Você está na página 1de 2

Estatuto da criana e do adolescente

O Cdigo de Menores, institudo pela lei 6.667 de 10 de outubro de


1979, nivelava crianas e adolescentes aos demais sujeitos infratores,
sujeitando estes a medidas judiciais todas as vezes que sua conduta se
enquadrasse definida em Lei. A Doutrina da Situao Irregular adotada pelo
Cdigo de Menores permitia situaes absurdas de no proteo criana e
ao adolescente. Onde se desrespeitava a dignidade da pessoa humana, a Lei
de Menores no se preocupava com a preveno mas sim em tratar os
conflitos j instalados. A doutrina acolhida pelo Cdigo de Menores permitia ao
Estado o recolhimento e a condenao de jovens que estivessem em situao
irregular ao internato ate completar a maioridade, a segregao era utilizada
como soluo dos problemas.
A Doutrina da Proteo Integral adotada pela Constituio Federal
de 1988 e pelo Estatuto da Criana e Adolescente de 1990 veio protestar a
Doutrina da Situao Irregular. O ECA aplica a Proteo Integral,seu intento
principal garantir a proteo dos direitos fundamentais de todas as crianas e
adolescentes onde crianas e adolescentes no podem passar por qualquer
tipo de discriminao, as regras do Estatuto devem ser aplicadas com
imparcialidade, sem nenhuma distino de qualquer natureza.
Reconhecendo a vulnerabilidade e a necessidade da proteo dos
direitos de crianas e adolescentes o artigo 3 do ECA dispe as regras
mnimas para o desenvolvimento saudvel e a proteo da dignidade.

No

artigo 4, tratada de forma prioritria a responsabilidade da famlia,


comunidade, sociedade e poder publico em relao
adolescentes. So elencados
sade,

alimentao,

as crianas e

ainda, os direitos bsicos referentes vida,

educao,

esporte,

profissionalizao,

cultura,

dignidade, respeito, liberdade e a convivncia. Ao aceitar o raciocnio de que a


criana e o adolescente so pessoas em pleno desenvolvimento, deixa de
atribuir

culpa

algumas

crianas

pela

imprudncia

dos

adultos.

Responsabilizando os adultos pelos seus atos em relao s crianas e aos


adolescentes.

REFERNCIAS BIBLIOGRAFICAS:
AMIN, Andra Rodrigues. Curso de Direito da Criana e do
Adolescente: Aspectos Tericos e Prticos. ed.Rio de Janeiro: ed. Lumen Juris,
2010
ISHIDA, ValterKenji.Estatuto da criana e do adolescente: doutrina
e jurisprudncia.4 ed. So Paulo: Atlas, 2003
Constituio

Federal

(1988). Constituio

Federativa do Brasil.Braslia, DF: Senado 1988.

da

Repblica