universitária, São
Paulo, SP, Brasil 05508-030. E-mail: angelica@usp.br

Maria Imaculada Cardoso Sampaio


Bacharel em Biblioteconomia e Mestre em Ciência da Informação pela
Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP),
possui Especialização em Sistemas Automatizados de Informação pela PUC-
Campinas e SIBi/USP. É diretora técnica da Biblioteca Dante Moreira Leite do
Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP), desde 1999,
onde atua como bibliotecária desde 1990. Coordenadora Técnica da BVS-
Psi Brasil e BVS ULAPSI, representa os Bibliotecários junto à União Latino-
americana de Entidades de Psicologia (ULAPSI). Docente do Curso de Especialização: “Ge-
renciamento de Sistemas e Serviços de Informação”, da Fundação Escola de Sociologia e
Política de São Paulo (FESP), desde 2004. Sua Produção Técnico-científica inclui a autoria de
manuais de orientação, livros e capítulos de livros, artigos em revistas nacionais e interna-
cionais e trabalhos em diversos eventos nas áreas de Biblioteconomia e Psicologia. Membro
fundador da Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia (ABECiP).

Endereço para correspondência: Biblioteca Dante Moreira Leite, Instituto de Psicologia, Uni-
versidade de São Paulo, Avenida Prof. Mello Moraes, 1721, Bloco C, Cidade Universitária, São
Paulo, SP, Brasil 05508-030. E-mail: isampaio@usp.br

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Sílvia Helena Koller
Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professora ho-
norária da Universidad de Chiclayo, Peru. Orientadora de doutorado e mestrado
e coordenadora do Centro de Estudos Psicológicos sobre Meninos e Meninas
de Rua. Presidente da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-gradua­ção em Psi-
cologia (ANPEPP) 2004-2006 e da Sociedade Brasileira de Psicologia do Desen-
volvimento (2000-2002). Representante Latino-americana no Children’s Rights
University Network 2005. Consultora do World Bank 2004, do World Childhood
Foundation 2004, da Kellogg Foundation Grantee 2003-2004, da EveryChild 2007. Editora do
Interamerican Journal of Psychology (SIP) 2003 e Psicologia: Reflexão e Crítica (1996-2002 e 2008).
Editora associada do International Journal of Behavioral Develop­ment (ISSBD) 2005 e da Child De-
velopment Abstracts & Bibliography (SRCD) 1997-2001. Membro do International Affairs Council
of SRCD 1999. Representante ad hoc da América Latina no Comitê Executivo da ISSBD desde
2000. Parecerista de revistas e agências nacionais e internacionais e autora de publicações em
202
revistas e livros internacionais e nacionais. Membro fundador da Associação Brasileira de Edito-
res Científicos de Psicologia (ABECiP).

Endereço para correspondência: Psicologia do Desenvolvimento, Instituto de Psicologia,


Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rua Ramiro Barcelos, 2600/104, Santana, Porto Ale-
gre, RS, Brasil CEP 90035-003. E-mail: silvia.koller@gmail.com

Notas sobre as Organizadoras


Notas sobre os Autores-colaboradores

Ana Ludmila Freire Costa


Possui graduação (2004) e mestrado (2006) em Psicologia pela Universida-
de Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Tem experiência na área de Psicolo-
gia, atuando principalmente nos seguintes temas: formação e atuação profis-
sional, publicação científica, psicologia comunitária e ambiental.

Endereço para correspondência: Grupo de Pesquisas Marxismo & Educação,


Departamento de Psicologia, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Uni-
versidade Federal do Rio Grande do Norte, Campus Universitário UFRN, Lagoa Nova, Natal, RN,
Brasil 59078-970. E-mail: analudmila@gmail.com
203

André Serradas
Graduado em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Faculdade de
Biblioteconomia e Ciência da Informação da Fundação Escola de Sociologia e Po-
lítica de São Paulo (FESP/SP) em 2001. Atualmente é o vice-coordenador da Bi-
blioteca Virtual em Saúde –Psicologia (BVS-Psi) e da Biblioteca Virtual da União
Latino-Americana de Entidades de Psicologia (BVS ULAPSI), coordenador do Por-
tal de Periódicos Eletrônicos em Psicologia (PePSIC) e colaborador da Comissão de
Avaliação de Periódicos CAPES/ANPEPP. Professor-assistente na FESP/SP de 2002
a 2004. Gestor do Banco de Imagens da Revista Pesquisa FAPESP desde 2001.Autor de trabalhos em
congresso e artigos em revistas científicas. Membro fundador da Associação Brasileira de Edito-
res Científicos de Psicologia (ABECiP).

Endereço para correspondência: Biblioteca Dante Moreira Leite, Instituto de Psicologia, Uni-
versidade de São Paulo, Avenida Prof. Mello Moraes, 1721, Bloco C, Cidade Universitária, São
Paulo, SP, Brasil 05508-030. E-mail: coordenacao@bvs-psi.org.br

Claudette Maria Medeiros Vendramini


Graduada e mestre em Estatística e doutora em Educação, área de concen-
tração em Psicologia da Educação Matemática, pela Universidade Estadual de
Campinas (UNICAMP). Professora de Estatística e pesquisadora da graduação e
do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade São Francisco
(USF, Itatiba/SP). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Constru-
ção e Validade de Testes, Escalas e Outras Medidas Psicológicas, atuando princi-
palmente nos seguintes temas: avaliação educacional; crenças, atitudes e ansie-
dade matemática e estatística; educação estatística; ensino superior; evidências de validade do
ENADE para avaliação de cursos superiores; psicometria. Orientadora de alunos bolsistas do CNPq,
FAPESP, CAPES, de iniciação científica e de mestrado. Bolsista, nível 1D, Produtividade em Pesquisa
do CNPq. Consultora ad hoc do INEP/MEC de 2004 a 2007. Membro participante dos grupos do
diretório de pesquisa do CNPq Ambiente Virtual de Apoio ao Letramento Estatístico (AVALE/UESC)
e Laboratório de Avaliação Psicológica e Educacioinal (LabAPE/USF) e vice-líder do grupo de pes-
quisa Psicologia da Educação Matemática da UNICAMP.

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Endereço para correspondência: Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Psicologia,
Universidade São Francisco, Rua Alexandre Rodrigues Barbosa, 45, Centro, Itatiba, SP, Brasil
13251-900. E-mail: cvendramini@uol.com.br

Cláudia Borim da Silva


Graduada em Matemática pela Universidade São Judas, mestre em Educa-
ção, área de concentração Educação Matemática pela Universidade Estadual de
Campinas (UNICAMP) e doutora em Educação Matemática pela Pontifícia Uni-
versidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professora e pesquisadora do Progra-
ma de Pós-graduação Stricto Sensu em Educação Matemática da UNIBAN, onde
ministra Probabilidade e Estatística. Na Universidade São Judas Tadeu, é profes-
sora de Estatística na graduação em Psicologia e no Programa de Pós-graduação
Stricto Sensu em Educação Física. Tem desenvolvido suas pesquisas em Educação Estatística, nas
204 linhas de didática da Estatística e raciocínio e letramento estatístico.

Endereço para correspondência: Universidade São Judas Tadeu, Rua Taquari, 546, Mooca,
São Paulo, SP, Brasil 03166-000. E-mail: dasilvm@uol.com.br

Irene Maurício Cazorla


Graduada e mestre em Estatística e doutora em Educação, área de con-
centração em Educação Matemática pela Universidade Estadual de Campinas
(UNICAMP), com pós-doutorado na Pontifícia Universidade Católica de São
Paulo (PUC/SP). Professora titular de Estatística da Universidade Estadual de
Santa Cruz (UESC, Ilhéus, BA). Leciona Estatística nos cursos de graduação e
mestrado da UESC e de Metodologia do Ensino de Matemática em cursos de
formação de professores de Matemática e Pedagogia. Vice-coordenadora do
projeto Ambiente Virtual de Apoio ao Letramento Estatístico (AVALE), financiado pela FAPESB.
Diretora da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, Regional Bahia, SBEM-BA; Vice-coor-
denadora do GT12 de Ensino de Probabilidade e Estatística da SBEM e do Grupo de Investigación
Latinoamericano en Educación Estadística (GILEE).

Endereço para correspondência: Universidade Estadual de Santa Cruz, Rodovia Ilhéus, Ita-
buna, Km 16, Salobrinho, Ilhéus, BA, Brasil 45662-000. E-mail: icazorla@uol.com.br

Maria Marta Nascimento


Graduada em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Esta-
dual Paulista (UNESP, Marília, SP). Atualmente atua como bibliotecária na Bi-
blioteca Dante Moreira Leite do Instituto de Psicologia da Universidade de São
Paulo (IPUSP). Integra a equipe técnica das revistas Psicologia USP e Revista de
Etologia, contribuindo com a normalização das referências e citações no texto
dos artigos a serem publicados. É membro integrante do Grupo de Trabalho
“DiTeses”, grupo composto por bibliotecárias do Sistema Integrado de Bibliote-
cas da USP (SIBi/USP) responsável pela elaboração das diretrizes para apresentação de Disserta-
ções e Teses da USP. Autora de manuais de orientação e trabalhos em eventos científicos.

Notas sobre os Autores-colaboradores


Endereço para correspondência: Biblioteca Dante Moreira Leite, Instituto de Psicologia, Uni-
versidade de São Paulo, Avenida Prof. Mello Moraes, 1721, Bloco C, Cidade Universitária, São
Paulo, SP, Brasil 05508-030. E-mail: martamn@usp.br

Oswaldo Hajime Yamamoto


Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
(1975), mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte
(1986) e doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (1994). Coorde-
nador da área da Psicologia da Coordenação de Aperfeiçoa­mento de Pessoal de
Nível Superior (2005-2008), membro do Conselho Técnico Científico da Coorde-
nação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2005-2008), professor
titular e pró-reitor de Planejamento e Coor­denação Geral da Universidade Fe-
deral do Rio Grande do Norte (2003-2007). Tem experiência nas áreas da Psicologia e da Educa-
ção, investigando temas relacionados às políticas sociais e à teoria social marxiana. 205

Endereço para correspondência: Departamento de Psicologia, Centro de Ciências Huma-


nas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Campus Universitário UFRN,
Lagoa Nova, Natal, RN, Brasil 59078-970. E-mail: ohy@uol.com.br

Piotr Trzesniak
Licenciado pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo
(São Paulo, SP) e bacharel, mestre e doutor em Física pelo Instituto de Física da
mesma universidade. Professor titular aposentado da Universidade Federal de
Itajubá (UniFEI, Itajubá, MG), desenvolveu pesquisas em Física da Matéria Con-
densada (propriedades elétricas e ópticas), em Física Nuclear (dosimetria de
radiações ionizantes) e em Ensino de Física. Atuou na UniFEI na pós-graduação
em Materiais para Engenharia e também em Engenharia de Produção, com ên-
fase em Garantia de Controle de Qualidade, em tópicos de metrologia, de desenvolvimento de
indicadores em geral e metodologia de pesquisa. Ainda na UniFEI, foi editor da revista Pesquisa
e Desenvolvimento Tecnológico, o que o fez envolver-se e passar a publicar em Comunicação
Científica, Ciência da Informação e outras áreas do conhecimento. Tem prestado assessoria e/ou
participado de Comitês no CNPq, CAPES e IBICT e, fora do Brasil, junto ao Ministério de Ciência e
Tecnologia de Moçambique. É editor geral da Advances in Scientific and Applied Accounting, edi-
tor gerente do Interamerican Journal of Psychology, editor associado da newsletter da Internatio-
nal Society for Theoretical Psychology e da Revista Brasileira de Ensino e Pesquisa em Administração.
É também consultor da Brazilian Veterinary Research e do Journal of Operations and Supply Chain
Management. Atua ainda como integrante do Conselho Diretor, como participante do Corpo
Científico e/ou como parecerista em revistas de Ciência da Informação, de Administração, de
Enfermagem, de Psicologia, de Ensino de Física e de Fonoaudiologia. Membro fundador da As-
sociação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia (ABECiP).

Endereço para correspondência: Avenida Fabio Araújo Santos, 1380, Bairro Nonoai, Porto
Alegre, RS, Brasil 91720-390. E-mail: piotreze@gmail.com

Publicar em Psicologia: um Enfoque para a Revista Científica


Perfil de cores: Desativado
Composição 150 lpi a 45 graus

SÍLVIA HELENA KOLLER


MARIA IMACULADA C. SAMPAIO
(Organização)
I PUS P

APARECIDA A. Z. P. SABADINI
A compreensão da realidade é um desafio posto para a Humanidade desde tempos
imemoráveis. Dentre as formas possíveis para enfrentá-lo, a ciência, entendida como um corpo
ordenado de conhecimentos produzidos na relação do homem com a natureza e com os
outros homens, mediante a utilização de um método específico de investigação, tornou-se,
nos tempos modernos, a forma hegemônica de compreensão da realidade. Contudo, para
além de um procedimento e de um produto peculiares, a ciência é, sobretudo, um
empreendimento humano.

A natureza e a destinação social da ciência é magnificamente retratada pelo teatrólogo


germânico Bertold Brecht (1955/1991), por meio das palavras de seu personagem, Galileu

um Enfoque para a Revista Científica


Galilei: "A Ciência... está ligada às duas lutas. Enquanto tropeça dentro de sua bruma luminosa
de superstições e afirmações antigas, ignorante demais para desenvolver plenamente as suas
forças, a humanidade não será capaz de desenvolver as forças da natureza que vocês
descobrem. Vocês trabalham para quê? Eu sustento que a única finalidade da ciência está em
aliviar a canseira da existência humana. E se os cientistas, intimidados pela prepotência dos
poderosos, acham que basta amontoar saber, por amor do saber, a ciência pode ser
transformada em aleijão, e as suas novas máquinas serão novas aflições, nada mais. Com o
tempo, é possível que vocês descubram tudo o que haja por descobrir, e ainda assim o seu
Publicar em
avanço há de ser apenas um avanço para longe da humanidade" (p.165). [Brecht, B. (1991).
Vida de Galileu. In Teatro completo (Vol. 6, 2a ed., pp. 51-170). Rio de Janeiro: Paz e Terra.
(Texto original em alemão publicado em 1955)].
Psicologia
um Enfoque para
Democratizar o acesso à informação, ao conhecimento produzido pela humanidade, é um dos a Revista Científica
aspectos do processo de construção da ciência e da democracia. Um dos elementos de APARECIDA A. Z. P. SABADINI
destaque nesse processo, e que recebe atenção detalhada aqui, é o periódico científico que, MARIA IMACULADA C. SAMPAIO

Publicar em Psicologia
pelas suas características, constitui-se em uma das formas privilegiadas de disseminação do SÍLVIA HELENA KOLLER
(Organização)
conhecimento científico.

Oswaldo Hajime Yamamoto

C:\Documents and Settings\ANA KARINA\Desktop\Titulos novos\publicar psicologia\capa\publicar psicologia_1edicao_2009.cdr


quarta-feira, 24 de junho de 2009 14:45:01