Você está na página 1de 1

Diego de Campos Domingos

2 avaliao Introduo Antropologia


Questo 1 A teoria de Fredrik Barth sobre os grupos tnicos e as relaes entre cultura
e identidade
A etnicidade, para Barth (2000), estaria diretamente relacionada com a forma como os
grupos tnicos se organizam e no necessariamente pelo aspecto geogrfico, pois mesmo com
a existncia de fronteiras h movimentao e intercmbio entre os grupos. A etnicidade
atribuda pelos prprios membros dos grupos tnicos, ou seja, as distines tnicas no
dependem de uma ausncia de interao social e aceitao, mas so, muito pelo contrrio,
frequentemente as prprias fundaes sobre as quais so levantados os sistemas sociais
englobantes (BARTH, 2000, p. 186).
Os grupos tnicos so, na realidade, categorias s quais os elementos so identificados
pelos prprios sujeitos, sendo que esses compartilham valores culturais em torno dos quais o
grupo se organiza, interage e categoriza a sim mesmo e os outros. Desse modo, o autor
destaca as dimenses relacional e situacional do que seria a identidade tnica e que, nesse
sentido, a elaborao e manuteno das fronteiras tnicas podem ser compreendidas com um
jogo de interesses no qual h a disputa entre cdigos e diferenas culturais que so relevantes
para o grupo, ou seja, a identidade tnica uma construo social que d a partir dos membros
do grupo e que pressupe o conflito entre as dimenses individual-coletiva e interior-exterior.
Assim, para o autor, a identidade tnica no esttica tendo em vista que essa se transforma a
partir das relaes, dos interesses e do contexto (BARTH, 2000).

Trata-se de compreender como as fronteiras tnicas so mantidas segundo um conjunto


imitado de traos culturais que entram em disputa no momento de interao social entre os grupos.

BARTH, Frederik. 2000. Os grupos tnicos e suas fronteiras. In: F. Barth & T.
Lask (orgs.). O guru, o iniciador e outras variaes antropolgicas. Rio de Janeiro:
Contra Capa. pp.