Você está na página 1de 64

Psicofarmacos

MSc Fabiana Vieira Simões

2016

Antidepressivos- Introdução

Os antidepressivos são fármacos capazes de elevar o humor.

Os antidepressivos não influenciam de forma acentuada o

organismo normal em seu estado basal, apenas corrigem condições

anômalas. Em indivíduos normais não provocam efeitos estimulantes ou euforizantes como as anfetaminas

“Humor é o conjunto de disposições afetivas e instintivas que determinam a tonalidade fundamental da atividade psíquica, capaz de oscilar entre dois polos compreendida entre euforia expansiva e depressão dolorosa”. Delay (1946)

Em psiquiatria, depressão é considerado em um transtorno do humor e representa uma síndrome com sinais e sintomas bem definidos.

DEPRESSÃO

DEPRESSÃO A mania se caracteriza pelo comportamento oposto, ou seja, entusiasmo, rapidez Os sintomas da depressão

A mania se caracteriza pelo comportamento oposto, ou seja, entusiasmo, rapidez

Os sintomas da depressão

mental e verbal, extrema

correspondem a sensação intensa de tristeza, desesperança, desespero e

autoconfiança e diminuição da

capacidade crítica.

incapacidade de sentir prazer

em atividades rotineiras.

DEPRESSÃO

RELATO DE PACIENTE

“Eu duvido completamente de minha habilidade de fazer qualquer coisa bem.

Parece que minha mente está lentificada ao ponto de se tornar virtualmente

inútil

Eu estou como que assombrado

Com a desperança mais intensa.

Outras pessoas dizem: ‘É só temporário, isso passará, você irá melhorar’, mas,

naturalmente, eles não tem a mínima idéia de como me sinto, embora tenham

certeza disso. Se eu não posso sentir, me mover, pensar ou me importar, qual o

sentido de tudo?”

DEPRESSÃO

o A prevalência da depressão gira em torno de 10% na população;

o Em idosos ou pacientes com outras

doenças esse número é ainda maior (até

30%);

o A

depressão

é

2

a

3

vezes

mais

frequente em mulheres.

com outras doenças esse número é ainda maior (até 30%); o A depressão é 2 a
com outras doenças esse número é ainda maior (até 30%); o A depressão é 2 a

DEPRESSÃO

o Atualmente a depressão é a 4ª doença que mais causa incapacidade de produção nos pacientes.

o Pesquisa revelou com a população dos EUA:

é a 4ª doença que mais causa incapacidade de produção nos pacientes. o Pesquisa revelou com

DEPRESSÃO

Fator de risco

Associação

Gênero

Duas vezes mais frequente em mulheres

Idade

Faixa etária dos 20-40 anos e idosos

História Familiar

Risco 1,5 a 3 vezes maior

Estado Civil

Pessoas separadas e divorciadas Mulheres casadas apresentam taxas superiores às não- casadas. Homens não-casados apresentam taxas superiores aos casados

Puerpério

Risco nos seis primeiros meses

Eventos de vida negativos

Possivél associação

Morte precoce dos pais

Possivél associação

DEPRESSÃO

TEORIA DAS AMINAS BIOGÊNICAS

o Nos anos 50, a reserpina foi introduzida para o tratamento da

hipertensão e verificou-se que ela era capaz de induzir depressão o

que levou, em 1965, o surgimento da hipótese monoaminérgica da depressão.

Déficit funcional da noradrenalina (NA) e serotonina (5- HT) em pontos-chave no cérebro (hipocampo).

POR QUE NÃO ESTIMULAR?

A cocaína inibe a

recaptação de NA e DA.

POR QUE NÃO ESTIMULAR? A cocaína inibe a recaptação de NA e DA.
POR QUE NÃO ESTIMULAR? A cocaína inibe a recaptação de NA e DA.

DEPRESSÃO

Quais fármacos antidepressivos podemos utilizar na clínica?

oInibidores da monoaminoxidase; oInibidores da captura de monoaminas; oCompostos variados (atípicos) de bloqueio de
oInibidores da monoaminoxidase;
oInibidores da captura de monoaminas;
oCompostos variados (atípicos) de
bloqueio de receptores

USO TERAPÊUTICO DOS INIBIDORES DA

MONOAMINOXIDASE (IMAO)

o Em 1954, a iproniazida, uma droga antituberculose,

demonstrou eficácia em melhorar o humor dos pacientes;

o Em 1963, foi demonstrado que a iproniazida provocava uma potente inibição da monoaminooxidase.

INIBIDORES DA MONOAMINOXIDASE (IMAO)

IMAO irreversíveis e não-seletivos:

o

TRANILCIPROMINA: Parnate®

o

SELEGININA: Jumexil ®, Deprenil®, Niar®

o SELEGININA: Jumexil ®, Deprenil®, Niar®  IMAO seletivo para MAO A e reversível: o MOCLOBEMIDA:

IMAO seletivo para MAO A e reversível:

o MOCLOBEMIDA: Aurorix®

o SELEGININA: Jumexil ®, Deprenil®, Niar®  IMAO seletivo para MAO A e reversível: o MOCLOBEMIDA:

INIBIDORES DA MONOAMINOXIDASE (IMAO) USOS TERAPÊUTICOS

o

Doença do pânico;

o

Ansiedade generalizada;

o

Fobia social;

o

Depressão Maior;

o

Baixa atividade psicomotora;

o

Depressão atípica (início mais precoce, prevalência de

distimia, abuso de álcool, sociopatia e com componente hereditário).

INIBIDORES DA MONOAMINOXIDASE (IMAO)

MECANISMO DE AÇÃO

oA

monoaminoxidase

(MAO)

é

uma

enzima

mitocondrial

encontrada

em

tecidos neurais e não neurais, como o intestinal e o hepático.

oA MAO funciona como uma "válvula de segurança", ao inativar qualquer excesso de moléculas neurotransmissoras que possa extravasar das vesículas sinápticas quando o neurônio está em repouso.

oOs inibidores da MAO podem inativar a enzima, permitindo que as moléculas neurotransmissoras escapem da degradação e se acumulem dentro do neurônio pré-sináptico ou extravasem para a fenda.

oIsto causa ativação de receptores de noradrenalina e serotonina e pode ser responsável pelos efeitos antidepressivos desses fármacos.

INIBIDORES DA MONOAMINOXIDASE (IMAO) MECANISMO DE AÇÃO

INIBIDORES DA MONOAMINOXIDASE (IMAO) MECANISMO DE AÇÃO o MAO A: enzima de degradação da NA e

oMAO A: enzima de degradação da NA e

5-HT (onde atuam os antidepressivos).

o MAO B: enzima de degradação da DA (onde atuam os antiparkinsonianos).

o IMAO: inativam a enzima MAO (reversível ou irreversivelmente) Aumentam a concentração da NA e 5-HT

no terminal sináptico e seu

extravasamento para a fenda sináptica.

INIBIDORES DA MONOAMINOXIDASE (IMAO) REAÇÕES ADVERSAS

o Efeitos anticolinérgicos (boca seca, constipação, visão turva, retenção urinária); o Insônia, agitação;

o Hipotensão postural;

o Aumento do peso corporal;

o Disfunção sexual (anorgasmia, diminuição da libido, impotência

e retardo da ejaculação);

INIBIDORES DA MONOAMINOXIDASE (IMAO) REAÇÕES ADVERSAS

o “Reação do queijo” os alimentos que contém tiramina – crise hipertensiva, cefaléia, náuseas, taquicardia
o “Reação do queijo” os alimentos
que contém tiramina – crise
hipertensiva, cefaléia, náuseas,
taquicardia e agitação.
“Reação do queijo”

INIBIDORES DA MONOAMINOXIDASE (IMAO)

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Relatos de crises hipertensivas em pacientes que recebem antidepressivos

tricíclicos e inibidores da monoaminoxidase simultaneamente.

oAnorexiantes: episódios hipertensivos por libertação das reservas

ode nordrenalina (Ex: mazindol, fentermina e outros).

oAntidiabéticos orais: efeito hipoglicemizante aditivo.

oInibidores selectivos da recaptação da serotonina (ISRSs): têm ocorrido

mortes por síndrome serotoninérgico; contra-indicada nos doentes que tomam IM AOs.

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS)

Em 1958, a imipramina, um fármaco que inicialmente foi desenvolvido como anti- histamínico, se mostrou eficaz para melhorar o humor de pacientes deprimidos

Depois da imipramina ter demonstrado propriedades antidepressivas, os antidepressivos tricíclicos se tornaram os maiores agentes terapêuticos.

demonstrado propriedades antidepressivas, os antidepressivos tricíclicos se tornaram os maiores agentes terapêuticos.

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS)

o

AMITRIPTILINA (Amytril®, Tryptanol®)

o

IMIPRAMINA (Tofranil®)

o

CLOMIPRAMINA (Anafranil®)

o

NORTRIPTILINA (Pamelor® )

o

MAPROTILINA (Ludiomil®)

o

DOXEPINA

o

DESIPRAMINA

o NORTRIPTILINA (Pamelor® ) o MAPROTILINA (Ludiomil®) o DOXEPINA o DESIPRAMINA
o NORTRIPTILINA (Pamelor® ) o MAPROTILINA (Ludiomil®) o DOXEPINA o DESIPRAMINA
o NORTRIPTILINA (Pamelor® ) o MAPROTILINA (Ludiomil®) o DOXEPINA o DESIPRAMINA

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS)

USOS TERAPÊUTICOS

o

Depressão maior, atípica e delirante;

o

Doença do pânico;

o

Enurese;

o

Dor crônica;

o

Transtorno obsessivo-compulsivo;

o

Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade.

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS) FARMACOCINÉTICA

ABSORÇÃO e DISTRIBUIÇÃO o São lipofílicos. o Boa absorção oral. o Ampla distribuição e atravessam
ABSORÇÃO e DISTRIBUIÇÃO
o
São lipofílicos.
o
Boa absorção oral.
o
Ampla distribuição e atravessam facilmente a BHE.
o
↑ índice de ligação com proteínas plasmáticas (90 a 95%)
METABOLIZAÇÃO o Hepática – Meia-vida longa (10 – 20h e alguns de até 80h).
METABOLIZAÇÃO
o Hepática – Meia-vida longa (10 – 20h e alguns de até 80h).
EXCREÇÃO o Renal
EXCREÇÃO
o Renal

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS) MECANISMO DE AÇÃO

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADT S ) MECANISMO DE AÇÃO Como na depressão existe um número aumentado de

Como na depressão existe um número aumentado de neuroreceptores e níveis baixos

de neurotransmissores

de neuroreceptores e níveis baixos de neurotransmissores Fármacos atuam na inibição da proteína que recaptura os

Fármacos atuam na inibição da

proteína que recaptura os neurotransmissores (noradrenalina e serotonina)

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS) MECANISMO DE AÇÃO

Inibição da captura neuronal de noradrenalina e de 5-HT por

antidepressivos tricíclicos e de seus metabólicos

Fármaco/metabólito

Captação da NA

Captação da 5-HT

Imipramina

+

+ +

+

+

Desmetilimipramina

+ + + +

+

Hidroxi-(DMI)

+ + +

-

Clomipramina

 

+ +

+ + +

Desmetilclomipramina

+

+ +

+

Amitriptilina

 

+ +

+ +

Nortriptilina

+

+ +

+ +

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS) MECANISMO DE AÇÃO

“O bloqueio da recaptura do neurotransmissor ocorre

imediatamente após a administração do fármaco, mas o efeito

antidepressivo do ADT requer muitas semanas (4-6) de tratamento

continuado para se estabelecer.

Isto sugere que a captura diminuída de neurotransmissor é simplesmente um evento inicial que pode
Isto sugere que a captura diminuída de neurotransmissor é
simplesmente um evento inicial que pode não estar relacionado
ao efeitos antidepressivos.

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS) RESULTADOS

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADT S ) RESULTADOS Melhora do humor Reforça alerta mental Aumenta atividade física Reduz
ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADT S ) RESULTADOS Melhora do humor Reforça alerta mental Aumenta atividade física Reduz
ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADT S ) RESULTADOS Melhora do humor Reforça alerta mental Aumenta atividade física Reduz
ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADT S ) RESULTADOS Melhora do humor Reforça alerta mental Aumenta atividade física Reduz
Melhora do humor
Melhora do humor
Reforça alerta mental
Reforça alerta mental
Aumenta atividade física
Aumenta atividade física
Reduz preocupação mórbida
Reduz preocupação mórbida

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS) MECANISMO DE AÇÃO/EFEITOS ADVERSOS

AÇÃO ANTIMUSCARÍNICA

AÇÃO ANTIMUSCARÍNICA

(M1)

(M1)

AÇÃO ANTIMUSCARÍNICA AÇÃO ANTIMUSCARÍNICA (M1) (M1) SNC: Delírio e alucinação

SNC: Delírio e alucinação

BLOQUEIO DE CANAIS DE

BLOQUEIO DE CANAIS DE

Na NO CORAÇÃO

Na NO CORAÇÃO

Taquicardias e arritmias

BLOQUEIO DE CANAIS DE BLOQUEIO DE CANAIS DE Na NO CORAÇÃO Na NO CORAÇÃO Taquicardias e

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS) MECANISMO DE AÇÃO/EFEITOS ADVERSOS

ANTAGONISMO

ANTAGONISMO

ADRENÉRGICO (α1)

ADRENÉRGICO (α1)

ANTAGONISMO ANTAGONISMO ADRENÉRGICO ( α 1) ADRENÉRGICO ( α 1)

ANTAGONISMO DOS

ANTAGONISMO DOS

RECEPTORES DE

RECEPTORES DE

HISTAMINA (H1)

HISTAMINA (H1)

ANTAGONISMO DOS ANTAGONISMO DOS RECEPTORES DE RECEPTORES DE HISTAMINA (H1) HISTAMINA (H1)

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS)

PRECAUSÕES

oOs antidepressivos tricíclicos devem ser usados com cautela em

pacientes maníaco-depressivos, pois podem desencadear um comportamento maníaco;

o Eles possuem um índice terapêutico pequeno; por exemplo, a imipramina, numa quantidade 5 a 6 vezes maior que a dosagem máxima diária, pode ser letal;

o Pacientes deprimidos com tendências suicidas devem ter acesso somente a pequenas quantidades desses fármacos e devem ser

atentamente vigiados.

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (ADTS) INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

POTENCIALIZAÇÃO

MÚTUA:

HIPERTENSÃO,

CONVULSÕES E COMA.

REDUZEM SEUS EFEITOS

Barbitúricos ANTIDEPRESSIVOS ETANOL E OUTROS INIBIDORES DA MAO TRICÍCLICOS DEPRESSORES DO SNC Fluoxetina
Barbitúricos
ANTIDEPRESSIVOS
ETANOL E OUTROS
INIBIDORES DA MAO
TRICÍCLICOS
DEPRESSORES DO SNC
Fluoxetina
Clorpromazina
Haloperidol

POTENCIALIZAM SEUS EFEITOS

SEDAÇÃO

TÓXICA

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS)

o Em 1970 iniciaram-se pesquisas

por um antidepressivo sem a

cardiotoxicidade e os efeitos

dos

anticolinérgicos

antidepressivos tricíclicos

o Nos anos de 1971-1972, Wong e

a

agente

antidepressivo que fosse seletivo

para

seus

pesquisar

associados

começaram

um

inibir

a

recaptação de

serotonina

agente antidepressivo que fosse seletivo para seus pesquisar associados começaram um inibir a recaptação de serotonina
agente antidepressivo que fosse seletivo para seus pesquisar associados começaram um inibir a recaptação de serotonina

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS)

o

FLUOXETINA (Prozac®, Deprax®, Fluxene®, Nortec®, Verotina®, Psiquial®, Eufor®);

o

PAROXETINA (Aropax®, Pondera®);

o

CITALOPRAM (Cipramil®);

o

SERTRALINA (Tolrest®, Zoloft®);

o

FLUVOXAMINA (Luvox®)

Pondera®); o CITALOPRAM (Cipramil®); o SERTRALINA (Tolrest®, Zoloft®); o FLUVOXAMINA (Luvox®)
Pondera®); o CITALOPRAM (Cipramil®); o SERTRALINA (Tolrest®, Zoloft®); o FLUVOXAMINA (Luvox®)

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS) PRINCIPAIS USOS TERAPÊUTICOS

DE SEROTONINA (ISRS) PRINCIPAIS USOS TERAPÊUTICOS Depressão; Bulimia nervosa; o o o o o o o

Depressão;

Bulimia nervosa;

o

o

o

o

o

o

o Distimia

o

Transtornos obsessivo-compulsivos (TOC);

Transtornos de ansiedade

Síndrome do pânico;

obsessivo-compulsivos (TOC); Transtornos de ansiedade Síndrome do pânico; Fobia social Tensão pré-menstrual.

Fobia social

Tensão pré-menstrual.

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS) FARMACOCINÉTICA

ABSORÇÃO e DISTRIBUIÇÃO o São lipofílicos. o Boa absorção oral. o Ampla distribuição e atravessam
ABSORÇÃO e DISTRIBUIÇÃO
o
São lipofílicos.
o
Boa absorção oral.
o
Ampla distribuição e atravessam facilmente a BHE.
METABOLIZAÇÃO o Hepática – Meia-vida longa (14 – 24h e alguns de até 96h).
METABOLIZAÇÃO
o Hepática – Meia-vida longa (14 – 24h e alguns de até 96h).
EXCREÇÃO o Renal
EXCREÇÃO
o Renal

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS) MECANISMO DE AÇÃO

DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS) MECANISMO DE AÇÃO São inibidores especificos da recaptura de serotonina.

São inibidores especificos da recaptura de serotonina.

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS) MECANISMO DE AÇÃO

o Isso contrasta com os ADTs que inibem de maneira não-seletiva a recaptura de NORA e 5-HT e bloqueiam receptores muscarínicos, histaminérgicos e adrenérgicos.

oO fármaco é isento da maioria dos perturbadores efeitos

colaterais dos antidepressivos tricíclicos, incluindo efeitos anticolinérgicos, hipotensão ortostática e ganho de peso.

o Os médicos não-especialistas, responsáveis pela maioria das prescrições de fármacos antidepressivos, têm indicado preferencialmente a fluoxetina ao invés dos antidepressivos tricíclicos.

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS) MECANISMO DE AÇÃO

DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS) MECANISMO DE AÇÃO POR QUE DEMORA POR QUE DEMORA TANTO PARA

POR QUE DEMORA

POR QUE DEMORA

TANTO PARA FAZER

TANTO PARA FAZER

EFEITO?

EFEITO?

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS)

REAÇÕES ADVERSAS

Geralmente causam menos efeitos colaterais que os demais, surgem com surtos agudos e desaparecem com o tempo.

o

o

o

o

o

o

o

Cefaléia.

Insônia e agitação.

Perda de peso

Perda da libido

Ejaculação retardada

Anorgasmia.

Distúrbios do TGI naúseas, vômitos e diarréia

Perda de peso Perda da libido Ejaculação retardada Anorgasmia. Distúrbios do TGI – naúseas, vômitos e
Perda de peso Perda da libido Ejaculação retardada Anorgasmia. Distúrbios do TGI – naúseas, vômitos e
Perda de peso Perda da libido Ejaculação retardada Anorgasmia. Distúrbios do TGI – naúseas, vômitos e
Perda de peso Perda da libido Ejaculação retardada Anorgasmia. Distúrbios do TGI – naúseas, vômitos e

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS)

PRECAUSÕES

Síndrome da descontinuação:

o

Tontura,

o

Ansiedade,

o

Náuseas, vômitos,

o

Palpitações e

o

Sudorese.

Necessidade de retirada progressiva. Ocorre menos com a

fluoxetina devido a sua meia-vida longa.

Entretanto, os inibidores da recaptura de 5-HT de introdução recente

Entretanto, os inibidores da recaptura de 5-HT de introdução recente

devem ser utilizados com cautela até que seus efeitos a longo prazo

devem ser utilizados com cautela até que seus efeitos a longo prazo

tenham sido avaliados.

tenham sido avaliados.

INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA (ISRS) INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Aumenta a toxicidade dos antidepressivos tricíclicos e de outras

drogas como antipsicóticos, antiarrítmicos, β-bloqueadores.

o O efeito dos anticoagulantes é potenciado;

o Antagonismo do efeito dos antiepilépticos;

o Aumento da toxicidade do lítio;

ANSIEDADE

“É um desagradável estado de tensão, apreensão ou um desagradável estado de tensão, apreensão ou

inquietude temor que parece originar-se de perigo interno

ou externo iminente, podendo ser resposta a estresse ou a estímulo ambiental. Muitas vezes ocorre sem causa aparente.

Episódios de ansiedade moderada são experiências comunsambiental. Muitas vezes ocorre sem causa aparente. ” do cotidiano e não requerem tratamento. Sintomas da

do cotidiano e não requerem tratamento.

Sintomas da ansiedade debilitante, crônica, grave, podem ser tratados com fármacos ansiolíticos, acompanhados oucomuns do cotidiano e não requerem tratamento. não de alguma forma de terapia psicológica ou

não de alguma forma de terapia psicológica ou

comportamental.

ANSIEDADE

ANSIEDADE
ANSIEDADE
Alteração do humor
Alteração
do
humor
Ansiedade
Ansiedade
Inquietação
Inquietação
Sudorese Exploração do ambiente
Sudorese
Exploração
do ambiente
Medo Dificuldade em adormecer
Medo
Dificuldade
em
adormecer
Taquicardia Aumento da vigilância
Taquicardia
Aumento
da
vigilância
Tremor Alterações respiratórias
Tremor
Alterações
respiratórias

Classificação dos distúrbios de ansiedade (DSM-IV)

Distúrbio de ansiedade generalizada;Classificação dos distúrbios de ansiedade (DSM-IV) Distúrbio do pânico; Transtorno obsessivo-compulsivo; Fobia

Distúrbio do pânico;de ansiedade (DSM-IV) Distúrbio de ansiedade generalizada; Transtorno obsessivo-compulsivo; Fobia específica; Fobia

Transtorno obsessivo-compulsivo;Distúrbio de ansiedade generalizada; Distúrbio do pânico; Fobia específica; Fobia social ou de desempenho; Agorafobia

Fobia específica;Distúrbio do pânico; Transtorno obsessivo-compulsivo; Fobia social ou de desempenho; Agorafobia sem distúrbio do

Fobia social ou de desempenho;pânico; Transtorno obsessivo-compulsivo; Fobia específica; Agorafobia sem distúrbio do pânico; Distúrbios

Agorafobia sem distúrbio do pânico;Fobia específica; Fobia social ou de desempenho; Distúrbios pós-traumáticos; Distúrbios de estresse

Distúrbios pós-traumáticos;ou de desempenho; Agorafobia sem distúrbio do pânico; Distúrbios de estresse agudo; Distúrbios de estresse

Distúrbios de estresse agudo;sem distúrbio do pânico; Distúrbios pós-traumáticos; Distúrbios de estresse devido a uma condição médica

Distúrbios de estresse devido a uma condição médica geral;pós-traumáticos; Distúrbios de estresse agudo; Distúrbios da ansiedade induzido por substância química;

Distúrbios da ansiedade induzido por substância química;de estresse agudo; Distúrbios de estresse devido a uma condição médica geral; Distúrbios atípicos da ansiedade.

Distúrbios atípicos da ansiedade.Distúrbios de estresse devido a uma condição médica geral; Distúrbios da ansiedade induzido por substância química;

INSÔNIA

“É um sintoma que se refere

à incapacidade de iniciar e de manter o sono, sendo

acompanhada de sono de

baixa qualidade, interrompido ou de

duração reduzida, e é

insuficiente para restaurar o alerta completo.”

de sono de baixa qualidade, interrompido ou de duração reduzida, e é insuficiente para restaurar o

Ir para cama

somente quando

houver sono

Sair da cama se houver dificuldade para dormir

Banho quente e massagem antes de dormir
Banho quente
e massagem
antes de dormir

PREVENINDO

A

INSÔNIA

Temperatura

agradável

e silêncio

Uso do leito só para dormir ou para atividade sexual

Limitação da

ingestão de cafeína e álcool à noite

Horário regular para dormir

Restrição do sono durante o dia

Exercícios físicos moderados durante o dia

Farmacoterapia X Psicoterapia

Perguntas antes da terapia hipnótica:

Existe alguma alteração importante no tempoX Psicoterapia Perguntas antes da terapia hipnótica: ou na qualidade do sono e a avaliação do

ou na qualidade do sono e a avaliação do

padrão do sono pelo paciente é acurada?

o sono

Existedo sono e a avaliação do padrão do sono pelo paciente é acurada? o sono razão

razão

clínica

uma

para

a

inadequado?

Farmacoterapia

Farmacoterapia Ansiolítico - reduz a ansiedade e exerce um efeito calmamente, com pouco ou nenhum efeito

Ansiolítico - reduz a ansiedade e exerce um efeito calmamente, com pouco ou nenhum efeito sobre as funções motoras ou mentais, irá atenuar o comportamento defensivo e promover a

desinibição comportamental.

Benzodiazepínicos Midazolam - Dormonid® Flunitrazepam - Rohypnol® Flurazepam - Dalmadorm® Nitrazepam - Sonebon®,

Benzodiazepínicos

Midazolam - Dormonid® - Dormonid®

Flunitrazepam - Rohypnol® - Rohypnol®

Flurazepam - Dalmadorm® - Dalmadorm®

Nitrazepam - Sonebon®, Nitrapan® - Sonebon®, Nitrapan®

Clobazan - Frisium®, Urbanil® - Frisium®, Urbanil®

Clonazepam - Rivotril® - Rivotril®

Clorazepato - Tranxilene® - Tranxilene®

Clordiazepóxido - Psicosedin® - Psicosedin®

Cloxazolam – Clozal®, Elum®, Olcadil® Clozal®, Elum®, Olcadil®

Alprazolam - Apraz®, Frontal® - Apraz®, Frontal®

Bromazepam - Lexotan®, Somalium®, Novazepan® - Lexotan®, Somalium®, Novazepan®

Lorazepam - Lorax®, Max-pax®, Mesmerin® - Lorax®, Max-pax®, Mesmerin®

Diazepam - Valium®, Ansilive®, Calmociteno® - Valium®, Ansilive®, Calmociteno®

Benzodiazepínicos

O 1º fármaco foi o clordiazepóxido (1960);

Cerca de 20 compostos são utilizados na

clínica;

A principal diferença é a farmacocinética.

A duração de ação pode determinar o emprego terapêutico.

Ação curta – Hipnóticos. Hipnóticos.

Ação intermediária – ansiolíticos e hipnótico-sedativos. ansiolíticos e hipnótico-sedativos.

Ação longa – ansiolíticos. ansiolíticos.

Mecanismo de ação dos benzodiazepínicos

Mecanismo de ação dos benzodiazepínicos

Farmacocinética dos benzodiazepínicos

Absorção:

Substâncias lipofílicas - rápida e completamente absorvidos após administração oral.Farmacocinética dos benzodiazepínicos Absorção: A ingestão concomitante de alimentos tendem a reduzir a velocidade de

A ingestão concomitante de alimentos tendem a reduzir a velocidadee completamente absorvidos após administração oral. de absorção. Vias de administração: Via oral –

de absorção.

Vias de administração:

Via oral – velocidade de absorção varia com a lipossolubilidade. velocidade de absorção varia com a lipossolubilidade.

Via IM- lenta e variável. lenta e variável.

Via IV – deve ser diluído para permitir uma administração mais lenta. Dificultado pela lipossolubilidade do fármaco; deve ser diluído para permitir uma administração mais lenta. Dificultado pela lipossolubilidade do fármaco; A administração IV do diazepam em solução aquosa vem acompanhada de dor e ↑ freqüência de tromboflebite.

Duração de ação dos benzodiazepínicos

Duração de ação dos benzodiazepínicos Midazolam (Dormonid®) Flunitrazepam (Rohypnol®) Alprazolam (Apraz®)

Midazolam (Dormonid®)

de ação dos benzodiazepínicos Midazolam (Dormonid®) Flunitrazepam (Rohypnol®) Alprazolam (Apraz®) Bromazepam
de ação dos benzodiazepínicos Midazolam (Dormonid®) Flunitrazepam (Rohypnol®) Alprazolam (Apraz®) Bromazepam

Flunitrazepam (Rohypnol®) Alprazolam (Apraz®) Bromazepam (Lexotan®) Cloxazolam (Olcadil®)

Diazepam (Valium®) Clonazepam (Rivotril®) Flurazepam

A duração de ação pode determinar o emprego terapêutico.

Ação curta – Hipnóticos. Hipnóticos.

Ação intermediária – ansiolíticos e hipnótico-sedativos. ansiolíticos e hipnótico-sedativos.

Ação longa – ansiolíticos. ansiolíticos.

Duração de ação

dos benzodiazepínicos

Fármaco

Duração de ação

Nome comercial ®

Lorazepam

Alprazolam

Nitrazepam

Diazepam

Clordiazepóxido

Curta (12-18h)

Média (24h)

Média

Longa (24-48h)

Lorax, Mesmerin. Apraz, Frontal.

Nitrapan, Nitrazepol.

Valium, Dienpax.

Psicosedin.

Flurazepam

Longa

Dalmadorm.

Clonazepam

Longa

Rivotril, Clonotril.

Efeitos dos benzodiazepínicos

Efeito ansiolítico:

Atenuação do comportamento defensivo,Efeitos dos benzodiazepínicos Efeito ansiolítico: anticonflito e desinibição comportamental; BZDs de meias-vidas

anticonflito e desinibição comportamental;

BZDs de meias-vidas longas, em baixas doses e por períodos prolongados;defensivo, anticonflito e desinibição comportamental; Os efeitos ansiolíticos estão menos sujeitos à sedativo-

Os efeitos ansiolíticos estão menos sujeitos àde meias-vidas longas, em baixas doses e por períodos prolongados; sedativo- tolerância do efeitos que os

sedativo-

tolerância

do

efeitos

que

os

hipnótico.

Efeitos dos benzodiazepínicos

EFEITO SEDATIVO:

Todos os BZDs em baixas doses apresentam efeito sedativo;Efeitos dos benzodiazepínicos EFEITO SEDATIVO: Alta tolerância. EFEITO HIPNÓTICO: BZDs de meias-vidas curtas –

Alta tolerância.Todos os BZDs em baixas doses apresentam efeito sedativo; EFEITO HIPNÓTICO: BZDs de meias-vidas curtas –

EFEITO HIPNÓTICO:

BZDs de meias-vidas curtas – tratamento da insônia. tratamento da insônia.

Altas doses de BZDs de meia-vida longa;BZDs de meias-vidas curtas – tratamento da insônia. Alta tolerância; ↓ latência do sono e a

Alta tolerância;da insônia. Altas doses de BZDs de meia-vida longa; ↓ latência do sono e a freqüência

latência do sono e a freqüência com que a pessoa acorda durante latência do sono e a freqüência com que a pessoa acorda durante

noite, duração do sono total.

Duração do tratamento sempre curta - 4 semanas.pessoa acorda durante noite, ↑ duração do sono total. Uso intermitente de preferência (3 em 3

Uso intermitente de preferência (3 em 3 dias).total. Duração do tratamento sempre curta - 4 semanas. Uso por mais de 7-10 dias -

Uso por mais de 7-10 dias - retirada gradual devido a insônia rebote.duração do sono total. Duração do tratamento sempre curta - 4 semanas. Uso intermitente de preferência

Efeitos dos benzodiazepínicos

RELAXAMENTO MUSCULAR:

Reduz espasmo muscular e espasticidade;Efeitos dos benzodiazepínicos RELAXAMENTO MUSCULAR: Altas doses de diazepam; ANTICONVULSIVANTE: Diazepam – mal do

Altas doses de diazepam;MUSCULAR: Reduz espasmo muscular e espasticidade; ANTICONVULSIVANTE: Diazepam – mal do estado epiléptico.

ANTICONVULSIVANTE:

Diazepam – mal do estado epiléptico. mal do estado epiléptico.

Clonazepam e clobazan – tratamento crônico dos distúrbios epilépticos. tratamento crônico dos distúrbios epilépticos.

AÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA:

Sinergismo de adição: ↓ dose dos anestésicos; dose dos anestésicos;

Aliviam a tensão antecipatória.: Sinergismo de adição: ↓ dose dos anestésicos; AMNÉSIA ANTERÓGRADA: ↓ aquisição da memória. ATAXIA

AMNÉSIA ANTERÓGRADA: aquisição da memória.

ATAXIA (INCOORDENAÇÃO MOTORA) E DISARTRIA DE FALA:

Doses mais elevadas.antecipatória. AMNÉSIA ANTERÓGRADA: ↓ aquisição da memória. ATAXIA (INCOORDENAÇÃO MOTORA) E DISARTRIA DE FALA:

Usos Terapêuticos

dos Benzodiazepínicos

Ansiolítico de uso agudo ou crônico;Usos Terapêuticos dos Benzodiazepínicos Doença do pânico; Transtornos obsessivo-compulsivos; Distúrbios do sono;

Doença do pânico;Benzodiazepínicos Ansiolítico de uso agudo ou crônico; Transtornos obsessivo-compulsivos; Distúrbios do sono;

Transtornos obsessivo-compulsivos;Ansiolítico de uso agudo ou crônico; Doença do pânico; Distúrbios do sono; Adjuvante anestésico;

Distúrbios do sono;Doença do pânico; Transtornos obsessivo-compulsivos; Adjuvante anestésico; Anticonvulsivante; Miorrelaxante:

Adjuvante anestésico;Transtornos obsessivo-compulsivos; Distúrbios do sono; Anticonvulsivante; Miorrelaxante: tratamento de espasmos da

Anticonvulsivante;Distúrbios do sono; Adjuvante anestésico; Miorrelaxante: tratamento de espasmos da musculatura

Miorrelaxante: tratamento de espasmos da musculatura esquelética e espasticidade, que ocorre em algumas doenças, tais como: tétano, esclerose múltipla, paralisia cerebral, lesão medular.do sono; Adjuvante anestésico; Anticonvulsivante; Tratamento agudo da síndrome de abstinência do álcool e

Tratamento agudo da síndrome de abstinência do álcool e outras drogas.que ocorre em algumas doenças, tais como: tétano, esclerose múltipla, paralisia cerebral, lesão medular.

Dependência dos

benzodiazepínicos

Promovem dependência física e psíquica;Dependência dos benzodiazepínicos Ocorre não só com doses terapêuticas por período prolongado, como também por

Ocorre não só com doses terapêuticas por período prolongado, como também por doses elevadas.Promovem dependência física e psíquica; A interrupção abrupta provoca síndrome de abstinência;

A interrupção abrupta provoca síndrome de abstinência;por período prolongado, como também por doses elevadas. Sintomas da síndrome de abstinência: “Confusão,

Sintomas da síndrome de abstinência:A interrupção abrupta provoca síndrome de abstinência; “Confusão, ansiedade, agitação, inquietação,

“Confusão, ansiedade, agitação, inquietação, irritabilidade, insônia, cefaléia, tremores, tontura, anorexia, náuseas, vômitos, diarréia, fraqueza, fotofobia, despersonalização e depressão.”

Os BZDs com meia-vida de eliminação curta causam reações defraqueza, fotofobia, despersonalização e depressão.” abstinências mais severas e abruptas do que com os

abstinências mais severas e abruptas do que com os fármacos

de meia-vida longa.

Reações Adversas dos

Benzodiazepínicos

Efeitos colaterais durante o uso:

Sonolência;

Confusão;

Déficit de memória;

Déficit de atenção;

Comprometimento da coordenação.

• Sonolência; • Confusão; • Déficit de memória; • Déficit de atenção; • Comprometimento da coordenação.

Reações Adversas dos Benzodiazepínicos

Fadiga e fraqueza muscular;

Ataxia (incoordenação motora) e disartria de fala;

Depressão;

Tonteira;

Hipotensão;

Náuseas;

Secura na boca;

peso corporal - ↑ apetite. peso corporal - apetite.

Potencial de dependênciaTonteira; • Hipotensão; • Náuseas; • Secura na boca; ↑ peso corporal - ↑ apetite.

Hipotensão; • Náuseas; • Secura na boca; ↑ peso corporal - ↑ apetite. Potencial de dependência

Precauções com

os benzodiazepínicos

Interações medicamentosas:

↑ efeitos dos depressores do SNC: neurolépticos,

efeitos dos depressores do SNC: neurolépticos,

antidepressivos, ansiolíticos, sedativos, hipnóticos,

narcóticos, analgésicos e anti-histamínicos.

Cimetidina e anticoncepcionais orais – inibição enzimática -

Cimetidina e anticoncepcionais orais inibição enzimática -

efeitos dos depressores do SNC

Não é recomendada a ingestão simultânea de álcool.

Não é recomendada a ingestão simultânea de álcool.

Contra-indicações:

Doença hepática ou renal;a ingestão simultânea de álcool. Contra-indicações: Síndrome cerebral crônica; Glaucoma de ângulo fechado;

Síndrome cerebral crônica;a ingestão simultânea de álcool. Contra-indicações: Doença hepática ou renal; Glaucoma de ângulo fechado; Idosos.

Glaucoma de ângulo fechado;a ingestão simultânea de álcool. Contra-indicações: Doença hepática ou renal; Síndrome cerebral crônica; Idosos.

Idosos.de álcool. Contra-indicações: Doença hepática ou renal; Síndrome cerebral crônica; Glaucoma de ângulo fechado;

Antagonista benzodiazepínico

Flumazenil - lanexat®

Usado para reverter os efeitos dos benzodiazepínicos após overdose.Antagonista benzodiazepínico Flumazenil - lanexat® Poderá haver incidência de ansiedade e agitação. Pode desencadear

Poderá haver incidência de ansiedade e agitação.reverter os efeitos dos benzodiazepínicos após overdose. Pode desencadear síndrome de abstinência em pacientes

Pode desencadear síndrome dePoderá haver incidência de ansiedade e agitação. abstinência em pacientes dependentes dos

abstinência em pacientes

dependentes dos benzodiazepínicos.

Dose de 0,1 a 0,2mg até se alcançar o efeito desejado (10 ae agitação. Pode desencadear síndrome de abstinência em pacientes dependentes dos benzodiazepínicos. 20µg/l)

em pacientes dependentes dos benzodiazepínicos. Dose de 0,1 a 0,2mg até se alcançar o efeito desejado

Considerações finais

Principal obstáculo ao desenvolvimento de novos fármacos: falta de conhecimentos coerentes sobre a etiologia e a fisiopatologia dos transtornos de ansiedade.

Os ansiolíticos atravessam a barreira placentária durante a gravidez e são encontrados no leite materno, podendo contribuir para a depressão das funções vitais do

neonato. O uso indiscriminado de ansiolíticos, principalmente em mulheres de meia-idade, deve ser reavaliado e orientado pelos profissionais de saúde. “Ele me tranqüiliza Se vai acontecer alguma coisa, eu já

estou tranqüila”. (usuária de ansiolítico, 67 anos)