Você está na página 1de 5

CURSO PEDRO GOMES GEOGRAFIA DE MATO GROSSO PROF. JUANIL BARROS

CURSO PEDRO GOMES – GEOGRAFIA DE MATO GROSSO PROF. JUANIL BARROS
CURSO PEDRO GOMES – GEOGRAFIA DE MATO GROSSO PROF. JUANIL BARROS
CURSO PEDRO GOMES – GEOGRAFIA DE MATO GROSSO PROF. JUANIL BARROS

e o envolvimento dos diversos agentes sobre a seriedade e

profissionalização que deve ser indispensável a esse setor, que se destaca mundialmente por gerar divisas, induzindo a criação de negócios com forte impacto social.

Outro pressuposto é consolidar um trabalho permeado pela sinergia de ações e esforços existente entre as instituições públicas e as iniciativas privadas, reforçando esse contexto que torna-se um terreno fértil para que esse instrumento de política pública tenham os resultados pretendidos.

A Gestão do Turismo Mato-grossense está a cargo da SEDETUR

2 - CARACTERÍSTICAS DE CUIABÁ E SEU POVO

Cuiabá é Centro Geodésico da América do Sul, a porta de acesso o aos santuário ecológico do Pantanal, Chapada dos Guimarães, os vales do Araguaia, do Guaporé e Amazônia.

Como corredor de acesso rodoviário para a região Norte e Amazônia Legal, a Cidade Verde proporciona encantamento através da sua gente receptiva, sua culinária, artesanato e um pouco da história de "desbravamento" do interior do Brasil.

A população cuiabana em si é muito hospitaleira. Essa é a marca registrada de um povo que está sempre pronto para ajudar quem quer que seja, sem cobrar.

O cuiabano genuíno é honesto, amigável e guerreiro apesar de ser festeiro e muitos têm a tendência à boêmia. Daí o porquê de a vida noturna ser uma das mais atrativas e badaladas da região Centro- Oeste.

Dezenas de casas noturnas oferecem programas variados. A vida noturna cuiabana é uma das melhores do País.

A bebida típica cuiabana é o guaraná ralado.

A cultura tradicional inclui as danças de rasqueado, cururu e siriri além da festa de São Benedito.

A culinária inclui cardápio de peixes como Pacu, Pintado, Cachara e Dourado, "Maria Isabel" (carne seca com arroz) e farofa de banana.

POLOS DO TURISMO EM MATO GROSSO

arroz) e farofa de banana. POLOS DO TURISMO EM MATO GROSSO PÓLO AMAZONIA - A região

PÓLO AMAZONIA - A região Amazônica localiza-se ao Norte do estado de Mato Grosso. Alta Floresta, principal entrada para a região, esta a 876 Km de Cuiabá, capital do Estado.

Ao norte de Mato Grosso, em um dos mais ricos trechos da Amazônia brasileira, encontra-se o Polo de Ecoturismo da região norte. São atrativos únicos e diferenciados, tais como o Parque Estadual Cristalino, o Sítio arqueológico da Pedra Preta, o rio Teles Pires, com

DETRAN MT

TURISMO EM MATO GROSSO

1 - POLÍTICA ESTADUAL DE TURISMO EM MATO GROSSO

A Política Estadual de turismo em Mato Grosso, tem como

pressuposto o desenvolvimento de ações que visam a conscientização

a cachoeira de Sete Quedas e corredeira dos Andradas, o Lago Azul, o rio Cristalino,

a

cachoeira de Sete Quedas e corredeira dos Andradas, o Lago Azul,

o

rio Cristalino, os rios São Benedito e Azul.

Os municípios de Alta Floresta, Paranaíta e Novo Mundo constituem o núcleo inicial de ecoturismo da Amazônia mato-grossense, com diversas pousadas e infraestrutura para observação de aves, ecoturismo, pesca esportiva (pesque-e-solte) e turismo de aventura.

PÓLO PANTANAL - (Barão de Melgaço, Cáceres, Poconé, Santo Antônio do Leverger, Várzea Grande) Localizados na região sudoeste do estado, os sete municípios do Polo Pantanal correspondem, segundo a SEPLAN-MT (2008), a uma área total de 88.094,55 km2, ou seja, 9,7% de Mato Grosso, e ficam a uma altitude média de 172 m. A distância média dos municípios até a capital é de 224 km. Veja no mapa

dos municípios até a capital é de 224 km. Veja no mapa  Barão de Melgaço

Barão de Melgaço - O principal segmento turístico desenvolvido é o ecoturismo, com visitas a rios, baías (Sinhá Mariana e Chacororé) e corixos para avistar fauna e flora, em especial os ninhais.

Cáceres - É o município responsável pela maior parcela da oferta turística do Polo Pantanal e é o principal destino de pesca de Mato Grosso, sendo o município que concentra o maior número de barcos- hotéis e infraestrutura turística de apoio, havendo ainda atividades de ecoturismo estruturadas. Sua oferta turística está baseada em atividades desenvolvidas no Rio Paraguai e na visitação e mergulho autônomo na Dolina Água Milagrosa. Existem também as históricas fazendas Descalvado, Jacobina e Barranco Vermelho, que podem vir

a ser importantes atrativos culturais, indutores do turismo.

Poconé - Destaca-se por sua oferta turística, contando com alto potencial de desenvolvimento de atividades de ecoturismo no Parque Nacional do Pantanal, sendo que muitas atividades já são realizadas nas pousadas ao longo da EP Transpantaneira. Os atrativos culturais do município estão ligados a festas religiosas e manifestações culturais, em especial os Mascarados e a Cavalhada.

Santo Antônio do Leverger - Além da potencialidade da natureza, há também a oferta de atrativos culturais, como a Usina de Itaicy, o distrito de Mimoso, grupos folclóricos de siriri e cururu (existem dez grupos), a culinária (doces, geleias, licores e peixes) e o artesanato em bambu.

expressiva de meios de hospedagem e de empreendimentos na área de alimentação. Seus atrativos turísticos são estruturados a partir do Rio Cuiabá, com destaque para a atratividade cultural da Comunidade Bonsucesso, que oferece artesanato e culinária característicos e festas religiosas.

Várzea

 Várzea Grande - Conurbação com Cuiabá, tem uma oferta

Grande

-

Conurbação

com

Cuiabá,

tem

uma

oferta

Os principais produtos identificados em turismo histórico-cultural no Polo Pantanal, detalhados a seguir, são:

Barão de Melgaço: festas religiosas;

Cáceres: Fazendas Descalvado, Jacobina e Barranco Vermelho;

Poconé: festas religiosas e manifestações culturais, em especial a Dança dos Mascarados e a Cavalhada;

Santo Antônio do Leverger: carnaval de rua, chamado de Tradição e Folia, Usina de Itacy, distrito de Mimoso, festas religiosas, grupos folclóricos de siriri e cururu, culinária e artesanato em bambu;

Várzea Grande: Comunidade Bonsucesso, Rota do Peixe, Passagem da Conceição, artesanato e festas religiosas. Além dos ícones do Polo Pantanal, comuns a todos os municípios, como é o caso do homem pantaneiro, viola de cocho e guaraná.

VEJA O CALENDÁRIO DE EVENTO DO PÓLO PANTANAL

municípios, como é o caso do homem pantaneiro, viola de cocho e guaraná. VEJA O CALENDÁRIO

Homem pantaneiro - Para Vieira (2004), o homem pantaneiro tem em sua formação a presença do índio em todas as suas características. É um povo que vive da natureza, cujas limitações imprimem à vida uma forma integrada e bem diferenciada dos outros povos. Com o tempo, passou a ser parte intrínseca do seu meio, onde convive em harmonia com a natureza, sendo capaz de entender os fenômenos naturais mesmo sem tê-los estudado em escola formal.

Viola de cocho - A viola de cocho é confeccionada em madeira da região, normalmente o sarã e a ximbuva, sendo que a feita a partir do sarã-de-leite é a mais cobiçada, porque gera uma viola bem branquinha, leve e com ótima sonoridade (DIAS e VIANA apud A CASA, 2010). As violas de cocho tradicionais tinham suas cordas confeccionadas com tripas de macaco e quati, hoje substituídas por linhas de pesca de diferentes calibres; a cola que era originalmente usada era feita de batata ou de poça de piranha ou outro peixe, tendo sido substituída por cola industrializada.

Guaraná - O guaraná de ralar é um dos costumes mais antigos dos pantaneiros, principalmente na região poconeana. Ralado e transformado em um pó, é misturado com açúcar e dissolvido na água, transformando-se num refresco, consumido praticamente por todas as pessoas da região.

Festas religiosas, Barão de Melgaço - As festas religiosas que acontecem em Barão de Melgaço são eventos tradicionais e com grande participação da comunidade, destacando-se a Festa de São Benedito, a Festa do Divino Espírito Santo, a Festa de São João, a Festa de São Pedro e a Festa de Nossa Senhora da Conceição.

Fazenda Descalvados (Cáceres) - Fazenda histórica às margens do Rio Paraguai, localiza-se a cerca de 160 km ao sul de Cáceres, na margem direita do rio. Sediou uma indústria de caldo de carnes do século XIX, instalada por expansionistas belgas, que trouxeram de Liége máquinas a vapor pelo Rio Paraguai. Nesse período, toneladas de carne enlatada eram enviadas, por via fluvial, para os Estados Unidos e Europa.

Fazenda Jacobina (Cáceres) - Localizada a 25 km a sudeste da sede de Cáceres, entre a Serra da Jacobina e a Serra do Barreiro Preto, a Fazenda foi fundada no século XVIII pelo português Leonardo Soares de Souza. Foi grande centro agropecuário, sendo considerada, em 1827, como a fazenda mais próspera da Província de Mato Grosso, com 60.000 cabeças de gado.

Fazenda Barranco Vermelho (Cáceres) - Propriedade rural destinada à pecuária bovina, localizada na margem esquerda do Rio Paraguai, a cerca de 100 km ao sul de Cáceres, tem um acesso por terra muito bonito, assim como o acesso fluvial, feito pela descida de 85 km do Rio Paraguai, a partir de Cáceres. Há também a possibilidade de acessar o atrativo por via aérea, pois a Fazenda conta com uma pista de pouso de 1.100 m de comprimento. De atuação marcante no passado, mantém atividades agropastoris em larga escala até hoje. Em sua área estão as ruínas de grandes estruturas de charqueadas, locais onde se salgava (charqueava) a carne. Na área da Fazenda também se encontram diversos sítios arqueológicos, como cemitérios indígenas. É apropriada para o turismo de pesca e para a observação de fauna, sendo que atualmente abriga as instalações de uma pousada.

Catedral de São Luiz e Marco do Jauru (Cáceres) Trata-se da igreja matriz de Cáceres, no centro da cidade, cuja arquitetura imita o estilo gótico, tendo sido construída quando o município era ainda uma pequena aldeia. A Catedral fica próxima ao Marco do Jauru, um importante monumento feito em Lisboa, de pedra de lioz, trazido desmontado ao Brasil, sendo montado e plantado à margem do Rio Jauru, em 18 de janeiro de 1754 pelo Primeiro Governador e Capitão - General da Capitania de Mato Grosso, Dom Antônio Rolim de Moura Tavares. O Marco é conhecido como o símbolo da soberania brasileira na fronteira oeste.

Festas religiosas (Poconé) Assim como as festas religiosas de Barão de Melgaço, as manifestações que ocorrem em Poconé são eventos tradicionais e com grande participação da comunidade. As festas são realizadas em comemoração aos dias de santos, como

São Benedito, Espírito Santo e Nossa Senhora do Rosário. As comemorações, em geral, acontecem na Casa das Festas e são abertas para a comunidade. Durante as festas em homenagem a São Benedito, que geralmente duram uma semana, acontece, no

domingo, a tradicional Cavalhada, um evento histórico que representa

a luta dos mouros contra os cristãos.

Dança dos mascarados (Poconé) - Os mascarados pertencem à cultura e tradição histórica poconeana. Não existem registros precisos em relação à sua origem, sendo que alguns autores a atribuem a uma mescla de contradança europeia, danças indígenas e ritmos negros; outros a consideram originária dos índios beripoconés, que habitavam

a região antes de ser ocupada; outros ainda indicam que a dança dos

mascarados vem dos costumes indígenas, mas foi enriquecida pelos colonizadores europeus, em especial os espanhóis. A dança é um elemento integrante dos festejos do Divino Espírito Santo e de São Benedito.

Cavalhada, Poconé - A Cavalhada é um dos maiores eventos culturais de Mato Grosso (POCONÉ, 2010). Em Poconé, acontece todos os anos nas primeiras semanas de junho, durante as festividades alusivas a São Benedito. O evento é realizado na pista oficial, localizada na parte alta da cidade, no clube Cidade Rosa, que durante o evento torna-se um grande campo de batalha entre cavaleiros mouros e cristãos, preservando uma tradição que ocorre desde a origem do município.

Cacimba do Rei (Poconé) Trata-se de um poço, uma espécie de emparedado de pedras cangas lavradas, que após mais de dois séculos continua em excelente estado de conservação e não esgotado, com água a poucos metros de profundidade. Fica em frente da antiga casa do Sr. João Epifhaneo da Costa Marques, um fazendeiro local.

Casarão Cotia (Poconé) - O monumento histórico Casarão Cotia, segundo a SEC-MT (2010), é de propriedade da Missão da Ordem Terceira Regular de São Francisco do Brasil. A fazenda fica no distrito de Cotia, no caminho entre Cuiabá e Poconé, região de muitos roedores de nome cutia animal usado na alimentação de tropeiros e viajantes , que deu nome ao Casarão.

Casa do Pantaneiro Dito Verde, Poconé - Dito Verde, como é conhecido o Sr. Benedito Alves, é um pantaneiro que sempre plantou, pescou e criou seus animais no mesmo lugar, às margens do Rio Cuiabá. Participante assíduo das festas de santos e do Divino para tocar o cururu, tornou-se famoso por ser bom tocador de viola de cocho, típica de Mato Grosso. Costuma receber visitantes e pesquisadores que desejam conhecer de perto a „vida do homem pantaneiro.

Festas religiosas, Santo Antônio do Leverger - As festas religiosas são eventos tradicionais em Santo Antônio do Leverger e com grande participação da comunidade. Trata-se de manifestações de fé realizadas em comemoração aos dias de santos, como a Festa de São Benedito, Festa do Divino Espírito Santo, Festa de São Sebastião e a Festa de Nossa Senhora da Imaculada Conceição.

Carnaval de Rua, Santo Antônio do Leverger - O carnaval Tradição

e Folia, de Santo Antônio do Leverger, é um dos mais antigos de

Mato Grosso. Animado antigamente por grupos folclóricos ao som de viola de cocho, som de mocho e ganzá, que expressavam as riquezas culturais, turísticas e naturais do município. Os blocos clássicos são distribuídos por concentrações pela cidade e são responsáveis pela manutenção da tradição dos carnavais populares, entre eles destacam-se Pelô Meu Saco, Seu que Brilha, Pau Brilhoso, Caprichosas de Leverger, Folharada de São Caetano, Los Buchos, Bloco do Mé e Garanhões da Madrugada.

Usina de Itaicy, Santo Antônio do Leverger - A Usina de Itaicy, conforme a SEC-MT (2010b), tinha por modo de produção a industrialização da cana-de-açúcar. Sua importância cultural se dá por tratar-se uma construção única e, principalmente, por ter sido o embrião de um processo de industrialização e de um modo de produção característico e novo para Mato Grosso, em 1896.

Distrito de Mimoso, Santo Antônio do Leverger- O distrito de Mimoso fica a 70 km do município de Santo Antônio do Leverger e apresenta acesso asfaltado pela MT-040. Seu nome deve-se à presença predominante do capim-mimoso (Axonopus purpusii Nees), que cobre as margens da Baía de Chacororé e só é encontrado no Pantanal e no Piauí (SECOM-MT, 2004).Foi nos distrito de Mimoso que nasceu Candido mariano da Silva Rondon (marechal Rondon).

mergulho autônomo, boia cross, rafting, rappel em cachoeiras (cascading) e arvorismo.

Jaciara- O município também oferece balneários, sendo que o mais bem estruturado é o Thermas Cachoeira da Fumaça, que além de piscinas oferece caminhada em trilhas para contemplação da paisagem local e visitação a cachoeiras.

Nobres - são praticadas atividades de mergulho autônomo na Lagoa

Festas

religiosas,

Várzea

Grande

-

As

festas

religiosas

que

Salobão, boia cross e mergulho livre (também chamado de flutuação) em rios de águas cristalinas, que são o grande diferencial da região. Além desses atrativos, existem muitas cavernas com potencial para o espeleoturismo, porém todas se encontram interditadas por não terem licenciamento ambiental para a exploração de atividades turísticas.

 

acontecem em Várzea Grande são eventos tradicionais e com grande participação da comunidade. A principal festa a de Nossa Senhora da Guia, padroeira do município. Como parte da cultura popular, são

cultivadas as festas religiosas de São Benedito, Divino Espírito Santo

Nossa Senhora do Rosário, que, em geral, são realizadas na Casa das Festas da cidade, normalmente abertas para a comunidade.

e

Chapada dos Guimarães - os principais atrativos são a Caverna Aroê Jarí e a Lagoa Azul, que oferecem infraestrutura de atendimento com banheiros e restaurante, e exigem o acompanhamento de guia de turismo especializado em espeleologia e cadastrado no MTur e na SEDTUR-MT. Além desses atrativos, existem mirantes que podem ser visitados para observação das paisagens, trilhas e atividades de rappel.

Artesanato, Várzea Grande - Atualmente, 99 famílias vivem, no

 

Limpo Grande, da agricultura de subsistência e do artesanato, sendo

a

fabricação de redes o principal destaque. Uma rede demora até 30

dias para ser confeccionada, tendo duas pessoas envolvidas exclusivamente no trabalho todos os dias, resultando em verdadeiras obras de arte.

Passagem da Conceição (Várzea Grande) - O distrito de Passagem

Cuiabá - oferece atrativos naturais basicamente de contemplação, especialmente de rios da região, como o Cuiabá, Coxipó, Claro e dos Peixes, e trilhas em parques e outras localidades.

 

da Conceição está localizado a 8 km do município de Várzea Grande

 

e

tem acesso por rodovia asfaltada, conhecida como Estrada da

Guarita. O atrativo é frequentado principalmente por moradores de Várzea Grande e Cuiabá. As atividades realizadas são a contemplação da beleza cênica do Rio Cuiabá, a pesca e o banho de rio. No local existe um restaurante tranquilo, de boa comida regional, uma igreja centenária, uma praça arborizada e trilhas para caminhadas. O acompanhamento de condutores para visitação não é

exigido. Aos finais de semana e feriados, existe uma sobrecarga no volume da visitação.

TURISMO CULTURAL - O turismo cultural é pouco desenvolvido no Polo Cerrado, com exceção de Cuiabá e Campo Verde, que oferecem atrativos de forma estruturada. Cuiabá se destaca pelas

manifestações folclóricas como o siriri e o cururu, além do boi-à-serra

e

o rasqueado. Outras manifestações importantes da cultura popular

são a Festa do Senhor Divino, as artes plásticas, a culinária cuiabana

e

a música regional.

 

Cururu e Siriri, Cuiabá - O cururu e o siriri são manifestações culturais muito importantes em todo Mato Grosso, encontradas em

todos os Polos do estado. Durante as comemorações, reúnem-se os recursos necessários para os festejos de devoção aos santos, quando

POLO CERRADO

 
 

O

Polo Cerrado, tal qual inicialmente definido, corresponde,

segundo a SEPLAN-MT (2008), a uma área total de 102.248,36 km2, ou seja, 11,3% de Mato Grosso, e fica a uma altitude média de 315 m. A distância média dos municípios até a capital é de 289 km. Polo Cerrado é composto por 26 municípios, que incluem, além dos citados pelo Plano Regional: Araputanga, Curvelândia, Diamantino, Figueirópolis DOeste, Gaúcha do Norte, Indiavaí, Jangada, Jauru, Lambari DOeste, Mirassol DOeste, Nova Lacerda, Poxoréo, Primavera do Leste,

Reserva do Cabaçal, Rondonópolis, Rosário Oeste, Salto do Céu, São José dos Quatro Marcos e Tangará da Serra.

diversas funções são conduzidas: primeiro ocorre o cururu, depois há

reza e a ladainha40 para o santo, forma-se o reinado, ergue-se o mastro e, então, prossegue a cantoria dos cururueiros madrugada adentro.

a

Campo Verde - O Museu Estação Telegráfica Coronel Ponce tem acervo relacionado com o telégrafo e também apresenta informações do distrito de Capim Branco e da história de Marechal Rondon.

 
     Chapada dos Guimarães - há algumas edificações, como a Igreja Santana do Sacramento,
 

Chapada dos Guimarães - há algumas edificações, como a Igreja Santana do Sacramento, de 1751, e eventos culturais, como o Festival de Inverno e o Chapada in Jazz.

Nobres - encontram-se sítios arqueológicos, o Centro de Tradições Nobrense de Siriri e Cururu e a Cachoeira do Tombador, importante por seu entorno histórico, tombado pela Secretaria de Cultura do Estado.

Jaciara - há atrativos, ainda que com visitação incipiente, de turismo arqueológico (pinturas rupestres) e pedagógico, estruturados apenas em uma trilha. Grande parte dos visitantes são acadêmicos de cursos ligados à arqueologia e história ou interessados no assunto.

 

SEGMENTOS DO TURISMO EM MATO GROSSO

 

Os principais atrativos turísticos desse Polo estão nos municípios de Campo Verde, Chapada dos Guimarães, Cuiabá, Jaciara e Nobres.

Contemplação - No Estado, se destaca principalmente dois lugares para realizar a Observação de animais, a Rodovia Transpantaneira (Poconé) e o Parque Estadual Cristalino (Alta Floresta), são os lugares mais procurados pelos turistas para realizar o ‘’birdwathing’’ (observação de pássaros). Além disso, nessa categoria também se destaca os municípios de Chapada dos Guimarães, Cáceres, São José do Rio Claro, e a região do Araguaia.

Cuiabá é o município considerado a porta de entrada para o turismo

 

em Mato Grosso, o que se deve ao fato de se tratar da capital política do estado e do município ser vizinho ao portal aéreo de entrada para os demais destinos no Polo e no estado de Mato Grosso.

 

No

Polo Cerrado, os atrativos naturais são utilizados em todos os

 

municípios com diferenças nas infraestruturas disponíveis e na organização das atividades oferecidas, que envolvem visitas a cavernas e cachoeiras, balneários, trilhas para contemplação de paisagens do cerrado,

Cultural - Na capital, Cuiabá, e em outras cidades centenárias como Cáceres, Poconé e Diamantino o patrimônio arquitetônico traz parte da História de Mato Grosso em espaços que estão se transformando em centros culturais e museus. Igrejas como Bom Despacho, Rosário

e São Benedito em Cuiabá, de Santana, em Chapada dos Guimarães,

as ruínas da matriz da Santíssima Trindade, em Vila Bela, e o Marco de Jauru, em Cáceres, são monumentos tombados pelo Patrimônio Nacional. Há ainda diversos sítios arqueológicos espalhados pelo Pantanal, chapadões no Cerrado e na Floresta Amazônica.

Ecoturismo O Parque Nacional do Pantanal e do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, ambos são os carros-chefes do turismo ecológico do estado, porém existem outras cidades com muito potencial e recebem os turistas para a realização do turismo ecológico, como Primavera do Leste, Nobres, Barra do Garças, Tangará da Serra, Jaciara e Alta Floresta.

Esporte de Aventura - o Rapel e o Rafiting são os principais esportes de aventuras procurados. As principais cidades que se destacam nesse segmento são: Aripuanã, Campo Novo dos Parecis, Jaciara, e Tangará da Serra.

Indígena - O Parque Indígena do Xingu (PIX) ocupa uma área de 2,8 milhões de hectares e um perímetro de 920 quilômetros, ao norte do Estado de Mato Grosso (próximo aos municípios de Querência, São José do Xingu, União do Sul e Marcekândia). Está localizado em uma área de transição ecológica, formada por florestas tropicais ao norte e Cerrado ao sul.

Místico - Mato Grosso também é reconhecido mundialmente pelo seu turismo místico, em Barra do garças ao leste da capital Cuiabá, se encontra a Serra do Roncador que serviu de inspiração para o diretor norte-americano Steven Spielberg fazer o roteiro de um dos seus filmes mais famosos, Indiana Jones, interpretado por Harrison Ford.

Negócio - Mato Grosso é o atual campeão nacional de produção de grãos, segundo dados do IBGE, cerca de 23,5 % de tudo que é plantado no Brasil, se encontra aqui no Estado. Esse agronegócio proporciona o crescimento e desenvolvimento das cidades, principalmente no médio Norte e Leste do Estado.

Pesca - O estado que é banhado pelas Bacias do Prata e Amazônica

e a Bacia Araguaia-Tocantins, sendo assim, Mato Grosso é destino

consolidado nacional e internacionalmente para os amantes da pesca esportiva. Registrado no Guinness Book, o Festival Internacional de Pesca de Cáceres é referência nacional, entrando para o livro dos

recordes como o maior evento mundial na categoria pesca em água doce. As seguintes cidades: Poconé, Barão de Melgaço, Barra do Garças e Alta Floresta também são reconhecidos como principais destinos de pesca esportiva.