Você está na página 1de 3

DIREITO E MORAL

Como afirma o grande mestre do Direito Miguel Maria de Serpa Lopes, “ nem por ser diferente a conformação
do Sol em face da Terra, pode-se deixar de reconhecer a influência que ele exerce na vida de nosso planeta.
Assim a Moral e o Direito. Nem por neles se manifestarem, a parte de pontos de analogia, outros de
diferença, nem por isso é possível desconhecer-se a influência básica da Moral sobre o Direito”.

De se anotar que de todas as formas do comportamento humano, o jurídico ou legal (Direito) é o que mais
intimamente se relaciona com a moral, porque os dois estão sujeitos a normas que regulam as relações do
homens.

Moral e Direito têm em comum uma série de características essenciais e, é certo, ao mesmo tanto que, como
dito alhures, se diferenciam por traços específicos Analisemos pontos de convergências e as
dessemelhanças entre os temas que estão efetivamente presentes no contexto individual e coletivo.

De início observo que conceitualmente o Direito é o conjunto das normas gerais e positivas, ditadas por um
poder soberano que tem por escopo disciplinar nossa vida em sociedade. Direito, vem do latim dirigere, e
serve para guiar-nos. Várias outros conceitos existem na palavra dos mestres. Ulpiano, em seu “ Digesto,
Livro 1, de Justitia et Jura” afirma que “ius este ars boni et aequi”, ou seja Direito é a arte do bom e do
equitativo. Dante Alighieri formulou a famosa definição que Direito “é a proporção real e pessoal de homem
para homem que, conservada, conserva a sociedade e que, destruída, a destrói ( cf. Monarchia, II, 5, 1).

O festejado Mestre brasileiro MIGUEL REALE, que criou a teoria tridimensional do Direito, afirma em sua
obra “Curso de Filosofia do Direito, II, parágrafo 242”, que a ciência enfocada é “vinculação bilateral atributiva
da conduta para a realização ordenada dos valores da convivência. Muitas outras conceituações existem é
bem verdade. Assim, e de forma simples, posso afirma que Direito é norma de conduta que obriga a todos.

E o conceito de Moral ? Sem nos alongar em aprofundadas discussões filosóficas sobre o tema, moral é o
conjunto de prescrições a respeito do comportamento lícito ou ilícito, e aceitas em determinada época por
determinado grupamento humano. O desrespeito de algumas dessas regras pode originar uma tácita ou
manifesta atitude de desaprovação. Apesar de haver em cada indivíduo uma reação instintiva contra a regras
e contra obediência a qualquer autoridade, até hoje nenhum grupo, pôde existir sem as normas
constrangedoras da moral. Vale dizer que os códigos morais nascem e se fundamentam numa espécie de
contrato social tácito existente entre os membros de uma sociedade. Tais códigos à evidência podem ser
muito simples e complexos.

A partir de então, investigando os dois termos Direito e Moral, anotamos que têm entre si características
comum essenciais e ao lado disso, profundas dessemelhanças.

Vejamos, em primeiro lugar o que têm em comum:

Direito e Moral regulamentam as relações de uns homens com outros por meio de normas. Postulam,
portanto, uma conduta obrigatória e devida. Nisto se parecem também, com o trato social.

As normas morais e jurídicas têm a forma de imperativos e, por conseguinte, acarretam a exigência de que
se cumpram, isto é, de que os indivíduos se comportem necessariamente de uma certa maneira. Aí se
diferenciam das normas técnicas que regulam as relações dos homens com os meios de produção no
processo técnico , que não possuem esta forma de imperativos.
Mais ainda. Respondem a uma necessidade social: regulamentar as relações dos homens objetivando
garantir certa coesão social.

O direito e a moral mudam quando muda historicamente o conteúdo de sua função social ( dinamismo social).
Em razões disto estas formas de comportamento têm caráter histórico. A moral varia de tempos em tempos.
O Direito também. O Código Civil Brasileiro é de 1916, certas regras ali contidas não têm uso mais hoje. As
necessidades do grupamento social mudaram e o Direito exige a codificação das novas conduta.

Analisemos então: diante da afirmação de haver conteúdo comum entre os temos, é possível haver
diferenças, dessemelhanças entre eles ?

A resposta é afirmativa.

As normas morais se cumprem através da convicção íntima dos indivíduos e, portanto, exigem uma adesão
intima a tais normas. Neste sentido, pode-se falar de interioridade da vida moral ( o agente moral deve fazer
as suas ou interiorizar as normas que deve cumprir.) As normas jurídicas não exigem esta convicção íntima
ou adesão interna. O indivíduo deve cumprir a determinação legal mesmo que na sua intimidade não
concorde com ela). Daí falar-se da exterioridade do direito. O importante, no caso é que a norma se cumpra,
seja qual for a atitude do sujeito (forçada ou voluntária) com respeito a seu cumprimento. Se a norma moral
se cumpre por motivos formais ou externos, sem que o sujeito esteja intimamente convencido de que deve
atuar de acordo com ela, o ato moral não será moralmente bom. Ao contrário. A norma jurídica cumprida
formal ou externamente, isto é, ainda que o sujeito esteja convencido de que é injusta e intimamente não
queira cumpri-la, implica um ato irrepreensível do ponto de vista jurídico. Assim, a interiorizarão da norma ,
essencial ao ato moral, não o é, pelo contrário no âmbito do direito.

O fenômeno da coação é exercido de maneira diversa na moral e no direito: a coação é fundamentalmente


interna na moral e externa no direito. Isto significa que o cumprimento dos preceitos morais e garantido, antes
de tudo, pela convicção interna de que devem ser cumpridos. E ainda que a sanção da opinião pública, com
a sua aprovação ou desaprovação, leve a atuar num certo sentido, no comportamento moral se requer
sempre a adesão íntima do sujeito. Nada e ninguém nos pode obrigar internamente a cumprir a norma moral.
Isso quer dizer que o cumprimento das normas morais não é garantido por um dispositivo exterior coercitivo
que possa prescindir da vontade. O direito, pelo contrário, exige tal dispositivo, isto é, um organismo estatal
capaz de impor a observância da norma jurídica ou de obrigar o sujeito a comportar-se de certa maneira,
embora este não esteja convencido de que assim deve comportar-se devendo, pois, se necessário passar
por cima de sua vontade.

Deste modo distinto de garantir o cumprimento das normas morais e jurídicas se deduz , também, que as
primeiras não se encontram codificadas formal e oficialmente ao passo que as segundas gozam desta
expressão formal e oficial em forma de códigos, leis e diversos atos do Estado

A esfera Moral é mais ampla do que a do direito. A moral atinge todos os tipos de relação entre os homens e
as suas várias forma de comportamento ( qualquer comportamento pode ser objeto de qualificação moral). O
direito, pelo contrário regulamenta as relações humanas mais vitais para o Estado para as classes
dominantes ou para a sociedade em conjunto. Algumas forma de comportamento humano (criminalidade, por
exemplo) se encontra na esfera do direito. Existe violação de regra jurídica . O mesmo se deve dizer de
certas formas de organização social como o matrimônio e a família e as respectivas relações. Outras
relações entre os indivíduos, como o amor a amizade, a sociabilidade, não são objeto de regulamentos
jurídicos. Somente moral.

E dado que a moral cumpre uma função social vital, manifesta-se historicamente desde que o homem existe
como ser social e, portanto, anteriormente a certa forma específica de organização social ( a sociedade
dividida em classes) e à organização do Estado. Dado que a moral não exige a coação estatal, pode existir
antes da organização do Estado. O direito, ao contrário, por depender necessariamente de um dispositivo
externo de coerção de natureza estatal, acha-se ligado ao aparecimento do Estado.

A distinta relação da moral e do direito com o Estado explica, por sua vez a distinta situação de ambas as
formas de comportamento humano numa mesma sociedade. Dado que a moral não depende
necessariamente do Estado, pode-se verificar numa mesma sociedade uma moral que se harmoniza com o
poder estatal vigente e uma moral que entra em contradição com ele. Não se dá a mesma coisa com o
direito, porque , como depende necessariamente do Estado, existe somente um direito ou sistema jurídico
único para toda a sociedade, ainda que este direito não conte com o apoio moral de todos os seus membros.
Conclui-se, então, que na sociedade dividida em classes antagônicas existe somente um direito – porque
existe somente um Estado – ao passo que coexistem duas ou mais morais diversas ou opostas.

O campo do direito e da moral, respectivamente, assim como a sua relação mútua possuem um caráter
histórico. A esfera da moral se amplia à custa do direito, na medida em que os homens observam as regras
fundamentais de convivência voluntariamente, sem necessidade de coação. Esta ampliação da esfera moral
com a conseqüente redução da do direito é, por sua vez, índice de progresso social. A passagem para uma
organização social superior acarreta a substituição de certo comportamento jurídico por outro, moral. De fato,
quando o indivíduo regula as suas relações com os demais não sob a ameaça de uma pena ou pela pressão
da coação externa, mas pela íntima convicção de que deve agir assim, pode-se afirmar que nos encontramos
diante de uma forma de comportamento moral mais elevada. Vê-se, assim, que as relações entre o Direito e
a moral, historicamente mutáveis, revelam num certo momento tanto o nível alcançado pelo progresso
espiritual da humanidade, quanto o processo social e político que o torna possível.

Estes pontos de distinção, todavia são passíveis de crítica, mas guardado o princípio de que a Moral é o
fundamento do Direito e este subordinado hierárquico daquela, nenhum risco há em se mencionar os traços
diferenciais. Um ponto resta fora de dúvida: é a idéia do mínimo ético do pensador Jellinek. Cabe à norma
jurídica um mínimo de respeito à Moral, atendendo aos reclamos de sua própria essência e para possibilitar
sua eficácia social, não sendo imoral.

O Direito está sempre fundado em postulados morais, os quais são os condutores das sociedade humanas
no caminho do progresso e da civilização. O Direito ultrapassa o quadro da Moral, na proporção em que
considera o que é útil, ao passo que , na medida em que deve ter em conta o que é justo , permanece
algumas vezes aquém das exigências desta.

Concluindo: A Moral e o Direito têm pontos comuns e mostram, por sua vez, diferenças ou dessemelhanças
essenciais, mas tais relações que ao mesmo tempo possuem um caráter histórico, baseiam-se na natureza
do direito como comportamento humano sancionado pelo Estado e na natureza da moral como
comportamento que não exibe esta sanção estatal e se apóia exclusivamente na autoridade da comunidade,
expressa em normas e acatada voluntariamente.

O importante de se guardar dessas breves linhas é o seguinte: A Moral e o Direito são normas de
comportamento. Devemos cumpri-las para nosso bem-estar individual e para nossa convivência social.