Você está na página 1de 290
Caderno de Resumos UFBA
Caderno de Resumos UFBA
Caderno de Resumos UFBA
Caderno de Resumos UFBA
Caderno de Resumos UFBA

Caderno de Resumos

Caderno de Resumos UFBA
Caderno de Resumos UFBA
Caderno de Resumos UFBA

UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO - EAUFBA CENTRO INTERDISICPLINAR DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SOCIAL - CIAGS NÚCLEO DE ESTUDOS SOBRE PODER E ORGANIZAÇÕES LOCAIS - NEPOL

CADERNO DE RESUMOS XI COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAL Desenvolvimento e Gestão Social de Territórios

Salvador, Bahia, Brasil dezembro 2009

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Reitor: Prof. Dr. Naomar Monteiro de Almeida Filho

ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Dr. Reginaldo Souza Santos

NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - NPGA Prof. Dr. José Antonio Gomes de Pinho

CENTRO INTERDISICIPLINAR DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SOCIAL - CIAGS Profª. Drª. Tânia Fischer

O conteúdo dos resumos é de inteira responsabilidade dos autores. Os textos foram extraídos dos trabalhos submetidos sem que tenha havido alterações realizadas pelos organizadores desta publicação.

C719

Colóquio Internacional sobre Poder Local (11.: 2009: Salvador,BA) Caderno de Resumos [do] XI Colóquio Internacional sobre Poder Local: desenvolvimento e gestão social de territórios, Salvador, BA, 14 a 16 de dezembro de 2009. – Salvador: CIAGS/UFBA, 2009. .: il.

Tema: Desenvolvimento e Gestão Social de Territórios.

1. Desenvolvimento Social. 2. Poder Local. 3. Gestão Social 4. Terceiro Setor. 5. Gestão Social de Territórios. I. Colóquio Internacional sobre Poder Local. II. Universidade Federal da Bahia. III. Centro Interdisciplinar de Desenvolvimento e Gestão Social. IV. Escola de Administração.

CDD – 307.14

Ficha Catalografica - Biblioteca Especializada em Gestão Social - CIAGS/UFBA

XI COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAL Desenvolvimento e Gestão Social de Territórios

COMISSÃO ORGANIZADORA

Airton Cardoso Cançado (NESOL/UFT) Alexandre Carrieri (UFMG) Alexandre Faria (EBAPE/FGV-RJ) Alfredo R. L. da Silva (FUCAPE/ES) Amilcar Baiardi (UFRB) Ana Guedes (EBAPE/FGV-RJ) Ana Paula Paes de Paula (CEPEAD-UFMG) Corina Echavarría (Universidade Nacional de Córdoba – Argentina) Cristina Carvalho (UFRGS) Denise Pereira (PUCMinas) Eduardo Davel (TELUQ/UQAM-Canadá) Eduardo Ibarra-Colado (Univ. do México) Eduardo Paes Machado (FFCH/UFBA) Élvia Fadul (UNIFACS e UFBA) Felipe Nascimento (PPGA/UFRGS) Fernando Tenório (EBAPE/FGV-RJ) Genauto França Filho (CIAGS/NPGA/EAUFBA) Horácio Hastenreitter (CIAGS/UFBA) Ivan Beck (CEPEAD-UFMG) Ivone Freire Costa (PROGESP/NPGA/EAUFBA) Izabel Portela (CIAGS/UFBA e Instituto IRIS) Jean-François Chanlat (Paris Dauphine) Jean-Louis Laville (França) Jeová Torres Silva Jr. (UFC) José Antonio Gomes de Pinho (CIAGS/NPGA/ EAUFBA)

José Célio Andrade (CIAGS/NPGA/EAUFBA) José Francisco Salm (UDESC) José Puppim (EBAPE/FGV-RJ) Luciano Junqueira (PUC-SP) Luiz Alex Silva Saraiva (CEPEAD/UFMG e FUNCESI) Manolita Correa Lima (ESPM) Marcelo Dantas (CIAGS/NPGA/EAUFBA) Marcelo Milano (EBAPE/FGV-RJ) Marcelo Ribeiro (FZEA/USP) Márcia Palassi (UFES) Maria Ceci Misoczky (UFRGS) Maria Ester de Freitas (EAESP/FGV-SP) Maria José Tonelli (EAESP/FGV-SP) Maria Suzana Moura (CIAGS/NPGA/EAUFBA) Marta Farah (EAESP/FGV-SP) Neusa Rolita Cavedon (UFRGS) Paula Schommer (UDESC e CIAGS/UFBA) Peter Spink (EAESP/FGV-SP) Reginaldo Souza Santos (UFBA) Roberto Fachin (FDC e UFRGS) Rosimeri Carvalho (UFSC) Rosinha Carrion (UFRGS) Sandro Cabral (NPGA/EAUFBA) Sueli Goulart (UFPE)

COMISSÃO EXECUTIVA

Coordenação Geral

Gestão Financeira

Tânia Fischer

André Luis Rocha

Coordenação Executiva Vanessa Paternostro Melo

Organização de Publicações para o evento Neubler Nilo Ribeiro da Cunha

Assessoria de Comunicação Rodrigo Maurício Freire Soares Márdel Santos

Secretaria e Administrativo Adriano Pimenta Manuela Ramos da Silva Renata Lara Fonseca Suraya Chagas

XI COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAL Desenvolvimento e Gestão Social de Territórios

COMISSÃO CIENTÍFICA

Adelaide Maria Coelho Baêta Aida Lovison Airton Cardoso Cançado Alessandra Mello Da Costa Alessandra Nogueira Alessandro Soares Da Silva Alex Andrade Alves Alexandre De Pádua Carrieri Alexandre Mendes Nicolini Alexandre Reis Rosa Alexandre Santos Alfredo Behrens Alfredo R. L. Da Silva Aline Craide Alketa Peci Allan Claudius Barbosa Amilcar Baiardi Amon Narciso De Barros Ana Angelica Trindade Ana Beatriz Nunes Da Silva Ana Carolina Fonseca Ana Guedes Ana Márcia Nunes Duarte Nascimento Ana Maria Pires Ana Paula Paes De Paula Ana Rita Silva Sacramento Anderson Felisberto Dias Andrea Leite Rodrigues André Borges Andre Mascarenhas Andréa Cardoso Ventura Aniele Marquez Antônio Augusto Pereira Prates Antonio Carlos Freddo Antônio Costa Silva Júnior Antônio Edimir Frota Fernandes Antonio Óscar Santos Góes Antonio Renildo Santana Souza Antonio Sergio Araújo Fernandes Ariadne Scalfoni Rigo Armindo Dos Santos De Sousa Teodósio Artemisa Odila Cande Monteiro Aruane Garzedin Astor Hexsel Augusto De Oliveira Monteiro Benedito Anselmo Martins De Oliveira Bernadete Baltazar

Bruno Diniz Caio Motta Carla Pasa Carlos Brandão Carlos Domingues Carlos Frederico Bom Kraemer Carlos Milani Carolina Andion Carolina Castro Carolina Machado Saraiva De Albuquerque Maranhão Ceci Noronha Celso Funcia Lemme César Barreira Cesar Tureta Charbel Jabbour Cláudia Sirangelo Eccel Claúdio Roberto Santos Almeida Cláudio Tordino Clezio Saldanha Dos Santos Corina Echavarría Cristiane Pizzutti Dos Santos Cristina Carvalho Daniel Calbino Pinheiro Daniel Coronel Dany Flávio Tonelli Débora Dourado Deborah Moraes Zouain Denis Alcides Rezende Denise De Castro Pereira Denise Ribeiro Diego Luiz Teixeira Boava Diva Ester Okazaki Rowe Duarte De Souza Rosa Filho Edgilson Tavares De Araújo Edson Kubo Eduardo Davel Eduardo Loebel Eduardo Vivian Da Cunha Elcemir Paço-Cunha Elisa Yoshie Ichikawa Elizabeth Matos Ribeiro Eloise Helena Livramento Dellagnelo Eloisio Moulin De Souza Erica Marques Ernani Viana Saraiva Fabio Bittencourt Meira

Fábio Guedes Gomes Felipe Nascimento Felipe Zambaldi Fernanda Gabriela Fernanda Tarabal Lopes Fernando De Souza Coelho Fernando Dias Lopes Fernando Serra Francis Kanashiro Meneghetti Francisco Correia De Oliveira Franklin De Souza Lira Frederico Lustosa Gabriela Spanghero Lotta Gardenia Abbad Gelson Junquilho Genauto França Filho Geni De Sales Dornelles Geraldo Magela Gilberto Almeida Gildásio Santana Gilton Alves Aragão Gilvandro Rios Guilherme Umeda Gustavo Madeiro Da Silva Gustavo Melo Silva Hélio Arthur Reis Irigaray Heloisa Costa Heloisa Monaco Hilka Vier Machado Horacio Nelson Hastenreitter Icaro Cunha Ilan Avrichir Ingrid Winkler Irineu Dário Staub Isabel Lima Ivan Beck Kgnazaroff Izabel Portela Jader Souza-Silva Janaina Maria Bueno Jeova Torres Silva Junior Jorge Henrique Caldeira Jorge Neris Jorge Oneide Sausen José Antonio Gomes De Pinho José Célio Silveira Andrade Jose Coelho De Andrade Albino José Francisco Salm José Henrique De Faria José Puppim José Ricardo Costa Mendonça Jose Ricardo Vilella José Roberto Pereira Juliana Maia Karen Ann Câmara Bezerra Sá Lamounier Erthal Villela

Letícia Dias Fantinel Lilian Soares Outtes Wanderley Lindomar Pinto Da Silva Luana Das Graças Queiroz De Farias Luciana De Holanda Luciana Faria Luciano Prates Junqueira Luis Roque Klering Luiz Alex Silva Saraiva Magnus Luiz Emmendoerfer Manolita Correia Lima Manuel Portugal Marcelo Dantas Marcelo Perin Marcelo Ribeiro Marcia Marinho Marcia Prezotti Palassi Marco Antonio Carvalho Teixeira Marco Aurélio Marques Ferreira Marcos Aurelio Dornelas Marcos Luís Procópio Marcus Vinícius Peinado Gomes Mari Elisabete Maria Ceci Misoczky Maria De Fátima Barbosa Goes Maria Elisabete Pereira Dos Santos Maria Ester De Freitas Maria Irene Stocco Betiol Maria José Tonelli Maria Luisa Mendes Teixeira Maria Priscila Kreitlon Maria Suzana De Souza Moura Maria Teresa Franco Ribeiro Maria Tereza Flores-Pereira Maria Valeria Gaspar Maria Vilma Coelho Moreria Faria Mario Aquino Alves Mário Sacomano Marta Ferreira Santos Farah Martha Barbosa Melissa Santos Bahia Miguel Accioly Moema Siqueira Mônica Macallister Naldeir Dos Santos Vieira Napoleão Dos Santos Queiroz Nelson Gomes Filho Neusa Rolita Cavedon Núbia Dos Reis Ramos Odilza Lines Almeida Ósia Alexandrina Vasconcelos Duran Passos Patricia Mendonça Paula Chies Schommer Pedro De Almeida Costa

Pedro F. Bendassolli Peterson Elizandro Gandolfi Rafael Alcadipani Rafael Augusto Vecchio Raimundo Leal Raquel Furtado Raquel Santos Soares Renata De Almeida Bicalho Renata Rossi Ricardo Bresler Ricardo Zagallo Camargo Roberto Fachin Rocio Castro Kustner Rodrigo Burkowski Rodrigo Gava Rogério Fae Rose Inojosa Rosimeri Carvalho Da Silva Rosinha Machado Carrion Rubenilda Sodré Dos Santos Salomão Alencar De Farias Sandro Cabral Sandro Trescastro Bergue Sérgio Góes Sérgio Hage Fialho Sidinei Oliveira Siegrid Guillaumon Silvia Viodres Simone Ghisi Feuerschütte Sonia Borges De Oliveira Sueli Chacon Sueli Goulart Sylvia Constant Vergara Takeyoshi Imasato Talita De Oliveira Trindade Tania Cordeiro Tânia Fischer Tânia Silva Teniza Silveira Valentina Schmitt Valéria Da Glória Pereira Brito Valeria Giannella Alves Valéria Maria Martins Júdice Valneda Cássia Santos Carneiro Valquíria Padilha Vanessa Paternostro Melo Duarte Vânia Aparecida Rezende De Oliveira Vera Lúcia Peixoto Mendes Vinicius Brei Virgilius De Albuquerque Walter Nique Wescley Silva Xavier

Apresentação Na sua décima primeira edição, o Colóquio Internacional sobre o Poder Local retoma o

Apresentação

Na sua décima primeira edição, o Colóquio Internacional sobre o Poder Local retoma o tema Desenvolvimento e Gestão Social de Territórios.

O Colóquio é realizado desde 1986 tendo como ponto focal a análise dos

poderes territorializados, em tempos e escalas espaciais variáveis, articulados por propósitos e práticas orientadas ao desenvolvimento.

O desenvolvimento de territórios é eixo estruturante do evento que ocorrerá em um ano especialmente marcado por crises,revisões paradigmáticas,emergência

de novos perfis de liderança e estilos de vida, por novas formas organizativas

e pela centralidade atribuída aos territórios, recortadas em múltiplas escalas nacionais, regionais e locais presentes nos programas governamentais e nas novas questões que definem um novo ciclo desenvolvimentista. Vivemos um momento paradoxal em que as crises e as possibilidades disputam espaços, expõem as divergências e estimulam convergências possíveis.

Retomando um ciclo desenvolvimentista que evoca o projeto nacionalista dos anos sessenta. Há um a consciência coletiva crescente dos recursos nacionais brasileiras como matrizes energéticas, de abundância de recursos naturais escassos no resto do planeta e das imensas possibilidades de gestão de um território nacional rico em sua diversidade, mas que mantém a identidade de um país que se reposiciona como liderança no cenário internacional.

Os desafios da gestão social vão, progressivamente, mudando de natureza e escopo.

Se os problemas estruturais do desenvolvimento estão sendo enfrentados

e

a assimetria social está sendo paulatinamente reduzida, outros problemas

se

afiguram, como as questões demográficas a mobilidade cidadã, os novos

entornos territoriais decorrentes das intervenções de infra-estrutura, a

gestão dos recursos naturais na perspectiva de uma gestão social sustentável

e criativa.

A diversidade da cultura e dos territórios brasileiros são nosso potencial e

maior desafio.

As sessões temáticas do Colóquio refletem esta diversidade. Indicadas por Administração e Planejamento Urbano e Regional, serão discutidas nas duas áreas, “Economia Mundial, Crises e Perspectivas para o Desenvolvimento Territorial” e “Gestão Social, Poderes Multiescalares e Interorganizações Territoriais”, este momento de revisões paradigmáticas e reorganização de poderes no campo de gestão social.

No tema Administração Pública e Gestão Social concentram-se o maior número de trabalhos apontando para um pragmatismo crítico, ou seja, como responder às inquietações de forma consistente, reflexiva e viável?

Nostemas“Valores,ConsumoeEstilodeVida,Inovação,Empreendedorismoe

Tecnologias”,“ Cotidiano,Poder e Conflito”e “Participação,Empoderamento”

os

trabalhos permitem contextualizar a ação dos atores e melhor compreender

as

mutações da contemporaneidade.

Diversas dimensões de gestão são abordadas com suas especificidades de campos temáticos: Gestão internacional; Gestão Cultural; Gestão de Segurança Pública; Gestão Socioambiental; Economia Plural e Solidária; Responsabilidade Social e Territórios que apresentam trabalhos em que as teorias e as práticas de gestão formam tessituras novas.

O tema do ensino e da pesquisa em gestão social e desenvolvimento territorial

nas perspectivas multi, inter e transdisciplinar tem um conjunto de trabalhos que vão da aprendizagem dos indivíduos e grupos, às análises de experiências de ensino de gestão social perspassadas por reflexões sobre campos multi/ inter/ transdisciplinares. Este tema é especialmente importante para o CIAGS, considerando que as propostas de ensino de mestrado profissional

e interdisciplinar em desenvolvimento e gestão social, especialização em

desenvolvimento sustentável em modelo EAD e a graduação tecnológica em gestão pública e gestão social (que é hoje o curso de maior procura da UFBA, com 34 candidatos por vaga) constituem-se em laboratórios de experimentação e inovação

Pela primeira vez,houve uma chamada de temas livres que acolhem tendências e interesses emergentes.

De um total de 647 trabalhos foram selecionados 250, ou seja, 39% o que significa rigor na escolha dos 100 avaliadores envolvidos.

O evento compreende também oficinas com diversos temas relacionados ao

desenvolvimento e gestão social de territórios.

Nove mesas redondas abrem espaço para a discussão de temáticas associadas

ao eixo estruturante do Colóquio “Desenvolvimento e Gestão Social de Territórios”.

Nesta décima - primeira edição, o Colóquio reconhecerá a contribuição seminal de autores referenciais baianos às causas da identidade brasileira e do desenvolvimento nacional.

Serão feitos reconhecimentos à contribuição de ilustres baianos ao desenvolvimento brasileiro em diferentes disciplinas: Milton Santos, Alberto Guerreiro Ramos, Anísio Teixeira e Rômulo Almeida. A obra desses pensadores será discutida a partir de conferências distribuídas ao longo do Colóquio, dando continuidade aos estudos realizados por grupos de pesquisas do país. Além disso, toda a identidade visual do evento é inspirada na obra do arquiteto e artista Sílvio Robatto, o qual dedicou grande parte de sua obra ao registro do patrimônio e cultura baianos.

A vida e obra destes baianos será discutida por antigos e novos discípulos; os

que conheceram os mestres e os que são discípulos seduzidos pelo legado.

Como parte do Colóquio, o Fórum Rômulo Almeida é co-organizado pelo SEBRAE e Governo do Estado da Bahia e trará para a discussão as perspectivas nacionais, regionais e locais do desenvolvimento territorial, com aportes internacionais.

Encontros com artistas, designers e artesãos da Bahia e Pernambuco e mostras artesanais apresentam resultados de trabalhos artesanais do Projeto Itapagipe do CIAGS/UFBA e do Colibris, apoiado pelo SEBRAE.

O XI Colóquio fará homenagens especiais a pesquisadores que apóiam a área

de gestão social e participam da organização do evento há muitas edições. No ano França/Brasil, serão homenageados os professores Jean François Chanlat, da Universidade Paris Daupline; Martine Droulers (Institut Des Hautes Etudes de L’Amerique Latine) e Jean Louis Laville do CNAM/França pelo apoio pessoal e institucional à pesquisa, ao ensino, ao intercâmbio científico e a difusão do conhecimento em gestão social do desenvolvimento territorial.

Tomaz Villasante, da Universidal Complutense é outro pesquisador que coopera generosamente com a América Latina desde o início do CIAGS.

Do Brasil destacamos dos professores que estabelecem corredores de cooperação Roberto Fachin e Peter Spink, através de ações, projetos e intercâmbios permanentes.

A Associação Nacional de Programas de Planejamento Urbano e Regional (ANPUR) e a Associação Nacional de Programas de Administração (ANPAD) receberão homenagem especial pelo tradicional apoio ao evento.

Em dois momentos serão recordados dois professores que estarão sempre

em nossa memória e representam gerações diferentes: José Roberto Gomes

e Neyde Marques, chefe de Departamento de Estudos Organizacionais de EA/UFBA.

O XI Colóquio Internacional sobre o Poder Local fecha o ciclo de

comemorações dos 50anos da Escola de Administração, que abriga a sede

do CIAGS.

Na décima edição do Colóquio, lembramos que no cosmopolitismo hipermoderno, temos que integrar o possível e obter a governabilidade da perspectiva foucoultiana: como governar, entendendo governo no sentido mais amplo de ação de todos nós sobre a sociedade e dos indivíduos que têm direitos, inclusive o de governar o seu próprio destino.

No décimo primeiro Colóquio, estamos abrindo espaço para o fazer criativo artesanal tanto na gestão do território, quanto nas oficinas em que designers apresentarão o trabalho de artistas populares e artesãos baianos.

As imagens barrocas do patrimônio artístico e arquitetônico captadas por

Sílvio Robatto na cidade do Salvador expressam a convergência entre o tradicional e o hiper-moderno, entre o sagrado e o profano, entre o saber prático e o saber teórico neste momento de construção de antigos e novos territórios.

Tânia Fischer Reginaldo Souza Santos José Antonio Gomes de Pinho CIAGS/ EAUFBA/ NPGA

Sumário ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GESTÃO SOCIAL 33 A Equidade na Distribuição de Receitas Públicas:

Sumário

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GESTÃO SOCIAL

33

A

Equidade na Distribuição de Receitas Públicas:

Uma Análise dos Municípios do Estado da Bahia no Período de 1998 a 2006

34

A

Importância das Medidas Multidimensionais

de

Pobreza para a Administração Pública

35

A

Importância da Modelagem de Governança para

o Desenvolvimento da Rede Oncorio

36

A

Insuficiência do Poder Local para Planejar as

Pequenas e Médias Cidades

36

A

Qualidade da Água em Porto Alegre e seu

Significado Construído pelo Jornal Zero Hora

37

A

Responsabilidade pela Oferta de Qualificação

Profissional sob a Ótica de Gestores e de Empregados

38

As Limitações das Políticas de Habitação Portuguesas:

Reflexões sobre duas Experiências de Construção e Reabilitação de Bairros Sociais

39

Ação Administrativa e Gerenciamento na Nova Esfera Pública

40

Ação Coletiva e Políticas de Combate ao Tráfico Nacional e Transnacional de Crianças e Adolescentes para Fins Sexuais: A Iniciativa Brasileira em Rede e o Papel do PAIR

41

Acessibilidade Física no Espaço Público:

Atributo para o Desenvolvimento Local

42

Análise dos Impactos dos Investimentos de Recursos Públicos em Programas Sociais sobre Indicadores Sociais Brasileiros

42

Bases Teórico-Metodológicas da Administração Política

43

Capacitação, Socialização e Institucionalização do Conhecimento: Uma Análise do Processo de Aprendizagem Organizacional em Municípios

44

Capital Social como Interface: A Importância das Organizações do Terceiro Setor para o Programa de Saúde da Família no Recife

45

Complementaridade e Embeddedness entre Estado e Sociedade na Provisão da Política Nacional de Combate ao HIV/AIDS: Como manter a Sinergia em um Contexto de Descentralização?

45

Conflitos de Interesses e Poder nas Relações entre Estado, Administração Pública, Mercado e Sociedade:

Um Estudo sobre Organizações Burocráticas

46

Controle Social das Ações Públicas: Sisar – Ceará

47

Controle Social por meio de Ouvidorias:

Uma Verificação em Municípios Baianos

46

Controle Social da Administração Pública:

A Experiência do Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE)

48

Cultura Organizacional e Discursos: Um Caso de Mudança em uma Organização Pública Brasileira

49

Desafios e Dilemas das Parcerias Tri-Setoriais:

Discurso e Prática dos Atores a partir de Círculos

de

Ação e Reflexão

50

Descentralização Político-Administrativa:

O

Caso de uma Secretaria de Estado

51

Em Busca de Informações nas Câmaras

Municipais: Uma Análise do Controle Social Exercido por Grupos de Acompanhamento

do

Legislativo

52

Fatores de Risco Associados à Modalidade de Licitação por Pregão Eletrônico: Uma Abordagem pela Teoria dos Custos de Transação

52

Gestão Descentralizada do Turismo em Minas Gerais: O Caso do Circuito Turístico Parque Nacional da Serra do Cipó

53

Gestão da Informação em Universidades Públicas Paranaenses: Perspectiva Institucional de Análise

54

Gestão Metropolitana e Coordenação Intergovernamental: A Questão na Região Metropolitana de Maringá

55

Indústrias Criativas e Desenvolvimento Local:

A

Primeira Década do Século XXI do Mercado

Cultural e a Demanda por Redes Sociais no Brasil

56

Investigação sobre as Condições de Construção da Accountability em Portais Eletrônicos de Câmaras Municipais: Um Estudo de Caso em Santa Catarina

57

Marketing Público e Orientação para o Cliente-Cidadão: Reflexões acerca de um Tema

58

Modernização da Administração Pública Local:

Mudanças na Qualificação dos Servidores Públicos em Cargos de Confiança do Estado de Minas Gerais:

Ações, Tensões e Dificuldades

59

O

Expediente a Dimensão Esquecida da

Administração Política

60

O

Mapa de Bens Públicos: Um Instrumento

da

Avaliação de Valores e Resultados de Projetos Sociais

61

Olhar dos Conselheiros de Saúde sobre os Relatórios de Prestação de Contas no Município de Natal (RN)

O

61

O

Papel dos Governos no Setor de Microfinanças:

Uma Revisão da Literatura

62

O

Plano Diretor Municipal e Zoneamento

Ecológico-Econômico: Uma Análise frente às Demandas Sociais de uma Microrregião do Sul de Minas Gerais

63

Os Pressupostos para a Implementação do Novo Serviço Público e o Capital Social

64

Perfil das Empresas Participantes do Processo

de

Pregão Eletrônico em uma Instituição Pública

65

Pesquisas em Administração Pública e Análise

de

Discurso no Período de 1998 a 2008

66

Planejamento Estratégico Municipal: Avaliação Preliminar de Planos Diretores de Cidades da Zona da Mata Mineira

66

Poder Local e a Política de Ciência, Tecnologia e Inovação

67

Política Nacional de Saneamento como Forma de Promoção da Accountability

68

Práticas de Boa Governança Adotadas pelas

Empresas Públicas Federais Brasileiras do Setor

Prestação de Contas e o Processo Decisório no Conselho de Saúde de Natal: Uma Análise da

Percepção dos Conselheiros de Saúde às Informações

de

Natureza Econômico-Financeira

70

Qualidade e Formação como Fatores Importantes na

Reestruturação da Administração Pública Portuguesa:

O

Exemplo do Setor da Saúde

71

Tradicionalismo, Racionalidade e Urbanização:

Estudo de Caso sobre a Nomeação de Ruas em Viçosa-MG

72

Turismo e Desenvolvimento Local: Uma Análise Crítica do Polo de Turismo Cultural de Santa Teresa/RJ

73

Uma Análise do Processo Gestionário do Programa

de Aquisição de Alimentos (PAA): O Caso Rio Grande do Norte

74

A Racionalidade Substantiva em um ambiente de Gestão de TI de uma Instituição

Federal de Ensino Superior

75

COTIDIANO, PODER E CONFLITO

77

A

Acriticidade das Metáforas como

Legitimadoras Ideológicas no Contexto Epistemológico das Organizações

78

A

Força do Lugar: Atores Sociais do Turismo

Comunitário em Redonda – Icapuí – CE

79

Agricultores Familiares Assentados e Poder Público Local: Apontamentos sobre Relações Conflituosas

na

Zona da Mata Mineira

80

Apropriação do Saber: Reconsiderando as Práticas Comerciais de Caixeiros-Viajantes, Mascates e Tropeiros

80

A

Produção Social do Reajuste Tarifário do

Transporte Metropolitano de Passageiros de Porto Alegre na Crise de 2004

82

A Racionalidade por trás das Funções Ritualísticas:

Desvendando a Ilusória Irracionalidade do Mundo dos Negócios

82

Cidade e Empresa: Relações Interinstitucionais, Conflitos e Alianças

83

Conflito e Diálogo nas Práticas de Gestão Social

84

Dinâmica de Poder em Redes Interorganizacionais:

Uma Análise sob a Ótica dos Conceitos de Habitus, Campo e Capital de Pierre Bourdieu

84

Macbeth no País da Governança Corporativa

85

O Espaço dos Indesejáveis e Invisíveis:

A Circularidade da Representação de Estigma

em um Centro Comercial de Porto Alegre

86

O

Imaginário dos Mascates e Caixeiros Viajantes

na

Formação do Lugar, do Não-Lugar e do Entre-Lugar

87

Poder e Resistência no Terceiro Setor:

As Revelações de uma Análise Foucaultiana

88

Relações Familiares e de Gênero no Poder Local:

Herança Familiar e/ou Competências Individuais

89

Subvertendo o Desejo no Teatro das Organizações:

Problematizações Contemporâneas sobre o Desejo e a Expansão da Vida nas Relações de Trabalho

90

Superação da Sujeição: A Experiência com a Metodologia NEPSO

91

Trabalho Gerencial e Saúde: Uma Análise de Mulheres e Homens Gerentes no Setor Industrial e de Informática da Região Metropolitana de Belo Horizonte-MG

92

Uma Possibilidade Dialógica entre o Materialismo Histórico Dialético e a Microfísica do Poder: No Contexto

da

Escola Pública (Moderna ou Pós-Moderna?)

93

Estratégias e Articulações da Nação Xambá na Disputa pela Autonomia Organizativa do seu Quilombo

94

ECONOMIA MUNDIAL

95

Acontecimentos Produzidos pela Vitivinicultura na Fronteira Gaúcha

96

Autodeterminação Local e Desenvolvimento:

Um Ensaio sobre a Rearticulação Produtiva e a Promoção Econômica e Social de Territórios Distantes do Interesse Desenvolvimentista Nacional

97

Contribuições da Teoria Crítica para o Debate

do

Turismo como Vetor de Desenvolvimento Local

98

Economia Política da Crise do Capitalismo Central

98

Em Defesa de uma Política Nacional de Desenvolvimento Regional

99

Estimativa dos Determinantes do Rendimento do Trabalho no Setor da Carne-MT

100

Estratégia e Coerência Regional: Concepções para Análise da Dinâmica Social em Livramento (Br) e Rivera (Uy)

101

O

Ministério da Verdade é uma Abstração? Reflexões

e Relatos acerca da Cumplicidade da Mídia com o Processo de Empresarização do Mundo

102

Pobreza e Participação: Decifra-me ou te Devoro

102

Reestruturação Produtiva, Capitalismo Flexível e as Novas Relações de Poder nas Atuais Dinâmicas Sócio-Econômicas de Desenvolvimento dos Territórios

103

ECONOMIA PLURAL E SOLIDÁRIA

105

A

Inserção dos Catadores no Campo da

Indústria de Reciclagem: Uma Análise Comparada

 

de Duas Experiências de Redes de Economia Solidária

106

A Identidade pelo Avesso: A Economia Solidária

A Dinâmica do Grupo Minoritário: Uma Leitura

Psicossocial dos Empreendimentos da Economia Solidária

107

Análise do Capital Social por meio do Diagnóstico Rápido Participativo e Emancipador: O Caso das Mulheres Rendeiras de Petrolina-PE

108

Contribuições da Economia Solidária para o Desenvolvimento Regional Sustentável: O Caso da Incubadora ITECSOL da UNIJUÍ

109

Comércio Justo como Estratégia de Internacionalização de Pequenos Negócios: Empoderamento para as Rendeiras

da

Arte Renascença no Nordeste Pernambucano

110

Da Utopia Fourierista aos Princípios de Economia Solidária:

Interfaces entre o Passado e o Presente

111

De Porto Alegre a Porto Velho:

Um Estudo de Caso sobre a Rede de Economia Solidária Justa Trama

112

Economia Solidária e Políticas Públicas:

Uma Aproximação Possível, mas Desejável?

114

Economia Solidária, Poder Local e Desenvolvimento:

Uma Observação Centrada nas Práticas de EES no Vale do São Francisco

114

Gestão em Empreendimentos da Economia Solidária:

O

Modelo Singer de Autogestão

115

Incubação de Cooperativas Populares: Um Estudo de Multicaso no Bico do Papagaio/TO

115

Incubação de Empreendimento Econômicos Solidários e Perspectivas de Inserção no Mercado de Trabalho

116

Liderança Solidária Compartilhada:

Um Estudo de Casos Múltiplos no Campo da Economia Solidária

116

Movimento dos Focolares e a Economia de Comunhão:

Nova Economia, Novos Valores, Velhos Hábitos:

Que Futuro Podemos Imaginar para a Economia Solidária?

118

Sobre a Vivência da Solidariedade no Território:

A

Cooperativa Unidos do Muquém do Município de Carvalhos,

Minas Gerais

119

The Effectiveness of Microfinance in Reducing Poverty for the Core Poor

120

ENSINO E PESQUISA EM GESTAO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

123

A

Abordagem Territorial Para a Economia Solidária:

Um Desafio para os Processos de Gestão Social do Desenvolvimento

124

Aportes Freireanos: Reflexões Orientadoras para a Pesquisa

125

Educação e Igualdade Social: Falácia ou Possibilidade?

126

Mobilidade Acadêmica Internacional e Aprendizagem de Língua Estrangeira: Os Administradores Brasileiros

127

O

Potencial de uma Virada Paradigmática:

Metodologias não Convencionais na Formação do Gestor Social

128

Os Novos Aprendizes Organizacionais:

Aprendendo na Prática e em Comunidade

128

Revisando a Experiência Transdisciplinar de Residência Social na Formação em Gestão Social e Desenvolvimento através da Perspectiva da Aprendizagem Situada e Significativa

129

Sala em Cena: Jogos Teatrais na Formação do/a Gestor/a Social

130

Extension du domaine de la stratégie: Plaidoyer pour un agenda

de recherche critique

131

A consolidação dos Estudos Organizacionais como matéria de ensino:

campo fragmentado em múltiplos títulos e percursos nos Programas

GESTAO CULTURAL, CRIATIVIDADE E EMPREENDEDORISMO

133

A

Identitidade Artística do Empreendedor:

Ações Coletivas em Contextos Temporários

134

Artesanato: Tensão entre a Dimensão Cultural e a Econômica

135

Gestão-Criação: Processos Indissociáveis nas Práticas de um Teatro Baiano

135

Indústrias Criativas e Gestão Tecnológica: Uma Análise Teórica

136

Música e Contemporaneidade:

A

Organização da Produção Musical Soteropolitana

137

O

Fenômeno da Empresarização e a Busca por Alternativas na

Produção, Comercialização e Distribuição da Música no Brasil como

 

Formas de Resistência

138

Oportunidades de Negócios em Indústrias Criativas e o Empreendedorismo:

Uma Visão Prospectiva na Cidade de Fortaleza

138

que os Críticos têm a Contribuir para a Compreensão da Trajetória do Grupo Galpão?

O

139

Tradição Italiana e Modernidade no Contexto Local:

A

Organização da Festa da Polenta em Venda Nova do

Imigrante (ES/Brasil)

140

GESTÃO DE SEGURANCA PÚBLICA

143

A

Atuação das Unidades da Polícia Militar do

Paraná no Atendimento de Ocorrências Envolvendo Eventos Críticos

144

A

Rede Nacional de Altos Estudos em Segurança Pública-RENAESP:

Elementos para Orientar a Tomada de Decisão da Política Pública de Formação e Valorização Profissional

145

Desigualdade e Discriminação Racial na Justiça Penal Brasileira:

Negros e Brancos no Banco dos Réus

146

“De Frente pro Crime”: Cultura Organizacional e Socialização dos Peritos Ingressantes no Departamento de Criminalística do Instituto-Geral de Perícias do Rio Grande do Sul

146

Do Cárcere à Rua – O Percurso e o Método

147

“O Atuar Comunitário como Exemplo de Sedimentação da Democracia Participativa a partir do Conceito de Poder Local”

148

GESTÃO INTERNACIONAL

151

Diferenças entre First Movers e Late Movers na Capacitação para o Desenvolvimento de Produtos na Indústria Automobilística

152

Diferenças nos Papéis das Subsidiárias Brasileiras Inovadoras da Indústria Automobilística

154

Doa a Quem Doer: Compreendendo a Omissão como Estratégia no Gerenciamento de Pessoas em Processos de Integração Pós-Aquisição Internacional

152

Paradiplomacia e Integração Regional no Mercosul:

Uma Análise da Participação das Entidades Subnacionais no Foro Consultivo de Municípios, Estados Federados, Departamentos e Províncias do Mercosul

155

GESTÃO SOCIAL E PODERES

157

A

Estratégia de Articulação Intergovernamental

na

Implantação de Políticas Públicas Metropolitanas –

Construindo um Conceito e Evidenciando a Aplicação Prática

158

A Influência das Redes Sociais no Processo de

A

Motivação de Colaboradores Voluntários: Altruísmo e/ou Egoísmo?

160

Arranjos Produtivos Locais: Realidades e Perspectivas do Roteiro Seridó

161

Avaliação de Processos Decisórios Participativos no Polo Comercial Saara Situado na Cidade do Rio de Janeiro

162

Chico Xavier, Caridade e o Mundo de César:

Uberaba e o Modo de Gestão da Assistência Social Espírita

162

Consórcios em Áreas Metropolitanas?

163

Competitividade e Estratégias Intersetoriais:

Análise das Organizações do Turismo de Natureza (TN) da Região de Blumenau (SC)

164

Contribuições Conceituais e Metodológicas para a Avaliação de Processos e Práticas de Gestão Social a partir das Perspectivas da Policy Analysis e da Abordagem Social da Aprendizagem

165

Desenvolvimento Local no Agreste Pernambucano: Uma “Utopia Possível”

166

Economia Urbano-Regional:

Uma Resenha para Contextualizar o Debate

167

Elementos do Trabalho Voluntário:

Motivos e Expectativas Nna Pastoral da Criança

168

Fundações Comunitárias no Brasil: Perspectivas de Liderança em Processos de Desenvolvimento Sócio-Territorial

169

Gestão Territorial e Multiescalaridade na Descentralização Político-Administrativa de dois Estados do Sul do Brasil

170

Movimentos Sociais e Análise Organizacional:

Explorando Possibilidades a partir da Teoria de Frames e Oportunidades Políticas

170

O

Jogo Social e a Produção de Acontecimentos no Território:

O

Caso da Rede Arrozeiras do Sul

171

Organização Social do Território:

Planejamento Governamental no Brasil e a Persistência das Desigualdades Socioespaciais:

Desafios para uma Abordagem em Múltiplas Escalas

173

Práticas Associativas dos Fruticultores da Serra Gaúcha:

Entre a Racionalidade Instrumental e a Substantiva

174

Processos Decisórios Participativos nos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Sustentável que Integram o Projeto Managé na Região da Bacia do Rio Itabapoana – RJ

175

Rearticulação Social de uma Comunidade para Apropriação dos Espaços Públicos Urbanos em um Distrito de São Paulo

176

GESTÃO SOCIOAMBIENTAL

179

A

Geopolítica das Águas no Brasil

180

Apontamentos Iniciais sobre a Construção de Usinas Hidrelétricas e os Impactos sobre a População Ribeirinha

181

A

Socio-Environmental Development Programme

in

Action at Community Level in Brazilian Amazonia

182

A

Sustentabilidade em Ecovilas:

Desafios, Propostas e o Caso da Ecoovila 1 – ARCOO

183

A

Sustentabilidade na Lógica Percebida e Praticada

por Empresários Turísticos: Intenção e Realidade!

183

Desenvolvimento Sustentável e Modelos de Compreensão da Realidade Oriundos de Abordagens Organizacionais

184

Evidenciação de Termos Ambientais e Sociais em Relatórios da Administração de Empresas Familiares Brasileiras

185

Gestão Ambiental e Tecnologia mais Limpa:

Importância Percebida e Intenções de Envolvimento com a Gestão Social e Ambiental: Uma Análise Comparativa Junto a Estudantes de Curso de Administração

187

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: Instrumento de

Governança Ambiental Global em Prol da Sustentabilidade e

da

Adoção de Tecnologias mais Limpas no Brasil?

188

“Territórios da Sustentabilidade”:

Mosaicos de Áreas Protegidas como Ferramenta de Gestão e Desenvolvimento Territorial na Amazônia Brasileira

189

Vulnerabilidade Socioambiental e Justiça Ambiental:

Um Estudo da Comunidade Ilha de Deus, Recife, PE

190

IDENTIDADE E INTERCULTURALIDADE

193

O

Estrangeiro no Grupo: A Ponte e a Porta para a

Interação Intercultural

194

Cotidiano Intercultural:

Uma Proposta de Análise a partir da Teoria das Representações Sociais

195

O

Mundo do Trabalho por outro Olhos: A Visão dos Gays e das Lésbicas

196

Baianas de Acarajé de Salvador: Uma Identidade Perdida no Tempo?

196

A

Formação de Identidades Coletivas em Movimentos Sociais:

Uma Análise do Fórum Social Mundial

197

“Shoppingleu”: Uma Narrativa de Institucionalização da Identidade de um Espaço Informal

198

História da Gestão Comercial:

Um Resgate das Práticas Comerciais pelas Memórias de Mascates e Caixeiros-Viajantes de Minas Gerais

199

Interculturalidade: Fator Positivo ou Negativo para as Organizações?

200

As Relações de Trabalho da Zona da Mata Norte Pernambucana nas Narrativas do Cavalo Marinho:

Brincadeira ou Realidade?

201

Conexões entre Equipes Multiculturais na América Latina

202

A

Gestão e Preservação dos Bens Culturais como

uma Via Identitária e Emancipatória

203

Cultura Organizacional e Espaços de Sociabilidade Urbana:

O

Caso da Rua da Lama, Vitória (ES/Brasil)

205

Understanding Transculturality

203

Relação Indivíduo-Organização:

Possibilidades de (Re)Construção de Identidades

206

Uma Análise Comparada da Variável Cor/Raça em

uma Escola de Rede Pública e Privada do Município

de

Montes Claros/MG, a partir dos Dados do Censo Escolar

206

Comunicação e Interculturalidade em Times Virtuais Globais

207

Escola Infantil: Relações Interétnicas e a Construção de uma Identidade Positiva

208

A

Socialização e a Identidade de Mulheres Policiais

Militares de Minas Gerais

209

INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO

211

Competências Empreendedoras e Processos de Aprendizagem Empreendedora: Modelo Conceitual de Pesquisa

212

Sistema Local de Inovação em Economia Solidária:

Embrião de Processos de Desenvolvimento Territorial

213

Determinantes Internos e Externos à Capacidade Inovadora das Empresas de Serviços Portuguesas: Modelo Logit

214

Inovação em Busca do Desenvolvimento Sustentável:

Tecnologia Social para Criação de Área Marinha Protegida na Ilha de Itaparica

215

Institutional Entrepreneurism:

Analysis of a Case in the Brazilian Electricity Sector

215

Desafios aos Transformadores de Plástico da Bahia para Atender à Demanda da Ford

216

Microcrédito Produtivo nos Negócios Informais Urbanos:

Contribuições e Limites

217

Para Além dos Mitos do Desenvolvimento e das Tecnologias Sociais: Reflexões a partir do Programa Maria de Barro

218

Formação Cidadã por meio da Reciclagem de Resíduos Sólidos:

Uma Análise sobre um Projeto Social de Produção de Papel Artesanal

219

Desenhando Rede de Stakeholders a partir do Modelo de Rowley (1997): O Caso do Arranjo Produtivo Local de Confecções do Agreste Pernambucano

219

O

Jornal Boca de Rua: Análise de sua Organização e Práxis

220

Tecnologia Social e Tecnologia Convencional:

Uma Aproximação com a Paraeconomia de Guerreiro Ramos

221

A

Inovação Sustentável e a Dinamização do Sistema

Local do Agronegócio do Caju Cearense

222

PARTICIPAÇÃO, EMPODERAMENTO E SUBJETIVIDADE

223

Abordagem Cognitiva em Pontos de Inclusão Digital em Nove Territórios de Identidade: Revisão e Recorte Metodológico

224

Comunicação e Participação: Do Projeto Política Nacional à

1ª Conferência Estadual de Comunicação Social na Bahia -

Crítica e (Re) Significação do Conceito de Sociedade Civil a partir da Realidade Brasileira

226

Empoderamento de Mulheres Gerentes: Estudo em Empresas do Setor Bancário, Industrial e Informática de Belo Horizonte-MG

226

Estudo das Estruturas de Dominação Ideológica Inseridas em Contexto da Cultura Organizacional

227

O

Papel das Organizações que Atuam no Campo

Social na Efetivação dos Direitos Sociais:

 

O

Caso da Asmoconp como Representação deste Vínculo

228

O

“Rio da Vida Coletivo”:

Reflexões sobre Projetos Sociais como Facilitadores do Empoderamento

229

Organizações da Sociedade Civil como Grupos de Interesse

230

Participação Cidadã na Formulação da Política Pública do Esporte Catarinense

230

Percepções de Empregados da Irmandade do Divino Espírito Santo/Promenor sobre a Aprendizagem Individual no Contexto de Trabalho

231

Presença e Ação dos Supostos Intangíveis na Formulação de Políticas Públicas. O Valor da Opinião Pública

232

Produção Científica sobre Participação Cidadã na Administração Pública:

Uma Análise a Partir dos Artigos Publicados nos Principais Eventos e Revistas Nacionais de Administração (1997-2008)

233

Reconhecimento e Participação na Esfera Local:

Um Estudo sobre Cidades do Recôncavo Baiano

234

Riscos na Atuação de ONGS em Processos de Empoderamento de Mulheres

234

Subjetividade nos Estudos Organizacionais:

Um Novo Direito à Cidade: Políticas Públicas Integradas – Reflexões da Experiência com a Metodologia NEPSO em Mauá, ABC Paulista

236

Informação e Democracia Digital: Possibilidades de Participação nos Websites dos Deputados da Assembléia Legislativa do Estado da Bahia

237

RESPONSABILIDADE SOCIAL E TERRITÓRIOS

239

Inserção Profissional de Pessoas com Deficiência:

O

que Podemos Aprender com uma Experiência Portuguesa?

240

Diversidade Étnica e os Negros nas Organizações:

Um Estudo em Betim

241

Responsabilidade Social das Empresas:

Construção e Limitações do Discurso

241

REDUC – O Polo Petroquímico e sua Promessa de Desenvolvimento sob o Olhar da Comunidade

242

Perfil de Atuação dos Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente: Estudo de Casos Múltiplos com Conselhos que Participam de um Programa

de

Destinação de Recursos

243

Responsabilidade Social das Empresas e Territórios:

Um Incentivo Específico no Âmbito dos Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente

244

Percepções Sobre Sustentabilidade Na Rede Social Orkut

245

Voluntariado em uma Organização de Serviços:

Discussão da Experiência Papai Noel dos Correios De Ijuí/RS

245

Responsabilidade Social Empresarial:

Reflexões à Luz dos Estudos Críticos em Administração

246

TEMAS LIVRES

249

A Dimensão Incorporada (Embodied) dos Artefatos Organizacionais

250

A Construção do Capital Social em um Aglomerado

de Confecção: Proposição de um Modelo

251

Divulgação de Práticas de Governança Corporativa por Empresas Brasileiras Segundo Recomendações da Onu

252

Eclipse da Decisão: Em Busca de um Conceito Polissêmico

253

Impacto da Educação Continuada, Conhecimentos, Habilidades e Empregabilidade dos Contadores no Município de Recife – Pernambuco

254

Movimento Negro e Seppir: Cooptação e Lutas na Constituição dos Sentidos na Formulação de Políticas Públicas

255

O

Capitalismo e o Estado na Produção do Espaço

255

Quando o Desenvolvimento Turístico não Acontece:

O

Caso da Ilha de Itamaracá, Pernambuco - Brasil

256

(Re) Categorizando a Política e a Internet no Brasil:

Uma Investigação com um Grupo de Estudantes Universitários

257

Silêncio ou Omissão? Uma Análise Pós-Colonialista das Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil Selecionadas pela Revista Vocês/A-Exame

258

Sistema de Acompanhamento aos Estudantes – Experiência com Curso de Administração a Distância da UFSC

258

Uma Historiografia do Conceito de Sociedade Civil:

dos Clássicos aos Modernos

260

VALORES, CONSUMO E ESTILO DE VIDA

263

Acumulação Flexível, Branding e Hegemonia:

Análise da Regulamentação do Marketing pelo Código

de Defesa do Consumidor

265

A Relação Consumo Cidadania No Discurso Arendtiano

e o Lazer nas Cidades

265

Caracterizando a Cultura de Consumo na Abordagem

de

Autores Pós-Modernos

266

Consumo Sustentável e Cidadania Socioambiental no Contexto Brasileiro: Os Desafios do Meio Ambiente na Esfera Pública

267

Comportamento do Consumidor:

Da Revolução do Consumo à Pós-Modernidade

268

Corpos Consumidos: Cultura de Consumo Gay Carioca

269

Análise das Necessidades Humanas

267

Entre a Esperança e a Expectativa: O Desenvolvimento Visto a partir da Análise das Necessidades Humanas

270

O

Indivíduo Ético na Sociedade do Espetáculo

271

Oito Maneiras de Justificar Maus Comportamentos:

Um Estudo sobre Download de Músicas como Comportamento Desviante a as Técnicas de Neutralização Usadas pelo Consumidor

272

Racionalidade e Consumo da Cultura: O Caso do Bairro da Praia Grande

273

Responsabilidade Social X Decisão de Compra:

Clientes de Lojas de Departamentos de João Pessoa/PB

270

Salvador e o Boom Imobiliário: O Discurso dos “Condomínios Clube”

271

OFICINAS

277

O

Monitoramento da Lagoa dos Frades: uma experiência em parceria

278

Planejamento Municipal Participativo:

Concepções e Metodologias de Uma Experiência

279

Tensão e Equilíbrio para Aprendizagem na Gestão Social:

o contexto de um Projeto de Extensão em Desenvolvimento Institucional e Gestão

280

Contribuições do pensamento social brasileiro para

os estudos organizacionais e para a administração no contexto nacional

281

A Utilização dos Projetos de Mecanismos de

Desenvolvimento Limpo pelas Empresas Brasileiras

282

Oficina de Avaliação sobre Processos de Formação Universitária em Gestão Social

283

Relatório de Prestação de Contas em Saúde – Uma Proposta para sua Avaliação em Conselhos de Saúde

284

Redes Sociais e Sinergia: A Potencialidade da Analise de Redes Sociais para A Avaliação de Políticas Públicas

284

Os Excessos do Poder: Mapas Cognitivos da Agressão no Ambiente de Trabalho

285

A

Dança e a Liderança

285

Ensino de Gestão Social e Ambiental e Responsabilidade Social:

Diagnóstico e Perspectivas no Cenário Brasileiro

286

Administração Pública e Gestão Social

Administração Pública e Gestão Social

Administração Pública e Gestão Social
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Sessão Temática: Administração Pública e Gestão

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Sessão Temática:

Administração Pública e Gestão Social

A Equidade na Distribuição de Receitas Públicas: Uma Análise dos Municípios do Estado da Bahia no Período de 1998 a 2006

Augusto de Oliveira Monteiro | UNIFACS | augustomont@uol.com.br Neila Karolina Mendes Lira | UNIFACS | neilakarol@yahoo.com.br Elvia Mirian Cavalcanti Fadul | UNIFACS – UFBA | madm@unifacs.br

Resumo

O presente artigo procurou avaliar o grau de equidade na distribuição de receitas entre os municípios do Estado da Bahia e a efetividade de sua utilização no período de 1998 a 2006. Para tal, foi inicialmente analisada a distribuição e composição das receitas municipais e identificada a sua evolução. A demanda de serviços foi estimada de forma indireta com base na população de cada município. Em seguida, o grau de equidade foi analisado com base no cálculo da receita per capita de cada município. Por último, estimou-se o nível de efetividade dos serviços públicos ofertados mediante análise do Índice de Desenvolvimento Social (IDS) sendo efetuada uma análise de correlação entre a receita per capita e o IDS, visando avaliar a qualidade do gasto público mediante aproveitamento ou eventual desperdício dos recursos públicos à disposição dos municípios. Os resultados obtidos indicaram uma elevada disparidade de receitas entre os municípios, ancorada pela assimetria das transferências intergovernamentais, implicando em um nível muito baixo de equilíbrio na distribuição dos recursos públicos. Apontaram também um aproveitamento irregular das receitas públicas pelos municípios baianos.

34
34
Administração Pública e Gestão Social A Importância das Medidas Multidimensionais de Pobreza para a Administração

Administração Pública e Gestão Social

A Importância das Medidas Multidimensionais de Pobreza para a Administração Pública

Janaina Ottonelli | UFSM | janainaottonelli@gmail.com Solange R. Marin | UFSM | marin@smail.ufsm.br Melody Porsse | UFRGS | msporsse@hotmail.com

Resumo

Este artigo discute o conceito de pobreza em uma perspectiva multidimensional, inserindo-o nas temáticas de pesquisa do curso de Administração já que se relaciona com a área da Administração Pública,mais especificamente com políticas públicas. O objetivo principal é mostrar que as medidas multidimensionais de pobreza, resultado da noção complexa de pobreza, são importantes para a Administração Pública na medida em que apresentam diferentes características das pessoas pobres a serem atendidas por políticas públicas. Fundamentando-se conceitualmente na Abordagem das Capacitações de Sen (1985, 2000, 2001), o artigo apresenta as diversas acepções para a noção de pobreza e as diferentes medidas que delas se originam, enfatizando o conceito seniano de pobreza e as medidas multidimensionais de pobreza baseadas nesse conceito (seção 1). Além disso, relaciona a noção e as diferentes medidas da pobreza com a administração pública (seção 2).As considerações finais ressaltam que o conceito de pobreza e suas medidas podem influenciar o sucesso de uma política pública, visto a necessidade de conhecer não somente quem são as pessoas pobres, mas especialmente em quais dimensões de vida essas pessoas possuem maiores privações.

35
35
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos A Importância da Modelagem de Governança

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

A Importância da Modelagem de Governança para o Desenvolvimento

da Rede Oncorio

Fatima Mendes Carvalho | Universidade Estacio de Sá | fatimac@inca.gov.br Luciene Nascimento de Almeida | Universidade Estacio de Sá | cienenascimento@ibest.com.br Lamounier Erthal Villela - Universidade Estácio de Sá - EBAPE/FGV | lvillela@estacio.br

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a governança da Rede ONCORIO coordenada pelo Instituto Nacional do Câncer – INCA e integrante da Rede Câncer, que conta com a participação do Governo Federal, das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, de universidades, de serviços de saúde e centros de pesquisa, assim como de organizações não-governamentais e da sociedade civil. A integração desses diferentes parceiros promove o compartilhamento de conhecimento e recursos, com o objetivo de reduzir a incidência e a mortalidade

por câncer na população e garantir a qualidade de vida aos pacientes e familiares.

A

metodologia foi centrada em um estudo de caso, que focou a relação entre

os

aspectos teóricos e a consolidação da rede. Foram abordados: o processo de

institucionalização da Rede, à questão da contratualização, a legitimação pela força adquirida por atores isoladamente fracos, bem como as relações dialógicas

entre os membros da rede.

A Insuficiência do Poder Local para Planejar as Pequenas e Médias Cidades

Hermano José Batista de Carvalho | hermanocarvalho@terra.com.br

36
36

Resumo

Resumo Administração Pública e Gestão Social Uma pesquisa efetivada no Planejamento Estratégico da Região

Administração Pública e Gestão Social

Uma pesquisa efetivada no Planejamento Estratégico da Região Metropolitana

de

Fortaleza (CearáBrasil) despertou o interesse do autor no aprofundamento

do

tema, principalmente ao tomar conhecimento da disseminação do processo

em pequenas e médias cidades do interior do estado, em meados dos anos

noventa, motivada pelo Programa de Desenvolvimento Urbano (PROURB-CE),

financiado pelo Banco Mundial.A questão básica do estudo situava-se na ineficácia

da aplicação da metodologia de planejamento estratégico, a qual se propõe a

identificar, em um esforço conjunto da sociedade local, os projetos prioritários para o desenvolvimento da cidade, tendo em vista a insuficiência de recursos próprios das administrações públicas municipais para efetivar esses requerimentos, o que remete à dependência e à submissão políticas. Na pesquisa de campo foram utilizados os métodos quantitativo e qualitativo, sendo os questionários e as entrevistas aplicadas diretamente pelo autor junto a representantes das prefeituras das cidades escolhidas. Ao final, discute-se a inclusão de um Orçamento ao processo metodológico de planejamento, para contemplar as características das cidades estudadas, ao tempo em que se propõem questões a serem exploradas em futuros estudos.

A Qualidade da Água em Porto Alegre e seu Significado Construído pelo Jornal Zero Hora

Rafael Kruter Flores | UFRGS | rkflores@ea.ufrgs.br Percy Baptista Soares Neto | UNB | pbsn@terra.com.br

Resumo

O abastecimento de água para a população de Porto Alegre é realizado pelo

Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE), uma autarquia municipal.

O fenômeno das algas azuis ocorre no Lago que abastece a cidade devido ao

37
37
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos nível de poluição de suas águas,

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

nível de poluição de suas águas, combinado com a estiagem que tem acometido

a

cidade no verão. Este artigo analisa como a grande imprensa gaúcha noticia

e

produz o significado deste fenômeno. Após uma breve conceitualização da

Análise Crítica de Discurso (ACD), usada como instrumento metodológico, o contexto e a intertextualidade são expressos pelo DMAE e pelo significado de potabilidade da água normatizado em diferentes instâncias jurídicas. Finalmente, são analisadas matérias do jornal que tratam do tema a partir da ACD. Ao invés da complexidade e da profundidade com que deve ser tratada, a proliferação de

algas aparece como um fato cujas causas não merecem atenção, e a qualidade da água não é avaliada de acordo com as regras institucionalizadas. Essa omissão traz consigo não apenas a desinformação, mas também o desvirtuamento da informação. O DMAE, além de arcar com os custos reais de tratamento de uma água poluída, acaba por arcar também com os custos simbólicos ao ser apontado como responsável por fornecer aos porto-alegrenses uma água de má qualidade.

A Responsabilidade pela Oferta de Qualificação Profissional sob a Ótica de Gestores e de Empregados

Ernani de Souza Guimarães Júnior | UFLA – Universidade Federal de Lavras – Prefeitura | lavrasjunior@yahoo.com.br Elias Rodrigues de Oliveira - UFLA - Universidade Federal de Lavras | eliasdaeufla@gmail.com

Resumo

Este estudo aborda a questão da qualificação profissional,como um dos pilares sobre os quais se assenta a atual configuração do mundo do trabalho. Procura identificar

a percepção de gestores empresariais e empregados sobre a responsabilidade pela oferta de qualificação profissional no estado de Minas Gerais. Contou com uma amostra de 734 empregados e 14 gestores empresariais distribuídos pelas 10 regiões de planejamento do estado de Minas Gerais. Utilizou como instrumentos de coleta de dados questionários semi-estruturados de auto-preenchimento e

38
38
Administração Pública e Gestão Social entrevistas. Os dados foram analisados utilizando o software SPSS e

Administração Pública e Gestão Social

entrevistas. Os dados foram analisados utilizando o software SPSS e a análise de conteúdo. Os resultados apontaram que a maioria dos gestores empresariais

e dos empregados atribuem às empresas a maior responsabilidade pela oferta

de qualificação profissional. O Estado e os sindicatos/associações têm suas responsabilidades na oferta de qualificação profissional, quer como opção aos que não estão inseridos no mercado formal de trabalho, quer como apoio às empresas. Foi observada grande semelhança entre as repostas dos gestores empresariais e dos empregados.

As Limitações das Políticas de Habitação Portuguesas: Reflexões sobre duas Experiências de Construção e Reabilitação de Bairros Sociais

Raquel de Oliveira Barreto | CEPEAD/UFMG | admraquelf@hotmail.com Ana Paula Paes de Paula | CEPEAD/UFMG | appp.ufmg@gmail.com Felipe Carabetti Gontijo | CEPEAD/UFMG | felcarabetti@yahoo.com.br

Resumo

Recentemente o Estado português permanece atuando marginalmente no que se refere às políticas sociais. Partindo de uma perspectiva neoliberal e sob um discurso moderno de descentralização estatal e participação da sociedade civil, tem utilizado outros caminhos como o estabelecimento de parcerias com o setor

cooperativo. Frente à visibilidade alcançada por estas políticas recentes frente

à Comunidade Européia, bem como a aproximação que vem ocorrendo entre

Portugal e Brasil para troca de experiências neste campo, este trabalho tem como objetivo analisar como estas políticas portuguesas têm se desenvolvido e quais suas implicações para a população. Para isso, investigaram-se dois projetos de realocação de pessoas carentes em bairros sociais. A metodologia utilizada foi de caráter qualitativo, baseada em pesquisa documental, além de entrevistas e observações in loco. Os resultados apontam para políticas habitacionais bastante desarticuladas e, em consequência disso, pouco efetivas. Os casos estudados corroboram o argumento de que, apesar do discurso, o governo assumiu na

39
39
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos realidade uma posição de transferência das

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

realidade uma posição de transferência das responsabilidades para a sociedade civil por meio das cooperativas de habitação, e que a criação de bairros sociais acaba por contribuir para o aumento da estigmatização e do preconceito.

Ação Administrativa e Gerenciamento na Nova Esfera Pública Carolina Andion | ESAG/UDESC

Resumo

O objetivo desse ensaio teórico é explorar as particularidades do conceito de

ação administrativa e, mais especificamente, da ação gerencial na esfera pública

na atualidade. Para tanto, o caminho metodológico adotado segue as seguintes

etapas. Primeiramente, com base em Guerreiro Ramos (1966), concentramos na definição do conceito de ação administrativa, considerando a distinção feita pelo próprio autor entre a visão clássica e uma leitura mais abrangente que permite ampliar consideravelmente a compreensão do conceito. Em seguida, fazemos um recorte no conceito, focalizando no fenômeno que nos interessa analisar mais de

perto: a gerência, já que é por meio desta que a ação administrativa se concretiza. Buscamos então problematizar esse fenômeno, a partir da análise da trajetória do campo de estudos sobre desenvolvimento gerencial. Trata-se de mostrar a evolução e as mudanças ocorridas com a passagem dos estudos prescritivos

da ação administrativa em direção às teorias descritivas. Estas últimas buscam

entender a ação gerencial in loco, desmistificando a noção de ação administrativa clássica e permitindo uma maior compreensão da tensão característica de toda situação administrativa (e da própria natureza da gerência) entre racionalidade

instrumental e substancial, entre ética da responsabilidade e ética da convicção. Nas conclusões, são exploradas as passarelas abertas pela aplicação de teorias descritivas da gerência no campo da administração pública, mostrando que estas podem contribuir para uma compreensão mais profunda do papel dos gestores públicos e dos desafios que eles enfrentam na atualidade.

40
40
Administração Pública e Gestão Social Ação Coletiva e Políticas de Combate ao Tráfico Nacional e

Administração Pública e Gestão Social

Ação Coletiva e Políticas de Combate ao Tráfico Nacional e Transnacional de Crianças e Adolescentes para Fins Sexuais: A Iniciativa Brasileira em Rede e o Papel do PAIR.

Jalusa Silva de Arruda |PPGNEIM/UFBA | jalusa_arruda@yahoo.com.br

Resumo

O presente artigo trata do tráfico de crianças e adolescentes para fins de exploração sexual, fenômeno transnacional que se conforma numa complexa violação dos direitos humanos e a iniciativa do governo brasileiro em criar o Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento à Violência Sexual Infanto-Juvenil no Território Brasileiro (PAIR), política pública capaz de prevenir e enfrentar tal fenômeno dentro e fora das fronteiras, através da estratégia de atuação em rede. Para compreensão do tráfico de seres humanos (TSH) apresenta-se reflexão sobre como as trocas se viabilizam no mundo globalizado e como este cenário facilita esta situação criminosa. Trata-se, ainda, da proteção dos direitos humanos da infância no mundo e no Brasil e das transformações surgidas ao longo da história ocidental sobre a internacionalização desses direitos; sob o prisma da proteção dos direitos humanos da infância, traça-se a concepção adotada para a criação do PAIR e a inegável relevância (e influência) dos organismos internacionais neste processo. Por fim, aponta-se algumas reflexões quanto a atuação do PAIR em rede, que no dizer de Castells (1998) e Colonomos (1995) apud Milani e Laniado (2006), é a forma consagrada de organização dos transnacionalismos.

41
41
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Acessibilidade Física no Espaço Público: Atributo

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Acessibilidade Física no Espaço Público: Atributo para o Desenvolvimento Local

Zilsa Maria Pinto Santiago | Universidade Federal do Ceará| zilsa@ufc.br Nadja Gjheuca da Silva Dutra Montenegro | Universidade Federal do Ceará | nglheuca@hotmail.com

Resumo

O trabalho trata da apresentação da problemática da acessibilidade no espaço

público e nas edificações, tendo como base de apoio a realização de vistorias

técnicas sobre as condições de acessibilidade física de edificações públicas estaduais existentes, cujas construções, em sua maioria, ocorreram nas décadas de 1970 e 1980, quando as políticas voltadas para inclusão de pessoas com deficiência eram ainda muito incipiente. Este trabalho tem como objetivo apresentar algumas das ações que estão sendo realizadas pelo governo do Estado do Ceará no sentido de promover as condições de acessibilidade para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida nos espaços públicos, especialmente as edificações estaduais. Ao final da realização das vistorias são elaborados relatórios apresentando, além

do diagnóstico da situação atual, recomendações na área de projeto de arquitetura

que possam servir de apoio às discussões de projetos e reformas das edificações das várias instituições envolvidas no sentido de adequar para acessibilidade de pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.

Análise dos Impactos dos Investimentos de Recursos Públicos em Programas Sociais sobre Indicadores Sociais Brasileiros

Laís Atanaka Denúbila | Universidade Federal de Viçosa – UFV | laisatanaka@yahoo.com.br Marco Aurélio Marques Ferreira | Universidade Federal de Viçosa – UFV |

42
42
Administração Pública e Gestão Social marcoaurelio@ufv.br Doraliza Auxiliadora Abranches Monteiro |

Administração Pública e Gestão Social

marcoaurelio@ufv.br Doraliza Auxiliadora Abranches Monteiro | doraliza_monteiro@ufv.br

Resumo

O

presente estudo tem o propósito de analisar o impacto dos investimentos

do

Governo Federal em programas sociais sobre indicadores sociais brasileiros.

Para tal investigação, a orientação teórica abordada foi a multidimencionalidade

da pobreza, aspectos da desigualdade social e avaliação de programas sociais.

A metodologia utilizada foram as análises, fatorial e de clusters, visando o

agrupamento dos estados conforme a proximidade de seus indicadores sociais. Foram identificados 3 agrupamentos: (1) Estados com indicadores sociais bons, (2) Estados com indicadores sociais regulares, (3) Estados com indicadores sociais ruins. Os resultados demonstraram que o aumento do repasse social a partir de 2004 resultou na trajetória positiva dos vários indicadores na maioria dos estados. Todavia, essa evolução apresentou-se melhor para os estados que

já possuíam indicadores bons, e regular para os demais grupos de estados que demonstraram indicadores regulares e ruins em sua maioria. Conclui-se que o aumento do repasse ocasionou um impacto positivo na trajetória dos indicadores sociais para maioria dos estados, porém essa mudança foi melhor para os estados que já apresentavam indicadores bons.

Bases Teórico-Metodológicas da Administração Política

Reginaldo Souza Santos | Escola de Administração da UFBA | rsouza@ufba.br Elizabeth Matos Ribeiro | Escola de Administração da UFBA | ematos@ufba.br

Resumo

Os estudos no campo da Administração Política, até aqui, estavam avançando mais na direção da análise ou da história das idéias do que na explicitação das

43
43
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos definições, dos conceitos, dos enunciados. Essa

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

definições, dos conceitos, dos enunciados. Essa trajetória não fazia parte do plano de trabalho inicial, contudo, o estágio atual das discussões encontra-se antecedido de questionamentos acerca da validade de algumas proposições das análises que estão sendo feitas, e, com isso, impedindo avanços teóricos e analíticos sem a fundação de uma base teórico-metodológica pertinente. Sem dúvida, esta não é uma tarefa fácil, mais é necessário iniciá-la. É, então, com o propósito de ajudar na edificação da Administração Política como campo do conhecimento que resolvemos escrever inconclusas as bases teórico-metodológicas da Administração Política.

Capacitação, Socialização e Institucionalização do Conhecimento: Uma Análise do Processo de Aprendizagem Organizacional em Municípios

Maria Inês do Carmo | Universidade Federal de Viçosa | micarmo@ufv.br Adriel Rodrigues de Oliveira | Universidade Federal de Viçosa | aroli@ufv.br

Resumo

Visando descrever o processo de aprendizagem organizacional em municípios, a pesquisa buscou identificar em que medida ocorrem a capacitação de pessoas, a socialização e a institucionalização do conhecimento. As novas atribuições dos municípios e a Teoria da Aprendizagem Transformativa deram suporte ao estudo. Efetuou-se um levantamento com 50 secretários em seis municípios do Estado de Minas Gerais, considerados de alto desempenho, segundo o Índice Mineiro de Responsabilidade Social. Ao dimensionar a freqüência de ações voltadas à capacitação de recursos humanos, observou-se que a aprendizagem individual tem sido buscada com intensidade. No entanto, a socialização e a institucionalização do conhecimento foram dimensionadas em escala menor. A análise das informações sugere que o ambiente das prefeituras estudadas apresenta características próprias às organizações que aprendem, havendo espaço para a diversidade e a autonomia, embora o estudo tenha indicado também que existem diversos aspectos culturais que dificultam a aprendizagem.

44
44
Administração Pública e Gestão Social Capital Social como Interface: A Importância das Organizações do Terceiro

Administração Pública e Gestão Social

Capital Social como Interface: A Importância das Organizações do Terceiro Setor para o Programa de Saúde da Família no Recife

Marcos Aurelio Dornelas | PPGS/UFPE | madornelas@gmail.com

Resumo

Nesse trabalho analisamos a relação entre o Programa de Saúde da Família (PSF)

e as entidades da sociedade civil organizada. Nossos dados foram levantados no

ano de 2004, na cidade do Recife em seu Distrito Sanitário 1, área central da cidade. Acreditamos ser o capital social um importante instrumento na explicação das diferentes capacidades interativas dos atores sociais, com as entidades de apoio a saúde, essa importância é imperativa. Utilizamos a metodologia de redes sociais para, por meio da citação dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) remontar graficamente as relações das entidades civis que trabalham no apoio as ações de saúde no nível local. No sentido de aprofundar a análise, entrevistamos os representantes dessas entidades e os membros da Equipe de Saúde da Família.

Nossos dados permitem indicar que nas comunidades onde a relação entre PSF

e as organizações do terceiro setor são mais próximas, há mais participação da comunidade nos assuntos da saúde comunitária.

Complementaridade e Embeddedness entre Estado e Sociedade na Provisão da Política Nacional de Combate ao HIV/AIDS: Como manter a Sinergia em um Contexto de Descentralização?

Patricia Mendonça | FEI | pmendonca@fei.edu.br Luiz Claudio Marques Campos | EAESP-FGV | luizclaudiocampos@uol.com.br

Resumo

Este trabalho visa analisar quais os limites e possibilidades para a criação de sinergia (EVANS, 1997) na política pública de combate ao HIV/

45
45
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Aids, que conta com intensa participação

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Aids, que conta com intensa participação das chamadas “organizações não- governamentais” (ONG). O trabalho detalha algumas das divisões de trabalho

encontradas em diversas ações da política, analisa em que medida se pode verificar

a complementaridade e embeddedness (EVANS, 1997), e se esta combinação de

fato possui potencialidades para a realização de sinergia na medida em que a política é descentralizada. Observa-se a configuração de uma espécie de divisão

de trabalho não institucionalizada entre Estado (notadamente em âmbito federal)

e organizações da sociedade em diversas ações na provisão da política pública

em HIV/Aids, em especial junto às populações mais vulneráveis, evidenciando o aspecto complementaridade. O aspecto embeddedness é evidenciado pela abertura de canais institucionais de comunicação entre agentes públicos e grupos estigmatizados, com o reconhecimento de suas demandas. A divisão de

trabalho, que parecia ter contornos mais claros quando focada no âmbito federal, assume contornos incertos na medida em que estados e municípios se inserem e

o processo de descentralização se amplia.

Conflitos de Interesses e Poder nas Relações entre Estado, Administração Pública, Mercado e Sociedade: Um Estudo sobre Organizações Burocráticas

Vera Lúcia Peixoto Mendes | NPGA/UFBA | vmendes@ufba.br Márcia Gomes Duarte | NPGA/UFBA | marciaduart2004@yahoo.com.br

Resumo

Este trabalho tem por objetivo discutir sobre os conflitos de interesses e poder nas relações entre estado, administração pública, mercado e sociedade civil com fulcro no referencial teórico da burocracia, do Planejamento Estratégico Situacional (PES) e da abordagem do Novo Gerenciallismo. Foi realizado estudo empírico de natureza qualitativa, descritivo, em uma organização pública burocrática que concentra poder de polícia 1 . Os dados foras coletados em 31 municípios baianos em

1 O poder de polícia é a faculdade da administração pública de condicionar e restringir o uso e o gozo de bens.

46
46
Administração Pública e Gestão Social condição de Gestão Plena do Sistema de Saúde. Os resultados

Administração Pública e Gestão Social

condição de Gestão Plena do Sistema de Saúde. Os resultados revelam a natureza

burocrática da Vigilância Sanitária, a baixa adesão a pesquisa, o desconhecimento dos problemas sanitários e de saúde da população pelos Secretários de Saúde, que

o planejamento é baseado na capacidade da equipe e não nas metas pactuadas e

que, logo após assumirem a Gestão Plena, as equipes de VISA são transferidas

para outras atividades, ficando os municípios realizando apenas as ações de baixa

e média complexidade.

Controle Social das Ações Públicas: Sisar – Ceará

Peter Kevin Spink | FGV – EAESP | peter.spink@fgv.br

Resumo

O debate sobre transparência governamental e participação social na gestão da

coisa pública vem ganhando cada vez mais espaço na agenda política brasileira. As questões que emergem em torno da temática da accountability acabam incorporando não apenas o princípio da transparência dos atos governamentais, mas também estimulam o aumento da participação da sociedade na gestão dos negócios públicos como forma de aumentar a eficiência e legitimar as políticas públicas.

Refletir sobre experiências públicas que incorporam a temática da accountability é

o objetivo deste trabalho. Aqui discutimos a experiência do Sistema Integrado de

Saneamento Rural (SISAR) no estado de Ceará, que se iniciou a partir de uma estratégia de gestão participativa e, a partir das dificuldades encontradas, criou uma forma de federalismo associativa de base, ampliando e estendendo, em vez

de reduzindo, o escopo da participação e controle.

47
47
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Controle Social por meio de Ouvidorias:

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Controle Social por meio de Ouvidorias: Uma Verificação em Municípios Baianos

Ana Rita Silva Sacramento | NPGA/EAUFBA – Faculdade Anísio Teixeira | anasacramentos@bol.com.br Denise Ribeiro | NPGA/EAUFBA | deniserib@gmail.com

Resumo

O objetivo geral deste estudo é verificar como um dos instrumentos viabilizadores do controle social, as ouvidorias, está sendo utilizado por Municípios que se localizam no Estado da Bahia. Especificamente buscou-se identificar, mediante busca nos sites oficiais das prefeituras baianas, indicações quanto à sua instituição, para, em seguida, buscar conhecer, por meio de questionários enviados aos ouvidores destes Municípios e da análise das leis que porventura as criaram, como se configuram e funcionam tais ouvidorias. Para atingir tais objetivos, são apresentadas inicialmente, de acordo com a literatura que discute a Reforma do Estado e a Administração Pública Gerencial, reflexões sobre a importância dos mecanismos de controle social para a responsabilização dos gestores públicos, bem como aspectos da formação e do papel das ouvidorias neste novo contexto. O estudo conclui que, embora algum esforço já possa ser verificado neste sentido, esta “estratégia de escuta” ainda não funciona como efetivo instrumento de controle social no universo pesquisado.

Controle Social da Administração Pública: A Experiência do Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE)

Marco Antonio Carvalho Teixeira | FGV-SP | marco.teixeira@fgv.br

Resumo

O presente trabalho tem objetivo de analisar a implementação de formas de controle social da administração pública por meio das ações dos tribunais de

48
48
Administração Pública e Gestão Social contas no exercício de suas atividades como instituições superiores de

Administração Pública e Gestão Social

contas no exercício de suas atividades como instituições superiores de controle financeiro dos gastos públicos. As ações desencadeadas pelo Tribunal de Contas de Pernambuco serviram de base para este trabalho e demonstram o quanto um órgão, que via de regra atua de maneira isolada das organizações da sociedade civil, pode contribuir para a construção de uma perspectiva republicana e servir de canal para que cidadãos comuns, ou mesmo os mais organizados expressem suas preocupações no que se refere a alocação dos recursos públicos A criação de uma Escola de Contas Públicas, a implementação de uma Ouvidoria e outras iniciativas pedagógicas voltadas para o desenvolvimento de uma consciência cidadã acerca dos negócios públicos formam o conjunto de ações.

Cultura Organizacional e Discursos: Um Caso de Mudança em uma Organização Pública Brasileira

Lindomar Pinto da Silva | Universidade Federal da Bahia | lpsilva@sefaz.ba.gov.br Elvia Mirian Cavalcanti Fadul | UNIFACS – UFBA | madm@unifacs.br

Resumo

Este trabalho objetiva analisar o discurso organizacional da secretaria da Fazenda

do Estado da Bahia,como estratégia para a disseminação de novos valores culturais,

a partir do ano de 1995. Para isto, utilizou-se a análise de discurso conforme

a concepção de Fiorin (1997) baseada nos conceitos de figuras e temas para

compreender as ações e seus significados culturais. A discussão teórica baseou- se no conceito de cultura organizacional nas dimensões dos artefatos e valores culturais. A análise foi realizada nos documentos da organização, incluindo os projetos de modernização, planos de ação, relatórios de planejamento estratégico,

leis e decretos. Além disso, foram analisadas as edições do jornal oficial da organização no período de 1998 a 2006, e as notícias veiculadas na intranet a partir do ano de 2007 a 2008. Os resultados indicam que houve uma grande preocupação com o tema da cultura organizacional no início do processo de modernização. Indicam ainda um esforço na implementação de artefatos e figuras

49
49
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos que apontavam a necessidade de desenvolver

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

que apontavam a necessidade de desenvolver nos servidores desta secretaria novos valores organizacionais em busca de eficiência, eficácia e efetividade, trabalho em equipe, o mito da grande família, valorização do cliente e a meritocracia, usando recursos discursivos neste processo de mudança.

Desafios e Dilemas das Parcerias Tri-Setoriais: Discurso e Prática dos Atores a partir de Círculos de Ação e Reflexão

Carla Bronzo Ladeira Carneiro | Fundação João Pinheiro | carla.bronzo@fjp.mg.gov.br Armindo dos Santos de Sousa Teodósio | PUC Minas - EAESP / FGV | teodosio@pobox.com Márcia Cristina Gomes da Rocha | ENAP | marcia.rocha@enap.gov.br

Resumo

O artigo discute a construção das chamadas Parcerias Tri-Setoriais em três

projetos desenvolvidos no Brasil de diferentes áreas temáticas de intervenção

(acesso a água, educação básica e atuação de conselhos de direitos da criança e

do adolescente). Articulações colaborativas envolvendo simultaneamente atores

dos chamados três setores (Estado, sociedade civil e mercado) são práticas pouco estudadas no contexto brasileiro e mesmo internacional, visto que parcerias de caráter tri-setorial são pouco frequentes, apesar da proliferação de discursos de apoio às alianças entre governos e sociedade civil ou entre ONGs e empresas na

gestão social. Como estratégia de investigação, a pesquisa recorreu ao Cooperative Inquiry, método que pressupõe a ruptura de fronteiras entre sujeitos e objetos de análise, muitas das vezes constituídos por outros sujeitos vinculados à ação. Além

do

avanço na compreensão dos desafios da construção de parcerias tri-setoriais

na

realidade brasileira, o artigo também busca demonstrar a relevância para os

estudos em gestão social de métodos investigativos assentados no protagonismo dos sujeitos pesquisados, como forma de se caminhar na compreensão das práticas, discursos e dilemas vinculados à ação social em programas sociais.

50
50
Administração Pública e Gestão Social Descentralização Político-Administrativa: O Caso de uma Secretaria de Estado

Administração Pública e Gestão Social

Descentralização Político-Administrativa: O Caso de uma Secretaria de Estado

Erlaine Binotto | UFGD | e-binotto@uol.com.br Valdir Roque Dallabrida | Universidade do Contestado - UnC – UNIPLAC |

valdirroqued897@gmail.com

Elisabete Stradiotto Siqueira | UFERSA | betebop@uol.com.br Elaine Silva Ribeiro | UNIPLAC | elaine_ribeiro@yahoo.com.br

Resumo

Várias são as concepções de descentralização, dependendo dos aspectos analisados e a área do conhecimento. Dentre os principais argumentos que a justificam está a busca pela maior eficácia, a elevação da participação social, o exercício da democracia participativa na gestão pública e a ruptura com o autoritarismo e o clientelismo. No Brasil, avanços na descentralização político-administrativa após a Constituição de 1988 ocorrem através de várias experiências. O artigo objetiva é analisar a política administrativa adotada no Estado de Santa Catarina a partir de 2003,a fim de compreender seus aspectos de desconcentração e descentralização.É uma pesquisa descritiva de caráter qualitativo,focalizando a região de São Joaquim, tendo como principais instrumentos de coleta a pesquisa documental e entrevistas abertas. A análise do caso de Santa Catarina permite perceber as dificuldades em delimitar os limites entre descentralização e desconcentração, visto que parecem estabelecer entre si relações de interdependência. Contudo, assumindo a opção conceitual que a descentralização é um processo e a desconcentração é a primeira fase da descentralização, é possível admitir que o estado em questão, tem como ênfase de gestão o processo de desconcentração.

51
51
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Em Busca de Informações nas Câmaras

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Em Busca de Informações nas Câmaras Municipais: Uma Análise do Controle Social Exercido por Grupos de Acompanhamento do Legislativo

Felipe Barbosa Zani | EBAPE/FGV/RJ | zzambosa@yahoo.com.br

Resumo

Embora o poder legislativo goze de competências legais importantes para o jogo político, são incomuns as iniciativas voltadas ao seu controle social. Este estudo tem por objetivo analisar a prática de dois Grupos de Acompanhamento do Legislativo – GAL, instituições patrocinadas pela Igreja Católica cujo intento central é fiscalizar o processo legislativo para torná-lo mais representativo da sociedade. Para tanto, como exercício exploratório, parte arcabouço sustentado pela Teoria da Agência. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas além de pesquisa bibliográfica e documental acerca de dois grupos que desenvolvem suas atividades em municípios do Rio de Janeiro. A análise indica que a atuação dos GAL é mais forte no sentido da minoração da assimetria de informações que marca a relação legislativo-sociedade e que a prática do controle social, orientada por critérios basilares, forja mudanças na postura dos edis, mas não necessariamente na sua atuação em prol do interesse público. Observou-se também a diminuta relação existente entre as avaliações e informações transmitidas pelos Grupos à população e o desempenho eleitoral dos candidatos.

Fatores de Risco Associados à Modalidade de Licitação por Pregão Eletrônico: Uma Abordagem pela Teoria dos Custos de Transação

Evandro Rodrigues de Faria | Universidade Federal de Viçosa | evandro_farias@yahoo.com.br Lucas Maia dos Santos | Universidade Federal de Viçosa | admlucasmaia@hotmail.com Luiz Carlos de Souza Faria | Universidade Federal de Viçosa | luizcarlos21@gmail.com

52
52
Administração Pública e Gestão Social Resumo Foi instituído em 2002, na administração pública brasileira, o

Administração Pública e Gestão Social

Resumo

Foi instituído em 2002, na administração pública brasileira, o Pregão Eletrônico como forma de modernizar o processo de obtenção de produtos e serviços, proporcionando maior possibilidade de controle e transparência nos gastos públicos.Este estudo tem como objetivo,apontar os riscos existentes,nos processos licitatórios por Pregão Eletrônico, através de uma abordagem pelos princípios da teoria dos custos de transação: oportunismo, racionalidade limitada, freqüência, incerteza e especificidade dos ativos. Este trabalho constituiu-se em uma pesquisa descritiva, recorrendo técnicas de pesquisa bibliográfica, documental e pesquisa de campo, entrevistando 298 participantes de licitação da Universidade Federal de Viçosa. Constatou-se que tanto os aspectos de especificidade dos ativos quanto a racionalidade limitada não demonstraram alto risco para o órgão público, ao contrário, do oportunismo dos fornecedores e a incerteza do ambiente. Verificou- se preocupação dos fornecedores por manter freqüência nas transações, sendo fator positivo para o órgão público por causa da redução de custos transacionais. Desta maneira, este estudo possibilitou por meio da teoria dos custos de transação, identificar fatores que podem influenciar não somente nos custos,mas na qualidade das compras públicas.

Gestão Descentralizada do Turismo em Minas Gerais: O Caso do Circuito Turístico Parque Nacional da Serra do Cipó

Fernanda Cristina da Silva | Universidade Federal de Viçosa |

nandacristina2004@yahoo.com.br

Antônio Carlos Brunozi Júnior | Universidade Federal de Viçosa | acbrunozi@yahoo.com.br Ivy Silva Costa | Universidade Federal de Viçosa | ivysilvacosta@yahoo.com.br Walmer Faroni | Universidade Federal de Viçosa | w.faroni@ufv.br Afonso Augusto Teixeira de Freitas de Carvalho Lima | Universidade Federal de Viçosa | afonsoli@ufv.br

53
53
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Resumo O presente estudo objetivou analisar

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Resumo

O presente estudo objetivou analisar o modelo de gestão descentralizada do turismo em Minas Gerais,por meio da Política Pública de CircuitosTurísticos,na percepção de atores estratégicos. Para tal, tomou-se como base o caso do Circuito Turístico Parque Nacional da Serra do Cipó. Quanto aos fins, a pesquisa é exploratória e descritiva. Quanto aos meios de investigação é documental, bibliográfica e estudo de caso. A pesquisa foi realizada a partir de dados primários, coletados por meio da aplicação de questionários abertos, junto a sete atores envolvidos na gestão do turismo local (um em cada município integrante do Circuito), e secundários, coletados através da análise de documentos da SETUR e do Circuito, in loco e/ ou disponibilizados em sítios da Internet. Os resultados indicaram que, embora a atuação do Circuito seja reconhecida e valorizada por seus membros, este ainda carece de maiores recursos do Governo para a viabilização de novos projeto, uma vez que os recursos próprios dos Circuito são insuficientes para todas as demandas locais. Nesse sentido, ações integradas com os parceiros tornam-se fundamentais para o desenvolvimento do modelo de gestão descentralizada.

Gestão da Informação em Universidades Públicas Paranaenses:

Perspectiva Institucional de Análise

Cristiane Marques de Mello | FECILCAM e Faculdade Integrado de Campo Mourão | mellcris@gmail.com

Resumo

Constitui-se objetivo norteador do presente artigo, analisar, sob a perspectiva institucional, a gestão da informação em universidades públicas do Paraná. O sistema de informação é uma resposta organizacional e administrativa a imposições ambientais (LAUDON; LAUDON, 2004), imposições que podem levar as organizações a se tornarem homogêneas (DIMAGGIO; POWELL, 1991). Uma explicação em relação ao modo como as organizações lidam com seus ambientes em constante mudança, pode estar atrelada aos esquemas interpretativos dos

54
54
Administração Pública e Gestão Social gestores (HININGS; GREENWOOD, 1988). Neste estudo, optou-se por uma

Administração Pública e Gestão Social

gestores (HININGS; GREENWOOD, 1988). Neste estudo, optou-se por uma investigação predominantemente quantitativa, com amostragem intencional

e coleta de dados primários através de questionários estruturados submetidos

a chefes de departamentos, diretores, e coordenadores de cursos de duas

universidades estaduais e uma federal. Os resultados apontam para a idéia de que

a tecnologia e os sistemas de informação são principalmente adotados a fim de

agilizar os trabalhos de rotina e processos operacionais; inexistência de projetos para modernização administrativa e gestão da informação. Existe uma tendência ao isomorfismo institucional nas organizações públicas de ensino superior, e

no que se refere à gestão da informação, o isomorfismo mimético parece ser o predominante nesses ambientes.

Gestão Metropolitana e Coordenação Intergovernamental: A Questão na Região Metropolitana de Maringá

William Antonio Borges | EAESP/FGV | borgeswa@yahoo.com.br Marta Ferreira Santos Farah | EAESP/FGV | marta.Farah@fgv.br

Resumo

Pesquisadores como Azevedo, Guia, Moura, Farah, Gouveia, Abrucio, e também gestores públicos tem alcançado um significativo consenso de que é preciso superar o “exacerbado” municipalismo legado pela Constituição brasileira de 1988, para que se possa avançar na construção de arranjos metropolitanos. Esse trabalho se insere no contexto de tal debate com o objetivo de compreender como a questão da gestão metropolitana se apresenta na Região Metropolitana de Maringá (RMM), no Paraná. Para tanto, a pesquisa ocupou-se da análise de documentos dos principais atores que integram os arranjos institucionais e entrevistas com o Coordenador e o Assessor de Imprensa da Coordenadoria Metropolitana de Maringá (COMEM). Como resultado, constatou-se que, até o

momento, a Gestão via os Conselhos, deliberativo e consultivo, ou via a história

da COMEM está inscrita no limbo a que foi relegada a questão metropolitana no

55
55
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Brasil. Nesse sentido, os conselhos gestores

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Brasil. Nesse sentido, os conselhos gestores da RMM se encontram inoperantes

e a Coordenadoria vem se ocupando do exercício de planejamento liderado pelo governo do estado do Paraná, sobre um recorte macrorregional, deslocado da problemática metropolitana, para a qual a COMEM fora criada.

Indústrias Criativas e Desenvolvimento Local: A Primeira Década do Século XXI do Mercado Cultural e a Demanda por Redes Sociais no Brasil

Gustavo Melo Silva | Universidade Federal de Viçosa – UFV | gustavomelo@ufv.br Jorge Alexandre Barbosa Neves | Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG | jorgeaneves@gmail.com

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal analisar as atividades econômicas relacionadas com a cultura em municípios brasileiros, que atualmente são denominadas como indústrias criativas. O mercado cultural, a estrutura da administração púbica brasileira, o orçamento do governo federal e a realidade da administração municipal são analisados neste trabalho com dados de estudos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). O referencial teórico utilizado é composto por

estudos internacionais sobre indústrias criativas e da relação entre redes sociais

e atividades econômicas. A experiência mundial de estímulo socioeconômico

às indústrias criativas mostra que estas atividades estão imersas em redes sociais, que desenvolvem e operacionalizam as políticas públicas culturais de desenvolvimento econômico local. Por um lado, o mercado cultural e os recursos orçamentários da União na última década foram crescentes, por outro lado, a estrutura da administração pública municipal não acompanhou este crescimento. As atividades econômicas relacionadas à cultura brasileira indicam a necessidade de redes sociais, que associem o poder público, a iniciativa privada e a sociedade civil organizada.

56
56
Administração Pública e Gestão Social Investigação sobre as Condições de Construção da Accountability em

Administração Pública e Gestão Social

Investigação sobre as Condições de Construção da Accountability em Portais Eletrônicos de Câmaras Municipais: Um Estudo de Caso em Santa Catarina

Fabiano Maury Raupp | UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina | fabianoraupp@hotmail.com José Antonio Gomes de Pinho | CIAGS/NPGA/UFBA - Universidade Federal da Bahia| jagp@ufba.br

Resumo

O portal eletrônico é considerado uma tecnologia capaz de possibilitar condições

para a construção da accountability dos atos públicos. Contudo, a confirmação da utilização do portal eletrônico com este propósito carece de pesquisas empíricas, particularmente em relação às Câmaras Municipais, haja vista que a literatura apresenta pesquisas com o Executivo. Objetivou-se, portanto, investigar as condições de construção da accountability nos portais eletrônicos de Câmaras Municipais. Para tanto, foram observados 17 portais de Câmaras Municipais do

Estado de Santa Catarina, cujos municípios possuem mais de 50.000 habitantes.

A construção do modelo de análise levou em consideração indicadores de baixa,

média e alta capacidade para a prestação de contas, transparência e busca da participação/interação com o cidadão, sendo essas as dimensões da accountability observadas.A maioria das constatações remete a uma média capacidade dos portais eletrônicos em promover condições para o processo de prestação de contas. Já em relação a transparência dos atos públicos, há uma propensão de alta capacidade dos portais em promovê-la. No tocante à participação/interação dos cidadãos com o ente analisado, o que se percebe é uma baixa capacidade dos portais.

57
57
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Marketing Público e Orientação para o

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Marketing Público e Orientação para o Cliente-Cidadão: Reflexões acerca de um Tema

Patrícia Aparecida Ferreira | Universidade Federal de Lavras | pattty82@yahoo.com.br Cléria Donizete da Silva Lourenço | UNIFAL – UFLA | clerialourenco@yahoo.com.br Sabrina Soares da Silva | Universidade Federal de Alfenas/UFLA | sabrinasosil@yahoo.com.br

Resumo

Após um período de predominância dos modelos patrimonialista e burocrático, a gestão pública brasileira experimenta o modelo gerencial. Um dos fundamentos deste modelo é a melhoria na prestação de serviços públicos que deveria ser norteada pelo princípio da eficiência e orientada para o cliente-cidadão. Percebe- se, portanto, que sob esse enfoque, o marketing pode ser visto como um campo de conhecimento de muito valor. Contudo, uma breve revisão na literatura da área, evidencia que tal conhecimento não tem sido utilizado pelas organizações públicas. Uma das possíveis justificativas para esse fato pode ser encontrada na literatura de marketing que, ao privilegiar o estudo das organizações privadas, acaba por negligenciar a abrangência do conceito de marketing. Representando um esforço de superação nesse sentido, este estudo tem por objetivo discutir sobre a importância do marketing público para a efetivação da estratégia de orientação para o cliente-cidadão. Isto é feito em forma de ensaio, por meio de levantamento bibliográfico de caráter analítico e descritivo. Como resultado da discussão, é apresentada uma agenda de pesquisa que os estudiosos da administração pública poderiam adotar.

Modernização da Administração Pública Local: Audiências Públicas Eletrônicas

Ricardo Hermany | UNISC | hermany@unisc.br Diogo Frantz | UNISC | frantzdiogo27@yahoo.com.br

58
58
Administração Pública e Gestão Social Resumo Objetiva-se apresentar uma abordagem a respeito de novos modelos

Administração Pública e Gestão Social

Resumo

Objetiva-se apresentar uma abordagem a respeito de novos modelos de administração pública, tendo como destaque as audiências públicas eletrônicas. Diante do progresso em nível de comunicação propiciado pela globalização, a internet se tornou uma ferramenta fundamental na construção de novas formas administrativas, possibilitando a interação entre os atores sociais e o Estado. Assim a administração pública deverá criar canais eletrônicos de comunicação e participação entre suas prerrogativas administrativas e os cidadãos. Sendo assim, é nessa via que o presente ensaio pretende desenvolver sua temática, deixando de lado as posturas administrativas tradicionais, e propondo novas formas de gestão. Para tanto, as audiências públicas necessitam de modelos de gestão inovadores para que os gestores urbanos tratem das mudanças que a sociedade exige. Dessa forma, a informação se torna um recurso estratégico cada vez mais importante para a gestão pública participativa.

Mudanças na Qualificação dos Servidores Públicos em Cargos de Confiança do Estado de Minas Gerais: Ações, Tensões e Dificuldades

Joel de Lima Pereira Castro Junior | UFF - Univ. Federal Fluminense | joelpcastro@uol.com.br Elias Rodrigues de Oliveira | UFLA – Universidade Federal de Lavras | eliasdaeufla@gmail.com Ana Alice Vilas Boas | UFLA | ana.alice@dae.ufla.br Neusa Maria de Sousa | UFMG | neusa.costa@planejamento.mg.gov.br

Resumo

Este artigo se propõe a discutir como processos de mudança na qualificação de servidores públicos no governo do Estado de Minas Gerais que poderão assumir cargos de confiança. As ações que buscam a qualificação desses servidores e, portanto, a implantação de sistema de meritocracia visa minimizar os efeitos danosos resultantes de práticas históricas cartoriais, patrimonialistas e clientelistas

59
59
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos ao serviço público nacional. Desta forma

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

ao serviço público nacional. Desta forma objetiva-se assim compreender as dificuldades enfrentadas com vista a solucionar as mesmas visando a melhoria da qualidade do serviço público como um todo. O caso estudado foi dos servidores na Carrera de Especialista em Políticas Públicas e Gestão da Secretaria de Estado e Planejamento e gestão do Estado de Minas Gerais. Os dados coletados sugerem que deve-se procurar adaptar o serviço público ao contexto atual, bem como continuar promovendo o seu rápido desenvolvimento, a fim de que produza nos servidores os resultados desejados: sua motivação e comprometimento com o trabalho, em função do esperado crescimento e consolidação dos objetivos a que se propõe o tão comentado “Choque de Gestão” do Estado de Minas Gerais.

O Expediente a Dimensão Esquecida da Administração Política

Reginaldo Souza Santos | Escola de Administração da UFBA | rsouza@ufba.br Elizabeth Matos Ribeiro | Escola de Administração da UFBA | ematos@ufba.br Maria da Graça Pitiá Barreto | Escola de Administração da UFBA | grapitia@ufba.br Eduardo Fausto Barreto | Escola de Administração da UFBA | eduardofausto@hotmail.com

Resumo

Este ensaio, tratando do expediente que se refere ao contrato de trabalho com o Estado, tem dois propósitos: entender melhor, a partir do desempenho do servidor, as razões que explicam a baixa produtividade do trabalho, quando contratado pelo Estado, para realizar a produção de bens ou a produção de serviços de interesse coletivo. Com essa análise, pretende-se completar os elementos fundamentais que compõem o conteúdo do Projeto de Nação.

60
60
Administração Pública e Gestão Social O Mapa de Bens Públicos: Um Instrumento da Avaliação de

Administração Pública e Gestão Social

O Mapa de Bens Públicos: Um Instrumento da Avaliação de Valores e

Resultados de Projetos Sociais

Eloisa Helena de Souza Cabral | UNA – BH | ptmuzy@uol.com.br Paulo de Tarso Muzy | Cepam Fundação Prefeito Faria Lima – SP | pauloartenciomuzy@hotmail.com

Resumo

O propósito desta comunicação é oferecer um referencial de avaliação dos bens públicos produzidos e valores reproduzidos pela gestão social de projetos e iniciativas efetivados por organizações sociais. A gestão social sugere argumentos de superação da dicotomia Fato/Valor que se apresenta como um dilema na escolha do objeto da avaliação. Consideramos a natureza intermediária do espaço público onde se desenvolvem as iniciativas sociais, os públicos constituintes dos projetos e a relevância da vinculação entre fatos e valores sociais como conceitos fundamentais associados à peculiaridade da gestão dos projetos das organizações sociais. Apresentamos resultados obtidos na avaliação de um projeto de apoio a jovens em risco social, na cidade de Belo Horizonte, MG, como exemplo da aplicação da metodologia de elaboração de um mapa de bens públicos que explicita o compartilhamento dos valores e é um instrumento também da avaliação do impacto e da economicidade dos projetos.

O Olhar dos Conselheiros de Saúde sobre os Relatórios de Prestação de

Contas no Município de Natal (RN)

Andrea de Oliveira Gonçalves | PPGA/UnB-FUP | andreagon@unb.br Rodrigo de Souza Gonçalves | PMIIRPGCC (UnB/UFPB/UFRN) | rgoncalves@unb.br Adilson de Lima Tavares | PMIIRPGCC (UnB/UFPB/UFRN) | adilson.tavares@uol.com.br

61
61
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Resumo Se os conselhos forem analisados

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Resumo

Se os conselhos forem analisados enquanto organização que combina recursos

e procura deliberadamente realizar um conjunto de objetivos (MAXIMIANO,

2000), a avaliação de sua eficácia, e não de sua efetividade, estará centrada na capacidade de realização de objetivos definidos pelos seus membros. No Brasil a partir da Lei 8142/90,os conselhos de saúde passaram a deliberar assuntos ligados à saúde, tornando-se essa prática uma constante. O artigo analisa (RICHARDSON et al, 1999; GODOY, 1995) os resultados de pesquisa qualitativa realizada sobre o desempenho do Conselho Municipal de Saúde de Natal – CMS frente às informações de natureza econômico-financeira prestadas pela Secretaria Municipal de Saúde - SMS. Os resultados apontaram que os conselheiros têm

um baixo grau de compreensão sobre as informações de natureza econômico- financeiras, dado que ocorre uma evidenciação incompleta por parte da SMS ao

CMS, o que implica no fato deste não ter a oportunidade de estabelecer maiores inferências sobre a eficiência da destinação dos recursos. Desta forma, aumenta

a dificuldade do exercício de controle por parte dos conselheiros, uma vez que a

informação de modo sintético impossibilita dentre outras inferências o confronto entre o que foi previsto no orçamento e o que foi efetivamente realizado.

O Papel dos Governos no Setor de Microfinanças: Uma Revisão da Literatura

Daniel Bruno Garcia | Fundação Getúlio Vargas | garciadmp@yahoo.com.br

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo discutir as formas de atuação governamental

em programas, públicos ou privados, de microfinanças.Tais iniciativas são serviços financeiros oferecidos a pessoas excluídas do sistema financeiro tradicional. Cumprem o objetivo de ser uma ferramenta de alívio à pobreza, mas, como propiciam o acesso, a ampliação e a acumulação – embora que restrita – de

62
62
Administração Pública e Gestão Social capital, apresentam potencialidades como indutoras do desenvolvimento local. A

Administração Pública e Gestão Social

capital, apresentam potencialidades como indutoras do desenvolvimento local.

A literatura especializada avança quanto às formas de mensurar o seu impacto,

principalmente em renda. Também há expressivos registros sobre as tecnologias e discussões sobre a eficiência e a sustentabilidade das instituições de microfinanças (IMFs). No entanto, ainda há uma lacuna sobre a sistematização de informações acerca da atuação governamental no setor de microfinanças. Vale ressaltar que a literatura credita ao setor estatal a responsabilidade de expansão desse setor. O texto que se segue, por meio de revisão da literatura, visa direcionar-se, de maneira

introdutória, a essa lacuna.

O Plano Diretor Municipal e Zoneamento Ecológico-Econômico: Uma Análise frente às Demandas Sociais de uma Microrregião do Sul de Minas Gerais

Elias Rodrigues de Oliveira - UFLA - Universidade Federal de Lavras | eliasdaeufla@gmail.com Ana Alice Vilas Boas – UFLA | ana.alice@ufla.br Renato Luis Pinto Miranda - UFBA - Universidade Federal da Bahia | renatoluispm@hotmail.com

Resumo

Esse trabalho aborda a questão do desenvolvimento urbano municipal, no que tange ao processo de elaboração do Plano Diretor e os debates que o antecedem. Tem como objetivo analisar a situação do município sob uma perspectiva regional

na identificação de problemas e potencialidades; e as diretrizes de desenvolvimento contempladas no Plano Diretor. Sob esse entendimento, estudou-se o debate intermunicipal corrente numa microrregião integrante da região entorno do Lago de Furnas (ALAGO), no sul de Minas Gerais. Numa perspectiva qualitativa de pesquisa com caráter analítico-descritivo, procurou-se levantar, por meio de

63
63
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos análise de relatórios e atas de

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

análise de relatórios e atas de reuniões realizadas quando da elaboração do Plano Diretor nos municípios pesquisados, a integração e convergência dos mesmos na definição de problemas e potencialidades, locais e microrregionais. Foram estudados os municípios de Aguanil, Campo Belo, Cana Verde, Cristais, Lavras, Perdões e Ribeirão Vermelho, integrantes da microrregião IX da ALAGO Procurou-se ainda confrontar algumas variáveis encontradas com os indicadores utilizados pelo Zoneamento Ecológico-Econômico do estado de Minas Gerais, sugerindo-se a sua utilização como fonte de informação para debates participativos em políticas públicas de desenvolvimento.

Os Pressupostos para a Implementação do Novo Serviço Público e o Capital Social

José Francisco Salm | DINTER/UFBA - ESAG-UDESC | jfsalm@uol.com.br Maria Ester Menegasso | UDESC/ESAG | menester@uol.com.br

Resumo

Este ensaio tem como objetivo identificar e discutir os pressupostos ou condições apropriadas que facilitam a implementação do modelo do novo serviço público enquanto modelo heurístico de administração pública. Argumenta-se que esses pressupostos são semelhantes às dimensões do capital social que se constituem,assim, em condição adequada para a implementação do novo serviço público.No ensaio,são discutidos, brevemente, os modelos de administração pública como estratégias em ação para a produção ou coprodução dos serviços públicos. Também são discutidas as premissas do modelo do novo serviço público e as dimensões do capital social como pressupostos para a implementação do novo serviço público. Evidencia-se, no ensaio, que o novo serviço público só pode ser praticado pelos membros de uma comunidade que se articula politicamente. A principal referência teórica é a teoria da delimitação dos sistemas sociais e as propostas sobre o novo serviço público. Já

64
64
Administração Pública e Gestão Social os principais conceitos utilizados são: a participação na comunidade, a

Administração Pública e Gestão Social

os principais conceitos utilizados são: a participação na comunidade, a cidadania, o interesse público, a confiança, a colaboração e a coprodução do bem público. As considerações finais levantam a indagação sobre as estratégias e a metodologia para o desenvolvimento e o fomento do capital social como condição para a implementação do novo serviço público.

Perfil das Empresas Participantes do Processo de Pregão Eletrônico em uma Instituição Pública

Evandro Rodrigues de Faria | Universidade Federal de Viçosa | evandro_farias@yahoo.com.br Lucas Maia dos Santos | Universidade Federal de Viçosa | admlucasmaia@hotmail.com Luiz Carlos de Souza Faria | Universidade Federal de Viçosa | luizcarlos21@gmail.com

Resumo

Esta pesquisa teve objetivo traçar um perfil dos licitantes por Pregão Eletrônico da Universidade Federal de Viçosa e pela descrição de suas características, analisar possíveis impactos ocasionados pela ampliação do escopo de fornecedores. Para isso, foi realizada uma pesquisa exploratória e descritiva, com abordagem quantitativa, em que foram aplicados 298 questionários em empresas que participaram de licitações na UFV no ano de 2008. Foram realizadas análises de freqüência, análises descritivas e teste de correlação linear de Pearson no intuito de explorar as relações entre as variáveis pertinentes. Após a análise dos resultados, observa-se que o Pregão Eletrônico proporcionou a participação de empresas de todo o País, ampliando o escopo de oferta, como previsto em vários estudos. Quanto à experiência, a maioria das empresas licitantes possui mais de 5 anos, o que demonstra grau de maturidade e consolidação de mercado. Dentre os pontos negativos, destacam-se a baixa participação de empresas localizadas no município de Viçosa e na região, além de grande concentração de empresas vencedoras presentes nas capitais, em detrimento às do interior.

65
65
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Pesquisas em Administração Pública e Análise

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Pesquisas em Administração Pública e Análise de Discurso no Período de 1998 a 2008

Lindomar Pinto da Silva | Universidade Federal da Bahia – Fac. A. Teixeira | lpsilva@sefaz.ba.gov.br Elvia Mirian Cavalcanti Fadul | UNIFACS – UFBA | madm@unifacs.br

Resumo

Este trabalho objetiva demonstrar o uso da metodologia análise de discurso para análise de dados nas pesquisas realizadas dentro da área de Administração Pública. O referencial teórico utilizado baseou-se nas teorias de discurso e sua análise, utilizando tanto a abordagem da ciência da linguagem, como o discurso organizacional. Os dados foram colhidos do período de 1998 a 2008, nos principais periódicos da área de administração e eventos da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração – ANPAD. O processo de levantamento dos dados consistiu em verificar nas bases de dados, textos que contivessem em seu conteúdo as expressões Análise de Discurso, discurso Organizacional ou Discurso. Apenas 13 trabalhos publicados neste período utilizaram esta metodologia para análise de fenômenos organizacionais no setor público. Os resultados indicam que diferentemente do que vem ocorrendo em outras áreas da administração no Brasil e no exterior, a área de administração pública não tem se apropriado deste instrumento de análise para as suas pesquisas. Indicam também que há um campo aberto para que a análise de discurso seja utilizada como instrumento importante para a produção de conhecimento dentro desta área que demanda análises mais subjetivas em seus estudos.

Planejamento Estratégico Municipal: Avaliação Preliminar de Planos Diretores de Cidades da Zona da Mata Mineira

Mariana Luísa da Costa Lage | Universidade Federal de Viçosa | mariana.lage@ufv.br Adriel Rodrigues de Oliveira | Universidade Federal de Viçosa | aroli@ufv.br

66
66
Administração Pública e Gestão Social Resumo Esse trabalho aborda a política urbana no que concerne

Administração Pública e Gestão Social

Resumo

Esse trabalho aborda a política urbana no que concerne o Plano Diretor no contexto do planejamento estratégico. Tem por objetivo avaliar a situação em que se encontram os planos de seis cidades da Zona da Mata Mineira: Juiz de Fora, Leopoldina, Ponte Nova, Viçosa, Visconde do Rio Branco e Ubá. Buscou-se avaliar o nível de participação popular, se houve impactos positivos e/ou negativos da implementação e por fim, se houve descontinuidade de execução e atualização da lei. Realizou-se a análise dos planos de cada cidade e depois uma entrevista semi-estruturada com representantes locais para conhecer a realidade de cada município. Conclui-se dessa pesquisa que o Plano Diretor não é usado como uma ferramenta estratégica, sendo muitas vezes esquecido pela Administração Pública;

a participação popular, o nível de conhecimento da população sobre o tema e

a implementação é baixo; os pontos positivos são reconhecidos e os negativos inexistentes; e a atualização acontece da forma exigida em lei.

Poder Local e a Política de Ciência, Tecnologia e Inovação

Adelaide Maria Coelho Baêta | UNIVERSIDADE FUMEC | adelaide@task.com.br Ivan Beck Ckagnazaroff | UFMG | ivanbeck@face.ufmg.br Flavia Maria Coelho Baeta-Lara | IBMEC MG | FlaviaMCBL@ibmecmg.br

Resumo

Neste trabalho buscamos refletir sobre o sistema científico em transformação e as políticas de Ciência Tecnologia e Inovação. Em que medida o conceito de Nova Produção do Conhecimento, criado por Gibbons et al. 1994 ou MODO 2 (Hessels

e Lente: 2008) é útil para explicar as mudanças que ocorrem na prática científica? Quais são as principais questões quando estamos interessados na transformação do sistema científico? Pode-se constatar na formulação da política de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil o esforço de aproximação do setor produtor de

67
67
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos ciência (Universidades e Centros de Pesquisa)

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

ciência (Universidades e Centros de Pesquisa) com o setor empresarial, todavia ainda são incipientes os estímulos à construção interativa do conhecimento no contexto de sua aplicação. A tese defendida aqui é que o MODO 2 pode ser de utilidade para a nossa realidade desde que esteja acompanhada de referenciais que permitam um enriquecimento em termos analíticos e de capacidade de proposição para as realidades em que se pretende atuar, neste caso as realidades locais.

Política Nacional de Saneamento como Forma de Promoção da Accountability

Emiliana Debetir | UDESC | emilianadebetir@yahoo.com.br Kelli Cristina Dacól | EMASA | kellidacol@hotmail.com

Resumo

O presente artigo tem como objetivo estabelecer uma relação entre as políticas de saneamento básico e o conceito de accountability, bem como descrever os instrumentos de accountability identificados na Política Nacional de Saneamento, Lei Federal n° 11.445, de 2007. Será abordada a importância desta Lei para a implementação dos planos municipais de saneamento e para a promoção da accountability. A abordagem é qualitativa, com uso dos procedimentos de pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e estudo de caso. O foco do trabalho consiste em elucidar como a Política Nacional de Saneamento pode contribuir para garantir mais transparência, maior controle das ações públicas e, principalmente a responsabilização dos agentes públicos quanto às políticas públicas de saneamento. Para ilustrar a abordagem teórica apresenta-se o Plano de Saneamento Ambiental da cidade de Alagoinhas, estado da Bahia, desenvolvido a partir de 2003, que têm em seu bojo princípios democráticos, que caracterizam a utilização dos instrumentos de accountability no âmbito municipal.

68
68
Administração Pública e Gestão Social Práticas de Boa Governança Adotadas pelas Empresas Públicas Federais

Administração Pública e Gestão Social

Práticas de Boa Governança Adotadas pelas Empresas Públicas Federais Brasileiras do Setor de Agronegócio

Marcelle Colares Oliveira | Universidade de Fortaleza/UNIFOR – UFCE | marcellecolares@unifor.br Vera Maria Rodrigues Ponte | Universidade Federal do Ceará | vponte@fortalnet.com.br Marcia Martins Mendes De Luca | Universidade Federal do Ceará | marcia@mmconsultoria.srv.br Maria do Socorro Barbosa Guedes | Embrapa | bguedes10@yahoo.com.br

Resumo

A governança no setor público é tema recente nos países da América Latina,

originando-se nos países ocidentais, onde a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD) realizou estudos comprovando que a forma de gestão da res publica proporcionava o desenvolvimento daqueles países e fundamenta-se nos princípios da liderança, do compromisso, da responsabilização

(accountability), da transparência e da integridade. O estudo objetiva identificar as práticas de boa governança adotadas pelas empresas públicas federais brasileiras vinculadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (M.A.P.A.).

A pesquisa é exploratória, de natureza qualitativa, delineada como pesquisa

bibliográfica e documental.Buscou-se,nos relatórios de gestão,nos códigos de ética,

nos estatutos sociais, nos balanços patrimoniais e nas demonstrações contábeis, a evidenciação de práticas de boa governança na Conab, na Embrapa, no Inmet, na Ceagesp, na Casemg e na CeasaMinas. Concluiu-se que as empresas objeto do estudo evidenciam as práticas de boa governança, embasadas nas dimensões de padrões de comportamento, estruturas e processos, controle e relatório, definidas pela International Federation of Accountants IFAC, com base nos princípios de transparência, integridade e responsabilização.

69
69
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Prestação de Contas e o Processo

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Prestação de Contas e o Processo Decisório no Conselho de Saúde de Natal:

Uma Análise da Percepção dos Conselheiros de Saúde às Informações de Natureza Econômico-Financeira

Rodrigo de Souza Gonçalves | PMIIRPGCC (UnB/UFPB/UFRN) | rgoncalves@unb.br Adilson de Lima Tavares | PMIIRPGCC (UnB/UFPB/UFRN) | adilson.tavares@uol.com.br José Dionísio Gomes da Silva | PMIIRPGCC (UnB/UFPB/UFRN) | dionisio@ufrnet.br

Resumo

Este trabalho tem por fim avaliar a percepção dos conselheiros de saúde de Natal frente às informações de natureza econômico-financeira prestadas pela Secretaria Municipal de Saúde no processo de tomada de decisão. Seu foco principal repousa sobre o comportamento do usuário diante daquelas informações, aspecto este pouco explorado pelos pesquisadores na área contábil. Para atingir o objetivo, foram utilizados três recursos: a) análise dos relatórios de prestação de contas dos exercícios sociais de 2007 e 2008; b) aplicação de questionário, a fim de avaliar a importância dada pelos conselheiros às informações disponibilizadas; e c) entrevista com simulações do processo de prestação de contas, buscando avaliar a reação dos conselheiros às informações prestadas. Os resultados do estudo evidenciam a necessidade de melhoria nos relatórios de prestação de contas elaborados pela SMS, bem como a necessidade de capacitação dos conselheiros em assuntos relacionados à prestação de contas, a fim de que possam, efetivamente, controlar a execução orçamentária dos recursos destinados à saúde pública. Por fim, percebe-se que os participantes da pesquisa tendem a reagir de forma proativa às informações de natureza econômico-financeira, a partir de suas experiências, buscando as razões que conduziram à aplicação dos recursos destinados à saúde.

70
70
Administração Pública e Gestão Social Qualidade e Formação como Fatores Importantes na Reestruturação da

Administração Pública e Gestão Social

Qualidade e Formação como Fatores Importantes na Reestruturação da Administração Pública Portuguesa: O Exemplo do Setor da Saúde

Noemi Alice Oliveira Bonina Costa | Escola Superior de Altos Estudos – ISMT | noemi_alice@yahoo.com.br Jofrina Zinaenda Patrício | Escola Superior de Altos Estudos – ISMT | jofrina@sapo.pt Clara Cruz Santos | Instituto Superior Miguel Torga | claracruzsantos@gmail.com Danielle Jacon Ayres Pinto | Universidade do Estado de Minas Gerais |

djap2222@yahoo.com

Resumo

As mudanças propostas pelo governo português através da elaboração de um

projeto específico de reestruturação para a administração pública, reflete o novo olhar que o governo lançava sobre a necessidade de contenção dos gastos públicos em prol da sustentabilidade do Estado, através da promoção da mudança baseada nas componentes qualidade e formação de pessoal como elementos importantes ao processo. Foi utilizado o setor da saúde para exemplificar as alterações propostas que, muito embora sejam demonstradas aqui através de um recorte que remete a este setor, abrangeu toda a estrutura da administração pública. As propostas idealizadas e realizadas por Portugal e submetidas à aprovação da Comissão Européia foram baseadas em estudos técnicos que procuraram fazer o desenho de toda estrutura e propor as alterações estruturais de forma

a diminuir a despesa pública, aumentar os níveis de excelência na prestação do

serviço público, garantir a qualidade, promover formação contínua ao quadro de pessoal, promover a sustentabilidade do Estado e, consequentemente, promover

o desenvolvimento social.

71
71
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Tradicionalismo, Racionalidade e Urbanização: Estudo de

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Tradicionalismo, Racionalidade e Urbanização: Estudo de Caso sobre a Nomeação de Ruas em Viçosa-MG

Fernanda Henrique Cupertino Alcântara | Depto de Economia Rural – UFV | falcantara@ufv.br André Luis Gomes | DED/UFV | andre.l.gomes@ufv.br Emmanuel Kennedy da Costa Teixeira | DEA/UFV | emmanuelkennedy@hotmail.com

Resumo

O presente trabalho discute a relação entre personalismo, clientelismo,

patrimonialismo, advindos da herança ibérica, e gerencialismo, tendo como foco a urbanização e, mais especificamente, a nomeação de ruas na cidade de Viçosa- MG, objetivando compreender em que medida essa atividade administrativa pode ser classificada como ação política relativa a tradição personalista e patrimonialista ou uma ação administrativa condizente com os preceitos que orientam o Direito Urbanístico. Metodologicamente, utilizou-se para levantamento dos dados a

técnica de verificação in loco e a entrevista. Os resultados evidenciaram a existência de concentração de nomeação de ruas em períodos eleitorais, quando nomeadas, as ruas não possuíam equipamentos públicos ou esses não eram adequados e, por fim, uma relação entre a presença de equipamentos públicos e o tempo decorrido da nomeação. Logo, conclui-se a existência de alguns elementos da herança ibérica

que orienta/condiciona a relação público versus privado no que tange à ocupação

do solo na cidade de Viçosa-MG.

72
72
Administração Pública e Gestão Social Turismo e Desenvolvimento Local: Uma Análise Crítica do Polo de

Administração Pública e Gestão Social

Turismo e Desenvolvimento Local: Uma Análise Crítica do Polo de Turismo Cultural de Santa Teresa/RJ

Rejane Prevot Nascimento | UNIGRANRIO | rejaneprevot@uol.com.br Mancildo Moreira Filho | UNIGRANRIO | mancildo@globo.com Lidia Micaela Segre | UNIGRANRIO | micaela@ms.microlink.com.br

Resumo

Este artigo se propõe analisar criticamente os impactos da atividade turística sobre

o desenvolvimento local, a partir do estudo da formação do Pólo de Turismo do

bairro de Santa Teresa no Rio de Janeiro. No referencial teórico que dá sustentação

à análise são abordados os temas referentes à idéia de território como espaço de

desenvolvimento, aglomerações produtivas, turismo e desenvolvimento local. A metodologia utilizada na pesquisa englobou a utilização de pesquisa de campo, com coleta de dados por meio de observação direta e entrevistas semi-estruturadas. Foram entrevistados os atores locais envolvidos com o aglomerado: empresários, moradores, representantes de associações do bairro, do poder público e de ONGs.

A análise desenvolvida possibilitou a constatação de que, embora os atores locais identifiquem o papel do aglomerado turístico e as potencialidades do território para

o desenvolvimento local, alguns aspectos relacionados à atuação do aglomerado,

tais como a cooperação entre os empresários, a integração dos diferentes atores do

bairro e a busca por um desenvolvimento sustentável encontram-se em um grau muito incipiente, pouco incidindo sobre o desenvolvimento econômico e social do bairro.

73
73
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Uma Análise do Processo Gestionário do

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Uma Análise do Processo Gestionário do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA): O Caso Rio Grande do Norte

Richard Medeiros de Araújo | PPGA/UFRN | richardmaraujo@uol.com.br Jomária Mata de Lima Alloufa | PPGA-UFRN | jalloufa@yahoo.com.br Antonio Gil da Costa Junior | PPGA/UFRN | antonio.gil@gmail.com Alba de Oliveira Barbosa | PPGA/UFRN | albabarbosa@hotmail.com

Resumo

Este artigo analisa a gestão do Programa de Aquisição de Alimentos do Executivo Federal no estado do RN. Através de uma revisão teórica sobre avaliação de políticas públicas suportada pelos modelos de Draibe (2001), Faria (2006) e Arretche (2006), optou-se pela avaliação do programa sobre a perspectiva do processo gestionário do PAA que já se encontra em operação há 6 anos no estado. Metodologicamente adotou-se uma pesquisa descritiva e um estudo de caso, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com os técnicos e gestores responsáveis pela execução do programa, bem como foram realizadas observações não participantes. As questões do instrumento foram suportadas pelo modelo teórico de Draibe (2001), sendo os dados tratados através da análise de conteúdo. Observou-se na categoria subsistema decisório e comunicação muitas fragilidades em face da utilização precária da ferramenta planejamento. Verificou-se também que as ações do programa não são tão diretivas, mas sim concentradas em determinadas regiões do Estado. Pontua-se que na categoria subsistema operacional e logístico as ações não são guiadas por informações fidedignas e exatas, causando assim em alguns momentos ineficiência na busca de mais beneficiários. Conclui-se que deve haver um realinhamento nas práticas de gestão do programa pelo Executivo no Rio Grande do Norte.

74
74
Administração Pública e Gestão Social A Racionalidade Substantiva em um ambiente de Gestão de TI

Administração Pública e Gestão Social

A Racionalidade Substantiva em um ambiente de Gestão de TI de uma Instituição Federal de Ensino Superior

Nadja Medeiros Justino da Silva | UFPE - MPANE |nadja@ufpe.br Denilson Bezerra Marques |UFPE - MPANE | marquesdenilson@yahoo.com.br

Resumo

Este trabalho tem como objeto analisar a racionalidade substantiva em um ambiente de gestão de TI de uma IFES na visão de seus diretores do período de 2000 a 2009. A abordagem teórica adotada tomou como base os conceitos do fato administrativo e da ação administrativa, temas desenvolvidos pelo sociólogo Alberto Guerreiro Ramos, abrangendo a concepção de um sistema administrativo em equilíbrio dinâmico, associada ao reconhecimento de uma categoria de totalidade, com seus elementos constitutivos dispostos em diferentes camadas e em contínua inter-relação, interagindo com o ambiente externo reciprocamente, transformando, a partir desse contexto e através de ações administrativas, seus recursos e investimentos nos objetivos propostos, mas sem perder de vista o bem- estar dos indivíduos. A metodologia aplicada teve uma perspectiva qualitativa. Quanto aos fins a pesquisa foi exploratória e descritiva e quanto aos meios foi trabalhada como um estudo de caso, apresentando como delimitação o período de 2000 a 2009 que destaca a reestruturação do NTI. Evento que propôs mudanças em sua estrutura organizacional com vistas a realinhar estratégias para atender com eficácia às demandas de TI da UFPE, ao mesmo tempo em que se propunha a aproximar as instâncias gerenciais do quadro técnico profissional, através da redistribuição dos serviços e dos técnicos de TI em projetos.

75
75
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local 76 Caderno de Resumos

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

76
76

Caderno de Resumos

Cotidiano Poder e Conflito

Cotidiano Poder e Conflito

Cotidiano Poder e Conflito
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Sessão Temática: Cotidiano Poder e Conflito

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Sessão Temática: Cotidiano Poder e Conflito

A Acriticidade das Metáforas como Legitimadoras Ideológicas no Contexto Epistemológico das Organizações

Antonio Gil da Costa Junior | Universidade Federal do Rio Grande do Norte | qualidade@gmail.com Miguel Eduardo Moreno Añez | Universidade Federal do Rio Grande do Norte |

anez1957@yahoo.com.br

Resumo

As metáforas têm sido utilizadas de maneira constante e usual na teoria das organizações,de forma a abordar a complexidade das situações e teorias no pretexto de torná-las compreensíveis. É um recurso lingüístico que dá vida a uma imagem, entretanto seus pressupostos raramente são explicitados e com freqüência não são apreciados,ocorrendoporconseqüênciaqueateorizaçãosedesenvolvesobrebasesnão questionadas.Este ensaio tem como propósito contextualizar epistemologicamente as metáforas na teoria das organizações, arguindo-se que a sua utilização ou aceitação acrítica pode ser a aquiescência e legitimação de um discurso ideológico e corrompido.Conclui-se que o papel prescritivo das metáforas deve ser combalido por meio de uma postura crítica, principalmente nos cursos de graduação em Administração. Os graduandos não devem receber uma metáfora apenas como uma receita: devem questioná-la; entendê-la; e criticá-la. Nesse sentido o papel do docente é fundamental como instigador, levantando o debate e discussão em torno da metáfora estudada.

78
78
Cotidiano, Poder e Conflito A Força do Lugar: Atores Sociais do Turismo Comunitário em Redonda

Cotidiano, Poder e Conflito

A Força do Lugar: Atores Sociais do Turismo Comunitário em Redonda – Icapuí – CE

Carlos Rerisson Rocha da Costa | rerissoncosta@yahoo.com.br Eudes André Leopoldo de Souza | eudesleopoldos@gmail.com Luzia Neide Menezes Teixeira Coriolano | luzianeidecoriolano@gmail.com

Resumo

Este trabalho objetiva analisar as manifestações da força do lugar em Redonda, comunidade marítima localizada em Icapuí, um dos municípios litorâneos do Estado do Ceará, evidenciando os atores sociais relacionados ao turismo comunitário, como sujeitos produtores e promotores de contra-racionalidades. A

análise se amplifica por uma análise dialética baseada no materialismo histórico,

o que permite visualizar as entrelinhas e tendências do fenômeno, através da

apreensão dos embates entre as forças, da essência dos pares dialéticos imbricados

e dinâmicos. Constata-se que a intensificação dessa atividade na comunidade

consubstanciou-se em uma série de alterações na dinâmica social do lugar, sendo destacadas as mudanças nos costumes e hábitos da comunidade. Verifica-se que grupos e lideranças da comunidade ainda se organizam na luta por um turismo comunitário que não se restrinja a pequenos empreendimentos de propriedade de moradores da comunidade, mas que edifique possibilidades de existência para além das racionalidades dominantes, expressando a força do lugar e construindo cotidianamente contra-racionalidades pautadas no respeito à alteridade e de um outro mundo possível.

79
79
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos Agricultores Familiares Assentados e Poder Público

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

Agricultores Familiares Assentados e Poder Público Local: Apontamentos sobre Relações Conflituosas na Zona da Mata Mineira

Márcia Eliana Martins | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | marcicinha@yahoo.com.br Palloma Rosa Ferreira | Universidade Federal de Viçosa | pallomarf@yahoo.com.br Roseni Aparecida de Moura | Universidade Federal de Viçosa | roseamoura@yahoo.com.br Marcelo Miná Dias | Universidade Federal de Viçosa | minad@ufv.br

Resumo

O artigo discorre (utilizando-se de parte da literatura) sobre a relação sociedade

civil – representada pelos assentados do Projeto de Assentamento (PA) Olga Benário – e Estado – representado por membros do poder municipal de Visconde do Rio Branco-MG. Tem foco na forma como esses grupos de atores sociais se articulam e interagem em busca de novas soluções para velhos problemas, com o

objetivo de alcançar o tão aclamado desenvolvimento rural. Para tanto, recorreu-

se a uma pesquisa exploratória, abordando dois pontos de vista distintos: por

um lado, a visão dos assentados do PA Olga Benário e por outro, membros do

poder municipal da cidade supracitada, propondo-se então a discutir: Como esta relação pode resultar em ações práticas que favoreçam a ambos? Em que medida

as mudanças ocorridas no âmbito estatal favorecem a participação da sociedade

na discussão, elaboração e implementação de projetos que visem melhoria de suas condições de vida?

Apropriação do Saber: Reconsiderando as Práticas Comerciais de Caixeiros- Viajantes, Mascates e Tropeiros

Amon Narciso de Barros | Universidade Federal de Minas Gerais | amonbarros@gmail.com

80
80
Cotidiano, Poder e Conflito Rafaela Costa Cruz | Universidade Federal de Minas Gerais | correiodarafaela@yahoo.com.br

Cotidiano, Poder e Conflito

Rafaela Costa Cruz | Universidade Federal de Minas Gerais | correiodarafaela@yahoo.com.br Wescley Silva Xavier | Universidade Federal de Minas Gerais | wescleysxavier@yahoo.com.br Gusttavo César Oliveira Lima | Universidade Federal de Minas Gerais | gusttavocesarlima@bol.com.br

Resumo

O conhecimento/saber do pequeno comerciante ou do comerciante individual

está entre as várias questões “esquecidas” pelo saber técnico-científico empregado e/ou gerado na administração ou é considerado de pouca importância e comumente desprezado. O desprezo pelo conhecimento construído pelos pequenos comerciantes passa por uma imputação de desrazão ao saber que não é chancelado por consultores ou pelas escolas de negócios. As práticas desses

comerciantes, sob a perspectiva da racionalidade econômica e utilitarista, estariam superadas e poderiam ser consideradas ineficientes na alocação “ótima”de recursos. Entendeu-se como válido questionar se não faz parte das teorias gerenciais a apropriação de um saber que já estava disseminado pelo corpo social, como “saber prático”. Com esta questão em mente levou-se a cabo uma pesquisa em Minas Gerais com comerciantes, especialmente os viajantes, que exerceram ou exercem suas atividades de meados do século XX até os tempos atuais. Dessa maneira,

foi traçado o que se julgou ser uma perspectiva coerente de como os saberes de

mascates, caixeiros-viajantes e tropeiros foram incorporados pela academia de administração.

81
81
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos A Produção Social do Reajuste Tarifário

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

A Produção Social do Reajuste Tarifário do Transporte Metropolitano de

Passageiros de Porto Alegre na Crise de 2004

Duarte de Souza Rosa Filho | Universidade Federal do Espírito Santo | duartesrf@gmail.com

Resumo

Para compreender a utilização de recursos de poder no processo de reajuste das tarifas dos serviços de transportes coletivos de passageiros da Região Metropolitana de Porto Alegre, na situação de crise de 2004, o presente artigo recorre à teoria da produção social de Matus (1996a e 1997). O processo ocasionou fatos políticos e sociais, com dimensões econômico-sociais, ideológico-culturais, cognitivas, jurídico-sociais e ecológico-espaciais. Tendo em vista que unicamente atores sociais podem produzir eventos sociais (MATUS, 1996b) são analisadas as características dos atores sociais presentes na produção social do reajuste das tarifas. É analisado, também, o uso dos recursos de poder por parte dos atores sociais para compreender seu processo de acumulação ou desacumulação nesses contextos de crise. Em seguida, é descrito o processo de produção do reajuste tarifário e são analisadas as atividades realizadas pelos organismos do aparato de Estado e pelos demais atores sociais envolvidos. São apresentadas conclusões finais sobre a utilização de recursos de poder por parte dos atores sociais envolvidos neste processo de produção social.

A Racionalidade por trás das Funções Ritualísticas: Desvendando a Ilusória

Irracionalidade do Mundo dos Negócios

Rafael Diogo Pereira | CEPEAD-UFMG | rdp@ufmg.br Daniel Calbino Pinheiro | CEPEAD/UFMG | dcalbino@yahoo.com.br Reynaldo Maia Muniz | CEPEAD/UFMG | reynaldo@cepead.face.ufmg.br

82
82

Resumo

Resumo Cotidiano, Poder e Conflito Partindo da percepção de que nas organizações existem diversas ações, políticas

Cotidiano, Poder e Conflito

Partindo da percepção de que nas organizações existem diversas ações, políticas e condutas que, ao menos aparentemente, podem ser interpretadas como irracionais,

o presente artigo teve por objetivo discutir qual seria a lógica por trás de tais atos. Neste sentido, se abarcou as contribuições teóricas oferecidas pela Teoria da Ação de Parsons, juntamente com a teoria Institucional e Neo-Institucional. Além disso, foi realizada uma breve discussão acerca dos conceitos de Racionalidade Instrumental e Substantiva. A partir das análises, frente à opção teórica delineada, pode perceber que na essência de tais atos, aparentemente irracionais, reside uma lógica calcada em avaliações e interpretações racionais, desde que devidamente analisadas a partir das especificidades de seus contextos. Dessa forma, ao rotular como irracional os altos custos assumidos pelas organizações, para a participação

de seus funcionários em “eventos espetaculares” cultuados pelo mainstream, ou

despesas com cursos de MBA´s, que muitas vezes não representam o retorno

de conhecimento esperado, tais atos são plenamente racionais uma vez que visa

consolidar sua legitimidade, elevar o consenso entre seus atores internos e externos,

e assegurar a sobrevivência da organização.

Cidade e Empresa: Relações Interinstitucionais, Conflitos e Alianças

Denise de Castro Pereira | PUC Minas | dpereira@pucminas.br

Resumo

O estudo de caso toma como referência a cidade de Ipatinga, que surge como

uma cidade-empresa, monoindustrial, e a siderúrgica Usiminas, que há cerca de 50 anos, mobiliza significativamente a economia local e regional. Ao traçar o percurso dos enfrentamentos de conflitos com a gestão da cidade protagonizada por ex-trabalhadores da empresa, destacam-se fóruns de acomodação e alianças capazes de promover a autonomia da cidade em relação à empresa. Diferentes fatos políticos e estratégias empresarias se entrecruzam, delineando transformações

83
83
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos em relações interinstitucionais entre a empresa

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

em relações interinstitucionais entre a empresa e a cidade. O resultado do estudo nomeia lógicas de interação decorrentes das escolhas justificadas pela necessidade de dar respostas empresariais à globalização e aponta como a lógica da empresa sem cidade pode suscitar movimentos de redefinição de políticas para a gestão da cidade.

Conflito e Diálogo nas Práticas de Gestão Social

Cybele Amado de Oliveira | Instituto Chapada de Educação e Pesquisa – Mestran | cybeleamado@gmail.com Eduardo Davel | TÉLUQ/UQAM e CIAGS/UFBA | davel.eduardo@teluq.uqam.ca

Resumo

Esta pesquisa tem por objetivo explorar o papel do conflito nas práticas de gestãô social.Para tanto,explora as diversas concepções do conflito na teria organizacional, efetua um estudo de caso de práticas de gestão social em uma organização educacional. Como resultado, o estudo de tais práticas permite aprofundar o entendimento do diálogo como meio para se aprimorar a capitalização do conflito como fonte de aprendizagem na prática de gestão social. Discussão e implicações para pesquisas futuras são propostas.

Dinâmica de Poder em Redes Interorganizacionais: Uma Análise sob a Ótica dos Conceitos de Habitus, Campo e Capital de Pierre Bourdieu

Juliana Cristina Teixeira | Universidade Federal de Lavras | julianacteixeira@yahoo.com.br Lilian Barros Moreira | Universidade Federal de Lavras | liliancaxambu@yahoo.com.br Cleber Carvalho de Castro | Universidade Federal de Lavras | clebercastro@dae.ufla.br

84
84

Resumo

Resumo Cotidiano, Poder e Conflito Dada a crescente importância do fenômeno redes no campo da teoria

Cotidiano, Poder e Conflito

Dada a crescente importância do fenômeno redes no campo da teoria organizacional

e a necessidade do surgimento de abordagens mais multidisciplinares sobre o

tema, o presente artigo visa analisar as dinâmicas de poder que ocorrem em redes

interorganizacionais, através dos escritos do filósofo e sociólogo Pierre Bourdieu,

e as potenciais contribuições de seus três principais conceitos de campo, capital e

habitus para a compreensão das relações de poder que ocorrem entre atores de uma rede interorganizacional, visando à desmitificação de algumas visões apriorísticas

a respeito de relações de poder entre organizações como sendo baseadas

preponderantemente nas capacidades individuais de cada organização. Por meio da análise dos conceitos de Bourdieu, observou-se que as relações de poder entre organizações podem se estabelecer através de dinâmicas que depreendem análises mais amplas, relacionadas com o tipo de capital simbólico que as organizações possuem, o campo em que estão inseridas e pela internalização do habitus. Assim,

o ensaio teórico propiciou a análise do poder nas redes sob uma ótica mais

abrangente, englobando o espaço social em que as organizações se inserem.

Macbeth no País da Governança Corporativa

Alexandre Santos | UFMG | mralexandresantos@gmail.com Ivan Beck Ckagnazaroff | UFMG | ivanbeck@face.ufmg.br Alexandre de Pádua Carrieri | NEOS/ CEPEAD UFMG | alexandre@cepead.face. ufmg.br

Resumo

Este ensaio teórico busca levantar uma especulação, valendo-se de alguns teóricos sobre o imaginário, onde a instituição da “boa” governança corporativa, que surgiu como resposta aos escândalos corporativos da década de 1990, acabou servindo de base para a criação de um imaginário, por parte dos acionistas, onde os gestores são

85
85
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos controlados pela reificada governança. Os princípios

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local

Caderno de Resumos

controlados pela reificada governança. Os princípios e mecanismos de governança acabaram se tornando artefatos simbólicos, constituintes de um imaginário, que, para os acionistas, é uma realidade; realidade onde o comportamento destoante dos dirigentes é dirimido, o que resulta em baixos níveis de risco (e ótima relação risco/retorno) para investimentos nas firmas. Mas, ao deparamos com fraudes contábeis, vantagens advindas de informações únicas de mercados, diretores executivos com políticas de autobenefícios em escala exagerada, gestão focada no curto prazo, diretrizes impactantes não consensadas, manipulação de resultados etc., acreditamos que essa realidade não passa de um imaginário.

O Espaço dos Indesejáveis e Invisíveis: A Circularidade da Representação de Estigma em um Centro Comercial de Porto Alegre

Marina Dantas de Figueiredo | PPGA/EA/UFRGS | mdfigueiredo@ea.ufrgs Neusa Rolita Cavedon | PPGA/EA/UFRGS | nrcavedon@ea.ufrgs.br

Resumo

O presente artigo consiste em um estudo etnográfico sobre a construção de

representações sociais no contexto de um centro comercial em Porto Alegre,no qual

a convivência de grupos diversos revela noções do senso comum estigmatizadas,

que se incorporam à cultura organizacional. Neste sentido, uma das primeiras constatações foi a de que a organização é influenciada pelas representações circulantes na sociedade onde diferentes grupos que convergem ao espaço podem ser identificados como “bons freqüentadores”, “maus freqüentadores” e “freqüentadores invisíveis”. Além disso, foi possível perceber que a organização produz novas representações sociais, por vezes carregadas de significações negativas e estigmatizantes, configurando as hierarquias de poder simbólico entre as pessoas. Da mesma forma, a sociedade também produz representações sobre o espaço e seus freqüentadores, que passam a integrar as noções de senso comum,

e que influenciam sobremaneira o desempenho organizacional. Finalmente, este

86
86
Cotidiano, Poder e Conflito trabalho visa contribuir para os estudos sobre Cultura Organizacional, a medida

Cotidiano, Poder e Conflito

trabalho visa contribuir para os estudos sobre Cultura Organizacional, a medida em que revela as representações sociais fundamentais para a construção de discursos e institucionalização de práticas organizacionais.

O Imaginário dos Mascates e Caixeiros Viajantes na Formação do Lugar, do Não-Lugar e do Entre-Lugar

Wescley Silva Xavier | Universidade Federal de Minas Gerais | wescleysxavier@yahoo.com.br Rafaela Costa Cruz | Universidade Federal de Minas Gerais | correiodarafaela@yahoo.com.br Amon Narciso de Barros | Universidade Federal de Minas Gerais | amonbarros@gmail.com Gusttavo César Oliveira Lima | Universidade Federal de Minas Gerais | gusttavocesarlima@bol.com.br Alexandre de Pádua Carrieri | Universidade Federal de Minas Gerais | aguiar.paduacarrieri@terra.com.br

Resumo

Esse trabalho tem por objetivo compreender a re-configuração do espaço, particularmente do lugar, do não-lugar e do entre-lugar dos mascates e caixeiros viajantes. Esta proposta se faz relevante por permitir a análise de novas nuances no binômio trabalho-vida privada, porém, num movimento inverso O que denominamos aqui por inversão se caracteriza pela externalidade do capital na vida do trabalhador, re-configurando o espaço via apreensões simbólicas também fora das organizações, em substituição à autoconstituição do espaço pelos mascates e caixeiros por meio do trabalho. A substituição, em termos de espaço, possui diversos pontos de intersecção na vida dos trabalhadores, influenciando e sendo influenciado pelas relações familiares e de trabalho. Para isso, recorreu-se a elementos da memória-oral e das formações imaginárias entrelaçadas no universo

87
87
XI Colóquio Internacional sobre Poder Local Caderno de Resumos simbólico. Os resultados indicam a existência

XI Colóquio Internacional sobre Poder Local