Você está na página 1de 85

Parte II

Vegetação
Ana Maria Giulietti
Universidade Estadual de Feira de Santana

Ana Luiza du Bocage Neta


Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária

Antônio Alberto J. F. Castro


Universidade Federal do Piauí

Cíntia F. L. Gamarra-Rojas
Associação Plantas do Nordeste/
Centro Nordestino de Informações sobre Plantas

Everardo V. S. B. Sampaio
Universidade Federal de Pernambuco

Jair Fernandes Virgínio

Diagnóstico
Associação Plantas do Nordeste

Luciano Paganucci de Queiroz


Universidade Estadual de Feira de Santana

da vegetação Maria Angélica Figueiredo


Universidade Federal do Ceará

Maria de Jesus Nogueira Rodal

nativa do bioma
Universidade Federal Rural de Pernambuco

Maria Regina de Vasconcellos Barbosa


Universidade Federal da Paraíba

Caatinga
Raymond M. Harley
Universidade Estadual de Feira de Santana /
Royal Botanical Gardens, Kew

47
Adriano Gambarini
Gravatá

INTRODUÇÃO
Dentre os biomas brasileiros, a (2002) propuseram mudanças no sistema
Caatinga é, provavelmente, o mais des- de Andrade-Lima, analisando as unidades
valorizado e mal conhecido botanicamente. propostas e associando-as ao recente
Esta situação é decorrente de uma crença Zoneamento Agroecológico do Nordeste -
injustificada, e que não deve ser mais ZANE (Silva et al. 1993). Porém, a
aceita, de que a Caatinga é o resultado da diversidade de padrões de vegetação
modificação de uma outra formação detectados, não permitiu, até o momento,
vegetal, estando associada a uma a elaboração de um sistema de classificação
diversidade muito baixa de plantas, sem ideal, persistindo inúmeras questões não
espécies endêmicas e altamente respondidas e lacunas a serem preenchidas.
modificada pelas ações antrópicas. Apesar
A falta de informação sobre locais
de estar, realmente, bastante alterada,
que provavelmente têm grande
especialmente nas terras mais baixas, a
importância científica mas que requerem
Caatinga contém uma grande variedade de
mais pesquisa, foi um dos grandes
tipos vegetacionais, com elevado número
problemas detectados. De particular
de espécies e também remanescentes de
interesse poderiam ser citados os enclaves
vegetação ainda bem preservada, que
de “caatinga” existentes fora do Nordeste
incluem um número expressivo de táxons
e que são classificados em outros tipos
raros e endêmicos.
de vegetação. Poderiam ser destacados:
Quem primeiro reconheceu esta 1) áreas mais ao sul da região da Caatinga,
situação foi Andrade-Lima (1981), que especialmente em Minas Gerais; 2)
publicou uma primeira aproximação para possíveis enclaves de caatinga na
a classificação dos diferentes tipos de Amazônia, onde ocorrem espécies típicas
caatingas, utilizando aspectos fisionô- da caatinga nordestina, como Schinopsis
micos e dados florísticos para caracterizar brasiliensis (baraúna), recentemente
os agrupamentos, destacando, também, referida para a região, provavelmente
a importância de fatores abióticos como associada com áreas rochosas, onde o
clima, especialmente a precipitação, e desenvolvimento de floresta é mais
solo. Para o Workshop de Avaliação e restrito; e 3) áreas dentro da zona de Mata
Ações Prioritárias para a Conservação da Atlântica, como, por exemplo, Pedra Azul,
Biodiversidade da Caatinga, realizado em em Minas Gerais, e Cabo Frio, no Rio de
Petrolina, em 2000, Rodal & Sampaio Janeiro.

48
A água, como um fator limitante na de suas cabeceiras, que geralmente estão
Caatinga, também destaca um ponto muito localizadas fora da zona da Caatinga, por
importante, que é a preservação dos rios exemplo, nos brejos ou florestas montanas
permanentes. Esses rios têm um papel da Borborema, Chapada Diamantina, Serra
essencial, provendo água durante todo o ano, do Araripe, dentre outros. Dessa forma, a
tanto para as espécies da fauna e flora, como conservação dessas florestas torna-se
para as populações que nela residem. A prioritária para a manutenção da principal
conservação de tais rios depende da proteção fonte de água da região da Caatinga.

ESPÉCIES ENDÊMICAS DA CAATINGA


Nas últimas décadas, os biólogos família com grande número de espécies
têm voltado sua atenção para a Caatinga. endêmicas (41) é a Cactaceae, que tem
Em vários dos seus trabalhos, Andrade- sido muito estudada por Taylor & Zappi
Lima (1981,1989) chamou a atenção para (2002). Dessas, várias estão incluídas
a riqueza da flora da Caatinga e destacou como vulneráveis ou em perigo de
os exemplos fascinantes das adaptações extinção.
das plantas aos hábitats semi-áridos. Outras famílias destacam-se pelo
Dessa forma, a Caatinga, tem se número de gêneros endêmicos:
destacado por conter uma grande Scrophulariaceae (3); Malpighiaceae (2);
diversidade de espécies vegetais, muitas Compositae (2). Dentre os gêneros da família
das quais endêmicas ao bioma, e outras Scrophulariaceae, Anamaria e Dizygostemon,
que podem exemplificar relações são exclusivos das margens de lagoas
biogeográficas que ajudam a esclarecer a temporárias do oeste de Pernambuco e limite
dinâmica histórica vegetacional da própria com Piauí e Bahia, e Ameroglossum foi
Caatinga e de todo o leste da América do descrito em 2000, sendo restrito aos vãos dos
Sul. blocos de granito da região de Bonito, PE, e
A lista mais ampla de espécies de também da Paraíba (Castro et al. 2002). A
angiospermas endêmicas da Caatinga família Malpighiacae inclui os gêneros
havia sido elaborada por Prado (1991), que monotípicos Barnebya e Macvaughia, o
relacionou 12 gêneros e 183 espécies primeiro ocorrendo principalmente no Raso
endêmicas, e demonstrou as fortes da Catarina e o segundo recoletado pela
relações florísticas existentes entre esse equipe da Associação Plantas do Nordeste –
bioma e outros tipos vegetacionais da APNE – no mesmo local do material-tipo
América do Sul, especialmente os das áreas (Filadélfia, BA), durante o trabalho de campo
periféricas do Chaco, no Paraguai, Bolívia realizado por ocasião da preparação do
e noroeste da Argentina. material para o Workshop da Caatinga.
Harley (1996), analisando a flora
A realização de novas coletas na região
herbácea das caatingas, mencionou sete
Nordeste e o estudo e identificação dos
gêneros endêmicos, parte deles ligados às
espécimes já depositados nos herbários da
áreas próximas a lagoas temporárias. Para
região, levarão, com certeza, à detecção de
o Workshop da Caatinga, Giulietti et al.
novos táxons endêmicos. Deve-se, também,
(2002) listaram para o bioma, 18 gêneros
enfatizar a recoleta de táxons endêmicos
e 318 espécies endêmicas, pertencentes
restritos, como por exemplo, o gênero
a 42 famílias, incluindo tanto plantas de
Haptocarpum (Capparaceae), só conhecido
áreas arenosas como rochosas (Anexo 1).
do material-tipo coletado nas redondezas de
A família com maior número de espécies
Maracás (BA).
endêmicas (80) é a Leguminosae, que é
também o grupo mais bem representado A análise da flora da Caatinga mostra
nas caatingas (Queiroz 2002). Outra que a maior diversidade está associada às

49
André Pessoa
maiores altitudes, principalmente em áreas
rochosas. Tais condições permitiram,
provavelmente, a formação de uma zona
mais protegida durante as marcantes
oscilações climáticas do Pleistoceno e
Quaternário. Durante os períodos mais
úmidos, é provável que grande parte do
Nordeste do Brasil tenha sido coberto por
diversos tipos de florestas, desde
perenifólias até caducifólias. Tal situação
isolava as espécies não arbóreas nas áreas
mais altas e abertas, com solos rasos e sem
Mandacaru
condições de suportar uma cobertura
arbórea. Porém, durante os períodos mais
secos, as áreas altas com relevo mais
FITOFISIONOMIAS DA CAATINGA
acentuado e rochas expostas captavam
maior umidade atmosférica, tanto sob a Tratar da classificação da vegetação do
forma de neblina como de chuvas. Dessa bioma Caatinga implica em reconhecê-lo
maneira, as vertentes mais protegidas como uma entidade identificável, composta
atuaram com refúgio para as espécies por um conjunto de plantas que a distingue
florestais, como pode ser visto hoje pela dos conjuntos que formam os outros biomas.
presença das florestas de brejo dentro da Isto já implica em uma classificação prévia, a
região de Caatinga. Certamente esses dos biomas, que foi utilizada pelo Ministério
refúgios montanhosos guardam evidências do Meio Ambiente para definir áreas
florísticas das muitas mudanças climáticas prioritárias para conservação da biodiver-
que ocorreram no Nordeste do Brasil, e por sidade brasileira e que corresponde à
extensão em toda a América do Sul. classificação regional utilizada, com alguma
As lagoas ou áreas úmidas tempo- variação, na maioria das classificações prévias
rárias, nas terras mais baixas, representam da vegetação brasileira.
um conjunto de hábitats frágeis dentro da Caatinga é o tipo de vegetação que
Caatinga, ricos em espécies, e até mesmo cobre a maior parte da área com clima semi-
em gêneros, de plantas raras e endêmicas. árido da região Nordeste do Brasil.
Essas são áreas de refúgio para muitas Naturalmente, as plantas não têm
espécies aquáticas, vegetais e animais, e características uniformes nesta vasta área,
desempenham um papel fundamental na mas cada uma destas características, e as
sobrevivência de muitas espécies de peixes, dos fatores ambientais que as afetam, são
aves e mamíferos, que completam seu ciclo distribuídas de tal modo que suas áreas de
de vida associados a esses ambientes. ocorrência têm um grau de sobreposição
Entretanto, tais áreas são também razoável. Isto permite identificar áreas
utilizadas nas atividades da agropecuária nucleares, onde um número maior das
local, constituindo-se em refúgios onde os características consideradas básicas se
animais de criação podem ser reunidos sobrepõem, e áreas marginais, onde esse
quando o período de seca se torna mais número vai diminuindo, até chegar-se aos
intenso. A presença do gado é um fator limites com as áreas onde as características
negativo para o ambiente natural, uma vez das plantas e do meio definem outro tipo
que os animais pisoteiam o solo úmido, de vegetação (bioma). Essa não é uma
destruindo sua estrutura e produzindo forma convencional de identificação de tipos
condições eutróficas, insatisfatórias para os de vegetação, mas é uma forma que tem
organismos nativos. É, portanto, necessário ficado implícita em qualquer um dos
desenvolver estratégias de conservação que sistemas de classificação que tenha tratado
conciliem a prática agropecuária com a da Caatinga. Isso levanta dois problemas: a
proteção às áreas de maior biodiversidade. identificação das características básicas e a

50
seleção de um número mínimo daquelas descontínua de copas); 3) a existência de
consideradas essenciais para permitir o espécies endêmicas a esta área semi-árida
estabelecimento dos limites. Uma análise e outras espécies que ocorrem nessa área
das classificações já feitas permite constatar e em outras áreas secas, mais ou menos
a ausência de características bem definidas, distantes, mas não ocorrem nas áreas mais
o que tem resultado em conflitos de opinião úmidas que fazem limite com o semi-árido.
e imprecisão de conceitos, áreas e limites. Colocadas as questões acima sobre
A falta de informações sobre a flora, a classificação da vegetação do bioma
as características morfofuncionais das Caatinga, optou-se por utilizar a clas-
plantas que a compõem e os fatores sificação proposta por Andrade-Lima
ambientais que condicionam sua (1981) para discutir os dados de florística,
distribuição e abundância, tem sido fisionomia e características do hábitat dessa
substituída pelo conhecimento subjetivo de heterogênea cobertura vegetal. Nesta
alguns poucos estudiosos, com experiência discussão são tratados, principalmente,
suficiente para definir conjuntos coerentes, dados obtidos a partir dos anos 80, quando
mas imprecisamente caracterizados. Uma levantamentos sistemáticos passaram a ser
conseqüência disso é a dificuldade de realizados nos estados do Ceará, Paraíba e
transmissão de seus resultados, visto que Pernambuco.
as classificações resultantes são aceitas
Andrade-Lima (1981) observou que,
mais pela autoridade de quem as propõe
em termos da classificação da vegetação
do que pelos argumentos científicos que
elas encerram. Ainda que não seja uma do domínio das Caatingas, duas questões
forma perfeita de ação, até o momento não são inegavelmente claras: 1) os diferentes
é possível um trabalho isento desse tipos vegetacionais resultam da integração
conhecimento subjetivo. Apesar do avanço clima-solo e o número de combinações e,
do conhecimento que se tem hoje, com conseqüentemente, o número de
mais dados sobre a flora e sua distribuição, comunidades vegetais é muito alto; 2) as
esse ainda não é completo e não permite informações sobre as relações entre
que se prescinda da experiência de campo, vegetação e fatores físicos não são
intraduzível em termos de determinação da suficientemente conhecidas. Assim, o autor
composição florística e características das optou por definir grandes unidades com
plantas e do meio. um ou mais tipos, embora reconheça a
possível existência de um número maior de
Analisando as definições e
unidades e tipos. Essa posição reflete, de
delimitações já feitas sobre a Caatinga, é
modo inequívoco, que sua proposta é a de
possível identificar as características
uma classificação ecológica, onde a
comuns, que podem ser consideradas
vegetação (flora e fisionomia) tem um papel
como um conjunto das características
importante, do que a de uma classificação
básicas da vegetação, a saber: 1) é a
de vegetação propriamente dita.
vegetação que cobre uma área mais ou
Aparentemente, essa opção deveu-se à
menos contínua, submetida a um clima
quente e semi-árido, bordeado por áreas falta de maior conhecimento da vegetação,
de clima mais úmido. Esta área seca está, para assim poder classificá-la.
na sua maior parte, confinada à região Como produto de sua classificação
politicamente definida como Nordeste, e ecológica para o domínio da Caatinga,
uma pequena parte está no norte de Minas aquele autor reconheceu seis unidades,
Gerais, dentro da área definida, cada uma com um ou vários tipos,
politicamente, como polígono das secas; totalizando 12 tipos. As unidades e tipos
2) possui espécies que apresentam adapta- não foram mapeados, em função de
ções à deficiência hídrica (caducifolia, passarem de um para outro de modo
herbáceas anuais, suculência, acúleos e gradual, apesar de muitos deles terem sua
espinhos, predominância de arbustos e área de ocorrência descrita com maior ou
árvores de pequeno porte, cobertura menor precisão.

51
As unidades e tipos propostas por hipoxerófila e hiperxerófila, havendo ainda
Andrade-Lima (1981) para o domínio da anotações quanto ao tipo de vegetação
Caatinga são: denominado de grameal, vegetação com
carnaúba e vegetação mista de caatinga,
Unidade I cerrado e/ou florestas. A subdivisão da
Tipo 1 – Tabebuia-Aspidosperma- vegetação de caatinga, em apenas duas
Astronium-Cavanillesia classes, não permite um detalhamento
maior dos possíveis tipos de caatinga.
Unidade II Por outro lado, a classificação das
Tipo 2 – Astronium-Schinopsis- 20 Grandes Unidades de Paisagem,
Caesalpinia subdivididas em 172 unidades geoambien-
Tipo 3 – Caesalpinia-Spondias- tais, permite o mapeamento do Nordeste
Bursera-Aspidosperma em um número grande de ambientes com
características semelhantes (Tabela 1).
Tipo 4 – Mimosa-Syagrus-
Spondias-Cereus É possível traçar a equivalência
ambiental de algumas unidades geo-
Tipo 6 – Cnidosculus-Bursera-
ambientais com a divisão de tipos de
Caesalpinia
caatinga feita por Andrade-Lima (1981).
Com isto, pode-se quantificar as extensões
Unidade III
desses tipos e, também, localizar nestas
Tipo 5 – Pilosocereus-Poeppigia- unidades geoambientais, as áreas
Dalbergia-Piptadenia protegidas existentes, e identificar a
necessidade do estabelecimento de outras.
Unidade IV
Deve-se ressaltar que as 172
Tipo 7 – Caesalpinia-
unidades não têm, necessariamente, tipos
Aspidosperma-Jatropha
distintos de vegetação, mas sabe-se que
Tipo 8 – Caesalpinia- diferenças ambientais condicionam
Aspidosperma diferenças na composição florística e na
Tipo 9 – Mimosa-Caesalpinia- densidade e porte das populações das
Aristida espécies presentes. Por outro lado,
Tipo 10 – Aspidosperma- algumas das unidades têm partes em
Pilosocereus estados distantes e é possível que tenham
vegetação distinta. Convêm lembrar que
Unidade V a distinção de tipos vegetacionais não foi
Tipo 11 – Calliandra-Pilosocereus um critério usado na diferenciação das
unidades geoambientais. Infelizmente,
Unidade VI falta informação sobre a vegetação para
Tipo 12 – Copenicia-Geoffroea- um melhor embasamento das sub-
Licania divisões.
Vegetação de caatinga estava
Com o objetivo de localizar, no presente em 17 das 20 Grandes Unidades
espaço nordestino, as unidades e tipos de Paisagem e em 105 das 172 unidades
da classificação de Andrade-Lima (1981), geoambientais (Tabela 1), ocupando uma
os mesmos foram comparados com as área de 935 mil km2, sendo 297 mil km2
divisões do Zoneamento Agroecológico do com caatinga hiperxerófila, 247 mil km2
Nordeste (Silva et al. 1994). Nessa última com caatinga hipoxerófila, 169 mil km2 de
classificação, as unidades agroecológicas caatinga mesclada com florestas
foram definidas com uma forte base subperenifólias, subcaducifólias ou
geomorfológica, mas contendo também caducifólias, 110 mil km 2 de caatinga
informações sobre a vegetação. mesclada com cerrado, 101 mil km2 com
A vegetação de caatinga foi dividida em mistura de caatinga, floresta e cerrado e

52
Tabela 1 - Áreas das Grandes Unidades de Paisagem (10 3 km2) e número de Unidades Geoambientais
que primitivamente incluíam vegetação de caatinga (adaptado de Silva et al. 1993).

Estados
Unidades Total
Grande Unidade de Paisagem Geoambientais MA PI CE RN PB PE AL SE BA MG
Chapadas Altas (A) 5 - 3,7 10,7 1,0 0,1 3,3 - - - 8,8 27,5
Chapadas Intermediáriase Baixas (B) 7 - 96,5 2,2 - - - - - 1,3 - 100,0
Chapada Diamantina (C) 4 - - - - - - - - 59,0 - 59,0
Planalto da Borborema (D) 6 - - - 3,2 12,4 15,1 4,1 - - - 34,8
Superfícies Retrabalhadas (E) 4 - - - - - - - - 33,7 5,6 39,3
Depressão Sertaneja (F) 34 - 17,5 77,8 24,5 23,5 54,7 5,0 5,2 137,9 12,6 358,5
Superfícies Dissecadas no PI e MA (G) 5 3,2 16,3 - - - - - - - - 19,5
Superfícies Dissecadas Diversas (H) 3 9,2 24,0 7,3 - 4,7 0,2 2,0 4,1 6,4 - 58,0
Bacias Sedimentares (I) 8 - - 0,7 - - 6,2 - 0,1 24,7 - 31,7
Superfícies Cársticas (J) 11 - - 3,5 11,5 - - - 0,3 37,4 22,4 75,2
Tabuleiros Costeiros (L) 5 - 1,9 16,2 4,4 - - - - - - 22,4
Grandes Áreas Aluviais (N) 3 1,8 0,6 1,9 - - - - - 6,2 6,4 16,8
Dunas Continentais (Q) 2 - - - - - - - - 9,8 - 9,8
Complexo de Campo Maior (R) 1 - 5,4 - - - - - - - - 5,4
Maciços e Serras Altas (S) 2 - - - - - - - - 36,1 1,6 37,7
Maciços e Serras Baixas (T) 3 - - 12,3 1,4 6,9 8,0 - - 6,8 - 35,4
Serrotes, Inselbergues e
Maciços Residuais (U) 2 - 0,5 1,0 0,4 1,4 0,1 0,2 - - - 3,6
Total 105 14,2 166,4 132,5 46,4 49,0 86,6 11,2 9,7 359,4 57,3 934,8

22 mil km2 com caatinga e campos de e norte de Minas Gerais (J1, J2 e J3, 9.130,
altitude. Obviamente, essas são áreas de 3.325 e 9.991km2). Nelas, foram feitos os
ocupação potencial, sendo grande parte levantamentos florísticos e fitossociológicos
delas já desmatadas ou muito antropizadas. de Jaíba e Januária (Vale 1991, Ratter et
Infelizmente, não se dispõe da quan- al. 1978). A primeira área teria os locais
tificação da cobertura vegetal atual nas reservados para conservação no projeto de
unidades geoambientais. irrigação mas, fora esses, não conta com
Segundo Andrade-Lima (1981), a outras áreas protegidas. Andrade-Lima
Unidade I representa uma floresta alta de (1981) observa que Cavanillesia arborea
caatinga, que tem como maior área de (Willdenow) K. Schum. (Bombacaceae) é
distribuição o norte de Minas Gerais e característica dessa unidade, embora
centro-sul da Bahia, geralmente em rochas ocorra em outros tipos de caatinga.
calcárias ou cristalinas do pré-cambriano. Andrade-Lima (1981) sugeriu, sem
São as áreas com maior disponibilidade uma definição mais clara, que poderia
hídrica no conjunto do domínio (índice haver um subtipo dessas caatingas altas
xerotérmico entre 100 e 150). O autor sobre solos do cristalino, na parte leste da
considerou que, embora a fisionomia área das caatingas. É possível que
florestal alta dessa unidade seja distinta da correspondam à transição com as matas
dos demais tipos fisionômicos das outras secas (florestas caducifólias a sub-
unidades de caatinga, as espécies caducifólias), nas áreas denominadas de
dominantes não são muito diferentes. agrestes, em parte do Planalto da
Corresponde às caatingas das superfícies Borborema (Grande Unidade de Paisagem
cársticas, no sul da Bahia (J2, 5.682km2) D) e das Superfícies Dissecadas Diversas

53
(Grande Unidade de Paisagem H). significativa parcela de terrenos na
A Borborema tem uma diversidade depressão sertaneja, os planaltos sedimen-
vegetacional grande, incluindo desde as tares paleozóicos ou mesozóicos também
caatingas baixas dos Cariris Velhos e se destacam por sua extensão (Andrade
Curimataú, na Paraíba (unidades 1977, Moreira 1977). Sua maior área de
geoambientais D5 e D7), até matas muito ocorrência está na bacia sedimentar do
semelhantes às costeiras (definidas como meio norte, na bacia Tucano- Jatobá
Mata Atlântica), e as matas serranas dos (Bahia/Pernambuco) e em outras áreas
brejos de altitude. As caatingas dos Cariris com pequenas dimensões no Ceará, Rio
Velhos foram incluídas por Andrade-Lima Grande do Norte e Paraíba (Souza et al.
na Unidade IV. As unidades geoambientais 1994). Os índices pluviométricos são mais
com caatingas altas, no Planalto da elevados no planalto do Piauí (600 a
Borborema, são D1 (Alagoas, Pernambuco 900mm) e decrescem abaixo de 600mm
e Paraíba, 4.067, 13.173 e 2.119km2), D3 na direção sudoeste até a bacia do Jatobá
(Alagoas, Pernambuco e Paraíba, 1.444, (Souza et al. 1994).
5.694 e 1.595km2) e D4 (Pernambuco, A classificação da vegetação arbus-
1.962km2). Nas Superfícies Dissecadas tiva caducifólia das chapadas sedimentares,
Diversas, elas são H1 (Paraíba, 559km2) e especialmente no Piauí, Ceará, Pernam-
H3 (Bahia a Paraíba, 2.635, 4.147, 2.034, buco e Bahia, tem gerado controvérsias.
88 e 1.776km2). Deve-se ressaltar que No caso da vegetação arbustiva caducifólia
caatingas altas podem ocorrer em várias que recobre o topo do planalto do Ibiapaba,
outras unidades, em locais dispersos, no estado do Ceará, Araújo et al. (1998a,
desde que as condições hídricas sejam um 1998b) observaram que a vegetação de
pouco mais favoráveis, pela precipitação carrasco que ali ocorre é distinta, do ponto
(maior altitude) ou acumulação de água de vista florístico e fisionômico, da caatinga.
(baixios e beiras de rio). Nas Superfícies No caso do Piauí e Pernambuco, autores
Dissecadas Diversas, em Sergipe (H3), como Vasconcelos-Sobrinho (1941), Egler
foram feitos levantamentos fitosso - (1951), Andrade-Lima (1957, 1978) e
ciológicos em Nossa Senhora da Glória e Emperaire (1985) consideraram que a
em Frei Paulo (Souza 1983) e no Planalto vegetação caducifólia que recobre as
da Borborema, em Pernambuco (D1), foi chapadas é um tipo de caatinga, apesar
feito levantamento em Caruaru (Alco- da flora particular, ligada a solos de origem
forado-Filho et al., dados não publicados). sedimentar e altamente arenosos. Para
As matas serranas, em Pernambuco, foram esses autores, a identidade com a caatinga
mais intensamente estudadas quanto à seria confirmada pela presença de
localização e conservação de rema- comunidades vegetais comandadas por
nescentes (Rodal et al. 1998) e quanto à um ambiente climático geral da região
florística (Sales et al. 1998). Nessas áreas semi-árida, isto é, plantas caducifólias e
de agreste, não há unidades de espinhosas.
conservação com vegetação típica de Com relação a essas questões, Rodal
caatinga, estando as existentes cobertas et al. (1999) consideraram que a flora das
com matas (Pedra Talhada, em Alagoas e chapadas sedimentares de Pernambuco
Pernambuco; Brejo dos Cavalos, em representa um conjunto florístico mais
Pernambuco; e Mata do Pau Ferro, na especializado a ambientes com solos
Paraíba). arenosos e profundos, embora essas
A Unidade III apresenta índice espécies também ocorram, com menor
xerotérmico variando entre 150 e 200 e se freqüência, em áreas de caatinga instaladas
constitui de uma floresta baixa de caatinga sobre o cristalino. Lemos (1999),
que ocorre em solos arenosos e profundos estudando uma área com vegetação
da série Cipó e outras geologias caducifólia espinhosa no sudoeste do Piauí,
relacionadas. Do ponto de vista geológico- citou como famílias mais importantes, em
estrutural, apesar do semi-árido apresentar número de espécies, Mimosaceae,

54
Caesalpiniaceae, Euphorbiaceae e com cobertura mais florestal, há o pequeno
Fabaceae, táxons comuns em áreas de Parque Nacional de Ubajara (563 hectares).
caatinga instaladas sobre o cristalino, As Chapadas Intermediárias (B)
embora com espécies distintas. Todavia, ocupam uma grande área do Piauí (B2, B4,
assinalou que a riqueza de Bignoniaceae e B5, B6, B8 e B9, 96.476km2) e extravazam
Myrtaceae da área é incomum para áreas para o Ceará (B4, 2.224km2) e para a Bahia
do cristalino. (B1 e B2, 1.303km2). Possuem caatingas
Das unidades de Andrade-Lima hipoxerófilas, por vezes mescladas a
(1981), a III corresponde razoavelmente cerrado, sobre solos, em geral profundos
bem às Bacias Sedimentares (Grande e bem drenados. Há alguns levantamentos
Unidade de Paisagem I), podendo incluir na área (Emperaire 1985), que conta com
também as Dunas Continentais (Grande o Parque Nacional da Serra da Capivara,
Unidade de Paisagem Q), e parte das uma das maiores unidades de conservação
Chapadas Altas (Grande Unidade de (100.000 hectares) com caatinga.
Paisagem A) e Chapadas Intermediárias As Unidades II e IV, com suas oito
(Grande Unidade de Paisagem B). As
subdivisões (Andrade-Lima 1981),
Bacias Sedimentares com caatinga (I5 a
correspondem à vasta área incluída nas
I12) ocupam 31,7 mil km2, sendo a maior
Grandes Unidades de Paisagem da
parte na Bahia. Elas incluem o Raso da
Depressão Sertaneja (F, 358.537km2), que
Catarina, onde há uma Estação Ecológica,
foi dividida em 34 unidades geoambientais,
com cerca de um mil quilômetros
e a partes das Superfícies Retrabalhadas
quadrados (99.772ha) e onde foi feito um
(E), do Planalto da Borborema (D), das
levantamento florístico preliminar (Guedes
Superfícies Dissecadas Diversas (H), das
1985). As Dunas Continentais (Q1 e Q2),
Superfícies Cársticas (J), dos Maciços e
todas pertencentes à Bahia, têm uma flora
Serras Baixas (T) e dos Serrotes,
com algumas espécies características
Inselbergues e Maciços Residuais (U).
(Queiroz, informação pessoal) e, apesar da
Chama a atenção a ausência quase total
área ocupada não ser grande (9,8 mil km2),
de áreas protegidas oficiais neste espaço
mereceriam uma área protegida. Nelas, a
tão grande e tão típico das caatingas.
ocupação humana é muito baixa, o que
facilitaria a desapropriação da unidade de Segundo Andrade-Lima (1981), a
conservação e o controle da antropização. Unidade II apresenta quatro tipos, variando
de floresta média a baixa de caatinga e uma
As Chapadas Altas ocorrem no
caatinga arbórea aberta, todos em áreas
Araripe (A4 e A5; no Ceará, 5.955km2,
com índice xerotérmico entre 150 e 200, e
Pernambuco, 3.269km2, e Piauí, 630km2)
instalados principalmente em rochas
e na Ibiapaba (A8; Ceará, 3.309km2, Piauí,
3.084km2, e zona CE/PI, 1.391km2). São cristalinas do pré-cambriano. Segundo o
áreas onde misturam-se caatinga e cerrado autor, essa unidade representa a típica
e onde aparece o carrasco, como uma caatinga florestal com um estrato arbóreo
unidade de vegetação distinta, com não muito denso, com altura entre 7 e 15m,
levantamentos feitos por Araújo et al. e presença de estrato herbáceo aberto com
(1998a, 1998b). Também aparece caatinga bromeliáceas e espécies espinhosas.
nas serras de Santana, Portalegre, Martins Observa ainda, que a vegetação dessa
e Cuité (A6), no Rio Grande do Norte unidade tem sido bastante utilizada,
(988km2) e na Paraíba (145km2), associada especialmente para agricultura, extração de
à florestas subperenifólias. A área do madeira e produção de lenha.
Araripe conta com a Floresta Nacional, A maioria dos levantamentos já
uma extensão protegida razoável para os realizados na caatinga de Pernambuco, o
padrões do Nordeste (38.626 hectares) e foram nessa unidade (Drummond et al.
uma Área de Proteção Ambiental, que teria 1982, Tavares et al. 1970, Rodal 1992,
mais de um milhão de hectares. Na Araújo et al. 1995), especialmente na
Ibiapaba, embora localizada numa área floresta média de caatinga e na caatinga

55
arbórea aberta, tipos de difícil separação São caatingas com plantas arbóreas, em
segundo Rodal (1992). geral de porte maior que as da Unidade IV,
Santos et al. (1992) encontraram embora o autor reconheça que, dada sua
uma boa relação entre vegetação extensão, têm variações de altura, den-
(fisionomia-flora) e tipos de solos, sidade e composição. Elas correspondem
confirmando as observações de Andrade- à maior parte das Grandes Unidades de
Lima (1981) sobre a estreita relação entre Paisagem listadas acima, quando começou
vegetação e solo no semi-árido. Rodal a tratar-se das Unidades II e IV (Depressão
(1992) observou que a proximidade Sertaneja, Superfícies Retrabalhadas,
geográfica e a geomorfologia são aspectos Planalto da Borborema, Superfícies
importantes para compreender as Dissecadas Diversas, Superfícies Cársticas,
semelhanças florísticas das caatingas, Maciços e Serras Baixas e Serrotes,
especialmente nessa unidade. O autor Inselbergues e Maciços Residuais). Nesta
indicou que áreas próximas, mas com vasta área, praticamente inexistem áreas
aspectos morfopedológicos distintos, protegidas oficiais. Apenas no sudoeste do
mostraram maior semelhança entre si do Ceará há a pequena Estação Ecológica de
que com outras áreas, e que a flora das Aiuaba (5.000 ou 12.000ha, mas sem
áreas da depressão sertaneja (cristalino) é diploma legal até 1998), no limite com uma
distinta daquela das chapadas extensão da Chapada do Araripe (A4) e com
sedimentares. Com relação às áreas da serras mais baixas (T3), para a qual existe
depressão sertaneja, o oeste de registro de um levantamento (Oliveira et al.
Pernambuco apresenta uma flora de 1988). Os levantamentos florísticos e
caatinga particular, possivelmente fitossociológicos na grande área da
relacionada com a grande mancha de Unidade II, por estarem concentrados em
latossolo vermelho-amarelo que ali ocorre. Pernambuco, não permitem que se
A estreita relação entre a vegetação de indiquem áreas preferenciais para unidades
caatinga e as superfícies interplanálticas da de conservação, com base nos dados das
região semi-árida, apontada por diferentes plantas. Na ausência desses dados, a
autores (Rizzini 1979, Fernandes 1996), recomendação possível é que sejam
deve ser observada com cautela, uma vez representadas, no mínimo, as grandes
que Andrade-Lima (1964, 1981) registrou unidades cobertas por essa vegetação.
a presença de caatinga na chapada do É possível que exista muita diferença na
Apodi e no planalto da Borborema, o qual vegetação dentro de uma grande unidade,
representa a superfície exposta do escudo e há fortes evidências, nos estudos
cristalino. Sem dúvida, a maior parte da florísticos, da presença de algumas
vegetação do planalto da Borborema, espécies em apenas um ou poucos pontos
localizado no semi-árido de Pernambuco, de uma mesma unidade de paisagem.
é constituída por uma caatinga com porte O exemplo mais característico é a distri-
elevado e uma acentuada riqueza florística, buição, de algumas espécies da família
o que possivelmente pode ser explicado Cactaceae, em locais restritos das unidades
pelas menores temperaturas, especial- dos Serrotes, Inselbergues e Maciços
mente noturnas (Jacomine et al. 1973). Residuais (U) e Maciços e Serras Baixas (T)
A localização de dois dos quatro tipos (Taylor & Zappi 2002).
de caatinga da Unidade II não foi definida Assim, recomenda-se o estabele-
(tipos 2 e 3), exceto por constituírem o cimento de unidades de conservação ou
núcleo central do domínio (Andrade-Lima medidas de incentivo à proteção em: 1)
1981). O tipo 4 cobriria parte do centro- Planalto da Borborema (D), em Pernam-
norte da Bahia, região caracterizada pela buco ou na Paraíba. Como toda a área tem
presença do licuri (Syagrus), planta da qual sido intensamente antropizada, a loca-
se explora o óleo dos frutos. O tipo 6 estaria lização depende da existência de vegetação
mais associado ao sudoeste do Ceará, preservada; 2) Superfícies Retrabalhadas,
embora também ocorra em outros locais. na Bahia; 3) Depressão Sertaneja, na parte

56
central do Ceará (F21) e no oeste de pela falta de água, predominando a
Pernambuco (F22); 4) Superfícies pecuária e a extração de lenha. Sugere-se
Dissecadas no vale do Gurguéia (G17) ou a criação de uma unidade de conservação
do Parnaíba (G18). Essas são áreas com nessa área.
vegetação de caatinga mesclada com O tipo de vegetação 9 ocorre no
cerrado e a primeira inclui um dos núcleos Seridó, parte na Paraíba e parte no Rio
de desertificação (Gilbués); 5) Superfícies Grande do Norte, no Planalto da
Dissecadas Diversas, na Paraíba (H4), no Borborema (D2, Rio Grande do Norte,
sertão do Piancó; 6) Superfícies Cársticas, 1.730km 2 e Paraíba, 1.221km 2 ), na
na Bahia, na região de Irecê (J5), e no Rio Depressão Sertaneja (F30, Rio Grande do
Grande do Norte, na Chapada do Apodi Norte, 7.530km2) e em partes dos Maciços
(J12). São áreas de solos calcários, e Serras Baixas (T3, totais no Rio Grande
distintos da maioria dos demais da do Norte de 1.411km2 e na Paraíba de
Caatinga; 7) Tabuleiros Costeiros, no Ceará 6.925km2). É uma área de solos rasos e
(L14, L15 ou L17). Essa área poderia ser pedregosos, vegetação esparsa e baixa,
contígua à de conservação da caatinga com graves riscos de erosão e sinais de
com carnaubais, da Unidade VI; e 8) desertificação, reforçados pela retirada
Maciços e Serras Altas (S3), na Bahia, na intensa de lenha. Em Serra Negra (RN) há
região de Sento Sé a Sobradinho. uma pequena Reserva Biológica (1.100
A Unidade IV ocupa áreas com hectares).
índice xerotérmico variando entre 150 e O tipo 7, dessas caatingas baixas da
300 e apresenta quatro tipos ou Unidade IV, ocorre nas áreas mais secas do
associações (7 a 10), predominantemente, médio São Francisco, sendo típica a do
de porte baixo, muitas vezes de baixa entorno de Petrolina. Ela corresponde às
densidade e pobres em espécies arbustivo- unidades geoambientais F22 (17.914km2
arbóreas. Esses tipos têm uma equivalência em Pernambuco e 3.548km2 na Bahia),
razoavelmente clara com algumas das F29 (13.412 km2 na Bahia) e F30 (16.204
subdivisões da classificação da EMBRAPA km 2 em Pernambuco) da Depressão
(Silva et al. 1993) e dois deles – Cariris Sertaneja, e parte da J7 (5.279km2) das
Velhos e Seridó – têm sido identificados Superfícies Cársticas. Não há unidades de
como grupos distintos de vegetação por conservação oficiais nesta área, mas a
vários autores regionais (Duque 1980). Embrapa Semi-Árido – CPATSA, dentro de
Andrade-Lima (1981) separou, na sua estação, possui área preservada e a
Unidade IV, os tipos de vegetação 8 e 10 CHESF pretendia estabelecer uma área
que ocorrem nos Cariris Velhos, Paraíba. É protegida nos terrenos desapropriados para
uma área onde a precipitação decresce dos a construção da UHE - Xingó.
altos da Borborema, limite com A Unidade V, caracterizada pela
Pernambuco, até os valores mais baixos no associação Calliandra-Pilosocereus
Nordeste, em Cabaceiras, e volta a subir representa um tipo de caatinga arbustiva
em direção ao Brejo Paraibano (H1). A espalhada em pequenas manchas em todo
vegetação é baixa e pobre em espécies semi-árido, especialmente sobre rochas
(Gomes 1979) mas segue o gradiente de metamórficas do pré-cambriano (Andrade-
precipitação e profundidade do solo Lima 1981). Sua presença requer uma
(Sampaio et al. 1981). Nessa área, foram combinação de baixa precipitação (350-
feitos levantamentos fitossociológicos por 400mm), longo período de seca (8 a 9
Gomes (1979) e Lira (1979). Estes tipos meses), e solos pedregosos ou rasos e
correspondem a parte do Planalto da arenosos, em superfície levemente
Borborema (D7, 5987km 2) que inclui ondulada. Calliandra depauperata Benth.
também o Curimataú, às vezes colocado é abundante nas áreas de solo bruno não
como uma área com vegetação especial cálcico litólico do oeste de Pernambuco
(Duque 1980). A ocupação agrícola é baixa, (Santos et al. 1992). As poucas

57
informações apresentadas sobre essa 611km 2 ). Carnaubais também são
unidade não permitem maiores conside- encontrados em Áreas Aluviais do Piauí e
rações. Não é possível identificá-la com Maranhão (N3), porém mais mesclados a
nenhuma unidade geoambiental especí- matas que a caatingas, e na Bahia (F10,
fica, mas ela ocorre dispersa em locais da 21.670km 2 ), na área dominada pelo
Depressão Sertaneja. Para sua preservação, grameal, que não foi incluída na Unidade
pode-se procurar certificar que a VI. Os Aluviões do Baixo Jaguaribe (N2)
associação de plantas que a caracteriza constituem a área mais típica desta
esteja incluída em áreas indicadas para Unidade VI e, portanto, seria importante a
conservação na Depressão Sertaneja. criação de uma área protegida oficial no
A Unidade VI, definida pela local, já que não há nenhuma em toda a
associação Copenicia-Geoffroea-Licania, unidade. As carnaúbas são exploradas para
representa uma floresta ciliar de caatinga extração de cera e a oiticica para extração
que ocorre nos principais rios do semi-árido de óleo, e esse uso não predatório poderia
do Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte, em ser mantido na área protegida, talvez com
áreas com solos aluviais e com índices a criação de uma unidade de uso
xerotérmicos variando entre 150 e 200. sustentável. Não existem levantamentos
Sampaio et al. (1987) observaram que tais florísticos e fitossociológicos nessa área, e
áreas praticamente não apresentam mais não se conhece o estado de conservação
vegetação nativa por tratarem-se de local da vegetação associada aos carnaubais.
preferencial para atividades agrícolas no O Zoneamento Agroecológico do
semi-árido. Não existe levantamento Nordeste (Silva et al. 1994) registra a
florístico ou fitossociológico nessas áreas, presença de caatinga em outras grandes
e o único levantamento quantitativo unidades que não se enquadram nas
disponível da floresta ciliar de caatinga foi unidades descritas por Andrade-Lima
feito às margens do rio São Francisco (1981). Em geral, são caatingas mescladas
(Nascimento 1999). É possível que com outros tipos de vegetação.
Andrade-Lima não tenha incluído as O Complexo de Campo Maior (R), no
florestas ciliares daquele rio em função de Piauí, é uma área onde predomina o
suas distintas características florísticas, cerrado mas onde ocorrem espécies de
justificadas pelas diferenças do hábitat, caatinga (R1, 5.435km2), em maior ou
uma vez que as áreas da Unidade VI menor concentração. Essa área inclui o
apresentam vales inundados na época Parque Nacional de Sete Cidades (7.700
chuvosa, ao contrário das do rio São hectares) e foi enquadrada no bioma
Francisco. Embora Andrade-Lima (1981) Cerrado quando da realização do exercício
não apresente uma lista florística para essa de identificação de áreas para conservação
associação, além dos três gêneros deste bioma (Workshop do Cerrado), não
mencionados, algumas espécies devem ser sendo considerada aqui.
as mesmas que também estão presentes A área da Chapada Diamantina (C),
nas florestas ciliares do rio São Francisco, na Bahia e em Minas Gerais também foi
como Copernia prunifera (Miller.) H.E. More incluída no Workshop do Cerrado. Nas suas
(Arecaceae) e Geoffroea spinosa Jacq. encostas pode ocorrer vegetação de
(Fabaceae). caatinga hipoxerófila (Bahia, C7 e C8,
A Unidade VI (Andrade-Lima 1981) 21.715 e 5.872km2) ou suas associações
não corresponde a uma Grande Unidade com cerrado (Minas Gerais, C2,
de Paisagem única mas a partes das 20.524km2) e com campos de altitude
Grandes Áreas Aluviais (N2, no Ceará, (Bahia, 10.902km 2). A área nuclear da
1.865km 2) e aos vales dos Tabuleiros Chapada Diamantina conta com um
Costeiros (L13 a L17; áreas totais no Ceará, Parque Nacional, de grande dimensão para
Piauí e Rio Grande do Norte de 16.153, os padrões do Nordeste (152.000
1.872 e 4.362km2) e de pequena parte da hectares), mas que praticamente não inclui
Depressão Sertaneja, no Piauí (F34, áreas de caatinga.

58
Uma parte do nordeste do Maranhão agricultura, até a produção de cultivares
foi incluída na área tratada no Workshop da transgênicos. Todo esse incremento no
Caatinga. Corresponde aos tabuleiros manuseio do meio ambiente foi
costeiros da unidade geoambiental L12 considerado, entusiasticamente, como
(9.395km2), onde predominam os cerrados, sendo o avanço da civilização, tendo
mesclados a florestas subcaducifólias, com proporcionado marcante crescimento da
presença de babaçuais nos vales. Nessa população humana, da expectativa de vida
área, aparecem algumas espécies que e do conforto da existência.
também ocorrem na caatinga, mas elas não No século XIX, atingiu-se uma fase
formam conjuntos que possam ser na qual a interferência humana se fazia
enquadrados como vegetação de caatinga. presente em todo o mundo, e os países
industrializados já haviam alterado quase

Adriano Gambarini
toda sua extensão territorial, além de terem
afetado significativamente suas colônias e
outros países mais pobres. Surgiu, então,
nos países industrializados, o desejo e a
necessidade de preservação das áreas
naturais mais significativas.
Mais de um século depois, luta-se
pela expansão das áreas protegidas visando
a conservação dos recursos naturais, em
uma queda de braço permanente com a
necessidade de aumento das áreas
produtivas para garantir o crescimento
econômico das populações. Esse conflito
ganhou novos contornos com os
movimentos ecológicos das últimas
décadas que se espalharam por todo o
mundo, e com a preocupação crescente
com a conservação da biodiversidade.
A necessidade de conservação da
biodiversidade tem conseguido ampla
aceitação, em grande parte, devido à
superação do conflito entre preservação e
uso da natureza, que advoga a importância
da proteção atual em nome do benefício
potencial. Essa aceitação ganha mais força
à medida em que a ciência descobre novos
Cabeça-de-frade
usos para plantas e animais até então sem
interesse, e à medida em que as áreas onde
USO DAS PLANTAS DA CAATINGA essas espécies ocorrem vêm sendo
alteradas.
Os seres humanos têm sempre O objetivo desta seção é analisar o
utilizado espécies vegetais na sua uso da vegetação nativa na ampla área que
alimentação. A esse uso mais primordial corresponde à Caatinga. No presente
têm sido acrescidos usos cada vez mais trabalho, considera-se que esse bioma
sofisticados à medida em que o ocupa o semi-árido nordestino e parte do
conhecimento sobre o manejo do norte de Minas Gerais, além de formações
ambiente foi sendo acumulado. Do uso da associadas ou mesclas de caatinga com
madeira para fogo e construção de abrigos, vegetação de outros biomas, em área que
passou-se à seleção de plantas e à inclui o nordeste do Maranhão, cobrindo

59
um total de 1.116 municípios, distribuídos estão disponíveis por unidade política, de
em dez estados. município a estado, passando por micro e
Esta seção está organizada em mesorregião. A distribuição original e atual
quatro partes. Na primeira e segunda, é de cada uma das milhares de espécies
analisada a ocupação do espaço com nativas é quase totalmente desconhecida
agricultura e com pastagens. A terceira e raramente está ligada às unidades
trata da utilização da vegetação nativa para políticas. Assim, a análise do impacto da
produção de lenha e carvão, e a quarta dos agricultura tem de se ater à vegetação
usos das plantas que requerem seleção e nativa como um todo, sem separação por
coleta na vegetação nativa. espécies. A avaliação da área cultivada, por
unidade política, dá uma idéia do que resta
da cobertura vegetal nativa.
Agricultura
Para avaliar o uso do solo com
Quando as comunidades apren-
agricultura, foram utilizados os dados do
deram a propagar algumas das plantas que
censo do IBGE de 1995/1996. Tomaram-
lhes eram mais úteis e a eliminar as que
se as variáveis: 1) soma das áreas plantadas
não lhe interessavam, começaram a ser
com lavouras temporárias, permanentes e
formados campos de vegetação antrópica.
temporárias em descanso, e das áreas
O processo de seleção continua e novas
plantadas com pasto; 2) áreas com pasto
plantas estão sendo incorporadas ao
nativo; 3) áreas com mata nativa; e 4) áreas
sistema agrícola. No entanto, apesar da
totais das propriedades. Além disso, foi
antigüidade desse processo, as plantas
obtida, também do IBGE, a área total dos
usadas na agricultura constituem uma
municípios. Foram calculadas as
fração pequena do total de espécies
proporções das áreas plantadas e nativas
existentes, e algumas poucas espécies
em relação às áreas das propriedades e dos
respondem pela maior parte das áreas
municípios (Tabela 2).
cultivadas no mundo. Nas áreas da
Caatinga, predominam os cultivos de O valor calculado para as áreas
milho, feijão e algodão, além de outras cultivadas em relação às áreas dos
poucas espécies que possuem uma certa municípios deve ser menor do que em
importância econômica, como a relação às áreas das propriedades, pois as
mandioca, mamona e agave. Existe, ainda, propriedades não cobrem todo o
uma multiplicidade de espécies cultivadas município. O fato de haver municípios em
em pequena escala, freqüentemente em que a área das propriedades é maior que a
quintais ou consorciadas aos roçados, cuja área do município (às vezes até o dobro),
produção nem sempre é comercializada, e revela que a base de dados do IBGE possui
que muitas vezes sequer é citada nos falhas. A despeito disso, e sendo essa a
censos e anuários estatísticos. única base de dados disponível, a mesma
As áreas cultivadas reduzem as foi utilizada para a avaliação.
populações das espécies nativas e, tanto Na grande maioria dos casos, as
podem ter apenas um pequeno impacto áreas cultivadas em relação às áreas dos
negativo na diversidade, como também municípios foram menores que as áreas
significar a eliminação de muitas espécies. cultivadas em relação às áreas das
Isso depende da área cuja diversidade está propriedades. Em alguns casos, elas são
sendo considerada, da proporção das áreas muito menores. Isso pode resultar de um
cultivadas e do tamanho e distribuição das levantamento incompleto das proprie-
populações das espécies nativas que estão dades, bem como da presença de grandes
na área total. As áreas individuais cultivadas áreas no município que não pertencem a
ou campos agrícolas (quase sempre propriedades agrícolas. Esse é o caso das
menores que 10km2) formam um agregado capitais incluídas na área da Caatinga
grande e distribuído irregularmente pela (Fortaleza, Teresina e Natal) e pode ocorrer
região. Informações sobre áreas cultivadas com outras cidades com área urbana

60
grande. Poderia também ser o caso de apresentam menos de 10% de área
municípios com áreas pouco ocupadas ou plantada, e a quase totalidade deles, menos
com unidades de conservação. de 30% (Tabela 2). Isso indica a baixa
O cruzamento dos dados com áreas de proporção das áreas das propriedades em
mata e pastos nativos auxilia a esclarecer relação às áreas totais municipais,
o padrão de uso do solo. possivelmente pelo vazio populacional da
Mais da metade dos municípios dos maior parte dos municípios. Como os dois
estados do Piauí e Maranhão possuem estados também apresentaram a maior
menos de 30% de área plantada em relação parte dos municípios com mais de 20% de
à área das propriedades. Já em relação a cobertura de mata nativa, sendo mais de
área dos municípios, mais de 2/3 deles 1/5 dos municípios com mais de 40% de

Tabela 2 - Número e proporção dos municípios da Caatinga, dos diferentes estados, que têm distintas porções de áreas
plantadas, cobertas com matas nativas, pastos nativos ou pastos plantados em relação às áreas das propriedades
ou dos municípios, e também carga animal, produção de carvão e lenha por área de mata e pasto nativos.

Variável AL BA CE MA MG PB PE PI RN SE Total
Número de municípios
Plantada / propriedades ≤ 10% 0 6 8 2 1 12 1 15 18 0 63
Plantada / propriedades ≤ 30% 4 56 97 10 5 84 34 86 92 5 473
Plantada / propriedades ≥ 60% 18 34 4 1 2 9 18 1 9 13 109
Plantada / município ≤ 10% 0 41 35 15 2 23 16 78 35 0 245
Plantada / município ≤ 30% 13 156 157 20 20 115 72 116 121 7 797
Mata / propriedades ≥ 20% 2 121 143 10 20 39 42 91 96 2 566
Mata / propriedades ≥ 40% 0 14 24 5 0 3 20 38 27 0 131
Pasto nativo / propriedades ≥ 40% 17 38 15 1 1 75 29 11 33 17 237
Pasto plantado > pasto nativo 13 102 1 2 20 5 18 9 2 16 188
Pasto plantado / propriedades ≥ 30% 10 72 0 0 15 4 12 0 0 24 137
Pasto plantado / propriedades ≥ 10% 23 198 12 2 24 41 55 13 17 38 423
Animais /pasto nativo e plantado < 1 7 163 35 5 25 79 26 34 59 27 460
Carvão + lenha /mata > 1 20 117 127 14 20 104 73 52 51 26 604
Carvão+lenha/mata+pasto nativo >1 3 67 83 10 19 31 29 25 18 8 293
Total 50 261 184 20 29 154 114 118 144 42 1116
Proporção dos municípios (%)
Plantada / propriedades ≤ 10% 0 2 4 10 3 8 1 13 13 0 6
Plantada / propriedades ≤ 30% 8 21 53 50 17 55 30 73 64 12 42
Plantada / propriedades ≥ 60% 36 13 2 5 7 6 16 1 6 31 10
Plantada / município ≤ 10% 0 16 19 75 7 15 14 66 24 0 22
Plantada / município ≤ 30% 26 60 85 100 69 75 63 98 84 17 71
Mata / propriedades ≥ 20% 4 46 78 50 69 25 37 77 67 5 51
Mata / propriedades ≥ 40% 0 5 13 25 0 2 18 32 19 0 12
Pasto nativo / propriedades ≥ 40% 34 15 8 5 3 49 25 9 23 40 21
Pasto plantado > pasto nativo 26 39 1 10 69 3 16 8 1 38 17
Pasto plantado / propriedades ≥ 30% 20 28 0 0 52 3 11 0 0 57 12
Pasto plantado / propriedades ≥ 10% 46 76 7 10 83 27 48 11 12 90 38
Animais / pasto nativo e plantado < 1 14 62 19 25 86 51 23 29 41 64 41
Carvão + lenha / mata > 1 40 45 69 70 69 68 64 44 35 62 54
Carvão+lenha /mata+pasto nativo > 1 6 26 45 50 66 20 25 21 13 19 26

61
mata, é provável que eles tenham ainda agricultura e os pastos plantados têm pouco
uma boa cobertura de vegetação nativa. O peso, exceto em poucos municípios
Piauí se distingue do Maranhão pelo maior específicos, quase sempre situados nas áreas
número de municípios incluídos na área de de transição para um clima mais úmido.
Caatinga (118 e 20, respectivamente), Quanto à área de mata, a Paraíba diferiu do
tendo, assim, o maior número absoluto de Ceará e Rio Grande do Norte: enquanto só
municípios, entre os estados, com mais de 1/4 dos seus municípios apresenta mais de
40% de cobertura de mata (38). Segundo 20% de cobertura de mata, e quase nenhum
o MMA (1997), em 1991, o Piauí tinha uma mais de 40%, nos outros dois estados, a
enorme área coberta com vegetação nativa maioria dos municípios (cerca de 3/4 e 2/3,
de caatinga e com vegetação mista de respectivamente) tem mais de 20% de
caatinga e cerrado (24 e 13% da área do cobertura de mata.
estado, correspondendo a 61.000 e Os números absolutos de municípios
32.000km2, respectivamente), enquanto o com mais de 40% de mata no Rio Grande
Maranhão tinha, apenas, uma pequena do Norte (27) e no Ceará (24) só foram
área de caatinga (140km2). inferiores aos do Piauí. Na Paraíba, o uso
Alagoas e Sergipe apresentam-se em principal do solo é com pastos nativos, que
situação oposta, pois quase todos os ocuparam mais de 40% das áreas das
municípios possuem mais de 30% de área propriedades em quase a metade dos
cultivada, e cerca de 1/3 deles apresentam municípios. No Rio Grande do Norte essa
mais de 60% de área plantada em relação à mesma proporção somente foi detectada
área das propriedades. O quadro não se em 1/4 dos municípios, e no Ceará em
altera muito calculando a área plantada em apenas 8% dos municípios. Assim, parece
relação à área dos municípios. A proporção que a Paraíba tem poucas áreas de
de municípios com cobertura de mata vegetação nativa que não sejam
acima de 20% foi baixa e acima de 40% foi enquadradas como pastos, o Rio Grande
nula. Já cerca de 1/3 dos municípios tiveram Norte tem uma área maior, enquanto o
mais de 40% de cobertura por pasto nativo. Ceará apresenta a maior área de vegetação
É possível que parte dessas áreas de pasto nativa classificada, pelos proprietários,
nativo corresponda à caatinga com um grau como mata nativa. Os dados do MMA
razoável de preservação. Há evidências disto (1997) confirmam essas posições: entre os
para outros estados (discutido mais adiante). três, em termos absolutos, a Paraíba tinha,
De todo modo, parece mais provável que em 1991, a menor cobertura de caatinga
esses dois estados tenham poucos (33% da área do estado, 18.200km2), o
municípios com áreas significativas de Ceará, a maior (39%, 56.900km2) e o Rio
vegetação nativa. A avaliação do MMA Grande do Norte, uma situação
(1997) é de que eles tinham, em 1991, uma intermediária (47%, 24.700km2). Pode-se
cobertura total de caatinga muito pequena dizer que esses estados ainda têm uma
(< 20% das áreas totais dos estados, 3.500 extensão razoável de caatinga, porém
e 3.800km2, respectivamente). bastante fracionada pelas áreas agrícolas,
Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte e muito utilizada como pasto nativo.
apresentaram entre 2/3 e metade dos Pernambuco apresentou apenas 1/3
municípios com menos de 30% de área dos municípios com menos de 30% de área
cultivada, em relação à área das pro- plantada e 1/6 deles com mais de 60% de
priedades. Considerando a relação área área cultivada, principalmente os da região
plantada/área município, cerca de 4/5 dos mais úmida do agreste. Também, apenas
municípios apresentam valores menores que 1/3 tinha mais de 20% de matas e somente
30% e o quinto restante possui menos de 20 municípios (1/5 do total) com mais de
10%. Nos três estados, municípios com mais 40% de cobertura de matas nativas. E 1/4
de 60% de área plantada representaram dos municípios apresentou mais de 40% de
menos de 6% do total. Pode-se concluir que, pastos nativos. Assim, parece que o Estado
nesses estados núcleo do semi-árido, a tem zonas com características bem distintas:

62
algumas com pouca cobertura vegetal vegetação nativa, mas nem todas as plantas
nativa e outras com cobertura nativa mais nativas são eliminadas desses campos.
significativa, porém utilizada, predomi- Algumas plantas são deixadas quando a
nantemente, como pastos, além de outras vegetação nativa é cortada, outras rebrotam,
onde ainda persiste uma cobertura razoável nascem do banco de sementes do solo ou
de matas nativas. Os dados do MMA (1997) são introduzidas por propágulos vindos das
indicavam uma cobertura com caatinga de vegetações nativas das vizinhanças. A prática
42% da área do estado (43.000km2 ), de deixar árvores nos campos é bastante
principalmente na região do Sertão. freqüente no semi-árido e faz sentido do
A Bahia possui a maior área e o ponto de vista do aproveitamento de
maior número de municípios incluídos, recursos (Menezes & Sampaio 2000). Há
nesse trabalho, como pertencentes ao vários trabalhos sobre as invasoras dos
bioma Caatinga. A situação de uso do solo campos cultivados, geralmente sobre como
é parecida com a de Pernambuco: apenas eliminá-las. Não cabe, aqui, revisá-los,
1/5 dos municípios possuem menos de bastando apenas citar que as informações
30% da área das propriedades cultivadas, que eles contêm podem ser úteis em
enquanto cerca de 2/3 dos municípios estudos sobre a capacidade de dispersão
apresentam menos de 30% da área dessas espécies e sobre o processo de
municipal cultivada. Em apenas 1/8 dos sucessão das áreas em regeneração, já que
municípios baianos mais de 60% da área muitas das invasoras são espécies pioneiras.
das propriedades é cultivada. Cerca de Além da substituição da vegetação nativa, a
metade dos municípios apresenta mais de agricultura tem efeitos sobre os outros
20% de mata nativa, mas a proporção de componentes da biota. Vale a pena
municípios com cobertura de mata mencionar a perda de hábitat para os
superior a 40% foi muito baixa. Municípios animais e as modificações nas populações
com mais de 40% de pastos nativos dos microrganismos do solo e plantas,
somaram apenas 1/6 do total. Como em causadas pela aplicação de pesticidas e
Pernambuco, a área de caatinga do estado fertilizantes, pelo revolvimento do solo e pela
é dividida em muitos padrões distintos de irrigação e drenagem.
uso de solo. O MMA (1997) estimou 21%
da área do estado da Bahia (116.500km2)
com cobertura de caatinga, e um pouco
Pastagem
mais de 40% da área total com vegetação O extrativismo foi perdendo impor-
nativa. Pela dimensão do Estado, a área tância à medida em que as plantas mais
absoluta com caatinga era maior que a de úteis foram sendo incorporadas ao sistema
qualquer outro estado. agrícola, mas ainda é praticado em todo o
A maioria dos poucos municípios do mundo. E isso ocorre por várias razões: 1)
norte de Minas Gerais incluídos nesse algumas plantas são difíceis de se propagar
trabalho apresentou entre 30 e 60% da área artificialmente; 2) o seu uso é limitado; 3)
das propriedades cultivada, e com mais de existe um suprimento, em relação ao uso,
20% de cobertura por matas nativas. Quase abundante e de fácil acesso na vegetação
nenhum município apresentou mais de nativa; 4) há interesse na manutenção de
40% de pasto nativo, confirmando que não áreas de vegetação nativa e alguns usos são
é uma característica da região usar a compatíveis com esta manutenção; e 5) a
vegetação nativa, uma mistura de caatinga vegetação nativa fornece um agregado de
arbórea alta, como pastagem nativa. Os produtos mais rentável que o de culturas
municípios se caracterizam, portanto, pela plantadas. Esse último caso é comum nas
presença generalizada de áreas cultivadas, regiões semi-áridas e nas que têm extensas
intercaladas com resquícios de vegetação pastagens naturais.
nativa. Uma área considerável no semi-
Deve-se ressaltar que as áreas árido é destinada às pastagens,
agrícolas são subtrações das áreas de predominando as pastagens nativas em

63
todos os estados, exceto no norte de Minas As pastagens nativas têm uma
Gerais. Só nesse Estado, a maioria dos diversidade muito maior que as plantadas
municípios tem maior área de pastagem e são uma forma de conciliar o uso e a
plantada que de pastagem nativa (Tabela manutenção da biodiversidade. Entretanto,
2). Em Alagoas e Sergipe, quase 40% dos o uso atual poderia ser melhorado com um
municípios também têm mais pastagem manejo mais adequado. A capacidade
plantada que nativa mas, nos outros suporte da pastagem nativa diminui com a
estados, essa proporção é menor que disponibilidade hídrica e, em geral, é mais
20%. No Ceará, Rio Grande do Norte e baixa que a da pastagem plantada. Isto se
Paraíba essa proporção é muito mais dá pela presença de plantas não forrageiras,
baixa. especialmente as de porte alto. Nas
caatingas mais secas, a proporção de
As pastagens plantadas têm efeito
plantas de porte alto é menor que nas mais
semelhante ao das outras culturas, já
úmidas. Assim, os agrestes e outras áreas
discutido quando se tratou da agricultura,
limítrofes do semi-árido têm mais
e também tendem a ter extensas áreas de
pastagens plantadas, enquanto o núcleo
monocultura ou consorciação de poucas
semi-árido quase não tem plantios de
espécies. Nas pastagens predominam as
forrageiras, exceto nos baixios, vazantes e
gramíneas introduzidas da África,
revenças de açudes.
principalmente dos gêneros Cenchrus,
As pastagens da área de caatinga
Urochloa e Andropogon. Poucas
suportam grandes populações de animais
leguminosas são plantadas, predominando
domésticos, principalmente bovinos,
aquelas introduzidas dos gêneros Prosopis
caprinos e ovinos. Essas pastagens têm
e Leucaena.
capacidade suporte variável, mas
Em Minas Gerais e Sergipe, a maioria proporcional à disponibilidade de água, e
dos municípios tem mais de 30% das áreas em quase todas, a capacidade reco-
das propriedades ocupadas com pastos mendada tende a ser ultrapassada, havendo
plantados, e acima de 4/5 dos municípios uma sobrecarga animal constante.
possuem mais de 10% desses pastos (Tabela Em grande parte da área, os animais
2). São, geralmente, áreas com dispo- alimentam-se não só das pastagens, mas
nibilidade hídrica maior que a do núcleo do também dos restos das culturas e, em
semi-árido. muitos casos, de rações adquiridas fora das
Dentre os outros estados, destacam- propriedades, principalmente na época
se Bahia e Alagoas, com cobertura de pastos seca. Isto justifica, em parte, as lotações altas
encontradas na região.
plantados acima de 30%, além de
Pernambuco, com 10%. Também nesses A lotação foi estimada tomando-se
casos, as pastagens plantadas tendem a o número de animais dos municípios
predominar nos agrestes e outras áreas dividido pela área de pastos, nativos e
limítrofes do semi-árido. plantados. Para a determinação do número
de animais, somaram-se as populações de
Praticamente não existem muni- bovinos, eqüinos, muares e asininos, e as
cípios com mais de 30% da área das de caprinos e ovinos divididas por cinco,
propriedades coberta com pastos para compensar seu menor tamanho e
plantados nos estados do Maranhão, Piauí, menor uso da área. Em muitos municípios
Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba. No essa lotação foi maior do que um animal
Maranhão e em parte do Piauí, isso se deve por hectare, enquanto em áreas de
à baixa intensidade de exploração das caatinga nativa seriam necessários mais de
propriedades. Nos outros três estados, a 10 hectares para suportar um animal
deficiência hídrica e o baixo potencial de durante todo o ano. A capacidade de
produtividade de biomassa não justificam suporte dos pastos plantados tende a ser
o investimento na retirada da vegetação maior que a dos nativos, mas, no semi-
nativa e plantio da pastagem. árido, dificilmente atingiria a um animal por

64
hectare. É paradoxal constatar que nos histórico conhecido, mas que incluem
estados onde há mais pastos plantados e pastoreio anterior.
maior capacidade de produção, a Apesar desses efeitos, muitas das
proporção de municípios com lotação áreas de pasto nativo do semi-árido
abaixo de um animal por hectare é maior. conservam uma boa cobertura de
Isso acontece em Minas Gerais, Sergipe e vegetação nativa. São áreas que não são
Bahia (Tabela 2). Em Alagoas, que também
queimadas e nem roçadas, e onde a ação
tem uma boa proporção de municípios
antrópica limita-se à exploração pecuária
com de mais de 30% de cobertura por
e à eventual coleta de produtos vegetais.
pastos plantados, existe uma grande
Essa situação explica como a cobertura
quantidade de municípios com lotação
vegetal de caatinga verificada nos
acima de um animal por hectare. O excesso
trabalhos do projeto PNUD/FAO/IBAMA,
de lotação fica mais patente na Paraíba e
como o de Pernambuco (1998), é maior
Rio Grande do Norte, que apresentam baixa
do que as áreas consideradas como mata
proporção de pastos plantados e que
nos censos e, em muitos casos, eqüivale
tiveram aproximadamente metade dos
à soma de matas e pastos nativos. Isso
municípios com lotação acima de um
vale para muitas áreas mas não para
animal por hectare. O excesso atinge o
todas, já que muitos pastos nativos
auge em Pernambuco e, especialmente, no
constituem áreas de abandono recente da
Ceará, onde quase não há municípios com
agricultura itinerante e da exploração de
mais de 30% de pastagens plantadas, mas
aproximadamente cerca de 4/5 deles lenha, com corte raso. Até o momento,
apresentam lotação acima de um animal não existe quantificação desses diferentes
por hectare. Os estados do Piauí e tipos de pasto e, freqüentemente, torna-
Maranhão apresentaram situação se difícil separar caatingas empobrecidas
semelhante, com lotações altas apesar das pelo trato indevido de caatingas pobres
baixas proporções de pastos plantados e devido às condições ambientais.
nativos. As espécies nativas consumidas
Essa carga excessiva tem efeitos pelos animais são muitas, incluindo, além
marcantes para as populações de animais das gramíneas (Poaceae) e leguminosas
e plantas nativas. As populações animais (Caesalpinaceae, Fabaceae e Mimosa-
sofrem forte competição e muitas podem ceae), espécies de várias outras famílias.
ser eliminadas. A composição das Não há um levantamento completo para
comunidades vegetais é alterada, pois, a Caatinga, mas os existentes sobre as
enquanto as populações das espécies mais leguminosas da Bahia (Anexo 2) e as
palatáveis, que sofrem uma grande forrageiras nativas do Parnaíba, no Piauí
pressão, tendem a se reduzir, as populações (Anexo 3), dão uma medida de sua
das espécies não consumidas pelos variabilidade. Chama a atenção o fato de
rebanhos podem aumentar bastante. São que esse potencial foi muito pouco
consideradas tanto as espécies herbáceas estudado pelo nordestino, e tem sido mais
quanto as arbustivas e arbóreas que podem fácil importar espécies do que selecionar
ter seus indivíduos jovens consumidos e melhorar as nativas. Há um certo
pelos animais. O pisoteio e a abertura de consenso de que as gramíneas nativas são
trilhas são efeitos adicionais na vegetação. muito inferiores, em potencial produtivo,
Apesar da obviedade desses efeitos, pouco às africanas, mas há muito pouca
tem sido estudado sobre eles no Nordeste. comparação científica e nenhuma
A comparação da composição florística de tentativa de melhoramento das espécies
áreas com e sem exclusão de rebanhos locais. É verdade que elas são pouco
domésticos praticamente não existe. Os visíveis nos campos, exceto as pouco
poucos trabalhos (Silva et al. 1995, palatáveis, mas mesmo quando sua massa
Albuquerque & Bandeira 1995) são aparente é pequena, podem constituir uma
recentes, de curta duração e em áreas sem fração alta da dieta dos animais (Silva

65
1988). Acredita-se que as leguminosas Lenha
nativas têm um grande potencial forrageiro,
A produção de lenha é a mais
mas sua quantificação é incipiente
importante contribuição do extrativismo no
(Tabela 3). Sobre as forrageiras de outras
Nordeste (cerca de R$65 milhões) registrada
famílias, há pouco mais que listagens
nos censos do IBGE, já que os mesmos não
parciais (Anexo 3, como exemplo). Esse é
incluem o valor do pasto nativo (Tabela 4).
um vasto campo de estudo, com
A ela podem ser acrescidas as produções
possibilidade de conciliar o uso e a
de carvão, estacas, moirões, postes e
conservação da biodiversidade, à espera de
madeira, que utilizam a vegetação nativa
maior atenção dos setores governamental
em geral, sem uma coleta específica de
e empresarial.
uma ou poucas espécies de plantas. Em
todas elas, principalmente na produção de
estacas, moirões, postes e madeira, há o
Tabela 3 - Leguminosas da Caatinga selecionadas
reconhecimento das diferenças de
pelo potencial forrageiro
qualidade entre as plantas, mas o
(adaptado de Queiroz 1999).
suprimento maior vem de cortes rasos,
Espécie Nome vulgar com a derrubada geral da vegetação e
Espécies lenhosas seleção posterior. A produção de moirões,
Acacia bahiensis Benth. Jurema-branca postes e madeira é pequena e será
Acacia langsdorfii Benth. Unha-de-gato discutida na seção sobre coletas seletivas.
Albizia polycephala (Benth.) Killip Monzê
A produção de lenha está dispersa
Bauhinia cheilantha (Bong.) Steud. Miroró
em toda a área da Caatinga, sendo maior
Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul. Pau-ferro
no Ceará (4,3 milhões de metros cúbicos)
Caesalpinia pyramidalis Tul. Catinga-de-porco
Canavalia dictyota Piper Feijão-de-porco e na Bahia (4,0 milhões), seguidos do Piauí
Cratylia mollis Mart. Ex Benth. Camaratuba (1,4 milhões) e de Pernambuco (1,3
Dioclea grandiflora Mart. Ex Benth. Mucunã milhões), e menor em Sergipe (0,3 milhões)
Mimosa arenosa (Willd.) Poir. Calumbi e Alagoas (0,1 milhões). A Bahia tem,
Mimosa gemmulata Barneby Jurema-cor-de-rosa também, uma grande produção de carvão
Piptadenia moniliformis Benth. Angico-de-bezerro (146 mil toneladas), mas inferior à do norte
Poecilanthe ulei (Harms) de Minas Gerais (176 mil toneladas), apesar
Arroyo & Rudd Carrancudo da diferença do tamanho da área. Os
Senna macranthera (Collad.) demais estados têm produções menores,
H.S.Irwin & Barneby Canjuão variando de 19.130 toneladas, no Piauí, a
Senna rizzinii H.S.Irwin & Barneby Canjuãozinho
560 toneladas, em Sergipe.
Espécies herbáceo-subarbustivas
Aeschynomene mollicula Kunth Carrapicho-amarelo As produções de lenha e carvão tem
Crotalaria holosericea sido decrescentes nos últimos anos. Em
Nees & Mart. Mata-pasto-branco 1980, a produção de lenha era cerca de
Desmanthus virgatus (L.) Willd. Desmanto três vezes maior que a de 1995/1996, e a
Galactia jussiaeana Kunth Feijãozinho-bravo de carvão apenas um pouco maior
Galactia remansoana Harms Feijão-de-rama (Sampaio et al. 1987). Supõe-se que essa
Macroptilium bracteatum tendência continue, e até se acelere, com
(Nees & Mart.) a substituição, cada vez maior, de seu uso
Maréchal & Baudet Feijão-de-rola-rasteiro doméstico pelo gás. O uso industrial não
Macroptilium lathyroides (L.) Urb. Feijão-de-rola
tem um declínio tão previsível, e depende
Macroptilium martii (Benth.)
da presença de indústrias consumidoras.
Maréchal & Baudet Orelha-de-onça
As cerâmicas, olarias, padarias e casas de
Periandra coccinea
(Schrad.) Benth. Jequitirana-vermelha farinha são usuárias tradicionais, e as
Rhynchosia edulis Griseb. Feijão-bravo indústrias de gesso e de cimento, usuárias
Zornia myriadena Benth. Arroiozinho em expansão. É possível que as informa-
ções do censo diminuam os valores reais
de produção, já que há uma proibição

66
em vista da impossibilidade de uma
fiscalização efetiva.
Tabela 4 - Principais produtos do extrativismo nos estados nordestinos, com
Para estimar o impacto da produção
ênfase no semi-árido (em toneladas, exceto quando especificado).
de lenha e carvão sobre a vegetação nativa,
Produto AL BA CE MA PB PE PI RN SE 103 R$ foram somadas suas produções e divididas
Andiroba, semente 2 24 29 171 - 1 43 1 9 72 pela área de mata nativa. A produção de
Angico, casca - 17 0 0 0 16 0 0 - 4 carvão foi transformada em produção de
Babaçu, coco - 2 154 943 - - 139 0 - 115 lenha, admitindo-se que 19m3 de lenha
Babaçu, amêndoa (103 t) - 0 0 114 0 - 7 - - 37.094 forneçam uma tonelada de carvão. Como
Buriti, coco - 668 4 570 - - 3.293 - - 539 parte da lenha no semi-árido pode vir de
Buriti, palha - 8 8 700 - 5 3 - - 61 áreas consideradas pasto nativo, foi feito,
Carnaúba, cera - 1 5.019 138 7 0 350 304 - 2.651 também, o cálculo dividindo -se as
Carnaúba, palha - 3 6.874 667 76 27 4.346 1.116 - 1.741 produções pela soma das áreas de mata e
Carnaúba, pó - 19 3.074 304 7 - 3.305 261 - 6.784
pasto nativos. As diferenças refletem o peso
Carnaúba, óleo - 0 2.315 43 0 - 385 24 - 1.426
do pasto nativo em cada município, mas
Caroá, fibra - 0 195 - - 0 11 - - 16
podem indicar, também, quanto as áreas
Carvão (103 t) 1 157 119 140 6 17 21 3 1 48.330
Estacas (10 6 unidades) 0,1 1,5 10,5 0,9 1,2 1,6 5,4 1,4 0,2 8.906
de pasto estariam contribuindo para a
Lenha (106 m3) 0,1 5,2 4,2 3,0 0,9 1,3 1,9 0,9 0,3 65.475 produção de lenha e carvão. Quanto maior
Licuri, coquilho 2 326 0 1 - - - - - 141 a contribuição, mais degradadas devem ser
Licuri, folha 1 6.439 - - - - - - - 356 as áreas de pasto, do ponto de vista de
Madeira tora (10 3 m3) 17 740 142 489 39 15 117 15 6 17.812 preservação da vegetação nativa.
Mangaba, fruto 5 135 1 - 13 1 1 1.002 545 755 Para simplificar a apresentação, os
Moirões (103 unidades) 1 113 402 264 74 78 109 256 10 937 municípios foram separados em dois
Murici, fruto - 16 33 58 - 14 5 - 0 65 grupos: os que possuem produção de lenha
Oiticica, semente - - 234 - 170 - - 11 - 61 maior que um metro cúbico por hectare e
Ouricuri, coco 5 180 1 - - 68 - - - 66 os com produção menor que um metro
Pequi, fruto - 332 1556 423 - 30 402 - - 485
cúbico por hectare (Tabela 2). Esse é um
Piaçava - 11.395 1 - - 14 - - - 8.643
valor arbitrário e razoavelmente conservador
Pitomba, fruto 14 6 44 40 72 434 15 23 14 143
em termos de capacidade de produção de
Postes (10 3 unidades) - 191 - 36 3 8 540 - 16 701
Taperebá, fruto - 34 100 4 - 19 5 33 - 49 lenha na caatinga. A caatinga produz,
Timbó, cipó - 24 462 3 - 2 419 - - 418 geralmente, de 40 a 100m3/ha (ou estéreo/
Tucum, fibra - - 0 4 - 40 33 - - 10 hectare, como seria mais apropriado), em
Umbu, fruto 35 5.195 14 1 1.812 1.540 120 129 12 1.971 corte raso, ou seja, cortando toda a
Vigas (10 3 unidades) - 35 24 3 216 78 30 - 2 376 vegetação e deixando tocos pouco acima
do solo. Assim, um valor de 1m3/ha deixa,
como média geral municipal, de 40-100
anos de recuperação de cada área antes de
conhecida de corte sem autorização, e essa ser novamente cortada.
raramente é solicitada. Na divisão pela área de mata nativa,
Tradicionalmente a produção de muitos municípios, em cada estado,
lenha era um subproduto da abertura de tiveram valores maiores que 1m3/ha, e
áreas para plantio na agricultura itinerante, alguns, valores bem mais altos que a
mas com o declínio desta, começa a ser produção provável se toda a área de mata
uma atividade independente (MMA 1997). tivesse sido cortada. Seis dos dez estados
Com o aumento da demanda, pode passar analisados tiveram cerca de 60% de seus
a ser uma fonte de renda esporádica em municípios acima do limite, e a menor
áreas onde não existam outras alternativas proporção foi de 35% no Rio Grande do
de exploração rentável. Essa possibilidade Norte. Tais dados podem resultar de falhas
justifica a proposição de planos de manejo na base de dados do IBGE, da contribuição
da vegetação nativa, para orientar os dos pastos plantados e de informação
proprietários. Vale lembrar que a simples equivocada da produção de matas
proibição de corte não resolve o problema, plantadas, mas os municípios com valores

67
anormalmente altos merecem atenção. ausentes e suas plântulas podem não se
Deve-se lembrar que lenha e carvão estabelecer, de forma que a espécie seria
provenientes de matas plantadas são eliminada do local. Não se conhece a
registrados separadamente, nos censos de extensão do problema e nem como a
silvicultura, e não de extrativismo. No eliminação desse indivíduo afetaria a
entanto, muitos municípios tiveram valores distribuição da espécie e a sua área de
bastante baixos, mostrando que sua ocupação total. Dessa forma, muito mais
vegetação nativa permanece sem maior informação é necessária antes que planos
impacto de corte. de manejo apropriados sejam traçados. Por
Considerando as áreas de mata e outro lado, independente da existência de
pasto nativos houve um número bem planos adequados a exploração não
menor de municípios acima da produção cessará, e a extração de lenha e outros
limite (1m3/ha), em quase todos os estados, produtos madeireiros tem grande
exceto Minas Gerais e Maranhão, que importância econômica para as populações
tiveram mais da metade de seus que dela dependem. Por isso, mesmo
municípios, acima desse limite. Metade dos sendo difícil, é necessário se tomar
municípios do Ceará, e menos de 26% dos decisões buscando conciliar o uso e a
municípios no restante dos estados conservação dos recursos biológicos, ainda
também apresentaram valores acima da que sem dispor de informações completas.
produção limite (1m3/ha). A diferença entre
os dois cálculos aponta para uma pressão
grande sobre a vegetação das pastagens Coleta de plantas isoladas
nativas em Alagoas, Sergipe, Paraíba, Diversas plantas são listadas nos
Pernambuco e Rio Grande do Norte. censos do IBGE para os estados
De maneira geral, as proporções não nordestinos, como tendo produtos de
são alarmantes, mas inspiram cuidado, extrativismo. A maioria tem valor baixo e é
principalmente considerando o impacto produzida em uma só parte do semi-árido,
sobre a biodiversidade, que extrapola a preo- muitas vezes de forma mais concentrada
cupação com a renovação da biomassa. A em um único estado. Os produtos que se
produção de lenha e carvão envolve o corte destacam, em toda a região, são o babaçu
raso anual de milhares de hectares, e os (R$37 milhões), carnaúba (12 milhões),
efeitos sobre a biodiversidade não são bem piaçava (R$9 milhões), umbu (R$2
conhecidos, mas alguns podem ser milhões), mangaba (R$0,8 milhão), buriti
avaliados. Muitos animais perdem (R$0,6 milhão), licuri (R$0,5 milhão) e
imediatamente seu hábitat, e a renovação pequi (R$0,5 milhão) (Tabela 4). No
da vegetação leva muitas dezenas de anos, entanto, a maior parte da produção de
ao longo de todo o processo sucessional. babaçu e piaçava está fora da região da
Além disso, muito tempo depois que a Caatinga, o mesmo acontecendo com
biomassa atinge um patamar semelhante partes consideráveis das de mangaba, buriti
ao original, a composição florística ainda é e pequi. Assim, carnaúba, umbu e licuri são
diferente. A regeneração da população de os produtos mais importantes das áreas
algumas espécies na caatinga é muito lenta mais típicas da Caatinga.
(Sampaio et al. 1998), muitas das quais Alguns produtos são originários de
desempenham um papel crítico no extrativismo e também de culturas, pois
fornecimento de alimento aos animais, podem ser coletados da vegetação nativa
através de sua floração e frutificação ou espontânea, e podem também ser
(Machado et al. 1997). Os levantamentos cultivados. O caso típico é o do caju, seja
fitossociológicos têm revelado um número aproveitado como fruto ou castanha. Na
grande de espécies representadas, nos verdade, em muitos casos, a linha divisória
locais amostrados, por um único indivíduo entre extrativismo e cultivo é pouco nítida,
(Sampaio 1996). Tais indivíduos podem não e algumas espécies são referidas como
rebrotar, suas sementes podem estar semi-domésticas ou em vias de

68
domesticação (Giacometti 1993). No óleos fixos; ceras, látex e produtos
processo de coleta é comum haver químicos; fibras; alimentos; óleos
influência do homem na dispersão das essenciais; medicinais; e madeiras.
plantas. Essa influência pode ter vários Há muitos trabalhos dispersos sobre
níveis, até o limite do recolhimento dos o uso de plantas específicas, mas poucos
propágulos e seu cultivo em locais sobre o conjunto dos usos (Sampaio et al.
específicos, que já é a agricultura. Uma 1987). Alguns deles trazem listas de
influência forte pode ser detectada, ainda espécies, mas, geralmente, sem a
hoje, em várias comunidades indígenas, preocupação em localizá-las nas áreas da
através do favorecimento da propagação Caatinga. Seria ideal, portanto, que essas
das plantas úteis nas vizinhanças das suas listas fossem confrontadas com a lista geral
roças ou locais de moradia (Albuquerque da flora da área de caatinga. Entretanto,
1999). É possível que isso tenha ocorrido essa lista não existe ainda, e mesmo as
em áreas de caatinga, antes da colonização listas parciais, como a das lenhosas da
européia, mas não se conhecem Caatinga (Rodal & Melo 1999), são
evidências. Com uma possível exceção para reconhecidamente incompletas, pela
o babaçu e a carnaúba, não parece haver enorme dificuldade de sua elaboração.
aglomerados de plantas úteis no meio da
vegetação nativa que possam ser atribuídos
à intencionalidade humana. Por outro lado, Óleos fixos
ocorre a transferência de plantas nativas As produtoras nativas de óleo têm a
para jardins e quintais, que se constitui em maior expressão comercial no extrativismo
um passo para a agricultura, e o uso muito nordestino, excetuando-se lenha e carvão.
disseminado de várias plantas, ou suas Várias plantas são exploradas: babaçu,
partes, colhidas diretamente das formações pequi, licuri, ouricuri, oiticica e andiroba.
vegetais nativas. Essas plantas podem vir Como já mencionado, o babaçu ocorre
a ser cultivadas, até em larga escala, caso principalmente no Maranhão, fora da área
haja uma demanda maior por seus da Caatinga. A produção nos municípios
produtos. Entretanto, a questão da incluídos como da Caatinga é menor que
demanda não é simples, na medida em que 20% do total. O pequi é uma planta mais
interage com a oferta e o conhecimento característica do cerrado e só aparece em
do potencial de uso. áreas de caatinga quando essa formação
Do ponto de vista da conservação da se mistura à de carrasco ou cerrado, como
vegetação nativa, o incremento do uso pode na Chapada do Araripe (microrregião do
levar a um maior interesse na preservação Cariri), a zona de maior produção no Ceará.
da espécie e da vegetação onde ela ocorre, Há uma produção razoável de pequi no
mas pode também ter o efeito oposto, norte de Minas Gerais, principalmente na
levando a uma coleta excessiva, destruição microrregião de Montes Claros. A andiroba,
da vegetação do entorno durante a coleta e além do pequeno valor de produção, ocorre
ao corte da vegetação nativa para abrir com mais abundância no Maranhão, fora
espaço para o novo cultivo. Cabe às da área da Caatinga.
instituições governamentais controlar o uso As produtoras características da
e regular o incentivo à exploração das Caatinga são o licuri e o ouricuri, palmeiras
espécies nativas. Há, ainda, uma intensa do gênero Syagrus, e a oiticica. O licuri é
controvérsia sobre o uso da biodiversidade explorado quase que exclusivamente na
nativa e quem dela se beneficia, par- Bahia, principalmente nas microrregiões de
ticularmente, quanto às plantas medicinais Jacobina, Itaberaba e Euclides da Cunha.
que podem originar medicamentos com Além da produção de coquilhos, dos quais
faturamentos milionários. se extrai o óleo, as palmeiras produzem cera
O uso das plantas nativas é muito nas folhas. O interesse em um ou outro
diverso, e em termos práticos, pode ser produto tem variado ao longo do tempo, e
dividido pelo tipo de produto fornecido: não são compatíveis porque o corte das

69
folhas leva a uma menor produção de palmente nos rios Jaguaribe, Coreaú,
frutos (Sampaio et al. 1987). Com isso e Acaraú, Parnaíba, Mossoró e Açu. Em
com a influência das secas na frutificação, 1970, a SUDENE estimou que essa planta
as safras de óleo têm sido muito variáveis. cobria uma área de 180 a 250 mil hectares
Ouricuri e licuri são nomes vulgares de (Sampaio et al. 1987), e, como os níveis
espécies que se confundem, sendo o licuri de produção ainda estão em patamar
mais característico na Bahia. O ouricuri é semelhante ao dessa época, estima-se que
explorado quase na mesma área, na Bahia, a área deve ser aproximadamente a
mas também em Pernambuco, mesma. Apesar de existir algum plantio da
principalmente na microrregião de espécie, a maior parte da área é de
Garanhuns, município de Paranatama. vegetação nativa. O tipo de caatinga ao
A oiticica ocorre ao longo das qual está associada é bastante peculiar,
margens de cursos de água do semi-árido devido às condições de inundação de seus
do Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. locais de ocorrência. Seu uso e
O vale do Jaguaribe é o maior produtor, conservação poderiam ser combinados,
destacando-se a microrregião do médio mas a vegetação associada às carnaubeiras
Jaguaribe. Como as áreas das margens dos não apresenta interesse para os
rios são áreas preferenciais de agricultura, exploradores de cera e, portanto,
as oiticicas são cortadas e, geralmente, não necessitaria de uma proteção especial.
são replantadas ou mesmo deixadas Além da cera de carnaúba, é também
regenerar naturalmente. Desse modo, a extraída cera do licuri. A produção ocorre
produção tem diminuído, sendo que no nas mesmas áreas da produção de óleo,
início da década de 80 atingia 10 mil na Bahia, já descritas acima.
toneladas, já menor que o auge de décadas
A produção de látex e gomas é muito
anteriores (Sampaio et al. 1987), e
baixa no Nordeste, excetuando-se os
atualmente mal chega a 5% desse valor.
plantios de seringueira nas áreas mais
Mesmo assim, a sua exploração ainda
úmidas. Há apenas pequenas extrações de
oferece a oportunidade de combinar
gomas de mangabeira, maniçoba e
extrativismo com conservação da
maçaranduba, que totalizam menos de
vegetação nativa.
uma dezena de toneladas e de alguns
Outras plantas potenciais produtoras milhares de reais, sendo a Bahia o maior
de óleos têm sido listadas para o Nordeste produtor de todas elas. Em tempos
(Sampaio et al. 1987), incluindo pinhão e passados, principalmente quando as
faveleira, que têm boa distribuição no semi- guerras impediram o acesso à borracha da
árido. Estudos recentes ampliam essas Ásia, já houve maior extração de látex de
listas e também se aprofundam nas maniçobas (Manihot spp.). Entretanto, a
características dos óleos das espécies de produtividade é baixa e não chega a pagar
Euphorbiaceae (Silva 1998). Entretanto, a mão-de-obra para coleta, não havendo
sua exploração continua sem despertar perspectiva de maior extrativismo que o
interesse econômico, devido à baixa atual.
produtividade e dificuldade de coleta das
sementes. Ainda que exista um potencial Outros compostos podem ser
de exploração futura, o mesmo é incerto e extraídos das plantas nativas, como
não deverá ser atingido a curto prazo. mucilagens e princípios ativos diversos.
O único que mereceu destaque no último
censo foi a casca do angico, cuja extração
Ceras, látex e produtos químicos concentra-se em Pernambuco (Parna-
A carnaubeira é a grande produtora mirim) e na Bahia (Andorinha), mas já foi
nativa de cera no Nordeste (incluindo palha, bastante disseminada em outras áreas de
pó e óleo) (Tabela 4). A espécie ocorre nos caatinga e de cerrado. O tanino do angico
vales inundáveis dos estados do Ceará, é cada vez menos utilizado na curtição de
Piauí e Rio Grande do Norte, princi- couros, sendo substituído por produtos

70
sintéticos e sais. Por isso, a produção vem entremeiam os cerrados de Barreirinhas e
caindo há décadas, de dezenas de milhares Primeira Cruz.
de toneladas nas décadas de 50-60, a A fibra mais característica da Caatinga
poucos milhares de toneladas no início da é o caroá, produzido principalmente no Ceará
década de 80 (Sampaio et al. 1987), até (município de Ibiapina). Sua produção já foi
apenas algumas dezenas de toneladas no maior, mas foi sendo substituída, primeiro
último censo. pelo agave, e depois pelas fibras sintéticas
Há outras possibilidades de uso (Sampaio et al. 1987). Desde a década de
pouco exploradas no Nordeste. As 80 a produção está estabilizada no patamar
saponinas podem ter vários usos, como as atual. O tucum é produzido em Pernambuco
extraídas comercialmente do joazeiro, que e Piauí, em pequena escala. Não parece que
entram na composição de pasta de dentes. haja potencial, maior que o atual, para
O uso da maioria desses compostos passa exploração futura de produtoras de fibras.
pela identificação e quantificação de sua
presença nas plantas, determinação de uma
forma eficiente e de baixo custo de extração, Alimentos
identificação do potencial de utilização em
Várias partes das plantas podem ser
produtos comerciais, estabelecimento de
utilizadas para alimentação: raízes, túberas,
produção piloto e montagem de estratégias
caules, seiva, folhas, flores, sementes e
de venda. É um processo complexo e
frutos, mas predominam os últimos, que são
demorado que requer pesquisa e
os únicos a constarem na lista dos produtos
investimento de longo prazo, além de que
do extrativismo do Nordeste. Umbu,
sua viabilidade depende de interesse
mangaba, pitomba, murici e taperebá (cajá)
governamental ou de empresas de grande
são os principais. Outros frutos nativos são
porte. Considerando que plantas de regiões
cultivados em escala agrícola e foram
áridas tendem a uma maior produção de
excluídos desse texto, como, principalmente,
compostos secundários do que as de
o caju e, também, o cajá.
regiões mais úmidas, que o potencial de
O umbu é uma fruta típica da
produção dessas plantas é ainda
Caatinga, principalmente da Bahia,
desconhecido e que os produtos extraídos
Pernambuco e Paraíba, e tem um grande
podem ter alto valor, seria interessante
potencial de exploração, com a produção
destinar maior atenção ao tema.
da polpa congelada. As vantagens que esse
sistema oferece são o processamento
Fibras próximo ao local de produção, unidades
As fibras extraídas de plantas nativas processadoras de baixo custo e oferta do
registradas no censo do IBGE de 1995/1996 produto por prazo bem mais longo que o
foram palha de buriti, caroá, tucum e piaçava de produção (o umbuzeiro, como quase
(Tabela 4). Entre elas, a piaçava alcançou o todas as nativas, tem safras de duração
maior valor (R$9 milhões), mas foi quase toda muito curta). Na Bahia, a produção
produzida fora da região da Caatinga, espalha-se pelas mesorregiões Centro-Sul,
especialmente no sul da Bahia. Dos outros Centro-Norte, Nordeste e Vale do São
estados do Nordeste, Pernambuco era o Francisco. Em Pernambuco e Paraíba, a
maior produtor de piaçava, em municípios produção vai do agreste ao sertão.
da região do Agreste, mas em quantidade A produção de mangaba predomina
pouco maior que um milésimo da produção nas áreas costeiras do Rio Grande do Norte
da Bahia. As produções das outras fibras e Sergipe, em locais mais de restinga que
tiveram valores muito baixos, atingindo para de caatinga, embora atinja algumas áreas
todo o Nordeste apenas 61, 16 e 10 mil reais, de caatingas de areia e de cerrado na Bahia.
respectivamente. Entre essas últimas, as Os frutos têm bom valor de mercado e há
palhas de buriti são mais produzidas no plantios comerciais em expansão. O murici
Maranhão, nas áreas dos alagados que ocorre, também, nos locais arenosos

71
próximos à costa (Ceará e Maranhão), mas variabilidade existente. Esse pode ser um
é mais típico dos solos arenosos do interior, processo longo e, por isso, deveria ser
tanto em áreas de cerrado como de iniciado o quanto antes.
caatinga de areia (região do São Francisco:
Glória, BA e Petrolândia, PE). A produção,
Óleos essenciais
que se espalha por quase todos os estados
nordestinos, tem um valor relativamente Muitas são as plantas produtoras de
baixo pela pouca massa comestível dos óleos essenciais no Nordeste (Sampaio et
frutos. A pitomba também tem pouca al. 1987), mas não há exploração registrada
massa comestível, valor unitário baixo e pelo IBGE. Apesar do potencial produtivo
produção disseminada em todos os de algumas plantas ter sido reconhecido há
estados nordestinos. Ela é mais típica de muitos anos, principalmente em estudos no
áreas relativamente úmidas, ocorrendo das Ceará (Craveiro et al. 1981), seu uso não
matas úmidas e secas às caatingas de alcançou dimensão comercial. Os marme-
agreste. O taperebá é uma fruta típica de leiros (Croton spp.) e outras espécies de
áreas úmidas e subúmidas, bem Euphorbiaceae têm quantidades razoáveis
disseminado em todo o Nordeste, só de óleo e algumas têm ampla distribuição
aparecendo na Caatinga quando plantado. em Pernambuco, especialmente no Sertão.
Na Caatinga, o taperebá é explorado nas Espécies de outras famílias também têm
regiões costeiras, de maior precipitação potencial de produção de óleos essenciais
(Fortaleza, Leste Potiguar), nos limites mais (Sampaio et al. 1987), entretanto, não há
úmidos do agreste e nas regiões serranas um uso popular dos óleos essenciais que
e pés de serra do Ceará (Cariri, Baturité) e requerem, para sua obtenção, um processo
do Rio Grande do Norte (Portalegre, São químico sofisticado demais para prática
João do Sabuji) caseira, embora simples para as indústrias.
Sua utilização está, geralmente, ligada à
Naturalmente, muitos outros frutos
indústria de cosméticos e produtos de
são consumidos sem que sua produção seja
limpeza.
registrada. Grande parte deles sequer é
comercializada e é consumida diretamente
pelo coletor ou seus familiares. Alguns são Medicinais
coletados da vegetação nativa e outros dos Há uma vasta literatura regional sobre
quintais das residências, das margens de o uso das plantas na medicina popular, e
cercas, caminhos e cursos d’água e de centenas de espécies são usadas para os
árvores isoladas preservadas no meio dos mais diversos fins. Em Pernambuco, por
campos de cultivo. Não há uma lista das exemplo, um levantamento preliminar, em
espécies frutíferas da Caatinga, mas a lista apenas quatro municípios, listou mais de 400
das frutíferas nordestinas, elaborada por plantas (Victor 1990). Na Bahia, o volumoso
Pinto (1993), deve incluir a maior parte delas, trabalho do SEPLANTEC (1979) cita
embora inclua também espécies que não centenas de espécies. O entendimento do
ocorrem nessa área (Anexo 4). assunto é complicado porque uma mesma
A expansão do cultivo das nativas tem planta pode ser recomendada para cura de
como limitações o desconhecimento do enfermidades diferentes em distintos locais
potencial de mercado e das técnicas de ou até em um mesmo local. Vários grupos
produção em larga escala de fruteiras só na região têm comprovado a ação benéfica
cultivadas para uso doméstico, além do de muitas plantas e, a partir daí, têm atuado
longo prazo entre o plantio e a produção em duas linhas de ação diferentes: alguns
estabilizada para muitas espécies. As têm difundido o uso das plantas com efeito
pequenas quantidades de massa comestível comprovado entre a população, geralmente
e as épocas de frutificação muito curtas são trabalhando com comunidades pobres,
características indesejáveis que podem ser enquanto outros têm tentado a extração dos
melhoradas com um processo de seleção e princípios ativos, como início de um processo
melhoramento genético, aproveitando a de industrialização.

72
O uso popular tradicional, apesar de Piauí, e já existem propriedades na região
amplamente difundido, tem pouco impacto implantando o cultivo desta espécie.
negativo na vegetação nativa pois, O potencial econômico das plantas
geralmente, as quantidades usadas são medicinais pode ser grande, embora seja
pequenas, grande parte do material vem de uma questão complexa. Um novo
plantios domésticos, sendo que para muitas medicamento pode custar milhões de reais
espécies, apenas parte da planta é colhida, mas pode dar um retorno muito maior.
sem eliminá-la, e, quando a colheita envolve A maior parte desse retorno fica com a
a eliminação de plantas, muitos dos indústria farmacêutica, restando pouco
coletores tradicionais têm o cuidado de não para a região de origem da planta, mesmo
esgotar a população. Por outro lado, o uso quando essa passa a ser cultivada na
pode ter um impacto positivo, por aumentar região. Esse desequilíbrio tem provocado
o interesse na preservação de áreas nativas. um amplo movimento de proteção ao uso
A difusão de formas simples de uso da biodiversidade, incluindo debates e
é melhor exemplificada pelo programa tentativa de estabelecimento de legislação
Farmácias Vivas, iniciado na UFCE e hoje em nível, inclusive, internacional.
com abrangência regional (Matos 1999a). Alguns grupos governamentais têm
O Anexo 5 apresenta uma lista das plantas trabalhado na região com o teste de efeitos
selecionadas por esse programa, incluindo e o isolamento de princípios ativos, alguns
algumas nativas. Há outros programas na deles ligados a universidades federais, no
região, geralmente conduzidos por Ceará (Matos 1999b), Alagoas (Sant’Ana et
organizações não governamentais, al. 1999) e Paraíba (Agra 1996). Uma lista,
envolvendo algumas das plantas listadas. sem dúvida incompleta, das plantas
Quase todos recomendam o plantio das testadas ou em teste, está apresentada no
espécies selecionadas, buscando pouco Anexo 6. Como o assunto pode envolver a
afetar a vegetação nativa. obtenção de patentes ou registros de uso,
A extração de princípios ativos, a o conhecimento obtido nem sempre é
fabricação de medicamentos a partir deles amplamente disseminado.
e o teste de seus efeitos diretos e colaterais
é um processo caro, que requer um alto Madeiras e ornamentais
investimento em equipamentos e mão-de- A produção de madeira, exceto para
obra qualificada. Há poucas empresas no fins energéticos (lenha e carvão) e para
Nordeste que investem nesse processo, e obtenção de estacas, é muito baixa nas
a quase totalidade dos novos medica- áreas de caatinga (Tabela 4). A vegetação
mentos vem de multinacionais. Essas típica de caatinga tem poucas árvores com
empresas podem identificar o uso de uma fuste adequado para produção de tábuas,
planta e passar a comprá-la em quan- linhas, vigas, postes, etc. Algumas espécies,
tidades que ameacem sua sobrevivência na como a baraúna, a aroeira e outras
vegetação nativa. Entretanto, os registros madeireiras, são mantidas quando a
desses casos são raros, citando-se o caatinga é cortada para plantio, pelo
exemplo do jaborandi, usado para extração reconhecimento de sua utilidade.
da pilocarpina. O risco não é grande pois, Eventualmente são cortadas, para uma
naturalmente, não interessa às empresas linha de telhado, um eixo de carro de boi
esgotar seu suprimento de matéria prima, ou outra função, apesar da proibição legal
e dessa forma elas procuram cultivar as de corte de baraúna e aroeira, consideradas
plantas que usam. O jaborandi é o único ameaçadas de extinção. A maior produção
produto do extrativismo listado no censo de madeira em toras da Bahia, Maranhão
do IBGE de 1995/1996 para fabricação de e Piauí vem de áreas fora do bioma
medicamento. Sua produção é quase toda Caatinga. Os outros estados têm produção
no Maranhão, fora da Caatinga, esten- muito menor e apenas o Ceará tem uma
dendo-se um pouco para o Cerrado do extração razoável em áreas de caatinga.

73
A produção de estacas para cerca é Algumas nativas, pelo seu caráter
bastante disseminada em toda a Caatinga, ornamental, são usadas para arborização de
mas ocorre principalmente no Ceará, onde ruas, praças e jardins, seja pelo porte
são extraídas mais de 10 milhões de (palmeiras, em geral) ou pela floração (ipês e
unidades (Tabela 4). Muitas espécies cássias, por exemplo). Além desse uso, as
contribuem para essa produção, mas o ornamentais nativas têm um mercado restrito
sabiá (Mimosa caesalpiniifolia Benth.), e ainda pouco estudado, como plantas de
pela sua qualidade, vem sendo muito jardins e interiores, e como produtoras de
explorado, reduzindo suas populações flores. Orquídeas e bromélias têm comércio
nativas. Por outro lado, a produção de reconhecido, mas muitos outros tipos de
plantios comerciais começa a tomar o plantas têm potencial de exploração ainda
lugar do extrativismo. Depois do Ceará, o pouco desenvolvido. Não há uma listagem
Piauí é o maior produtor de estacas. das ornamentais nativas ou ocorrentes no
Na Bahia, a pequena produção de muitas Nordeste, e nem estudos sobre seu potencial
áreas, chama a atenção. atual, ou com seleção e melhoramento.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AGRA, M.F. 1996. Plantas da medicina popular dos ARAÚJO, F.S., E.V.S.B. SAMPAIO, M.A. FIGUEIREDO, M.J.N.
Cariris Velhos, Paraíba, Brazil. Editora União, João RODAL & A.G. FERNANDES. 1998a. Composição
Pessoa, PB. 125p. florística da vegetação de carrasco, Novo
ALBUQUERQUE, S.G. & G.R.L. BANDEIRA. 1995. Effect of Oriente – CE. Revista Brasileira de Botânica
thinning and slashing on forage phytomass from a 21: 15-26.
caatinga of Petrolina, Pernambuco, Brazil. Pesquisa ARAÚJO, F.S., E.V.S.B. SAMPAIO, M.J.N. RODAL & M.A.
Agropecuária Brasileira 30: 885-891. FIGUEIREDO. 1998b. Organização comunitária do
ALBUQUERQUE, U.P. 1999. Manejo tradicional de plantas componente lenhoso de três áreas de carrasco em
em regiões neotropicais. Acta Botanica Brasilica Nova Oriente – CE. Revista Brasileira de Biologia
13:307-315. 58: 85-95.
ALCOFORADO-FILHO, F.G., E.V.S.B. SAMPAIO & M.J.N. RODAL. CRAVEIRO, A.A., A.G. FERNANDES, C.H.S. ANDRADE, F.J.A.
dados não publicados. Composição florística e MATOS, J.W. ALENCAR & M.I.L. MACHADO. 1981. Óleos
fitossociologia de uma área de caatinga arbórea essenciais de plantas do Nordeste. Edições UFC,
no município de Caruaru-PE. Acta Botanica Fortaleza, CE. 210p.
Brasilica. D RUMOND , M.A., P.C.F. L IMA & S.M. S OUZA . 1982.
ANDRADE, G.O. 1977. Alguns aspectos do quadro natural Sociabilidade de algumas espécies que ocorrem
do Nordeste. SUDENE, Coordenação de na caatinga. p. 32-33 In: Resumos do Congresso
planejamento regional - Divisão de Política Espacial, Nacional de Botânica, 30 - 1979. Sociedade
Recife, PE. 75p. Botânica do Brasil, Campo Grande, MS.
ANDRADE-LIMA, D. 1957. Estudos fitogeográficos de DUQUE, J.G. 1980. O Nordeste e as lavouras xerófilas.
Pernambuco. Instituto de Pesquisas Agronômicas Escola Superior de Agricultura de Mossoró,
de Pernambuco, Recife. 41p. (Nova série, 2). Mossoró, RN. 316p. (Coleção Mossoroense,
ANDRADE-LIMA, D. 1964. Notas para a fitogeografia de 143).
Grossos, Mossoró e Areia Branca. Anais da EGLER, W.A. 1951. Contribuição ao estudo da caatinga
Associação de Geógrafos Brasileiros 12: 29-48. pernambucana. Revista Brasileira de Geografia
ANDRADE-LIMA, D. 1978. Vegetação. p. 123-135 In: Bacia 13: 65-77.
do Parnaíba: aspectos fisiográficos (Lins, R.C.). EMPERAIRE, L. 1985. Végétation de l’Etat du Piuai, Brésil.
Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais Societé de Biogéographie 60: 51-163.
Recife, PE. (Série Estudos e Pesquisas, 9). FERNANDES, A.G. 1996. Fitogeografia do semi-árido. p.
ANDRADE-LIMA, D. 1981. The caatingas dominium. Revista 215-219 In: Anais da Reunião Especial da
Brasileira de Botânica 4: 149-163. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência,
ANDRADE-LIMA, D. 1989. Plantas das caatingas. Academia 4. Feira de Santana, BA.
Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, RJ. 243p. GIACOMETTI, D.C. 1993. Recursos genéticos de fruteiras
ARAÚJO, E.L., E.V.S.B. SAMPAIO & M.J.N. RODAL. 1995. nativas do Brasil. p. 13-27 In: Anais do Simpósio
Composição florística e fitossociológica de três Nacional de Recursos Genéticos de Fruteiras
áreas de caatinga. Revista Brasileira de Biologia Nativas, Cruz das Almas, BA, 1992. EMBRAPA-
55: 595-607. CNPMF, Cruz das Almas, BA.

74
GIULIETTI, A.M., R.M. HARLEY, L.P. QUEIROZ, M.R.V. BARBOSA, PINTO, G.C.P. 1993. Recursos genéticos de fruteiras
A.L. BOCAGE NETA & M.A. FIGUEIREDO. 2002. Plantas nativas na região Nordeste do Brasil. p. 81-86 In:
endêmicas da caatinga. p.103-115 In: Vegetação Anais do Simpósio Nacional de Recursos
e flora das caatingas (SAMPAIO, E.V.S.B., A.M. Genéticos de Fruteiras Nativas, Cruz das Almas,
GIULIETTI, J. VIRGÍNIO & C.F.L. GAMARRA-ROJAS, ed.). BA, 1992. EMBRAPA-CNPMF, Cruz das Almas,
APNE / CNIP, Recife, PE. BA.
GOMES, M.A.F. 1979. Padrões de caatinga nos Cariris PRADO, D.E. 1991. A critical evaluation of the floristic links
Velhos, Paraíba. Dissertação de Mestrado. between Chaco and Caatingas vegetation in South
Universidade Federal Rural de Pernambuco, America. Tese de doutorado. University of Saint
Recife, PE. Andrews, Saint Andrews.
GUEDES, R.R. 1985. Lista preliminar das angiospermas Q UEIROZ , L.P. 2002. Distribuição das espécies de
ocorrentes no Raso da Catarina e arredores, Leguminoseae na caatinga. p. 141-153 In:
Bahia. Rodriguésia 37: 5-8. Vegetação e flora das caatingas (SAMPAIO, E.V.S.B.,
H ARLEY , R.M. 1996. Exemples of endemism and A.M. GIULIETTI, J. VIRGÍNIO & C.F.L. GAMARRA-ROJAS,
phytogeographical elements in the caatinga flora. ed.). APNE / CNIP, Recife, PE.
p. 219-227 In: Anais da Reunião Especial da RATTER, J.A., G.P. ASKEW, R.F. MONTEGOMENRY & D.R.
Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, GIFFORD. 1978. Observations on forests of some
4. Feira de Santana, BA. mesotrophic soils in central Brazil. Revista
JACOMINE, P.T., A.C. CAVALCANTI, N. BURGOS, S.C.P. PESSOA Brasileira de Botânica 1: 47-58.
& C.O. SILVEIRA. 1973. Levantamento exploratório- RIZZINI, C.T. 1979. Tratado de fitogeografia do Brasil. Vol.
reconhecimento de solos do Estado de 2. HUCITEC/EDUSP, São Paulo, SP.
Pernambuco. Divisão de Pesquisa Pedológica, vol. RODAL, M.J.N. 1992. Fitossociologia da vegetação
1. Recife, PE. (Boletim Técnico 26, Pedologia 14). arbustivo-arbórea em quatro áreas de caatinga em
L EMOS , J.R. 1999. Fitossocologia da vegetação Pernambuco. Tese de Doutorado. Universidade
caducifólia espinhosa da Serra da Capivara, Piauí. Estadual de Campinas, Campinas, SP.
Dissertação de Mestrado. Universidade Federal RODAL, M.J.N., M.F. SALES & S.J. MAYO. 1998. Florestas
de Pernambuco, Recife, PE. serranas de Pernambuco: localização e
LIRA, O.C. 1979. Continuum vegetacional nos Cariris conservação dos remanescentes dos brejos de
Velhos, Paraíba. Dissertação de Mestrado. altitude, Pernambuco - Brasil. UFRPE, Recife, PE.
Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE. 25p.
MACHADO, I.C.S., L.M. BARROS & E.V.S.B. SAMPAIO. 1997. R ODAL , M.J.N. & A.L. M ELO . 1999. Levantamento
Phenology of caatinga species at Serra Talhada, preliminar das espécies lenhosas da caatinga de
PE, Northeastern Brazil. Biotropica 29: 57-68. Pernambuco. p. 53-62 In: Anais Plantas do
MATOS, F.J.A. 1999a. Farmácias vivas - um projeto para Nordeste Workshop Geral, 1 – Recife, 1996. Royal
preservação de plantas medicinais do nordeste e Botanic Gardens, Kew.
seu aproveitamento no sistema de saúde pública RODAL, M.J.N., L.M. NASCIMENTO & A.L. MELO. 1999.
local. p. 83-88 In: Anais Plantas do Nordeste Composição florística de um trecho de vegetação
Workshop Geral, 1 – Recife, 1996. Royal Botanic arbustiva caducifólia, no município de Ibimirim,
Gardens, Kew. Pernambuco, Brasil. Acta Botanica Brasilica 13:
MATOS, F.J.A. 1999b. Plantas da medicina popular do 14-29.
Nordeste. Edições UFC, Fortaleza, CE. 80p. RODAL, M.J.N. & E.V.S.B. SAMPAIO. 2002. A vegetação do
MENEZES, R.S.C. & E.V.S.B. SAMPAIO. 2000. Agricultura bioma caatinga. p.11-24 In: Vegetação e flora das
sustentável no semi-árido nordestino. p. 20-46 In: caatingas (SAMPAIO, E.V.S.B., A.M.; GIULIETTI, J.
Agricultura, sustentabilidade e o semi-árido VIRGÍNIO & C.F.L. GAMARRA-ROJAS, ed.). APNE / CNIP,
(OLIVEIRA, T.S., R.E. ROMERO, R.N. ASSIS JR. & J.R.C.S. Recife, PE.
SILVA, ed.). Sociedade Brasileira de Ciência do Solo/ SALES, M.F., S.J. MAYO & M.J.N. RODAL. 1998. Florestas
Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE. serranas de Pernambuco: um checklist das plantas
MMA. 1997. Os ecossistemas brasileiros e os principais vasculares dos brejos de altitude. UFPRE, Recife,
macrovetores do desenvolvimento: Subsídios ao PE. 97p.
planejamento da gestão ambiental. Ministério do SAMPAIO, E.V.S.B. 1996. Fitossociologia. p.191-202 In:
Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Amazônia Pesquisa botânica nordestina: progresso e
Legal, Brasília, DF. 188p. perspectivas (SAMPAIO, E.V.S.B., S.J. MAYO & M.R.V.
M OREIRA , A.A.N. 1977. Relevo. p. 1-45 In: IBGE - BARBOSA, ed.). Sociedade Botânica do Brasil/ Seção
Geografia do Brasil. Região Nordeste. IBGE, Rio Regional de Pernambuco, Recife, PE.
de Janeiro, RJ. SAMPAIO, E.V.S.B., D. ANDRADE-LIMA & M.A.F. GOMES. 1981.
N ASCIMENTO, M.P.S.C.B., H.T.S. N ASCIMENTO, M.E.A. O gradiente vegetacional das caatingas e áreas
OLIVEIRA, J.H. CARVALHO, F.G. ALCOFORADO FILHO & anexas. Revista Brasileira de Botânica 4: 27-30.
C.M.M. SANTANA. 1999. Levantamento preliminar, SAMPAIO, E.V.S.B., E.L. ARAÚJO, I.H. SALCEDO & H. TIESSEN.
identificação botânica e valor nutritivo de plantas 1998. Regeneração da vegetação de caatinga após
forrageiras da Bacia do Parnaíba. p. 22-32 In: corte e queima, em Serra Talhada, PE. Pesquisa
Anais Plantas do Nordeste Workshop Geral, 1 – Agropecuária Brasileira 33: 621-632.
Recife, 1996. Royal Botanic Gardens, Kew. S AMPAIO , Y., E.V.S.B. S AMPAIO & E. B ASTOS . 1987.
PERNAMBUCO. 1998. Diagnóstico do setor florestal do Parâmetros para determinação de prioridades de
estado de Pernambuco. Governo do Estado de pesquisas agropecuárias no Nordeste semi-árido.
Pernambuco - Desenvolvimento Florestal Departamento de Economia - PIMES/UFPE,
Integrado do Nordeste do Brasil, Recife, PE. 60p. Recife, PE. 224p.

75
SANT’ANA, A.E.G., R. LEMOS, L.M. CONSERVA, L.M.C. REBOUÇAS, Bibliografia adicional
M.M.S. HUMBERTO & A.F. SANTOS. 1999. Plantas sobre a vegetação da Caatinga.
medicinais e úteis do estado de Alagoas. p. 97-103
In: Anais Plantas do Nordeste Workshop Geral, 1 –
ALBUQUERQUE, S.G.; SOARES, J.G.G. & ARAÚJO FILHO, J.A.
Recife, 1996. Royal Botanic Gardens, Kew.
1982. Densidade de espécies arbustivas em
SANTOS, M.F.A.V., M.R. RIBEIRO & E.V.S.B. SAMPAIO. 1992. vegetação de caatinga. Petrolina, EMBRAPA-
Semelhanças vegetacionais em sete solos de CPATSA. 9p. (Pesquisa em andamento, 16).
Caatinga. Pesquisa Agropecuária Brasileira 27:
ALBUQUERQUE, V.M. 1987. Desmatamento da Chapada
305-314. do Araripe: causas e consequências. Monografia
SEPLANTEC - BA. 1979. Inventário de plantas de especialização. UFC/Faculdade de Filosofia do
medicinais do estado da Bahia. SEPLANTEC, Crato, Crato.
Salvador, BA. 1201p. ANDRADE, L.A., N.P. COSTA, F.S. SILVA & I.M. PEREIRA. 1999.
SILVA, F.B.R., G.R. RICHÉ, J.P. TONNEAU, N.C. SOUZA NETO, Caracterização de populações de umbuzeiro
L.T.L. BRITO, R.C. CORREIA, A.C. CAVALCANTI, F.H.B.B. (Spondias tuberosa Arr. Cam.) ocorrentes no Cariri
SILVA, A.B. SILVA, J.C. ARAÚJO FILHO & A.P. LEITE. 1994. Paraibano. p. 267 In: Resumos do Congresso
Zoneamento agroecológico do nordeste: Nacional de Botânica, 50. Blumenau, SC.
diagnóstico do quadro natural e agrossocio- ANDRADE-LIMA, D. 1953a. Primeira contribuição para o
econômico. 2v. EMBRAPA - CPATSA/CNPS, conhecimento da flora do Cabo de Santo
Petrolina, PE. Agostinho. p. 48-57 In: Anais do IV Congresso
SILVA, S.I. 1998. Euphorbiaceae da caatinga: distribuição Nacional de Botânica, Recife, PE.
de espécies e potencial oleaginoso. . Tese de ANDRADE-LIMA, D. 1953b. Notas sobre a dispersão de
Doutorado. Universidade de São Paulo, São algumas espécies vegetais no Brasil. Anais Soc.
Paulo, SP. Biol. Pernambuco 11(1): 25-49.
SILVA, V.M. 1988. Composição botânica e protéica da ANDRADE-LIMA, D. 1954. Contribution to the study of the
pastagem e da dieta e desempenho de bovinos flora of Pernambuco, Brazil. Boletim Técnico do
em caatinga nativa e manipulada. Dissertação de Instituto de Pesquisas Agronômicas de
Mestrado. Universidade Federal do Ceará, Pernambuco, Recife, PE.
Fortaleza, CE. ANDRADE-LIMA, D. 1956. A cobertura vegetal da Estação
SILVA, V.M., J.A. ARAÚJO FILHO, E.R. LEITE, V.L.A. PEREIRA & Experimental de Cedro, Pernambuco.
S.A. UGIETTE. 1995. Manipulação da caatinga e seu Universidade Rural de Pernambuco, Recife, PE.
efeito sobre parâmetros fitossociológicos e de (Comunicado Técnico II).
produção, em Serra Talhada, Pernambuco. p. 58- ANDRADE-LIMA, D. 1982. Present-day forest refuges in
61 In: Anais da Reunião da Sociedade Brasileira Northeastern Brazil. p. 245-251 In: Biological
de Zootecnia, 32. SBZ, Brasília, DF. diversification in the tropics (Prance, G.T., ed.).
SOUZA, G.V. 1983. Estrutura da vegetação da caatinga Columbia Univ. Press, New York.
hipoxerófila do Estado de Sergipe. Dissertação de BARACHO, G.S. & M.F. AGRA. 1994. Malvaceae medicinais
Mestrado. Universidade Federal Rural de nos Cariris Velhos, Paraíba. p. 198 in: Resumos da
Pernambuco, Recife, PE. Reunião Nordestina de Botânica, 18. Areia, PB.
SOUZA, M.J.N., M.L.R. MARTINS, Z.M.L. SOARES, M.R. B ARBOSA, F.M. & M.R.V. B ARBOSA. 1999. Inventário
FREITAS-FILHO, M.A.G. ALMEIDA, F.S.A. PINHEIRO, M.A.B. exploratório em áreas produtoras de carvão vegetal
SAMPAIO, G.M.B.S. CARVALHO, A.M.L. SOARES, E.C.B. e de cascas de Anadenathera colubrina (Vell.)
GOMES & R.A. SILVA. 1994. Redimensionamento da Brenan no Cariri Ocidental da Paraíba. p. 230 In:
região semi-árida do Nordeste do Brasil. In: Anais Resumos do Congresso Nacional de Botânica, 50.
da Conferência Nacional e Seminário Latino- Blumenau, SC.
Americano de Desertificação, Fortaleza. Fundação BARROSO, G.M. & E.F. GUIMARÃES. 1980. Excursão botânica
Esquel do Brasil, Brasília, DF. ao Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí.
TAVARES, S., F.A.F. PAIVA, E.J.S. TAVARES, G.H. CARVALHO & Rodriguesia 22(53): 241-67.
J.L.S. L IMA . 1970. Inventário florestal de B ERG , C.C. 1972. Olmediae, Brosimeae. Flora
Pernambuco. Estudo preliminar das matas Neotropica. (Monografia 7).
remanescentes do município de Ouricuri, Bodocó, BEZERRA, M.I.N. 1995. Estudos taxonômicos do gênero
Santa Maria da Boa Vista e Petrolina. Boletim de Combretum Loefl. (Combretaceae) em
Recursos Naturais 8: 149-193. Pernambuco. Dissertação de mestrado.
TAYLOR, N.P. & D. ZAPPI. 2002. Distribuição das espécies Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE.
de Cactaceae na caatinga. p.123-125 In: Vegetação BRAGA, R. 1976. Plantas do Nordeste, especialmente do
e flora das caatingas (SAMPAIO, E.V.S.B., A.M. Ceará. 3. ed. ESAM, Mossoró, RN. (Coleção
GIULIETTI, J. VIRGÍNIO & C.F.L. GAMARRA-ROJAS, ed.). Mossoroense, 42).
APNE / CNIP, Recife, PE. CASTRO, A.A.J.F. 1984. Vegetação e flora da Estação
VALE, F.L.C.C., M.R. FERNANDES, J.A.A. PEREIRA et al. 1991. Ecológica de Uruçuí-Una (resultados preliminares).
Distrito de irrigação do Jaíba: vegetação e manejo p. 251-261 In: Anais Congresso Nacional Botânica,
de solos. Del Rey Serviços de Engenharia, Belo 34, v. 2. Porto Alegre, RS.
Horizonte, MG. CASTRO, A.A.J.F. 1994. Comparação florístico-geográfica
VASCONCELOS-SOBRINHO, J. 1941. As regiões naturais de (Brasil) e fitossociológica (Piauí _ São Paulo) de
Pernambuco. Arquivos do Instituto de Pesquisas amostras de cerrado. Tese de doutorado.
Agrônomicas 3: 25-32. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.
VICTOR, P. 1990. Plantas medicinais: comparação da flora CASTRO, A.A.J.F., F.R. MARTINS & A.G. FERNANDES. 1998.
de quatro municípios de Pernambuco. Monografia The woody flora of cerrado vegetation in the state
de Graduação. Universidade Federal de of Piauí, northeastern Brazil. Edinburgh Journal of
Pernambuco, Recife, PE. Botany 55: 455-472.

76
CASTRO, C.F. & M.F. AGRA. 1994. Plantas medicinais dos HARLEY, R.M. & N.A. SIMMONS. 1986. Florula of Mucugê.
Cariris Velhos, Paraíba : Subclasse Rosidae. p. 195 Royal Botanic Gardens, Kew.
In: Resumos da Reunião Nordestina de Botânica, HARLEY, R.M. & S.J. MAYO. 1980. Towards a checklist of
18. Areia, PB. the flora of Bahia. Royal Botanic Gardens, Kew.
COSTA e SILVA, M.B. 1995. Estudos taxonômicos do gênero H OPKINS , H.C.F. 1986. Parkia (Leguminosae:
Capparis L. (Capparaceae Juss.) em Pernambuco. Mimosoideae). Flora Neotropica. (Monografia 43).
Dissertação de mestrado. Universidade Federal
KAASTRA, R.C. 1982. Pilocarpinae (Rutaceae). Flora
Rural de Pernambuco, Recife, PE.
Neotropica. (Monografia 33).
COWAN, R.S. 1967. Swartzia (Leguminosae, Caesalpi-
L ANDRUM , L.R. 1986. Campomanesia, Pimenta,
nioideae, Swartzieae). Flora Neotropica.
Blepharocalyx, etc. (Myrtaceae). Flora Neotropica.
(Monografia 1).
(Monografia 45).
CUNHA, J.P. & M.R.V. BARBOSA. 1994. Árvores da caatinga
paraibana : lista preliminar. p. 88 In: Resumos da LEDERMAN, I.E., J.F. SILVA Jr., J.E.F. BEZERRA & A.C.M.
Reunião Nordestina de Botânica, 18. Areia, PB. E SPÍNDOLA . No prelo. Mangaba (Hancornia
speciosa Gomes). FUNEP. (Série Frutas Nativas).
DUCKE, A. 1959. Estudos botânicos no Ceará. Anais da
Academia Brasileira de Ciências 31(2): 211-308. LEITE, U.T. 1999. Análise da estrutura fitossociológica do
estrato arbustivo-arbóreo de duas tipologias de
EMPERAIRE, L. 1987. Détermination de l’aire minimale dans
caatinga ocorrentes no município de São João do
la catinga du sudést du Piauí (Brésil).
Cariri. Monografia de Graduação. Universidade
FERNANDES & BEZERRA. 1990. Estudo fitogeográfico do Federal da Paraíba, Areia, PB.
Brasil. Stylus Comunicações, Fortaleza, CE.
LEITE, U.T., S. PEREIRA Jr., L.A. ANDRADE & I.M. PEREIRA. 1999.
FERRAZ, E.M.N. 1994. Variação florístico-vegetacional na Aspectos da estrutura fitossociológica de ambientes
região do vale do Pajeú, Pernambuco. Dissertação de caatinga sob diferentes graus de antropismo
de Mestrado. Universidade Federal Rural de no Cariri Paraibano. p. 257 In: Resumos do
Pernambuco. Recife, PE. Congresso Nacional de Botânica, 50. Blumenau,
FERREIRA, R.L.C. 1988. Análise estrutural da vegetação SC.
da Estação Florestal de Experimentação de Açú – LEWIS, G.P. 1987 Legumes of Bahia. London: Royal
RN, como subsídio básico para o manejo florestal. Botanic Gardens, Kew.
Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de
Viçosa. Viçosa, MG. LOCATELLI, E. & M.F. Agra. 1995. A tribo Gomphreneae
(Amaranthaceae) na caatinga paraibana. p. 114 In:
FIGUEIREDO, M.A. & A.G. FERNANDES. 1987. Encraves de
Resumos da Reunião Nordestina de Botânica, 19.
cerrado no interior do Ceará. Ciência Agronômica
Recife, PE.
18(2): 1-4.
LUETZELBURG. P. 1922-3. Estudo botânico do Nordeste.
FIGUEIREDO, M.A. & M.A. BARBOZA.1990. A vegetação e
Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas, Rio
flora da Serra do Baturité, Ceará. ESAM, Mossoró,
de Janeiro, RJ.
RN. (Coleção Mossoroense, 747, série B).
LUNA, R.G. 1998. Microbiota edáfica e fitocenose como
FONSECA, M.R. 1991. Análise da vegetação arbustivo-
indicadores de degradação ambiental. Dissertação
arbórea da caatinga hipoxerófila do nordeste do
de Mestrado. Universidade Federal da Paraíba, João
estado de Sergipe. Tese de doutorado.
Pessoa, PB.
Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP.
L UNA , R.G., A.L. P EREIRA & M.R.V. B ARBOSA . 1997.
FORERO, E. 1983. Connaraceae. Flora Neotropica.
Levantamento fitossociológico de uma área de
(Monografia 36).
caatinga em São João do Cariri, Paraíba. p. 242
FORMIGA, S.C. & M.F. AGRA. 1995. A família Solanaceae In: Resumos do Congresso Nacional de Botânica,
na caatinga paraibana: etnomedicina, farmacologia
48. Crato, CE.
e fitoquímica. p. 54 In: Resumos da Reunião
Nordestina de Botânica, 19. Recife, PE. LYRA, A.L.R. 1982. A condição de “brejo”: efeito do relevo
na vegetação de duas áreas do município do Brejo
FORTIUS, G.A.& I.B. SÁ. 1988. Prospecção botânica em
da Madre de Deus, Pernambuco. Dissertação de
área de exploração petrolífera, no município de
Mestrado. Universidade Federal Rural de
Pendências, RN. CPATSA, Petrolina, PE.
Pernambuco, Recife, PE.
(Documentos 47).
MAAS, P.J.M. & L.Y. TH. WESTRA. 1992. Rollinia. Flora
GADELHA-NETO, P.C. 2000. Levantamento florístico e
Neotropica. (Monografia 57).
fitossociológico em um remanescente de caatinga
no município de Sousa, Paraíba. Monografia de MARINHO, M.G.V., A.A.S. SOUSA, J.A. LIRA FILHO & J.S.
Graduação. Universidade Federal da Paraíba, João SOUTO. 1994. Composição florística de uma área
Pessoa, PB. de caatinga no município de São José de
Espinharas, Seridó Paraibano. p. 78 In: Resumos
GENTRY, A.H. 1992. Bignoniaceae - Parte II. (Tribe
Tecomeae). Flora Neotropica. (Monografia 25 - II). da Reunião Nordestina de Botânica, 18. Areia, PB.

GRANJEIRO, G.M.M. (coord.). 1983. Contribuição ao MARTIUS, C.F.P. 1840-1906. Flora Brasiliensis. München,
estudo integrado da paisagem dos ecossistemas Wien, Leipzig, 15 vols.
da área do município de Aquiraz - Ceará. NUGA/ MAYO, S. J. & V.P.B. FEVEREIRO. 1982. Mata de Pau Ferro,
UECE/GTZ, Fortaleza, CE. (Relatório final, vol.1). a pilot study of the brejo forests of Paraíba, Brazil.
GUEDES, M.L.S. 1992. Estudo florístico e fitossociológico Royal Botanic Gardens, Kew.
de um trecho da Reserva Ecológica da Mata de MEDEIROS, P. & M.F. AGRA, 1995. As monocotiledôneas
Dois Irmãos, Recife - Pernambuco. Dissertação de medicinais nos Cariris Velhos, Paraíba. p. 59 In:
mestrado. Universidade Federal Rural de Resumos da Reunião Nordestina de Botânica, 19.
Pernambuco, Recife, PE. Recife, PE.

77
M OREIRA, H.M. 1996. Estudos fenólogicos em um SAITO, I. & H. MARUYAMA. 1988. Some types of livestock
remanescente de caatinga no sertão paraibano. ranching in São João do Cariri in the upper Paraiba
Monografia de Graduação. Universidade Federal Valley, Northeast Brazil. p. 101-120 In: Agricultural
da Paraíba, João Pessoa, PB. land use and transformation of ecosystems in the
M OREIRA , H.M. & M.R.V. B ARBOSA . 1996. Estudos semi-arid region, Northeast Brazil. Centro de
fenólogicos em remanescentes de caatinga no Estudos Latino Americanos, Univ. Tsukuba. (Latin
sertão paraibano. João Pessoa, PB. p. 373 In: American Studies, 10).
Resumos do Congresso Nacional de Botânica, 47. SAMPAIO, E.V.S.B. 2002. Uso das plantas da caatinga. p.
Nova Friburgo, RJ. 49-90 In: Vegetação e flora das caatingas
MORLEY, T. 1976. Melastomataceae - Tribe Memecyleae. (Sampaio, E.V.S.B., A.M.; Giulietti, J. Virgínio &
Flora Neotropica. (Monografia 15). C.F.L. Gamarra-Rojas, ed.). APNE / CNIP, Recife,
MOURA, A.C.A & M.R.V. BARBOSA. 1992. Levantamento PE.
preliminar das Leguminosae Mimosoideae da S AMPAIO , Y., E.V.S.B. S AMPAIO & E. B ASTOS . 1987.
Caatinga Paraibana. p. 80 In: Resumos da Reunião Parâmetros para a pesquisa agropecuária. PIMES
Nordestina de Botânica, 16. Crato, CE. – UFPE, Recife, PE. (Série Estudos 15). 224p.
MOURA, A.C.A & M.R.V. BARBOSA. 1993. Levantamento SAMPAIO, E.V.S.B., S.J. MAYO & M.R.V. BARBOSA (ed.).
florístico preliminar da Caatinga Paraibana. p. 122 1996. Pesquisa Botânica Nordestina -
In: Resumos da Reunião Nordestina de Botânica, Progressos e Perspectivas. Sociedade Botânica
17. Teresina, PI. do Brasil/Seção Regional de Pernambuco, Recife,
MOURA, A.C.A. & M.R.V. BARBOSA. 1994. Flora apícola de PE. 415p.
uma área de caatinga nos Cariris Paraibanos. p. SAMPAIO, E.V.S.B., E.L. ARAÚJO, I.H. SALCEDO & H. TIESSEN.
87 In: Resumos da Reunião Nordestina de 1998. Regeneração da vegetação de caatinga após
Botânica, 18. Areia, PB. corte e queima, em Serra Talhada, PE. Pesquisa
N ASCIMENTO , C.E.S. 1999. Fitossocologia de um Agropecuária Brasileira 33: 621-632.
remanescente de caatinga à margem do rio São SARMENTO, A. 1960. Fitofisionomia da Lagoa do Pau
Francisco, Petrolina – Pernambuco. Dissertação de Sangue. Arquivos do Instituto de Pesquisas
Mestrado. Universidade Federal Rural de Agronômicas de Pernambuco 5: 223-257.
Pernambuco, Recife, PE. SILVA, G.G. 1993. A problemática da desertificação no
OLIVEIRA, J.G.B., H.L.S. Q UESADO, E.P. N UNES , M.A. ecossistema da caatinga do Município de São João
FIGUEIREDO & C.L.F. BEZERRA. 1988. Vegetação da do Cariri, PB. Monografia de Especialização.
estação ecológica de Aiuaba, Ceará. Escola Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI.
Superior de Agricultura de Mossoró, Mossoró, RN. SILVA, M.F. 1986. Dimorphandra (Caesalpiniaceae). Flora
27p. (Coleção Mossoroense 357B). neotropica. (Monografia 44).
PENNINGTON, T.D. et al. 1981. Meliaceae. Flora Neotropica. SIQUEIRA, M.F. 1994. Análise florística e ordenação de
(Monografia 28). espécies arbóreas da mata atlântica através de
PEREIRA, I.M. 2000. Levantamento florístico do estrato dados binários. Dissertação de Mestrado.
arbustivo-arbóreo e análise da estrutura Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.
fitossociológica em áreas de caatinga sob diferentes SLEUMER, H.O. 1980. Flacourtiaceae. Flora Neotropica.
níveis de antropismo no agreste paraibano. Monografia.
Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da SLEUMER, H.O. 1984. Olacaceae. Flora Neotropica.
Paraíba, Areia, (Monografia 38).
PEREIRA, R.C.A., V.C. LIMA, R.S. SILVA, & S.Z. SILVA. 1993. SOUTO, J.S., MG.V. MARINHO, J.A. LIRA FILHO & A.A.S.
Lista das espécies arbóreas e arbustivas SOUSA. 1994. Distribuição de espécies por estrato
ocorrentes nos principais “brejos” de altitude de em uma área de caatinga no município de São
Pernambuco. IPA, Recife, PE. (Série Documentos, José de Espinharas, Seridó Paraibano. p. 46 In:
22). Resumos da Reunião Nordestina de Botânica, 18.
POPPENDIECK, H.H. 1981. Cochlospermaceae. Flora Areia, PB.
Neotropica. (Monografia 27). S OUZA , B.I. 1999. Contribuição ao estudo da
PRANCE, G.T. & M.F. SILVA. 1973. Caryocaraceae. Flora desertificação na bacia do Rio Taperoá, PB.
Neotropica. (Monografia 12). Dissertação de Mestrado. Programa de Desen-
PRANCE, G.T. 1972a. Chrysobalanaceae. Flora Neotropica. volvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal
(Monografia 9). da Paraíba, João Pessoa, PB.
PRANCE, G.T. 1972b. Dichapetalaceae. Flora Neotropica. STANNARD, B. L. (ed.). 1995. Flora of the Pico das Almas,
(Monografia 10). Chapada Diamantina, Bahia, Brazil. Royal
QUEIROZ, L.P. 1999. Leguminosas de caatinga, espécies Botanic Gardens, Kew.
com potencial forrageiro. p. 63-75 In: Anais Plantas TAVARES, S. 1960. Estudos geobotânicos no Rio Grande
do Nordeste Workshop Geral, 1 – Recife, 1996. do Norte. Arquivos do Instituto de Pesquisas
Royal Botanic Gardens, Kew. Agronômicas de Pernambuco 5:39-51.
RENVOIZE, S.A. The grasses of Bahia. Royal Botanic TAVARES, S. 1964. Inventário da vegetação dos tabuleiros
Gardens, Kew. do Nordeste. Boletim de Recursos Naturais,
ROCHA, E.A. & M.F. AGRA. 1994. Plantas medicinais da SUDENE 2(1/4): 9-10.
caatinga paraibana: Lamiales, Rubiales e VELOSO, H.P., A.L.R. RANGEL-FILHO & J.C.A. LIMA. 1991.
Scrophulariales. p. 196 In: Resumos da Reunião Classificação da vegetação brasileira adaptada
Nordestina de Botânica, 18. Areia. a um sistema universal. IBGE, Departamento de
ROGERS, D.J. & S.G. APPAN. 1973. Manihot, Manihotoides Recursos Naturais e Estudos Ambientais, Rio de
(Euphorbiaceae). Flora Neotropica. (Monografia 13). Janeiro, RJ.

78
Anexo 1 – Lista das espécies endêmicas da Caatinga, separadas por família (Giulietti et al. 2002).

No Família (número de espécies) / espécie No Família (número de espécies) / espécie


Anacardiaceae (2) Burseraceae (1)
1 Apterokarpos gardneri (Engl.) Rizzini 53 Commiphora leptophloeos (Mart.) J.B.Gillett
2 Spondias tuberosa Arruda Cam. Cactaceae (41)
Annonaceae (3) 54 Arrojadoa rhodantha (Gürke) Britton & Rose
3 Annona vepretorum Mart. 55 Arrojadoa penicillata (Gürke) Britton & Rose
4 Oxandra reticulata Maas 56 Brasilicerus phaeacanthus (Gürke) Backeberg
5 Rollinia leptopetala R.E.Fries 57 Cereus jamacaru DC. spp. jamacaru
Apocynaceae (5) 58 Coleocephalocerus goebelianus (Vaupel) Buining.
6 Allamanda blanchetii A.DC. 59 Discocactus bahiensis Britton & Rose
7 Allamanda puberula A.DC. 60 Espostoopsis dybowskii (Roland-Goss.) Backbg.
8 Aspidosperma cuspa Blake ex Pitt. 61 Harrisia adscendens Britton & Rose
9 Aspidosperma pyrifolium Mart. 62 Melocactus lanssersianus P.J.Braun
10 Aspidosperma riedelii M.Arg. spp. oliganthum (Wood.) Mare-Ferr. 63 Melocactus azureus Buining & Brederoo spp. azureus
64 Melocactus azureus spp. ferreophilus (Buining & Brederoo) N.P.Tayl.
Asclepiadaceae (4)
65 Melocactus bahiensis (Britton & Rose) Luetzelb. spp. bahiensis
11 Matelea roulinioides Agra & Stevens
66 Melocactus conoideus Buining & Brederoo
12 Marsdenia ulei Rothe
67 Melocactus ernestii Vaupel
13 Marsdenia zehntneri Fontella
68 Melocactus glaucescens Buining & Brederoo
14 Ditassa dolichoglossa Schlecht.
69 Melocactus oreas Miq.
Bignoniaceae (12) 70 Melocactus pachyacanthus Buining & Brederoo
15 Adenocalyma marginatum (Cham.) DC. 71 Melocactus salvadorensis Werderm.
16 Anemopaegma athayde Gentry 72 Melocactus zehntneti (Britton & Rose) Luetzelb.
17 Anemopaegma laeve DC. 73 Opuntia inamoena Britton & Rose
18 Arrabidaea bahiensis (Schau) Sandw. & Moldenke 74 Opuntia palmadora Britton & Rose
19 Arrabidaea dispar Bur. ex K.Schum. 75 Pereskia aureiflora Ritter
20 Arrabidaea harleyi A.Gentry 76 Pereskia bahiensis Gürke
21 Fridericia speciosa (Mart.) Mart. 77 Pereskia stenantha Ritter
22 Godmania dardanoi (J.C.Gomes) Gentry 78 Pilosocereus densiareolatus Ritter
23 Melloa quadrivalvis (Jacq.) A.Gentry 79 Pilosocereus floccosus Byles & Rowley spp. quadricostatus (Ritter) Zappi
24 Sparattosperma catingae Gentry 80 Pilosocereus fulvipulvinatus (Buining & Brederoo) Ritter
25 Tabebuia spongiosa Rizzini 81 Pilosocereus glaucochrous (Werderm.) Byles & Rowley
26 Piriadacus erubescens (DC.) Pichon 82 Pilosocereus gounellei (Weber) Byles & Rowley spp. gounellei
Bombacaceae (4) 83 Pilosocereus gounellei (Weber) Byles & Rowley spp. zehntneri (Britton & Rose) Zappi
27 Bombacopsis retusa (Mart.& Zucc.) Robyns 84 Pilosocereus magnificus (Buining & Brederoo) Ritter
28 Ceiba glaziovii K.Schum. ex Chod. & Hassl. 85 Pilosocercus multicostatus Ritter
29 Pseudobombax marginatum (A.St.-Hil.) A.Robyns 86 Pilosocereus pachycladus Ritter spp. pachycladus
30 Pseudobombax simplicifolium A.Robyns 87 Pilosocereus pachycladus Ritter spp. pernambucoensis (Ritter) Zappi
88 Pilosocereus pentaedrophorus (Cels) Byles & Rowley spp. pentaedrophorus
Boraginaceae (8)
89 Pilosocereus pentaedrophorus (Cels) Byles & Rowley spp. robustus Zappi
31 Auxemma glazioviana Taub.
90 Pilosocereus piauhyensis (Gürke) Byles & Rowley
32 Auxemma oncocalyx (Allemão)
91 Pilosocereus tuberculatus (Werderm.) Byles & Rowley
33 Cordia dardani Taroda
92 Pseudoacanthocereus brasiliensis (Britton & Rose) Ritter
34 Cordia globosa (Jacq.) Kunth.
93 Stephanocereus leucostele (Gürke) Berger
35 Cordia leucocephala Moric.
94 Tacinga funalis Britton & Rose
36 Cordia leucomalloides Taroda
37 Cordia longifolia A.DC. Capparaceae (5)
38 Patagonula bahiensis Moric. 95 Capparis cynophallophora L.
96 Capparis flexuosa (L.) L.
Bromeliaceae (14) 97 Capparis jacobinae Moric.
39 Aechmea leucolepis L.B.Sm. 98 Capparis yco Mart.
40 Billbergia euphemiae E.Morren 99 Haptocarpum bahiense Ule
41 Billbergia fosteriana L.B.Sm.
Caricaceae (1)
42 Dyckia elongata Mez.
100 Jacaratia heptaphylla (Sessé & Moç.)
43 Dyckia limae L.B.Sm.
44 Dyckia maracasensis Ule Celastraceae (2)
45 Dyckia pernambucana L.B.Sm. 101 Fraunhofera multiflora Mart.
46 Encholirium spectabile Mart. Ex. Schultes & Schultes f. 102 Maytenus rigida Mart.
47 Hohenbergia catingae Ule Chrysobalanaceae (1)
48 Hohenbergia utriculosa Ule 103 Licania rigida Benth.
49 Neoglaziovia variegata (Arruda) Mez. Combretaceae (3)
50 Orthophytum maracasense L.B.Sm. 104 Combretum monetaria Mart.
51 Orthophytum rubrum L.B.Sm. 105 Combretum pisonioides Taub.
52 Orthophytum saxicola (Ule) L.B.Sm. 106 Combretum rupicola Ridley

79
Anexo 1 – Lista das espécies endêmicas da Caatinga, separadas por família (Giulietti et al. 2002). Continuação

No Família (número de espécies) / espécie N o Família (número de espécies) / espécie


Commelinaceae (1) Leguminosae (80)
107 Dichorisandra glaziovii Taub. 158 Acacia kallunkiae Grimes & Barneby
Compositae (3) 159 Acacia piauhiensis Benth.
108 Argyrovernonia harley K. & R. 160 Aeschynomene martii Benth.
109 Blanchetia heterotricha DC. 161 Arachis pusilla Benth.
110 Telmatophila scolymastrum Mart. 162 Arachis triseminata Krapov. & Gregory
163 Bauhinia cacovia subsp. blanchetiana Wunderlin
Convolvulaceae (11) 164 Blanchetiodendron blanchetii (Benth.) Barneby & Grimes
111 Evolvulus chamaepitys Mart. var. desertorum 165 Caesalpinia calycina Benth.
112 Evolvulus diosmioides Mart. 166 Caesalpinia gardneriana Benth.
113 Evolvulus flexuosus Helwig. 167 Caesalpinia laxiflora Tul.
114 Evolvulus gnaphalioides Moric. 168 Caesalpinia microphylla Mart. ex G.Don
115 Evolvulus speciosus Moric. 169 Caesalpinia pyramidalis Tul. var. pyramidalis
116 Ipomaea brasiliana (Choisy) Meisn. 170 Calliandra aeschynomenoides Benth.
117 Ipomaea decipiens Dammer 171 Calliandra depauperata Benth.
118 Ipomaea franciscana Choisy 172 Calliandra duckei Barneby
119 Ipomaea longistaminea O’Donnell 173 Calliandra imperialis Barneby
120 Ipomaea marsellia Meisn. 174 Calliandra leptopoda Benth.
121 Ipomaea pintoi O’Donnel 175 Calliandra macrocalyx Benth. var. aucta Barneby
Cucurbitaceae (7) 176 Calliandra macrocalyx Benth. var. macrocalyx
122 Apodanthera congestiflora Cogn. 177 Calliandra spinosa Ducke
123 Apodanthera fasciculata Cogn. 178 Calliandra squarrosa Benth.
124 Apodanthera glaziovii Cogn. 179 Calliandra ulei Harms
125 Apodanthera hatschbachii C.Jeffrey 180 Calliandra umbellifera Benth.
126 Apodanthera succulenta C.Jeffrey 181 Chamaecrista belemii (Irwin & Barneby) var. belemii
127 Apodanthera trifoliata Cogn. 182 Chamaecrista belemii var. paludicola (Irwin & Barneby) Irwin & Barneby
183 Chamaecrista brevicalyx (Benth.) Irwin & Barneby var. elliptica (Irwin &
128 Apodanthera villosa C.Jeffrey
Barneby) Irwin & Barneby
Cyperaceae (1) 184 Chamaecrista coradini Barneby
129 Rhynchospora calderana D.A.Simpson 185 Chamaecrista swainsonii (Benth.) Irwin & Barneby
Euphorbiaceae (17) 186 Chloroleucon dumosum (Benth.) G.P.Lewis
130 Cnidoscolus bahiensis (Ule) Pax. & Hoffm. 187 Chloroleucon extortum Barneby & Grimes
131 Cnidoscolus caesifolius (Müll.Arg.) Pax. & Hoffm. 188 Coursetia rostrata Benth.
132 Croton argyrophylloides Müll.Arg. 189 Coursetia vicioides (Nees & Mart.) Benth.
133 Croton campestris St.-Hil. 190 Cratylia mollis Mart. ex Benth.
134 Ditaxis desertorum (Müll.Arg.) Pax. & Hoffm. 191 Crotalaria holosericea Nees & Mart.
135 Ditaxis malpighiacea (Ule) Pax. & Hoffm. 192 Dalbergia catingicola Harms
136 Jatropha mollissima Baill. 193 Dalbergia cearensis Ducke
137 Jatropha mutabilis (Pohl) Baill. 194 Dalbergia decipularis Rizzinni & A.Mattos
138 Jatropha ribifolia Baill. 195 Dioclea marginata Benth.
139 Manihot brachyandra Pax. & Hoffm. 196 Hymenaea eriogyne Benth.
140 Manihot catingae Ule 197 Indigofera blanchetiana Benth.
141 Manihot dichotoma Ule 198 Leucochloron limae Barneby & Grimes
142 Manihot epruinosa Pax. & Hoffm. 199 Mimosa adenophylla Taub. var. armandiana (Rizzini) Barneby
143 Manihot glaziovii Müll.Arg. 200 Mimosa adenophylla var. mitis Barneby
144 Manihot heptaphylla Ule 201 Mimosa brevipinna Benth.
145 Manihot maracasensis Ule 202 Mimosa caesalpiniifolia Benth.
146 Manihot pseudoglaziovii Pax. & Hoffm. 203 Mimosa campicola Harms var. planipes Barneby
204 Mimosa coruscocaesia Barneby
Gramineae (2)
205 Mimosa exalbescens Barneby
147 Neesiochloa barbata (Nees) Pilger 206 Mimosa glaucula Barneby
148 Panicum caatingense Renvoize 207 Mimosa hortensis Barneby
Labiatae (9) 208 Mimosa lepidophora Rizzini
149 Hyptidendron amethystoides (Benth.) Harley 209 Mimosa leptantha Benth.
150 Hyptis calida Mart. ex Benth. 210 Mimosa marröensis Barneby
151 Hyptis leptostachys Epling ssp. caatingae Harley 211 Mimosa mensicola Barneby
152 Hyptis leucocephala Mart. ex Benth. 212 Mimosa misera Benth. var. misera
153 Hyptis martiusii Benth. 213 Mimosa misera var. subnermis (Benth.) Barneby
154 Hyptis pinheiroi Harley 214 Mimosa modesta Mart. var. modesta
155 Hyptis platanifolia Mart. ex Benth. 215 Mimosa modesta Mart. var. ursinoides (Harms) Barneby
156 Hyptis simulans Epling 216 Mimosa niomarlei A.Fernandes
157 Hyptis viaticum Harley 217 Mimosa nothopteris Barneby

80
Anexo 1 – Lista das espécies endêmicas da Caatinga, separadas por família (Giulietti et al. 2002). Continuação

No Família (número de espécies) / espécie No Família (número de espécies) / espécie


Leguminosae (80) Rubiaceae (6)
218 Mimosa ophthalmocentra Benth. 272 Alseis involuta Schum.
219 Mimosa pseudosepiaria Harms 273 Guettarda angelica Mart. ex. Müll.Arg.
220 Mimosa setuligera Harms 274 Guettarda sericea Mull.Arg
221 Mimosa subenervis Benth. 275 Machaonia spinosa Cham.& Schlecht.
222 Mimosa ulbrichiana Harms 276 Randia nitida (H.B.K.) DC.
223 Mimosa xiquexiquensis Barneby 277 Simira gardneriana M.R.Barbosa & A.L.Peixoto
224 Mysanthus uleanus (Harms) G.P.Lewis & A.Delgado Rutaceae (7)
225 Parapiptadenia zehntneri (Harms) M.P.Lima & H.C.de Lima 278 Balfourodendron molle (Miq) Pirani
226 Pterocarpus simplicifolius Barneby Klitgaard. L.P.Queiroz & G.P.Lewis 279 Esenbeckia decidua Pirani
227 Senna acuruensis (Benth.) var. acuruensis 280 Pilocarpus sulcatus Skorupa
228 Senna acuruensis var. caatingae (Harms) Irwin & Barneby 281 Pilocarpus trachylophus Holmes
229 Senna acuruensis var. interjecta Irwin & Barneby 282 Zanthoxylum hamadryadicum Pirani
230 Senna aversiflora (Herb.) Irwin & Barneby 283 Zanthoxylum stelligerum Turcz.
231 Senna gardneri (Benth.) Irwin & Barneby 284 Zanthoxylum syncarpum Tul.
232 Senna harleyi Irwin & Barneby
Sapindaceae (3)
233 Senna martiana (Benth.) Irwin & Barneby
285 Averrhoidium gardnerianum Baill.
234 Senna rizzin Irwin & Barneby
286 Cardiospermum oliveirae Ferruci
235 Stylosanthes bahienses L.’t Mannetje & G.P.Lewis
287 Serjania conradinii Ferruci
236 Zornia echinocarpa (Meissner) Benth.
237 Zornia ulei Harms Scrophulariaceae (10)
Malpighiaceae (4) 288 Anamaria heterophylla (Giulietti & F.C.Souza) F.C.Souza
238 Barnebya harleyi Anderson & Gates 289 Ameroglossum pernambucense Eb.Fischer, S.Vogel & A.Lopes
239 Byrsonima pedunculata W.R.Anderson 290 Angelonia biflora Benth.
240 Macvaughia bahiana W.R.Anderson 291 Angelonia campestris Nees & Mart.
241 Stigmaphyllon harleyi W.R.Anderson 292 Angelonia cornigera Hook f.
293 Bacopa angulata (Benth.) Edwall
Malvaceae (15) 294 Bacopa depressa (Benth.) Edwall
242 Gaya aurea St.-Hil 295 Dizygostemon floribundum Benth. ex Radlk.
243 Gossypium mustelinum Miers ex Watt 296 Dizygostemon angustifolium Giulietti
244 Herissantia crispa (L.) Briz. 297 Monopera micrantha (Benth.) Barringer
245 Herissantia tiubae (K.Schum.) Briz.
246 Pavonia blanchetiana Miq. Solanaceae (2)
247 Pavonia erythrolema Gürke 298 Heteranthia decipiens Needs & Mart.
248 Pavonia glazioviana Gürke 299 Solanum jabrense M.F.Agra
249 Pavonia martii Colla Sterculiaceae (7)
250 Pavonia repens Fryxell 300 Ayenia blanchetiana K.Schum.
251 Pavonia spinistipula Gürke 301 Ayenia erecta Mart. ex K.Schum.
252 Pavonia varians Moric. 302 Ayenia hirta St.-Hil ex Naud.
253 Pavonia zehntneri Ulbr. 303 Helicteris mollis K.Schum.
254 Sida galheirensis Ulbr. 304 Melochia betonicifolia St.-Hil.
255 Wissadula contracta (Link.) R.E.Fries 305 Raylea bahiensis Cristobal
256 Wissadula patens (St.-Hil.) Gürke 306 Waltheria ferruginea St.-Hil.
Molluginaceae (1) Turneraceae (7)
257 Glischrothamnus ulei Pilg. 307 Piriqueta asperifolia Arbo.
Myrtaceae (1) 308 Piriqueta assuruensis Urb.
258 Campomanesia eugenioides var. desertorum (DC.) Landrum 309 Piriqueta carnea Urb.
Palmae (5) 310 Piriqueta densiflora Urb. var. densiflora
259 Attalea seabrensis Glassman 311 Piriqueta dentata Arbo
260 Copernicia prunifera (Mill.) H.E.Moore 312 Piriqueta duarteana (St.-Hil) Urb. var. ulei Urb.
261 Syagrus microphylla Burnet 313 Piriqueta scabrida Urb.
262 Syagrus vagans (Bondar) Hawkes Ulmaceae (1)
263 Syagrus x matafome (Bondar) Glassman 314 Phyllostylon brasiliense Capan.
Polygonaceae (1) Velloziaceae (1)
264 Ruprechtia glauca Meisn. 315 Xerophyta cinerascens Roem. & Schult.
Pontederiaceae (2) Verbenaceae (3)
265 Heteranthera seubertiana Solms 316 Lantana caatingensis Mold.
266 Hydrothrix gardneri Hook. 317 Lippia bahiensis Mold.
Rhamnaceae (5) 318 Lippia gracilis Schauer
267 Alvimiantha tricamerata C.Grey-Wilson
268 Crumenaria decumbens Mart.
269 Rhamnidium molle Reiss.
270 Ziziphus cotinifolia Reiss.
271 Ziziphus joazeiro Mart.

81
Anexo 2 - Leguminosas da caatinga da Bahia (adaptado de Queiroz 1999).
Caesalpiniaceae Caesalpiniaceae (continuação)
Apuleia leiocarpa (Vogel) Macbr. Senna affinis (Benth.) H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia acuruana Moric. Senna alata (L.) Roxb.
Bauhinia cacovia Wunderlin subsp. blanchetiana Wunderlin Senna aversiflora (Herb.) H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia catingae Harms Senna cana (Nees & Mart.) H.S. Irwin & Barneby var. cana
Bauhinia cheilantha (Bong.) Steud. Senna gardneri (Benth.) H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia dumosa Benth. Senna harleyi H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia estivana Wunderlin Senna macranthera (Collad.) H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia flexuosa Moric. Senna martiana (Benth.) H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia forficata Link Senna mucronifera (Benth.) H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia harleyi Wunderlin Senna obtusifolia (L.) H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia microstachya (Raddi) Macbr. Senna occidentalis (L.) Link
Bauhinia pentandra (Bong.) Vogel ex Steud. Senna pendula (Willd.) H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia pulchella Benth. Senna rizzinii H.S.Irwin & Barneby
Bauhinia rufa (Bong.) Steud. Senna spectabilis (DC.) H.S.Irwin & Barneby var. exelsa
Bauhinia trichosepala Wunderlin Senna splendida (Vogel) H.S.Irwin & Barneby
Caesalpinia bracteosa Tul. Senna uniflora (P. Mill.) H.S.Irwin & Barneby
Caesalpinia calycina Benth.
Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul. Mimosaceae
Caesalpinia gardneriana Benth. Abarema cochliacarpos (Gomes) Barneby & J.W.Grimes
Caesalpinia laxiflora Tul. Abarema langsdorfii (Benth.) Barneby & J.W.Grimes
Caesalpinia microphylla Mart. Acacia adhaerans Benth.
Caesalpinia pyramidalis Tul. Acacia bahiensis Benth.
Cassia ferruginea (Schrad.) Schrad. ex DC. Acacia farnesiana (L.) Willd.
Cenostigma macrophyllum Tul. Acacia glomerosa Benth.
Chamaecrista absus (L.) H.S.Irwin & Barneby var. absus Acacia kallunkiae J.W.Grimes & Barneby
Chamaecrista acosmifolia (Benth.) H.S.Irwin & Barneby Acacia langsdorfii Benth.
Chamaecrista amiciella H.S.Irwin & Barneby Acacia martii Benth.
Chamaecrista barbata (Nees & Mart.) H.S.Irwin & Barneby Acacia monacantha Willd.
Chamaecrista belemii (H.S.Irwin & Barneby) H.S.Irwin & Barneby Acacia piauhiensis Benth.
Chamaecrista brevicalyx (Benth.) H.S.Irwin & Barneby Acacia polyphylla DC.
Chamaecrista carobinha (H.S.Irwin & Barneby) H.S.Irwin Acacia riparia Kunth
Chamaecrista cuprea H.S.Irwin & Barneby Albizia inundata (Mart.) Barneby & J.W.Grimes
Chamaecrista desvauxii (Collad.) Killip Albizia polycephala (Benth.) Killip
Chamaecrista eitenorum H.S.Irwin & Barneby Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan
Chamaecrista flexuosa (L.) Greene var. flexuosa Anadenanthera peregrina (L.) Speg.
Chamaecrista hispidula (Vahl) H.S.Irwin & Barneby Blanchetiodendron blanchetii (Benth.) Barneby & J.W.Grimes
Chamaecrista jacobinae (Benth) H.S.Irwin & Barneby Calliandra axillaris Benth.
Chamaecrista nictitans (L.) Moench Calliandra depauperata Benth.
Chamaecrista pascuorum (Benth.) H.S.Irwin & Barneby Calliandra leptopoda Benth.
Chamaecrista philippii H.S.Irwin & Barneby Calliandra macrocalyx Harms
Chamaecrista pilosa (L.) Greene Calliandra squarrosa Benth.
Chamaecrista ramosa (Vogel) H.S.Irwin & Barneby Chloroleucon dumosum (Benth.) G.P. Lewis
Chamaecrista repens (Vogel) H.S.Irwin & Barneby Chloroleucon extortum Barneby & J.W.Grimes
Chamaecrista roraimae (Benth) Gleason Chloroleucon foliolosum (Benth.) G.P. Lewis
Chamaecrista rotundifolia (Pers.) Greene Desmanthus virgatus (L.) Willd.
Chamaecrista serpens (L.) Greene Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong
Chamaecrista supplex (Benth.) Britton & Rose Enterolobium timbouva Mart.
Chamaecrista swainsonii (Benth.) H.S.Irwin & Barneby Leucochloron limae Barneby & J.W.Grimes
Chamaecrista zygophylloides (Taub.) H.S.Irwin & Barneby Mimosa acutistipula Benth.
Copaifera coriacea Mart. Mimosa adenophylla Taub.
Copaifera langsdorffii Desf. Mimosa arenosa (Willd.) Poir.
Copaifera martii Hayne Mimosa bimucronata (DC.) Kuntze
Dictychandra aurantiaca Tul. Mimosa campicola Harms
Goniorrhachis marginata Taub. Mimosa coruscocaesia Barneby
Hymenaea courbaril L. Mimosa exalbescens Barneby
Hymenaea eriogyne Benth. Mimosa gemmulata Barneby
Hymenaea martiana Hayne Mimosa glaucula Barneby
Hymenaea stigonocarpa Mart. ex Hayne Mimosa hexandra Micheli
Hymenaea velutina Ducke Mimosa hirsuticaulis Harms
Martiodendron mediterraneum (Mart. ex Benth.) Koeppen Mimosa hypoglauca Mart. var. hypoglauca
Melanoxylon brauna Schott Mimosa invisa Mart.
Parkinsonia aculeata L. Mimosa irrigua Barneby
Peltogyne confertiflora (Hayne) Benth. Mimosa lewisii Barneby
Peltogyne pauciflora Benth. Mimosa mensicola Barneby
Peltophorum dubium (Spreng.) Taub. Mimosa misera Benth.
Poeppigia procera Presl Mimosa modesta Mart.
Pterogyne nitens Tul. Mimosa morroensis Barneby
Senna acuruensis (Benth.) H.S.Irwin & Barneby Mimosa nothopteris Barneby

82
Anexo 2 - Leguminosas da caatinga da Bahia (adaptado de Queiroz 1999). Continuação

Mimosaceae (continuação) Papilionoideae (continuação)


Mimosa ophtalmocentra Mart. ex Benth Dalbergia catingicola Harms
Mimosa pellita Humb. & Bompl. Ex Willd. Dalbergia cearensis Ducke
Mimosa pithecolobioides Benth. Dalbergia decipularis Rizzini & Matt.
Mimosa pseudosepiaria Harms Dalbergia miscolobium Benth.
Mimosa pudica L. Desmodium barbatum (L.) Benth.
Mimosa quadrivalvis L. var. leptocarpa (DC.) Barneby Dioclea grandiflora Mart. ex Benth.
Mimosa sensitiva L. Dioclea guianensis Benth.
Mimosa setuligera Harms Dioclea lasiophylla Mart. ex Benth.
Mimosa setosa Benth. Var. paludosa (Benth.) Barneby Dioclea marginata Benth.
Mimosa somnianus Humb. & Bompl. Ex Willd. var. somnians Dioclea violacea Mart. ex Benth.
Mimosa subnervis Benth. Discolobium hirtum Benth.
Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. Erythrina velutina Willd.
Mimosa ulbrichiana Harms Galactia jussiaeana Kunth
Mimosa ursina Mart. Galactia remansoana Harms
Mimosa verrucosa Benth. Geoffroea striata (Willd.) Morong
Mimosa xiquexiquensis Barneby Indigofera blanchetiana Benth.
Neptunia plena (L.) Benth. Indigofera microcarpa Desv.
Parapiptadenia blanchetii (Benth.) Vaz & M.P. de Lima Indigofera suffruticosa Mill.
Parapiptadenia zehntneri (Harms) M.P. de Lima & Lima Lonchocarpus araripensis Benth.
Piptadenia irwinii G.P.Lewis var. irwinii Lonchocarpus campestris Benth.
Piptadenia moniliformis Benth. Lonchocarpus sericeus (Poir.) Kunth
Piptadenia obliqua (Pers.) J. F. Macb. Lonchocarpus virgilioides Benth.
Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke Luetzelburgia andrade-limae Lima
Piptadenia viridiflora (Kunth) Benth. Luetzelburgia auriculata (Allemão) Ducke
Pithecellobium diversifolium Benth. Luetzelburgia bahiensis Yakovlev
Plathymenia reticulata Benth. Machaerium acutifolium Vogel
Pseudopiptadenia bahiana G.P.Lewis & M.P.Lima Machaerium angustifolium Vogel
Pseudopiptadenia brenanii G.P.Lewis & M.P.Lima Machaerium leucopteum Vogel
Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P.Lewis & M.P.Lima Machaerium punctatum (Poir.)
Samanea inopinata (Harms) Barneby & J.W.Grimes Macroptilium bracteatum (Nees & Mart.) Maréchal & Baudet
Macroptilium erythroloma (Mart. ex Benth.) Urb.
Papilionoideae Macroptilium gracile (Poepp. ex Benth.) Urb.
Acosmium fallax (Taub.) Yakovlev Macroptilium lazthyroides (L.) Urb.
Aeschynomene elegans Schltdl. & Cham. Macroptilium martii (Benth.) Maréchal & Baudet
Aeschynomene evenia Wright Macroptilium panduratum (Mart. ex Benth.) Maréchal & Baudet
Aeschynomene filosa Mart. ex Benth. Macroptilium sabaraense (Hoehne) V. P. Barbosa-Fereveiro
Aeschynomene histrix Poir. Mysanthus uleanus (Harms) G.P.Lewis & A.Delgado var. uleanus
Aeschynomene martii Benth. Periandra coccinea (Schrad.) Benth.
Aeschynomene viscidula Michx. Platymiscium floribundum Vogel
Amburana cearensis (Allemão ) A.C.Smith Platymiscium pubescens Micheli
Andira anthelmia (Vell.) J.F.Macbr. Platypodium elegans Vogel
Andira fraxinifolia Benth. Poecilanthe subcordata Benth.
Arachis dardanoi Krapov. & W.C.Greg. Poecilanthe ulei (Harms) Arroyo & Rudd
Arachis pusilla Benth. Poiretia punctata (Willd.) Desv.
Arachis sylvestris (A.Chev.) A.Chev. Pterocarpus ternatus Rizzini
Arachis triseminata Krapov. & W.C.Greg. Pterocarpus villosus (Mart. ex Benth.) Benth.
Bocoa mollis (Benth.) Cowan Pterocarpus zehntneri Harms
Camptosema aff. paraguariense (Chodat & Hassl.) Hassl. Pterodon abruptus (Moric.) Benth.
Camptosema pedicellatum Benth. Rhynchosia edulis Griseb.
Camptosema spectabile (Tul.) Burk. Riedeliella graciliflora Harms
Canavalia brasiliensis Mart. Ex Benth. Stylosanthes bahiensis t Mannetje & G.P.Lewis
Canavalia dictyota Piper Stylosanthes capitata Vogel
Centrolobium sclerophyllum Lima sp. nov. Stylosanthes debilis M.B.Ferreira & Souza Costa
Centrosema arenarium Benth. Stylosanthes humilis Kunth
Centrosema brasilianum (L.) Benth. Stylosanthes scabra Vogel
Centrosema virginianum (L.) Benth. Stylosanthes viscosa Sw.
Chaetocalyx blanchetiana (Benth.) Rudd Tephrosia cinerea (L.) Pers.
Chaetocalyx scandens (L.) Urb. Tephrosia purpurea (L.) Pers.
Clitoria stipularis Benth. Vigna candida (Vell.) Maréchal, Mascherpa & Stainier
Coursetia rostrata Benth. Zornia brasiliensis Vogel
Coursetia vicioides (Nees & Mart.) Benth. Zornia echinocarpa (Moric.) Benth.
Cratylia bahiensis L.P.Queiroz Zornia gemella (Willd.) Vogel
Cratylia mollis Mart. ex Benth. Zornia glabra Desv.
Crotalaria bahiensis Windler & Skinner Zornia harmsiana Standley
Crotalaria brachycarpa Benth. Zornia myriadena Benth.
Crotalaria harleyi Windler & Skinner Zornia sericea Moric.
Crotalaria holosericea Nees & Mart. Zornia ulei Harms

83
Anexo 3 - Forrageiras nativas da bacia do Parnaíba (adaptado de Nascimento et al. 1999).
Família / espécie Família / espécie
Acanthaceae Convolvulaceae
Anisacanthus trilobus Lindau Jacquemontia ferruginea Choisy
Ruellia paniculata L. Merremia aegyptia (L.) Urb.

Amaranthaceae Cucurbitaceae
Althernanthera brasiliana (L.) Kuntze Momordica charantia L.
Althernanthera tenella Colla
Amaranthus lividus L. Cyperaceae
Amaranthus spinosus L. Cyperus amabilis Vahl
Blutaparon vermiculare (L.) Mears Cyperus articulatus L.
Froelichia humboldtiana (Roem. & Schult.) Seub. Kyllinga squamulata Vahl
Gomphrena leucocephala Mart. Scleria lacustris Wright
Scleria micrococca Steud.
Asteraceae
Spondias tuberosa Arruda Euphorbiaceae
Spondias sp. Croton compressus Lam.
Acmella uliginosa (Sw.) Cass. Croton glandulosus L.
Aspilia cearensis J.U.Santos Croton heliotropiifolius Kunth
Blainvillea rhomboidea Cass. Croton hirtus L’Her.
Croton mucronifolius Muell. Arg.
Bignoniaceae Croton pedicellatus Kunth
Melanthera latifolia Gardn. Croton sonderianus Muell.- Arg.
Pectis oligocephala (Gardner) Sch.Bip. Manihot caerulescens (Pohl em.) Müll.Arg.
Stilpnopappus pratensis Mart. ex DC. Manihot sp.
Stilpnopappus procumbens Gardner
Stilpnopappus cf. trichospiroides Mart. ex DC. Gentianaceae
Adenocalymma marginatum DC. Schultesia brachyptera Cham.
Adenocalymma sp.
Arrabidaea sp. Labiatae
Tabebuia impetiginosa (Mart. ex DC.) Stand. Hyptis pectinata (L.) Poit.
Tabebuia sp. Hyptis suaveolens (L.) Poit.
Marsypianthes chamaedrys (Vahl) Kuntze
Bixaceae
Caesalpiniaceae
Cochlospermum regium (Mart.) Pilg.
Bauhinia brevipes Vogel
Bauhinia dubia G.Don
Bombacaceae Bauhinia flexuosa Moric.
Pseudobombax sp. Bauhinia glabra Jacq.
Bauhinia cf. membranacea Benth.
Boraginaceae Bauhinia pentandra (Bong.) Vogel ex Steud.
Cordia piauhiensis Fresen. Bauhinia platipetala Burch.
Bauhinia pulchella Benth.
Capparaceae Bauhinia subclavata Benth.
Capparis cynophallophora L. Bauhinia ungulata L.
Cleome spinosa Jacq Bauhinia sp.
Caesalpinia bracteosa Tul.
Chrysobalanaceae Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul.
Licania tomentosa (Benth.) Fritsch Caesalpinia cf. gardneriana Benth.
Cenostigma gardnerianum Tul.
Chamaecrista calycioides (Collad.) Greene
Combretaceae
Chamaecrista desvauxii (Collad.) Killip
Combretum leprosum Mart.
Chamaecrista eitenorum H.S.Irwin & Barneby
Terminalia sp.
Chamaecrista rotundifolia (Pers.) Greene
Thiloa glaucocarpa Eichl.
Chamaecrista sp.
Hymenaea courbaril L. var. stilbocarpa
Commelinaceae Martiodendron mediterraneum (Mart. Ex Benth.) Koeppen
Commelina sp. Senna lechriosperma H.S.Irwin & Barneby

84
Anexo 3 - Forrageiras nativas da bacia do Parnaíba (adaptado de Nascimento et al. 1999). Continuação

Família / espécie Família / espécie


Caesalpiniaceae (continuação) Papilionoideae (continuação)
Senna obtusifolia (L.) H.S.Irwin & Barneby Stylosanthes humilis Kunth
Senna occidentalis (L.) Link Swartzia sp.
Senna spectabilis (DC.) H.S.Irwin & Barneby Zornia aff. brasiliensis Vogel
Senna uniflora (P. Mill.) H.S.Irwin & Barneby Zornia cearensis Huber
Senna sp. Zornia cf. gemella (Willd.) Vogel
Zornia cf. latifolia Sm.
Mimosaceae Zornia sericea Moric.
Acacia langsdorfii Benth.
Acacia riparia Kunth Malvaceae
Acacia sp. Malachra fasciata Jacq.
Albizia niopioides (Spruce ex Benth.) Burkart Malvastrum coromandelianum (l.) Garcke
Calliandra sp. Pavonia cancelata (L.f.) Cav.
Desmanthus virgatus (L.) Willd. Sida acuta Burm.f.
Dimorphandra gardneriana Tul. Sida aggregata C.Presl.
Mimosa acutistipula Benth. Sida ?angustissima A.St.-Hil.
Mimosa caesalpiniifolia Benth. Sida ciliaria L.
Mimosa hirsutissima Mart. Sida cordifolia L.
Mimosa quadrivalvis L. var. leptocarpa (DC.) Barneby Sida decumbens A.St.-Hil. & Naudin
Mimosa sensitiva L. Sida rhombifolia L.
Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. Sida spinosa L.
Mimosa ursina Mart.
Mimosa verrucosa Benth. Moringaceae
Mimosa sp. Moringa sp.
Parkia platycephala Benth.
Piptadenia moniliformis Benth. Myrtaceae
Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke Eugenia pucinifolia (Kunth) DC.
Samanea saman (Jacq.) Merr.
Plathymenia sp. Nyctaginaceae
Boerhavia diffusa L.
Papilionoideae
Aeschynomene aff. brasiliana (Poir.) DC. Onagraceae
Aeschynomene evenia Wright Ludwigia hyssopifolia (G.Don) Exell
Aeschynomene paniculata Willd. ex Vogel
Aeschynomene sp. Opiliaceae
Calopogonium mucunoides Desv. Agonandra brasiliensis Benth. & Hook.f.
Calopogonium sp.
Canavalia brasiliensis Mart. ex Benth. Poaceae
Centrosema brasilianum (L.) Benth. Aristida longifolia Trin.
Centrosema coriaceum Benth. Aristida setifolia Kunth
Cratylia argentea (Desv.) Kuntze Axonopus complanatus (Nees. Ex Trin.) Dedecca
Cratylia mollis Mart. ex Benth. Axonopus purpusii Chase
Crotalaria sp. Brachiaria fasciculata (Sw.) Parodi
Desmodium glabrum (Mill.) DC. Brachiaria mollis (Sw.) Parodi
Desmodium incanum (Sw.) DC. Digitaria ciliaris (Retz.) Koell.
Desmodium tortuosum (Sw.) DC. Digitaria filiformis Koell.
Dioclea grandifolia Mart. ex Benth. Digitaria insularis (L.) Mez ex Ekman
Dioclea guianensis Benth. (Benth.) Maxwell Digitaria nuda Schumach.
Dioclea sp. Echinochloa polystachya (Kunth) Hitchc.
Discolobium hirtum Benth. Eleusine indica (L.) Gaertn.
Galactia texana (Scheele) A.Gray Eragrostis ciliaris (L.) R.Br.
Luetzelburgia auriculata (Allemão) Ducke Eragrostis maypurensis (Kunth) Steud.
Macroptilium gracile (Poepp. ex Benth.) Urb. Eragrostis tenella (L.) Roem. & Schult.
Macroptilium longepedunculatum (Mart. ex Benth) Urb. Gymnopogon sp.
Macroptilium lathyroides (L.) Urb. Hymenachne amplexicaulis (Rudge) Nees
Stylosanthes angustifolia Vogel Ichnanthus sp.
Stylosanthes capitata Vogel Lasiacis sorghoidea (Desv.) Hitchc. & Chase

85
Anexo 3 - Forrageiras nativas da bacia do Parnaíba (adaptado de Nascimento et al. 1999).
Continuação

Família / espécie Família / espécie


Poaceae (continuação) Solanaceae
Mesosetum loliiforme (Steud.) Chase Physalis angulata L.
Panicum hirticaule C.Presl. Solanum crinitum Lam.
Panicum laxum Sw.
Panicum pilosum Sw.
Sterculiaceae
Panicum trichoides Sw.
Guazuma ulmifolia Lam.
Paspalum malacophyllum Trin.
Melochia parvifolia HBK.
Paspalum maritimum Trin.
Waltheria albicans Turcz.
Paspalum multicaule Poir.
Waltheria brachypetala Turcz.
Paspalum plicatulum Michx.
Pennisetum polystachyum Schult. Waltheria bracteosa A.St.-Hil. & Naudin
Setaria parviflora (Poir.) Kerguélen Waltheria indica L.
Setaria tenacissima Schrad. ex Schult. Waltheria operculata Rose
Sorgum halepense (L.) Pers. Waltheria petiolata K.Scum.
Steinchisma hians Nash
Streptostachys asperifolia Desv. Tiliaceae
Trachypogon macroglossus Trin. Corchorus hirtus L.
Trachypogon spicatus (L.f.) Kuntze Triumfeta rhomboidea Jacq.
Urochloa mosambicensis (Hack.) Dandy

Rhamnaceae Turneraceae
Ziziphus cotinifolia Reissek Turnera melochioides Cambess.
Turnera subulata sm.
Rubiaceae Turnera ulmifolia L.
Borreria densiflora DC. Turnera sp.
Borreria scabiosoides Cham. & Schltdl.
Borreria sp. Verbenaceae
Chomelia obtusa Cham. & Schltdl. Lippia cf. sidoides Cham.
Diodia radula Cham. & Schltdl. Lippia sp.
Diodia teres Walter Stachytarpheta sp.
Palicourea crocea (Sw.) Roem. & Schult.
Richardia grandiflora (Cham. & Schltdl.) Steud.
Richardia scabra L. Zygophyllaceae
Richardia sp. Kallstroemia tribuloides Wight & Arn.

86
Anexo 4 - Espécies frutíferas do Nordeste (adaptado de Pinto 1993).
Família Espécie Nome vulgar
Anacardiaceae Anacardium humile St. Hil. Cajuí
Anacardium occidentale L. Caju
Anacardium prumilum Cajuí
Spondias dulcis Forst. Cajarana
Spondias lutea L. Cajá
Spondias sp. Cajá-de-macaco
Spondias sp. x S. tuberosa Arr. Cam. Cajá-umbu
Spondias tuberosa Arr. Cam. Imbu, umbu
Annonaceae Annona coriacea Mart. Araticum
Annona crassiflora Mart. Bruto, cabeça-de-negro, marolo
Annona crassifolia Mart. Araticum
Annona glabra L. Araticum-do-brejo, araticum-cortiça, panã
Annona marcgravii Mart. Araticum
Annona salzmannii A.DC Araticum
Annona spinescens Mart. Araticum-de-espinho
Annona vepretorum Mart. Bruteira
Duguetia sp. Pinha-braba
Guatteria vilosissima Mart. Pindaíba
Rollinia aff. laurifolia Schlecht. Pinha-do-campo
Rollinia cf. laurifolia Schlecht. Carapiá
Rollinia exalbida Mart. Pinha-do-campo
Rollinia rugulosa Schlecht. Cortiça
Rollinia sericea R.E.Fries Cortiça
Apocynaceae Couma rigida Muell. Arg. Mucugê
Hancornia speciosa Gomez Mangaba
Lacmellea poussiflora (Kuhlm.) Monachino Chananã
Macoubea guianensis Aubl. Piquiá, pitiá-de-leite
Macoubea sprucei Muell. Arg. Pitiá-de-leite
Arecaceae Bactris acanthocarpa Mart. Mané-veio
Bactris ferruginea Burret Mané-veio
Syagrus coronata (Mart.) Becc. Licuri, ouricuri
Syagrus matafome (bondar) Glassm. Coco-mata-fome
Syagrus oleracea (Mart.) Becc. Catolé
Syagrus olerrupacea (C.Mart.) Becc. Guabiroba
Syagrus schizophylla (C.Mart.) Glassman Ariri
Bombacaceae Bombacopsis glabra (Pasq.) A.Robyns Castanha-do-Maranhão
Pachira sp. Cacau-brabo
Boraginaceae Cordia superba Cham. Baba-de-boi, grão-de-galo
Bromeliaceae Ananas bracteatus Ananás
Cactaceae Brasiliopuntia bahiensis Br. et R. Cumbeba
Brasiliopuntia brasiliensis (Willd.) Berger cumbeba
Caesalpiniaceae Dialium guianense Aubl. Sandw. Jitaí-amarelo
Hymenaea courbaril L. Jatobá
Hymenaea oblongifolia Lee & Lang Jatobá-burundanga
Capparaceae Crataeva tapia L. Trapiá
Caricaceae Carica quercifolia (ST. Hil.) Solms Mamão-de-saruê
Jacaratia dodecaphylla A.DC Mamão-de-veado
Caryocaraceae Caryocar brasiliensis Camb. Piqui-verdadeiro
Caryocar coriaceum Wittm. Piqui-brabo
Caryocar edulis Casar. Piqui-vinagreiro
Chrysobalanaceae Chrysobalanus icaco L. Guairu
Couepia impressa Prance Oiti
Couepia rufa Ducke Oiti-boi
Couepia uiti Benth. Oiti-da-mata
Licania parviflora Benth. Quiri
Licania salzmannii (Hook f.) Fritsch. Oiti-coró
Licania tomentosa (Benth.) Fritsch. Oiti-mirim
Clusiaceae Rheedia brasiliensis (Mart.) Planch. Bacupari
Rheedia macrophylla (Mart.) Pl. & Tr. Bacupari
Fabaceae Geoffroea striata (Willd.) Morong Umarí
Lecythidaceae Lecythis pisonis Comb. Sapucaia
Malpighiaceae Byrsonima stipulacea ª Juss. Murici-branco
Byrsonima verbascifolia Rich. Ex Juss. Murici-de-taboleiro
Melastomataceae Clidemia hirta Don Pixixica
Henriettea succosa (Aubl.) DC. Mundurucu
Mouriri gardneri Triana Puçá-de-porco
Mouriri puca Gardn. Puçá

87
Anexo 4 - Espécies frutíferas do Nordeste (adaptado de Pinto 1993). Continuação

Família Espécie Nome vulgar


Mimosaceae Inga affinis Benth. Ingá-cipó
Inga fagifolia Willd. Ingá-i
Inga marginata Willd. Ingá-mirim
Inga nuda Salz. Ingá-sabão
Inga sessilis (Vell.) Mart. Ingá-ferradura
Inga striata Benth. Ingá-cachão
Moraceae Pouroma cecropiaefolia Mart. Tararanga-preta
Pouroma guianensis Aubl. Tararanga-branca, uva-de-macaco
Pouroma mollis Tréc. Tararanga-vermelha
Myrtaceae Campomanesia guaviroba (DC) Kiarersk Guabiraba, guabiroba
Campomanesia littoralis Legr. Guabiraba
Campomanesia xanthocarpa Berg. Guabiraba, guabiroba
Eugenia brasiliensis Lam. Grumixama
Eugenia conjuncta Amshoff Guabiraba
Eugenia dysenterica DC. Beba, cagaita
Eugenia luschnathiana Berg. Pitomba-da-Bahia
Eugenia rostrifolia Legr. Batinga
Eugenia rotundifolia Cas. Murta-da-praia
Eugenia sp. Cabeludinha, murta-preta, uvaia
Eugenia uniflora L. Pitanga
Gomidesia spectabilis (DC.) Berg. Guamirim-vermelho
Myrcia sp. Cambuí
Myrciaria cauliflora Berg. Jaboticaba
Myrciaria jabuticaba Berg. Jaboticaba
Myrciaria trinciflora Berg. Jaboticaba
Psidium apiculatum Mattos Araçá-ferro
Psidium araca Raddi Araçá-mirim
Psidium cattleyanum Sabine Araçá-manteiga
Psidium guajava L. Goiaba
Psidium hians Mart. Araçá-da-catinga
Psidium incanescens Mart. Araçá
Psidium oligospermum DC. Araçá-de-porco
Psidium pigmaeum Yell. Marangaba
Psidium rubenscens Berg. Araçá
Psidium sp. Araçá-pedra
Psidium warmingianum Kiaersk Araçá-cagão
Olacaceae Ximenia americana L. Ameixa-de-espinho
Passifloraceae Passiflora coerulea L. Maracujá-da-praia
Passiflora edulis Maracujá-de-boi
Passiflora quadrangularis L. Maracujá-açú
Rhamnaceae Ziziphus joazeiro Mart. Joá-de-boi
Rosaceae Rubus erythroclada Mart. Amora-preta
Rubiaceae Alibertia edulis (L.C.Rich) O.A.C.Rich Marmelo-do-mato
Alibertia elliptica (Cham.) Schum. Marmelo-de-cachorro
Genipa americana L. Genipapo
Posoqueria macropus Mart. Carvãozinho
Sapindaceae Talisia esculenta Radlk. Pitomba
Sapotaceae Bumelia obtusifolia Roem. & Schult. Quixaba-da-praia
Bumelia sartorum Mart. Quixaba-preta
Chrysophyllum ebenaceum Mart. Inquirre
Chrysophyllum gonocarpum Mart. Preaca
Chrysophyllum rufum Mart. Fruta-de-pomba
Chrysophyllum sp. Bapeba-preta
Ecclinusa obovata (Mart.) Rich. Bapeba-branca
Ecclinusa ramiflora Mart. Bapeba-branca, acá
Ecclinusa sp. Bapeba-amarela
Manilkara elata (Fr. All) Monach. Abiu, paraju-branco
Manilkara longifolia (DC.) Dub. Paraju-vermelho
Manilkara salzmannii (A.DC.) H.J.Lam. Maçaranduba-da-praia, pichurra
Micropholis gardneriana (A.DC.) Pierre Bacumuxá
Pouteria chrysophylloides (Mart.) Radlk. Maçaranduba
Pouteria laurifolia Radlk. Maçaranduba-verdadeira
Pouteria ramiflora A.DC. João-de-leite,maçapã, maçaranduba
Pouteria rivicoa (Gaertn. f.) Ducke Toroba
Pouteria sp. Abiuzinho, bapeba, macaco-gorema
Solanaceae Myrcia citrifolia (Aubl.) Urb. Cambuí
Myrcia tomentosa (Aubl.) DC. Cambuí
Physalis angulata L. Camapú
Physalis higrophylla Mart. Camapú
Physalis neesiana Sendtn. Camapú
Physalis pubescens L. Camapú

88
Anexo 5 - Plantas do Nordeste selecionadas pelo projeto “Farmácias Vivas”
(Matos 1999a) por sua eficácia e segurança terapêuticas.
Nome vulgar mais Nome científico Propriedade terapêutica Princípio ativo ou grupo de
comum no Nordeste mais evidente substâncias suspeitas de atividade
Acerola Malpighia glabra L. Anti-infeccioso Vitamina C
Açafroa Curcuma longa L. Colagogo, digestivo, anti-PAF Curcumina
Agrião-bravo Acmella uliginosa (Sw.) Cass. Anestésico local Espilantol
Agrião-do-brejo Eclipta alba Hassk. Imuno-estimulante, hepatoprotetor Wedelolactona
Alecrim Rosmarindus officinalis L. Carminativo Óleo essencial (?)
Alecrim da chapada Lippia gracillis HBK Anti-séptico local Óleo essencial, timol
Alecrim de tabuleiro Lippia microphylla Cham. Balsâmico, expectorante Óleo essencial, 1,8-cineol
Alecrim de vaqueiro Lippia aff. gracilis H.B.K. Anti-séptico local Óleo essencial, timol
Alecrim-pimenta Lippia sidoides Cham. Antibacteriano e antifúngico local Óleo essencial, timol
Alfavaca-cravo Ocimum gratissimum L. Anti-séptico bucal Óleo essencial, eugenol
Aroeira Myracrodruon urundeuva Fr.All. Cicatrizante de mucosas, antiúlcera gástrica Taninos, urundeuvinas (?)
Babosa Aloe barbadensis Mill. Cicatrizante da pele, laxante Aloeferon, antraquinônicas, aloinas
Batata-de-purga (amarela) Operculina alata (Ham.) Urban. Laxante, purgativo Resina, jalapina, convolvulina
Batata-de purga (branca) Operculina macrocarapa (L.) Farwel. Laxante, purgativo Resina, jalapina, convolvulina
Boldo do Chile ( * ) Peumus boldus Molina Colagogo Boldina, oleo essencial
Cajazeira Spondias mombin L. Anti-herpético Elagitaninos, geranina
Cajueiro Anacardium occidentale L. Antiinflamatório Epicatequina
Camomila Matricaria chamomila L.) Antiespasmódico Azuleno, bisabolol, spiroeter
Capim-santo Cymbopogon citratus Stapf.) Calmante, amtespasmódico Óleo essencial, citral, mirceno
Chá-do-rio Capraria biflora L. Antimicrobiano local Naftoquinona, biflorina
Chá-preto Thea sinensis Sims. Estimulante, anticolérico Taninos especiais, catequina
Chambá Justicia pectoralis var. stenophylla Leon. Bronco-dilatador Derivados cumarínicos (?)
Confrei Symphytum officinale L. Cicatrizante Alantoína
Colônia Alpinia speciosa Schum. Tranquilizante, Antihipertensivo Óleo essencial (?)
Cumaru Amburana cearensis (Fr. All.) A.C.Smith Broncodilatador, expectorante Derivados cumaríncos (?)
Estramônio Datura stramonium L. Antiespasmódico Alcalóides tropânicos, escopolamina
Estramônio roxo Datura tatula L. Antiespasmódico Alcalóides, escopolamina
Eucalipto medicinal Eucaliptus globulos Lab. Balsâmico, expectorante 1,8-cineol (eucaliptol)
Goiabeira Psidium guajava L. Antidiarrêico Taninos e rutina (?)
Guaco Mikania glomerata Spreng. Broncodilatador Derivados cumarínicos
Hortelã japonesa Mentha arvensis L. Anti-vomitivo, carminativo Óleo essencial, mentol
Hortelã pimenta Mentha x piperita L. Carminativo Óleo essencial, mentol
Hortelã rasteira Mentha x villosa Huds. Antiparasitáro (protozoários) Óxido de piperitenona (?)
Juazeiro Zizyphus joazeiro Mart. Anticárie, anticaspa Saponinas
Macela da terra Egletes viscosa (L.) Less. Estomáquico Ternatina (?)
Macela do reino Tanacetum parthenium (L.) Sch. Bip. Estomáquico PA: partenolidios
Malva santa Plectranthus barbatus Amdr. Antidispéptico, hipossecretor gástrico Óleo essencial (?)
Malvariço Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng. Anti-séptico local (garganta) Timol, mucilagem
Maracujá Passiflora edulis Sims. Calmante Glicosídios (?)
Mastruço Chenopodium ambrosioides L. Anti-séptico local, vermífugo Óleo essencial, ascaridol
Mentrasto Ageratum conyzoides L. Antiinflamatório Desconhecido
Mororó Bauhinia forficata Link. Hipoglicemiante Desconhecido
Moringa Moringa oleifera Lam. Antimicrobiano Pterigospermina
Mostarda Brassica integrifolia O.E. Schultz. Revulsivo alil-senevol, mirosina
Pau d’arco amarelo Tabebuia serratifolia Nich. Antiinflamatório Naftoquinonas, lapachol
Pau d’arco roxo Tabebuia avellanedeae L. Antiinflamatório Naftoquinonas, lapachol
Poejo Mentha pulegium L. Carminativo, emenagogo Óleo essencial, pulegona, mentol
Romã Punica granatum L. Adstringente, tenífugo Taninos, peletierina
Quebra-pedra Phyllanthus niruri L. Antilitíase renal Flavonóides, filantina (?)
Sene ( * ) Senna alexandrina P. Mills. Laxante Antraquinonas, senosídios
Torém ou Imbaúba Cecropia glaziovvi Sneth. Anti-hipertensivo Desconhecido
Vassourinha Scoparia dulcis L. Hipoglicemiante Amelina ou antidiabetina (?)

( * ) comercial

89
Anexo 6 - Plantas medicinais em estudo.
Família Espécie Nome vulgar
Peumus boldus Molina (5) Boldo-do-chile
Plectranthus barbatus Andr. (5) Malva-sete-dor
Acanthaceae Ruelia asperula Lindau (2) Meladinha
Amaranthaceae Gomphrena demissa Mart. (2) Capitãozinho
Anacardiaceae Anacardium occidentale L. (4) Caju
Myracrodruon urundeuva Allemão (2) Aroeira
Annonaceae Annona muricata L. (1) Graviola
Apocynaceae Mandevilla velutina) Woodson (1) Jalapa-do-campo, jalapa-silvestre
Allamanda blanchetii A.DC. (2) Quatro-patacas
Asclepiadaceae Calotropis procera (Aiton) W.T.Aiton (1) Flor-de-seda, ciúme, casulo-de-seda, bombardeira
Asteraceae Ageratum conyzoides L. (1) Mentrasto-roxo, catinga-de-bode, erva-de-são-joão
Artemisia vulgaris L. (5) Anador
Egletes viscosa (L.) Less. (2) Macela
Matricaria chamomilla L. (5) Camomila
Bixaceae Bixa orellana L. (4) Urucum
Boraginaceae Heliotropium indicum L. (4) Crista-de-galo
Caesalpiniaceae Bauhinia sp. (3) Mororó
Caesalpinia ferrea Mart. Ex Tul. (4) Pau-ferro
Chenopodiaceae Chenopodium ambrosioides L. (4) Mastruz
Combretaceae Combretum leprosum Mart. (2) Mofumbo
Crassulaceae Kalanchoe crenata (Andrews) Haw. (1) Prá-tudo, folha-da-costa, folha-grossa
Crysobalanaceae Licania rigida Benth. (2) Oiticica
Euphorbiaceae Cnidoscolus phyllacanthus Pax & K.Hoffm. (2) Favela
Croton campestris A.St.-Hil. (2) Velame
Croton sp. (4) Marmeleiro
Euphorbia milii Des Moul. (1) Coroa-de-cristo
Jatropha elliptica (Pohl.) Mull.Arg. (1) Jalapa
Phyllanthus amarus Schum. & Thonn. (3) Quebra-pedra
Phyllanthus niruri L. (1) Quebra-pedra, arrebenta-pedra
Ricinus communis L. (5) Carrapateira
Gentianaceae Coutoubea spicata Aubl. (1) Genciana-brasileira, cutubea
Labiatae Mentha villosa Huds. (5) Hortelã-da-folha-miúda
Lamiaceae Leonotis nepetifolia (L.) R.Br. (3) Cordão-de-São-Francisco
Lauraceae Cinnamomum zeylanicum Nees (5) Canela-da-Índia
Lilliaceae Aloe vera L. (4) Babosa
Malvaceae Gossypium sp. (4) Algodão
Herissantia tiubae (K.Schum.) Brizicky (2) Mela-bode
Sida galheirensis Ulbr. (2) Ervanço
Mimosaceae Mimosa ophthalmocentra Mart. Ex Benth. (2) Jurema-preta
Myrtaceae Eucalyptus citriodora Hook. (5) Eucalipto
Eugenia uniflora L. (1) Pitangueira-vermelha, pitanga, pitangueira-do-campo
Nyctaginaceae Boerhavia coccinea Mill. (1) Pega-pinto
Olacaceae Ximenia coriacea Engl. (4) Ameixa-brava
Oxalidaceae Averrhoa carambola L. (3) Carambola
Papaveraceae Argemone mexicana L. (1) Cardo-santo
Papilionoideae Amburana cearensis (Allemão) A.C.Sm. (4) (5) Cumaru
Erythrina velutina Willd. (2) Mulungu
Poaceae Cymbopogon citratus (DC.) Stapf. (5) Capim-santo
Punicaceae Punica granatum L. (1) (4) Romanzeira, romeira-da-granada
Rhamnaceae Ziziphus joazeiro Mart. (2) (4) juazeiro
Rubiaceae Coutarea hexandra (Jacq.) K.Schum. (5) Quina-quina
Rutaceae Citrus aurantium L. (5) Laranja
Ruta graveolens L. (5) Arruda
Sapotaceae Bumelia sartorum Mart. (4) Quixaba
Umbeliferae Pimpinella anisum L. (5) Erva-doce
Verbenaceae Lippia alba N.E.Brown ex Britton & Wilson (1) (5) Erva-cidreira
Vitex sp. (3) Jaramataia

90
Quanto ainda
resta da Caatinga? Carlos Henrique Madeiros Castelletti
Universidade Federal de Pernambuco

Uma estimativa
José Maria Cardoso da Silva
Universidade Federal de Pernambuco
Conservation International do Brasil
Marcelo Tabarelli

preliminar
Universidade Federal de Pernambuco
André Maurício Melo Santos
Universidade Federal de Pernambuco

91
Zig Koch
Estrada na Caatinga

INTRODUÇÃO
A Caatinga é uma das maiores e sofrendo um processo intenso de
mais distintas regiões brasileiras (Ferri desertificação devido à substituição da
1980), compreendendo uma área vegetação natural por culturas,
aproximada de 734.478km 2 , o que principalmente através de queimadas. O
representa 70% da região Nordeste e 11% desmatamento e as culturas irrigadas
do território nacional (Bucher 1982). A estão levando à salinização dos solos,
área inclui partes dos estados do Piauí, aumentando ainda mais a evaporação da
Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, água neles contida e, dessa forma,
Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e acelerando o processo de desertificação.
Minas Gerais. De modo geral, a biota da Ainda de acordo com Garda (1996),
Caatinga tem sido descrita na literatura somente a presença da vegetação das
como pobre, com poucas espécies caatingas, adaptada às condições locais,
endêmicas e, portanto, de baixa prioridade tem impedido a transformação do
para conservação. No entanto, estudos Nordeste brasileiro num imenso deserto.
recentes mostram que isso está longe de Apesar das ameaças à sua integridade,
ser verdade (Andrade-Lima 1982, Rodal menos de 2% da Caatinga está protegida
1992, Sampaio 1995, Garda 1996, Silva em unidades de conservação de proteção
& Oren 1997, MMA 2002). A Caatinga integral (Tabarelli & Vicente 2003).
possui um considerável número de Mesmo diante deste quadro alar-
espécies endêmicas, e além disso, a mante, até o momento não há uma
descrição recente de inúmeras espécies estimativa adequada sobre o quanto da
de animais e plantas endêmicas para a região da Caatinga foi alterada pelo
região indica que o conhecimento homem. Uma das razões para essa falta
zoológico e botânico da mesma é, ainda, de informações é a dificuldade técnica
bastante precário. Cita-se o exemplo de para classificar os diferentes tipos de
um estudo sobre o esforço amostral das vegetação de caatinga, assim como
coletas de um grupo de anfíbios, que distinguir as caatingas naturais das
identificou a Caatinga como uma das caatingas muito alteradas pela ação
regiões menos conhecidas em toda a antrópica. O IBGE (1993) identificou quais
América do Sul, possuindo extensas áreas as regiões da Caatinga foram modificadas
sem uma única informação (Heyer 1988). pelas atividades agropecuárias, mas a área
A Caatinga tem sido bastante encontrada pode não corresponder à
modificada pelo homem. Segundo Garda realidade. A questão é que existe uma
(1996), os solos nordestinos estão densa rede de estradas na região que pode

92
ter contribuído para ampliar as áreas
ecologicamente alteradas (Forman 2000).
MATERIAIS E MÉTODOS
A existência de estradas produz efeitos O mapa base utilizado para as
diversos que incluem, por exemplo, análises foi o Mapa de Vegetação do Brasil,
modificações no comportamento dos na escala 1:5.000.000 (IBGE 1993),
animais devido à sua construção e digitalizado na projeção a partir do mapa
manutenção, mortalidade por atropela- impresso, e sobreposto ao mapa com os
mento, alterações na vegetação, facilidade limites do bioma Caatinga. Em uma
de propagação de fogo, alterações no primeira análise, todas as classes de
ambiente químico, modificações no vegetação que foram classificadas pelo
ambiente físico, expansão de espécies IBGE como dominadas por atividades
exóticas e modificações no uso humano da agrícolas foram selecionadas e suas áreas
terra e água (Trombulak & Frissell 2000). calculadas com o uso da extensão
Dessa forma, torna-se importante conhecer Geoprocessing do programa ArcView
e incorporar os efeitos negativos das (ESRI 1998). Essa análise simples gerou a
estradas sobre a biota. primeira estimativa da área alterada no
Como as estradas podem inter- bioma Caatinga.
romper fluxos ecológicos na paisagem, os A segunda análise teve como
efeitos ambientais que elas causam se objetivo estimar o efeito das estradas
estendem muito mais do que simples- sobre a Caatinga. Para isso, um mapa
mente as áreas utilizadas na sua construção com as principais estradas da região foi
e manutenção (Forman 1995). Portanto, digitalizado. Ao longo desse sistema de
para estimar a área de alteração de uma estradas foram feitas simulações
estrada é essencial conhecer a largura da utilizando-se como largura média da
“zona de efeito da estrada” (Forman 2000). “zona de efeito da estrada” as seguintes
Um estudo-piloto realizado em Xingó, uma distâncias: um, três, cinco, sete e dez
região da Caatinga entre os estados de quilômetros. A área total do impacto para
Sergipe e Alagoas, demonstrou que o cada simulação foi calculada e
impacto da estrada se estende em média adicionada à primeira estimativa baseada
por até sete quilômetros (Santos 2000). somente no IB GE (1993). Essas
Essa conclusão foi baseada em análises de simulações foram realizadas com o uso
imagens de satélite da região, a partir da da extensão Xtools do programa ArcView
relação entre a presença das estradas e a (ESRI 1998). O cálculo das áreas foi
distribuição dos remanescentes de realizado com o uso do Script Calc_Area,
vegetação na paisagem. Segundo o autor, que deve ser utilizado com a projeção
a faixa de sete quilômetros ao longo das Equal_Area Cylindrical no programa
estradas continha apenas 10% da cobertura ArcView (ESRI 1998).
vegetal, e os remanescentes de caatinga A diversidade de paisagens da
existentes nessa faixa eram pequenos Caatinga foi estimada pela EMBRAPA
(< 200ha) e isolados, portanto ecologi- (2000) no âmbito do Zoneamento
camente inviáveis. Agroecológico do Nordeste, no qual um
Este capítulo combina a estimativa mapa sintético com a identificação de todas
do IBGE (1993) com uma modelagem as unidades geoambientais da região foi
realizada a partir do trabalho de Santos produzido. Cada unidade geoambiental foi
(2000) para estimar o efeito ecológico do identificada a partir de uma combinação
atual sistema de estradas na região da de informações sobre altitude, expressão
Caatinga. O objetivo é responder às geográfica e tipo de cobertura vegetal
seguintes questões: (a) Qual a área total natural. Essas unidades geoambientais
da Caatinga que já foi alterada pelo foram também agrupadas em Grandes
homem?; (b) O quanto da diversidade de Unidades de Paisagem (EMBRAPA 2000).
paisagens da Caatinga já foi perdida? Para estimar a perda da diversidade de

93
paisagens na Caatinga foi feita a A área de impacto das estradas
sobreposição entre os mapas de adicionada à área estimada pelo IBGE
antropismo resultante das duas análises (1993) como dominada por atividades
anteriores com o mapa de unidades agrícolas aumenta substancialmente de
geoambientais. Utilizando -se dos acordo com a largura adotada para a
comandos Clip e Erase das extensões “zona de efeito da estrada”. Dessa forma,
Xtools e Geoprocessing do programa com a largura de um quilômetro, a área
ArcView (ESRI 1998), foi possível calcular adicionada foi de 21.314km2; com três
o quanto de cada uma dessas unidades foi quilômetros foi de 57.637km2; com cinco
alterado pelas atividades antrópicas. quilômetros foi de 95.232km2; com sete
quilômetros foi de 131.057km2; e com
dez quilômetros foi de 177.779km 2 .
Assim, dependendo da largura da “zona
RESULTADOS de efeito da estrada” adotada, a área
alterada pelo homem na Caatinga varia
Utilizando somente as informações de 223.100km2 (30,4%) a 379.565km2
do IBGE (1993), estimou-se que a área (51,7%).
coberta por atividades agrícolas na região As áreas da Caatinga que não foram
é de 201.786km2, o que corresponde a influenciadas pelas atividades humanas
27,5% da área da Caatinga. Essa área formam um arquipélago, composto por
modificada se estende por praticamente “ilhas” – áreas de vegetação nativa pouco
toda a Caatinga (Figura 1). alteradas – de diferentes tamanhos,

Figura 1
Área coberta por
atividades
agrícolas no bioma
N Caatinga.
(baseado no
0 200 km mapa de
vegetação do
Brasil, IBGE 1993).

94
(Tabela 1). Adotando-se a largura de um
Tabela 1 - Número de ilhas, áreas mínima, máxima e média (em km2), quilômetro foram formadas 243 “ilhas”,
e desvio-padrão, de acordo com a largura adotada para a sendo que 28,4% não ultrapassam 50km2 e
“zona de efeito da estrada”. somente 14 dessas áreas são maiores que
10.000km2 (Figura 2A). Foram encontradas
Número Área Área Área Desvio- 221 “ilhas” para a largura de três
Largura
de ilhas Mínima Máxima Média padrão
quilômetros, sendo 27,1% menores que
1 km 243 0,03 41.212 2.104 4.924
50km2 e 13 áreas maiores que 10.000km2
3 km 221 0,05 32.952 2.150 5.069
(Figura 2B). Com a largura de cinco
5 km 207 0,05 32.306 2.113 4.738
quilômetros existem 207 “ilhas”, das quais
7 km 200 0,02 23.927 2.008 4.052
29% são menores que 50km2 e nove áreas
10 km 172 0,10 22.767 2.063 3.950
ultrapassam 10.000km2 (Figura 2C). Já para
a largura de sete quilômetros são 200 “ilhas”
das quais 30,5% não ultrapassam 50km2 e
cercadas por uma rede complexa de áreas nove são maiores que 10.000km2 (Figura
alteradas. O número de “ilhas” formadas, 2D). Para a largura de maior tamanho, a de
assim como seu tamanho máximo e 10 km, 172 “ilhas” foram encontradas, das
mínimo, variou de acordo com a largura quais 30,23% são menores que 50km2 e 9
adotada para a “zona de efeito da estrada” ultrapassam os 10.000 km2 (Figura 2E).

A B C

Figura 2
Áreas alteradas no
bioma Caatinga.
As regiões em verde
representam as “ilhas”
de vegetação nativa
pouco alterada
identificadas após a
exclusão das áreas
agrícolas e da “zona de N
efeito da estrada” a partir
0 200 km
dos seguintes modelos D E
de largura: A = 1 km,
B = 3 km, C = 5 km,
D = 7 km e E = 10 km.

95
Foram identificadas 135 unidades GUPs perderam entre 21 e 40%, seis entre
geoambientais (UGs) para a área da 41 e 60% e três entre 61 e 80%.
Caatinga, distribuídas em 18 Grandes Para as unidades geoambientais o
Unidades de Paisagem (GUP). Inde- resultado obtido foi o seguinte:
pendentemente da largura adotada para considerando a “zona de efeito da estrada”
a “zona de efeito da estrada” nenhuma com um quilômetro de largura, 77
unidade geoambiental ou Grande Unidade unidades perderam entre 0 e 20% de sua
de Paisagem foi totalmente perdida. área e somente cinco unidades perderam
Entretanto áreas maiores dessas unidades entre 81 e 100% de área (Figura 4). Para a
foram danificadas quanto maior a largura largura de três quilômetros, 61 unidades
da “zona de efeito da estrada” adotada perderam entre 0 e 20% de sua área e
(Figura 3). Adotando-se a largura de um somente cinco unidades ficaram na
quilômetro, sete GUPs perderam entre 0 e categoria de 81 a 100% de perda de área.
20% de sua área, sete GUPs perderam entre Adotando -se a largura de cinco
21 e 40% e quatro de 41 a 60%. Para a quilômetros, 50 unidades perderam entre
largura de três quilômetros, sete GUPs 0 e 20% de área e sete unidades entre 81 e
perderam de 0 a 20% da área, seis 100%. Com a largura de sete quilômetros,
perderam de 21 a 40% e cinco de 41 a 60%. 39 unidades perderam entre 0 e 20%, 26
Com cinco quilômetros de largura, cinco entre 21 e 40%, 30 entre 41 e 60%, 21 entre
GUPs perderam entre 0 a 20% de sua área, 61 e 80% e 13 entre 81 e 100%. E
sete perderam de 21 a 40% e seis entre 41 considerando a largura de dez quilômetros,
e 60%. Adotando-se sete quilômetros de as perdas de área se distribuíram de forma
largura, dez GUPs perderam entre 21 e 40% semelhante entre as cinco categorias, 31
de sua área, seis perderam entre 41 e 60% entre 0 e 20%, 23 entre 21 e 40%, 30 entre
e duas entre 61 e 80%. E para a maior 41 e 60%, 33 entre 61 e 80% e 18 entre 81
largura adotada, dez quilômetros, nove e 100% (Figura 4).

10

8 Lagura da zona de
efeito da estrada
7 10 km
Número de Grandes Unidades de Paisagens

7 km

6 5 km

3 km
5 1 km

1
Figura 3
Distribuição das
Grandes Unidades
0
0 - 20 21 - 40 41 - 60 61 - 80 81 - 100 de Paisagem por
Classe de perda de área (em %) categoria de perda
de vegetação nativa.

96
80

70

Lagura da zona de
60 efeito da estrada
10 km

7 km
Número de Unidades Geoambientais

50
5 km

3 km
40
1 km

30

20

Figura 4
10
Distribuição das
Unidades
Geoambientais 0
por categoria de 0 - 20 21 - 40 41 - 60 61 - 80 81 - 100

perda de Classe de perda de área (em %)


vegetação nativa.

DISCUSSÃO
Independente da estimativa adotada, sete quilômetros como válida para todo o
uma importante parcela do bioma Caatinga bioma da Caatinga, a área total alterada
foi bastante modificada pelas atividades pelo homem na região será de
humanas. Algumas dessas áreas 332.843km2, ou seja, 45,3% da região
previamente ocupadas pela agricultura (Figura 5). Esse valor coloca a Caatinga
possuem grande risco de desertificação, como o terceiro bioma brasileiro mais
exigindo ações urgentes de restauração da modificado pelo homem, sendo
vegetação original (MMA 1998). ultrapassado apenas pela Floresta Atlântica
Certamente, a porcentagem da e pelo Cerrado.
vegetação original da Caatinga alterada por O cruzamento do mapa das 135
atividades antrópicas é superior aos 28% unidades geoambientais da Caatinga
estimados através do mapa produzido pelo com o das áreas alteradas permite
IBGE (1993), e uma análise do impacto observar que a área de nenhuma UG foi
causado pelo sistema de estradas totalmente modificada, mas muitas se
efetivamente adiciona informações encontram em mal estado de conser-
importantes para uma estimativa mais vação. Para qualquer das larguras
acurada. O ponto crítico dessa estimativa adotadas para a “zona de impacto da
está na determinação de uma largura estrada” as unidades geoambientais
média da “zona de impacto da estrada” foram muito fragmentadas e algumas
adequada para a região, pois há poucos foram reduzidas à pequenas áreas.
estudos sobre esse assunto no mundo O número de “ilhas” formadas entre
(Forman 2000). Se adotarmos a largura as áreas alteradas evidencia o quanto a
média da “zona de impacto da estrada” de Caatinga foi fragmentada pela ação

97
Figura 5
Áreas alteradas no
bioma Caatinga.
As áreas alteradas são
compostas pelas
áreas agrícolas e pela
Vias (7km) “zona de efeito da
Áreas não-alteradas estrada” mais provável
Áreas alteradas na região (7 km) ao
longo das principais
rodovias do bioma
Caatinga.

antrópica. A maioria dessas “ilhas” possui desaparecimento de espécies de organismos


menos que 50km2 para qualquer largura endêmicos de algumas dessas unidades
do efeito da estrada (Figura 6). Consi- geoambientais. Bierregaard & Lovejoy Jr.
derando a “zona de efeito da estrada” de (1989) observaram que a composição da
sete quilômetros de largura, somente nove comunidade de aves da Amazônia decrescia
“ilhas” possuem mais de 10.000km2, o drasticamente em fragmentos com menos
que comprova como a região está de dez hectares. Hagan et al. (1996),
fragmentada. estudando o efeito da fragmentação sobre
A fragmentação das unidades as aves, indicaram que algumas espécies
geoambientais, e conseqüente fragmentação sofrem alteração na densidade populacional
de toda a Caatinga, pode levar ao quando os ecossistemas são fragmentados.

98
70

Lagura da zona de
efeito da estrada
60
10 km

7 km

50 5 km

3 km

1 km
Número de “ilhas”

40

Figura 6 30

Distribuição
das “ilhas” de
vegetação 20

nativa que
foram pouco
10
alteradas pelas
atividades
antrópicas por 0
categoria de 0 - 50 50 - 200 200 - 1000 1000 - 10000 10000 -

tamanho, no Tamanho das áreas (em km )


2

bioma Caatinga

Dependendo da espécie, essa variação pode • Novas unidades de conservação devem


ser positiva ou negativa. Esses autores ser criadas no centro das grandes áreas
relataram que os furnarídeos são 37% mais nucleares de vegetação original ainda
abundantes nos fragmentos do que em existentes entre as áreas alteradas. Isso
florestas contínuas. Wiens (1994), garantiria uma proteção maior para essas
estudando a fragmentação do hábitat, áreas e um custo menor de fiscalização
indicou que a diversidade de espécies é (Peres & Terborgh 1995);
reduzida e a composição da comunidade
• Pelo menos uma grande unidade de
alterada em ambientes fragmentados.
conservação, de tamanho apropriado (com
A perda de paisagens tem conse- no mínimo 250.000 hectares de área –
qüências graves para a manutenção da 2.500km2), deve ser criada em cada uma
biodiversidade. Chapin et al. (2000) das “ilhas” de vegetação nativa pouco
afirmam que a mudança na composição alterada. Naturalmente, essas reservas
das paisagens pode afetar o relacio- devem complementar a representatividade
namento entre as espécies, e levar a um ambiental do sistema de unidades de
desequilíbrio ecológico. Os autores conservação atualmente existente (Tabarelli
afirmam também que espécies endêmicas & Vicente 2003).
têm uma maior susceptibilidade à
mudança em seus domínios. Portanto, a • Estratégias devem ser desenvolvidas para
perda de algumas UGs pode levar ao utilizar, de forma eficiente, para fins
desaparecimento de espécies endêmicas econômicos, as áreas do bioma Caatinga
encontradas na Caatinga. já alteradas, evitando assim pressões
sobre áreas ainda pouco alteradas.
Com base no mapa que prediz, de
forma mais realista, a distribuição das áreas • As unidades geoambientais que sofreram
alteradas na região da Caatinga (Figura 5), grande alteração e fragmentação devem
as seguintes recomendações podem ser ter prioridade em estudos futuros sobre
feitas: a diversidade do bioma Caatinga.

99
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE-LIMA, D. 1981. The caatingas dominium. MMA. 2002. Avaliação e ações prioritárias para a
Revista Brasileira de Botânica 4: 149-163. conservação da biodiversidade da caatinga.
BIERREGAARD, R.O. & T.E. LOVEJOY JR. 1989. Effects of Universidade Federal de Pernambuco,
forest fragmentation on Amazonian understory Fundação de Apoio ao Desenvolvimento,
bird communities. Acta Amazônica 19: 215-241. Conservation International do Brasil, Fundação
Biodiversitas e EMBRAPA/Semi-Árido. Brasília,
BUCHER, E.H. 1982. Chaco and caatinga – South
DF. 36p.
American arid savannas, woodlands and
thickets. p. 48-79 In: Ecology of tropical PERES, C.A. & J.W. TERBORGH. 1995. Amazonian nature
savanas (HUNTEY, B.J. & B.H. WALTHER, ed.) reserves: an analysis of the defensibility status
Springer-Verlag, New York. of conservation units and design criteria for the
future. Conservation Biology 9: 34-46.
CHAPIN, F.S., E.S. ZAVALETA, V.T. EVINER, R. NAYLOR, P.M.
VITOUSEK, H.L. REYNOLDS, D.U. HOOPR, S. LAVOREL, RODAL, M.J.W. 1992. Fitossociologia da vegetação
O.E. SALA, S.E. HOBBIE, M.C. MACK, & S. DIAZ. arbustivo-arbórea em quatro áreas de caatinga
2000. Consequences of changing biodiversity. em Pernambuco. Tese de doutorado.
Nature 405: 234-242. Universidade de Campinas, Campinas, SP.
EMBRAPA. 2000. ZANE DIGITAL - Zoneamento SAMPAIO, E.V.S.B. 1995. Overview of the Brazilian
Agroecológico do Nordeste do Brasil. V. 1.0.20. caatinga. p. 35-58 In: Seasonally dry tropical
Brasil. forests (BULLOCK, S.H., H.A. MOONEY & E. MEDINA,
ed.). Cambridge University Press, Londres.
ESRI. 1998. ArcView GIS 3.1. ESRI, Estados Unidos.
SANTOS, A.M.M. 2000. Ação antrópica e estratégia
FERRI, M.G. 1980. A vegetação brasileira. EDUSP,
de conservação da Caatinga na região de Xingó
São Paulo, SP.
- Brasil. Monografia de Graduação.
FORMAM, R.T.T. 1995. Land mosaics: the ecology of Universidade Federal de Pernambuco, Recife,
landscapes and regions. Cambridge University PE.
Press, Cambridge, UK.
SILVA, J.M.C. & D.C. OREN. 1997. Geographic variation
FORMAM, R.T.T. 2000. Estimate of the area affected and conservation of the Moustached
ecologically by the road system in the United Woodcreeper (Xiphocolaptes falcirostris), an
States. Conservation Biology 14: 31-35. endemic and threatened species of
GARDA, E.C. 1996. Atlas do meio ambiente do Brasil. northeastern Brazil. Bird Conservation
Editora Terra Viva, Brasília, DF. International 7: 263-274.
HAGAN, J.M., W.M. HAEGEN & P.S. MCKINLEY. 1996. The TABARELLI, M. & A. VICENTE. 2003. Conhecimento
early development of forest fragmentation effects Sobre Plantas Lenhosas da Caatinga: lacunas
on birds. Conservation Biology 10: 188-202. geográficas e ecológicas, p. 101-112 In:
HEYER, R.H. 1988. On frog distribution patterns east Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações
of the Andes. p. 245-273 In: Proceedings of a prioritárias (S ILVA, J.M.C, M. TABARELLI, M.F,
Workshop on Neotropical Distribution FONSECA & L.V. LINS, orgs.). MMA, Brasília, DF.
Patterns (VANZOLINI, P.E. & R.H. H EYER, ed.) TROMBULAK, S.C. & C.A. FRISSELL. 2000. Review of
Academia Brasileira de Ciências, Rio de ecological effects of roads on terrestrial and
Janeiro, RJ. aquatic communities. Conservation Biology
IBGE. 1993. Mapa de vegetação do Brasil. IBGE, 14: 18-30.
Rio de Janeiro, RJ. WIENS, J.A. 1994. Habitat fragmentation: island v.
MMA. 1998. Desertificação: caracterização e landscape perspectives on bird conservation.
impactos. Brasília, DF. Ibis 137: 97-104.

100
Conhecimento
sobre plantas
lenhosas da Caatinga:
lacunas geográficas Marcelo Tabarelli

e ecológicas
Universidade Federal de Pernambuco

Adriano Vicente
Universidade Federal Rural de Pernambuco

101
André Pessoa
Caatinga na estação seca

INTRODUÇÃO
A região da Caatinga abrange uma (Andrade-Lima 1981, Sampaio et al. 1994,
área aproximada de 800.000km2, incluindo Sampaio 1995), entre as quais o solo. O Tipo
partes dos estados do Piauí, Ceará, Rio de solo tem sido considerado um indicador
Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, da distribuição de plantas lenhosas na
Alagoas, Sergipe, Bahia e Minas Gerais Caatinga (ver Araújo et al. 1999), existindo,
(Ab’Saber 1977). De modo geral, a biota da pelo menos, 40 tipos nesse bioma (IBGE
Caatinga tem sido descrita na literatura 1985).
como pobre, abrigando poucas espécies Estudos recentes (Andrade-Lima
endêmicas e, portanto, de baixo valor para 1981, Rodal 1992, Sampaio 1995, Garda
fins de conservação. 1996, Silva & Oren 1997) sugerem que a
Tal descrição contrasta com a idéia de “baixa riqueza de espécies” pode
diversidade de tipos vegetacionais observada decorrer de um artefato de amostragem. O
nesse ecossistema. Apesar de bem que a literatura indica, na verdade, é que a
delimitada do ponto de vista biogeográfico Caatinga é uma das regiões menos
(Cracraft 1985, Haffer 1985, Rizzini 1997), conhecidas da América do Sul, no que diz
a vegetação de Caatinga está longe de ser respeito à sua biodiversidade (MMA 1998,
homogênea do ponto de vista fisionômico. Silva & Tabarelli 1999). Várias espécies novas
Ferri (1980) reconheceu muitas formas de de animais e plantas têm sido descritas
caatinga, tais como: agreste, carrasco, recentemente para a região, indicando um
sertão, cariri e seridó, as quais variam em conhecimento zoológico e botânico
fisionomia e em composição florística. bastante precário (cf. Silva & Tabarelli 1999).
Veloso et al. (1991) definem como savana Um estudo sobre o esforço amostral das
estépica a vegetação da Caatinga, coletas de um grupo de anfíbios identificou
reconhecendo quatro fisionomias: a savana a Caatinga como uma das regiões menos
estépica florestada, a arborizada, a parque conhecidas em toda a América do Sul, com
e a savana estépica gramíneo-lenhosa. extensas áreas sem uma única informação
Andrade-Lima (1981) divide a Caatinga em sequer (Heyer 1988).
6 tipos e 12 subtipos de vegetação. Em Apesar de insuficientemente co-
geral, esses tipos representam gradientes, nhecida, a Caatinga vem sofrendo alterações
em termos de estrutura física, riqueza e drásticas (MMA 1999). O mapa de vegetação
diversidade de espécies, contribuição relativa produzido pelo Projeto Radambrasil indica
de formas e histórias de vida. Tais gradientes que cerca de 30% desse ecossistema já foi
estão associados às variáveis fisiográficas, drasticamente modificado pelo homem
climáticas e antrópicas dominantes (Castelletti et al. 2000). Esse percentual faz

102
da Caatinga o terceiro bioma brasileiro mais estacional. Em conjunto, essas sete unidades
alterado pelo homem, sendo ultrapassado e o tipo contato savana-floresta estacional (o
pela Floresta Atlântica e pelo Cerrado (cf. qual abriga vegetação do tipo carrasco)
Myers et al. 2000). Apesar das ameaças à cobrem 732.545,08km2 (94,1% da área do
sua integridade, apenas 1,6% da Caatinga polígono). O restante do polígono da Caatinga
está protegida em unidades de conservação é coberto por enclaves de cerrado e áreas de
de proteção integral (Tabarelli et al. 2000). transição entre cerrado e outros tipos florestais.
Esse cenário justifica a necessidade de se
ampliar rapidamente o conhecimento sobre
Distribuição geográfica e ecológica
a distribuição dos organismos e a forma
das coletas e dos estudos
como estão organizados em comunidades
na Caatinga. Informações completas sobre Para avaliar a distribuição geográfica
a distribuição dos organismos são e ecológica das coletas de plantas lenhosas
fundamentais para o entendimento da e dos estudos florísticos e fitossociológicos
evolução, ecologia e conservação de uma na Caatinga foram produzidos e/ou utilizados
biota (Primack 1995). os seguintes mapas digitais na escala de
1:5.000.000: distribuição das localidades
Este estudo procura identificar
com coletas e estudos, distribuição das
lacunas geográficas e ecológicas de
áreas perturbadas na Caatinga, e tipos de
amostragem de plantas lenhosas da
vegetação e de solos da Caatinga.
Caatinga e de estudos que caracterizam a
forma como essas espécies estão Para a produção do mapa de
organizadas em comunidades. Apesar de localidades com coletas e estudos utilizou-
incorporar apenas uma parte da informação se registros de material botânico depositado
disponível sobre as plantas lenhosas desse nos herbários Dárdano de Andrade-Lima
ecossistema, o presente estudo possibilita (Empresa Pernambucana de Pesquisa
detectar padrões importantes sobre como Agropecuária), Geraldo Mariz (Universidade
o conhecimento botânico e ecológico está Federal de Pernambuco), Vasconcelos
espacializado na Caatinga. São feitas Sobrinho (Universidade Federal Rural de
também considerações sobre: (1) questões Pernambuco) e Herbário da Universidade
biogeográficas e ecológicas que têm suas Federal de Sergipe. Foram utilizados
respostas associadas ao preenchimento de registros de plantas de 61 famílias que
lacunas geográficas e ecológicas de ocorrem na Caatinga, sendo que cada
conhecimento; e (2) as principais relações registro de herbário eqüivale a uma coleta
entre conhecimento e conservação da neste trabalho. As informações sobre os
diversidade biológica da Caatinga. estudos realizados na Caatinga foram
obtidas na literatura pertinente.
Como mapa de áreas perturbadas na
MATERIAL E MÉTODOS Caatinga, foi utilizado aquele produzido por
Castelletti et al. (2000). São reconhecidas
como áreas perturbadas aquelas próximas
Distribuição da Caatinga de rodovias ou onde a atividade
Neste trabalho a Caatinga segue os agropecuária é intensa segundo IBGE
limites propostos pelo IBGE (1993), o qual (1993). Os mapas de vegetação e solo foram
publicou um mapa (1:5.000.000) contendo a obtidos através da digitalização dos mapas
distribuição dos tipos vegetacionais no publicados pelo IBGE (1985, 1993). Admite-
território brasileiro. Com base neste mapa, o se que o número de tipos de vegetação
polígono da Caatinga possui uma área de reconhecido é menor do que poderia ser e,
777.915,08km2, onde são encontrados 19 portanto, corre-se o risco de subestimar-se
tipos vegetacionais. Entre esses, sete tipos são a quantidade de tipos existentes na região
de caatinga sensu lato (savana estépica), (ver detalhes em IBGE 1993). Entretanto,
incluindo áreas de contato com atividades esse é o único e melhor mapa disponível no
antrópicas, cerrado (savana) e floresta momento em formato digital.

103
Análise dos dados nossa análise (existem 21 herbários na região
Nordeste, Barbosa & Barbosa 1996). Todavia,
A análise da distribuição geográfica e
a informação disponível é capaz de mostrar
ecológica das coletas de plantas lenhosas e
tendências importantes sobre a distribuição
dos estudos na Caatinga foi feita através do
geográfica e ecológica do esforço de coleta
cruzamento dos mapas digitais utilizando-
(número de registros por área) e da
se as ferramentas Xtools e Script Calc_Area,
caracterização de comunidades de plantas
com a projeção Equal_Area Cylindrical, do
lenhosas na Caatinga (estudos florísticos e
programa Arc View (ESRI 1998). Para
fitossociológicos).
facilitar as análises, o mapa de limites do
bioma foi dividido em quadrículas de 40 x
40km (1.600km2).
Utilizou-se o Teste G (Sokal & Rohlf RESULTADOS
1995) para analisar a distribuição das coletas
e dos estudos em relação à perturbação da
Caatinga, tipo de vegetação e solo. O mesmo
Distribuição geográfica das
teste foi utilizado para analisar a distribuição coletas e dos estudos
das coletas e dos estudos em relação à Foram identificadas 306 localidades
distância da cidade de Recife (0-1000km), na Caatinga para as quais há 3.528
considerado um centro de ensino e pesquisa. coletas, enquanto os 49 estudos
Ressaltamos que a informação utilizada registrados estão distribuídos em 37
nesse artigo não é completa, pois diversas localidades. Os mapas de distribuição e
coleções de plantas não foram incluídas em esforço de coleta de plantas lenhosas

Coleta
Limite da Caatinga Figura 1
Localidades
com coleta
de plantas
0 200 Km N lenhosas na
Caatinga.

104
(Figuras 1 e 2) sugerem a existência de dades dos centros de ensino e pesquisa.
lacunas geográficas de informação e Há menos coletas por unidade de área à
esforço desigual de coleta na região. A medida em que se aumenta a distância em
área na qual não foram registradas coletas relação à cidade do Recife (G = 3042,6,
representa 41,1% da Caatinga, e a área g.l.= 9, P < 0.001) (Figura 3). A maior parte
onde há entre 1 e 10 coletas/1.600km2 das coletas (61%) entre 0 e 1.000km de
representa outros 40%. Dessa forma, distância dessa cidade, encontra-se nos
estima-se que 80% da área da Caatinga 500km mais próximos, os quais
está sub-amostrada (< 10 registros/ representam apenas 25% das áreas de
1.600km 2). As áreas sub-amostradas coleta incluída nessa análise. O mesmo
concentram-se na periferia geográfica do padrão é observado em relação à
bioma. distribuição dos estudos, dos quais
Ao contrário, as áreas melhor 83,3% estão localizados a até 600km de
conhecidas concentram-se nas proximi- distância dessa cidade

Intensidade de coleta
1 - 10
10 - 50
50 - 100
100 - 200
200 - 300

Limite da Caatinga

Figura 2
Distribuição do N
esforço de
0 200 Km
coleta de plantas
lenhosas na
Caatinga.

105
Distribuição ecológica das coletas e dos estudos
A maior parte das coletas (71,8%) e Caatinga menos perturbadas pela ação
dos estudos (81,6%) foi realizada em áreas antrópica são as que apresentam menos
ou regiões consideradas perturbadas, coletas e estudos (G = 1033,9, g.l. =
apesar dessas áreas representarem 45,3% 1, P < 0,001; G = 27,45, g.l. = 1, P <
do bioma (Figura 4). Ou seja, as áreas da 0,001).

40
35 Área
Coleta
Figura 3
30 Estudos
Distribuição relativa da
25 área amostral, das
coletas
% 20 (N = 3.532)
15 e dos estudos
10 (N = 42)
de plantas lenhosas
5
em relação à distância
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 da cidade do Recife
Classes de distância (0-1.000km).

Estudos Figura 4
Coletas Distribuição das
Perturbação antrópica
Com pressão coletas e
Sem pressão estudos de
plantas lenhosas
Limite da Caatinga em áreas com e
sem pressão
0 200 Km N antrópica na
Caatinga.

106
A distribuição das coletas e dos
Tabela 1 - Percentual de coletas e estudos nos diferentes tipos estudos é proporcional à área coberta
vegetacionais da Caatinga, com suas respectivas áreas. pelos diferentes tipos vegetacionais (Tabela
Unidades vegetacionais Área % Coletas % Estudos % 1). Todavia, o tipo vegetacional com maior
Savana estépica arborizada 39,2 38,7 (1366) 26,5 (13) número de coletas e de estudos,
Savana estépica-atividades agrícolas 27,3 40,5 (1427) 53,0 (26) corresponde aquele onde a atividade
Contato savana estépica-floresta estacional 16,2 12,3 (436) 4,1 (2) humana é mais marcante (savana estépica-
Savana estépica florestada 6,9 2,6 (94) 8,2 (4)
Contato savana-savana estépica-floresta atividades agrícolas). Para cinco tipos
estacional 4,2 0,1 (4) 0 vegetacionais há menos que 100 coletas
Contato savana-savana estépica 2,3 0,8 (28) 0 e para três tipos não há registros de
Contato savana-floresta estacional 1,5 2,6 (93) 8,2 (4) estudos. Ou seja, 62,5% dos tipos
Savana estépica parque 1,4 2,2 (80) 0
Total 98,9 100 (3528) 100 (49) vegetacionais da Caatinga estão sub-
amostrados, pois possuem poucos
Entre parêntesis está o número absoluto.
registros de plantas (< 100) e poucos
estudos (< 5).
Tabela 2 - Percentual de coletas de plantas lenhosas e de estudos por Dentre os 40 tipos de solo
tipo de solo na Caatinga, com suas respectivas áreas. encontrados na Caatinga, 26 (65%)
Tipos de solo Área % Coletas % Estudos % possuem coletas de plantas lenhosas, mas
Solos bruno não cálcicos 13,7 26,8 (946) 22,4 (11) para apenas 11 (27,5%) há mais de 50
Latossolo vermelho-amarelo distrófico 13,3 5,4 (192) 10,2 (5) coletas registradas. Em apenas nove tipos
Podzólico vermelho-amarelo eutrófico Tb 11,1 14,0 (496) 0,0
Solos litólicos eutróficos 9,2 7,1 (252) 12,6 (6)
de solos (22,5%) foram realizados estudos.
Areias quatzosas distróficas 9,1 3,1 (110) 2,0 (1) Ao contrário do observado para o tipos
Planossolo solódico 8,8 13,0 (461) 8,1 (4) vegetacionais, a distribuição do esforço de
Solos litólicos distróficos 6,9 5,3 (187) 0,0 coleta e dos estudos difere da
Latossolo vermelho-amarelo
distrófico e eutrófico 4,7 2,7 (95) 12,6 (6)
abrangência relativa dos tipos de solo
Regossolo eutrófico 3,9 13,2 (465) 14,2 (7) (G = 1554,42, g.l. = 8, P < 0.001;
Laterita hidromórfica distrófica 3,3 0,05 (2) 0,0 G= 37,1, g.l. = 7, P< 0,001) (Tabela 2).
Solonotez-solodizado 1,7 4,5 (160) 0,0 Alguns tipos, como o regossolo, apesar de
Podzólico vermelho-amarelo distrófico 1,3 0,03 (1) 16,3 (8)
ocupar apenas 3,9% da área da Caatinga,
Outros 13,0 4,6 (161) 2,0 (1)
abriga 13,2% das coletas e 14,2% dos
Entre parêntesis está o número absoluto.
estudos.

DISCUSSÃO
Lacunas geográficas e ecológicas de informação
Os resultados desse estudo sugerem atividades agrícolas) e em sete tipos de solos.
a existência de lacunas geográficas e Isto eqüivale a dizer que o nível de informação
ecológicas em termos de coletas e estudos sobre a ocorrência e forma de organização
sobre comunidades de plantas lenhosas na desse grupo biológico é reduzido ou até
Caatinga. Especificamente, grande parte da mesmo inexistente para 80% da Caatinga.
informação está concentrada na região
central desse bioma, a qual corresponde a Na Caatinga, as lacunas geográficas
áreas sob forte pressão antrópica, e nas e ecológicas estão correlacionadas. As áreas
adjacências dos centros de ensino e pesquisa mais afastadas dos centros de ensino e
(cf. Figura 4). A informação está concentrada, pesquisa (a maioria próxima do litoral),
também, em dois tipos vegetacionais (savana correspondem às regiões ecotonais entre a
estépica arborizada e savana estépica- Caatinga, o Cerrado, as matas secas e os

107
campos ruprestes. São também as regiões distribuição Amazônia-Bahia, representam
onde estão os tipos vegetacionais (os tipos cerca de 7% da flora de plantas lenhosas
contato, sensu Veloso et al. 1991) e muitos (Thomas et al. 1998). Ao norte do rio São
dos solos sub-amostrados. Em vários Francisco, as espécies com padrão de
ecossistemas tropicais, incluindo a Caatinga, distribuição Amazônia-Floresta Atlântica
as regiões ecotonais têm sido caracterizadas ocorrem preferencialmente nas florestas de
como áreas distintas em termos de riqueza, terras baixas, enquanto aquelas oriundas do
composição e organização das sul e sudeste do Brasil ocorrem nas florestas
comunidades vegetais (Araújo et al. 1999, sub-montanas e montanas (Andrade-Lima
Ribeiro 2000). Há evidências de que as 1964, 1966).
regiões ecotonais correspondem, também, Informações sobre riqueza,
às áreas onde os processos de especiação endemismo, distribuição geográfica e
ocorrem com maior freqüência (Smith et al. ecológica de plantas lenhosas da Caatinga
1997). Dessa forma, as lacunas aqui existem de forma preliminar. Gamarra-Rojas
detectadas têm implicações importantes & Sampaio (2002) citam pelo menos 1.102
para o conhecimento e a conservação da espécies lenhosas para a Caatinga. Giulietti
Caatinga. et al. (2002) encontraram 318 espécies
endêmicas a esse bioma, e, por outro lado,
Implicações para o 62 espécies apresentam ampla distribuição
conhecimento da Caatinga nas florestas secas sul-americanas (Prado &
Gibbs 1993). Em alguns grupos, como nas
Conhecimento sobre a distribuição de famílias Cactaceae, Bromeliaceae e
organismos vegetais e a forma com que eles Asteraceae, o índice de endemismo pode
se organizam em comunidades nas biotas ser elevado (Rizzini 1997). Rodal (1992)
é fundamental para entender questões sugere que a Caatinga contém, pelo menos,
como a origem da flora, sua riqueza e seu dois blocos florísticos, norte e sul, separados
nível de endemismo, e a distribuição espacial pelo maciço da Borborema, cada um com
e ecológica das entidades taxonômicas, suas espécies vegetais características e
formas e histórias de vida. endêmicas. Silva & Oren (1997) reconhe-
Sínteses já foram realizadas para ceram, também, duas áreas de diferenciação
alguns biomas brasileiros. Estima-se, por para uma espécie de ave endêmica à
exemplo, que a Floresta Atlântica brasileira Caatinga. Novas sínteses sobre riqueza,
possua 20.000 espécies de plantas endemismos, relações biogeográficas e tipos
vasculares, das quais 8.000 seriam vegetacionais da Caatinga devem surgir à
endêmicas (2,7% das plantas do planeta) medida em que algumas das lacunas
(Myers et al. 2000). Entre 40 e 50% das detectadas nesse estudo forem preenchidas.
espécies lenhosas encontradas em qualquer
trecho dessa floresta são endêmicas à Implicações para a
mesma (Mori et al. 1981, Thomas et al.
1998). São reconhecidos para a Floresta
conservação da Caatinga
Atlântica três centros de endemismos – O conhecimento sobre a distribuição
Pernambuco, sul da Bahia e Rio de Janeiro- dos organismos e das comunidades tem
São Paulo – os quais, acredita-se, implicações importantes para a
representaram áreas de refúgio florestal conservação da diversidade biológica, tais
durante as glaciações do quaternário (Prance como, quantificar e qualificar os efeitos da
1987). Cada um desses centros tem ação antrópica (p. ex. redução de hábitats,
contribuições distintas da flora Amazônica, fragmentação, extração seletiva) sobre a
associadas às ligações entre essas biotas biota, estabelecer estratégias eficientes de
durante o terciário (Prance 1979) e às rotas conservação, atrair entidades financiadoras
de migração através do Cerrado e regiões e programas de conservação e fornecer
litorâneas (Rizzini 1963). No sul da Bahia, por subsídio científico aos formuladores de
exemplo, as espécies com padrão de políticas públicas.

108
Coimbra-Filho & Câmara (1996) ecológicas identificadas nesse estudo, o
lançaram a hipótese que, antes da chegada mapa de áreas prioritárias para a
dos colonizadores europeus, a Caatinga conservação da diversidade poderá sofrer
era, em sua grande parte, composta por modificações. Seleção de áreas prioritárias
florestas secas muita mais desenvolvidas, com base no conhecimento sobre a
em termos estruturais, do que aquelas distribuição da biodiversidade é um método
observadas atualmente. Se a estrutura da extremamente útil (Margules & Pressey
floresta se alterou, também houve 2000). Todavia, se reconhece que na
mudanças na composição das espécies ausência de informações confiáveis as
vegetais, na riqueza dos organismos e na áreas consideradas mais ricas podem ser,
composição das estratégias biológicas na verdade, apenas as áreas melhor
presentes, já que existem relações amostradas (Nelson 1991).
conhecidas entre essas variáveis nas Insuficientemente conhecida, a
florestas secas (Murphy & Lugo 1986, Caatinga permanece ainda hoje fora do
Gentry 1995, Medina 1995). Hipóteses cenário nacional e internacional em termos
como essa, só podem ser cientificamente de prioridades para a conservação da
avaliadas à medida em que áreas diversidade biológica. A Caatinga, por
historicamente bem preservadas da exemplo, não faz parte de nenhum dos
Caatinga forem estudadas. Infelizmente, a grandes projetos de conservação que
distribuição dos estudos realizados até o operam a nível mundial, como a Reserva
momento parece estar concentrada em da Biosfera, The Global Two Hundreds-
áreas ou regiões com longo histórico de Conservation Priorities (World Wildlife
perturbação antrópica. Foundation) e Conserving Biodiversity
Do ponto de vista da conservação, o Hotspots (Conservation International).
estabelecimento de um sistema ou rede de É importante mencionar que entre as
áreas protegidas é um dos mais 25 regiões consideradas como alta
importantes instrumentos ou estratégias prioridade mundial para conservação pela
para garantir a conservação da diversidade Conservation International, cinco são
biológica de uma biota (Margules & Pressey regiões semi-áridas que abrigam 19% das
2000). A eficiência desse instrumento pode plantas vasculares do planeta (Myers et al.
ser medida pelo percentual de espécies 2000).
“capturadas pelo sistema” (represen- O conhecimento científico é uma
tatividade biológica), pela manutenção de condição essencial para o estabelecimento
populações viáveis e por sua capacidade de políticas eficazes de conservação. Ao
de manter processos ecológicos em contrário, conhecimento inadequado é um
diferentes escalas espaciais que garantam aliado perigoso nas mãos de planejadores
resiliência à biota (Noss et al. 1997). interessados em converter áreas naturais
Dessa forma, informações com- em pólos de desenvolvimento econômico.
pletas sobre a distribuição de organismos No Cerrado, por exemplo, um dos alicerces
de uma biota são fundamentais para que das políticas públicas implementadas nesse
o sistema planejado de áreas protegidas bioma nas últimas três décadas, foi a idéia
tenha a máxima representatividade de que sua vegetação era pobre em
biológica. Em um esforço coletivo, mais de espécies endêmicas e, dessa forma, sua
100 pesquisadores identificaram 82 áreas substituição por empreendimentos
prioritárias para a conservação da Caatinga agropecuários traria poucos prejuízos
com base na informação biológica ambientais (Silva 1998). Hoje sabe-se que
disponível (Silva & Tabarelli 2000). Entre o Cerrado é rico em espécies vegetais
essas, 25 (30,5%) foram consideradas endêmicas (Heringer et al. 1977, Rizzini
áreas insuficientemente conhecidas, as 1997) e pode apresentar uma diversidade
quais representam cerca de 20% da área filética de plantas vasculares superior às das
da Caatinga. Com o preenchimento de florestas Atlântica e Amazônica (Gottlieb &
muitas das lacunas geográficas e Borin 1994). Seguramente, um dos

109
motivos do desamparo legal que a Caatinga das plantas lenhosas da Caatinga. Novas
ainda sofre é a crença generalizada de que informações sobre a ocorrência e
esse bioma é pobre e, portanto, pouco distribuição dos organismos são essenciais,
importante. não só para ampliar o entendimento sobre
Em síntese, os resultados desse a diversidade biológica dessa biota, mas
estudo suportam as idéias de que a para sua própria conservação.
Caatinga é um dos biomas brasileiros
menos conhecidos, que sua “baixa riqueza
de espécies” pode ser um artefato de
amostragem e que a distância dos centros Agradecimentos
de ensino e pesquisa é um preditor da Aos curadores dos herbários
distribuição geográfica e ecológica das Dárdano de Andrade-Lima – Empresa
informações sobre plantas lenhosas da Pernambucana de Pesquisa Agropecuária;
Caatinga. A partir das lacunas e tendências Herbário Geraldo Mariz – Universidade
identificadas nesse estudo, novos esforços Federal de Pernambuco, Vasconcelos
de investigação podem ser planejados, com Sobrinho – Universidade Federal Rural de
objetivo de ampliar a representatividade Pernambuco e Herbário da Universidade
geográfica e ecológica do conhecimento Federal de Sergipe.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AB’SABER, A.N. 1977. Os domínios morfoclimáticos da ESRI. 1998. Arcview GIS 3.1. ESRI, Estados Unidos.
América do Sul. Primeira aproximação.
FERRI, M.G. 1980. A vegetação brasileira. EDUSP, São
Geomorfologia 52: 1-21.
Paulo, SP.
ANDRADE-LIMA, D. 1964. Contribuição à dinâmica da flora
do Brasil. Arquivos do Instituto de Ciências da GAMARRA-ROJAS, C.F.L & E.V.S.B. SAMPAIO. 2002. Espécies
Terra 2: 15-20. da caatinga no banco de dados do CNIP. p. 91-
102 In: Vegetação e flora das caatingas (SAMPAIO,
ANDRADE-LIMA, D. 1966. Contribuição ao estudo do E.V.S.B., A.M. GIULIETTI, J. VIRGÍNIO & C.F.L. GAMARRA-
paralelismo da flora amazônico-nordestina. ROJAS, ed.). Associação Plantas do Nordeste –
Boletim Técnico do Instituto de Pesquisas APNE, Centro Nordestino de Informações Sobre
Agronômicas de Pernambuco 19: 1-30. Plantas – CNIP, Recife, PE.
A NDRADE-L IMA, D. 1981. The caatingas dominium. GARDA, E.C. 1996. Atlas do meio ambiente do Brasil.
Revista Brasileira de Botânica 4: 149-163. Editora Terra Viva, Brasília, DF.
ARAÚJO, F.S., F.R. M ARTINS & G.J. S HEPHERD. 1999.
GENTRY, A.H. 1995. Diversity and floristic composition
Variações estruturais e florísticas do carrasco no
of Neotropical dry forests. p. 146-190 In: Seasonal
Planalto da Ibiapaba, estado do Ceará. Revista
dry tropical forests (BULLOCK, S.H., H.A. MOONEY
Brasileira de Biologia 59: 663-678.
& E. MEDINA, ed.). Cambridge University Press,
BARBOSA, M.C.A. & M.R.V. BARBOSA. 1996. Herbários. p. Londres.
145-150 In: Pesquisa botânica nordestina:
progresso e perspectivas (SAMPAIO, E.V.S.B., S.J. MAYO GIULIETTI, A.M., R.M. HARLEY, L.P. QUEIROZ, M.R.V. BARBOSA,
& M.R.V. BARBOSA, ed.). Sociedade Botânica do A.L. B OC AGE N ETA & M.A. F IGUEIREDO . 2002.
Brasil, Seção Regional de Pernambuco, Recife, PE. Espécies endêmicas das caatingas. p. 103-118
In: Vegetação e flora da caatinga (S AMPAIO ,
CASTELLETTI, C.H.M., J.M.C. SILVA, M. TABARELLI & A.M.M. E.V.S.B., A.M. GIULIETTI, J. VIRGÍNIO & C.F.L. GAMARRA-
SANTOS. 2000. Quanto resta da Caatinga? Uma ROJAS, ed.). Associação Plantas do Nordeste –
estimativa preliminar. In: Workshop Avaliação e APNE, Centro Nordestino de Informações Sobre
identificação de ações prioritárias para a Plantas – CNIP, Recife, PE.
conservação, utilização sustentável e repartição
de benefícios da biodiversidade do bioma GOTTLIEB, O.R. & M.R.M.B. BORIN. 1994. The diversity
Caatinga (SILVA, J.M.C. & M. TABARELLI, coord.). of plants. Where is it? Why is it there? What will it
Petrolina, PE. www.biodiversitas.org.br./caatinga. become? Anais da Academia Brasileira de
Ciências 66: 55-84.
COIMBRA-FILHO, A.F. & I.G. CÂMARA. 1996. Os limites
originais do Bioma Mata Atlântica na região HAFFER, J. 1985. Avian zoogeography of the Neotropical
Nordeste do Brasil. FBCN, Rio de Janeiro, RJ. lowlands. Ornithological Monographs 36: 113-146.
CRACRAFT, J. 1985. Historical biogeography and patterns HERINGER, E.P., G.M. BARROSO, A.J. RIZZO & C.T. RIZZINI.
of differentiation within the South American 1977. A flora do cerrado. p. 211-232 In: IV
avifauna: areas of endemism. Ornithological Simpósio sobre o Cerrado (Ferri, M.G., ed.). Ed.
Monographs 36: 49-84. Itatiaia e EDUSP, Brasil.

110
HEYER, R.H. 1988. On frog distribution patterns east of R IZZINI , C.T. 1963. Nota prévia sobre a divisão
the Andes. p. 245-273 In: Proceedings of a fitogeográfica (florístico-sociológica) do Brasil.
Workshop on Neotropical Distribution Patterns Revista Brasileira de Geografia 1: 3-55.
(VANZOLINI, P.E. & R.H. H EYER, ed.). Academia
RIZZINI, C.T. 1997. Fitogeografia brasileira. Editora Nova
Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, RJ.
Fronteira, Rio de Janeiro, RJ.
IBGE. 1985. Atlas nacional do Brasil. IBGE, Rio de
RODAL. M.J.N. 1992. Fitossociologia da vegetação
Janeiro, RJ.
arbustivo-arbórea em quatro áreas de caatinga em
IBGE. 1993. Mapa de vegetação do Brasil. IBGE, Rio Pernambuco. Tese de doutorado. Universidade de
de Janeiro, RJ. Campinas, Campinas, SP.

M ARGULES, C.R. & R.L. P RESSEY . 2000. Systematic S AMPAIO , E.V.S.B. 1995. Overview of the Brazilian
conservation planning. Nature 405: 243-253. Caatinga. p. 35-63 In: Seasonal dry tropical
forests (B ULLOCK , S.H., H.A. M OONEY & E.
MEDINA, E. 1995. Diversity of life forms of higher plants M EDINA , ed.). Cambridge University Press,
in Neotropical dry forests. p. 221-238 In: Seasonal Londres.
dry tropical forests (BULLOCK, S.H., H.A. MOONEY
& E. MEDINA, ed.). Cambridge University Press, SAMPAIO, E.V.S.B., A. SOUTO, M.J.N. RODAL, A.A.J.F.
Londres. CASTRO & C. HAZIN. 1994. Caatingas e cerrados
do NE - biodiversidade e ação antrópica. p. 260-
MMA. 1998. Primeiro relatório para a Convenção sobre 275 In: Anais da Conferência Nacional e
Diversidade Biológica. Ministério do Meio Seminário Latino-Americano da Desertificação
Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia (F UNDAÇÃO G RUPO E SQUEL B RASIL , ed.). Ceará,
Legal, Brasília, DF. Brasil.
MMA. 1999. Desertificação: caracterização e impactos. S ILVA , J.M.C. 1998. Integrating biogeography and
Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos conservation: example with birds and plants of the
Hídricos e da Amazônia Legal, Brasília, DF. Cerrado region. Anais da Academia Brasileira de
MORI, S.A., B.M. BOOM & G.T. PRANCE. 1981. Distribution Ciências 70: 881-888.
patterns and conservation of eastern Brazilian SILVA, J.M.C. & D.C. OREN. 1997. Geographic variation
coastal forest tree species. Brittonia 33: 233-245. and conservation of the Moustached Woodcreeper
MURPHY, P.G. & A.E. LUGO. 1986. Ecology of tropical dry (Xiphocolaptes falcirostris), an endemic and
forest. Annual Review of Ecology and Systematic threatened species of northeastern Brazil. Bird
17: 67-88. Conservation International 7: 263-274.

MYERS, N., R.A. MITTERMEIER, C.G. MITTERMEIER, G.A.B. S ILVA , J.M.C. & M. T ABARELLI. 1999. Diversidade a
FONSECA & J. KENT. 2000. Biodiversity hotspots for adversidade. Cadernos de Extensão da UFPE 3:
conservation priorities. Nature 403: 853-845. 7-11.

NELSON, B.W. 1991. Inventário florístico na Amazônia e a SILVA, J.M.C. & M. TABARELLI (coord.). 2000. Workshop
escolha racional de áreas prioritárias para a Avaliação e identificação de ações prioritárias
conservação. p. 173-183 In: Bases científicas para para a conservação, utilização sustentável
estratégias de preservação e desenvolvimento na e repartição de benefícios da biodiversidade
Amazônia: fatos e perspectivas (VAL, A.L., R. do bioma Caatinga. Petrolina, PE.
FIGLIUOLO & E. FEDELBERG, ed.). INPA, Manaus, AM. www.biodiversitas.org.br./caatinga.

NOSS, R.F., M.A O´CONNELL & D.D. MURPHY. 1997. The SMITH, T.B., R.K. WAYNE, D.J. GIRMAN & M.W. BRUFORD.
science of conservation planning: habitat 1997. A role for ecotones in generating rainforest
conservation under the endangered species. Island biodiversity. Science 276: 1855-1857.
Press, Washington. SOKAL, R.R. & F.J. ROHLF. 1995. Biometry. W.H. Feeman
and Company, New York.
PRADO, D.E. & P.E. GIBBS. 1993. Patterns of species
distribution in the dry seasonal forests of South TABARELLI, M., J.M.C. SILVA, A.M.M. SANTOS & A. VICENTE.
America. Annals of Missouri Botanical Garden 2000. Análise de representatividade das unidades
80: 902-927. de conservação de uso direto e indireto na
Caatinga: análise preliminar. In: Workshop
PRANCE, G.T. 1979. The taxomomy and phytogeography
Avaliação e identificação de ações prioritárias
of the Chrysobalanaceae of the Atlantic coastal
para a conservação, utilização sustentável e
forests of Brazil. Revista Brasileira de Botânica
repartição de benefícios da biodiversidade do
2: 19-39.
bioma Caatinga (SILVA, J.M.C. & M. TABARELLI,
PRANCE, G.T. 1987. Biogeography of neotropical plants. coord.). Petrolina, PE. www.biodiversitas.org.br./
p. 175-196 In: Biogeography and quaternary caatinga.
history in tropical America (WHITMORE, T.C. & G.T.
T HOMAS , W.W., A.M.V. CARVALHO , A.M.A. A MORIN , J.
PRANCE, ed.). Claredon Press, Oxford.
GARRISON & A.L. ARBELÁEZ. 1998. Plant endemism
PRIMACK, R.B. 1995. A primer of conservation biology. in two forests in southern, Brazil. Biodiversity and
Sinauer Associates Inc., Massachusetts. Conservation 7: 311-322.
RIBEIRO, L.F. 2000. Riqueza de espécies lenhosas e VELOSO, H.P., A.L.R. RANGEL-FILHO & J.C.A. LIMA. 1991.
distribuição de grupos ecológicos em uma área de Classificação da vegetação brasileira adaptada
cerrado no Piauí, Brasil. Dissertação de Mestrado. a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro,
Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE. RJ.

111
PARTICIPANTES DO SEMINÁRIO
GRUPO TEMÁTICO ‘FLORA’
Ana Maria Giulietti
Coordenação

Vegetação:
Ana Luiza Du Bocage Neta
Antônio Roberto Lisboa de Paula
Dilosa Carvalho Barbosa
Eliana Nogueira

áreas e ações
Everardo V. S. B. Sampaio
Grécia Cavalcanti da Silva
Isabel Cristina Machado
Jair Fernandes Virgínio

prioritárias para
Leonor Costa Maia
Luciana M. S. Griz
Luciano Paganucci de Queiroz

a conservação
José Luciano Santos Lima
Marcelo Athayde Silva
Maria Angélica Figueiredo
Maria de Jesus Nogueira Rodal

da Caatinga
Maria Mércia Barradas
Maria Regina de Vasconcellos Barbosa
Raymond M. Harley
Sérgio de Miranda Chaves

113
André Pessoa
Caatinga na estação chuvosa

A vegetação do bioma Caatinga é pela presença de muitas espécies raras e


bastante diversificada por incluir, além das endêmicas –, e os refúgios montanhosos,
caatingas, vários outros ambientes de formações rochosas, isolados no
associados. Somente de caatingas são bioma. Os enclaves de caatinga existentes
reconhecidas 12 tipologias diferentes, as fora do Nordeste são provavelmente de
quais despertam atenção especial pelos grande relevância científica, contudo, a
exemplos fascinantes de adaptação aos confirmação disso requer ainda mais
hábitats semi-áridos. Tal situação pode informações. Nesse conjunto se so-
explicar, em parte, a grande diversidade de bressaem as áreas situadas em Minas
espécies vegetais, muitas das quais Gerais.
endêmicas ao bioma. Estima-se que pelo A água, como um fator limitante na
menos 932 espécies foram registradas na Caatinga, ressalta também a necessidade
região, sendo 318 delas endêmicas. de preservação dos rios permanentes, os
Encontram-se endemismos também em quais têm um papel proeminente por
outros níveis taxonômicos, pois vinte prover de água, durante todo o ano, tanto
gêneros de plantas são conhecidos apenas as espécies nativas das caatingas como as
na Caatinga. comunidades locais que lá se estabelecem.
No que se refere à identificação e à Tais rios dependem de estar protegidos em
classificação das áreas prioritárias para a suas cabeceiras, as quais se localizam fora
conservação da flora da Caatinga, da zona da Caatinga, nos brejos ou nas
considerou-se a pluralidade de hábitats que florestas montanas do platô da
refletisse toda a variedade encontrada no Borborema, na chapada Diamantina, na
bioma, selecionando- se, para isso, aqueles serra do Araripe, entre outros locais.
com os mais elevados graus de diversidade A carência de conhecimento sobre
e de endemismo, segundo a adoção dos a flora do bioma reflete-se no elevado
seguintes critérios: 1. existência de pelo número de áreas classificadas como
menos um táxon endêmico à área insuficientemente conhecidas, mas de
proposta; 2. Presença de táxons endêmicos provável importância biológica. Das 53
ao bioma; e 3. ocorrência de fenômenos áreas indicadas, 18 enquadram-se nessa
biológicos especiais. categoria (Figura 1). Para essas áreas é que
Merecedoras de destaque são as deverão voltar-se os esforços de inventário.
lagoas ou áreas úmidas temporárias, nas Do restante, 17 são áreas de extrema
terras mais baixas – as quais formam um importância; 14 de muito alta importância;
conjunto de hábitats frágeis, caracterizado e quatro de alta importância biológica.

114
Importância Biológica
Extrema
Figura 1 Muito alta
Alta
Áreas Informação insuficiente
Limite estadual
prioritárias Limite do bioma caatinga
para
conservação
da flora na
Caatinga
1. Serra das Flores 28. Mirandiba
2. Jaburuna 29. Chapada do Araripe
3. Reserva da Serra das Almas 30. Sertão do Submédio São Francisco
4. Campo de Inselbergs / Serra do Estevão 31. Sudoeste de Pernambuco
5. Carnaubais 32. Xingó
6. Angical 33. Picos
7. Sertão dos Inhamuns 34. Corredor Ecológico Serra da Capivara / Confusões
8. Chapada do Apodi 35. Serras do Sento Sé / Sobradinho / Remanso
9. Vitória da Conquista 36. Raso da Catarina
10. Dunas de São Bento 37. Região de Senhor do Bonfim
11. Pico do Cabugi 38. Delfino / Minas do Mimoso /
12. Serra de Santana Serra do Curral Feio
13. Rochedo de Serra Caiada 39. Dunas do Rio São Francisco
14. Serra de Portalegre 40. Serra do Açuruá / Santo Inácio
15. Mata de Luis Gomes 41. Carste de Irecê
16. Serra Negra 42. Rebordo da Chapada Diamantina
17. Curimataú 43. Ipirá / Serra do Orobó
18. Vale do Rio do Peixe 44. Milagres
19. Serra de Santa Catarina 45. Maracás
20. Monte Horebe 46. Reserva Biológica de Serra Negra
21. São José da Mata 47. Bom Jesus da Lapa / Santa Maria da Vitória
22. Cariri Paraibano 48. Sudoeste da Bahia
23. Serra do Teixeira 49. Calcário do Norte de Minas Gerais
24. Paus Brancos 50. Pedra Azul
25. Vale do Ipojuca 51. Vale do Piancó
26. Buique 52. Serra da Borborema
27. Serra Talhada 53. Itabaiana / Lagarto

115
DESCRIÇÃO DAS ÁREAS PRIORITÁRIAS INDICADAS
1 - SERRA DAS FLORES do Nordeste, endêmica dos setores elevados
Localização: Granja (CE). e tabulares do Planalto da Ibiapaba e da
Chapada do Araripe. Embora se assemelhe
Importância biológica: Extrema.
à caatinga pela caducifolia, apresenta
Hábitats: Caatinga. grande variação florística entre as áreas e
Ação recomendada: Proteção integral. fitodiversidade maior que a caatinga e
Elementos de diagnóstico: Riqueza de semelhante à floresta. Com base em
espécies: média; número médio de trabalhos realizados, no norte do planalto
endemismos; riqueza de espécies raras/ da Ibiapaba, em 1991, existia apenas 5,5%
ameaçadas: média; ocorrência de da cobertura original dessa vegetação que
fenômeno biológico especial; número ocupa uma área extremamente reduzida,
médio de espécies de interesse econômico. apenas 0,48% da região Nordeste.
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do Apresenta muitos táxons com problemas de
sistema: média; grau de alteração: médio; determinação taxonômica, possivelmente
pressão antrópica: média (agricultura de espécies novas para a ciência.
subsistência e caça).
Justificativa: Campos extensos de 3 - RESERVA DA SERRA DAS ALMAS
Velloziaceae e Eryocaulaceae ocorrem nas Localização: Crateús (CE).
encostas fraturadas das rochas. São Importância biológica: Alta.
plantas raras e sem registros da ocorrência Hábitats: Caatinga, carrasco e floresta
dessa paisagem para o Nordeste decidual.
setentrional do Brasil. O topo plano e Ação recomendada: Uso sustentável.
arenoso abriga vegetação de campo aberto
Elementos de diagnóstico: Riqueza de
com espécies disjuntas do cerrado, e espécies: alta; alto número de endemis-
vegetação de caatinga em seu entorno com mos; riqueza de espécies raras/ameaçadas:
o gênero endêmico Franhofera. alta; ocorrência de fenômeno biológico
especial; número médio de espécies de
interesse econômico.
2 - JABURUNA
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
Localização: Ubajara, Viçosa do Ceará, sistema: alta; grau de alteração: médio;
Tianguá, Ibiapina, São Benedito, Guara- pressão antrópica: baixa (caça).
ciaba do Norte e Carnaubal (CE). Justificativa: Presença de espécies
Importância biológica: Muito alta. endêmicas da caatinga na região: Rollinia
Hábitats: Carrasco. leptophylla, Arrabidaea dispar, Cordia
leucomalloides, Commiphora lepto-
Ação recomendada: Proteção integral. phleos, Cereus jamacaru, Capparis
Elementos de Diagnóstico: Riqueza de cynophallophora, Jatropha mollissima e
espécies: alta; número médio de ende- Manihot glaziovii. Endemismo genérico:
mismos; riqueza de espécies raras/ Auxemma. Área de alta fragilidade em seus
ameaçadas: média; ocorrência de solos distróficos (latossolo) sobre o
fenômeno biológico especial; número planalto, aceleradamente erodidos, o que
médio de espécies de interesse econômico. tem levado ao extermínio de uma
comunidade vegetal – o carrasco – que
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do abriga espécies endêmicas e serve de
sistema: alta; grau de alteração: médio; alimento para a fauna, principalmente aves,
pressão antrópica: alta (agricultura de como a planta de nome popular jacaré
subsistência e caça). (Eugênica desintherica). Área rica em
Justificativa: O carrasco apresenta flora Myrtaceae e Erythoxylaceae cujos frutos
diferente dos demais tipos de vegetação alimentam a fauna.

116
4 - CAMPO DE INSELBERGS/ manter uma área representativa dessas
SERRA DO ESTEVÃO populações que se associam a outras
Localização: Quixeramobim e Quixadá (CE). plantas. Mimosa leptantha é um
endemismo do baixo curso dessa bacia
Importância biológica: Alta.
hidrográfica.
Hábitats: Caatinga.
Ação recomendada: Uso sustentável.
6 - ANGICAL
Elementos de diagnóstico: Ocorrência de
endemismos. Localização: PI: São Miguel do Tapuio,
Pimenteiras e Pio IX; CE: Parambu, Novo
Vulnerabilidade: Grau de alteração: alto.
Oriente e Quiterianópolis.
Justificativa: Vegetação rupestre ainda
Importância biológica: Muito alta.
desconhecida, contendo Bromeliaceae e
Orquidaceae. Apresenta espécies Hábitats: Carrasco e caatinga.
endêmicas como: Ceila glaziovii na Serra Ação recomendada: Proteção integral.
do Estevão – espécie em extinção na Elementos de diagnóstico: Ocorrência de
Caatinga; Auxema onconcalyx – espécie endemismos; presença de espécies raras/
endêmica da Caatinga; Commiphora ameaçadas; ocorrência de fenômeno
leptophleas, Cereus jamacaru, Liconia biológico especial.
rigida, Jotropha mollissima, Ziziphus
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
joazeiro e Sida galhertensis – também
sistema: média; grau de alteração: médio;
endêmicas da Caatinga e presentes nessa
pressão antrópica: alta.
região.
Justificativa: Presença de vegetação de
carrasco sobre o topo plano do planalto.
5 - CARNAUBAIS Este é um tipo de vegetação em extinção.
Localização: Itaiçaba, Limoeiro do Norte, As condições do ambiente físico são
Quixeré, Russas, São João do Jaguaribe, originais e restritas a pequenas manchas,
Tabuleiro do Norte, Jaguaruana e Aracati. que suportam uma vegetação xerófila
(CE). semelhante à caatinga pela caducifolia,
Importância biológica: Extrema. mas totalmente diversa quanto à flora. A
flora abriga espécies da floresta, do cerrado,
Hábitats: Ampla várzea contendo ilhas nos
da caatinga e espécies próprias. A encosta
meandros da drenagem, com carnaubais
abriga uma floresta decidual (mata seca)
e a flora associada a estes ambientes
com espécies em extinção, como a
salinos.
barriguda-da-caatinga (Ceiba glaziovii) e
Ação recomendada: Proteção integral. a tatajuba (Chloroflora tinctoria), espécies
Elementos de diagnóstico: Ocorrência de de látex amarelo usado, no período
endemismos; alta riqueza de espécies raras/ colonial, para tingimento, no Nordeste
ameaçadas. setentrional do Brasil, e hoje quase extintas.
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
sistema: média; grau de alteração: médio;
7 - SERTÃO DOS INHAMUNS
pressão antrópica: alta (agricultura).
Localização: Pedra Branca, Boa Viagem,
Justificativa: As populações de Copernicia
Mombaça, Tauá e Independência (CE).
prunifera ocorrem junto às várzeas ou
terrenos abaciados que possibilitem o Importância biológica: Muito alta.
encharcamento. São endêmicas do Hábitats: Caatingas. Superfície sertaneja
Nordeste do Brasil, especialmente densas contendo inselbergues em estados
no Nordeste setentrional. As áreas por elas avançados de degradação, temperaturas
ocupadas estão paulatinamente sendo elevadas (28ºC média), precipitação média
substituídas por cultivos de alimentos, anual de 550mm, solos em mosaico,
como frutíferas ou cereais. Há variando tanto com relação à profundidade
necessidade de proteger, conservar e quanto à composição química.

117
Ação recomendada: Proteção integral. estado do Ceará e da segunda na Chapada
Elementos de diagnóstico: Riqueza de do Apodi. Espécie endêmica da Chapada
espécies; alto número de endemismos; em Mossoró, Hydrothrix gardneri Hook,
ocorrência de fenômeno biológico especial. planta muito rara. Uma unidade de
conservação na área ordenará o uso e a
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
preservação da flora e fauna. Deve-se
sistema: média; grau de alteração: alto.
incentivar a investigação paleontológica e
Justificativa: A região abriga a vegetação arqueológica e dos recursos naturais nestas
de caatinga arbustiva aberta e arbórea áreas de grande amplitude de espécies
aberta (conforme o substrato), contendo autóctones da região.
população de Cnidosculus phyllacanthus,
espécie endêmica à caatinga, situando-se
em locais especiais em estreita relação com 9 - VITÓRIA DA CONQUISTA
os solos. Essa região abriga, também, Localização: Vitória da Conquista (BA).
árvores da caatinga arbórea, hoje raras Importância biológica: Extrema.
dado o elevado uso e falta de reposição,
Hábitats: Caatinga de altitude, próxima da
além de condições naturais de perda do
cidade.
germoplasma em períodos de seca, como
Myracrodruom urundeuva (aroeira-do- Ação recomendada: Proteção integral.
sertão), Spondias tuberosa (imbu), Elementos de diagnóstico: Riqueza de
Schinopsis blabra (braúna), usadas espécies: média; alto número de endemismos;
economicamente pela população local. Na alta riqueza de espécies raras/ameaçadas.
Serra encontra-se a principal nascente do Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
rio Jaguaribe, maior rio do Ceará. sistema: alta; pressão antrópica: alta
(crescimento desordenado da cidade).
8 - CHAPADA DO APODI Justificativa: Espécie endêmica restrita:
Localização: CE: Alto Santo, Quixeré, Melocactus conoideus (Cactaceae),
Limoeiro do Norte e Tabuleiro do Norte; ameaçada de extinção, exclusiva da Serra
RN: Açu, Mossoró, Baraúna, Governador do Periperi, nos arredores de Vitória da
Dix-Sept Rosado e Apodi. Conquista. Segundo Taylor (1991) era
comercializada na Europa e está muito
Importância biológica: Muito alta.
ameaçada pela retirada de cascalho de
Hábitats: Caatinga arbórea e caatinga quartzo. Em 1989 estava praticamente
hiperxerófila. extinta na localidade tipo e a população era
Ação recomendada: Investigação científica. restrita a poucos indivíduos.
Elementos de diagnóstico: Riqueza de
espécies: alta; número médio de 10 - DUNAS DE SÃO BENTO
endemismos; riqueza de espécies raras/
Localização: São Bento do Norte (RN).
ameaçadas: média; ocorrência de
fenômeno biológico especial; alto número Importância biológica: Muito alta.
de espécies de interesse econômico. Hábitats: Caatinga hiperxerófila.
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do Ação recomendada: Investigação científica.
sistema: alta; grau de alteração: alto; Elementos de diagnóstico: Riqueza de
pressão antrópica: alta (agricultura, espécies: média; número médio de
desmatamento e agrotóxicos). endemismos; riqueza de espécies raras/
Justificativa: Caatinga arbórea com alta ameaçadas: média; ocorrência de
diversidade no estrato arbustivo e herbáceo. fenômeno biológico especial; número
Contém espécies de Auxemma (gênero médio de espécies de interesse econômico.
endêmico), com apenas duas espécies Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
endêmicas para a caatinga (Auxemma sistema: alta; grau de alteração: alto;
oncocalyx e A.glazioviana), com pressão antrópica: alta (desmatamento,
distribuição mais freqüente da primeira no loteamento e pastoreio).

118
Justificativa: Pretende-se com a inclusão endemismos; riqueza de espécies raras/
desta área estabelecer critérios que ameaçadas: média; ocorrência de
conduzirão à proteção desse ecossistema. fenômeno biológico especial; alto número
Recomenda-se a criação de uma unidade de espécies de interesse econômico.
de conservação, objetivando proteger a Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
integridade da diversidade de espécies. A sistema: alta; grau de alteração: médio;
área funciona como um corredor natural pressão antrópica: média (desmatamento,
de espécies nativas. queimada e agricultura, provocando
erosões).
11 - PICO DO CABUGI Justificativa: A inclusão desta área poderá
Localização: Angicos (RN). favorecer um sistema efetivo para conservação
da biodiversidade dessa caatinga, onde a
Importância biológica: Provável; área
altitude é fator preponderante para o
insuficientemente conhecida.
desenvolvimento das espécies.
Hábitats: Caatinga hiperxerófila.
Ação recomendada: Uso sustentável.
13 - ROCHEDO DE SERRA CAIADA
Elementos de diagnóstico: Riqueza de
Localização: Lagoa de Velhos, Sítio Novo,
espécies: média; número médio de
Tangará e Barcelona (RN).
endemismos; riqueza de espécies raras/
ameaçadas: média; ocorrência de Importância biológica: Provável; área
fenômeno biológico especial; número insuficientemente conhecida.
médio de espécies de interesse econômico. Hábitats: Caatinga hiperxerófila.
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do Ação recomendada: Investigação científica.
sistema: alta; grau de alteração: alto; pressão Elementos de diagnóstico: Riqueza de
antrópica: alta (desmatamento, agricultura). espécies: média; número médio de
Justificativa: Preservar a flora e fauna e endemismos; riqueza de espécies raras/
conservar a formação geomorfológica do ameaçadas: média; ocorrência de
Pico do Cabugi e, conseqüentemente, o fenômeno biológico especial; número
ecossistema de Caatinga, que apresenta médio de espécies de interesse econômico.
grande diversidade de espécies. A área está Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
sendo impactada pela ação antrópica, sistema: média; grau de alteração: médio;
fragmentando o hábitat de espécies pressão antrópica: alta (desmatamento
endêmicas. A conservação desta área e a para queima de lenha nas cerâmicas).
criação de uma unidade de conservação
Justificativa: Uma unidade de conservação
são recomendáveis. É uma das mais
nesta área disciplinará as intervenções
importantes formações vulcânicas do país.
antrópicas, face ao caráter excepcional
Esta composição geológica é um
dessa formação geológica, podendo ter
patrimônio natural inserido na paisagem da
sido local adequado para hospedar
Caatinga, formando ecossistemas ímpares,
comunidades antigas da região. Esta área
que devem ter sua biodiversidade genética
apresenta uma das mais antigas formações
protegida.
geológicas do mundo, cujas características
ambientais favorecem o endemismo de
12 - SERRA DE SANTANA alguns grupos.
Localização: Santana do Matos (RN).
Importância biológica: Provável; área 14 - SERRA DE PORTALEGRE
insuficientemente conhecida. Localização: Francisco Dantas e Portalegre
Hábitats: Caatinga arbórea. (RN).
Ação recomendada: Uso sustentável. Importância biológica: Provável; área
Elementos de diagnóstico: Riqueza de insuficientemente conhecida..
espécies: média; número médio de Hábitats: Caatinga arbórea.

119
Ação recomendada: Investigação científica. Ação recomendada: Investigação científica.
Elementos de diagnóstico: Riqueza de Elementos de diagnóstico: Riqueza de
espécies: média; número médio de espécies: baixa; baixa riqueza de espécies
endemismos; riqueza de espécies raras/ raras/ameaçadas.
ameaçadas: média; ocorrência de Vulnerabilidade: Grau de alteração: alto.
fenômeno biológico especial; número
Justificativa: A vegetação do Seridó é um
médio de espécies de interesse econômico.
tipo especial de caatinga, mais pobre em
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do espécies. Na região de Serra Negra existe
sistema: média; grau de alteração: médio; uma única unidade de conservação para
pressão antrópica: média (desmatamento este tipo de caatinga. É uma vegetação
e erosão). arbustiva, com associação de Mimosa,
Justificativa: Proteger bancos genéticos da Caesalpinia e Aristida, única no domínio
flora e fauna da Caatinga. A flora apresenta da Caatinga.
endemismos e a biomassa é considerável
para o ecossistema.
17 – CURIMATAÚ
Localização: PB: Araruna, Cacimba de
15 - MATA DE LUIS GOMES Dentro, Dona Inês e Solânea.
Localização: Luís Gomes (RN). Importância biológica: Provável; área
insuficientemente conhecida.
Importância biológica: Provável; área
insuficientemente conhecida. Hábitats: Caatinga arbustivo-arbórea.
Hábitats: Caatinga arbustiva arbórea. Ação recomendada: Investigação científica.
Ação recomendada: Investigação científica. Elementos de diagnóstico: Riqueza de
espécies: alta; baixo número de
Elementos de diagnóstico: Riqueza de
endemismos; ocorrência de fenômeno
espécies: alta; número médio de
biológico especial.
endemismos; riqueza de espécies raras/
ameaçadas: alta; ocorrência de fenômeno Vulnerabilidade: Grau de alteração: médio;
biológico especial; número médio de pressão antrópica: média (extração de
espécies de interesse econômico. lenha).
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do Justificativa: É um tipo de caatinga
sistema: média; grau de alteração: médio; diferente das demais existentes na Paraíba,
pressão antrópica: alta (destruição do sendo que em algumas regiões há uma
ecossistema). formação florestal de transição para as
matas do agreste e as matas do Brejo
Justificativa: Área apropriada para unidade
Paraibano. Presença da espécie endêmica
de conservação e pesquisa científica.
Mimosa borboremae.
Região biologicamente rica, mas
ameaçada, com muitos indicadores de
biodiversidade da flora. Nos limites deste 18 - VALE DO RIO DO PEIXE
município com o estado do Ceará ocorre Localização: Sousa (PB).
uma flora endêmica.
Importância biológica: Muito alta.
Hábitats: Várzeas do rio do Peixe.
16 - SERRA NEGRA Ação recomendada: Proteção integral.
Localização: PB: Riacho dos Cavalos, Elementos de diagnóstico: Riqueza de
Paulista, São Bento e Brejo do Cruz; RN: espécies: alta; ocorrência de fenômeno
Timbaúba dos Batistas, Jardim de Piranhas biológico especial; baixo número de
e Serra Negra do Norte. espécies de interesse econômico.
Importância biológica: Provável; área Vulnerabilidade: Grau de alteração: médio;
insuficientemente conhecida. pressão antrópica: alta (expansão urbana,
Hábitats: Caatinga arbustiva. agricultura, pecuária).

120
Justificativa: O vale do rio do Peixe engloba 21- SÃO JOSÉ DA MATA
o Vale dos Dinossauros (ARIE) e ainda Localização: PB: Pocinhos e Campina
apresenta uma vegetação ciliar com Grande.
formações florestais raras na Depressão
Importância biológica: Alta.
Sertaneja. Espécies endêmicas: Guettarda
sericea, Machaonia spinosa e Combretum Hábitats: Planalto da Borborema.
lanceolatum. Ação recomendada: Investigação científica.
Elementos de diagnóstico: Riqueza de
espécies: média; ocorrência de fenômeno
19 - SERRA DE SANTA CATARINA
biológico especial.
Localização: PB: Nazarezinho e São José
da Lagoa Tapada. Vulnerabilidade: Grau de alteração: baixo;
pressão antrópica: alta (proximidade de
Importância biológica: Muito alta.
centro urbano).
Hábitats: Serras baixas na Depressão
Justificativa: Este é provavelmente o
Sertaneja da Paraíba.
último remanescente de vegetação
Ação recomendada: Proteção integral. arbórea de transição entre o Agreste da
Elementos de diagnóstico: Riqueza de Borborema e o Cariri Paraibano. É uma
espécies: alta; média riqueza de espécies área municipal preservada, na qual já
raras/ameaçadas. foram encontradas espécies novas.
Vulnerabilidade: Grau de alteração: baixo; Espécie endêmica: Caesalpinia
pressão antrópica: baixa (pastoreio). gardneriana.
Justificativa: Área única, pelo grau de
preservação e extensão, em meio à
Depressão Sertaneja da Paraíba, com 22 - CARIRI PARAIBANO
vegetação arbórea condicionada pela
Localização: PB: Campina Grande,
posição e altitude. Presença de macaco-
Boqueirão, Cabaceiras, São João do
prego. Espécies endêmicas: Guettarda
Cariri, São José dos Cordeiros e Serra
angelica, Jacaranda sp., Randia nitida e
Branca.
Aspidosperma cuspa.
Importância biológica: Extrema.
Hábitats: Caatinga aberta.
20 - MONTE HOREBE
Ação recomendada: Proteção integral.
Localização: Mauriti (CE) e Monte Horebe
Elementos de diagnóstico: Riqueza de
(PB).
espécies: alta; número médio de
Importância biológica: Provável; área endemismos; ocorrência de fenômeno
insuficientemente conhecida. biológico especial.
Hábitats: Serras baixas.
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
Ação recomendada: Investigação científica. sistema: alta; grau de alteração: médio;
Elementos de diagnóstico: Riqueza de pressão antrópica: alta (extração de lenha,
espécies: alta; ocorrência de fenômeno pastoreio).
biológico especial. Justificativa: Ambiente especial, em
Vulnerabilidade: Grau de alteração: baixo; processo de desertificação, rico em
pressão antrópica: baixa (pastoreio). espécies endêmicas. Apresenta uma
Justificativa: Vegetação arbórea densa e vegetação arbustiva aberta, chegando
arbustiva-arbórea em solo arenoso, com em alguns casos a constituir-se em
um conjunto florístico característico, no caatinga nanificada. Espécies en-
limite da Paraíba com o Ceará. Espécies dêmicas: Rollinia leptopetala, Matelea
endêmicas: Guettarda angelica, Rollinia ro u l i n i o i d e s (endêmica restrita) e
leptopetala e Aspidosperma cuspa. Jatropha ribifolia.

121
23 - SERRA DO TEIXEIRA Importância biológica: Muito alta.
Localização: PB: Água Branca, Imaculada, Justificativa: A estreita relação entre a
Juru, Princesa Isabel e Tavares. vegetação de caatinga e as superfícies
Importância biológica: Extrema. interplanálticas da região semi-árida, a
Hábitats: Serras limítrofes entre Paraíba e chamada Depressão Sertaneja, é apontada
Pernambuco. por diferentes autores (Rizzini 1979,
Fernandes 1996), embora haja registro
Ação recomendada: Proteção integral.
daquela vegetação na chapada do Apodi e
Elementos de diagnóstico: Riqueza de no planalto da Borborema (Andrade-Lima
espécies: alta; alto número de 1964, 1981). Nesse planalto é possível
endemismos; baixo número de espécies de encontrar desde áreas com vegetação
interesse econômico. arbustiva caducifólia espinhosa de baixo
Vulnerabilidade: Grau de alteração: média; porte até florestas ombrófilas densas, a
pressão antrópica: médio; (extração de depender das condições abióticas,
lenha e agricultura). especialmente do relevo, embora, de modo
Justificativa: Serras limítrofes entre Paraíba geral, predomine uma vegetação florestal
e Pernambuco, com uma vegetação de caducifólia espinhosa com porte florestal
caatinga arbórea de serras, com um (caatinga arbórea). Nessas áreas, além da
conjunto florístico distinto da caatinga de presença de táxons comuns em áreas de
áreas planas. Espécies endêmicas: caatinga como Schinopsis brasiliensis
Guettarda sericea, Solanum jabrense Engler (Anacardiaceae), Caesalpinia
(restrita), diversas Bignoniaceae e pyramidalis Tul. e Bahinia cheilanta
Melastomataceae. Stand. (Caesalpiniaceae), todas com porte
mais elevado que nas áreas da Depressão
Sertaneja, podemos encontrar plantas mais
24 - PAUS BRANCOS
comuns em florestas estacionais como
Localização: PB: Manaíra e Santana de Randia nitida (SW.) DC. e Alseis floribunda
Mangueira. Schott (Rubiaceae), Cedrela odorata L.
Importância biológica: Provável; área (Meliaceae), Opuntia brasiliensis (Willd.)
insuficientemente conhecida. Haw (Cactaceae), entre outras. Como
Hábitats: Serras. espécies endêmicas à Caatinga podemos
Ação recomendada: Investigação científica. citar Ceiba glaziovii (Kuntze) K. Schum.
(Bombacaceae) e Cnidoscolus quercifolius
Elementos de diagnóstico: Alta riqueza de
(Euphorbiaceae).
espécies.
Vulnerabilidade: Grau de alteração: alto;
pressão antrópica: média (extração de 26 - BUÍQUE
lenhas para olarias e uso doméstico). Localização: Buíque (PE).
Justificativa: Área ampla com vegetação de Importância biológica: Extrema.
caatinga arbórea densa, floristicamente Ação recomendada: Proteção integral.
pouco conhecida, ocupando uma região Elementos de diagnóstico: Riqueza de
montana no oeste da Paraíba. espécies: alta; alto número de endemis-
mos; riqueza de espécies raras/ameaçadas:
25 - VALE DO IPOJUCA alta; alto número de espécies de interesse
econômico.
Localização: PE: Arcoverde, Pedra,
Venturosa, Alagoinha, Belo Jardim, Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
Bezerros, Brejo da Madre de Deus, sistema: alta; grau de alteração: médio;
Cachoeirinha, Capoeiras, Caruaru, pressão antrópica: média (turismo
Jataúba, Pesqueira, Poção, Riacho das ecológico, extrativismo).
Almas, Sanharó, São Bento do Una, São Justificativa: A Chapada de São José,
Caitano e Tacaimbó. situada no município de Buíque, representa

122
um complexo vegetacional com 28 - MIRANDIBA
vegetação caducifólia espinhosa – Localização: Mirandiba (PE).
caatinga – na vertente a sotavento, Importância biológica: Provável; área
vegetação perenifólia – chapada – na insuficientemente conhecida.
encosta a barlavento e vegetação semi-
Ação recomendada: Uso sustentável.
caducifólia espinhosa nas áreas mais
altas e planas da chapada. De um modo Elementos de diagnóstico: Ocorrência de
geral, esses três ambientes têm conjuntos fenômeno biológico especial.
florísticos distintos, porém com algumas Vulnerabilidade: Grau de alteração: médio;
espécies comuns. Além disso, é pressão antrópica: média.
importante salientar que muitas das Justificativa: A região de Mirandiba
espécies desses ambientes eram representa uma chapada sedimentar de
conhecidas apenas nos campos origem cretácea. Segundo Andrade-Lima
rupestres das chapadas e serras da Bahia (1957) essa região, juntamente com os
e Minas Gerais. Táxons representativos: Chapadões do Moxotó e Chapada do
Dasyplyllum sprengelianum (Gardner) Araripe, representa uma unidade ambiental
Cabrera e Paralychnophora reflexo- denominada Chapadões Cretáceos. Na
auriculata (G.M.Barroso) Macleish região, predomina vegetação caducifólia
(Asteraceae); Chamaecrista cytisoides espinhosa com famílias e espécies típicas
(Callad.) Irwin & Barneby (Caesal- de caatinga como Mimosaceae,
piniaceae); Angelonia cornigera Hook F. Euphorbiaceae e Cactaceae, associadas a
(Scrophulariaceae); Ipomea pintoi outras menos comuns como Bignoniaceae
O’Donell e I.marcelia Meissn. (Con- e Myrtaceae. Infelizmente, até o momento,
volvulaceae); Oxandra reticulata Mass não existe um levantamento florístico nessa
(Amonaceae). Outras espécies têm região, mas pelas condições ambientais e
distribuição muito restrita, como Dyckia poucas coletas ali realizadas, pode-se
limae L.B. Sm. (Bromeliaceae), indicar a área como de preservação, dada
Bunchosia pernambucana W.R. An- a particularidade do conjunto florístico
derson (Malpighiaceae) e Euphorbia sp. vegetacional. Espécies: Poeppigia procera
nov. (Euphorbiaceae). (Fabaceae), Piptadenia obliqua (Mi-
mosaceae), Caesalpinia microphylla
(Caesalpiniaceae) e Jatropha mutabilis
27 - SERRA TALHADA (Euphorbiaceae).
Localização: Serra Talhada; (PE).
Importância biológica: Muito alta. 29 - CHAPADA DO ARARIPE
Ação recomendada: Uso sustentável. Localização: PE: Dormentes, Parnamirim,
Elementos de diagnóstico: Ocorrência de Santa Cruz, Ouricuri, Trindade, Araripina,
endemismos; presença de espécies raras/ Ipubi, Bodocó e Exu; CE: Crato, Nova
ameaçadas. Olinda, Potengi, Santana do Cariri, Araripe,
Vulnerabilidade: Grau de alteração: médio; Salitre; PI: Caldeirão Grande do Piauí.
pressão antrópica: média. Importância biológica: Extrema.
Justificativa: Trata-se de uma área com Ação recomendada: Proteção integral.
vegetação arbustivo-arbórea com presença Elementos de diagnóstico: Ocorrência de
de inúmeras espécies como: Rollinia fenômeno biológico especial.
leptopetala (Annonaceae), Pseudobombax Justificativa: Trata-se de um mosaico
marginatum (A.St.Hil.) A. Robyns, vegetacional onde ocorrem manchas de
Helicteres mollis (Sterculiaceae), Harrisia florestas ombrófila e estacional, cerrado,
adscendens Britton & Rose (Cactaceae) e caatinga e carrasco, resultantes da
Encholirium spectabile Mart. Ex Schultes heterogeneidade ambiental, modelada no
& Schultes f. (Bromeliaceae). decorrer de diversos períodos geológicos.

123
Espécies: Anemopaegma athayde Gentry, puberula A. DC., e Dizygostemon
Anemopaegma loreve DC., Jacaranda angustifolium Giulietti.
jasminioides (Thumb.) Sandew, além das
bignoniáceas de importância ornamental.
32 - XINGÓ
Localização: AL: Água Branca, Pariconha,
30 - SERTÃO DO SUBMÉDIO Delmiro Gouveia, Piranhas, Olho d’Água do
SÃO FRANCISCO Casado; BA: Santa Brígida, Glória e Paulo
Afonso; PE: Tacaratu e Petrolândia; SE:
Localização: PE: Cabrobó, Floresta,
Canindé de São Francisco.
Itacuruba, Santa Maria da Boa Vista, Orocó,
Belém de São Francisco; BA: Chorrochó, Importância biológica: Muito alta.
Abaré, Rodelas, Macururé, Curaçá e Ação recomendada: Proteção integral.
Juazeiro. Elementos de diagnóstico: Riqueza de
Importância biológica: Provável; área espécies: alta; número médio de
insuficientemente conhecida. endemismos; ocorrência de fenômeno
Ação recomendada: Uso sustentável. biológico especial; alto número de espécies
de interesse econômico.
Elementos de diagnóstico: Riqueza de
espécies: baixa; ocorrência de fenômeno Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
biológico especial e de espécies de sistema: alta; grau de alteração: médio;
interesse econômico. pressão antrópica: média.
Vulnerabilidade: Grau de alteração: alto; Justificativa: Existe uma reserva de 9.000ha
pressão antrópica: alta (agricultura.). conservada pela CHESF, criada antes da
construção da hidrelétrica Xingó,
Justificativa: Área coberta por vegetação
abrangendo parte dos estados de PE, BA,
caducifólia espinhosa de porte baixo e
AL e SE, com remanescentes de caatinga
pouco densa. A flora é ainda pouco
arbórea (12 a 15 metros de altura) nos
conhecida. Com extensas áreas do
platôs e caatingas arbustivas nos cânions.
município de Belém de São Francisco em
Compreende muitas espécies endêmicas
adiantado processo de desertificação.
da Caatinga: Capparis cynophallophora L.;
Capparis jacobinae Moric.; Cobretum
leprosum. Ocorrem extensas áreas
31 - SUDOESTE DE PERNAMBUCO areníticas com flora própria, bem diferente
Localização: Petrolina (PE). das demais áreas cobertas pelo cristalino,
Importância biológica: Extrema. principalmente com populações de
Ação recomendada: Uso sustentável. Asteraceae e Bignoniaceae, nunca
coletadas em outras áreas. Espécies raras
Elementos de diagnóstico: Riqueza de de fungos.
espécies: média; número médio de
endemismos; riqueza de espécies raras/
ameaçadas: média; ocorrência de 33 - PICOS
fenômeno biológico especial; baixo número
Localização: Picos (PI).
de espécies de interesse econômico.
Importância biológica: Provável; área
Vulnerabilidade: Grau de alteração: médio;
insuficientemente conhecida.
pressão antrópica: alta (áreas de irrigação
e agricultura de sequeiro). Ação recomendada: Proteção integral.
Justificativa: Espécies: Calliandra Elementos de diagnóstico: Alto número de
macrocalyx, Calliandra leptopoda, endemismos.
Bombacopsis retusa (Mart. & Zucc.) Justificativa: Próxima à área de limite entre
Robyns, Anamaria heterophylla (Giulietti três biomas, priorizada no Workshop do
& F.C. Souza) F. C. Souza, Pseudobombax Cerrado. Área de ocorrência de algumas
simplicifolium A. Robyns, Allamanda espécies endêmicas.

124
34 - CORREDOR ECOLÓGICO SERRA continuidade física de uma área importante
DA CAPIVARA-CONFUSÕES para a manutenção de um corredor já
Localização: PI: Anísio de Abreu, São existente na Serra da Capivara. Espécies:
Raimundo Nonato, Coronel José Dias, Pavonia piauhiensis, Mimosa caesalpini-
Canto do Buriti, São João do Piauí, São folia e Acacia piauhiensis.
Braz do Piauí e Caracol.
Importância biológica: Extrema. 35 - SERRAS DO SENTO SÉ/
Hábitats: Caatinga e cerrado. SOBRADINHO/REMANSO
Ação recomendada: Proteção integral. Localização: BA: Casa Nova, Pilão Arcado,
Elementos de diagnóstico: Riqueza de Xique-Xique, Sobradinho e Campo Alegre
espécies: alta; alto número de de Lourdes.
endemismos; riqueza de espécies raras/ Importância biológica: Provável; área
ameaçadas: alta; ocorrência de fenômeno insuficientemente conhecida.
biológico especial; número médio de Hábitats: Caatinga sobre rocha e dunas.
espécies de interesse econômico. Ação recomendada: Proteção integral.
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do Elementos de diagnóstico: Riqueza de
sistema: baixa; grau de alteração: médio; espécies: alta; alto número de
pressão antrópica: alta (a região da Serra endemismos; alta riqueza de espécies raras/
das Confusões está sem nenhuma ameaçadas.
proteção e fiscalização da caça e retirada
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
de madeira).
sistema: alta; grau de alteração: médio;
Justificativa: 1 - Área de cerrado do PARNA pressão antrópica: média.
Serra das Confusões que não foi
Justificativa: Incidência de táxons endêmicos
contemplada durante o Workshop do
da área: Tabebuia selachidentata
Cerrado. É uma área de transição entre
(Bignoniaceae); Piriqueta scabrida Urb.
Caatinga e Cerrado. Como área ecótone
Espécies endêmicas: Calliandra squarrosa
deve apresentar uma alta riqueza de
Benth. (em apenas duas áreas), Calliandra
espécies, porém não há ainda levantamento
leptopoda, Calliandra macrocalyx var.
florístico nem faunístico. Sabe-se da
macrocalyx, Mimosa setuligera (Legu-
presença do tamanduá-bandeira, e das
minosae); Pavonia glazioviana (Malvaceae);
onças parda e pintada. 2 - Área de Caatinga
Syagrus microphylla (Palmae); Hete-
que comporá parte do Corredor ecológico.
ranthera seubertiana Solms (Ponte-
3 - É importante a criação de um corredor
deriaceae); Apterokarpos gardneri
ecológico interligando os 130.000ha do
(Anacardiaceae); Evolvulus speciosus
PARNA Serra da Capivara e os 500.000ha
Moric., Ipomaea longistaminea (Con-
do PARNA Serra das Confusões. A presença
volvulaceae); Melocactus zehntneri,
do corredor irá possibilitar o aumento do
Melocactus pachyacanthus ssp.
tamanho das populações, e também
pachyacanthus (Cactaceae).
permitirá a passagem de agentes
dispersores de sementes. Espécies: Mimosa
caesalpinifolia, Pilocereus piauhiensis, 36 - RASO DA CATARINA
Pavonia varians. 4 - Todas as 14 espécies
Localização: BA: Santa Brígida, Rodelas,
de plantas citadas pelo CENARGEN (1990)
Paulo Afonso, Jeremoabo, Canudos e Uauá.
que apresentam risco de erosão genética
se encontram no PARNA Serra da Capivara. Importância biológica: Muito alta.
Em uma comparação preliminar entre a lista Hábitats: Caatinga sobre areia e relevo
de espécies endêmicas da Caatinga e a lista plano (tabuleiro) e com afloramentos
de espécies do PARNA Serra da Capivara, rochosos na parte oriental. Vegetação
foi observado que a Serra da Capivara predominantemente arbustiva densa e
apresenta 23 espécies de plantas endêmicas entrelaçada com áreas de caatinga
da Caatinga. 5 - Esta área apresenta a arbórea.

125
Ação recomendada: Proteção integral. ssp bahiensis facispinosus, Espostoopsis
Elementos de diagnóstico: Riqueza de dybowskii (Cactaceae); Neesiochloa
espécies: média; alto número de barbata (Gramineae); Pseudobombax
endemismos; alta riqueza de espécies raras/ simplicifolia (Bombacaceae), Rhamni-
ameaçadas. dium molle (Rhamnaceae).
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
sistema: alta; grau de alteração: médio; 38 - DELFINO/MINAS DO MIMOSO/
pressão antrópica: média. SERRA DO CURRAL FEIO
Justificativa: Incidência de táxons Localização: BA: Campo Formoso (Delfino),
endêmicos da área: Dalbergia caatingicola Sento Sé (Minas do Mimoso) e Umburanas.
(Leguminosae) Espécies endêmicas: Importância biológica: Extrema.
Harpochilus neesianus (Acanthaceae); Hábitats: Caatinga de areia com afloramento
Annona spinescens (Annonaceae); de arenito, e ecótono com transição para
Barnebya harley (Malpighiaceae); Callian- campo rupestre.
dra aeschynomenoides – só conhecida em
Ação recomendada: Proteção integral.
duas localidades, Cratylia mollis,
Pithecolobium diversifolium (Legumino- Elementos de diagnóstico: Riqueza de
sae); Skytanthus hancorniifolius, Allaman- espécies: alta; alto número de endemismos;
da blanchetii (Apocynaceae); Pilosocereus riqueza de espécies raras/ameaçadas: alta;
catingicola (Cactaceae); Crataeva tapia ocorrência de fenômeno biológico especial.
(Capparaceae); Balfourodendron mollis Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
(Rutaceae); Cordia sp. (sect. Varronia) sistema: alta; grau de alteração: baixo;
(Boraginaceae). pressão antrópica: baixa.
Justificativa: Incidência de táxons endêmicos
37 - REGIÃO DE SENHOR DO BONFIM da área: Eriope sp. nov., Hyptis pinheiroi,
Hyptis brightonii (Labiatae); Syngonanthus
Localização: BA: Senhor do Bonfim,
harleyi, S. curralensis var. curralensis
Filadélfia, Itiúba, Cansanção e Monte Santo.
(Eriocaulaceae); Chamaecrista brevicalyx
Importância biológica: Extrema. var. elliptica (Leguminosae); Lippia harleyi
Hábitats: Caatingas com solo arenoso a (Verbenaceae). Espécies endêmicas:
pedregoso com cascalho e afloramentos Barnebya harley (Malpighiaceae); Alvimian-
de granito e arenito, e áreas alagadas. tha tricamerata – só conhecida de duas áreas
Algumas áreas de Caatinga árborea bem (Rhamnaceae); Eriope tumidicaulis,
desenvolvidas. Hypenia longicaulis ined. (Labiatae);
Ação recomendada: Proteção integral. Bauhinia harleyi ined. (Leguminosae);
Elementos de diagnóstico: Riqueza de Tamonea juncea (Verbenaceae); Syagrus
espécies: alta; alto número de ende- microphylla (Palmae); Apterokarpos gardneri
mismos; alta riqueza de espécies raras/ (Anarcadiaceae); Pilosocereus gounellei var.
ameaçadas. zehntneri, Pilosocereus tuberculatus (Cacta-
ceae); Piriqueta dentata, Piriqueta
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
asperifolia, Piriqueta carnea (Turneraceae).
sistema: alta; grau de alteração: médio;
pressão antrópica: alta (agricultura,
mineração). 39 - DUNAS DO RIO SÃO FRANCISCO
Justificativa: Incidência de táxons Localização: BA: Barra e Pilão Arcado.
endêmicos da área: Gênero: McVaughia. Importância biológica: Extrema.
Espécie: M. bahiana (Malpighiaceae).
Hábitats: Dunas arenosas com vegetação
Fungo: Glomaceae sp. nov. Espécies
xerófila aberta e moitas.
endêmicas: Senna martiana, Chloro-
leucon extortum (Leguminosae); Penta- Ação recomendada: Proteção integral.
panax warmingiana (Araliaceae); Syagrus Elementos de diagnóstico: Riqueza de
vagans (Palmae); Melocactus bahiensis espécies: alta; alto número de endemismos;

126
riqueza de espécies raras/ameaçadas: alta; 41 - CARSTE DE IRECÊ
ocorrência de fenômeno biológico especial. Localização: BA: Irecê, Jussara, Presidente
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do Dutra, São Gabriel, João Dourado, Lapão,
sistema: alta; grau de alteração: baixo; Ibititá, Uibaí, Central e América Dourada.
pressão antrópica: baixa. Importância biológica: Muito alta.
Justificativa: Incidência de táxons endêmicos Hábitats: Caatingas sobre solos calcários,
da área: Pterocarpus simplicifolius argiláceos.
(Leguminosae) – espécie ameaçada; Eugenia
Ação recomendada: Proteção integral.
sp. nov. (Eugeniaceae). Há outras espécies
endêmicas, incluindo várias que ainda são Elementos de diagnóstico: Riqueza de
inéditas para a ciência. Espécies endêmicas: espécies: média; número médio de
Glischrothamnus ulei (Molluginaceae); endemismos; média riqueza de espécies
Pilosocereus tuberculatus (Cactaceae); raras/ameaçadas.
Mimosa xiquexiquensis (Leguminosae). Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
sistema: média; grau de alteração: alto;
pressão antrópica: alta (agricultura: cultivo
40 - SERRA DO AÇURUÁ/
intenso).
SANTO INÁCIO
Justificativa: Incidência de táxons
Localização: BA: Gentio de Ouro e Xique-
endêmicos: Melocactus azureus ssp.
Xique.
azureus, Melocactus pachyacanthus ssp.
Importância biológica: Extrema. viridis. Espécies endêmicas à caatinga:
Hábitats: Caatinga arenosa, incluindo Mimosa ophthalmocentra, Cratylia mollis,
serras com afloramento de arenito e zona Mimosa campicola var. planipes
de contato com cerrado; áreas úmidas e (Leguminosae).
lagoas com carnaúba.
Ação recomendada: Proteção integral.
Elementos de diagnóstico: Riqueza de 42 - REBORDO DA CHAPADA
espécies: alta; alto número de DIAMANTINA
endemismos; alta riqueza de espécies raras/ Localização: BA: Itaeté, Mucugê, Lençóis,
ameaçadas. Andaraí, Bonito, Morro do Chapéu, Piatã,
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do Abaíra, Rio do Pires, Jussiape, Rio de
sistema: alta; grau de alteração: médio; Contas, Livramento do Brumado e
pressão antrópica: média (gado na área da Paramirim.
lagoa, mineração). Importância biológica: Extrema.
Justificativa: Alta incidência de táxons Hábitats: Caatinga arenosa com transição
endêmicos: Mimosa glaucula (Legumi- para mata seca e mata serrana. Zona de
nosae); Apodanthera succulenta (Cucur- contato com cerrado de altitude e com
bitaceae); Argyrovernonia harleyi áreas úmidas temporárias. Pequenas áreas
(Compositae); Piriqueta assuruensis, de calcário.
Piriqueta densiflora var. densiflora
Ação recomendada: Proteção integral.
(Turneraceae). Espécies endêmicas da
caatinga: Glischrothamnus ulei (Mollugi- Elementos de diagnóstico: Riqueza de
naceae); Chloroleucon extortum, espécies: alta; alto número de
Blanchetiodendron blanchetii, Mimosa endemismos; riqueza de espécies raras/
ulbrichiana (Leguminosae); Hyptis ameaçadas: alta; ocorrência de fenômeno
stachydifolia (Labiatae); Piriqueta carnea biológico especial; número médio de
(Turneraceae); Orbignea brejinhoensis espécies de interesse econômico.
(Palmae) – espécie com pouca coleta; uma Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
grande população de Copernicia prunifera sistema: alta; grau de alteração: médio;
(Palmae) na lagoa Itapirica que merece pressão antrópica: média (agricultura,
proteção. mineração, pecuária).

127
Justificativa: Alta incidência de táxons 43 - IPIRÁ/SERRA DO OROBÓ
endêmicos/restritos: Gênero Rayleya Localização: BA: Ipirá, Baixa Grande,
(Sterculiaceae); Euphorbia appariciana Macajuba, Ruy Barbosa e Itaberaba.
Rizz. (Euphorbiaceae); Apodanthera Importância biológica: Extrema.
villosa C. Jeffrey (Cucurbitaceae);
Hábitats: Caatinga arbustiva sobre solos
Prepusa montana (Gentianaceae);
arenosos e pedregosos e afloramentos de
Mimosa mensicola Barneby; Mimosa
rochas sedimentares, associado com áreas
morroensis Barneby; Mimosa subenervis
de transição para mata semidecídua nas
Benth (Leguminosae); Hyptis
altitudes maiores.
leptostachys Epl. subsp. caatingae
Harley (Labiatae); Dichorisandra Ação recomendada: Proteção integral.
gardneri (Commelinaceae); Hyptis Elementos de diagnóstico: Riqueza de
tenuithyrsa Harley ined. (Labiatae); espécies: alta; alto número de endemismos;
Anchietia sp. (Violaceae); Hohenbergia riqueza de espécies raras/ameaçadas:
caatingae Ule var. eximbricata L.B. Sm. média; ocorrência de fenômeno biológico
& Reas (Bromeliaceae); Melocactus especial; número médio de espécies de
bahiensis (Britton & Rose) Lutzelburg interesse econômico.
subsp. bahiensis forma inconcinnus Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
Buining & (Brederoo) N.P. Taylor; sistema: alta; grau de alteração: médio;
Harpalyce lanata L.P. Queiroz; Mimosa pressão antrópica: alta (mineração).
crumenarioides L.P.Queiroz (Legumi- Justificativa: Região com importância
nosae); Pilosocereus pentadrophorus hidrológica relacionada com o vale do rio
(Cels) Byles & Rowley ssp. robustus Zappi Paraguaçu, onde as serras fornecem as
(Cactaceae). Espécies endêmicas da fontes de água para as matas de encosta,
caatinga: Apodanthera hatschbachii C. sendo, portanto, imprescindível a
Jeffrey (Cucurbitaceae); Blanchetioden- conservação da vegetação. Alta incidência
dron blanchetti (Benth.) Barneby & de táxons endêmicos/restritos: Gênero
Grimes (Leguminosae); Anamaria novo inédito (V iolaceae); Acacia
heterophylla (Giulietti & Souza) Souza kallunkiae (Leguminosae); Salvia sp. nov.
(Scrophulariaceae); Neesiochloa barbata (Labiatae). Espécies endêmicas da
(Nees) Pilger (Gramineae); Piriqueta caatinga: Blanchetiodendron blanchetti
dentata Arbo (Turneraceae); Piriqueta (Leguminosae); Craniolaria sp.
asperifolia Arbo (Turneraceae); (Pedaliaceae), Ipomaea pintoi O’Donnel
Melocactus oreas Miquel ssp. (Convovulaceae); Melocactus bahiensis
cremnophila (Cactaceae); Melocactus ssp. bahiensis, Melocactus salvadorensis,
glaucescens (Cactaceae); Pilosocereus Melocactus oreas Miq.; Melocacatus
catingicola (Guerke) Byles (Cactaceae); ernestii Vaupel; Piloscereus cantigola
Pilosocereus glaucochrous (Werderm.) (Cactaceae).
Byles & Rowley (Cactaceae) Auxemma
glaziovii (Boraginaceae); Symplocos
hamnifolia (Symplocaceae); Zantho- 44 - MILAGRES
xylum hamadryadicum Pirani (Ruta- Localização: BA: Milagres, Itatim e Iaçu.
ceae); Pilocarpus trachylophus Holmes Importância biológica: Extrema.
(Rutaceae); Apodanthera glaziovii Cogn.
Hábitats: Paisagem formada por grandes
(Cucurbitaceae); Gomphrena desertorum
blocos de rochas gnaissicas isoladas
Mart. var. rhodantha (Moq.) Stuchlik
(inselbergues) rodeados por áreas de
(Amaranthaceae); Diatenopterix gra-
caatinga.
zielae (Sapindaceae), Calliandra
leptopoda Benth., Calliandra spinosa Ação recomendada: Proteção integral.
Ducke (Leguminosae); Orbignya Elementos de diagnóstico: Riqueza de
brejinhoensis (Arecaceae); Syagrus espécies: alta; alto número de endemis-
vagans (Arecaceae). mos; riqueza de espécies raras/ameaçadas:

128
alta; ocorrência de fenômeno biológico 46 - RESERVA BIOLÓGICA
especial. DE SERRA NEGRA
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do Localização: PE: Tacaratu, Petrolândia,
sistema: alta; grau de alteração: baixo; Floresta e Inajá.
pressão antrópica: média (retirada de Importância biológica: Extrema.
plantas para venda e agricultura).
Ação recomendada: Proteção integral.
Justificativa: Alta incidência de táxons
Elementos de diagnóstico: Riqueza de
endêmicos/restritos: Euphorbia sp. nov.
espécies: média; número médio de
affin. E. gymnoclada (Euphorbiaceae);
endemismos; riqueza de espécies raras/
Luetzelburgia sp. nov. affin. L. andrade-
ameaçadas: média; ocorrência de
limae (Leguminosae); Maranta zingiberina
fenômeno biológico especial.
L. Anderson (Zingiberaceae); Chamae-
crista belenii. Espécies endêmicas da Vulnerabilidade: Grau de alteração: médio;
Caatinga: Marsdenia caatingae pressão antrópica: média (extração de
(Asclepiadaceae); Melocactus salva- lenha).
dorensis Weberling (Cactaceae); Justificativa: Atualmente a Reserva
Melocactus oreas Miquel ssp. oreas Biológica de Serra Negra abriga uma área
(Cactaceae); Anamaria heterophylla de 1.100ha de floresta ombrófila. Seria
(Scrophulariaceae) – áreas úmidas; interessante ampliar a área desta reserva
Averrhoidium gardneri (Sapindaceae); para assim incluir ambientes de caatinga
Phyllostylon brasiliense (Ulmaceae); sobre sedimentos arenosos, os quais
Syagrus vagans (Bondar) Hawkes representam um ambiente peculiar. Como
(Palmae); Encholirium spectabile espécies endêmicas à área da Caatinga e
(Bromeliaceae). de distribuição restrita àqueles sedimentos
podemos citar: Pavonia glazioviana Gürke
(Malvaceae), Pilosocereus pachycladus,
45 - MARACÁS
Pilosocereus pentaedrophorus, Pilo-
Localização: Maracás (BA). socereus tuberculatus (Cactaceae);
Importância biológica: Provável; área Jatropha mutabilis (Pohl.) Baill. A área
insuficientemente conhecida. proposta compreende a Reserva Biológica
Hábitats: Ecótone entre mata decídua de Serra Negra e seu entorno.
(mata de cipó) e caatinga com
afloramentos rochosos.
47 - BOM JESUS DA LAPA/
Ação recomendada: Investigação científica. SANTA MARIA DA VITÓRIA
Elementos de diagnóstico: Alta riqueza de Localização: BA: Serra Dourada, Bom
espécies. Jesus da Lapa, Sítio do Mato, Serra do
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do Ramalho, Santana e Riacho de Santana.
sistema: média; grau de alteração: médio; Importância biológica: Muito alta.
pressão antrópica: alta (agricultura de café
Hábitats: Áreas com predomínio de
nas áreas de mata, pecuária).
caatinga arbórea com afloramentos
Justificativa: Alta incidência de táxons calcários e arenitos, incluindo variados tipos
endêmicos/restritos: Sparattosperma de lagoas temporárias.
catingae Gentry. Espécies endêmicas da
Ação recomendada: Uso sustentável.
Caatinga: Caesalpinia laxiflora
(Leguminosae); Crotalaria holosericea Elementos de diagnóstico: Riqueza de
Nees & Mart. (Leg. Pap.); Melocactus espécies: alta; alto número de ende-
ernestii (Cactaceae); Neesiochloa barbata mismos.
(Gramineae); Blanchetiodendron Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
blanchetii (Leg.); Pavonia erythrolema sistema: média; grau de alteração: médio;
(Malvaceae); Diclidanthera sp. pressão antrópica: baixa (próximo de áreas
(Polygalaceae); Syagrus vagans (Palmae). de cultivo de soja, agricultura diversificada

129
e pecuária de gado, práticas especialmente 49 - CALCÁRIO DO
danosas em áreas úmidas). NORTE DE MINAS GERAIS
Justificativa: Incidência de táxons endêmi- Localização: MG: Pedras de Maria da Cruz,
cos/restritos: Apodanthera congestiflora São João da Ponte, Porteirinha, Janaúba,
Cogn. (Cucurbitaceae). Espécies endêmi- Mato Verde, Januária, Montezuma e
cas da Caatinga: Senna gardneri; Varzelândia.
Calliandra leptopoda; Arachis pusilla – Importância biológica: Provável; área
grupo de interesse econômico; Parapi- insuficientemente conhecida.
ptadenia zehntneri; Mimosa exalbescens;
Hábitats: Caatinga sobre calcário bambuí.
Calliandra leptopoda (Leguminosae);
Cavanillesia e Umbellata como espécies
Quiabientia zehntneri (Cactaceae);
marcantes.
Marsdeni zehntneri (Asclepiadaceae);
Talisia sp. (Sapindaceae); Annonna Ação recomendada: Proteção integral.
vepretorum Mart. (Annonaceae); Ipomaea Elementos de diagnóstico: Riqueza de
sp. nov. (Convolvulaceae); Apodanthera espécies: alta; alto número de ende-
glaziovii (Curcubitaceae); Rhamnidium mismos; riqueza de espécies raras/
molle Reiss. (Rhamnaceae); Pilosocereus ameaçadas: alta; ocorrência de fenômeno
gounellei (Weber) Byles & Rowley var. biológico especial.
zehntneri (Britt. & Rose) Zappi, Pilo- Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
socereus densiareolatus Ritter (Cactaceae); sistema: alta.
Piriqueta duarteana var. ulei Urb. Justificativa: Espécies endêmicas/restritas:
(Turneraceae); Neesiochloa barbata (Nees) Piranhea securinega (Euphorbiaceae) –
Pilger; Patagonula bahiensis Moricand espécie restrita a Januária. Espécies
(Polygonaceae). endêmicas da Caatinga: Balfourodendron
molle (Rutaceae); Zanthoxylum stelligerum
48 - SUDOESTE DA BAHIA (Rutaceae); Pilosocereus gounellei ssp.
zehntneri; P. pachycladus ssp. pachyladus;
Localização: BA: Caraíbas, Belo Campo,
Crumenaria decubens (Rhamnaceae); P.
Bom Jesus da Serra, Planalto, Poções,
densiareolatus (Cactaceae).
Tremedal, Anagé, Aracatu e Brumado.
Importância biológica: Muito alta.
50 - PEDRA AZUL
Hábitats: Caatinga arbustiva, afloramentos
rochosos de arenito e calcáreo, mata de cipó. Localização: MG: Divisópolis, Cachoeira do
Pajeú, Taiobeiras, Bandeiras, Mato Verde,
Ação recomendada: Uso sustentável.
Pedra Azul, São João do Paraíso, Águas
Elementos de diagnóstico: Riqueza de Vermelhas e Almenara.
espécies: média; número médio de
Importância biológica: Provável; área
endemismos; alta riqueza de espécies raras/
insuficientemente conhecida.
ameaçadas.
Hábitats: Caatinga aberta sobre aflora-
Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
mentos gnaissicos com predominância de
sistema: alta; grau de alteração: alto; pressão
cactáceas e bromeliáceas.
antrópica: alta (crescimento desordenado das
principais cidades. Mineração de magnesito Ação recomendada: Investigação científica.
e outros minérios perto do Brumado). Elementos de diagnóstico: Alto número de
endemismos; alta riqueza de espécies raras/
Justificativa: Táxons endêmicos/restritos:
ameaçadas.
Mimosa coruscocaesia (Leguminosae)
Espécies endêmicas da Caatinga: Senna Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
harley Irwin & Barneby (Leguminosae); sistema: média; grau de alteração: baixo.
Syagrus vagans (Palmae); Pilosocereus Justificativa: Espécies restritas: Hyptis
catingicola ssp. catingicola (Cactaceae); viaticum (Labiatae) – Pedra Azul; Pilo-
Bauhinia cocoria ssp. blanchetiana socereus magnificus e P. multicostatus
wunderlin. (Cactaceae). Espécies endêmicas da

130
Caatinga: Pavonia zehntneri e P. martii ameaçadas: média; ocorrência de
(Malvaceae); Pilosocereus pentaedrophorus fenômeno biológico especial; número
subesp. robusta; P. floccosus subesp. médio de espécies de interesse econômico.
quadricostatus (Cactaceae); Apodanthera Vulnerabilidade: Grau de alteração: médio;
hatschbachii (Curcubitaceae). pressão antrópica: alta (extração de lenha
para olarias e padarias).
51 - VALE DO PIANCÓ Justificativa: Área de transição entre o
Localização: PB: Santa Teresinha, Catingueira, Planalto da Borborema e a Depressão
Emas, Coremas, Itaporanga e Piancó. Sertaneja, com vegetação arbórea densa e
arbustivo-arbórea em bom estado de
Importância biológica: Provável; área
conservação. Espécies endêmicas:
insuficientemente conhecida.
Hydrohrix gardneri (restrita), Licania
Hábitats: Várzeas e serras. rigida, Pilosocerus gounellei, Godmania
Ação recomendada: Investigação científica. dardanoi, Pilosocerus pachydades.
Elementos de diagnóstico: Baixo número
de espécies de interesse econômico. 53 - ITABAIANA/LAGARTO
Vulnerabilidade: Grau de alteração: alto; Localização: SE: São Domingos, Campo
pressão antrópica: média (extração de do Brito, Itabaiana e Lagarto.
lenha e pecuária). Importância biológica: Provável; área
Justificativa: Vegetação arbustivo-arbórea insuficientemente conhecida.
densa, determinando um ambiente Hábitats: Caatinga com enclave da serra
especial pela influência da maior umidade de Itabaiana.
ocasionada pelo rio Piancó. Área com alta
Ação recomendada: Proteção integral.
concentração de Liconia rigida.
Elementos de diagnóstico: Riqueza de
espécies: média; número médio de
52 - SERRA DA BORBOREMA endemismos; ocorrência de fenômeno
Localização: PB: Patos e São José do Bonfim. biológico especial.
Importância biológica: Alta. Vulnerabilidade: Fragilidade intrínseca do
sistema: média; grau de alteração: médio.
Hábitats: Planalto da Borborema.
Justificativa: Espécie endêmica/restrita:
Ação recomendada: Investigação científica. Actinocephalus dardanoi (Eriocaulaceae)
Elementos de diagnóstico: Riqueza de – alto da serra de Itabaiana. Espécie
espécies: média; número médio de endêmica da Caatinga: Pilosocereus
endemismos; riqueza de espécies raras/ pentaedrophorus.

131

Você também pode gostar