Você está na página 1de 17

Resultados 1T07

Metalfrio Solutions divulga crescimento de 83,7% da Receita


Líquida, com R$ 113,9 milhões no 1T07 comparado ao 1T06.
São Paulo, Brasil, 15 de maio de 2007 - A Metalfrio Solutions S.A. (“Metalfrio”) (Bovespa:
FRIO3), uma das maiores fabricantes mundiais de equipamentos de refrigeração comercial do
tipo Plug-in, líder neste segmento na América Latina, anuncia hoje seus resultados do 1T07. As
informações financeiras e operacionais a seguir, exceto onde indicado, são apresentadas de
acordo com a legislação Societária Brasileira e em Reais (R$), e as comparações referem-se
aos resultados do 1T06.
Durante o 1T06 os resultados da Metalfrio Solutions S.A. não contavam com a consolidação de
suas subsidiárias. As operações de assistência técnica da Life Cycle, operações na Dinamarca,
Rússia, Turquia e Estados Unidos, só passaram a ser consolidadas a partir de dezembro de
2006, quando tais empresas tornaram-se subsidiárias da controladora Metalfrio Solutions S.A.
Desta forma a comparação dos números consolidados de 1T07 com o mesmo período de 2006
deve ser feita com cautela.

Destaques do Período
Contato Relações com Investidores
Aumento de 83,7% da Receita Líquida consolidada
Luiz Eduardo Moreira Caio
(Diretor de Relações com Investidores) com R$113,9 milhões no 1T07 contra R$62,0 milhões
Tel.: +55 11 6333-9002 no 1T06
Fax.: +55 11 6333-9196
ri@metalfrio.com.br Aumento acima do esperado para as vendas da
www.metalfrio.com.br/ri operação Brasileira de 36,0% da Receita Líquida para
Av. Abrahão Gonçalves Braga, 412 Vila R$84,3 milhões no 1T07 contra R$ 62,0 milhões no
Livieiro – 04186-220 1T06.
São Paulo – SP – Brasil
Aumento de 59,0% do Lucro Bruto, de R$9,8 milhões
no 1T06 para R$15,5 milhões no 1T07.
Teleconferência de Resultados
Redução de 1,9 p.p. nas Despesas com Vendas em
Em Português relação à Receita Líquida, de 8,5% no 1T06 para 6,6%
Data: 16 de maio de 2007 (quarta-feira)
Horário: 11h00 (horário de Brasília) / 10h00 no 1T07.
(horário de NY)
Redução de 1,0 p.p. na participação do SG&A em
Telefone de conexão: +55 (11) 2101-4848 relação à Receita Líquida, de 11,5% no 1T06 para
Código de acesso: Metalfrio 10,5% no 1T07.
Em Inglês Aumento de 108,1% do EBITDA ajustado1 da
Data: 16 de maio de 2007 (quarta-feira) operação Brasil para R$7,9 milhões no 1T07 contra
Horário: 10h00 (horário de Brasília) / 09h00
(horário de NY) R$3,8 milhões no 1T06, com aumento de margem de
6,1% para 9,2%. Não houve neste período ajuste
Telefone de conexão: +1 (973) 935-8893
Código de acesso: 8756427 derivado da apropriação de incentivo fiscal, sendo que
os créditos gerados foram diferidos para
aproveitamento futuro. O ajuste do EBITDA deveu-se
a despesas não operacionais, principalmente à
provisão de despesas com o IPO.
Crescimento de 24,8% do EBITDA ajustado
consolidado, de R$4,0 milhões no 1T06 para R$5,0
milhões no 1T07.
EBITDA negativo nas operações européias de R$1,4
milhão em função da baixa estação com o inverno
Europeu e do atraso no ramp-up da operação de
nossa planta na Turquia, principalmente, e também em
nossa planta Russa que iniciaram operações neste
1T07.

1
EBITDA Ajustado exclui Resultado Não Operacional, que incluem provisões para despesas de IPO.

1 de 17
Resultados 1T07

Desempenho Operacional

Receita Bruta

Nossa Receita Bruta aumentou 59,4%, passando de R$89,8 milhões no 1T06 para R$143,1
milhões no 1T07. O aumento das vendas foi impulsionado pelo bom resultado das operações
da companhia no Brasil que aumentou 25,8%, passando de R$89,8 milhões no 1T06 para
R$113,0 milhões no 1T07 e pelo volume de vendas gerado por nossas operações européias,
que não faziam parte de nossas operações em 1T06.

Evolução da Receita Bruta (1T07 vs. 1T06 em R$ milhões)

143,1

30,1
59,4%
89,8
25,8%

Consolidado
Brasil
113,0
89,8

1T06 1T07

Destacamos o crescimento de volume da operação brasileira que superou expectativas,


chegando a 27,4% em unidades vendidas, em um período em que o Produto Interno Brasileiro
avançou apenas 4,05% segundo estimativa fornecida pela pesquisa Focus do Banco Central
do Brasil de 10 de maio de 2007. Para darmos uma idéia de sazonalidade e representatividade
deste período dentro de nossos resultados anuais, no ano passado as receitas relativas ao
primeiro trimestre representaram 21,6% da Receita Bruta e 21,4% da Receita Liquida da Cia e
o EBITDA representou 14,8% do total apurado no ano para a operação brasileira.

Unidades Vendidas da Operação Brasil (em milhares de


Receita Bruta da Operação Brasil (em R$ milhões)
unidades)

415,3 276,7

1T06 = 1T06 =
21,6% de 22,3% de
2006 2006

25,8% 27,4%
113,0 78,5
89,8 61,6

2006 1T06 1T07 2006 1T06 1T07

2 de 17
Resultados 1T07

2
Abertura da Receita Bruta Entre Operações (1T07 em
Considerando as eliminações intercompany, R$ milhões)
as operações da Europa (Dinamarca, Rússia
e Turquia) geraram um total de R$25,9
1,1
milhões em receita bruta com venda de 27,0 25,9
mil unidades e preço médio de 3,0

R$959/unidade. Além disso, a operação da


Life Cycle agregou mais R$3,0 milhões e os 143,1
EUA mais R$1,1 milhão de receita. 113,0

O grande destaque na operação Européia foi


o atraso na implantação de nossa nova
planta na Turquia, que iniciou atividades
Brasil Life Cycle Europa EUA Total
neste 1T07, e ainda não atingiu nosso nível
esperado de produção. O volume de
produção desta planta foi incapaz de atingir as ordens existentes iniciais de clientes e, portanto,
foi tratada como pré-operacional. Desta forma, sua contribuição para o resultado das
operações européias foi prejudicada, ficando o volume de vendas predominantemente por
conta da operação da Dinamarca, que representou 81,8% do total de unidades vendidas neste
continente. As vendas na Europa no primeiro trimestre são também prejudicadas pelo período
de inverno na região.

Unidades Vendidas Consolidada (em milhares de


Receita Bruta Consolidada (em R$ milhões)
unidades)

421,2 281,7
5,9 5,0

1T06 =
21,3% de 1T06 =
2006 21,9% de
415,3 2006
143,1 276,7 106,2
59,4% 72,2%
30,1 27,7
Brasil 113,0
89,8 Brasil 78,5
61,6

2006 1T06 1T07


2006 1T06 1T07

Receita Líquida e Unidades Vendidas

A Receita Líquida aumentou 83,7%, ou R$51,9 milhões, trimestre contra trimestre, alcançando
R$113,9 milhões no 1T07 contra R$62,0 milhões no 1T06.
Considerando-se apenas a operação Brasil, a Receita Líquida aumentou 36,0%, ou R$22,3
milhões, alcançando R$84,3 milhões no 1T07 contra R$62,0 milhões no 1T06.

2
Receitas das Operações líquidas de operações intercompanhia.

3 de 17
Resultados 1T07

Receita Líquida da Operação Brasil (em R$ milhões) Receita Líquida Consolidada (em R$ milhões)

290,1 295,9
5,8
1T06 =
1T06 =
21,4% de
21,0% de
2006
2006
113,9
36,0% 290,1 83,7%
84,3
62,0 29,6
Brasil
62,0 84,3

2006 1T06 1T07 2006 1T06 1T07

Além disso, as atividades de nossas subsidiárias, após ajuste de R$1,6 milhão de transações
intercompany, agregaram mais R$29,6 milhões de Receita Líquida, sendo R$2,6 milhões de
Receita Líquida das atividades da Life Cycle e outros R$27,0 milhões de Receita Líquida das
operações da Europa e dos Estados Unidos.
O número de equipamentos vendidos aumentou de 61,6 mil no 1T06 para 106,2 mil no 1T07,
aumento de 72,2%. Considerando a operação Brasil, as unidades vendidas aumentaram de
61,6 mil no 1T06 para 78,5 mil no 1T07 (com eliminação de 2,0 mil equipamentos vendidos
para a operação dos Estados Unidos), aumento de 27,3%. As subsidiárias do exterior
agregaram ainda 27,7 mil unidades no 1T07.

Evolução da Receita Líquida (1T07 vs. 1T06) Evolução de Unidades Vendidas (1T07 vs. 1T06)

113,9 106,2
9,4
6,0 3,1
62,0 83,7% 72,2% 34,5
44,7 61,6
2,4 1,7
3,6
26,6
33,1
68,6
53,8
33,4
22,8

1T06 1T07 1T06 1T07


Horizontais Verticais Especiais Outros Horizontais Verticais Especiais

A venda de equipamentos horizontais aumentou 105,5%, ou 35,2 mil unidades, alcançando


68,6 mil unidades vendidas no 1T07. A receita líquida de horizontais cresceu 135,4% em
comparação com 1T06, com aumento do preço médio3 de R$684/unidade no 1T06 para
R$784/unidade no 1T07, por influência, principalmente, do maior preço médio dos freezers e
refrigeradores horizontais da operação da Europa de R$863/unidade.
A venda de equipamentos verticais aumentou 30,1%, ou 7,9 mil unidades, alcançando 34,5 mil
unidades vendidas no 1T07. A receita líquida de verticais cresceu 35,0% em comparação com
1T06, com aumento do preço médio de R$1.248/unidade no 1T06 para R$1.295/unidade no
1T07.
O volume de venda de equipamentos das linhas especiais aumentou 77,9%, com 3,1 mil
unidades no 1T07 contra 1,7 mil unidades no 1T06. A Receita Líquida das linhas especiais
cresceu 66,3% em comparação com 1T06.

3
Entende-se neste texto o “Preço médio” como a receita líquida média por produto.

4 de 17
Resultados 1T07

A receita de outros produtos e serviços, que inclui partes de reposição e serviços de


manutenção (Life Cycle), aumentou 290,7% com a consolidação das operações da Life Cycle,
sendo de R$9,4 milhões no 1T07, contra R$2,4 milhões no 1T06.

Para todos estes valores, vale lembrar que não fazia parte de nossas operações no 1T06 as
operações da Europa, o que prejudicada a comparação entre os períodos em certos casos.

COMPOSIÇÃO DAS VENDAS LÍQUIDAS 2006 1T06 1T07 Var. % T/T Var. $ T/T

Receita Líquida (em milhões de reais)


Horizontais 106,5 22,8 53,8 135,4% +30,9
Verticais 149,5 33,1 44,7 35,0% +11,6
Especiais 24,4 3,6 6,0 66,3% +2,4
Outros 15,5 2,4 9,4 290,8% +7,0
Total 295,9 62,0 113,9 83,7% +51,9

Unidades Vendidas (em milhares)


Horizontais 149,8 33,4 68,6 105,5% +35,2
Verticais 120,1 26,6 34,5 30,1% +7,9
Especiais 11,9 1,7 3,1 77,9% +1,3
Total 281,7 61,6 106,2 72,2% +44,5

Preço Líquido Médio (em reais)


Horizontais 711 684 784 14,6% +99,6
Verticais 1.245 1.248 1.295 3,8% +47,0
Especiais 2.055 2.085 1.949 -6,5% -135,9
Médio 995 966 984 1,8% +17,6
Média Total4 1.050 1.005 1.073 6,7% +67,1

4
Média Total igual a Receita Líquida total dividido pelo número de unidades de equipamentos horizontais, verticais e
especiais. Portanto incluindo receita de serviços e partes de manutenção.

5 de 17
Resultados 1T07

Lucro Bruto e Custo do Produto Vendido

O Lucro Bruto aumentou 59,0%, em função do aumento de vendas, partindo de R$9,8 milhões
no 1T06 para R$15,5 milhões no 1T07. A Margem Bruta da operação Brasil cresceu de 15,8%
no 1T06 para 18,1% no 1T07. A melhora da Margem Bruta pode ser atribuída a alguns
avanços técnicos que levaram à redução de alguns custos de materiais; a migração da
produção das linhas especiais e de parte da produção de verticais para nossa fábrica de Três
Lagoas, que nos proporcionou economias de custo de mão de obra, e ao ganho de escala com
o aumento de volume produzido. No 1T07 foram fabricadas e faturadas por Três Lagoas 6,3 mil
unidades, predominantemente para exportação. Por esta razão, não foram aproveitados os
créditos fiscais gerados pelo acordo existente nesta localidade. Tais créditos são diferidos para
uso ao longo dos próximos trimestres. A Margem Bruta consolidada, caiu de 15,8% no 1T06
para 13,7% no 1T07 em função dos resultados das subsidiárias. Dentre os principais motivos
destacamos o atraso no ramp-up de nossas plantas na Rússia e Turquia, para onde foram
transferidas as linhas de produção dos produtos de maior valor agregado, verticais, antes
produzidos na Dinamarca. Esta, única planta Européia com operação madura, permaneceu
apenas com os produtos horizontais, que teve preço em média 33,4% menor que os verticais
no 1T07.

Nossa subsidiária Life Cycle absorve os custos de manutenção relativos ao parque de


equipamentos instalados no Brasil. Tipicamente, o primeiro trimestre tem um impacto negativo
sobre os resultados anuais em função do forte calor do verão brasileiro, que aumenta
substancialmente os números de chamados. No ano de 2006, o resultado negativo desta
subsidiária teve comportamento muito similar no primeiro trimestre, tendo sido aliviado por
performances positivas ao longo de outros meses do ano.

Nossa operação Européia apresentou Lucro Bruto de R$1,7 milhão no 1T07, equivalente a
uma margem de 6,0%. Este resultado foi substancialmente impactado pelo fato de que a
Dinamarca carrega a maior parte dos custos fixos da Europa, sendo que o inicio de operações
da Turquia ficou prejudicado neste 1T07 e nossa operação na Russia encontra-se ainda em
estágio de ramp-up. Além disso, as linhas de produtos verticais, que tem maior valor agregado,
foram transferidas no final do ano passado da Dinamarca para estes países, tendo a
Dinamarca permanecido somente com a linha de horizontais.

A recuperação dos resultados de nossa operação Européia nos próximos trimestre dependerá
em grande parte da evolução da operação em nossas plantas da Rússia e Turquia.
Acreditamos que o aumento das vendas da Rússia terá contribuição importante na melhora da
Margem Bruta destas operações.

Na Turquia, durante o 1T07 conseguimos finalizar as instalações da linha de produção


transferida da Dinamarca. Estamos ainda trabalhando na organização da produção e equilíbrio
de produtividade, bem como no desenvolvimento de fornecedores locais para certos
componentes. O desenvolvimento de uma base de fornecimento local mais ampla adiciona
flexibilidade de produção e gera potenciais reduções de custos.

Na Rússia, finalizamos a migração de uma planta CKD para uma planta de produção local no
1T07, o que implicou em várias despesas adicionais. Continuamos trabalhando no
balanceamento desta planta e aumento de produtividade, que esperamos ao longo dos
próximos meses.

6 de 17
Resultados 1T07

Já a operação de nossa distribuidora nos Estados Unidos, adquirida em 1T07, contribuiu com
R$0,35 milhão de Lucro Bruto, uma Margem Bruta de 32,5%. Esta operação, também foi
prejudicada neste período pela falta de estoque de produtos. Foi encaminhado do Brasil e da
Dinamarca um primeiro embarque de produtos para esta filial para serem vendidos em sua
área de atuação.

Despesas de Vendas, Gerais e Administrativas (SG&A)

As despesas operacionais somaram R$12,0 milhões no 1T07, diminuindo proporcionalmente à


Receita Líquida, de 11,5% no 1T06 para 10,5% no 1T07.

% da Rec. % da Rec.
SG&A (em milhões de reais) 1T06 1T07
1T06 1T07

Despesas com Vendas 5,2 7,5 8,5% 6,6%


Despesas Administrativas e Gerais 1,5 4,3 2,5% 3,8%
Honorários – Administração 0,2 0,3 0,3% 0,3%
Outras Receitas (Despesas) Operacionais 0,1 (0,1) 0,2% -0,1%
Total SG&A 7,1 12,0 11,5% 10,5%

As despesas de vendas caíram em relação à Receita Líquida de 8,5% no 1T06 para 6,6% no
1T07.
As Despesas Administrativas e Gerais aumentaram em relação à Receita Líquida de 2,5% no
1T06 para 3,8% no 1T07, principalmente por conta da inclusão neste 1T07 das operações da
Dinamarca que, conforme discutido, carregam os custos da operação Européia que teve baixos
volumes faturados na Turquia e Rússia neste período. Além disso, o custo médio por
empregados na Dinamarca é superior ao custo no Brasil. Na operação Brasil, essas despesas
diminuíram de R$1,5 milhão no 1T06 para R$1,3 milhão no 1T07, enquanto na operação da
Europa foram de R$3,0 milhões de despesas Gerais e Administrativas.

Resultado Financeiro

Nosso Resultado Financeiro Líquido no 1T07 foi 75,4% menor que no 1T06, passando de
R$4,1 milhões no 1T06 para 1,0 milhão no 1T07. Esse resultado deveu-se à diminuição das
despesas financeiras de R$3,2 milhões para R$0,9 milhão, mas com redução ainda maior das
receitas financeiras, de R$6,1 milhões para R$1,5 milhão, além de menor resultado positivo de
variação cambial, de R$1,3 milhão para R$0,4 milhão, todos respectivamente no 1T06 e 1T07.

Resultado Não Operacional

No 1T07 tivemos Resultado Não Operacional negativo de R$17,4 milhões, principalmente


composto pela provisão de R$15,9 milhões de despesas previstas com a oferta pública inicial
de ações (“IPO”) que ocorreu em 11 de Abril de 2007.

Lucro Líquido

Como resultado do exposto acima, e da apuração de imposto de renda e contribuição social


sobre o lucro líquido positivo em R$4,1 milhões, tivemos prejuízo no 1T07 de R$8,7 milhões.
Ajustando para as Despesas de IPO, líquidas de imposto de renda diferido, o Lucro Líquido
consolidado do 1T07 foi de R$1,7 milhão, comparado com R$4,4 milhões no 1T06.

7 de 17
Resultados 1T07

EBITDA, EBITDA Ajustado e Margem EBITDA

Nosso EBITDA ajustado para os Resultados Não Operacionais, que incluem provisões para
despesas do IPO de R$15,9 milhões, foi de R$5,0 milhões no 1T07, contra R$4,0 milhões no
1T06, um crescimento de 24,8%.

EBITDA ajustado e Margem de EBITDA (1T07 vs.


1T06, em R$ milhões)
5,0

+24,8%

4,0

6,5%
4,4%

1T06 1T07

A operação Brasil apresentou crescimento expressivo do EBITDA, alcançando R$7,9 milhões


no 1T07 contra R$3,8 milhões no 1T06, crescimento de 108,1%. A margem EBITDA no Brasil,
sem impacto de ganhos com incentivos fiscais, aumento de 6,1% em 1T06 para 9,2% em
1T07, basicamente em função de ganhos de escala em função de maior volume de produção,
substituição de certos componentes por alternativas de menor custo e menores custos de mão
de obra na parcela produzida em nossa planta de Três Lagoas.

O EBITDA gerado no Brasil de R$7,9 milhões foi parcialmente reduzido no resultado


consolidado em função dos resultados negativos neste período na Europa e pelos custos de
manutenção acima da média do ano observados no período de verão brasileiro, que geraram
R$1,2 milhões negativos. Acreditamos que nosso principal gerador de EBITDA neste ano será
nossa operação Brasileira. Em 2006, o EBITDA do primeiro trimestre foi responsável por 14,8%
do EBITDA do período. Além disso, os resultados do Brasil em 2007 devem ser
complementados por novo volume de exportação para o México, para onde iniciamos a
remessa de produtos com 7,3 mil peças exportadas em março.

EBITDA da Operação Brasil (em R$ milhões) EBITDA consolidado (em R$ milhões)

25,7 24,9

1T06 = 1T06 =
14,8% de 15,2% de
2006 2006

108,1% 31,8%
7,9
3,8 5,0
3,8

2006 1T06 1T07


2006 1T06 1T07

8 de 17
Resultados 1T07

Composição do EBITDA Ajustado da Companhia


(1T07 em R$ milhões)

(1,2)

(1,4)
(0,3)

7,9

5,0

Brasil Life Cycle Europa EUA Total

Vale ressaltar que neste período, não foram reconhecidos resultados advindos de incentivo
fiscal advindos da produção em Três Lagoas em função do forte volume de exportação
produzido nesta localização. Os créditos gerados serão diferidos para uso futuro.

Reconciliação do EBITDA e EBITDA Ajustado:

1T06 1T07
operação operação 1T07
EBITDA (em milhões de reais) Brasil Brasil consolidado

Lucro (Prejuízo) Líquido 4,4 (5,5) (8,7)


Depreciação e Amortização 1,1 1,4 1,5
Resultado Financeiro Líquido (4,1) (1,4) (1,0)
Imposto de Renda e Contribuição Social 2,5 (2,9) (4,1)
Res. ñ Operacional (Inclui Provisão de Desp. Do IPO) 0,0 16,4 17,4
EBITDA 3,8 7,9 5,0
Ajustes de Benefícios Fiscais 0,2 0,0 0,0
EBITDA Ajustado 4,0 7,9 5,0

Margem EBITDA (%) 6,1% 9,2% 4,4%


Margem EBITDA Ajustado (%) 6,5% 9,2% 4,4%

Capital Circulante

O Capital Circulante Líquido (“CCL”) no final do 1T07 era de R$58,7 milhões, contra R$79,5
milhões de CCL no final de 2006, diminuindo em R$21,1 milhões, principalmente devido ao
aumento de dívida de curto prazo no final do 1T07 em relação ao 4T06.
Comparando o CCL do final do 1T07 contra o 1T06, houve diminuição de R$7,2 milhões, sendo
de R$65,6 milhões no final do 1T06. Considerando somente o CCL da controladora no 1T07, a
evolução foi de R$65,6 milhões no 1T06 para R$13,0 milhões no 1T07. A redução de R$52,6
milhões foi função, principalmente, da evolução de dívida de curto prazo que era de R$16,1 mil
no final do 1T06 e de R$57,2 milhões no final do 1T07.

Var. $ 1T07 Var. $ 1T07


CAPITAL CIRCULANTE (em R$ milhões) 4T06 1T06 1T07 vs. 4T06 vs.1T06

Ativo circulante:
Caixa e equivalentes 72,9 54,3 48,6 (24,3) (5,7)
Contas a receber de clientes 78,3 38,8 97,3 19,0 58,5
Estoque 42,1 23,6 69,1 27,0 45,5
Outros 9,5 15,1 23,2 13,8 8,2
A) Total 202,7 131,8 238,2 35,5 106,4
B) Ativo circulante (menos caixa) 129,9 77,5 189,6 59,8 112,1

9 de 17
Resultados 1T07

Passivo circulante:
Fornecedores 60,7 37,4 71,5 10,8 34,1
Dívida financeira de curto prazo 31,9 16,1 63,4 31,5 47,3
Outros 30,6 12,6 44,6 14,3 32,3
C) Total 123,2 66,2 179,5 56,6 113,6
D) Passivo circulante (menos dívida) 91,3 50,0 116,1 25,0 66,3

Capital Circulante Líquido (A-C) 79,5 65,6 58,7 (20,8) (7,2)


Capital Circulante Líquido (menos caixa
líquido) (B-D) 38,5 27,5 73,5 34,7 45,8

Liquidez corrente 1,6x 2,0x 1,3x (0,3x) (0,7x)


Liquidez seca 1,3x 1,6x 0,9x (0,4x) (0,7x)

Composição de Caixa entre Subsidiárias (1T07) Composição de Contas a Receber de Clientes entre
Subsidiárias (1T07)

0,4 0,4
9,0
28,6
4,3
1,4

48,6 97,3
34,9 66,9

Brasil Life Cycle Europa EUA Total Brasil Life Cycle Europa EUA Total

Composição de Estoques entre Subsidiárias (1T07) Composição de Contas a Pagar a Fornecedores entre
Subsidiárias (1T07)

0,3
5,5
20,9
29,5 0,6

69,1 71,5

49,8
34,1

Brasil Europa EUA Total Brasil Life Cycle Europa EUA Total

Contas a Receber de Clientes

Comparado ao saldo do final do ano de 2006, houve aumento das Contas a Receber de
Clientes, líquidas de PDD, da ordem de R$19,0 milhões no 1T07, de R$78,3 no final de 2006
para R$97,3 milhões no final do 1T07.
Considerando-se a operação Brasil, a evolução das Contas a Receber de Clientes foi de
R$56,8 milhões no final de 2006 para R$66,9 milhões no final do 1T07, aumento de R$10,1
milhões, em função do aumento das vendas.
Considerando-se as operações da Life Cycle, Europa e Estados Unidos, o aumento das Contas
a Receber de Clientes foi de R$21,5 milhões no final de 2006 para R$30,4 milhões no final do
1T07, aumento de R$8,9 milhões em função também do aumento das vendas.

10 de 17
Resultados 1T07

Estoque

Comparado ao saldo do final do ano de 2006, os Estoques do final do 1T07 aumentaram de


R$42,1 milhões para R$69,1 milhões, aumento de R$27,0 milhões ou 64,2%.
Considerando-se apenas a operação Brasil, a evolução do estoque foi de R$19,6 milhões no
final de 2006 para R$34,1 milhões no final do 1T07, aumento de R$14,6 milhões em função,
principalmente, do volume de vendas do 1T07 e da previsão de vendas para o 2T07. Devido a
isso tivemos elevação do volume de estoque de produtos acabados em R$5,5 milhões e do
aumento de estoque de matéria prima em R$ 6,6 milhões.
Considerando-se as operações da Europa e Estados Unidos, o aumento do estoque foi de
R$12,5 milhões no final do 1T07 contra o final de 2006.

Fornecedores

O saldo com fornecedores no final do 1T07 era de R$71,5 milhões, aumento de R$10,8
milhões contra os R$60,7 milhões no final de 2006. Deste aumento, R$4,8 milhões são
atribuídos à operação Brasil que aumentou de R$44,9 milhões no final de 2006 para R$49,8
milhões no final do 1T07. Os demais R$5,9 milhões são atribuídos ás operações da Life Cycle,
Europa e Estados Unidos que aumentaram o saldo com fornecedores de R$15,8 milhões no
final de 2006 para R$21,7 milhões no final do 1T07.

Capitalização e Liquidez

No final do 1T07 apresentamos Dívida total de R$132,8 milhões e caixa de R$48,6 milhões,
representando Dívida Líquida de R$84,2 milhões, contra Dívida líquida de R$20,9 milhões no
final de 2006, um aumento de R$63,3 milhões devido, principalmente, ao pagamento de
R$25,5 milhões em dividendos e à necessidade de financiamento do capital de giro da
companhia, principalmente em função do volume de vendas e conseqüente aumento dos
estoques, e devido ao prazo de recebimento de exportações.
Nossa relação Dívida Líquida sobre Patrimônio Líquido aumento de 0,4x para 2,2x. Tivemos no
final do 1T07 o pagamento de dividendos extraordinários e prejuízo no trimestre por conta da
provisão de despesas do IPO que afetaram negativamente nosso Patrimônio Líquido. O
pagamento dos dividendos e o uso de recursos para capital de giro também afetaram
adversamente nossa posição de caixa.

Dívida Líquida e PL (1T07 em R$ milhões) Estrutura de Capital (1T07 a valor de livros)

48,6
63,4 Patrimônio
Líquido
31%

84,2
69,3
Dívida Líquida
38,0 69%

Dívida de L.P. Dívida de Caixa e Dívida Patrimônio


C.P. Equiv. Líquida Líquido

11 de 17
Resultados 1T07

Caixa e Aplicações Financeiras

Os recursos financeiros em caixa e aplicações financeiras diminuíram em R$24,3 milhões, de


R$72,9 milhões no final de 2006 para R$48,6 milhões no final do 1T07, em função,
principalmente dos dividendos pagos em 23 de março de 2007 no valor de R$25,5 milhões.

Dívida Financeira

No final do 1T07 apresentamos Dívida total de R$132,8 milhões, sendo R$69,4 milhões de
longo prazo e R$63,4 milhões de curto prazo, contra Dívida total de R$93,8 milhões no final de
2006, um aumento de R$39,0 milhões ou 41,6% no saldo de Dívida.
O aumento da dívida se deu, principalmente, por meio de saque de R$27,3 milhões de ACC e
R$9,2 milhões de Contratos de Pré-pagamento em função do aumento de exportações no
1T07.

Patrimônio Líquido

O Patrimônio Líquido diminuiu em R$21,3 milhões, de R$59,3 milhões no final de 2006 para
R$38,0 milhões no final do 1T07. A diminuição do PL foi função do pagamento de R$25,5
milhões de dividendos em 23 de março de 2007 e do prejuízo realizado no trimestre de R$9,0
milhões. Tal redução foi parcialmente compensada por aportes de R$12,9 milhões efetuados
durante o período.

INDICADORES DE LIQUIDEZ (em R$ Var. $ 1T07/ Var. $ 1T07/


4T06 1T06 1T07
milhões) 4T06 1T06

Caixa e equivalentes 72,9 54,3 48,6 -24,3 -5,7


Dívida de Curto Prazo (CP) 31,9 16,1 63,4 +31,5 +47,3
Dívida de Longo Prazo (LP) 61,9 31,7 69,4 +7,5 +37,6
Dívida Bruta 93,8 47,8 132,8 +39,0 +84,9
Dívida Líquida 20,9 (6,5) 84,2 +63,3 +90,6
Patrimônio Líquido (PL) 59,3 47,8 38,0 -21,6 -9,8

Caixa e equivalentes/ Dívida de CP 2,3x 3,4x 0,8x n/a n/a


Dívida de CP / (CP + LP) 34,0% 33,7% 47,8% n/a n/a
Dívida Líquida / PL 0,4x (0,1x) 2,2x n/a n/a
Dívida Líquida / (Dívida Líquida + PL) 26,0% -15,6% 68,9% n/a n/a

Investimentos

No primeiro trimestre de 2007 tivemos R$2,18 ATIVO FIXO (em R$ 4T06 1T07
Var. $ 1T07
milhões) vs. 4T06
milhões de adições ao Ativo Imobilizado,
principalmente com aquisição de máquinas e Imobilizado 37,7 38,5 +0,9
equipamentos para nossa fábrica da Turquia no Intangível 7,5 7,8 +0,3
valor de R$1,2 milhão, que complementaram os Diferido 5,1 5,8 +0,7
Total 50,2 52,1 +1,9
equipamentos transferidos de nossa planta na
Dinamarca.
Também tivemos R$0,35 milhão adicionados ao Ativo Intangível. E ainda adicionamos ao Ativo
Diferido R$0,81 milhão, sendo R$0,7 milhão de despesas pré-operacionais de nossa fábrica na
Turquia e o restante na fábrica de Três Lagoas.

12 de 17
Resultados 1T07

Sobre a Metalfrio

Metalfrio Solutions S.A. (Bovespa: FRIO3) – Somos uma das maiores fabricantes mundiais
de equipamentos de refrigeração comercial do tipo Plug-in, líder deste setor no Brasil e na
América Latina. Nosso portfólio de produtos é composto de 234 modelos de refrigeradores e
freezers verticais e horizontais do tipo Plug-in, para refrigeração de cervejas, refrigerantes,
sorvetes e alimentos congelados e resfriados em geral. Por meio de distribuição direta ou
através de distribuidores e representantes comerciais, localizados em 77 países nos cinco
continentes, fornecemos nossos produtos para clientes que estão entre os maiores fabricantes
mundiais de bebidas e comidas resfriadas ou congeladas. Operamos cinco unidades
industriais, duas localizadas no Brasil, uma na Dinamarca, uma na Turquia e uma na Rússia,
além de um centro de distribuição próprio nos Estados Unidos da América. Em 2006
alcançamos receita líquida de R$ 295,9 milhões (com 281,7 milhares de unidades vendidas),
registrando um CAGR de 37,6% em relação a 2004, e nosso EBITDA Ajustado e nosso lucro
líquido alcançaram R$ 24,9 milhões e R$ 17,0 milhões em 2006, registrando um CAGR de
84,8% e 171,9% em relação à 2004, respectivamente.

13 de 17
Resultados 1T07

Demonstração do Resultado Consolidado

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em % da rec. % da rec. Var. %


R$ milhões) 1T06 líq. 1T07 líq. 1T07/ 1T06

Receita Bruta 89,8 144,9 143,1 125,6 59,4


Vendas no mercado nacional 84,3 136,0 96,0 84,2 13,8
Vendas no mercado externo 5,5 8,9 47,1 41,4 758,6

Deduções de Receitas:
Impostos incidentes sobre vendas (26,5) (42,8) (27,9) (24,5) 5,4
Devoluções e abatimentos (1,3) (2,1) (1,3) (1,1) (3,0)
Receita Líquida de Produtos e Serviços 62,0 100,0 113,9 100,0 83,7
Custo dos produtos vendidos e serviços
prestados (52,2) (84,2) (98,3) (86,6) 88,9

Lucro Bruto 9,8 15,8 15,5 13,4 56,0

Despesas Operacionais:
Despesas com vendas (5,2) (8,5) (7,5) (6,6) 43,0
Despesas administrativas e gerais (1,5) (2,5) (4,3) (3,8) 180,1
Honorários - Diretoria (0,2) (0,3) (0,3) (0,3) 50,0
Outras despesas operacionais (0,1) (0,2) 0,1 0,1 (232,4)
Total das Despesas Operacionais (7,1) (11,5) (12,0) (10,5) 68,9

Lucro Operacional Antes Do Resultado


Financeiro 2,7 4,3 3,6 2,9 21,9

Resultado Financeiro Líquido 4,1 6,7 1,0 0,9 (75,4)


Lucro Operacional 6,8 11,0 4,5 3,8 (37,2)

Resultado Não Operacional (0,0) (0,0) (17,4) (15,2) n/a


Lucro Antes Do Imposto De Renda
e Da Contribuição Social 6,8 11,0 (12,8) (11,5) (292,1)

Imposto De Renda E Contribuição Social (2,5) (4,0) 4,1 3,6 (265,4)


Lucro Líquido Do Exercício antes
da Participação dos Minoritários 4,4 7,0 (8,8) (7,9) (307,1)

Participação dos Minoritários 0,0 0,0 0,0 0,0 n/a


Lucro Líquido Do Exercício 4,4 7,0 (8,8) (7,9) (307,1)

14 de 17
Resultados 1T07

Balanço Patrimonial Consolidado

BALANÇO PATRIMONIAL (em R$ Var. % 1T07/ Var. % 1T07/


milhões) 4T06 1T06 1T07 4T06 1T06

Ativos

Disponibilidades e Aplicações financeiras 72,9 54,3 48,6 (33,3) (10,5)


Contas a receber de clientes 78,3 38,8 97,3 24,3 150,7
Estoques 42,1 23,6 69,1 64,2 192,6
Impostos a recuperar 4,7 6,5 10,1 115,1 54,8
Imposto de renda e contribuição social
diferidos 1,1 0,0 7,0 540,5 n/a
Partes relacionadas 0,0 8,2 0,0 n/a (100,0)
Outras contas a receber 3,7 0,4 6,2 67,6 n/a
Total do circulante 202,7 131,8 238,2 17,5 80,7

Imposto de renda e contribuição social


diferidos 0,8 0,0 0,8 4,5 n/a
Impostos a Recuperar 0,3 0,1 3,0 933,1 n/a
Total do realizável a longo prazo 1,1 0,1 3,8 256,9 n/a

Imobilizado, líquido 37,7 21,8 38,5 2,3 76,5


Intangível 7,5 0,0 7,8 4,5 n/a
Diferido 5,1 2,7 5,8 13,7 112,6
Total do permanente 50,2 24,5 52,1 3,8 112,2

Total do ativo 254,0 156,5 294,2 15,8 88,0

Passivos e Patrimônio líquido

Fornecedores 60,7 37,4 71,5 17,7 91,1


Empréstimos e financiamentos 31,9 16,1 63,4 98,8 293,3
Obrigações tributárias 10,7 5,8 8,1 (24,5) 39,5
Salários e encargos sociais a recolher 5,3 2,2 7,0 31,8 222,4
Provisões diversas 4,4 2,3 23,6 430,4 929,8
Imposto de renda e contribuição social
diferidos 2,2 0,6 1,9 (12,9) 213,1
Partes relacionadas 1,5 0,0 0,0 (100,0) n/a
Outras contas a pagar 6,4 1,8 4,0 (32,6) 145,8
Total do circulante 123,2 66,2 179,5 45,9 171,8

Empréstimos e financiamentos 61,9 31,7 69,3 12,1 118,6


Obrigações tributárias 1,5 2,1 1,2 (15,9) (40,4)
Imposto de renda e contribuição social
diferidos sobre reavaliação 2,7 4,0 2,6 (6,3) (35,6)
Provisão para contingências 0,4 3,2 0,4 (5,7) (88,9)
Outras contas a pagar 4,0 1,6 2,9 (29,5) 79,0
Total do exigível a longo prazo 70,5 42,5 76,4 8,3 79,5

Participação de Minoritários 1,0 0,0 0,3 (73,1) n/a

Capital social 24,8 24,8 37,7 52,1 52,1


Reserva de capital 2,4 0,8 2,4 0,0 186,2
Reserva de reavaliação 6,7 7,8 6,4 (4,4) (17,4)
Lucros (prejuízos) acumulados 25,5 14,4 (8,5) (134,2) (160,4)
Total do patrimônio líquido 59,3 47,8 38,0 (36,4) (21,0)

Total do Passivo e Patrimônio líquido 254,0 156,5 294,2 15,8 88,0

15 de 17
Resultados 1T07

Fluxo de Caixa Consolidado

FLUXO DE CAIXA (em R$ milhões) 1T06 1T07

Lucro líquido do exercício 4.407 (8.722)


Itens que não afetam o capital circulante líquido:
Depreciação e amortização 1.116 1.450
Provisão para contingências (21) (21)
Provisões diversas 382 19.111
Variações cambiais de empréstimos de longo prazo 0 (865)
Subvenção para investimentos 213 0
Imposto de renda e contribuição social diferidos 293 (6.372)
6.390 4.547

(AUMENTO) REDUÇÃO DOS ATIVOS


Circulante:
Contas a receber de clientes (4.396) (18.990)
Estoques (5.406) (27.006)
Impostos a recuperar 2.223 (8.135)
Contas a receber de partes relacionadas (7.186) (1.497)
Outras contas a receber (52) (2.487)
(14.817) (58.115)

AUMENTO (REDUÇÃO) DOS PASSIVOS


Circulante:
Fornecedores 10.882 10.754
Impostos e contribuições a recolher (755) (2.631)
Salários e encargos sociais a recolher 612 1.690
Outras contas a pagar 420 (2.351)
Exigível a Longo Prazo:
Obrigações tributárias (166) (233)
Outras contas a pagar 194 (1.195)
11.187 6.034

CAIXA LÍQUIDO GERADO NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 2.760 (47.534)

ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS
Adições do ativo imobilizado (656) (2.177)
Adições do ativo intangível 0 (354)
Adições do ativo diferido (1.171) (812)
CAIXA LÍQUIDO UTILIZADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO (1.827) (3.343)

ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO
Aumento (Redução) dos empréstimos a curto prazo 1.150 29.620
Pagamentos de principal no curto prazo 0 (8.369)
Captações de empréstimos no longo prazo 7 18.636
Aumento de capital social 0 12.918
Pagamento de dividendos 0 (25.491)
Outras (362) (732)
CAIXA LÍQUIDO UTILIZADO (APLICADO) NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 795 26.582

AUMENTO (REDUÇÃO) LÍQUIDO DAS DISPONIBILIDADES DE FINANCIAMENTO 1.728 (24.295)

Saldo inicial das disponibilidades e aplicações financeiras 52.580 72.897


Saldo final das disponibilidades e aplicações financeiras 54.308 48.602

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Pagamento de Juros Sobre o Capital Próprio 1.701 1.873
Pagamento de Imposto de Renda e Contribuição Social 2.714 2.714

16 de 17
Resultados 1T07
Nós fazemos declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como
base crenças e suposições de nossa Administração e informações a que a Companhia atualmente tem acesso.
Declarações sobre eventos futuros incluem informações sobre nossas intenções, crenças ou expectativas atuais, assim
como aquelas dos membros do Conselho de Administração e Diretores da Companhia. As ressalvas com relação a
declarações e informações acerca do futuro também incluem informações sobre resultados operacionais possíveis ou
presumidos, bem como declarações que são precedidas, seguidas ou que incluem as palavras "acredita", "poderá",
"irá", "continua", "espera", "prevê", "pretende", "planeja", "estima" ou expressões semelhantes. As declarações e
informações sobre o futuro não são garantias de desempenho. Elas envolvem riscos, incertezas e suposições porque
se referem a eventos futuros, dependendo, portanto, de circunstâncias que poderão ocorrer ou não. Os resultados
futuros e a criação de valor para os acionistas poderão diferir de maneira significativa daqueles expressos ou sugeridos
pelas declarações com relação ao futuro. Muitos dos fatores que irão determinar estes resultados e valores estão além
da capacidade de controle ou previsão da Metalfrio.

17 de 17