Você está na página 1de 19

Demanda e oferta de moeda

Funções da Moeda

A moeda possui quatro funções:

1. Meio de troca

2. Reserva de valor

3. Unidade de conta

4. Padrão de pagamento deferido ~ e.x.

empréstimo indexado.

Motivos para Deter Moeda (Encaixar)

Keynes aponta três motivos para se

deter moeda:

1. Motivo transações ~ efetuar pagamentos

2. Precaução ~ para eventos inesperados

3. Especulativo ~ incertezas sobre o valor monetário de ativos

Encaixes Monetários Médios

Encaixes Monetários Médios
Encaixes Monetários Médios
Encaixes Monetários Médios
Encaixes Monetários Médios
Encaixes Monetários Médios
Encaixes Monetários Médios
Encaixes Monetários Médios
Encaixes Monetários Médios
Encaixes Monetários Médios

Encaixe Monetário Médio

Encaixe Monetário Médio

Demanda individual

Demanda individual

Demanda Individual

Demanda Individual

Oferta de Moeda

Na teoria econômica, ha uma discussão acerca dos determinantes da oferta de moeda. Para principio de nossas discussões, temos que deixar claro que:

A) Os bancos são capazes de criar moeda

B) O Bacen é capaz de destruir e criar moeda

Essa questão passa a ser importante pela necessidade de assumirmos desde já a hipótese de que a oferta de moeda é exógena

Moeda Exógena

A moeda é vista como exógena quando a sua quantidade é determinada, em última análise, pelas autoridades monetárias, e endógena quando as autoridades não controlam esta quantidade porque a demanda de moeda, influenciada por pressões internas da economia, afeta a oferta da mesma de forma imprevisível. O entesouramento é uma das razões que dificultam tal controle, dada sua imprevisibilidade. Assim, quando se supõe o entesouramento, a moeda é necessariamente endógena.

(a serem

contempladas no futuro), partimos do principio de que a moeda é exógena.

Apesar

das

discussões

do

acerca

tema

Oferta e demanda de moeda (keynesiana) (Exógena)

Oferta e demanda de moeda (keynesiana) (Exógena)

Multiplicação da moeda:

Numa economia bancária, a moeda se multiplica (nos bancos), mas o Bacen pode atuar para impedir a criação de moeda pelos bancos:

Base Monetária: Total de moeda com o publico (PP) mais as reservas dos bancos comerciais, logo:

B = PP + R

onde, R = soma das caixas dos bancos comerciais, dos depósitos voluntários e dos depósitos compulsórios junto ao Banco Central. A base monetária é constituída por todo o montante de moeda emitida em mãos do setor privado e também dos bancos.

Através do mecanismo de multiplicação, via empréstimo bancário, esse total de moeda primaria da origem ao total de meios de pagamento. Temos portanto a seguir a relação:

M/B = m

Onde:

ou

M = mB

M = saldo dos meios de pagamento;

B = base monetária;

m = multiplicador da base monetária.

Agregados Monetários (Oferta de Moeda)

M1 = Papel moeda em poder do público

+ depósitos à vista nos bancos

Comerciais, múltiplos, BB e Caixa

M2 = M1 + Poupança+depósitos a prazo+letras de câmbio+letras hipotecárias+letras imobiliárias

M3 = M2 + renda fixa + operações compromissadas

M4 = M3 + Titulos federais e estaduais (FONTE: Boletim do Banco Central)

Instrumentos de controle monetário

POLÍTICA MONETÁRIA - INSTRUMENTOS

O BACEN pode alterar os meios de pagamento (oferta de moeda) utilizando-se de quatro instrumentos:

- INSTRUMENTOS • O BACEN pode alterar os meios de pagamento (oferta de moeda) utilizando-se de

Instrumentos de controle monetário

Exemplo 1:

Banco Central compra títulos públicos do mercado, fazendo o pagamento em Reais.

Nesse caso, a oferta de moeda aumenta, pois o BACEN está retirando um ativo (título) que não é meio de pagamento e fornecendo ao mercado um ativo líquido (moeda), no caso, Real.

Essa operação, realizada em grande quantidade, tem como objetivo aumentar a oferta de moeda e conseqüentemente diminuir a taxa de juros do mercado.

Open Market

As operações de mercado aberto são caracterizadas pela compra e venda de títulos públicos do BACEN no mercado. Esses títulos podem ser de emissão própria ou em geral do Tesouro . impacto sobre a liquidez na economia:

Exemplo 2:

Banco Central vende título no mercado, recebendo pagamento em Reais. Ocorre o caso inverso do exemplo anterior.

O BACEN está ofertando um ativo menos líquido (títulos) e retirando do mercado um ativo mais líquido (moeda).

Essa operação, realizada em grande escala, tem como finalidade diminuir a oferta monetária e conseqüentemente aumentar a taxa de juros e com isso controlar o nível de preços.

diminuir a oferta monetária e conseqüentemente aumentar a taxa de juros e com isso controlar o

14

Instrumentos de controle monetário

Instrumentos de controle monetário

Instrumentos de controle monetário

Redesconto bancário

A assistência financeira de liquidez ou redesconto é o mecanismo pelo qual o BACEN socorre instituições financeiras com problemas de liquidez. O redesconto é o empréstimo que os bancos comerciais recebem do BACEN para cobrir eventuais problemas de liquidez. A taxa cobrada sobre esses empréstimos é chamada de taxa de redesconto. Um aumento da taxa de redesconto indica que os bancos sofrerão maiores custos, caso tenham problema de liquidez.

• Um aumento da taxa de redesconto indica que os bancos sofrerão maiores custos, caso tenham

Instrumentos de controle monetário

Controle e seleção de crédito

Um instrumento não muito convencional, mas às vezes utilizado pelo Banco Central, refere-se ao controle direto sobre o crédito.

Este pode estar relacionado ao volume de crédito,

ao prazo e destinação do crédito. Este instrumento pode gerar distorções no livre funcionamento do

mercado de crédito e até desestimular a atividade

,

de intermediação financeira. Exemplo:

Se o objetivo é controle da inflação, a medida apropriada de política monetária seria diminuir o estoque monetário da economia - aumento da taxa de reservas compulsórias, ou compra de títulos no open market.

Se a meta é o crescimento econômico, a medida adotada seria o aumento do estoque monetário.

no open market . • Se a meta é o crescimento econômico, a medida adotada seria

17

Ataque contra a inflação e o controle sobre os meios de pagamentos

TABELA 8. Indicadores da política monetária do governo federal nos primeiros meses de implementação da terceira fase do Plano Real entre julho e dezembro de 1994. Valores em bilhões de reais.

Período

R2 *

Base

M1

M2

M3

M4

K **

Julho

0,367

6,495

10,076

70,093

110,205

152,003

1,551

Agosto

0,509

9,070

12,199

71,623

112,774

158,242

1,345

Setembro

0,558

11,233

14,658

69,882

111,055

158,760

1,305

Outubro

0,591

12,835

16,265

70,874

112,927

165,851

1,267

Novembro

0,645

14,010

16,821

70,727

113,619

170,168

1,201

Dezembro

0,619

17,265

20,860

72,538

117,483

175,136

1,209

Fonte : Boletim do Banco Central do Brasil - Relatório de 1994. *R2= Reservas bancárias,

em valores percentuais, **K=

Multiplicador da base monetária

Questões

QUESTÃO 03 (Anpec 2009)

Considere uma economia caracterizada pelo modelo IS-LM em economia aberta (Mundell-Fleming). O público mantém uma fração c de sua moeda na forma de moeda manual; os bancos mantêm uma fração r dos depósitos à vista na forma de reservas (o restante é emprestado). Há livre mobilidade de capitais. Julgue as seguintes afirmativas,supondo tudo o mais constante:

Em um regime de câmbio flexível, um aumento no parâmetro r leva a uma apreciação da moeda doméstica.

Em um regime de câmbio fixo, um aumento no parâmetro r leva a uma redução do produto.

Re: v-f

QUESTÃO 10 (Anpec 2009)

Julgue as seguintes afirmativas:

Se o Banco Central institui o recolhimento compulsório de 100% dos depósitos à vista pelos bancos comerciais, o aumento da base monetária terá efeito nulo sobre os meios de pagamentos.

A rápida expansão do uso de cartões de crédito representa um choque de demanda,uma vez que eleva a velocidade da moeda.

Re: f-v