Você está na página 1de 3

1

Campos vectoriais em subconjuntos abertos de


Rn

Agora iremos introduzir a noo de campo vetorial sobre um subconjunto aberto


de U Rn .
Seja U Rn um subconjunto aberto, diz-se campo vetorial X uma aplicao
que associa a cada ponto p U um vetor Xp Tp (U )
(1)

X : Rn U 3 p Xp Tp (U )

Ainda mais se as componentes do campo vetorial Xp so funes C (p) o


campo diz-se suave o C .
Dado que Tp (Rn )
= D(p) podemos pensar num campo vetorial X como
numa aplicao entre o espao das funes C (U ) e si mesmo.
X : C (U )
f

C (U )
X (f )

(2)

Se as componentes do campo vetorial Xp so (1 (p), .., n (p)) onde as i


C (U ) ento o valor da funo Xf no ponto p obtido calculando as derivadas
da funo no ponto p com a formula:

Xp (f ) = X (f ) (p) =



n
X
f
i
xj x=p
i=1

(3)

Os campos vetoriais so uma noo muito til na fsica para as caraterstica


de modelizar as aes das foras. Por exemplo podemos considerar o campo
gravitacional no ponto p R3 originado por uma massa M posicionada na
origem de um sistema de referncia.
Dada as coordenadas do ponto p = (x1 , x2 , x3 ) podemos escrever as componentes do vetor Xp nas coordenadas da base cannica como:
k 1

(x
+ x2 2 + x3 3 )
r3
x1
x
x
Onde na teoria da Gravitao
de Newton k = GM , com G constante de
q
Xp =

gravitao universal e r = (x1 )2 + (x2 )2 + (x3 )2 . Na base cannica as componentes do campo vetorial so funes C (U ) onde U = R3 r {0}. Portanto

X : C (U ) C (U )
(4)

X (f )

No caso especico se quisermos calcular explicitamente os valores da funo

Xf : U R3 R obtemos

k
X (f ) (p) = Xp (f ) = 3 (x1
r

f
x1


+x
p

f
x2


+x
p

f
x3


)
p

1.1

Mudanas de base

Sejam (1 (p), .., n (p)) as componentes do campo vetorial Xp nas coordenadas


(x1 , ..., xn ) onde as i (p) C (U ) ento:
Xp =

n
X

i (p)i

com i =

xi

(5)

i=1

Se quisermos mudar de coordenadas e passar s coordenadas (y 1 , .., y n ) precisamos encontrar as ( 1 (p), .., n (p)) tais que
Xp =

n
X

i (p)i

com i =

y i

(6)

i=1

Para fazer isso preciso escrever as novas coordenadas (y 1 , .., y n ) em funo


das velhas coordenadas (x1 , ..., xn )
(7)

y i = y i (x1 , ..., xn )

Dado que por cada funo f C (U ) temos


y 1 f
y n f
f
=
+
...
+
xi
xi y 1
xi y n

(8)

Podemos portanto escrever


y 1
y n

=
+
...
+
xi
xi y 1
xi y n

(9)

ou noutra forma
i =

J =

n
X
y j

xi
j=1

y 1
x11
y
x2

..
.

y 1
xn

y 2
x21
y
x2

..
.

y 2
xn

(10)

j = J j

..

y n
x1
y n
x2

..
.

y n
xn

(11)

Seja p = (x1 , x2 ) R2 r {0} e seja Xp nas coordenadas da base cannica


como:
Xp = (x1 + x2 , x2 x1 )

Ou seja podemos escrever na forma equivalente


Xp = x1 + x2



+ x2 x1
1
x
x2

Agora vamos supor que quisermos mudar de base com a transformao


(
x1 = sin
x2 = cos

(12)

Para mudar de base precisamos encontrar as transormaes que nos permitam de trocar 1 , 2 com ,
1 =
2 =

x1

x2

=
=

x1

x2

+
+

x1

x2

(13)

e dado que

x1 =

x1
(x1 )2 +(x2 )2

= sin

x1

1+ 2
cos

x
2 =

x2
(x1 )2 +(x2 )2

= cos

x1

sin (1+ 2 )
cos2

(14)

obtemos ento que na nova base , o campo vetorial toma a seguinte


forma :


2
+
Xp = (sin + cos )

1 + 2

1 + tan2



(15)