Você está na página 1de 123

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA DE MATERIAIS

PROJETO DE FÁBRICA E LAYOUT DE UMA EMPRESA DE
COMPOSTO DE PVC: ESTUDO MERCADOLÓGICO NA REGIÃO
METROPOLITANA DO CARIRI - CEARÁ.

EDER HENRIQUE COELHO FERREIRA

Orientador: Dr. Marcelo Silveira Rabello
Coorientadora: Doutoranda Cristiane Agra Pimentel

Campina Grande, Paraíba.
Maio/2016

Universidade Federal de Campina Grande
Centro de Ciências e Tecnologia
Unidade Acadêmica de Engenharia de Materiais

Eder Henrique Coelho Ferreira

Projeto de Fábrica e Layout de Empresa de Composto de PVC: Estudo Mercadológico
na Região Metropolitana do Cariri - Ceará.

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Unidade
Acadêmica de Engenharia de Materiais –Centro de

Ciências e Tecnologia da Universidade Federal de
Campina Grande, como requisito para a obtenção do
título de Graduação em Engenharia de Materiais.

Orientador: Dr. Marcelo Silveira Rabello
Coorientadora: Doutoranda Cristiane Agra Pimentel

Campina Grande, Paraíba.
Maio/2016

O TCC defendido e aprovado, em _____ de ___________ de ______, pela Comissão
Examinadora constituída pelos professores:

................................................................................
Doutoranda Cristiane Agra Pimentel

................................................................................
Dra. Elisangela Silva Porto Sales

................................................................................
Dr. Marcello Silveira Rabello

................................................................................
Dr. Tomas Jeferson Alves de Melo

Vera Luzi Coelho Ferreira e Francisco Erasmo Ferreira. incentivadores e conselheiros da minha educação. no desenvolvimento do plano de negócio realizado nesse trabalho. Aos professores da Unidade Acadêmica de Engenharia Materiais. Francisco Erasmo Júnior por ter me passado um pouco da sua experiência na indústria. Aos meus pais. Erick e Erasmo Junior. de orientar e contribuir para o desenvolvimento desse trabalho. Ao Eng. A professora Dra. e irmãos. por terem sido os patrocinadores. Elisângela Porto por ter me concedido a oportunidade de cursar a disciplina de Projeto de Fábrica e Layout no departamento de engenharia produção e por ter contribuído para o desenvolvimento do layout da empresa projetado nesse trabalho. por estar ao meu lado sempre me ajudando e me acompanhando nos momentos felizes e difíceis da vida. A professora Dra. A minha maravilhosa esposa. sendo as suas informações repassadas de extrema importância para o desenvolvimento desse trabalho. A doutoranda Cristiane Agra Pimentel pela disponibilidade. Marcelo Rabello por ter sido o grande incentivador para realização desse trabalho.AGRADECIMENTOS Primeiramente quero agradecer a Deus por ter transformado minha vida e por ter me dado oportunidade de recomeçar. Sídia Fonseca do departamento de administração e ao colega Yago Rocha pelo auxílio. Ao amigo Constantino Clementino e ao seu pai por terem sido os facilitadores para compreensão do mercado da Região Metropolitana do Cariri. Ao amigo Eng. durante a disciplina formação de empreendedores. . junto com o professor Dr. especialmente ao professor Dr. Camilla Thais de Meneses Coelho. Italo Nathan por ter me acompanhado na visita a Feiplastic em São Paulo e ter facilitado obtenção de algumas informações essenciais para esse trabalho. Marcelo.

Controle da Qualidade Total (TQC) e Just-in-Time (JIT). Viabilidade. A viabilidade econômica para instalar uma empresa de composto de PVC foi também discutida. acarretando elevados custos com inventário. e um curto prazo de entrega necessita desenvolver na empresa um processo extremamente eficiente. equivalente das grandes fornecedoras de composto de PVC. No projeto da fábrica foram abordados três filosofias a ser implantada na empresa a fim que permita a mesma alcançar eficiência no processo e. a empresa terá a missão de oferecer também um produto de qualidade e de baixo custo. Estoque. dado a sua influência na qualidade do produto e no custo. A empresa a ser projetada para atingir a qualidade do produto e baixo custo. trabalham com níveis altos de estoque. à satisfação dos microempresários. Para contornar essa situação. Palavras-chave: PVC.RESUMO Os microempresários de calçados da Região Metropolitana do Cariri têm elevados prejuízos devido à ineficiência na entrega que os fornecedores de composto de PVC oferecem. consequentemente. No entanto. Para atender essa demanda insatisfeita. . As filosofias abordadas foram: Manutenção Produtiva Total (TPM). Além desses três sistemas foi abordado o estudo do processo de fabricação do composto de PVC. O Layout organizacional da empresa foi outro aspecto desenvolvido devido seu impacto no prazo de entrega e no custo de produção. ter agilidade na entrega não será o bastante para satisfazer as necessidades do cliente. esse trabalho tem o intuito de projetar um fábrica de composto de PVC na Região Metropolitana do Cariri que possa atender aos microempresários com curto prazo de entrega. Layout. Sistemas.

given its influence on product quality and cost. Systems. Feasibility. the company need to have an extremely efficient process. Total Quality Control (TQC) and Just-in-Time (JIT). PVC. For PVC compound company. quality in the product and low cost. because of its impact on the delivery time and cost of production . For the company offer a product quality and low cost equivalent of the major suppliers of PVC compound. this work has intention to project an Industry of PVC compound in the Metropolitan Region Cariri that can attend the microentrepreneurs with fast delivery. The philosophies discussed were: Total Productive Maintenance (TPM). The economic feasibility of installing a PVC compound company was also discussed. .ABSTRACT Microentrepreneurs shoes Metropolitan Region Cariri have high losses due to inefficiency in the delivery that the PVC compound suppliers offer. this work describe some work philosophies to be implemented in the company that will achieve efficiency in the process. they also need quality product and low cost. To attend this unsatisfied demand. Keywords:. Layout. Inventory. However the microentrepreneurs does not need only of quality of delivery. Microentrepreneurs in the region to circumvent this situation buy high inventory levels. and the organizational layout of the company was aspect also developed. to survive in the market and attend the microentrepreneurs with quality in the delivery. Beyond these three systems was describe the study of the manufacturing process of PVC compound. resulting in high maintenance costs.

................................................................103 Figura 18 − A simbologia para representação do Fluxograma.................................................106 Figura 21 − Estimativa Arranjo Físico da fabricação do composto de PVC..........................47 Figura 5 − Os 5 pilares de sustentação do desenvolvimento do TPM............................................................................................................96 Figura 12 − Layout das Instalações sanitárias....................................................60 Figura 7− Índices do OEE..................102 Figura 16 − Arranjo Físico Geral.........................................................................................................97 Figura 14 − Layout do Refeitório.................................................58 Figura 6 − Iceberg representando causas invisíveis gerando uma falha visível........................................................................................................................38 Figura 4 − Representação do Misturador Intensivo......................61 Figura 8 – As quatro etapas de competência de um operador..............................................................LISTA DE FIGURAS Figura 1 − Gráfico de Estoque Ideal...........105 Figura 20 − Mapofluxograma da Fabricação de composto de PVC.........................................64 Figura 9 − Redução dos estoques para expor os problemas do processo.................................................................102 Figura 17 − Arranjo físico de prevenção a incêndios...........................................................................108 Figura 23 − Arranjo físico ................97 Figura 13 − Layout dos Vestiários...........................................................................107 Figura 22 − Estimativa do arranjo físico detalhado.......................................................................20 Figura 2 − Micrografia da partícula de PVC.....................110 Figura 24 − Layout Geral da Fábrica...Armazenamento-Almoxarifado...........................................................................................104 Figura 19 − Fluxograma para fabricação do composto de PVC.............96 Figura 11− Layout dos escritórios..........................................................................................................35 Figura 3 − Plastificação do PVC...........................................112 ....................................98 Figura 15 − Malha de relacionamento entre as instalações...........74 Figura 10 − Estimativa do Layout do processo interno da Empresa de Composto de PVC.........................................................

....93 Tabela 13 − Diagrama Homem-Máquina................................................................................................................28 Tabela 5 − Investimento total...................................................................................................................23 Tabela 3 − Capital de giro..........................................101 Tabela 17 − Quantificação da matéria-prima para uma semana...................................92 Tabela 12 − Diagrama Homem-Máquina....LISTA DE TABELAS Tabela 1 − Localização das fornecedoras de matéria prima....................................... operação: Pesador/Misturador............88 Tabela 11 − Diagrama Equipe.30 Tabela 9 − Demonstrativo de resultados.....................................................................................................................................110 Tabela 18 − Aspectos gerais do PLASTABIL ICZ-221...28 Tabela 6−.......................................................................................... Estoque mensal............................................................................26 Tabela 4 − Investimento fixo..................................... Custo de mão de obra..................99 Tabela 15 − Risco de incêndio e substância extintora das instalações............................21 Tabela 2 − Empresas fornecedoras de maquinário para Empresa de Composto de PVC......................................................................................................94 Tabela 14 − Estimativa das áreas......................................................................................30 Tabela 8 − Custos fixos operacionais mensais........................................................................... operação: Abastecimento.99 Tabela 16 − ―Carta de Para‖........................................................31 Tabela 10 − Dimensões dos equipamentos.......................................... operação: Transportador................................................................................................. 120 ..................................................................29 Tabela 7 − Custo com depreciação......

......................................... Objetivo Geral .........................................................2...................................................... 12 2.............. PLANO DE NEGÓCIO .. Aditivos necessários para formulação do Composto de PVC..................................................... 39 5..............1.................. OBJETIVOS ........................ ESTUDO DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DO COMPOSTO DE PVC ..........................................2....................................................................................................... Investimentos ........................................................1.....44 ..............................................2............................................ 21 4.. 30 5.2.............................2 Densidade Aparente e Fluxo Seco ....14 2.............. 42 5.. Objetivos Específicos ..........................................................................................4 Géis ou Fish-Eyes ....... Estudo dos Fornecedores .... Custos de Instalação da Empresa do Composto de PVC .................................................................... Estudo do Cliente .........................................................14 2...................................................................18 4...............................................................25 4..................16 4................................................... Estudo reológico da fabricação do composto de PVC.... 18 4......1...............................1......................................................................3 Porosidade e Absorção de Plastificantes ...................................................4.......3 Demonstrativo de resultados e Indicadores de viabilidade .....................1........................................3...... Gelificação e Fusão ...2... 29 4............................................26 4........... APRESENTAÇÃO DA REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI .....................35 5...............2...4............................1...........................................................4........................................37 5........................................................................................................3.........1.................................4...............................................4 Estabilizantes .................1................................................ INTRODUÇÃO ....................................3...............2............................................................. Justificativa.......3...............33 5...........2........3...........3 Cargas .... Características das Resinas de PVC que Influenciam na Produção do Composto............... Influencia das condições de processamento nos processos de gelificação composto de PVC ..............................1 Distribuição de Tamanho da Partícula ......... 37 5.................................................14 3................................ 33 5............. Estudo dos Concorrentes .................................... 14 2..................42 5.........................................................................................2.....36 5........... 42 5......................1........SUMÁRIO 1................................................................... Custos ................................................................2 Agente de expansão ....................1............ 33 5.............24 4.....................40 5..................... Plastificante ............34 5..........

...................................2 6...............................................64 6..............54 6..........................................4 Just in time (JIT).................................58 6.........5 Melhoria no projeto.................2......1............3.....55 6........2............. Implantação dos pilares de sustentação do TPM.....................1 Superprodução..................................................80 ............................................ 49 6............................................3...........................................5.......................4.4..............1....75 6....................5 Gerenciamento do Crescimento do ser humano....1......6 Processamento desnecessário.......2 Problema de Estoque .71 6.....................................4............53 6......................... PLANEJAMENTO DE GESTÃO A SER EMPREGADO NA EMPRESA DE COMPOSTO DE PVC.................................................................70 6.............1.............1..................1......57 6..........2 Padronização..............78 Flexibilidade da Produção.........65 6...............................3.....65 6............4..................................4 Movimentação desnecessária..............................................1..............1 Seiri ...........................................................................45 5....................1........................4 Seiketsu (sistematizar) ........4 Equipamentos necessários pela fabricação do composto de PVC ..................................77 6..3 Fornecimento de materiais no sistema JIT............ Extrusora dupla rosca .................7 Transporte .........2 Seiton (arrumar) .................................... As cinco etapas de organização do local de trabalho....................1............................................................3 Seiso (limpar) ............2................2............. 56 6..................62 6...................... Preparando a empresa para introdução da TPM......76 6.................73 6.............................................3 Produtos defeituosos................4.......................................................................1.60 6....................1 Etapas de Não Agregação de Valor........2 Manutenção Autônoma ......................3..............................2.............................64 6................................................................................................3 Controle da Qualidade Total – TQC................4......1 Sistema gerenciamento de implantação do TQC..........................2................................2.............................2................................5 Shitsuke (Padronizar) ....................................1....................................1...........67 6........4.................................1.........3 Gerenciamento pelas Diretrizes (GPD)...2...............77 6...................................4.....................52 6.........................................................................2.......5 Espera............3.............................4................4 Educação e treinamento...................................1..53 6..............................................68 6..3 Manutenção planejada ..........................2................. Misturador intensivo ........1..2...4........75 6.................................................................. 46 5.....................................69 6.................................................................................75 6....................2...................4 Gerenciamento da Rotina............................... 56 6........................................76 6....4.................................................................................................................................................................62 6...........4...................2 Manutenção Produtiva Total .........................2...................78 6.........1 Melhoria do equipamento..

........................ Arranjo Físico detalhado: Estudo do Fluxo....84 7..................................111 8................................................... Estimativa das áreas de circulação.............................. Fatores que afetam o Arranjo Físico .................................84 7.2............................3....................2..........109 7...............................................................................................................104 7.............................................1.........................................7..6.......................115 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................... CONSIDERAÇÕES FINAIS............................. Arranjo Físico detalhado do Almoxarifado.. Arranjo Físico Final...98 7.90 7......4....... LAYOUT DA FÁBRICA DE COMPOSTO DE PVC ..................................................................................................................5..................... Estimativas das áreas do arranjo físico...................................95 7.......... Arranjo Físico Geral e Prevenção a incêndio e Explosões...........1................................................. 117 ................................

As dificuldades e desafios encontrados por elas na implementação. conhecer os fornecedores. atuando assim de forma preventiva às possíveis consequências indesejáveis. é necessário tomar decisões fundamentadas em informações concretas da realidade do mercado. saber quem são os clientes potenciais. A ausência de preparo dos profissionais responsáveis pela gestão das micro e pequenas empresas. analisar as forças e as fraquezas da empresa. QUALHARINI. são essenciais para a sua sobrevivência. O estudo do ambiente em que a empresa está inserida permite aos gestores das micro e pequenas empresas conhecer as necessidades dos clientes. 2015). 2006). Essas informações tanto do ambiente interno como externo à empresa. saber a posição em que a empresa se situa frente às concorrentes. A quantidade expressiva dessas empresas no país. Em um mercado cada vez mais competitivo. contribuiu para o crescimento significativo das micro e pequenas empresas no Brasil. 2012). (PAULA. HERMOSILLA. conduzem em geral às tomadas de decisões de forma empírica devido à falta de planejamento (SOUZA. junto às politicas de crédito.. buscando o diferencial competitivo e a satisfação do cliente (PAULA. gerenciamento e manutenção do negócio. 2007). HERMOSILLA. Qualarini. A falta de planejamento e de boa gestão financeira por parte dos empresários tem sido os fatores cruciais para o aumento da taxa de falência (SANTOS et al. . etc.12 1 INTRODUÇÃO O bom desempenho da economia brasileira entre 2000 e 2011.. Grande parte das empresas surgidas não teve capacidade de sobreviver por longo tempo. os efeitos recentes na economia brasileira poderiam ter sido melhores se simultaneamente ao surgimento das novas micro e pequenas empresas não houvesse ocorrido o aumento dos índices de falência das mesmas. de tal forma que a adesão dessas informações permite ao empresário direcionar seus objetivos. 2006). têm contribuído para seu curto período de sobrevivência no mercado. SILVA. o planejamento diz respeito à capacidade de organizar e prever os efeitos de uma série de eventos. Segundo Souza e Qualharini (2007). SILVA. Na visão de Oliveira (1998 apud Souza. examinar as fontes de financiamento. No entanto. tem feito delas destaque no cenário econômico brasileiro devido ao seu potencial de geração de renda e de emprego (SEBRAE.

os fornecedores e os concorrentes. Esse presente trabalho tem a finalidade de realizar o planejamento para instalação de uma empresa de composto de PVC na Região Metropolitana do Cariri para fornecer matériaprima às microempresas de calçados da região.Sebrae. Por último foi desenvolvido o layout organizacional da empresa com intuito de dar suporte às filosofias a serem implantadas e evitar custos desnecessários por erro de layout.13 2007). considerando ainda a capacitação da organização para este processo de adequação. o estudo do processo de fabricação do composto de PVC abordando as peculiaridades para produzir um composto de qualidade e de baixo custo. controle da qualidade total e Just-in-time como forma de tornar a empresa a ser instalada competitiva no mercado. detalhando o cliente. . o estudo do planejamento para implantação das filosofias manutenção produtiva total. visando o melhor grau de interação com o ambiente. o estudo da viabilidade econômica com auxílio do Software Plano de Negócio 3. Os temas abordados foram: o estudo mercadológico da região. o planejamento estratégico é uma metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela organização.0.

Esse trabalho foi também desenvolvido com objetivo de aprimorar e se preparar para essa vertente que o engenheiro de materiais pode .3 Justificativa A graduação em engenharia de materiais permite ao estudante adquirir o conhecimento aprofundado das estruturas.2 Objetivos Específicos • Conciliar a engenharia de materiais e a engenharia de produção colocando a importância de cada uma para o projeto de fábrica de uma empresa. • Realizar estudos mercadológicos das empresas envolvidas na cadeia de suprimento do composto de PVC. Gestão de Estoque. das aplicações e dos processamentos dos materiais. com base num planejamento técnico e econômico. Gestão da Qualidade (essa faz parte da estrutura curricular dos dois cursos).1 Objetivo Geral • Elaborar o projeto de fábrica de uma empresa de composto de PVC na Região Metropolitana do Cariri. Just-inTime. a fim de complementar a graduação nesta engenharia foi buscado realizar um trabalho de conclusão de curso que abordasse áreas da engenharia de produção. Projetar uma Fábrica de Composto de PVC permitirá abordar o conhecimento adquirido na graduação em engenharia de materiais e complementar a formação estudando áreas da engenharia de produção. de tal forma que conciliasse o conhecimento desses dois cursos. Gestão da Manutenção. contribuindo para sua redução de custo. como: Logística. capacita o aluno a criar novos materiais ou melhorar os materiais já existentes. estado do Ceará. além disso. a qual prepara e desperta o aluno para empreendedorismo. Engenharia de Métodos e Projeto de Fábrica e Layout. Uma disciplina do curso de Engenharia de Materiais que vale ser ressaltada é a disciplina de Formação de Empreendedores.14 2 OBJETIVOS 2. • Oferecer aos microempresários de calçado da Região Metropolitana do Cariri um prazo mais curto de entrega do composto de PVC. 2. das propriedades. No entanto. 2. • Estudar o mercado de calçado na Região Metropolitana do Cariri.

permitirá agregar valor na minha formação. obtendo um perfil versátil na área da engenharia de materiais e algumas áreas da engenharia de produção. Sendo assim.15 atuar. o desenvolvimento deste trabalho de conclusão de curso. .

incentivos fiscais. 2006). dados referentes ao ano de 2009 (FIGUEIREDO. A região de maior expressividade é a Região Metropolitana do Cariri composta por Juazeiro do Norte. com percentuais de 75. A Região Metropolitana do Cariri devido ao grande número de empresas que utilizam matéria-prima sintética para fabricação de calçados. 2012). em sua maioria. A Região Metropolitana do Cariri possui várias vantagens atrativas para instalação de uma empresa na região. como: incentivos fiscais. O tipo e a quantidade de aditivo presente no PVC são os provedores para as diferentes características desse plástico (JUNIOR. infraestrutura. EVA e PU chegam a 78. NUNES. É no Juazeiro do Norte onde se concentra o maior número de empresas de calçados. Segundo o Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE). respectivamente (COSTA. O Ceará divide o seu polo calçadista em três grandes regiões: Fortaleza. A . Segundo Junior. o Juazeiro do Norte se destaca pelo grande desenvolvimento econômico. Nunes e Ormanji (2006). o mesmo atribui essa característica a facilidade que o PVC tem em absorver aditivos. Crato. 2007). EVA e PU. por micro e pequenas empresas. infraestrutura e logística tem uma localização ótima para instalar uma empresa que fabrique compostos de PVC. Barbalha e outras cidades menores.16 3 APRESENTAÇÃO DA REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI O Ceará é o terceiro maior exportador de calçados brasileiros tendo seu foco especialmente na produção de sandálias e sapatos. condições logísticas e disponibilidade de mão-de-obra com baixo custo. TR. 2011). ORMANJI. De acordo com dados colhidos no site da ABICALÇADOS. os calçados produzidos com materiais plásticos como PVC. SANTOS.93% da produção total da Região Metropolitana do Cariri (COSTA. 2012). mão-de-obra qualificada e de baixo custo. o estado conta com um polo industrial de 310 indústrias na região (Região Metropolitana do Cariri).18%. Essas vantagens explicam o motivo da existência do grande polo calçadista do estado do Ceará (COSTA. OLIVEIRA. Dentre as grandes cidades da Região Metropolitana do Cariri. o policloreto de vinila (PVC) é o plástico mais versátil em propriedades. Região Metropolitana do Cariri e Sobral. TR. exercendo o papel de capital regional.34% e 19.

Sabendo disso. As empresas que dominam o fornecimento de composto de PVC na região são grandes corporações consolidadas e com alto poder de investimento. A concorrência se dará graças as possíveis vantagens competitivas da empresa regional. será difícil a empresa a ser instalada ganhar espaço no mercado atual.17 versatilidade que o PVC oferece permite fabricar vários componentes presentes nos calçados. Apesar dos grandes atrativos que a região oferece para instalação de uma empresa de composto de PVC. A nova empresa encontrará um mercado onde terá que concorrer com produtos de alta qualidade e de baixo custo. . como localização. a empresa a ser projetada destinará os seus recursos a produzir composto de PVC (PVC mais os aditivos). acreditando-se ser a matéria-prima com maior demanda na região. relação intima com o consumidor e utilização de processos extremamente eficientes e controlados.

As informações adquiridas serão detalhadas no decorrer desse trabalho. devido às longas distâncias fornecedor-consumidor. todas elas localizadas na Região Metropolitana do Cariri. iniciará com uma capacidade produtiva de 25 toneladas/mês.18 4 PLANO DE NEGÓCIO Com intuito de obter informações para desenvolver o plano de negócio da Empresa de Composto de PVC (nome usado no decorrer do trabalho para se referir a empresa de composto de PVC a ser instalada). Lá foi possível obter informações de localização dos fornecedores. foi projetado triplicando a capacidade produtiva inicial. a Feiplastic. Essa capacidade é capaz de ateder em media apenas 12 microempresas com capacidade de 2 toneladas/mês. Espera-se que o número de microempresários que trabalham com PVC sejam bem acima da capacidade produtiva inicial da Empresa de Composto de PVC. foi visitado a principal feira do setor do plástico da América Latina localizada em São Paulo-SP. mostrado no tópico 7.. ciência das empresas concorrentes no fornecimento de composto. segundo Abicalçados. . preço dos maquinários e matérias-primas. participando de vários componentes presentes no calçado.. Contudo. PIZ’ Ltda. preços dos compostos de PVC. dessas a maioria são microempresas que fabricam calçados sintéticos.1 Estudo do Cliente Os microempresários da Região Metropolitana do Cariri são prejudicadas com o cenário do mercado atual. devido à insuficiência da capacidade inicial da Empresa de Composto de PVC de apenas ateder um pequeno número de empresas. considerando 9 horas de trabalho de segunda a sexta-feira. A região. Ltda. Além da feira. H’. foram visitadas as empresas Kaplast Ltda. Ltda. Os prejuízos fundamentam-se nos longos prazos de entrega. etc. A Empresa de Composto de PVC devido alto investimento envolvido na compra de maquinário. 4. o layout da Empresa de Composto de PVC. é composta de 310 empresas.. e João C. O PVC é um polímero bastante versátil em propriedades.

declarado por Sr. Funciona assim. João para solucionar esse problema está sendo estocar um grande volume de composto de PVC que garanta a sua produção mensal. SUCUPIRA. A demora da entrega provavelmente se dá devido a inviabilidade das empresas fornecedoras atederem de imediato a demanda pequena de 2 toneladas/ mês. os empresários têm custo com capital empregado nos estoque imobilizado. A maneira encontrada por Sr. quando não tem. a empresa B está com seu estoque zerado. Visto à problemática. Para empresas fornecedoras de composto como a Karina atuante em grandes mercados consumidores. e lógico. AYRES. 2008). A proposta a ser oferecida aos microempresários pode ser explicado pela interpretação do gráfico da Figura 1. comprometendo a produtividade da empresa. C Ltda. sofrem bastante com prazo de entrega. como é caso da empresa João C. O elevado estoque trás vários custos e riscos para as microempresas. custo com área e mão-de-obra para armazenamento e custo com energia. Isso é possível quando se tem um elevado capital de giro para ser empregado nos estoques. as microempresas. João. então a empresa B. a empresa A tem um elevado estoque em sua fábrica. A Empresa de Composto irá trabalhar para que os estoques dos microempresários tornem-se mínimo. pelo um preço bem mais elevado do que compraria do fornecedor. Um fato curioso. que acontecerá apenas se outras empresas também estiverem necessitando de matéria-prima. é que os microempresários às vezes desempenham a função de fornecedor para os próprios microempresários. a produtividade da empresa fica comprometida. a empresa de composto de PVC a ser instalada direcionará seus esforços para oferecer aos microempresários um atendimento rápido as suas solicitações de pedido.19 Segundo Sr. Ltda. para adquirir a matéria-prima de imediato. obsolescência e incêndio (ACCIOLY. . assim como a dele. compra o composto de PVC da empresa A.. Os riscos envolvidos estão relacionados com furtos. Para manter esse estoque na empresa. João dono da empresa João. O mesmo declarou que quando falta composto de PVC no seu estoque o prazo para entrega é longo. a viabilidade para atender João só ocorre quando existe uma demanda maior.

Fonte: Treinamento de Gestão de Estoque. SUCUPIRA. A solicitação de pedido feita pelo cliente é realizada antes que seu estoque acabe e dentro do tempo necessário para o fornecedor receber o pedido e entregar a matéria-prima na fábrica. os pedidos dos microempresários poderão passar de pedidos mensais para pedidos semanais. reduzindo todos aqueles custos e risco envolvido em manter os estoques na empresa. pois nesse caso o fornecedor é confiável. . João ao declarar que estoca um volume muito alto de material para garantir sua produção mensal. AYRES. Esse tempo de recebimento do pedido até a entrega na fábrica é conhecido como lead time (tempo para entrega) (ACCIOLY. Nota-se no gráfico da Figura 1 que não há estoque de segurança. O estoque de segurança é uma prática comum nas empresas.20 Figura 1 − Gráfico de estoque ideal.Pimentel Consultoria Observa-se no gráfico da Figura 1 que a quantidade ideal é completamente consumida e imediatamente o estoque é retomado pela entrega pontual do fornecedor. porém o estoque de segurança dos microempresários de calçados na Região Metropolitana do Cariri é muito elevado. Os esforços da empresa de composto de PVC serão direcionados para atender pontualmente o seu cliente. 2008). para conseguir ter um lead time curto e uma boa capacidade de reposta entre um pedido e outro. A Empresa de Composto de PVC atendendo dessa forma. como foi relatado por Sr.

sem ter que passar pelas distribuidoras. A Tabela 1 mostra a localização das fornecedoras de cada matéria-prima a ser utilizada na produção do composto de PVC na empresa a ser instalada. localizada na cidade de Juazeiro do Norte-CE. Pesquisas de mercado realizado na empresa Kaplast Ltda. O vendedor da Karina informou que a Braskem fornece diretamente para empresa Karina. soube-se que o tratamento comercial entre grandes empresas são diferentes.21 4. sendo o mesmo obrigado comprar das distribuidoras. foram possíveis conhecer um pouco da realidade das microempresas frente as suas fornecedoras. A distância da Empresa de Composto de PVC com as fornecedoras torna-se a matéria-prima mais cara devido os custos de transporte. Tabela 1 − Localização das fornecedoras de matéria prima. O fato curioso que um dos sócios da Empresa declarou que a petroquímica Braskem não fornece o PE diretamente para sua empresa. No entanto visitas realizadas no estande da empresa Karina na Feiplastic.2 Estudo dos Fornecedores As fornecedoras de matéria-prima para produção de composto de PVC localizam-se fora da Região Metropolitana do Cariri. microempresa produtora de sacola plástica. A empresa Kaplast Ltda compra o polietileno (PE) puro (com a mesma composição que é fabricada pela petroquímica) da distribuidora Eteno ou da distribuidora Activa.. Fornecedora Piramidal Matéria-prima PVC Empresa Local Auriquímica Auriquímica Maxcarb Minerais Supermercado Atacadão Inbra Indústria Química PVC reciclado Plastificante Agente de expansão Carga Óleo de Soja Estabilizante Térmico Localização Jaboatão dos GuararapesPE Juazeiro do Norte – CE São Paulo – SP São Paulo – SP São Paulo – SP Juazeiro do Norte – CE Diadema – SP Fonte: Arquivo Pessoal. que geralmente é cobrado por quilograma de material transportado. com exceção do PVC reciclado e do óleo de soja que são encontrados fornecedores na própria região. líder de mercado no Brasil no fornecimento de composto de PVC. .

A presença de reciclado na composição do composto de PVC afetará diretamente a qualidade do produto oferecido ao cliente. além disso. A formulação definida na Tabela 3 permitirá a Empresa de Composto de PVC competir em preço. energia.22 Essa informação é bastante importante para Empresa de Composto de PVC. elas também conseguem o preço mais baixo por comprarem direto da petroquímica. se a composição desse material varia a máquina continuamente deve ser ajustado para novas condições. por estar inclusos no preço do PVC os custos de armazenamento referente à mão-de-obra.4) entre uma operação e outra. a Empresa de Composto de PVC dificilmente conseguirá competir em custo e qualidade do produto com as grandes empresas. restando a ela competir na qualidade de entrega e serviço. impostos. Como será visto no Tópico de Investimento (4. transporte. barateando o preço do quilograma do PVC. A compra do PVC diretamente da petroquímica Braskem terá efeitos significativos no preço e qualidade do composto de PVC oferecido pela microempresa a ser instalada. Além . essa característica é determinada pela possibilidade de fabricar compostos de diferentes composições. O PVC fornecido pelas distribuidoras terá um preço mais elevado. Isso eleva os custos referentes ao período inoperante do equipamento.5. e consequentemente a composição do reciclado fornecido pode variar continuamente . A variabilidade no processo retarda o tempo de preparo da máquina (ver tópico 6. assim a empresa utilizará 40 % de reciclado e 60% do PVC ―virgem‖ na formulação do composto. Com isso. O PVC reciclado pode ter origens de diferentes produtos. lucro do distribuidor. porém a qualidade do composto oferecido para o cliente será menor. O PVC é um polímero bastante versátil podendo fabricar produtos de diferentes propriedades.1) foi incluso na composição do composto a ser produzida pela empresa uma fração de 40 % de PVC reciclado. os parâmetros das máquinas são ajustáveis na condição ideal para processar determinado material. Utilizar reciclado na composição foi a forma encontrada para minimizar as vantagens que as concorrentes tem em comprar o PVC direto da Braskem. aumentará a variabilidade no processo do cliente e na própria Empresa de Composto de PVC. pois sendo também uma microempresa a mesma terá que comprar o PVC das distribuidoras. etc. a perda de material no início da operação. Além das grandes empresas comprarem um volume bem maior de PVC. a mão-deobra requerida para operação de preparação. aluguel. etc.

Juazeiro do Norte-CE Empresa Local. As fornecedoras de maquinário para produção de composto de PVC também localizam-se fora da Região Metropolitana do Cariri. logo dependendo do reciclado os parâmetros das máquinas devem ser ajustados de acordo com os parâmetros reológicos que o reciclado apresenta.Juazeiro do Norte-CE Philpolymer-São Roque-SP Alimentador de piso Extrusora dupla rosca Banheira Philpolymer-São Roque-SP - Kabra Extrusiontechnik -Índia Philpolymer-São Roque-SP Misturador intensivo . Carrinho Transportador Empresa Fornecedora e Maquinário Balança Empresa Local. desta forma reduziria a variabilidade na composição e na história térmica e uso do reciclado. a empresa fornecer reciclado apenas proveniente de ―cabeças de boneca‖. A MM e a composição do PVC têm influência direta nas propriedades reológicos dos polímeros. Para minimizar a variabilidade nas propriedades reológicas do reciclado a Empresa de Composto de PVC deve realizar parceria com o fornecedor para o mesmo fornecer reciclado oriundo de um único produto ou de produtos que tenham propriedades e uso semelhantes.23 disso. A Tabela 2 mostra os maquinários e acessórios necessários para produção do composto de PVC com suas respectivas empresas fornecedoras e localização. Tabela 2 − Empresas fornecedoras de maquinário para Empresa de Composto de PVC. dependendo da história térmica (processamento) e condições de uso dos produtos as moléculas do polímero podem sofrer cisões nas cadeias reduzindo a sua massa molar (MM). Por exemplo.

Todas as três empresas localizam no estado de São Paulo.Juazeiro do Norte-CE Paleteira Alphaquip. ambas as líderes de mercado.Barueri-SP Fonte: Arquivo Pessoal. o PVC marfim e o PVC com borracha nitrílica (NBR).3 Estudo dos Concorrentes As grandes concorrentes da Empresa de Composto de PVC são a Karina e a Dacarto Benvic. Na Região Metropolitana do Cariri a empresa Workplastic também domina uma pequena parcela no fornecimento de composto. Espera-se que . As empresas de calçados da Região Metropolitana do Cariri trabalham com três principais tipos de composto de PVC. 4. o PVC com NBR é um produto com qualidade superior e. sendo utilizados mais pelas grandes empresas de calçados. O composto PVC cristal e PVC marfim são mais baratos e os mais utilizados pelas microempresas de calçados.24 Granulador Secador de espaguete Philpolymer-São Roque-SP Philpolymer-São Roque-SP Ventilador Selador Empresa Local. detentora de quase todo o mercado de composto de PVC no Brasil.Juazeiro do Norte-CE Empresa Local. o PVC cristal. portanto mais caro.

50 por kg de composto transportado. sem utilizar um aditivo para baratear. o PVC Cristal R$ 5. 50 sem incluir o transporte que geralmente é R$0. foi obtido um custo de produção do composto muito acima do preço do concorrente.Sebrae com o PVC cristal. devidamente integralizado. inviabilizando a sua produção. que não poderá ser inferior a 100 (cem) vezes o maior salário-mínimo vigente no País. O enquadramento tributário para a Empresa de Composto será no Regime Simples. O preço do quilograma (kg) de PVC marfim é de R$ 4. Os valores anteriores são referentes ao preço do composto vendidos pelas três empresas concorrentes estudadas. Simulações realizadas no Software Plano de Negócio 3. por serem os compostos utilizados pelas microempresas.0. em . deve auferir. Para se enquadrar no Regime Simples no caso da empresa de pequeno porte. 2016). Essa distinção foi determinante para selecionar apenas o PVC marfim como o composto a ser considerado no Plano de Negócio. o qual tem carga em sua formulação. a carga é um aditivo incorporado no PVC com intuito de baratear o custo de produção do composto.50. Essa característica macroscópica permite reconhecer que o PVC marfim contem cargas na sua composição e o PVC cristal não. 4. os quais vendem o composto praticamente com o mesmo preço. Já utilizando o PVC marfim.4 Custos de Instalação da Empresa do Composto de PVC A forma jurídica da Empresa de Composto de PVC será Empresa Individual de Responsabilidade Limitada – EIRELI. Nesse caso. o qual deve ser desvendado pela Empresa de Composto de PVC. o qual é constituído por uma única pessoa titular da totalidade do capital social. Produzir um composto com o preço do PVC cristal trabalhado no mercado.25 a grande parcela da produção da Empresa de Composto de PVC seja de PVC cristal e PVC marfim. O PVC cristal é um composto transparente e o PVC marfim um composto opaco e branco. ainda é umdesafio. A Empresa de Composto de PVC terá o desafio de fornecer um composto com o preço próximo ao trabalhado no mercado local. permitiu aproximar mais do preço do concorrente.50 e o PVC com NBR R$ 7. O titular não responderá com seus bens pessoais pelas dívidas da empresa (JUNTA COMERCIAL DO PARANÁ.

foi baseado de acordo com a sugestão dada pelo vendedor da empresa Inbra Indústria Química Ltda. está informando também à composição que se espera para o PVC marfim.000. receita bruta superior a R$ 360.48 R$ 6. A composição do composto. dos Estados.002 kg Custo do kg do Composto de PVC Fonte: Arquivo Pessoal.124 kg 4 1 60 5.00 (três milhões e seiscentos mil reais) (PORTAL TRIBUTÁRIO. do Distrito Federal e dos Municípios.00 R$ 0. 2016). demonstrado na Tabela 3.0. as quantidades de cada aditivo adquirido no mês e o custo do Kg do composto de PVC.00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 3.40 Preço x R$ 129023.00 R$ 3. Estoque mensal.5 525 kg 131 kg 7. Preço/kg PVC Reciclado R$ 6.Sebrae.000.26 cada ano-calendário.600.5 20 190.4.1 Investimentos A Tabela 3 abaixo. mediante regime único de arrecadação.06 ..625 kg 25. A Empresa de Composto de PVC se enquadrando no Simples receberá tratamento tributário diferenciado e favorecido a ser dispensado no âmbito da União.875 kg 722 kg 2. Os resultados expostos nas tabelas a seguir foram retirados do Software Plano de Negócio 3. 2016). Matéria Prima PVC(60%) + PVC Reciclado(40%) Óleo de soja Estab.10 R$ 12. inclusive obrigações acessórias (PORTAL TRIBUTÁRIO. além de informar o capital de giro necessário.55 R$ 18. Térmico DOP Azodicarbonamida Carbonato de Cálcio Total Composição em pcr 100 Consumo Mensal (CM) 13.63 CM R$ 5.84 R$ 2. Tabela 3 − Capital de giro. 4. o qual sugeriu uma formulação geral para produtos flexíveis de PVC.

o qual varia com tamanho do lote. combustível. processos operacionais de compra.). (ACCIOLY. seguro de carga. logo não foi computados nos investimentos fixos. inicialmente. assim o capital de giro necessário reduzirá em ¼. SUCUPIRA. isto é. (ACCIOLY. imposto de serviço. SUCUPIRA. etc. trabalhará com a quantidade de aquisição capaz de equilibrar os custos de compra e de manutenção. Percebe-se que a Empresa de Composto de PVC deve procurar um equilíbrio entre ambos os custos e buscar um lote econômico. quanto maior o lote maior será o custo de manutenção com o estoque. Então para diminuir o custo de compra é melhor comprar um lote grande para reduzir a frequência de pedido.400. etc.002kg de matéria-prima por mês. pedágio. Há dois custos envolvidos na aquisição da matéria-prima. utensílio e veiculo estão expostos na Tabela 4. ele será uma valor fixo. . (ACCIOLY. deve-se negociar com os fornecedores um prazo de entrega de matéria-prima semanal. custo com transportes incorridos no processo de internação das mercadorias (depreciação. seguros.00 para adquirir de 25. energia.27 Os dados obtidos no Software informa que o capital de giro necessário é de R$126. custo de área e mão-de-obra para armazenamento. AYRES.670. são eles o custo de compra e o custo de manutenção. Os custos de manutenção envolve capital empregado nos estoques. AYRES. A Empresa de Composto de PVC. 2008) A Empresa de Composto de PVC trabalhará com o lote econômico. 2008) Nota-se que o custo de compra independe do tamanho do lote comprado.00. AYRES. equipamentos. porém. Os custos de compra são referentes pesquisas de mercado. o qual totaliza um investimento de R$ 565. 2008) Os custos referentes aos maquinários. custo com processos produtivos internos. No entanto espera-se trabalhar com capital de giro bem abaixo desse valor. SUCUPIRA. O imóvel para instalação da fábrica foi considerado como investimento já adquirido pela fábrica.

000.500.000.00 R$ 7.500.28 Tabela 4− Investimento fixo.902.00 Alimentador de 1 R$ 10.00 2010 Computador 1 R$ 1.83 R$ 6.00 Total de Investimento fixo Total R$ 2.00 % 70.00 Fonte: Arquivo Pessoal.976. .00 R$ 4.86 R$ 804.76 100.000.00 intensivo Secador de 1 R$ 4.900.00 R$ 1.76 28.000.00 Impressora 1 R$ 350.200.00 Piso Extrusora 1 R$ 500. Tabela 5 − Investimento total.200.76.900.00 R$ 19.00 Misturado 1 R$ 7.750.26.227. Considerando o prazo médio de pagamento de 7 dias e um prazo médio de compra de 15 dias.00 R$ 565. A Tabela 5 mostra o investimento total necessário para o empreendimento.00 Dupla Rosca Seladora 1 R$ 1. Logo o capital de giro total (caixa mínimo mais o capital para estoque) será de R$ 231.00 R$ 500. Descrição do Investimento Investimentos Fixos (Tabela 4) Capital de Giro Total ( caixa mínimo + estoque) Investimentos de Legalização Total Valor R$ 565.000.00 Fonte: Arquivo Pessoal.000.000.670.900.976. Investimento Quantidade Valor unitário Banheira 1 R$ 2.31 R$ 231.00 Fiat Estrada 1 R$ 18.900.00 R$ 10.548.00 R$ 70.000.00 Espaguete Granulador 1 R$ 19.00 R$ 1. a Empresa de Composto de PVC irá necessitar de um caixa mínimo de R$ 114.00 R$ 18.750.670.00 0. As máquinas referentes o processo produtivo que estão indicados na Tabela 4 serão comprados das empresas mostradas na Tabela 2.00 R$ 350.00 Telefone 1 R$ 70.

873.309.50 19. o qual totaliza um custo R$ 3.50 19.62 Abastecedor 1 R$ 1095.29 4. Tabela 6 − Custo de mão de obra.5 correspondente às férias e o décimo terceiro.12 R$ 3.2 Custos A quantidade de mão de obra necessária para a Empresa de Composto de PVC para capacidade produtiva inicial será três funcionários. o qual informou um custo com depreciação mensal de R$ 4.927.309.50 R$ 213. . Função Salario Mensal % de encargos sociais Encargos Sociais Total Transportador Número de empreg ados 1 R$ 1095.4.62 R$ 1.309.37.92 (Tabela 7).50 19.927.12 R$ 1. Os custos com depreciação foi calculado pelo Software.37 Total de Custos de Mão de Obra Fonte: Arquivo Pessoal. O valor do salário mensal mostrado na Tabela 6 é a soma total do salário mais 1/12 décimo terceiro salário mais 1/12 férias. A Tabela 6 demonstra os custos com mão de obra necessária para empresa.62 Pesador/Mistur Ador 1 R$ 1095.50 R$ 213. Então o salário real do funcionário é R$ 939 reais.50 R$ 213. sendo o restante de R$ 156.12 R$ 1.

000. o qual totalizou R$ 14.400.131.873.00 R$ 4. Ativos Fixos Valor do bem Depreciação Mensal R$ 546.29. A Tabela 8 considera todos os custos fixos operacionais mensais.00 R$ 0.00 R$ 500.00 5 R$ 20.550.00 R$ 130.20.00 R$ 3.3 Demonstrativo de resultados e Indicadores de viabilidade A Empresa de Composto de PVC fornecerá o PVC marfim por R$ 6. .00 Vida útil em Anos Depreciação 10 MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS MÓVEIS E UTENSÍLIOS R$ 420. Tabela 8 − Custos fixos operacionais mensais.131.00 R$ 50.050.34.00 R$ 3.92 R$ 14.873.30 Tabela 7 − Custo com depreciação.200.37 R$ 150. Observa-se que o pró-labore foi considerado zero.927.42 R$ 4.50 VEÍCULOS R$ 18. um real e 20 centavos a mais ao praticado no mercado.00 10 R$ 3. Descrição IPTU Energia elétrica Telefone + internet Honorários do contador Manutenção dos equipamentos Pró-labore Salários + encargos Material de limpeza Material de escritório Depreciação TOTAL Custo R$ 300.00 R$ 800. 4.4.00 5 R$ 300. pois se pretende que o empresário só comece ao usufruir dos lucros para suas necessidades pessoais quando as despesas de instalação forem quitadas.29 Fonte: Arquivo Pessoal.92 Total de Custo com Depreciação Mensal Fonte: Arquivo Pessoal.00 R$ 4.00 COMPUTADORES R$ 1.

foi considerado o crescimento da empresa em 8.176.33% por mês durante um ano. a Empresa de Composto de PVC estaria operando muito próximo do ponto de equilíbrio. Tabela 9 − Demonstrativo de resultados.33% ao mês. A Tabela 5. Fonte: Arquivo Pessoal. Tomando-se . como por exemplo. o investimento total de R$ 804.31 Pensando em um crescimento da empresa com obtenção de mais clientes. Observa-se na tabela um lucro de R$598.548.06 mensal e um lucro acumulado anual de R$ 7. Observa-se na Tabela 9 que pelas considerações feitas nesse estudo. Junto com o crescimento foi considerado elevação também dos custos fixos operacionais mensais em 8. passando a trabalhar não só o turno do dia. mas também como turno da noite. pois qualquer erro na previsão os custos da empresa poderão sobrepor o faturamento. O equilíbrio é atingido quando a soma dos custos variáveis mais os custos fixos são iguais ao faturamento da empresa.72. isso significa dizer que a Empresa de Composto de PVC estará correndo grande risco de ter prejuízo com o empreendimento. comprar o PVC diretamente da petroquímica e comprar as máquinas seminovas. No entanto pode ser tomadas medidas para reverter esse quadro. A Tabela 9 mostra os demonstrativos de resultados da empresa.76 será também um limitador para esse empreendimento. Esse crescimento foi considerado como se a Empresa em um ano duplicasse sua produção.

o qual cobram juros em cima do valor emprestado. o juro pago e o tempo de quitação serão menores.32 essas duas medidas os custos variáveis e fixos irão reduzir bastante. . pudesse também ter um custo menor de fabricação. principalmente se as máquinas compradas sejam oriundas de empresas que não aplicam os conceitos de manutenção produtiva total. O retorno financeiro também será atingido mais rápido. podendo viabilizar o empreendimento. Logo se o empréstimo necessário for menor. tendo um grande impacto no alto capital necessário para o empreendimento (Tabela 5). O elevado preço do PVC considerado nos cálculos não permitiu ajustar uma formulação que ao mesmo tempo em que pudesse dá as propriedades adequadas ao calçado. O custo de manutenção. o custo fixo (Tabela 4) irá diminuir. o custo com perca de produto processado com defeito e custo com diminuição de rendimento da máquina poderá aumentar. No entanto comprar máquinas seminovas pode ser que a eficiência e a produtividade da máquina sejam menores. A primeira opção é a de maior significância para tornar o empreendimento viável. Provavelmente para obter o recurso para o investimento será necessário recorrer aos empréstimos bancários. podendo fabricar um composto com custo menor e consequentemente obtendo um lucro maior. A segunda opção. Caso o PVC fosse comprado da petroquímica muito provavelmente o preço seria menor. diminuindo o faturamento da empresa. Com isso o faturamento da empresa aumentaria fazendo-se a mesma distanciar do ponto de equilibro.

(JUNIOR. tais como a densidade aparente. também à sua adequação aos mais variados processos de moldagem (JUNIOR. 2006). . NUNES E ORMANJI. NUNES E ORMANJI. O PVC que será utilizado pela Empresa de Composto de PVC será polimerizado por suspensão. Essa faixa de tamanho de partícula é adequada do ponto de vista das dificuldades de manipulação e riscos ocupacionais. esse tipo de polimerização produz partículas com diâmetro normalmente na faixa de 50 a 200 µm. partículas essas de estrutura interna bastante complexa.33 5 ESTUDO DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DO COMPOSTO DE PVC 5. variando desde o rígido ao extremamente flexível. Pelos processos de polimerização em emulsão e micro-suspensão (10 a 15%) obtêm-se resinas que são empregadas basicamente em compostos líquidos. o PVC pode ter suas características alteradas dentro de um amplo espectro de propriedades em função da aplicação final. as características de fluxo do pó e as propriedades gerais de mistura e processamento (JUNIOR. A grande versatilidade do PVC deve-se. em parte. e possuem pouca representatividade no consumo total dessa resina. Devido à necessidade de a resina ser formulada mediante a incorporação de aditivos. 5.1. no sentido de evitar instabilidades na suspensão de partículas dentro da empresa de composto (JUNIOR. NUNES E ORMANJI. 2006).1 Distribuição de Tamanho da Partícula O tamanho médio e a distribuição de tamanho de partículas têm efeito sobre outras propriedades da resina. 2006).1 Características das Resinas de PVC que Influenciam na Produção do Composto. Polimerização em massa e polimerização em solução são outras técnicas também empregadas na obtenção do PVC. O policloreto de vinila (PVC) é o mais versátil dentre os plásticos. Aproximadamente 80% do PVC consumido no mundo são produzidos por meio da polimerização do monômero cloreto de vinila em suspensão. passando por aplicações que vão desde tubos e perfis rígidos para uso na construção civil até brinquedos e laminados flexíveis para acondicionamento de sangue e plasma. NUNES E ORMANJI. 2006).

. das extrusoras e alimentadores de pisos (Tabela 2). A capacidade de escoamento de uma resina de PVC depende diretamente das características de tamanho e distribuição de tamanho de partículas. NUNES E ORMANJI. além da presença de cargas estáticas (JUNIOR. O fluxo seco avalia a facilidade com a qual a resina ou o composto em pó escoam. embalagens e veículos de transporte a granel. uma vez que possibilita uma plastificação mais uniforme do composto (JUNIOR. transporte pneumático através de tubulações. porosidade. desde enchimento e esvaziamento de silos. importante na especificação da quantidade de resina que pode ser acomodada em determinado volume.2 Densidade Aparente e Fluxo Seco A densidade aparente é. e ainda possui relação diretamente proporcional com a produtividade nos equipamentos de processamento. 2006). Isso significa dizer que ambas terão um maior rendimento no transporte de massa por unidade de volume e um rápido escoamento do pó na ―parede‖ do maquinário. portanto.1. 2006). Uma alta densidade aparente e fácil fluxo a seco da resina contribuirá muito para uma alta produtiva dos equipamentos da Empresa de Composto de PVC a ser instalada. O aumento do diâmetro médio é favorável ao processamento.34 Resinas com partículas muito pequenas tendem a sofrer problemas mais sérios durante o processo de mistura nos misturadores intensivos. fazendo com que elas produzam mais por unidade de tempo. formato e rugosidade superficial das partículas (JUNIOR. uma vez que o fenômeno de escoamento da resina ocorre em diversas etapas de seu processamento. NUNES E ORMANJI. temperaturas essas que podem tanto provocar a pré-plastificação do composto quanto sua decomposição parcial. 5. A densidade aparente de uma resina é influenciada por parâmetros morfológicos tais como tamanho e distribuição de tamanho de partícula. NUNES E ORMANJI. culminando com o escoamento do composto no funil de alimentação dos equipamentos de processamento. uma vez que tendem a elevar mais rapidamente temperaturas nas folgas entre a hélice e as paredes do misturador. especificamente. forma e rugosidade das partículas. Essa característica é de extrema importância prática. 2006).

Entretanto. conferindo a ele versatilidade que outros polímeros não têm. NUNES E ORMANJI. vale destacar que . a) Região superficial do Grão. podendo muitas vezes ser utilizadas como parâmetros de avaliação da mesma. A Figura 2 mostra a morfologia da partícula de PVC obtida pelo processo de suspensão visualizada pelo Microscópio Eletrônico de Varredura (MEV). A porosidade do PVC permite desenvolver compostos com propriedades bastante distintas (JUNIOR. permitindo acesso à estrutura interna . b) Grão com abertura. chamadas de partículas primárias. Figura 2 − Micrografia da partícula de PVC.1. Fonte: (JUNIOR.35 5. O volume entre essas partículas é o responsável pela porosidade da resina. 2006) Observa-se na Figura 2b que o grão de PVC pelo processo de suspensão é formado por aglomerados de pequenas partículas no seu interior. por meio da ocupação desse volume livre.3 Porosidade e Absorção de Plastificantes A porosidade dos PVC é uma característica incomum entre os demais polímeros existentes. característica essa que torna o processo de incorporação dos aditivos ao PVC possível. As características de absorção de plastificantes estão intimamente ligadas à porosidade da resina. NUNES E ORMANJI. 2006).

Espera-se que a Tg diminua bastante na presença do plastificante. caso não seja. a Empresa consequentemente irá fornecer um composto que poderá ocasionar defeitos nos produtos dos seus clientes.1. as quais podem gerar partículas com baixíssima porosidade em meio às partículas de resina com porosidade normal. Importante a Empresa de Composto ter o controle da resina de PVC recebida do fornecedor. NUNES E ORMANJI. 2006). A absorção dos plastificantes e demais aditivos para o interior das partículas de resina é mais importante que a simples adsorção dos mesmos na superfície das partículas. tais como o tamanho e a distribuição de tamanho de poros. Resinas de partículas muito finas. . A absorção efetiva dos plastificantes e aditivos garante que os mesmos estarão interagindo com as moléculas do PVC durante as diversas etapas do processamento (JUNIOR. levando a conclusões nem sempre adequadas.36 características distintas da porosidade apresentam influência nas propriedades de absorção de plastificantes. as quais apresentam área superficial específica elevada. porém porosas.4 Géis ou Fish-Eyes A ocorrência de géis em resinas de PVC depende principalmente das condições de polimerização. é um indício que está havendo predominância de apenas adsorção superficial ou que o plastificante é ineficiente para afastar as cadeias do PVC. NUNES E ORMANJI. A baixa porosidade em algumas partículas no PVC dificulta a plastificação da mesma causando imperfeições no produto fabricado (JUNIOR. 5. pois caso haja altos teores de géis na resina. podem aparentemente absorver mais plastificante que resinas mais grossa. 2006). Outras caracterizações como Reômetro de Torque e Durômetro Shore são úteis também para investigar esse problema. A Empresa de Composto de PVC em parceria com o laboratório de caracterização de materiais da Universidade Federal do Cariri ou com Universidade Federal de Campina Grande pode solicitar uma análise Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) e verificar a quanto à transição vítrea (Tg) do PVC está sendo afetada com uso do plastificante.

1 Plastificante Os plastificantes são aditivos empregados em alguns materiais poliméricos.mostra atuação do plastificante separando as macromoléculas do PVC. Os plastificantes atuam separando as cadeias poliméricas aumentando a mobilidade das macromoléculas (RABELLO. Uma alternativa para empresa inspecionar a matériaprima fornecida seria realizar parceria com o departamento de engenharia de materiais da Universidade Federal do Cariri ou da Universidade de Federal de Campina Grande para realizar as análises necessárias. 5. A Figura 3. o preço dos equipamentos. o custo de manutenção e a necessidade mão de obra qualificada inviabiliza a instalação do laboratório na fábrica. 2011).2 Aditivos necessários para formulação do Composto de PVC O polo calçadista da Região Metropolitana do Cariri utiliza três tipos de composto para fabricar seus produtos. O ideal para o controle de qualidade (inspecionar) dos aditivos e PVC seria se a Empresa de Composto de PVC tivesse seu próprio laboratório de controle. .2. A Empresa de Composto de PVC terá com desafio desenvolver esses três tipos de composto com a mesma qualidade e com o preço competitivo. no entanto. são eles: o PVC cristal.37 5. No entanto fabricar um composto semelhante ao concorrente em propriedades e em preço é necessário desenvolver uma composição semelhante à usada por eles. o PVC marfim e o PVC com Borracha Nitrílica. Nesse presente trabalho será discutido o comportamento e os requisitos de qualidade de alguns aditivos comuns para desenvolver a formulação dos compostos de PVC utilizados na fabricação de calçados. com o objetivo de melhorar a processabilidade e aumentar a flexibilidade.

Para controle de qualidade dos plastificantes são requisitados os seguintes critérios (RABELLO. altamente eletronegativo. resultando em um polímero rígido. possui ligações químicas fortemente negativas nos átomos de cloro e positivas nos átomos de hidrogênio. 2011):  Pureza  Comportamento no processamento  Permanência  Toxidade  Propriedades conferidas ao polímero . NUNES E ORMANJI. ligados ao mesmo átomo de carbono. as moléculas de PVC sofrem forte atração eletrostática umas pelas outras. Observa-se na Figura 3 que as ligações eletrostáticas entre as macromoléculas do PVC são minimizadas com a presença de plastificante que aumentam a distâncias entre as cadeias. Fonte: (JUNIOR. 2006). tornando o polímero flexível (JUNIOR. Devido à presença desses dipolos ao longo das cadeias.38 Figura 3 − Plastificação do PVC. 2006) A molécula de PVC em função da presença do átomo de cloro. NUNES E ORMANJI.

O óleo epoxidado é outro aditivo que pode ser incorporado no composto de PVC a ser fabricado. NUNES E ORMANJI. 2006). O agente de expansão mais utilizado em formulações de PVC. tanto em compostos rígidos e flexíveis quanto em plastissóis. os clientes irão produzir calçados que com o tempo de uso apresentaram alta dureza e baixa flexibilidade. da família dos ftalatos. causando desconforto para o usuário. 5. . 2011). é o plastificante de maior consumo pela indústria de transformação do PVC. zinco e magnésio (JUNIOR. Caso a Empresa de Composto forneça o composto de PVC com esse problema. O mesmo tem a finalidade de elevar capacidade isolação térmica e acústica. A migração do plastificante torna o polímero frágil e com alta dureza.2. 2011): . plastificantes com alto peso molecular e baixa afinidades com solventes apresentam menores taxas de difusão (migração) (RABELLO.2 Agente de expansão O agente de expansão é o aditivo responsável em criar uma estrutura celular nos produtos de PVC rígidos e flexíveis. A permanência do plastificante no polímero depende da volatilidade e as suscetibilidades á migração e a extração por solvente. 2011). que são normalmente compostos derivados de chumbo. liberando gases que provocam a expansão da massa polimérica formando uma estrutura celular. aumentar amortecimento. devido a sua versatilidade de atuar como plastificante secundário e estabilizante térmico (JUNIOR. reduzir a densidade do produto acabado e diminuir a rigidez do polímero (RABELLO. A azodicarbonamida sofre decomposição em temperaturas que variam de 150 a 230ºC. Sendo esse o plastificante a ser utilizado pela empresa de Composto de PVC. cádmio. A temperatura de expansão da azodicarbonamida pode ser reduzida por meio da utilização de kickers ou ativadores. 2006). também conhecida pela abreviatura AZDC. O dioctil ftalato (DOP).39  Que não interaja com outros aditivos. Para controle de qualidade dos agente de expansão são requisitados os seguintes critérios (RABELLO. é a azodicarbonamida. NUNES E ORMANJI.

possuem partículas de fácil dispersão e excelente acabamento superficial do produto final. que são adicionados aos polímeros em quantidades suficientes para diminuir os custos e/ ou alterar suas propriedades físicas. porém têm coloração extremamente variável. devido à boa compatibilidade com o PVC.  Fácil de incorporação e dispersão no PVC  Produtos da decomposição não devem provocar risco a saúde ou afetar a estabilidade do polímero ou ter efeitos corrosivos ao equipamento. 2006).2. especialmente aqueles de origem fóssil (cretáceo). talco e algumas sílicas (JUNIOR. argilas. relativamente impuro. melhora a estabilidade dimensional. geralmente diminuem a resistência ao impacto e a fadiga. 2006). NUNES E ORMANJI. 2006): . NUNES E ORMANJI. amianto. dificulta o processamento.  5. O carbonato de cálcio natural obtidos do calcáreo. Os carbonatos de cálcio precipitados são obtidos por meio de processos químicos que partem do carbonato de cálcio natural. branco e de coloração bem controlada (JUNIOR. Na Empresa de Composto de PVC será utilizado o carbonato de cálcio como carga para o composto de PVC a ser produzido. Para controle de qualidade do carbonato de cálcio são requisitados os seguintes critérios (JUNIOR.40  Faixa estreita de temperatura de decomposição e compatível com a temperatura de processamento do PVC. A presença de carga no polímero aumenta a viscosidade. eleva a dureza (RABELLO. 2011) Os principais tipos usualmente adicionados ao PVC são os carbonatos de cálcio (natural e precipitado). não solúveis. obtendo um carbonato de cálcio bastante puro. diminuir a retração no resfriamento ou cura. Já os carbonatos de cálcio obtidos da moagem de calcitas possuem partículas de morfologia menos favorável à dispersão e ao acabamento superficial em relação aos cretáceos.3 Grande rendimento de gás Cargas Cargas poder ser definidas como materiais sólidos. NUNES E ORMANJI.

cilindros e matrizes..quanto menor o tamanho de partícula do carbonato de cálcio. Enquanto o carbonato de cálcio reage prontamente com o ácido clorídrico. maior é a sua dureza. Sendo preferíveis. solubilizando-se.  Cor: quanto maior o índice de brancura do carbonato de cálcio. no caso do PVC flexível.  Distribuição de tamanho de partícula: a distribuição de tamanho de partículas é importante para o empacotamento do carbonato de cálcio no composto de PVC. ou seja. ou ainda apresentar-se como defeitos superficiais indesejados  Grau de pureza: Quanto maior o teor de sílica em um carbonato de cálcio. podendo ser facilmente quantificada. . além do próprio desgaste das hélices do misturador quando da preparação do composto. como a resistência ao impacto. melhor é o acabamento superficial do produto final e melhores são as propriedades mecânicas. Quanto maior o empacotamento. melhor a cor do composto final. maior é a possibilidade de incorporação da carga sem prejuízo excessivo das propriedades de fluxo.41  Tamanho médio de partícula. partículas maiores para minimizar absorção de plastificante e óleo epoxidado.  Absorção de óleo: Quanto menor o tamanho de partícula. Para verificar a pureza do carbonato de cálcio é normalmente avaliado por meio do teor de insolúveis em ácido clorídrico. maior a área superficial de um material particulado qualquer. maior a necessidade de óleo ou plastificante para ―molhar‖ completamente a superfície de todas as partículas. uma vez que menor será o efeito negativo da carga.  Tamanho máximo de partícula: tamanho excessivo em relação às demais partículas pode prejudicar as propriedades mecânicas do composto. o que pode levar ao desgaste prematuro dos equipamentos de processamento como roscas. a sílica não faz o mesmo.

o zinco atua possui capturando íons cloretos livre. O fosfito usado em conjunto com estabilizantes de metais. Durante a degradação do PVC. a estabilidade às intempéries e à luz.2. 2011).1 Gelificação e Fusão A conversão do composto de PVC. os quais atuam por vários mecanismos diferentes (RABELLO. Óleo epoxidado comentado no tópico de plastificante (5.1) atua desativando HCL e removendo sítios ativos do PVC (RABELLO. 2006). O processo de gelificação e fusão do composto são realizados . O HCl atua como catalisador da degradação do PVC tornado o processo auto-acelerativo (JUNIOR. NUNES E ORMANJI. porém o cloreto de zinco formado possui forte efeito catalisador da reação de desidrocloração do PVC. 2006). auto-oxidação e cisão mecano-química. Segundo o fornecedor da empresa Inbra o estabilizante adequado para desenvolver o composto de PVC voltado para indústria calçadista tem o nome comercial de PLASTABIL ICZ-221.2. Esse estabilizante é a combinação dos estabilizantes a base estearatos metálicos (cálcio e zinco) e fosfito orgânico.3 Estudo reológico da fabricação do composto de PVC 5. 5. 2011). Para estabilizar o PVC é necessário a combinações de vários tipos de estabilizantes. como cálcio e zinco. a partir de uma reação de dupla troca que regenera o composto ativo de zinco e estabiliza o cloro na forma de cloreto de cálcio (JUNIOR. por sua vez. o átomo de cloro é desprendido da cadeia podendo se combinar com hidrogênio e formar ácido clorídrico (HCl). tanto rígidos quanto flexíveis. assim como a estabilidade térmica. melhora a transparência. Nos estabilizante a base de composto de zinco e cálcio. em produtos finais moldados através de um processo de transformação depende de um fenômeno conhecido como gelificação e fusão.4 Estabilizantes A degradação térmica do PVC ocorre simultaneamente por três mecanismos: desidrocloração.3.42 5. 2006). NUNES E ORMANJI. é bastante efetivo na estabilização desse cloro livre. NUNES E ORMANJI. especialmente no PVC plastificado (JUNIOR. já cálcio.

agora completamente isoladas da estrutura dos grãos ou dos aglomerados particulados destruídos na fase anterior. Composto de PVC rígido com grau de gelificação em torno de 60 a 80%. a consolidação do composto na forma de um material coeso ainda não ocorreu. dando lugar a um verdadeiro estado de polímero fundido. c) 3ºFusão do Composto: prosseguindo-se com a aplicação do cisalhamento sob calor as partículas primárias. Os limites entre as partículas primárias são destruídos e promove-se um elevado grau de interdifusão de macromoléculas. formando um estado de gel homogêneo. Pequeno grau gelificação faz com que o material se rompa com facilidade.43 através da aplicação de cisalhamento e temperatura. Uma medida importante a ser realizado pela Empresa de Composto de PVC é o grau de gelificação. o que faz com que o composto de PVC ganhe resistência do fundido (viscoelasticidade) e resistência mecânica quando moldado. O mecanismo de gelificação e fusão de resinas de PVC seguem as seguintes fases (JUNIOR. sofrem um novo processo de densificação. NUNES E ORMANJI. porém ficam aderidas umas as outras devido a compactação provocada pelo equipamento de mistura. NUNES E ORMANJI. e o modo de fluxo predominante é o fluxo particulado. o PVC sofre destruição progressiva dos grãos. as ligações das partículas são apenas superficiais sem interdifusão das macromoléculas. A partir deste ponto o modo de fluxo passa a ser puramente molecular deformacional ou viscoso. 2006): a) 1º Densificação do composto: Sob efeito do calor e do cisalhamento aplicado. Grau de gelificação reduzido significa dizer que existe na massa conformada uma fração de partículas do composto de PVC que estão apenas sintetizadas. b) 2º Gelificação do composto: com a aplicação progressiva de cisalhamento sob calor as partículas primárias. dando ao PVC rígido maior tenacidade (JUNIOR. ao ser solicitado a uma força de impacto as partículas primárias que estão apenas sintetizadas criam pequeno vazios responsáveis por dissipar a energia sofrida. em temperaturas tipicamente entre 180 e 210ºC (dependentes do peso molecular da resina). pois essa medida é primordial para garantir a qualidades do composto a ser fornecido aos clientes. isto é. e dispersão das partículas primárias. . No caso do PVC rígido onde as macromoléculas têm pouca mobilidade é indesejável a completa gelificação do composto. ou seja. Nesta situação as forças de interação entre as partículas são fracas. 2006). serão também destruídas.

. O ataque pode variar entre leve a bastante severa. como por exemplo. Ajuste nos parâmetros. fluxo granular e fusão das partículas primárias.44 A Empresa de composto de PVC pode utilizar de uma técnica para acompanhar a gelificação do composto produzido. o que provoca o inchamento do composto de PVC. ela consiste na imersão de uma amostra do produto final em um solvente adequado.3. quanto maior a taxa de cisalhamento. a imersão do composto de PVC no solvente provocará a separação das partículas primárias que estão somente sinterizadas. Adiante serão comentados a influencia desse parâmetro na gelificação do composto de PVC (JUNIOR. este inchamento será uniforme. com destruição total da amostra no caso de gelificação excessivamente deficiente (JUNIOR. tal como no caso do efeito da temperatura. fazendo com que mais rapidamente ocorram as transições entre os estados de composto em pó. NUNES E ORMANJI. fazendo com que mais rapidamente ocorram as transições entre os estados de composto em pó.2 Influência das condições de processamento nos processos de gelificação do composto de PVC O domínio das condições de processamento do composto de PVC também é de extrema importância para Empresa de Composto de PVC obter o grau de gelificação desejado. 5. Entretanto. 2006):  Temperatura de processamento: Maiores temperaturas de processamento aceleram o processo de gelificação e fusão do composto de PVC. cloreto de metileno. se o nível de gelificação é reduzido. maior é o trabalho termo-mecânico sofrido pelos aglomerados particulados no composto de PVC. 2006). NUNES E ORMANJI. temperatura e velocidades das roscas. na extrusora dupla rosca e controle no volume dosado pelo alimentador de piso têm influencia direta no poder de gelificação do composto de PVC. Se o material apresenta nível elevado de gelificação. este fenômeno é facilmente compreendido quando se considera que. uma vez que maior é a quantidade de energia fornecida ao composto de PVC. fluxo particulado e fusão das partículas primárias.  Níveis de cisalhamento (Velocidades das roscas): cisalhamento mais elevados aceleram o processo de gelificação e fusão do composto de PVC. fazendo com que o material sofra ataque ou desintegração.

De maneira análoga. dependendo da forma como foram misturados e. 5. Dispersar significa desaglomerar estruturas de partículas. de um modo geral. Caso a dispersão não seja eficiente às partículas podem formar uma fase na massa polimérica e terem baixa interação com estas. muitas vezes. . pigmentos e aditivos. a transferência das tensões do polímero através desta partícula isolada pode ser total. sendo inteiramente molhada por este. dependem da ordem que foram colocados para misturar. e durante o uso do produto final. A força transferida pelo fluido polimérico para os demais componentes do composto é o responsável em dispersar os aditivos presentes na formulação.45  Volume dosado: A taxa de preenchimento da rosca em uma extrusora está relacionada com o volume transportado pelo alimentador de piso para o funil da extrusora. e. sobre o fluido polimérico. Os mesmo componentes presentes em um composto podem gerar distintas propriedades do produto final. 2013). resultando em um processo de gelificação acelerado. o menor nível de aglomeração das partículas de PVC faz com que a eficiência na transferência das tensões de cisalhamento para o composto seja menor. que se a desaglomeração ocorrer totalmente. A intensidade da transferência dessas forças depende por sua vez da viscosidade a qual o fluido polimérico se apresenta durante a mistura (MANRICH. 2013). Durante as misturas são aplicados forças. ou seja ―vazia‖. Os pigmentos cargas ou fibras devem ser dispersos e distribuídos adequadamente (MANRICH. resultando em um processo de gelificação mais lento. se o volume dosado pelo alimentador de piso é elevado ocorrerá ocupação plena da rosca na seção de alimentação (rosca ―cheia‖). cada partícula terá interação absoluta com o polímero. terem baixa capacidade de transmissão de tensões através desses aglomerados (MANRICH. requerem métodos de processamento específicos para cada situação. fazendo com que a elevada taxa de preenchimento do volume disponível promova um nível de transferência de tensões de cisalhamento para o composto de PVC bastante eficiente. principalmente.4 Equipamentos necessários para fabricação do composto de PVC Misturas de um tipo de polímero com outro tipo de polímero ou com cargas. Quando o volume dosado pelo alimentador de piso é baixo a rosca da extrusora opera em condições de baixa dosagem. e este último transfere as forças para os componentes do composto. geradas pelo cisalhamento ou outra tensão mecânica. 2013).

As extrusoras dupla rosca são equipamentos que permitem obter uma alta eficiência na mistura. em principio. em ambos os casos depois de muito tempo de cisalhamento o estado final é atingido com uma boa dispersão e boa distribuição é atingido. Os misturadores intensivos consistem basicamente em uma câmara cilíndrica em cujo fundo são instaladas pás de mistura. necessárias para efetiva agitação do sistema e mistura dos componentes. para as quais cada fabricante define uma geometria particular. ora favorecendo a dispersão. pós ou líquidos.46 Utilizar baixa viscosidade do polímero são geradas boa distribuição e má dispersão. Posteriormente. A câmara cilíndrica tem em seu topo uma tampa dotada de aberturas pelas . na mistura intensiva. é separável. Os aditivos são misturados com o pó ou grânulo do polímero sem haver a fusão. sendo necessárias etapas anteriores com máquinas próprias para mistura. é atingido rapidamente o nível de boa mistura pretendido (MANRICH. No entanto se inicialmente utilizar alta viscosidade para ocorrer a dispersão. O misturador intensivo é de extrema importância para obter uma pré-mistura. 2011). As pás de mistura são movimentadas por motores elétricos potentes. se utilizar alta viscosidade do polímero. Na pré-mistura consiste essencialmente em agitar os ingredientes juntos. No entanto a Empresa de Composto de PVC necessitará do misturador intensivo e da extrusora dupla rosca para preparar um composto adequado para produção de calçados.2013). 2013). 5. favorecendo uma boa distribuição dos ingredientes e uma boa absorção dos ingredientes na resina. nessa fase a mistura.4. e logo a seguir utilizar baixa viscosidade para ocorrer boa distribuição. inicialmente atinge boa dispersão e má distribuição. capazes de fazê-las girar em altas velocidades. pois o composto passa por diversas temperaturas e geometria de rosca. Espera-se no fim da segunda mistura que todos os grânulos do composto tenham a mesma composição (RABELLO.1 Misturador intensivo A mistura da resina de PVC com os aditivos para preparação do composto de PVC é normalmente realizada em misturadores intensivos. ora a distribuição (MANRICH. a mistura deve sofrer aquecimento e intenso cisalhamento para se conseguir uma íntima dispersão dos aditivos no polímero. Para preparação do composto de PVC é necessário duas etapas de mistura. primeiramente uma pré-mistura e uma segunda mistura intensiva. As máquinas (injetoras) utilizadas para fabricação de calçados oferece pouca ação de gelificação da resina e de mistura dos aditivos no PVC.

Nessa faixa de . óleo epoxidado e estabilizante térmico no misturador. A Figura 4 mostra um misturador intensivo utilizado para preparação do composto de PVC.  Possibilidade de eliminação completa da umidade do composto.  Obtenção de misturas de excelente fluidez. Ordem de dosagem do PVC e aditivos no misturador intensivo (JUNIOR. 2006). 2006):  1º dosagem: Adiciona a Resina de PVC.  Aumento da densidade aparente da mistura em relação aos componentes isolados.  Possibilidade de transporte pneumático da mistura sem segregação de componentes. Figura 4 − Representação do Misturador Intensivo. NUNES E ORMANJI. e espera que a temperatura da massa atinja entre 80 e 90ºC.  Os ciclos de mistura são normalmente curtos. Fonte: (JUNIOR. NUNES E ORMANJI. com altas taxas de produção. 2006) Utilizar misturadores intensivos para preparação do Composto de PVC tem o seguintes benefícios (JUNIOR. NUNES E ORMANJI. Preparar uma mistura eficiente para obtenção do composto de PVC no misturador intensivo é necessário seguir uma sequencia de dosagem. NUNES E ORMANJI.47 quais os aditivos podem ser inseridos conforme a sequencia de mistura desejada (JUNIOR. com possibilidade de aumento da produtividade dos equipamentos de processamento. 2006):  Excelente qualidade e homogeneidade da mistura.

 2º dosagem: Adiciona lentamente o plastificante no misturador em velocidades das pás reduzidas. Possivelmente como a mistura era realizada sem nenhum cuidado. Os calçados fabricados por essa empresa apresentavam elevada dureza. o plastificante ficará apenas adsorvido na superfície do PVC.48 temperatura o PVC tem sua porosidade completamente aberta. antes dos aditivos líquidos serem absorvido pela resina. criando hematoma nos pés do usuário devido o atrito. Essa má qualidade provavelmente seja proveniente devido ao erro de processo comentado parágrafo anterior.  4º Dosagem: Adiciona o agente de expansão. bem como reduzir a tendência de degradação térmica do composto.  3º Dosagem: Deve-se adicionar a carga mineral no misturador nas ultimas etapas de mistura. O plastificante deve-se ser absorvido completamente pela resina. . Após a completa absorção. diminuindose assim o seu efeito de solvatação. Na sequencia do processo de mistura. perdendo assim sua eficiência em modificar as propriedades da resina. lubrificante e estabilizante térmico seria absorvida pela carga. Esses aditivos eram alimentados no misturador sem sequência de dosagem e sem controle da temperatura e velocidade das pás. é incorporado no composto plastificante. A empresa utiliza esse equipamento para fazer alguns ajustes da composição do composto de PVC. Caso não ocorra a completa absorção pela resina. Visita realizada na empresa PIZ’. de forma a evitar a formação de aglomerados de difícil manuseio posterior. para evitar decomposição parcial dos mesmos e perda de eficiência. Caso seja no inicio da mistura. estando pronta para a segunda dosagem. o plastificante era apenas adsorvido pela partícula de PVC. foi observado o seu processo produtivo. a velocidade deve ser novamente aumentada. localizada no Juazeiro do Norte. entre 2 e 3 minutos antes da descarga do composto. perdendo o seu poder de solvatação e contribuindo para elevada dureza dos calçados fabricados. mais especificamente o setor de operação de mistura a frio no misturador intensivo. óleo de soja e pigmentos. o que é indicado pela mudança de corrente do motor. boa parte do plastificante. o composto deve ser resfriado rapidamente até temperaturas em torno de 40 a 50ºC.

sendo que o aquecimento se da pelo atrito e através das mantas elétricas devidamente acopladas no canhão. A rosca tem a função de homogeneização/plastificação do polímero por meio de cisalhamento. distância entre filetes.4. transporte do polímero a partir do funil da extrusora até sair da matriz. NUNES E ORMANJI. carcaça. resistências de aquecimento. painel de comando. promovendo a dispersão sem a distribuição das partículas. a rosca ganha destaque. cortado ou enrolado (JUNIOR. 2013). devido suas funções e complexidade. folga entre a rosca e o cilindro. a qual dá formato ao produto. especialmente na extrusora dupla rosca. 2006). Os principais componentes de uma extrusora são: motor elétrico (responsável pelo acionamento da rosca). resfriado. Na saída do cilindro o material é comprimido contra uma matriz de perfil desejado. Dentre os componentes da extrusora. normalmente expressa pela razão L/D (comprimento/ diâmetro) (JUNIOR. 2006). NUNES E ORMANJI. é a possibilidade utilizar elementos de mistura e cisalhamento. com baixo nível de desagregação e com alto nível de distribuição (MANRICH. bem como sua plastificação. rosca. Outra importante característica da rosca. conjunto de engrenagens redutoras (responsável pela capacidade de transferência de energia por meio de torque do motor para a rosca). matriz. por meio da ação bombeadora de uma ou duas roscas sem fim. os quais são acoplados na rosca para aumentar o poder dispersivo e distributivo da rosca (JUNIOR. 2013). . Os elementos de cisalhamento força as partículas da massa fluir de uma canal a outro através das estreita folgas. NUNES E ORMANJI. grau de interpenetração quando no caso de extrusoras de rosca dupla) e comprimento da rosca. que promovem o cisalhamento e homogeneização do material. elevação de pressão da massa polimérica ao longo do comprimento da rosca para que o perfil extrudado seja compacto e isotrópico (MANRICH. Nos elementos de mistura ocorre a separação de grupos de partículas.2 Extrusora dupla rosca O processo de extrusão consiste basicamente em forçar a passagem do material por dentro de um cilindro aquecido de maneira controlada. aquecimento do material para que atinja o estado plástico que permita a conformação na matriz da extrusora. 2006). podendo o mesmo em seguida ser calibrado. ventiladores de resfriamento e bomba de vácuo (JUNIOR. NUNES E ORMANJI. 2016). A intensidade dessas funções depende da geometria da rosca (perfil de filete. cilindro.49 5.

NUNES E ORMANJI. apesar do maior custo. As extrusoras de rosca dupla. menor variação da vazão de composto na matriz. O sistema corotativo é o mais recomendo proporciona um maior cisalhamento e consequentemente uma melhor dispersão (RABELLO. menores temperaturas de processamento podem ser utilizadas. pois a próxima etapa é o processo do cliente (empresas de calçados). 2011).  Maior produtividade em função da possibilidade de operação em condições de processamento mais severas que as permitidas com as extrusoras de rosca simples. principalmente devido a baixa capacidade de produção e pouca uniformidade do produto (RABELLO. apresentam uma série de vantagens em relação às extrusoras de rosca simples. a mistura dispersiva e distributiva é muito mais eficiente quando se utiliza roscas duplas ao invés de roscas simples (monorosca). o qual tem alta sensibilidade ao excessivo cisalhamento. A temperatura de processamento deve ser menor que a temperatura de degradação do agente de expansão. Para o processamento do Composto de PVC flexível as temperaturas típicas usadas na extrusora variam na faixa de 120 a 200ºC. que permite a inclusão de uma série de elementos de mistura e cisalhamento ao longo de seu comprimento. NUNES E ORMANJI.50 Dado principalmente a geometria e o mecanismo das roscas. mas adequada para garantir uma boa gelificação. ou seja. 2006). A utilização de roscas simples está em decadência. 2016)  Maior eficiência na gelificação. em função da geometria de rosca mais elaborada. No entanto para o PVC. ou seja.  Menor consumo de energia em função da maior eficiência de transferência de energia mecânica. Na prática. as quais podem ser assim listadas: (JUNIOR. plastificação e mistura do composto (JUNIOR. com efeitos benéficos na precisão dimensional do produto final. formulações mais econômicas podem ser elaboradas pela redução da necessidade de estabilizantes térmicos e lubrificantes no composto. plastificação e homogeneização do composto. 2011). As extrusoras de rosca dupla podem ser do tipo co. O composto após chegar da pré-mistura deve-se sofrer todo o processo de gelificação e fusão ao longo do cilindro. é mais adequado extrusora dupla rosca contra rotativas (JUNIOR.ou contra rotativas. NUNES E ORMANJI. Os processos de fabricação de calçados sintéticos utilizam injetora as quais não tem . 2006).  Maior eficiência no transporte de massa.

. plastificação e misturas foram realizados pela Empresa do Composto de PVC. assim o cliente irá subtender que o trabalho de gelificação.51 a função de mistura e de gelificação do PVC.

(2) Controle da Qualidade Total (TQC). relação intima com o consumidor. A nova empresa encontrará um mercado onde terá que concorrer com produtos de alta qualidade e de baixo custo. como localização. Processos ineficientes significam desperdícios de recursos que geram resultados abaixo do esperado. trabalho de pequenos grupos. como a Empresa de Composto de PVC. Além desse problema. as estratégias utilizadas nas empresas de maior porte para implantar a qualidade envolvem células de produção. ou seja. (3) Produção Just-in-Time (JIT). mini fábricas etc.. no entanto a qualidade total independe do porte das empresas. flexibilidade de atender necessidades específicas do cliente e utilização de processos extremamente eficientes e controlados. o que indica que uma empresa a ser instalada. significam transtornos para os seus clientes podendo colocar em risco a sobrevivência da empresa (HERBSTER et al. Segundo Imai (2014) para realizar de forma bem sucedida à qualidade. com qualidade e com preço competitivo. tem diversas vantagens ao implantar a TQC em relação às grandes empresas (PALADINI. custo e entrega e satisfazer o cliente e a si mesma. existe a ideia no Brasil que a gestão qualidade total é um processo exclusivo de empresas de grande porte. A empresa a ser instalada para ganhar aceitação no mercado terá que usar o máximo do potencial dos seus recursos para tornar possível atender seus clientes com agilidade na entrega. 2013). estará investindo em algo que não está dando todo o retorno potencial. Ainda segundo Paladini (2010). Segundo Paladini (2010). 2010). uma empresa de fabricação deve ter todos os três principais sistemas existentes: (1) Manutenção Produtiva Total (TPM). A concorrência se dará graças as possíveis vantagens competitivas da empresa regional.. As empresas que dominam o fornecimento de composto de PVC na região são grandes corporações consolidadas e com alto poder de investimento.52 6 PLANEJAMENTO DE GESTÃO A SER EMPREGADO NA EMPRESA DE COMPOSTO DE PVC A Empresa de Composto de PVC a ser instalada na região metropolitana do Cariri terá grande dificuldade de ganhar espaço no mercado atual. Isso será conseguido com implantação de uma boa gestão na empresa. Ao contrário do que se imagina ser uma empresa de pequeno porte. adaptar a grande fábrica em várias pequenas para conseguir obter as .

assim quando mais etiquetas o item obtiver mais . 2010). que tem seus nomes conhecidos no japonês como: 1. Seiri: distinguir entre itens necessários e desnecessários na fábrica e descartar estes últimos. 4.1 Seiri A primeira etapa de limpeza. decisões quase sempre abrangentes e integração entre os recursos (PALADINI. acredita-se que ela também vale para a implantação do TPM e JIT. Apesar de Paladini (2010) no seu Livro Gestão da Qualidade Total: Teoria e Prática se referir essas vantagens apenas a implantação do TQC. Os funcionários serão treinados para remover qualquer coisa que não deva ser usados em trinta dias. O 5S é cinco etapas de limpeza. Seiso: manter máquinas e ambientes limpos. Para agir com cautela os mesmo usaram de etiquetas vermelhas para marcar os itens que eles acreditem ser desnecessários. As vantagens de implantação das pequenas empresas são: visão em conjunto facilitada. seiri.1 5S: As cinco etapas de organização do local de trabalho Antes de qualquer implantação de filosofia de trabalho o primeiro passo é implantar o 5S. 5. 6. Seiton: organizar todos os itens restantes após o Seiri de forma ordenada.1. Shitsuke: desenvolver a autodisciplina e criar o hábito de se envolver no 5S por meio de estabelecimento de padrões. flexibilidade administrativa. implica em classificar itens na fábrica em duas categorias – necessários e desnecessários – e descartar ou remover estes últimos da fábrica.53 vantagens que as pequenas empresas têm ao implantar a qualidade. Seiketsu: estender o conceito de limpeza para si mesmo e continuamente pôr em prática as três etapas anteriores. 2. 6. mão de obra mais facilmente envolvida. 3.

(IMAI. refugo. muito menos havia um local certo de encontrá-las. 2014). Era para ser uma atividade simples e rápida. isto será um indicativo para os funcionários da empresa que as causas responsáveis pelo surgimento de itens desnecessários não foram eliminadas ou que novas causas surgiram e que elas devem ser eliminadas. a qual o fluido hidráulico estava vazando. porém devido ausência da segunda etapa do 5S na empresa. Imagine trimestralmente a Empresa de Composto de PVC está repleta de etiquetas vermelhas novamente. O uso dessa gestão visual (etiquetas vermelhas) pela Empresa de Composto de PVC pode contribuir para melhorar o controle do processo. estoque obsoleto e etc. 2014). alguém terá um prazo para justificar sua manutenção na empresa (IMAI. foi uma verdadeira complicação. Itens desnecessários para empresa pode ser entendidas como máquina quebrada. Apesar de simples. a qual estava desgastada. bens inacabados. era necessário retirar o cilindro hidráulico da injetora para trocar a borracha de vedação. as mesmas podem ser inúteis se forem armazenados muito longe da estação de trabalho ou em lugares onde não pode ser encontrado (IMAI. essa etapa do 5S permite aos funcionários da empresa tomar medidas para evitar surgimento de causas que gerem itens desnecessários para empresa. A fim entender o mercado regional foram feitas pesquisas em empresas de calçados na região do Juazeiro do Norte.1. Na empresa H’ ltda. Primeiro as ferramentas adequadas para retirar do cilindro não estavam próximas da injetora.54 segurança o gestor terá em descarta-lo. as pesquisas possibilitaram também visualizar alguns problemas presentes nessas fábricas que servirá de exemplo para serem evitadas na empresa a ser instalada. líder no mercado regional na fabricação de solados. Caso os funcionários tenha dúvida se o item pode ser descartado. ferramenta destruída. melhorando os indicadores da mesma.2 Seiton (arrumar) Mesmo estando presentes na empresa apenas itens necessários. Além de conhecer melhor o mercado. 2014).. iniciando um grande alvoroço na . durante a manutenção corretiva de uma injetora. 6.

podem utilizar de marcação ou pendurar no teto em cima do estoque. No entanto não se deve especificar apenas localização. como poeira ou com lubrificação inadequada (IMAI. Segundo. com a introdução de partículas estranhas. Esses dois fatores. A etapa Seiton pode ser facilitada durante a construção do layout da empresa. Além disso. 2014). . as paredes e outras áreas de trabalho. rachaduras na tampa ou porcas e parafusos soltos. buchas e etc específico para cada máquina. o piso.55 busca pelas ferramentas. para evitar excesso de ambos. a área para estoque de produtos acabados deve ser delimitada para impedir o excesso de fabricação de composto de PVC além da demanda. pode-se facilmente detectar vazamento de óleo. é necessário implantar o Seiton. O Seiton significa classificar os itens de acordo com o uso e organizá-los adequadamente. Logo para evitar casos como esse da empresa H’ ltda. a fim de diminuir o tempo e o esforço de busca. 2014). Para fazer isso. Além disso. Durante a limpeza da máquina. Um operador que limpa uma máquina encontrar diversos defeitos (IMAI. 2014). foram responsáveis por deixar o operador da injetora e a própria injetora três horas ociosos. obrigando o funcionário usar artifícios inadequados para substituir a borracha de vedação ausente. gerou um imenso desgaste físico ao funcionário da manutenção. a fim de impedir o armazenamento e o empilhamento de itens acima do necessário para empresa (IMAI. cada item deve ter nome. enquanto a máquina era concertada. no entanto. Exemplo disso são os estoques de bens em processo ou de bens acabados..1. devido à dificuldade em consertar a máquina. O layout deve deixar definindo áreas para depósitos próximos as máquinas que conterá ferramentas. endereço e volume designado.3 Seiso (limpar) Seiso significa a limpeza do ambiente de trabalho: máquinas e ferramentas. Dizem que a maioria das avarias de maquinário começa com a vibração (devido a porcas e parafusos soltos). mas também o número máximo de artigos permitidos na fábrica. lubrificante. não havia no estoque da fábrica a borracha de vedação reserva para substituir a borracha desgastada. 6.

óculos de segurança.4 Seiketsu (sistematizar) O Seiketsu significa manter uma pessoa segura por meios como o uso de roupas de trabalho adequados. .1. Com isso possibilitaria agendar a manutenção da injetora para uma hora oportuna que não tivesse que interromper a produção. 2014).1.5 Shitsuke (Padronizar) Shitsuke significa autodisciplina. além disso.56 Possivelmente se na empresa H’ os operadores tivessem a prática de limpar as máquinas. Para desenvolver autodisciplina nos funcionários a gerencia da empresa de composto deverá estabelecer padrões. 2014). Outro significado do Seiketsu é continuar a trabalhar em seiri. 2014). seiton. O Seiso deverá ser um apto comum no dia a dia dos funcionários da Empresa de Composto de PVC. para que durante a jornada de trabalho os mesmos tenham sempre a hora para a execução das etapas do 5S. luvas e calçado. seiso e seiketsu continuamente adquirindo o hábito de fazer essas atividades partem de seu trabalho diário (IMAI. onde o vazamento ainda era pequeno. evitando toda aquela conturbação e prejuízo para empresa. Caso a alta administração de empresa não sistematize a cultura 5S nos seus funcionários dificilmente as etapas 5S serão executadas pelos mesmos (IMAI. 6. 6. evitará a empresa ter máquinas paradas durante o horário de produção devido à quebra da mesma (IMAI. Com isso. 2014). Essa prática permitirá a empresa ter máquinas operando com maior eficiência e com vida úteis prolongadas. O gestor ou dono da empresa de composto deve verificar e cobrar dos seus subordinados que as etapas seiri. seiton e seiso continuamente e todos os dias (IMAI. os funcionários da empresa praticarão seiri. seiton e seiso sejam aplicadas diariamente na empresa. o vazamento de óleo no cilindro hidráulico poderia ter sido visto no inicio do vazamento. além da manutenção de um ambiente de trabalho limpo e saudável.

Perdas por demora na troca de ferramentas e regulagem. materiais e métodos) na fábrica são considerados perdas. desperdícios. 2005): 1. A implantação do TPM na fábrica de composto de PVC a ser instalado permitirá a empresa atingir a máxima eficiência do sistema de produção. Perdas por queda de rendimento. focando na redução de perdas. No TPM.57 6. 2012). 4. A TPM é uma metodologia de origem japonesa que visa o maior aproveitamento da eficiência do equipamento. 6. maximizar o ciclo total de vida útil dos equipamentos aproveitando todos os recursos existentes buscando perda zero (YAMAGUCHI. implementam-se as 5 (cinco) atividades seguintes designadas como 5 pilares de sustentação do desenvolvimento do TPM (Figura 5) (YAMAGUCHI. Perdas por redução da velocidade em relação ao padrão normal. para a eliminação dessas 6 (seis) grandes perdas do equipamento. inicia-se a implantação da cultura de Manutenção Produtiva Total (TPM). e o objetivo do TPM é a eliminação de todas as perdas que são (YAMAGUCHI. máquina. Perdas por quebra. 2005).. 2005). melhoria contínua e capacitação de pessoas (PIÃO et al. . Perdas por defeitos de produção. 5. 2. Desperdícios de recursos (homem. Perdas por operação em vazio (espera).2 Manutenção Produtiva Total Após a quinta etapa do 5S está concluída. 3.

2. Manifestação da alta direção sobre a definição de introdução do TPM 2. Estrutura para implantação do TPM. Segundo JIPM (Japan Institute of Plant Maintenance) são 5 etapas a ser seguida para preparar a empresa para introduzir os pilares da TPM. As etapas são (YAMAGUCHI.58 Figura 5 − Os 5 pilares de sustentação do desenvolvimento do TPM. 2005). Estabelecimento de diretrizes básicas e metas para o TPM.: 1. Antes de introduzir os pilares de sustentação do TPM deve-se preparar a empresa para aderir à nova filosofia de trabalho.com. Elaboração do plano diretor para implantação do TPM. Campanha de divulgação e treinamento para introdução do TPM. Fonte: (http://slideplayer. 3. .1 Preparando a empresa para introdução da TPM. 5. 4.br/slide/2264092/ Acesso: 17/04/2016) 6.

A segunda etapa é caracterizada pela campanha divulgação. essa etapa será executada apenas por ele e o líder de produção. Essas etapas serão realizadas exclusivamente pelo dono da empresa. São de extrema importância o treinamento e conscientização dos funcionários sobre a filosofia. um líder de produção e os operários. uma vez que toda a empresa passará a utilizar uma linguagem comum. definir metas e desenvolver o plano diretor para implantação do TPM. 2005). O dono da empresa será o maior responsável pela implantação da filosofia. A quarta e a quinta etapa são as definições das metas e diretrizes e a elaboração do plano diretor. A primeira etapa de preparação é iniciada pela reunião da diretoria o qual deverá declarar sua decisão pela introdução do TPM.59 A metodologia de implantação da TPM sugerida pela JIPM é adaptada para serem utilizadas por grandes de corporações. esse último representa o segundo cargo maior dentro da empresa. permitindo a diretoria (dono da empresa) fazer a função da secretaria administrativa sugerida pela metodologia da JIPM (YAMAGUCHI. Como a diretoria da empresa a ser instalada é composta apenas pelo dono. visto que o quadro de funcionário é muito pequeno. O dono da empresa e o líder de Produção terão que se qualificar sobre o tema. A terceira etapa sugere uma secretaria administrativa de promoção do TPM e designar uma pessoa dedicada que será responsável em promover a implantação do programa. Ao contrário da Empresa de Composto de PVC. pois o mesmo terá responsabilidade de exigir. logo é de extrema importância o dono da empresa estar bastante qualificado no assunto. A quarta etapa será definida as diretrizes básicas da administração da empresa e as metas do TPM a . 2005). a qual tem uma estrutura hierárquica dentro da empresa complexa e bem definida.. visitando empresas que a TPM esteja sendo implantado e participando de congressos sobre gestão da manutenção. a qual terá uma estrutura hierárquica simples composta pelo dono da empresa. como seminários e encontros sobre TPM. 2005). Essa etapa torna-se desnecessário para Empresa de Composto de PVC. aumentando sua vontade para enfrentar o desafio proposto pelo TPM (YAMAGUCHI. e pelo treinamento dos funcionários sobre a TPM.. Logo a metodologia JIPM será adaptada para a realidade da Empresa de Composto de PVC. realizado com ―posters e slogans‖. sendo esperados no máximo 10 funcionários para empresa. Essa etapa será executada também pelo dono da empresa com apoio do líder de produção. treinar os funcionários. direcionados para todos os executivos e o pessoal de chefia da empresa (YAMAGUCHI. fazendo cursos. Em seguida devem-se organizar eventos.

isto é. com ela permite-se calcular o desempenho inicial do equipamento piloto e posteriormente calcular o desempenho final.. 6. A Figura 6 representa a falha visível (quebra) causada por uma coleção de falhas invisíveis como um iceberg. 2005). 2005).1 Melhoria do equipamento Nesse pilar. 2005). à melhoria focada tem por objetivo reduzir o número de quebras e aumentar a eficiência global do equipamento (PIÃO et al. 2012).2 Implantação dos pilares de sustentação do TPM. após serem realizadas as . A quinta etapa será definido o plano de metas (Plano Diretor) que englobe desde os preparativos para a introdução do TPM.60 serem realizada no determinado período de tempo.. até a etapa de conclusão do programa.2. 2005) A Eficiência global do equipamento (OEE) é uma ferramenta utilizada para medir o desempenho real de um equipamento. Nessa última etapa é necessário determinar um tempo suficiente para o aprimoramento das pessoas e dos equipamentos de modo que consigam alcançar as melhorias desejadas (YAMAGUCHI. Figura 6 − Iceberg representando causas invisíveis gerando uma falha visível. seleciona um equipamento piloto para efetuar as melhorias individualizadas destinadas a elevar o rendimento dos equipamentos e comprovar os efeitos positivos do TPM (YAMAGUCHI.2. é o efeito provocados por diversas falhas invisíveis (YAMAGUCHI.. 6. Fonte: (YAMAGUCHI.2. Para reduzir o número de quebras é importante todos os funcionários da fábrica entenderem que a quebra é apenas a falha visível. A melhoria específica foca o conceito de manutenção de melhoria para atuar nas perdas crônicas relacionadas aos equipamentos.

performance e qualidade (SILVA. 2012). calcula-se o Índice de Performance: . 2012) O cálculo do OEE. Fonte: (SILVA. Figura 7 − Índices do OEE.61 melhorias. A Figura 7 mostra a seis grandes perdas com os respectivos índices do OEE. OEE é mensurado a partir da estratificação das seis grandes perdas e calculado através do produto dos índices de disponibilidade. 2012): a) Primeiro calcula-se o Índice de Disponibilidade: (1)Tempo de carga (TC) = Tempo teórico disponível (horas) – Paradas programadas (horas) (2)Tempo real disponível (TRD) = Tempo de carga (horas) – Paradas não programadas (horas) Disponibilidade (%) = (TRD/TC) *100 b) Após. segundo o método Nakajima. calcula-se da seguinte forma (SILVA. ganhando credibilidade para seguir com a metodologia de implantação (YAMAGUCHI. Essa demonstração permite os funcionários da empresa notarem os efeitos positivos em que a filosofia TPM trás. Segundo Nakajima (1989). 2005).

Pensa- . 2012):  Menor que 65% .62 (3) Performance (%) = [(Peças produzidas/Tempo Standard) *Tempo real disponível] * 100 c) Na sequencia calcula-se o Índice de Qualidade: (4) Qualidade (%) = [(Peças produzidas – Peças refugadas – Peças retrabalhadas)/Peças produzidas] * 100 d) Após o cálculo dos índices separadamente. A Empresa de Composto de PVC seguirá a seguinte referência para melhorar continuamente a eficiência global do equipamento e atingir o desempenho de classe mundial (SILVA. para chegar ao valor do OEE (Eficiência Global do Equipamento).2. deve-se apenas utilizar a equação apresentada a seguir: (5) OEE (%) = Diponibilidade * Performance * Qualidade Nota-se que para aumentar o OEE à empresa deve está sempre buscando atacar as grandes seis perdas que contribuem para perca da eficiência dos equipamentos. o qual atribui à produção algumas funções de manutenção. 6.2 Manutenção Autônoma O comum nas empresas é que o departamento de manutenção seja responsabilizado por quase todas as funções de manutenção e o departamento de operação esteja dedicado apenas à produção.  Entre 65% e 75% .2. Muito provavelmente a empresa de composto não terá o departamento de manutenção.o processo é considerado equivalente à empresa de classe mundial. devido o grande investimento necessário para manter esse departamento.  Acima de 85% .inaceitável e o processo deverá sofrer ações o mais rápido possível.o processo é considerado bom.o processo é considerado muito bom.  Entre 75% e 85% . demonstrando potencial para agir em nível mundial. No entanto a Empresa de Composto de PVC treinará seus funcionários para realizar manutenção autônoma.

inspeção e lubrificação. Para isso o operador deve ser treinado para desenvolver quatro competências: capacidade para descobrir anormalidades. 2005): . capacidade para estabelecer condições e capacidade de controle para manutenção da situação (YAMAGUCHI. 2012). Com isso. o mesmo deve adquirir o domínio da máquina. O ato de limpar. • 2° passo Eliminação de fontes de sujeira e locais de difícil acesso. Neste pilar (manutenção autônoma) os operadores são treinados a identificar fontes de contaminação. contratar um líder de produção que tenha o nível técnico em mecânica e elétrica. • 5° passo Inspeção autônoma. • 4° passo Inspeção geral. você conserta" para "do meu equipamento cuido eu".63 se para isso. • 7° passo Gerenciamento autônomo. capacidade de tratamento e recuperação. impede o desenvolvimento das falhas nos equipamentos. sujeira e agentes poluentes emitidos pelo equipamento.. já que o líder de produção deva está trabalhando mais na produção do que com a manutenção das máquinas. • 1° passo Limpeza inicial. checar. conhecer bem o seu equipamento de trabalho. Também é função do operador propor ideias de melhorias para solução destes problemas (PIÃO et al. Estes esforços sendo atribuídos aos operadores permitem ao líder de produção a concentrar nas atividades de produção. isto é. A manutenção autônoma transforma o conceito de "eu fabrico. 2005). A Figura 8 mostrar as 4 . lubrificar e reapertar porcas e parafusos de forma rotineira. • 6° passo Padronização. Para o operador realizar os sete passos na manutenção autônoma. 2005). A Manutenção Autônoma é desenvolvida nas habilidades dos operadores em sete passos (YAMAGUCHI. • 3° passo Elaboração de normas provisórias de limpeza. é extremamente necessário a empresa treinar todos os funcionários para realizar manutenção autônoma.. implantando nos funcionários um sentimento de posse e cuidado com os equipamentos (YAMAGUCHI. atuando na manutenção apenas quando for solicitada uma manutenção mais sofisticada.

A manutenção planejada tem como função criar contramedidas para estender o tempo de vida útil do equipamento.4 Educação e treinamento Esse pilar tem como objetivo desenvolver novas habilidades e conhecimentos. Figura 8 − As quatro etapas de competência de um operador. tanto para o pessoal de produção quanto para o de manutenção. 2005) 6. desta forma a empresa consegue utilizar o equipamento de forma mais eficiente reduzindo o ciclo de troca e descarte de máquinas (YAMAGUCHI.3 Manutenção planejada Nesse pilar. 2005). .2.2.2. visando à melhoria contínua da disponibilidade e confiabilidade além da redução dos custos de manutenção.64 etapas para o operador se tornar um operador com domínio do equipamento nos sete passos na manutenção autônoma. o qual terá qualificações de mecânica e elétrica para realizar manutenções preventivas baseadas no tempo ou na condição do equipamento. Fonte: (YAMAGUCHI.2. a manutenção ficará de inteira responsabilidade do líder de produção. 6.

dificuldade de obtenção de crédito ou dinheiro. com o objetivo de obter máquinas fáceis de operar. como foi tratado no inicio do programa de implantação. zero quebra. tem sua atuação e enfoque voltado para a elaboração de projetos de novas linhas de produção.Prevenção da Manutenção. no Brasil. por exemplo.5 Melhoria no projeto O pilar de melhoria no projeto também conhecido por gestão antecipada. 6.65 Nessa etapa não se baseia apenas na conscientização dos funcionários.2. novas máquinas ou novos produtos. ou seja. zero defeito. desenvolvidas nos centros de treinamento das empresas. os índices de mortalidade das microempresas no primeiro ano de vida são de 80%. A Empresa de Composto . visando o bom desempenho no trabalho (YAMAGUCHI. O projeto de layout da Empresa de Composto de PVC a ser instalado deve já prever uma linha com as características da TPM e aquisição de máquinas que estejam presentes os conceitos PM . zero acidente. zero perdas (YAMAGUCHI.3 Controle da Qualidade Total – TQC Para a Empresa de Composto de PVC se manter viva no mercado é necessário a implantar a qualidade na empresa. Dados estatísticos recentes informam que. 2005). Este pilar elabora um novo projeto pensando em uma linha com as características da TPM. mas sim busca a obtenção dos conhecimentos suplementares e habilidades necessárias. 2005). Há vários fatores que provocam esse índice de mortalidade. no entanto. destinada a conquista de resultados de máquinas com Quebra Zero/Falha Zero. 6.2. Nessa etapa a Empresa de Composto de PVC terá que fazer o investimento de contratar consultorias para ministrar aulas teóricas e práticas para todos os funcionários da empresa. 2005). através de aulas teóricas e práticas. produtos fáceis de fabricar e linha de produção fácil de controlar (YAMAGUCHI. constituindo-se como parte integrante do programa de formação profissional. a maior causadora é a falta de investimento das microempresas em qualidade de produtos e serviço para os clientes.

 Segurança: Sob essa dimensões se avalia a segurança dos empregados e a segurança dos usuários do produto. índices de entrega do local errado e índices de entrega de qualidade erradas. por consequência. 2010) A essência de uma organização humana é satisfazer as necessidades pessoas interna e externas da empresa. a qualidade da empresa e etc. qualidade da rotina da empresa. o resultado desejado de uma empresa é a qualidade total. qualidade. índice de gravidade. a qualidade do treinamento. Inclui a qualidade do serviço e do produto. . A segurança dos usuários é ligado a responsabilidade civil do produto. Para atingir esses níveis de resultado no TQC é necessário controlá-los. tais como índice turn-over. a qualidade da informação. analisar esse maus resultados buscando suas causas e atuar sobre essas causas de modo de melhorar os resultados (CAMPOS. Qualidade Total são todos os resultados que afetam a satisfação às necessidades das pessoas e. 2014). índices de reclamação trabalhistas. então o objetivo. 2014):  Qualidade: Está relacionada à satisfação do cliente interno e externo. etc. Os resultados da Qualidade Total são (CAMPOS.66 de PVC terá grandes dificuldades em competir com preço com as grandes empresas.  Custo: Está relacionado ao custo final do produto ou serviço e aos custos intermediários. a qualidade das pessoas. Controlar a qualidade de uma organização significa detectar quais foram esses resultados que afetam a satisfação das pessoas. restando a ela diferenciar em serviço e produto. Mede-se aqui a segurança dos empregados por meios de índices tais como número de acidentes.  Entrega: Sob essa dimensões da qualidade total são medidas as condições de entrega dos produtos ou serviço finais e intermediários de uma empresa: índices de atrasos de entrega. a sobrevivência da empresa. (PALADINI. sendo eles insatisfatórios (que são os problemas da organização).  Moral: Mede o nível médio de satisfação dos empregados. Controlar a qualidade total é regido pelos seguintes princípios básicos: a) Produzir e fornecer produtos e/ou serviço que atendam concretamente as necessidades do cliente. absenteísmo. O nível médio de satisfação pode ser medido de várias maneiras. o fim. ou seja.

com exceção do 5S que já foi abordado no tópico 6. e não agir com base experiência e bom senso ou intuição. .Propor datas-limite para a certificação pela ISO-9000 e a obtenção de prêmios nacionais e internacionais de qualidade. possivelmente por pessoas especializada em gestão da qualidade.Propor o estabelecimento de um plano de educação e treinamento para o TQC e seu acompanhamento. tais como: seminário para os funcionários da empresa. c) Identificar o problema mais crítico e solucioná-lo pela mais alta prioridade. f) O cliente é o rei.1 Sistema gerenciamento de implantação do TQC Segundo Campos (2014) e adaptando a realidade da microempresa de composto de PVC o plano de implantação deve conter as seguintes grandes linhas: a) Introdução da ideia na empresa – São os meios necessários para iniciar o programa. 6. e) Auditoria e Certificação. padronização. d) Agir de acordo com avaliação dos dados e com base em fatos. gerenciamento pelas diretrizes e crescimento do ser humano – Desenvolver planos de implantação de casa um desses itens. buscar a satisfação ou até superar suas expectativas. participação em congressos sobre Gestão da Qualidade etc. Cada item será discutido sucintamente nos próximos tópicos. c) Plano de controle de implantação do TQC – Este plano deve definir as planilhas para a coleta de dados sobre a implantação.3. todos os funcionários da empresa poderão acompanhar o nível de cumprimento das metas exigidas.1. visita a outra empresas que já tenham implantado ou que estejam em processo de implantação do TQC. b) Educação e treinamento para o TQC. e) Reduzir metodicamente as variáveis por meio de isolamento de suas causas fundamentais. gerenciamento da rotina.67 b) Garantir a sobrevivência da empresa por meio de lucro contínuo adquirido pelo domínio da qualidade. d) 5S. desta forma.

3. Os padrões devem ser continuamente melhorados. desta forma a empresa se tornará cada vez mais competitiva e estabelecida no mercado (IMAI. 2014). sempre almejando alcançar as melhores práticas de qualidade de outras empresas (Benchmarking). entrega-padrão.68 6. No entanto manter os padrões não é a solução para garantir sobrevivência da empresa. Após o início do processo de melhoria. . 2014). dando início a uma nova fase de manutenção. os novos e atualizados padrões podem ser implantados e podem ser feitos esforços para estabilizar os novos procedimentos. a fim de garantir qualidade para os clientes. Quando existem padrões que são seguidos por trabalhadores que não provocam irregularidade. 2014). os padrões serão atualizados para novos padrões. 2014). Sempre que houver desvios nos padrões estabelecidos o sistema foge do controle e os funcionários devem procurar as causas. Melhorar os padrões é necessário definir uma meta e mudar as maneira de realizar suas tarefas.2 Padronização Uma gestão bem sucedida das atividades resume-se a um preceito: manter e melhorar os padrões. tomar medidas para remediar a situação e alterar o procedimento de trabalho para eliminar o problema (IMAI. 2014). O dono da Empresa de Composto de PVC ao aplicar os conceitos de padronização deve deixar bem claro aos funcionários que os padrões significam usar o processo mais fácil e mais seguro para os funcionários e mais rentável e produtivo para a empresa. segurança padrão (CAMPOS. o sistema está sobre controle. custo-padrão. como: qualidade-padrão. A manutenção dos padrões promove resultados de qualidade padrão. Isso é necessário porque muitas vezes a palavra ―padrão‖ é muitas vezes mal interpretada para significar a imposição de condições injustas aos trabalhadores. o cliente fica satisfeito com o produto ou serviço. moral-padrão etc. Os funcionários têm que entender que seguir padrões e fazer os trabalhos direito. (IMAI. isto é. custopadrão. Consolidado os novos padrões a empresa terá melhor qualidade-padrão. a empresa prospera e os trabalhadores podem contar coma segurança no emprego (IMAI. moral padrão. quantidade-padrão.

a qual tornará os funcionários exímios solucionadoras de problemas. No planejamento da qualidade. prazo-padrão. menor prazo. 2014).69 É interessante a Empresa de Composto de PVC construa um modelo de padronização de acordo com o modelo que siga as normas ISO-9000 para que a empresa possa ser certificada (CAMPOS. o GPD estabelece novas diretrizes de controle para garantir níveis de controle sempre melhores que os dos concorrentes (menor custo. capazes de compreender muito bem o relacionamento entre o seu trabalho e as metas da empresa (CAMPOS. Ao gerenciar as diretrizes o dono da empresa deve primeiro definir a meta a ser alcançada em função dos índices de qualidade que a empresa apresenta. Na Empresa de Composto de PVC. após os funcionários estarem capazes de gerenciar a sua própria rotina. No planejamento ficam assim estabelecidos os níveis de controle a serem mantidos (qualidadepadrão. 2014).) para os produtos e processo da empresa (CAMPOS. a faixa de valores desejado para qualidade. etc. e o método.3.). o gerenciamento pelas diretrizes estabelece a meta. No entanto para garantir a qualidade em toda empresa não se deve organizar uma manual de gerenciamento pela diretriz e tentar implantá-los sem que as pessoas estejam preparadas. definir o método o qual alcançará a meta . O objetivo do gerenciamento pelas diretrizes é assegurar a garantia da qualidade em toda a empresa. menor custo. 2014). custo-padrão. 6. resta ao dono da empresa à responsabilidade em gerenciar as diretrizes. Em seguida o mesmo deve analisar o processo e a partir de fatos e dados atuais. 2014). No melhoramento da qualidade. As pessoas só estarão preparadas quando a implantação do gerenciamento de rotina já esteja bem consolidada dentro da empresa. O GPD compreende em planejar e melhorar a qualidade. etc. que são procedimentos necessários para se atingir a meta. o que significa garantir a perfeita satisfação das necessidades dos clientes.3 Gerenciamento pelas Diretrizes (GPD) O gerenciamento pelas diretrizes é um sistema administrativo conduzido pela alta administração da empresa que tem com objetivo maior direcionar a caminhada eficiente do controle da qualidade de cada setor para a meta ou estratégia da empresa (CAMPOS.

70

proposta. O dono da empresa deve divulgar as diretrizes de forma metódica, definindo a meta
e o método, por exemplo, ―vamos reduzir o custo, reduzindo em 50% o tempo de limpeza nas
roscas das extrusoras em uma prazo de 2 meses‖, desta forma os funcionários saberão como
realizar a melhoria e atingir a meta proposta.

6.3.4

Gerenciamento da Rotina-

Na implantação do TQC, a primeira prioridade é implantar o gerenciamento da rotina,
o qual é conduzido de forma a proporcionar o melhoramento contínuo na empresa pela
conjugação das operações de manutenção (cumprimento dos padrões) e melhorias ( alteração
dos padrões para melhorar resultados). A forma ideal do TQC será atingida quando a rotina
for gerenciada em nível individual por todas as pessoas da empresa (CAMPOS, 2014).
O gerenciamento de rotina do trabalho é a prática do controle de qualidade, a qual tem
a função de alcançar o objetivo atribuído a cada processo. As práticas são (CAMPOS, 2014).:

Definir a função: Definir a função de cada setor e cada pessoa (essa definição deve
constar de procedimento-padrão). Definir as características de cada produto/serviço
consultando seus clientes. A responsabilidade de cada um é estabelecida sobre os
resultados da área sobre o qual tem autoridade.

Construir mapofluxograma: Detalhar o processo da empresa, definindo as fronteira
gerenciais sobre as quais a autoridade é definida, e as responsabilidade são atribuídas
pela definição do índice de qualidade.

Determinar seus índices de qualidade (custo, entrega, qualidade, etc.), suas metas e a
frequência de verificação para verificar se o processo está fora de controle.

Os fluxogramas de sua área de trabalho para ajudar na padronização.

Definir os métodos para atingir as metas estabelecidas nos índices de qualidade
desejável.

Definir claramente os problema e resolvê-los com a participação de todas as pessoas
como meio de melhorar continuamente os procedimentos-padrão de operação. Utilizar
para isso o método de solução de problemas.

Educar e treinar o pessoal nos métodos e nas práticas do controle de qualidade.

71

O método solução de problemas, conhecida também como MASP ou metodologia 8D, é uma
metodologia que facilita gerencialmente a solução do problemas. Ela consiste em oito etapas
de aplicação que irão contribuir bastante para prática de controle da qualidade, são elas
(CAMPOS apud HERBSTER et al., 2013):

1. Identificação do problema: Consiste na definição clara do problema e da sua
importância;
2. Observação: O problema deve ser observado de forma sistêmica, coletando-se todas as
informações relevantes para a sua solução;
3. Análise: Consiste em descobrir as causas fundamentais do problema;
4. Plano de Ação: Desenvolver um plano, ou procedimento que possibilite a solução do
problema;
5. Ação: Deve-se aplicar o plano de ação, assim, bloquear as causas raízes do problema;
6. Verificação: O plano de ação resolveu o problema?
7. Padronização: Adotar como padrão o procedimento elaborado no plano de ação;
8. Conclusão: Avaliar a aplicação do método para este problema e, fortalecendo as lições
aprendidas.

A implantação do gerenciamento de rotina irá preparar os funcionários da Empresa de
Composto de PVC, operadores e o líder de produção, a capacidade controlar a qualidade,
deixando o dono da empresa com mais tempo para se preocupar com mercado, para os
concorrentes e para futuro da empresa, e com isso, conduzir a empresa para a sobrevivência.

6.3.5

Gerenciamento do Crescimento do ser humano

O gerenciamento do crescimento do ser humano afeta diretamente a qualidade total,
mais especificadamente a moral. A moral mede o nível médio de satisfação dos empregados,
e pode ser controlado medindo os índices numéricos turn-over de pessoal, absenteísmo, índice
de procura ao posto médico, índices de reclamações trabalhistas, número de sugestões, etc. O
TQC é programa gerencial centrada nas pessoas. Desta forma a Empresa de Composto de
PVC deve gerenciar o crescimento do ser humano, controlando a moral da empresa,

72

procurando construir um ambiente de trabalho que todos tenham o prazer de frequentar. Para
construir esse ambiente precisa-se de tempo, para medir a moral e atuar nas causas, que são as
necessidades básicas (CAMPOS, 2014).
Portanto, para reduzir absenteísmo, índice de procura ao posto médico, índices de
reclamações trabalhistas a empresa etc. deve atacar as causas (necessidade básicas) que são
(CAMPOS, 2014):

Filosóficas: Sobrevivência, alimentação, roupa e teto.

Segurança: Proteção sua e da família. Estabilidade no lar e no emprego.

Sociais: Sentimentos de aceitação, amizade, associação, Sentimento de pertencer ao
grupo.

Ego ou estimativa: Autoconfiança, independência, reputação, etc.

Autorealização: Realização do seu próprio potencial. Autodesenvolvimento,
criatividade, autoexpressão.
O crescimento humano é conseguido pela empresa, só quando os funcionários

desfrutam de cada item, desde questões filosóficas até auto realização profissional (CAMPOS,
2014).
As necessidades de segurança e fisiológicas do ser humano são atingidas quando se
tem uma política de estabilidade no emprego e um salário justo para o trabalhador. O ego, o
social e a auto realização são satisfeitos quando a empresa promove trabalho em grupo, por
exemplo, o 5S (visto anteriormente) e o círculo de controle da qualidade (CCQ) que será visto
adiante. Com as necessidades básicas supridas, o ser humano utiliza cada vez mais a mente e
não somente a força braçal. Nesse nível de crescimento humano, os funcionários entram no
espírito de melhoria contínua, tornando-se exímios solucionadores de problema (CAMPOS,
2014).
O CCQ é uma prática do TQC, é tão essencial sua existência que o guru da qualidade,
Kaoru Ishikawa, afirma: ―não existe TQC sem CCQ‖. O CCQ é um trabalho em grupo para
solução de problemas para atender as necessidades básicas sociais. No CCQ as pessoas se
reúnem para praticar o controle de qualidade (busca da causa de problemas), propondo
alterações aos procedimentos-padrões de operação por meio do método de solução de
problemas (CAMPOS, 2014).

a mão-de-obra requerida para operação de preparação. a perda de material no início da operação. 2011). através de um mecanismo de redução de estoques os quais tendem a camuflar os problemas (CORRÊA e GIANESI. 2011).3. 2011). O estoque funciona como investimento necessário quando os problemas de qualidade. 2011). para compensar os produtos descartados por má qualidade. esses problemas que obrigam usos dos estoques não se farão presente por já terem sidos atacados na implantação dos sistemas anteriores.. Observa-se que o elevado estoque é um mal necessário para empresas que apresentam esses problemas. de implantar primeiro o sistema TPM e TQC e depois iniciar a implantação do JIT. 2011). evitando atrasos na entrega do produto (CORRÊA e GIANESI. são gerados estoques desses produtos para garantir o fluxo contínuo de produção entre o processo e outro. problemas de quebra de máquina e problemas de preparação de máquina estão presentes no processo produtivo (CORRÊA e GIANESI. Quanto maior esses custos tendem as empresas produzir lotes (estoques) cada vez maiores. Elevado tempo de preparo da máquina (perdas por demora na troca de ferramentas e regulagem) para adaptá-la para a mudança de operação provocam altos custos referentes ao período inoperante do equipamento. para que os custos sejam rateados por uma quantidade maior de peças (CORRÊA e GIANESI. No entanto para Empresa de Composto de PVC poderá ser diferente. Quando o processo apresenta problemas de qualidade.2 e 6.4 Just in time (JIT) Após o sistema de TPM e o sistema TQC estarem consolidas na Empresa de Composto de PVC. O JIT tem como objetivo fundamental a melhoria contínua do processo produtivo. gerando refugo de forma incerta. iniciará com a implantação da produção just-in-time. Pois como foi visto nos Tópicos 6. etc.73 6. . caso ela siga o conselho dado por Imai (2014). Quando uma máquina para por problemas de manutenção são gerados estoques de segurança correspondente à hora que ela estaria produzindo caso não estivesse parada devido à quebra (CORRÊA e GIANESI. A perseguição destes objetivos dá-se.

O JIT pode ser definido como sistema de manufatura enxuta. Movimentação desnecessária 5. este último deve ser eliminado. Os recursos de cada processo . 2011). Transporte . Superprodução 2. o qual vai diminuindo. os quais vão se tornando visível e sendo atacados (CORRÊA e GIANESI. Espera 6. Problema de Estoque 3. de modo que os problemas fiquem visíveis e possam ser também eliminados gradualmente. isto é. Processamento desnecessário 7. Figura 9 − Redução dos estoques para expor os problemas do processo.74 Os objetivos da filosofia JIT é reduzir os estoques gradativamente. Fonte: (CORRÊA e GIANESI. Produtos defeituosos 4. A Figura 9 representa essa ideia. O processo deve ser entendido como o trajeto que inicia com vários insumos e matéria-prima e termina em produto ou serviço. Os principais fatores que não agrega valor são (IMAI. e os obstáculos são os problemas.pessoal e equipamento – realizam atividades que agregam valor e não agrega valor. 2011). 2014): 1. onde o nível da água é o estoque. tem o objetivo contínuo de eliminar etapas que não agregam valor ao processo.

tempo de parada da máquina.75 6. que o processo possui. (IMAI. temendo que tais problemas surjam.4. altos tempos troca de ferramentas e regulagem.1. . água e energia. 2014. aumento de encargos de juros. Pelo contrário. 2014). necessidade de mais espaço para adicional para armazenamento de estoque excedente. Quando o nível de estoque está alto. para isso. 2014). 2014).1. Ela ocorre quando o gestor está disposto a produzir mais do que o necessário apenas por questão de segurança. aumento de transporte e custos administrativos (IMAI. desperdícios de ativos na forma de pessoal. ociosidades. No sistema JIT adiantar o cronograma de produção é considerado pior do que atrasar. todos os problemas que obrigam o gestor a superprodução deveram ser eliminados. ocupando espaço. O estoque assim como a superprodução são alternativas usadas para se esquivar dos reais problemas que empresa tem.4. acréscimo de máquinas. e suprimento mantidos no estoque não agregam valor.4. longas distância a percorrer com o material. etc. refugos.2 Problema de Estoque Produtos acabados. 6.1 Etapas de Não Agregação de Valor 6. CORRÊA e GIANESI. uma vez que a última ocasiona elevados estoques para empresa. desta forma perde uma boa oportunidade de melhoria (IMAI. Observa-se que o estoque e a superprodução andam juntos.1 Superprodução A superprodução é uma consequência dos problemas como falhas das máquinas. 2011) Produzir mais do que o necessário irá trazer vários prejuízos para empresa. produtos semi-acabados ou peças. arranjo físico inadequado. ninguém se preocupa o suficiente para lidar com problemas como qualidade. É sugerido que se produza somente o que é necessário no momento. como: consumo de matérias-primas antes destas serem necessários. aumenta os custos operacionais. ociosidade. exigindo mais equipamento e mão-de-obra para manuseá-los (IMAI.

No caso empresa a ser instalada alguns defeitos poderão surgir no composto produzido. Muitas vezes. Alguns desses problemas podem chegar ao processo do cliente caso a Empresa de Composto de PVC não preze pela qualidade total. mistura dos aditivos ineficiente. todos os funcionários perguntaram.4. . desta forma caso o problema surja. Os produtos defeituosos interrompem a produção e exigem retrabalho dispendioso. os rejeitos precisam ser descartado.4. como: gelificação ineficiente.76 Sistema de produção JIT o nível de estoque é diminuído e finalmente atingi a linha de fluxo de uma peça. 2014).1. 6. Sendo de extrema necessidade realizar o expedição rigorosa antes do produto chegar ao cliente. 6. elevada dureza do composto. Para identificar movimentos improdutivos é necessário olhar atentamente para a forma como os operadores usam mão e pernas (IMAI. por que o fluxo parou? Solucionar os problemas será uma atividade diária obrigatória para os funcionários da empresa. a Empresa de Composto de PVC terá prejuízos imensuráveis com insatisfação do cliente. Apesar de não ser necessário o descarte do lote defeituoso. ausência de brilho no calçado fabricado pelo cliente. O lote defeituoso vendido para o cliente deverá retornar para empresa e poderá ser reprocessado para corrigir tais erros. etc. 2014).3 Produtos defeituosos Produtos defeituosos não agregam valor ao cliente. minimizando os prejuízos envolvidos. podendo nessa falha o cliente trocar de fornecedor.1.4 Movimentação desnecessária Qualquer movimento do corpo de uma pessoa que não esteja diretamente relacionada à atividade de agregar valor é improdutivo. pelo contrário elevam o custo do produto.. instabilidade térmica. o que significa um grande desperdício de recursos e esforços (IMAI.

Dentro dos estudos de tempos e métodos existe uma ferramenta conhecida como mapofluxograma. falta de peças ou tempo de parada das máquinas. Dentro do estudo de tempos e movimentos existe também uma ferramenta chamada diagrama homem-máquina. 2014). No desenvolvimento do layout da Empresa de Composto de PVC (Tópico de 7.1. (IMAI. Quando operador fica esperando um equipamento que está realizando atividade que agregam valor também é um espera e pode ser também eliminado. existe um recurso conhecido como micromovimentos.6 Processamento desnecessário O processamento desnecessário são operações realizadas pelo operador que não agrega valor ao cliente e que podem ser eliminadas sem prejudicar o processo. Essa ferramenta será mais detalhada no Tópico 7. 1977). 6. quando o trabalho do operador fica em espera por causa de problemas na linha de produção.2. A partir do estudo detalhado. que tem a finalidade de eliminar o tempo de espera dos operadores e das máquinas. 6. mais eficiente e melhor para operador (BARNES. que poder auxiliar para eliminar o processamento desnecessário.4. a qual estuda os elementos fundamentais de uma operação por intermédio de uma câmera para filmar as atividades realizadas pelo operário. Dentro desse estudo.5 Espera A espera se dá quando as mãos do operador estão ociosas. 2014).77 O problema de movimentação poder ser solucionado com estudos tempos e movimentos.1.4. Isto torna possível a análise dos movimentos elementares registrados na filmagem e o estabelecimento de tempos para cada um deles. .4) foi utilizada essa ferramenta a fim de projetar um layout sem processamento desnecessário (IMAI. e padroniza-se uma nova forma de se trabalhar. eliminam-se os movimentos que não agregam valor na operação.

6. A filosofia JIT acrescenta outra visão dos custos de estoques e que o modelo de lote econômico não considera nos seus cálculos. (ACCIOLY. imposto de serviço. 2011).7 Transporte O transporte é uma parte essencial das operações.5. seguro de carga. problemas de quebra de máquina e problemas de preparação de máquina que estão presentes no processo produtivo quando tem estoque a mais do que necessário. O modelo de lote econômico aborda que os custos de compra são referentes pesquisas de mercado. Para evitar esse problema na Empresa de Composto de PVC. 2014). 2008). buscando o tamanho de lote econômico. Os custos de manutenção envolvem capital empregado nos estoques. custo com processos produtivos internos.78 6. Os custos de compra e custo de manutenção são custos estáticos pelo modelo de lote econômico. etc. os custos envolvidos com os problemas de qualidade. No entanto o uso desse modelo sem o devido questionamento dos cálculos faz com quer a empresa perca oportunidade de realizar melhorias. . Para piorar. pedágio. foi projetado um layout com o mínimo de transporte (Tópico 7) (IMAI. custo de área e mão-de-obra para armazenamento. os danos geralmente ocorrem durante o transporte.).1.1) a Empresa de Composto de PVC iniciará as atividades de compra de matéria-prima. custo com transportes incorridos no processo de internação das mercadorias e custo de tempo de preparação do equipamento (depreciação. no JIT é feito o esforço para esses custos serem continuamente reduzidos. No sistema JIT os custo de compras são reduzidos de tal forma que se passa a comprar lotes do mesmo tamanho da demanda (CORRÊA e GIANESI. SUCUPIRA.4. etc. processos operacionais de compra. mas os materiais ou produtos em movimentação não agrega valor. combustível.4. seguros.2 Fornecimento de materiais no sistema JIT Como visto no Tópico Investimento (4. energia. AYRES.

reduzir custos com burocracia de pedidos. No entanto contribuições da filosofia JIT podem ser incorporadas pela empresa como o desejo contínuo reduzir os custos de compra e manutenção. muito provavelmente só terá essa relação integrada com a Empresa de Composto de PVC se a mesma contribuir para uma fração significativa das suas margens lucros. 2008). 2011). os principais fornecedores localizamse fora da Região Metropolita do Cariri. SUCUPIRA. por exemplo. as cotações e as inspeções de recebimento. AYRES. redução de custos de armazenamento. o qual terá um poder de compra muito baixo. o que geraria o aumento do custo de produção do composto. Além desse problema de baixo poder de compra. o que isso não é uma realidade para uma microempresa. Nota-se que a Empresa de Composto de PVC terá grande dificuldade de comprar lotes do tamanho da demanda. grandes distância exigirá a Empresa de Composto de PVC comprar lotes de transporte mais volumosos para não tornar elevados os custos de frete (CORRÊA e GIANESI. (CORRÊA e GIANESI. Essa alternativa. com pontualidade. Os fornecedores de PVC e aditivos devem ter processos eficientes para fornecer em lotes reduzidos com frequência.79 Comprar lotes do mesmo tamanho da demanda requer eficiência além do processo interno da Empresa de Composto de PVC. com qualidade e com tempo de entrega reduzido. 2011). etc. redução tempo necessário á preparação do equipamento. Uma alternativa que poderia ser avaliada é utilização de empresas clientes. o preço da matéria-prima iria aumentar devidos os custo de manutenção dela dentro da empresa. o qual confiaria o domínio físico sem caracterizar venda. . O fornecedor. esse mecanismo constitui na manutenção de estoques de matéria-prima dentro da Empresa de Composto de PVC de propriedades do fornecedor. até o momento do consumo (ACCIOLY. envolvendo até mudanças no relacionamento com os fornecedores. gerando outro problema para empresa. Isso só é possível se a empresa for um cliente valorizado pelo fornecedor e que ambas tenham um relacionamento cooperativo (CORRÊA e GIANESI. sendo muito provavelmente inviável para realidade da empresa. 2011). mesmo se as fornecedoras selarem acordo em disponibilizar a matéria-prima para domínio físico da Empresa de Composto de PVC.

. podendo adaptar-se de forma ágil ás flutuações moderadas e de curto prazo na demanda (CORRÊA e GIANESI. A Empresa de Composto de PVC poderá a utilizar dessa ideia para diminuir esse tempo de tramitação e evitar produção excessiva. habilidade de alterar eficazmente as datas de entrega e pedidos e habilidade de o sistema continuar funcionando ou retornar ao funcionamento.80 6.3 Flexibilidade da Produção Característica importante do sistema JIT é a capacidade de os sistemas de produção responder eficazmente a mudanças de planejamento. e composta pelos seguintes elementos (CORRÊA e GIANESI. caso ocorra mudança relevante nos suprimentos de insumos ou no processo em se (CORRÊA e GIANESI. tempo que decorre desde o momento em que uma ordem de produção é colocada até que o material está disponível para uso. habilidade de produzir mix de produtos diferentes. As incertezas do processo. Essa flexibilidade resulta do fato da produção não estar comprometida com determinado programa de produção por um prazo muito longo. 2011). 2011). O lead time de produção. O sistema deve ter flexibilidade de incluir novos produtos ou alterar os produtos já existentes. 2011).4. 2011):  Tempo de tramitação da ordem de produção  Tempo de espera em fila  Tempo de preparação da maquina  Tempo de processamento  Tempo de movimentação O Tempo de Tramitação da ordem de produção é referente o recebimento do pedido do cliente até chegar esta informação ao setor de produção. Um recurso utilizado pela empresa JIT é uso de cartões (Kanban) o qual facilita a comunicação entre os departamentos da empresa (CORRÊA e GIANESI. exigem as mesmas adquirirem flexibilidade. A redução dos tempos envolvidos no processo de produção JIT tem um efeito muito importante no aumento da flexibilidade de resposta. habilidade de alterar os níveis agregados de produção do sistema de forma eficaz. variabilidade da demanda e a falta de interação entre as empresas.

correspondente ao composto em falta. em uma tela posicionada próxima a área de estoque e em uma altura que toda a produção possa visualizar. O Tempo de Espera em fila é referente da soma dos tempos de preparação de máquina e processamento de cada uma das ordens que serão executados anteriormente a esta. 2011). deverá primeiro projetar um layout com uma área de estoque delimitada com o tamanho da previsão da demanda (ver Figura 24). passando a informação para o setor de produção que fabricação desse composto deve ser interrompida. garantindo a entrega do cliente de forma rápida e por outro lado evitando produção de composto maior que a demanda. Neste modelo de produção. a produção é disparada pela disponibilidade de material a processar contribuindo para elevados custos de transporte e estoque (CORRÊA e GIANESI. O Tempo de processamento é único que agrega valor aos produtos sendo esse necessário ser aproveitado com eficiência para produzir produtos de qualidades e sem erros (CORRÊA e GIANESI.81 A empresa para utilizar dessa ferramenta (kanban). posicionará um cartão (kanban). O encarregado de embalar e transportar o composto da área de produção para área de estoque vendo que área de estoque estará completamente preenchida. o encarregado. automaticamente começará a produzir o composto em falta. para acionar o setor produção a produzir determinado composto. Nota-se que o planejamento da produção (PP) realizada dessa forma o tempo tramitação reduzirá a zero. O setor de produção visualizando o cartão. visualmente iria observar área ocupada (nível de estoque) pelo composto. Desta forma. 2011). o mesmo retirará o cartão da tela. o material somente é processado em uma operação se ele é requerido pela operação subsequente de processo. a media que ele fosse retirando o composto para o carro. o mesmo passaria entender que o setor produção precisará produzir o composto para reabastecer a área desocupada. . vendo que área está ficando vazia. contribuirá para a redução dos tempos de espera. Com isso. as empresa que não empregam essa filosofia tendem a trabalhar da forma ―empurrada‖. essa área funcionará como uma gestão visual para controlar o nível de estoque de produto acabado. O sistema de utilização de cartões comentado anteriormente e a redução do tempo de preparação da máquina comentado no inicio desse Tópico. Esse modelo de ―puxar‖ é bastante característico do sistema JIT. o kaban funcionaria assim: o encarregado de retirar os compostos de PVC da área de estoque para o carro de entrega. Neste último caso. Outro aspecto importante desse PP é que a produção da empresa é ―puxada‖ pela demanda.

O sistema de utilização de cartão comentado anteriormente contribuirá também para que a Empresa de Composto de PVC produza lotes pequenos de cada composto. assim como as filas e os tempos gastos com preparação. será minimizadas com um . como uma forma de aproximar de um layout linear. Layout da Fábrica de Composto de PVC. No entanto. a Empresa de Composto de PVC não trabalhará com layout celular. ela tem a finalidade de aumentar a flexibilidade da empresa para imprevisões da demanda.82 O Tempo de movimentação não agrega valor ao produto sendo esse necessário ser reduzido ao máximo. à medida que o cliente solicitar um volume de composto acima do previsto pela empresa. O espaço é ocupado também eficientemente e o estoque em processo é bastante reduzido. como a extrusora e misturadores intensivos. No entanto o layout linear não tem a capacidade de fabricar uma ampla variedade de produtos. mas sem restringir tanto a variedade de produto fabricado. reduz ao mínimo a movimentação de matérias. são bastante volumosas ocupando uma grande área do layout. como layout linear. é o arranjo mais eficiente. Esse último os equipamentos estão dispostos segundo o roteiro de produção dos produtos. impossibilitando arranja-las em células. Além disso. pois favorece o fluxo. as máquinas. O layout celular utilizando pelos sistemas JIT tem a função linearizar o fluxo. Assim a empresa conseguirá produzir de forma flexível e atender o cliente com alto nível de qualidade de entrega. pois este requer quantidades maiores de equipamento para compor cada célula de produção. O layout ideal para Empresa de Composto de PVC é o layout linear. foi buscado nesse tópico desenvolver um layout sem etapas de não agregação de valor o produto. Visualizando isso na Empresa de Composto de PVC o sistema se comportaria desta forma: assim como área de estoque continuamente estará sendo preenchida pelos diferentes compostos. detalha as medidas tomadas para reduzir esse tempo. O layout das fábricas que empregam o sistema JIT tem a características de transformar layout funcional ou por processos em layout celular. dentre elas eliminar o máximo a movimentação de material pela fábrica (CORRÊA e GIANESI. elevando com isso os custos fixos com a compra de equipamentos. será necessário produzir apenas uma quantidade a mais e completar com já existente no estoque. 2011). O Tópico 7. Produzir lotes pequenos de cada produto é uma medida bastante evidenciada pelo sistema JIT. a inflexibilidade desse modelo com a variedade de produzir diferentes produtos.

83 lead time curto de produção. com curto tempo de preparação da máquina e com produções oscilantes de pequenos lotes de diferentes compostos. .

Segundo Porto (2007). em certa medida. o fluxo do processo produtivo. 2007). levando os produtos e os processos produtivos a total interdependência. reduzir espaço.84 7 LAYOUT DA FÁBRICA DE COMPOSTO DE PVC Para a empresa instalada atender o mercado com prazo de entrega rápido e com preço competitivo. favorecendo a automação. que utilizam bens com elevada uniformidade. 2004). o layout será projetado prevendo o crescimento futuro da empresa. um arranjo físico ideal possibilita a empresa aumentar a produção. 7. Segundo Villar e Júnior (2004). reduzir demoras. reduzir manuseio. o qual tem a capacidade de acompanha o crescimento produtivo futuro da empresa. A região. dessas a maioria são microempresas que fabricam calçados sintéticos. O layout será projetado triplicando a capacidade inicial. segundo Abicalçados. Esse tipo de layout é utilizado por empresas com processos contínuos. Com o crescimento futuro da empresa a mão-de-obra necessária também irá aumentar. não existindo flexibilidade no sistema (VILLAR e JÚNIOR. com exceção do misturador intensivo. A capacidade inicial considerado no tópico de Plano de Negócio é capaz de anteder em media apenas 12 microempresas com capacidade de 2 toneladas/mês. Segundo Olivério (1985 apud Porto 2007). assim a quantidade de maquinário considerado no tópico de Plano de Negócio será triplicada. O arranjo físico da empresa será do tipo linear ou por produto em que a disposição das máquinas e equipamentos obedece. os fatores são: . Sabendo que a capacidade inicial é muito inferior do que a demanda insatisfeita na região. é composta de 310 empresas. a determinação dos fatores que influenciam o arranjo físico é de suma importância.1 Fatores que afetam o Arranjo Físico Antes de iniciar o desenvolvimento do layout da empresa é necessário conhecer os fatores que influenciam na construção do arranjo físico. reduzir tempo de manufatura e reduzir custos. é necessário à definição de um arranjo físico ideal para empresa. visto que funcionam como critérios fundamentais que dão uma coerência maior ao projeto do arranjo físico quando ponderados adequadamente (PORTO.

o fator edifícios contempla os aspectos construtivos e de localização dos edifícios. fluxo de seqüência da produção.). fluxo de área para área. quantidades.  Equipamentos.  Mão-de obra.  Fator Material– O fator material faz referência às características inerentes ao material envolvido no processo produtivo.  Fator edifício- Para Olivério (1985 apud Porto 2007).85  Materiais (abordando considerações como características físicas e químicas.  Edifício (aspectos construtivos e de localização)  Mudança Os fatores devem ser organizados de forma harmoniosa devido à influência que cada um desses exerce significativamente no arranjo físico (PORTO. abordando questões como: de que forma é feito. 2007). variedade etc. . de transporte (cuidados). abordando questões de vias de acesso para recebimentos e materiais e o escoamento de produtos acabados. No Anexo 1 está detalhado as características dos materiais.  Serviços. relacionando-se com a logística da empresa (PORTO. 2007). transportes envolvidos e depósitos para material em movimento ou em espera). 2007). químicas. forma.  Espera.  Movimentação (aborda fluxo de materiais. características físicas. Esse fator será definido de forma que contribua para o desenvolvimento arranjo físico ideal. volume entre outros (PORTO.

ix. Após seco é granulado no Granulador. Transporte e dosagem do PVC e aditivos para o misturador intensivo iv. xi. viii. Nessa etapa.86  Fator espera e fator movimentação Antes de avaliar o fator espera e o fator movimentação é necessário conhecer detalhadamente o processo produtivo da empresa instalada. o granulado é despejado na embalagem. Misturador intensivo mistura a frio os ingredientes. Movimentação da mistura para o alimentador de piso pelo operador Agora em um processo continuo. v. vii. Armazenamento da matéria prima (PVC + Aditivos). retorna atuação do operador no processo: xii. O operador transporta o composto de PVC (granulado) embalado para pesagem xiii. O ―macarrão‖ é resfriado no Secador de Espaguete x. sem intervenção do operador: vi. A Extrusora mistura a quente o PVC mais os aditivos. ii. O ―macarrão‖ é mergulhado e resfriado na Banheira. Armazenamento . conformando os em formato de macarrão. Posteriormente sela no Selador a embalagem. O processo produtivo da empresa instalada segue as seguintes etapas: i. A embalagem é transportada para o estoque xv. xiv. Após a granulação do composto. O alimentador de piso alimenta a Extrusora. Movimentação do PVC mais os aditivos para o setor de pesagem/mistura iii. Pesa o composto conferindo ou corrigindo até a embalagem pesar 60 kg.

2007). Nessas etapas deve-se levar em consideração um melhor dimensionamento para áreas destinadas à espera (seja de armazenamento de qualquer tipo ou de espera entre operações) é importante levar em consideração as três dimensões. armazenamento de matéria-prima. iii. material semiprocessado. o fator espera abrange questões referentes às características do armazenamento e demora da área de recebimento de material. Segundo Dias (1993. são listadas as máquinas da empresa de acordos com suas dimensões. xii.199 apud Porto 2007) não se pode pensar em processo produtivo sem ocorrer à movimentação no mesmo. Além disso. . p. umidade. vi. O fator movimentação no processo produtivo da empresa instalada abrange a seguintes etapas: ii. espera entre operações e armazenamento de máquinas. O fator movimentação é essencial no processo de transformação que a produção desempenha. calor. para que com isso. 2007). refugos. sucatas etc. seja do homem. 2007). evitará movimentos exaustivos para operário que poderia acarretar danos a sua saúde e bem estar (PORTO. aumentar a capacidade produtiva. xiv. xiii. roubo entre outros (PORTO. material acabado. Ainda Dias.87 Para Olivério (1985 apud Porto 2007). Em seguida. avarias. equipamentos e ferramenta (PORTO. As etapas no processo produtivo da empresa instalada referente o fator de espera são: i. sujeira. afirma que a movimentação de materiais deve estar direcionada em reduzir custos. da máquina ou dos materiais. melhorar a distribuição dos processos e das instalações da empresa (PORTO. poeira.  Fator equipamento As máquinas utilizadas para fabricação de composto de PVC são basicamente as que foram mostradas na Tabela 2. xi e xv. melhorar as condições de trabalho. 2007). na Tabela 10. possa produzir com menor custo e maior eficiência. Durante os desenvolvimentos do arranjo físico da empresa deve se buscar reduzir o máximo a movimentação (tanto material quanto pessoal) nessas etapas. observações sobre questões de segurança do material abordando a prevenção contra incêndios. processo.

5 Altura: 0.7 Largura: 0.  Fator serviço O fator envolve questões que dão suporte ao bom funcionamento do processo produtivo e que por isso estão incluídas no fluxo produtivo e no conteúdo do projeto do arranjo físico.00 Largura: 1.00 Largura 0.5 Altura 1.95 Largura: 0.8 Comprimento: 3.10 Altura: 2.8 Altura: 1 Comprimento: 0.2 Altura: 1. Questões pessoais:  Características referentes ao pessoal de apoio como as entradas e saídas.05 Altura: 2.4 Altura: 1 Comprimento: 0.88 Tabela 10 − Dimensões dos equipamentos.10 Comprimento: 0. os quais devem ser considerados no planejamento do layout (PORTO. Máquina Misturador Unidade 1 Balança Ventilador 2 1-resfriar o setor de pesagem/misturar Alimentador 3 Extrusora Dupla Rosca 3 Banheira 3 Secador de espaguete 3 Granulador 3 Selador 1 Dimensão (m) Comprimento: 1. de material e de maquinários. O fator serviço envolve questões pessoais.8 Altura: 1 Comprimento: 0.157 Comprimento: 3.050 Fonte: Arquivo Pessoal.5 Comprimento: 3.6 Largura: 0.2 Largura: 1. .8 Largura: 0. 2007).6 Largura: 0.00 Comprimento: 0.8 Altura: 2.60 Largura: 1.

 Evitar expor o trabalhador nas seguintes condições: frio.89  Circulação interna  Planejamento que favoreça facilidades de deslocamento para banheiro. vestiários.  Evitar expor o trabalhador atividades inseguras. deslocamentos. segurança. segurança. sujeiras.  Definir a saída de emergência. Durante o desenvolvimento do arranjo físico da empresa deve-se buscar cumprir todas essas questões (PORTO. vento. iluminação. movimentos.  Fator mão-de-obra Neste fator são analisadas questões que afetam o trabalhador (trabalhadores diretos. supervisores. 2007):  Adequação do trabalhador a tarefa  Número de turnos trabalhados e número de trabalhadores necessários. barulhos.calor. conforto. . desde sala de controle até laboratórios) Questões maquinários:  Distribuição e configuração de questões de iluminação. vibrações e temperaturas desconfortáveis. higiene. eletrificação entre outras. funcionários diretos e indiretos) e o seu desempenho tais como. staff. estacionamentos. poeiras. Questão material:  Inspeção (locais destinados a este fim. salas para exames e tratamentos médicos ou primeiros socorros. necessidades de drenos. qualificações e limitações.Evitar pisos com obstrução e pisos escorregadios.  . intempéries. bombas. bebedouro. sistema de comunicação e limpeza. fungos. líderes.  Diminuir os movimentos para não causar exaustão do trabalhador. restaurantes. esgotos.

Os recursos desses diagramas foram utilizados de forma apenas teórica baseada em um tempo de ciclo de uma máquina da empresa PIZ’.90 O cumprimento dessas questões implica no melhor aproveitamento dos meios e recursos necessários. localizada na cidade do Juazeiro do Norte. vestiários. 7. O estudo seria mais preciso. e reforço da imagem institucional da empresa (SESI-SP.2 Estimativas das áreas do arranjo físico Para estimativa das áreas de circulação. Por exemplo. mas sem perder sua função original. Empresas de . que a empresa deve fornecer para a manutenção de condições de segurança e de conforto no ambiente laboral. e o operário espera enquanto o ciclo da máquina termina. escritórios. caso tivesse sido possível medir o tempo do trabalhador operando a máquina em estudo e se tivessem sido encontrados trabalhos utilizando os diagramas em operações semelhantes às serem praticadas pela Empresa de Composto de PVC. como: motivação dos trabalhadores pela melhoria das condições. Para isso. refeitório e cozinha. 1977). além de outros benefícios. No entanto esses diagramas serão utilizados nesse trabalho com a finalidade dimensionar a quantidade de trabalhadores necessários para empresa. O uso dessas ferramentas tem a finalidade de eliminar o tempo de espera dos operadores e das máquinas. 2012). primeiramente é necessário quantificar o número de funcionários para o funcionamento da empresa. redução do absenteísmo e do presenteísmo (trabalhador exercer suas atividades sem plenas condições pessoais). A pesquisa realizada na empresa PIZ’ possibilitou estimar o tempo necessário para completa mistura a frio do PVC e aditivos realizado no misturador intensivo. foi utilizado o Diagrama Homem-Máquina e Diagrama Equipe para quantificar o número de operadores para empresas de composto de PVC. sanitárias. esse tipo de espera é detalhado nos diagramas a fim de serem eliminados (BARNES. aumento de produtividade. O Diagrama Homem Máquina e Diagrama equipe tem a função de estudar o tempo de espera entre operador-máquina e entre operadores. uma vez que irá garantir um processo com mínimo de tempo ocioso das máquinas e dos operadores. a máquina espera o operador enquanto o mesmo alimenta e remove a peça acabada por ela. redução de desperdícios de materiais e de horas trabalhadas.

Levando essa informação para Empresa de Composto de PVC a ser instalado. a PIZ’ mistura o composto de PVC mais os aditivos sem seguir uma ordem de dosagem e sem controle da temperatura e velocidade da hélice. Partindo dessa informação que o misturador intensivo a cada 11 minutos precisa está sendo alimentado. . por exemplo. DOP e pigmentos para preparar a matéria-prima para serem alimentados nas injetoras. óleo de soja. de tal forma que garanta que o misturador não tenha tempo ocioso na espera de ser alimentada pelo operador. foi estimado um tempo de 11 minutos para misturar todos os aditivos e PVC. já que o número de ingrediente que precisa é maior para formular o composto. A função do Abastecedor é a abastecer o setor de pesagem/mistura com os aditivos e o PVC. a empresa PIZ’ compra o composto de PVC e necessita adicionar agente de expansão.91 calçados usam esse recurso para fazer alguns ajustes na composição do PVC (composto). Além disso. Nesse setor as matérias-primas são pesadas e alimentadas no misturador pelo operador Pesador/Misturador. A Tabela 11 relaciona atividade do operador Abastecedor de forma simultânea com Operador Pesador/Misturador. porém provavelmente sem eficiência na mistura e consequentemente obtendo uma má qualidade no produto. foram feitos os diagramas homem-máquina e diagrama equipe. fazendo de uma forma rápida. O Abastecedor também descarrega a mistura do misturador intensivo e abastece os três alimentadores de pisos com a mistura que foi descarregada do misturador. A mistura a frio do Composto de PVC com esses ingredientes levam 7 minutos.

estando pronta para a segunda dosagem. nessa faixa de temperatura o PVC tem sua porosidade completamente aberta. o que é indicado pela .92 Tabela 11 − Diagrama Equipe. Durante alimentação o Pesador/Misturador segue uma ordem de dosagem (JUNIOR. O Pesador/Misturador é responsável também de alimentar o PVC e os aditivos no misturador. Nome da operação Operador: Tempo 1 min 5 min 1min 4min 1min Total Abastecedor Abastecer Descarregar o misturador Transportar a mistura para os Três alimentadores de piso Reposicionar o carrinho e se deslocar para almoxarifado Transportar a matéria-prima necessária para o próximo ciclo Se deslocar para o misturador e esperar a mistura para descarregar ABASTECIMENTO Operador: Pesador/Misturador Atividade Pesar e Misturar Atividade X Pesando x X Pesando/ Alimentando x X Pesando/ Alimentando x X Recebendo a matéria-prima. Pesando/ Alimentando.  2º dosagem: alimenta lentamente o plastificante no misturador em velocidades reduzidas e confere se o plastificante foi absorvidos pela resina. o lubrificante e o estabilizante térmico no misturador. x Pesando/ Alimentando. NUNES E ORMANJI. 11 min x 12 min Fonte: Arquivo Pessoal. e espera que a temperatura da massa atinja entre 80 e 90ºC. A Tabela 12 se refere ao operador Pesador/Misturador que é responsável em pesar o PVC e os aditivos na medida correta para desenvolver a formulação do composto de PVC. 2006):  1º dosagem: alimenta o PVC. operação: Abastecimento.

1min Total= 12 minutos Operado r Atividad e X X X X X Pesador/ misturador Maquina: Misturador intensivo Mistura ( PVC + Lubrif + Estab) Mist(PVC+Lubrif+estab+Pl ast) Mist(PVC+Lubrif+estab+ Plast+carga) Mist ( PVC+Lubrif+Estab+Carg + Plast +Azo) Mistura Completada. operação: Pesador/Misturador. depois de checado. a velocidade pode ser novamente aumentada. . O Abastecedor Descarrega a Mistura 11 minutos Atividad e x x x x X Fonte: Arquivo Pessoal.  3ºdosagem: alimenta a carga mineral no misturador. Tabela 12 − Diagrama Homem-Máquina. este é responsável em pesar os compostos de PVC produzidos pelas três extrusoras e transporta-los e etiqueta-los para o estoque. Pesando o PVC + Lubrificante + Estabilizante Pesando PVC +Lubr + Estab. Nome da operaça o Função: Tempo 3 min 2min 4min 2 min MISTURA DO PVC + ADITIVOS Pesagem/transporte/Mist ura Homem Pesando e alimentando o Plastificante Pesando e alimentando a carga Pesando e alimentando o Azo.93 mudança de corrente do motor. A Tabela 13 se refere a atividade do operador Transportador em relação enchimento das embalagens.

PESAR E TRANSPORTAR O COMPOSTO DE PVC 60kg Extrusora 150kg/h pesagemestoque Operador Transportador Homem Atividade Extrusoras Atividade Deslocar para primeira Embalagem extrusora X enchendo x Retirar a embalagem cheia e colocar outra Embalagem vazia X enchendo x Transporte Embalagem para balança X enchendo x Pesagem e selagem da Embalagem embalagem X enchendo x Transporte para o Embalagem Estoque x enchendo x Etiquetar a embalagem e Embalagem armazena-la X enchendo x Deslocar para segunda Embalagem extrusora X enchendo x Repete operação para a segunda Embalagem extrusora X enchendo x Deslocar para terceira Embalagem extrusora X enchendo x Repete operação para a terceira Embalagem extrusora X enchendo x Embalagem Ocioso enchendo x 22.5 min 24 min Fonte: Arquivo Pessoal. .5 min Total= 24 EMBALAR.94 Tabela 13 − Diagrama Homem-Máquina. Nome da operaçao Embalagem Transporte Tempo 1min 0.5 min 1. operação: Transportador.5 min 1.5 min 2.5 min 1min 5.5 min 0.5 min 1min 5.5 min 0.

a área do escritório para cada um empregado deve ter em média 4. o qual deve obedecer de 3 a 6 metros de largura. enquanto os principais são interdepartamentais.2. do Pesador/Misturador e do Transportador.  Área para escritório Segundo o Fundacentro ( 1981 apud Villar 2004). No entanto para o funcionamento da fábrica será necessário no total de nove trabalhadores para desempenhar as requeridas funções. 2004). . A Figura 10 mostra as áreas de circulação considerando o Fator Equipamento necessária para dimensionamento do processo de fabricação do composto de PVC de acordo com as dimensões de circulação comentadas por Villar e Júnior (2004). A Empresa de Composto de PVC necessitará de um escritório para o Gerente e um escritório para a secretária atender os clientes. As circulações departamentais são voltadas para homens e materiais dentro do departamento. a entrada e a saída da fábrica. a fábrica irá precisar de um Líder para supervisionar as operações.5 a 6. de uma Secretaria para atender os clientes.1 Estimativa das áreas de circulação Segundo Villar (2004). se usam para o transporte de um departamento para outro.9 metros de largura para tráfego de pessoas e 1.5m². uma faxineira para manter a limpeza da fábrica e um encarregado de movimentar os sacos de composto de PVC da área de estoque para o carro de entrega.95 Além do Abastecedor. em uma fábrica existem dois tipos de circulação: departamentais e principais. 7.2 metros de largura para tráfego de pessoas e carrinhos manuais. o qual deve obedecer 0. A Figura 11 mostra o layout dos escritórios obedecendo à área exigida pela Fundacentro (VILLAR e JÚNIOR. . de um Gerente para tratar dos assuntos internos e externos da fábrica.

96

Figura 10 − Estimativa do Layout do processo interno da Empresa de Composto de PVC.

Fonte: Arquivo Pessoal.
Figura 11 − Layout dos escritórios.

Fonte: Arquivo Pessoal.

97

Área para instalação sanitária

Em todos os postos de trabalho terá que existir duas instalações para ambos os sexos,
respeitando a seguintes exigências: 1 m² para cada sanitário, por vinte operários; os
lavatórios deve está espaçados em 0.6m² com uma torneira para cada grupo de vinte
trabalhadores; os banheiros devem ter um chuveiro para cada dez trabalhador; e devem
possuir mictórios espaçados em 0,6 m (MINISTÉRIO DO TRABALHO – NR 24 aput
VILLAR e JÚNIOR, 2004). A Figura 12 mostra o layout instalações sanitária de acordo com
as recomendações exigidas.
Figura 12 − Layout das Instalações sanitárias.

Fonte: Arquivo Pessoal.

Área para Vestiários
Para área de um vestiário deverá ter dimensões em no mínimo 1,5m² para 1 (um)

trabalhador, respeitando os vestiários por sexo (VILLAR e JÚNIOR, 2004). A Figura 13
mostra o layout dos vestiários de acordo com as recomendações exigidas.
Figura 13 − Layout dos Vestiários.

Fonte: Arquivo Pessoal.

98

Área para Refeitórios

Os refeitórios devem obedecer aos seguintes requisitos: deve ter 1 m² por usuário, a
circulação principal deverá ter a largura mínima de 0,75 metros, e a circulação entre bancos/
parede deverá ter a largura mínima de 0,55 metros. (Ministério do Trabalho – NR 24 aput
VILLAR e JÚNIOR, 2004). A Figura 14 mostra o layout dos refeitórios de acordo com as
recomendações exigidas.
Figura 14 − Layout do Refeitório

Fonte: Arquivo Pessoal.

A Empresa de Composto de PVC não irá requerer de cozinha, devido o pouco
número de funcionários, sendo mais viável economicamente comprar quentinhas para as
refeições.

7.3

Arranjo Físico Geral e Prevenção a incêndio e Explosões.

No projeto do Arranjo Físico Geral quando se pretende considerar a prevenção a
incêndios e explosões, precisam-se incluir na quantificação do fluxo, aspectos importantes
ao projeto de prevenção: riscos de incêndio e substância extintores (VILLAR e JÚNIOR,
2004).
Quando identificado em cada instalação o risco de incêndio e a substância extintora
necessária, é interessante para torna o projeto mais seguro e econômico, aproximar as
instalações que necessitarão dos mesmos cuidados. Para isso, arbitrará que quando interessar
a proximidade de uma instalação i com uma j, dentre os três aspectos (fluxo, risco de
incêndio e substância extintora), será considerado o fluxo como fator indispensável para

A equação vij= ( vij’ + vij‖ + vij‖’)/3 será o peso considerado. Nº de Layout Instalação Risco de Incêndio 1 Escritório Gerente ( Dono) Escritório Secretária (Recepção. ―C‖. A Tabela 14 apresenta as estimativas das áreas das instalações de acordo com a Figura 10 a 14 (NR 24) (VILLAR e JÚNIOR. Sendo para o risco de incêndio: ―A‖ risco pequeno. mas para o fluxo não seja interessante à aproximação das instalações. Tabela 15 apresenta de acordo com NBR os riscos de incêndio e substância extintora de cada instalação.99 permitir aproximação das instalações. Tabela 14 − Estimativa das áreas. mesmo existindo semelhança de risco entre as instalações.11 336. 2004).34 17. para vij’ =3 quando o fluxo for interessante entre as instalações.11 Fonte: Arquivo Pessoal. entrada e saída da fábrica) A Substância Extintora A.C 2 . Para isso será considerado ―os pesos (vij)‖ que será o que determinará a prioridade de aproximação das instalações. e ―P‖ – pó químico seco (equipamento elétrico energizado) (VILLAR e JÚNIOR.gá carbônico ( equipamento elétrico energizado com circuito delicado). Sendo para a substância extintora: ―A‖-água (material celulósico). 2004). 2004).C A A. Para ajudar no arranjo das instalações.44 22 29. Tabela 15 − Risco de incêndio e substância extintora das instalações. para vij‖=2 quando houver semelhança de risco de incêndio entre as instalações e vij‖=0 quando não houver e para vij‖’=1 quando houver semelhança de substância extintora entre as instalações e vij‖’= 0 quando não houver. Nº de Layout 1 2 3 4 5 6 7 8 Instalação Escritório Gerente ( Dono) Escritório Secretária (Recepção) Refeitório Vestiário Instalação sanitária Estoque Fabricação Almoxarifado Área (m²) 16 16 13. ―B‖ risco médio e ―C‖ risco Grande.6 17. Ou seja. nesse trabalho será utilizada a ferramenta da Carta ―De Para‖ para determinar quais instalações irão ficar próxima uma da outra. não será considerado a hipótese desta aproximação (VILLAR e JÚNIOR.

o fluxo mesmo não sendo tão necessário. Logo vij = (3+2+1)/3=2. Existe semelhança no risco de incêndio. com isso foi considerado vij’=3 entre as instalação 2 e 3 . Existe semelhança no risco de incêndio. serão calculados os pesos (vij) para definir o Arranjo Físico com auxílio da Carta ―De Para‖ (VILLAR e JÚNIOR.  Aproximação da instalação 2 e 6.  Aproximação da instalação 1 e 5. mas como a instalação 3 deve está longe das substâncias química da fabricação.100 3 4 5 6 7 8 Refeitório Vestiário Instalação sanitária Estoque Fabricação Almoxarifado A A A B C B A. . o fluxo de 2 e 6 é interessante visto que o despache dos produto fabricado deve ser feito de forma rápida.66.P A A A A.P A Fonte: Arquivo Pessoal. para assegurar que o refeitório ficará longe da fabricação. da mesma forma o fluxo não é muito necessário. Logo vij = (3+2)/3=1. uma vez que o Escritório da secretária ( Recepção) deverá está próximo a saída e entrada da fábrica. Logo vij = (3+2)/3=1. para assegurar que o refeitório ficará longe da fabricação. 2004).66. Existe semelhança no risco de incêndio e substância extintora. o fluxo é necessário. foi considerado vij’=3 para que a gerência controle o fluxo de operadores que vão ao banheiro. Calculo dos pesos (vij):  Aproximação da instalação 1 e 2. Definido o risco de incêndio e a substância extintora das instalações. Logo vij = (3+2)/3=1. visto o Gerente ( Dono) da fábrica deverá ter o fácil acesso a recepção. Não existe semelhança no risco de no risco de incêndio nem semelhança na substância química. com isso foi considerado vij’=3 entre as instalação 1 e 3 .66.  Aproximação da instalação 1 e 3.  Aproximação da instalação 2 e 3. para receber os clientes. mas não existe semelhança na substância química. Logo vij = (3+0+0)/3=1. mas não existe semelhança na substância química. a instalação 3 deve está longe das substâncias química da fabricação. Existe semelhança no risco de incêndio. mas não existe semelhança na substância química.

Logo vij = (3+0+0)/3=1. o fluxo é importante.  Aproximação da instalação 6 e 7. mas não existe semelhança na substância química. Não existe semelhança no risco de no risco de incêndio nem semelhança na substância química. Logo vij = (3+0+0)/3=1. o fluxo é necessária para o conforto dos trabalhadores. Na Tabela 16.66 3/2 3 4 5 2 2 5.32/3 2 1. Existe semelhança no risco de incêndio e substância extintora.32/3 6 7 8 2/2 1 1 3. Não existe semelhança no risco de no risco de incêndio nem semelhança na substância química. visto que a matéria prima sempre será transportada para a instalação de fabricação. O almoxarifado e a fabricação são duas instalações dependentes com fluxo constante. Logo vij = (3+2+1)/3=2. Existe semelhança no risco de incêndio.  Aproximação da instalação 4 e 5.66.  Aproximação da instalação 7 e 8. Logo vij = (3+2)/3=1. o fluxo foi considerado importante.66 1. pois como antes foi assegurada que o banheiro ficaria perto da gerência para o mesmo controlar o fluxo dos operários. O estoque e fabricação são duas instalações dependentes com fluxo constante. visto que o produto acabado sempre será transportado para estoque. foi considerado o banheiro e o vestiário como duas instalações com fluxo importante para que a gerência possa controlar e garantir que operários estarão usado o vestiário só no horário correto de uso.32/2 1.66 1 2/2 1 Fonte: Arquivo Pessoal. pois como o refeitório será utilizado durante os intervalos de almoço e como nesse horário é comum a utilização do banheiro pelos trabalhadores.101  Aproximação da instalação 3 e 5. Novamente. Tabela 16 − ―Carta de Para‖ Nº de Layout 1 2 1 2 3 4 5 6 7 8 5. apresenta a Carta de Para preenchida com os pesos calculados anteriormente. .

do risco incêndio e da substância extintora. a Figura 15 apresenta o posicionamento das instalações dadas à importância do fluxo. 2004). detalhando o isolamento de risco de incêndio entre os blocos.1997 (VILLAR e JÚNIOR. com 8 metros de separação. Figura 16 − Arranjo físico geral. a Figura 16 apresenta o Arranjo Físico Geral. a fim de atender a exigência NBR. De acordo com a área estimada das instalações na Tabela 14 e a malha de relacionamento na Figura 15. Figura 15 − Malha de relacionamento entre as instalações. Fonte: Arquivo Pessoal. Fonte: Arquivo Pessoal.102 De acordo com a ―Carta de Para‖. .

visto que se pensou em fazer um acesso entre os escritórios. e para as de risco grande cada unidade extintora protege apenas 150 m² (NR23). na instalação 7 será necessário de uma unidade extintora da substância A e duas unidade extintora da substância P. Ainda segundo a Tabela 14. Fonte: Arquivo Pessoal. esse bloco como está considerado com risco grande e médio.2. . o somatório das áreas das instalações 1. Segundo Villar e Júnior (2004). cada unidade extintora cobre 500m². no bloco das instalações 6. será necessário de uma unidade extintora da substância A na instalação 6 e outro unidade na instalação 8.4 e 5 é de 97.56 m². o somatório das áreas das instalações é de 370. uma unidade extintora cobrirá todo o bloco. A Figura 17 mostras as instalações de acordo com as unidades extintoras requeridas. as instalações de risco pequeno.103 O estudo do Arranjo Físico Geral (Figura 16) também permite tirar algumas conclusões da quantidade de extintores necessária para cada área. e uma unidade extintora da substância A na parte externa do bloco que servirá para todas as instalações. para as de risco médio. e como elas estão classificada como risco pequeno.3. Figura 17 − Arranjo físico de prevenção a incêndios.7 e 8.04m². Segunda as áreas das instalações da Tabela 14. 250 m². Logo deve ter unidade extintora da substância P próximo do refeitório. uma unidade extintora da substância C próximo do escritório do gerente e da secretária.

Transporte. é realizada numa máquina ou estação de trabalho. geralmente. 2004). 2004). máquina mais econômica podem ser empregada. Simbolo Operação. evitando com isso retorno. Ocorre quando um objeto é modificado intencionalmente numa ou mais das suas características. Inspeção. esperas entre operações eliminadas. desvio e cruzamento de materiais.4 Arranjo Físico detalhado: Estudo do Fluxo O estudo do fluxo na instalação da Empresa de Composto de PVC será essencial para determinar a melhor sequência de movimentação dos materiais através das etapas exigidas no processo de fabricação do composto. Logo como o processo a empresa a ser instalada de composto de PVC é contínuo utilizará para definir a sequencia de movimentos o fluxograma e o mapofluxograma (VILLAR e JÚNIOR. que outros melhoramentos podem ser feitos. finalmente. a fim de tornar possível sua melhor compreensão e posterior melhoria. O tipo da ferramenta utilizada para estudo do fluxo dependerá do tipo de produção da empresa. Figura 18 A simbologia para representação do Fluxograma. contribuindo para produção de um produto a um custo mais baixo. um melhor trajeto para as peça pode ser seguido. ou durante uma série de ações. finalmente. o mapofluxograma e. operações podem ser combinadas. Segundo Barnes (1977). O estudo desse diagrama fornece a representação gráfica de cada passo do processo através da fábrica. O gráfico representa os diversos passos ou eventos que ocorrem durante a execução de uma tarefa específica. . garantindo assim o movimento progressivo do processo (VILLAR e JÚNIOR. exceto quando um o movimento é parte integral de um operação ou inspeção. O tipo intermitente utiliza-se a carta de processo de utilização múltipla ou a carta ―de para‖.104 7. Na Figura 18 mostra os símbolos utilizados para construção do fluxograma (BARNES. gráfico do fluxo do processo (fluxograma) é uma técnica para se registrar um processo de maneira compacta. O tipo de produção contínuo utiliza-se a carta de processo simples ou fluxograma. Uma inspeção ocorre quando um objeto é examinado para identificação ou comparado com um padrão de quantidade ou qualidade. Um Transporte ocorre quando um objeto é deslocado de um lugar para outro. que permitirá possivelmente alguma melhoria. 1977). em suma. É comum concluirmos que certas operações podem ser inteiramente eliminadas. o arranjo físico. em seguida a malha de relacionamento e. A operação é a fase mais importante no processo e. em seguida. o arranjo físico.

Pesagem do PVC e aditivos Transporte do PVC e aditivos para o misturador intensivo. Mistura a frio do PVC e aditivos. Armazenamento. . Fonte: Arquivo Pessoal. Mistura a quente. Secagem e Granulação do composto de PVC. Na Figura 19 mostra a carta de processo da Empresa de Composto de PVC. e a sua retirada requer uma autorização. Transporte da mistura para a extrusora. Figura 19 − Fluxograma para fabricação do composto de PVC. transporte para a Secador. Uma espera ocorre quando a execução da próxima ação planejada não é efetuada.Pesagem e Selagem Transporte Armazenamento do composto de PVC Fonte: Arquivo Pessoal. Armazenamento do PVC e aditivos e Pré-pesagem Transporte do PVC e aditivos para o setor de pesagem/mistura Inspeção. A partir do Fluxograma a Figura 20 mostra o mapofluxograma do processo de fabricação de composto de PVC. Um armazenamento ocorre quando um objeto é mantido sobcontrole.105 Espera. Resfriamento. Embalagem do composto de PVC Transporte para a pesagem Inspeção.

1.2. .106 Figura 20 − Mapofluxograma da fabricação de composto de PVC. Fonte: Arquivo Pessoal. a Figura 21 mostra uma estimativa do Arranjo Físico do processo de fabricação do composto de PVC. De acordo com o mapafluxograma e com as estimativas de circulação do Tópico 7.

contribuindo para segurança e saúde dos funcionários.107 Figura 21 − Estimativa arranjo físico da fabricação do composto de PVC Fonte: Arquivo Pessoal. Com auxílio do Fluxograma (Figura 19) e Mapofluxograma do processo (Figura 20) e o estudo do Diagrama Homem-Máquina e do Diagrama Equipe (Tabela 11 a 13). sem ociosidade dos trabalhadores e com o mínimo de transporte. O arranjo físico anterior (Figura 21) está considerando apenas as áreas de circulação e as áreas físicas das máquinas. obtendo um layout ―enxuto‖. possibilitou desenvolver um estimativa do arranjo físico (layout) sem etapas de espera. . Além disso. praticamente sem etapas de não agregação de valor ao produto. uma vez que boa parte das lesões ocorrida na indústria é devido à movimentação de materiais. sendo ainda necessário dimensionar as áreas para processo. foi possível obter um layout que evitará o mínimo de movimentação de material dentro da empresa.

dispositivo e instrumentação (VILLAR e JÚNIOR. para acesso e para manutenção e para ferramenta.108 para o operador na operação. Fonte: Arquivo Pessoal. como pode ser observado pelo distanciamento entre as extrusoras. Observa-se nesse novo layout (Figura 22) que área circulação para pessoas e carrinhos manuais. uma vez que agora se fez necessário considerar outras áreas cruciais para o bom funcionamento da fábrica. Figura 22 − Estimativa do arranjo físico detalhado. 2004). Vale a pena também destacar as áreas para deposito de ferramenta e lubrificante. A Figura 22 mostra o arranjo físico considerando tais áreas. Essas as . assim como também o fluxo de material dentro da empresa. propostas na Figura 10. a qual foi destinada para cada equipamento um depósito para guardar ferramenta e lubrificante especifico para cada maquinário. foi alterado.

receber. guardar e distribuir (VILLAR e JÚNIOR. o qual desempenhará a função de receber os materiais. trabalhar quantificando e alertando a diretoria sobre o nível de estoque e fazer uma pré-pesagem das matérias-primas para fornecer rapidamente ao setor de pesagem/mistura (VILLAR e JÚNIOR. devido proximidade dos depósitos com as máquinas. certifica-se de que os mesmo estão em conformidade com o que foi solicitado em termo de especificação. assim como também irá garantir os usos das ferramentas e lubrificantes adequados a cada maquinário. tem a função de comprar. Logo as áreas destinadas a depósito de ferramentas e lubrificantes irá facilitar as atividade dos operadores. A Empresa de Composto de PVC pretende receber a cada semana 25 toneladas de matéria-prima e produzir em cada semana 25 toneladas de composto de PVC. Tem a finalidade de alimentar de materiais e matérias-primas os setores de produção nas quantidades estritamente necessária. A Tabela 17 mostra a quantidade de cada tipo de matéria-prima armazenado no almoxarifado por semana. 2004). Visto a importância do Almoxarifado para empresa.5 Arranjo Físico detalhado do Almoxarifado O almoxarifado tem grande impacto na organização da empresa. . Para dimensionar área do Almoxarifado é preciso primeiramente quantificar a quantidade de material e matéria-prima no estoque. deve-se destinar um trabalhador específico para almoxarifado. assim como também as especificações de segurança e armazenamento dos mesmos. mantendo em estoque as quantidades mínimas de modo que os processos subsequentes não sofram solução de continuidade. Esses depósitos também serviram também para auxiliar na organização e para guardar flanelas e escovas usadas para a limpeza da fábrica. 7. verificar a quantidade e o conteúdo na nota fiscal. é o responsável de armazenar os itens a serem utilizados pela indústria e é o intermediário entre os fornecedores de matéria-prima e as secções de fabricação que vão consumi-la. 2004). Resumindo.109 áreas foram implantadas no Layout para dar suporte às filosofias de Manutenção Produtiva Total (TPM) e 5S a serem implantada na fábrica.

110 Tabela 17 − Quantificação da matéria-prima para uma semana. sem retrocesso e cruzamento e percorrendo as mínimas distâncias. uso de ventilação por exaustor devido a manuseio do pós. o layout do almoxarifado a ser instalado deve-se buscar um fluxo progressivo. intempéries.625 kg 25. . longe de faísca e evitar o contado da matéria-prima diretamente com solo Além de assegurar a segurança de armazenamento e destinar uma área compatível para quantidade armazenada.Armazenamento-Almoxarifado Fonte: Arquivo Pessoal. facilitando o armazenamento. com o mínimo dispêndio de tempo e garantir o fácil acesso de pessoas e carrinhos manuais (VILLAR e JÚNIOR. 2004). a facilidade de saída.002kg Fonte: Arquivo Pessoal. nas quantidades exatas.875 kg 722 kg Óleo de Soja 525 kg Carbonato de Cálcio Total 2. Figura 23 − Arranjo físico .T DOP AZO Kg/semanas 13. o fornecimento rápido nos momentos oportunos.124 kg 131kg 7. em ambiente seco e arejada. A Figura 23 mostra o arranjo Físico do Almoxarifado fazendo tais considerações. Materiaprima PVC Estab. As especificações de segurança e armazenamento estão detalhadas no Anexo 1. com temperatura de armazenamento abaixo de 50 ºC. Logo se deve construir um layout com área coberta. protegida dos raios solares.

onde sua energia será dissipada. baseado no layout final (Figura 24) é de 941. com cada uma suportando 1200 kg. A fábrica de composto de PVC instalada. um pararaios bem instalado e que receba a devida manutenção protege praticamente a área do espaço equivalente a um circulo de diâmetro aproximadamente igual a quatro vezes a altura da montagem. lubrificante. áreas para etapa de pré-pesagem. que é o reservatório de água (caixa d’água). Segundo Villar e Júnior (2004). Ainda Villar e Júnior (2004). palletes com capacidade 2000kg. ferramentas e etc. . o qual esta etapa irá facilitar o fornecimento de matéria-prima para o setor de pesagem/mistura e um armário para armazenar EPI’s. um para abastecer o sistema de refrigeração (banheira). foram consideradas prateleiras com 1.27m2. e outro subterrâneo para abastecer o hidrante em caso de combate a incêndio. 7.5 m para proteger toda área da fábrica. para facilitar ergonomicamente o manuseio. logo o para-raios deve ser posicionado no lugar mais alto da fábrica.6 Arranjo Físico Final A Figura 24 mostra o layout final da fábrica que além de considerar todos os requisitos anteriores trabalhados.8 m de altura. fazendo com que cheguem em segurança à terra.111 No arranjo físico do almoxarifado (Figura 16). para-raios é o aparelho que tem a dupla finalidade de evitar descarga elétrica atmosférica (raios) ou interceptá-las. e instalar de tal forma que esteja na altura de 17. considera também a instalação de reservatório e hidrante para combate a incêndio. Foram considerados dois reservatórios de água. Para maior segurança da fábrica também é necessário para-raios.

. a) Layout Geral Fonte: Arquivo Pessoal.112 Figura 24 − Layout geral da fábrica.

113

b) Legenda

Fonte: Arquivo Pessoal.

Observando o Layout da Figura 22 e o Layout Final da Figura 24 observa-se que área
do almoxarifado aumentou significadamente para atender os requisitos estudados no Tópico
7.5. A área de dimensionado para estoque permaneceu ―pequena‖, contribuindo para a
produção puxada do composto de PVC, uma vez que a delimitação da área de estoque
funcionará como um tipo de gestão visual.
Segundo PORTO (2007), as empresas pequenas que eliminam problemas do arranjo
físico e que tem boa gestão de materiais, produtos e pessoas, conseguem uma produção a
baixo custo e com alto desempenho e produtividade, tornando a empresa mais competitiva e
garantindo um desenvolvimento seguro enfrente as concorrentes. No entanto, a Empresa de
Composto de PVC a ser instalada na Região Metropolitana do Cariri terá maiores
oportunidades de se tornar mais competitiva e sobreviver no mercado atual, pois como pode
observar no layout final da fábrica (Figura 24), que a fábrica terá os seguintes benefícios:

Bom fluxo produtivo, sem retorno e cruzamento;

Poucos números de trabalhadores;

Sem etapa de espera;

Sem estoque entre processo;

Possibilidade em trabalhar com produção puxada;

Pouco transporte de material;

Facilidade de organização e limpeza;

Facilidade de realizar manutenção autônoma;

Facilidade de troca rápida de ferramentas

Flexibilidade produtiva;

114

Fácil escoamento da produção;

Rápida resposta de entrega, devido eficiência do layout e localidade da
fábrica;

Menor desgaste físico dos funcionários;

Garantia de Segurança e Saúde aos trabalhadores;

Garantia de eficiência de combate a incêndio e acesso fácil entrada e
saída da fábrica pelos trabalhadores e corpo de bombeiro;

Baixo custo de produção

115

8 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O projeto de fábrica realizado nesse trabalho possibilitou estudar a viabilidade
econômica e técnica para instalação de uma empresa de composto de PVC na Região
Metropolitana do Cariri, estado Ceará. Observou-se que o mercado regional, especialmente
os microempresários de calçados, carece de fornecedores que ofereçam uma melhor
qualidade na entrega e serviço. Essa necessidade dos microempresários gera uma grande
oportunidade para Empresa de Composto de PVC atuar no mercado e buscar o diferencial
competitivo para se consolidar no mercado regional.
O projeto da Empresa de Composto de PVC direcionou todos os recursos da empresa
para atender os microempresários com alta qualidade na entrega, no preço, no produto e no
serviço prestado. O estudo realizado do processo de fabricação do composto de PVC
possibilitará a empresa produzir com alta qualidade e baixo custo. O planejamento realizado
para implantação das filosofias TPM, TQC e JIT possibilitará a empresa utilizar o máximo
do potencial dos seus recursos (homem, máquina, materiais e métodos) e oferecer ao cliente
um composto de alta qualidade. O desenvolvimento do layout organizacional da Empresa de
Composto de PVC realizado nesse trabalho dará suporte às filosofias a serem implantadas e
evitará custos desnecessários por erro de layout.
O resultado do planejamento econômico da Empresa de Composto de PVC foi
bastante desanimador, visto que o preço do PVC fornecido pela distribuidora é bastante
elevado, dificultando a sobrevivência e competitividade da empresa no mercado. O prazo e a
exatidão no tempo de entrega do PVC e aditivos pelos fornecedores podem também ser outro
problema para instalação da empresa na região.
Essa última problemática, parte do pressuposto que assim como as microempresas de
calçados sofrem com o prazo de entrega dos seus fornecedores, existe a possibilidade da
Empresa de Composto de PVC sofrer com o mesmo problema. Isto por que a Empresa de
Composto de PVC também está localizada longe dos seus fornecedores e por ser também
uma microempresa. Caso a Empresa de Composto PVC sofra com esse problema, a mesma
terá que ter um elevado capital de giro (o qual seria uma barreira para instalação da empresa)
para estocar grande volume de matéria-prima para garantir com alta qualidade o
fornecimento do composto para os clientes.
No entanto, o estudo mais detalhado da cadeia envolvida na fabricação de composto
de PVC, principalmente no que se refere aos fornecedores de aditivos e PVC, poderá

Informações precisas do prazo e variabilidade na entrega da matéria-prima pelos fornecedores e a tentativa de negociação com a petroquímica para compra do PVC diretamente da fonte. permitirá obter uma estimativa melhor da viabilidade em instalar uma microempresa de composto de PVC na Região Metropolitana do Cariri.116 viabilizar economicamente a instalação da Empresa de Composto de PVC na região. .

agosto. L. nº 101.. Estudo De Tempos em Uma Indústria e Comércio de Calçados e Injetados Ltda. ed. G. p. de M. 2007.13-15.br/modules/conteudo/conteudo. XXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção. HERMOSILLA. 2006. MRP II e OPT: um enfoque estratégico..php?conteudo=163>. 2016.juntacomercial. E. Gestão da Qualidade: Teoria e Prática. SILVA. Dissertação de Doutorado em Economia — Pós-graduação do Instituto de Economia. p. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês). p. 17-26. JUNIOR. 2011. 1.Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. P. p.. de M. Cezar. ed. B. São Paulo: Artiliber.. M. M. MG. COSTA. H. ed. A. Salvador-BA.. L. CE. Rio de Janeiro: FGV. F.GIANESI. ed. Acesso em: 17/04/2016. 1-5. AYRES. E. ORMANJI. 2.. 1977. S.. R. J. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE). 2010. F. W. Gestão de Estoque. Estudo de movimentos e de tempos: projeto e medida do trabalho. Belo Horizonte. PAULA. ed. O Plano de Negócios como Instrumento de Gestão Estratégica na Micro e Pequena Empresa. Just in Time. 04 a 07 de outubro. São Paulo: Atlas. CORRÊA. A. P. R. 2013. B... . 2014. Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2.. 2011. Nova Lima: Falconi. O Arranjo Produtivo de Calçados em Juazeiro do Norte: um Estudo de Caso para o Estado do Ceará.. 2. CAMPOS. OLIVEIRA. 2012. São Paulo: Atlas. São Paulo: ProEditores/Braskem. NUNES. A. T. S. Irineu G.pr. 2006.. XXXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção. São Paulo: Edgard Blucher. SANTOS. Porto Alegre: Bookman. 2. 2014. ed. R. BARNES. E. J. SUCUPIRA. O. B. Fortaleza. S. F. 8 a 11 de Setembro. 1-3. O. N. de P. FIGUEIREDO. 2. COSTA. Ceará. E. XXXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. et al. Tecnologia do PVC. 2013. J. J. ed. L. IMAI. C.. V. Gemba Kaizen: uma abordagem de bom senso a estratégia de melhoria continua. ed. 2007. JUNTA COMERCIAL DO PARANÁ. MANRICH. 9. 271. 2008. PALADINI. C. R.. HERBSTER.. Aplicação do Método de Análise e Solução de Problemas (Masp) para Redução do Índice de Retorno de Mercadoria de uma Fábrica de Embutidos. Rio de Janeiro. M.117 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACCIOLY. Panorama da Indústria Cearense de Calçados. 6. EIRELI . Disponível em:<http://www.gov. Processamento de Termoplásticos. C. Rio de Janeiro. 9 a 11 de outubro.

de M..portaltributario. 196. 15 a 18 de outubro.. OLIVEIRA. 2007. A. Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa. C. B. E. Disponível em: <http://www. G. Bento GonçalvesRS. L. Desafios Enfrentados pelas Micro e Pequenas Empresas no Brasil. Implantação do Índice de Eficiência Global dos Equipamentos em uma Célula de Manufatura de Uma Empresa de Grande Porte do Setor Automotivo – Segmento de Embreagens. Revista Conexão Eletrônica. S. 2011. 1-4. YAMAGUCHI. S. p. L. 4-5.118 PIÃO. p 1-30. (Coleção Manuais SST | 2012 | SESI-SP). 12. Simples Nacional ou "Super Simples". Sustentabilidade Através da TPM (Total Produtive Maintenane) e Seus Pilares. 2012. v. E. T. III Workshop Gestão Integrada: Riscos e Desafios. RABELLO. São Paulo: Artiliber. S. SOUZA. VILLAR. Universidade Federal da Paraíba. de. São Paulo. O Planejamento Estratégico nas Micro e Pequenas Empresas. TPM – Manutenção Produtiva Total. JÚNIOR. n 1. 29 a 31 de agosto. Planejamento das Instalações Industriais. PORTO. São João Del Rei-MG. da F. et al. São Paulo. M. XV Simpósio de Administração da Produção e Operações Internacionais (SIMPOI). p. 1. R.. 2005. M. A Influência da Prevenção de Incêndio. 2015. Aditivação de Polímeros. C. Indústria de Transformação do Material Plástico: manual de segurança e saúde no trabalho. C. W. 2004. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção — Programa de Pós em Engenharia de Produção do Centro de Tecnologia. 2007. João Pessoa: Manufatura. . L. HEMOSILLA. Ed. 2012. 2007. 35.com. 2016. No Arranjo Físico Uma Pequena Empresa Fabricante de Calçados. 1. QUALHARINI. SEBRAE. 2012. N. João Pessoa. 25 e 28 de maio. Três Lagoas.html>. 1-8.. J. XXXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção.. São Paulo-SP. Centro Universitário Senac. PORTAL TRIBURATÓRIO. C.br/guia/simplesnacional. Distrito Federal: Brasília. Instituto de Consultoria e Aperfeiçoamento Profissional. SILVA. MS. p. 2012. SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SÃO PAULO.ed. E. M. SANTOS.. p. et al. Acesso em 17/04/2016.

Embalagem e Armazenamento: A resina NORVIC® SP 1300FA se encontra no estado em pó e é fornecida em sacos de papel multifolhados com 25 kg ou big bags retornáveis de 1200 kg. desde que respeitadas as condições de armazenamento recomendadas. elevada resistividade volumétrica.119 Anexo 1: Fator Material: a) Policloreto de vinila (PVC): Segundo a Braskem o Policloreto de Vinila (PVC) com o grade voltado para produtos flexíveis. em temperaturas inferiores a 50°C. pois na composição de sua formulação. Prazo de Validade: De 3 (três) anos a partir da data de fabricação. b) Estabilizante térmico . para proteger do As embalagens devem ser armazenadas da ação direta da luz solar. boa estabilidade térmica e baixo teor de fish eyes. não são utilizados materiais tóxicos. Esta resina não contém a substância Bisfenol A (BPA. Apresenta elevada consequentemente alta absorção de plastificantes. A resina NORVIC® SP 1300FA é inerte e não apresenta toxidez. CAS#80-05-7) em sua composição. da umidade e sobre contato direto com o solo. elevadas porosidade propriedades e mecânicas. livre "pallets". Outras opções de embalagem a granel são também disponíveis. tem a seguintes característica e recomendações: Descrição: NORVIC® SP 1300FA é um homopolímero de PVC de alto peso molecular obtido pelo processo de polimerização em suspensão.

pisos estofamento de carros e móveis. Tabela 18 − Aspectos Gerais do PLASTABIL ICZ-221. dentre suas principais perfis plásticos. estabilizante térmico. que tem as seguintes características e recomendações. Devido as suas características é utilizado em aplicações que permanência. o estabilizante PLASTABIL ICZ-221 não possui nenhuma peculiaridade em sua armazenagem. alimentícias Embalagem : necessitem durabilidade e de boa excelentes aplicações. destacam-se mangueiras e vinílicos. resistência à intempéries. tintas.120 Segundo o vendedor da empresa Inbra Indústria Química Ltda. excelentes características dielétricas. adesivos. dados retirados da ficha técnica: Descrição Propriedades: alta eficiência e estabilidade. com isso o mesmo pode ser armazenado considerando as condições de armazenagem dos demais aditivos. tem os seguintes aspectos gerais. baixa volatilidade. propriedades dielétricas. c) Plastificante Segundo a Empresa Elekeiroz o plastificante mais usado no PVC é o DI Octil Ftalato (DOP). PLASTABIL ICZ-221. solado de calçados. Como visto Tabela 18. vernizes. flexibilidade. revestimentos de fios e cabos elétricos e embalagens . resistência ao calor e à luz ultravioleta e baixa solubilidade em água.

alumínio ou plástico reforçado. membranas mucosas e pulmões. Em tanques de aço carbono.121 Granel:em carros tanques de aço inox Embalagem : tambor. fechados. Pode causar irritação dos olhos. com absorção de umidade do ar e circulação permanente. Visto isso é essencial sua presença na formulação do composto de PVC destinado para calçados. . A disposição dos os bujões voltados para cima ). Pode causar sensibilização por inalação. com o uso de suportes respiros para evitar área coberta e em intempéries. peso líquido . A exposição aos produtos de decomposição pode causar irritação dos olhos. 1000 Kg Recomendações: Granel: Em tanques de aço inox. Dados e recomendações retiradas da ficha técnica do fabricante (Kalium Chemical): Composição e Informações Sobre os Ingredientes: Família Química: Carbonamida CAS # 123-77-3 Azodicarbonamida Concentração: 98. Tome medidas preventivas contra descargas estáticas. Não respire poeira. d) Agente de expansão O agente de expansão mais utilizados na produção de calçados é o azo dicarbonamida. Miniteps . peso líquido : 200 Kg .7% Identificação De Perigos: Risco de explosão se aquecido em local confinado. Nocivo para organismos aquáticos. fechados com respiro. sobre piso adequados. Embalado: os tambores deverão ser armazenados em ambiente seco e arejado. protegidos dos raios solares e tambores poderá ser horizontal ou vertical ( com plano.

segundo o fabricante/fornecedor. ARMAZENAMENTO Medidas técnicas apropriadas: Armazenar o produto em áreas frescas. Não armazene a temperaturas mais altas do que 70°C abaixo do ponto de decomposição. dados obtidos na ficha técnica da empresa Indukerm: Identificação De Perigos Perigos mais importantes: Produto atóxico. Perigos específicos: Não aplicável. secas e ventiladas. Mantenha os recipientes fechados quando não estiverem em uso. Condições de armazenamento Adequadas: Área coberta. não inflamável. Proteja sistemas de manuseio fechado contra possíveis explosões de poeira. e) Carga As cargas mais utilizadas no composto de PVC são: caulim e carbonato de cálcio. Evitar penetração em cursos dágua natural. Orientações para manuseio seguro: Não aplicável. O carbonado de cálcio e o caulim têm as seguintes especificaçõe e recomendações. Evite acúmulo de poeira nas superfícies dos prédios e equipamento. segundo o fabricante/fornecedor. Efeitos ambientais: O produto não agressivo ao meio ambiente. Prevenção de incêndio e explosão: Material não inflamável Precauções para manuseio seguro: Utilizar os EPI s indicados. longe de calor. Manipulação e Armazenamento Medidas técnicas Prevenção da exposição do trabalhador: Qualquer máscara indicada para manuseio de pó fino. não corrosivo.122 Manuseio e Armazenamento: Armazene em local frio e seco. Ventilação por exaustor local é recomendada para todo processamento a quente e manuseio de pó. . inodoro. Use equipamento de proteção pessoal para minimizar a exposição. faíscas ou fogo. O resultado de tal armazenagem será decomposição lenta auto .acelerada.

. pilhas altas. Materiais seguros para embalagens Recomendadas: Sacos de papel.123 sem umidade. Produtos e materiais incompatíveis: Ácidos em geral. sobre pallets com no máximo 1200 kg A evitar: Umidade.