Você está na página 1de 7

História

Fascículo 04
Cinília Tadeu Gisondi Omaki
Maria Odette Simão Brancatelli
Índice

História Geral

Idade Contemporânea: Guerra Fria ............................................................................................. 1


Exercícios ...........................................................................................................................................3
Gabarito ............................................................................................................................................5
História Geral

Idade Contemporânea: Guerra Fria

Bipolarização entre EUA (capitalismo) e URSS (socialismo), estado de constante


hostilidade entre as duas superpotências e seus aliados e corrida armamentista e tecnológica, mas sem
conflito armado direto, caracterizaram a Guerra Fria, que vigorou entre o fim da Segunda Guerra
Mundial e a crise do socialismo real no final dos anos 1980.
A expansão do socialismo no pós-guerra e a desestruturação socioeconômica da Europa
Ocidental, criaram um cenário de tensões, inseguranças e incertezas, iniciado no continente europeu e
logo expandido para outros pontos do mundo.
Tradicionalmente as fases da Guerra Fria são, a Guerra Fria “Clássica” (1945 – 1953), o
período do Degelo ou da Coexistência Pacífica (1953 – 1968) e a política da Détente ou da Distensão
(1968 – 1989).

Marcos iniciais da Guerra Fria


Bloco Capitalista

Em 1946, Churchill discursa nos EUA e pede para que estes se tornem os protetores do
“mundo livre”, pois a Grã-Bretanha, não poderia mais manter tal papel. Também solicita ajuda
econômica e militar contra o avanço soviético, em especial para Grécia e Turquia.
Doutrina Truman (1947) – o presidente Truman responde às denúncias de Churchill através de sua
Doutrina e pede ao Congresso Americano ajuda econômica e militar para os governos europeus,
especialmente à Turquia e à Grécia. Os EUA passaram a assumir a tarefa de “protetores” da
democracia, reagindo, imediatamente, ao menor sinal de avanço socialista. A Doutrina Truman pode
ser considerada marco inicial da Guerra Fria.
Plano Marshall (1947) – ajuda econômica para a Europa e considerado “braço econômico” do Bloco
Capitalista no início da Guerra Fria.
Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) 1949 – força político-militar com objetivos
“defensivos”, inicialmente composta por países da Europa Ocidental, EUA e Canadá.

Bloco Socialista
Comitê de Informação dos Partidos Comunistas e Operários (Kominform) 1947 – criado pela
URSS para unificar a ação comunista na Europa Oriental, transmitindo a orientação soviética aos
partidos comunistas de cada país de seu bloco e garantir o controle político sobre o Leste europeu
(“sovietização” do socialismo). Única exceção foi a Iugoslávia, que se rebelou em 1948, enquanto as
demais democracias populares foram forçadas a admitir a intervenção soviética, que não hesitou em
usar de violência para manter o controle sobre seu bloco.
Conselho para Assistência Econômica Mútua (Comecon) 1949 – orientado pelos princípios da
planificação econômica e criado pela URSS para ajudar na reconstrução do Bloco Socialista.
Tratado de Assistência Mútua da Europa Oriental (Pacto de Varsóvia) 1955 – aliança militar
do Bloco Socialista e formada por países da Europa Oriental e a URSS.

1
Principais acontecimentos
Crise ou Bloqueio de Berlim (1948-49) – com o fim da Segunda Guerra, o Acordo de Potsdam
(1945) dividiu a derrotada Alemanha nazista e sua capital em quatro zonas de ocupação entre URSS,
EUA, Grã-Bretanha e França. Em 1948, a URSS impôs bloqueio terrestre à Berlim, localizada em sua
zona, como reação à possibilidade de unificação administrativa na parte capitalista. Depois desse
incidente, resolvido diplomaticamente, surgiram a República Federal da Alemanha (capital Bonn), sob
o governo capitalista do chanceler Konrad Adenauer e a República Democrática Alemã, inspirada no
modelo soviético, com capital em Berlim Oriental.
Guerra da Coréia (1950-53) – a derrota japonesa na Segunda Guerra Mundial (1945) permitiu a
libertação da Coréia pelas tropas aliadas, mas o país foi dividido em dois setores de ocupação
(norte-americano e soviético), pelo paralelo 38º. A divisão do país, as tensões relacionadas com a
Guerra Fria e a vitória comunista de Mao Tsé-tung na Revolução Chinesa, em 1949, desencadearam a
Guerra da Coréia, iniciada após a invasão do sul pelos norte-coreanos, em 1950. A Coréia do Sul
recebeu apoio militar dos Estados Unidos, enquanto a do Norte da China e da URSS. O conflito
terminou com a assinatura do Armistício de Panmunjom (1953), que ratificou a divisão da Coréia
efetuada anteriormente.
Guerra do Vietnã (1960-75) – a luta pela descolonização da Indochina começou no Vietnã e foi
liderada por Ho Chi Minh - Guerra da Indochina (1946-54). Na Conferência de Genebra (1954), a
França reconheceu a independência do Laos, Camboja e Vietnã – este dividido em Norte (socialista) e
Sul (capitalista). As eleições que reunificariam o Vietnã em 1956, não aconteceram, devido ao golpe
de Estado de Ngo Dinh Diem (Sul) que estabeleceu uma ditadura militar em 1955, apoiado pelos
Estados Unidos. A resistência ao governo golpista gerou a formação da Frente de Libertação Nacional,
cujo braço armado eram os vietcongues, e a Guerra do Vietnã. Nos anos 1960, auge da Guerra Fria, a
guerra no Sudeste asiático ampliou-se com a intervenção militar norte-americana. A saída dos Estados
Unidos e o avanço das tropas comunistas levaram à rendição do Sul, em 1975, permitindo a
reunificação do país, em 1976, e o nascimento da República Socialista do Vietnã.
Muro de Berlim (1961) – o interesse soviético em bloquear fugas para o lado capitalista de Berlim e
enfraquecer as expectativas reunificadoras, levou a Alemanha Oriental a erguer o muro em 1961. O
“muro da vergonha” dividiu famílias e ideologias, transformando-se em um dos principais símbolos da
Guerra Fria.
Crise dos mísseis (1962) – em 1959, Fidel Castro e alguns companheiros, contando com o apoio
camponês, derrubaram o ditador cubano Fulgêncio Batista. O governo revolucionário demonstrou,
desde o início, uma grande preocupação com a justiça social. A reação americana foi imediata,
merecendo destaque, o embargo comercial e a pressão para que Cuba fosse expulsa da OEA. Isolada
política e economicamente, Cuba aproxima-se da URSS, ampliando o Bloco Socialista. Mas, o
momento de maior tensão aconteceu em 1962, quando os EUA descobriram que mísseis soviéticos
estavam sendo instalados em Cuba – Crise dos Mísseis. A conscientização das graves conseqüências de
um confronto armado direto, levou os líderes das superpotências ao entendimento. A URSS
concordou em retirar seus mísseis e os EUA aceitaram a perda do monopólio político-ideológico no
continente.
Primavera de Praga (1968) – as intenções de modernizar a economia e o Estado, buscando uma via
independente e mais humanizada de socialismo, pelo presidente, da então Tchecoslováquia, Dubcek,
provocou a imediata reação soviética, que a fim de manter seu controle sobre a Europa Oriental,
enviou tropas do Pacto de Varsóvia, reprimindo a “Primavera de Praga”.
Maio de 1968 – ‘’é proibido proibir’’ e ‘’paz e amor’’ foram palavras de ordem de uma geração,
nascida em plena Guerra Fria, e que viveu os ‘’anos rebeldes’’ – a década de 1960. Na França, em
1968, os estudantes protestaram contra as reformas educacionais, além de pedirem maior liberdade,
criticando abertamente o conservadorismo.
A repressão às manifestações, particularizadas por unir estudantes e trabalhadores, acordos
trabalhistas e as férias escolares, esvaziaram o movimento. Mas o exemplo francês se espalhou pelo
mundo motivando outras ações da juventude, em particular nos EUA contra a Guerra do Vietnã e no

2
Brasil contra a ditadura militar.
Corrida espacial – as pesquisas espaciais tiveram destacado papel na tensão entre Estados Unidos e
URSS, transformando a eficiência tecnológica em uma importante arma político-ideológica. A corrida
espacial começou em 4 de outubro de 1957, quando foi lançado o primeiro satélite em órbita da
Terra pela União Soviética, o Sputnik-1. A competição aumentou quando os soviéticos, um mês depois
do Sputnik-1, enviaram o Sputnik-2. Em 1961 a URSS comemorou o primeiro vôo tripulado,
transformando Iúri Gagárin no primeiro astronauta da história. Apenas em 20 de julho de 1969, os
norte-americanos conseguiram impor-se, enviando a Apolo-11, com os primeiros astronautas, à Lua.
Acordos sobre controle de armas – os primeiros acordos assinados entre as superpotências para
diminuir a escalada armamentista foram o Salt-1(1972) que limitou o número de mísseis antibalísticos
e congelou por cinco anos a construção de plataformas de mísseis intercontinentais e o Salt-2 (1979)
que determinou a redução de mísseis e bombardeios estratégicos.

Prof.a Cinília Tadeu Gisondi Omaki

Exercícios

01. (FGV maio 98) A política anticomunista acentuou-se nos países capitalistas após a Segunda Guerra
Mundial. Nos EUA pós-guerra, esta expressou-se através:
a. do assassinato dos líderes sindicais Sacco e Vanzetti.
b. do Comitê de Atividades Antiamericanas destinado a investigar e perseguir condutas consideradas
desleais para com a política oficial dos EUA.
c. do decreto Roosevelt, que indicou o republicano J. McCarthy à presidência da Polícia Federal dos
EUA.
d. da criação da Polícia Federal, dirigida pelo senador McCarthy.
e. da indicação do General Eisenhower à presidência do Senado.

02. (PUCCAMP 99) Leia o seguinte texto sobre a Segunda Guerra Mundial:
“Antes mesmo de findar a guerra, as grandes potências [vitoriosas] firmaram acordos
sobre seu encerramento, além de definirem partilhas, inaugurando novos confrontos que poderiam
desencadear uma hecatombe nuclear.”
Considere as alternativas abaixo, relacionando-as com os efeitos dos confrontos citados.
I. A Instituição de duas Alemanhas – a República Federal Alemã e a República Democrática Alemã –
e a divisão da cidade de Berlim em quatro zonas.
II. O surgimento de dois Estados Coreanos: a República da Coréia e a República Popular Democrática
da Coréia do Norte.
III. A divisão do Vietnã em Vietnã do Norte e Vietnã do Sul.
IV. A Conferência de Bandung e a demarcação de áreas de influências européias.

Estão corretas somente:


a. I e II
b. III e IV
c. I, II e III
d. I, II e IV
e. II, III e IV

3
03. (PUCSP 96)
“Circo russo na cidade: não alimentem os animais.”
(grafite nos muros de Praga em 1968)

“Os conselhos eram: ignorem os soviéticos, tratem-nos como coisas, beijem e namorem
sob seus narizes. Vivam. Mas façam em torno deles barragens invisíveis.”

Godfelder, Sonia. A Primavera de Praga. S. Paulo, Brasiliense, 1981.

A indisposição dos tchecos, em relação aos soviéticos na circunstância indicada pelas citações
anteriores, era devida:
a. à grande presença, em território nacional, de dissidentes soviéticos asilados pelo Estado, os quais
gozavam de privilégios não desfrutados pelos cidadãos tchecos.
b. à interrupção, por parte da URSS, do fornecimento de gêneros alimentícios e material bélico, para
que a Tchecoslováquia mantivesse sua superioridade frente aos poloneses.
c. à histórica discriminação dirigida pelos tchecos aos povos eslavos e que foi reativada com a atuação
da Igreja Ortodoxa Russa.
d. à intervenção militar praticada pelo governo soviético na Tchecoslováquia, como resposta a uma
tentativa da sociedade tcheca de ampliar as liberdades individuais no interior de um regime
comunista.
e. à iniciativa tcheca de romper com o regime comunista e negar a influência da URSS, optando pela
aliança com o governo americano e pela reorientação da economia, no sentido de sua estatização.

04. (PUCCAMP 94) “...inspirado por razões humanitárias e pela vontade de defender uma certa concepção
de vida ameaçada pelo comunismo, constitui também o meio mais eficaz de alargar e consolidar a
influência norte-americana no mundo, um dos maiores instrumentos de sua expansão (...) tem por
conseqüência imediata consolidar os dois blocos e aprofundar o abismo que separava o mundo
comunista e o Ocidente...”
“...as partes estão de acordo em que um ataque armado contra uma ou mais delas na
Europa ou na América do Norte deve ser considerado uma agressão contra todas; e,
conseqüentemente, concordam que, se tal agressão ocorrer, cada uma delas (...) auxiliará a parte ou
as partes assim agredidas (...)”

Os textos identificam, respectivamente:


a. a Doutrina Monroe e a Organização das Nações Unidas (ONU).
b. o Plano Marshall e a organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).
c. o Pacto de Varsóvia e a Comunidade Econômica Européia (CEE).
d. o Pacto do Rio de Janeiro e o Conselho para Assistência Econômica Mútua (COMECON).
e. a Conferência do Cairo e a Organização dos Estados Americanos (OEA).

05. (PUCMG 97) A Guerra do Vietnã ultrapassa os limites da luta pela libertação do domínio estrangeiro e
se insere nos quadros da Guerra Fria, quando:
a. a URSS oferece seu apoio irrestrito ao partido comunista de Ho Chi Minh.
b. os EUA atuam no sentido de impedir o avanço do comunismo no sudeste asiático.
c. o regime comunista do Vietnã do Norte se alia ao regime socialista de Mao Tsé tung.
d. a aliança França-EUA se consolida na luta contra a libertação da Indochina.
e. a política bem sucedida de Ho Chi Minh se expande por toda a península indochinesa.

4
Gabarito

01. Alternativa b.
Os Estados Unidos assumiram o papel de “protetores” da democracia a partir da Doutrina
Truman (1947). O comunismo visto como maior ameaça ao mundo livre gerou, nos anos 1950, um
quadro de histeria, medo e desconfiança entre os norte-americanos, fortemente alimentado pela
propaganda oficial. Uma de suas conseqüências foi o “macartismo”, que perseguiu, prendeu e
interrogou todos sob suspeita de apresentarem um comportamento considerado não “americano”,
por meio do Comitê de Atividades Antiamericanas, criado pelo senador Joseph McCarthy.

02. Alternativa c.
As afirmativas corretas I, II e III podem ser relacionadas com importantes tensões da
Guerra Fria.
I. Crise ou Bloqueio de Berlim e a posterior construção do “muro da vergonha”.
II. A divisão da Coréia, após a Segunda Guerra Mundial, gerou a Guerra da Coréia (1950-53), primeiro
confronto armado da Guerra Fria.
III. O fim da Guerra da Indochina (1946-54) dividiu o Vietnã em Norte (socialista) e Sul (capitalista),
mas as arbitrariedades do governo do sul causaram um dos conflitos mais marcantes da Guerra Fria
– a Guerra do Vietnã (1960-75).

03. Alternativa d.
O presidente tcheco Dubcek ao buscar uma via independente e mais humanizada de
socialismo provocou a reação soviética, que, buscando preservar sua hegemonia no Leste Europeu,
enviou tropas do Pacto de Varsóvia, reprimindo a ‘’Primavera de Praga’’, em 1968.

04. Alternativa b.
A alternativa correta é a única que pode ser relacionada aos textos, em particular o
segundo que apresenta elementos de fácil identificação com a OTAN (aliança político-militar com
objetivos “defensivos” e composta por países da Europa Ocidental, EUA e Canadá).

05. Alternativa b.
Temendo a expansão socialista na Ásia com a eclosão da Guerra do Vietnã, gerando um
“efeito dominó”, os EUA decidiram intervir diretamente, enviando milhares de soldados e armas.
Apesar de sua avançada tecnologia militar, a rendição do norte não aconteceu, obrigando o governo
norte-americano a negociar sua retirada, em 1972.