Você está na página 1de 7
BreveBreveBreveBreve históriahistóriahistóriahistória dadadada MariologiaMariologiaMariologiaMariologia
BreveBreveBreveBreve históriahistóriahistóriahistória dadadada MariologiaMariologiaMariologiaMariologia
IdadeIdadeIdadeIdade AntigaAntigaAntigaAntiga (1(1-(1(1--500)-500)500)500) Primeiros séculos: homilias sobre Jesus que
IdadeIdadeIdadeIdade AntigaAntigaAntigaAntiga (1(1-(1(1--500)-500)500)500)
Primeiros séculos: homilias sobre
Jesus que mencionam Maria.
A preocupação central está em
JesusJesusJesusJesus
HumanidadeHumanidadeHumanidadeHumanidade
DivindadeDivindadeDivindadeDivindade
Brotam os dogmas da maternidade e da virgindade
Evangelhos apócrifos – crescimento da devoção mariana
OraçãoOraçãoOraçãoOração “À vossa proteção recorremos Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas
OraçãoOraçãoOraçãoOração
“À vossa proteção
recorremos Santa Mãe
de Deus. Não desprezeis
as nossas súplicas em
nossas necessidades,
Mas livrai-nos sempre de
todos os perigos, Ó
Virgem gloriosa e
bendita!”

21/08/2014

Destaca-se o primeiro milênio do Cristianismo, uma vez que este gestou uma reflexão sobre Maria
Destaca-se o primeiro
milênio do Cristianismo, uma
vez que este gestou uma
reflexão sobre Maria no
conjunto da fé cristã e da
teologia, dado que não havia
mariologia como tratado.
PaisPaisPaisPais dadadada IgrejaIgrejaIgrejaIgreja (Patrística)(Patrística)(Patrística)(Patrística) Grandes homens da
PaisPaisPaisPais dadadada IgrejaIgrejaIgrejaIgreja (Patrística)(Patrística)(Patrística)(Patrística)
Grandes homens da Igreja
(II-VII) – Oriente e Ocidente
– foram como que “Pais” da
Igreja, no sentido de que
foram eles que firmaram os
conceitos da nossa fé,
enfrentando as heresias e, de certa forma foram
responsáveis pelo que chamamos hoje de
Tradição da Igreja; são a sua fonte mais rica.
A oração “À vossa proteção” é a mais antiga oração a Nossa Senhora que se
A oração “À vossa proteção” é a mais antiga oração
a Nossa Senhora que se conhece. Encontrada num
fragmento de papiro, em 1927, no Egito, remonta ao
século III. Tem uma excepcional importância
histórica pela explícita referência ao tempo de
perseguições dos cristãos (Estamos na provação e
Livrai-nos de todo perigo) e uma particular
importância teológica por recorrer à intercessão de
Maria invocada com o título de Theotókos (Mãe de
Deus). É o título mais importante e belo da Virgem
Santíssima. Já no século II era dirigido a Maria e foi
objeto de definição conciliar em Éfeso em 431.
O texto primitivo do qual derivam as diversas variações litúrgicas (copta, grega, ambrosiana e romana)
O texto primitivo do qual derivam
as diversas variações litúrgicas
(copta, grega, ambrosiana e
romana) é o seguinte:
SobSobSobSob aaaa asaasaasaasa dadadada vossavossavossavossa misericórdiamisericórdiamisericórdiamisericórdia nósnósnósnós
nosnosnosnos refugiamos,refugiamos,refugiamos,refugiamos, TheotókosTheotókos;TheotókosTheotókos;;; nãonãonãonão recuserecuserecuserecuse
osososos nossosnossosnossosnossos pedidospedidospedidospedidos nananana necessidadenecessidadenecessidadenecessidade eeee
salvasalva-salvasalva--nos-nosnosnos dodododo perigo:perigo:perigo:perigo: somentesomentesomentesomente pura,pura,pura,pura,
somentesomentesomentesomente bendita.bendita.bendita.bendita.
TertulianoTertulianoTertulianoTertuliano (155(155-(155(155--220)-220)220)220) CristoCristoCristoCristo
TertulianoTertulianoTertulianoTertuliano (155(155-(155(155--220)-220)220)220)
CristoCristoCristoCristo nasceunasceunasceunasceu dadadada VirgemVirgemVirgemVirgem MariaMaria.MariaMaria
CriticaCriticaCriticaCritica oooo docetismodocetismodocetismodocetismo quequequeque negavanegavanegavanegava aaaa
humanidadehumanidadehumanidadehumanidade dededede CristoCristo.CristoCristo
EstabeleceEstabeleceEstabeleceEstabelece aaaa relaçãorelaçãorelaçãorelação dededede EvaEvaEvaEva eeee MariaMaria:MariaMaria:::
EvaEvaEvaEva ergueuergueuergueuergueu oooo edifícioedifícioedifícioedifício dadadada morte,morte,morte,morte, Maria,Maria,Maria,Maria,
ergueuergueuergueuergueu oooo edifícioedifícioedifícioedifício dadadada vidavida.vidavida
OriginesOriginesOriginesOrigines (185(185-(185(185--251)-251)251)251)
UmUmUmUm dosdosdosdos primeirosprimeirosprimeirosprimeiros aaaa falarfalarfalarfalar dededede MariaMariaMariaMaria
TheotókosTheotókosTheotókosTheotókos –––– porqueporqueporqueporque gerougerougerougerou Jesus,Jesus,Jesus,Jesus, filhofilhofilhofilho dededede
Deus,Deus,Deus,Deus, comocomocomocomo homemhomem.homemhomem
JoãoJoãoJoãoJoão CrisóstomoCrisóstomoCrisóstomoCrisóstomo (344(344-(344(344--407)-407)407)407) FalaFalaFalaFala
JoãoJoãoJoãoJoão CrisóstomoCrisóstomoCrisóstomoCrisóstomo (344(344-(344(344--407)-407)407)407)
FalaFalaFalaFala dadadada virgindadevirgindadevirgindadevirgindade dededede MariaMaria.MariaMaria
AgostinhoAgostinhoAgostinhoAgostinho (354(354-(354(354--430)-430)430)430)
DefendeuDefendeuDefendeuDefendeu aaaa maternidadematernidadematernidadematernidade divinadivinadivinadivina eeee reforçoureforçoureforçoureforçou
suasuasuasua virgindadevirgindadevirgindadevirgindade perpétuaperpétua.perpétuaperpétua OOOO FilhoFilhoFilhoFilho dodododo
homemhomemhomemhomem nasceunasceunasceunasceu dadadada virgemvirgemvirgemvirgem MariaMariaMariaMaria porporporpor obraobraobraobra
dodododo EspíritoEspíritoEspíritoEspírito SantoSanto.SantoSanto ConcebeuConcebeuConcebeuConcebeu eeee permaneceupermaneceupermaneceupermaneceu
virgemvirgem.virgemvirgem
MariaMariaMariaMaria éééé aaaa MãeMãeMãeMãe dadadada Igreja,Igreja,Igreja,Igreja, nononono
sentidosentidosentidosentido dededede modelo,modelo,modelo,modelo, purapurapurapura eeee virgem,virgem,virgem,virgem, eeee pobrepobre.pobrepobre

21/08/2014

SobreSobreSobreSobre algunsalgunsalgunsalguns padrespadrespadrespadres JustinoJustinoJustinoJustino
SobreSobreSobreSobre algunsalgunsalgunsalguns padrespadrespadrespadres
JustinoJustinoJustinoJustino (100(100-(100(100--165)-165)165)165)
OOOO maismaismaismais importanteimportanteimportanteimportante
RelaçãoRelaçãoRelaçãoRelação entreentreentreentre EvaEvaEvaEva
apologistaapologistaapologistaapologista dodododo sécséc.sécséc
eeee MariaMaria:MariaMaria:::
IIIIIIII
SeSeSeSe EvaEvaEvaEva gerougerougerougerou aaaa morte,morte,morte,morte, aaaa desobediência,desobediência,desobediência,desobediência,
MariaMariaMariaMaria gerougerougerougerou aaaa vidavidavidavida eeee aaaa obediênciaobediênciaobediênciaobediência
IrineuIrineuIrineuIrineu dededede LionLionLionLion (150)(150)(150)(150)
OOOO maismaismaismais importanteimportanteimportanteimportante teólogoteólogoteólogoteólogo dodododo sécséc.sécséc
IIIIIIII
RelaçãoRelaçãoRelaçãoRelação entreentreentreentre EvaEvaEvaEva eeee MariaMariaMariaMaria –––– discípulodiscípulodiscípulodiscípulo dededede
JustinoJustinoJustinoJustino
EvaEvaEvaEva tornoutornou-tornoutornou--se-sesese nananana causacausacausacausa dadadada mortemorte;mortemorte;;; MariaMariaMariaMaria aaaa
causacausacausacausa dadadada SalvaçãoSalvaçãoSalvaçãoSalvação
GregórioGregórioGregórioGregório dededede NanzianzoNanzianzoNanzianzoNanzianzo (330(330-(330(330--390)-390)390)390)
GregórioGregórioGregórioGregório dededede NanzianzoNanzianzoNanzianzoNanzianzo (330(330-(330(330--390)-390)390)390)
FalaFalaFalaFala dededede MariaMariaMariaMaria comocomocomocomo TheotókosTheotókos.TheotókosTheotókos
MariaMariaMariaMaria éééé aaaa MãeMãeMãeMãe dededede Deus,Deus,Deus,Deus, gerougerougerougerou oooo FilhoFilhoFilhoFilho nananana
carne,carne,carne,carne, nãonãonãonão quequequeque aaaa divindadedivindadedivindadedivindade provémprovémprovémprovém dededede Maria,Maria,Maria,Maria,
porqueporqueporqueporque desdedesdedesdedesde sempresempresempresempre foifoifoifoi divino,divino,divino,divino, masmasmasmas paraparaparapara sesesese
encarnarencarnarencarnarencarnar foifoifoifoi precisoprecisoprecisopreciso dededede MariaMaria.MariaMaria SeSeSeSe negarmosnegarmosnegarmosnegarmos
isso,isso,isso,isso, nãonãonãonão compreendemoscompreendemoscompreendemoscompreendemos oooo mistériomistériomistériomistério divinodivino.divinodivino
GregórioGregórioGregórioGregório dededede NissaNissaNissaNissa (335(335-(335(335--394)-394)394)394)
MariaMariaMariaMaria éééé aaaa advogadaadvogadaadvogadaadvogada dededede EvaEva:EvaEva:::
“O“O“O“O primeiroprimeiroprimeiroprimeiro caiucaiucaiucaiu nononono pecadopecado;pecadopecado;;; oooo segundosegundosegundosegundo
reerguereerguereerguereergue oooo homemhomem;homemhomem;;; aaaa mulhermulhermulhermulher encontrouencontrouencontrouencontrou aaaa
suasuasuasua advogadaadvogadaadvogadaadvogada emememem umaumaumauma outraoutraoutraoutra mulhermulher:mulhermulher::: MariaMariaMariaMaria
éééé aaaa ‘‘advocata‘‘advocataadvocataadvocata EvaeEvae’”EvaeEvae’”’”’”
IdadeIdadeIdadeIdade MédiaMédiaMédiaMédia (500(500-(500(500--1500)-1500)1500)1500) Distanciamento da figura de Jesus.
IdadeIdadeIdadeIdade MédiaMédiaMédiaMédia (500(500-(500(500--1500)-1500)1500)1500)
Distanciamento da figura de Jesus.
Cresce a devoção a Maria e aos santos.
Tem destaque o Tratado da
Santíssima Virgem de São
Bernardo de Claraval (1090-1153)
É sua: “Ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria”.
Oração “Ó Piíssima Virgem Maria, jamais se ouviu dizer que algum daqueles que a vós
Oração
“Ó Piíssima Virgem Maria, jamais se ouviu
dizer que algum daqueles que a vós recorrido
e implorado a vossa assistência foste
abandonado. Animado eu com igual
confiança, ó Virgem das virgens, a vós como
mãe recorro, e gemendo debaixo dos meus
pecados, me prostro aos vossos pés. Não
desprezeis as minhas súplicas, ó mãe do Verbo
encarnado, mas ouvi-as favoravelmente, e
dignai-vos a atender-me. Amém.”
IdadeIdadeIdadeIdade ModernaModernaModernaModerna (1500(1500-(1500(1500--1800)-1800)1800)1800) Temos uma mariologia mais
IdadeIdadeIdadeIdade ModernaModernaModernaModerna (1500(1500-(1500(1500--1800)-1800)1800)1800)
Temos uma mariologia mais sistemática.
No século XVI, a Reforma
Protestante, ao centrar-se
na salvação em Cristo,
promove um corte radical
na devoção aos santos e a
Maria.
Martim Lutero
1517 – 95 teses
1521 – anátema
Contra o crescimento da razão moderna, autônoma, antireligiosa e antieclesiástica, cresce, nos século XVIII e
Contra o crescimento da razão moderna,
autônoma, antireligiosa e antieclesiástica,
cresce, nos século XVIII e XIX, a mariologia
devocional, de cunho afetivo, no qual se
misturam elementos simbólicos e racionais.
São Luís Maria de Montfort
(+1716), no Tratado da
Verdadeira Devoção a
Santíssima Virgem, afirma:
Maria é a rainha do céu e da terra.

21/08/2014

No Oriente floresce rica iconografia hinos litúrgicos No Ocidente, a partir do Renascimento, multiplicam-se pinturas
No Oriente floresce
rica iconografia
hinos litúrgicos
No Ocidente, a partir do Renascimento,
multiplicam-se pinturas e esculturas apresentando
em Maria traços humanos de beleza ímpar.
Na Idade Média, o
culto vai à frente da
teologia. Fala-se de
Maria de uma forma
mais simbólica do
que dogmática.
Século XV – surge o Rosário de 150 Ave-Marias
Em reação, a Contrareforma Católica retoma com mais vigor a figura de Maria, em contexto
Em reação, a Contrareforma
Católica retoma com mais
vigor a figura de Maria, em
contexto polêmico.
Fortalece o culto a Maria, separada da
pessoa de Jesus. E a partir do final do
século XVI, criou-se a mariologia dos
“privilégios”.
É apresentado uma mariologia Triunfalista Maximalista Pra Maria não há limites A proclamação dos dogmas
É apresentado uma mariologia
Triunfalista
Maximalista
Pra Maria não há limites
A proclamação dos dogmas da
Imaculada Conceição (1854) e da
Assunção (1950) aumentaram
ainda mais a “euforia mariana”.
BreveBreveBreveBreve históriahistóriahistóriahistória dadadada mariologiamariologiamariologiamariologia ––––
BreveBreveBreveBreve históriahistóriahistóriahistória dadadada mariologiamariologiamariologiamariologia –––– ConcílioConcílioConcílioConcílio VaticanoVaticanoVaticanoVaticano IIIIIIII
Na busca da centralidade de Cristo, coloca-se as devoções em segundo lugar. A renovação dogmática
Na busca da centralidade
de Cristo, coloca-se as
devoções em segundo
lugar.
A renovação dogmática
inicia uma releitura dos
dogmas, a partir da Bíblia e
da evolução histórica, e
assim desmonta a
mariologia armada
somente sobre devoções,
silogismos e argumentos
de conveniência.
Na década de 1970, a devoção e a teologia marianas entram numa crise sem precedentes:
Na década de 1970, a devoção e a
teologia marianas entram numa
crise sem precedentes: um
“minimalismo mariano”.
Em resposta se dá uma retomada
da mariologia.
Consideremos:

21/08/2014

Esses exageros vão diminuir somente com o advento do Concílio Vaticano II – que foi
Esses exageros vão diminuir somente com
o
advento do Concílio Vaticano II – que foi
o
tempo:
Revisão e mudança na Igreja;
Refontização;
Centralidade na pessoa de Jesus;
Lugar de Maria na cristologia.
O Concílio inseriu Maria no capítulo VIII da Lumen Gentium. Situou Maria no mistério de
O Concílio inseriu Maria no capítulo VIII
da Lumen Gentium. Situou Maria no
mistério de Cristo e da Igreja.
Giovanni Battista Enrico Antonio Maria Montini Paulo VI – 21/06/1963 06/08/1978 1974 Exortação Apostólica
Giovanni Battista Enrico Antonio Maria Montini
Paulo VI – 21/06/1963
06/08/1978
1974
Exortação Apostólica
Marialis Cultus
Preciosos elementos para a
renovação do culto a Maria, à luz do
Concílio.
Karol Józef Wojtyla João Paulo II – 16/10/1978 02/04/2005 1987 Encíclica
Karol Józef Wojtyla
João Paulo II – 16/10/1978
02/04/2005
1987
Encíclica
RedemptorisRedemptorisRedemptorisRedemptoris MaterMaterMaterMater
Sistematiza dados sobre Maria, na Bíblia e na Tradição.
2002
Carta Apostólica
RosariumRosariumRosariumRosarium VirginisVirginisVirginisVirginis MariaeMariaeMariaeMariae
Incentiva essa devoção: inclui o mistério luminoso.
De outro lado, reaviva-se na Igreja a mariologia de privilégios, o maximalismo mariano, a devoção
De outro lado,
reaviva-se na Igreja a
mariologia de
privilégios, o
maximalismo
mariano, a devoção
mariana sem limites.
Está organizado 1. Introdução; 2. A missão de Maria na história da salvação; 3. Maria
Está organizado
1. Introdução;
2. A missão de Maria na história da
salvação;
3. Maria e a Igreja;
4. O culto de Maria na Igreja;
5. Conclusão: Maria, sinal de
esperança para o Povo de Deus
peregrino.

21/08/2014

Atualmente Por um lado, a reflexão sobre Maria, expressa a pluralidade do mundo e de
Atualmente
Por um lado, a reflexão sobre Maria, expressa a
pluralidade do mundo e de suas culturas; busca
de interpretação dos dogmas marianos com
dupla fidelidade á Tradição e à
contemporaneidade; aproximação entre Bíblia,
Culto e Dogma; relação entre Maria e o Espírito
Santo; cresce a
espiritualidade mariana
centrada em Jesus e na
Trindade.
Linhas básicas da mariologia no Vaticano II O capítulo VIII da Lumen Gentium, é a
Linhas básicas da mariologia no Vaticano II
O capítulo VIII da Lumen Gentium, é a
mais importante referência do Magistério
sobre Maria. É um documento oficial. Ele
conseguiu conciliar diferentes posições a
respeito da Mãe de Jesus, no espírito de
sensibilidade aos sinais dos tempos, deve
ser reconhecido como tal e difundido
amplamente.
O que nos apresenta o Documento Conciliar Maria não está isolada, mas sim em relação
O que nos apresenta o Documento Conciliar
Maria não está isolada, mas sim em
relação de interdependência com Cristo
e a comunidade de seus seguidores.
É reconhecida como “Mãe
dos membros
Porque
cooperou com o seu amor
para que na Igreja
nascessem os fiéis,
membros daquela cabeça”.
Situam Maria na comunhão dos santos, e não de forma isolada. Ela “ocupa depois de
Situam Maria na comunhão dos santos,
e não de forma isolada. Ela “ocupa
depois de Cristo o lugar mais elevado e
também o mais próximo de nós”.
Amplia as características do seu perfil bíblico-teológico Conhecer Maria a partir da história da salvação.
Amplia as características do seu
perfil bíblico-teológico
Conhecer Maria a partir da história
da salvação. Ao trazer à luz os textos
dos Evangelhos sobre a Maria de
Jesus, o Concílio traça um perfil
dinâmico de Maria.
Bases teológicas: Jesus é o único mediador, Maria e os santos cooperam na missão salvífica
Bases teológicas: Jesus é o único mediador,
Maria e os santos cooperam na missão
salvífica de Jesus.
Nenhuma criatura jamais pode ser colocada no
mesmo plano do Jesus. Mas o sacerdócio de
Cristo é participado de vários modos pelo Povo
de Deus, e a bondade de Deus é difundida nas
criaturas. A única mediação do Redentor
suscita nas criaturas uma variada cooperação,
que participa de uma única fonte.

21/08/2014

Os dogmas são iluminados pela história da salvação; Sem a lógica dos privilégios e os
Os dogmas são iluminados pela história da
salvação;
Sem a lógica dos privilégios e os argumentos
de conveniência, podemos elaborar um
discurso equilibrado, lúcido e atual;
Não encerra a discussão mariana;
Articula-se principalmente com textos
bíblicos e patristicos;
Na Anunciação, Maria não é um instrumento passivo, mas cooperou para a salvação com livre
Na Anunciação, Maria não é um instrumento
passivo, mas cooperou para a salvação com
livre fé e obediência. Num processo:
concepção até a cruz.
No ministério público de Jesus, avançou em
peregrinação de fé, de Caná até a cruz.
Em Pentecostes e na Assunção, para que mais
plenamente estivesse conforme o seu Filho,
foi exaltada como Rainha do Universo.
No entanto, é reconhecido pelo concílio a legitimidade de recorrer à intercessão de Maria, pois
No entanto, é reconhecido pelo concílio
a legitimidade de recorrer à intercessão
de Maria, pois trata-se de cooperação
na única mediação de Cristo. A
colaboração de Maria não está no
mesmo plano da missão redentora de
Jesus. Situa-se em função dessa missão
e dela depende incondicionalmente.
Maria é simultaneamente membro, mãe e modelo da Igreja: Não se trata apenas da maternidade
Maria é simultaneamente membro, mãe
e modelo da Igreja:
Não se trata apenas da maternidade biológica.
Maria foi mãe, companheira e serva do Senhor,
tornando-se assim, para nós, mãe, na ordem da
Graça.
Está intimamente relacionada com a Igreja. Como
Maria, a Igreja é mãe e virgem: gera novos filhos
pelo batismo, guarda a palavra dada ao Esposo,
vive na fé, esperança e caridade.
Alerta sobre os equívocos dos extremos do minimalismo e do maximalismo Assim, nem toda forma
Alerta sobre os equívocos dos extremos do
minimalismo e do maximalismo
Assim, nem toda forma de devoção mariana
é aceita pela Igreja
A verdadeira devoção a Maria não
consiste num estéril e transitório afeto,
nem numa vã credulidade, mas no
reconhecimento da figura de Maria e no
seguimento de suas virtudes.

21/08/2014

É peregrina: distanciando-se do discurso triunfalista dos privilégios marianos, é figura realizada do cristão e
É peregrina: distanciando-se do discurso
triunfalista dos privilégios marianos, é figura
realizada do cristão e da Igreja.
Maria assunta ao céu é “imagem e início da Igreja
que se há de consumar no século futuro, assim
também, na terra, brilha como sinal de esperança
segura e de consolação, para o Povo de Deus ainda
peregrinamente, até que chegue o dia do Senhor”