Você está na página 1de 5
Disciplina : Técnicas de Expressão Oral e Escrita em LP Tutor : MA. Lucério Gundane
Disciplina : Técnicas de Expressão Oral e Escrita em LP Tutor : MA. Lucério Gundane
Disciplina : Técnicas de Expressão Oral e Escrita em LP Tutor : MA. Lucério Gundane

Disciplina: Técnicas de Expressão Oral e Escrita em LP

Tutor: MA. Lucério Gundane

Tomada de Notas 1

Na vida profissional e estudantil necessitamos tomar notas a fim de fixarmos o pensamento do outro. Porém, nem sempre prestamos atenção a aspectos de grande importância. A tomada de notas é uma actividade complexa que requer um alto grau de habilidade em diferentes saberes, visto que, primeiro, o registador de notas tem de compreender o que o emissor diz; segundo, o mesmo registador, numa situação de exposição oral, não tem a possibilidade de interromper o orador a fim de consultar novos termos (por exemplo, no dicionário). Este último facto põe o registador numa situação de grande tensão.

A tomada de notas permite-nos a:

Remediar os lapsos de memória, ajudando-nos a reter as informações essenciais dos textos que ouvimos ou lemos, com objectivo de nos informarmos sobre um dado assunto;

Relembrar os conteúdos dos textos já lidos ou ouvidos há muito tempo e de que nos interessam apenas as informações essenciais que registamos; Reunir uma sólida documentação sobre um determinado assunto, a partir dos registos mais relevantes consignados nesses documentos e tê-los sempre à mão.

Quando a tomada de notas é feita a partir de um texto escrito, o leitor tem a possibilidade de reler, bem como de consultar o dicionário para compreender enunciados obscuros. E, normalmente, o título é elemento auxiliar para a compreensão e previsão das informações vinculadas no texto.

1 Elaborado por Dr. Maurício Bernardo. UEM, FLCS, revisto por MA. Lucério Gundane, para estudantes de TEOE do ISCED - 2016

Na exposição oral, dada a sua espontaneidade, consultar o dicionário, tem sido, às vezes, uma perca de tempo e do fio de acompanhamento do conteúdo em exposição. Mas, o orador pode, por vezes, indicar o que é essencial e o que é acessório através da entoação da voz, ou de uma forma indirecta, como repetições involuntárias dos aspectos essenciais.

Na tomada de notas podemo-nos, de uma forma rápida e com clareza, socorrer de abreviaturas, em casos de enunciados orais. Neste caso, devemos tentar seleccionar as palavras portadoras de muita informação, que normalmente são os nomes (substantivos). Mas, às vezes, podem vir expressas através de verbos ou adjectivos.

Podemos tomar notas a partir de um livro, de uma revista, de um jornal quer para as organizar em fichas quer para preparar a intervenção num debate, conferência, estudo, etc.

Assim, a tomada de notas não pode ser a transcrição, palavra por palavra, de uma mensagem.

Deste modo:

O registador não pode começar a tomar notas antes de perceber a coerência semântica e sintáctica do conjunto das palavras, ou da frase.

O registador não deve anotar outra vez o que já foi dito (e registado). Uma forma de focalizar o enunciado é através do sublinhado. Em caso de tomadas de notas a partir de uma fonte escrita (livro, revista, jornal, etc.), o registador deve julgar a pertinência de certas repetições, digressões a fim de as incluir ou não nas suas notas.

A aula de nível superior, no geral, nunca é ditada ou resumida pelo docente. O plano de aula nem sempre é anunciado pelo docente. Daí, a importância deste exercício de tomada de notas.

A tomada de notas deve cultivar a economia de palavras. Este aspecto é obtido por diferentes processos:

1º Supressão de palavras

2º Codificação das palavras;

3º Reconhecimento de ideias e suas relações;

4º A interpretação.

A tomada de notas não tem sentido fora do texto. A experiência individual e / ou o conhecimento do mundo do leitor intervêm nesta actividade.

1. O procedimento de supressão pode ser:

i. supressão de certos elementos da frase (determinantes, verbos, etc.):

Exemplo: O Luís é muito desleixado.

ii. supressão por nominalização:

Exemplo: O Luís parte amanhã para Niassa.

amanhã Niassa.

iii. Supressão da ênfase:

Exemplo: O Luís é que foi visto ao lado da Rita.

da Rita.

iv. Supressão da redundância:

Luís muito desleixado.

João

Luís

partida

foi visto ao

lado

Exemplo: A Rita perdeu muito peso e até que emagreceu muito.

A Rita perdeu muito peso.

ou

A Rita emagreceu muito.

Ou ainda

A Rita emagreceu.

2. A codificação de palavras pode efectuar-se por sinais, que podem ser:

marcadores externos que estruturam o discurso do locutor, que podem ser substituídos pela enumeração, ou por expressões como: para começar; primeiro; em 1º lugar; em seguida; em 2º lugar; para terminar; em último lugar; etc.

Um léxico ou marcadores estabelecendo as relações de causa e consequência;

Certas palavras, etc.

3. O reconhecimento de ideias

As notas servem, muitas vezes, como ponto de partida para redigir um outro texto, e as suas características comuns são as de serem uma redução de textos mais ou menos longos. Resumos, sínteses, relatórios são documentos cuja elaboração passa por fase de tomada de notas. Acontece a mesma coisa quando se trata de preparar uma intervenção que se baseia em textos escritos. Aqui importa ter em mente o leitor ou auditório: o que eles não sabem? Daí, a necessidade de se determinar o essencial do texto.

Só definindo o objectivo das notas que tomamos poderemos delimitar o que é essencial: atitude selectiva ou exaustiva – consoante a abrangência do tema em causa. Para definir a importância das informações contidas num texto é necessário tê- lo apreendido antes globalmente. Conheça o texto no seu conjunto antes de começar a fazer o exercício de tomada de notas.

Leia em extenso o texto se ele for curto;

Utilize as referências se o texto for demasiado longo;

Em caso de artigos, leia a introdução, o princípio e o fim dos parágrafos bem como a conclusão;

No caso de livros, prefácio ou sumário, leia o princípio e o fim dos capítulos. Só a partir desta fase de contacto com o texto escrito é que nos poderemos dedicar ao trabalho de tomar notas.

Quando o texto é oral, a dificuldade é maior, pois, simultaneamente, o receptor faz a análise e a síntese. A tomada de notas é uma acção rápida. Torna-se necessário adoptar uma escrita que permita economizar o tempo.

Para o efeito, é preciso aprender a mostrar as conexões entre os vários pontos anotados. Assim, o uso de espaços, de sublinhados e de símbolos convencionais joga uma parte importante na tomada de notas eficiente.

Enquanto o resumo é representado sob a forma de um texto, as notas, os apontamentos, podem ter formatos diversos:

Pequenos resumos – as notas não diferem do resumo; ainda que, por vezes, as diversas notas não estejam articuladas entre apontamentos por pequenos resumos, onde não aparecem frases completas, com sujeito, predicado e complementos;

Palavras-chave – as notas não formam um texto de frases completas, mas são constituídas por palavras ou expressões particularmente significativas, seleccionadas cuidadosamente – as palavras-chave do discurso. Estas são, depois, organizadas de modo a englobarem conceitos complexos. As palavras-chave não são geralmente utilizáveis por pessoas que não sejam o autor. Para evidenciar as relações entre palavras-chave (em particular, os nexos de dependência) usam-se setas e outros sinais ou simbologias.