Priscilla Santos

Por ter me criado em seus peitos e cuidado da minha infância
O universo dos primeiros cuidados, afetos, práticas, sabores e dissabores das amas de leite cativas do Rio de Janeiro oitocentista (1830 e 1885)

Projeto apresentado à Fundação Biblioteca Nacional para seleção de bolsa de pesquisa

Rio de Janeiro Março de 2010

RESUMO

Partindo dos anúncios de amas de leite publicados no Jornal do Commercio e de cartas de alforria registradas nos ofícios de notas do Rio de Janeiro que se referem a libertação de amas de leite, o projeto pretende investigar as complexas e contraditórias relações de poder, violência e afeto advindas do aleitamento e da maternidade compulsória. Vale-se para isso do cruzamento daquelas fontes cartoriais com anúncios de jornais, fotografias, publicações médicas e arquivos sobre abandono de crianças recém-nascidas. A pesquisa abre a oportunidade de conhecermos melhor a vida dessas mulheres que, mais do que seu leite, deram seu carinho, desejos e dores indizíveis, e se tornaram ponte cultural privilegiada entre Brasil e África, protagonistas da construção das memórias identitárias nacionais ligadas à infância.

INTRODUÇÃO

No ano de 1846, uma escrava de nome Anastácia recebe de seu senhor, Antônio da Luz Rangel, uma alforria registrada no 1º Ofício de Notas do Rio de Janeiro. Nada no texto nos diz sobre sua idade; se era muito velha, se estava mal ou bem de saúde, se nascida no Brasil ou na Costa da África nem mesmo sobre que cor tinha. Apesar disso, sabemos bem quem Anastácia é: ela havia criado Antônio em seus peitos e cuidado de sua infância, por isso ele agora lhe passava carta, para consagrar através desta a sua amizade e gratidão. Sabemos por instinto e humanidade e porque houve para nós – ou mesmo nos faltou -, em algum momento, aquela quem preencheu de cuidados a nossa infância própria infância, entre peitos e braços. Anastácia fora ama de leite de Antônio da Luz Rangel.1 A declaração de Rangel é belíssima. Ela fala de nossas memórias mais íntimas e primárias, das mais doces e felizes, do paraíso perdido dos carinhos recebidos na infância. Mas é um texto igualmente perturbador, pois tem origem no interior de uma instituição marcadamente violenta onde corpos, almas e afetos estavam sujeitos a pertença e a vontade de terceiros. A escravidão brasileira, como instituição peculiar, criou dentro de si uma série de contradições que acabaram por trazer ao mesmo tempo convívio o castigo, a morte, a desonra, o amor, o desejo entre outros tantos sentimentos e ações díspares.

De inestimável valor para a compreensão da história da escravidão nesses trópicos, para a compreensão da própria história do Brasil e para algumas das lembranças mais caras da nossa cultura, o estudo sobre as amas de leite cativas tem ensejado nas últimas décadas uma série de estudos que contemplam o seu papel na sociedade da colônia e do império nas mais diversas faces que desenvolveram. Força de trabalho, força nutriz, mães de fato e mães postiças, essas mulheres tiveram um papel essencial na configuração do regime escravista e de uma cultura da infância nacional.

1

1º Ofício de Notas, livro 45, f. 50 (Entrada nº 1091). Para consagrar amizade e gratidão por ter me criado em seus peitos e cuidado de minha infância. Anastácia pertencera aos pais de Antônio Luz (ou Luiz) Rangel que, pelo ato, toma a escrava como parte de sua legítima pelo valor que foi estipulada, e a liberta sem condições.

O projeto que aqui apresento vem no escopo da série de pesquisas iniciadas por José Roberto Góes e Manolo Florentino em meados nos anos 90 que, se valendo desses e de outros novos olhares sobre as fontes e dados, trouxeram surpreendentes esclarecimentos a respeito da formação das famílias escravas nos séculos XVIII e XIX, por conseguinte, da constituição social, religiosa, econômica e moral daqueles grupos. Essa escrita é fruto do prosseguimento das tarefas desses autores utilizando um banco de dados contendo cerca de 17.600 cartas de alforria registradas nos 1º, 2º, 3º e 4º Ofícios de Notas do Rio de Janeiro durante os anos de 1830 à 1871 e que ora se desdobra para contemplar novos ângulos e novos questionamentos sobre os significados de liberdade e sobre o cotidiano das relações entre senhores, escravos, livres e libertos na antiga província fluminense. O projeto que ora se apresenta percebe as amas de leite como protagonistas na construção da ideia de família, proximidade feminina e afeto na infância, além de pontes privilegiadas que uniram a cultura vinda de diferentes lugares da África à uma cultura euroamericana que, na junção, se tornaram histórias, memórias, cantigas e jogos tipicamente nacionais. Nesse sentido, percebe o trabalho compulsório dessas mulheres-mães como uma das chaves para a compreensão não só da sociedade, da cultura e da dinâmica do regime escravista como também para a percepção – e descoberta – de lembranças e modos de agir/sentir que nos são caros, que nos identificam como parte uma mesma comunidade. Lembranças que ainda reproduzimos, que certamente precisam ser estudadas e preservadas.

OBJETIVOS   Identificar quem eram e como viviam as mulheres conhecidas como ama de leite ou mãe seca, como se desenvolvia esse serviço feminino especializado e por que; Levantar fontes referentes ao grupo de escravas amas de leite, arrolando, quantificando, qualificando cada uma delas, recorrendo sempre a bibliografia já existente sobre o assunto;  Analisar a emergência, no final do século XIX, de uma figura materna ideal, pautada na permanência da própria mãe junto aos filhos e de cuidados aplicados pessoalmente, em detrimento de um costumeiro cuidado e aleitamento realizados por mulheres cativas. Como essa concepção se operou nas esferas privada, pública e sanitária;

Investigar o trato com a infância no Rio de Janeiro dos oitocentos sem perder de vista a própria concepção de infância dos diferentes períodos da época; a educação, o mundo lúdico e a formação de uma identidade e memória nacional dos primeiros anos.

DISCUSSÃO TEÓRICA TEÓRICA, FONTES

Segundo Gilberto Freyre, o costume de empregar escravas para o aleitamento da prole foi herdado das mulheres portuguesas que entregavam seus filhos a outros seios – por serem elas próprias sem muito vigor físico, consequência, para o autor, de partos precoces e sucessivos, o que as enfraquecia2. O costume fora então transmitido para a colônia e por aqui permaneceu, como no resto da Europa e na América do Norte. No Jornal Ostensor Brasileiro, um articulista escreve em 1845: Não se encontrarão em todo o Império cinco mães que, pertencendo à classe elevada, aleitem seus filhinhos. 3 Vários trabalhos sobre a importância da criança na sociedade brasileira colonial demonstram que possivelmente as mães não associavam amamentação ao amor materno, ou seja, o aleitamento seria um hábito social, desprendido do papel da mãe. O “amor materno” tal qual conhecemos hoje foi arduamente construído pela propaganda de cunho humanista e também pela cientificista do século XIX, quando a infância ganha novos significados. Para Ana Maria Mauad, como a amamentação estava associada a um trabalho bastante exaustivo, geralmente acompanhado dos cuidados para com outros filhos pequenos, assim, esse foi rapidamente associado à mãe de obra escrava.4 Utilizando-se de um universo de 1.231 anúncios, Isabelle Vieira acredita que a grande quantidade deles no Jornal do Commércio na segunda metade do século XIX comprova que se tratava de hábito vigoroso e cansativo da qual a maioria preferia não tomar parte. O espaço para esse negócio esteve

2 3

FREYRE, Gilberto Casa Grande & Senzala. Global: São Paulo, 2003. p. 443 ALENCASTRO, Luiz Felipe Vida Privada e Ordem Privada no Império In: ALENCASTRO e NOVAIS Historia da Vida Privada no Brasil. Companhia das Letras: São Paulo, 1997. p. 63 4 MAUAD. Ana Maria. A vida das crianças de elite durante o Império. In: PRIORE, Mary Del (org). História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, p. 160

garantido mesmo em finais do século, quando, apesar de diminuir a quantidade de anúncios, continua havendo uma grande procura (fig. 1).5

fig.1: Demonstrativo dos anúncios recolhidos (por anos)

300 250 200 150 100 50 0

255 206

240

261 155 114

1850

1854

1858

1880

1884

1888

Fonte: Fundação Biblioteca Nacional

A prática desafiava as publicações médicas do período; buscando encontrar soluções que refreassem os constantes surtos e epidemias que assolavam a capital do império, médicos membros da Academia de Medicina – órgão que especialmente na segunda metade do século XIX produziu numerosos textos sobre o assunto - buscavam alertar seus colegas e o governo para o “abominável” e “incivilizado” uso das amas de leite, particularmente as negras escravas. As ideias cientificistas, re-leituras das recomendações e práticas européias, tomaram gradualmente seu espaço participando ativamente da construção da imagem de uma maternidade mais ativa e presente (além de lactente), mas, até lá, muitos dos conselhos desses acadêmicos serão ignorados ou conviverão com práticas no meio termo (como o uso de amas de leite livres, libertas e/ou brancas). As preocupações e alertas desses doutos tinham suas fortes razões de ser. Doenças como a febre amarela e a varíola tornaram-se endêmicas ou intermitentes durante a década de 1850 em resposta as condições indiscutivelmente insalubres em que a cidade se encontrava. As redes de esgoto, só começa a ser construída em 1860. Segundo Novais os grupos mais vitimizados nesse ambiente foram os dos recém nascidos e das parturientes. As primeiras publicações a cerca da saúde da mulher datam de 1846, ao pé da Academia
5

VIEIRA, Isabele Izequiel O RACISMO [DES] NUTRIDO Racismo e escravidão no discurso médico acerca do uso de amas de leite na segunda metade do século XIX. Monografia de conclusão de curso. UERJ/FFP, 2009.

Imperial de Medicina, mas só começam a ser popularizadas em 1870. Médicos para mulheres eram raríssimos e, proporcionalmente, só não mais raros que pacientes dispostas a serem examinadas antes de 1850 já que, ainda segundo Novais, a medicalização só penetra na intimidade feminina e no recesso dos lares oitocentistas depois que o doutor adere ao seguimento parafamiliar tradicional, tornando-se médico e compadre, cheio de afilhados em meio a prole de seus clientes.6 Mas enquanto essas novidades infiltravam-se com total lentidão entre a burguesia crescente e a nobreza fictícia da Corte, reinava um medo coletivo entre a população feminina em torno da gravidez onde a probabilidade de morrer mãe ou cria eram muito grandes. A despeito de tudo isso, Mary Karash mesmo surpreende-se ao constatar que, entre 1847 e 1849, uma única escrava tenha morrido de complicações no parto.7 Levanta para isso duas hipótese: a primeira de que as escravas tinham poucos filhos, e a segunda de que as mulheres que morriam no parto eram enterradas em outro lugar. Mas um outro raciocínio, simples, se apresenta nesse projeto: verificando o volume de amas de leite escravas que são anunciadas nos jornais do Rio de Janeiro, vê-se que nenhum dos dois raciocínios se sustenta, as pretas e pardas, escravas ou não, eram sim férteis. Talvez sejamos obrigados a concordar com Gilberto Freyre e com as centenas de anúncios do Jornal do Commercio e aceitar que as mulheres de origem africana tinham uma gravidez e parto mais resistentes que as mulheres de origem européia e que, de alguma forma para ama de leite, não há como a negra.8

Além das doenças físicas, alguns acreditavam que o leite e a criação oferecidos pelas amas de leite traziam outros males aos pequenos, males atávicos e africanizados que impediriam o progresso e a evolução do país. Segundo Mary Del Priore, havia os que acreditassem que os mimos realizados por mães e amas eram tantos que poderia fazer da criança um indivíduo amolecido e cansado, assim, recomendavam as amas livres – dos males o menor – com princípios religiosos e morais que evitassem as ridículas histórias que as escravas contavam para as crianças taes como de lubis-homens, bruxas, mulas sem

6 7

NOVAIS, op. cit., pp. 63-75. KARASH, Mary, A vida dos escravos no Rio de Janeiro: 1808-1850. 2ºed. Rio de Janeiro, Cia. das Letras, 2000. p. 207. 8 FREYRE, op. cit. p. 444

cabeça, almas perdidas, etc.9 Ainda de acordo com a autora, as mães negras, amas-de-leite, contavam aos pequenos tinhosos e chorões, estórias de negros velhos, papa-figos, boitatá e cabras-crioulas. A cultura africana fecundava o imaginário infantil com assombrações como o mão-de-cabelo, o quibungo, o xibamba, criaturas, que rondavam casas grandes e senzalas aterrorizando os meninos malcriados.10 Mas os mimos não eram mal-vistos, aliás, certamente deviam estar inclusos no pacote da “ama carinhosa”, muito valorizada nos anúncios de jornal, bem como as que tivessem desenvoltura com as crianças e que fossem espertas, além de terem o importantíssimo “bom leite”.

Alugao-se duas amas, uma de 15 annos de idade e outra de 17, tendo ambas leite superior, sendo o da primeira de 4 mezes e o da segunda de 8, sabendo lavar e engommar com toda a perfeição; na rua dos Felizes n. 2 em Santa Thereza, e a chave está na rua da Floresta n. 7K. (...).11 Aluga-se uma crioula para ama, com muita abundancia de bom leite de 60 dias, do primeiro parto, carinhosa e limpa: na rua Sete de Setembro n. 227.(...) 12

Nas cartas de alforria arquivadas no Arquivo Nacional do Rio de Janeiro encontrase algumas manumissões que apresentam como motivação a amizade, o amor, a gratidão e outros sentimentos registrados nos discursos que frequentemente eram feitos nessa ocasião. Encontramos cartas gratuitas concedidas àquelas que foram amas de leite do senhor, de seus filhos ou esposas, até mesmo gratidão para com o filho de uma ama. Os bons cuidados e a dedicação para com as crianças parece ter sido um canal para a liberdade de inúmeras mulheres. Paulina, de nação Cabinda, ficou liberta no ano de 1851 por seus bons serviços como ama de leite do filho do senhor Carlos José Alves Rodrigues; demonstrando uma gratidão ainda maior, libertam também o filho recém nascido de Paulina, ambos gratuitamente e sem quaisquer ônus.13

9

Idem,p. 23. PRIORE, Mary Del. O Cotidiano da criança livre no Brasil entre a Colônia e o Império. In: PRIORE, Mary Del (org). História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007, p. 93. 11 CARNEIRO, Maria Elizabeth R. Uma Cartografia das amas de leite na sociedade oitocentista... In: Textos de Histótia, vol . 15, nº 1/2, 2007 p122 12 Idem, p.123 13 2º Oficio de Notas, Livro 83, f. 214 (Entrada nº 2615). Arquivo Nacional do Rio de Janeiro
10

Em 1858, Alexandre José Fortuna e sua esposa Joana Ludovina Fortuna alforriam a parda Florisbela, de 30 anos por esta ter sido ama de leite dos três filhos do casal. Justificam ainda que Florisbela prestou bons serviços e que comemoravam ainda no ato a independência do Brasil. Em outra carta, de 1863, Augusto Romano Sanches alforriou a escrava Feliciana, de nação Mina, 44 anos, pelo motivo desta ter sido ama de leite de sua esposa. Mas nessa última há uma condição: Feliciana, para que não se torne nula a liberdade, deverá continuar residindo com seus senhores14. Do lado de quem dá a alforria, entregar a liberdade para um escravo era motivo de grande orgulho. Stuart Schwartz observou para o período colonial que
[...] recomendações nas cartas – e orgulho com o qual os senhores garantiam a manumissão mesmo para os velhos e enfermos – indicam que os proprietários de escravos viam o ato da libertação como um gesto de caridade, não importasse as condições do ato.15

De fato, no Rio de Janeiro dos oitocentos encontramos a mesma satisfação na entrega da alforria, uma alegria que experimenta uma mudança de natureza dependendo da época. Nos anos finais do regime, verifica-se, como verificou Chalhoub no caso da libertação do escravo Pancrácio, um discurso de benfazeja social porque a escravidão já perdera o que Joaquim Nabuco chama de sua força moral. Nos anos que vão até 1850 observa-se uma manutenção do status de bondade de senhor e a mesma caridade de que fala Schwartz. Independente da natureza do orgulho, claro é que os senhores, fossem quem fossem, se mostram pomposos e solenes à cada entrega de alforria, mesmo em casos pagos16. Tratase de uma estratégia de manutenção de lugar social por parte dos senhores, fossem ricos ou pobres, pela propagação de bons atos.

14

2º Ofício de Notas, Livro 93, f. 95 Arquivo Nacional do Rio de Janeiro (Entrada nº 274). O casal Fortuna alforriara 9 anos antes, gratuitamente, um filho de Florisbela, Ramiro. 15 SCHWARTZ S.B. “The Manumission of slaves in Colonial Brazil: Bahia, 1684-1745,” Hispanic American Historical Review 54, 606n7. Apud PATTERSON, O. op. cit., p.217 (livre tradução). 16 Não contaremos para os fatos isolados em que a alforria aparece como castigo ou possui um discurso de mágoa. Na entrada nº1697, Antônio José Vilas Boas Sampaio liberta, em 1848 a crioula Juliana “por causa de seus defeitos” e, por causa disso ela deve ir morar “a mais de uma légua” de seu ex-senhor. Na nº6082 João José Pereira Azurar liberta Luiza Conga em 1850 e, porque ela vai se casar com um determinado sujeito, tem como expressa condição que “nunca mais apareça” na casa do senhor.

No caso das cartas de alforria concedidas às amas de leite, há uma questão que merece cuidado e reflexão; talvez as manumissões entregues a essas mulheres sinalizassem um bônus a mais, uma mostra de bondade a mais do senhor (porque libertam uma mulher de grande importância social e simbólica, preciosa para aquela comunidade)... mas isso tornaria o mundo maniqueísta demais. É possível apontarmos para um costume, uma prática corrente, a de demonstrar gratidão àquela que, retomando as palavras de Rangel “cuidaram da infância”. Isso nos aponta para um lugar afetivo realmente poderoso construído a partir do imaginário dessas mães negras, espécie de feiticeiras que transformaram a infância em um universo cheio de mágica e seres fantásticos; assustadora e doce como os quitutes que elas mesmas cozinhavam, quente e cheia de proximidade como os panos que atavam os pequenos senhores às costas das escravas e que depois os deixavam com as pernas arqueadas iguais às dos seus negrinhos. 17 Outra importante fonte de análise sobre a importância que uma ama de leite poderia ter para as famílias brasileiras são as fontes iconográficas. A impressionante fotografia de Monica e Arthur Gomes Leal já foi incansavelmente vista e revista: a imponente e impenetrável escrava, vestida de tecidos finos, jóias, postura de pedra com o senhorzinho na ponta dos pés ao seu lado, tão íntimo e à vontade nos diz, através das palavras de Alencastro que [é] a imagem de uma união paradoxal, mas admitida. Uma união fundada no amor presente e na violência pregressa. Na violência que fendeu a alma da escrava, abrindo o espaço afetivo que está sendo invadido pelo filho de seu senhor. Dessa forma, é de grande importância a investigação das coleções de gravuras e fotografias da base de imagens Biblioteca Nacional. Lá podem ser encontradas cenas que nos revelem um pouco mais sobre esse cotidiano onde a violência e o amor maternal se entrecruzam. Outra face tanto crucial quanto cruel que perpassa o universo escravista do serviço especializado das amas de leite é a questão do abandono de recém nascidos. A Casa da Roda, dos Expostos ou do Enjeitados tinha uma larga existência em todas as partes do mundo nos séculos XVIII e XIX. No Brasil, a primeira delas foi fundada em 1726, na província de Salvador. Dirigida pela Santa Casa de Misericórdia, a do Rio de Janeiro,
17

Sobre o habito de amarrar as crianças às costas por longo período de tempo, diz Sá de Oliveira: veem mais tarde os seus filhos ficarem com as pernas defeituosas, arqueadas de modo que, tocando-se os pés, formam uma elipse alongada.

fundada em 1738, sustentou uma movimentação intensa durante todo o regime escravista; a regressão das suas atividades deixa entrever uma convergência de rupturas: na primeira, a diminuição gradual do número de escravos os oitocentos (por conta da também gradual perda da legitimidade moral do regime, ainda mais após a proibição do tráfico em 1850, que eleva o preço dos cativos – por conta da menor oferta – e o torna pouco-a-pouco uma mercadoria menos acessível, além do aumento do número de alforrias) e, na segunda, a movimentação no sentido de proteger sempre mais a maternidade, que alcançará seu auge no final daquele século. No Jornal do Commercio de 2 de julho de 1899, o médico Pires Almeida assina um artigo que apresenta o quadro de movimentação da Casa dos Expostos desde sua fundação até o presente ano. Em 161 anos, ela havia atendido 42.937 crianças; a média de atendimento por períodos na instituição resulta no gráfico mostrado na figura 2.

Figura 2: Média (por período) das crianças abandonadas na Casa da Roda no Rio de Janeiro – 1763 a 1899
600 500 400 300 200 100 0 1738 - 1763 1763 - 1810 1810 - 1836
18

1836 - 1971

1871 - 1888

1888 - 1899

Fonte: Jornal do Commercio. 2 de julho de 1899

O nome “roda” se refere ao mecanismo criado para que as mães deixassem aos cuidados da instituição o seu filho sem que para isso fosse identificada e talvez para diminuir a brutalidade do abandono. O bebê era posto na abertura do cilindro que, acionado, fazia a criança girar para dentro do pátio. Tocava-se então uma campainha e imediatamente a criança era recolhida por quem estivesse na guarda.
18

CIVILETTI, Maria Vitoria P. O Cuidado à crianças pequenas no Brasil escravista In: Cad. Pesq., São Paulo (76): 31-40, fevereiro, 1991.

Embora, pelos deveres da misericórdia cristã, não fosse uma prática corriqueira a separação de familiares, na vida das amas secas a realidade podia se apresentar diferente. Muitas vezes sem interesse em arcar com os custos do filho da escrava a ser futuramente posta para aluguel, os senhores mandavam pôr os recém-nascidos na Roda dos Expostos. Era virtualmente a resolução de dois problemas: o primeiro, o da criação de mais um dependente e o segundo – que possivelmente teve maior peso – a necessidade de que a ama de leite fosse exclusivamente mãe de seu pequenino senhor e não precisasse se desdobrar em suas próprias demandas maternas.

Ama de leite Vinham bater à porta e vinham para vêl-a: Era preta e retinta; a estatura della Não era alta, não; os modos seus, ufanos, Mostrava apenas ter dezoito a vinte annos. “Não foi aqui, pergunta alguém que a pretendia, Que annunciou-se um’ama em um jornal do dia? “- É certo, sim senhor”; de dentro brada antiga. Matrona e se levanta. – “Olá! Ó rapariga! Vem cá na sala, vem. Póde sentar-se. É viva No serviço da casa, e saiba que é captiva! Experimental-a é bom; depois della não mude: E que atteste o doutor, se goza ou não saude. Engomma, lava, e cose; em tudo ella é geitosa; Sabe agradar criança, affirmo, é carinhosa Como bem poucas há. Em quanto aos alugueis, Por ser para quem é, são sessenta mil réis”. “Seu filho?!” A pobre escrava, a intristecer-se toda, Murmura: 19 “Meu senhor, meu filho foi p’ra roda”

Cruzando com as demais fontes já arroladas, a investigação das fontes ligadas a Casa da Roda poderá mensurar o índice de abandono dos filhos das amas de leite, nos permitindo entrever o destino dessas crianças compulsoriamente rejeitadas, bem como verificar o índice de crianças que permaneceram junto às suas mães durante o período de aluguel da amamentação e dos cuidados.

19

MORAES FILHO, MELLO. Poemas da Escravidão. Apud MORAES, Evaristo de. A Campanha bolicionista.1879-1888. Rio de Janeiro: Livraria Editora Leite Ribeiro, 1924. Apud CARNEIRO, Maria Elizabeth R. op. cit. p. 121-122

A base desse levantamento é uma série de 17.600 cartas de alforria sob a guarda do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro, catalogadas e tipografadas em um banco de dados capaz de nos oferecer amplos dados demográficos e estatísticos. A partir do universo de manumissões concedidas a mulheres sob a motivação de terem sido estas amas de leite dos senhores, de seus filhos ou parentes e das histórias/questões que ensejam – como no contundente caso da escrava Anastácia – serão buscados e cruzados com documentos sob a guarda da Fundação Biblioteca Nacional-RJ sendo estes a) anúncios de aluguel ou venda de amas de leite publicados pelo Jornal do Commércio20; b) galerias de gravuras e fotografias; c) documentos relativos a escravos de ganho e domésticos. A estes serão ainda juntados complementos sobre assuntos mais específicos como as recomendações médicas e as práticas de abandono de recém-nascidos, cujos documentos serão mapeados,

respectivamente, na Biblioteca da Academia Geral de Medicina-RJ e no Arquivo da Santa Casa de Misericórdia. Assim, recortamos um período em que temos o regime escravista funcionando À plenos pulmões, injetando uma absurda quantidade de almas cativas direcionadas para as mais diversificadas tarefas. O recorte espacial se refere à disponibilidade de todas as fontes já arroladas, além de um interesse pessoal pela província; além do mais, como capital do Império, acabou por se transformar em um território-palco dos principais conflitos presenciados durante o último século da monarquia e do regime escravista. E pela corte insalubre que irão transitar as edições do Jornal do Commercio, os fotógrafos, também os viajantes, os reis. Me apoio nas considerações sobre o cotidiano, no olhar sobre as fontes seriais de José Roberto Góes, também nas reflexões sobre heranças africanas culturais, comerciais e escravistas levantadas por Manolo Florentino. Nos apontamentos demográficos largamente explorados pelos dois autores estão ricos panoramas cujas frentes de investigação são arejadas, instigantes e inspiram o apuro metodológico. Não perder-se no cenário: os dados estatísticos, que generalizam para que seja possível enxergar, podem-se juntar aos números
20

Seguindo a sugestão de amostragem arbitrária/aleatória proposta por Isabelle Izequiel Vieira, serão analisados os anúncios do Jornal do Commercio dos meses janeiro, março, maio, julho, setembro e novembro dos anos de 1850, 1554, 1858 (representando a secada de 50) e 1880, 1884 e 1888 (representando a década de 80). Esse recorte permitirá a leitura dos anúncios de alugueres de amas de leite dentro do tempo hábil posto no cronograma desta pesquisa. Também por sugestão da mesma colega e do professor José Roberto Góes, os anúncios serão tipografados e convertido em um banco de dados informatizado.

as gravuras de Debret, os registros de nascimento e as histórias de liberdade cartorial. Ficam conjurados, assim, híbridos, a ex-colônia, a África, a Corte de D. Pedro II e as crescentes cidades fluminenses. O Rio de Janeiro é aqui o lugar histórico de amostragem, onde os paradoxos criados dizem respeito, simultaneamente, ao melting pot racial e à exclusão, que tornaram impossível a divisão do país em ofensores ou ofendidos. Tendo os referenciais expostos, a pesquisa pretende levantar fontes que revelem o cotidiano do aleitamento por amas no Rio de Janeiro do período que vai de 1830 a 1885; Nesse período se podem fazer três sub-recortes; o primeiro indo de 1830 até 1850, ou seja, de um período de vasta oferta de cativos até a proibição efetiva pelo governo brasileiro do tráfico transatlântico quando os preços tenderão a subir. Depois, de 1850 até 1860, onde as mudanças ocorridas no período anterior vão se consolidar e/ou comprovar tendências do mercado, além de perceber o impacto das propagandas e ações humanitárias e liberais sugeridas efusivamente pela Inglaterra. O terceiro sub-recorte vai até 1871; no período, o valor para a compra de escravos torna-se impraticável e empurra para a completa perda força moral do sistema. O último período, que vai até 1885 fica assim delimitado por ser percebido como um momento limite, segundo Lilia Schwartz , quando o discurso racista finca definitivamente suas raízes na produção intelectual nacional, infiltrando-se de modo mais perceptível para os mais diversos setores da sociedade21. Se no cotidiano, o fim do gradual da escravidão não parece provocar mudanças tão bruscas, nos debates jurídicos as pressões são tensas. Buscarei também perceber, através desses recortes, como as questões sobre a liberdade dos cativos eram vistas e discutida na esfera jurídica. Dessa forma, é imprescindível a atenção a marcos como a Constituição data de 1824, o Código Penal de 1830 e o Comercial de 1850, mesmo ano em que é promulgada a Lei Euzébio de Queiróz. 1871 é o ano da Lei do Ventre livre.

21

SCHWARTZ, Lilia M. Retrato em Branco e Negro. Jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Cia das Letras, 1987. p. 179

CRONOGRAMA DE TRABALHO

ETAPAS
1. Levantamento bibliográfico 2. Levantamento de fontes gerais 3. Levantamento Jornal do Commercio 4. Leittura classificados - J. do Commércio RELATÓRIO 4. Levantamento Cartas de Alforria (banco de dados) 5. Revisão da Bibliografia RELATÓRIO 6.Levantamento Sta. Casa 7. Leitura docs. Sta. Casa 7. Levantamento iconográfico 8. Quantificação de recultados RELATÓRIO 9. Leitura Cartas de Alforria (manuscritos) 10. Escrita dos resultados RELATÓRIO RESULTADO PARCIAL RESULTADO FINAL

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

BIBLIOGRAFIA

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. A recusa da "raça": anti-racismo e cidadania no Brasil dos anos 1830. Horiz. antropol. [online]. 2005, vol.11, n.24, pp. 297-320. ISSN 0104-7183. doi: 10.1590/S0104-71832005000200013.

CARNEIRO, Maria Elizabeth R. Uma Cartografia das amas de leite na sociedade oitocentista... In: Textos de Histótia, vol . 15, nº 1/2, 2007 ________________ Procura-se preta com muito bom leite, prendada e carinhosa: uma cartografia das amas de leite na sociedade carioca (1850-1888). Tese de doutorado. 2006. CARRARA, Sérgio. A geopolítica simbólica da sífilis: um ensaio de antropologia histórica. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online]. 1996, v. 3, n. 3, pp. 391-408. ISSN 0104-5970. doi: 10.1590/S0104-59701996000300002. CHALHOUB, S. Visões da Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte, Rio de Janeiro, Cia. Das Letras, 1990. _______________ Cidade Febril: cortiços e epidemias na Corte Imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CIVILETTI, Maria Vitoria P. O Cuidado à crianças pequenas no Brasil escravista In: Cad. Pesq., São Paulo (76): 31-40, fevereiro, 1991. COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 2004. FERREIRA, Luiz Otávio; MAIO, Marcos Chor and AZEVEDO, Nara. A Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro: a gênese de uma rede institucional alternativa. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online]. 1997, v. 4, n. 3, pp. 475-491. ISSN 0104-5970. doi: 10.1590/S0104-59701997000300004. FLORENTINO, Manolo & GÓES, José Roberto de. Crianças escravas, crianças dos escravos. In: PRIORE, Mary Del (org). História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007. FLORENTINO, Manolo Alforrias e etnicidade no Rio de Janeiro oitocentista: notas de pesquisa. In: Revista Topoi nº 5, Rio de Janeiro, 2002.

FLORENTINO, Manolo & GÓES, José Roberto de. Crianças escravas, crianças dos escravos. In: PRIORE, Mary Del (org). História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007. FREYRE, Gilberto Casa Grande & Senzala, 49 edição. São Paulo, Global Editora, 2004. ________________ Os escravos nos anúncios de Jornais Brasileiros do séc. XIX. São Paulo: Cia Editora. Nacional, 1979. GENOVESE, Eugene D. A terra prometida. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1930 GÓES, José Roberto. Padrões de alforrias no Rio de Janeiro – 1840/1971. In: FRAGOSO, João; FLORENTINO, Manolo [et. al.] (orgs). Nas rotas do Império. Vitória: EDUFES, Lisboa: IICT, 2006. _________________ O Cativeiro Imperfeito: um estudo sobre a escravidão no Rio de Janeiro da primeira metade do século XIX. Vitória: Lineart, 1993. GIDDENS, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo na sociedade moderna. São Paulo: Ed. Da Unesp, 1993. GRINBERG, Keila O Fiador dos Brasileiros; cidadania, escravidão e direito civil no tempo de Antônio Pereira Rebouças. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. KARASH, Mary, A vida dos escravos no Rio de Janeiro: 1808-1850. 2ºed. São Paulo: Cia. das Letras, 2000. LOPES, Janaina Perrayon Tempo de Casar: casamento de Escravos e Forros na Freguesia da Candelária (1809-1837). In: XXIV Jornadas de Iniciação Científica: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). XXIV Jornadas de Iniciação Científica. Rio de Janeiro: UFRJ, 2002. MATTOS, Hebe Maria Laços de Família e direitos no final da escravidão. Rio de Janeiro: Cia. das Letras, 1996. MATTOS, Hebe Maria A escravidão moderna nos quadros do Império português: o Antigo Regime em perspectiva atlântica. In: FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; In:

ALENCASTRO, Luiz Felipe (org) NOVAIS, Fernando A (dir.) História da Vida Privada.

GOUVÊA, Fátima Silva (orgs.). O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro, Civilização brasileira, 2001. LIMA, Nísia Trindade & HOCHMAN Gilberto. Condenado pela raça, absolvido pela medicina: O Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da primeira república. In: MAIO, Marco Chor & SANTOS, Ricardo Ventura (Orgs). Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro; Editora Fiocruz/CCBB, 1996 MAUAD. Ana Maria. A vida das crianças de elite durante o Império. In: PRIORE, Mary Del (org). História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007. MAGGIE, Yvone. “Aqueles a quem foi negada a cor do dia”: as categorias cor e raça na cultura brasileira. In: MAIO, Marco Chor & SANTOS, Ricardo Ventura (Orgs). Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro; Editora Fiocruz/CCBB, 1996 MAUSS, M. Ensaio Sobre a Dádiva. Lisboa: Edições 70, 2001. MOUTINHO, Laura Razão, “cor” e desejo. São Paulo: EDUSC, 2004. NOVAIS, Fernando A. Vida Privada e Ordem Privada no Império. In: NOVAIS, História da Vida Privada no Brasil vol.2 . São Paulo: Companhia das Letras, 1996. PATTERSON, Orlando. Slavery and Social death: a comparative study. Cambridge, Harvard University Press, 1982. PRADO, Paulo. Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira. São Paulo, Cia. das Letras, 1997. REIS, J. J. O cotidiano da morte no Brasil oitocentista. In: História da Vida Privada no Brasil vol.2 . São Paulo: Companhia das Letras, 1996. SAHLINS, Marshal Ilhas de História. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2003. SANTOS, Gislene Aparecida dos. Selvagens, exóticos, demoníacos: idéias e imagens sobre uma gente de cor preta. Estud. afro-asiát. [online]. 2002, vol.24, n.2, pp. 275-289. ISSN 0101-546X. doi: 10.1590/S0101-546X2002000200003. SLENES, Robert W. Na Senzala uma Flor: esperanças e recordações na formação da família escrava – Brasil sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

___________________ “Senhores e subalternos no Oeste paulista”. In: História da Vida Privada no Brasil, vol. 2. São Paulo, Companhia das letras, 1997. SOARES, Márcio de Souza A Remissão do Cativeiro: alforrias e liberdades nos Campos dos Goitacases, c. 1750 - c. 1830. Tese de Doutorado, Universidade Federal Fluminense, 2006. SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das Raças. Cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Cia das Letras, 1993. _______________ Retrato em Branco e Negro. Jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Cia das Letras, 1987. _______________ e GARCIA, Lucia (org) Registros Escravos: Repertório das Fontes Oitocentistas Pertencentes ao Acervo da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro, Fundação Biblioteca Nacional, 2006. SCHWARTZ, Stuart B. A manumissão dos escravos no Brasil colonial: Bahia, 1684-1745. Anais de História, Assis, n.6, p.71-114, 1974. VAILATI, Luiz Lima. As fotografias de “anjos” no Brasil do século XIX. In; Anais do Museu Paulista, nº 02, vol14, jul-dez, 2006. VAINFAS, Ronaldo (dir.) Dicionário de Brasil Colonial. Rio de Janeiro, Objetiva, 2000. VIEIRA, Isabele I. O RACISMO [DES] NUTRIDO Racismo e escravidão no discurso médico acerca do uso de amas de leite na segunda metade do século XIX. Monografia de conclusão de curso. UERJ/FFP, 2009. FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL. Projeto de catalogação digital do acervo referente ao tráfico de escravos no Brasil. http://catalogos.bn.br/escravos/introducao.html

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful