Você está na página 1de 27

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PUCRS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA FACE

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL – PUCRS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA

Economia Financeira

Prof. Leandro Hirt Rassier

1 - REVISÃO DE MATEMÁTICA

1 - REVISÃO DE MATEMÁTICA Antes de entrarmos efetivamente em matemática financeira, para uma absorção adequada

Antes de entrarmos efetivamente em matemática financeira, para uma absorção adequada do que será estudado neste semestre, julgamos necessário apresentar uma breve revisão destes pontos:

  • 1.1 - HIERARQUIA DAS OPERAÇÕES:

Quando um determinado cálculo contém várias operações simultâneas, que deve ser seguida é:

a ordem de resolução

1º - potências e raízes; 2º - multiplicações e divisões; 3º - por último, somas e subtrações.

  • 1.2 - NÍVEIS DE OPERAÇÕES:

É possível alterar a hierarquia das operações utilizando-se parênteses, colchetes ou chaves. Numa expressão matemática os cálculos devem seguir a seguinte ordem:

1º - Efetuam-se as operações entre parênteses ( )

2º - Efetuam-se as operações entre colchetes

[ ]

3º - Efetuam-se as operações entre chaves

{

}

  • 1.3 - POTENCIAÇÃO:

Potência de um número é o produto de n fatores iguais a esse número. Onde n é o valor do expoente.

Exemplo:

2 3 = 2 x 2 x 2 = 8

LEI DOS EXPOENTES:

Adotando-se m e n positivos e a 0, temos:

LEI DOS EXPOENTES : Adotando-se m e n positivos e a  0, temos: a m
a m x a n = a mn a) b) a 0 = 1 m 
a m x a
n
= a
mn
a)
b)
a 0 = 1
m
 a
m
n
c)
a a
n
m
n
mxn
e)(axb) d)(a )
n
  a a
n
xb
n
 a 
n
a
n
f)
  b  
b
n
1
a
 n
g)
a
n
Exemplo:
8
x{
40
 [
45
/ (
9
24
18
)  (
144
2
3
x
2
)]}
Resp. = 72
1.4 - RADICAIS:
É a operação inversa da potenciação:
2
25
5
LEI DOS RADICAIS
Adotando-se m e n positivos e a  0, temos:
m
a
n
 a
n
m
a)
n
axb
n
ax
n
b
b)
 c) a b a b 1.5 - LOGARITMOS:
c)
a b
a b
1.5 - LOGARITMOS:
 c) a b a b 1.5 - LOGARITMOS: Logaritmo de um número em relação a

Logaritmo de um número em relação a uma base positiva e diferente de um é o expoente a que se deve elevar a base para obter-se o número proposto.

*

  • 2 8 = 256

  • 2 base

  • 8 expoente

    • 256 potência

Quando o expoente for incógnita ( x ):

  • 2 x = 256 Logaritmação

Log 2

256 = 8

  • 256 antilogaritmo ou número

    • 2 base

x Log

“Logarítmo de um Número (N) é o expoente (x) da potência à qual se deve elevar outro número (a), chamado base, para se obter o número dado.”

LEI DOS LOGARITMOS

  • a) Logaritmo de um produto:

Log (a x b) = Log (a) + Log (b)

  • b) Logaritmo de um quociente:

a

Log b Log (a) - Log(b)

  • c) Logaritmo de uma potência:

Log(a) n = nLog (a)

  • d) Logaritmo de uma raiz:

Log

n a
n
a

=

1

x Log (a)

 

n

  • e) Ln N = x

e x = N

  • 1.6 - PERCENTAGEM:

c) Logaritmo de uma potência: Log(a) = nLog (a) d) Logaritmo de uma raiz: Log n

A expressão por cento, indicada pelo símbolo “ % ”, significa que o número está sendo dividido

por 100, ou seja, 20 % =

20

100 = 0,20

DICA:

Nas fórmulas, fração decimal 0,20.

os cálculos com percentagens são realizados trabalhando-se sob a forma de

  • 1.7 - REGRA DE TRÊS (SIMPLES)

a

................

b

x

................

c

ac

x

b

2 - INTRODUÇÃO 2.1 - CONCEITO:

2 - INTRODUÇÃO 2.1 - CONCEITO: A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de

A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas

de

investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a operação financeira a um Fluxo de Caixa. Trata do desenvolvimento de medidas, critérios e parâmetros que permitam comparar e selecionar diferentes alternativas de investimentos. O valor do dinheiro no tempo é um dos conceitos básicos na matemática financeira. O preço do dinheiro é dado através das taxas de juro.

Capital

O Capital é o valor aplicado através de alguma operação financeira. Também conhecido como:

Principal, Valor Atual, Valor Presente ou Valor Aplicado. Em inglês usa-se Present Value (indicado pela tecla PV nas calculadoras financeiras).

Juros

Juros representam a remuneração do Capital empregado em alguma atividade produtiva. Os

juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

JUROS SIMPLES: o juro de cada intervalo de tempo sempre é calculado sobre o capital inicial emprestado ou aplicado.

JUROS COMPOSTOS: o juro de cada intervalo de tempo é calculado a partir do saldo no início de correspondente intervalo. Ou seja: o juro de cada intervalo de tempo é incorporado ao capital inicial e passa a render juros também.

O juro é a remuneração pelo empréstimo do dinheiro. Ele existe porque a maioria das pessoas prefere o consumo imediato, e está disposta a pagar um preço por isto. Por outro lado, quem for capaz de esperar até possuir a quantia suficiente para adquirir seu desejo, e neste ínterim estiver disposta a emprestar esta quantia a alguém, menos paciente, deve ser recompensado por esta abstinência na

proporção do tempo e risco , que a operação envolver. O tempo, o risco e a

proporção do tempo e risco, que a operação envolver. O tempo, o risco e a quantidade de dinheiro disponível no mercado para empréstimos definem qual deverá ser a remuneração, mais conhecida como taxa de juros.

Quando usamos juros simples e juros compostos?

A maioria das operações envolvendo dinheiro utiliza juros compostos. Estão incluídas: compras a médio e longo prazo, compras com cartão de crédito, empréstimos bancários, as aplicações financeiras usuais como Caderneta de Poupança e aplicações em fundos de renda fixa, etc. Raramente encontramos uso para o regime de juros simples: é o caso das operações de curtíssimo prazo, e do processo de desconto simples de duplicatas.

Taxa de juros

A

taxa

de juros

indica qual

remuneração será paga ao dinheiro emprestado, para um

determinado período. Ela vem normalmente expressa da forma percentual, em seguida da

especificação do período de tempo a que se refere:

8 % a.a. - (a.a. significa ao ano). 10 % a.t. - (a.t. significa ao trimestre).

Outra forma de apresentação da taxa de juros é a unitária, que é igual a taxa percentual dividida por 100, sem o símbolo %:

0,15 a.m. - (a.m. significa ao mês). 0,10 a.q. - (a.q. significa ao quadrimestre)

O valor dos juros ao final de um determinado período é obtido pela multiplicação da taxa de juros do período e o valor investido. Isto é, considerando-se uma taxa de 8% ao ano e uma aplicação inicial de $1.000,00, teremos, ao final de 1 ano, juros de:

j = 1.000,00 x 0,08 j = 80,00

  • 2.2 - NOÇÕES SOBRE FLUXO DE CAIXA:

2.2 - NOÇÕES SOBRE FLUXO DE CAIXA: Denomina-se fluxo de caixa ao conjunto de entradas e

Denomina-se fluxo de caixa ao conjunto de entradas e saídas de dinheiro (caixa) ao longo do tempo. Geralmente é representado por um diagrama, onde:

  • - linha horizontal: representa o tempo (períodos), que pode ser expresso em dias, quinzenas, meses anos, etc.

  • - saídas de dinheiro: indicam pagamentos e são representados por flechas apontadas para baixo e seus valores são registrados com sinais negativos.

    • - entradas de dinheiro: indicam recebimentos e são representados por flechas direcionais para

cima e seus valores terão sinais positivos.

  • 2.3 - SIMBOLOGIA:

FV (Valor Futuro - Montante): equivale à soma do principal mais os juros do período. Em um diagrama de Fluxo de Caixa, representa os valores em datas futuras.

PV (Valor Presente - Principal): capital inicial. Em um diagrama de Fluxo de Caixa representa o valor atual, ou valores que se antecipem a outros.

n (Prazo): número de períodos da operação, ou número de repetições do mesmo Fluxo de Caixa.

i (taxa de juro): taxa de juro expressa em percentagem “%” quando utilizamos o teclado financeiro da calculadora e, em fração decimal, nos demais casos.

PMT (Prestações): em um diagrama de Fluxo de Caixa representa os valores de uma série uniforme de pagamentos / recebimentos que ocorrem no início / fim de cada período,

durante n períodos. Cfj (Fluxo de Caixa): valor da entrada ou saída de caixa no momento “j” (j = 0, 1, 2,

,

n).

NPV (Valor Presente Líquido): diferença entre o valor presente dos recebimentos e o valor presente dos desembolsos requeridos pelo investimento, em função de uma taxa de juro “i”.

 IRR (Taxa Interna de Retorno): é a taxa de juro que iguala o valor presente

IRR (Taxa Interna de Retorno): é a taxa de juro que iguala o valor presente dos recebimentos ao valor presente dos desembolsos requeridos pelo investimento.

  • 2.4 - DIAGRAMAS DO FLUXO DE CAIXA:

Tendo em vista que os problemas de Matemática Financeira envolvem pagamentos e recebimentos em períodos diferentes de tempo, é importante representá-los de maneira que possamos visualizar o problema.

Esta representação é dada pelo Diagrama do Fluxo de Caixa, o qual apresenta o resumo dos eventos (pagamentos / recebimentos) ao longo de uma linha temporal.

O ponto zero corresponde ao instante inicial (presente) e os demais pontos correspondem ao final de cada período.

Os recebimentos serão

representados por setas apontadas

para cima, indicando valores

positivos (+), e os pagamentos por setas apontadas para baixo, caracterizando os valores negativos (-).

  • 2.5 - TIPOS DE FLUXO DE CAIXA

Pagamento Único (binário) PV

 
  • 0 1

2

n

FV

 

Variáveis: PV, FV, n, i

Pagamentos Iguais (múltiplo) PV

 
  • 0 1

2

n

 

PMT

Variáveis: PV, PMT, n, i

FV 0 1 2 n PMT Pagamentos irregulares (complexo) Variáveis: FV, PMT, n, i CF CF
 

FV

0

1

2

n

 

PMT

Pagamentos irregulares (complexo)

 

Variáveis: FV, PMT, n, i

CF 0

CF 2

0

1

2

n-1

n

 

CF 1

 

CF n-1

CF n

Variáveis: CFO, Cfj, Nj, i Funções: NPV, IRR

2.6 - EQUIVALÊNCIA DE FLUXOS DE CAIXA

Dois ou mais Fluxos de Caixa são equivalentes quando não podemos determinar qual é o melhor, ou seja, somos indiferentes no momento da escolha.

Esta equivalência somente é dada a uma determinada taxa de juro e, necessariamente, todos os Fluxos de Caixa Equivalentes deverão ter o mesmo Valor Presente (PV) e o mesmo Valor Futuro (FV).

Da idéia de equivalência de Fluxos de Caixa a uma determinada taxa de juro, decorre o conceito do valor do dinheiro no tempo, Isto é, não importa apenas o valor numérico dos eventos, mas também, o momento em que tais eventos ocorrem.

Economia Financeira

10

Leandro Hirt

Rassier

Exemplo:

Exemplo: Admitindo-se um custo de oportunidade de 10% a.m., os dois Fluxos de Caixa abaixo são

Admitindo-se um custo de oportunidade de 10% a.m., os dois Fluxos de Caixa abaixo são equivalentes.

$ 1.000,00

Exemplo: Admitindo-se um custo de oportunidade de 10% a.m., os dois Fluxos de Caixa abaixo são

0

1 mês

 

$ 1.100,00

0

1 mês

3 - JUROS SIMPLES

3.1 - CONCEITOS:

São calculados com base no capital inicial, não incidem, pois sobre os juros acumulados. Podemos definir o juro como sendo a remuneração de um capital obtido (ou aplicado) por um determinado tempo a uma certa taxa. O cálculo matemático é linear, ou seja, o dinheiro cresce em progressão aritmética ao longo do tempo. A taxa e o prazo devem sempre estar expressos na mesma unidade de tempo.

A taxa de juro “i” pode ser expressa em percentagem ou em fração decimal (forma

unitária). Percentagem: 10% ao mês Fração decimal: 0,10 a.m., ou seja, Taxa %

100

Obs.: Nas fórmulas de Matemática Financeira é utilizada a forma unitária.

Ao se estabelecer a taxa de juro, deve-se ter presente, no mínimo três variáveis:

  • 1 - Custos Operacionais;

  • 2 - Riscos da Operação;

  • 3 - Ganho sobre o Capital.

3.2 - Fórmulas:

Economia Financeira

11

Leandro Hirt

Rassier

Juros:

J = PV x i x n
J = PV x i x n

Valor Futuro:

FV PV PV   J i n

FV PV

FV PV (1 i n)

Valor Presente:

Prazo:

PV   1 FV i  n 
PV 
1 FV
i
n
 PV i n  FV PV 
PV i
n 
FV PV
Juros: J = PV x i x n Valor Futuro: FV  PV  PV 

Observação: O prazo será dado em função do período a que se refere a taxa. Assim, se a taxa for anual, o prazo será dado em anos.

Taxa de Juro:

 PV n i  FV PV 
PV n
i 
FV PV

Observação: O período da taxa será dado em função do prazo. Assim, se o prazo for de

“x” anos, a taxa será anual. REGRA PRÁTICA para compatibilizar o prazo da operação com a unidade de tempo da taxa.

“Divide-se o prazo da operação (em dias) pelo número de dias da unidade de tempo em que a taxa está expressa”.

ou seja:

N

n

N i

, onde:

N = prazo da operação, em dias. Ni = prazo em que a taxa está expressa, em dias.

EXEMPLO:

Economia Financeira

12

Leandro Hirt

Rassier

N = 2 meses

60

n

180

i = 35% ao semestre

N = 2 meses 60 n  180 i = 35% ao semestre OBS .: Essa

OBS.: Essa regra é aplicável em problemas de juros e descontos simples e juros compostos (exceto com a variável “PMT”).

3.3 - TIPOS DE JUROS SIMPLES

Tendo em vista as transações financeiras operadas com prazos determinados por certo número de dias, então deparamos com tais casos:

Caso 1 Ano Civil: considerar 365 dias ou 366 dias para o ano bissexto.

Caso 2 Ano Comercial: considerar 360 dias.

3.3.1 - JUROS SIMPLES EXATO

Neste tipo de convenção adotada para determinação do tempo é a do ano civil.

Exemplo:

Calcular o juro simples exato de R$ 20.000,00 à taxa de 12% ao ano, de 05 de abril a 10 de setembro do mesmo ano. -

abril

25 dias

maio

junho

julho

agosto

-

-

-

-

31 dias

30 dias

31 dias

31 dias

setembro - 10 dias

158 dias

3. 3.2 - JUROS SIMPLES COMERCIAL

Neste tipo de conversão adotada para determinação do tempo é a do ano comercial.

Exemplo:

Calcular o juro simples comercial de R$ 20.000,00 a taxa de 12% ao ano, de 5 de abril a 10 de setembro do mesmo ano.

abril

-

Economia Financeira

Rassier

25 dias

13

Leandro Hirt

maio a agosto - 120 dias

setembro -

10 dias

155 dias

J 20 000 00 x

.

,

12

100

x

  • 155 360 $1.033,33

R

maio a agosto - 120 dias setembro - 10 dias 155 dias J  20 000

3.3.3 - JUROS SIMPLES PELA REGRA DOS BANQUEIROS

Neste tipo de juros simples devemos seguir a regra abaixo.

  • - Convenção do ano comercial na aplicação da fórmula de juros simples (ano de 360 dias).

  • - Convenção do ano civil para contagem do número de dias (número exato de dias).

Exemplo:

Calcular o juro simples pela Regra dos Banqueiros de R$ 20.000,00 à taxa de 12% ao ano, de 05 de abril a 10 de setembro do mesmo ano.

J 20 000 00 x

.

,

12

100

x

  • 158 360 $1.053,33

R

Taxas proporcionais:

Duas ou mais taxas de juros são ditas proporcionais quando ao serem aplicadas ao mesmo valor presente, durante um mesmo período de tempo, gerarem o mesmo valor futuro no final do período, no regime de Juros Simples.

Relação existente entre diferentes taxas proporcionais:

  • DICA:

i a = 2 i s = 4 i t = 12 i m = 360 i d i s = 2 i t = 6 i m = 180 i d i t = 3 i m = 90 i d i m = 30 i d

  • A proporcionalidade existente entre as taxas de juro, em regime de Juros Simples, é a

mesma existente entre os prazos a que elas se referem. Deste modo, podem ser encontradas através de uma regra de três simples.

Economia Financeira

14

Leandro Hirt

Rassier

EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS 1) Qual o montante gerado por um capital de R$ 450,00 aplicado a uma taxa

1) Qual o montante gerado por um capital de R$ 450,00 aplicado a uma taxa de 6,4% ao mês, durante 4 meses? (R$ 565,20)

2) Quanto tempo um capital de R$ 210,00 precisa permanecer depositado em um Banco, a uma taxa de 1,2% ao mês, para gerar um montante de R$ 840,00? (250 meses)

3) A aplicação de R$ 285,00, pelo prazo de 325 dias, proporcionou um rendimento de R$ 41,04. Determine a taxa mensal de juros dessa operação? (1,329% a.m.)

4) Calcule o valor dos juros referente a um empréstimo de R$ 640,00, contratado no dia 14.07.08, com vencimento em 27.09.08, a uma taxa de 90% ao ano? (p/ 1 ano = 360 dias; J = R$ 116,80)

5) Quanto devo aplicar para obter, no final de 92 dias, a uma taxa de 2,6% ao mês, o montante de R$ 906,08? (R$ 839,19)

6) Um indivíduo aplicou o valor de R$ 150,00, obtendo R$ 22,68 de juros. Sabendo-se que a taxa foi de 1,8% ao mês, determine por quantos dias foi realizada essa operação? (252 dias)

7) Calcule o valor de resgate produzido por uma aplicação de R$ 540,00, contratada em 20.07.08, com vencimento em 23.09.08, a uma taxa de 1,2% ao ano? ( R$ 541,13)

8) Determine os juros gerado por certo capital, que permanecendo aplicado por 72 dias, a uma taxa de 5,2% ao mês, propiciou um montante de R$ 680,00? (R$ 75,45)

9) Ao aplicar R$ 670,00 um indivíduo resgatou R$ 792,44 no final de 120 dias. Calcule a taxa mensal dessa operação? (4,56 %)

10) Uma aplicação realizada pelo prazo de 7 meses, a uma taxa de 13,2% ao ano, produziu juros de R$ 54,18. Determine o valor investido? (R$ 703,63)

11) Calcule o valor dos juros de um financiamento de R$ 1.450,00, contratado a uma taxa de 7,5% ao mês, durante 48 dias? (R$ 174,00)

12) Determine o

montante gerado por certo capital, que produziu juros no valor de R$

8.400,00, num prazo de 63 dias, a uma taxa de 10% ao ano? (488.400,00)

13) Quantos dias serão necessários para um capital de R$ 350,00 gerar um montante de R$ 547,40, se for aplicado a uma taxa de 4,0 % ao mês? (423 dias)

14) Um capital de R$ 380,00, aplicado durante 45 dias, proporcionou juros de R$ 39,90. Calcule a taxa anual dessa operação? (84 %)

Economia Financeira

15

Leandro Hirt

Rassier

15) Determine quanto será preciso depositar hoje em um Banco, que paga uma taxa de 13

15) Determine quanto será preciso depositar hoje em um Banco, que paga uma taxa de 13 % ao ano, para que se obtenha um montante de R$ 953,75, no final de 15 meses? (R$ 820,43)

4 - DESCONTO

Desconto é o abatimento que se obtém / concede em um título para pagamento antes do vencimento.

D = FV - PV
D = FV - PV

Fórmula Geral

Existem dois tipos de descontos. O desconto “por fora” (ou bancário, ou comercial) e o desconto “por dentro” (ou racional).

Desconto Bancário

No bancário o desconto é calculado sobre o valor nominal do título. É obtido em função

de cálculos lineares, multiplicando-se o valor nominal do título pela taxa de desconto (em função decimal) e o resultado pelo prazo a decorrer até o vencimento do título, como segue:

D = FV * i D * n

Valor do

D = desconto

D = FV - PV

FV * i D x m = FV - PV

PV = FV - FV x i D x n

PV = FV (1- i D x n)

FV = Valor nominal. É a importância expressa no título. Valor de resgate, valor futuro.

n = quantidade de períodos da operação (deve estar expressa na mesma unidade de tempo da taxa).

PV = valor atual, valor presente, valor líquido entregue ou creditado ao cliente no dia da operação.

Este tipo de desconto é amplo e generalizadamente utilizado no Brasil, enquanto que o desconto por dentro praticamente inexiste em termos de aplicação.

Economia Financeira

16

Leandro Hirt

Rassier

4.1 - FÓRMULAS DE DESCONTO BANCÁRIO

4.1 - FÓRMULAS DE DESCONTO BANCÁRIO INCÓGNITAS FÓRMULAS DESCONTO FV - PV FV x i x

INCÓGNITAS

 

FÓRMULAS

 

DESCONTO

 

FV - PV

 
 

FV x i x n

 
   

PV

 

(1 - i x n)

 

FV

 

Desconto

 

i x n

 

PV + Desconto

 

i

 

1 (PV FV )

 
 

n

x 100

 

Desconto

 

FV x n

x 100

 
   

Desconto

 

N

FV x i

 
 

1(PV FV )

 
 

i

PV

 

FV - Desconto

 
 

FV (1 - i

x

n)

Obs.: As variáveis i (taxa) e n (prazo) devem estar sempre expressas na mesma unidade de tempo.

A taxa percentual (i%) deve ser transformada em decimal, Isto é:

i%

100

Economia Financeira

17

Leandro Hirt

Rassier

EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS 1. Uma empresa descontou em um Banco uma duplicata no valor de R$ 350,00, a

1. Uma empresa descontou em um Banco uma duplicata no valor de R$ 350,00, a uma taxa de 4,2% ao mês, faltando 45 dias para o seu vencimento. Calcule a importância líquida creditada à empresa? (R$ 327,95)

2. Uma nota promissória de R$ 600,00 foi descontada em 19.07.08, com vencimento em 05.09.08, gerando um desconto de R$ 55,68. Determine a taxa mensal de operação? (5,8% a.m)

4.2 - CONVERSÃO DA TAXA DE DESCONTO EM TAXA DE JURO EFETIVA SIMPLES E VICE-VERSA.

Com o intuito de tomarmos decisões sobre a antecipação de um determinado título ou a aplicação deste valor em algum ativo financeiro, deveremos comparar a taxa de desconto do período com o nosso custo de oportunidade (taxa de aplicação de que dispomos).

A fórmula para conversão da taxa de desconto do período em taxa de juro efetiva é a seguinte:

Dedução da fórmula

FV = PV (1+ ij . n)

PV = FV (1- i D . n)

i ij  D i x 100 1 D
i
ij
D
i
x 100
1
D
iD  x 100 1 ij ij
iD
x 100
1 ij ij

Caso a taxa de juro (ij) encontrada em função da taxa de desconto (i D ), seja maior do que a que dispomos, deveremos antecipar o título, caso contrário, não.

  • DICAS:

  • A taxa de juro efetiva (i), refere-se ao período total do desconto. Assim, se o prazo do desconto for de 6 meses, a taxa de juro será semestral.

    • Para transformar o prazo a que se refere a taxa de juro efetiva, basta utilizar o conceito de

taxas equivalentes.

Economia Financeira

18

Leandro Hirt

Rassier

Exemplos:

Exemplos: a) Uma operação de desconto foi realizada pelo prazo de 45 dias, a uma taxa
  • a) Uma operação de desconto foi realizada pelo prazo de 45 dias, a uma taxa de 9% ao mês. Qual a taxa de juros equivalente.

taxa no período:

9 30 45 13,5

ij

0 135

,

1

  • 0 135

,

100

15 607%

,

em

45

dias

ij mensal

15,607

45

30 10,405%

ao mês.

  • b) Uma operação de empréstimo foi efetuada pelo prazo de 20 dias, a uma taxa de juro de 12% ao mês. Determine a taxa de desconto equivalente.

taxa no período:

12 30 20 8

id

0

,

08

1

0 08

,

100

7 407%

,

em

20

dias

id

mensal 7,407 20 30 11,11% ao mês.

EXERCÍCIOS SOBRE CONVERSÃO DE TAXAS DE DESCONTO EM TAXAS DE JURO SIMPLES E VICE-VERSA

1) Um Banco está operando com uma taxa de desconto de 12,6% ao mês. Supondo uma operação pelo prazo de 45 dias, determine a taxa de juros no período e ao mês? (23,30%;

15,54%)

2) Um Banco quer ganhar 14% ao mês de juros em suas operações. Para que esse rendimento seja mantido nas operações de desconto, que taxa mensal de desconto deverá ser cobrada, considerando um prazo de 45 dias? (11,57 % a.m. ou 17,36% no período).

3) Um Banco realiza uma operação de desconto pelo prazo de 20 dias, cobrando uma taxa de 15,3% ao mês. Calcule a taxa de juros no período e ao mês? ( 11,36% e 17,04%)

4) Um Banco fixa sua taxa de ganho em 12% ao mês de juros. Determine a taxa mensal que deverá ser cobrada nas operações de desconto, nos prazos abaixo indicados, de modo que o rendimento estipulado seja preservado?

  • a- 22 dias (11,03%)

    • b- 30 dias (10,71%)

      • c- 50 dias (10,00%)

Economia Financeira

19

Leandro Hirt

Rassier

5 - JUROS COMPOSTOS

5 - JUROS COMPOSTOS São aqueles calculados sobre a soma do capital inicial mais os juros

São aqueles calculados sobre a soma do capital inicial mais os juros dos períodos anteriores. Em outras palavras, é o que se conhece como juros sobre juros.

Conceitos:

*

Remunera não somente o capital inicial, como também os rendimentos que esse capital

vai acumulando em cada período.

*

O cálculo matemático é exponencial.

*

A taxa e o prazo devem sempre estar expressos na mesma unidade de tempo.

*

A taxa de juro “i” expressa em fração decimal (fórmulas).

QUADRO COMPARATIVO ENTRE APLICAÇÃO A JUROS SIMPLES E A JUROS COMPOSTOS CONSIDERANDO UMA TAXA DE 10% a.a.

 

JUROS SIMPLES

JUROS COMPOSTOS

CAPITAL

100

100

Após 1 ano

  • 100 x 0,10 + 100 = 110

  • 100 x 0,10 + 100 = 110

Após 2 anos

  • 100 x 0,10 + 110 = 120

  • 110 x 0,10 + 110 = 121

Após 3 anos

  • 100 x 0,10 + 120 = 130

  • 121 x 0,10 + 121 = 133,10

Então: as equações básicas do sistema de juros compostos são:

FV = PV (1+ i) n

Juros = FV PV

J

PV

1

i

n

1

PV

FV

 

 

1 i

n

 

 

1 n

 

i

FV

PV

1

 

100

LN FV

PV

 

n

 
 

LN

(1

i

)

onde:

 

Economia Financeira

 

20

Leandro Hirt

Rassier

 
FV = montante (principal + juros), valor futuro, valor de resgate PV = principal, valor atual,

FV = montante (principal + juros), valor futuro, valor de resgate PV = principal, valor atual, valor presente, capital inicial i = taxa de juros expressa em fração decimal

n = número de períodos (dia, mês, ano, etc

...

)

Observação:

As variáveis “i” e “n” devem estar sempre expressas na mesma unidade de tempo.

O prazo (n) será dado em função do período a que se refere a taxa. Assim, se a taxa ( i ) for anual, o prazo será dado em anos.

O período da taxa será dado em função do prazo. Assim, se o prazo for de “x” anos, a taxa será

anual.

Taxas Equivalentes:

Duas ou mais taxas de juros são ditas equivalentes quando ao serem aplicadas ao mesmo valor presente, durante um mesmo período de tempo, gerarem o mesmo valor futuro no final do período, no regime de Juros Compostos.

Relação existente entre taxas equivalentes:

1

i

a

1

1

i

s

2

1

i

t

4

1

i

m

12

1

i

s

1

i

t

2

1

i

m

6

1

i

d

1

i

d

180

360

1

i

t

1

i

m

3

1

i

d

90

1

i

m

1

i

d

30

    i   100  
  
i
 100
 

ie

1

N

Ni

1

FÓRMULA GENÉRICA

ie = taxa equivalente (efetiva/exponencial) no período. i = taxa da operação na forma unitária. N = prazo de operação em dias. Ni = prazo em que a taxa está expressa em dias.

  • DICAS:

Economia Financeira

21

Leandro Hirt

Rassier

 A equivalência entre taxas de juro, no regime de Juros Compostos, se dá entre os
  • A equivalência entre taxas de juro, no regime de Juros Compostos, se dá entre os fatores das taxas de juros (1+ i).

    • Não devemos, em hipótese alguma, multiplicar ou dividir as taxas no regime de Juros Compostos.

EXERCÍCIOS

1) Calcule o montante gerado por um capital de R$ 180,00, aplicado a uma taxa de 3,5% ao mês, durante 4 meses. (R$ 206,55)

2) Determine os juros produzidos pelo capital de R$ 630,00, aplicado a uma taxa de 6,2% ao mês, durante 120 dias? (R$ 171,38)

3) Calcule o valor atual de um financiamento realizado pelo prazo de 5 meses, a uma taxa efetiva de 34% ao ano, tendo sido resgatado no final por R$ 309,56? (R$ 274,02)

4) Um empréstimo de R$ 40,00, contratado pelo prazo

de

18

meses, foi liquidado, no

vencimento, pelo valor de R$ 270,36. Calcule as taxas mensal e anual dessa operação?

(11,20% a.m.; 257,48% a.a. )

5) Um financiamento de R$ 420,00 foi liquidado, no vencimento, pelo valor de R$ 777,25. Sabendo-se que a taxa cobrada foi de 3,1% ao mês, determine o prazo de operação? (20,16 meses)

6) Certo capital aplicado a uma taxa de 8,5% ao mês, durante 7 meses, gerou um montante de R$ 221,27. Determine o valor dos juros da operação? (R$ 96,27)

7) Calcule o capital inicial que aplicado a uma taxa efetiva de 48% ao ano, durante 45 dias, se transformou no montante de R$ 987,21? (R$ 940,00)

8) Uma financeira empresta R$ 250,00 pelo prazo de 2 anos, proporcionando um valor de resgate de R$ 1.386,89. Determine as taxas mensal e anual dessa operação? (7,40%;

135,53%)

9) Uma pessoa obtém um empréstimo de R$ 280,00, que deverá ser pago no final de 55 dias. Sabendo-se que a taxa efetiva foi de 87,5% ao ano, calcule o valor de resgate? (R$ 308,22)

10) Um empréstimo de R$ 320,00, contratado a

uma

taxa

de

10,6% ao mês, deverá

ser

liquidado, no vencimento, por R$ 585,71. Determine o prazo dessa operação? (6 meses)

Economia Financeira

22

Leandro Hirt

Rassier

11) Uma pessoa aplicou a quantia de R$ 240,00, obtendo R$ 35,75 de juros. Sabendo-se que

11) Uma pessoa aplicou a quantia de R$ 240,00, obtendo R$ 35,75 de juros. Sabendo-se que a taxa foi de 9,7% ao mês, determine por quantos dias foi realizada essa operação? (45 dias)

12) Calcule o valor dos juros que deverá ser cobrado de um financiamento de R$ 880,00 contratado a uma taxa de 11,6% ao mês, durante 90 dias? (R$ 343,14)

13) Uma empresa efetuou uma aplicação pelo prazo de 6 meses, tendo recebido no vencimento R$ 252,87, sendo que R$ 97,87 a título de juros. Pergunta-se qual foi a taxa mensal dessa operação? (8,49946625%)

14) Uma aplicação realizada pelo prazo de 5 meses, a uma taxa de 8,7% ao mês, produziu juros de R$ 73,49. Determine o valor do capital inicial aplicado? (R$ 141,99)

6 - COMPARAÇÃO ENTRE JUROS SIMPLES E COMPOSTOS:

I)

O

capital em regime

de

Juros Simples cresce em Progressão Aritmética e em Juros

Compostos, em Progressão Geométrica.

II) Para um período de aplicação menor que o período de capitalização da taxa de juro, os rendimentos no regime de Juros Simples são maiores que em Juros Compostos.

III) Para um período de aplicação igual ao de capitalização da taxa de juro, o capital em regime de Juros Simples produz o mesmo montante do que em Juros Compostos.

IV) Para um período de aplicação maior que o de capitalização da taxa de juro, os rendimentos no regime de Juros Simples são menores que em Juros Compostos.

7

-

TAXA

EFETIVA

11) Uma pessoa aplicou a quantia de R$ 240,00, obtendo R$ 35,75 de juros. Sabendo-se que

NOMINAL

E

TAXA

Economia Financeira

Rassier

23

Leandro Hirt

TAXAS NOMINAIS

TAXAS NOMINAIS A taxa nominal é quando o período de formação e incorporação dos juros ao

A taxa nominal é quando o período de formação e incorporação dos juros ao Capital não coincide com aquele a que a taxa está referida. Alguns exemplos:

  • - 340% ao semestre com capitalização mensal.

  • - 1150% ao ano com capitalização mensal.

  • - 300% ao ano com capitalização trimestral.

Exemplo:

Uma taxa de 15 % a.a., capitalização mensal, terá 16.08 % a.a. como taxa efetiva:

15/12 = 1,25

TAXAS EFETIVAS

(1 + 0,0125) 12 = 1,1608

1,1608 1 = 0,1608 x 100 = 16,08% a.a.

A taxa Efetiva é quando o período de formação e incorporação dos juros ao Capital coincide com aquele a que a taxa está referida. Alguns exemplos:

  • - 140% ao mês com capitalização mensal.

  • - 250% ao semestre com capitalização semestral.

  • - 1250% ao ano com capitalização anual.

Taxa Real: é a taxa efetiva corrigida pela taxa inflacionária do período da operação.

A taxa nominal muitas vezes é diferente da taxa efetiva, em razão de existirem obrigações, taxas, impostos ou comissões que comprometem os rendimentos ou oneram os pagamentos de juros. Critérios diferentes para o cálculo de juros também fazem a taxa nominal diferir da efetiva, como por exemplo, juros cobrados antecipadamente ou calculados sobre um total que na realidade é pago em parcelas. Esses e outros artifícios às vezes são usados conscientemente para mascarar a taxa efetiva e fazer os juros parecerem maiores ou menores conforme a conveniência.

REGIME DE JUROS SIMPLES

Economia Financeira

24

Leandro Hirt

Rassier

a.m 1) Um capitalista depositou 200.000,00 num banco, a prazo fixo, por dois meses à taxa

a.m

1) Um capitalista depositou 200.000,00 num banco, a prazo fixo, por dois meses à taxa de 12% .. Sabendo que, sobre os juros, incide uma taxa de 30% de imposto de renda, determinar:

  • a) O valor dos juros;

  • b) O imposto de renda retido;

  • c) O valor líquido de resgate;

  • d) A taxa efetiva mensal de rendimento;

Solução:

  • a) J = PV . i . n J = 200.000 . 0,12 . 2 = R$ 48.000,00

  • b) IR = 48.000 . 0,30 = R$ 14.400,00

  • c) RESGATE BRUTO: FV = PV + J = 200.000 + 48.000 = R$ 248.000,00 RESGATE LÍQUIDO = 248.000 - 14.400 = R$ 233.600,00 (valor efetivo)

  • d) FV = PV(1 + i .n) 233.600 = 200.000 (1+ i x 2)

i

233600

.

1

200 000

.

  • 2 i = 0,084% = 8,4% (taxa efetiva de rendimento)

2) Uma instituição financeira faz empréstimos e cobra 8% a.m. de juros simples que devem ser pagos antecipadamente pelo tomador. Qual a taxa efetiva que o tomador paga por empréstimo de R$ 50.000,00 por três meses?

J = PV . i . n J = 50.000 . 0,08 . 3 = 12.000,00 (retidos na data do empréstimo)

Economia Financeira

25

Leandro Hirt

Rassier

Empréstimo efetivo = 50.000 - 12.000 = R$ 38.000 (PV efetivo) Pagamento final = R$ 50.000,00

Empréstimo efetivo = 50.000 - 12.000 = R$ 38.000 (PV efetivo)

Pagamento final = R$ 50.000,00 (FV efetivo)

Taxa efetiva: FV = PV (1 + i . n) 50.000 = 38.000 (1 + i . 3) i = 10,53% a.m. (taxa efetiva pelo pagador)

3) Um vendedor ambulante oferece, no portão, para uma dona de casa, um objeto pelo preço de R$ 1.800,00 à vista. Esclarece que, se a compradora quiser, poderá pagar 5% a mais sobre o preço total para pagar em duas vezes, isto é, poderá pagar R$ 945,00 no ato da compra e R$ 945,00 após 30 dias. Qual a taxa mensal efetiva que esse vendedor está cobrando? Solução:

Parte financiada: 1.800 - 945 = R$ 855,00 (PV efetivo) FV = PV (1 + i . n) 945,00 = 855 (1 + i . 1) i = 10,53% a.m. (taxa efetiva cobrada pelo vendedor)

REGIME DE JUROS COMPOSTOS

Convencionou-se, então, que, quando o período mencionado na taxa não corresponde ao período de capitalização, prevalece o período de capitalização, devendo-se tomar a taxa proporcional correspondente como taxa efetiva e considerar a taxa dada como nominal.

1)

A

Caderneta

de

Poupança,

além

da

atualização

monetária,

paga

juros

de

6%

a.a.

capitalizados mensalmente.

  • a) Qual a taxa nominal de juros pagos pela Caderneta de Poupança?

  • b) Qual a taxa efetiva mensal?

  • c) Qual a taxa efetiva anual?

Solução:

Economia Financeira

26

Leandro Hirt

Rassier

a)

6% a.a.

b)

6%

12

0,5% a.m.

c)

(1 + i a ) 1 = (1 + im) 12

(1 + i a )

= (1 + 0,005) 12

i a =

(1,005) 12 - 1

i a = 6,1678% a.a.

a) 6% a.a. b) 6%  0,5% c) (1 + i ) = (1 + im)

2) Uma pessoa tomou um empréstimo de R$ 10.000,00 para pagar após três meses com juros de 180% a.a capitalizados mensalmente. Na data da liberação do empréstimo pagou uma taxa de

serviço de 2,5% sobre o valor do empréstimo. Qual a taxa efetiva anual paga pelo tomador?

Solução:

Taxa mensal efetiva:

180

  • 12 = 15% a.m. da operação

2,5% x 10.000 = R$ 250,00 Empréstimo efetivo = R$ 9.750,00

Pagamento final: FV = PV (1 + i a ) n = R$ 15.208,75

FV = 10.000 (1 + 0,15) 3

Taxa efetiva mensal: FV = PV (1 + i) n 15.208,75 = 9.750 (1 + i) 3

i = 0,1595

i = 15,975% a.m. (taxa efetiva mensal) paga pelo tomador

Taxa efetiva anual: (1 + i m ) 1 = (1 + i m ) 12 i a = (1 + i m ) 12 - 1

i a =

(1 + 0,15975) 12 - 1

 

i a = 4,9205

i a = 492,05% a.a. paga pelo tomador

Economia Financeira

27

Leandro Hirt

Rassier