Você está na página 1de 19

Uma Breve História da Igreja

OITO ETAPAS IMPORTANTES DA HISTÓRIA ECLESIÁSTICA
1. Introdução – As primeiras perseguições ( séculos I a IV);
2. A Igreja se une ao Estado
3. As primeiras heresias e Concílios
4. As Cruzadas – os Templários
5. Os bispos de Roma e o papado – as indulgências
6. Os Pré-Reformadores e A Reforma; John Wycliff; John Huss; Lutero; Calvino;
Zwinglio;
7. As Missões Transculturais;
8. Os avivamentos na história da Igreja e a Igreja Contemporânea.
INTRODUÇÃO
À HISTÓRIA ECLESIÁSTICA
É a história do amor de Deus, continuando a buscar e salvar o homem, que se
havia desviado e perdeu-se neste mundo.
A história da Igreja, contudo, distingue-se das demais e da própria História de
Israel, porque nos mostra um esforço incomensurável da parte de Deus, nesta
empreitada que luta em disputa contra as forças deste mundo, e contra as
forças dos principados, potestades e dominadores das trevas.

O cerne dessa

disputa é o coração do homem, o coração, a vida, a alma, e o destino que
haverá de ser dado a cada um de nós.
Até que viesse Cristo a este mundo, essa luta se estendia até chegar aos
limites que dividem nosso corpo de nosso espírito.

Os vencedores aos olhos de

Deus sempre foram os que deixaram que a sua carne fosse esmagada em
detrimento da vontade de Deus.
A carne, então, assim denominado aquele complexo de forças que nos impelem
à satisfação de todas os impulsos tidos por necessários ou não, desde os mais
supérfluos aos mais básicos, nessa história, tornou-se um campo aberto onde
Satanás e seus demônios a ele unidos, lutaram sempre para, através dos
desejos dessa nossa carne, fazer suas ofertas, instaurar seu domínio
escravizador, e não permitir que a vontade de Deus prevaleça neste mundo, em
tempo algum da história da humanidade.

É a velha saga de Satan, querendo

destronar a Deus e reinar absoluto sobre os homens.
O grande lance que Deus ofereceu nessa história foi a encarnação de Jesus
Cristo, seu Filho Unigênito.

Se a carne era algo de ruim, transtornada pelo

pecado, corrompida pelas distorções eu a saga de Satanás instalou em nossa
raça, de repente algo novo e diferente aconteceu: Cristo nasceu em carne.
Cheio do poder de Deus, porém, não perdeu aquele estado da inocência que
houve nesta Terra já no primeiro Adão.

somos santificados e abençoados por Tudo muda! Nossas vidas. mas todas elas. Quando morreu a filha de Plínio. Chamados à reflexão. sempre ligado ao Pai. tal e qual eu nunca tenha ouvido ou lido. superou todas as expectativas. e aquele que nos trazia sob a égide do mal é vencido e debelado.C. que difundiu esse tipo de cultura. não alivia das dores da morte eterna. O Verbo se fez carne. os gregos começaram a rever os conceitos religiosos e passaram a procurar as respostas às nossas mais freqüentes e profundas perguntas e ordenar suas vidas de acordo com aquilo que achavam ser a verdade ou algo que a substituísse. Abraão mesmo. ao ponto de dar a sua própria vida para nos salvar da perdição e de nossa condenação! Louvado seja Deus! A nossa carne e a nossa alma são lavadas. Fez maravilhas. e no final. e até as nossas dores. amenizar dores como que ministrando um elixir paregórico. o maior de todos os tempos – tanto é que dividiu a história em Antes e Depois de Jesus de Nazaré! ANTES DE JESUS: Religiões eram forjadas. nossos dias. com exceção da verdadeira. Com Alexandre o Grande. a partir do IV século A. . e de que posso me lembrar. mostrou ser a Grande Revelação de Deus. Porque tudo o que tem chegado ao meu conhecimento. Deus! Através dos atos de Jesus. sempre cheio do Seu Santo Espírito. vícios e pesares são aliviados pelo Seu poder. Suas palavras. muitas vezes se via que não havia palavra que pudesse calar os sentimentos de perda. O paganismo era a maior religião deste mundo. purificadas. pois a minha tristeza é por demais profunda para ser removida pelo que sei”. então. algum conforto que seja grande e forte. ainda usou de sua própria carne e sangue. nossas perspectivas. foi chamado quando ainda andava na idolatria. trazendonos em seu próprio corpo a mais clara demonstração. manifesto por meio de Sua vida. não me ajuda.A humanidade. que limitado como é. O advento de Cristo foi e é o maior acontecimento da história deste mundo. a maior de todos os tempos. este escreveu a uma amigo: – – “Dá-me algum alívio. a mais linda revelação: Deus nos ama. o Moço. só serviam para camuflar fatos inevitáveis. a maior parte delas tentando revelar “segredos espirituais” que prometiam melhorar a vida das pessoas. começou a perceber que Deus não nos deixou totalmente entregues às mãos de seu e nosso inimigo. Apesar de a razão tentar substituir as respostas ás crises existenciais. Seu amor. Seus atos. e o corpo do Senhor Jesus foi sempre um veículo totalmente e harmoniosamente em sintonia com a vontade divina. houve a expansão do Império Grego. fez coisas impossíveis para os homens e anjos. miséria. Jesus sempre santo.

Um povo exclusivamente seu! Diferente dos outros. de um povo que. fizera coisas mais perversas do que os povos que este expulsara da terra que Deus lhes dera. Eclesiologia. da livre escolha de Deus Pai e do Santo Espírito. significa estudo. onde e em que povo. mas apesar disso. Nem as artes e a poesia. é palavra que tem por objeto o estudo da igreja em suas práticas. por exemplo. esta foi a escolha de Deus. e iniciou a história da Igreja. o povo. Na mesma ocasião. e escolheu 12 apóstolos. teria que nascer em algum lugar. dizendo que este era uma pedra. mas porque havia um relacionamento feliz entre Deus e Abraão. em que descendência teria que vir o Messias? Certamente que em algum lugar onde Deus já houvesse semeado a Sua Palavra. Foi. O nível moral. É a reunião de um povo em assembléia. trouxeram melhores expectativas de vida. Jesus. de Seu zelo. cujo sentido é “chamar para fora”. e fez discípulos. O sufixo “Logia”. sendo muito bem sucedido neste ministério. em grego. ao ponto de o Senhor lhe prometer que “a sua descendência (de Abraão) seria uma bênção para todas as nações”. porém. pela primeira vez no Novo Testamento. era baixo. .Como resultado desse vazio existencial que as filosofias deixavam. De fato. em certas ocasiões. Não bastava ser inteligente. em geral. Pedro foi o primeiro grande evangelista de massas da história. Onde Deus já houvesse falado. Com uma só pregação. no seio do judaísmo. em Mateus 16:18. sim. o povo continuava a viver em pecado e trevas. ETIMOLOGIA O termo IGREJA (em grego= ekklesia) é derivado do verbo Kaléw. Não adiantava ser rico ou poderoso – o desengano era maior ainda. Se todos os povos se tinham igualmente corrompido. obteve como fruto a conversão de quase 3. Foi em meio à cultura e religião judaica que Jesus veio e pregou. de seu poder.000 pessoas (Atos 2:40). chamado para ser santo como Ele é santo! Esta palavra foi usada por Jesus. As Escrituras nos mostram que Israel. Ele ainda prometeu que “sobre esta pedra edificarei a minha igreja (ekklesia)”. Não que estes fossem melhores que outros povos. com uma finalidade – aquela para a qual Deus chamou e reuniu o seu povo – tirá-los espiritualmente deste mundo para fazer a vontade dele. quando Ele se dirigiu a Pedro. Foi assim que chegou a plenitude dos tempos: Deus lembrou-se de nós. e enviou a Cristo. que encantam as pessoas com a beleza. e revelado alguma luz. nem de moral elevada – isso não trazia maior ou menor esperança. tratando com No meio de um povo que já tivesse ouvido falar dEle. No meio do povo que tinha recebido a Revelação das Escrituras do Antigo Testamento. e pertencer a um determinado povo. ao menos tivesse uma Lei que O agradasse.

Jesus é a Rocha. 16:18. a base. Ora. Esta passagem está inserida num contexto onde Pedro acabara de declarar que: – “Tu és o Cristo. que ele seria uma das primeiras pedras a serem assentadas no edifício de Deus. responder às seguintes perguntas: • O que teria acontecido à Igreja após a morte e ressurreição de Cristo? • Como foi que os discípulos levaram à frente a Grande Comissão de evangelizar o mundo? • Quais os obstáculos que a Igreja teve que enfrentar. se amparou na declaração que Pedro prestou acerca de Jesus. a fim de analisar Mt.000 pessoas. encheria páginas e mais páginas. o principio. em todos os seus detalhes fascinantes. concluímos que o fato de Pedro ser uma pedra sobre a qual seria erguida a Igreja não significa que ele seria a pedra de alicerce. abrimos um parêntese. para sermos pedras no Edifício de Deus. e o juízo vindouro. muitas outras também se assentariam. e sobre esta. até chegar aos dias atuais? • Que faremos nós. o começo da sua Igreja. Pregavam com ousadia a vinda de Jesus. no entanto. É também chamada por outros apóstolos de: Rebanho de Deus. almas do aprisco do Senhor e Salvador. . o Fundamento. principalmente curas. e um espírito de temor e louvor a Deus tal que impressionaram. se deixarmos sermos lançados em harmonia com a colocação das outras pedras. Assim. a pedra angular. a Noiva de Cristo. a Pedra Fundamental. ou ainda. Jesus disse-lhe que foi o Pai que está nos céus quem o revelou (Mt. A História da Igreja. vemos que os discípulos se reuniram todos os dias no páteo do Templo Tinham tudo em comum. o Corpo de Cristo. assim foi que vimos ser formada a congregação dos discípulos de Cristo. o Filho do Deus Vivo”. Muitos milagres. a quem foram confiadas tais palavras? I –AS PRIMEIRAS PERSEGUIÇÕES RESUMO DE ATOS DOS APÓSTOLOS: Resumidamente veremos o que teria ocorrido no século I de nossa era. quando Pedro discursou.Apenas a título de esclarecimento. Logo. nos mostra que. mas sim. Edifício de Deus. Nos dias que sucederam ao dia de Pentecoste. Somente seremos pedras com ele alinhados. e por sobre o alicerce que é Ele. precisamos lançar o que é o fundamento. mas temos como objetivo principal. Logo em seguida. pelo Espírito do Pai. e se acrescentaram quase 3. sua Salvação. o alicerce. Lavoura de Deus. Foi uma declaração que aflorou de um espírito aberto para receber o soprar do Espírito de Deus. eram constantes. 16:17). Esta condição privilegiada. o Filho do Deus Vivo. a declaração que reconhece que Jesus é o Messias.

O próprio Espírito de Deus lhes pedira e eles obedeceram. Macedônia e Grécia. cidade que se tornou a base das missões transculturais daquela época. para despistarem os inimigos do cristianismo. uma vez preso. sofrendo grande impacto.. Em 64 DC. segue um quadro. Abaixo. mostrando-nos alguns símbolos que a Igreja codificou para defesa de seus membros: SÍMBOLO SIGNIFICADO Alfa-ômega Cristo Eterno Âncora Fé . foi apedrejado pelos judeus. após o grande incêndio que havia sido provocado por Nero. e a grande maioria dos irmãos em Cristo tivera de fugir. houve a primeira perseguição oficial do Império Romano. Icônio. abrangendo nelas a Ásia Menor (hoje chamada de Turquia). irmão do Senhor. absolvido e liberto da sentença fatal que lhe quiseram impor. Jerusalém era o marco inicial daquele maravilhoso desabrochar de uma Igreja que marcharia triunfante. Depois disso. Já no ano 62 havia morrido Tiago. Listra e Derbe (Ásia Menor). Foi preso. e passou a ser de perseguidor do evangelho.O número de novos convertidos crescia continuamente. Dali se ergueu. onde viveu sob custódia de soldados romanos. um diácono. até 68 DC.10) de que os gentios também deveriam ser aceitos na congregação. e fez o primeiro batismo desses na casa de Cornélio. Continuou pregando até que em 67 DC. voltando depois a Antioquia (da Síria). foram a Antioquia. No caminho. foi condenado e sofreu a pena capital por decapitação. e levado a Roma. Além de Paulo. apedrejado a mando do sacerdote Ananias. Em meio às perseguições movidas pelos judeus. Pedro recebeu a revelação (At. outros apóstolos também iam sendo executados como mártires da Igreja. sabe-se que Paulo foi julgado. Em 40 DC. foi visitado pelo Senhor Jesus e. irmão de João. Começaram com Chipre. Com o advento das perseguições.(Ats. segundo nos narra a tradição da Igreja. Saulo de Tarso pediu cartas ao sumo sacerdote para ir a Damasco prender e trazer discípulos cristãos de volta. e assim mesmo pôde pregar com muita liberdade a todos que o procuravam. os cristãos primitivos desenvolveram uma linguagem própria deles. Paulo fez três viagens missionárias. foi derrubado ao chão. mais um perseguido por causa do amor a Cristo. a qual iniciou-se em Roma. e a Igreja passou a receber grande impulso e força. onde o Senhor continuava a usá-los. por onde quer que fossem. Depois disso. Herodes mandou matar à espada a Tiago. 12). até que Estevão. Paulo e Barnabé são autorizados e abençoados pela Igreja para desenvolverem um ministério até então desconhecido: – o da obra missionária apostólica. com isto. espalhando-se pela Judéia e Samaria. dos filhos de Zebedeu.

e em seu mandato. Não procurou ter bom Durante o seu reinado. a arca de Noé) Videira União de Cristo com seu povo. vários outros imperadores perseguiram a Igreja. na Gália(em Lion) e em Viena. Trajano (98-117) foi cruel na perseguição. se destacaram por sua contumaz perseguição: Sétimo Severo (193-211) decretou ser ilegal ser cristão ou judeu. Filho de Deus. Marco Aurélio (161-180) moveu feroz perseguição em 177 DC. subiu ao trono romano. Antonino. Flávio Clemente.000. e sob o seu governo. Depois destes.Pão e Vinho Ceia do Senhor – a morte de Cristo Chi-Rô Primeiras duas letras de “Cristo” em grego Cruz Morte de Cristo Pomba Espírito Santo no batismo de Jesus Fogo Espírito Santo no dia de Pentecostes Peixe Iniciais da frase em grego “Jesus Cristo.. e requereu que todos os povos tivessem um certificado de sacrifício. bispo de Lion (177) e também Blandina (177 DC). bispo de Antioquia (em c. ao ponto de libertar João do exílio. que foi imperador nos anos 54 a 68 DC. que formam a palavra “peixe”. foi morto Policarpo. durante a perseguição ordenada por Nero. na mesma linha de perseguição. líder cristão. Depois de Domiciano. nos seus 2 anos de reinado. foram martirizados Justino (em 165 DC). o qual exilou muitos cristãos na ilha de Patmos. e dos pescadores de homens Cordeiro A abnegação sacrificial de Cristo Pastor O cuidado de Cristo por seu povo Navio A igreja (cf. Além de Nero. Seguiu a política de Trajano. Nessa época. Apesar disso. Simão Pedro foi crucificado de cabeça para baixo em Roma. relacionamento com cristãos. veio Domiciano (81-96DC). Fotino. Depois disso.. Adriano foi o imperador que o sucedeu de 117 a 138 DC. 112 DC). Lembra a alimentação dos 5. foi martirizado. o Pio (138-161) também perseguiu cristãos. 155DC). Trajano. a Igreja teve pouco mais que 10 anos de relativa paz e liberdade para poder crescer – e ela cresceu! Logo depois disso. de onde João escreveu o livro de Apocalipse. não aceitava acusações anônimas contra os cristãos. paz com os cristãos. . Após o seu reinado de dor para os discípulos do Senhor. que manteve. o vinho da ceia do Senhor No mesmo ano em que Paulo foi martirizado (67 DC). foi morto Inácio. este foi sucedido por Nerva. Décio (249-251) queria uma religião só no império. bispo de Esmirna (c. Salvador” (ICHTHUS).

Em 313 DC. A tradição fala de seu ministério em Edessa. e mandou. os cristãos que entregavam suas Escrituras eam chamados de “Traidores”. O QUE SUCEDEU AOS APÓSTOLOS: André. Partia. João. foi escrito o Edito de Milão. um sonho. em 257 proibiu reuniões cristãs nos cemitérios e em 258 DC ordenou a execução de clérigos. Constantino se tornou imperador de Roma. porém. Nas disputas pela coroa do Império Romano. na Ásia Menor. Nessa época. seu pai. Foi o primeiro imperador que se tenha confessado ser cristão. simpatizante dos cristãos. Tomou este sonho por revelação. Pérsia e Macedônia. e por fim foi martirizado na Armênia. II – A IGREJA UNE-SE AO ESTADO: Em 312 DC. após ter sido liberto de Patmos. o zelote. Judas Tadeu – este também não era irmão na carne de Jesus. Constantino Cloro. Egito.). Bartolomeu passou por Hierápolis. que este monograma fosse pintado sobre o seu elmo e os escudos dos soldados. e assim. Galério também perseguiu (305-311).Valeriano (253-259). Acredita-se ter desenvolvido o seu ministério na Síria. Maxêncio era pagão e uniu-se a perseguidores do cristianismo . acredita-se. Filipe foi crucificado em Hierápolis. às pressas. sofreu morte natural (l00 DC. na Acaia. Cartago e com a Bretanha. e no final foi martirizado na Índia. Mateus andou por vários lugares. Foi crucificado em Patras. era o representante do imperador Diocleciano até que este abdicara do reino. e o complexo império ficou sem um homem forte a governá-lo. Teve. Tomé pregou na Babilônia. Diocleciano (284-305) ordenou em 305 a destruição dos prédios das igrejas e as cópias das Escrituras. Constantino teve que defrontar-se com Maxêncio. até que houve a promulgação do escrito Édito de Tolerância. um dia antes do confronto. Presume-se que tenha sido por Etiópia. viu que as suas forças pareciam insuficientes para o confronto com Maxêncio – mas foram ambas as forças antagônicas para o encontro na batalha. com o qual se encerrou a perseguição oficial do Império Romano contra o cristianismo. foi associado com a Pérsia. Simão. Constantino. que serviu grande parte de seu tempo em Éfeso. ele aceitou o sinal de . pregou na Citia. onde pareceu-lhe ver as iniciais do nome de Cristo com a inscrição: “Por este sinal vencerás”. Tiago de Alfeu – não era este o irmão de Jesus. na Ásia Menor e na Grécia.

3. SURGE O MONASTICISMO: Com o objetivo que alguns poucos nutriam. Houve. 6. 5. até que em 400 DC.  Participou ativamente da vida da Igreja. a Igreja passou a crescer em número. como se fora “um exército cristão”. 4. sustento de ministro religiosos. em prejuízo da espiritualidade. 2. tal e qual um emblema marcando seu exército. só não podia ser aberta. 3. Em decorrência disso. que foram verdadeiras pedras de tropeço para os irmãos da nova comunidade. após ter-se tornado senhor soberano sobre o Império. que segregava comunidades e construía mosteiros para os que quisessem ter vida mais santificada. alvo da disputa pelo poder. perante o público.Cristo. foi para a batalha em 28 de outubro de 312 DC. exercendo grande influência em assuntos eclesiásticos. mas a idolatria e a feitiçaria. nasceu o monasticismo. isentando a estes de impostos. Constantino resolveu adotar o cristianismo como religião oficial do governo de Roma. porque se tornou ilegal – porém. tendo a vida muito irregular. Bento de Núrsia deu início à ordem dos Beneditinos. de se separarem do restante da sociedade corrupta e da Igreja decadente. E não ficou só nisso…  Constantino se fez patrono do cristianismo. como todo cidadão romano passou a ser considerado cristão. abandono de propriedades abstinência a certos alimentos obediência a superiores silêncio e meditação renúncia humildade e fé. e exigia do monge: 1. isto é. sem tem passado pelo Novo Nascimento. 5. dando ofertas de grande vulto para a construção de templos. . que logo se expandiu. alguns ainda chegaram a galgar postos e cargos importantes. 1. e com este sinal. Tudo isso pareceu ser uma grande vitória. apesar de nada entender de teologia. até mesmo doutrinários. 6. onde prevalecia a vida monástica. ainda escondidas e latentes nos corações de muitos. 4. Maxêncio perdeu a vida. 2. no século VI.  Destruiu muitos templos pagãos. assim creu ele. e o Ocidente. Milhares destes pagãos enchiam os templos cristãos. – O Deus Cristão lhe havia dado a vitória. um fato decisivo: além de vencer. passou ao domínio de Constantino. então. os cultos pagãos foram extintos publicamente. Assim. no intuito de beneficiar os cristãos e prestar sua gratidão a Deus.

na tentativa de salvar a unidade de Deus. Ário pregava que Cristo não existiu desde a eternidade. e assim. Poderia ser considerado divino. nos quais os grandes líderes da Igreja. afinal. No final. co-igual. dantes marcado por constante humildade e trabalho. resolveu empreender esforços. Cristo é. Sabélio negou a Trindade essencial. para Ário. achou por bem unificar a religião de seus domínios. a co-essência de Atanásio prosperou e prevaleceu. que nem mesmo cartas de Constantino resolveu. Pela excelência de sua vida e por sua obediência diferentes da do Pai Atanásio. Em 325 reuniu-se em Nicéia o Concílio. com a finalidade de unificar o Império. na Igreja. presidido por Constantino. defendeu que Cristo existe desde a eternidade com o Pai e é da mesma essência que o Pai. seria de essência ou substância diferente do Pai. Tão longe foi esta. Em 318/319. e houve a edição de um credo niceno que condenou as idéias de Ário – mas Atanásio foi daí em diante perseguido. A igreja se tornara rica. Cristo. e para tanto. . Constantino. fizeram 7 (sete) concílios universais. geralmente convocados e presididos pelo próprio Imperador romano. antes de morrer. Alexandre. assim. tentando fugir do politeísmo. vendo que novas doutrinas apareciam no seio da Igreja. Um dos presbíteros chamado Ário atacou o sermão de Alexandre. entretanto. DESENVOLOVIMENTO DA DOUTRINA CRISTÃ De 313 a 451 DC houve debates aguçados sobre posicionamentos teológicos a respeito de Cristo. exilado por 5 vezes. mas que começou a existir por um ato criativo de Deus. Como fazer? O método adotado pela Igreja foi o de realizar Concílios universais.O ofício de Bispo até essa época. Ário caiu em heresia. co-eterno. mas não era Deus. não poderia ser o Salvador dos homens. de opressão e suborno. reuniram-se para buscar uma solução teológica que trouxesse consenso e pudesse ser acatada por todas as Igrejas locais. e participa da mesma substância com o Pai. e iniciou-se a polêmica. dando interpretação anti-bíblica acerca do relacionamento de Cristo com o Pai. Bispo de Alexandria discutiu com seus presbíteros sobre a “unidade da Trindade”. embora de personalidade distinta – e se Cristo fosse menor do que Ele mesmo afirmara ser. antes de existir o nosso tempo. de todas as partes do império. poderosa. imponente e corrupta. passou a ser um cargo de esplendor profano de arrogância.

vendeu os seus bens. com a ajuda política e com a ignorância de Contantino sobre assuntos teológicos. Houve. A igrjea do Ocidene ainda foi capaz de se librar desse domínio. Ário ainda conseguiu. com o objetivo de obterem maior santidade – o fim é bom. que atraiu outros para o mesmo estilo de vida. em outros concílios. para ali meditar. No Oriente. Antonio (c. Houve quem dissesse que o apóstolo Pedro foi o primeiro bispo de Roma. cada um em sua caverna. deu dinheiro aos pobres e se retirou para uma vida solitária numa caverna. e em 529 fundou o mosteiro de Monte Cassino. 250-346) foi provavelmente o seu fundador. Aos 20 anos de idade. Alguns textos bíblicos parecem apoiar a idéia de separação do mundo. Os mosteiros eram um refúgio para os que se isolavam da sociedade e precisavam de ajuda. COMO SURGIU O PAPADO: Na Igreja primitiva. No ocidente. e outros andavam nus. mas estes tinham também os seus pontos negativos. o monasticismo fazia fortes apelos aos que desejavam retirar-se da sociedade que julgavam imoral e aruinada espiritualmente. e o primeiro papa. . tomados em particular. os bispos. mas isto não passa de especulação. tanto na igreja oriental como na Ocidental. tais como: enterrar-se no chão até o pescoço por vários meses. os mosteiros passaram a ter profundas raízes. por certo tempo. No final do século VI. O MONASTICISMO: Com a decadência gradual do Império Romano. Tertuliano e Jerônimo assim interpretavam tais passagens. mas a Igreja do Oriente não se livrou do poder político do Estado. A partir do século IV. Bento de Núrsia (480-543) retirou-se da cidade de Roma para viver numa caverna em 500DC. Orígenes. alguns pastavam capim como bois. viajantes cansados encontravam abrigo no albergue do mosteiro. mas a Igreja do Oriente jamais se livrou desse domínio. autoridade e função. reverter essas palavras do quilo. também. O monasticismo contribuiu para o rápido desenvolvimento de uma organização hierarquicamente centralizada dentro da Igreja. mas os meios. E com isto a igreja ficou longo tempo debaixo do poder e das decisões imperiais. deixar de tomar banho. nem sempre. Cipriano.Depois disso. outros jamais se despiam. vários exageros de auto-flagelos por esse tempo. leigos em número cada vez maior começaram a se ausentar do mundo. eram considerados iguais a todos os demais bispos em posição. sendo cada vez mais dominada pelo Imperador. Levou vida de santidade tal.

unindo seus esforços com seus sucessores. quando Roma foi saqueada pelos visigodos. isto em 330 DC. Em 455 conseguiu persuadir a Genserico e seus seguidores vândalos a não incendiarem a cidade de Roma. d) Houve um trabalho muito eficiente. Alguns o consideram o primeiro papa. a deixar a cidade de Roma. líder dos francos.Entre 313 e 590 DC. e assim ficou aceito no mundo cristão ocidental. bispo e presbítero. b) O povo passou a olhar o Bispo de Roma como aquele que os lideraria em alguma crise. o trono imperial do Ocidente caiu nas mãos dos bárbaros e o povo italiano via o seu bispo romano como um expoente político e espiritual. o qual. · Gregório I enviou Agostinho à Inglaterra. O bispo de Roma passou a ser reconhecido como o primeiro entre os iguais. Alguns fatos contribuíram para que o Bispo de Roma fosse considerado superior aos demais. Assim. analisadas as epístolas pastorais de Paulo. em 452DC. conseguiu persuadir a Átila. fato que ocorreu continuamente por muito tempo. . Por essa ocasião. Em 445. o huno. era na época da Igreja primitiva. os quais passaremos a considerar: a) Constantino mudou a Capital do Império de Roma para Constantinopla . foi convertido ao cristianismo em 496 e se tornou grande defensor da autoridade do Bispo de Roma. · Leão I (400-c. · Clóvis. conseguiu salvar a cidade do fogo com sua diplomacia e habilidade. E foi o que aconteceu – em 410. foi que Leão I reivindicou que as apelações das cortes eclesiásticas romanas deveriam ser reconhecidas como definitivas. porém. o bispo romano começou a reivindicar a superioridade sobre os outros bispos.461) . conseguiu trazer a Bretanha de volta ao seio de Roma. Com a ascensão de Gregório ao bispado em 590. porém. como sua única pessoa forte. dos missionários monges leais a Roma.. esse conceito foi mudado. Damaso I (366-384) foi possivelmente o primeiro bispo romano a descrever sua diocese como a “sé apostólica”. Biblicamente.     A necessidade de eficiência e de melhor coordenação gerou a centralização dos poder. · A igreja em Roma foi presenteada por muitos bispos capazes. notamos que não havia diferença entre os títulos de pastor. chefiados por Alarico. já entregue nas mãos bárbaras outra vez. o Bispo de Roma. esta já vencida pelas forças bárbaras. deixando Roma à mercê do seu bispo local. c) Depois de 467.

Temos de reconhecer que as atuações do bispo de Roma perante as invasões bárbaras foram de muita prudência e grande valia para a cristandade. Os gnósticos ainda diziam que nem todos os cristãos possuíam o “conhecimento” da salvação. escreveu que Deus dera ao papa os poderes sacro e secular. Aristóteles. III – AS PRIMEIRAS HERESIAS E CONCÍLIOS: 1) O Gnosticismo: o termo vem da palavra “GNOSIS”. de Atos 8. Houve tentativas de se sincretizar a “gnosis”. Seria um acontecimento que põe o seu seguidor em comunhão com as realidades espirituais. pregado pelos apóstolos. incluindo-a ao cristianismo. a vinda de Cristo se resumiria na aparição de um ser puramente espiritual. Pitágoras e Zenão. sendo totalmente mau. 15:47-49). e é também um nome dado a várias escolas filosóficas que surgiram nos primeiros séculos da era cristã. sobrenatural. Esse tipo de “conhecimento” era uma sabedoria mística. no seu entender. o qual era. papa de 492 a 496 DC. Assim. contrastava diametralmente com o mundo espiritual. tais . fazendo-se mais importante do que o rei de Roma. cunhando-a de sistema filosófico-religioso. ou que só temporariamente habitou num homem chamado Jesus. A fonte dessa heresia se calcou nas filosofias de Platão. O “conhecimento” apregoado por essa filosofia não tem o sentido que hoje se entende. que elevaria os seus seguidores do nível material deste mundo para um entendimento tal do universo que os salvasse. porque o mundo material. apenas se aproveitaram de ensinos paulinos. mas o período que se seguiu após foi eivado de erros e corrupções dentro do clero e da igreja romana. negava a encarnação. mormente o apóstolo Paulo (dando uma falsa interpretação a I Cor. seria o livrar-se da prisão do mundo material através de uma “iluminação espiritual mística”. Acerca de Cristo. Os pais da Igreja são concordes que esta corrente de pensamento tenha-se iniciado com Simão. A salvação seria uma libertação. o mágico. que significa “conhecimento”. Na verdade. · Gelásio I.

excomungado da comunhão com os demais cristãos. para distorcê-los segundo seus próprios pontos de vista. Tinha. Influenciado por Cerdo. afastou-se da igreja crsitã. mas a sua justiça se tornara obsoleta e sobrepujada pela justiça do Deus que Cristo revelou. Desta forma. O marcionismo desenvolveu-se e se espalhor muito no Oriente. a seu ver. excluindo as pastorais e incluindo o Evangelho de Lucas. e o compôs de apenas 10 (dez) epístolas de Paulo. . foi que o gnosticismo deixou de ter força expressiva. e fundou a sua própria. no Ponto (Ásia Menor). era o Deus Criador que. Como reação. gnóstico de Roma.como carne e espírito. compôs o seu cânon sagrado excluindo totalmente o AT. e contra o judaísmo. ensinava que o Deus do Antigo Testamento (AT) era diferente do Deus de misericórdia revelado por Jesus Cristo. Com a adoção dos credos desenvolvidos pela Igreja a partir do IV século DC. a comunidade cristã de Roma frustrou-lhe este caminho. o Deus do judaísmo legalista seria diferente e distinto do outro Deus do Novo Testamento (NT). mas eram escritos que foram considerados por Márcion como textos reprovados. Os livros do AT. foram por ele colecionados apenas para que se tomasse conhecimento do Deus do AT. Sua doutrina. Ali. e persistiu até o V século. pois que exigiu injustificadamente a morte de Jesus. Ao fundar uma nova seita. mas. mas um Deus fraco. duas antipatias: contra este mundo material. mas teve um apogeu entre 135 e 160. agregando muitos seguidores. revelava-se muito justo na lei do Talião (olho por olho). cheio de compaixão e de misericórdia. entendia que o Deus do AT. mudou-se para Roma. o Deus da AT. Marcion foi excluído. 2) O Marcionismo: Marcion foi um filho do bispo de Sínope. quase chegou a ser feito bispo. Para Marcion. observado que tinha certos desvios doutrinários. Em 144 DC. porém. então.. não era totalmente mau (diante da dor e do sofrimento deste mundo). Daí. e vitória em Cristo sobre os proncipados e potestades deste mundo.

Este foi um . 4) Cerintianismo: Para esta doutrina. 5) Docetismo: Negava a realidade de que Cristo teve um corpo físico. Este pensamento negava a Sua humilhação de vida e morte como temporária e voluntária. 6) Arianismo: Jesus era o mais elevado de todos os seres viventes. e não era divino desde o nascimento. 3) O Ebionismo: Negava a natureza divina de Cristo. houve mais de um movimento lançando idéias heréticas sobre a Pessoa de Cristo. de forma que Ele só se tornou divino. É a semeadura do inimigo da cruz. unindo a natureza humana com a divina com um detalhe: só após ter sido batizado no rio Jordão. Veremos apenas algumas dessas idéias esdrúxulas a respeito do Messias. considerando-O um mero homem.SOBRE A PESSOA DE CRISTO:Toda heresia que ataca e corrói a Igreja cristã se tem enfocado na pessoa de Cristo e na sua obra.Na Igreja primitiva. tentando fazer crescer o joio no meio do trigo. dos primeiros ataques à divindade de Cristo na história da Igreja. a divindade de Cristo dependia do batismo. envidando esforços concentrados para tentar destruir aquilo que Deus fez através de nosso Senhor Jesus. sob a premissa de que toda matéria é má – tal e qual a influência do gnosticismo apregoava.

dividindo-lhe a sua Pessoa em duas – uma divina. Sobre a natureza de Cristo. o Filho de Deus. Deus verdadeiro de Deus verdadeiro. mas não na mesma dimensão. sobre a Trindade: Jesus e o Espírito Santo são Deus verdadeiro e compartilham uma natureza para três Pessoas. decidiu-se que a alma de Jesus é divina e humana. Declarou-se neste Concílio que o Filho é co-igual. em 381. Jesus seria mais humano do que divino. isto é. não sendo plenamente Deus. a divina e a humana. gerado como Unigênito do Pai. consubstancial com o Pai …” 2) Constantinopla. e preparou-se a minuta do Credo Niceno. 8) Eutiquianismo: Admitia as duas naturezas de Cristo. . 325 DC. luz de luz. não feito. que destacamos dela sua parte essencial abaixo: CREDO NICENO: “ Cremos (…)em um SenhorJesusCristo. a chamada controvérsia ariana. Assim. consubstancial e co-eterno com o Pai. O assunto principal foi a controvérsia entre Ário e Alexandre. Nicéia. Ário foi condenado. gerado. Deus de Deus. OS PRIMEIROS CONCÍLIOS: 1. e outra humana ( parece que esta teoria julga a Jesus como se Ele fora um ser e uma personalidade de dupla manifestação – talvez até como uma esquizofrenia psicossomática ). sob supervisão do próprio imperador Constantino.7) Apolinarianismo: Negava a dupla e concomitante natureza de Cristo – a divina e a humana. da substância do Pai.

que. então. revestida da carne humana. também. 5) II Concílio de Constantinopla. que condenou o monifisismo ou eutiquianismo. na realidade. chegando mesmo a escarnecer daquele colegiado. 6) III Concílio de Constantinopla. e uma pseudo-autoridade espiritual sobre os membros da Igreja. Ficou estabelecido que Ele tinha as duas naturezas: a divina e a humana. . a divina. ou Albingenses nos séculos XII e XIII. os Cataristas. 787 DC. Havia o rito latino. e acerca do título dado a Maria – Theotokos (= mãe de Deus). rival da Igreja romana. 4) Calcedônia. Esse estado de coisas parecia tentar ocultar uma verdadeira miséria espiritual à custa de aparências enganosas dentro da Igreja. 451 – sobre a natureza de Cristo. sem mutação. Cristo é Vero Hommo et Vero Dei. os “destruidores de imagens”. condenou o monotilismo. IV – A IGREJA NA IDADE MÉDIA. eram uma igreja à parte. Surgiu. dizendo que elas são dignas de veneração. não compreendido pelo povo e às vezes também até pelos abades. 7) II Concílio de Nicéia. organização. Surgiram. condenou os iconoclastas. que se opunham à superstição reinante no meio do povo. e dentro do clero. AS CRUZADAS: Esta Idade foi marcada pela decadência espiritual e moral.. 431. no século XII. 553 DC. e criticavam o clero. sobre a união hipostática das naturezas de Cristo. com ministério. maquiada pelo ritualismo religioso. sem divisão e sem separação. mas não de adoração. credo e sacramentos distintos.3) Éfeso. o qual dizia que Cristo tinha uma só vontade (a divina). os petrobrussianos. em uma só Pessoa – sem confusão. 680-681. qual dizia que Cristo tinha uma só natureza.

na Ásia Menor. . Pedro Valdo. pelo papa Lúcio III. Completamente desligados da igreja romana e o clero. começou a distribuir todo o seu dinheiro entre os pobres. Isto veio a movimentar cerca de um milhão de pessoas apenas na primeira Cruzada. Apesar de se misturarem causas políticas e econômicas nesse mover de povos. camponeses e até mesmo crianças às armas e campanhas militares.Outro movimento que protestava contra o estado de decadência da igreja romana foi expresso pelos Valdenses. um comerciante de Lion (Fr. Foram combatidos com a Inquisição e depois. Havia também muita paixão pela aventura militar. o motivo primordial foi o religioso. Cresceram muito em número e passaram a realizar trabalhos missionários. seguido por Alexandre III. solicitou a ajuda dos cristãos da Europa Ocidental contra esses invasores que ameaçavam a segurança de seu reino. Multidões o seguiram e foram excomungados pelos papas da época ( em 1184 DC. Movido por Mateus 10. lançou os valdenses para fora do seu seio. de Constantinopla. tornaram-se protestantes.). o que a Igreja romana santificou. Após estes. ainda surgiram os chamados de Irmãos – dissidentes que professavam uma fé simples e eram conhecidos pela vida santa que viviam. nesse tempo. usando de uma postura rígida e muito pouco hábil. vindo a Reforma. que tiveram como seu fundador. O imperador Aleixo. que os proibiu que pregassem). sobrepujando os seus substitutos em violência e truculência. então. Os turcos seljucidas expulsaram os árabes e começaram a difundir seu fanatismo religioso. AS CRUZADAS: Nos séculos XII e XIII o cristianismo europeu efervesceu num movimento que levou cavaleiros cristãos. A Igreja romana. tal como os valdenses. vindo a tornar-se um evangelista itinerante.

da parte dos Cruzados que alegavam estar lutando pela liberdade de peregrinação pela Terra Santa (pois de fato os turcos perseguiram os peregrinos europeus que chegavam à Palestina).2) Na Espanha (1095 – 1299) 3. tornaram-se organização puramente militar. mas não abandonariam o exercício e a ação com as armas. Embora o motivo principal tenha sido o religioso.1) Na Sicília. Os Cavaleiros Hospitalários foram fundados no início do século XII com a finalidade de defender os peregrinos e cuidar dos doentes. ou também de saquear os lugares libertados das mãos dos muçulmanos. quando.3) Na Palestina (1095 – 1261) Houve várias tomadas de poder em Jerusalém.As Cruzadas se ergueram. 2) Contra Eslavos no leste da Prússia. Estas duas organizações ficaram sujeitas exclusiva e somente ao papado. ora pelos soldados cristãos. Foram criados em 1118. e dedicadas aos seus interesses. fazendo uso da força para defender a Terra Santa dos não cristãos. por essa época. 3) Contra os muçulmanos – este movimento foi dividido em 3 frentes: 3. Eram realmente um exército de monges cavaleiros. Os Templários – eram cavaleiros. É notório como muitas guerras são levantadas e abertas sob alguma alegação. ora pelos islamitas. no desenrolar destas se notam outros interesses a motivar os guerreiros. cujo nome se originou de seu centro operacionalem Jerusalém. e reconhecidos como uma Ordem. Contra os Cátaros e Valdenses (1209 a1229). pelos cavaleiros Teutônicos na Polônia e na Hungria. exercido por monges que faziam voto monástico. . numa Cruzada de militares. 3. Faziam inicialmente papel semelhante ao da Cruz Vermelha. havia muitos outros interesses de se estabelecer e expandir feudos. contra várias correntes religiosas: 1) Contra Cristãos chamados de heréticos. Mais tarde. oficialmente. Composta de homens determinados a defender a Terra Santa dos ruidosos assaltos dos muçulmanos. em 1128.