Você está na página 1de 9

Agrupamento de Escolas Ruy Belo

E.B 2,3 de Ruy Relo

Relatório científico observação de


amostras de mão de rochas
sedimentares e rochas
metamorfícas

Prof.: Maria João Serra


Andrey Deptulski Hequer
Ano: 8 turma: F nº:6

Ciência Naturais
Relatório ciêntifico
Observação de amostras de mãp de rochas sedimentares e rochas
matamórficas
Introdução

Rochas
Rochas: São agregados naturais de um ou mais minerais.

Geologia:(geo- terra, logia- estudo de). Ciência que estuda a Terra, as rochas, a sua genese,
estrutura, composição e formas de ocorrência.

Rochas Sedimentares
Cerca de 3/4 da Terra são cobertos por rochas sedimentares que revestem partes dos
continentes e dos fundos oceânicos. No entanto, estas formam apenas um película superficial
sobre as rochas magmáticas e metamórficas que constituem a maioria do volume rochoso
crustal.
Os sedimentos, precursores das rochas sedimentares, encontram-se na superfície terrestre
resultantes de fenómenos de meteorização e erosão de rochas pré-existentes assim como de
restos orgânicos. Assim são constituídos maioritariamente por areias, siltes e conchas de
organismos. Estes primeiros, formam-se à medida que a meteorização vai fragmentando as
rochas da crosta, sendo posteriormente transportados pela erosão.
Rocha sedimentar:É formada a partir da compactação e/ou da cimentação de fragmentos pela
acção do intemperismo* sobre uma rocha pré-existente. Essas podem ser boigénicas,
quimiogénicas ou detríticas.

Gênese da rocha sedimentar

1º Meteorização: Alteração física e química das rochas devido á acção dos agentes
erosivos(água, vento, temperatura e seres vivos.)

2º Erosão:Remoção das particulas resultantes da meteorização

3º Transporte: Pela água e pelo vento. As particulas transportadas designam-se por


sedimentos ou clasto.

4º Sedimentação: Na sediemntação dos sedimentos, depositam-se primeiros os mais


“pesados” (maiores). Os sedimentos organizam-se em estratos

5º Diagénese: Os sedimentos sofre um conjunto de acção fisíca e química que origimam a


rocha sedimentar coerente.

E dentro da diagénese está a Compactação: Diminuição do volume devido ao peso dos


sedimentos. Ocorre perda de água e redução de espaço vazio.

E a Cimentação: tranformações químicas de alguns sedimentos que em conjunto com a água


dissolvida agem como cimento

Relatório ciêntifico
Observação de amostras de mãp de rochas sedimentares e rochas
matamórficas
Tipos de rochas sedimentares

Conforme a origem dos sedimentos que as constituem, podemos classificar


as rochas sedimentares em detríticas, químiogenicas e biogenica.

Rochas sedimentares detrícas

Estas rochas formam-se a por acumulação de partículas sólidas de


diferentes dimensões, resultantes da alteração e desagregação de rochas
pré-existentes. Se as partículas se encontram soltas, as as rochas
sedimentares dizem-e detríticas não coerentes. Se as partículas estão
ligadas entre si, as rochas sedimentares são detríticas coerentes.

Rochas sedimentares quimiogenicas

Forma-se em consequencia da precipitações de elementos químicos numa


solução aquosa. Estas rochas resultam de processos que causam a
precipitações de substâcias dissolvidas na água. Deste tipo de rochas,
fazem parte o sal-gema, o gesso e alguns calcários.

CaCo3 calcário calcite

NaCl sal-gema forma-se por evaporação(evaporitos)

CaSo4 gesso

CaCo3 + HCl Co 2

Rochas sedimentares biogénicas

Estas rochas, também designadas de rocha sedimentar orgânicas, por


resultarem da acumulação de materias provenientes de seres vivos, incluem
os calcários coralígenos e conquíferos e os carvões

Os calcários coralígenos resultam, essencialmente da deposição de


estruturas provinientes de corais.

Os calcários conquíferos formam-se, principalmente, pela acumulação de


conchas de animais marinhos

Com o tempo essas rochas podem perde parcialmente os véstigios das


conchas e tormando-se muito compactas, formando um calcário comum

O carvão é uma rocha constiduida por restos vegetais. Encontra-se na


Natureza em estratos, alterando com as outras rochas, como, por exemplo,
os xistos e os arenitos.

Relatório ciêntifico
Observação de amostras de mãp de rochas sedimentares e rochas
matamórficas
Acção géologica do vento
Deflacção: remoção das areias soltas, sopradas e varrida pelo vento. A
superfície rochosa acaba por ficar nua e sujeitas a outras erosões

Corrosão: efeito a acção do vento carregando os materiais detríticos sobre


as rochas.

Rochas metamórficas

Metamorfismo: Processo de dinamica interna da terra. Atráves na qual


qualquer tipo de rocha sofre um conunto de transformações mineralogica e
estruturais, mantendo-se no estado sólido por acções dos agentes
metamorficos(elevadas temperaturas e pressões).

Metamorfismo é um processo lento, que ocorre entre 10 e os 30Kmde


profundidade e está associado a zonas de textônicas como zonas de
subducção e formação de cadeia montanhosa.

Factores de metamorfismo

• Tempo
• Temperatura
• Fluidos
• Pressão

Tipos de metamorfismo

Os principais tipos de metamorfismo são:

O metamorfismo regional: metamorfismo termodinâmico que afecta


grandes extenções da crosta e está, geralmente, associada as cadias
montanhosas, quer em zonas de colisões das placas continentais, quer em
zonas de subdução. Rochas como ardosía, filito, micaxisto e gnaisse
resultam deste tipo de metamorfismo.

E o metamorfismo de contacto: metamorfismo expirimentado pelas


rocha adjacente a uma intrusão magmática (formando-se uma aureola de
metamorfismo). O tipo de rocha encaixante, a quantidade de fluidos e a
temperatura são factores determinantes ao tipo de rocha metamorfica
resultante. Rochas como corneana, quartzito e mármore são rochas que
resultam deste tipo de metamorfismo.

Relatório ciêntifico
Observação de amostras de mãp de rochas sedimentares e rochas
matamórficas
Textura das rochas metamorficas
A textura das rochas metamorficas são determinadas a parti do tamanho,
forma e arranjos dos seus minerias.

As rochas metamorficas apresentam dois tipos principais de texturas, a


textura lepidoblástica e a texturara granoblástica.

Textura lepidoblástica
textura definida por minerais lamelares como as micas e as cloritas dispondo-se
sub-paralelamente. Os micaxistos são rochas com textura geralmente
lepidoblástica.

Textura granoblástica
como o nome indica, trata-se de uma textura na qual o arranjo dos minerais se dá
na forma de grãos que tendem a ser equidimensionais. Rocha que frequentemente
apresenta textura granoblástica é o gnaisse, cujos componentes principais são o
quartzo e feldspatos que mostram esta tendência equidimensional.

Estrutura gnassica
A maior parte dos minerais quase sempre não são visíveis a olho nu. Os
minerais se orgamizam em faixas paralelas, alterando os minerais claros e
escuros os quais não se destacam facilmente

Estrutura xistosa

A maior parte dos minerias é invisiveis a olho nu. Existem faixas paralelas
dos minerais.

Material

Rochas sedimentares

• Ácido clorídrico diluído


• Amostras

Rochas metamórficas
• Ácido clorídrico dliuído
• Amostras

Relatório ciêntifico
Observação de amostras de mãp de rochas sedimentares e rochas
matamórficas
Procedimento
A- Rochas sedimentares
• Observou-se as diferenças das cores de cada amostra dispónivel na
aula. Cada amostra tinham cores diferentes umas das outras
• Observou-se os tamanhos dos grãos de cada amostra e na
angulosidade dos grãos que compunham cada amostra.
• Observou-se também se a amostra quando bafajada tinha cheiro a
barro.
• Logo em seguida, observou-se que a ajuda de uma gota de ácido se a
amostra fazia efervescência com o ácido

B- Rochas metamórficas
• Observou-se as diferenças das cores de cada amostra dispónivel
na aula. Cada amostra tinham cores diferentes umas das outras
• Observou-se nos tamanhos dos grãos(se houve) de cada amostra
e na angulosidade dos grãos que compunham cada amostra.
• Observou-se na sua textura, nos arranjos dos minerais, se
estavam arrumados em linhas paralelas ou não.
• Observou-se também se a amostra fazia efervescência com o
ácido

Registo de resultado
A - Rochas sedimentares

Amostra 1
Nome: Calcario sedimentar
Cor: Branca
Granularidade: Grosseiro
Efervescência com o àcido: sim
Cheira a barro quando bafejada: não

Amostra 2
Nome: Calcário conquífero
Cor: amarelada
Granularidade: Fina
Efervescência com o àcido: sim
Cheira a barro quando bafejada: não

Amostra 3
Nome: Areia vulcânica
Cor: Preta
Granularidade: Fina
Efervescência com o àcido: não
Cheira a barro quando bafejada: não

Amostra 4
Nome: Areia fluvial
Cor: amarelada

Relatório ciêntifico
Observação de amostras de mãp de rochas sedimentares e rochas
matamórficas
Granularidade: fina
Efervescência com o àcido: sim
Cheira a barro quando bafejada: não

Amostra 5
Nome: Arenito
Cor: amarela
Granularidade: grosserio
Efervescência com o àcido: sim
Cheira a barro quando bafejada: não

Amostra 6
Nome: Argila
Cor: castanha
Granularidade: fina
Efervescência com o àcido: não
Cheira a barro quando bafejada: sim

Amostra 7
Nome: Conglomerado
Cor: cinzenta avermelhada / cimento vermelho
Granularidade: grosseira
Angulosidade dos grãos: angulosos
Efervescência com o àcido: sim
Cheira a barro quando bafejada: não

Amostra 8
Nome: Calcário Oolitíco
Cor: branco
Granularidade: fina
Efervescência com o àcido: sim
Cheira a barro quando bafejada: não

Amostra 9
Nome: seixos
Cor: várias
Granularidade: grosseiros
Angulosidade dos grãos: arredondados
Efervescência com o àcido: ---
Cheira a barro quando bafejada: ---

Amostra 10
Nome: carvão mineral
Cor: preta
Granularidade: fina
Efervescência com o àcido: não
Cheira a barro quando bafejada: não

Amostra 11
Nome: Marga
Cor: cinzenta
Granularidade: fina
Efervescência com o àcido: sim
Cheira a barro quando bafejada: sim

Relatório ciêntifico
Observação de amostras de mãp de rochas sedimentares e rochas
matamórficas
Rochas metamórficas

Amostra 12
Nome: marmóre
Cor: branca
Granularidade: fina
Textura: lepidoblástica
Efervescência com o àcido: faz
Estrutura: xistosa

Amostra 13
Nome: Xisto
Cor: cinzenta
Granularidade: fina
Textura: lepidoblástica
Efervescência com o àcido: não
Estrutura: xistosa

Amostra 14
Nome: ardósia
Cor: preta
Granularidade: fina
Efervescência com o àcido: não
Estrutura: xistosa
Textura: granoblástica

Discussão de resultado

A – rochas sedimentares
Nas rochas sedimentares observamos que o calcário apresentou uma cor
branca, o calcário conquífero presentou uma cor meio amarelada, a areia
vulcânica apresentou uma cor negra, a areia fluvial uma cor amarelada
assim como o arenito, a argila apresenta uma cor acastanhada, o
conglomerado apresenta uma cor cinzenta avermelhada com o cimento
vermelho ,calcário oolitìco apresentou uma cor mais abranqueada, os
seixos apresentou várias cores e o carvão mineral tem uma cor negra. A
granularida das rochas sedimentares classifica -se como grosso ou fino
dependendo da sua sedimentação. As rochas que apresentaram um grão
grosso foram as seguintes: o calcário,o arenito, o conglomerado e os seixos.
E as que apresentaram os grãos finos foram as seguintes: o calcário
conquíferos, a areia vulcânica, a areia fluvial, a argila, o calcário oolitíco, o
carvão mineral e a marga. As rochas sedimentares, algumas delas, fazem
efervescência com o ácido, pois teêm calcite na sua composição. Nas
amostras de mão que tivemos àfazer as experiências, as que apresentaram
uma efervescência com o ácidos foram: o calcário, o calcário conquífero, a
areia fluvial, o arenito, o calcário oolitíco e o marga. Algumas amostra tem
na composição argila, que lhe da o cheiro de barro quando bafajada, as
amostras que apresentaram o cheiro de barro foram as argila e a marga.

Relatório ciêntifico
Observação de amostras de mãp de rochas sedimentares e rochas
matamórficas
B – rochas metamórficas
Nas rochas metamórficas, observa-se que o mármore apresenta uma cor
branca, está rocha é originada do calcário expostas a altas temperaturas e
pressão. A sua composição apresenta grãos finos devido estar sob bastante
pressão na sua formação. Sua textura é lepidoblástica devido não ter grãos
visiveis a olho nu. Faz efervescênci com o ácido porque na sua composição
tem calcite e sua estrutura e xistosa devido a seus minerais não é visiveis a
olho nu. No xisto observou-se que sua cor era cinzenta e que tinha grãos
finos , por isso, sua textura é lepidoblástica, não tem na sua composição a
calcite, então não faz efervescência com o ácido, sua estrutura é xistosa
porque seus minerais não são visiveis a olho nu. Na última amostra
matamórfica, a ardósia apresenta grãos finos, na sua composição está
presente a argila, a sua estrutura é gnáissica porque os minerais organizam-
se em faixas paralelas e sua textura é granoblástica devido a arrumação
dos seus minérias.

Relatório ciêntifico
Observação de amostras de mãp de rochas sedimentares e rochas
matamórficas