Você está na página 1de 1

1T10: Lucro Líquido de R$ 7,7 bilhões

Rio de Janeiro, 14 de maio, 2010 – Petróleo Brasileiro S.A. - Petrobras, divulga os resultados consolidados do primeiro
trimestre de 2010 (1T10), segundo os padrões internacionais de demonstrações contábeis (IFRS). As informações de 2009
foram ajustadas para fins de comparação.
No 1T10, o lucro líquido foi de R$ 7,73 bilhões (R$ 0,88 por ação), 23% superior ao lucro do primeiro trimestre de 2009 (1T09)
de R$ 6,29 bilhões (R$ 0,72 por ação). O lucro bruto aumentou de R$ 16,82 bilhões no 1T09 para R$ 19,31 bilhões no 1T10.
O bom resultado foi reflexo do aumento da produção e das cotações do petróleo no mercado internacional, além do aumento
do volume de vendas impulsionado pela recuperação da economia e da valorização do real frente ao dólar. Destaca-se ainda
o crescimento do lucro apesar do aumento de 19% das despesas operacionais, devido principalmente a constituição de
provisões de contingências para perdas em processos judiciais. As margens se mantiveram estáveis no 1T10 em relação ao
ano anterior: margem operacional de 23% e margem líquida de 15%.
No resultado segmentado, o aumento do preço do petróleo e do volume de produção no trimestre influenciaram o resultado do
segmento de Exploração e Produção (E&P). Porém, o segmento Abastecimento apresentou queda no resultado em função da
elevação do preço do petróleo e da redução dos preços internos da gasolina e diesel efetuada em junho de 2009. Vale
destacar o excelente resultado dos outros segmentos: impacto positivo das atividades de E&P no segmento Internacional;
aumento das margens de comercialização do segmento Distribuição e aumento da receita fixa proveniente dos leilões de
energia no segmento de Gás e Energia.
1
Lucro Líquido por segmento (R$ milhões)
(1)
Segmentos 1T10 1T09
Exploração e Produção 7.312 2.501
Abastecimento 1.116 4.639
(2)
Outros Segmentos 1.132 (253)

(1) Inclui transações inter-segmentos que são eliminadas para cálculo do lucro da Companhia
(2) Não considera Segmento Corporativo

Os investimentos alcançaram R$ 17.753 milhões no 1T10, 23% superior ao investimento realizado no 1T09, e direcionados
principalmente para o segmento de E&P (53%) e Abastecimento (31%). A maior parte dos investimentos foi financiada pela
geração de caixa da Companhia que, medida pelo EBITDA, atingiu R$ 15,1 bilhões no 1T10, um aumento de 12% em relação
ao 1T09.
A Companhia finalizou o pagamento aos seus acionistas dos dividendos referentes ao exercício de 2009, no valor de R$ 8,3
bilhões (30,5% do lucro básico de 2009 e R$ 0,95 por ação). O pagamento da última parcela de dividendos e juros sobre
capital próprio (JCP) foi efetuado em 30 de abril de 2010, no valor de R$ 0,2472 por ação.
Em relação ao resultado de 2010, o Conselho de Administração aprovou hoje a distribuição antecipada de remuneração aos
acionistas, sob forma de JCP, do valor bruto de R$ 0,20 por ação, a ser disponibilizado até 31 de agosto de 2010, com base na
posição acionária de 21 de maio de 2010. Esse pagamento deverá ser descontado da remuneração que vier a ser distribuída
no encerramento do exercício de 2010.
Acesse abaixo os Relatórios com as informações completas sobre o resultado do trimestre e convite para teleconferência e
webcast a serem realizados no dia 18 de maio de 2010.

RSS – Atualizações Petrobras www.petrobras.com.br/ri

Conferência/Webcast Relatórios

www.petrobras.com.br/ri
Para mais informações: PETRÓLEO BRASILEIRO S. A. – PETROBRAS
Relacionamento com Investidores I E-mail: petroinvest@petrobras.com.br / acionistas@petrobras.com.br
Av. República do Chile, 65 - 2202 - B - 20031-912 - Rio de Janeiro, RJ I Tel.: 55 (21) 3224-1510 / 9947 I 0800-282-1540

Este documento pode conter previsões segundo o significado da Seção 27A da Lei de Valores Mobiliários de 1933, conforme alterada (Lei de Valores Mobiliários), e Seção 21E da lei de
Negociação de Valores Mobiliários de 1934, conforme alterada (Lei de Negociação) que refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia. Os termos “antecipa”, “acredita”,
“espera”, “prevê”, “pretende”, “planeja”, “projeta”, “objetiva”, “deverá”, bem como outros termos similares, visam a identificar tais previsões, as quais, evidentemente, envolvem riscos ou
incertezas previstos ou não pela Companhia. Portanto, os resultados futuros das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o leitor não deve se basear exclusivamente
nas informações aqui contidas.