Você está na página 1de 22

15/07/2014

Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE
Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO
Prof. MarcusVinícius Morais de Oliveira
IT 518 – Máquinas Motoras na Agricultura
Introdução Motor
Introdução
Motor
Introdução
Introdução
Sistema de Transmissão Mecanismos responsáveis pela recepção, transformação, e transmissão de potência do motor
Sistema de Transmissão
Mecanismos responsáveis pela recepção, transformação, e
transmissão de potência do motor até os locais de utilização nos tratores
Composto de:
• Embreagem,
• Caixa de Marcha,
• Diferencial e
• Redução final

15/07/2014

LocaisLocaisLocaisLocais dededede utilizaçãoutilizaçãoutilizaçãoutilização dededede
LocaisLocaisLocaisLocais dededede utilizaçãoutilizaçãoutilizaçãoutilização dededede PotênciaPotênciaPotênciaPotência nosnosnosnos tratorestratorestratorestratores

TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES

Funções

1- Transmitir potência do motor para os sistemas a ele acoplados.

2-Mudar o torque e rotação gerados pelo motor para torques e rotações requeridas para cada operação.

3-Prover meios para o operador controlar e regular as relações de transmissão.

Barra de Tração (BT) LocaisLocaisLocaisLocais dededede utilizaçãoutilizaçãoutilizaçãoutilização dededede
Barra de Tração (BT)
LocaisLocaisLocaisLocais dededede utilizaçãoutilizaçãoutilizaçãoutilização
dededede PotênciaPotênciaPotênciaPotência nosnosnosnos
tratorestratorestratorestratores
Tomada de Potência (TDP)
Engate de 3 pontos

TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES

Relações de transmissão

Transmissão da potência até os rodados

Tm . Nm . Et = Tr . Nr aprox. constante

Tm = torque no motor Nm = rotação no motor Et = eficiência do mecanismo de transmissão Tr = torque exigido pelos rodados Nr = rotação dos rodados

15/07/2014

TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES Relações de transmissão Potência nos Rodados O torque e a
TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES
Relações de transmissão
Potência nos Rodados
O
torque
e
a
rotação
dos
rodados
são
responsáveis pelo
desenvolvimento do esforço na barra de tração “Ft” e pela
velocidade de deslocamento “V” do trator.
TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES Relações de transmissão Perda de potência dos rodados até a BT
TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES
Relações de transmissão
Perda de potência dos rodados até a BT
TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES Relações de transmissão Potência na barra de tração
TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES
Relações de transmissão
Potência na barra de tração
Potência disponível para realizar operações agrícolas que exigem força de
tração.
TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES Relações de transmissão Perda de potência dos rodados até a BT
TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES
Relações de transmissão
Perda de potência dos rodados até a BT

15/07/2014

TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES Principais tipos:

1-Transmissões por engrenagens;

2-Transmissões por correntes;

3-Transmissões por correias;

4-Transmissões por rodas de atrito;

5-Transmissões hidromecânicas;

6-Transmissões hidrostáticas;

1-Transmissões por engrenagens Transmissões por engrenagens cônicas:
1-Transmissões por engrenagens
Transmissões por engrenagens cônicas:
1-Transmissões por engrenagens Transmissões por engrenagens cilíndricas
1-Transmissões por engrenagens
Transmissões por engrenagens cilíndricas
1-Transmissões por engrenagens Transmissões por engrenagens helicoidais e parafuso sem fim
1-Transmissões por engrenagens
Transmissões por engrenagens helicoidais e parafuso sem
fim

15/07/2014

1-Transmissões por engrenagens Relação de rotação entre engrenagens N1 Perímetro E1 r1 Perímetro 1 =
1-Transmissões por engrenagens
Relação de rotação entre engrenagens
N1
Perímetro
E1
r1
Perímetro 1 = 2π r1
Perímetro 2 = 2π r2
N2
Perímetro Percorrido
Perímetro Percorrido 1 = 2π r1 N1
Perímetro Percorrido 2 = 2π r2 N2
E2
r2
2π r1 N1 = 2π r2 N2
r1 N1 = r2 N2
N1=rotação motora;
N2=rotação movida;
D1=engrenagem motora, dentes;
D2= engrenagem movida, dentes
2-Transmissões por correntes
2-Transmissões por correntes
1-Transmissões por engrenagens Relação de torque entre engrenagens F1 Torque E1 r1 Ƭ1 = F1
1-Transmissões por engrenagens
Relação de torque entre engrenagens
F1
Torque
E1
r1
Ƭ1 = F1 r1
Ƭ2 = F2 r2
Força
E2
F1 = F2
r2
F2
3-Transmissões por correias
3-Transmissões por correias

15/07/2014

4-Transmissões por rodas de atrito
4-Transmissões por rodas de atrito
TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES EMEMEMEM TRATORESTRATORESTRATORESTRATORES Componentes do Sistema de
TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES EMEMEMEM TRATORESTRATORESTRATORESTRATORES
Componentes do Sistema de Transmissão

5-Transmissões hidromecânicas

Associação entre partes que compõem a transmissão mecânica e a hidráulica;

6-Transmissões hidrostáticas

O torque é transmitido aos rodados por meio de um fluído hidráulico, permitindo inúmeras variações relações de transmissão entre a mínima e a máxima velocidade;

EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM

Funções:

1. Permitir que se coloque o trator em movimento por meio de transmissão progressiva e suave da potência do motor a caixa de câmbio;

2. Permitir a troca de marchas pela interrupção da transmissão do movimento do motor à caixa de câmbio;

3. Permitir o engrenamento da árvore da TDP em alguns modelos de tratores (embreagem dupla).

15/07/2014

EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM

TIPOS MAIS COMUM DE EMBREAGEM DE TRATORES:

1. EMBREAGEM SECA:

Funciona de forma que o disco está em contato direto com o platô sem a ação de nenhum óleo lubrificante.

2. EMBREAGEM A BANHO DE ÓLEO:

O conjunto funciona dentro da caixa de transmissão.

EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM Desacoplado (debreado)
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
Desacoplado (debreado)
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM Componentes Disco Platô Volante do motor Colar Pedal da embreagem Árvore de
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
Componentes
Disco
Platô
Volante do motor
Colar
Pedal da embreagem
Árvore de manivelas
Eixo primário
Colar de embreagem
Molas de pressão
Placa de pressão
Disco de embreagem
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM Acoplado (embreado)
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
Acoplado (embreado)

15/07/2014

EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM EmbreagemEmbreagemEmbreagemEmbreagem dupladupladupladupla
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
EmbreagemEmbreagemEmbreagemEmbreagem dupladupladupladupla
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM

15/07/2014

EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM
EMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEMEMBREAGEM

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO

Consiste em um conjunto de engrenagens

Nos tratores agrícolas, tem função de reduzir o movimento de rotação do motor, multiplicando o torque.

Por meio de diferentes combinações de engrenagens proporciona escalonamento de rotações e de torque dando origem as marchas.

Facilitar a adequação da potência e o torque do trator com a atividade que se deseja realizar. Fazendo-a de maneira mais produtiva e econômica

EmbreagemEmbreagemEmbreagemEmbreagem
EmbreagemEmbreagemEmbreagemEmbreagem

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO

Tipos de sistemas de Câmbio

Sistema Caixa Seca (convencional)

Sistema de Caixa Sincronizada

Sistema de Caixa de Câmbio PowerQuad

Sistema de Caixa de Câmbio PowerShift

Sistema de Caixa de Câmbio infinita – (Exclusividade John Deere)

15/07/2014

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO

Caixa de Câmbio Convencional

Este sistema é o mais simples conjunto utilizado para transmitir o movimento do motor para as rodas de um trator.

Para fazer a troca de marcha em um trator equipado com caixa seca, deve-se parar o equipamento, pisar na embreagem e efetuar a troca da marcha.

A grande desvantagem deste sistema é o pobre escalonamento de marchas, por exemplo, uma determinada operação demanda uma velocidade de operação entre 6 e 7 Km/h e a relação de marchas mais próximas que este tipo de transmissão oferece é 5 e 9 Km/h.

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Convencional Coelho
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Convencional
Coelho

15/07/2014

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Convencional Tartaruga
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Convencional
Tartaruga
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Convencional

15/07/2014

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Convencional
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Sincronizada
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Sincronizada
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO CAIXA SECA
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
CAIXA SECA

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO

Caixa de Câmbio Sincronizada

O sistema de caixa sincronizada, permite fazer as marchas e as trocas de grupos com o trator em movimento, basta debrear o trator e efetuar a troca de marcha;

Este sistema é mais eficiente e produtivo que as caixas de câmbio convencionais (caixa seca).

15/07/2014

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio Sincronizada
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio Sincronizada
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO SINCRONIZADA ELETRO HIDRÁULICA
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
SINCRONIZADA ELETRO HIDRÁULICA
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO SEMI-SINCRONIZADA
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
SEMI-SINCRONIZADA
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio PowerQuad
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio PowerQuad

15/07/2014

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO

Caixa de Câmbio PowerQuad

É um sistema misto de cambio, entre um Sincronizado e um câmbio Progressivo,

A utilização de embreagem se faz necessária apenas durante trocas de grupos ou em caso de aproximação ou emergência

Vantagens em relação aos câmbios sincronizados:

Maior produtividade,

maior durabilidade,

melhor relação de marchas,

maior aproximação entre as marchas e maior conforto na troca das marchas.

O acionamento da marcha é realizado através da pressão hidráulica exercido em cada pacote de discos, dispostos um em cada marcha

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO

Caixa de Câmbio PowerShift

É um sistema onde o tanto as trocas entre grupos, como as de marchas são realizadas sem o uso da embreagem,

Em cada marcha há um pacote de discos acionados e lubrificados hidraulicamente.

Vantagens em relação aos câmbios PowrQuad:

Possibilidade de comandar as marchas através de um programa

computadorizado. Maior produtividade, maior relação de marcha, maior aproximação entre as marchas e maior conforto na troca das marchas.

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio PowerShift
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio PowerShift
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Caixa de Câmbio PowerShift Na faixa de trabalho para as
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Caixa de Câmbio PowerShift
Na faixa de trabalho para as operações de campo, de 5 a 12
km/h, o câmbio PowerShift oferece 8 marchas de trabalho.
Km/h
40
32
24
16
12
8
5
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
R1
R2
R3
R4

15/07/2014

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO POWERSHIFT
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
POWERSHIFT
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Comparativo entre os sistemas Velocidade Máxima Velocidade
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Comparativo entre os sistemas
Velocidade Máxima
Velocidade trabalho
Sincronizada
6 7,5
9
Velocidade Média
Velocidade trabalho
Velocidade Mínima
7,5
Velocidade Máxima
PowerQuad
6 9
Velocidade trabalho
Velocidade Máxima
Velocidade Mínima
PowerShift
6
9
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO Transmissão Infinitamente Variável Não possui posições
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
Transmissão Infinitamente Variável
Não possui posições
definidas para as
marchas e a velocidade
varia infinitamente
dentro de uma gama
determinada pelas
relações entre as
engrenagens do
conjunto.

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO

ESCALONAMENTO DE MARCHAS

Em tratores agrícolas a variação de velocidade de deslocamento não

deve ser obtida por meio da variação de rotação do motor (alavanca do acelerador)

O motor deve realizar a operação agrícola em rotação constante

(entre a rotação de POTÊNCIA máxima e de TORQUE máximo) = ROTAÇÃO NOMINAL DATDP

O

marchas

deslocamento recomendada em função do tipo de operação

Escalonamento

de

é

que

define

a

velocidade

de

15/07/2014

CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO SELEÇÃO DE MARCHAS
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
SELEÇÃO DE MARCHAS
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO ESCALONAMENTO DE MARCHAS
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
ESCALONAMENTO DE MARCHAS
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO ESCALONAMENTO DE MARCHAS
CAIXACAIXACAIXACAIXA DEDEDEDE CAMBIOCAMBIOCAMBIOCAMBIO
ESCALONAMENTO DE MARCHAS
SistemaSistemaSistemaSistema dededede cambiocambiocambiocambio
SistemaSistemaSistemaSistema dededede cambiocambiocambiocambio

15/07/2014

DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL Permite que as rodas motrizes girem à diferentes rotações
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
Permite que as rodas motrizes
girem à diferentes rotações
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL No diferencial existe um conjunto de satélites e duas planetárias, sendo
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
No diferencial existe um conjunto de satélites e duas
planetárias, sendo uma planetária para cada semieixo
do trator
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL

15/07/2014

DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL BLOQUEIO DO DIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
BLOQUEIO DO DIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL
DIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIALDIFERENCIAL

15/07/2014

REDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃO FINALFINALFINALFINAL

Produz grande redução de rotação e correspondente aumento de torque.

A redução final é necessária em veículos que usam rodas de grande diâmetro por causa da necessidade de maior torque de acionamento

Geralmente a relação de transmissão na redução final está na faixa de 4:1 a 5:1.

REDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃO FINALFINALFINALFINAL
REDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃO FINALFINALFINALFINAL
REDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃO FINALFINALFINALFINAL
REDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃOREDUÇÃO FINALFINALFINALFINAL
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA OOOO
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA OOOO EIXOEIXOEIXOEIXO
DIANTEIRODIANTEIRODIANTEIRODIANTEIRO
A transmissão dianteira de um trator tem a função de
distribuir a potência do motor também para o rodado
dianteiro, esta característica agrega em torno de 30%
de capacidade de tração do trator.
Tipos de transmissões Dianteiras: com acionamento
mecânico ou hidráulico

15/07/2014

SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA AAAA TDPTDPTDPTDP
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA AAAA TDPTDPTDPTDP
Tipo 1: 540 rpm, eixo de 35 mm para
tratores com até 65 kW de potência na
TDP
Tipo 2: 1000 rpm, eixo de 35 mm para
tratores de 45 a 120 kW de potência na
TDP
Tipo 3: 1000 rpm, eixo de 45 mm para
tratores de 110 a 190 kW de potência na
TDP
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA AAAA TDPTDPTDPTDP
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA AAAA TDPTDPTDPTDP
A rotação daTDP é independente da velocidade do trator
O acoplamento é feito antes da caixa-de-marchas
EMBREAGEM
CAIXA
EIXO PRIMÁRIO
COROA-PINHÃO
TDP
LUVA DE
ACOPLAMENTIO
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA AAAA TDPTDPTDPTDP
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA AAAA TDPTDPTDPTDP
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA AAAA TDPTDPTDPTDP
SISTEMASISTEMASISTEMASISTEMA DEDEDEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃOTRANSMISSÃO PARAPARAPARAPARA AAAA TDPTDPTDPTDP
A rotação daTDP varia com a velocidade do trator
O acoplamento é feito depois da caixa-de-marchas
TDP
ACOPLAMENTO
CAIXA-DE-MARCHAS
TDP

15/07/2014

PERDASPERDASPERDASPERDAS DASDASDASDAS TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES POTÊNCIA LÍQUIDA NO MOTOR
PERDASPERDASPERDASPERDAS DASDASDASDAS TRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕESTRANSMISSÕES
POTÊNCIA LÍQUIDA NO MOTOR
0,96 a 0,98
0,75 a 0,81
TRANSMISSÃO
0,85 a 0,89
0,90 a 0,92
EIXO
0,92 a 0,93
T.D.P.
BARRA DE TRAÇÃO
PADRÃO ASAE 496.2
ExemploExemploExemploExemplo Para se calcular com base no número de dentes (n), usa-se a relação MOVIDA/MOTORA
ExemploExemploExemploExemplo
Para se calcular com base no número de dentes (n), usa-se a relação
MOVIDA/MOTORA
ExemploExemploExemploExemplo Determinar a relação de transmissão e a rotação de uma roda motriz de 1,80m
ExemploExemploExemploExemplo
Determinar a relação de transmissão e a rotação de uma roda motriz
de 1,80m de diâmetro efetivo, sendo que a transmissão até o rodado
segue o esquema a seguir:

ExemploExemploExemploExemplo

RT = (n2/n1) (n4/n3) (n6/n5) (n7/n6) RT = (90/15) (85/25) (90/20) (80/90)

RT = 6*3,4*4,5*0,89 RT = 81,7:1 Para cada 81,7 rotações do motor a roda gira 1 vez

Se o diâmetro da roda é 1,80m

Perímetro da Roda = 2 π r

Perímetro da Roda = 2 π 0,90 = 5,65m

1 volta da RODA = 5,65m 81,7 rpm no MOTOR X volta da RODA/min 1200 rpm no MOTOR X = 82,99 m/min = 4,99 Km/h

15/07/2014

ExemploExemploExemploExemplo

RT = (n2/n1) (n4/n3) (n6/n5) (n7/n6) RT = (90/15) (85/25) (90/20) (80/90)

RT = 6*3,4*4,5*0,89 RT = 81,7:1 Para cada 81,7 rotações do motor a roda gira 1 vez

Se o diâmetro da roda é 1,80m

Perímetro da Roda = 2 π r

Perímetro da Roda = 2 π 0,90 = 5,65m

1 volta da RODA = 5,65m 81,7 rpm no MOTOR X volta da RODA/min 1200 rpm no MOTOR X = 82,99 m/min = 4,99 Km/h

Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia Dúvidas?Dúvidas?Dúvidas?Dúvidas?
Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia
Dúvidas?Dúvidas?Dúvidas?Dúvidas?