Você está na página 1de 7

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ
SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E EM
MATEMÁTICA

EDNEI LEITE DE ARAÚJO

O uso de softwares estatísticos nos anos iniciais do ensino fundamental na
perspectiva da alfabetização matemática
LINHA DE PESQUISA:

Pré-Projeto de Pesquisa
apresentado
como
requisito parcial para
inscrição/seleção
no
Programa
de
PósGraduação em Ensino
de Ciências e em
Matemática da UFPR

CURITIBA
2014

Considerando a tecnologia que nos cerca. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:  Apresentar sites na internet que apresentem atividades relacionadas ao ensino de estatística nos anos iniciais de escolarização.RESUMO A estatística pode ser considerada como uma ciência responsável por analisar dados e informações. disponíveis gratuitamente na internet. direcionados ao ensino da Educação Estatística na perspectiva da alfabetização matemática. tecnologia de informação e comunicação. OBJETO DA PESQUISA ou PROBLEMA DE PESQUISA  Quais softwares estatísticos. Assim. Palavras-chave: educação estatística.  Descrever qual o conceito estatístico envolvido nos softwares encontrados. séries iniciais. Neste contexto. apresentam atividades relacionadas ao ensino da Educação Estatística nos anos iniciais de escolarização? Quais conceitos estatísticos estão envolvidos nestes softwares? Qual a relação destes softwares com as atividades propostas no PNAIC (Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa)? OBJETIVO GERAL:  Investigar softwares estatísticos livres. faz-se necessário o uso deste recurso desde as séries iniciais. pretende-se com este trabalho apresentar ao docente das séries iniciais uma possibilidade para ensinar estatística por meio de softwares estatísticos. este estudo visa investigar quais suportes tecnológicos estão disponíveis. 1. . que apresentam atividades voltadas para o ensino da Educação Estatística na perspectiva da alfabetização matemática. uma aprendizagem mais significativa. sendo uma ferramenta facilitadora para inserção de um indivíduo crítico e reflexivo no mundo globalizado. uma vez que o professor alfabetizador assume o papel de mediador entre os conhecimentos matemáticos e as crianças.  Apresentar ao professor alfabetizador uma possibilidade para ensinar estatística por meio de softwares estatísticos. pois estas tecnologias inseridas na sala de aula proporcionam para as crianças em fase de alfabetização. gratuitamente na internet.

muitos professores sentem dificuldades na etapa de tabulação e análise dos dados e. Sempre gostei muito de matemática e quando alguns colegas ficavam com dúvidas eu as esclarecia. desenvolvendo pesquisas em ensino de matemática e auxiliando na organização de minicursos e demais eventos voltados à formação continuada de professores de matemática. Analisar a didática utilizada em cada software encontrado. Como é um projeto aberto a todas as disciplinas e os temas pesquisados são amplos. coordenado pelo professor Emerson Rolkouski. Para finalizar a minha participação neste projeto. prestei vestibular para o curso de licenciatura em matemática da Universidade Federal do Paraná. cujo foco é inserir a pesquisa de opinião na educação básica. no ano que conclui o ensino médio.  Investigar quais destes softwares atingem os objetivos do caderno 7 – Educação Estatística. voluntariamente. do projeto NEPSO (Nossa Escola Pesquisa Sua Opinião). cada integrante se responsabilizou . Em 2006. cujo objetivo é fornecer uma “primeira” experiência ao estudante com o ensino de matemática. e então fui percebendo que o meu lugar seria na sala de aula. Em paralelo com as disciplinas de práticas de ensino (último ano do curso). Participei por um ano. neste momento eu e mais alguns colegas do curso prestávamos uma espécie de monitoria em estatística básica para os professores alfabetizadores que desenvolviam pesquisa de opinião em sala de aula. a universidade abriu as inscrições para o programa Licenciar (voltado para alunos dos cursos de licenciatura). Neste projeto. relatando experiências vividas com a formação de professores e suas contribuições na formação do futuro professor. Neste grupo participei por aproximadamente dois anos. iniciando os estudos universitários em 2007. ou seja. No final do primeiro ano de graduação. JUSTIFICATIVA Cursei a educação básica integralmente em escolas públicas de Curitiba. 3. do PNAIC. Pesquisa e Extensão em Educação Matemática). participei do X ENEM (Encontro Nacional de Educação Matemática). pelo programa Universidade Sem Fronteiras. Participei por pouco mais de um ano deste projeto até ingressar no GEPEEM (Grupo de Estudos. ingressei no programa PIBID (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência). ensinando matemática. participei de um grupo cujo foco era inserir novas metodologias no ensino de matemática.

. onde foi proposto que no currículo da matemática fossem incluídas noções de estatística e probabilidade desde o curso secundário. propôs e aplicou uma nova metodologia pra contemplar o ensino de algum conteúdo matemático. o ensino de estatística estava inserido. organização. 2003) O surgimento da ideia de acrescentar a Estatística no ensino da matemática nas escolas ocorreu em 1970 na primeira conferência do Comprehensive School Mathematics Program.Muitos estudantes. os conteúdos estatísticos eram abordados superficialmente no final do ano letivo. explicitando a possibilidade de aplicação das metodologias destas pesquisas na sala de aula. Soares & César. nas suas vidas futuras. quase todos. usarão noções de probabilidade e estatística como instrumentos em suas profissões e. portais com banco de teses. apresentação e análise de dados. 4.A introdução da probabilidade e da estatística no currículo de matemática produzirá um forte efeito estimulante por ser um ramo dinâmico da matemática e por já ficarem evidentes suas aplicações. Sempre me inquietou o fato de que. terão que argumentar baseados na probabilidade e no raciocínio estatístico. no sentido de diversificar sua prática de ensino e buscar novas metodologias para ensinar matemática. dissertações e artigos em Educação Matemática. contatou e observou as aulas dos professores de matemática. na maioria das observações. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA/REVISÃO DE LITERATURA A Estatística é uma ciência que se dedica ao desenvolvimento e ao uso de métodos para a coleta. .A relevância da probabilidade e da estatística em quase todas as atividades da sociedade moderna. Nos ensinos primário e secundário. resumo. durante a participação nos projetos mencionados anteriormente. (Farias. apresentando para os vários professores da educação básica. Os principais motivos que justificaram esta decisão foram: . apresentando possibilidades para ensinar estatística nas séries iniciais por meio de tecnologia da informação e comunicação na perspectiva da alfabetização matemática. .por um colégio estadual. quando eram abordados. surge a proposta para este estudo com o intuito de continuar as atividades desenvolvidas nos programas que participei durante a graduação. Assim.

enfatizando o ensino de estatística da educação básica ao ensino secundário e esta mudança nos PCN’s gerou condições para o surgimento do movimento da Educação Estatística. Nos parâmetros curriculares nacionais (1997). ou seja. Borba e Penteado (2003) defendem a importância do uso de softwares estatísticos como facilitadores no processo de investigação matemática em sala de aula. 58). estes assuntos possibilitam o desenvolvimento de um pensamento e raciocínio críticos. o ensino de estatística na educação básica está fortemente ligado aos avanços de uma sociedade que.geralmente. Complementando o conceito de Alfabetização Matemática. geometria e lógica”. De acordo com os parâmetros. segundo Carzola (2002). define a Alfabetização Matemática como um “instrumento para a leitura do mundo”. afirma que “Ser alfabetizado em matemática. De acordo com o documento. p. é entender o que se lê e escrever o que se entende a respeito das primeiras noções de aritmética. no final do programa da disciplina de matemática. o professor deve proporcionar atividades de ensino com o auxílio de softwares visando facilitar o ensino da matemática. então. conforme abordam Lopes e Coutinho (2010). Danyluk (1988. 2014). na maioria das vezes se comunica através de gráficos e tabelas. Entretanto. o ensino de probabilidade de estatística está inserido no bloco denominado “Tratamento da Informação”. é necessário que alguns conceitos sejam trabalhados desde as séries iniciais. uma vez que o sujeito é considerado letrado matematicamente quando é capaz de compreender a intenção dos textos que circulam socialmente. em campeonatos de futebol. pois é uma ferramenta presente em nosso cotidiano. no caso deste trabalho. em 1997. Neste contexto. desenvolvendo no aluno uma maior autonomia ao realizar previsões e tomar decisões. . em relação ao uso da informática em sala de aula. Valente (1999) afirma que o uso do computador possibilita uma maior integração no processo de aprendizagem. O material do PNAIC (BRASIL. e da estatística. esta situação mudou fundamentalmente através da elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Tais recursos tecnológicos fornecem ainda uma maior motivação nos estudantes quando se trata da apropriação do conteúdo estudado em sala de aula. Para que o cidadão possa compreender toda esta estatística presente no seu dia a dia. considerando a tecnologia da informação e comunicação como geradora de conhecimento. fazendo uso da estatística na saúde. etc.

possibilitando 6. Explorar diferenças individuais de interesse. Encorajar a flexibilidade no uso de estratégias e criar oportunidades para considerar ideias de muitas perspectivas. (COSCARELLI 1998) 5.Neste sentido. Fornecer feedback rico e explicativo. mar/15 a junho/15 X jul/15 a dez/15 fev/16 a jun/16 X X 2) Descrição das etapas. aprecia e analisa o mundo. Os procedimentos metodológicos constarão de etapas que possibilitarão responder o problema de pesquisa. Nesta perspectiva. do PNAIC. A opção pela metodologia qualitativa assenta-se no fato de que esta abordagem permite realizar um estudo mais dinâmico do ponto de vista interpretativo e analítico. qual a didática abordada em cada um e qual destes softwares atingem os objetivos propostos no caderno 7 – Educação Estatística. METODOLOGIA Será adotada uma abordagem crítica de caráter qualitativo para evidenciar as características dialéticas e dinâmicas de softwares estatísticos na perspectiva da alfabetização matemática. busca-se identificar quais conceitos estatísticos estes softwares envolvem. X 3) elaboração do projeto. Coscarelli (1998) recomenda que os programas devem: Fornecer suporte para a reflexão. Fornecer medidas significativas de avaliação. lendo e compreendendo como a sociedade se organiza. Explorar erros como oportunidades para desenvolver a aprendizagem. ressalta-se a importância de se disponibilizar softwares que possibilitam o desenvolvimento de uma maior autonomia dos alunos e a possibilidade de construção de conhecimentos pelos mesmos. conhecimento e habilidades. Assim. descreve. ações pedagógicas devem possibilitar que as crianças consigam se relacionar melhor com os outros e consigo mesmo. Inicialmente será realizado um levantamento de sites da internet que apresentam atividades relacionadas ao ensino de estatística nos anos iniciais. X X jun/16 a set/16 out/16 a dez/16 . Em seguida. CRONOGRAMA ATIVIDADES/MESES 1) Disciplinas.

4) Organização do referencial teórico e dos procedimentos metodológicos. Pacto Nacional pela Alfabetização . X X 9) Apresentação da defesa da dissertação. Secretaria de Educação Básica. 5) Levantamento de softwares estatísticos. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. 6) Análise dos dados. X X X X 7) Apresentação da primeira redação e qualificação. versão final e X REFERÊNCIAS BRASIL. 8) Revisão da redação.