Você está na página 1de 75
ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 1999 Sistemas prediais de esgoto sanitário - Projeto e

ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas

SET 1999

Sistemas prediais de esgoto sanitário - Projeto e execução

Origem: Projeto NBR 8160:1997 CB-02 - Comitê Brasileiro de Construção Civil CE-02:146.01 - Comissão de Estudo de Instalações Prediais de Esgoto Sanitário NBR 8160 - Sewage buildings systems - Design and installation Descriptors: Sewage. Installation Esta Norma substitui a NBR 8160:1983 Válida a partir de 01.11.1999

Palavras-chave: Esgoto sanitário. Instalação

74 páginas

Esgoto sanitário. Instalação 74 páginas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º

Sede:

Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ

Tel.: PABX (021) 210 -3122

Fax: (021) 220-1762/220-6436 Endereço Telegráfico:

NORMATÉCNICA

Copyright © 1999, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

Sumário

Prefácio

1 Objetivo

2 Referências normativas

3 Definições

4 Requisitos gerais 5 Dimensionamento

6 Execução

7 Manutenção

8 Qualidade

ANEXOS

A Simbologia

B Dimensionamento das tubulações do subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário - Método hi- dráulico

C Modelo para verificação da suficiência de ventilação primária em sistemas prediais de esgoto sanitário

D Dimensionamento do subsistema de ventilação se- cundária

E Procedimentos e cuidados a serem tomados na exe- cução dos sistemas prediais de esgoto sanitário

F Procedimentos e cuidados a serem tomados na manu- tenção dos sistemas prediais de esgoto sanitário

G Procedimentos de ensaios de recebimento dos siste- mas de esgoto sanitário

H Referências bibliográficas

eiros (CB) e dos Organismos de Normalização Se- ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo formadas por representantes dos setores envol- delas fazendo parte: produtores, consumidores e s (universidades, laboratórios e outros).

Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos CB e ONS, circulam para Consulta Pública entre os associados da ABNT e demais interessados.

As modificações técnicas de maior significado, com res- peito à norma anterior, estão relacionadas tanto à con- cepção quanto ao dimensionamento, bem como quanto

à possibilidade da verificação da necessidade ou não de

ventilação secundária, e adoção para o dimensionamento

de um método hidráulico alternativo ao método tradi- cionalmente utilizado.

Esta Norma incorpora alguns quesitos básicos referentes

à qualidade do projeto, execução, uso e manutenção das instalações prediais de esgoto sanitário.

Esta Norma contém os anexos B, C, D e G, de caráter normativo, e os anexos A, E, F e H, de caráter informativo.

1 Objetivo

Índice alfabético

 

Prefácio

Esta Norma estabelece as exigências e recomendações relativas ao projeto, execução, ensaio e manutenção dos sistemas prediais de esgoto sanitário, para atenderem

A

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é

às exigências mínimas quanto à higiene, segurança e

o

Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasi-

conforto dos usuários, tendo em vista a qualidade destes

leiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

sistemas.

2

NBR 8160:1999

Esta Norma não se aplica aos sistemas de esgoto indus- trial ou assemelhado, a não ser para estabelecer as precauções que devem ser observadas quando, neste tipo de construção, estiverem associadas à geração de esgoto sanitário.

2 Referências normativas

As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

NBR 5626:1998 - Instalação predial de água fria

NBR 6493:1994 - Emprego de cores para identifi- cação de tubulações - Procedimento

NOTA - As normas não referenciadas no texto, mas pertinentes ao tema em questão, encontram-se relacionadas no anexo H.

3 Definições

Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições:

3.1

líquida, medida entre o nível de saída e o pont xo da parede ou colo inferior do desconector, q os compartimentos ou ramos de entrada e sa dispositivo.

aparelho sanitário: Aparelho ligado à insta

3.2

dial e destinado ao uso de água para fins higiê

receber dejetos ou águas servidas.

3.3

ceber exclusivamente dejetos humanos.

3.4 barrilete de ventilação: Tubulação horizontal com

saída para a atmosfera em um ponto, destinada a receber

dois ou mais tubos ventiladores.

bacia sanitária: Aparelho sanitário destinado a re-

3.11 coletor público: Tubulação da rede coletora que re-

cebe contribuição de esgoto dos coletores prediais em qualquer ponto ao longo do seu comprimento.

3.12 coluna de ventilação: Tubo ventilador vertical que

se prolonga através de um ou mais andares e cuja ex- tremidade superior é aberta à atmosfera, ou ligada a tubo ventilador primário ou a barrilete de ventilação.

3.13 curva de raio longo: Conexão em forma de curva

cujo raio médio de curvatura é maior ou igual a duas

vezes o diâmetro interno da peça.

3.14 desconector: Dispositivo provido de fecho hídrico,

destinado a vedar a passagem de gases no sentido oposto ao deslocamento do esgoto.

3.15 diâmetro nominal (DN): Simples número que serve

como designação para projeto e para classificar, em di-

mensões, os elementos das tubulações, e que corres- ponde, aproximadamente, ao diâmetro interno da tubu- lação em milímetros.

3.16 dispositivo de inspeção: Peça ou recipiente para

inspeção, limpeza e desobstrução das tubulações.

3.17 dispositivos de tratamento de esgoto: Unidades

s a 3.20
s
a
3.20

destinadas a reter corpos sólidos e outros poluentes con-

altura do fecho hídrico: Profundidade d

tid esgoto sanitário com o encaminhamento do lí- urado a um destino final, de modo a não pre- meio ambiente.

oto industrial: Despejo líquido resultante dos

industriais.

oto sanitário: Despejo proveniente do uso da

fins higiênicos.

facilidade de manutenção: Viabilidade prática de

manutenção do sistema predial.

3.21 fator de falha: Probabilidade de que o número espe-

rado de aparelhos sanitários, em uso simultâneo, seja ultrapassado.

3.5 caixa coletora: Caixa onde se reúnem os efluentes

líquidos, cuja disposição exija elevação mecânica.

3.6 caixa de gordura: Caixa destinada a reter, na sua

parte superior, as gorduras, graxas e óleos contidos no esgoto, formando camadas que devem ser removidas periodicamente, evitando que estes componentes

escoem livremente pela rede, obstruindo a mesma.

3.7 caixa de inspeção: Caixa destinada a permitir a ins-

peção, limpeza, desobstrução, junção, mudanças de de- clividade e/ou direção das tubulações.

3.8 caixa de passagem: Caixa destinada a permitir a

junção de tubulações do subsistema de esgoto sanitário.

3.9 caixa sifonada: Caixa provida de desconector, des-

tinada a receber efluentes da instalação secundária de

esgoto.

3.10 coletor predial: Trecho de tubulação compreendido entre a última inserção de subcoletor, ramal de esgoto ou de descarga, ou caixa de inspeção geral e o coletor público ou sistema particular.

3.22 fecho hídrico: Camada líquida, de nível constante,

que em um desconector veda a passagem dos gases.

3.23 instalação primária de esgoto: Conjunto de tubu-

lações e dispositivos onde têm acesso gases pro- venientes do coletor público ou dos dispositivos de tra-

tamento.

3.24 instalação secundária de esgoto: Conjunto de tubulações e dispositivos onde não têm acesso os gases provenientes do coletor público ou dos dispositivos de tratamento.

3.25 intervenientes: Cadeia de participantes que atuam

com o objetivo de planejar, projetar, fabricar, executar, utilizar e manter o empreendimento.

3.26 manual de uso, operação e manutenção: Conjunto

de documentos onde constam informações para o ade-

quado uso e operação do sistema predial, bem como procedimentos claros para sua manutenção.

NBR 8160:1999

3

3.27 projeto “como construído: Documento cadastral

composto do projeto original modificado por alterações efetuadas durante a execução do sistema predial de es- goto sanitário.

3.28 programa de necessidades: Documento contendo

as informações básicas sobre as necessidades dos usuários finais do empreendimento.

3.29 ralo seco: Recipiente sem proteção hídrica, dotado

de grelha na parte superior, destinado a receber águas de lavagem de piso ou de chuveiro.

3.30 ralo sifonado: Recipiente dotado de desconector,

com grelha na parte superior, destinado a receber águas de lavagem de pisos ou de chuveiro.

3.31 ramal de descarga: Tubulação que recebe direta-

mente os efluentes de aparelhos sanitários.

3.32 ramal de esgoto: Tubulação primária que recebe

os efluentes dos ramais de descarga diretamente ou a partir de um desconector.

3.33 ramal de ventilação: Tubo ventilador que interliga

o desconector, ou ramal de descarga, ou ramal de esgoto de um ou mais aparelhos sanitários a uma coluna de

ventilação ou a um tubo ventilador primário.

3.43 tubo ventilador de alívio: Tubo ventilador ligando o

tubo de queda ou ramal de esgoto ou de descarga à co- luna de ventilação.

3.44 tubo ventilador de circuito: Tubo ventilador secun-

dário ligado a um ramal de esgoto e servindo a um grupo de aparelhos sem ventilação individual (ver 3.46).

3.45 tubulação de ventilação primária: Prolongamento

do tubo de queda acima do ramal mais alto a ele ligado e

com extremidade superior aberta à atmosfera situada acima da cobertura do prédio (ver 3.49).

3.46 tubulação de ventilação secundária: Conjunto de

tubos e conexões com a finalidade de promover a venti- lação secundária do sistema predial de esgoto sanitário (ver 3.50).

3.47 unidade autônoma: Parte da edificação vinculada

a uma fração ideal de terreno, sujeita às limitações da lei, constituída de dependências e instalações de uso pri- vativo, destinada a fins residenciais ou não, assinalada

por designação especial numérica ou alfabética para efeitos de identificação e discriminação.

3.48 unidade de Hunter de contribuição (UHC): Fator

numérico que representa a contribuição considerada em função da utilização habitual de cada tipo de aparelho sanitário.

3.34

bulações pertencentes ao sistema urbano de esgoto sani

rede pública de esgoto sanitário: Conjunto de tu-

3.49 j
3.49
j

ventilação primária: Ventilação proporcionada pelo escoa pelo núcleo do tubo de queda, o qual é pro- do até a atmosfera, constituindo a tubulação de ção primária.

tário, diretamente controlado pela autorida

3.35

quanto ao comportamento final esperado p predial.

requisitos de desempenho: Exigênci

ventilação secundária: Ventilação proporcionada r que escoa pelo interior de colunas, ramais ou tes de ventilação, constituindo a tubulação de ção secundária.

3.36

do sistema predial de esgoto sanitário.

sifão: Desconector destinado a rece

uisitos gerais

3.37

tubulações e acessórios destinados a coletar e transportar

sistema predial de esgoto sanitário

4.1 Generalidades

o esgoto sanitário, garantir o encaminhamento dos gases

para a atmosfera e evitar o encaminhamento dos mesmos para os ambientes sanitários.

3.38 subsistema de coleta e transporte: Conjunto de

aparelhos sanitários, tubulações e acessórios destinados a captar o esgoto sanitário e conduzi-lo a um destino adequado.

3.39 subsistema de ventilação: Conjunto de tubulações

ou dispositivos destinados a encaminhar os gases para

a atmosfera e evitar que os mesmos se encaminhem para os ambientes sanitários.

NOTA - Pode ser dividido em ventilação primária e secundária.

3.40 subcoletor: Tubulação que recebe efluentes de um

ou mais tubos de queda ou ramais de esgoto.

3.41 tubo de queda: Tubulação vertical que recebe

efluentes de subcoletores, ramais de esgoto e ramais de descarga.

3.42 tubo ventilador: Tubo destinado a possibilitar o es-

coamento de ar da atmosfera para o sistema de esgoto e vice-versa ou a circulação de ar no interior do mesmo, com a finalidade de proteger o fecho hídrico dos desco- nectores e encaminhar os gases para atmosfera.

4.1.1 O sistema de esgoto sanitário tem por funções bá- sicas coletar e conduzir os despejos provenientes do uso adequado dos aparelhos sanitários a um destino apropriado.

4.1.2 Por uso adequado dos aparelhos sanitários pressupõe-se a sua não utilização como destino para re- síduos outros que não o esgoto.

4.1.3 O sistema predial de esgoto sanitário deve ser pro- jetado de modo a:

a) evitar a contaminação da água, de forma a garantir

a sua qualidade de consumo, tanto no interior dos

sistemas de suprimento e de equipamentos sani- tários, como nos ambientes receptores;

b) permitir o rápido escoamento da água utilizada e

dos despejos introduzidos, evitando a ocorrência de vazamentos e a formação de depósitos no interior das tubulações;

c) impedir que os gases provenientes do interior do

sistema predial de esgoto sanitário atinjam áreas de utilização;

d) impossibilitar o acesso de corpos estranhos ao in-

terior do sistema;

4

NBR 8160:1999

e) permitir que os seus componentes sejam fa-

cilmente inspecionáveis;

f) impossibilitar o acesso de esgoto ao subsistema

de ventilação;

g) permitir a fixação dos aparelhos sanitários so-

mente por dispositivos que facilitem a sua remoção

para eventuais manutenções.

4.1.3.1 O sistema predial de esgoto sanitário deve ser se- parador absoluto em relação ao sistema predial de águas pluviais, ou seja, não deve existir nenhuma ligação entre os dois sistemas.

4.1.4 A disposição final do efluente do coletor predial de

um sistema de esgoto sanitário deve ser feita:

4.2.2 Desconectores

4.2.2.1 Todos os aparelhos sanitários devem ser prote-

gidos por desconectores.

NOTA - Os desconectores podem atender a um aparelho ou a um conjunto de aparelhos de uma mesma unidade autônoma.

4.2.2.2 Os desconectores devem ser dimensionados de acordo com as diretrizes detalhadas em 5.1.1.

4.2.2.3 Podem ser utilizadas caixas sifonadas para a coleta

dos despejos de conjuntos de aparelhos sanitários, tais

como lavatórios, bidês, banheiras e chuveiros de uma mesma unidade autônoma, assim como as águas pro- venientes de lavagem de pisos, devendo as mesmas, neste caso, ser providas de grelhas.

a) em rede pública de coleta de esgoto sanitário,

quando ela existir;

b) em sistema particular de tratamento, quando não

houver rede pública de coleta de esgoto sanitário.

4.2.2.4 As caixas sifonadas que coletam despejos de

mictórios devem ter tampas cegas e não podem receber

contribuições de outros aparelhos sanitários, mesmo providos de desconector próprio.

4.2.2.5 Podem ser utilizadas caixas sifonadas para coleta

de águas provenientes apenas de lavagem de pisos, desde que os despejos das caixas sifonadas sejam enca- i h d s para rede coletora adequada à natureza espejos.

4.1.5

O sistema particular de tratamento, referido no item

1 . 5 O sistema particular de tratamento, referido no item anterior, deve ser concebido de

anterior, deve ser concebido de acordo com a norma- lização brasileira pertinente.

4.1.6

Quando da utilização de aparelhos tritur

pias de cozinha, deve ser atentado para a adeq do mesmo ao sistema, segundo recomendaçõe cante.

4.1.7

despejos provenientes de máquinas de lavar tanques situados em pavimentos sobrepostos r descarregados em tubos de queda exclusivos, a sifonada especial instalada no seu final.

Todos os materiais e componentes utili

sistemas prediais de esgoto sanitário devem

exigências previstas em 4.4.

ve ser assegurada a manutenção do fecho hí- drico dos desconectores mediante as solicitações im- postas pelo ambiente (evaporação, tiragem térmica e ação do vento, variações de pressão no ambiente) e pelo uso propriamente dito (sucção e sobrepressão).

NOTA - Estas solicitações podem ser determinadas, uma vez considerado um sistema somente com ventilação primária, através do modelo apresentado no anexo C.

4.1.8 Deve ser evitada a passagem das tubulações de

esgoto em paredes, rebaixos, forros falsos, etc. de am-

bientes de permanência prolongada. Caso não seja possível, devem ser adotadas medidas no sentido de atenuar a transmissão de ruído para os referidos am- bientes.

4.2 Componentes do subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário

4.2.1 Aparelhos sanitários

4.2.1.1 Os aparelhos sanitários a serem instalados no sis- tema de esgoto sanitário devem:

a) impedir a contaminação da água potável (re-

trossifonagem e conexão cruzada);

b) possibilitar acesso e manutenção adequados;

c) oferecer ao usuário um conforto adequado à fina-

lidade de utilização.

4.2.3 Ramais de descarga e de esgoto

4.2.3.1 Todos os trechos horizontais previstos no sistema

de coleta e transporte de esgoto sanitário devem possi- bilitar o escoamento dos efluentes por gravidade, de- vendo, para isso, apresentar uma declividade constante.

4.2.3.2

Recomendam-se as seguintes declividades mí-

nimas:

a)

2% para tubulações com diâmetro nominal igual

ou inferior a 75;

b) 1% para tubulações com diâmetro nominal igual

ou superior a 100.

NBR 8160:1999

5

4.2.3.3 As mudanças de direção nos trechos horizontais

devem ser feitas com peças com ângulo central igual ou inferior a 45°.

4.2.3.4 As mudanças de direção (horizontal para vertical

e vice-versa) podem ser executadas com peças com ân- gulo central igual ou inferior a 90°.

4.2.3.5 É vedada a ligação de ramal de descarga ou ra-

mal de esgoto, através de inspeção existente em joelho ou curva, ao ramal de descarga de bacia sanitária.

4.2.3.6 Os ramais de descarga e de esgoto devem permitir

fácil acesso para desobstrução e limpeza.

d) o trecho de comprimento igual a 40 diâmetros,

imediatamente a montante da base do tubo de queda, e o trecho do coletor ou subcoletor imediatamente a jusante da mesma base;

e) os trechos a montante e a jusante do primeiro

desvio na horizontal do coletor com comprimento igual a 40 diâmetros ou subcoletor com comprimento

igual a 10 diâmetros;

f) o trecho da coluna de ventilação, para o caso de sistemas com ventilação secundária, com compri- mento igual a 40 diâmetros, a partir da ligação da base da coluna com o tubo de queda ou ramal de esgoto.

4.2.3.7 Os ramais de descarga e de esgoto devem ser di-

mensionados conforme detalhado em 5.1.2.

4.2.4 Tubos de queda

4.2.4.4 Devem ser previstos tubos de queda especiais

para pias de cozinha e máquinas de lavar louças, providos

de ventilação primária, os quais devem descarregar em uma caixa de gordura coletiva, dimensionada de acordo com 5.1.5.1.

4.2.4.1 Os tubos de queda devem, sempre que possível,

ser instalados em um único alinhamento. Quando ne- cessários, os desvios devem ser feitos com peças for- mando ângulo central igual ou inferior a 90°, de prefe- rência com curvas de raio longo ou duas curvas de 45°.

4.2.4.5 Os tubos de queda devem ser dimensionados con- forme prescreve 5.1.3.

4.2.5 Subcoletores e coletor predial

4.2.5.1 t
4.2.5.1
t

O coletor predial e os subcoletores devem ser de ência retilíneos. Quando necessário, os desvios m ser feitos com peças com ângulo central igual ou r a 45°, acompanhados de elementos que permitam eção.

4.2.4.2

Para os edifícios de dois ou mais and

bos de queda que recebam efluentes sanitários tais como pias, tanques, máquin outros similares, onde são utilizados det provoquem a formação de espuma, devem soluções no sentido de evitar o retorno de os ambientes sanitários, tais como:

Todos os trechos horizontais devem possibilitar o mento dos efluentes por gravidade, devendo, para presentar uma declividade constante, respeitando- valores mínimos previstos em 4.2.3.2.

a)

de ventilação nas regiões de ocorrência de sobre pressão, conforme detalhado em 4.2.4.3;

não efetuar ligações de tubulações

A declividade máxima a ser considerada é de 5%.

b) efetuar o desvio do tubo de queda para a horizon-

tal com dispositivos que atenuem a sobrepressão, ou seja, curva de 90° de raio longo ou duas curvas de 45°; ou

c) instalar dispositivos com a finalidade de evitar o

retorno de espuma.

4.2.4.3 São considerados zonas de sobrepressão (ver fi-

gura 1):

a) o trecho, de comprimento igual a 40 diâmetros,

imediatamente a montante do desvio para hori- zontal;

b) o trecho de comprimento igual a 10 diâmetros,

imediatamente a jusante do mesmo desvio;

c) o trecho horizontal de comprimento igual a 40 diâ-

metros, imediatamente a montante do próximo

desvio;

4.2.5.3 No coletor predial não devem existir inserções de

quaisquer dispositivos ou embaraços ao natural es- coamento de despejos, tais como desconectores, fundo de caixas de inspeção de cota inferior à do perfil do coletor predial ou subcoletor, bolsas de tubulações dentro de

caixas de inspeção, sendo permitida a inserção de válvula de retenção de esgoto.

4.2.5.4 As variações de diâmetro dos subcoletores e co- letor predial devem ser feitas mediante o emprego de dispositivos de inspeção ou de peças especiais de am- pliação.

4.2.5.5 Quando as tubulações forem aparentes, as inter-

ligações de ramais de descarga, ramais de esgoto e subcoletores devem ser feitas através de junções a 45°, com dispositivos de inspeção nos trechos adjacentes; quando as tubulações forem enterradas, devem ser feitas

através de caixa de inspeção ou poço de visita.

4.2.5.6 O coletor predial e os subcoletores devem ser

dimensionados conforme prescreve 5.1.4.

6

NBR 8160:1999

Figu s s 4.2.6.2 ssão 4.2.6 Dispositivos complementares As caixas de gordura, poços de visita
Figu s s 4.2.6.2
Figu
s
s
4.2.6.2

ssão

4.2.6 Dispositivos complementares

As caixas de gordura, poços de visita e caixas d devem ser perfeitamente impermeabilizados de dispositivos adequados para inspeção, pos de fecho hermético, ser devidamente ventilad tituídos de materiais não atacáveis pelo esgoto

cozinha ou máquinas de lavar louças instaladas

pavimentos sobrepostos devem descarregar de queda exclusivos que conduzam o esgoto as de gordura coletivas, sendo vedado o uso de gordura individuais nos andares.

de gordura devem ser dimensionadas de m 5.1.5.1.

Caixas e dispositivos de inspeção

4.2.6.1 Caixas de gordura

É recomendado o uso de caixas de gordura quando os efluentes contiverem resíduos gordurosos.

O interior das tubulações, embutidas ou não, deve ser acessível por intermédio de dispositivos de inspeção.

Quando o uso de caixa de gordura não for exigido pela autoridade pública competente, a sua adoção fica a cri- tério do projetista.

Para garantir a acessibilidade aos elementos do sistema, devem ser respeitadas no mínimo as seguintes condições:

As caixas de gordura devem ser instaladas em locais de fácil acesso e com boas condições de ventilação.

a) a distância entre dois dispositivos de inspeção não deve ser superior a 25,00 m;

As caixas de gordura devem possibilitar a retenção e posterior remoção da gordura, através das seguintes ca- racterísticas:

b) a distância entre a ligação do coletor predial com

o público e o dispositivo de inspeção mais próximo não deve ser superior a 15,00 m; e

a) capacidade de acumulação da gordura entre cada

operação de limpeza;

b) dispositivos de entrada e de saída convenien-

temente projetados para possibilitar que o afluente e o efluente escoem normalmente;

c) altura entre a entrada e a saída suficiente para re-

ter a gordura, evitando-se o arraste do material jun-

tamente com o efluente;

d) vedação adequada para evitar a penetração de

insetos, pequenos animais, águas de lavagem de

pisos ou de águas pluviais, etc.

c) os comprimentos dos trechos dos ramais de des-

carga e de esgoto de bacias sanitárias, caixas de gordura e caixas sifonadas, medidos entre os mes- mos e os dispositivos de inspeção, não devem ser superiores a 10,00 m.

Os desvios, as mudanças de declividade e a junção de tubulações enterradas devem ser feitos mediante o em- prego de caixas de inspeção ou poços de visita.

Em prédios com mais de dois pavimentos, as caixas de inspeção não devem ser instaladas a menos de 2,00 m de distância dos tubos de queda que contribuem para elas.

NBR 8160:1999

7

Não devem ser colocadas caixas de inspeção ou poços de visita em ambientes pertencentes a uma unidade autônoma, quando os mesmos recebem a contribuição de despejos de outras unidades autônomas.

As caixas de inspeção podem ser usadas para receber efluentes fecais.

As caixas de passagem devem ser dimensionadas de acordo com 5.1.5.2.

As caixas de inspeção e os poços de visita devem ser dimensionados de acordo com 5.1.5.3.

Os dispositivos de inspeção devem ser instalados junto às curvas dos tubos de queda, de preferência à montante das mesmas, sempre que elas forem inatingíveis por dis- positivos de limpeza introduzidos pelas caixas de ins- peção ou pelos demais pontos de acesso.

4.2.7.6 O funcionamento das bombas deve ser automático

e alternado, comandado por chaves magnéticas con-

jugadas com chaves de bóia, devendo essa instalação ser equipada com dispositivo de alarme para sinalizar a

ocorrência de falhas mecânicas.

4.2.7.7 A tubulação de recalque deve ser ligada à rede de

esgoto (coletor ou caixa de inspeção) de tal forma que seja impossível o refluxo do esgoto sanitário à caixa co- letora.

4.2.7.8 A instalação de recalque e a caixa coletora devem

ser dimensionadas conforme 5.1.6.

4.3 Componentes do subsistema de ventilação

4.3.1 O subsistema de ventilação pode ser previsto de

duas formas:

a) ventilação primária e secundária; ou

b) somente ventilação primária.

Os dispositivos de inspeção devem ter as seguintes ca- racterísticas:

a) abertura suficiente para permitir as desobstruções

com a utilização de equipamentos mecânicos de lim- peza;

b) tampa hermética removível; e

4.3.2 Para o caso previsto em 4.3.1 b), deve ser verificada

a suficiência da ventilação primária prevista, através do modelo apresentado no anexo C.

4.3.3 Caso a ventilação primária não seja suficiente,

podem ser adotadas as seguintes medidas:

alterar as características geométricas do subsis-

a)

alterar as características geométricas do subsis- a) tema de coleta e transporte, devendo-se, em seguida,

tema de coleta e transporte, devendo-se, em seguida, erificar novamente a suficiência da ventilação pri-

c) quando embutidos em paredes no in

ária, conforme 4.3.2; ou

dências, escritórios, áreas públicas, et ser instalados com as tampas salientes

prover ventilação secundária.

ventilação secundária referida em 4.3.3 b) consiste, mente, em ramais e colunas de ventilação que am os ramais de descarga ou de esgoto à venti- primária ou que são prolongados acima da co- a, conforme detalhados em 4.3.5 e 4.3.6; ou então pela utilização de dispositivos de admissão de ar (VAA) devidamente posicionados no sistema. Na figura 2, a tí- tulo de ilustração, apresentam-se estes tipos de ventilação secundária.

4.3.5 A extremidade aberta do tubo ventilador primário ou coluna de ventilação deve estar situada acima da co- bertura do edifício a uma distância mínima que im- possibilite o encaminhamento à mesma das águas plu- viais provenientes do telhado ou laje impermeabilizada.

4.3.6 A extremidade aberta de um tubo ventilador primário ou coluna de ventilação, conforme mostrado na figura 3:

a) não deve estar situada a menos de 4,00 m de

qualquer janela, porta ou vão de ventilação, salvo

se elevada pelo menos 1,00 m das vergas dos res- pectivos vãos;

b) deve situar-se a uma altura mínima igual a 2,00 m

acima da cobertura, no caso de laje utilizada para outros fins além de cobertura; caso contrário, esta altura deve ser no mínimo igual a 0,30 m;

c) deve ser devidamente protegida nos trechos apa-

rentes contra choques ou acidentes que possam da-

4.2.7 Instalação de recalque

4.2.7.1

Os efluentes de aparelhos sanitário

sitivos instalados em nível inferior ao d devem ser descarregados em uma ou mais caixas de inspeção, as quais devem ser ligadas a uma caixa co- letora, disposta de modo a receber o esgoto por gravi- dade. A partir da caixa coletora, por meio de bombas, devem ser recalcados para uma caixa de inspeção (ou poço de visita), ramal de esgoto ligado por gravidade ao coletor predial, ou diretamente ao mesmo, ou ao sistema de tratamento de esgoto.

4.2.7.2 No caso de esgoto proveniente unicamente da la-

vagem de pisos ou de automóveis, dispensa-se o uso de caixas de inspeção, devendo os efluentes ser encami- nhados, neste caso, a uma caixa sifonada de diâmetro mínimo igual a 0,40 m, a qual pode ser ligada diretamente

a uma caixa coletora.

4.2.7.3 A caixa coletora deve ser perfeitamente imper-

meabilizada, provida de dispositivos adequados para inspeção, limpeza e ventilação; de tampa hermética e ser constituída de materiais não atacáveis pelo esgoto.

4.2.7.4 As caixas de gordura ligadas às caixas coletoras

devem atender às exigências indicadas na tabela 1 (ver 4.3.11), ou ser providas de tubulação de ventilação.

4.2.7.5 As bombas devem ser de construção especial, à

prova de obstruções por águas servidas, massas e lí- quidos viscosos.

nificá-la;

d) deve ser provida de terminal tipo chaminé, tê ou

outro dispositivo que impeça a entrada das águas

pluviais diretamente ao tubo de ventilação.

8

NBR 8160:1999

a) Dispositivos de admissão de ar

a) Dispositivos de admissão de ar

NBR 8160:1999

9

o de ar c) Ramais e colunas de ventilação Figura 2 - Exemplos de sistemas
o de ar c) Ramais e colunas de ventilação Figura 2 - Exemplos de sistemas

o de ar

o de ar c) Ramais e colunas de ventilação Figura 2 - Exemplos de sistemas prediais

c) Ramais e colunas de ventilação

Figura 2 - Exemplos de sistemas prediais de esgoto sanitário com ventilação secundária

10

NBR 8160:1999

VP

LAJE TERRAÇO TELHADO
LAJE
TERRAÇO
TELHADO

Figura 3 - Prolongamento do tubo de queda ou coluna de ventilação

4.3.7 Na concepção da ventilação secundária, devem ser

considerados os aspectos detalhados em 4.3.8 a 4.3.20.

4.3.12 Nos prédios cujo sistema predial de esgoto sanitário já possua pelo menos um tubo ventilador primário de DN 100 1) , fica dispensado o prolongamento dos demais tubos de queda até a cobertura, desde que estejam as as seguintes condições:

O projeto do subsistema de ventilação deve ser feito

o, o
o,
o

4.3.8

de modo a impedir o acesso de esgoto sanitá rior do mesmo, excetuando-se os trechos dos ventilação executados conforme 4.3.16 b).

4.3.9

comprimento não exceda 1/4 da altura total do

medida na vertical do referido tubo;

O tubo ventilador primário e a coluna de

devem ser verticais e, sempre que possível, em uma única prumada; quando necessárias, ças de direção devem ser feitas mediante cur gulo central não superior a 90°, e com um acl de 1%.

receba mais de 36 unidades de Hunter de buição;

ha a coluna de ventilação prolongada até acima da cobertura ou em conexão com outra existente, respeitados os limites da tabela 2.

4.3.10 Nos desvios de tubo de queda que formem um

ângulo maior que 45° com a vertical, deve ser prevista ventilação de acordo com uma das seguintes alternativas,

indicadas na figura 4:

a) considerar o tubo de queda como dois tubos inde-

pendentes, um acima e outro abaixo do desvio; ou

4.3.13 Toda tubulação de ventilação deve ser instalada com aclive mínimo de 1%, de modo que qualquer líquido que porventura nela venha a ingressar possa escoar totalmente por gravidade para dentro do ramal de des- carga ou de esgoto em que o ventilador tenha origem.

b) fazer com que a coluna de ventilação acompanhe

o desvio do tubo de queda, conectando o tubo de queda à coluna de ventilação, através de tubos ven-

tiladores de alívio, acima e abaixo do desvio.

4.3.11 Em prédios de um só pavimento, deve existir pelo

menos um tubo ventilador, ligado diretamente a uma caixa

de inspeção ou em junção ao coletor predial, subcoletor ou ramal de descarga de uma bacia sanitária e prolon- gado até acima da cobertura desse prédio, devendo-se prever a ligação de todos os desconectores a um ele- mento ventilado, respeitando-se as distâncias máximas indicadas na tabela 1.

4.3.14 Toda coluna de ventilação deve ter:

a) diâmetro uniforme;

b) a extremidade inferior ligada a um subcoletor ou a

um tubo de queda, em ponto situado abaixo da li- gação do primeiro ramal de esgoto ou de descarga, ou neste ramal de esgoto ou de descarga;

c) a extremidade superior situada acima da cobertura

do edifício, ou ligada a um tubo ventilador primário a

0,15 m, ou mais, acima do nível de transbordamento da água do mais elevado aparelho sanitário por ele servido. 2)

1) Refere-se ao tubo de queda mais afastado do coletor predial ou dos dispositivos de tratamento do esgoto. 2) Entende-se por nível de transbordamento da água do mais alto dos aparelhos sanitários, aquele referente aos aparelhos sanitários com seus desconectores ligados à tubulação de esgoto primário (bacias sanitárias, pias de cozinha, tanques de lavar, máquinas de lavar, etc.), excluindo-se os aparelhos sanitários, que despejam em ralos sifonados de piso. Não devem ser considerados como pon- tos mais elevados de transbordamento as grelhas dos ralos sifonados de piso, quando o ramal a ser ventilado servir também para outros aparelhos não ligados diretamente a eles.

NBR 8160:1999

11

Figura 4 - Desvio de tubo de queda Tabela 1- Distância máxima de um desconector

Figura 4 - Desvio de tubo de queda

Tabela 1- Distância máxima de um desconector ao tubo ventilador

Diâmetro nominal do ramal de descarga DN

Distância máxima

m

40

1,00

50

1,20

75

1,80

100

2,40

12

NBR 8160:1999

Tabela 2 - Dimensionamento de colunas e barriletes de ventilação

Diâmetro nominal do tubo de queda ou do ramal de esgoto Diâmetro nominal mínimo do
Diâmetro nominal
do tubo de queda ou
do ramal de esgoto
Diâmetro nominal mínimo do tubo de ventilação
Número de
unidades de Hunter
de contribuição
DN
40
50
75
100
150
200
250
300
Comprimento permitido
m
40
8
46
-
-
-
-
-
-
-
40
10
30
-
-
-
-
-
-
-
50
12
23
61
-
-
-
-
-
-
50
20
15
46
-
-
-
-
-
-
75
10
13
46
317
-
-
-
-
-
75
21
10
33
247
-
-
-
-
-
75
53
8
29
207
-
-
-
-
-
75
102
8
26
189
-
-
-
-
-
100
43
-
11
76
299
-
-
-
-
100
140
229
-
-
-
-
100
320
195
-
-
-
-
100
530
177
-
-
-
-
150
500
40
305
-
-
-
150
1
100
8
31
238
-
-
-
150
2
000
-
-
7
26
201
-
-
-
150
2
900
-
-
6
23
183
-
-
-
200
1
800
-
-
- 10
73
286
-
-
200
3
400
-
-
- 57
7
219
-
-
200
5
600
-
-
- 49
6
186
-
-
200
7
600
-
-
- 43
5
171
-
-
250
4
000
-
-
- 24
- 94
293
-
250
7
200
-
-
- 18
- 73
225
-
250
11
000
-
-
- 16
- 60
192
-
250
15
000
-
-
- 14
- 55
174
-
300
7 300
-
-
- 9
- 37
116
287
300
13
000
-
-
- 7
- 29
90
219
300
20
000
-
-
- 6
- 24
76
186
300
26
000
-
-
- 5
- 22
70
152

NBR 8160:1999

13

4.3.15 Quando não for conveniente o prolongamento de

cada tubo ventilador até acima da cobertura, pode ser usado um barrilete de ventilação, a ser executado com aclive mínimo de 1% até o trecho prolongado, conforme

4.3.5 e 4.3.6.

4.3.16 As ligações da coluna de ventilação aos demais

componentes do sistema de ventilação ou do sistema de

esgoto sanitário devem ser feitas com conexões apro- priadas, como a seguir:

a) quando feita em uma tubulação vertical, a ligação deve ser executada por meio de junção a 45°; ou

b) quando feita em uma tubulação horizontal, deve ser executada acima do eixo da tubulação, elevando- se o tubo ventilador de uma distância de até 0,15 m, ou mais, acima do nível de transbordamento da água do mais elevado dos aparelhos sanitários por ele ventilados, antes de ligar-se a outro tubo ventilador, respeitando-se o que segue:

1) a ligação ao tubo horizontal deve ser feita por meio de tê 90° ou junção 45° com a derivação instalada em ângulo, de preferência, entre 45° e 90° em relação ao tubo de esgoto, conforme indi- cado na figura 5;

2) quando não houver espaço vertical para a solução apresentada acima, podem ser adotados ângulos menores, com o tubo ventilador ligado somente por junção 45° ao respec esgoto e com seu trecho inicial insta mínimo de 2%;

4.3.17 Quando não for possível ventilar o ramal de des-

carga da bacia sanitária ligada diretamente ao tubo de queda (para a distância máxima, ver tabela 1), o tubo de queda deve ser ventilado imediatamente abaixo da

ligação do ramal da bacia sanitária (ver figura 6).

4.3.18 É dispensada a ventilação do ramal de descarga

de uma bacia sanitária ligada através de ramal exclusivo

a um tubo de queda a uma distância máxima de 2,40 m,

desde que esse tubo de queda receba, do mesmo pavimento, imediatamente abaixo, outros ramais de esgoto ou de descarga devidamente ventilados, conforme mostrado na figura 7.

4.3.19 Bacias sanitárias instaladas em bateria, devem ser

ventiladas por um tubo ventilador de circuito ligando a coluna de ventilação ao ramal de esgoto na região entre

a última e a penúltima bacias sanitárias, conforme in- dicado na figura 8.

Deve ser previsto um tubo ventilador suplementar a cada grupo de no máximo oito bacias sanitárias, contadas a partir da mais próxima ao tubo de queda.

4.3.20 Bacias sanitárias instaladas em bateria devem ser

ventiladas por um tubo ventilador de circuito ligando a coluna de ventilação ao ramal de esgoto na região entre

a
a

última e a penúltima bacias sanitárias, conforme indi- a figura 8.

ser previsto um tubo ventilador suplementar a cada de no máximo oito bacias sanitárias, contadas a da mais próxima ao tubo de queda.

3) a distância entre o ponto de inse de ventilação ao tubo de esgoto e mudança do trecho horizontal para a ser a mais curta possível;

4) a distância entre a saída do apa

e

a no mínimo duas vezes o diâmetro do ramal de descarga.

a inserção do ramal de ventilação deve ser igual

Quando o ramal de esgoto servir a mais de três sanitárias e houver aparelhos em andares supe- descarregando no tubo de queda, é necessária a instalação de tubo ventilador suplementar, ligando o tubo ventilador de circuito ao ramal de esgoto na região entre

o tubo de queda e a primeira bacia sanitária.

de esgoto na região entre o tubo de queda e a primeira bacia sanitária. Figura 5

Figura 5 - Ligação de ramal de ventilação

14

NBR 8160:1999

Figura 6 - Ligação de ramal d do ramal de desca mpossibilidade de ventilação
Figura 6 - Ligação de ramal d
do ramal de desca
mpossibilidade de ventilação

Figura 7 - Dispensa de ventilação de ramal de descarga de bacia sanitária

NBR 8160:1999

15

Figura 8 - Ventilação em circuito c) 4.4 Materiais 4 . 4 . 1 4)

Figura 8 - Ventilação em circuito

c)
c)

4.4 Materiais

4.4.1

4) plantas, em escala conveniente, dos ambientes sanitários, com a indicação do encaminhamento das tubulações;

Os materiais a serem empregados

prediais de esgoto sanitário devem ser esp função do tipo de esgoto a ser conduzido peratura, dos efeitos químicos e físicos, e ou solicitações mecânicas a que possam s as instalações.

4.4.2

5) detalhes (cortes, perspectivas, etc.) que se fi- zerem necessários para melhor compreensão do sistema;

Não podem ser utilizados nos sistem

memorial descritivo e especificações técnicas;

esgoto sanitário, materiais ou component

tantes na normalização brasileira.

quantificação e orçamento.

NOTA - Componentes ou materiais ainda não normalizados no âmbito da ABNT podem ser empregados, desde que atendam às normas do país de origem.

4.5 Documentação básica de projeto

A documentação básica do projeto deve contemplar:

a) projeto executivo, composto pelos seguintes itens:

1) planta baixa da cobertura, andar(es) tipo, térreo, subsolo(s), com a indicação dos tubos de queda, ramais e desvios, colunas de ventilação (no caso de sistema com ventilação secundária), dispositivos em geral;

2) planta baixa do pavimento inferior, com tra- çados e localização dos subcoletores, coletor pre- dial, dispositivos de inspeção, local de lançamento do esgoto sanitário e suas respectivas cotas;

5 Dimensionamento

5.1 Componentes do subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário

As tubulações do subsistema de coleta e transporte de esgoto sanitário podem ser dimensionadas pelo método hidráulico, apresentado no anexo B, ou pelo método das unidades de Hunter de contribuição (UHC), apresentado em 5.1.2 a 5.1.4, devendo, em qualquer um dos casos, ser respeitados os diâmetros nominais mínimos dos ramais de descarga indicados na tabela 3.

5.1.1 Desconectores

5.1.1.1 Todo desconector deve satisfazer às seguintes condições:

3) esquema vertical (ou fluxograma geral) apre- sentado em separado ou em conjunto com o sis- tema predial de águas pluviais, sem escala, in- dicando os componentes do sistema e suas inter- ligações;

a) ter fecho hídrico com altura mínima de 0,05 m;

b) apresentar orifício de saída com diâmetro igual ou

superior ao do ramal de descarga a ele conectado.

16

NBR 8160:1999

5.1.1.2 As caixas sifonadas devem ter as seguintes características mínimas:

a) ser de DN 100, quando receberem efluentes de

aparelhos sanitários até o limite de 6 UHC;

b) ser de DN 125, quando receberem efluentes de

aparelhos sanitários até o limite de 10 UHC;

c) ser de DN 150, quando receberem efluentes de

aparelhos sanitários até o limite de 15 UHC.

O ramal de esgoto da caixa sifonada deve ser dimen- sionado conforme indicado na tabela 4.

5.1.1.3 As caixas sifonadas especiais devem ter as se- guintes características mínimas:

a) fecho hídrico com altura de 0,20 m;

b) quando cilíndricas, devem ter o diâmetro interno

de 0,30 m e, quando prismáticas de base poligonal, devem permitir na base a inscrição de um círculo de diâmetro de 0,30 m;

c) devem ser fechadas hermeticamente com tampa

facilmente removível;

d) devem ter orifício de saída com o diâmetro nomi-

nal DN 75.

5.1.2 Ramais de descarga e de esgoto

5.1.2.1 Para os ramais de descarga, devem ser adotados no mínimo os diâmetros apresentados na tabela 3.

5.1.2.2 Para os aparelhos não relacionados na tabela 3,

devem ser estimadas as UHC correspondentes e o di- mensionamento deve ser feito com os valores indicados na tabela 4.

5.1.2.3 Para os ramais de esgoto, deve ser utilizada a ta- bela 5.

Tabela 3 - Unidades de Hunter de contribuição dos aparelhos sanitários e diâmetro nominal mínimo dos ramais de descarga

Aparelho sanitário Número de unidades de Hunter de contribuição Diâmetro nominal mínimo do ramal de
Aparelho sanitário
Número de unidades de
Hunter de contribuição
Diâmetro nominal
mínimo do ramal
de descarga
DN
Bacia sanitária
6
100
1)
Banheira de residência
2
40
Bebedouro
0,5
40
Bidê
1
40
Chuveiro
De residência
2
40
Coletivo
4
40
Lavatório
De residência
De uso geral
1
40
2
40
Mictório
Válvula de descarga
Caixa de descarga
Descarga automática
De calha
6
75
5
50
2
40
2
2)
50
Pia de cozinha residencial
3
50
Pia de cozinha industrial
Preparação
Lavagem de panelas
3
50
4
50
Tanque de lavar roupas
3
40
Máquina de lavar louças
2
50
3)
Máquina de lavar roupas
3
50
3)

1) O diâmetro nominal DN mínimo para o ramal de descarga de bacia sanitária pode ser reduzido para DN 75, caso justificado pelo cál- culo de dimensionamento efetuado pelo método hidráulico apresentado no anexo B e somente depois da revisão da NBR 6452:1985 (aparelhos sanitários de material cerâmico), pela qual os fabricantes devem confeccionar variantes das bacias sanitárias com saída própria para ponto de esgoto de DN 75, sem necessidade de peça especial de adaptação. 2) Por metro de calha - considerar como ramal de esgoto (ver tabela 5). 3) Devem ser consideradas as recomendações dos fabricantes.

NBR 8160:1999

17

Tabela 4 - Unidades de Hunter de contribuição para aparelhos não relacionados na tabela 3

Diâmetro nominal mínimo do ramal de descarga

Número de unidades de Hunter de contribuição

DN

UHC

40

2

50

3

75

5

100

6

Tabela 5 - Dimensionamento de ramais de esgoto

Diâmetro nominal mínimo do tubo Número máximo de unidades de Hunter de contribuição DN UHC
Diâmetro nominal
mínimo do tubo
Número máximo de unidades de
Hunter de contribuição
DN
UHC
40
3
50
6
75
20
100
160

5.1.3 Tubos de queda

3) a parte do tubo de queda abaixo do desvio, com base no número de unidades de Hunter de contribuição de todos os aparelhos que des- carregam neste tubo de queda, de acordo com os valores da tabela 6, não podendo o diâmetro nomi- nal adotado, neste caso, ser menor do que o da parte horizontal.

5.1.3.1 Os tubos de queda podem ser dimensionados pela

somatória das UHC, conforme valores indicados na ta-

bela 6.

5.1.3.2 Quando apresentarem desvios da vertical, os tubos

de queda devem ser dimensionados da seguinte forma:

5.1.4 Coletor predial e subcoletores

a) quando o desvio formar ângulo igual ou inferior a 45° com a vertical, o tubo de queda é dimensionado com os valores indicados na tabela 6;

b) quando o desvio formar ângulo superior a 45° com a vertical, deve-se dimensionar:

5.1.4.1 O coletor predial e os subcoletores podem ser di- mensionados pela somatória das UHC conforme os valores da tabela 7. O coletor predial deve ter diâmetro nominal mínimo DN 100.

1) a parte do tubo de queda acima do desvio como um tubo de queda independente, com base no número de unidades de Hunter de contribuição dos aparelhos acima do desvio, de acordo com os valores da tabela 6;

5.1.4.2 No dimensionamento do coletor predial e dos subcoletores em prédios residenciais, deve ser con- siderado apenas o aparelho de maior descarga de cada banheiro para a somatória do número de unidades de Hunter de contribuição.

2) a parte horizontal do desvio de acordo com os valores da tabela 7;

Nos demais casos, devem ser considerados todos os aparelhos contribuintes para o cálculo do número de UHC.

18

NBR 8160:1999

Tabela 6 - Dimensionamento de tubos de queda

Diâmetro nominal do tubo

 

Número máximo de unidades de Hunter de contribuição

DN

P

rédio de até três pavimentos

Prédio com mais de três pavimentos

40

   

4

 

8

50

   

10

 

24

75

   

30

 

70

100

   

240

 

500

150

   

960

1

900

200

 

2

200

3

600

250

 

3

800

5

600

300

 

6

000

8

400

Tabela 7 - Dimensionamento de subcoletores e coletor predial

Diâmetro nominal do tubo Número máximo de unidades de Hunter de contribuição em função das
Diâmetro nominal do tubo
Número máximo de unidades de Hunter de contribuição em
função das declividades mínimas
%
DN
0,5
2
4
100
-
216
250
150
-
840
1
000
200
1
400
1
920
2
300
250
2
500
2
900
3
500
4
200
300
3
900
4
600
5
600
6
700
400
7
000
8
300
10 000
12 000

5.1.5 Dispositivos complementares

5.1.5.1 Caixas de gordura

5.1.5.1.1 As caixas de gordura devem ser dimensionadas levando-se em conta o que segue:

a) para a coleta de apenas uma cozinha, pode ser

usada a caixa de gordura pequena (5.1.5.1.3 a)) ou a caixa de gordura simples (5.1.5.1.3 b));

b) para a coleta de duas cozinhas, pode ser usada a

caixa de gordura simples (5.1.5.1.3 b)) ou a caixa de

gordura dupla (5.1.5.1.3 c));

c) para a coleta de três até 12 cozinhas, deve ser

usada a caixa de gordura dupla (5.1.5.1.3 c));

d) para a coleta de mais de 12 cozinhas, ou ainda,

para cozinhas de restaurantes, escolas, hospitais, quartéis, etc., devem ser previstas caixas de gordura especiais (5.1.5.1.3 d)).

5.1.5.1.2 As caixas de gordura devem ser divididas em duas câmaras, uma receptora e outra vertedoura, sepa- radas por um septo não removível.

5.1.5.1.3 As caixas de gordura podem ser dos seguintes tipos:

a) pequena (CGP), cilíndrica, com as seguintes di- mensões mínimas:

1) diâmetro interno: 0,30 m;

2) parte submersa do septo: 0,20 m;

3) capacidade de retenção: 18 L;

4) diâmetro nominal da tubulação de saída:

DN 75;

NBR 8160:1999

19

b) simples (CGS), cilíndrica, com as seguintes

dimensões mínimas:

1) diâmetro interno: 0,40 m;

2) parte submersa do septo: 0,20 m;

3) capacidade de retenção: 31 L;

4) diâmetro nominal da tubulação de saída:

DN 75;

c) dupla (CGD), cilíndrica, com as seguintes di-

mensões mínimas:

5.1.5.3 Dispositivos de inspeção

As caixas de inspeção devem ter:

a) profundidade máxima de 1,00 m;

b) forma prismática, de base quadrada ou retangular,

de lado interno mínimo de 0,60 m, ou cilíndrica com diâmetro mínimo igual a 0,60 m;

c) tampa facilmente removível, permitindo perfeita

vedação;

1) diâmetro interno: 0,60 m;

2) parte submersa do septo: 0,35 m

3) capacidade de retenção: 120 L;

d) fundo construído de modo a assegurar rápido

escoamento e evitar formação de depósitos.

Os poços de visita devem ter:

4) diâmetro nominal da tubulação de saída:

DN 100;

a) profundidade maior que 1,00 m;

d) especial (CGE), prismática de base retangular,

com as seguintes características:

b) forma prismática de base quadrada ou retangular,

com dimensão mínima de

um diâmetro interno mínimo de 1,10 m;

1,10 m, ou cilíndrica com

1) distância mínima entre o septo e a saída:

0,20 m;

c)
c)

degraus que permitam o acesso ao seu interior;

2) volume da câmara de retenção de do pela fórmula:

V = 2 N + 20

onde:

tampa removível que garanta perfeita vedação;

fundo constituído de modo a assegurar rápido scoamento e evitar formação de sedimentos;

duas partes, quando a profundidade total for igual u inferior a 1,80 m, sendo a parte inferior formada ela câmara de trabalho (balão) de altura mínima de 1,50 m, e a parte superior formada pela câmara de acesso, ou chaminé de acesso, com diâmetro interno mínimo de 0,60 m.

N

zinhas que contribuem para a ca no turno em que existe maior afluxo;

é o número de pessoas serv

V é o volume, em litros;

3) altura molhada: 0,60 m;

4) parte submersa do septo: 0,40 m;

5) diâmetro nominal mínimo da tubulação de saída: DN 100.

5.1.6 Instalação de recalque

5.1.6.1 O dimensionamento da instalação de recalque

deve ser feito considerando-se, basicamente, os seguintes aspectos:

5.1.5.2 Caixas de passagem

As caixas de passagem devem ter as seguintes caracte- rísticas:

a) quando cilíndricas, ter diâmetro mínimo igual a

0,15 m e, quando prismáticas de base poligonal, permitir na base a inscrição de um círculo de diâmetro mínimo igual a 0,15 m;

b) ser providas de tampa cega, quando previstas em

instalações de esgoto primário;

c) ter altura mínima igual a 0,10 m;

d) ter tubulação de saída dimensionada pela tabela

de dimensionamento de ramais de esgoto, sendo o

diâmetro mínimo igual a DN 50.

a) a capacidade da bomba, que deve atender à vazão

máxima provável de contribuição dos aparelhos e dos dispositivos instalados que possam estar em funcionamento simultâneo;

b) o tempo de detenção do esgoto na caixa;

c) o intervalo de tempo entre duas partidas conse-

cutivas do motor.

5.1.6.2 A caixa coletora deve ter a sua capacidade calcu-

lada de modo a evitar a freqüência exagerada de partidas

e paradas das bombas por um volume insuficiente, bem como a ocorrência de estado séptico por um volume exa- gerado.

20

NBR 8160:1999

5.1.6.3 No caso de recebimento de efluentes de bacias

sanitárias, deve ser considerado o atendimento aos se- guintes aspectos:

a) a caixa coletora deve possuir uma profundidade

mínima igual a 0,90 m, a contar do nível da geratriz inferior da tubulação afluente mais baixa; o fundo deve ser suficientemente inclinado, para impedir a

deposição de materiais sólidos quando caixa for esvaziada completamente;

5.1.6.9 Recomenda-se que a capacidade da bomba seja considerada como sendo, no mínimo, igual a duas vezes a vazão afluente de esgoto sanitário.

5.1.6.10 O volume total é obtido pelo volume útil somado

àqueles ocupados pelas bombas (se forem do tipo submersível), tubulações e acessórios da instalação que se encontrem no interior da caixa coletora

5.1.6.11 O tempo de detenção do esgoto na caixa coletora

pode ser determinado a partir da seguinte equação:

b) a caixa coletora deve ser ventilada por um tubo

ventilador, preferencialmente independente de qualquer outra ventilação utilizada no edifício;

d =

V

t

q

c) devem ser instalados pelo menos dois grupos

motobomba, para funcionamento alternado.

NOTA - Estas bombas devem permitir a passagem de esferas com diâmetro de 0,06 m e o diâmetro nominal mínimo da tubulação de recalque deve ser DN 75.

5.1.6.4 Caso a caixa coletora não receba efluentes de

bacias sanitárias, devem ser considerados os seguintes

aspectos:

a) a profundidade mínima deve ser igual a 0,60 m;

onde:

d é o tempo de detenção do esgoto na caixa coletora,

em minutos;

V t é o volume total da caixa coletora, em metros

cúbicos;

q é a vazão média de esgoto afluente, em metros

cúbicos por minuto.

5.1.6.12 O tempo de detenção do esgoto na caixa não

deve ultrapassar 30 min, para que não haja comprome-

timento das condições de aerobiose do esgoto.

s a
s
a

b) as bombas a serem utilizadas devem permitir a

5.2 Componentes do subsistema de ventilação

passagem de esferas de 0,018 m e o diâm nal mínimo da tubulação de recalque DN 40.

tubulações do subsistema de coleta e trans-

esgoto sanitário foram dimensionadas pelo mé- áulico constante no anexo B, as tubulações do

5.1.6.5

As tubulações de sucção devem ser p

de ventilação devem ser dimensionadas pelo presentado no anexo D.

modo a se ter uma para cada bomba e possu nominal uniforme e nunca inferior ao das tubu recalque.

5.1.6.6

trário, as tubulações do subsistema de venti- vem ser dimensionadas a partir da metodologia da em 5.2.2.

As tubulações de recalque devem atingir um nível

superior ao do logradouro, de maneira que impossibilite o refluxo do esgoto, devendo ser providas de dispositivos para este fim.

5.1.6.7 O volume útil da caixa coletora pode ser deter-

minado através da seguinte expressão:

V

u

onde:

=

Q

x

t

4

V u é o volume compreendido entre o nível máximo e

o nível mínimo de operação da caixa (faixa de ope-

ração da bomba), em metros cúbicos;

Q é a capacidade da bomba determinada em função da vazão afluente de esgoto à caixa coletora, em metros cúbicos por minuto;

t é o intervalo de tempo entre duas partidas conse- cutivas do motor, em minutos.

5.1.6.8 Recomenda-se que o intervalo entre duas partidas

consecutivas do motor não seja inferior a 10 min, no sen-

tido de se preservar os equipamentos eletromecânicos de freqüentes esforços de partida.

5.2.2 Devem ser adotados os seguintes critérios para o dimensionamento do sistema de ventilação secundária:

a) ramal de ventilação: diâmetro nominal não infe-

rior aos limites determinados na tabela 8;

b) tubo ventilador de circuito: diâmetro nominal não

inferior aos limites determinados na tabela 2;

c) tubo ventilador complementar: diâmetro nominal

não inferior à metade do diâmetro do ramal de esgoto

a que estiver ligado;

d) coluna de ventilação: diâmetro nominal de acordo

com as indicações da tabela 2. Inclui-se no com- primento da coluna de ventilação, o trecho do tubo

ventilador primário entre o ponto de inserção da coluna e a extremidade aberta do tubo ventilador;

e) barrilete de ventilação: diâmetro nominal de cada

trecho de acordo com a tabela 2, sendo que o número

de UHC de cada trecho é a soma das unidades de todos os tubos de queda servidos pelo trecho, e o comprimento a considerar é o mais extenso, da base da coluna de ventilação mais distante da extremi- dade aberta do barrilete, até essa extremidade;

f) tubo ventilador de alívio: diâmetro nominal igual ao diâmetro nominal da coluna de ventilação a que estiver ligado.

NBR 8160:1999

21

Tabela 8 - Dimensionamento de ramais de ventilação

Grupo de aparelhos sem bacias sanitárias

Grupo de aparelhos com bacias sanitárias

Número de unidades de Hunter de contribuição

Diâmetro nominal do ramal de ventilação

Número de unidades de Hunter de contribuição

Diâmetro nominal do ramal de ventilação

Até 12

40

Até 17

50

13

a 18

50

18 a 60

75

19 a 36

75

-

-

6 Execução

Os sistemas prediais de esgoto sanitário devem ser

executados de acordo com o projeto, de forma a garantir

o atendimento aos requisitos de desempenho conforme

4.2.

No anexo E são apresentados alguns procedimentos e cuidados a serem tomados quando da execução dos sistemas prediais de esgoto sanitário.

No anexo G são apresentados os procedimentos de ensaios de recebimento do sistema.

As tubulações aparentes do sistema predial de esgoto sanitário devem ser pintadas conforme a NBR 6493

7 Manutenção

8.2.2 Contratante

a) definir os requisitos de desempenho;

b) estabelecer os critérios de aceitação do projeto;

c) estabelecer os critérios de aceitação após a exe-

cução;

d) gerenciar a qualidade do sistema;

e) orientar os responsáveis na utilização dos manuais

de uso, operação e manutenção; e

f) c)
f)
c)

fornecer o manual de uso, operação e manutenção o usuário final da edificação.

Os componentes do sistema predial de es devem ser mantidos estanques ao ar (excet

rojetista

das colunas de ventilação ou tubo ventilad

à

longo do tempo de uso, o máximo de eficiê

água, limpos e desobstruídos, de forma

elaborar o projeto nas suas diversas fases con- rme contratado, de acordo com esta Norma;

assessorar o executor na elaboração do projeto ara produção;

Dessa forma, é recomendada a verificaçã sistema, a fim de identificar pontos passív tenção.

No anexo F são apresentados alguns procedimentos e cuidados a serem tomados na manutenção dos sistemas prediais de esgoto sanitário.

8 Qualidade 3)

8.1 Considerações gerais

8.1.1 Para a obtenção da qualidade do sistema predial

de esgoto sanitário devem ser definidas as responsa- bilidades dos intervenientes no processo e estabelecidos

os procedimentos básicos para a garantia da qualidade.

8.1.2 A qualidade do sistema deve ser garantida em todas as fases do sistema, compreendendo: projeto, material, execução, uso, operação e manutenção.

8.2 Responsabilidades dos intervenientes

Para cada interveniente, de 8.2.1 a 8.2.8, cabem as res- ponsabilidades descritas a seguir:

elaborar o projeto “como construído”;

d) assessorar o executor na elaboração dos manuais

de uso, operação e manutenção.

8.2.4 Executor

a) elaborar o projeto para produção;

b) realizar as atividades de execução conforme as

especificações de projeto e normas pertinentes;

c) exigir dos fornecedores de componentes que os

produtos atendam às normas;

d) realizar os ensaios de recebimento do sistema;

e) obter aprovação prévia do projetista, para alte-

rações no projeto que se fizerem necessárias por

condições de constructibilidade do sistema;

8.2.1 Empreendedor

f) registrar e fornecer ao projetista as alterações reali-

zadas no projeto;

a) fornecer as diretrizes básicas do empreendimento;

b) estabelecer as diretrizes orçamentárias.

g) elaborar os manuais de uso, operação e manu-

tenção.

3) Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade (PBQP) - Subprograma Setorial da Qualidade e Produtividade, elaborado pelo sub- comitê da Indústria da Construção Civil, 1992.

22

NBR 8160:1999

8.2.5 Fornecedor de componentes

8.3.1.2 Controle do produto

a) fornecer as especificações técnicas dos produtos;

a) compatibilização com os demais subsistemas;

b) fornecer produtos que atendam às normas.

8.2.6 Órgãos públicos

a) definir critérios aos quais o sistema deva atender;

b) definir as diretrizes construtivas para a ligação

com a rede pública.

8.2.7 Usuário

b) verificação da facilidade de construção e de manu-

tenção;

c) verificação da adequabilidade do detalhamento

da documentação e dos elementos gráficos, tendo em vista as exigências de facilidade de execução do sistema; e

d) registro das não-conformidades encontradas e das soluções adotadas, de forma a poder retro- alimentar as diretrizes iniciais.

a) seguir as recomendações do manual de uso, ope-

ração e manutenção.

8.3.2 Execução

8.2.8 Gestor do sistema

8.3.2.1 Controle do processo

a) realizar as intervenções necessárias;

a) verificação do atendimento ao projeto;

b) seguir as recomendações do manual de uso, ope-

ração e manutenção.

8.3 Procedimentos para garantia da qualidade

b) verificações periódicas (lista de verificações das

atividades de execução) dos pontos de controle esta- belecidos em função das particularidades do sis- tema;

c)
c)

verificação do atendimento às normas;

Os contratos para a garantia da qualidade do i t prediais de esgoto sanitário devem relacionar mencionada de 8.3.1 a 8.3.3.

8.3.1 Projeto

8.3.1.1 Controle do processo

gistro das alterações efetuadas, de modo a bilitar a elaboração do projeto “como cons- o”;

gistro das não-conformidades encontradas e soluções adotadas, de forma a poder retro-ali- ar as diretrizes iniciais.

a) estudo das alternativas de traçados;

ntrole do produto

b) verificação do atendimento ao programa de ne-

cessidades;

a)

da documentação e dos elementos gráficos, tendo em vista as exigências de facilidade de manutenção do sistema;

verificação da adequabilidade do detalhamento

c) verificação do atendimento às normas;

d) compatibilização com os demais subsistemas;

b) realização dos ensaios de recebimento;

e) análise crítica do dimensionamento;

f) verificação da facilidade de execução e de manu-

tenção;

g) verificação da adequabilidade do detalhamento

da documentação e dos elementos gráficos, tendo em vista as condições de facilidade de execução do sistema;

c) registro das não-conformidades encontradas e das

soluções adotadas, de forma a poder retroalimentar as diretrizes iniciais.

8.3.3 Uso, operação e manutenção

8.3.3.1 Verificação do atendimento às prescrições dos

manuais de uso, operação e manutenção do proprietário

e do usuário.

h) registro das não-conformidades encontradas, e

das soluções adotadas, de forma a poder retro- alimentar as diretrizes iniciais.

8.3.3.2 Registro das não-conformidades encontradas e

das soluções adotadas, de forma a retroalimentar as diretrizes iniciais de projeto e execução.

/ANEXO A

NBR 8160:1999

23

Anexo A (informativo) Simbologia

RALO SIFONADO (RS)Anexo A (informativo) Simbologia CAIXA DE INSPEÇÃO (CI) CAIXA RETENTORA (ESPECIFICAR O TIPO DE CAIXA) VAA

Anexo A (informativo) Simbologia RALO SIFONADO (RS) CAIXA DE INSPEÇÃO (CI) CAIXA RETENTORA (ESPECIFICAR O TIPO

CAIXA DE INSPEÇÃO (CI)

CAIXA RETENTORA (ESPECIFICAR O TIPO DE CAIXA)Simbologia RALO SIFONADO (RS) CAIXA DE INSPEÇÃO (CI) VAA - VÁLVULA DE ADMISSÃO DE AR RALO

VAA - VÁLVULA DE ADMISSÃO DE AR(CI) CAIXA RETENTORA (ESPECIFICAR O TIPO DE CAIXA) RALO SECO (R) CAIXA SIFONADA (CS) A A

RALO SECO (R)O TIPO DE CAIXA) VAA - VÁLVULA DE ADMISSÃO DE AR CAIXA SIFONADA (CS) A A

CAIXA SIFONADA (CS)DE CAIXA) VAA - VÁLVULA DE ADMISSÃO DE AR RALO SECO (R) A A CAIXA (SIMP

DE ADMISSÃO DE AR RALO SECO (R) CAIXA SIFONADA (CS) A A CAIXA (SIMP CAIXA (DUPL
DE ADMISSÃO DE AR RALO SECO (R) CAIXA SIFONADA (CS) A A CAIXA (SIMP CAIXA (DUPL
DE ADMISSÃO DE AR RALO SECO (R) CAIXA SIFONADA (CS) A A CAIXA (SIMP CAIXA (DUPL
A A
A
A

CAIXA

(SIMP

CAIXA

(DUPL

TANQUE SÉPTICO

CAIXA DE PASSAGEM (CPs)DE AR RALO SECO (R) CAIXA SIFONADA (CS) A A CAIXA (SIMP CAIXA (DUPL TANQUE SÉPTICO

VÁLVULA DE RETENÇÃO (VR)DE AR RALO SECO (R) CAIXA SIFONADA (CS) A A CAIXA (SIMP CAIXA (DUPL TANQUE SÉPTICO

/ANEXO B

24

NBR 8160:1999

Anexo B (normativo) Dimensionamento das tubulações do subsistema de coleta e transporte de esgotos sanitários - Método hidráulico 4)

B.1 Condições geraiss

O roteiro detalhado em B.2 refere-se ao dimensiona- mento das tubulações do subsistema de coleta e trans- porte de esgoto sanitário, quais sejam: ramal de des- carga, ramal de esgoto, tubo de queda, subcoletor e co- letor predial, considerando o escoamento em regime permanente.

B.2 Roteiro de cálculo

B.2.1 Dimensionamento do tubo de queda

B.2.1.1 O diâmetro do tubo de queda pode ser determinado a partir da seguinte equação:

3 Faz-se necessário, igualmente, em função das características do tipo de aparelho sanitário (freqüência de uso e geometria), definir o tempo de descarga média entre descargas conse- cutivas, assim como a duração média da descarga.

B.2.1.3 Tendo-se o número total n de aparelhos sanitários instalados do tipo em questão, obtém-se então o valor de m.

Por exemplo, deve-se considerar que existam 35 apa- relhos sanitários de um determinado tipo instalados, onde o intervalo de tempo médio entre duas descargas é de 15 min, a duração média de descarga é de 10 s e o fator de falha for de 5,0%.

D Tq =

to

5/8

(1)

Com os dados acima, conforme valores indicados na tabela B.3 c), obtém-se m x = 2.

onde:

D

Tq é o diâmetro interno do tubo

de queda, em

metros;

Tal procedimento deve ser repetido para cada tipo de aparelho sanitário. O valor de q i é característico para cada tipo de aparelho sanitário.

itá i
itá i

B.2.1.4 A tabela B.4 indica valores médios de vazões

Q

por segundo;

Tq é a vazão de projeto no tubo de queda em litros

n

para alguns tipos de aparelhos sanitários.

é o coeficiente de Manning, em s/m 1/3 ;

prioritariamente devem ser considerados os specificados pelos fabricantes quando este for

to é a taxa de ocupação de água durant mento no tubo de queda, parâmetro adme

e to (a fração da seção transversal do tubo de spectivo ao anel de água), pode ser expresso te forma:

(3)

B.2.1.2 A vazão de projeto no tubo de queda obtida através da seguinte equação:

Q Tq

 

n

i

(2)

 

=

i = 1

(

m q )

i

to =

S

e

S Tq

onde:

n é o número de tipos de aparelhos sanitários no trecho considerado;

m i é o número de aparelhos sanitários, do tipo i, a

serem considerados em uso simultâneo, para um dado fator de falha;

q i é a vazão de contribuição do aparelho sanitário do tipo i, em litros por segundo.

NOTAS

onde:

to é a fração da seção transversal do tubo de queda;

S e é a área da seção transversal da coroa circular por onde escoa a água no tubo de queda;

S Tq é a área da seção transversal do tubo de queda.

Uma vez que o escoamento anular deve ser mantido, o valor de to deve ser inferior a 1/3.

1 Neste somatório, o valor de m é obtido em um conjunto de

tabelas B.1, B.2 e B.3, as quais foram elaboradas através da aplicação da distribuição binomial de probabilidades.

2 A utilização das referidas tabelas requer o estabelecimento do percentual de falhas que se deseja trabalhar.

B.2.1.5 Na tabela B.5 são apresentados alguns valores limites de vazão no tubo de queda, em litros por segundo, permitindo a determinação direta do diâmetro do tubo de queda após o cálculo da vazão de projeto e definição da taxa de ocupação, para n = 0,010 (tubulação plástica).

4) Graça, M.E.A., Gonçalves, O.M., Montenegro, M.H., cujas referências estão indicadas no anexo H.

0,116 n

3/8

Q

Tq

3/8

NBR 8160:1999

25

Tabela B.1 - Número de aparelhos a serem considerados em uso simultâneo - ξ = 1,0%

a) Intervalo de tempo médio entre descargas consecutivas = 5 min

Duração média da(s) descarga(s) em segundos 10 20 30 40 50 75 100 300 350
Duração média da(s) descarga(s) em segundos
10
20
30
40
50
75
100
300
350
400
450
500
n
= 1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
n
= 2
1
1
1
2
2
2
2
2
2
2
2
2
n
= 3
1
2
2
2
2
3
3
3
3
3
3
3
n
= 4
1
2
2
2
3
3
4
4
4
4
4
4
n
= 5
2
2
2
3
3
4
4
5
5
5
5
5
n
= 6
2
2
3
3
3
4
5
6
6
6
6
6
n
= 7
2
2
3
3
4
5
5
7
7
7
7
7
n
= 8
2
3
3
4
4
5
6
8
8
8
8
8
n
= 9
2
3
3
4
4
5
6
9
9
9
9
9
n
= 10
2
3
4
4
5
6
7
10
10
10
10
10
n
= 11
2
3
4
4
5
6
7
11
11
11
11
11
n
= 12
2
3
4
12
12
12
12
12
n
= 13
2
3
4
13
13
13
13
13
n
= 14
3
4
4
14
14
14
14
14
n
= 15
3
4
5
15
15
15
15
15
n
= 16
3
4
5
6
7
8
10
16
16
16
16
16
n
= 17
3
4
5
6
7
9
10
17
17
17
17
17
n
= 18
3
4
5
6
7
9
11
18
18
18
18
18
n
= 19
3
4
5
6
7
9
11
19
19
19
19
19
n
= 20
3
4
6
7
8
10
12
20
20
20
20
20
n
= 25
3
5
6
8
9
12
14
25
25
25
25
25
n
= 30
4
6
7
9
10
13
16
30
30
30
30
30
n
= 35
4
6
8
10
11
15
18
35
35
35
35
35
n
= 40
5
7
9
11
13
17
20
40
40
40
40
40
n
= 45
5
7
10
12
14
18
23
45
45
45
45
45
n
= 50
5
8
10
13
15
20
25
50
50
50
50
50
NOTA - n é o número total de aparelhos contribuintes ao ramal de esgoto.

26

NBR 8160:1999

b) Intervalo de tempo médio entre descargas consecutivas = 10 min

Duração média da(s) descarga(s) em segundos 10 20 30 40 50 75 100 300 350
Duração média da(s) descarga(s) em segundos
10
20
30
40
50
75
100
300
350
400
450
500
n
= 1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
n
= 2
1
1
1
1
1
2
2
2
2
2
2
2
n
= 3
1
1
1
2
2
2
2
3
3
3
3
3
n
= 4
1
1
2
2
2
2
3
4
4
4
4
4
n
= 5
1
2
2
2
2
3
3
5
5
5
5
5
n
= 6
1
2
2
2
2
3
3
6
6
6
6
6
n
= 7
1
2
2
2
3
3
4
6
7
7
7
7
n
= 8
1
2
2
3
3
4
4
7
8
8
8
8
n
= 9
1
2
2
3
3
4
4
8
8
9
9
9
n
= 10
2
2
3
3
3
4
5
9
9
10
10
10
n
= 11
2
2
3
3
3
4
5
9
10
11
11
11
n
= 12
2
2
3
3
4 10
5
5
11
11
12
12
n
= 13
2
2
3
3
11
11
12
13
13
n
= 14
2
3
3
4
11
12
13
14
14
n
= 15
2
3
3
4
12
13
14
15
15
n
= 16
2
3
3
4
13
14
15
16
16
n
= 17
2
3
3
4
5 13
6
7
14
15
16
17
n
= 18
2
3
4
4
5
6
7
14
15
16
17
18
n
= 19
2
3
4
4
5
6
7
14
16
17
18
19
n
= 20
2
3
4
4
5
6
8
15
17
18
19
20
n
= 25
2
3
4
5
6
7
9
18
20
22
23
25
n
= 30
3
4
5
6
7
8
10
21
24
26
28
29
n
= 35
3
4
5
6
7
9
11
24
27
29
32
34
n
= 40
3
5
6
7
8
10
13
27
30
33
36
38
n
= 45
3
5
6
7
9
11
14
30
34
37
40
43
n
= 50
3
5
7
8
9
12
15
33
37
41
44
47
NOTA - n é o número total de aparelhos contribuintes ao ramal de esgoto.

NBR 8160:1999

27

c) Intervalo de tempo médio entre descargas consecutivas = 15 min

Duração média da(s) descarga(s) em segundos 10 20 30 40 50 75 100 300 350
Duração média da(s) descarga(s) em segundos
10
20
30
40
50
75
100
300
350
400
450
500
n
= 1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
n
= 2
1
1
1
1
1
1
2
2
2
2
2
2
n
= 3
1
1
1
1
1
2
2
3
3
3
3
3
n
= 4
1
1
1
2
2
2
2
4
4
4
4
4
n
= 5
1
1
2
2
2
2
3
4
4
5
5
5
n
= 6
1
1
2
2
2
2
3
5
5
5
6
6
n
= 7
1
1
2
2
2
3
3
5
6
6
6
7
n
= 8
1
2
2
2
2
3
3
6
6
7
7
7
n
= 9
1
2
2
2
3
3
4
6
7
7
8
8
n
= 10
1
2
2
2
3
3
4
7
8
8
9
9
n
= 11
1
2
2
3
3
3
4
7
8
9
9
10
n
= 12
1
2
2
3
3 4
4 8
9
9
10
10
n
= 13
1
2
2
8
9
10
11
11
n
= 14
2
2
3
9
10
11
11
12
n
= 15
2
2
3
9
10
11
12
13
n
= 16
2
2
3
10
11
12
13
13
n
= 17
2
2
3
3
4 5
5 10
11
12
13
14
n
= 18
2
2
3
3
4
5
6
11
12
13
14
15
n
= 19
2
2
3
3
4
5
6
11
12
13
14
15
n
= 20
2
2
3
4
4
5
6
12
13
14
15
16
n
= 25
2
3
3
4
5
6
7
14
15
17
18
19
n
= 30
2
3
4
4
5
7
8
16
18
20
21
23
n
= 35
2
3
4
5
6
7
9
18
20
22
24
26
n
= 40
2
4
5
5
6
8
10
20
23
25
27
29
n
= 45
3
4
5
6
7
9
10
23
25
28
30
33
n
= 50
3
4
5
6
7
9
11
25
28
30
33
36
NOTA - n é o número total de aparelhos contribuintes ao ramal de esgoto.

28

NBR 8160:1999

d) Intervalo de tempo médio entre descargas consecutivas = 20 min

Duração média da(s) descarga(s) em segundos 10 20 30 40 50 75 100 300 350
Duração média da(s) descarga(s) em segundos
10
20
30
40
50
75
100
300
350
400
450
500
n
= 1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
n
= 2
1
1
1
1
1
1
1
2
2
2
2
2
n
= 3
1
1
1
1
1
2
2
3
3
3
3
3
n
= 4
1
1
1
1
1
2
2
3
3
4
4
4
n
= 5
1
1
1
2
2
2
2
4
4
4
4
5
n
= 6
1
1
1
2
2
2
2
4
4
5
5
5
n
= 7
1
1
2
2
2
2
3
5
5
5
6
6
n
= 8
1
1
2
2
2
3
3
5
5
6
6
7
n
= 9
1
1
2
2
2
3
3
5
6
6
7
7
n
= 10
1
2
2
2
2
3
3
6
6
7
7
8
n
= 11
1
2
2
2
2
3
3
6
7
7
8
8
n
= 12
1
2
2
2
3
3
4 7
7
8
8
9
n
= 13
1
2
2
2
7
8
8
9
10
n
= 14
1
2
2
3
8
8
9
10
10
n
= 15
1
2
2
3
8
9
9
10
11
n
= 16
1
2
2
3
8
9
10
11
11
n
= 17
1
2
2
3
3
4
5 10
9
10
11
12
n
= 18
1
2
2
3
3
4
5
9
10
11
12
12
n
= 19
2
2
3
3
3
4
5
9
10
11
12
13
n
= 20
2
2
3
3
3
4
5
10
11
12
13
13
n
= 25
2
2
3
3
4
5
6
12
13
14
15
16
n
= 30
2
3
3
4
4
5
7
13
15
16
18
19
n
= 35
2
3
4
4
5
6
7
15
17
18
20
21
n
= 40
2
3
4
5
5
7
8
17
19
20
22
24
n
= 45
2
3
4
5
6
7
9
18
20
23
25
27
n
= 50
2
3
4
5
6
8
9
20
22
25
27
29
NOTA - n é o número total de aparelhos contribuintes ao ramal de esgoto.

NBR 8160:1999

29

e) Intervalo de tempo médio entre descargas consecutivas = 25 min

Duração média da(s) descarga(s) em segundos 10 20 30 40 50 75 100 300 350
Duração média da(s) descarga(s) em segundos
10
20
30
40
50
75
100
300
350
400
450
500
n
= 1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
n
= 2
1
1
1
1
1
1
1
2
2
2
2
2
n
= 3
1
1
1
1
1
1
2
2
3
3
3
3
n
= 4
1
1
1
1
1
2
2
3
3
3
3
4
n
= 5
1
1
1
1
2
2
2
3
4
4
4
4
n
= 6
1
1
1
1
2
2
2
4
4
4
5
5
n
= 7
1
1
1
2
2
2
2
4
4
5
5
5
n
= 8
1
1
2
2
2
2
3
5
5
5
6
6
n
= 9
1
1
2
2
2
2
3
5
5
6
6
6
n
= 10
1
1
2
2
2
3
3
5
6
6
7
7
n
= 11
1
1
2
2
2
3
3
6
6
7
7
7
n
= 12
1
2
2
2
2
3
3 6
6
7
7
8
n
= 13
1
2
2
6
7
7
8
8
n
= 14
1
2
2
7
7
8
8
9
n
= 15
1
2
2
7
8
8
9
9
n
= 16
1
2
2
7
8
9
9
10
n
= 17
1
2
2
2
3
3
4 8
8
9
10
10
n
= 18
1
2
2
3
3
4
4
8
9
9
10
11
n
= 19
1
2
2
3
3
4
4
8
9
10
11
11
n
= 20
1
2
2
3
3
4
4
8
9
10
11
12
n
= 25
2
2
3
3
3
4
5
10
11
12
13
14
n
= 30
2
2
3
3
4
5
6
11
13
14
15
16
n
= 35
2
3
3
4
4
5
6
13
14
16
17
18
n
= 40
2
9
9
4
5
6
7
14
16
17
19
20
n
= 45
2
3
4
4
5
6
7
16
17
19
21
23
n
= 50
2
3
4
5
5
7
8
17
19
21
23
25
NOTA - n é o número total de aparelhos contribuintes ao ramal predial.

30

NBR 8160:1999

f) Intervalo de tempo médio entre descargas consecutivas = 30 min

Duração média da(s) descarga(s) em segundos 10 20 30 40 50 75 100 300 350
Duração média da(s) descarga(s) em segundos
10
20
30
40
50
75
100
300
350
400
450
500
n
= 1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
n
= 2
1
1
1
1
1
1
1
2
2
2
2
2
n
= 3
1
1
1
1
1
1
1
2
2
3
3
3
n
= 4
1
1
1
1
1
1
1
2
3
3
3
3
n
= 5
1
1
1
1
1
2
2
3
3
4
4
4
n
= 6
1
1
1
1
2
2
2
3
4
4
4
4
n
= 7
1
1
1
1
2
2
2
4
4
4
5
5
n
= 8
1
1
1
2
2
2
2
4
4
5
5
5
n
= 9
1
1
1
2
2
2
3
4
5
5
5
6
n