Você está na página 1de 4

n

h
i
n
a
A e sti n ,

ap

ha

Juliet

Mickelburgh

ILUSTRAES DE

AnnaLaura Cantone
TRADUO DE

Ed uardo Bran do

Para Samo, Barty e Clemmie,


que so sempre umas gracinhas e
s um pouquinho pestinhas, e para
Moses, que tambm seria, se pudesse.
J.M.
Para Greta Olivia, minha querida
princesinha, exatamente como a Aninha.
A.C.
Copyright do texto 2011 by Juliet Mickelburgh
Copyright das ilustraes 2011 by AnnaLaura Cantone
Publicado originalmente na Inglaterra, em 2011, pela
Bloomsbury Publishing Plc. 50 Bedford Square, Londres, WC1B 3DP

Grafia atualizada segundo o Acordo Ortogrfico da Lngua Portuguesa


de 1990, que entrou em vigor no Brasil em 2009.
Ttulo original: Naughty Nina
Reviso: Ana Luiza Couto
Luciana Baraldi
Composio: Lilian Mitsunaga
Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (cip)
(Cmara Brasileira do Livro,

sp,

Brasil)

Mickelburgh. Juliet Claire


Anin h a, a pestin h a / Juliet Mickelburgh;
ilus
tra
d o por An na Laura Ca ntone; [traduo de
Edua rdo Bra ndo]. 1 a ed. So Paulo: Compa n hia
das Letrin h as, 2012.
Ttulo original: Naughty Nina.
isbn

978-85-7406-545-8

1. Fico - Literatura infantojuvenil


i.

Cantone, AnnaLaura.

ii.

Ttulo.

12-09220

cdd-028.5

ndices para catlogo sistemtico:


1. Fico: Literatura infantil 028.5
2. Fico: Literatura infantojuvenil 028.5

[2012]
Todos os direitos desta edio reservados
editora schwarcz s.a.

Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 32


04532-002 So Paulo sp Brasil
Telefone: (11) 3707-3500
Fax: (11) 3707-3501
www.companhiadasletrinhas.com.br
www.blogdacompanhia.com.br

A marca FSC a garantia de que a madeira utilizada


na fabricao do papel deste livro provm de florestas
que foram gerenciadas de maneira ambientalmente
correta, socialmente justa e economicamente vivel,
alm de outras fontes de origem controlada.
Esta obra foi composta em Handwriter e impressa pela Geogrfica
em ofsete sobre papel Couch Reflex Matte da Suzano Papel
e Celulose para a Editora Schwarcz em agosto de 2012.

n
h
i
n
a
A e sti n ,

ap

ha

Aninha era uma

gracinha.

Era o que el
a
sempre ouvia
e
o que todo mu
ndo

dizia:
Mas que

GRaAAnCiInNH A,
ha!

Tudo que ela fazia,


os outros achavam uma

Cantava que era

gracinha.

Pintava que era


uma

uma

gracinha.

gracinha.
E era uma

verdadeira

gracinha

na hora de ir
pra caminha.