Você está na página 1de 7

INVESTIGAÇÃO

EDUCACIONAL MESTRADO

EM

SUPERVISÃO

PEDAGÓGICA

PLANEAMENTO
Docente: Professora Alda
Pereira DE UM
Trabalho realizado por:

Ilda Bicacro
QUESTIONÁRIO
Felícia Figueiredo

Julieta Cordas

Manuela Pereira

Abril de 2010
Índice

Índice....................................................................................................................... i
Introdução..............................................................................................................1
Etapas de Planeamento de um Questionário..........................................................2
3. Reflexão final......................................................................................................3
Bibliografia............................................................................................................. 4

Ilda Bicacro – Felícia Figueiredo – Julieta Cordas – Manuela Pereira


Página i
Introdução

Em investigação educacional, o inquérito pode assumir diversas formas na recolha de


dados objectivos sobre um problema concreto. É usado frequentemente na tentativa de
descrição da opinião representativa de uma comunidade, tanto sobre um assunto de carácter
científico como sobre um assunto apenas de interesse geral. Assume particular importância na
recolha de dados da mais diversa origem e relacionados com investigação ao nível da
população escolar - alunos, professores, sistema educativo e comunidade.
No âmbito das Ciências Sociais e quanto à sua utilização, podem-lhe ser atribuídos
quatro grandes objectivos: estimar grandezas absolutas e grandezas relativas; descrever uma
população ou subpopulação e verificar hipóteses, relacionando duas ou mais variáveis.
A aplicação de um inquérito exige que o investigador seja capaz de seleccionar a
informação pertinente, que seja cuidadoso na construção e utilização de indicadores que
tenham utilidade para a investigação e que saiba usar preceitos éticos e deontológicos
envolvidos na situação. Por exemplo, se for necessário averiguar o estatuto social nunca o
inquérito deve questionar receitas ou vencimentos.
Antes de iniciar a sua construção, é importante haver uma clara definição de
objectivos, saber qual a informação a recolher, harmonizar os objectivos com a forma do
questionário, definir-se a população alvo, escolher o tipo de perguntas a elaborar em função
do tipo de respostas que se pretendem obter e a forma de contactar com os inquiridos, já que
estes no momento de responderem não podem (e não devem) esclarecer dúvidas.
As perguntas devem ser organizadas, de modo coerente, intrínseco e de forma lógica
para quem vai responder.
A escolha do tipo de perguntas para cada questão poderá passar pelo tipo de resposta
fechada, em que o sujeito elege uma das alternativas que lhe oferecem, ou aberta, em que o
sujeito goza de liberdade para responder da forma que mais lhe convier.
Não pode ainda ser descurada a definição do tipo de escala de medida a associar às
respostas e a definição da metodologia para análise de dados.
O questionário deve estar organizado por temáticas enunciadas de forma clara,
deixando para o fim as questões mais difíceis, ou seja, é importante elaborar uma sequência
de questões e escolher a forma de as apresentar.
Durante o processo, é ainda necessário algum cuidado na recolha de dados e sua
operacionalização, assim como na apresentação das conclusões e avaliação do processo.

Ilda Bicacro – Felícia Figueiredo – Julieta Cordas – Manuela Pereira


Página 1
Etapas de Planeamento de um Questionário

Definição dos objectivos do estudo e da situação a abordar no questionário

Escolha das variáveis da investigação adequadas ao estudo

Selecção da informação pertinente do questionário e número de perguntas


adequadas para cada variável – abrangendo todos os pontos a questionar

Definição do tipo de perguntas: abertas/fechadas

Elaboração e verificação da adequação das perguntas à hipótese operacional.

Definição das instruções de resposta a fornecer ao inquirido

Decisão das
Definição da
técnicas a utilizar
amostra
para testar a Construção do
hipótese questionário

Organização:

Sequência, forma,
template…

Validação do questionário numa amostra restrita

Aplicação do questionário (definir prazo, construir uma base de dados,


quantos questionários, a quem foram distribuídos, quantos foram
recolhidos)

Análise e tratamento de dados

2. Análise da Dissertação "Setúbal, as TIC


Interpretação e o Ensino
e relatório do Inglês: atitudes dos
científico
Professores"

Ilda Bicacro – Felícia Figueiredo – Julieta Cordas – Manuela Pereira


Página 2
“Setúbal, as TIC e o ensino de Inglês: atitudes dos professores,
de Conceição Brito

Nas páginas 5 e 6 a autora refere os objectivos da investigação: “Com este


1. Objectivos de estudo pretende-se obter resposta para as seguintes questões: Que atitudes
investigação que têm os professores de Inglês das escolas secundárias e secundárias com 3º
presidiram à elaboração ciclo do distrito de Setúbal em relação à utilização das TIC no ensino
do questionário? aprendizagem da língua inglesa? Que factores determinam a adesão e/ou a
resistência à utilização das TIC pelos professores de Inglês das escolas
secundárias e secundárias com 3º ciclo do distrito de Setúbal?” Na página
páginas 72 e seguintes, no ponto 3.Procedimentos Metodológicos, a autora
refere : “Tendo-se em conta os objectivos da tese, optou-se por uma
abordagem metodológica mista, onde o aspecto qualitativo assenta, em
primeiro lugar, numa recolha quantitativa Na verdade, a recolha quantitativa
de dados foi feita através de um inquérito por questionário, enviado a todos
os professores do grupo de Inglês de todas as escolas …”
Os passos percorridos, desde a elaboração até ao tratamento de dados, estão
2.Passos que estiveram expressos na página 72 e seguintes: “Neste estudo, o questionário era
subjacentes à construção do constituído por 126 questões de resposta fechada,
questionário divididas por quatro grandes secções:
· caracterização do respondente
· os professores e a utilização das TIC
· os professores e a formação em TIC
· a utilização das TIC com alunos “

Não foi utilizado o método de amostragem. O inquérito foi aplicado ao


3.A amostra
universo total: todos os professores de Inglês das escolas do distrito de
4. Método de definição da Setúbal.
amostra.

Não houve validação prévia do questionário.


5.Validação prévia do
questionário
O tratamento de dados é apresentado no capítulo IV, Tratamento de Dados,
6.Tratamento dos dados pag.83. No caso concreto do questionário, há um tratamento estatístico,
obtidos com a aplicação do quantitativo, baseado em contagens totais de respostas e em percentagens. A
questionário comparação é, essencialmente, feita através do estudo percentual.

3. Reflexão final

O trabalho de investigação com base na elaboração de um questionário oferece um


conjunto de vantagens, de entre as quais podemos destacar, o facto de as respostas por escrito
serem menos embaraçosas para os inquiridos em determinadas situações, poder proporcionar

Ilda Bicacro – Felícia Figueiredo – Julieta Cordas – Manuela Pereira


Página 3
uma maior rapidez na recolha e análise de dados, ser aplicável a uma grande amostra e como
tal permitir a generalização das conclusões, bem como a grande aceitabilidade pelos públicos-
alvo.
O inquérito é um instrumento privilegiado na recolha de dados sempre que a
investigação tem necessidade de obter informação sobre uma grande variedade de
comportamentos de um individuo ou grupo e cuja observação directa pode ser impossível ,até
por se reportar ao passado. Atendendo a que a observação directa pressupõe uma intimidade
inaceitável, por questões éticas e deontológicas, o inquérito torna-se assim, uma forma de
ultrapassar estas dificuldades.
É também muito eficaz quando a investigação necessita de registo de opiniões,
preferências e outras que têm de ser expressas pelos próprios. Revela-se muito útil quando os
dados que interessam à investigação são algo de interesse geral mas que se produz num dado
momento e sociedade e pode ser expresso por um conjunto de indivíduos inquiridos.
Contudo, estão-lhe também associadas algumas desvantagens: dificuldades ao nível da
concepção, o perigo de generalizações erradas se a população-alvo não for representativa do
universo em estudo, a possibilidade de ocorrerem erros no tratamento de dados que
comprometam a investigação e haver uma elevada taxa de não respostas.
A concepção de um questionário deve atender a algumas considerações antes, durante
e depois da sua aplicação. Assim, a aparência estética de um questionário é um aspecto
importante funcionando como marketing para o respondente. O “layout” do questionário deve
ser claro e atraente de modo a persuadir o respondente. O questionário deve ser curto, claro e
com espaços adequados entre as perguntas. As questões devem ser de tal modo claras que não
podem oferecer qualquer dúvida ou embaraço ao inquirido. E por fim, deve referir-se o facto
desta metodologia de recolha de dados ser uma entre muitas possíveis a integrar numa
investigação. O cruzamento de informações e a recolha de vários processos pode enriquecer a
investigação.

Bibliografia

Brito, C. (s. d.). Setúbal, as TIC e o Ensino do Inglês: Atitudes dos Professores.
http://www.moodle.univ-ab.pt/moodle/mod/resource/view.php?inpopup=true&id=225878.
Acedido em Abril de 2010.

Carmo, F. & Ferreira, M. (2008): Metodologia da Investigação - Guia para Auto-


aprendizagem.2ªed. Lisboa: Universidade Aberta

Ilda Bicacro – Felícia Figueiredo – Julieta Cordas – Manuela Pereira


Página 4
Ghiglione, R; Matalon, B. (1992). O Inquérito, Teoria e Prática. Oeiras: Celta Editora.

Hill, M. & Hill, A. (2005). Introdução à Investigação. Lisboa: Adições Sílabo, Lda

http://iss.leeds.ac.uk/info/312/surveys/217/guide_to_the_design_of_questionnaires

http://inqporquestion.com.sapo.pt/etapas_para_a_construo_do_questionrio.html

Ilda Bicacro – Felícia Figueiredo – Julieta Cordas – Manuela Pereira


Página 5