Você está na página 1de 6

TEORIA VS EXPERIÊNCIA

O AUTOMÓVEL

Breve história da evolução do automóvel;

O primeiro veículo motorizado a ser produzido com o propósito comercial foi


um carro com apenas três rodas. Este carro foi produzido em 1885, pelo alemão Karl
Benz e possuía um motor a gasolina. Depois foram surgindo outros modelos, vários
deles com motores de dois tempos, inventado, no ano de 1884, por Gottlieb Daimbler.

Algum tempo depois, uma empresa francesa, chamada Panhard et Levassor,


iniciou a sua própria produção e venda de veículos. Em 1892, Henry Ford produziu o
seu primeiro Ford na América do Norte, que custava 825 dólares.

Os ingleses demoraram um pouco mais em relação aos outros países europeus


devido à lei da bandeira vermelha (1862). Esta impunha aos veículos transitar somente
com uma pessoa na frente, segurando uma bandeira vermelha como sinal de aviso. O
Lanchester foi o primeiro carro inglês, depois vieram outros como: Subean, Swift,
Humber, Riley, Singer e Lagonda.

O primeiro automóvel chega a Portugal em 1895. É um veículo da marca


Panhard & Levassor, importado de Paris pelo IV Conde de Avilez.

É curioso que na primeira viagem que realiza, entre Lisboa e S. Tiago do Cacém,
este veículo é protagonista do primeiro acidente de viação em Portugal ao atropelar
um burro.

A velocidade que os primeiros carros atingiam não passava dos 30 km/h o que
para a data já era uma “coisa dos diabos”, por onde passavam assustavam as pessoas e
os animais.

No ano de 1904, surgiu o primeiro Rolls Royce. A Europa surgiu com a sua frota
de carros: em França (De Dion Bouton, Berliet, Rapid), em Itália (Fiat, Alfa-Romeo), na
Alemanha (Mercedes-Benz), a Suíça e a Espanha partiram para uma linha mais potente
e luxuosa: o Hispano-Suiza.

Após a Primeira Guerra Mundial, os fabricantes decidiram seguir uma linha de


produção mais barata, os automóveis seriam mais compactos e fabricados em séries.
Tanto Henry Ford, nos Estados Unidos da América, quanto Willian Morris, em
Inglaterra, produziram modelos como: o Ford, o Morris e o Austin. Estes tiveram uma
procura impressionante. Impressionados com o resultado, outras fábricas começaram
a produzir veículos da mesma forma, ou seja, em série.

A partir de 1913, a produção em massa de automóveis, iniciada por Henry Ford,


será determinante para a generalização deste meio de transporte. A circulação
aumenta e surgem os primeiros sinais de trânsito.

Nas décadas de 20 e 30, o automóvel generaliza-se e torna-se muito popular.


Ao mesmo tempo, atinge a expressão máxima do luxo e do requinte. Marcas como a
Rolls Royce, Bentley, Hispano-Suiza, Bugatti, Delage, Stutz, Duesenberg, entre outras,
constroem chassis de grande qualidade, sendo as luxuosas carroçarias executadas por
empresas especializadas ao gosto de cada cliente. Estes são os famosos carros que, nos
"loucos anos 20", impressionam fortemente o cidadão comum.

Nos anos 40, tecnicamente, o automóvel alcança a sua maturidade. A Citroen


lança no mercado a famosa série 7 CV, que fica conhecida em Portugal como
"arrastadeira." Este modelo comprova a possibilidade de produzir em série automóveis
inovadores e de qualidade. Possui tracção dianteira, suspensões independentes com
barras de torção, travões hidráulicos e uma estrutura monobloco toda em aço. A sua
forma, de linhas baixas, confere-lhe estabilidade e adesão à estrada.

A Europa do pós-guerra vai encontrar na indústria automóvel um factor de


desenvolvimento económico. Marcas como a FIAT em Itália, a Volkswagen na
Alemanha, a Citroën, Peugeot e Renault na França, a Austin e Morris na Inglaterra, vão
contribuir decisivamente para relançar os seus países na economia mundial

Na década de 50, a produção de automóveis em massa será direccionada para


a construção de veículos de mecânica simples. A classe média emergente procura
pequenos veículos que permitam cada vez maior autonomia e funcionalidade. O VW
"carocha", o 2CV, o Renault 4, o Fiat 600 e o 500, o Morris Minor, são exemplos de
modelos utilitários de sucesso.
Na década de 70, começam a surgir as grandes preocupações com a segurança
dos passageiros e com a crescente poluição atmosférica provocada pelos gases
emitidos pelo escape. O automóvel uniformiza-se, tanto no seu aspecto exterior como
no preço, potência e dimensão.

Hoje diferente de antigamente, o automóvel possui características como


conforto, segurança e rapidez, além de ser muito mais silencioso. Nos últimos anos, os
carros tem vindo a passar por inúmeras mudanças, e estas, tornam-nos cada vez mais
cobiçados pela grande parte dos consumidores.

O automóvel teve desde sempre um papel muito importante nas actividades


das empresas e das pessoas, desde as mais antigas camionetas de distribuição que
vieram substituir as carroças puxadas por animais, bois ou burros, até hoje, onde os
camiões transportam enormes quantidades de mercadoria. Hoje também os
vendedores que antes andavam a pé, de bicicleta ou transportes, quando havia,
passam a maior parte dos seus dias de trabalho dentro de um carro a deslocarem-se
de cliente para cliente que por vezes ficam a muitos kms de distância uns dos outros.
A Importância do automóvel na minha vida;

Durante a minha vida pessoal e profissional tive vários automóveis, na minha


vida pessoal tive carros utilitários para satisfazer as minhas necessidades enquanto na
minha vida profissional tive carros adaptados à profissão para desempenhar as
funções que desenvolvia nas diversas empresas onde trabalhei e assim poder ser mais
eficiente.

Enquanto desempenhei funções ligadas à área comercial, tive vários carros, que
eram a minha principal ferramenta de trabalho, pois sem eles era impossível deslocar-
me tão ineficazmente e rapidamente como era pretendido, estes carros eram o meu
suporte no dia-a-dia, eram mais que um simples carro, eram a ajuda perfeita, quer
para me deslocar, quer para transportar algum material e produtos quer ainda como
local onde efectuava parte do trabalho, como preencher relatórios, actualizar fichas de
clientes, etc.

Sem este magnifico evento, a minha vida e a de milhares de pessoas em todo o


mundo não tinha nem seria igual, seria muito diferente, mais difícil e complicada, e
nem o mundo teria evoluído tanto.

Hoje sem o automóvel a vida moderna que as pessoas vivem seria impossível, a
barreira da distância, hoje com este objecto está simplificada, e as pessoas deslocam-
se até quase onde quiserem, apenas limitadas pela existência de estradas.
Com a minha experiência enquanto utilizador deste equipamento, penso que
haverá muito ainda a melhorar e a desenvolver, por exemplo criaria carros com a
facilidade de voarem ou/e andarem na água, tenho a certeza que o amanhã seria
diferente, com as limitações que ainda existem hoje quebradas, onde hoje há limites
amanhã não haveria.

Uma coisa tenho quase a certeza a evolução do automóvel vai continuar e


desenvolver-se para quebrar essas limitações e novos veículos vão surgir com novas
funções e modernizações. Carros que voam ou que andam na água, tudo será possível
apenas dependem da procura e da vontade das empresas que os fabricam irem por
esse caminho, e esse caminho parece ser o futuro.

Na minha vida futura não sei até que ponto irei usar e beneficiar da evolução
do automóvel, tudo depende da actividade profissional que vier a desenvolver, mas se
vier a usar, tenho a certeza que a evolução que houver virá facilitar essa tarefa.

Carlos Santana

STC7 – Cencal - 2010