Você está na página 1de 3

Plano de Apresentação – Terrorismo

• Perguntar à turma o que acham que é o terrorismo (pedir termos e conceitos que
pensem estar relacionados) . (escrever no quadro os termos propostos, dos quais podem
ser: violência, terror, morte de inocentes, ameaça, intimidação, impacto psicológico, estratégia)
• Introdução: Como vão poder perceber não é possível estabelecer uma única deifnição
concreta de terrorismo, dado que em todas as definições existe sempre alguma lacuna,
alguma falha que não contempla todas as vertentes deste vasto tema.
• Explicar: Comecemos pela definição literal da palavra “terrorismo”. Literalmente esta
palavra significa “sistema ou regime baseado no terror, ou seja, no mpacto psicológico
negatico (sofrido por indivíduos, grupos, massas) provocado por actos de violência
calcula”. Contudo, se levarmos à risca esta definição teremos de considerar qualquer
espécie de violência um acto terrorista. Mas serão terroristas, aqueles que organizam
um motim ? Ou os hooligan no futebol? Deste modo, estabeleceram-se reajustes e
mudanças à definição literária. Considera-se terrorismo, “os actos de violências cujos
objectivos por detrás deles têm motivações políticas, ideológicas ou religiosas”, isto
distingue então o terrorismo da delinquência comum, de uma organização mafiosa ou
simplesmente dos hooligan no futebol. Por outro lado é ainda necessário considerar
quais os alvos preferenciais do terrorismo, dado que a maioria defende que quando os
alvos são militares, se trata de uma acção legítima de combate ou guerrilha. Assim
sendo, diz-se ainda que o terrorismo é “o exercício contra alvos civis, ou não
combatentes”, distinguindo portanto o terrorismo da guerra convencional.
• Recorrer às folhas entregues: Considerando todas estas vertentes, tentamos
encontrar uma definição mais ou menos coerente e simplificada de terrorismo, sendo
que esta se encontra nas folhas que foram entregues. A definição sugerida: “O
terrorismo é uma tipo de violência política que visa atingir civis (não combatentes) de
forma cruelmente destrutiva, muitas vezes imprevisível, sendo que dificilmente
constitui uma violência descuidada. Reflete portanto uma estratégia minunciosa que
usa uma violência horrífica para fazer as pessoas sentirem-se fracas e vulneráveis (...) .
Este medo destrutivo é depois utilizados na promoção de objectivos políticos concretos.
Apesar de alguns desses objectivos possam ser considerados louváveis, a sua
qualidade moral tende a ser anulada pelos meios assassinos usados, pelo que o
terrorismo deve ser desencorajado”.
• Acrescentar: Não podemos contudo empregar as várias definições existente, pelo que
se torna extremamente importante a criação de uma definição de terrorismo mais
cuidadosa (que não tenha consequência desastrosas) e que seja aceite pela
comunidade internaconal de forama a reduzir as tensões entre as nações e resolver as
crises internacionais.
• Perguntar à turma: Acham que o terrorismo é algo recente ou já existiram exemplos
nos séculos passados ? (esperar respostas , se disserem que é algo deste século, dizer-lhes: “Não
exactamente, já houve exemplos no passado”. Dos exemplos do passado podem constar: período de terror
durante a Revolução Francesa; assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando; exemplos do nazismo ou
de outros grupos étnicos).
• Explicar: De facto, aparentemente o terrorismo é algo recente na comunidade
universal. Contudo, já nos séculos passados se verificam efectivamente actos de
terrismo. De facto, estes actos ainda que não apelidados de terrorismo ocorreram
desde sempre, sendo que o primeiro caso os zelotes, uma ceita e partido político
Nuno Castro, Rita Sequeira, Sabina Azevedo
Filosofia 10ºB 2009/2010
judaico, que desencadeou uma luta contra o poder romano na Judéia, na época do
Imperador Tito (79-81 d.C.). Posteriormente, decorreu também o período de Terror que
decorreu durante a Revolução Francesa (Março de 1793-Julho de 1794); o assassinato
do arquiduque Francisco Ferdinando, em 1914 que terá desencadeado a primeira
Guerra Mundial; bem como as acções cometidas pelo nazismo e por outros grupos
étnicos.
• Acrescentar: Contudo, recetemente têm-se verificado um aumento dos actos
terroristas. De entre os últimos destacam-se alguns: 11 de Setembro de 2001, quando
os Estados Unidos da América sofreram o maior ataque terrorista de sempre; 11 de
Março de 2004, em Espanha quatro comboios de passageiros, com destino a Madrid,
sofreram várias explosões; 1 de Setembro de 2004, um grupo terrorista tchecheno
tomou de assalto uma escola em Beslan, na Rússia, pondo em perigo centenas de
pessoas, na sua maioria crianças; 7 de Julho de 2005 em Londres ocorreram explosões
em estações de metro e num autocarro provocaram dezenas de mortes e centenas de
feridos.
• Perguntar à turma: Quais os tipos de terrorismo que conhecem ? (Respostas correctas
podem incluir: bioterrorismo ou terrorismo-químico; terrorismo de estado; terrorismo religioso)
• Explicar: O Terrorismo pode ser devidido em Terrorismo de Estado, Terrorismo
Religioso e Bioterrorismo (escrever tipo de terrorismos no quadro). O Terrorismo de Estado
acenta essencialmente em actos generalizados de violência sistemática,
praticados por governos contra a sociedade ou às minorias, sendo que o
objectivo fundamental é quebrar a resistência à autoridade do governo e impor
uma determinada ordem. São exemplos deste terrorismo: período em que o
governo indonésio organizou uma perseguição e extreminação aos comunistas
(1965); período dos anos 80 em que o Iraque de Saddam Hussein e a Síria de
Hafez el-Assad são responsáveis por assassinios políticos contra as populações
dos países; e ainda a destruição de aldeias inteiras de indígenas, em Salvador e
Guatemala, por serem apoiantes da oposição ao regime. Mais conhecidos,
temos ainda o nazismo alemão bem como o estalinismo na URSS.
• Continuar: O Terrorismo Religioso, bem como todas as questões que envolvam
assuntos teológicos, não possui uma definição concreta. Pode-se no então dizer que
este tipo consiste em todos os actos terroristas que são executados por grupos com
intenções relgiosas. Exemplo disto é a associação IRA, na Irlanda, que luta
insistentemente para que a religião protestante, implementada na Inglaterra, não se
alastre para o Norte da Irlanda, onde segundo a IRA se deve praticar o catocilismo. Por
fim temos o Bioterrorismo, este tipo de terrorismo que surgiu muito recentemente.
Consiste sobretudo em ataques em que ocorre uma libertação deliberada de vírus,
bactérias ou outros germas, bem como no fabrico de bombas atómicas astesanais.
Exemplo desta recente vertente são os casos verificados nos Estados Unidos do antrax,
que era enviado para as pessoas, nomeadamente em envelopes pelos correios. Para
além disto, há ainda o caso da varíola, bem como o ébola ou ainda o sás sarim que
atinge as vias respiratórias e os olhos em poucos segundos.
• Dizer à turma: Pensemos agora sobre as causa do terrorismo... O que levará grupos
ou associações a cometerem actos terroristas? (esperar por respostas da turma, das quais
podem ser pobreza, xenofobia ou racismo, desagrado com o governo, conflitos por território, acções de

Nuno Castro, Rita Sequeira, Sabina Azevedo


Filosofia 10ºB 2009/2010
retaliação ou vingança, construção de uma imagem de poder, motivos religiosos). (Caso não sejam ditas
todas as hipóteses acimas referidas, dizer aquelas que não foram ditas).
• Referir: Como vimos, o terrorismo expande-se um pouco por todo o Mundo, existindo
por um pouco por todas as épocas. Contudo, segundo o cientista político holandês Alex
Shmid, é a democracia que possui uma maior fragilidade. Isto deve-se portanto à
liberdade de movimento e de associaç~~oeS; à abundância de alvos, mas também à
liberdade dos meios de comunicação, que hajem como sendo o “oxigénio do
terrorismo”. Deste modo, torna-se essencial arranjar uma maneira de combater o
terrorismo, dado que nem as Nações Unidas têm uma modelo concreto e expecifico no
que toca a este combate. Segundo o Departamento de Estado norte-americano existem
quatro ideias-chaves da política de contraterrorismo: “Nao fazer concessões a
terroristas nem negociar acordos; obrigar os terroristas a responder em tribunal pelos
seus crimes; isolar e exercer pressão sobre os Estados apoiantes do terrorismo de
modo a alterar o seu comportamento; e último, apoiar as medidas contraterroristas dos
países que precisam de ajuda”. Mas e se as medidas contraterroristas acentarem
essencialmente na ideia de desencadeamento de uma guerra? Será que todos os meios
justificam os fins? Será que é justo e correcto desencadear uma guerra, de onde
surgiram mortes, para combater o terrorismo?

Nuno Castro, Rita Sequeira, Sabina Azevedo


Filosofia 10ºB 2009/2010